Cursos Técnicos Cursos de Graduação: Administração e Ciências Contábeis Cursos de Pós-Graduação Conferencista em Seminários de Gestão Empresarial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cursos Técnicos Cursos de Graduação: Administração e Ciências Contábeis Cursos de Pós-Graduação Conferencista em Seminários de Gestão Empresarial"

Transcrição

1 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA E RECOMPENSAS

2 ANTONIO CARLOS CRUZ Master Business in Administration em Recursos Humanos pela Universidade de São Paulo-MBA-RH-USP-SP. Pesquisa desenvolvida em grandes empresas na área de Gestão por Competências, Liderança Empreendedora e Carreira e Remuneração. PÓS-GRADUAÇÃO (LATO-SENSU) NAS ÁREAS: Administração Estratégica Administração de Recursos Humanos MBA de Recursos Humanos USP-SP PROGRAMAS AVANÇADOS DE APERFEIÇOAMENTO Administração Financeira FGV-RJ Consultoria Empresarial AMA - American Management Association Metodologia Didática Avançada FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS EXPERIÊNCIA DOCENTE: Cursos Técnicos Cursos de Graduação: Administração e Ciências Contábeis Cursos de Pós-Graduação Conferencista em Seminários de Gestão Empresarial EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: Exerceu cargos técnicos, gerenciais e executivos na área de Recursos Humanos em empresas de médio e grande porte. Atua há mais de 30 anos nas áreas de Recursos Humanos, Gestão de Pessoas, Planejamento de Carreira, Remuneração, Liderança Gerencial e Desenvolvimento Organizacional, sendo que desde 1992 vem atuando como Consultor de Gestão de R.H. realizando trabalhos de estruturação e implantação da área de R.H. para empresas nacionais e multinacionais como Programas de Gestão por Competências e de Remuneração/Carreira em empresas do segmento industrial, comercial, agronegócio e de prestação de serviços no Brasil e exterior. Professor em cursos de pós-graduação em diversas Instituições de Ensino do País e Consultor Sênior Empresarial. Diretor da SAWIL CONSULTORIA E TREINAMENTO - Presidente Prudente-SP - Fone (18) Celular (18)

3 REMUNERAÇÃO E RECOMPENSAS APRESENTAÇÃO ANTONIO CARLOS CRUZ, formado em Administração de Empresas e Ciências Contábeis e pós-graduado em Administração Estratégica, Metodologia Didática e Administração de Recursos Humanos. MBA em Recursos Humanos pela Universidade de São Paulo-USP-SP. Professor de Pós-Graduação em diversas Instituições de Ensino do País. Palestrante convidado em diversas Instituições de Educação Corporativa na Área de Gestão de Pessoas no Eixo Rio de Janeiro/São Paulo. Exerceu cargos técnicos, gerenciais e executivos na área de Recursos Humanos em empresas de médio e grande porte. Atua há 30 anos na área de Recursos Humanos. Antonio Carlos Cruz Professor / Consultor Atualmente é Diretor da SAWIL CONSULTORIA, em empresa de consultoria em Gestão de Pessoas com sede em Presidente Prudente-SP, atuando em diversos projetos como Consultor para reestruturação da área de RH das empresas no Brasil e Exterior, bem como de implementação de Programas de Cargos e Salários / Carreira (Modelo Funcional, Híbrido, Habilidades e por Competências) A G E N D A O RH (Gestão de Pessoas) no momento atual Conceitos básicos Planejamento de Carreira Práticas de Mercado (Case e Exemplos) Remuneração Tradicional PPR Programa de Participação nos Resultados Remuneração Estratégica (Mix Remuneratório) Remuneração Variável Remuneração por Competências Remuneração por Habilidades Benefícios e Serviços Recompensas Hot Topics em Recursos Humanos As freqüentes mudanças e crise nos negócios têm levado a intensas revisões nas estratégias de Recursos Humanos: Atração, retenção e desenvolvimento de talentos Conhecimento é a atual forma de riqueza Capital é cada vez mais o capital intelectual, o capital de relacionamentos, o capital de marca, o capital da informação Reforçar o trabalho em equipe e o comprometimento Descentralizar decisões para gestores e profissionais Enxugamento de níveis organizacionais e dos processos Carreiras mais flexíveis, perfis mais abrangentes Desenvolver ferramentas com interfaces amigáveis para os gestores Remuneração atrelada a resultados Multifuncionalidade Profissional TotalFlex Profissionais da Geração BB (Baby Boomers) nascidos até 1962 Profissionais da Geração X (nascidos de 1962 a 1977) Profissionais da Geração Y (nascidos a partir de 1978 até ) Chegando os Profissionais da Geração Z (nascidos após ) como tratar esse Hot Topics? 44 ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE TALENTOS A GUERRA PELOS TALENTOS Alinhamento entre as PESSOAS e a ORGANIZAÇÃO é o fio condutor para o engajamento e retenção. VALORES PESSOAIS ENGAJAMENTO ALINHAMENTO VALORES DA EMPRESA RETENÇÃO A empresa não precisa caçar as borboletas (talentos) ASPIRAÇÕES PESSOAIS OPORTUNIDADES NA EMPRESA E preciso

4 A GUERRA PELOS TALENTOS FELICIDADE TRAZ DINHEIRO Tratar bem os funcionários é mais do que uma questão de cidadania empresarial tem a ver com a sobrevivência do negócio. Os números não mentem: E preciso... As 500 Melhores Empresas 12,87% Preparar um bom jardim Mário Quintana, poeta e romancista As 150 Melhores Empresas 18,04% As 10 Melhores Empresas 27,50% Substrato de Recursos Humanos 77 Fonte: Revista Exame Cultura da Organização Estratégia do Negócio Estratégia de Recursos Humanos REMUNERAÇÃO COMO PARTE DA ESTRATÉGIA DA EMPRESA MODELO DE RECOMPENSAS TOTAIS (TOTAL REWARDS) Colaborador Remuneração Benefícios Desempenho e Reconhecimento Desenvolvimento e Plano de Carreira Equilíbrio Entre Vida Pessoal e Profissional Atrair Motivar Reter Satisfação e Engajamento Empresa Fonte: World At Work Desempenho e Resultados 99 DEFINIÇÕES Remuneração e recompensas: são todas as ferramentas disponíveis ao empregador que podem ser usadas para atrair, motivar e reter colaboradores. Incluem tudo aquilo que o colaborador percebe como sendo de valor em uma relação de trabalho Salário base: é uma remuneração fixa que não varia em função do desempenho do colaborador ou dos resultados da empresa. Normalmente é determinado através do mercado e das políticas do empregador. Comissão: é uma remuneração variável que é determinada diretamente pelo desempenho e pelos resultados alcançados por um colaborador individualmente. As bases de desempenho e resultados alcançados podem ser mutáveis com o tempo. Incentivo de curto prazo: é uma remuneração variável estabelecida com foco em resultados e desempenho dentro de um período de um ano ou menos. Normalmente combina desempenho e resultados individuais com os da empresa. Nessa categoria estão o PLR e o bônus. 10 DEFINIÇÕES / CONTINUAÇÃO SALÁRIOS E A VISÃO EMPRESARIAL Incentivo de longo prazo (ILP): remuneração variável com foco em resultados e desempenho em períodos maiores que 1 ano. Nessa categoria estão, por exemplo, as stock options. Benefícios: recompensas que não envolvem pagamento em dinheiro, mas em serviços ao colaborador pagos pela empresa, sendo considerados salário indireto. Podem ser fruto de obrigações legais (acordos coletivos) ou de políticas do empregador. Em uma organização, qualquer despesa só se justifica quando impacta positivamente o resultado. Recompensas não monetárias: são programas ou atividades de reconhecimento de resultados ou desempenho excepcionais por parte de um colaborador ou uma equipe. Normalmente não envolvem quantias significativas de dinheiro. O valor é mais simbólico, sendo bastante utilizado em Programas Motivacionais 11 No BRASIL o fator salário é um componente pesado de custos em decorrências dos encargos trabalhistas e do nosso contencioso Trabalhista (Leis Trabalhistas). 12 2

5 CUSTO DA MÃO DE OBRA NO MERCOSUL ORGANIZAÇÕES - Perspectiva Atual Argentina Paraguai Uruguai Temos muitos caminhos a seguir?? TRABALHO TRABALHO TRABALHO 70,27% 41,00% 48,06% TRABALHO É... CAMPEÃO... É... CAMPEÃO ,06% 13 Empresa e Empregado Interesses conciliados 14 Certa vez deparou-se Alice com o gato e indagou: ORGANIZAÇÕES - Perspectiva Histórica Qual é o caminho? E o gato respondeu em seguida: - Para onde você quer ir? - Para qualquer lugar. Então, o gato disse: - Qualquer caminho servirá. Qualquer caminho servirá para quem não sabe para onde ir... (Alice no País das Maravilhas) Lewis Carroll Gato de Cheshire 15 Marketing Industrial Finanças R.H. Um conjunto de carreiras em forma de escadas profissionais que se encontram somente no topo. 16 PLANEJAMENTO DE CARREIRA PREFERÊNCIA INDIVIDUAL DE CARREIRA ORGANIZAÇÕES - Perspectiva Atual Competência Gerencial Competência Técnica ou Funcional Segurança e Estabilidade Career Anchors AUXILIAR ASSISTENTE TRAINEE JUNIOR PLENO SENIOR Estilo de Vida Integrado Autonomia e Independência Com o enxugamento dos cargos de Gerentes Intermediários rios e a criação de times de trabalho, mudaram drasticamente as perspectivas de carreira no início deste milênio, sendo que háh mais possibilidades de ascensão horizontal que vertical. 17 Desafio Constante Criatividade Empreendedora Senso de Serviço e Dedicação à Causa Edgar H. Schein Âncora de Carreira 18 3

6 PLANO DE POUSO Visão de Carreira 19 1 Destino / Metas e Objetivos 2 Rotas / Estratégias 3 Combustível / Recursos 4 Tripulação / Parceiros 5 Passageiros / População Envolvida 6 Decolagem / Início 7 Pouso / Conclusão... 8 Reflexão de Minha Visão Criado por Fabio Brotto e Nevde Marques Analise bem FAMILIAR EMOCIONAL ESPIRITUAL SOCIAL PESSOAL SAÚDE LAZER MENTAL PROFISSIONAL NÃO ADIANTA TER SOMENTE SUCESSO PROFISSIONAL ( Workaholic ) Quem não tem ouro no bolso deve ter prata na língua Provérbio judaico Fique de Olho PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ECOTURISMO AGRIBUSINESS CONSTRUÇÃO CIVIL EDUCAÇÃO (em todas as áreas) Há mais pessoas que desistem do que pessoas que fracassam. Henry Ford 23 ÁREA MÉDICA E SAÚDE INFORMÁTICA INTERNET Vida é fazer todo sonho brilhar. Capinam e João Bosco SOFTWARES HARDWARES BIOTECNOLOGIA NANOTECNOLOGIA ROBÓTICA 24 4

7 NÃO NÃO DEIXAR DEIXAR A SUA SUA CARREIRA NAS NAS MÃOS MÃOS DA DA EMPRESA DESCOBRIR UM UM MENTOR MENTOR (Padrinho) DICA DO GURU DOS GURUS Peter Drucker NÃO NÃO PARAR PARAR NO NO MEIO MEIO DO DO CAMINHO FICAR FICAR DE DE OLHO OLHO NAS NAS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES APRENDER OU OU MORRER MORRER MANTER MANTER A FLEXIBILIDADE PROFISSIONAL TOTALFLEX O empirismo nas empresas ESTRUTURA DE CARREIRA Paternalismo (Diretoria, Gerências etc) Influências de Gerentes ou Chefias mais fortes Palpites e ingerências nos modelos de gestão Desconhecem os benefícios da área Proteção a grupos ou a funcionários SUFOCA A MOTIVAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS S A L Á R I O Dejours S A L Á R I O Significação Concreta Sustentar a família Pagar dívidas Sobreviver Significação Abstrata Realizar sonhos Fantasias Projetos de vida SALÁRIO BASE BENEFÍCIOS INCENTIVOS DE LONGO PRAZO Sobrevivência Padrão de Vida Investimentos Aumento de Capital Enriquecimento Manutenção Crescimento Perpetuação Fonte: A Loucura do Trabalho - Christophe Dejours HÁ TRÊS TIPOS DE SALÁRIOS PERCEBIDOS PELO FUNCIONÁRIO HÁ TRÊS TIPOS DE SALÁRIOS PERCEBIDOS PELO FUNCIONÁRIO SALÁRIO ABSOLUTO OU REAL O que o funcionário recebe todo mês no seu hollerith / contracheque SALÁRIO RELATIVO O comparativo interno com os seus companheiros de trabalho 80% DA PROBLEMÁTICA SALARIAL RESIDE NO SALÁRIO RELATIVO SALÁRIO PSICOLÓGICO/ Sempre está condicionado a uma boa política e plataforma de R.H. GICO/SUBSTRATO DE RH 29 SALÁRIO ABSOLUTO OU REAL O que o funcionário recebe todo mês no seu hollerith / contracheque. SALÁRIO RELATIVO O comparativo interno com os seus companheiros de trabalho. UM BOM PLANO DE CARREIRA E DESENVOLVIMENTO DEVE ATINGIR OS TRÊS TIPOS DE SALÁRIOS SALÁRIO PSICOLÓGICO Sempre está condicionado a uma boa política de R.H. 30 5

8 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA Remuneração Estratégica e Remuneração Dinâmica Uma Nova Vantagem Competitiva Senioridade Componentes da Remuneração no Mercado Brasileiro A Importância do Balanceamento Remuneração Fixa Remuneração Variável Remuneração de Longo Prazo Desempenho Geral/Grupal Valor da Empresa Transformar a visão atual da remuneração como fator de custo Desempenho Individual Desempenho Competência Organizacional para uma visão da remuneração como fator de aperfeiçoamento da Resultados Quantitativos organização, como impulsionador de processos de melhoria e Mercado Desafios Específicos Resultados Qualitativos aumento da competitividade e ainda, como alavancador de resultados estratégicos. REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA é uso inteligente das várias formas de remuneração, cuio conjunto estabelece um forte vínculo com a Influenciam perfil nova realidade das organizações que atuam em um mercado Condicionam cultura Mostram aderência com os valores globalizado e hipercompetitivo. Curto Prazo x Longo Prazo REMUNERAÇÃO DINÂMICA é uma abordagem flexível de Colaboração x Competição Entregando que remuneração que alinha as práticas de remuneração às estratégias Individual BALANCEAMENTO tipo de resultado? Agressividade x Passividade e ambientes organizacionais projetados REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA CARACTERÍSTICAS SALARIAIS As políticas de remuneração e recompensas de uma empresa devem estar alinhadas com seus objetivos (metas de curto e médio prazos) a estratégia da empresa (como atingir os objetivos) os comportamentos que se deseja reforçar (resultados a qualquer custo? Visão de longo prazo) ITEM ENCARGOS TRABALHISTAS PERÍODO DE RECEBIMENTO Salário Sim Mensal Comissões Sim Mensal ou menor PLR / PPR Não Semestral ou Anual Incentivo de curto prazo (bônus) Incentivos de longo prazo Sim Não, se baseado em Ações reais Anual 3 a 5 anos 33 Benefícios Sim ou não Variável Recompensas Não < que 1 ano 34 COMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO TOTAL SALÁRIO BASE GRAU DE RISCO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA BENEFÍCIOS INCENTIVOS DE CURTO PRAZO Até 01 ano INCENTIVOS DE TOTAL EM SALÁRIO BASE + CURTO PRAZO = DINHEIRO (TD) INCENTIVOS DE LONGO PRAZO Acima 01 ano Média 03 a 05 anos 35 VALOR OU MOTIVAÇÃO INTERNA COISAS QUE POSSUEM UM VALOR EQUIVALENTE EM R$ VALOR EXTRÍNSECO VALOR INTRÍNSECO Estilo de Vida Construindo o Futuro Qualidade no Trabalho Automóvel Clube Check-ups Plano de Pensão Assistência Médica Seguros Plano de Ações Bônus Salário Base Comissões REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA Cada elemento da recompensa tem impacto estratégico potencial. Cultura & Clima Organizacional Benefícios para Executivos Benefícios Incentivos de Longo Prazo Incentivos de Curto Prazo Salário RECOMPENSA TOTAL REMUNERAÇÃO TOTAL REMUNERAÇÃO DIRETA TOTAL EM DINHEIRO Fonte: Revista World At Work 36 6

9 OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO SALARIAL SISTEMA DE RECOMPENSA RESULTADOS ESPERADOS Estabelecer e/ou manter estruturas salariais justas e eqüitativas na organização - equilíbrio interno e externo. Atrair e reter os melhores talentos aos cargos. Equidade interna e externa Disseminação de valores e objetivos Ligar remuneração aos fatores de sucesso da organização e resultados Suporte ao Plano de Negócios (Business Plan) Mapeamento das Habilidades e Competências (Híbrido) Estimulo ao desenvolvimento das competências Propiciar maior flexibilidade à organização, dando-lhe meios adequados à movimentação do pessoal e capacitação (educação e desenvolvimento) Base para os processos de desenvolvimento (educação corporativa) Atração e retenção de talentos Comprometimento Manter equilíbrio entre os interesses financeiros da organização e sua política de relações com o mercado de trabalho. Controle de custos e folha de Pgto. Facilitar os controles administrativos (Folha de pagamento, pagamentos, controles de registros, administração salarial, movimentação e registro, etc.) Delegação das decisões salariais Recompensa e Contribuição SISTEMA DE RECOMPENSA CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS SISTEMA DE RECOMPENSA O QUE SE ESPERA? SIMPLICIDADE, CLAREZA E OBJETIVIDADE ALINHADO AO NEGÓCIO DA ORGANIZAÇÃO FLEXIBILIDADE TRANSPARÊNCIA SUSTENTAÇÃO E CRESCIMENTO CRENÇAS ORGANIZACIONAIS INTEGRADO E INTEGRADOR INSTRUMENTAL INVESTIMENTOS E CUSTOS COMPATÍVEIS MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES OBJETIVO PESQUISAS SALARIAIS Obter as informações necessárias à comparação da estrutura de remuneração da empresa com os níveis praticados pelos mercado. REVENDO CONCEITOS DE ESTATÍSTICA MÉDIA (MAP = MÉDIA ARITMÉTICA PONDERADA) É a medida de localização do centro da amostra de dados, mais utilizada e obtém-se somando todos os elementos da amostra e dividindo o resultado da soma pela dimensão da amostra A 340,00 925,00 520,20 438,00 340,00 401,90 399,00 435,80 370,00 MÉDIA = 463,32 = (Σ A1:A9)/ 9 No EXCEL: =MÉDIA(A1:A9) ENTENDENDO A ESTATÍSTICA DAS PESQUISAS SALARIAIS

10 MEDIDAS DE TENDÊNCIA DA PESQUISA MEDIDAS DE TENDÊNCIA DA PESQUISA MEDIANA = 2º QUARTIL A mediana de um conjunto de valores, dispostos segundo uma ordem (crescente ou decrescente), é o valor situado de tal forma no conjunto que o separa em dois subconjuntos de mesmo número de elementos. 4 elementos 4 elementos MÉDIA OU MEDIANA? A média éuma medida muito influenciada por valores "muito grandes" ou "muito pequenos", mesmo que estes valores surjam em pequeno número na amostra A 340,00 340,00 370,00 399,00 401,90 435,80 438,00 520,20 925,00 Valores ordenados MEDIANA = 401,90 No EXCEL: =MED(A1:A9) (não é necessário o ordenamento dos dados) 43 Quando a grandeza envolvida é Salários, utiliza se a Mediana como medida do ponto central de uma distribuição já que valores extremos podem afetar significativamente a média (MAP). A Mediana é preferida pelas empresas e profissionais de Recursos Humanos. 44 MEDIDAS DE TENDÊNCIA DA PESQUISA DESVIO PADRÃO QUARTIL Medida de posição que descreve uma divisão dos dados em 4 intervalos definidos. Assim, cada quartil tem 25% dos dados observados. O 1º., 2º. e 3º. Quartis são calculados ordenando os dados do menor para o maior e determinando os valores abaixo dos quais caem 25%, 50% e 75% dos dados respectivamente. O 2º. Quartil é a Mediana. O 1º. Quartil pode também ser chamado por 25 percentil, e assim por diante. DESVIO PADRÃO É a grandeza que determina a variabilidade ou dispersão dos dados, relativamente à medida de localização do centro da amostra. Em uma distribuição normal, por ex., 95,44% dos dados estão distribuídos no intervalo de + ou 2 desvios-padrão ,5% 25,0% 37,5% 50,0% 62,5% 75,0% 87,5% 100% A 340,00 340,00 370,00 399,00 401,90 435,80 438,00 520,20 925,00 Valores ordenados 1ºQ 2ºQ 3ºQ (Mediana) 68,26% => 1 desvio 95,44% => 2 desvios No EXCEL: =QUARTIL(A1:A9; quarto) quarto = 1 (1ºQ) ou 2 (2ºQ) ou 3 (3ºQ) (não é necessário o ordenamento dos dados) 99,73% => 3 desvios DESVIO PADRÃO Exemplo A 340,00 340,00 370,00 399,00 401,90 435,80 438,00 520,20 925,00 281,38 Valores ordenados DESVIO PADRÃO = 181,9395 DESVIO PADRÃO (Média) (1,0 DP) No EXCEL: =DESVPAD(A1:A9) 463,32 Média (Média) + (1,0 DP) 645,26 47 MEDIDAS DE TENDÊNCIA DA PESQUISA Fórmulas no Excel No EXCEL 1º QUARTIL: =QUARTIL(A1:AN); (1)) No EXCEL 2º QUARTIL: =MED(A1:AN) MEDIANA No EXCEL 3º QUARTIL: =QUARTIL(A1:NA); (3)) No EXCEL: =MÉDIA(A1:AN) MAP No EXCEL: =DESVPAD(A1:AN) No Excel não é necessário o ordenamento dos dados AN= último termo da amostra considerada 48 8

11 POSICIONAMENTO DE MERCADO GRÁFICO DE DISTRIBUIÇÃO DOS QUARTIS + agressivo 3º Quartil 25% dos salários do mercado estão acima da linha Maior freqüência 25% < > 25% Mediana 50% dos salários de mercado estão acima da linha Curvas salariais 1º Quartil CLASSES DE CARGOS 75% dos salários de mercado estão acima da linha 49 Menor freqüência Salários mais Baixos 1º quartil Mediana 2º Quartil MAP 3º quartil Política de Salários de Alto Risco Política de Salários de Agressiva Política de Salários Competitiva Salários mais Altos 50 ESTRUTURAS SALARIAIS GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Definido com base na Mediana de mercado 80% 120% Máximo (3º Quartil) Esta zona da faixa salarial é reservada para aqueles indivíduos cujo destacado desempenho e/ou maturidade e/ou competência é claramente visível por todos. Excelente 120% A B C D E Máximo Máximo Médio Máximo Máximo GRAU Mínimo Mínimo Mínimo Máximo Mínimo Mínimo 80% 100% 120% ,13% Razão 51 Ponto Médio Superior Adequado Transitório Inicial Mínimo (1º Quartil) Zona reservada para funcionários com grande experiência cujo desempenho é notadamente melhor que a média. Zona reservada para funcionários que de forma constante produzem desempenho satisfatório de seu cargo como descrito na descrição de cargo. Zona reservada para funcionários que vêm mostrando um progresso adequado na passagem de inicial para adequado. Zona reservada para funcionários novos sem experiência e para aqueles cujo desempenho está claramente abaixo do nível aceitável. Os ocupantes dos cargos inclusos nesta zona devem subir na faixa ou sair do cargo em pouco tempo. 112% 100% 52 88% 80% CURVA DE SALÁRIOS EXEMPLO DE OUTPUT DE UMA PESQUISA SALARIAL As estruturas salariais podem ser representadas por uma Curva (normalmente de natureza exponencial), denominadas Curvas de Salários. Posição: (S065) Supervisor Transportes Número de observações: 24 Curva representando o ponto médio da estrutura salarial (valor de mercado) Equação desta curva: Y = 457,32.e 0,0652.x Classes ou graus salariais 53 Valores mensais (Base 13) 54 9

12 Salário Nominal Total em Dinheiro EMPRESA X PESQUISAS SALARIAIS Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro Salário Nominal Total em Dinheiro PROCESSO PARA ELABORAÇÃO DA PESQUISA ETAPAS Seleção dos cargos a incluir (Padrões) Seleção das empresas participantes Preparo do caderno de coleta Tabulação (Computador) Análise dos Resultados Relato às s empresas participantes Estudos e recomendações Subsídios para montagem da estrutura salarial 56 PESQUISAS SALARIAIS PESQUISAS SALARIAIS SELEÇÃO DE CARGOS Job Matching Selecionar cargos representativos da estrutura Selecionar amostragem representativa do universo a pesquisar Selecionar facilmente identificáveis Cargos universais e bem definidos Cargos padrões (key( key-people) 57 ESCOLHA DAS EMPRESAS PARTICIPANTES Concorrentes da linha de produtos Concorrentes de mão de obra Setor de Atividade Localização Geográfica Porte Nível de competitividade Empresas Líderes Origem do Capital 58 PESQUISAS SALARIAIS PESQUISAS SALARIAIS PREPARAÇÃO DO MATERIAL DE COLETA DE DADOS 1ª PARTE-ORGANIZACIONAL ORGANOGRAMA DESCRIÇÃO DE CARGOS Sumárias Completas Requisitos 2ª PARTE-QUALITATIVA Planos de classificação de cargos Plano de mérito Promoção Políticas de bônus / gratificações Adm. das faixas salariais Avaliação Desempenho / Potencial Benefícios: Automóvel, Seguros, Empréstimos, Planos de Pensão, Refeições, Convênios, Clubes, Cooperativas, Assist. Médica e Odontológica etc. 59 PREPARAÇÃO DO MATERIAL DE COLETA DE DADOS 3ª PARTE-QUANTITIVA Salários Antecipações Dissídios e Ajustes Adicionais por Tempo Serviço Adicionais (periculosidade, insalubridade, região) Comissões de vendas Bonus / Gratificações Benefícios Participação nos Resultados ASPECTOS IMPORTANTES ASPECTOS IMPORTANTES Carta-Convite / Entrevistas Pessoais Estabelecer um bom relacionamento com a empresa pesquisada Credibilidade Confidencialidade Reciprocidade Assegurar comparação rigorosa dos cargos Pesquisar todos os dados necessários 60 10

13 ADMINISTRAÇÃO SALARIAL - ESTATÍSTICA STICA ESTRUTURA SALARIAL Curvas de ajustamentos MEDIDAS DE POSIÇÃO OU MEDIDAS DE TENDÊNCIA 1º QUARTIL (Q1) É o menor salário médio da amostra É a linha acima da qual estão 75% dos valores e 25% abaixo. 75% Pagam mais 25% Pagam menos MEDIANA (Q2 = 2º 2 Quartil) É o termo central da amostra É a linha acima que divide 50% das informações e 50% abaixo 3º QUARTIL (Q3) É o maior salário médio da amostra É a linha acima da qual estão 25% dos valores e 75% abaixo. 75% Pagam menos 25% Pagam mais MAP (Média Aritmética Ponderada) ou MÉDIA É a somatória de todos os valores dividida pelo número de termos 61 Salários (em R$) pontos Y= 590 0,050x e R2= 0, ESTRUTURA SALARIAL Método Funcional PESQUISAS SALARIAIS $ PESQUISA DOS DADOS Coletar dados perfeitamente identificáveis Expurgar salários exceção Classes Pontos TABULAÇÃO M.A.P., MEDIANA, 1º e 3º QUARTIL Salários Menores e Maiores Salários Indiretos e adicionais Horários diferenciados de trabalho Ajustes dos valores na mesma data-base PESQUISA SALARIAL GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS MERCADO SEGMENTADO (Específico) Pesquisa quando a empresa possui competidores de talentos a nível nacional MERCADO REGIONAL Pesquisa quando a empresa possui competidores de talentos a nível local/regional 65 Políticas de Administração Salarial Grupos de Cargos Faixa/Banda Salarial Ajuste ao Mercado Enquadramento Promoção 66 11

14 JOB RANKING MÉTODO DE HIERARQUIZAÇÃO DOS CARGOS Cada nível de carreira é descrito através de perfis detalhados das habilidades, conhecimentos e comportamentos requeridos para o nível da posição. O que é JOB RANKING? Como são estruturadas as CARREIRAS Premissas básicas Vantagens da abordagem Aspectos potencialmente críticos JOB RANKING SUPERVISOR / GERENTE ANALISTA SENIOR ANALISTA PLENO ANALISTA JUNIOR Auxiliar / Assistente Área Administrativa BROADJOB (Cargo amplo) Cada nível de carreira é descrito através de perfis detalhados das habilidades, conhecimentos e comportamentos requeridos para o nível da posição. EXEMPLO DE CARGO AMPLO: CARREIRA EM RECURSOS HUMANOS CARGOS FUNCIONAIS BROADJOB (Cargo Amplo) JOB RANKING Auxiliar Técnico Área Técnica-Operacional TÉCNICO JUNIOR - I TÉCNICO PLENO - II TÉCNICO SENIOR - III SUPERVISOR / GERENTE Técnico de Produção III Técnico de Produção II Técnico de Produção I Auxiliar TécnicoT 69 PSICÓLOGO ANALISTA DE DESENVOLVIMENTO ANALISTA DE CARGOS E SALÁRIOS ANALISTA DE PESSOAL SELECIONADOR DE PESSOAL ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS PROCESSO DIRIGIDO POR RH, DEVE ESTAR FUNDAMENTADO EM UMA ADEQUADA COMUNICAÇÃO PARA TODA ORGANIZAÇÃO E COM ESTREITA COLABORAÇÃO DOS GESTORES E DIRETORES, COMO GARANTIA DE UMA CORRETA ADEQUAÇÃO DE CADA EMPREGADO NO BROADJOB E NÍVEL DE CONTRIBUIÇÃO CORRESPONDENTE. 70 BROADJOB (Cargo amplo) C A R R E I R A E M Y EXEMPLO DE CARGO AMPLO: CARREIRA CONTROLADORIA / CONTÁBIL CARGOS FUNCIONAIS BROADJOB (Cargo Amplo) ANALISTA DE ORÇAMENTO ANALISTA DE CUSTOS ANALISTA CONTÁBIL ANÁLISTA FISCAL ANALISTA DE PLANEJAMENTO ANALISTA DE CONTROLADORIA PROCESSO DIRIGIDO POR RH, DEVE ESTAR FUNDAMENTADO EM UMA ADEQUADA COMUNICAÇÃO PARA TODA ORGANIZAÇÃO E COM ESTREITA COLABORAÇÃO DOS GESTORES E DIRETORES, COMO GARANTIA DE UMA CORRETA ADEQUAÇÃO DE CADA EMPREGADO NO BROADJOB E NÍVEL DE CONTRIBUIÇÃO CORRESPONDENTE

15 C A R R E I R A E M Y C A R R E I R A E M Y Braço o TécnicoT Analise bem Consultor Ph.D Consultor SR Consultor PL Consultor Jr Analista Auxiliar Coordenador Supervisor Analista Auxiliar Gerente Braço o Administrativo Superintendente OPÇÃO PELA CARREIRA TÉCNICA T OU ADMINISTRATIVA 73 PRINCIPAIS VANTAGENS DA CARREIRA EM Y Maior desenvolvimento tecnológico da organização Evolução do profissional baseado na competência técnica Manutenção para especialistas de pacotes de remuneração idênticos aos ocupantes de cargos de gerência (generalistas) Manutenção de técnicos de altos nível em cargos de Pesquisa e no Eixo de Carreira Tecnológico PRINCIPAIS DESVANTAGENS DA CARREIRA EM Y Desmotivação das gerências e dos executivos da empresa Aplicação de forma indiscriminada da Carreira em Y Atualmente a Carreira em Y está sendo substituída pelo Sistema de Carreira Paralelas (modelo por competências) 74 JOB RANKING MÉTODO DE HIERARQUIZAÇÃO DOS CARGOS JOB RANKING MÉTODO DE HIERARQUIZAÇÃO DOS CARGOS Têm nos indicativos de QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL: ÁREA ADMINISTRATIVA ÁREA TÉCNICA-OPERACIONAL AUXILIAR AUXILIAR ASSISTENTE ASSISTENTE JUNIOR I ou Junior Estabelece um range para evolução natural das pessoas (empregados), dentro do seu segmento de atuação (Marketing, Vendas, RH, Finanças, Controladoria, Qualidade, Comercial, etc.). Profissional Senior PLENO SENIOR II ou Pleno III ou Senior Profissional Pleno 80/120 Nomenclaturas que complementam a titulação de determinados cargos, visto aspectos de gradação na experiência e adaptabilidade profissional, assim como no aumento das responsabilidades e na qualificação conseqüentes, com reflexos na produtividade, segurança do trabalho e qualidade dos serviços. Assistente Profissional Junior 80/120 80/ JOB RANKING MÉTODO DE HIERARQUIZAÇÃO DOS CARGOS Nas áreas técnicas-operacionais e de manufatura estabelece range com bases das complexidades dos processos das áreas. REMUNERAÇÃO POR RESPONSABILIDADE (Remuneração Funcional) Descrição de cargos OPERADOR DE PRODUÇÃO III Balanceamento Torno CNC Calandra e Mandril OPERADOR DE PRODUÇÃO II Pintura Chapeação e Prensagem Corte de Perfis Torno Mecânico OPERADOR DE PRODUÇÃO I Pintura de Radiadores e montagem Oxicorte Soldagem /120 80/120 80/ /120 Política salarial Pesquisa Salarial Avaliação de cargos Faixas salariais PRINCÍPIOS PIOS BÁSICOSB Foco no cargo, não na pessoa. Base do sistema é a avaliação do cargos. Busca de eqüidade interna através s da avaliação de AUXILIAR DE PRODUÇÃO I Serviços de preparação de radiador para montagem 77 Fonte: Picarelli e Wood cargos Eqüidade externa através s de Pesquisas Salariais Avaliação Interna x Pesquisa Salarial = Estrutura 78 13

16 PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DE CARGOS O MODELO DE PONTOS Principais razões para uso em larga escala Retrospectiva dos processos de avaliação de cargos 1890: Escalonamento 1900: Escalonamento com Fatores 1907: Comparação por Fatores 1925: Método de Pontos Premissas: Fatores de Avaliação Pesos (%) Graus Pontos Principais razões para uso em larga escala 79 A ênfase na matemática / estatística Flexibilidade dos Planos de Cargos e Salários Possibilidade de equilíbrio interno Nível variado de sofisticação técnica Possibilidade de construção / desenvolvimento Farta exposição em livros e cursos Uso em organizações de portes variados Salário Relativo mais equilibrado 80 MODELO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS MÉTODOS PARA DESCRIÇÃO DE CARGOS OBSERVAÇÃO DIRETA NO POSTO DE TRABALHO Útil para cargos operacionais Instrumento: Check-List 2 - ENTREVISTA COM O OCUPANTE OU COM O SUPERVISOR Útil para todos os cargos: - administrativos, técnicos e operacionais Instrumento: Roteiro 3 - QUESTIONÁRIO Útil para os cargos administrativos e técnicos Instrumento: formulário e teste piloto 4 - MISTO Combinação dos métodos acima e outros métodos existentes para levantamentos dos postos 82 PPR PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS PPR PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS Lei de 19/12/2000 X da questão HISTÓRICO Constituição de 1946 (art. 157, IV) Constituição de 1988 (art. 7, XI) MP 794 de 29/12/94 (depois MP 1982) reeditada 77 vezes) Lei de 23/11/2000 A Participação nos Resultados não substitui ou complementa a remuneração devida a qualquer empregado, nem constitui base de incidência para de qualquer encargo trabalhista e previdenciário, não se aplicando o princípio da habitualidade: NÃO É SALÁRIO - Não há incidência de INSS, FGTS, etc - Não incide em médias (13.o, Férias, Gratificações, Prêmios, etc) ATENÇÃO!!! A implantação de PPR necessita de uma análise jurídica trabalhista detalhada assim como o envolvimento do Sindicato da Categoria. Embora não seja salário, deve ser considerado no composto da remuneração total (mix compensatório, competitividade, atração e retenção de talentos, etc). DISTRIBUIÇÃO (PRÁTICAS UTILIZADAS NO MERCADO) 83 5 a 10% do Resultado Líquido (valor a ser distribuído) 0,8 a 1,3% do faturamento (valor a ser distribuído) 84 14

17 PPR PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS Lei de 19/12/2000 Características do PPR ou PLR NEGOCIADO ENTRE A EMPRESA E SEUS EMPREGADOS Comissão escolhida pela partes, integrada, também, por representante do sindicato da respectiva categoria. Convenção, Dissídio ou Acordo Coletivo REGRAS CLARAS E OBJETIVOS QUANTO AS CARACTERÍSTICAS DO PLANO Índices de qualidade, produtividade ou lucratividade da empresa. Programas de Metas, Resultados e Prazos, pactuados previamente. O instrumento de acordo deve ser arquivado no Sindicato da Categoria. É VEDADO O PAGAMENTO DE QUALQUER ANTECIPAÇÃO OU DISTRIBUIÇÃO DE VALORES EM PERIODICIDADE INFERIOR A UM SEMESTRE CIVIL, OU MAIS DE DUAS VEZES, NO MESMO ANO CIVIL. 85 Aspectos práticos: ASPECTOS PRÁTICOS A formalização do plano deve ser preferencialmente feita através de um Acordo Coletivo pluri-anual (por exemplo, válido por 2 anos); A negociação é feita por uma comissão tripartite: representantes dos funcionários escolha através de eleição, similar à da CIPA. Os candidatos podem ser indicados pelas respectivas chefias e devem possuir espírito de liderança positiva ; não devem ocupar posições de chefia representantes do sindicato - preferencialmente os representantes do sindicato devem ser funcionários ativos da empresa (vivenciam o dia-adia) representante da empresa hábil negociador, perfil conciliador 86 ASPECTOS PRÁTICOS PPR PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS Aspectos práticos (continuaçao): Definir critérios de elegibilidade: reforços de comportamentos Metas e critérios de desempenho definidos e divulgados logo no início do período de avaliação Estabelecer metas factíveis Estabelecer no máximo 3 metas para o grupo, departamento, etc. Dedicar tempo e energia no planejamento e acompanhamento 87 O PLR e os dissídios coletivos Alguns Sindicatos negociam no dissídio anual os valores de PLR, normalmente como um valor fixo ( igual para todos ), dissociado de critérios de desempenho. É desejável possuir um plano próprio para o PLR; essa iniciativa á amparada na lei: Todos os pagamentos efetuados em decorrência de planos de participação nos lucros ou resultados, mantidos espontaneamente pela empresa, poderão ser compensados com as obrigações decorrentes de acordos ou convenções coletivas de trabalho atinentes à participação nos lucros ou resultados. (lei ) 88 PPR PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS PPR PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS Medidas para o valor do PLR Medidas para o valor do PLR (continuação) Parcela coletiva (igual para todos): resultados globais da empresa (lucro, market share, gastos fixos, número de reclamações, número de devoluções de produtos, etc.) utilizar grandezas que possam ser divulgadas periodicamente. Parcela do grupo (por equipe, supervisão, departamento): fatores críticos na produtividade e/ou qualidade do output : perdas no processo, volume produzido, custos, resultados de auditorias, etc. devem provocar o espírito de equipe e a identificação de melhorias Comportamentos: criar critérios de elegibilidade para problemas crônicos da empresa como: Absenteísmo Acidentes de trabalho Atrasos Turn-over Ex.: só poderão receber o PLR os funcionários que tiverem tido um máximo de 2 faltas no ano

18 O PLR como ferramenta de alinhamento PPR PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DESEJÁVEIS: Contemplar metas da empresa e metas da equipe entendimento do negócio da empresa Reforçar comportamentos desejáveis dos funcionários Possuir regras simples e bem divulgadas Divulgar os resultados parciais ao longo de todo o ano Prever valores significativos O processo deve ser o mais transparente possível despertar sentido de parceria Deve ser perfeitamente entendido e alinhado com as chefias imediatas estes são os guardiões do processo DISCUSSÃO É possível transformar um programa de bônus (sobre o qual incidem encargos) em um PPR (sobre o qual NÃO incidem encargos)? COMISSÕES Comissões É um tipo de Remuneração Variável de curtíssimo prazo destinado normalmente à área de vendas. Possui natureza salarial. Em geral é função do desempenho individual do colaborador ONDE APLICAR COMISSÕES? ONDE APLICAR COMISSÕES? Vendas Atividades que possam ser medidas por produtividade (individual ou da equipe): unidades produzidas por hora quantidade de mercadoria carregada ou descarregada por dia número de defeitos planilhas digitadas por período CUIDADOS: dependência de fatores alheios àautoridade do executor metas devem ser claras, simples e factíveis avaliar os resultados (distribuição de valores pagos) incidência de encargos e reflexos (comissões têm natureza salarial) custo / benefício como solução de problemas pontuais ou que tenham outras causas divulgar resultados feed back melhorias superposição a outros programas de RV

19 POLÍTICA PARA FIXAÇÃO DAS COMISSÕES COMISSÕES PARA VENDAS Exemplo de política salarial: 5 % 20 % FORMATO DAS COMISSÕES: Porcentagem do faturamento (volume/commodities) Índices de desempenho (cumprimento de metas) Comissão Salário de registro Mediana de Mercado Limite Máximo da Remuneração Meta Exemplo: preço médio, mix de produtos, itens por cliente, tíquete médio, recall, positivação de vendas por visita, quantidade de visitas, etc. etc. Sistemas mistos Sistemas com pontuação ALGUMAS VANTAGENS E DESVANTAGENS DE CADA SISTEMA ESTABELECENDO UMA POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DE VENDA SISTEMA % SOBRE FATURAMENTO (PURO) ÍNDICES DE DESEMPENHO Foco no volume VANTAGENS Menores salários fixos Auto regulador menor necessidade de gestão Simplicidade de entendimento, divulgação e cálculo Foco na estratégia Flexibilidade (velocidade nas mudanças) Possibilidade de administração das retiradas mensais DESVANTAGENS Acomodação (tirador de pedido) Vender o que é fácil, sem olhar a rentabilidade Riscos à rentabilidade e mix Riscos de remuneração excessiva Dificuldades em desbravar novas áreas / novos mercados Demanda de gestão intensiva Maiores custos fixos em salários Necessidade de comunicação constante com os vendedores Sistema complexo PONTOS A OBSERVAR Proporção entre salário fixo e variável Espectro da fome ou Sessão da Tarde? Reflexos Atenção com o DSR!!! Além do vendedor, quem mais comissionar? Chefias (até que nível?), Pessoal Auxiliar (administração de vendas, promotores,...) Remuneração variável nas férias, remuneração do vendedor substituto. Vendedores admitidos ou transferidos para nova zona de vendas como sobreviver? Terceirização riscos trabalhistas x menor custo x desempenho ESTABELECENDO UMA POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DE VENDA EXEMPLO PARA DISCUSSÃO PONTOS A OBSERVAR Estabelecimento de metas avaliações mensais dos resultados curva normal (calibragem das metas) Você é o responsável por estabelecer uma política geral de vendas de sua empresa. Sugerir qual o melhor sistema de remuneração e, se for o caso, alguns índices de produtividade a utilizar. SUA EMPRESA: 68,26% => 1 desvio 95,44% => 2 desvios 99,73% => 3 desvios Divulgação dos resultados Cálculos das comissões Atendimento às dúvidas Alteração do regime de remuneração variável Alteração de contratos Riscos trabalhistas 101 Frango inteiro congelado Vendas de carros novos (concessionária) Bebidas (cervejas) Solução tecnológica (um Sistema de T.I. / ERP) Veleiro Arroz em pacote de 02 e 05 Kg

20 BENEFÍCIOS (Fringe( Benefits) É tudo aquilo, que não sendo salário direto, tem um custo por parte da empresa, com alguma ou nenhuma participação financeira por parte dos funcionários. SERVIÇOS É tudo aquilo que é oferecido pela empresa para beneficiar e facilitar a vida de seu funcionário, sem no entanto exigir participação de natureza financeira da empresa. Ex.: Convênios. REMUNERAÇÃO VARIÁVEL Cada vez mais nos dias atuais a concessão de BENEFÍCIOS está atrelada aos pacotes de REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA das empresas FONTES DE ORIGEM DAS METAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Processo que consiste na análise sistemática dos pontos fortes e pontos fracos da empresa e das oportunidades e ameaças do mercado com o intuito de estabelecer objetivos, estratégias e ações que possibilitem um aumento da competitividade da empresa GERENCIAMENTO PELAS DIRETRIZES Metodologia para desdobramento dos objetivos da alta administração em metas que permeiam toda a organização BALANCED SCORE CARD Método que avalia o desempenho da empresa através de indicadores que medem fatores múltiplos, além dos resultados financeiros. 105 MISSÃO E VISÃO METAS AMBIENTE EMPRESARIAL PONTOS FORTES PONTOS FRACOS OBJETIVOS OPORTUNIDADES AMEAÇAS AMBIENTE EXTERNO Matriz de SWOT ESTRATÉGIA 106 BALANCED SCORE CARD GERENCIAMENTO PELAS DIRETRIZES O Scorecard mede a performance organizacional através de 4 perspectivas: VISÃO E ESTRATÉGIA ECONÔMICO-FINANCEIRA Para ter êxito financeiro, como temos que parecer para nossos acionistas? DO CLIENTE Para alcançar nossa visão, como temos que parecer para nossos clientes? DOS PROCESSOS INTERNOS Para satisfazer acionistas e clientes, em que processos devemos nos destacar? OBJETIVOS MEDIDAS METAS INICIATIVAS OBJETIVOS MEDIDAS METAS INICIATIVAS OBJETIVOS MEDIDAS METAS INICIATIVAS META INDICADOR 1 INDICADOR 2 INDICADOR 3... INDICADOR N Diretriz do Presidente META INDICADOR A INDICADOR B INDICADOR C... INDICADOR Z Diretriz do Diretor META ( O QUE) COMO QUEM QUANDO INDICADOR I INDICADOR II INDICADOR III Plano de Ação do Gerente DO APRENDIZADO E CRESCIMENTO Para alcançar nossa visão, como sustentaremos nossa habilidade de mudar e melhorar? OBJETIVOS MEDIDAS METAS INICIATIVAS

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais

Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais Programa de Capacitação Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais 11 e 12 fevereiro 2009 Conteúdo Objetivos do Treinamento Agenda Contextualização: Remuneração

Leia mais

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro A Empresa será reconhecida como uma organização comprometida com a valorização do homem O Significado dos

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO

BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO APRENDA, PRATIQUE E DESENVOLVA-SE COM O MERCER COLLEGE VISÃO GERAL OBJETIVOS Os objetivos do Mercer College, Programa de Desenvolvimento

Leia mais

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br Agenda 5ª EDIÇÃO 08 de Outubro 2015 Hotel Green Place Flat São Paulo, SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO COMO ESTABELECER UM PROGRAMA

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Mercer College Brasil 2014. Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano

Mercer College Brasil 2014. Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano Mercer College Brasil 2014 Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano APRENDA, PRATIQUE E DESENVOLVA-SE COM O MERCER COLLEGE VISÃO GERAL OBJETIVOS Os objetivos do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Ementas e bibliografia básica das disciplinas

Ementas e bibliografia básica das disciplinas Ementas e bibliografia básica das disciplinas Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva (10h) Conceitos gerais de gestão do conhecimento Conceitos gerais de inteligência competitiva Ferramentas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

GESTÃO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO NO BRASIL

GESTÃO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO NO BRASIL GESTÃO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO NO BRASIL Versão Resumida Práticas de gestão e contabilização de planos de stock options e outros tipos de ILP - Incentivos de Longo Prazo Pesquisa PRIS 2014 www.pris.com.br

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Pessoas e negócios em evolução.

Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria Pessoas e negócios em evolução. 1 Silvestre Consultoria desde 2001 Nossos Serviços: Pesquisa de Clima Cargos e Salários Avaliação de Desempenho Recrutamento Especializado Mapeamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência

Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência watsonwyatt.com CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 052/2007 Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência 09 de Abril de 2008 Número de Empresas

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVOS

PROGRAMA DE INCENTIVOS PROGRAMA DE INCENTIVOS - Recompensas e Punições - Novos Métodos em Remuneração - Remuneração Variável - Plano de Bonificação Anual - Distribuição de Ações da Empresa aos Funcionários - Opção de Compra

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO SELECIONA: Farmacêutico Descrição: Para responder tecnicamente pela distribuição dos medicamentos, auxiliar os representantes nas orientações necessárias, auxiliar os clientes, fornecer treinamentos quanto

Leia mais

competências e habilidades

competências e habilidades Remuneração e Carreira com base em competências e habilidades Reflexão inicial Qual o percentual de pessoas desmotivadas nas organizações? Até que ponto e de que forma a remuneração influencia na desmotivação

Leia mais

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde.

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. PCCS Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Colaborador (a), Com o objetivo de alavancar a

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori)

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) TATIANA LOPES 2012 A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) PLANEJAMENTO: é uma ferramenta administrativa, que possibilita perceber

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

ENECONT 2013. GERSON STOCCO DE SIQUEIRA gerson@gaiasilvagaede.com.br

ENECONT 2013. GERSON STOCCO DE SIQUEIRA gerson@gaiasilvagaede.com.br ENECONT 2013 GERSON STOCCO DE SIQUEIRA gerson@gaiasilvagaede.com.br RETENÇÃO DE TALENTOS - MERCADO CRESCIMENTO SIGNIFICATIVO DO NÚMERO DE PARTICIPANTES DE EMPRESAS EM INCENTIVOS DE LONGO PRAZO (ILP) VISÃO

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

OS 10 INDICADORES DE RH

OS 10 INDICADORES DE RH OS 10 INDICADORES DE RH Oportunidades para aumentar as margens da Concessionária Francisco Nunes Administrador de Empresas; Especialista em Recursos Humanos; Especialista em Gestão da Qualidade; MBA em

Leia mais

COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS

COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS COMUNICADO Nº 01 07/08/2011 Processo Seletivo SEBRAE Nacional nº 02/2011 SÍNTESE DAS VAGAS IMPORTANTE: 1. Este documento não substitui o Comunicado 01 e constitui-se em mera síntese para divulgação das

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos RH 2020: Valor e Inovação Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos Glaucy Bocci 7 de maio de 2015, São Paulo Agenda Contexto O valor estratégico da EVP Pesquisa

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 1 O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 2 INTRODUÇÃO O FATOR HUMANO E OS FATORES QUE IMPACTAM PROCESSOS EM PROJETOS DE TI Mudança de paradigma: humano é o ponto central fator humano Processos Normas Normas

Leia mais

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L depto. mkt. IBS FGV management CONVENIADA RESOLUÇÃO DO MEC Os cursos MBA Pós-Graduação Especialização da Fundação Getulio Vargas atendem aos requisitos da Resolução CNE / CES nº 01, de 08/06/07. Ascensão

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA BRITCHAM BRASIL

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA BRITCHAM BRASIL REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA BRITCHAM BRASIL 08/11/2011 Nossa Abordagem Modelo de Remuneração Ao desenhar o modelo de remuneração diversos fatores são levados em consideração como insumos para a solução e/ou

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

Nossa Visão. Ser a melhor empresa de logística da América Latina.

Nossa Visão. Ser a melhor empresa de logística da América Latina. Nossa Visão Ser a melhor empresa de logística da América Latina. Nossos Valores Foco no cliente Gente faz a diferença e vale pelo que faz Integridade e transparência Lucro para valorização crescente Simplicidade

Leia mais

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 Agenda 1. Demanda por profissionais e a estratégia de gestão de pessoas 2. Gestão de pessoas tendências

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

DIVERSAS FORMAS DE AGREGAR VALOR AO SALÁRIO

DIVERSAS FORMAS DE AGREGAR VALOR AO SALÁRIO Tatiane Schmitt Pinto DIVERSAS FORMAS DE AGREGAR VALOR AO SALÁRIO RESUMO O presente artigo trata sobre o tema Diversas formas de agregar valor ao salário, onde buscou se os conceitos de diferentes formas

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

ABVCAP. Política de Recursos Humanos. Remuneração de Executivos nas Empresas Investidas. 8 de agosto de 2012

ABVCAP. Política de Recursos Humanos. Remuneração de Executivos nas Empresas Investidas. 8 de agosto de 2012 ABVCAP Política de Recursos Humanos Remuneração de Executivos nas Empresas Investidas 8 de agosto de 2012 1 Crescimento da Indústria de Private Equity no Brasil Captação e Investimentos (US$m) 1º Q Fonte:

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU REENGENHARIA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

MBA Executivo Internacional

MBA Executivo Internacional MBA Executivo Internacional Informações* Dias e horários das aulas: Quinzenalmente. Sextas e sábados. Das 08h30 às 17h30. Carga horária: 612 Horas *As informações podem sofrer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Plano de Cargos e Salários

Plano de Cargos e Salários Introdução à Plano de Cargos e Salários Maria Carolina Linhares Paula Galvão de Barba Autoras do blog Mundo RH e sócias da Kombo 2009 Kombo - Todos os direitos reservados O que é um plano de cargos e salários

Leia mais

Remuneração estratégica e benefícios

Remuneração estratégica e benefícios agenda 4ª Edição Remuneração estratégica e benefícios Aplicação das melhores práticas e políticas de remuneração, benefícios e programas motivacionais. A importância de um programa de remuneração e benefícios

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais