UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DIREITO CIVIL VIII DIREITO DAS SUCESSÕES QUADROS ESQUEMÁTICOS MARCOS ALVES DE ANDRADE BARBACENA JULHO DE 2007

2 Direito das Sucessões Autor: Marcos Alves de Andrade 2 Breve história - Fundamentos do direito das sucessões A primeira noção de direito das sucessões está relacionada com a perpetuação da espécie e com a organização da propriedade, remontando às mais longínquas eras da humanidade. A sucessão ocorria entre os chefes de tribos, posteriormente entre os chefes de família. A princípio, a sucessão cabia apenas ao filho mais velho, estendendo-se, posteriormente aos outros. As mulheres não tinham direito à sucessão. Não havendo descendentes, a sucessão cabia aos parentes varões da linha paterna, não havendo estes, aos varões da linha materna e, por último, não havendo tais herdeiros, a herança era revertida para a comunidade. Desde as primeiras leis, na ordem sucessória, os parentes mais próximos excluíam os mais remotos, e o filho primogênito do sexo masculino, passou a ceder o lugar a todos os filhos, com igualdade e sem distinção de sexo. No Código de Hamurábi, editado por Khammu-rabi, rei da Babilônia, entre 2067 a 2065 a.c., um dos mais antigos conjuntos de leis já encontrados, constavam vários dispositivos referentes ao direito das sucessões. Nele, praticamente, no que tange à sucessão, era reconhecida a igualdade entre os filhos. A Lei das Doze Tábuas (Lex XII Tabularum), através da qual foram condensados todos os costumes romanos da época, editada por dez legisladores romanos (os decênviros), no período de 451 a 449, a.c., além de instituir normas processuais, cíveis e criminais, continha, nas Tábuas IV (Do Pátrio Poder) e V (Da Tutela Hereditária), vários preceitos sobre o direito das sucessões, sendo um dos mais significativo o que dispunha sobre o direito de sucessão da propriedade, que a reconhecia através de ato entre vivos, testamento ou herança (Tábua V). Segundo historiadores, o instituto da sucessão testamentária nasceu na Grécia Antiga, mais precisamente em Esparta, e posteriormente foi absolvido por Roma. A partir da Lei das Doze Tábuas, o pater família tinha absoluta liberdade de dispor de seus bens para depois de sua morte, mas, falecendo sem testamento, a sucessão cabia, seguidamente a três classes de herdeiros: sui heredes, agnati e gentilis. Na classe dos sui heredes, herdavam todos os herdeiros, sem distinção de sexo. Inexistindo a classe dos sui heredes, a sucessão cabia à classe dos agnati, pessoas da mesma família, do sexo masculino, que se tornavam sui juris. Finalmente, inexistindo as classes anteriores, herdavam os gentiles, agnados mais afastados, ou presumidamente agnados, que, em razão da posse do mesmo nome de família e do mesmo culto doméstico eram conhecidos como parentes do falecido. No Direito Romano, Justiniano estabeleceu na Novella 117 a primeira ordem sucessória: a) descendentes; b) ascendentes e irmãos germanos; c) irmãos unilaterais; d) colaterais que não fossem irmãos; e) cônjuge sobrevivente. Ainda hoje, em alguns países, a ordem sucessória prefere, em primeiro lugar, os filhos do sexo masculino.

3 Direito das Sucessões Autor: Marcos Alves de Andrade 3 Direito das sucessões Conceitos Sucessão Patrimônio Herança Sucessão a título singular e a título universal Abertura da sucessão O direito das sucessões é o complexo de normas e princípios que regulam a destinação do patrimônio de uma pessoa depois de sua morte, sendo regido basicamente pelos artigos e seguintes do Código Civil de A palavra sucessão é oriunda do latim successio, derivado de succedere. Dá idéia de afastamento de uma pessoa das relações jurídicas, ocorrendo a sua substituição por outra, a qual continua a exercer os deveres e obrigações, podendo decorrer de atos entre pessoas vivas ou por causa de morte. Os romanos chamavam succedere in jus a passagem de todos os direitos e obrigações do falecido a outra pessoa, seu sucessor. Sucessão é a transmissão, para uma ou mais pessoas vivas, do patrimônio de uma pessoa morta, o qual constitui o conjunto de direito e obrigações, de créditos e débitos, sendo considerado, sob certo aspecto, sinônimo de herança. Sucessão causa mortis, ou hereditária, decorre da morte de uma pessoa e a sobrevida de outra que irá lhe suceder, recebendo o patrimônio daquele. O patrimônio hereditário, ou seja, do autor da herança, é concebido como uma universalidade (art. 91). A herança não abrange os direitos personalíssimos do indivíduo, pois estes não se transmitem com a morte, mas se extinguem com esta (arts. 11 a 21). A sucessão causa mortis é um dos modos de aquisição da propriedade, e pode ocorrer a título universal, em que se transmite a totalidade ou parte ideal indeterminada do patrimônio ao sucessor, e a título singular, em que se transfere uma coisa ou um direito determinado, ou, mesmo, uma fração patrimonial determinada. A sucessão a título universal pode ocorrer por testamento ou por lei. A singular ocorre apenas por testamento. Legatário é aquele que sucede a título singular. Herdeiro é aquele que sucede a título universal. A abertura da sucessão ocorre no momento da morte da pessoa, real ou presumida (art. 6º), provada pela certidão de óbito, pois o patrimônio não pode ficar sem titularidade, transmitindo-se a herança, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários (art ). Pressupõe a existência de dois fatos: a morte do autor da herança ou de cujus, sucedido, e a sobrevivência de seu sucessor, ou herdeiro, legítimo ou testamentário. A sucessão abre-se no lugar do último domicílio do falecido (art ). O domicílio civil da pessoa natural é o lugar onde ela estabelece sua residência com ânimo definitivo (art. 70).

4 Direito das Sucessões Autor: Marcos Alves de Andrade 4 Sucessão legítima e sucessão testamentária Outras disposições gerais do CC 2002 Droit de Saisine A sucessão dá-se por lei (sucessão legítima) ou por disposição de última vontade (sucessão testamentária) (art ). A sucessão legítima ou ab intestato ocorre quando o autor da herança morre sem deixar testamento, o mesmo ocorrendo quanto aos bens que não forem compreendidos no testamento, ou, ainda, se este caducar ou mesmo for declarado nulo (art ). Havendo herdeiros necessários (descendentes, ascendentes ou cônjuge art ), o testador só poderá dispor da metade da herança (art ). A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições previstas no artigo do Código Civil de Regula a sucessão e a legitimação para suceder a lei vigente ao tempo da abertura daquela (CC 2002, art ). As disposições do Código Civil de 2002 relativas à ordem da vocação hereditária (arts a 1.844) não se aplicam à sucessão aberta antes de sua vigência, prevalecendo o disposto no Código Civil de 1916 (art ). A sucessão dos ausentes é disciplinada pelos artigos 26 a 36 (sucessão provisória) e 37 a 39 (sucessão definitiva). Origem medieval, nascido na França para proteger o servo do senhor feudal. Os herdeiros do servo entravam na posse imediata dos bens Princípio pelo qual se estabelece que a posse dos bens do de cujus se transmite aos herdeiros legítimos ou testamentários, imediatamente, no momento de sua morte. O herdeiro não precisa requerer seu direito de posse dos bens herdados, ao contrário do legatário, que terá de fazê-lo, não podendo este, por autoridade própria, entrar na posse da coisa legada (art , 1º). O Poder Público não é herdeiro, não lhe sendo reconhecido o direito da saisine. Conforme lição de Caio Mário da Silva Pereira ( Instituições de Direito Civil, vol. VI), alguns efeitos surgem do conceito do princípio de saisine: 1- abre-se a herança com a morte do sujeito, e no mesmo instante os herdeiros a adquirem. Verifica-se, portanto, imediata mutação subjetiva; 2- não é o fato de estar próximo que atribui ao herdeiro a posse e propriedade dos bens, mas sim a sucessão - a posse e a propriedade advêm do fato do óbito; 3- o herdeiro passa a ter legitimidade ad causam (envolvendo a faculdade de proteger a herança contra a investida de terceiros); 4- com o falecimento do herdeiro após a abertura da sucessão, transmite-se a posse e propriedade da herança aos seus sucessores, mesmo sem manifesta aceitação; 5- mesmo que os bens não estejam individualizados e discriminados, constitui a herança em si mesma um valor patrimonial, e, como tal, pode ser transmitida inter vivos.

5 Direito das Sucessões Autor: Marcos Alves de Andrade 5 Universalidade e indivisibilidade da herança Cessão de Direito hereditário Administração da herança Vocação hereditária e capacidade para suceder A universalidade e a indivisibilidade, regidas pelas normas do condomínio, permanecem até que seja feita a partilha dos bens (arts. 91, 1.791, caput, e seu par. único). Em conseqüência dessa universalidade, o juízo do inventário atrai todas as ações que lhe sejam relativas (CPC, art. 96). O direito à sucessão aberta considera-se imóvel para os efeitos legais (art. 80, II), obrigando a presença de ambos os cônjuges quando casados os herdeiros no processo de inventário, conforme exigido pelo art. 10, I, do CPC, salvo quando casados sob o regime de separação absoluta (CC, art ). Somente pode ocorrer após a abertura da sucessão (art. 426) e antes da partilha, total ou parcial, através de escritura pública de cessão (art ). O cessionário pode participar do processo de inventário, para, no final, ser contemplado na partilha. Como o cedente não pode definir o que está sendo vendido, o cessionário assume o risco, pois se trata de negócio jurídico aleatório, através do qual são transferidos direitos e obrigações. O cedente não responde pela evicção de direito, salvo se estipulada essa obrigação na escritura. Como a herança é regulada pelas normas do condomínio, o coherdeiro não poderá ceder sua quota hereditária a pessoa estranha à sucessão, se outro co-herdeiro a quiser, em igualdade de condições (art ). O cessionário não responde por encargos superiores à quota hereditária que adquiriu, porque o cedente não perde sua condição de herdeiro a título universal (art ). Até o compromisso do inventariante > art Após o compromisso, cabe ao inventariante, nomeado na forma da lei. Os bens da herança destinados a filhos, ainda não concebidos, de pessoas indicadas pelo testador, desde que vivas estas ao tempo da abertura da sucessão, serão confiados, após a liquidação ou partilha, a curador nomeado pelo juiz (arts e 1800) com as ressalvas previstas no art Na sucessão legítima, todas as pessoas, nascidas ou já concebidas no momento da abertura da sucessão, têm legitimidade para suceder (art ). A sucessão testamentária, no geral, conserva os princípios básicos norteadores da sucessão legítima, porém, enquanto esta se funda na existência do ser humano em razão do nascimento ou da concepção, aquela admite que outros entes sejam agraciadas com parte da herança. A legitimação para suceder é disciplinada pela lei vigente ao tempo da abertura da sucessão (art ). Todo aquele a quem o ordenamento jurídico confere qualidade para receber a herança ou parte dela tem capacidade para suceder.

6 Direito das Sucessões Autor: Marcos Alves de Andrade 6 Aceitação renúncia da herança e Aceitação da herança é o ato jurídico, através do qual o herdeiro declara que quer receber a herança a que tem direito. Aceitação expressa: aceitação por escrito público ou particular, seja nos próprios autos do inventário ou em caráter extrajudicial. Aceitação tácita: resulta de atos, positivos ou negativos, próprios da qualidade de herdeiro praticados por quem tem a intenção de aceitar a herança (art. 1805). A aceitação é definitiva (art ). A aceitação da herança pode ser feita diretamente pelo herdeiro ou por intermédio de seus sucessores (art ). Ressalvas: art Meros atos oficiosos, como o funeral do falecido, o culto à sua memória, os meramente conservatórios, ou os de administração e guarda provisória, e a cessão gratuita, pura e simples, da herança, aos demais co-herdeiros, não significam aceitação da herança ( 1º e 2º, do art ). A renúncia da herança é o ato solene pelo qual uma pessoa, chamada à sucessão da outra, declara que não a aceita. Pressupõe legítima manifestação de vontade, requer agente capaz, objeto lícito, possível e forma solene. A renúncia da herança deve constar expressamente de instrumento público ou termo judicial nos autos do inventário ou noutra demanda especificamente destinada a esse fim (art ), portanto, não se presume. A renúncia da herança pode ser feita diretamente pelo herdeiro ou através de mandatário a quem foram conferidos poderes especiais e expressos em instrumento público. Todo aquele que tiver interesse em ver declarada, pelo herdeiro, a aceitação ou a renúncia da herança, pode interpelálo judicialmente, requerendo a fixação de prazo razoável para a resposta, nunca superior a trinta dias. Não havendo resposta no prazo assinado pelo juízo, será considerada aceita a herança (art ). Somente através de expressa renúncia dentro do prazo fixado na interpelação judicial é que poderá o herdeiro enjeitar a herança oferecida, tomando-se o seu silêncio como anuência presumida. Nenhum dos cônjuges pode renunciar a herança sem a outorga do outro, salvo quando o regime de bens for o da separação (art ). Não pode o herdeiro aceitar ou renunciar a herança em parte, sob condição ou a termo (art ). Pode o herdeiro aceitar a herança e o legado, aceitar a herança e recusar o legado, aceitar o legado e recusar a herança ou recusar a herança e o legado (art , 1º). A parte do renunciante se reverte em benefício do monte, acrescendo-se às dos demais herdeiros da mesma classe e, sendo ele o único desta, devolve-se aos da subseqüente (art ).

7 Direito das Sucessões Autor: Marcos Alves de Andrade 7 Aceitação renúncia da herança Os que não podem suceder. Indignidade Herança Jacente e Herança vacante e Na sucessão legítima inexiste direito de representação de herdeiro renunciante. o herdeiro renunciante é tratado como jamais houvesse juridicamente existido. Se o renunciante for o único legítimo de sua classe, os filhos dele herdarão por direito próprio e por cabeça, ou seja, individualmente considerados, e não por direito de representação (art ). O renunciante à herança de uma pessoa poderá representá-la na sucessão de outra (art ). A renúncia da herança não pode ser feita antes da abertura da sucessão (art. 426) e deve ocorrer até a partilha. A renúncia tem efeito retroativo à data da abertura da sucessão. São irrevogáveis os atos de aceitação ou de renuncia da herança (art ). Se a renúncia prejudicar credores do renunciante, poderão eles, com autorização do juiz, aceitá-la em seu nome (art ). Se nenhuma dos herdeiros aceitar a herança, optando todos pela renúncia, será a herança, de pronto, declarada vacante, pelo juiz da sucessão (art ). Tendo em vista as situações especiais que as envolvem, as pessoas mencionadas no art não podem ser nomeadas herdeiras ou legatárias. Ressalva: art As disposições testamentárias feitas em proveito de pessoas não legitimadas a suceder são absolutamente nulas, assim, nenhum efeito produzem, sendo tratadas como se jamais houvessem sido consignadas no testamento (art ). Arts , 1814 a Arts e 1.820,

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 7. Aceitação e Renúncia da Herança (arts. 1.804 a 1.813,

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO

DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO Direito das sucessões é o conjunto de princípios e normas que regem a transferência da herança, ou do legado, ao herdeiro ou legatário, em razão da morte de alguém. O direito

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

Livro V Do Direito das Sucessões. Introdução: Mudança trazidas pelo CC/02 no direito civil nos campos: sucessões e família. Cônjuge Companheiro

Livro V Do Direito das Sucessões. Introdução: Mudança trazidas pelo CC/02 no direito civil nos campos: sucessões e família. Cônjuge Companheiro Livro V Do Direito das Sucessões Introdução: Mudança trazidas pelo CC/02 no direito civil nos campos: sucessões e família. Cônjuge Companheiro Sucessão substituição CAPÍTULO I Disposições Gerais Da Sucessão

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83 1 Noções introdutórias, 1 1.1 Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões, 1 1.2 Direito das sucessões no direito romano, 2 1.3 Ideia central do direito das sucessões, 4 1.4 Noção de herança,

Leia mais

Direitos das Sucessões

Direitos das Sucessões Há 4 títulos do capítulo das sucessões: Sucessões em geral: aplicada a qualquer hipótese; Sucessão Legítima: prevista em lei; Sucessão testamentária: disposições de vontade; Inventário e partilha: regras

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões O conhecimento quando compartilhado é muito melhor, pois, todos são beneficiados com novas formas de enxergar o mundo Paulo Henrique 2015 1 DIREITO CIVIL 6 Conteúdo

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões Eduardo Domingues 12/02 A matéria é dividida em quatro partes. Primeiro temos a sucessão em geral traz uma série regras que permeiam todo o conteúdo que será tratado nesta disciplina.

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

1. Princípios Orientadores: - a herança é uma universalidade de direito - indivisível até a partilha;

1. Princípios Orientadores: - a herança é uma universalidade de direito - indivisível até a partilha; 1 PONTO 1: Princípios Orientadores PONTO 2: Sucessão Legítima e Testamentária PONTO 3: Morte PONTO 4: Cessão e Direitos Hereditários PONTO 5: Exclusão da Herança PONTO 6: Herança Jacente e Vacante 1. Princípios

Leia mais

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha EDUARDO MACHADO ROCHA Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões da Comarca de Dourados (MS). Pós-graduado - Especialização em Direito Processual Civil. Professor de Direito Civil na Unigran - Universidade

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões 1) Que é herança jacente: a) Herança que não existe herdeiros, salvo o estado b) Herança que tem que ser dividida entre os pais e cônjuge c) Herança que tem que ser dividida entre irmãos d) Herança deixada

Leia mais

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros 3a AULA: DIREITO DAS SUCESSÕES: Do direito das Sucessões (artigos 1.784 a 1.828 do Código Civil). Sucessão

Leia mais

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO DE DIREITO FAMÍLIA PONTO 1: SUCESSÃO PONTO 2: PRINCÍPIOS ORIENTADORES; SUCESSÃO LEGÍTIMA E TESTAMENTÁRIA, EXCLUSÃO DOS HERDEIROS; PONTO 3: ESPÉCIES DE HERDEIROS, CESSÃO DE DIREITOS;

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ ALINI APARECIDA DANIELSKI DA SILVA ALIENAÇÃO DE QUINHÃO HEREDITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ ALINI APARECIDA DANIELSKI DA SILVA ALIENAÇÃO DE QUINHÃO HEREDITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ ALINI APARECIDA DANIELSKI DA SILVA ALIENAÇÃO DE QUINHÃO HEREDITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO CURITIBA 2012 ALINI APARECIDA DANIELSKI DA SILVA ALIENAÇÃO DE QUINHÃO HEREDITÁRIO:

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO TABELIÃO (PRESTADOR DE SERVIÇO PÚBLICO EM CARÁTER PRIVADO)... 5 1.3 NOVA LEI HOMENAGEIA

Leia mais

1959 Direito de Família e Sucessões Parte 1 Do Direito de Família 1. Família. Conceito. Família e sociedade. Suas diferentes formas. Constituição de 1946 a espeito. Direito de Família. 2. Esponsais. Breve

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

Direito das Sucessões Parte II. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte II. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte II Abertura da Sucessão Momento da morte do de cujus, devidamente comprovada. Com a abertura da sucessão os herdeiros, legítimos ou testamentários, adquirem, de imediato, a

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

Aula 008 Da Sucessão Testamentária

Aula 008 Da Sucessão Testamentária Aula 008 Da Sucessão Testamentária 3.5 Disposições Testamentárias 3.5.1 Regras gerais 3.5.2 Espécies de disposições 3.5.2.1 Simples 3.5.2.2 Condicional 3.5.2.3 A Termo ou a prazo 3.5.2.4 Modal 3.5.2.5

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

Art. 1.784. Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários.

Art. 1.784. Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários. Código Civil Parte Especial - Arts. 1784 a 1896 LIVRO V Do Direito das Sucessões TÍTULO I Da Sucessão em Geral CAPÍTULO I Disposições Gerais Art. 1.784. Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

NOÇÃO GERAL DO DIREITO DE SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL: INTRODUÇÃO DO TEMA POR 10 (DEZ) "VERBETES"

NOÇÃO GERAL DO DIREITO DE SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL: INTRODUÇÃO DO TEMA POR 10 (DEZ) VERBETES NOÇÃO GERAL DO DIREITO DE SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL: INTRODUÇÃO DO TEMA POR 10 (DEZ) "VERBETES" Rodrigo Mazzei Escopo do estudo: O presente texto é simples e tem o objetivo de trazer noções básicas sobre

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

Direito Civil. Sucessão em Geral. Professora Alessandra Vieira.

Direito Civil. Sucessão em Geral. Professora Alessandra Vieira. Direito Civil Sucessão em Geral Professora Alessandra Vieira www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Aula Civil XX DO DIREITO SUCESSÓRIO Considerações Gerais: A abertura da sucessão se dá no exato instante

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

TEORIA E PRÁTICA DO INVENTÁRIO JUDICIAL E EXTRAJ U DICIAL

TEORIA E PRÁTICA DO INVENTÁRIO JUDICIAL E EXTRAJ U DICIAL JOÃO ROBERTO PARIZATTO TEORIA E PRÁTICA DO INVENTÁRIO JUDICIAL E EXTRAJ U DICIAL 5. a Edição EDITORA PARIZATTO Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio eletrônico, mecânico ou xerográfico,

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais. Autor do Livro Direito de Família, publicado em 2005, pela Editora Atenas. Professor de Direito de Família e Sucessões na Unifenas,

Leia mais

CONCEITO DE INVENTÁRIO

CONCEITO DE INVENTÁRIO DIREITO CIVIL Inventário e Partilha CONCEITO DE INVENTÁRIO Inventárioéoprocedimentojudicialatravésdoqual será realizado o levantamento dos bens, valores, dívidas e sucessores do autor da herança. OBJETIVO

Leia mais

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Da doação como ato de liberalidade e das formas de sua celebração. 2. A doação de ascendente

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

Novembro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes

Novembro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes DIREITO CIVIL VI - SUCESSÕES SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA Testemunhas Testamentárias Novembro/2010 Prof a. Esp. Helisia Góes Definição: é a pessoa que tem capacidade para assegurar a veracidade do testamento.

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA ITCMD Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer Bens ou Direitos MANUAL DO USUÁRIO 2012 O ITCMD tem como fato gerador a transmissão de bens e direitos

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR BREVE NOÇÃO HISTÓRICA E CONCEITUAL DO DIREITO SUCESSÓRIO Samara Loss Bendlin 1 Denise Schmitt Siqueira Garcia 2 RESUMO O Direito Sucessório remota dos primórdios da civilização e permanece vigente em nossa

Leia mais

EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA

EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Ilha Centro Curso: Direito Disciplina: Direito das Sucessões Professor: MSc. Patrícia Fontanella Acadêmico (a): EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA 01. (MP/SC

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A cessão de direitos hereditários no novo Código Civil Ricardo Guimarães Kollet A cessão de direitos hereditários, contrato através do qual opera-se a transmissão de direitos provenientes

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES DIREITO DAS SUCESSÕES 2.º Ano Turma A (Dia) Exame de Coincidência Professor Doutor Luís Menezes Leitão 26 de junho de 2015 Duração da prova: 90 minutos GRELHA DE CORREÇÃO A morte de A desencadeia a abertura

Leia mais

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC).

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC). Noção Contrato pelo qual uma Pessoa Jurídica, por espírito de liberalidade e à custa do seu património, dispõe gratuitamente de uma coisa ou de um direito, ou assume uma obrigação, em benefício do outro

Leia mais

FIDEICOMISSO NO DIREITO DAS SUCESSÕES

FIDEICOMISSO NO DIREITO DAS SUCESSÕES 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS - CEJURPS CURSO DE DIREITO FIDEICOMISSO NO DIREITO DAS SUCESSÕES PEDRO IRINEU VIEIRA JÚNIOR Itajaí/SC, Novembro de 2009 2

Leia mais

A SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA NO BRASIL

A SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA NO BRASIL UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS - CEJURPS CURSO DE DIREITO A SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA NO BRASIL HEDI SIMSEN Itajaí 06 de novembro de 2007 UNIVERSIDADE DO VALE

Leia mais

Direito das Sucessões. Inventário e Partilha

Direito das Sucessões. Inventário e Partilha Direito das Sucessões Inventário e Partilha OBJETIVO Conhecer as disposições legais a respeito do inventário e da partilha. ROTEIRO Introdução O inventário formas simplificadas Colação Sonegados Partilha

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos

As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos Versão digital do artigo, publicado originalmente em 2008 na obra Separação, Divórcio e Inventário em Cartório: Aspectos Jurídicos

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

Índice do Material. A) Apostila 01 - Introdução ao Direito das Sucessões Prof.: Pablo Stolze Gagliano www.novodireitocivil.com.br

Índice do Material. A) Apostila 01 - Introdução ao Direito das Sucessões Prof.: Pablo Stolze Gagliano www.novodireitocivil.com.br Índice do Material A) Apostila 01 - Introdução ao Direito das Sucessões 1. Conceito 2. Sistemas Sucessórios 3. Espécies 4. Lei no Tempo e no Espaço 5. Princípio da Saisine 6. Aceitação da Herança 7. Renúncia

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

~ ~ McTODO SÃO PAULO

~ ~ McTODO SÃO PAULO Flávio Tartuce :C I.. 'r1'i Direito das Sucessões B. a edição revista, atualizada e ampliada *** ~ ~ McTODO SÃO PAULO ~~::;'S 1: STJ00100365 A EDITORA Mt::TODO se responsabiliza pelos vlcios do produto

Leia mais

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS

DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS Prof.Dicler Direito das Sucessões é o conjunto de normas que disciplinam a transferência do patrimônio (ativo e passivo créditos e débitos) de alguém, depois de sua

Leia mais

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado

Leia mais

Sumário. 00_abertura_Direito das Sucessoes_Dimas.pmd11

Sumário. 00_abertura_Direito das Sucessoes_Dimas.pmd11 Sumário Apresentação... 17 Prefácio... 21 1- INTRODUÇÃO... 25 1.1- Histórico... 25 1.2- Acepção jurídica de sucessão... 26 2- TRANSMISSÃO DA HERANÇA/VOCAÇÃO HEREDITÁRIA... 31 3- HERANÇA JACENTE... 35 4-

Leia mais

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS 23 A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS Adrieli Aline Frias 1 Daniele Garcia 2 Niagara Sabrina 3 Ynaia Medina Long 4 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária. Herança. Formas de Testamento. Inventário e Partilha.

Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária. Herança. Formas de Testamento. Inventário e Partilha. Detalhes da Disciplina Código JUR3107 Nome da Disciplina DIREITO CIVIL VII Carga Horária 60 Créditos 4 Ementa Objetivos Gerais Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária.

Leia mais

Declaração de Espólio

Declaração de Espólio SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Conceito de Espólio 3. Declarações de Espólio 3.1. Declaração inicial 3.2. Declarações intermediárias 3.3. Declaração final 4. Declaração de Bens 5. Prazo para Apresentação

Leia mais

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO CLIENT ALERT DEZEMBRO/2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SANCIONA AS NOVAS REGRAS REFERENTES AO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO

Leia mais

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 1- ATOS DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS VALORES EM R$ ATO VALORES TOTAL BUSCA (POR PERÍODO

Leia mais

1. SUCESSÃO EM GERAL: DISPOSIÇÕES GERAIS

1. SUCESSÃO EM GERAL: DISPOSIÇÕES GERAIS 1. SUCESSÃO EM GERAL: DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1.784. Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários. A morte desencadeadora de efeitos sucessórios: A transmissão

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES

QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES 1. Heitor, solteiro e pai de dois filhos também solteiros (Roberto, com trinta anos de idade, e Leonardo, com vinte e oito anos de idade), vem a falecer, sem deixar testamento.

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

Família Romana Patriarcal

Família Romana Patriarcal Família Romana Família origina-se de famulus (servo, em latim) Ihering disse que a sociedade romana se baseava na família e na organização militar União familiar não decorria do afeto nem do sangue, mas

Leia mais

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade Fazer um testamento público 1Harmonia O testamento evita brigas de família e disputas patrimoniais entre os herdeiros acerca dos bens deixados pelo falecido. 2Tranquilidade O testamento pode ser utilizado

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu 1- O que é o Certificado Sucessório Europeu (CSE)? 2- Que instrumento jurídico criou o CSE? 3- Quem pode pedir o CSE? 4- Um credor pode pedir

Leia mais

Prof. Ms. Conrado Paulino da Rosa contato@conradopaulinoadv.com.br

Prof. Ms. Conrado Paulino da Rosa contato@conradopaulinoadv.com.br SUCESSÕES Prof. Ms. Conrado Paulino da Rosa contato@conradopaulinoadv.com.br Herança Universalidade(única massa de bens) Todo unitário, ainda que vários sejam os herdeiros. Herança Até a partilha, o direito

Leia mais

SOCIEDADES OU ASSOCIAÇÕES SEM PERSONALIDADE JURÍDICA COMO HERDEIRAS OU LEGATÁRIAS NA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA

SOCIEDADES OU ASSOCIAÇÕES SEM PERSONALIDADE JURÍDICA COMO HERDEIRAS OU LEGATÁRIAS NA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA SOCIEDADES OU ASSOCIAÇÕES SEM PERSONALIDADE JURÍDICA COMO HERDEIRAS OU LEGATÁRIAS NA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA Wilclem De Lázari Araujo Graduando em Direito na UNILAGO AUTORES RESUMO A dúvida que o Código

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 13 CAPÍTULO I NOÇÕES GERAIS DE DIREITO CIVIL... 15

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 13 CAPÍTULO I NOÇÕES GERAIS DE DIREITO CIVIL... 15 Sumário 5 Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO REVISAÇO... 13 CAPÍTULO I NOÇÕES GERAIS DE DIREITO CIVIL... 15 QUESTÕES... 15 1. Aspectos das Codificações de 1916 e 2002... 15 2. Estrutura Organizacional do

Leia mais

a) O autor (ou defunto) Usualmente denominado de cujus. b) O sucessor Termo genérico que abrange as espécies, herdeiro e legatário

a) O autor (ou defunto) Usualmente denominado de cujus. b) O sucessor Termo genérico que abrange as espécies, herdeiro e legatário RESUMO DIREITO DAS SUCESSÕES 1. DO DIREITO DAS SUCESSÕES Conceito: Sucessão, do latim succedere, significa vir no lugar de alguém. A palavra sucessão tem um duplo sentido na linguagem jurídica. Em sentido

Leia mais

CURSO DE DIREITO VALDEIR SOARES DA CONCEIÇÃO AGNALDO FERREIRA SANTOS

CURSO DE DIREITO VALDEIR SOARES DA CONCEIÇÃO AGNALDO FERREIRA SANTOS CURSO DE DIREITO VALDEIR SOARES DA CONCEIÇÃO AGNALDO FERREIRA SANTOS Trabalho apresentado à Faculdade Pitágoras Unidade Teixeira de Freitas, como pré-requisito de obtenção de nota parcial da disciplina

Leia mais

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL Rénan Kfuri Lopes As alterações trazidas pelo novo Código Civil têm de ser constantemente analisadas e estudadas, para que possamos com elas nos familiarizar.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 19.09.07. Retificação no DOE(Pa) de 25.09.07. Institui a Declaração de Bens e Direitos, relativa ao Imposto sobre Transmissão

Leia mais

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO GODOY, Nilza Tiemi Nagaoka RESUMO O Direito das Sucessões apresenta muitos aspectos polêmicos diante de lacunas deixadas pelo legislador.

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL Zeno Veloso 1 No palco em que se desenrolam as relações jurídicas da sucessão legítima, um personagem ganhou papel de grande destaque, podendo-se afirmar que é

Leia mais

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa Bacharelanda em Direito pela UEFS (Universidade Estadual

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES. Brasília, 2011.

DIREITO DAS SUCESSÕES. Brasília, 2011. DIREITO DAS SUCESSÕES Brasília, 2011. Elaboração Carlos Augusto de Machado Faria Júnior Produção Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração Todos os direitos reservados. W Educacional

Leia mais