Aminoácidos (aas) Prof.ª: Suziane Antes Jacobs

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aminoácidos (aas) Prof.ª: Suziane Antes Jacobs"

Transcrição

1 Aminoácidos (aas) Prof.ª: Suziane Antes Jacobs

2 Introdução Pequenas moléculas propriedades únicas Unidades estruturais (UB) das proteínas N- essencial para a manutenção da vida; 20 aminoácidos-padrão - composição de todas as proteínas Nem todas as proteínas contém todos os 20 aminoácidos

3

4 Introdução

5 Introdução ÁCIDO ASPÁRTICO: Auxilia o organismo na eliminação da amônia, assim como na proteção do sistema nervoso central. ÁCIDO GLUTÂMICO: Trata-se do principal combustível cerebral. Considera-se esse aa como o grande responsável pelo bom funcionamento do cérebro. ALANINA: É utilizado como fonte precursora do ácido pantatênico. ARGININA: Auxilia no funcionamento normal da glândula pituitária. É também empregado na desintoxicação geral do organismo. Forma o colágeno em uma grande proporção. BCAA: Trata-se de um complexo que envolve três aminoácidos, são eles a leucina, a isoleucina e valina. São essenciais para a produção da massa corporal, sendo constantemente utilizado como suprimento para atletas de alta performance. CISTEÍNA: Representa uma importante fonte de enxofre para o organismo. Auxilia na desintoxicação do organismo e atua no sistema imunológico. Está também envolvido no crescimento dos cabelos, unhas e na regeneração cutânea. FENILALANINA: Atua na tireóide e no funcionamento dos vasos sanguíneos. Apresenta importante efeito antidepressivo, assim como no humor e na atenção. GLICINA: É o aminoácido mais simples, estruturalmente. Atua no funcionamento do sistema nervoso e nos tecidos musculares. ISOLEUCINA: É importante para o funcionamento do sistema imunológico. LEUCINA: Está diretamente envolvido no ganho e na perda de peso. LISINA: Está envolvido no sistema imunológico do organismo; é importante para a produção de células brancas. METIONINA: Auxilia na manutenção do fígado e dos rins, assim como no controle do colesterol. Também está envolvido na coloração cutânea. TREONINA: Atua na prevenção de diversas disfunções intestinais. TRIPTOFANO: Cerebralmente, é utilizado na produção da serotonina, em co-participação de vitaminas do complexo B.

6 Estrutura dos aminoácidos -aminoácidos: aminoácidos comuns Possuem um grupo amino primário e um grupo carboxílico: Exceção: Prolina ( NH )

7 Estrutura dos aminoácidos A. Propriedades Gerais Ionizam-se prontamente: o PK -carboxílicos: ph 2,2 o PK -amino: ph 9,4 Zwitterions: polaridade oposta

8 Estrutura dos aminoácidos B. Ligações Peptídicas Formam polímeros: o Dipeptídeos o Tripeptídeos o Oligopeptídeos o Polipeptídeos (Peptídeos) Unidades monoméricas: resíduos 1 ou mais polímero: proteínas

9 Estrutura dos aminoácidos C. Classificação e Características De acordo com a polaridade das cadeias laterais: 1. Grupos R apolares, 2. Grupos R polares não-carregados (neutros) e, 3. Grupos R polares carregados

10

11

12

13

14 Aminoácidos incomuns A. Derivados de aminoácidos em Proteínas: Modificações: hidroxilação, metilação, acetilação, carboxilação e fosforilação

15 Aminoácidos incomuns B. D-aminoácidos: Fazem parte de polipeptídeos bacterianos de cadeia curta; Estão presentes principalmente na parede celular de bactérias Tornam a parede celular mais resistente à peptidases; Não são produzidos pela maquinaria de síntese protéica, mas unidos especificamente por enzimas bacterianas específicas; Constituintes de antibióticos: valinomicina, gramicidina e actinomicina D;

16 Aminoácidos incomuns C. Aminoácidos biologicamente ativos: Mensageiros químicos para comunicação entre as células: o Glicina, ácido -aminobutírico (GABA) e dopamina: neurotransmissores; o Histamina: potente mediador local de reações alérgicas; o Tiroxina: hormônio da tireóide que contém iodo, estimula o metabolismo de vertebrados;

17 Resumo Em ph neutro, o grupo amino de um aa é protonado e o grupo carboxílico é ionizado; As proteínas são polímeros de aas, unidos por ligações peptídicas; Os 20 aas-padrão podem ser classificados em apolares (Gly, Ala, Val, Leu, Ile, Met, Pro, Phe, Trp), polares sem carga (Ser, Thr, Asn, Gln, Tyr, Cys), e polares carregados (Lys, Arg, His, Asp, Glu)

18 Resumo Os valores de pk dos grupos ionizáveis dos aas são influenciados pelos grupos vizinhos e poderão ser alterados quando o aa fizer parte de um polipeptídeo; Os aas individuais e seus derivados desempenham diferentes funções biológicas

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades, funções e transformações de aminoácidos e proteínas

Leia mais

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Bioinformática Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 24 de agosto de 2015 Paulo H. R. Gabriel

Leia mais

Influência da Genética desempenho

Influência da Genética desempenho UNIVERSIDADE GAMA FILHO PÓS-GRADUAÇÃO Nível: LATO SENSU Curso: FISIOLOGIA E TREINAMENTO APL. ATIVIDADES DE ACADEMIAS E CLUBES Influência da Genética desempenho Prof. Drd. LUIZ CARLOS CARNEVALI luizcarnevalijr@usp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PÓS-GRADUAÇÃO Nível: LATO SENSU Curso: FISIOLOGIA E TREINAMENTO APL. ATIVIDADES DE ACADEMIAS E CLUBES

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PÓS-GRADUAÇÃO Nível: LATO SENSU Curso: FISIOLOGIA E TREINAMENTO APL. ATIVIDADES DE ACADEMIAS E CLUBES UNIVERSIDADE GAMA FILHO PÓS-GRADUAÇÃO Nível: LATO SENSU Curso: FISIOLOGIA E TREINAMENTO APL. ATIVIDADES DE ACADEMIAS E CLUBES Influência da Genética desempenho Prof. Drd. LUIZ CARLOS CARNEVALI luizcarnevalijr@usp.br

Leia mais

DNA, RNA E INFORMAÇÃO

DNA, RNA E INFORMAÇÃO DNA, RNA E INFORMAÇÃO OS ÁCIDOS NUCLEICOS Embora descobertos em 1869, por Miescher, no pus das bandagens de ferimentos, o papel dos ácidos nucleicos na hereditariedade e no controle da atividade celular

Leia mais

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas.

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas. 1- TIPOS DE ÁCIDO NUCLÉICO: DNA E RNA Existem dois tipos de ácidos nucléicos: - Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA): é o principal constituinte dos cromossomos, estrutura na qual encontramos os genes,

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

STRYER, L.; TYMOCZKO, J.L.; BERG, J.M.

STRYER, L.; TYMOCZKO, J.L.; BERG, J.M. 2 Proteínas: STRYER, L.; TYMOCZKO, J.L.; BERG, J.M. Bioquímica. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. Capítulo 2 e 3; as edições 4 e 5 também podem ser utilizadas (Cap. 3 e 4). 2.1 Aminoácidos

Leia mais

4/14/2015. Proteínas. Fundamentos da Estrutura de Proteínas Parte 1. Funções biológicas das Proteínas

4/14/2015. Proteínas. Fundamentos da Estrutura de Proteínas Parte 1. Funções biológicas das Proteínas 1 Todo o material disponibilizado é preparado para as disciplinas que ministramos e colocado para ser acessado livremente pelos alunos ou interessados. Solicitamos que não seja colocado em sites nãolivres.

Leia mais

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos Moléculas orgânicas - Carboidratos São formados por C, H, O. São Conhecidos como: Hidratos de Carbono Glucídios Glicídios Açúcares Sacarídeos Funções: Energética (glicose); Glicogênio : reserva energética

Leia mais

Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I. Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas.

Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I. Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas. Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I Acompanhe! Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas. Introdução: A proteína é o composto orgânico mais abundante

Leia mais

A Molécula da Vida. Estrutura

A Molécula da Vida. Estrutura A Molécula da Vida Os cromossomos de células eucarióticas são formado por DNA associado a moléculas de histona, que são proteínas básicas. É na molécula de DNA que estão contidos os genes, responsáveis

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula

Profª Eleonora Slide de aula Aminoácidos e Peptídeos Profª Eleonora Slide de aula Aminoácidos Estrutura Geral Ácido carboxílico com amina primária (N 2 ) no carbono α. Isomeria Ao carbono α estão ligados 4 grupos substituintes diferentes:

Leia mais

Aula 8 Síntese de proteínas

Aula 8 Síntese de proteínas Aula 8 Síntese de proteínas As proteínas que podem ser enzimas, hormônios, pigmentos, anticorpos, realizam atividades específicas no metabolismo dos seres vivos. São produzidas sob o comando do DNA. Observe

Leia mais

SÍNTESE DOS AMINOÁCIDOS. Prof. Henning Ulrich

SÍNTESE DOS AMINOÁCIDOS. Prof. Henning Ulrich SÍNTESE DOS AMINOÁCIDOS Prof. Henning Ulrich CATABOLISMO DOS AMINOÁCIDOS EM MAMÍFEROS TRANSAMINAÇÕES CATALISADAS POR ENZIMAS Em muitas reações das aminotransferases, o -cetoglutarato é o receptor do grupo

Leia mais

Proteínas. Enzima que Colagénio Insulina degrada a insulina (hormona)

Proteínas. Enzima que Colagénio Insulina degrada a insulina (hormona) Proteínas O seu nome deriva da palavra Grega proteios, que significa de principal importância. As proteínas desempenham um papel fundamental nos sistemas biológicos, estando associadas a todas as formas

Leia mais

Proteínas. As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry

Proteínas. As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry Proteínas As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry As proteínas são os compostos orgânicos mais abundantes dos organismos vivos (~50% do peso sêco)

Leia mais

Introdução à Biologia Celular e Molecular

Introdução à Biologia Celular e Molecular Introdução à Biologia Celular e Molecular Este texto foi retirado do anexo de [Lem00], revisado por [Bas00], e tem como objetivo principal apresentar alguns conceitos básicos de biologia celular e molecular.

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

Capítulo VALTER T. MOTTA BIOQUÍMICA BÁSICA. Aminoácidos e proteínas

Capítulo VALTER T. MOTTA BIOQUÍMICA BÁSICA. Aminoácidos e proteínas apítulo VALTER T. MTTA BIQUÍMIA BÁSIA Aminoácidos e proteínas Aminoácidos e Proteínas bjetivos 1. Descrever as propriedades dos aminoácidos encontrados nas proteínas.. Identificar os seguintes grupamentos

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

Você não é o que come. Você é o que absorve!

Você não é o que come. Você é o que absorve! Você não é o que come. Você é o que absorve! Sabe-se que o consumo de suplementos alimentares com finalidades específicas, como incremento de massa muscular,vem crescendo constantemente no Brasil e no

Leia mais

Nutrição de Aves e Suínos: Desafios para as Próximas Décadas

Nutrição de Aves e Suínos: Desafios para as Próximas Décadas Nutrição de Aves e Suínos: Desafios para as Próximas Décadas Exigência de Aminoácidos no Crescimento e Terminação de Suínos Hotel Fazenda Fonte Colina Verde 03 de Dezembro de 2015 Lucio Araújo, Cristiane

Leia mais

Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais.

Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais. Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais. Exercem várias funções biológicas: proteínas contráteis

Leia mais

Zinco quelato. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. CAS: Não aplicável

Zinco quelato. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. CAS: Não aplicável Material Técnico Zinco quelato Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS COORD.: PROFa. CRISTIANA LIMONGI 1º & 2º TURNOS 3ª SÉRIE / ENSINO MÉDIO REGULAR & INTEGRADO ANO LETIVO 2015 PROFESSORES: FRED & PEDRO

Leia mais

METABOLISMO DAS PROTEÍNAS. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto

METABOLISMO DAS PROTEÍNAS. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto METABOLISMO DAS PROTEÍNAS Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto Aminoácido Os aminoácidos livres são obtidos da degradação da proteína da dieta, da renovação constante das proteínas

Leia mais

O ENSINO DE BIOTECNOLOGIA

O ENSINO DE BIOTECNOLOGIA Petrolina, PE (30/05/2014) O ENSINO DE BIOTECNOLOGIA AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO FUNDAMENTAL Dra. Maria Antônia Malajovich Coordenadora de Ciências e Biotecnologia Instituto de Tecnologia ORT do Rio

Leia mais

Gerenciamento de Dados em Bases Heterogêneas. Claudia Bauzer Medeiros Instituto de Computação UNICAMP ic.unicamp.br/~.br/~cmbm

Gerenciamento de Dados em Bases Heterogêneas. Claudia Bauzer Medeiros Instituto de Computação UNICAMP ic.unicamp.br/~.br/~cmbm Gerenciamento de Dados em Bases Heterogêneas Claudia Bauzer Medeiros Instituto de Computação UNICAMP www.ic ic.unicamp.br/~.br/~cmbm Roteiro Problemas de heterogeneidade Heterogeneidade e Interoperabilidade

Leia mais

EXERCÍCIOS. 1. (UFG) Analise os gráficos a seguir.

EXERCÍCIOS. 1. (UFG) Analise os gráficos a seguir. EXERCÍCIOS 1. (UFG) Analise os gráficos a seguir. e) na região Centro-Oeste, a oscilação da incidência de febre amarela está relacionada ao aumento crescente do desmatamento do Cerrado, às constantes alterações

Leia mais

Estrutura tridimensional de proteínas. Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi

Estrutura tridimensional de proteínas. Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi Estrutura tridimensional de proteínas Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi Níveis de Estruturas Protéicas A conformação espacial das proteínas As proteínas não são traços rígidos porque suas ligações químicas

Leia mais

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA Prof. Borges EXERCÍCIOS DE AMINOÁCIDOS 1. (Fuvest) A hidrólise de um peptídeo rompe a ligação peptídica, originando aminoácidos. Quantos aminoácidos

Leia mais

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY ISOLATED Proteína Isolada da Soja INTRODUÇÃO A soja é uma planta leguminosa que está na cadeia alimentar há 5 mil anos e tem sido parte essencial da dieta asiática há muitos

Leia mais

2. Metabolismo de Prótidos

2. Metabolismo de Prótidos 2. Metabolismo de Prótidos 2.1. Aminoácidos O transporte de aminoácidos é activo e faz-se juntamente com o sódio (Na + ), utilizando proteínas transportadoras. Os aminoácidos, são geralmente transportados

Leia mais

AMINOÁCIDOS, PEPTÍDEOS, PROTEÍNAS

AMINOÁCIDOS, PEPTÍDEOS, PROTEÍNAS 1 AMINÁIDS, PEPTÍDES, PRTEÍNAS As proteínas constituem o mais importante polímero biológico. onstituem mais da metade do peso seco das células Existem milhares de proteínas, cada uma desempenha uma função

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação OLÉIO XIX DE MRÇO excelência em educação 1ª PROV DE REPERÇÃO DE BIOLOI luno: Nº Série: 2º Turma: Data: Nota: Professor: Regina Volpato Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões

Leia mais

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF Metabolismo de Aminoácidos Degradação de Proteínas e Aminoácidos - Degradação de aminoácidos em excesso na alimentação - Absorção pelo fígado, retirada grupo amino - Degradação espontânea de proteínas

Leia mais

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo.

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo. O que é? A chlorella é uma alga unicelular de água doce existente na Terra há milhões de anos. A sua estrutura genética manteve-se intacta ao longo do tempo resultando numa grande concentração e variedade

Leia mais

A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia

A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia A U L A 17 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Identificar as situações metabólicas nas quais ocorre o catabolismo dos aminoácidos.

Leia mais

INFORMAÇÃO, VIDA E DNA. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI

INFORMAÇÃO, VIDA E DNA. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI INFORMAÇÃO, VIDA E DNA Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI DEFINIÇÃO DE VIDA O que é a vida para você? DEFINIÇÃO DE VIDA Em 1943 Erwin Schroedinger (um dos pais

Leia mais

Aula 6. Introdução a Bioquímica: Biomoléculas. Níveis estruturais das proteínas. Estruturas 3D, domínios motivos 1º 2º 3º 4º

Aula 6. Introdução a Bioquímica: Biomoléculas. Níveis estruturais das proteínas. Estruturas 3D, domínios motivos 1º 2º 3º 4º Introdução a Bioquímica: Biomoléculas Ignez Caracelli BioMat DF UNESP/Bauru Aula 6 Estruturas 3D, domínios motivos Julio Zukerman Schpector Bauru, 24 de setembro de 2007 LaCrEMM DQ UFSCar Níveis estruturais

Leia mais

PREVISÃO DA ESTRUTURA SECUNDÁRIA DE PROTEÍNAS

PREVISÃO DA ESTRUTURA SECUNDÁRIA DE PROTEÍNAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Faculdade de Ciências - Universidade de Lisboa Bloco C5 - Piso 1 - Campo Grande, 1700 Lisboa Tel & Fax: +351-1-7500084 PREVISÃO DA ESTRUTURA SECUNDÁRIA DE PROTEÍNAS UTILIZANDO

Leia mais

QUÍMICA 1º SEMESTRE TURMA DE EMESCAM

QUÍMICA 1º SEMESTRE TURMA DE EMESCAM QUÍMICA 1º SEMESTRE Prof. Borges TURMA DE EMESCAM Leitura: Os principais Aminoácidos e suas funções no organismo Os Aminoácidos são as unidades fundamentais das PROTEÍNAS. Todas as proteínas são formadas

Leia mais

Beta-alanina. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil

Beta-alanina. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil Beta-alanina Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: C3H7NO2 / NH 2 CH 2 CH 2 COOH Peso Molecular: 89.09 g/mol CAS: 107-95-9 Sinonímia: β-ala; AI3-18470; beta-aminopropionic acid; 3-Aminopropanoic acid;

Leia mais

B-PROTEIN. Proteína Isolada da Carne Hidrolisada

B-PROTEIN. Proteína Isolada da Carne Hidrolisada Informações Técnicas B-PROTEIN Proteína Isolada da Carne Hidrolisada INTRODUÇÃO A proteína da carne é reconhecidamente uma das melhores fontes de proteínas existente no mundo. Apresenta um papel fundamental

Leia mais

TEORES DE PROTEÍNA SOLÚVEL E AMINOÁCIDOS LIVRES EM FARINHA DE SOJA HIDROLISADA COM ENZIMAS

TEORES DE PROTEÍNA SOLÚVEL E AMINOÁCIDOS LIVRES EM FARINHA DE SOJA HIDROLISADA COM ENZIMAS TEORES DE PROTEÍNA SOLÚVEL E AMINOÁCIDOS LIVRES EM FARINHA DE SOJA HIDROLISADA COM ENZIMAS SANTOS, Rosimeire Expedita dos. IC/Fecilcam, Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial, Fecilcam, rosimeire_epa@yahoo.com.br

Leia mais

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia ap. 4: omponentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias orgânicas arboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos

Leia mais

INFORMAÇÃO, VIDA E DNA. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI

INFORMAÇÃO, VIDA E DNA. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI INFORMAÇÃO, VIDA E DNA Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI DEFINIÇÃO DE VIDA O que é a vida para você? DEFINIÇÃO DE VIDA Em 1943 Erwin Schroedinger (um dos pais

Leia mais

Técnico em Alimentos UFRPE. Bioquímica. Sandro do Nascimento Silva Carlos Roberto Rosa Silva. Universidade Federal Rural de Pernambuco

Técnico em Alimentos UFRPE. Bioquímica. Sandro do Nascimento Silva Carlos Roberto Rosa Silva. Universidade Federal Rural de Pernambuco Técnico em Alimentos Sandro do Nascimento Silva arlos Roberto Rosa Silva Bioquímica UFRPE Universidade Federal Rural de Pernambuco Bioquímica Sandro do Nascimento Silva arlos Roberto Rosa Silva UFRPE/DAI

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais.

Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais. Tricologia Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais. Anexo da pele Anatomia do couro cabeludo Doenças de couro cabeludo Protocolo Definições patológicas Tratamento patológicos Matérias e

Leia mais

EXAME Discursivo. Biologia. 2 A fase 01/12/2013. Boa prova!

EXAME Discursivo. Biologia. 2 A fase 01/12/2013. Boa prova! 2 A fase EXAME Discursivo 01/12/2013 Biologia Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Biologia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Leia mais

felipedonatto@usp.br

felipedonatto@usp.br Nutrição Esportiva Felipe Fedrizzi Donatto Nutricionista CRN3:18.215 (UNIMEP) Mestre em Educação Física (UNIMEP) Doutorando em Biologia Celular (ICB-USP) felipedonatto@usp.br Calculo necessidade energética

Leia mais

AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS

AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS Origem grego (protos) primeira, mais importante A palavra proteína que eu proponho vem derivada de proteos, porque ela parece ser a substância primitiva ou principal da nutrição

Leia mais

Análises para monitorar a Função Hepática

Análises para monitorar a Função Hepática Análises para monitorar a Função Hepática Catabolismo protéico Professora: Renata Fontes Medicina Veterinária Período: 3 o Tipo Componentes das membranas celulares Hormônios peptídicos (p. ex., insulina,

Leia mais

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Farmácia COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Integrantes: Paula Floriano da Silva Virgínia Figueira Marques PROTEÍNAS PROTEÍNAS Ponto isoelétrico ou pi,

Leia mais

Análise de Proteínas. Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP. Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica

Análise de Proteínas. Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP. Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica Análise de Proteínas Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica 2013 Proteínas Macromoléculas compostas de AMINOÁCIDOS

Leia mais

BASES NITROGENADAS DO RNA

BASES NITROGENADAS DO RNA BIO 1E aula 01 01.01. A determinação de como deve ser uma proteína é dada pelos genes contidos no DNA. Cada gene é formado por uma sequência de códons, que são sequências de três bases nitrogenadas que

Leia mais

BIOLOGIA Prof. André Fozzy

BIOLOGIA Prof. André Fozzy BIOLOI Prof. ndré Fozzy RN E SÍNTESE PROTEIC Biologia Prof. ndré Fozzy Regiões Codificadoras e Não-Codificadoras do DN O DN é formado por 2 regiões: Intergênicas ênicas Intergênicas ênicas Região ênica

Leia mais

CATÁLOGO de PRODUTOS RESULTADOS COM SAÚDE

CATÁLOGO de PRODUTOS RESULTADOS COM SAÚDE CATÁLOGO de PRODUTOS RESULTADOS COM SAÚDE MEGA WEIGHT 50.000 WHEY PROTEIN ÔMEGA 3 ALBUMINA 100% PROTEÍNA ANIMAL VITAMINAS E MINERAIS Hipercalórico desenvolvido para pessoas magras que tenham dificuldades

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br como os demais compostos constituintes de um organismo não são permanentes, estando em contínua DEGRADAÇÃO e SÍNTESE. Proteína Meia-vida Estima-se

Leia mais

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Alunos: Alexandre Bergantini de Souza Williamary Portugal Aula 1 - Introdução à Química Orgânica e Bioquímica Básica (Aminoácidos,

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

Genética e Evolução: Profa. Gilcele

Genética e Evolução: Profa. Gilcele Genética e Evolução: Profa. Gilcele Genética É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É o estudo da hereditariedade, a transmissão de traços de genitores para filhos. É dividida

Leia mais

APLICAÇÃO DO CONCEITO DE PROTEÍNA IDEAL PARA BOVINOS LEITEIROS

APLICAÇÃO DO CONCEITO DE PROTEÍNA IDEAL PARA BOVINOS LEITEIROS APLICAÇÃO DO CONCEITO DE PROTEÍNA IDEAL PARA BOVINOS LEITEIROS Flávio Augusto Portela Santos 1 ; Fernanda Lopes Macedo 2 ; Lucas Jado Chagas 2 1 Professor titular do Dept. de Zootecnia da ESALQ/USP; 2

Leia mais

Graduada em Nutrição pela Universidade Federal do Piauí e Pós-Graduada em Nutrição Clínica pelo Instituo Brasileiro de Pós-graduação e Extensão.

Graduada em Nutrição pela Universidade Federal do Piauí e Pós-Graduada em Nutrição Clínica pelo Instituo Brasileiro de Pós-graduação e Extensão. AUTORAS CAMILA DUARTE FERREIRA Graduada em Nutrição pela Universidade Federal da Bahia - UFBA. Mestre em Ciência de Alimentos pelo Programa de Pós-graduação em Ciência de Alimentos - UFBA. Nutricionista

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

R C COOH. H H H O O desidratação O R1 C C + R2 C C R1 C C H + H 2 O OH OH intramolecular O NH 2 N NH 2 N C C H H OH H R2

R C COOH. H H H O O desidratação O R1 C C + R2 C C R1 C C H + H 2 O OH OH intramolecular O NH 2 N NH 2 N C C H H OH H R2 1. Comentário: A ausência de alimentos de origem animal na dieta implica na ausência de proteínas integrais, as quais possuem todos os aminoácidos essenciais, ou seja, aqueles que não podem ser produzidos

Leia mais

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio.

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio. PROVA DISCURSIVA LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO 1 O DIA VESTIBULAR 2015 INSTRUÇÕES 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio. 2) Utilize-se dos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007 EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007 1. (Unicamp 2005) Em 25 de abril de 1953, um estudo de uma única página na revista inglesa Nature intitulado "A estrutura molecular dos ácidos nucléicos",

Leia mais

Quinoa Pro NPNF PROTEÍNA NATURAL PARA RETER A COLORAÇÃO, CONDICIONAR E PROTEGER OS CABELOS

Quinoa Pro NPNF PROTEÍNA NATURAL PARA RETER A COLORAÇÃO, CONDICIONAR E PROTEGER OS CABELOS Quinoa Pro NPNF PROTEÍNA NATURAL PARA RETER A COLORAÇÃO, CONDICIONAR E PROTEGER OS CABELOS QUINOA (GRÃO) VISÃO GERAL Considerada a mãe dos grãos pelos antigos incas, a quinoa (Chenopodium quinoa chenopodiaceae)

Leia mais

AS PROTEÍNAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL

AS PROTEÍNAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL AS PROTEÍNAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL 5.1- INTRODUÇÃO: As proteínas são nutrientes orgânicos nitrogenados presentes em todas as células vivas; portanto, são essenciais à vida de todo animal. Todos os animais

Leia mais

Suplementos alimentares para prevenção de doenças degenerativas.

Suplementos alimentares para prevenção de doenças degenerativas. Suplementos alimentares para prevenção de doenças degenerativas. Controlo dos Joana Raquel Gonçalves Botelho Teixeira Porto 2013 Dissertação do 2º ciclo de estudos apresentada à Faculdade de Farmácia da

Leia mais

WHEY PROTEIN CONCENTRADO

WHEY PROTEIN CONCENTRADO Informações Técnicas WHEY PROTEIN CONCENTRADO Proteína concentrada do soro do leite (WPC 80) INTRODUÇÃO O leite contém vários tipos de proteínas como por exemplo, a caseína, as proteínas das membranas

Leia mais

Bioquímica ENZIMAS ÁC. NUCLEICOS

Bioquímica ENZIMAS ÁC. NUCLEICOS Bioquímica ENZIMAS ÁC. NUCLEICOS As enzimas são substâncias orgânicas, geralmente proteínas, que catalisam reações biológicas pouco espontâneas e muito lentas. O poder catalítico de uma enzima relaciona

Leia mais

ESSENCIALIDADE DOS AMINOÁCIDOS

ESSENCIALIDADE DOS AMINOÁCIDOS METABOLISMO DEGRADATIVO DAS PROTEÍNAS E AMINOÁCIDOS 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS (essencialidade de aminoácidos e qualidade da proteína alimentar) Os aminoácidos devem constar na dieta dos animais devido à

Leia mais

III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS

III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS INTRODUÇÃO Os α-aminoácidos fundamentais utilizados pelas células para a biosíntese das proteínas apresentam características estruturais diferentes.

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

Genética Humana. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Genética Humana. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Genética Humana Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto JAN/2012 Princípios Básicos As proteínas são vinculo entre genótipo e fenótipo; A expressão gênica é o processo pelo qual o DNA coordena

Leia mais

AMINOÁCIDOS AMINOÁCIDOS: FAIXA DE DOSAGEM USUAL:

AMINOÁCIDOS AMINOÁCIDOS: FAIXA DE DOSAGEM USUAL: AMINOÁCIDOS AMINOÁCIDOS: L-LEUCINA*** L-ISOLEUCINA*** L-VALINA*** L-ALANINA L-ARGININA L-CISTEÍNA L-CISTINA L-FENILALANINA L-GLICINA L-GLUTAMINA L-HISTIDINA L-LISINA L-METIONINA L-ORNITINA L-PROLINA L-TIROSINA

Leia mais

A Função da proteína CFTR e as alterações produzidas pelas diferentes classes de mutações do gene CFTR

A Função da proteína CFTR e as alterações produzidas pelas diferentes classes de mutações do gene CFTR A Função da proteína FTR e as alterações produzidas pelas diferentes classes de mutações do gene FTR Giselda MK abello Laboratório de Genética Humana IO/Fiocruz Função da FTR A proteína FTR: 1480 aa, 5

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Proteínas de membrana

Proteínas de membrana Proteínas de membrana a u l a 8 OBJETIVOS Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Reconhecer as diferentes proteínas e carboidratos de membrana de acordo com: sua função (transporte, reconhecimento

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARNAÍBA CONCURSO PÚBLICO PROVA PARA CARGO DE: NUTRICIONISTA Sec.Saúde

ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARNAÍBA CONCURSO PÚBLICO PROVA PARA CARGO DE: NUTRICIONISTA Sec.Saúde ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARNAÍBA CONCURSO PÚBLICO PROVA PARA CARGO DE: NUTRICIONISTA Sec.Saúde * ATENÇÃO - CONFIRA SE ESTA PROVA CORRESPONDE AO CARGO QUE VOCÊ CONCORRE * Neste Caderno

Leia mais

Metabolismo das Proteínas e aminoácidos

Metabolismo das Proteínas e aminoácidos Metabolismo das Proteínas e aminoácidos Compostos à base de C, H, O e N com funções importantes no organismo animal e vegetal. São grandes moléculas, polímeros de aminoácidos ligadas por ligações peptídicas

Leia mais

Genética e Câncer. Viviane Ferreira Esteves

Genética e Câncer. Viviane Ferreira Esteves Genética e Câncer Viviane Ferreira Esteves Fatores de risco Fatores internos Predisposição hereditária Fatores externos Ambientais Predisposição Genética para o Câncer Tipo de câncer Mama Cólon Leucemias

Leia mais

No espaço ao lado de cada definição, escreva claramente a letra do termo apropriado da lista de termos fornecida na página 21.

No espaço ao lado de cada definição, escreva claramente a letra do termo apropriado da lista de termos fornecida na página 21. Questão 1 No espaço ao lado de cada definição, escreva claramente a letra do termo apropriado da lista de termos fornecida na página 21. Um DNA curto, de filamento único, que serve como o material de partida

Leia mais

WHEY PROTEIN ISOLATE

WHEY PROTEIN ISOLATE Informações Técnicas WHEY PROTEIN ISOLATE Proteína isolada do soro do leite (WPI) INTRODUÇÃO O leite contém vários tipos de proteínas como por exemplo, a caseína, as proteínas das membranas dos glóbulos

Leia mais

Requerimentos Nutricionais de Cães e Gatos

Requerimentos Nutricionais de Cães e Gatos Requerimentos Nutricionais de Cães e Gatos animais de companhia duas espécies diferentes de animais Maria Clorinda Soares Fioravanti (clorinda@vet.ufg.br) apresentam requerimentos nutricionais específicos

Leia mais

METABOLISMO DE AMI OÁCIDOS

METABOLISMO DE AMI OÁCIDOS METABOLISMO DE AMI OÁCIDOS As proteínas constituintes dos organismos estão continuamente sendo renovadas (turnover das proteínas). * Os aminoácidos presentes nas células animais originam-se das proteínas

Leia mais

Eduardo Campos dos Santos

Eduardo Campos dos Santos Eduardo Campos dos Santos Uma introdução à Bioinformática através da análise de algumas ferramentas de software livre ou de código aberto utilizadas para o estudo de alinhamento de seqüências Monografia

Leia mais

James Watson, Francis Crick e o DNA

James Watson, Francis Crick e o DNA Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

Profa Estela Rossetto

Profa Estela Rossetto Profa Estela Rossetto Síntese de Proteínas: Um trabalho em grupo dos RNA! ATP RNAt RNAm enzimas RNAr aminoácidos Ribossomo: Organela onde ocorre a síntese de proteínas. Organela não delimitada por membrana,

Leia mais

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares:

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: Capítulo 1: Parte 3 1 II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: O epitélio que participa principalmente da secreção está geralmente disposto em estruturas denominadas glândulas. As substâncias

Leia mais

GENÉTICA HISTÓRICO CARACTERÍSTICAS LEIS DE MENDEL PROBABILIDADE

GENÉTICA HISTÓRICO CARACTERÍSTICAS LEIS DE MENDEL PROBABILIDADE GENÉTICA HISTÓRICO CARACTERÍSTICAS LEIS DE MENDEL PROBABILIDADE DEFINIÇÃO Palavra de origem grega gennos (fazer nascer- geração). Estudo dos mecanismos de transmissão de características de uma espécie,

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

ATUALIDADES EM QUÍMICA

ATUALIDADES EM QUÍMICA ATUALIDADES EM QUÍMICA Luiz Alberto Colnago, Fábio C.L. Almeida e Ana Paula Valente O Prêmio Nobel de Química de 2002 foi outorgado ao químico John B. Fenn e ao engenheiro Koichi Tanaka pelo desenvolvimento

Leia mais

Bioquímica. www.sotaodaquimica.com.br Contato: sotaodaquimica@gmail.com

Bioquímica. www.sotaodaquimica.com.br Contato: sotaodaquimica@gmail.com Bioquímica 01. (Uerj) Na presença de certos solventes, as proteínas sofrem alterações tanto em sua estrutura espacial quanto em suas propriedades biológicas. No entanto, com a remoção do solvente, voltam

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado.

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado. SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestivo tem a função de realizar a digestão, ou seja, fraccionar os alimentos e transformar as macromoléculas em micromoléculas. SISTEMA DIGESTÓRIO Boca

Leia mais