30 Destaque. 38 Reportagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "30 Destaque. 38 Reportagem"

Transcrição

1

2

3 ÍNDICE Editorial 02 Zoom RH 04 Percurso Pedro M. Martins Múltiplos Olhares Flash Interview Paulo Lemos Estudo Barómetro RH Primeira Opinião 08 Helder Figueiredo Tema de Capa 10 Envolvimento dos colaboradores Vodafone Dupla Expressão 16 Artur Fernandes / Manuela Cruz Responsabilidade Social 18 «Projecto Eco-Driving» (Grupo Luís Simões) Crónica Formação 22 Nuno Nogueira Ensaio 24 Uma parceria de sucesso Crónica RH e Novas Tecnologias 28 Laiz Santana Oliveira 30 Destaque Recrutamento e selecção 36 Crónica Relações Laborais Cláudia Mendes Torres 38 Reportagem Aprender com os cavalos Crónica Saúde e Segurança no Trabalho Paula Amador Espaço RH Em Síntese/ O Treinador na Empresa In Loco «AIESEC Leaders Day» Coaching Ana Karina Milheiros/ Livros Opinião Luís Bento/ Agenda/ Legislação Grandeza no Dia-a-dia/ Sites Visto de Fora Denize Athayde Dutra/ Manuel González Oubel As Minhas Escolhas João Sevilhano 56 Lifestyle Viagem Praga 64 Crónica Woman 1

4 EDITORIAL Nº13 Janeiro 10 Director António Manuel Venda , Editora Executiva Ana Leonor Martins , Um novo ano Redacção Irina Pedro, Mário Sul de Andrade Colaboradores Artur Fernandes, Carlos Antunes, Denize Athayde Dutra, Humberto Silva, Jorge Araújo, Luís Bento, Manuel González Oubel, Manuela Cruz; Mário Ceitil (nesta edição) Ana Karina Milheiros, António Coimbra, Cláudia Mendes Torres, Gonçalo Perdigão, Helder Figueiredo, Laiz Santana Oliveira, Nuno Nogueira, Paula Amador Projecto Gráfico e Paginação Design e Forma, Fotografia Fotolia, João Andrés TeufTeufTeam Directora Comercial e de Marketing Sónia Maia , Assinaturas Impressão SOCTIP Sociedade Tipográfica, SA E.N. 10, KM 108, Samora Correia Distribuição VASP, MLP Media Logistics Park Quinta do Grajal Venda Seca Agualva Cacém Nº de Registo na ERC Nº de Depósito Legal /08 Tiragem exemplares Periodicidade Mensal JA António Manuel Venda Director Começamos com este número da «human» um novo ano, o segundo do projecto editorial da Just Media para o universo dos recursos humanos e da gestão. E começamos regressando ao alinhamento habitual, depois de em Dezembro passado termos feito a nossa edição especial de Nesse alinhamento, contudo, introduzimos duas novidades, uma coluna de opinião sobe o tema do coaching (inaugurada por Ana Karina Milheiros, que preside a uma associação de profissionais da área) e uma secção sobre responsabilidade social (em que o primeiro artigo apresenta o exemplo do Grupo Luís Simões, com um projecto que visa reduzir o impacto ambiental da sua frota de camiões). Uma curiosidade: o tema de capa (como uma empresa procura envolver os seus colaboradores, no caso a Vodafone Portugal), no arranque deste novo ano tem algumas semelhanças com a escolha que fizemos no início de 2009, no lançamento do projecto da «human»; na altura, destacámos também uma instituição de referência, o Banco Santander Totta, e o enfoque foi na valorização das pessoas, algo que nos pareceu ser aí uma realidade. Outra curiosidade: para ambos os casos entrevistámos a responsável pelos recursos humanos, agora Cecília João Bom, há 12 meses Isabel Viegas (duas das mais prestigiadas profissionais da área no nosso país); isto para além de também em ambos os casos termos tido a colaboração dos respectivos presidentes, Nuno Amado e António Coimbra. Não se fica obviamente por aqui a edição. Liderança (com uma reportagem sobre o que nesse campo se pode aprender com os cavalos), recrutamento e selecção (com as perspectivas de especialistas sobre a actividade este ano) ou a forma como as empresas podem ajudar os colaboradores a realizar os seus sonhos (com um caso bem feliz, da Altitude Software) são alguns exemplos dos trabalhos que preparámos. Mas há outros, para que este possa ser um mês de boas leituras. Votos de um excelente 2010! Propriedade e Edição Just Media, Lda Apartado 8302 EC Cabo Ruivo Lisboa Tel

5 PUB

6 ZOOM RH Percurso Pedro M. Martins, em são paulo Da consultoria à formação de executivos Texto: António Manuel Venda Depois de muitos anos em Portugal, Pedro M. Martins está agora em São Paulo, no Brasil, onde além da actividade de consultoria se dedica à formação de executivos. Com passagens relevantes pelo HayGroup e pela Mercer, ambas no nosso país, tendo depois fundado a PM International Consulting (http://www.pm-ic.com/), este psicólogo social e organizacional formado pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA) é agora conselheiro coordenador académico e professor da BBS Brazilian Business School (http://www.bbs.edu. br/) e director-geral do Institute of Executive Education, desta escola. Trata-se de um novo rumo profissional, depois de, como refere, «30 anos de consultoria em gestão estratégica de pessoas, desenvolvida em algumas das maiores empresas internacionais, em 22 países da Europa, das Américas e da Ásia». Pedro M. Martins decidiu agora capitalizar esta experiência no ensino universitário e na formação de executivos, estando a desenvolver um doutoramento Doctor of Business Administration (DBA) na ISCTE Business School (IBS)e tendo um envolvimento significativo em diversas actividades académicas na BBS, inclusive a edição, prevista para meados deste ano, de uma publicação científica sobre gestão estratégica de pessoas, denominada «Strategic HRM Journal» e destinada ao mercado internacional. PM International Consulting A desenvolver a sua actividade em São Paulo, Pedro M. Martins assinala: «A maior empresa portuguesa tem empregados, enquanto a maior empresa do Brasil tem empregados. O significado de ser um dos 10 melhores MBAs entre os MBAs do Brasil é muito diferente de ser um dos 10 melhores MBAs entre 50 MBAs.» Comparando a realidade que agora vive com a de antes, em Portugal, Pedro M. Martins refere que «a diferença maior é de escala», e explica: «O mercado português visto de fora é muito pequeno. Existem menos oportunidades, menos concorrência e menos recursos, por isso tornamo-nos defensivamente conservadores, e a competitividade das nossas empresas de consultoria depende mais do network pessoal dos seus líderes do que de critérios profissionais mais objectivos. Quando trabalhamos numa dimensão diferente, no mercado internacional ou mesmo num único grande país, tudo se torna muito mais dinâmico, competitivo e objectivo. Comparando Portugal com o Brasil, nós temos apenas 14 empresas com mais de empregados, enquanto as maiores 14 empresas do Brasil têm mais de empregados cada uma. A maior empresa portuguesa tem empregados, enquanto a maior empresa do Brasil tem empregados. O significado de ser um dos 10 melhores MBAs entre os MBAs do Brasil como é o da BBS é muito diferente de ser um dos 10 melhores MBAs entre 50 MBAs.» O Brasil tem-se revelado para Pedro M. Martins uma base mais interessante para o trabalho que desenvolve em diversos pontos do mundo, garantindo-lhe inclusive maior visibilidade enquanto profissional. «O mercado interno brasileiro é interessantíssimo e uma excelente plataforma para desenvolvimento de negócios internacionais», salienta. «O Brasil é um sério candidato ao G7, pertence ao BRIC (países que mais crescem no mundo), foi pouco atingido pela crise internacional, graças a uma banca sólida, é um dos maiores produtores mundiais de alimentos, desempenha um papel estratégico fundamental no campo energético e tem a maior reserva de água potável do planeta, para além de estar fortemente energizado com a realização do Campeonato do Mundo de Futebol em 2014 e com os Jogos Olímpicos de Por outro lado, considerando que é um dos maiores mercados internos mundiais, as filiais brasileiras das maiores multinacionais têm um significativo peso e enorme importância estratégica dentro dos seus grupos, pelo que tudo o que é realizado nessas filiais acaba por ter uma grande visibilidade internacional». Isso também aconteceu com os projectos de consultoria de Pedro M. Martins. «Foi assim comigo quando Herbert Demel deixou a presidência da Volkswagen do Brasil para assumir a presidência mundial da Fiat, ou quando recentemente negociei no Brasil projectos globais com a Alston e com a General Electric», conta. 4

7 ZOOM RH Sobre o seu projecto para a formação de executivos, Pedro M. Martins refere: «Apresentei o meu interesse a 15 faculdades em Portugal e a outras tantas no Brasil, mas não recebi qualquer resposta de Portugal. Recebi imediatamente resposta de quatro faculdades brasileiras todas entre as 10 melhores escolas de gestão do Brasil, que disputaram entre si a melhor proposta que poderiam apresentar-me.» Pedro M. Martins acabou por optar pela BBS e entrou no mundo académico e da educação corporativa. «O que é mais interessante é que o que à partida seria um projecto de desaceleração da minha actividade profissional como consultor tornou-se numa revitalização, tão desafiante, envolvente e compensadora como a própria consultoria». Quanto a voltar a trabalhar em Portugal, Pedro M. Martins revela algum cepticismo. «Gostaria muito de poder voltar a trabalhar em Portugal, onde não trabalho desde 2005, e eventualmente basear em Portugal a minha actividade internacional, sobretudo por razões familiares e culturais. No entanto, parece-me MÚLTIPLOS OLHARES O que nos vai trazer o ano de 2010? Enzo de Palma, Country Manager para Portugal da Cezanne Software JA Rita Xavier, Responsável por Desenvolvimento de Carreiras da SAP Ibéria SAP Fernando Chaves, Director de Comunicação e Business Development da Marsh Marsh O trabalho de consultoria de Pedro M. Martins tem sido distinguido sobretudo fora de Portugal. Em Agosto passado recebeu o «Prémio Reconhecimento», do Grupo Volkswagen, por um projecto de redesenho global das políticas e dos processos de gestão de pessoas da Volkswagen do Brasil, eleito entre projectos a concurso, que mais contribuíram para os resultados globais do grupo. cada vez mais difícil. Sou cada vez menos procurado e reconhecido em Portugal e cada vez mais procurado e reconhecido no mercado internacional, e infelizmente essa tendência tende a acentuar-se.» A verdade é que o seu trabalho em consultoria tem sido distinguido sobretudo fora de Portugal. Em Agosto passado recebeu o «Prémio Reconhecimento», do Grupo Volkswagen, pelo projecto «SPeM Strategic People Management» (projecto de redesenho global das políticas e dos processos de gestão de pessoas da Volkswagen do Brasil, eleito entre projectos a concurso, que mais contribuíram para os resultados globais do Grupo Volkswagen). Antes, já tinha recebido outros prémios, entre eles o «President s Council Honours of General Motors Corporation», referente ao projecto «P-1500» (desenvolvido em 16 países da Europa). «Os prémios mais significativos para os consultores são os que são atribuídos pelos clientes, devido ao impacto extraordinariamente positivo das suas intervenções» diz. «Isso permite que o mercado tenha uma melhor percepção da capacidade de intervenção de cada consultor, o que resulta invariavelmente em mais, e mais interessantes, projectos de consultoria.» «É inevitável, ao abordar este assunto, falar da crise que tem atrapalhado o mundo. Todos estão com esperança de que se consiga por fim sair do túnel e que se possa começar um novo período de crescimento. De facto, parece que 2010 será ainda um ano interlocutório, em que todos estarão focados em aproveitar os sinais de saída da crise para tomar indicações e decisões. Pelo menos a primeira parte do ano será assim. Depois, à medida que os sinais se tornarem mais certos, as empresas poderão voltar a fazer investimentos, a contratar pessoas, a planear o futuro, etc. Este ano de 2010 vai trazer-nos empresas diferentes com pessoas diferentes. Em particular o medo suscitado pela subida do preço do petróleo e os problemas associados à poluição farão com que já este ano se comece a semear de forma exponencial nas energias alternativas.» «O ano 2010 vai ser um ano de renascimento, fortalecimento e definição de novas estratégias de médio/ longo prazo. As sociedades, as empresas e as pessoas vêem-se obrigadas a reflectir no que fazem e como fazem. Este ano vai trazer uma mudança de comportamento que se sentirá a todos os níveis; essa mudança será marcada por preocupações com o clima, a sociedade, a urgência de inovar e investir de forma ponderada. As políticas de recursos humanos não podem ignorar este shift ; será preciso ajustar a forma como se planeia, recruta, desenvolve e avalia a performance, como se premeia, etc. A área de recursos humanos, como parceira de negócio, desempenha um papel fundamental num ano que se quer de recuperação e de eficiência organizacional. Por isso, importa revisitar os processos, reforçar as lideranças, captar e reter talentos, formar e apostar na inovação.» «A Marsh volta agora em Janeiro a fazer parte do grupo de especialistas que apresentarão as perspectivas sobre os principais riscos que afectarão o mundo em 2010, através do Global Risks Report, na Conferência de Davos. Na área de recursos humanos, a Marsh exorta as empresas a procurarem soluções que permitam mitigar alguns dos riscos que poderão afectar os seus colaboradores: a pandemia e outras doenças infecciosas, doenças crónicas, desemprego e sobre-endividamento das famílias. Este tipo de riscos tem registado uma forte tendência para aumentar, em número de casos e no impacto nas organizações (quebras na produtividade, aumento do absentismo). Além disso, a crise mundial e o seu impacto económico tem gerado um fortíssimo aumento do desemprego de média/ longa duração, com repercussões na capacidade de fazer face às obrigações com a banca.» 5

8 ZOOM RH FLASH INTERVIEW Paulo Lemos, da Meta4 Portugal «Passou o tempo dos projectos megalómanos.» Texto: António Manuel Venda Paulo Lemos lidera em Portugal a equipa de uma multinacional especializada em soluções tecnológicas de gestão do capital humano e intelectual, a Meta4, ocupando o cargo de director of sales and operations. Licenciado em «Geografia e Planeamento Regional», entrou a empresa em 2007, como sales manager, depois de ter passado pela MindSet Consulting, pela Compuquali GFI, pela Hewlett-- -Packard e pela Compaq. Na sua perspectiva, «em áreas ligadas aos serviços onde os recursos humanos são o pilar da organização e recrutar e reter os melhores talentos uma tremenda vantagem, um sistema de gestão de capital humano começa a ser encarado como um investimento». E acha que «passou o tempo dos projectos megalómanos». Que desafios lhe tem trazido a Meta4 nos últimos tempos? Sobretudo o desafio de trabalhar numa empresa especialista em recursos humanos, pressionada a antecipar sempre as necessidades do mercado, de forma a manter a liderança em termos de oferta. Como perspectiva o futuro da empresa, nomeadamente no que diz respeito a Portugal? Com a crescente maturidade que as empresas a operar em Portugal têm vindo a demonstrar em termos de gestão do capital humano, é crucial a necessidade de estabelecer parcerias que lhes permitam endereçar as questões relativas aos recursos humanos. Nesse sentido, pelo grau de conhecimento que tem do mercado, pela especialização e pela capacidade de envolvimento com os clientes, a Meta4 encontra-se numa posição preferencial para manter o lugar de liderança que hoje ocupa. E como é que vê o seu papel? Como o de elemento que lidera a melhor equipa em Portugal na área do software de gestão de capital humano. Facto comprovado pelo trabalho que temos vindo a desenvolver, crescendo de uma forma sustentada, bem como pela capacidade de adaptação das soluções às necessidades reais dos clientes, mantendo essa relação de parceria no tempo. É neste espírito de equipa, em que aprendemos todos com todos, que entronca a nossa força e a nossa agilidade na resposta. Que análise faz do mercado português das tecnologias «A tecnologia permite evoluir mais rápido ao nível dos processos, uma vez que vai libertando as pessoas para pensarem a organização, ao invés de as manter atadas à execução de tarefas que podem ser automatizadas», salienta Paulo Lemos. JA de informação (TI), para a gestão das pessoas nas organizações e até para outras áreas? É um mercado que tem vindo a amadurecer. Passado o tempo dos projectos megalómanos, os decisores começam a olhar para empresas que sejam especialistas na sua área de negócio, que lhes garantam um retorno rápido, bem como um custo mais ajustado de exploração dos sistemas. Houve portanto uma mudança de perspectiva Historicamente, a tecnologia tem vindo a ser encarada como um custo. Passada a tal fase da megalomania, os decisores voltam-se para uma lógica de quickwin, Os gestores começam a percepcionar alguma tecnologia como tendo a capacidade de lhes alavancar as vantagens competitivas; nomeadamente em áreas ligadas aos serviços onde os recursos humanos são o pilar da organização e recrutar e reter os melhores talentos uma tremenda vantagem. Nesta lógica, a aquisição de um sistema de gestão de capital humano começa a ser encarada como um investimento. Acredita que poderão vir da tecnologia os maiores desenvolvimentos ao nível da gestão do capital humano nas organizações? Não. A tecnologia limita-se a amplificar as vantagens e as desvantagens ao nível das metodologias e dos processos. Permite, isso sim, a capacidade de evoluir mais rápido ao nível dos processos, uma vez que vai libertando as pessoas para pensarem a organização, ao invés de as manter atadas à execução de tarefas que podem ser automatizadas. No fundo, trata-se de um ciclo auto-alimentado que permite que se repensem os processos com vista à optimização da organização, se implementem e se automatizem no sistema, libertando tempo para pensar outros processos... Visto desta forma, tem obviamente a vantagem competitiva de manter as organizações uns passos à frente da concorrência. 6

9 ZOOM RH estudo Estratégias RH para responder à crise Texto: Mário Sul de Andrade Um barómetro internacional sobre estratégias de recursos humanos para responder à crise. Realizado no âmbito do Assessment Circle Europe (ACE), uma aliança estratégica de consultores de recursos humanos europeus, implicou uma pesquisa que abrangeu cerca de 560 empresas europeias, das quais 85 portuguesas, das mais variadas dimensões e de diversos sectores de actividade. Hélio Moreira, director-- -geral da empresa portuguesa OptimHom, e Janice Caplan, uma consultora inglesa do The SCALA Group, conceberam a metodologia para este estudo, tendo contado com o apoio da Radboud Universiteit Nijmegen, da Holanda. Com os resultados já disponíveis, foi agora publicado em Portugal um relatório comparativo dos resultados portugueses com os dos restantes países. Este relatório foi elaborado por Hélio Moreira, em conjunto com Rui Guedes de Quinhones, responsável da P&S Consulting, do grupo português de recursos humanos Pessoas & Soluções. Do estudo efectuado, conclui-se segundo é referido no documento agora disponibilizado que «as empresas estão mais conscientes da necessidade de melhorarem a comunicação, o envolvimento e o apoio ao desenvolvimento dos seus colaboradores» e que «uma ténue maioria (54% concorda ou concorda totalmente) sente confiança nas opções estratégicas tomadas pela sua empresa para enfrentar a crise». Neste último aspecto, contudo, detectaram-se resultados bastante divergentes, sendo o Reino Unido o país que apresenta maior confiança nas opções tomadas (no caso de Portugal, assinala-se que «a percentagem baixa para 27%, com cerca de 53% a concordar parcialmente, o que reflecte alguns cepticismo face Nota: mais informações sobre o estudo podem ser obtidas por Hélio Moreira e Leonor Brito pessoasesolucoes.eu). às decisões das administrações»). No documento pode ainda ler-se que «existem sinais claros de que o nível da intervenção dos Recursos Humanos nas organizações está a melhorar, com a sua inclusão nas decisões estratégicas», que «a esmagadora maioria das organizações optou por se concentrar na sua actividade principal» e que «as estratégias dos gestores de recursos humanos, ainda que com assimetrias percentuais, parecem ter ido ao encontro do pretendido pela respectiva empresa, sendo bastante concludentes as suas apostas no desenvolvimento da liderança, da comunicação e da formação, no envolvimento dos colaboradores, a par com a melhoria dos fracos desempenhos, por um lado, e das competências de coaching das chefias directas, por outro». Os responsáveis concluem no documento que existe «uma tendência gradual na gestão dos recursos humanos em direcção aos conceitos de gestão do talento ou gestão integrada de recursos humanos (recrutamento, compensação, desenvolvimento, gestão do desempenho)». E acreditam, pelos resultados obtidos no estudo, que «apesar de algumas organizações ainda não estarem alinhadas com este consenso cada vez mais as empresas farão uso de ferramentas que incluam assessment e development centers, estudos de satisfação de colaboradores, bem como questionários de avaliação a 360 graus e de avaliação de competências on-line, a par com instrumentos de autodesenvolvimento». Além disso, assinalam, «serão igualmente valorizadas as iniciativas que incluam programas de coaching e mentoring, ombro a ombro com os planos de sucessão/ substituição extensíveis a toda a organização». 7

10 PRIMEIRA OPINIÃO Eu, SGPS JA Helder Figueiredo Director da Smart LMI Uma das buzzwords do início dos anos 90 foi «empregabilidade», ou seja, a capacidade de cada um em ser mais ou menos empregável, ou arranjar um emprego. Na altura, a discussão andou à volta das competências que cada pessoa deveria desenvolver para que os empregadores a vissem como potencial colaborador. Havia um enfoque ainda significativo nas competências técnicas, nos saberes-fazer relacionados com as novas tecnologias. Quase 20 anos depois, neste início de 2010, mais do que nunca o termo volta a fazer sentido, pois o extraordinário número crescente de desempregados em todo o mundo está a fazer com que seja necessário repensarmos toda a nossa vida ligada ao trabalho. Repensar quem? As grandes organizações mundiais? Os governos? Os sindicatos? As empresas?... Não, não, não e não. Repensarmo-nos a nós. Repensar cada um o seu posicionamento perante o trabalho. Imagine os benefícios que pode obter se conseguir agir no sentido de se tornar naquilo que quer ser, e acima de tudo imagine como se sentirá quando conseguir atingir esse objectivo. Afinal de contas, passamos uma grande parte da nossa vida a trabalhar e em muitos casos as recompensas são o papel para o fundo de desemprego, ou somente a carta a dispensar os nossos serviços. No entanto, cada um de nós é mais do que o Manuel lá do escritório ou o António que trabalha na fábrica. Cada um de nós tem uma família, amigos, saúde a preservar (seja física, seja mental, seja espiritual), tem interesses culturais e educacionais. O drama de muitos dos desempregados de hoje é o resultado de anos e anos de políticas de desenvolvimento das pessoas, que não as prepararam para serem mais do que faziam no seu dia-a-dia. Apesar das actuais obrigações legais, continuamos a olhar para a formação e para o desenvolvimento das pessoas como um custo a suportar e não um investimento de futuro. Crescer para ser uma Eu, SGPS é agir no sentido de olharmos para o nosso umbigo e dizer «eu sou importante, é em mim que vou investir». O desafio que lanço neste início de ano, época propícia a promessas e definição de objectivos, é que o façamos de forma SMART. Que os objectivos sejam «específicos», (1) definidos de forma concreta; «Mensuráveis», de modo a que possamos medir quando os conseguimos atingir; «Atingíveis», ou seja, humanamente possíveis de atingir; «Realistas», representando um desejo do qual sejamos capazes e estejamos dispostos a trabalhar para isso; e «Tangíveis», ou seja, quando pode ser experimentado através dos sentidos paladar, toque, visão, audição Há cerca de 20 anos, na época em que foi construída a ligação total da auto-estrada A1 (Lisboa-Porto), eu trabalhava num pequeno hotel na zona de Santarém. Um dos hóspedes regulares era um engenheiro civil alemão que me ensinou uma lição muito interessante. Saía para trabalhar por volta das cinco e meia da manhã, mas nunca regressava depois das 16 horas. Subia ao quarto, mudava de roupa e vinha ter comigo para saber que monumentos ou museus existiam nas redondezas, e que eventos culturais promoviam pela zona. Jantava cedo e deitava-se por volta das 22 horas. A riqueza cultural que levou de Portugal foi seguramente superior ao dinheiro que eventualmente ganhou com a construção da auto-estrada. Esta capacidade de viver como uma pessoa global, com interesses para além da componente laboral, fez-me ficar com inveja da capacidade que alguém tem de manter este equilíbrio entre as diversas áreas da vida. E provavelmente é alguém que não se incomodará muito se tiver que iniciar a sua vida profissional com objectivos diferentes, ou mesmo em áreas fora da sua zona de conforto. A diferença entre a «estória» que conto e a realidade de cada um é que este engenheiro, além de ter outra atitude, conseguiu que os seus comportamentos se adequassem a essa atitude, ou seja, definiu como objectivo conhecer o país que o acolheu durante uns meses e agiu nesse sentido. O desafio que lanço é que, nas reflexões de início de ano, cada um pense em si próprio e naquilo que quer ser. Imagine os benefícios que pode obter se conseguir agir no sentido de se tornar naquilo que quer ser, e acima de tudo imagine como se sentirá quando conseguir atingir esse objectivo. Votos de um excelente ano de 2010! (1) A sigla SMART é formada a partir das iniciais dos termos em inglês (no caso de específico, specific ). 8

11 PUB

12 TEMA DE CAPA Apostar no envolvimento das pessoas Uma experiência da Vodafone Portugal O envolvimento dos colaboradores com a empresa para conseguir melhores desempenhos e assim cumprir os objectivos. É a aposta da Vodafone Portugal, cuja experiência damos a conhecer neste trabalho através de depoimentos do seu presidente e da responsável pela comunicação e de uma entrevista com a directora de recursos humanos. Texto: Ana Leonor Martins/ António Manuel Venda Fotos: João Andrés «O índice de motivação e empenho na Vodafone Portugal é um dos mais elevados, situando-se entre os cinco melhores», revela Cecília João Bom, directora de recursos humanos da empresa de telecomunicações, na entrevista que a seguir publicamos. A responsável leva em conta para esta conclusão os resultados obtidos no «People Survey» realizado na empresa nos últimos três anos, bem como o benchmarking efectuado com as restantes empresas do Grupo Vodafone e também com empresas externas a nível mundial. O envolvimento dos colaboradores com a empresa é uma das preocupações da Vodafone, sendo o contributo da área de Comunicação Interna essencial para que esse envolvimento seja uma realidade. Luísa Pestana (na foto ao lado, segunda a contar da esquerda), directora de comunicação institucional, apoio à gestão e responsabilidade social, assinala: «A comunicação interna na Vodafone Portugal foi criada essencialmente devido à crescente preocupação da Administração relativamente à forma como a comunicação é feita com os colaboradores. Pretende-se que estes sejam informados em primeira mão relativamente aos grandes projectos e que se sintam parte integrante da estratégia da empresa, orientando o seu trabalho no sentido de contribuírem para os objectivos. Isto só é possível se os colaboradores estiverem bem informados e motivados, e a comunicação interna visa contribuir para estes aspectos.» Na Vodafone os membros da Administração estão muito próximos dos projectos de comunicação interna, já que têm envolvimento directo na grande maioria deles. Das várias actividades de comunicação interna que envolvem a Administração, Luísa Pestana destaca o pequeno-almoço semanal com o chief executive officer (CEO), António Coimbra (de quem publicamos a seguir um depoimento sobre o tema deste trabalho), em que pequenos grupos de cerca de 15 colaboradores participam, numa conversa informal, e a «Reunião Anual de Colaboradores», na qual são apresentados a todos os objectivos e desafios para o ano, havendo oportunidade de colocar questões aos administradores. Existe um «Plano de Comunicação Interna» anual, definido pela Direcção de Comunicação Institucional, Apoio à Gestão e Responsabilidade Social. Este plano está alinhado com a estratégia e com os objectivos anuais globais da empresa a nível local (a Vodafone Portugal) e do Grupo Vodafone, sendo formalmente aprovado pela Administração. O feedback sobre as acções desenvolvidas é obtido através de questionários de satisfação realizados após cada acção e através da recepção de sugestões e ideias, recebidas sobretudo através de correio electrónico. Outra ferramenta de retorno a nível interno é um questionário de satisfação destinado a todos os colaboradores e que é elaborado periodicamente na empresa e gerido pela Direcção de Recursos Humanos com o apoio da área de Comunicação Interna. Outras actividades desenvolvidas por esta área são as seguintes: Intranet da empresa, s internos, cartazes internos, reuniões de equipas, reuniões gerais de colaboradores (neste caso, com periodicidade anual), folhetos e mailings internos (cartas personalizadas) e ainda materiais promocionais. 10

13 TEMA DE CAPA 11

14 TEMA DE CAPA ENVOLVIMENTO DAS PESSOAS (A EXPERIÊNCIA DA VODAFONE) CECÍLIA JOÃO BOM «Privilegiamos o envolvimento e a participação de todas as pessoas.» Cecília João Bom, directora de recursos humanos da Vodafone Portugal, acredita que «quando as pessoas se sentem envolvidas com a empresa e se identificam com os respectivos valores têm certamente mais prazer e motivação para realizarem o seu trabalho». A juntar a isso, há também «um certo orgulho em pertencer a uma comunidade que contribui para o seu desenvolvimento, tanto do ponto de vista profissional como pessoal». Como vê a Vodafone o envolvimento dos colaboradores com a empresa e que estratégias definiu nessa área? Consideramos de máxima importância o envolvimento dos colaboradores com a empresa, tendo desde sempre adoptado uma política de dar a conhecer a todos a missão, a estratégia e os objectivos da Vodafone, bem como a evolução dos principais indicadores financeiros do negócio e do sector de actividade em que opera. Para tal, utilizam-se vários meios de comunicação interna ao longo do ano, consoante os assuntos, os intervenientes e os públicos-alvo. Que acções concretas desenvolvem? Anualmente, no início de cada ano fiscal, é realizada uma reunião com todos os colaboradores, na qual a Administração apresenta os resultados obtidos no período anterior e os objectivos estratégicos, os projectos e os desafios para o seguinte, permitindo assim que todos fiquem a conhecer onde estamos e para aonde vamos. Ao longo do ano, numa base trimestral, é distribuído por todos os directores um documento designado «Team Briefing», que inclui os principais indicadores do negócio e os resultados mais relevantes do trimestre transacto, quer ao nível global do Grupo Vodafone, quer na Vodafone Portugal. Este documento tem como objectivo que os directores e as restantes chefias se reúnam com as suas equipas para lhes apresentarem a evolução do negócio e, simultaneamente, aproveitarem para debater quaisquer outros temas que considerem de interesse. Adicionalmente, como forma mais informal de fomentar o envolvimento das pessoas, realiza-se regularmente um pequeno-almoço com o chief executive officer (CEO) e um grupo de cerca de 15 colaboradores, durante o qual estes têm a oportunidade de apresentar iniciativas e projectos que tenham desenvolvido na sua área de actuação, ou quaisquer sugestões sobre processos internos nos quais intervenham e que considerem poder ser melhorados. Que reflexos esperam ter em termos de negócio, com este envolvimento das pessoas? 12

15 TEMA DE CAPA «Numa empresa desta dimensão, com colaboradores em Portugal e cerca de a nível mundial, todos os dias surgem situações novas que requerem abordagens diferentes, mas é possível e fundamental desenvolver políticas de recursos humanos transversais a toda a organização de uma forma bastante consistente.» A avaliar pelos bons resultados que a empresa tem obtido, de forma consistente, ao longo dos seus 18 anos de existência, a nossa expectativa é a de que esta tendência se mantenha no futuro, continuando a privilegiar-se o envolvimento e a participação de todas as pessoas. No caso da gestão de recursos humanos, como é gerido este processo? Ao nível da gestão de recursos humanos, o envolvimento dos colaboradores é gerido através de dois processos fundamentais: a gestão do desempenho, que assenta na definição e na concretização de objectivos individuais, assim como no desenvolvimento de competências de acordo com o modelo adoptado na empresa, e o estudo anual de clima organizacional, através de um questionário designado por «People Survey». Quais as principais implicações nas pessoas? Por exemplo, a nível de motivação, desempenho, ambiente de trabalho No âmbito da gestão do desempenho, a definição de objectivos ambiciosos, mas exequíveis, alinhados com os objectivos do negócio, é um pilar essencial para gerir a motivação e o desempenho dos colaboradores. Como sabemos, as pessoas trabalham melhor e com mais motivação quando sabem o que se espera delas e recebem feedback claro e regular, por parte das chefias, sobre o seu desempenho. O «People Survey», realizado com o apoio de consultores externos, permite-nos conhecer de uma forma estruturada e confidencial a opinião dos colaboradores sobre diversos aspectos da empresa, nomeadamente o ambiente de trabalho, a gestão das equipas, a colaboração inter-- -departamentos, as políticas de recursos humanos, a cultura organizacional, entre outros. Tendo em conta os resultados obtidos no «People Survey» nos últimos três anos, bem como o benchmarking efectuado com as restantes empresas do Grupo Vodafone e também com empresas externas a nível mundial, podemos afirmar que o índice de motivação e empenho engagement index na Vodafone Portugal é um dos mais elevados, situando-se entre os cinco melhores. O sector em que a Vodafone actua tem algumas especificidades quando se promove projectos de envolvimento e valorização das pessoas? O sector das telecomunicações, pela sua dinâmica e pelas constantes mudanças tecnológicas e de mercado, requer que a empresa tenha pessoas altamente qualificadas e tecnicamente bem preparadas nos diversos níveis da organização, razão pela qual a Vodafone investe na formação, no desenvolvimento e na valorização dos seus colaboradores através da participação em programas de formação específicos ou de projectos, quer a nível local, quer internacional. Existe uma grande dinâmica interna e temos regularmente vários grupos de trabalho multidisciplinares em funcionamento. Há modelos de liderança que têm muito em conta o envolvimento dos colaboradores, sendo a liderança vista não como a do líder mas a liderança que existe na própria empresa, um ambiente de liderança que parte precisamente do envolvimento dos colaboradores para conseguir melhor desempenho e consequentemente melhores resultados. Sente que a Vodafone se pode integrar aqui em termos de liderança? Sem dúvida. Na Vodafone fomenta-se uma cultura de empowerment de todas as pessoas, no âmbito das suas responsabilidades e das funções que desempenham. A liderança não deve ser vista apenas pela forma como é exercida pela Administração ou pelos directores, mas sim como o reflexo de uma organização 13

16 TEMA DE CAPA ENVOLVIMENTO DAS PESSOAS (A EXPERIÊNCIA DA VODAFONE) Cecília João Bom é directora de recursos humanos da Vodafone Portugal desde 1992, tendo criado de raiz toda a arquitectura de recursos humanos da empresa, incluindo a definição de políticas, programas e processos. De 1987 até 1992 desempenhou funções semelhantes na Unisys Portugal, onde liderou o processo de fusão, na vertente de recursos humanos, entre as duas empresas (Sperry e Burroughs) que deram origem à Unisys. De 1978 a 1986 desempenhou o cargo de directora de pessoal na Sperry Computer Systems, onde criou e desenvolveu a área de Recursos Humanos de acordo com o modelo internacional da empresa-mãe nos Estados Unidos. Iniciou a carreira profissional em 1971, na Univac, uma empresa norteamericana de tecnologias de informação que tinha acabado de se instalar em Portugal, desempenhando aí diversas funções com responsabilidade nas áreas de gestão administrativa de pessoal, políticas remunerativas, recrutamento e selecção. A sua formação de base é na área de letras (Filologia Germânica), tendo ao longo dos anos realizado diversos cursos de gestão e especialização em Recursos Humanos, quer em Portugal, quer no estrangeiro, nomeadamente na Northwestern University (Estados Unidos), na London Business School (Reino Unido) e no IMD (Suíça). AMV com elevados padrões de desempenho, que procura sistematicamente inovar e ser competitiva, estimulando a participação de todos os colaboradores e onde cada um pode desenvolver as suas competências de modo a contribuir para os objectivos globais. Como é que num universo tão grande e heterogéneo se envolvem as pessoas com a empresa? Por exemplo, se falarmos de funções de atendimento até funções de alta direcção? Na Vodafone existem múltiplas formas e diversos programas para envolver e estimular a participação das pessoas nos diferentes níveis da organização. Posso citar, por exemplo, as reuniões regulares de cada direcção com a sua equipa, a participação em projectos quer a nível local, quer internacional e também o próprio modelo de governo da empresa, que incorpora a existência de quatro fóruns: Fórum RH, Fórum CRM (Customer Relationship Management), Fórum Inovação e Fórum Comunicação. Estes fóruns têm cerca de 10/ 15 participantes cada um, representativos das principais áreas funcionais da empresa, incluindo também um membro da Administração. Cada fórum tem um modelo próprio de funcionamento, reunindo-se com periodicidades que variam entre mensal e trimestral. Quanto ao envolvimento das pessoas que desempenham funções de atendimento, ele é feito através da coordenação das respectivas equipas e todas as pessoas podem apresentar sugestões e propostas de melhoria relacionadas com as suas áreas de actuação. Existe um programa específico para reconhecimento de sugestões/ propostas apresentadas pelos colaboradores que trabalham na área de apoio a clientes, as quais são analisadas e escrutinadas quanto à sua exequibilidade, através de um processo definido para o efeito. São estas pessoas que estão na linha da frente, em contacto com os clientes. Poderá neste caso falar-- -se numa aposta particular em termos do envolvimento com a empresa? A Vodafone sempre deu muita importância ao papel das pessoas que estão na linha da frente, em contacto com os clientes, precisamente porque entendemos que é fundamental que esses colaboradores estejam bem preparados e identificados com a empresa para lhes poderem prestar um serviço de qualidade. Temos investido muito na informação on-line, através da nossa Intranet, para que todos possam aceder rapidamente aos conteúdos de que necessitam e manterem-se actualizados, bem como na formação via e-learning, um método mais rápido e eficaz para treinar um elevado número de pessoas sobre os mais diversos temas, seja o lançamento de novos produtos ou serviços, seja simplesmente a adopção de novas políticas transversais à empresa. O que é que as pessoas ganham por estarem mais envolvidas com a empresa onde trabalham? Acredito que quando as pessoas se sentem envolvidas com a empresa e se identificam com os respectivos valores têm certamente mais prazer e motivação para realizarem o seu trabalho e também um certo orgulho em pertencer a uma comunidade que contribui para o seu desenvolvimento, tanto do ponto de vista profissional como pessoal. Como vê esta situação, quer em termos pessoais, 14

17 TEMA DE CAPA quer enquanto gestora de pessoas? Considero que a Vodafone, pelo sector de actividade em que actua, pela natureza do negócio, pelo seu estilo de gestão e pela preocupação que tem com os colaboradores, é uma das melhores empresas onde trabalhar em Portugal. É sem dúvida uma empresa muito exigente, que procura permanentemente inovar e manter a sua posição de liderança no sector das telecomunicações. Que diferenças vê entre gerir pessoas numa grande empresa mas em princípio com maior sensibilidade para políticas de recursos humanos e numa com poucas pessoas? É muito estimulante e desafiante trabalhar na Vodafone, embora o ritmo de trabalho seja extremamente acelerado. Vivemos permanentemente on-line, seja através do telemóvel, do Blackberry ou do PC portátil. Aliás, sendo o nosso negócio telecomunicações, não poderia ser de outra forma. Numa empresa desta dimensão, com colaboradores em Portugal e cerca de a nível mundial, todos os dias surgem situações novas que requerem abordagens diferentes, mas é possível e fundamental desenvolver políticas de recursos humanos transversais a toda a organização de uma forma bastante consistente, quer as mesmas sejam definidas apenas na Vodafone Portugal, quer, em certos casos, transpostas a partir de políticas globais definidas para todo o grupo à escala mundial. Eu já exerci funções idênticas em empresas multinacionais, mas com muito menor dimensão em Portugal do que a Vodafone, no entanto não acho que a questão se coloque em termos de ser mais ou menos fácil do ponto de vista de recursos humanos. Uma empresa de maior dimensão tem um grau de complexidade superior, que deriva da própria escala e do número de pessoas, requerendo abordagens diferentes e frequentemente mais sofisticadas, mesmo que se adoptem políticas idênticas em certas áreas da gestão de recursos humanos. Vodafone Na linha da frente Uma das razões do sucesso da Vodafone Portugal tem sido a capacidade, desde os tempos da Telecel, de aliar a estabilidade e a solidez dos seus quadros e das suas equipas de gestão com uma rara capacidade de inovação, não só tecnológica mas também de actuação estratégica. Uma capacidade que lhe advém em grande parte do valioso capital humano, uma das suas principais apostas. As empresas devem pôr regularmente em causa as suas estratégias e os seus planos, reajustando- -os ou alterando-os se necessário. E devem criar estruturas leves e delegadas que estimulem a participação e o contributo inovador dos colaboradores. Por isso, o seu sucesso passa também pela forma como desenvolvem políticas inovadoras de recursos humanos que motivem os colaboradores. Iniciámos um novo ciclo, em que vamos ter uma Vodafone ainda mais inovadora e ágil. Mas essa agilização nos procedimentos não se limita às características do seu posicionamento no mercado. Ela é, igualmente, acompanhada por novos modos internos de relacionamento entre colaboradores, quadros intermédios e gestores de topo, criando uma empresa ainda mais informal e participativa. Promover o tratamento pelo nome próprio, de modo a quebrar barreiras de comunicação, e apostar na confiança entre as pessoas, incentivar a comunicação multi-direccional, recolher sugestões de todos os colaboradores sempre que se vislumbre uma oportunidade de melhorar o serviço aos clientes ou de melhorar a excelência operacional na nossa empresa, serão princípios fundamentais que se pretende reforçar. Estamos a reforçar a cultura de meritocracia, a apostar num ambiente ainda mais estimulante, a adaptar a organização, a apostar nos melhores quadros, a recorrer a recrutamento externo só quando é preciso adquirir competências não existentes na empresa. Utilizamos os resultados dos surveys que nos permitem compreender, ao nível global e ao nível das áreas e das equipas, os pontos fortes e os aspectos em que poderemos melhorar. Organizamos reuniões periódicas para auscultarmos as opiniões dos colaboradores. Queremos que estes sejam informados em primeira-mão sobre grandes projectos e que se sintam parte da estratégia da empresa, orientando o seu trabalho no sentido de contribuírem para os seus objectivos. E estamos convictos de que, efectivamente, a Vodafone Portugal está na linha da frente no que respeita ao envolvimento e à participação de todos os colaboradores na vida da empresa. António Coimbra, chief executive officer (CEO) da Vodafone Portugal António Coimbra acredita que «a Vodafone Portugal está na linha da frente no que respeita ao envolvimento e à participação de todos os colaboradores na vida da empresa». 15

18 DUPLA EXPRESSÃO PG Artur Fernandes Advogado e Consultor de Recursos Humanos Culturas Tenho como cliente no norte do país uma empresa internacional de sucesso, coisa rara nos tempos que correm. Também esta empresa foi influenciada pela moda dos investimentos na China, mas ganhou juízo e está a regressar à Europa. Demorou dezenas de anos a construir uma imagem associada a qualidade, e essa imagem estava a ser destruída pela fraca qualidade dos bens produzidos por mão-de-obra escrava; isso levou a sede a tomar a decisão de regressar. O problema foi que, deslumbrados pelos custos reduzidíssimos que conseguia na China, paralelamente com a passagem da produção para a super-mega-fábrica chinesa, a empresa foi fechando fábricas na Europa. Restava a fábrica portuguesa quando tomaram consciência do disparate que tinham feito. Sorte a nossa, pois foi para Portugal que começaram a vir as produções mais sensíveis que a China não conseguia levar a cabo com os níveis de qualidade que o mercado exige. Para tentar remediar os problemas de qualidade chineses, com frequência deslocavam-se à China país técnicos portugueses e de outras nacionalidades, mas quase todos a trabalhar em Portugal, país com a única fábrica no velho continente. Por que razão três engenheiros portugueses na sua viagem à China só conseguiram ver problemas e coisas negativas e o holandês só conseguiu ver oportunidades? No mês passado, tive que ir ao norte resolver uns problemas neste cliente. Como é habitual, hospitaleiros como são, convidaram-me para almoçar. Fui com três engenheiros portugueses e um holandês, todos acabados de chegar da China. Aproveitei a oportunidade para satisfazer a minha curiosidade de pessoa dos recursos humanos sobre as condições de trabalho e o tipo de vida na cidade onde está a fábrica chinesa da empresa. Os engenheiros portugueses deram-me o panorama mais depressivo que se pode imaginar: a poluição era tanta que não se via o Sol, os chineses bebiam e jogavam de uma forma descontrolada, única forma de conseguirem resistir aos horários loucos de 12 horas por dia e com dois dias de descanso por mês, os salários pagos em tigelas de arroz e local para dormir, o enorme fosso entre ricos e pobres, enfim, não paravam de me contar as desgraças. Reparei que o engenheiro holandês não falava, apesar de estarmos a ter esta conversa em inglês por exigência de uma elementar regra de boa educação. Questionei-o directamente: E tu Jon, o que achaste? A resposta dele, em forma de pergunta para os colegas, foi desconcertante: Repararam na quantidade de bicicletas que lá havia? Claro! respondeu logo um dos três portugueses Pareciam formigas! Mas com a miséria que ganham, poucos podem ambicionar mais do que uma bicicleta! Mas continuou o Jon repararam que as bicicletas não tinham campainha? Ninguém tinha reparado. E o Jon, com um olhar sonhador perdido no vazio, continuou: Uma fábrica de campainhas de bicicleta, na China, seria uma oportunidade fantástica! Já estou a imaginar: campainhas, buzinas de pilhas, cores berrantes, vários tipos de toque! Um sucesso! Um dos portugueses, a rir dos sonhos do colega holandês, brincou: Mas, Jon, já imaginaste a barulheira que aquelas ruas teriam se as bicicletas tivessem campainhas? O holandês não se deu por vencido, e com os olhos brilhantes de entusiasmo respondeu: Isso não seria problema, pois podia-se sempre vender o kit de campainha e auriculares! Os engenheiros portugueses riram-se do holandês. Eu olhei para aquele alegre grupo de bons profissionais e concluí, preocupado: por que razão três engenheiros portugueses na sua viagem à China só conseguiram ver problemas e coisas negativas e o holandês só conseguiu ver oportunidades? Culturas diferentes fazem povos diferentes e crises diferentes. Agora eu percebia por que é que a Holanda, um país sem nenhuma riqueza natural, é um dos países mais ricos do mundo, e um país que a presente crise pouco afectou. 16

19 DUPLA EXPRESSÃO Vou experimentar servir-me do exemplo da criança que brincava no gelo e acreditar em Albert Einstein. «Se podes imaginar, podes conseguir!» Conta certa lenda que estavam duas crianças a patinar em cima de um lago congelado. Era uma tarde nublada e fria e as crianças brincavam sem preocupação. De repente, o gelo partiu-se e uma delas caiu na água. A outra criança, ao constatar que o seu amigo se estava a afogar debaixo do gelo, pegou numa pedra e começou a partir o gelo com todas as forças que tinha, conseguindo fazer o salvamento. Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino: «Como é que conseguiu salvá-lo? É impossível que tenha partido o gelo com essa pedra e com as suas mãos tão pequenas!» Nesse instante, apareceu um ancião que disse: «Eu sei como ele conseguiu.» Todos perguntaram: «Como?» O ancião respondeu: «Não havia ninguém por perto para lhe dizer que, dessa forma, não o poderia fazer, e ele simplesmente acreditou ser possível!» Num momento em que muitos defendem o poder do pensamento positivo, em que o livro «O Segredo» e as suas interpretações continuam nas listas dos mais vendidos, em que a força de acreditar parece a tábua de salvação para escapar à crise, para o início de 2010 proponho o desafio de concordarem ou não comigo Independentemente do que defendem os livros de auto-ajuda, pensar é uma função que a natureza nos atribuiu, que nos torna humanos e diferentes de todos os outros seres vivos. Será a nossa mente e a capacidade de pensar o nosso maior poder? O estado dos nossos pensamentos determina a nossa vida? A nossa vida pode mudar se mudarmos a nossa forma de pensar? Não obstante acreditar ou não no poder da atracção ou do pensamento positivo, serão as minhas possibilidades de sucesso iguais quando ajo de uma ou de outra forma? Vejamos Vou a uma entrevista de emprego e acredito que consigo a colocação; seria a minha atitude igual caso considerasse que não tinha qualquer possibilidade de atingir o meu objectivo? Em qual das frequências de pensamento será mais provável contratarem-me? Se a minha atitude for confiante? Ou se a minha atitude for derrotista? Em última instância, todos somos responsáveis pelos nossos pensamentos Somos responsáveis pelo bem e pelo mal que eles nos proporcionam. O pensamento positivo constitui o combustível que nos dá a força necessária para sermos resilientes, para seguirmos em frente, para persistirmos, por maior que sejam os obstáculos e as dificuldades com que nos deparemos. A capacidade de acreditar é a companheira inseparável dos empreendedores de sucesso, que transmitem positivismo, convicção, que agem, que lideram e levantam os seus projectos profissionais e pessoais. Posto isso, em início de ano, vou experimentar servir-me do exemplo da criança que brincava no gelo e acreditar em Albert Einstein, que disse: «Se podes imaginar, podes conseguir!» E os leitores, propõem-se a experimentar comigo? Feliz 2010! Podes imaginar? PG Paulo Marques Manuela Cruz Administradora da Célula

20 18

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos.

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Formada por uma Equipa de Consultores com uma consolidada e diversificada experiência, quer na área

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA O que é o ALD ProFleet2? É um serviço de dados que utiliza um sistema telemático avançado de gestão de frotas e que lhe permite administrar, localizar em

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

OPQ Perfi l OPQ. Relatório para as Vendas. Nome Sra. Exemplo 3

OPQ Perfi l OPQ. Relatório para as Vendas. Nome Sra. Exemplo 3 OPQ Perfi l OPQ Relatório para as Vendas Nome Sra. Exemplo 3 Data 28 Agosto 2014 www.ceb.shl.com www.transformece.com.br INTRODUÇÃO O Relatório para as Vendas da SHL ajuda a compreender a adequação potencial

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional

AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional Pág: 42 empresas de excelência para trabalhar em portugal Área: 19,00 x 26,00 cm² Corte: 1 de 6 AGUIRRE NEWMAN Liderança baseada na inteligência emocional Texto: Ana Leonor Martins Foto: Vítor Gordo A«A

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

A importância de um MBA

A importância de um MBA A importância de um MBA para dar o salto na carreira O investimento é grande e o retorno está longe de ser garantido, mas, ainda assim, continua a compensar tirar um MBA. Só que o título não chega. O mais

Leia mais

Marca Pessoal e Carreira Profissional

Marca Pessoal e Carreira Profissional O MERCADO Marca Pessoal e Carreira Profissional Managing Partner da Stanton Chase international Vivemos tempos difíceis! Tempos em que muitos passam por situações de desemprego, alguns têm que aceitar

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHCRecursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos CS

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Talentos. sofia.calheiros@conceitoo2.com

Talentos. sofia.calheiros@conceitoo2.com Talentos GERIR versus LIDERAR A subordinação? parente pobre parente nobre ou a inevitabilidade da complementaridade? GERIR versus LIDERAR Olhando para o mundo vemos a oferta no mercado: Cursos Superiores

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

1º edição. 20 empresas 200 participantes

1º edição. 20 empresas 200 participantes 1º edição 20 empresas 200 participantes O primeiro programa de Liderança interempresas, a realizar em Luanda, que desafia cada participante a explorar o seu potencial enquanto gestor de pessoas. Há diversos

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012 Human Resources Human Resources Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012, realizados pela Michael Page. O objectivo dos nossos Estudos de Remuneração

Leia mais

Riscos do Outsourcing

Riscos do Outsourcing Riscos do Outsourcing RISCOS FINANCEIROS Custos associados (processo de negociação) Custos não esperados RISCOS TECNOLÓGICOS Qualidade do serviço (degradação/má qualidade) Concorrência entre fornecedores

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

Os 7 Mandamentos da Destroika

Os 7 Mandamentos da Destroika Os 7 Mandamentos da Destroika 1 Intitula-se DESTROIKA. Trata-se de um Programa de Gestão de Mudança inovador. Afirma-se positivo e centrado nas pessoas e tem como objetivo salvar empresas e empregos. Este

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Modelo operacional Qual é o modelo organizacional do PDS? Trabalhamos bastante para chegar ao modelo organizacional certo para o PDS. E aplicamos

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Caderno de Apresentação Franquia

Caderno de Apresentação Franquia Caderno de Apresentação Franquia A Empresa A Genial Books iniciou suas actividades em dez/95 depois de um dos sócios conhecer o "Livro Personalizado", numa viagem de férias aos Estados Unidos. Vislumbrando

Leia mais

PHC dsuporte Interno BENEFÍCIOS. _Help-Desk e suporte pósvenda

PHC dsuporte Interno BENEFÍCIOS. _Help-Desk e suporte pósvenda PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, que permite desempenhar um melhor serviço aos clientes, aumentar o know-how

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Uma lição de vida? Nos meus últimos anos tenho aprendido muitas lições de vida mesmo. A que eu acho mais importante de transmitir são "os Resultados"

Uma lição de vida? Nos meus últimos anos tenho aprendido muitas lições de vida mesmo. A que eu acho mais importante de transmitir são os Resultados Gonçalo Carvalho Em entrevista exclusiva à Federação Equestre Portuguesa, meses antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, Gonçalo Carvalho fala da sua paixão pelo desporto equestre, da trajetória

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E Quem somos? Quem somos? O que fazemos? O que nos distingue? Onde estamos? 2 Quem somos? APRESENTAÇÃO A Talent Search foi

Leia mais

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital 8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital Empreender em negócios de marketing digital seguramente foi uma das melhores decisões que tomei em minha vida. Além de eu hoje poder ter minha

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Empreendedorismo aprende-se?

Empreendedorismo aprende-se? Empreendedorismo aprende-se? O tempo do empresário self made man parece ter os dias contados. A forte concorrência, cada 1 vez mais global, e a exigência do cliente obrigam os 'candidatos a empreendedores

Leia mais

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Os Prémios RH são o reconhecimento público do mérito dos profissionais da Gestão de Recursos Humanos que se distinguem nas suas várias dimensões. É crescente o prestígio

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Contexto Durante a história recente, as percepções públicas a respeito da indústria automobilística tem reagido de acordo com eventos e marcos globais

Leia mais

PHC dsuporte Interno. ππ Reportar o fecho de pedidos. remotamente ππ Consulta da agenda do técnico. ππ Equipamentos e Instalações

PHC dsuporte Interno. ππ Reportar o fecho de pedidos. remotamente ππ Consulta da agenda do técnico. ππ Equipamentos e Instalações PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, que permite desempenhar um melhor serviço aos clientes, aumentar o know-how

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Programa Avançado de Gestão

Programa Avançado de Gestão PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão Com o apoio de: Em parceria com: Nova School of Business and Economics Com o apoio de: PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão A economia Angolana enfrenta hoje

Leia mais

Grandes ideias no XL Group: ouvindo Mike

Grandes ideias no XL Group: ouvindo Mike Grandes ideias no XL Group: ouvindo Mike O Chief Executive Officer do XL Group, Mike McGavick, conta à FullCover como a sua empresa se posiciona em relação à gestão de talentos, riscos catastróficos e

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

MLM Master in Law and Management

MLM Master in Law and Management MLM Master in Law and Management diploma CONJUNTO novaforum.pt MLM Master in Law and Management Os participantes que completem com aproveitamento a componente lectiva do Programa receberão um Diploma de

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade.

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Descritivo completo PHC dcrm Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Benefícios Acesso aos contactos

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais