A técnica de controle proposta fundamenta-se

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A técnica de controle proposta fundamenta-se"

Transcrição

1 rtigo Metodologi pr o controle de qulidde dos estquementos tipo hélice contínu rotin SCCAP A técnic de controle propost fundment-se no utocontrole d execução dos elementos de fundção prtir d medição utomtizd do trblho relizdo ou d energi necessári pr escvção de cd estc do estquemento, executd com equipmento tipo hélice contínu monitord. As rotins proposts pel técnic SCCAP, entre s quis medid do trblho relizdo o escvr um estc, indicção d velocidde crític de perfurção e o controle esttístico do estquemento, podem orientr perfurção e indicr durnte execução se é necessário corrigir profundidde préestbelecid em projeto. O SCCAP, incorpordo o softwre de monitormento ds estcs hélices contínu, prte de um mostr coletd (trblho relizdo ns estcs deste grupo) junto o subconjunto d populção, o estquemento, pr grupr esses ddos em um distribuição de frequênci, determinndo su médi e o seu desvio pdrão. Ele permite montr critérios de ceitção em função d médi e do desvio pdrão, possibilitndo consequentemente relizção do controle utomtizdo, em tempo rel, do restnte do estquemento com bse em um grndez físic, o trblho relizdo ou energi necessári pr execução de um estc. Crlos Medeiros Silv Embre Empres Brsileir de Engenhri e Fundções Ltd, José Cmpum de Crvlho Universidde de Brsíli, Com técnic propost, o controle de execução dos elementos de fundção, d escvção à concretgem, pss ter função mis nobre que o d simples verificção ds condições de execução. Atrvés ds rotins proposts, o executor e o projetist podem verificr o trblho relizdo Investigção de cmpo Ensio Geofísico 50 FUNDAÇÕES & OBRAS GEOTÉCNICAS

2 que está relciondo com cpcidde de crg dotd em projeto durnte execução de cd elemento d fundção, justndo o projeto ponto ponto. Cpcidde de crg de estcs hélice contínu No Brsil, recentemente, estão sendo empregds estcs do tipo hélice contínu em locis com presenç de nível d águ. Ests estcs devem possuir como principl vntgem o mior controle n execução qundo comprds outros tipos de fundção. Entretnto, tem-se observdo que o seu monitormento e os ddos obtidos trvés dele são negligencidos e, muits vezes, usdos pens como propgnd engnos. Segundo Albuquerque et l (2001), este tipo de fundção surgiu em medos d décd de 50 nos Estdos Unidos, pssndo ser utilizdo n Europ prtir d décd de 70, chegndo o Brsil n décd de 80. Inúmeros métodos desenvolvidos pr o cálculo d cpcidde de crg de estcs hélice contínu form propostos recentemente, dentre os quis podemos citr: o Método de Alonso (1996), bsedo no SPT-T; o Método de Antunes & Cbrl (1996) e o Método de Cbrl et l (2000), bsedos no SPT; o Método de Vorcro Modelo 3D bsedo nos ensio de cmpo sondgens SPT e Rottiv & Velloso (2000), que utiliz nálise de regressão múltipl, dndo um enfoque esttístico o cálculo; e o Método de Bustmnte & Gineselli (1998), com bse em resultdos de ensios de SPT, CPT e PMT, métodos descritos de form resumid em Albuquerque et l (2001). Entretnto, não foi encontrd nenhum propost ou rotin de controle que relcione o trblho relizdo ou energi dissipd durnte execução ds estcs com su cpcidde de crg. Algums metodologis empírics sobre o controle de qulidde trvés do torque pr verificção do desempenho de ncorgens helicoidis utilizds em linhs de trnsmissão de energi podem ser encontrds. Ests ncorgens possuem técnics de instlção que se ssemelhm de um estc hélice contínu. Tsuh (2006, 2007), trvés dos resultdos dos ensios de modelgem físic em centrífug, verificou relção teóric entre o torque de instlção durnte crvção e cpcidde de crg trção ds estcs hélices crvds em solos renosos, sinlizndo que pode existir um relção entre o torque cumuldo, energi dissipd ou o trblho relizdo durnte escvção de um estc hélice e su cpcidde de crg. Arujo et l (2009) procurrm compreender o comportmento e interção entre o torque e o solo do Distrito Federl. Eles nlisrm resultdos de provs de crg e sus relções entre o torque obtido durnte escvção de um estc, o NSPT e cpcidde de crg pr solos de um obr edificd n orl no lgo Prnoá, em Brsíli, no complexo hoteleiro It Brsil (vej figur 4). Eles perceberm que sob condições controlds o torque cumuldo, o SPT médio o longo d estc e cpcidde de crg são dependentes e proporcionis. Existem grndes semelhnçs entre o processo de crvção/escvção ds estcs helicoidis e escvção ds estcs hélices contínu, principlmente no processo de introdução d ferrment no solo. É possível tmbém firmr que mbos relizm trblho (W) pel tução de um forç, neste cso vriável, que provoc deslocmento e consequentemente introdução do trdo no solo. Todo o trblho gerdo nest operção é dissipdo pel ção do trito e pel energi gst n desestruturção do solo, trtndo-se, portnto, de um processo onde energi gerd não é conservd. Mecnismo semelhnte este é obtido n crvção de um mostrdor pdrão durnte um ensio NSPT, onde quse tod energi é dissipd pelo trito mostrdor-solo. Ms é preciso lembrr que s forçs de trito, qui considerds forçs não-conservtivs, tentem dissipr energi mecânic relizndo trblho negtivo. Entretnto, energi totl, em seu sentido mplo, se conserv, pois s forçs de trito são convertids em clor que tmbém é um form de energi. Um lert pr importânci do impulso durnte execução de um estc hélice foi feito por Arujo et l (2009). Eles lembrrm que um forç ou um torque de pequen mgnitude, plicdo durnte um grnde espço de tempo, pode gerr o mesmo FUNDAÇÕES & OBRAS GEOTÉCNICAS 51

3 cpcidde de crg, o que de fto ocorre qundo s condições de execução estiverem sendo controlds. Observou-se que os vlores de crg últim, obtidos ns provs de crg e correspondente à deformção equivlente 10 % do diâmetro, são correlcionáveis com o torque cumuldo, somtóri do torque médio obtido metro metro durnte execução d estc. Est relção presentou correlção stisftóri. Figur 1 Cpcidde de crg últim vs. torque cumuldo Linh de tendênci liner deslocmento provocdo por um forç ou um torque de mgnitude elevd plicdo em um curto intervlo de tempo. Entretnto, é possível firmr que o trblho nos dois csos é equivlente, pois o deslocmento finl será o mesmo, ou sej, potênci, que é o trblho relizdo por unidde de tempo, está diretmente ligd o conceito cim presentdo. Um máquin de mior potênci ger um torque de grnde mgnitude e relizrá em menor tempo o trblho necessário pr escvr um estc, qundo comprd um máquin de menor potênci que precisrá de mis tempo pr escvá-l. Em um máquin hélice contínu, o torque disponibilizdo é dependente d potênci dos motores mecânicos, d bomb hidráulic, ds cilindrds dos motores hidráulicos, ds relções entre o pião e engrengem do cbeçote, dentre outros ftores. Arujo et l (2009) executrm seis provs de crg em estcs com diâmetro de 40 cm, com o objetivo de verificr relção entre o torque, pressão de injeção e cpcidde de crg. Do totl ds estcs ensids, três form executds com profundidde de 9,00 m, cot de ssentmento d obr, e um com 6,00 m, com s pressões médis de injeção de concreto dotds n obr, ou sej, form monitords e concretds com pressão de injeção de concreto vrindo entre 0,3 e 1,0 br, pressão comumente utilizd n região. Outrs dus estcs form executds vrindo-se pressão, um com pressão médi de injeção de 5,0 br e outr com pressão de injeção próxim de zero, visndo observr influênci dess pressão n cpcidde de crg. É importnte slientr que Arujo et l (2009) controlrm velocidde de vnço d hélice e rotção propositdmente, procurndo mnter ests dus importntes vriáveis sob controle. Eles mntiverm velocidde de vnço entre 150 m/h e 180 m/h e rotção entre 6 e 8 r.p.m., minimizndo o efeito do impulso. Este é um procedimento de difícil implntção durnte execução de um obr, ms que conduziu o experimento resultdos stisftórios (vej figur 1). Tods s nálises de cpcidde de crg ds estcs feits por Arújo et l (2009) form relizds trvés do torque cumuldo. Acreditv-se, nquele momento, que grndez ser controld er o torque, pois deveri estr diretmente relciond com Influênci n cpcidde de crg Outros ftores podem influencir de form positiv ou negtiv cpcidde de crg d estc, pois durnte crvção/escvção podem ser dotdos procedimentos indequdos. Como exemplo, podemos ver que Viggini (1989) propôs um velocidde crític pr o vnço d escvção, onde velocidde não deve ser inferior este limite, bixo dest velocidde, que é função ds dimensões d hélice e de su rotção, porque pode hver descompressão do solo. Tmbém é preciso evitr o excesso de prlisção durnte escvção com hélice girndo, operção conhecid n prátic d engenhri de fundções como lívio. Este procedimento trnsport o solo pr superfície, reduzindo o nível de confinmento d hélice. Resslt-se ind que pressão de injeção do concreto contribui pr umentr ou diminuir cpcidde de crg d estcs, pré-densndo o solo circunvizinho à estc ou quebrndo estrutur de determindos tipos de solo como, por exemplo, o d rgil poros de Brsíli. Até escolh do equipmento está diretmente ligd o bom desempenho ds fundções. Verific-se que, em lgums obrs, onde o equipmento está subdimensiondo, utiliz-se o rtifício de retird totl d hélice pr limpez totl ou prcil do trdo, possibilitndo ssim finlizção d escvção. Nestes csos, 52 FUNDAÇÕES & OBRAS GEOTÉCNICAS

4 não há mis execução um estc tipo hélice contínu. Logo, fic evidente que cpcidde de crg está ligd diversos ftores, e não pens o torque ou o trblho medido durnte escvção. Ms pr estcs hélices executds dentro de condições técnics recomendds e controlds, o torque cumuldo e, principlmente, o trblho relizdo durnte escvção de um estc, pode ser um ferrment útil pr tomd de decisões durnte e pós su execução. A vribilidde geotécnic em termos de resistênci NSPT n obr nlisd pode ser verificd n figur 2. Est vribilidde obrigou doção de profundiddes vriáveis no projeto de fundções com o intuito de mnter mesm cpcidde de crg pr estcs com o mesmo diâmetro. O método SCCAP No método executivo e de monitormento trdicionl, profundidde de escvção é previmente fixd pelo projetist e gerlmente não é lterd durnte execução. No entnto, em um perfil com geologi estruturl dobrd, como é o cso do Distrito Federl, tl prátic pode conduzir erros significtivos, principlmente qundo o solo não mostrdo, solo entre furos de sondgem, present bix resistênci. O método SCCAP busc eliminr esse risco por meio do controle de cd estc durnte o próprio processo de escvção. O equipmento utilizdo foi um EM 60, de fbricção CZM Foundtion Equipment, que efetu trnsferênci de torque pr ferrment de perfurção, hélice, por meio de um cbeçote de rotção posiciondo o pé d torre de perfurção, Botton Drive CFA. A posição do cbeçote possibilit utilizção de um forç xil descendente, pull down, pr uxilir escvção em solos resistentes. Foi utilizdo o sistem de monitormento SACI, d Geodigitus, que é Figur 2 Vribilidde de resistêncis NSPT d obr nlisd constituído por um computdor e vários sensores, descritos em Cost et l (2008). O monitormento permite obtenção, trvés de sensores, dos seguintes ddos: profundidde, tempo, inclinção d torre, velocidde de penetrção do trdo, velocidde de rotção do trdo, pressão do óleo, velocidde de retird (extrção) d hélice, volume de concreto lnçdo e pressão do concreto. É importnte lembrr que o sistem não inform diretmente o torque, sendo necessário converter pressão de óleo (br) medid no sistem em torque (N.m) e, pr tnto, é necessário conhecer especificção dos motores hidráulicos, dos redutores e relção entre o pião do redutor e d engrengem do cbeçote. No cso, trnsformndo pressão obtid máxim do sistem em torque, verificouse que o mquinário pode produzir torque de té N.m. O fto observdo por Arújo (2008), qundo comprou provs de crgs e torque cumuldo em obrs distints produzids por diferentes conjuntos (operdor/mquinário), que o ftor tempo está diretmente ligdo potênci do equipmento e influenci diretmente medid do torque, motivou procur por um grndez que não dependesse do impulso (vej figur 1), no cso, o trblho relizdo ou energi mecânic dissipd durnte escvção d estc, pois est depende pens ds forçs plicds e do deslocmento d hélice. Observndo execução de um estc hélice, pode-se firmr que, o finl d escvção de um estc, energi totl dissipd ou o trblho totl relizdo é somtóri do trblho relizdo pels forçs plicds no helicóide (trdo), com o trblho relizdo pel forç descendente (pull down) e mis energi potencil inicil do sistem em relção à cot finl de escvção. O trblho produzido pel energi potênci e pel forç descendente, pull down, será considerdo constnte, pois ind não form instldos sensores de pressão no pistão de plicção do pull down. Tmbém é importnte lembrr que o primeiro depende pens d cot finl d estc, e, o segundo, produzido pel forç descendente, depende bsicmente do procedimento dotdo em cd conjunto, operdor/mquinário. Procedimento que será inicilmente considerdo como rotin de execução dotd em cd obr, pelo menos té que se poss monitorr est grndez pr verificr su influênci n metodologi SCCAP propost. Prtindo-se ds hipóteses cim considerds, monitorou-se o trblho relizdo durnte escvção ds estcs, que é o produto esclr do vetor forç pelo vetor deslocmento. Isso quer dizer que se o ponto de plicção d forç sofrer um deslocmento finito desde posição, cot inicil, té posição b, cot finl, segundo um FUNDAÇÕES & OBRAS GEOTÉCNICAS 53

5 determindo percurso, cminho percorrido r, o trblho relizdo pel forç será proximdmente: b b b b b W b = F. dr + b mtgle + F. dle W = F. dr + mtgle W = + F. F. dr dle+ mtgle + F. dle W = F. dr + mtgle + F. dle onde, r = π.d onde, r = π.d onde, d = diâmetro r onde, = π.d do r d = trdo = π.d diâmetro do trdo d le = diâmetro comprimento do trdo le d = comprimento estc d estc d = diâmetro do trdo le = comprimento d estc em que, le = o comprimento integrl, é um d integrl estc curvilíneo, pois o cminho do trdo, neste cso, é o perímetro do trdo multiplicdo pelo número de volts dds pelo helicóide durnte escvção d estc. A quisição utomtizd dos ddos, trblho relizdo durnte escvção de um estc, foi implementd no softwre de monitormento ds estcs, permitindo rápid quisição de ddos e consequentemente o trtmento e nálise dos ddos. Pr subsidir s nálises relizou-se um prov de crg estátic sobre estc E12-D, bloco D, de um obr relizd em Brsíli, Distrito Federl (vej figur 3), ensid de cordo com NBR 13131/91. A estc ensid presentv diâmetro de 0,4 m e comprimento de 10,16 m que, devido o subsolo existente n obr, foi executd prtir d cot -5,00 m, cot referencid n sondgem d figur 2. É presentdo ns tbels 1 e 2 o trblho necessário pr executr dois conjuntos de estcs com diâmetro de 40 e 50 cm n obr estudd. No cso nlisdo, entre s estcs de 50 cm, 75 estão com 13,00 m, 59 com 11,00 m e 9 com 10,00 m de profundidde. Entre s estcs de 40 cm, 25 estão com 13,00 m, 13 com 11,00 m e 11 com 10,00 m de profundidde. O comprimento vriável tent compensr os dobrmentos geológicos encontrdos e registrdos ns sondgens, e s estcs, pesr de presentrem profundiddes distints, form projetds com cpciddes de crg semelhntes. Figur 3 Prov de crg relizd sobre estc tipo hélice continu E12-D Tbel 2 Trblho necessário pr execução de 50 estcs de 40 cm no residencil Ilhs Murício, em MJ Est populção de estcs present s crcterístics demonstrds n tbel 3: medids de tendênci centrl, médi e medin, o primeiro e o segundo momento ds populções, desvio pdrão e vrinç. Tbel 1 Trblho necessário pr execução de 133 estcs de 50cm do residencil Ilhs Murício em MJ Tbel 3 Crcterístics esttístics ds populções composts pels estcs de 40 e 50 cm em MJ 54 FUNDAÇÕES & OBRAS GEOTÉCNICAS

6 Fic clro, então, que o trblho relizdo ou energi mecânic dissipd pr executr um estc pode ser monitordo trvés de softwre proprido, e que utilizção dos ddos, e principlmente s crcterístics esttístics dest populção, o estquemento, podem ser utilizdos pr o controle de qulidde do estquemento. A técnic de controle propost se fundment no monitormento d execução do estquemento, n orientção e correção de procedimentos durnte execução de cd estc, utilizndo como bse o bnco de ddos obtido durnte o monitormento ds estcs e s sus crcterístics esttístics. As rotins proposts pel técnic SCCAP bseim-se, principlmente, n medid do trblho relizdo o escvr um estc, trvés de rotins incorpords o softwre de monitormento ds estcs hélices contínu. Prte-se d comprovção de que o trblho relizdo em cd estc do estquemento, executdo por um determindo processo do conjunto máquin/operdor, form um populção que, qundo grupd, enqudr-se em um distribuição norml, permitindo montr critérios de ceitção em função d médi e do desvio pdrão d populção ou de um mostr coletd dest populção. O conceito de processo de execução pode ser considerdo universl. Assim, sej pr fbricção de um utomóvel, um prtid de xdrez e té mesmo pr o processo de execução de um estc, o conceito pode ser estendido. Prticulrmente, o processo de executr um estc pode ser representdo por um sistem provido de entrds e síds. As de entrd são representds pels vriáveis de entrd ou prâmetros de processo (cuss), como potênci do equipmento, operção, s crcterístics geotécnics, entre outrs; e s de síd por crcterístics de qulidde (efeito), como cpcidde de crg. A qulidde e segurnç que se desej em um estquemento é que essencilmente cumpr os requisitos pr os quis foi projetdo, ou sej, que tenh cpcidde de crg dequd e presente deformbilidde dentro dos limites pré-estbelecidos, sem grndes vribiliddes. Neste contexto, existem dois spectos importntes relciondos qulidde do estquemento: qulidde do projeto e qulidde d execução, ou qulidde de conformidde, que represent dequção do estquemento ou d estc em relção os vlores especificdos no projeto, que são cpcidde de crg e previsão de reclque. Controlr o processo de execução do estquemento é, cim de tudo, controlr su qulidde. Consiste, preferencilmente, n: Avlição do desempenho rel trvés de provs de crg. Comprção do desempenho rel com s previsões. Adoção de rotins que grntm que o desempenho de cd estc sej próximo do esperdo. Logo, s rotins proposts pelo SCCAP introduzem no softwre de monitormento d hélice contínu o conceito de controle de qulidde, que é mnter o sttus quo, isto é, conferir o processo de execução de um estquemento condições pr que s estcs individulmente tinjm cpcidde de crg plnejd. O conjunto de rotins proposts pelo SCCAP foi introduzido no softwre que control o sistem de monitormento SACI, d Geodigitus, visndo grntir qulidde e condições pr que s diretrizes de projeto sejm tendids, destcndo-se: Indicção, em tempo rel, durnte escvção ds estcs, d velocidde crític pr o vnço d escvção Viggini (1989); bixo dest velocidde, que é função ds dimensões d hélice e de su rotção, pode-se ter descompressão do solo. A medição utomátic do torque e do trblho relizdo (ddo) durnte execução de cd estc do estquemento (populção). O trtmento esttístico de um mostr pré-estbelecid do subconjunto de ddos d populção, o estquemento, obtendo s medids de tendênci centrl e os momentos d mostr. A orientção d operção durnte escvção de cd estc, indicndo qundo el deve ter su cot de poio umentd. Estcs que não estejm tendendo s condições pré-estbelecids, em termos de trblho mínimo relizdo. A sinlizção d velocidde máxim de extrção, grntindo que o volume de concreto, mis o superconsumo que crcteriz cd tipo de solo, sej suficiente pr o preenchimento dequdo ds estcs. Indicr pr o projetist se obr present, ou não, regiões onde provvelmente s crcterístics geotécnics são diferentes, ou sej, fzem prte de populções diferentes com médi e desvio pdrão discrepntes. Preferencilmente, deve-se coletr mostr próximo um prov de crg, pois ssim pode-se ssocir s proprieddes esttístics dest mostr com cpcidde rel de um estc. Qundo não for possível est ssocição, sugere-se que mostrgem sej feit em região com crcterístics geotécnics conhecids, como por exemplo, privilegindo regiões onde s sondgens são confiáveis e que presentem pouc vribilidde. FUNDAÇÕES & OBRAS GEOTÉCNICAS 55

7 Escolhid região ser mostrd e o seu tmnho, grup-se os ddos por clsse, justndo-os um distribuição normlizd como distribuição norml ou de student, dependendo do seu tmnho. Consequentemente, pode-se clculr su médi (µ ) e o seu desvio pdrão (σ), permitindo que critérios de confibilidde e ceitção sejm montdos. De um form gerl, vlidção d mostr coletd no universo do estquemento consiste em obter um mostr que represente s condições geris do projeto de fundção, portnto, é fundmentl que mostr represente o estquemento, prioritrimente, em termos de cpcidde de crg. A confibilidde d mostr é um conceito muito menos intuitivo, ms extremmente importnte. Relcion à representtividde do resultdo encontrdo n mostr com o de tod populção. Logo, conhecids s crcterístics esttístics d mostr, médi e desvio pdrão, pode-se determinr critérios de ceitção pr o estquemento. Estes critérios devem ser determindos pelo projetist e dependem do gru de incertez d execução e ds crcterístics geotécnics, e podem ser rigorosos ou não. Por exemplo, NBR /96, Prepro, Controle e Recebimento de Concreto, estbelece critérios de ceitção pr os lotes de concreto, dependendo do gru de controle do processo. Critérios de ceitção devem ser discutidos e propostos, prtir do uso do SCCAP em outrs regiões, propicindo formção de bncos de ddos miores e consistentes. No momento, o SCCAP incorpordo no softwre de monitormento SACI, d Geodigitus, trz em su primeir versão, três critérios: Será ceit estc que, o tingir profundidde mínim de projeto, tenh relizdo durnte escvção d estc um trblho necessário e medido (w) mior que médi (µ) dos trblhos medidos d mostr (W µ). Será ceit estc que, o tingir profundidde mínim de projeto, tenh relizdo durnte escvção d estc um trblho necessário e medido (w) mior que médi (µ) mis o desvio pdrão (σ) dos trblhos medidos d mostr (W µ+σ). Figur 4 Teste de normlidde Anderson & Drling n mostr com 10 estcs de 50 cm Será ceit estc que, o tingir profundidde mínim de projeto, tenh relizdo durnte escvção d estc um trblho necessário e medido (w) mior que médi (µ) mis dus vezes o desvio pdrão (σ) dos trblhos medidos d mostr (W µ+2.σ). O estquemento nlisdo foi executdo sem doção dos critérios cim propostos pr permitir s nálises esttístics presentds, em especil à de normlidde. Pr s nálises, form plicdos os critérios 1 e 2 no bnco de ddos ds tbels 1 e 2, onde foi retird um mostr de cd populção. Pr mostr ds estcs com 40 cm de diâmetro utilizou-se os ddos, trblho relizdo, obtidos durnte escvção ds estcs com 10,00 m de profundidde, pois executou-se n obr um prov de crg sobre um estc com esss crcterístics. Esses resultdos encontrm-se delimitdos ns coluns c e d d tbel 2. A mostr retird pr representr s estcs com 50 cm de diâmetro foi obtid durnte execução ds 10 primeirs estcs escvds n obr, tods com 13,00 m de comprimento. Estes ddos estão loclizdos entre s linhs 1 e 10, n colun d tbel 1. Form escolhids s 10 primeirs estcs, pois prtir d metodologi SCCAP esper-se que tods s estcs de um estquemento tipo hélice contínu sejm submetids o controle de qulidde. Foi plicdo ns dus mostrs o teste de normlidde Anderson & Drling (vej figur 4). Como resultdo do teste foi necessário expurgr um dos ddos coletdos pr mostr com s estcs com 50 cm de diâmetro (8,1 MJ). Ele está loclizdo n linh 4, colun d tbel 1, reduzindo mostr pr 9 ddos. As medids de tendênci centrl, médi e medin, e o primeiro e o 56 FUNDAÇÕES & OBRAS GEOTÉCNICAS

8 Tbel 4 Crcterístics esttístics ds mostrs normlizds coletds no estquemento em MJ segundo momento ds populções, desvio pdrão e vrinç, são presentdos n tbel 4. Conclusão Comprndo o trblho relizdo (w) em cd estc durnte su escvção (tbels 1 e 2) com médi (µ) do trblho necessário pr executr s estcs d mostr, critério 1 (W µ), observ-se que, excluíds s estcs que fizerm prte d mostrgem, 4 estcs com diâmetro de 40 cm e 14 com diâmetro de 50 cm relizrm trblho cumuldo menor que médi obtid ns mostrs e serim recusds, ou sej, deverim ser profundds té superr médi obtid ns mostrs. Utilizndo o critério 2, mis rigoroso, onde só é ceitável estc se o trblho relizdo (w) for mior que médi (µ) mis o desvio pdrão (σ) dos trblhos relizdos ns estcs d mostr (W µ+σ), observ-se que, excluíds s estcs que fizerm prte d mostrgem, serim recusds 8 estcs com diâmetro de 40 cm e 32 com diâmetro de 50 cm. Como os resultdos presentdos ns tbels 1 e 2 form ordendos n sequênci cronológic de execução do estquemento, e sbendo-se que o estquemento foi executdo sequencilmente té cobrir tod áre do empreendimento, é possível verificr, por exemplo, n tbel 1, que s estcs recusds pelo critério 1 e 2 estão grupds, ou sej, são estcs vizinhs que provvelmente estão implntds em regiões com NSPT médio menor que o esperdo. As regiões recusds pelo critério 2 estão circulds n tbel 1. As rotins de controle de qulidde proposts pel metodologi SCCAP, que se fundmentm no utocontrole d execução dos elementos de fundção prtir d medição utomtizd do trblho relizdo ou d energi necessári pr escvção de cd estc do estquemento e n plicção de formulções que uxilim execução do estquemento, vêm se mostrndo de grnde importânci ns obrs, grntido qulidde todo o processo, d escvção concretgem, procurndo mnter principlmente os preceitos do projeto. Entre s rotins destcm-se orientção d perfurção, indicndo velocidde mínim que estc deve ser perfurd pr evitr o desconfinmento; o monitormento d concretgem, com orientção d extrção d hélice trvés d contbilizção do concreto injetdo e d pressão de injeção do concreto. Com metodologi SCCAP é possível monitorr e corrigir profundidde de cd estc do estquemento. Ns obrs onde foi plicd de form experimentl, verificou-se que existe relção entre o torque e cpcidde de crg qundo s condições são controlds (rotção e velocidde), e que o trblho relizdo durnte escvção, grndez que não sofre com influênci do impulso, tmbém está diretmente relciondo com cpcidde de crg. As rotins implntds no softwre de monitormento ds estcs hélices medem fcilmente o trblho relizdo durnte escvção ds estcs, construindo um bnco de ddos que, grupdo em um distribuição de frequênci normlizd, pode ter sus crcterístics esttístics clculds e utilizds no controle de qulidde do estquemento. A plicção de conceitos físicos e ds crcterístics esttístics n engenhri de fundções podem trzer segurnç e confibilidde pr s obrs monitords, superndo problems como o d vribilidde estrtigráfic do solo e grntindo que s condições de projeto, cpcidde de crg e reclque, sejm tendids individulmente por tods s estcs. As rotins qui presentds podem representr um vnço no controle tecnológico d estcs hélices e ds fundções profunds, pois os conceitos presentdos podem ser plicdos outros tipos de estcs. Leiturs complementres ABNT Brsil (1991). Estcs NBR Prov de Crg Estátic. Metodologi Brsileir. ABNT Brsil (1996). Concreto NBR /96. Prepro, controle e recebimento. Metodologi Brsileir. Albuquerque, P. J. R.; Mssd, F.; Crvlho, D.; Ferreir, M. A. M. (2001). Comportmento à Compressão de Estcs Escvds, Hélice Contínu e Hélice tipo Ômeg, em Solo Residul de Dibásio. Cmpins, São Pulo, SP. Arújo, G. S. (2008). Análise d Cpcidde de Crg de Estc Hélice Contínu em Função do Torque, d Pressão de Injeção de Concreto e Prâmetros do. Monogrfi de Projeto Finl em Geotecni, Deprtmento de Engenhri Civil e Ambientl, Universidde de Brsíli, Brsíli, DF, 74 p. Arújo, G. S.; Silv, C. M.; Cmpum de Crvlho, J.; Polucci, H. V. N. (2009). Cpcidde de Crg em Estc Hélice Contínu em Função do Torque Obtido Durnte Execução. I Simpósio de Prátic de Engenhri Geotécnic n Região do Centro-Oeste, I Geocentro, Goiâni-GO. Cost, C. M. C. ; Tvres, C. A. A. ; Mot, N. M. B.; Ribeiro, L. F. M. (2008). Análise Comprtiv entre o NSPT e o Torque obtido no monitormento de estcs hélice contínu. In: SEFE VI Seminário de Engenhri de Fundções Especiis e Geotecni, São Pulo, CZM Foundtion Equipment, hélice contínu EM-60, Geodigitus, Instrumentos Eletrônicos pr Procedimentos em Fundções e Sondgens, www. geodigitus.com.br. Tsuh, C. H. C. (2006), Aoki, N. Fundções em estcs metálics helicoidis. In: XIII Congresso Brsileiro de Mecânic dos Solos e Engenhri Geotécnic, Curitib, v. 2, p Tsuh, C. H. C. (2007). Modelo Teórico pr Controle d Cpcidde de Crg à Trção de Estcs Metálics. Tese de Doutordo em desenvolvimento n Escol de Engenhri de São Crlos, Universidde de São Pulo. Viggini, C. (1989). Terreni ed Opere de Fondzione Dell Cittdell Postle Nel Centro Direzinle de Npoli. Revist Itlin de Geotécnic 23, No. 3, p FUNDAÇÕES & OBRAS GEOTÉCNICAS 57

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Aula 3 - Controle de Velocidade Motor CC

Aula 3 - Controle de Velocidade Motor CC 1 Acionmentos Eletrônicos de Motores Aul 3 - Controle de Velocidde Motor CC Prof. Márcio Kimpr Prof. João Onofre. P. Pinto Universidde Federl de Mto Grosso do Sul/FAENG BATLAB Cmpo Grnde MS Prof. Mrcio

Leia mais

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017 Potencil Elétrico Evndro Bstos dos Sntos 14 de Mrço de 2017 1 Energi Potencil Elétric Vmos começr fzendo um nlogi mecânic. Pr um corpo cindo em um cmpo grvitcionl g, prtir de um ltur h i té um ltur h f,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Débora Mara Coelho Santiago Rodolfo Cabral da Cunha

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Débora Mara Coelho Santiago Rodolfo Cabral da Cunha CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Débor Mr Coelho Sntigo Rodolfo Cbrl d Cunh Ferrment Computcionl pr Cálculos de Impedâncis Crcterístics, Funções de Propgção e Impedâncis de Seqüêncis

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Deprtmento de ngenhri létric Aul 6. Máquins íncrons Prof. João Américo ilel Máquins íncrons Crcterístics vzio e de curto-circuito Curv d tensão terminl d rmdur vzio em função d excitção de cmpo. Crctéristic

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP Curso Básico de Fotogrmetri Digitl e Sistem LIDAR Irineu d Silv EESC - USP Bses Fundmentis d Fotogrmetri Divisão d fotogrmetri: A fotogrmetri pode ser dividid em 4 áres: Fotogrmetri Geométric; Fotogrmetri

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Inspeção visul de emblgens de microesfers de vidro retrorrefletivs Norm Rodoviári DNER-PRO /9 Procedimento Págin de RESUMO Este documento, que é um norm técnic, estbelece s condições que devem ser observds

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL INICIALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE CONTROLADORES DEFINIDOS PELO USUÁRIO DO PROGRAMA PACDYN MARCOS INÍCIUS GONÇALES DA SILA FARINHA PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO Físic Gerl I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protocolos ds Auls Prátics 003 / 004 ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO. Resumo Corpos de diferentes forms deslocm-se, sem deslizr, o longo de um

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Eletrotécnica TEXTO Nº 7

Eletrotécnica TEXTO Nº 7 Eletrotécnic TEXTO Nº 7 CIRCUITOS TRIFÁSICOS. CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E SIMÉTRICOS.. Introdução A quse totlidde d energi elétric no mundo é gerd e trnsmitid por meio de sistems elétricos trifásicos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E ENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SILVA, P S, NEPOMUCENO, L Lbortório de Estudos Econômicos em Sistems de Potênci - LEESP UNESP / FE / DEE

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

A Lei das Malhas na Presença de Campos Magnéticos.

A Lei das Malhas na Presença de Campos Magnéticos. A Lei ds Mlhs n Presenç de mpos Mgnéticos. ) Revisão d lei de Ohm, de forç eletromotriz e de cpcitores Num condutor ôhmico n presenç de um cmpo elétrico e sem outrs forçs tundo sore os portdores de crg

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA:

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA: Elementos de Máquins e Motores (ENG169) TURMA: T01P01 (08:00 às 10:00) PROFESSOR: Pedro Ornels DATA: 06/07/2000 ALUNOS: Alberto Oliveir

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Austrle Jornl essol de Astronomi, Físic e Mtemátic - roduzido por Irineu Gomes Vrell Crido em 995 Retomdo em Junho de 0 Ano III Nº 04 - Setembro de 0 ÓRBITAS LANETÁRIAS E LEIS DE KELER rof. Irineu

Leia mais

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE Bruno Henrique Srdinh de Souz 1, Alcebídes Ribeiro Cmpos 2 1 Biólogo, emil: souzbhs@gmil.com, 2 Docente

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

2 Patamar de Carga de Energia

2 Patamar de Carga de Energia 2 Ptmr de Crg de Energi 2.1 Definição Um série de rg de energi normlmente enontr-se em um bse temporl, ou sej, d unidde dess bse tem-se um informção d série. Considerndo um bse horári ou semi-horári, d

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

6 Conversão Digital/Analógica

6 Conversão Digital/Analógica 6 Conversão Digitl/Anlógic n Em muits plicções de processmento digitl de sinl (Digitl Signl Processing DSP), é necessário reconstruir o sinl nlógico pós o estágio de processmento digitl. Est tref é relizd

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - CAPES MATRIZES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr Ciêncis Sociis

Leia mais