NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PITÁGORAS MBA EM FINANÇAS, AUDITORIA E CONTROLADORIA NEIMAR ALEXANDRE DE ABREU ARAÚJO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PITÁGORAS MBA EM FINANÇAS, AUDITORIA E CONTROLADORIA NEIMAR ALEXANDRE DE ABREU ARAÚJO"

Transcrição

1 NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PITÁGORAS MBA EM FINANÇAS, AUDITORIA E CONTROLADORIA NEIMAR ALEXANDRE DE ABREU ARAÚJO ANÁLISE DE CARTEIRA DE INVESTIMENTO DE EMPRESAS DO SETOR DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Belo Horizonte 2012

2 NEIMAR ALEXANDRE DE ABREU ARAÚJO ANÁLISE DE CARTEIRA DE INVESTIMENTO DE EMPRESAS DO SETOR DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial à obtenção do grau de Especialista, no curso de MBA em Finanças, Auditoria e Controlaria da Faculdade Pitágoras, áreas de concentração Finanças, Auditoria e Controladoria. Orientador: Prof. Vinicius de C. S. dos Passos Belo Horizonte 2012

3 NEIMAR ALEXANDRE DE ABREU ARAÚJO ANÁLISE DE CARTEIRA DE INVESTIMENTO DE EMPRESAS DO SETOR DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial à obtenção do grau de Especialista, no curso de MBA em Finanças, Auditoria e Controlaria da Faculdade Pitágoras, áreas de concentração Finanças, Auditoria e Controladoria. BANCA EXAMINADORA Aprovado por: Prof. Vinicius de C. S. dos Passos Mestre em Administração / / Prof.ª. Jurema Nery Ribeiro Mestre em Administração / / Prof. Willian Lopes Camelo Mestre em Administração / /

4 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo o estudo teórico da formação de uma carteira de investimento, composta por empresas do setor de infraestrutura que atendam aos critérios fundamentalistas e tenham a melhor relação risco-retorno dentre os ativos do setor. Portanto, foi adotada a seguinte metodologia: foram extraídos os retornos mensais de todas as ações do setor de infraestrutura e calculado o Risco (Desvio Padrão), Retorno Médio e o Índice de Sharpe de todas as ações. As ações que apresentaram o Índice de Sharpe maior do que zero compuseram a segunda amostra, que foi submetida à análise fundamentalista dados os critérios sugeridos por Graham e outros de consenso do mercado. Sendo assim, os ativos que obedeceram todos os critérios estabelecidos na análise fundamentalista foram AELP3 (AES Elpa), ELPL4 (AES Eletropaulo) e COCE5 (Coelce). Por fim, foi aplicada a teoria de otimização de carteiras proposta por Markowitz para definir a melhor alocação dos recursos dentre os ativos da carteira, visando à redução do risco ao mesmo retorno médio esperado. O resultado obtido foi: AELP3 (25,43%), ELPL4 (34,97%) e COCE5 (39,60%) com o Risco de 5,75% da carteira equitativa reduzido para 5,69% ao mesmo retorno médio esperado (1,80% a.m.). Logo, conclui-se que embora não seja garantida a obtenção de bons resultados, a metodologia mostrou-se eficiente na redução do risco de investimento. Palavras-chave: Carteira de Investimento. Infraestrutura. Markowitz. Índice de Sharpe. Graham. Otimização de Carteira.

5 ABSTRACT The present work has as objective the theoretical study of the formation of an investment portfolio, composed of companies of the sector of infrastructure conform the fundamentalist criteria and the best relation risk-return amongst the assets of the sector. Therefore, the following methodology was adopted: the monthly returns have been extracted from all assets of the sector of infrastructure and the risk has been calculated (standard deviation), average return and the Sharpe Index of all assets. The assets who presented the Sharpe Index greater than zero have composed the second sample that was submitted to the fundamentalist analysis given to the criteria suggested by Graham and others of consensus of the market. The assets that had obeyed to all criteria established in the fundamentalist analysis are AELP3 (AES Elpa), ELPL4 (AES Eletropaulo) and COCE5 (Coelce). Finally, the theory of portfolio optimization suggested by Markowitz has been applied in order to define the best allocation of the resources amongst the assets of the portfolio, aiming the reduction of the risk and the expected average return. The result was: AELP3 (25.43%), ELPL4 (34.97%) and COCE5 (39.60%) with the risk of 5.75% of the equitable portfolio reduced to 5.69% of the same expected average return (1.80% per month). So it has been concluded that even so the attainment of good results is not guaranteed, the methodology ensures efficiency in the reduction of the investment risk. Keywords: Investment Portfolio. Infrastructure. Markowitz. Sharpe Index. Graham. Portfolio Optimization.

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Gráfico/Figura 1 Evolução dos Investimentos no Setor de Infraestrutura Gráfico/Figura 2 Investimentos em Infraestrutura na Copa de Gráfico/Figura 3 Risco de Mercado e Risco Específico Gráfico/Figura 4 Diversificação da Variação Gráfico/Figura 5 Fronteira Eficiente de Markowitz Gráfico/Figura 6 Relação Risco / Retorno Gráfico/Figura 7 Análise de P/L e ROE Gráfico/Figura 8 Análise P/VP e PSR Gráfico/Figura 9 Análise Liquidez do Papel e Crescimento da Receita Gráfico/Figura 10 Configurações Solver Gráfico/Figura 11 Distribuição Ótima de Markowitz Gráfico/Figura 12 Estrutura Acionária Grupo AES Gráfico/Figura 13 Estrutura Acionária Coelce Gráfico/Figura 14 Quadro de Crescimento do Consumo de Energia Elétrica Gráfico/Figura 15 Simulação de Série Histórica... 52

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Critérios da Análise Fundamentalista Tabela 2 Ranking dos 10 Melhores Retornos Apresentados Tabela 3 Ranking dos 10 Melhores Riscos Apresentados Tabela 4 Ranking dos 10 Melhores Índices de Sharpe Tabela 5 Segunda Amostra de Ativos Tabela 6 Terceira Amostra de Ativos Tabela 7 Matriz de (co)variância Tabela 8 Configurações para Redistribuições Tabela 9 Participações das Carteiras Tabela 10 Resultados das Carteiras Tabela 11 Resultados AES Eletropaulo Tabela 12 Resultados Coelce... 50

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BNDES: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BRIC: Bloco de Países Emergentes, formado por Brasil, Rússia, Índia e China. EBIT: Earnings Before Interest and Taxes (Lucro antes dos Juros e Impostos) EBITDA: Earning Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization (Lucro antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização) EPE: Empresa de Pesquisa Energética PAC: Plano de Aceleração do Crescimento PIB: Produto Interno Bruto PSR: Price to Sales Ratio (Preço / Vendas). P/L: Preço / Lucro P/VP: Preço / Valor Patrimonial P/VPA: Preço/Valor Patrimonial dos Ativos ROE: Return on Equity (Retorno sobre o Valor Patrimonial) SOBRATEMA: Associação Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção TAV: Trem de Alta Velocidade

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Setor de Infraestrutura no Brasil Cenário do Setor DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos FUNDAMENTOS TEÓRICOS RETORNOS Conceituação Retorno Médio RISCOS Conceituação Riscos Sistemático e Não-Sistemático Diversificação Avaliação de Riscos TEORIA DAS CARTEIRAS Retorno Esperado da Carteira Risco da Carteira A Teoria de Markowitz A Fronteira Eficiente de Markowitz ÍNDICE DE SHARPE William Sharpe O Índice de Sharpe AVALIAÇÃO FUNDAMENTALISTA O Método de Benjamin Graham Múltiplos Análise Utilizada na Pesquisa METODOLOGIA Tipo e Classificação da Pesquisa População e Amostra... 30

10 2.6.3 Recursos ANÁLISE DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES CÁLCULOS E SELEÇÃO Risco e Retorno Índice de Sharpe Indicadores Fundamentalistas Aplicação da Teoria de Markowitz CARACTERÍSTICAS Empresas Selecionadas Carteira Composta SIMULAÇÃO DE RETORNO HISTÓRICO CONCLUSÃO FINAL REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXOS... 75

11 10 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Nos últimos anos o Brasil tem crescido com consistência e ganhado muito destaque no cenário internacional. Por outro lado, é notória a falta de infraestrutura no país, principalmente quando se comparada a de outros países do bloco Brasil, Rússia, Índia e China (BRIC) e a de países desenvolvidos. Para se ter uma ideia, nos países do BRIC os investimentos em infraestrutura ficam entre 5% e 7% do Produto Interno Bruto (PIB) e no Brasil a média dos últimos anos é de 2,1%. Vislumbrando reverter esta situação, o Governo e a iniciativa privada estão fazendo volumosos investimentos em atividades que envolvem o setor de infraestrutura brasileira. A expectativa é que estes investimentos cheguem a R$ 378 bilhões de reais entre os anos de 2011 e 2014, conforme divulgou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em seu boletim Visão do Desenvolvimento, n 92: Gráfico/Figura 1 Evolução dos Investimentos no Setor de Infraestrutura Fonte: GT do Investimento. Elaborado por APE/BNDES 25/02/2011

12 11 Obviamente, as empresas do setor de infraestrutura irão se beneficiar com estes investimentos maciços e serão cobiçadas por grandes fundos de investimentos, principalmente, os estrangeiros O Setor de Infraestrutura no Brasil O setor está completamente diferente de décadas atrás, no qual era regido por monopólios e estatais, com poucos investimentos e ineficiência. Com o Estado sendo substituído pela iniciativa privada, os investimentos cresceram significativamente e o Estado passou a assumir sua função de regulador, ou seja, o setor está vivendo uma explosão sustentável. Dentre outros, os principais segmentos que compõem o setor de infraestrutura são: Construção e Engenharia, Produção e Distribuição de Energia Elétrica, Manutenção e Ampliação das Estruturas de Transporte, Telecomunicações, Distribuição de Água e Saneamento Ambiental e, por fim, Exploração de Petróleo, Gás e Derivados. Calderón e Servén (2004) afirmam que o desenvolvimento da infraestrutura favorece a distribuição da renda. No ano de 2010, o setor de infraestrutura foi responsável por um faturamento de R$ 565 bilhões de reais - perto dos 15% do PIB brasileiro - e pela criação de 372 mil novos postos de trabalho, aproximadamente 13% do total nacional. Todavia, ainda há muito que fazer conforme o último estudo realizado pelo Banco Mundial, no qual o Brasil ficou em 40 lugar no ranking das piores estradas e em 50ª no ranking dos piores sistemas aeroportuários, dentre as 139 nações pesquisadas. No ranking geral do relatório divulgado pela World Competitividade Global ( ), o Brasil ocupa o 104º lugar em infraestrutura dentre as 142 nações pesquisadas. Entretanto, é importante salientar que as soluções deste problema devem focar o longo prazo, bem como os retornos auferidos pelas as empresas do setor devem vir no médio e longo prazo.

13 Cenário do Setor Conforme a pesquisa divulgada no final de 2011 pela Associação Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção (SOBRATEMA), a expectativa é que o Brasil atinja 13 mil grandes obras em todo o País até Ainda de acordo com a pesquisa, estas obras representam um total de R$ 1,479 trilhão em investimento em infraestrutura. Esta expectativa de um cenário extremamente favorável nos próximos cinco anos é sustentada por um pilar de três grandes projetos: a) Plano de Aceleração do Crescimento (PAC): O PAC é um programa lançado em janeiro de 2007 pelo Governo Federal em parceria com alguns governos estaduais e empresas privadas, com a finalidade de ser um motor propulsor para elevar os investimentos em infraestrutura no Brasil. Com o sucesso do programa, os investimentos em infraestrutura tiveram um crescimento acima de 10% ao ano, com possibilidade de atingir R$ 160 bilhões em 2011, contra R$ 58 bilhões em Por isso, o Governo Federal relançou o programa no início de 2011 com uma previsão de investimentos no patamar de R$ 955 bilhões entre 2011 e 2014; b) Pré-sal: Cobiçado até por nações estrangeiras, o chamado Pré-sal é um aglomerado de grandes reservas de petróleo que estão abaixo da camada salina no fundo do mar. Através da alta tecnologia e de grandiosos investimentos em infraestrutura, a Petrobrás pretende estar em plena produção nos blocos do Pré-sal até Em uma pesquisa feita pelo banco USB Pactual, a estimativa é que seriam necessários 600 bilhões de dólares (45% do PIB brasileiro) para extrair os 50 bilhões de barris estimados para os blocos de exploração de Tupi, Júpiter e Pão de Açúcar (correspondem à apenas a 13% da área do Pré-sal). A Petrobrás anunciou em seu plano de investimento , cerca de 224 bilhões de dólares em investimentos até o final do período; c) eventos esportivos mundiais (Copa em 2014 e Olimpíadas em 2016): Oportunamente, o Brasil ganhou o direito de sediar dois eventos esportivos mundiais, a Copa do Mundo em 2014 e a Olimpíadas no Rio em Os

14 13 investimentos em infraestrutura na Copa do Mundo devem ser de aproximadamente 33 bilhões de reais, dos quais 70% irá impactar diretamente no PIB conforme pode-se observar no gráfico abaixo: Gráfico/Figura 2 Investimentos em Infraestrutura na Copa de 2014 Fonte: Ministério do Esporte 31/03/2010 Por sua vez, a Olimpíadas em 2016 tem uma expectativa de produzir um investimento de R$ 28,8 bilhões de reais até Juntos, estes dois eventos proporcionarão ao Brasil grandes investimentos em períodos considerados curtos, possibilitando uma alavancagem no setor. Além destes três grandes projetos citados anteriormente, existem outros previstos para receberem volumosos investimentos nos próximos anos, por exemplo: Universalização do sistema de escoamento e tratamento de esgoto (R$ 206 bilhões até 2022); O Trem de Alta Velocidade (TAV) (R$ 34,6 bilhões até 2016); O programa Minha Casa Minha Vida 2 (R$ 125,7 bilhões até 2014), entre outros. 1.2 DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA

15 14 Em face do exposto anteriormente, acredita-se que há uma oportunidade de investimento em títulos de empresas do setor de infraestrutura. Contudo, como o futuro é incerto identificou-se o seguinte problema: Qual a carteira de ativos formada por empresas do setor de infraestrutura que apresentam múltiplos dentro dos critérios fundamentalista e a melhor relação entre risco e retorno? Este estudo torna-se mais necessário visto que constantemente vários investidores tomam decisões sem a devida análise da composição da carteira e do investimento em si, submetendo seu capital a sorte. Conforme afirmam Iquipaza, Amaral e Bressan (2009), assim como aplicação dos estudos financeiros, é necessária a delimitação legal dos mercados financeiros, de modo a caracterizá-los como distintos aos jogos de azar. Já os pesquisadores Fensterseifer, Galesne e Ziegelmann (1987) salientam a importância do estudo do risco na análise de investimentos e a necessidade crescente da aplicabilidade de técnicas providas de pesquisas. 1.3 OBJETIVOS Antes da definição dos objetivos deste trabalho é importante salientar que o mesmo não tem como objetivo favorecer ou indicar investimentos futuros em ativos específicos, ficando o autor completamente isento de quaisquer evoluções e riscos que o mercado possa apresentar em períodos futuros Objetivo Geral Neste sentido, o objetivo principal deste trabalho é o estudo teórico da formação de uma carteira de investimento, composta por empresas do setor de infraestrutura com ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo - BM&FBOVESPA, objetivando a alta performance e a mitigação do risco Objetivos Específicos

16 15 Este estudo tem ainda como objetivos secundários: a) testar a aplicabilidade da Teoria de Markowitz na otimização de carteiras de investimento; b) subsidiar novas pesquisas e estudos relacionados ao setor de infraestrutura; c) aprofundar o conhecimento no estudo de carteiras de investimentos; d) analisar através de múltiplos a situação econômica das empresas do setor de infraestrutura; e) comparar o desempenho das ações das empresas do setor de infraestrutura; f) comparar o desempenho da carteira com os ativos isolados, baseando-se em variações históricas.

17 16 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS 2.1 RETORNOS Conceituação Retorno é o ganho ou perda auferido por um investidor no final de um período. Segundo Samanez (2007), a remuneração é composta pelos ganhos de capital e os benefícios obtidos durante este período de tempo, como bonificações, dividendos, desdobramentos e direitos de subscrição. Para cálculo do retorno utiliza-se a seguinte fórmula: r t = P t + D P t t 1 P t 1 Onde: r t = Taxa de Retorno P t = Preço Final P t-1 = Preço Inicial D t = Benefícios Obtidos (dividendos, bonificação, etc.) Retorno Médio O Retorno Médio, que também é conhecido como Retorno Esperado, é a média geométrica da taxa de retorno no período. Ou seja, a média geométrica dos retornos é igual ao retorno único por período que dará o mesmo desempenho cumulativo que a sequência de retornos. O retorno médio é calculo através da seguinte fórmula: μ = {[(1 + 1/ n Rj, 1) * (1 + Rj,2) *...*(1 + Rj, n)] } 1 Onde: µ = Retorno Médio n = Períodos R i = Taxa de retorno de um período

18 RISCOS Conceituação Como dito anteriormente, o futuro é incerto e está sujeito a volatilidades normais e anormais. Esta incerteza de obter o retorno esperado é denominada Risco, ou seja, quanto maior a incerteza do futuro, maior será o risco. Gitman (2007) define o risco como: [...] é a chance de perda financeira. Ativos com chances maiores de perda são vistos como mais arriscados do que aqueles com chances menores de perdas. Colocado formalmente, o termo risco é usado alternadamente com incerteza ao se referir à variabilidade de retornos associada a um dado ativo (GITMAN, 2001, p. 205). Portanto, pode-se concluir que o investimento em ações de empresas na BM&FBOVESPA pode acarretar riscos provenientes das variações do valor das ações. Neste sentido, o Risco assume uma classificação multidimensional que pode ser divida nos seguintes grupos: a) Risco de Mercado: O mercado é dinâmico e isto faz com que os ativos estejam em constante risco de variações providas do mercado. É importante salientar que neste caso, a definição do risco pode englobar o mercado como um todo ou apenas um setor específico. Assim, há diversos fatores que podem impactar nos ativos, como: risco do mercado acionário, risco cambial, risco da taxa de juros, risco do mercado de commodities; b) Risco Operacional: Este está ligado à operações, sistemas e procedimentos da organização, vulneráveis aos erros humanos, mudanças no ambiente de trabalho, falhas na produção e danificações na infraestrutura; c) Risco de Crédito: Já o risco crédito está relacionado à falta de capacidade da instituição honrar com os seus pagamentos; d) Risco Legal: O risco legal está relacionado às possíveis ilegalidades nos contratos, documentação inadequada, suborno e insolvência. Apesar de este risco não ter sido abordado neste estudo, é recomendável que seja feita uma

19 18 análise complementar do risco legal das empresas de infraestrutura, visto que devido à dimensão dos contratos de fornecimento, há uma chance maior deste risco se concretizar em perdas Riscos Sistemático e Não-Sistemático O risco de um ativo financeiro pode ser subdivido em dois tipos: a) Sistemático: O risco sistemático, também chamado de Não Diversificável, é aquele que afeta o mercado como um todo, não podendo ser eliminado através da diversificação da carteira e que pode ter como causa diversos fatores, como: Inflação, crises, novas leis, greves, etc.; b) o risco Não-Sistemático, também chamado de Diversificável, pode ser mitigado ou até mesmo eliminado através da Diversificação, que será tratada mais adiante. Segundo Gitman (2007, p. 200), [...] qualquer investidor pode criar uma carteira de ativos capaz de eliminar todo o risco diversificável o único risco relevante é o não-diversificável [...]. Segue abaixo a ilustração dos riscos que um ativo pode ser submetido: Gráfico/Figura 3 Risco de Mercado e Risco Específico Fonte: Elaborado pelo Autor 17/12/2011

20 Diversificação Para diminuir as perdas na carteira é necessário que o investidor busque a extinção ou a redução da probabilidade do risco. Portanto, para minimizar ou extinguir o risco pode-se adotar três formas diferentes: a) contratação de Hedge: O indivíduo ou empresa firma um acordo através de um contrato de Hedge, abrindo mão da possibilidade de ganho e também para evitar possíveis perdas no futuro; b) contratação de Seguro: Nesta modalidade, é contratado um Seguro, através do pagamento do prêmio, para evitar que as perdas futuras possam ser absorvidas pelo contratante; c) e, por fim, a diversificação do investimento, ou seja, evitar concentrar tudo em apenas um ativo. Esta forma será objeto de estudo deste trabalho, pois na outras formas acima, a possibilidade de perda pode ser completamente extinta, entretanto, a possibilidade de ganho também é extinta, o que para o mercado de capitais não faz sentido. No exemplo a seguir pode-se observar o comportamento do retorno de dois ativos distintos e a combinação entre eles: Gráfico/Figura 4 Diversificação da Variação Fonte: Elaborado pelo Autor 17/12/2011

21 20 Nos Ativos A e B verifica-se que há uma maior variação da linha de retorno, ou seja, o risco de investimento nestes títulos é maior. Já na Variação Diversificada, a variação é bem menor, apesar de negativa em alguns períodos, e, portanto, a chance de perda neste investimento é menor do que nos ativos separados Avaliação de Riscos O ativo com uma variação maior apresenta um risco maior. Desta forma, é utilizado o desvio padrão para mensurar o risco de um ativo. O desvio padrão é uma medida estatística que mede a dispersão em torno da média. E, quanto maior for o desvio padrão, maior será a dispersão e maior será o risco do ativo. O valor do desvio padrão é calculo sobre o retorno histórico de um ativo, que fornecerá uma estimativa do comportamento futuro. Para calcular o desvio padrão deve-se calcular a variância, que é o quadrado do desvio padrão. Sendo assim, as fórmulas para o cálculo da dispersão são: Var 2 = σ = n ( Rj μ) 1 t = 1 n Onde: Var ou σ² = Variância µ = Retorno Médio n = Períodos R i = Taxa de Retorno de um período Já a fórmula do desvio padrão é a seguinte: σ = 2 σ Ou

22 21 σ = n ( Rj μ) t = 1 n TEORIA DAS CARTEIRAS Retorno Esperado da Carteira O retorno de uma carteira de investimento é obtido através da média ponderada dos retornos dos ativos que a compõem, levando em consideração a participação que cada ativo tem na carteira. Abaixo a fórmula de cálculo do Retorno da Carteira: E = n i= 1 W i μ i E = Retorno Esperado (Médio) da Carteira W i : Participação de cada ativo µ i = Retorno Médio de cada ativo Risco da Carteira Para Pinheiro (2002, p. 87) o risco de uma carteira de investimento pode ser definido em função de três fatores: a) proporção, ponderação e peso de cada valor na carteira; b) a variância de cada ativo; c) a covariância e o coeficiente de correlação entre cada par de ativos. Sendo assim, utiliza-se a seguinte fórmula para o cálculo do risco da carteira:

23 22 σ p ( WX σ X ) + ( WY σ Y ) + ( Wz z ) + 2 WX WY COVX, Y = σ Onde: W x = Participação do ativo X no portfólio W y = Participação do ativo Y no portfólio σ 2 x = Variância dos retornos do ativo X σ 2 y = Variância dos retornos do ativo Y COV x,y = Covariância entre os ativos X e Y A Teoria de Markowitz A Teoria Moderna da Carteira foi desenvolvida inicialmente por Markowitz em 1952, em sua tese de doutorado na Universidade de Chicago. Por esta contribuição ao intelecto, ele foi agraciado com o Prêmio Nobel de Economia em 1990, juntamente com William Sharpe e Merton Miller. Conforme afirma Pinheiro (2002, p. 84), esta teoria se baseia nas seguintes hipóteses: a) os investidores atuam de acordo com as previsões de rentabilidade/risco de cada aplicação, assim como, de suas correlações e covariâncias; b) todos os investidores se situam logicamente em fronteiras eficientes; c) qualquer investidor pode emprestar ou pedir emprestado qualquer tipo de ativo sem limite algum e expostos ainda a uma mesma taxa de juro. (PINHEIRO, 2002, p. 84). Com fórmulas complexas, Markowitz identificou que a expectativa de retorno para um portfólio de ações não pode levar em consideração apenas a média dos retornos das próprias ações ponderadas pelo seu percentual de participação e o risco, mas também a correlação e covariância que estas ações têm com seus pares. Neste sentido, para Markowitz (1952) a carteira de ações deve ter a menor covariância possível, reduzindo ou até mesmo eliminando o risco da carteira com uma relação inversa dos ativos que compõem a carteira A Fronteira Eficiente de Markowitz

24 23 A Fronteira Eficiente é uma curva que demonstra a combinação de risco, retorno e a correlação entre os ativos, de forma a minimizar o risco ao menor nível possível de acordo com um retorno esperado. Ou seja, qual a melhor combinação entre os ativos da carteira, obtendo desta forma a carteira ótima de Markowitz. Conforme pode ser observado abaixo, o coeficiente de correlação medido pela covariância será determinante na otimização da carteira: Gráfico/Figura 5 Fronteira Eficiente de Markowitz Fonte: Bodie, Kane e Marcus 2007 Portanto, pode-se concluir que para o alcance da carteira ótima de Markowitz devese ter três diretrizes em mente: a) deve ter a distribuição de cada ativo para alcançar a melhor relação possível entre risco e retorno;

25 24 b) a carteira deve ter a covariância mínima; c) o retorno esperado deve ser igual ou maior do que a distribuição equitativa da carteira. 2.4 ÍNDICE DE SHARPE William Sharpe William Forsyth Sharpe nasceu no Estados Unidos da América e formou-se em Economia na Universidade da Califórnia em Los Angeles em Conforme já dito, em 1990, Sharpe dividiu com Markowitz e Miller o prêmio Nobel de Economia. Como Markowitz, Sharpe é um grande estudioso da relação risco-retorno dos ativos e desenvolveu um cálculo que atualmente é bastante utilizado, principalmente, por fundos de investimento, que é conhecido como Índice Sharpe. Para Sharpe (1994) a relevância do Índice se dá por três fatores: a) adicionando estratégia para uma carteira preexistente sem qualquer risco; b) adicionando estratégia para uma carteira preexistente de risco através de um único fundo selecionado de um conjunto de fundos de risco identicamente correlacionados com a carteira preexistente; c) adicionando estratégia para uma carteira preexistente de risco através de uma carteira de fundos de risco não-correlacionados nem com a carteira preexistente, nem entre si. Ou seja, diferente de Markowitz, Sharpe não leva em consideração a correlação dos ativos entre si, mas a correlação destes ativos com outras carteiras formadas, por exemplo, a carteira do Ibovespa O Índice de Sharpe

26 25 Desenvolvido em 1966, o Índice é atualmente muito utilizado para avaliar se o fundo de investimento oferece rentabilidade compatível ao risco. Assim, Sharpe chegou a seguinte fórmula: Onde: RF = Retorno Esperado RLR = Retorno Livre de Risco DP = Desvio Padrão do Retorno (Risco) Portanto, o excedente do retorno esperado é o prêmio que o investidor tem pela exposição ao risco. Ou seja, quanto maior for o Índice, menor o risco e/ou maior retorno esperado. Logo, a princípio se pode fazer a leitura que, os melhores ativos são aqueles com maior Índice de Sharpe. É importante salientar que no Brasil, por definição, é adotada a Taxa Selic como o Retorno Livre de Risco, visto que é possível o investidor conseguir o retorno vinculado à Selic investindo em títulos públicos, considerados os mais seguros dentre os existentes no mercado interno. Este Índice é extremamente importante para se definir em quais títulos aplicar, pois não faz sentido um investidor escolher um ativo com risco, esperando ganhar o mesmo tanto ou menos do que os títulos públicos pagam. Portanto, os ativos devem ter o Índice de Sharpe maior do que zero, viabilizando o investimento. 2.5 AVALIAÇÃO FUNDAMENTALISTA O Método de Benjamin Graham Considerado o pai da Análise Fundamentalista, Benjamin Graham formou-se na Universidade de Columbia aos 20 anos de idade. Mais tarde, em parceria com

27 26 Newman, fundou sua corretora de valores que chegou a ser uma das mais conhecidas da época. No entanto, com a Grande Depressão em 1929, Graham sucumbiu à ruína e viu sua fortuna ser dizimada pela crise. Após a crise, Graham assumiu uma posição mais defensiva, na qual ele sugeria para os investidores mais conservadores a divisão de 50% em ações e 50% em renda fixa. Com esta política e o desenvolvimento de seu método de análise, Graham conseguiu reaver sua fortuna e obteve retornos superiores a 20% ao ano. O método desenvolvido por Graham baseia-se em uma análise estritamente quantitativa. A metodologia utiliza múltiplos para definir as ações que estão subavaliadas pelo mercado. Damodaran (1997) acrescenta que outra vantagem da análise de múltiplos é verificar o impacto das decisões estratégicas, financeiras e operacionais na consecução do objetivo principal da empresa: a maximização da riqueza Múltiplos É importante que seja observado que um múltiplo pode servir como critério de avaliação para um setor e não ser para outro. Pode-se definir os múltiplos em quatro grandes grupos: a) Múltiplos de Lucro: Estes múltiplos são utilizados para avaliar o retorno que a empresa pode dar ao acionista. Um importante múltiplo deste grupo é o Dividend Yeld (Histórico de Distribuição de Dividendos), no qual relaciona a distribuição de dividendos versus o preço de mercado da ação. Dentre os outros múltiplos deste grupo, vale destacar o Preço/Lucro (P/L), Preço/ Earnings Before Interest and Taxes (EBIT) - Lucro antes dos Juros e Impostos, Preço/Earning Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization (EBITDA) - Lucro antes dos Juros, Impostos, Depreciações e Amortizações; b) Múltiplos de Valor Patrimonial: Nestes múltiplos, serão levados em consideração os valores contábeis da empresa em relação ao valor de

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Fronteira eficiente: Uma aplicação ao mercado brasileiro em 2012 Felipe Lopes Meira

Leia mais

cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista

cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 2 Como investir em ações utilizando

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos?

Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos? Como administrar a sua carteira de investimentos 1. Tipos de Ativos Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos? Se restringirmos a carteira para ativos financeiros, o investidor

Leia mais

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 Í DICE BETA E SUA IMPORTÂ CIA PARA A DETERMI AÇÃO DE RISCO DOS ATIVOS Beta ajustado, contábil, alavancado e desalavancado Sua utilização como medida de risco dos ativos Autora:

Leia mais

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l Sumário PARTE I O VEREDICTO DA HISTÓRIA CAPÍTULO l RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 "Todo mundo está destinado a ser rico" 3 Retornos dos mercados financeiros desde 1802 5 A performance dos títulos

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Carteira de dividendos: retorno pode superar a poupança. 27/06/2012 08:14 Arena do Pavani

Carteira de dividendos: retorno pode superar a poupança. 27/06/2012 08:14 Arena do Pavani Carteira de dividendos: retorno pode superar a poupança. 27/06/2012 08:14 Arena do Pavani Por Eduardo Tavares, em Arena do Pavani. Montar uma carteira de ações de empresas que são boas pagadoras de dividendos

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO

ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO Resumo Anna Paula Andratta 1 Denise Pigosso 2 Maurício Badia 3 Professor Eliandro Schvirck 4 Este trabalho teve por objetivo,

Leia mais

FELIPE NOUGALLI ROSELINO

FELIPE NOUGALLI ROSELINO 1 FELIPE NOUGALLI ROSELINO ANÁLISE DA VOLATILIDADE DAS AÇÕES DE EMPRESAS DOS SETORES DE ENERGIA ELÉTRICA E DE CONSTRUÇÃO E ENGENHARIA DO MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO Trabalho de conclusão do Curso de

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE

COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE CATHARINA PIRES MINOZZO EMILIO ARAUJO MENEZES JAILON ROGÉRIO GIACOMELLI Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Leia mais

Investidor, como usar os dividendos a seu favor. Giácomo Diniz 01/10/2013

Investidor, como usar os dividendos a seu favor. Giácomo Diniz 01/10/2013 Investidor, como usar os dividendos a seu favor. Giácomo Diniz 01/10/2013 Agenda 1) Lógica do Investidor na compra de Ações 2) Lucro no Mercado Acionário a. Ganho de Capital b. Dividendos e JSCP 3) Indicadores

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Aprenda a investir na Bolsa de Valores

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Aprenda a investir na Bolsa de Valores Investimento: Curso completo: R$ 350,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 1 ao 5: R$ 199,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 6 ao

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

GESTÃO DE CARTEIRA DE 3 ATIVOS

GESTÃO DE CARTEIRA DE 3 ATIVOS GESTÃO DE CARTEIRA DE 3 ATIVOS Eduardo Martin Alves Magaz (e.alves@grad.ufsc.br) Mercado de Capitais I Newton Carneiro Affonso da Costa Jr RESUMO Neste trabalho de conclusão de disciplina é apresentada

Leia mais

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM) Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)! Petroquímica Brasil (nome de fantasia)! Guia para elaboração de um relatório do trabalho Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

Mercado Futuro de Índice de Ações

Mercado Futuro de Índice de Ações Derivativos de Índice de Ações A apresentação resumida dos principais índices de ações, mostrando como eles representam um conjunto de ações de companhias listadas para negociação em Bolsa, dá inicio ao

Leia mais

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César Mercado de Capitais Análise Fundamentalista Professor: Roberto César Análise Fundamentalista A análise fundamentalista é um importante instrumento utilizado para a análise de investimento em ações. O princípio

Leia mais

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO Mário Henrique da F. Oliveira

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006 SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o o A Quantidade do Capital Vendido o O Valor das Empresas no dia do IPO o O Valor das

Leia mais

Perfin Institucional FIC FIA

Perfin Institucional FIC FIA Perfin Institucional FIC FIA Relatório Mensal- Junho 2013 O fundo Perfin Institucional FIC FIA utiliza-se de análise fundamentalista para compor o seu portfólio, baseado no diferencial existente entre

Leia mais

Banco conseguiu os melhores resultados num universo de 140 competidores

Banco conseguiu os melhores resultados num universo de 140 competidores ! Matéria publicada em 24/09/2001 no jornal O Estado de São Paulo: Itaú vai à liderança de ranking de empresas Banco conseguiu os melhores resultados num universo de 140 competidores MÁRCIO ANAYA e DANIELA

Leia mais

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA Como dimensionar o Custo de Capital de uma empresa de capital fechado? Como solucionar a apuração de custo de capital no Brasil? A determinação do coeficiente Beta

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MBA EM FINANÇAS E GESTÃO DE RISCO APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE

Leia mais

Portfólio Dinâmico Julho 2013

Portfólio Dinâmico Julho 2013 Portfólio Dinâmico Julho 2013 : : O ÚLTIMO MÊS O desempenho dos ativos em Julho e no acumulado de 12 meses está descrito nas figuras abaixo: ntnb 1,51 ntnb 0,6 pré 1,34 pré 5,4 ações 1,49 ações 6,0 dolar

Leia mais

PPS CENÁRIOS E DESAFIOS PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 EVERALDO GUEDES DE AZEVEDO FRANÇA PORTFOLIO PERFORMANCE

PPS CENÁRIOS E DESAFIOS PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 EVERALDO GUEDES DE AZEVEDO FRANÇA PORTFOLIO PERFORMANCE CENÁRIOS E DESAFIOS PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 EVERALDO GUEDES DE AZEVEDO FRANÇA QUAL É O CENÁRIO? ONDE ESTAMOS? Continuamos não sendo a bola da vez. Percepção do investidor estrangeiro acerca do

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Você e sua equipe são responsáveis por elaborar um relatório de Análise Financeira da Empresa GAMA. Abaixo estão dispostos o DRE e

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Carolina Yumi Marutaka A escolha de um plano ótimo para garantir uma aposentadoria tranquila São Paulo 2012 Carolina Yumi

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PESQUISA OPERACIONAL PARA DETERMINAÇÃO DA CARTEIRA DE VARIÂNCIA MÍNIMA NO MERCADO ACIONÁRIO

UTILIZAÇÃO DE PESQUISA OPERACIONAL PARA DETERMINAÇÃO DA CARTEIRA DE VARIÂNCIA MÍNIMA NO MERCADO ACIONÁRIO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria Financeira, com

Leia mais

Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE) celestelima@uol.com.br Antonio André Cunha Callado (PROPAD/UFPE) andrecallado@yahoo.com.br

Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE) celestelima@uol.com.br Antonio André Cunha Callado (PROPAD/UFPE) andrecallado@yahoo.com.br Existem discrepâncias no valor econômico das empresas de energia elétrica comparando os valores de mercado e os valores pelo método do fluxo de caixa descontado? Adilson Celestino de Lima (PROPAD/UFPE)

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

Título: GOVERNANÇA CORPORATIVA E O DESEMPENHO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DO SETOR ELÉTRICO

Título: GOVERNANÇA CORPORATIVA E O DESEMPENHO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DO SETOR ELÉTRICO Título: GOVERNANÇA CORPORATIVA E O DESEMPENHO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DO SETOR ELÉTRICO AUTORES DENIS LIMA E ALVES Universidade Federal de Uberlândia alves.denis@yahoo.com.br KÁREM CRISTINA DE SOUSA RIBEIRO

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS).

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). Cleber Gonçalves Junior Mestrando Engenharia de Produção EFEI clebergoncalves@hotmail.com

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação.

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. 5ª Emissão Janeiro, 2013 Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. SEÇÃO 1 Características Características Fundo Carteira Remuneração FUNDO FII fechado

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS FINANCEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS FINANCEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS FINANCEIROS Fabiano Francisco Soares Martins COMPARAÇÃO DA RELAÇÃO RISCO X RETORNO ENTRE

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Cenário Global e Implicações para o Brasil. Luiz Ribeiro - Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão

Cenário Global e Implicações para o Brasil. Luiz Ribeiro - Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão Cenário Global e Implicações para o Brasil Luiz Ribeiro - Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão Percepção e realidade Ciclo da Tartatuga A economia mundial segue se recuperando* * Estimativas do Deutsche AWM

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa A definição do tipo de pesquisa é fundamental para a escolha da metodologia adequada, só assim será possível atingir os objetivos propostos. Esta pesquisa usará a classificação

Leia mais

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA! O que é o EBITDA?! Como construir e analisar o EBITDA na prática? EBITDA! Que adaptações devem ser efetuadas nos DRE s para apresentar o cálculo do EBITDA?

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

MBA Finanças (Turma II)

MBA Finanças (Turma II) MBA Finanças (Turma II) O MBA Executivo em Finanças do Ibmec é um programa de pós-graduação lato sensu para profissionais que necessitam de conhecimentos aprofundados na área de finanças. Ao longo do curso,

Leia mais