A UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL"

Transcrição

1 RESUMO A UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Alessandra de Souza Sposto * Rosimeire Aparecida de Souza Antão ** Tânia Maria Farias *** Tarcisio Campanholo **** Gustavo Gastardelli de Oliveira Fontes ***** Este artigo irá aprofundar a discussão sobre a temática do microcrédito avaliando seu potencial no combate a pobreza e sua importância como agente de desenvolvimento econômico em comunidades carentes. O objetivo é verificar se o microcrédito é realmente uma alternativa viável para o enfrentamento das desigualdades sociais promovidas pelo capitalismo. Palavras-chave: Microcrédito. Desenvolvimento. Economia. INTRODUÇÃO Indivíduos no mundo todo transacionam bens utilizando ferramentas financeiras. Após o advento do sistema capitalista, o mercado financeiro mundial se desenvolveu e com ele todas as ferramentas necessárias para a intensificação das transações comerciais. Entretanto, apesar do desenvolvimento de tais meios existe uma barreira que impossibilita grande parte da população mundial a ter acesso a essas inovações comerciais. * Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia, MBA Executivo em Gestão Financeira, Controladoria, Pericia e Auditoria UNIESSA/GoUp. ** Graduada em Ciências Contábeis pela UniAraxá, MBA Executivo em Gestão Financeira, Controladoria, Pericia e Auditoria UNIESSA/GoUp. *** Graduada em Administração com ênfase em Finanças pela UNIMINAS, MBA Executivo em Gestão Financeira, Controladoria, Pericia e Auditoria UNIESSA/GoUp. **** Doutorando em Administração pela Universidad de La Empresa - UDE - Montevidéo - Uruguay. Mestrado em Biotecnologia e Gestão Industrial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Pós Graduação em Segurança da Informação pela União Educacional de Minas Gerais. Graduado em Ciências Contábeis pela Faculdade de Itapiranga - FAI. ***** Doutorando em Administração pela Universidad de La Empresa - UDE - Montevidéo - Uruguay. Mestrado em Biotecnologia e Gestão Industrial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Pós Graduação em MBA - Desenvolvimento de Executivos em Gestão e Economia Empresarial. Graduado em Administração pelauniversidade do Estado de Minas Gerais

2 A população de baixa renda, os pequenos agricultores e os microempresários estão diante da barreira que impede o acesso aos avanços comerciais. Para superar a indigência e a pobreza existente no mercado informal seriam necessárias políticas de elevação dos rendimentos. Tal elevação está vinculada a possíveis ganhos de produtividade que dependem da superação de certas restrições (creditícias, tecnológicas, de qualificação dos recursos humanos, etc). Destarte, há uma dependência entre melhoria de vida com o acesso ao crédito. O crédito é necessário para permitir o acesso aos meios de produção que possibilitarão um aumento do capital do microempreendimento, impulsionando as vendas. Assim, através dos estudos de Muhammad Yunus, foi implantado o sistema de microcrédito que possui como escopo principal a erradicação da pobreza, possibilitado a essa população o acesso ao crédito que antes não era possível. 2. A HISTÓRIA DO MICROCRÉDITO Microcrédito consiste na concessão de empréstimos de baixo valor a pequenos empreendedores informais e microempresas que não possuem acesso ao sistema financeiro tradicional, por, principalmente, demandarem baixos montantes e não terem como oferecer garantias reais. É um crédito destinado à produção (capital de giro e investimento) e é concedido com o uso de metodologia específica. Desse modo, o microcrédito representa uma alternativa ao modelo padrão da concessão de crédito para pessoas que estão fora do mercado formal e não têm o acesso ao crédito tradicional, por não possuírem os requisitos exigidos pelos bancos. As organizações de microcrédito começaram surgir como um mecanismo capaz de minimizar os problemas ocasionados pelas restrições do crédito bancário tradicional. (ANDRADE; GONÇALVES; MORAIS; OLIVEIRA, 2008) A história do microcrédito tem seu início no século XIX. Houve o surgimento de cooperativas de crédito na Europa que tinham como escopo ajudar populações de baixa renda a poupar e conseguir o crédito. Até 1910, 1,4 milhões de pessoas foram atendidas pelas cooperativas de crédito na Alemanha, que a partir daí, estenderam sua influência pela Irlanda e Itália. Espelhando o exemplo germânico, o governo de Madras, no sul da Índia, implantou

3 cooperativas de crédito no território, a partir de A rápida expansão dessas cooperativas era visível, tanto que em 1946, elas já atingiam 9 milhões de pessoas (MORDUCH, 1999) Na década de 1970, em Bangladesh, houve uma importante transformação que constituiu o caso mais famoso da utilização do microcrédito no combate à pobreza. As teorias econômicas estudadas nas aulas não garantiam uma resposta adequada aos diversos problemas enfrentados na realidade, principalmente aqueles relacionados à pobreza em que se encontravam centenas de pessoas ao redor da própria universidade, foi o que percebeu o professor de Economia da Universidade de Chittagong, Muhammad Yunus. Assim, ele decidiu realizar um trabalho de pesquisa a fim de encontrar possíveis soluções para a miséria identificada. Dentre muitas visitas realizadas nas casas de famílias pobres, o professor Yunus impressionou-se pelo caso de Sufia Begun, 20 anos, mãe de três filhos, que fabricava tamboretes de bambu para sustentar a família. Ele constatou que Sufia obtinha um lucro de U$ 0,02, após um dia de trabalho, com os quais alimentava a família, demonstrando a real dificuldade de escapar da miséria. Existia um círculo vicioso que essa senhora não tinha como romper, pois o comprador dos tamboretes era o próprio fornecedor do bambu, assim acontecia com quase todos os pequenos empreendedores da aldeia que pegavam dinheiro emprestado para comprar a matéria-prima do seu trabalho, com altas taxas de juros. O professor constatou, após a pesquisa na região, que 42 pessoas viviam endividadas com um empréstimo de U$ 27, somadas todas as parcelas. Yunus, com o objetivo de reverter essa situação, emprestou a quantia, pois estas pessoas não tinham a mínima possibilidade de serem atendidas por um banco comercial, exigindo o compromisso do reembolso quando o grupo estivesse em condições de fazê-lo. Os 42 devedores saldaram o compromisso antecipando a melhor previsão do professor (YUNUS, 2001). 2.1 A EVOLUÇÃO DO MICROCRÉDITO As pesquisas realizadas pelo professor Yunus na década de 1970 tiveram como conseqüência a fundação do Banco Grameen, criado objetivando o fim da pobreza. Em 1997, esse banco atingiu a marca de 2,4 bilhões de dólares com empréstimos realizados para o atendimento a mais de 2 milhões de pessoas, constituindo-se em uma das instituições mais conhecidas em âmbito mundial. (YUNUS, 2001)

4 O ocorrido na população de Bangladesh através do microcrédito, fez com que o modelo proposto pelo Banco Grameen começasse a se espalhar para o mundo todo. Como exemplo de grande representatividade sobre os programas de microcrédito do mundo tem-se o continente asiático e o sul-americano. O "Unit Desa" do Bank Rakyat Indonésia, é um deles, que funciona atualmente como uma extensa rede de pequenas unidades bancárias que atuam como centro de negócios voltados às pessoas de baixa renda. A Acción, é outra importante organização desse setor, que oferece apoio a outros programas de microcrédito. Criada em 1961 para combater a pobreza na América Latina, ela é hoje uma das principais organizações do setor, atendendo mais de quatorze países na América Latina, com parceiros também nos Estados Unidos da América e na África. Foi através de seu apoio que se deu a formação do Banco Sol na Bolívia. (SILVEIRA, 2001) 2.2 MUHAMMAD YUNUS NOBEL DA PAZ O Nobel da Paz é um dos cinco prêmios oferecidos anualmente pela Fundação Nobel e foi criado para distinguir pessoas ou organizações que estejam envolvidas em uma maior ou melhor ação pela fraternidade entre as nações, pela abolição e redução dos esforços de guerra e pela manutenção e promoção de tratados de paz. É, portanto, um prêmio Nobel com características próprias, onde os laureados encontram-se essencialmente envolvidos na resolução de um processo que leve ao bem-estar da humanidade. O Prêmio Nobel da Paz de 2006 foi atribuído ao economista Muhammad Yunus, de Bangladesh, e ao Banco Grameen, devido aos esforços na criação de desenvolvimento econômico e social através de projetos de microcrédito. Para se alcançar uma paz duradoura é preciso que grandes faixas da população encontrem maneiras de erradicar a pobreza. O microcrédito representa uma dessas maneiras. O desenvolvimento a partir das bases também serve para fazer avançar a democracia e os direitos humanos. (NORUEGA, 2006) 2.3 GRAMEEN BANK

5 A experiência do professor Yunus na década de 1970, em Bangladesh, de fazer empréstimos aos pequenos produtores para a compra de matéria prima prosperou e o fez provar que os pobres são merecedores de crédito, no sentido de confiança e recursos financeiros, e que pagam seus pequenos empréstimos, Yunus conseguiu financiamentos e doações junto aos bancos privados e internacionais para criar o Banco Grameen. Com o passar do tempo, obteve ajuda de bancos e instituições privadas, criando, em 1978, o Grameen Bank e o modelo atual de microcrédito, definido como financiamento aos micros produtores via grupos solidários que prestam garantia mútua, dispensando a garantia tradicional dos bancos. O Grameen oferece empréstimos a grupos solidários, formados por 5 pessoas, seus componentes são principalmente mulheres. A experiência mostra que as mulheres são mais responsáveis em investir a renda com a família e melhores pagadoras do que os homens. (YUNUS, 2001). Os empréstimos são cedidos conforme as garantias de pagamento, dadas pelo próprio grupo, sendo que inicialmente empresta-se para duas pessoas, e quando estas pagarem, outras duas receberão, e finalmente, quando estas novas pessoas concluírem seu pagamento, a última pessoa recebe. Outra característica dos empréstimos é que só são realizados com uma poupança compulsória no valor de 5% do empréstimo recolhido em uma conta de poupança, com o intuito de cobrir eventuais problemas de pagamento do grupo (FACHINI, 2005). Existem dois tipos de empréstimos: os domésticos e os de capital. Os empréstimos domésticos são concedidos às pessoas físicas destinados ao consumo e se vinculam aos de capital. Os de capital são concedidos às pequenas empresas, sem a interferência do banco quanto à sua alocação (TONETO & GREMAUD, 2000). 2.4 O MICROCRÉDITO NO BRASIL Com a criação do programa UNO, União Nordestina de Assistência a Pequenas Organizações, em 1973, inicia-se a história do microcrédito no Brasil. Por iniciativa e com assessoria técnica da Acción Internacional, na época AITEC, e envolvendo a participação de entidades empresariais de Pernambuco e da Bahia. Criada para desenvolver um programa de

6 crédito e capacitação para microempreendimentos populares no setor informal, a UNO tratava-se de uma associação civil, sem fins lucrativos. A UNO desenvolveu, ao longo de quase uma década, uma base técnica de análise de crédito adaptada ao microempreendedor de baixa renda, formou profissionais com este novo perfil e financiou alguns milhares de microempreendimentos em diversos municípios de Pernambuco e da Bahia. Implantou uma metodologia de microcrédito focada em um público sem acesso a crédito bancário e sem garantias reais e outros serviços, como capacitação e assistência técnica. A UNO se destacou como uma experiência que se constituiu na principal referência para a expansão desses programas na América Latina. Sua metodologia e estrutura já apresentavam algumas características que só viriam a se consolidar, também em outros continentes, a partir dos anos 80. (SILVEIRA, 2001). A estrutura inaugurada pela UNO foi retomada, incorporando novos elementos na concepção e na metodologia. A rede CEAPE (Centros de Apoio aos Pequenos Empreendimentos) foi criada durante a década de 80, que teve como origem o CEAPE do Rio Grande do Sul. Este realizou 343 mil operações de crédito, somando R$ 305, 7 milhões, em dezembro de Destacam-se no Brasil, além dos outros CEAPEs: o Banco da Mulher, que até setembro de 2001 havia concedido cerca de 9 mil créditos, totalizando, aproximadamente, R$ 6,7 milhões; a Portosol, que até dezembro de 2001, realizou cerca de 28,5 mil operações de crédito, somando R$ 38,7 milhões; o VivaCred que já emprestou R$ 14 milhões. O Brasil tem como maior programa de microcrédito, o CrediAmigo, que representa também um dos maiores da América Latina. Até dezembro de 2001 ele havia realizado 599,8 mil operações no valor de R$ 440 milhões. Sua inclusão leva a um aumento de 110,23% no total de operações de microcrédito no Brasil, constituindo o maior programa de microcrédito do país (BARONE; DANTAS; LIMA; REZENDE, 2002). 2.5 O FUTURO DO MICROCRÉDITO A iniciativa de Muhammad Yunus representou um grande avanço e fez com que o microcrédito se tornasse exemplo para vários países. A experiência do microcrédito demonstra que muito já foi feito em busca da erradicação da pobreza e muito ainda precisa percorrer

7 O setor de microcrédito no Brasil demonstra conquistas evidentes, nos últimos anos. Ele se tornou um efetivo instrumento de combate à pobreza através da sua inserção e o impacto que provoca na realidade social das famílias. Entretanto, a oferta de microcrédito ainda é muito pequena face à demanda potencial no País. As instituições financeiras representam grandes aliadas para o futuro do microcrédito, pois o desenvolvimento deste mercado não depende apenas de políticas propostas pelo governo e de indicadores econômicos. A evolução deste mercado depende, essencialmente, da participação de empresários visionários e conscientes de seu papel relevante na sociedade, capazes de promover ações em prol não só do desenvolvimento econômico do País, mas, também, em razão do desenvolvimento social de sua comunidade. (BUFFARA) 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS O microcrédito é um importante meio de combate à pobreza com potencial de redução das desigualdades sociais e estímulo ao desenvolvimento econômico. Após a experiência do Banco Grameen as microfinanças tiveram grande expansão como fator de combate à pobreza fortalecendo-se no Brasil na década de Diversas instituições, atualmente, fazem empréstimos e concedem auxílio a instituições de microfinanças adotando diferentes metodologias, que vão do crédito individual com garantias, passando pelas cooperativas de crédito, até os grupos solidários. Nesse trabalho compreende-se a origem do microcrédito, a sua importância como agente de desenvolvimento econômico em comunidades carentes e para o combate a pobreza. Identificando o trabalho feito por Muhammad Yunus, a criação do Banco Grameen e seus seguidores por todo o mundo. Desse modo, foi possível verificar que o microcrédito funciona como uma alternativa as barreiras existentes no capitalismo enfrentando as desigualdades sociais e proporcionando um desenvolvimento econômico e social

8 REFERÊNCIAS ANDRADE, Magali Alves de; GONÇALVES, Andersonn Souza; MORAIS, Zisleide Soares; OLIVEIRA, Thiago de Souza. O microcrédito como instrumento de desenvolvimento social e econômico. Franca: Uni-FACEF, BARONE, Francisco Marcelo; DANTAS, Valdi; LIMA, Paulo Fernando; REZENDE, Valéria. Introdução ao microcrédito. Brasília:Conselho da Comunidade Solidária, p. BUFFARA, Gustavo. O microcrédito como alavanca do desenvolvimento. Revista Custo Brasil. FACHINI, C. Histórico do Microcrédito. Sustentabilidade Financeira e Custos de Transação em uma Organização de Microcrédito no Brasil p. Dissertação (Mestrado em Economia) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz". Universidade de São Paulo, Piracicaba MORDUCH, J. The microfinance promise. Journal of Economic Literature, v.37, n.4, p , Dec NORUEGA. Nobel da Paz 2006 atribuído a Muhammad Yunus e ao Banco Grameen. Disponível em:<http://www.noruega.org.pt/en/novidades-eventos/novidades/nobelpeaceprize/> Acessado em: 25 de jul SILVEIRA, C. M. (org). Aspectos da história do microcrédito no Brasil e a formação dos CEAPEs. Programa de Apoio aos Pequenos Empreendedores - o Sistema CEAPE. Primeira Edição. Rio de Janeiro: IBASE, NAPP, TONETO JÚNIOR, R.; GREMAUD, A. P. Microcrédito e o financiamento rural: mecanismos e gestão. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia e Administração (FEA), p. (Texto para discussão. Série Economia, TD-E 25) YUNUS, M. O Banqueiro dos pobres. 4.ed. São Paulo: Editora Ática, p

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo Banco do Nordeste: o Maior Banco de Microfinanças da América do Sul Objetivos de atuação do

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças V Seminário Banco Central sobre Microfinanças - Depoimento sobre criação de SCM - Motivos que levaram a decisão de criar - Bases e Princípios que precisam ser levados em conta - O que a experiência tem

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda Rogério Nagamine Costanzi* Desde a experiência do Grameen Bank em Bangladesh, o microcrédito passou a se disseminar

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

Quem Somos. www.microcredito.com.pt

Quem Somos. www.microcredito.com.pt Com o Apoio : Quem Somos Fundada em 1998, a ANDC Associação Nacional de Direito ao Crédito é uma associação sem fins lucrativos, pioneira na implementação do Microcrédito em Portugal. Foi criada com o

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia Caio Márcio Ferreira Greve 1 RESUMO O presente artigo faz uma rápida descrição da modalidade de crédito intitulada Microcrédito, e como ela se

Leia mais

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições Programa Fundo Solidário Construído para garantir inclusão socioeconômica Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos

Leia mais

O microcrédito como instrumento de desenvolvimento social e econômico

O microcrédito como instrumento de desenvolvimento social e econômico O microcrédito como instrumento de desenvolvimento social e econômico D- Desenvolvimento humano e social Zisleide Soares Moraes1 (UFS) magali alves de Andrade (UFS) Thiago de souza oliveira (UFS) Andersonn

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária Acesso a produtos e serviços bancários a cidadãos de baixa renda; Serviços bancários + preocupação social. Ações para inclusão

Leia mais

O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em

O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em Negócio Social O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em 2006 Classifica um determinado empreendimento

Leia mais

TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO. José Nelio Monteiro Corsini

TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO. José Nelio Monteiro Corsini TECNOLOGIA SOCIAL DO MICROCRÉDITO PRODUTIVO José Nelio Monteiro Corsini APRESENTAÇÃO 1. ECONOMIA DA POBREZA E MICROCRÉDITO 2. PEQUENOS EMPREENDIMENTOS E MICROCRÉDITO 3. ELEMENTOS HISTÓRICOS 4. MICROCRÉDITO

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL Argileu Martins da Silva Diretor do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretário Adjunto de Agricultura Familiar SAF A EDUCAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

A TECNOLOGIA DO MICROCREDITO PRODUTIVO E ORIENTADO. Valdi de Araújo Dantas

A TECNOLOGIA DO MICROCREDITO PRODUTIVO E ORIENTADO. Valdi de Araújo Dantas A TECNOLOGIA DO MICROCREDITO PRODUTIVO E ORIENTADO Valdi de Araújo Dantas Brasília, 2005 A TECNOLOGIA DO MICROCREDITO PRODUTIVO E ORIENTADO Valdi de Araújo Dantas 1 Um pouco de história A primeira experiência

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares 1. Introdução Por Larissa Yuri Ushizima Quem pode abrir uma conta bancária? Como pessoas de baixa renda podem ter acesso

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR

TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): EDILEIS

Leia mais

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito Atualização: SEBRAE-SP - Unidade de Políticas Públicas e Relações Institucionais UPPRI - 13 maio 2013 Cartilha do 4 Microempreendedor Individual Microcrédito MICROCRÉDITO O QUE É? O microcrédito é a concessão

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

O crédito como importante ferramenta de combate à desigualdade social. Eli Moreno

O crédito como importante ferramenta de combate à desigualdade social. Eli Moreno O crédito como importante ferramenta de combate à desigualdade social Eli Moreno Ninguém nasce pobre. São as oportunidades que fazem a diferença. O mercado não garante eqüidade social: 1. Mercados mais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques

Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques Depois de vencer, aja como se não tivesse vencido. (Sun Tzu. A Arte da Guerra) Muitos empreendedores, quando conseguem vencer, sentem-se

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas; 1 COOPERATIVISMO TAMBÉM SE APRENDE DA ESCOLA Luiza Maria da Silva Rodrigues 1 Edaiana Casagrande Santin 2 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Leia mais

Fontes de Financiamento para Capital de Giro

Fontes de Financiamento para Capital de Giro Fontes de Financiamento para Capital de Giro Camila Diniz Paulo Victor Alan Jivago OBJETIVOS APRESENTAR CONCEITUALMENTE AS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO Das atividades operacionais da

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E A INOVAÇÃO.

PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E A INOVAÇÃO. PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E A INOVAÇÃO. Nascimento do Microcrédito no Mundo Nascimento do Microcrédito na Paraíba VERSÃO ARRETADA Geração de Emprego e Renda Capacitação e Qualificação

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Paola Ronconi Pulcine 1, Vilma da Silva Santos 2, Viviane Fushimi Velloso 3, Paulo César Ribeiro Quintairos 4,

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte

Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) Municípios atendidos: 1.990 (11 Estados) Administrado pelo BNB Marco normativo/legal, diretrizes

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste De microcrédito, o Banco do Nordeste entende. Primeiro Banco público do Brasil a ter um modelo de atuação voltado para o setor, o Banco

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito

Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito CREDIAMIGO - A experiência de Microfinanças do Banco do Nordeste II Encontro Internacional sobre regulação e supervisão em Microfinanças

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades Rodrigo Santos Nogueira Diretor Setorial de Responsabilidade Social e Sustentabilidade FEBRABAN

Leia mais

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com Estrutura da apresentação Problemas de Acesso ao Crédito Evolução

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Apresentações Técnicas. ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS

Apresentações Técnicas. ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS Apresentações Técnicas ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS Seminário IV Novos Modelos Organizacionais de Ciência e Tecnologia Apresentações Técnicas São Paulo, 2007 APRESENTAÇÃO A área de

Leia mais

Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola

Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola Allan Cain DEVELOPMENT WORKSHOP Fórum Urbano Nacional Huambo, 05 Otubro 2009 Desafio da Pobreza Urbana O mercado informal foi a principal forma de subsistência

Leia mais

MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA

MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA Gilson Bittencourt Ministério da Fazenda GTI de Microcrédito e Microfinanças Fases Recentes do Microcrédito e das Microfinanças no Brasil Fase 1: de 1972 até

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO Excelentíssimo Senhor GILBERTO JOSÉ SPIER VARGAS MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA Esplanada dos Ministérios Bloco A, 8º Andar Brasília - DF Assunto: Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel

Leia mais

Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros. no Brasil. O papel das instituições financeiras

Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros. no Brasil. O papel das instituições financeiras Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil O papel das instituições financeiras Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil O papel das instituições financeiras Outubro 2013 Créditos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

? CRISTIANO MROSS - ABCRED

? CRISTIANO MROSS - ABCRED O QUE É NECESSÁRIO PARA MASSIFICAR O MICROCRÉDITO?? CRISTIANO MROSS - ABCRED Rio de Janeiro, setembro 2007 Recursos Financeiros com Fluxo Estável Sistema Nacional de Microcrédito Recursos não Financeiros

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

CRÉDITO EM RELAÇÃO AO PIB (%)

CRÉDITO EM RELAÇÃO AO PIB (%) CRÉDITO EM RELAÇÃO AO PIB (%) A representatividade das operações de crédito em relação ao total do PIB teve um crescimento de 78% nos últimos seis anos (Gráfico 1). Em agosto de 2007 as operações de crédito

Leia mais

Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente. Caitlin Sanford

Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente. Caitlin Sanford Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente Caitlin Sanford 2 O caminho em direção a uma mensuração da inclusão financeira Mensurar a EXISTÊNCIA dos serviços financeiros em um país (

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA TALLER I: ERRADICACIÓN DE LA POBREZA Y DESARROLLO: UN NUEVO PARADIGMA DEL DESARROLLO

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS Fórum Banco Central de Inclusão Financeira Painel MDS Brasília, 18/nov/2010 Sumário Breve descrição do PBF; Razões para inclusão financeira; Marco legal da inclusão financeira; Atual agenda de inclusão

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FRANCISCO AIRTON NOTARI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FRANCISCO AIRTON NOTARI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FRANCISCO AIRTON NOTARI CONCESSÃO DE CRÉDITO DO PROGRAMA SOCIAL DE CONCESSÃO DE MICRO CRÉDITO A TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA: UM ESTUDO NO SESI-SC

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DO PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA CONDITIONAL CASH TRANSFER PROGRAMS: OPERATIONAL EXPERIENCES WORLD BANK WORKSHOP O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA Contexto Após

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INFLUÊNCIA DA UESB NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA - BRASIL

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INFLUÊNCIA DA UESB NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA - BRASIL UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INFLUÊNCIA DA UESB NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA - BRASIL Marialda da Silva Brito (Profª Ms. do Departamento de Geografia/ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil/ Doutoranda

Leia mais

MESA 3: Monitoramento e Avaliação 25/Agosto/2015

MESA 3: Monitoramento e Avaliação 25/Agosto/2015 MESA 3: Monitoramento e Avaliação 25/Agosto/2015 Raquel Oliveira, Pesquisadora do Departamento de Pesquisas do Banco Central do Brasil Poupança: por quê? Para quê? Nível micro: Poupança ajuda as famílias

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais