dq dt CORRENTE ELÉTRICA (i)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "dq dt CORRENTE ELÉTRICA (i)"

Transcrição

1

2 CORRENTE ELÉTRICA (i) Fluxo de cargas elétricas que se deslocam em algum condutor devido à diferença de potencial elétrico aplicada sobre o mesmo, partindo da região de maior potencial para a de menor potencial. A intensidade da corrente elétrica é obtida pela taxa de variação da quantidade de carga que passa em certa seção do condutor durante algum intervalo de tempo: i dq dt Onde i representa a intensidade da corrente elétrica, uma grandeza escalar cuja unidade de medida é o Coulomb por segundo, conhecido como Ampère [A].

3 Em um circuito elétrico, o sentido do fluxo da corrente costuma ser representado por uma seta, apesar disso ela não é uma grandeza vetorial. Sendo um escalar, sempre que há a divisão da corrente em algum nó (ponto de divisão ou união entre fios), a soma das correntes em cada fio será igual a corrente que chegou ao nó: i 0 = i 1 + i 2

4 Para saber a carga líquida que passa por alguma seção do condutor: dq = idt dq = t idt 0 q = t idt 0 Sendo que a corrente elétrica pode variar com o tempo.

5 Em condutores líquidos e gasosos, pode haver um fluxo de cargas positivas e/ou um fluxo de cargas negativas, formadas pelos íons de cada material. Já nos condutores sólidos, são os elétrons (cargas negativas) que formarão a corrente elétrica. De modo mais preciso, os elétrons movem-se aleatoriamente em todas as direções em um condutor. A submissão do mesmo a uma diferença de potencial faz com que mais elétrons se movam em uma mesma direção, no entanto o mais correto é afirmar que o sinal elétrico emitido pelo deslocamento desses elétrons é que constitui a corrente elétrica que habitualmente chamamos de eletricidade, uma vez que a velocidade de deriva dos elétrons é muito menor que a velocidade do sinal elétrico, que se move com a velocidade da luz.

6 Sentido da Corrente Elétrica Há duas formas de analisar o sentido da corrente: o sentido convencional, no qual a corrente se desloca do polo positivo de uma fonte de diferença de potencial para seu polo negativo, e o sentido real, quando a corrente se desloca do polo negativo para o polo positivo da fonte. Em nossas aulas, adotaremos o sentido convencional.

7 Em condutores sólidos, a corrente elétrica é formada por cargas negativas. Desse modo, o polo negativo de uma fonte de tensão oferece um potencial maior, fazendo com que a corrente siga em direção ao polo positivo, conforme indica o sentido real. No entanto, o sentido convencional adota que são as cargas positivas que formariam a corrente, motivo pelo qual se usa o modelo com a corrente seguindo do polo positivo da fonte de diferença de potencial em direção ao polo negativo.

8 EXEMPLO 1 Quando uma lâmpada é acesa, 400 trilhões de elétrons atravessam seu filamento em 20 microssegundos. Determine a intensidade da corrente elétrica através desse filamento.

9 DENSIDADE DE CORRENTE Para analisar o fluxo da corrente elétrica através da seção de um condutor, analogamente utiliza-se o mesmo formalismo empregado para o fluxo do campo elétrico. Nesse caso, se tem que: i = J da Onde da é o vetor de área da seção do condutor e J é a densidade de corrente, uma grandeza vetorial cuja unidade de medida no SI é o Ampère por metro quadrado [A/m²].

10 O vetor J possui valor positivo quando tem a mesma direção e sentido que velocidade das cargas que formam a corrente elétrica se a mesma é constituídada por cargas positivas (corrente no sentido convencional) e valor negativo se possui a mesma direção e sentido oposto à velocidade das cargas da corrente elétrica se elas forem negativas (corrente no sentido real). Se a corrente é uniforme e paralela ao vetor da, é possível estabelecer que: i = J da i = JdAcos0 = J da = JA J = i A

11 Velocidade de Deriva v d É a velocidade orientada com a qual os elétrons tendem a se mover quando submetidos a uma diferença de potencial. A velocidade de deriva possui ordem de grandeza muito menor (em torno de 10-5 ou 10-4 m/s) que a própria velocidade com a qual se movem aleatoriamente (em torno de 10 6 m/s).

12 A figura considera o deslocamento de prótons em um condutor, uma vez que estamos lidando com o sentido convencional da corrente. O condutor é um pedaço de fio de comprimento L, com seção transversal de área A considerada constante.

13 Nesse condutor, é possível estabelecer que a quantidade de prótons contido no volume delimitado pelo comprimento L é fornecido por nal. Desse modo, para a quantidade de carga elétrica: q = nal. e Onde e é a carga elementar e n é o número de partículas carregadas por unidade de volume.

14 A velocidade v d com a qual esses prótons atravessam o pedaço de fio é fornecida por: v d = L t t = L v d Portanto, para a corrente elétrica: i = q t = nal. e L v d Para a velocidade de deriva: v d = Sob a forma vetorial: = naev d i nae = J ne J = (ne)v d

15 EXEMPLO 2 Densidade de Corrente Uniforme e Não-Uniforme a) A densidade de corrente em um fio cilíndrico de raio R = 2,0 nm é uniforme ao longo de uma seção reta do fio e igual a 2,0 x 10 5 A/m². Qual é a corrente na parte externa do fio, entre as distâncias radiais R/2 e R? b) Suponha que, em vez de ser uniforme, a densidade de corrente varia com a distância radial r de acordo com a equação J = ar², onde a = 3,0 x A/m 4 e r está em metros. Nese caso, qual é a corrente na mesma parte do fio?

16 EXEMPLO 3 A Velocidade de Deriva dos Elétrons é Muito Pequena Qual é a velocidade de deriva dos elétrons de condução em um fio cilíndrico de cobre de raio r = 900 μm percorrido por uma corrente i = 17 ma? Suponha que nesse fio a cada metro cúbico haja 8,49 x elétrons livres.

17 RESISTÊNCIA ELÉTRICA (R) E RESISTIVIDADE (ρ) A resistência elétrica é uma dificuldade imposta por certos dispositivos condutores para a passagem da corrente elétrica devido a diferença de potencial a qual está submetida, a qual pode ser medida por: R = V i Onde R é a resistência, medida no SI por Volt por Ampère, unidade denominada Ohm [Ω].

18 Nos circuitos elétricos, o dispositivo responsável por produzir determinada resistência elétrica é o resistor, cujo símbolo é representado por.

19 Conforme colocado, a resistência elétrica é uma propriedade de um dispositivo condutor, portanto há características físicas que influenciam em sua determinação. Como exemplo, considera-se um fio condutor submetido a uma diferença de potencial: a) Resistividade (ρ): indica a propensão do material para dificultar a condução de cargas elétricas. Se a resistividade é alta, a resistência também será. Prata e cobre são exemplos de materiais com baixa resistividade, assim possuem resistência pequena, sendo bons condutores de corrente.

20 É possível definir a resistividade de um material submetido a uma diferença de potencial ao considerar a razão entre o campo elétrico produzido sobre o mesmo e a densidade de corrente elétrica: ρ = E J A qual sob a forma vetorial é expressa por: E = ρj A unidade de medida no SI para a resistividade é o Ohm vezes metro [Ω.m], uma vez que: V/m A/m² = V. m = Ω. m A

21

22 Uma grandeza física que é definida em termos da resistividade é a condutividade σ, cujo comportamento é oposto, ou seja, indica a facilidade com a qual um material consegue conduzir corrente elétrica. Ela é definida como o inverso da resistividade: σ = 1 ρ Portanto sua unidade de medida é o inverso de Ohm vezes metro [1/(Ω.m)]. que: Para a densidde de corrente, é possível reescrever J = σe

23 b) Área da Seção Transversal (A) ou Espessura do Fio: quanto mais espesso for um fio, menor será a resistência elétrica oferecida. Em contrapartida, fios finos apresentam resistência maior. c) Comprimento do Fio (L): em um fio muito comprido a corrente elétrica precisará percorrer um caminho maior, o que aumenta a resistência elétrica. Desse modo, fios curtos apresentam menor resistência.

24 Cálculo da Resistência a Partir da Resistividade Para relacionar essas grandezas (resistividade, área e comprimento) com a resistência, deve-se lembrar que a resistência é uma característica de um dispositivo condutor. Considerando que um fio condutor esteja submetido a um campo elétrico e a uma densidade de corrente elétrica uniforme ao longo do fio, se tem que: 0 V = E. ds = EdS L 0 = E ds L = EL e E = V L J = i A

25 Substituindo E e J na definição de resistividade: ρ = V L i A = V i A L Lembrando que R = V/i: ρ = R A L Para a resistência: R = ρ L A

26 Variação da Resistividade com a Temperatura Resistividade e temperatura são grandezas diretamente proporcionais. Em condutores, a medida que a temperatura de determinado material se eleva, suas moléculas ficam mais agitadas, o que fornece um obstáculo maior para a passagem da corrente elétrica.

27 EXEMPLO 4 Uma Substância Possui Resistividade, uma Amostra da Substância possui Resistência Uma amostra de ferro em forma de paralelepípedo tem dimensões 1,2 cm x 1,2 cm x 15 cm. Uma diferença de potencial é aplicada à amostra entre faces paralelas e de tal forma que as faces são superfícies equipotenciais (conforme figura). Determine a resistência da amostra se as faces paralelas forem (a) as extremidades quadradas (de dimensões 1,2 cm x 1,2 cm); (b) extremidades retangulares (de dimensões 1,2 cm x 15 cm).

28 LEI DE OHM Os dois gráficos a seguir mostram o comportamento da corrente elétrica em função da diferença de potencial: No primeiro caso, há uma relação linear entre corrente e diferença de potencial, mostrando que, nesse caso, a resistência elétrica se mantém constante. Já no segundo caso, a corrente só aparece para valores acima de 1,5 V, sendo uma relação não linear.

29 O primeiro gráfico mostra o funcionamento de um resistor, enquanto o segundo representa um diodo.

30 Nos casos em que a resistência independe da diferença de potencial aplicada e a corrente se torna diretamente proporcional a diferença de potencial, diz-se que a Lei de Ohm foi respeitada: A Lei de Ohm é a afirmação de que a corrente que atravessa um dispositivo é sempre diretamente proporcional à diferença de potencial aplicada ao dispositivo.

31 Comumente se diz que a relação V = Ri representa a Lei de Ohm, no entanto ela é válida para a medida da resistência para qualquer dispositivo que esteja submetido a uma diferença de potencial e a uma corrente, independentemente do dispositivo ser ôhmico ou nãoôhmico, como é o caso do diodo. A Lei de Ohm possui caráter mais geral quando se pensa na aplicação sobre um material e não sobre um dispositivo, ou seja, considerando a resistividade. Por esse motivo a expressão E = ρj se torna mais relevante: Um material obedece à Lei de Ohm se a resistividade do material não depende do módulo nem da direção do campo elétrico

32 UMA VISÃO MICROSCÓPICA DA LEI DE OHM O objetivo é analisar como um material pode obedecer ou não a Lei de Ohm. Será considerado um condutor metálico no qual é aplicado uma diferença de potencial, a qual produz um campo elétrico que orientará os elétrons livres desse condutor de um terminal para outro, com velocidade de deriva v d.

33 Sendo um elétron de massa m submetido a um campo elétrico de módulo E, se tem a partir da Segunda Lei de Newton que a aceleração obtida por ele é fornecida por: F = ma a = F m = ee m Onde F = ee é a força eletrostática sobre o elétron. Considerando a velocidade de deriva v d = aτ, onde τ é o tempo entre colisões que um elétron sofre ao se mover no condutor: v d = aτ = eeτ m

34 Lembrando que J = (ne)v d : Portanto: v d = J ne = eeτ m E = m e²nτ J Comparando com E = ρj, logo: ρ = m e²nτ Dessa forma, a resistividade do condutor analisado não depende da intensidade do campo elétrico aplicado sobre o condutor, conforme a Lei de Ohm.

35 POTÊNCIA EM CIRCUITOS ELÉTRICOS Na figura, se tem uma bateria ligada a um dispositivo qualquer, não especificado. Devido à bateria, há uma diferença de potencial V atuando sobre o circuito. Quando um elemento de carga dq atravessa todo o circuito, chegando ao outro terminal da bateria, tem seu potencial reduzido em V, e portanto perde energia potencial elétrica du, sendo: du = dq V Para o elemento de carga, é possível lembrar que i = dq/dt, portanto dq = i dt: du = i dt V du dt = iv

36 Sendo a taxa temporal de dissipação de energia definida como a potência, logo: P = Vi Lembrando que V = Ri, também é possível reescrever para a potência que: P = Ri² P = V² R

37 EXEMPLO 5 Taxa de Dissipação de Energia em um Fio Percorrido por Corrente Um pedaço de fio resistivo, feito de uma liga de níquel, cromo e ferro chamada Nichrome, tem uma resistência de 72 Ω. Determine a taxa com a qual a energia é dissipada nas seguintes situações: (a) uma diferença de potencial de 120 V é aplicada às extremidades do fio; (b) o fio é cortado pela metade e diferenças de potencial de 120 V são aplicadas às extremidades dos dois pedaços resultantes.

38 SEMICONDUTORES São dispositivos que permitem maior controle sobre a passagem da corrente elétrica, tendo papel fundamental na eletrônica e para o funcionamento de equipamentos de processamento de informação.

39 A tabela compara propriedades do cobre com a do silício, um dos principais materiais semicondutores. Enquanto a elevação da temperatura faz com que a resistividade do cobre seja elevada, ocorre o oposto com o silício, que tem sua resistividade reduzida.

40 A resistividade do silício puro, por ser elevada, faz com que ele seja quase um isolante, não tendo aplicação direta nos circuitos eletrônicos, no entanto podem ser acrescentadas impurezas ao material através de um processo chamado dopagem, o que reduz sua resistividade e permite seu uso na confecção dos semicondutores. De modo geral, materiais condutores tem as mesmas propriedades que materiais isolantes, exceto pelo fato de que precisam de menos energia para liberar um elétron. A dopagem favorece esse processo, fazendo com que isso ocorra com mais facilidade.

41 SUPERCONDUTORES Existem materiais que, quando submetidos a temperaturas baixas, tem sua resistência anulada ou reduzida drasticamente. Isso permite com que uma corrente elétrica circule com muito mais facilidade pelo material. Se o material possui o formato de um anel é necessário uma fonte de diferença de potencial para produzir uma corrente elétrica. No entanto, ao se remover a fonte a corrente continua circulando indefinidamente, uma vez que a ausência de resistência faz com que não haja perda de energia por forma de calor.

42 Outra consequência é que as correntes elétricas mais intensas geram campos magnéticos mais fortes nesses materiais, causando efeitos como a levitação magnética.

43 Referências Halliday, Resnick e Walker. Fundamentos de Física, volume 3, Eletromagnetismo. 9ª edição, editora LTC, Rio de Janeiro, As imagens e exemplos foram extraídas da fonte acima ou do banco de dados do google.

Aula-6 Corrente e resistência. Curso de Física Geral F o semestre, 2008

Aula-6 Corrente e resistência. Curso de Física Geral F o semestre, 2008 Aula-6 Corrente e resistência Curso de Física Geral F-328 1 o semestre, 2008 Corrente elétrica e resistência a) A condição para que exista uma corrente elétrica através de um condutor é que se estabeleça

Leia mais

Corrente elétrica. A corrente elétrica é um movimento ordenado de cargas elementares.

Corrente elétrica. A corrente elétrica é um movimento ordenado de cargas elementares. Corrente elétrica A corrente elétrica é um movimento ordenado de cargas elementares. A corrente elétrica pode ser um simples jato de partículas no vácuo, como acontece num cinescópio de TV, em que um feixe

Leia mais

Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz

Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, estudaremos a definição de corrente,

Leia mais

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (Eletromagnetismo) Nos capítulos anteriores estudamos as propriedades de cargas em repouso, assunto da eletrostática. A partir deste capítulo

Leia mais

Princípios de Eletricidade Magnetismo

Princípios de Eletricidade Magnetismo Princípios de Eletricidade Magnetismo Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua Professor: Cristiano Faria Corrente e Movimento de Cargas Elétricas Embora uma corrente seja um movimento de partícula

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Corrente Elétrica Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-0116/ Corrente elétrica

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Corrente Elétrica Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil https://cursos.if.uff.br/!fisica2-0117/doku.php

Leia mais

Corrente elétrica. GRANDE revolução tecnológica. Definição de corrente Controle do movimento de cargas

Corrente elétrica. GRANDE revolução tecnológica. Definição de corrente Controle do movimento de cargas Definição de corrente Controle do movimento de cargas corrente elétrica{ GANDE revolução tecnológica fi eletrotécnica, eletrônica e microeletrônica (diversidade de aplicações!!) Ex. motores elétricos,

Leia mais

Cap06: Resistores Os resistores são elementos de circuito cuja principal propriedade é a resistência elétrica.

Cap06: Resistores Os resistores são elementos de circuito cuja principal propriedade é a resistência elétrica. Cap06: Resistores Os resistores são elementos de circuito cuja principal propriedade é a resistência elétrica. 6.1 considerações iniciais 6.2 Resistencia elétrica. Lei de Ohm. 6.3 Lei de Joule. 6.4 Resistividade

Leia mais

Curso: E.M. TURMA: 2101 e 2102 DATA:

Curso: E.M. TURMA: 2101 e 2102 DATA: EXERCÍCIOS ON LINE 2º Bimestre DISCIPLINA: Física II PROFESSOR(A): Eduardo R Emmerick Curso: E.M. TURMA: 2101 e 2102 DATA: NOME: Nº.: 01) Vamos supor que temos uma partícula carregada com carga q = 4 μc

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA

ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA É a ciência que estuda a forma de controlar a energia elétrica por meios elétricos nos quais os elétrons têm papel fundamental. Divide-se em analógica e em digital

Leia mais

Corrente elétrica e resistência

Corrente elétrica e resistência Corrente elétrica e resistência 1 Corrente elétrica Neste capítulo vamos discutir as correntes elétricas, isto é, cargas em movimento. Especificamente, discutiremos correntes em materiais condutores. Embora

Leia mais

Elementos de Circuitos Elétricos

Elementos de Circuitos Elétricos Elementos de Circuitos Elétricos Corrente e Lei de Ohm Consideremos um condutor cilíndrico de seção reta de área S. Quando uma corrente flui pelo condutor, cargas se movem e existe um campo elétrico. A

Leia mais

AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C

AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C DIFERENÇA DE POTENCIAL (DDP) CRIAR UMA DIFERENÇA ENTRE DOIS PONTOS. NUM DOS PONTOS HÁ EXCESSO E NO OUTRO FALTA DE ELETRONS QUANTO MAIOR A DIFERENÇA, MAIOR VAI

Leia mais

ELETRODINÂMICA. Prof. Patricia Caldana

ELETRODINÂMICA. Prof. Patricia Caldana ELETRODINÂMICA Prof. Patricia Caldana Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio eletrostático passamos à situação onde há deslocamento destas cargas

Leia mais

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo ELETRICIDADE Eletrodinâmica Eletrostática Eletromagnetismo Átomo Núcleo Prótons carga positiva (+e). Nêutrons carga neutra. Eletrosfera Eletrons carga negativa (-e). Carga Elétrica Elementar e = 1,6 x

Leia mais

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR.

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR. Resistores A existência de uma estrutura cristalina nos condutores que a corrente elétrica percorre faz com que pelo menos uma parte da energia elétrica se transforme em energia na forma de calor, as partículas

Leia mais

Aula 2 Tensão, Corrente e Resistência Elétrica

Aula 2 Tensão, Corrente e Resistência Elétrica Imagine um corpo netro. Instituto Federal de São Paulo - IFSP Tensão Elétrica nº prótons = nº de elétrons Quando as cargas são separadas em duas regiões, tem-se, regiões com carga positiva e com carga

Leia mais

Resistência elétrica de uma barra (prismática ou cilíndrica) de área A e comprimento L

Resistência elétrica de uma barra (prismática ou cilíndrica) de área A e comprimento L Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. Ricardo uiz Viana Referências bibliográficas: H. 28-4, 29-4, 29-6 S. 26-4, 27-2 T. 22-2 ula Resistores

Leia mais

Exercícios 6 1. real 2. Resp: 3. o sentido convencional Resp: 4. Resp: 5. (a) (b) (c) Resp: (b) (c) Resp:

Exercícios 6 1. real 2. Resp: 3. o sentido convencional Resp: 4. Resp: 5. (a) (b) (c) Resp: (b) (c) Resp: Exercícios 6 1. A corrente elétrica real através de um fio metálico é constituída pelo movimento de: a) Cargas positivas do maior para o menor potencial. b) Cargas positivas. c) Elétrons livres no sentido

Leia mais

(definição de corrente)

(definição de corrente) 26-1 O que é física? Nos últimos capítulos discutimos eletrostática, ou seja, a física das cargas estacionárias. Neste capítulo e no que se segue vamos discutir correntes elétricas, isto é as cargas em

Leia mais

Colégio Paula Frassinetti

Colégio Paula Frassinetti Colégio Paula Frassinetti Exercícios de Física - Eletrodinâmica 3º ano do Ensino Médio - / /2013 Prof. Luciano Soares Pedroso 1. O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da

Leia mais

- Carga elétrica - Força elétrica -Campo elétrico - Potencial elétrico - Corrente elétrica - Campo magnético -Força magnetica

- Carga elétrica - Força elétrica -Campo elétrico - Potencial elétrico - Corrente elétrica - Campo magnético -Força magnetica GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Jonas Tavares DISCIPLINA: Física SÉRIE: 3º ALUNO(a): Trabalho Recuperação 1º semestre No Anhanguera você é + Enem RELAÇÃO DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO - Carga elétrica - Força

Leia mais

Δt, quando. R. 1 Nessas condições, a relação entre as

Δt, quando. R. 1 Nessas condições, a relação entre as 1. (Unesp 016) As companhias de energia elétrica nos cobram pela energia que consumimos. Essa energia é dada pela expressão E V i t, em que V é a tensão que alimenta nossa residência, a intensidade de

Leia mais

1. Um feixe permamente de partículas alfa (q = +2e) deslocando-se com energia cinética constante de 20MeV transporta uma corrente de 0, 25µA.

1. Um feixe permamente de partículas alfa (q = +2e) deslocando-se com energia cinética constante de 20MeV transporta uma corrente de 0, 25µA. 1. Um feixe permamente de partículas alfa (q = +2e) deslocando-se com energia cinética constante de 20MeV transporta uma corrente de 0, 25µA. (a) Se o feixe estiver dirigido perpendicularmente a uma superfície

Leia mais

Energia envolvida na passagem de corrente elétrica

Energia envolvida na passagem de corrente elétrica Eletricidade Supercondutividade Baixando-se a temperatura dos metais a sua resistividade vai diminuindo Em alguns a resistividade vai diminuindo com a temperatura, mas não se anula Noutros a resistividade

Leia mais

Corrente e Resistência

Corrente e Resistência Capítulo 5 Corrente e Resistência 5.1 Corrente Elétrica A corrente elétrica i em um fio condutor é definida como a carga que atravessa a área do fio por unidade de tempo: Unidade de corrente: Ampere [A]

Leia mais

EXERCÍCIOS - ELETRODINÂMICA

EXERCÍCIOS - ELETRODINÂMICA EXERCÍCIOS - ELETRODINÂMICA Prof. Patricia Caldana 1. Uma corrente elétrica de intensidade igual a 5 A percorre um fio condutor. Determine o valor da carga que passa através de uma secção transversal em

Leia mais

CONDUTORES E ISOLANTES

CONDUTORES E ISOLANTES ELETRICIDADE CONDUTORES E ISOLANTES O FÍSICO INGLÊS STEPHEN GRAY PERCEBEU QUE ALGUNS FIOS CONDUZIAM BEM A ELETRICIDADE E CHAMOU-OS DE CONDUTORES E, AOS QUE NÃO CONDUZIAM OU CONDUZIAM MAL A ELETRICIDADE,

Leia mais

Circuitos Elétricos I - Resistência e Lei de Ohm -

Circuitos Elétricos I - Resistência e Lei de Ohm - Universidade de Itaúna Faculdade de Engenharia A esistência Elétrica, : Os elétrons livres, durante o movimento em um condutor, colidem com os átomos desse condutor perdendo parte de sua energia cinética

Leia mais

PR1 FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Corrente Elétrica e Leis de Ôhm

PR1 FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Corrente Elétrica e Leis de Ôhm PR1 FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Corrente Elétrica e Leis de Ôhm 1. (Uerj 2016) Aceleradores de partículas são ambientes onde partículas eletricamente

Leia mais

Sabe-se do dia a dia que há materiais que conduzem eletricidade com facilidade e outros não. Isso implica na classificação de dois tipos de materiais

Sabe-se do dia a dia que há materiais que conduzem eletricidade com facilidade e outros não. Isso implica na classificação de dois tipos de materiais Sabe-se do dia a dia que há materiais que conduzem eletricidade com facilidade e outros não. Isso implica na classificação de dois tipos de materiais em relação à condução da eletricidade: os materiais

Leia mais

CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA

CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA 1- CARGA ELÉTRICA AULA 20 Como sabemos, os átomos são constituídos por várias partículas elementares e, para o nosso estudo, interessa o elétron o próton e o nêutron.

Leia mais

Corrente elétricas. i= Δ Q Δ t [ A ]

Corrente elétricas. i= Δ Q Δ t [ A ] Corrente elétricas A partir do modelo atômico de Bohr, que o define pela junção de prótons, nêutrons e elétrons, é possível explicar a alta condutividade dos metais, devida à presença dos elétrons livres.

Leia mais

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua).

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Como vimo anteriormente, para que haja fluxo de corrente pelo circuito,

Leia mais

Eletrônica. Resistência Elétrica, Resistores, Lei de Ohm e Lei de Joule Conteúdo 10/05/2016. Resistividade. Resistores.

Eletrônica. Resistência Elétrica, Resistores, Lei de Ohm e Lei de Joule Conteúdo 10/05/2016. Resistividade. Resistores. Eletrônica Resistência Elétrica, Resistores, Lei de Ohm e Lei de Joule jauberth@gmail.com Conteúdo Resistividade Resistores Lei de Ohm Calor e Temperatura Lei de Joule Associação de resistores Potenciômetros

Leia mais

I = corrente elétrica medida em Ampères (A) t = tempo em segundos

I = corrente elétrica medida em Ampères (A) t = tempo em segundos Eletrodinâmica ELETRODINÂMICA: Carga Elétrica: Q = n.e Corrente Elétrica: I = Q / t Q = carga elétrica medida em Coulombs (C) n = número de elétrons ou prótons e = carga de um elétron = 1,6 10-19 Coulombs

Leia mais

Energia e fenómenos elétricos

Energia e fenómenos elétricos Energia e fenómenos elétricos 1. Associa o número do item da coluna I à letra identificativa do elemento da coluna II. Estabelece a correspondência correta entre as grandezas elétricas e os seus significados.

Leia mais

Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm. 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor.

Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm. 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor. Respostas Questões relativas ao resultado Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor. Resposta: O valor encontrado

Leia mais

Curso Técnico em Mecânica ELETRICIDADE

Curso Técnico em Mecânica ELETRICIDADE Curso Técnico em Mecânica - 2016 ELETRICIDADE Aula 03 Tensão e corrente Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com Relembrando

Leia mais

Força Elétrica. A Lei de Coulomb estabelece que duas cargas elétricas pontuais se atraem ou repelem com uma força cuja intensidade é:

Força Elétrica. A Lei de Coulomb estabelece que duas cargas elétricas pontuais se atraem ou repelem com uma força cuja intensidade é: Eletricidade Força Elétrica A Lei de Coulomb estabelece que duas cargas elétricas pontuais se atraem ou repelem com uma força cuja intensidade é: Campo Eléctrico O campo eléctrico é uma medida da ação

Leia mais

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica Num condutor metálico em equilíbrio eletrostático, o movimento dos elétrons livres é desordenado. Em destaque, a representação de

Leia mais

NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra

NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra Circuitos Elétricos DISCIPLINA: Física NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra DATA: NOTA: ASS: - Circuito Simples: Esquema: Bateria: Corrente elétrica i Resistência: i = corrente elétrica V = d.d.p.

Leia mais

Corrente elétrica e Resistência

Corrente elétrica e Resistência Capítulo 9 Corrente elétrica e Resistência 9.1 Transporte de Carga e Densidade de Corrente As correntes elétricas são causadas pelo movimento de portadores de carga. A corrente elétrica num fio é a medida

Leia mais

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE 1. (Unesp) Mediante estímulo, 2 10 íons de K atravessam a membrana de uma célula nervosa em 1,0 milisegundo. Calcule a intensidade dessa corrente elétrica, sabendo-se que a carga elementar é 1,6 10 ª C.

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. Prof. Bruno Farias

INFORMAÇÕES GERAIS. Prof. Bruno Farias CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DISCIPLINA: FÍSICA III INFORMAÇÕES GERAIS Prof. Bruno Farias Conteúdo Programático Arquivo em anexo: CONTEÚDO_PROGRAMÁTICO_FisicaIII.docx

Leia mais

Q t. A corrente elétrica corresponde ao fluxo de elétrons. Os elétrons vão para o polo positivo de um gerador (pilha ou bateria)

Q t. A corrente elétrica corresponde ao fluxo de elétrons. Os elétrons vão para o polo positivo de um gerador (pilha ou bateria) Eletrodinâmica A eletrodinâmica está presente em praticamente todos os lugares da vida moderna. As instalações elétricas e suas lâmpadas, aquecedores fazem parte do cotidiano do homem moderno. Para exames

Leia mais

1 - Eletricidade Estática

1 - Eletricidade Estática 5 1 - Eletricidade Estática 1.1 O Átomo Tudo que ocupa lugar no espaço é matéria. A matéria é constituída por partículas muito pequenas chamada de átomos. Os átomos por sua vez são constituídos por partículas

Leia mais

2 Eletrodinâmica. Corrente Elétrica. Lei de Ohm. Resistores Associação de Resistores Geradores Receptores. 4 Instrumento de Medidas Elétricas

2 Eletrodinâmica. Corrente Elétrica. Lei de Ohm. Resistores Associação de Resistores Geradores Receptores. 4 Instrumento de Medidas Elétricas 2. Eletrodinâmica Conteúdo da Seção 2 1 Conceitos Básicos de Metrologia 4 Instrumento de Medidas Elétricas 2 Eletrodinâmica Corrente Elétrica Resistência Elétrica Lei de Ohm Potência Elétrica Resistores

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE ELETRODINÂMICA

LISTA DE EXERCÍCIOS DE ELETRODINÂMICA csjose@csjose.com.br Aluno(a) Nº Série: 3º Ensino Médio Turma 1ª Unidade Disciplina: FÍSICA Data / /. Professor(a) : Antônio Barreto O S e n h o r t e a b e n ç o e e t e g u a r d e v o l t e p a r a

Leia mais

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA 1 INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA Na eletricidade básica existem três grandezas fundamentais que são a tensão elétrica, a corrente elétrica, a resistência elétrica. Para estuda-las utilizaremos o conceito

Leia mais

superfície que envolve a distribuição de cargas superfície gaussiana

superfície que envolve a distribuição de cargas superfície gaussiana Para a determinação do campo elétrico produzido por um corpo, é possível considerar um elemento de carga dq e assim calcular o campo infinitesimal de gerado. A partir desse princípio, o campo total em

Leia mais

Halliday & Resnick Fundamentos de Física

Halliday & Resnick Fundamentos de Física Halliday & Resnick Fundamentos de Física Eletromagnetismo Volume 3 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC

Leia mais

Forças de ação à distância têm atreladas a si um campo, que pode ser interpretado como uma região na qual essa força atua.

Forças de ação à distância têm atreladas a si um campo, que pode ser interpretado como uma região na qual essa força atua. Forças de ação à distância têm atreladas a si um campo, que pode ser interpretado como uma região na qual essa força atua. Por exemplo, a força gravitacional está relacionada a um campo gravitacional,

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Agenda Noções básicas de circuitos elétricos: Corrente; Tensão; Fontes de Corrente Contínua; Condutores e Isolantes; Semicondutores;

Leia mais

wlad 2. O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da corrente que passa em um circuito elétrico.

wlad 2. O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da corrente que passa em um circuito elétrico. 1. Suponha um fio cilíndrico de comprimento L, resistividade ρ 1 e raio da seção transversal circular R. Um engenheiro eletricista, na tentativa de criar um fio cilíndrico menor em dimensões físicas, mas

Leia mais

FÍSICA E ELETROMAGNETISMO

FÍSICA E ELETROMAGNETISMO FÍSICA E ELETROMAGNETISMO As ciências em geral, e a física em particular pretendem descrever o universo material. Um dos bem sucedidos objetivos da física tem sido a descrição dos constituintes deste universo

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 3. Capítulo 11 Intensidade da Corrente Elétrica. Página - 228

Professora Bruna CADERNO 3. Capítulo 11 Intensidade da Corrente Elétrica. Página - 228 CADERNO 3 Capítulo 11 Intensidade da Corrente Elétrica Página - 228 INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA Agora que aprendemos o que é uma corrente elétrica, aprenderemos como determinar a sua intensidade,

Leia mais

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é:

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é: Circuitos Elétricos Para fazer passar cargas elétricas por um resistor, precisamos estabelecer uma diferença de potencial entre as extremidades do dispositivo. Para produzir uma corrente estável é preciso

Leia mais

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2010 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Eletrostática: CONTEÚDO Átomo-Lei

Leia mais

Respostas Finais Lista 6. Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC )

Respostas Finais Lista 6. Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC ) Respostas Finais Lista 6 Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC ) Q 26.3) Essa diferença esta mais associada à energia entregue à corrente de um circuito por algum tipo de bateria e à

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE. ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. ATPS. Circuitos resistivos. Lei de Ohm.

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE. ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. ATPS. Circuitos resistivos. Lei de Ohm. CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE. ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Nome: Luciano dos Santos Benevides RA: 3773769606 ATPS. Circuitos resistivos. Lei de Ohm. CAMPO GRANDE-MS 2013 Nome:

Leia mais

Disciplina: Física Turma:3º ano Professor: André Antunes Escola SESI Jundiaí Aluno (a): Data: / / 2017.

Disciplina: Física Turma:3º ano Professor: André Antunes Escola SESI Jundiaí Aluno (a): Data: / / 2017. LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO ELÉTRICO E ELETRODINÂMICA 1- Não é necessário folha em anexo (Fazer na própria lista); 2- Leia com atenção para descobrir o que o exercício pede e retire os dados; 3- Verifique

Leia mais

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Agosto o de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Eletrostática: CONTEÚDO Átomo-Lei

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

Resistividade A A R A Equação 2

Resistividade A A R A Equação 2 Resistividade A R A A Equação 2 Condutividade Elétrica Metais bons condutores 10 7 (Ω.m) -1 Isolantes 10-10 e10-20 (Ω.m) -1 Semicondutores 10-6 e 10 4 (Ω.m) -1 Condução Eletrônica e Iônica No interior

Leia mais

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas:

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas: 1. Instalações Elétricas de Baixa Tensão: 1.1. Introdução A energia elétrica está presente em inúmeras atividades do ser humano. Ela é sinônimo de desenvolvimento de um país e de padrão de vida de sua

Leia mais

Propriedades elétricas em Materiais

Propriedades elétricas em Materiais FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Propriedades elétricas em Materiais PROPRIEDADES ELÉTRICAS CONDUTIVIDADE e RESISTIVIDADE ELÉTRICA ( ) É o movimento

Leia mais

Corrente Elétrica - ENEM - Fixação

Corrente Elétrica - ENEM - Fixação 1. (Uece 017) Uma corrente elétrica percorre um chuveiro elétrico construído com um resistor ôhmico. A corrente elétrica pode ser medida em unidades de a) ampères/segundo. b) volts/segundo. c) coulombs/segundo.

Leia mais

Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano.

Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano. Valor do trabalho: 10 pontos NOTA: Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano. Trabalho de recuperação paralela de Física Setor A Prof. Douglas Rizzi Data: / / INSTRUÇÕES GERAIS: Responda os testes com atenção

Leia mais

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA VESTIBULAR UFPE UFRPE / 1998 2ª ETAPA NOME DO ALUNO: ESCOLA: SÉRIE: TURMA: FÍSICA 1 VALORES DE ALGUMAS GRANDEZAS FÍSICAS Aceleração da gravidade : 10 m/s 2 Número de Avogadro : 6,0 x 10 23 /mol Constante

Leia mais

02/10/2013. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl. Departamento de Engenharia Elétrica

02/10/2013. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl. Departamento de Engenharia Elétrica Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br 1 genda: Materiais condutores Elétrons livres Natureza da corrente elétrica nos metais Corrente elétrica Densidade da corrente

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA 1 (UNIFESP) Um condutor é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i = 800 ma. Conhecida a carga 19 elétrica elementar, e = 1,6

Leia mais

FUVEST 98 SEGUNDA FASE PROVA DE FÍSICA Q.01

FUVEST 98 SEGUNDA FASE PROVA DE FÍSICA Q.01 Q.01 Estamos no ano de 2095 e a "interplanetariamente" famosa FIFA (Federação Interplanetária de Futebol Amador) está organizando o Campeonato Interplanetário de Futebol, a se realizar em MARTE no ano

Leia mais

Eletromagnetismo. Motor Eletroimã Eletroimã. Fechadura eletromagnética Motor elétrico Ressonância Magnética

Eletromagnetismo. Motor Eletroimã Eletroimã. Fechadura eletromagnética Motor elétrico Ressonância Magnética Eletromagnetismo Motor Eletroimã Eletroimã Fechadura eletromagnética Motor elétrico Ressonância Magnética Representação de um vetor perpendicular a um plano 1 Campo Eletromagnético Regra da mão direita:

Leia mais

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 13 ELETROSTÁTICA: CAMPO ELÉTRICO UNIFORME

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 13 ELETROSTÁTICA: CAMPO ELÉTRICO UNIFORME FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 13 ELETROSTÁTICA: CAMPO ELÉTRICO UNIFORME ++ + ++++++++ + + + + + +++ - - - - - - - - - - - - - - - - - - - + + + + + A F B E - - - - - V A V B d P 2 { 1,0 cm + 10 cm P 1 { 1,0

Leia mais

Aula 3 Campo Elétrico

Aula 3 Campo Elétrico Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. Ricardo Luiz Viana Referências bibliográficas: H. 4-, 4-, 4-8 S. -6, -8, 4-7 T. 18-4, 18-5 Aula Campo

Leia mais

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 17 ELETRODINÂMICA: CORRENTE ELÉTRICA, RESISTORES E LEI DE OHM

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 17 ELETRODINÂMICA: CORRENTE ELÉTRICA, RESISTORES E LEI DE OHM FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 17 ELETRODINÂMICA: CORRENTE ELÉTRICA, RESISTORES E LEI DE OHM A B FALTA DE CARGAS NEGATIVAS EXCESSO DE CARGAS NEGATIVAS A V A + - B V B U = V A - V B E A B U = V A - V B A + - B

Leia mais

Plano de Estudos Independentes de Recuperação ( No período de férias escolares)

Plano de Estudos Independentes de Recuperação ( No período de férias escolares) Plano de Estudos Independentes de Recuperação ( No período de férias escolares) 3ºANO Física (Prof. Ronaldo) Carga Elétrica Processos de Eletrização. Lei de Coulomb. Campo e Potencial Elétrico. Trabalho

Leia mais

Eletricidade Aula 8. Componentes Reativos

Eletricidade Aula 8. Componentes Reativos Eletricidade Aula 8 Componentes Reativos Campo Elétrico Consideremos uma diferença de potencial V entre duas chapas condutoras. Em todo ponto entre essas duas chapas, passa uma linha invisível chamada

Leia mais

OLIMFISA 2010 Prova de Nível III Ensino Médio

OLIMFISA 2010 Prova de Nível III Ensino Médio OLIMFISA 2010 Prova de Nível III Ensino Médio 01. A palavra grandeza representa, em Física, tudo o que pode ser medido, e a medida de uma grandeza física pode ser feita direta ou indiretamente. Entre as

Leia mais

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários.

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. Lista de exercício 3 - Fluxo elétrico e Lei de Gauss Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. 1. A superfície quadrada da Figura tem 3,2 mm de lado e está imersa

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores 1. (Unicamp 2013) O carro elétrico é uma alternativa aos veículos com motor

Leia mais

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V)

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V) Acesse. www.professorarnon.com Eletricidade Básica. Associação de Resistências em Série Vários resistores estão associados em série quando são ligados um em seguida do outro, de modo a serem percorridos

Leia mais

CARACTERIAZAÇÃO DE COMPONENTES ELETÔNICOS: explorando a lei de Ohm com experimentos didáticos

CARACTERIAZAÇÃO DE COMPONENTES ELETÔNICOS: explorando a lei de Ohm com experimentos didáticos CARACTERIAZAÇÃO DE COMPONENTES ELETÔNICOS: explorando a lei de Ohm com experimentos didáticos Márcio Boer RIBEIRO1 RESUMO Tradicionalmente, no último ano do ensino médio, estuda-se os fundamentos da teoria

Leia mais

Aula 03.! Resistência Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Aula 03.! Resistência Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Aula 03 Resistência slide 1 Objetivos Aprender quais os parâmetros que determinam a resistência de um elemento e calcular a resistência dos materiais a partir de suas características e dimensões. Adquirir

Leia mais

Leis de Biot-Savart e de Ampère

Leis de Biot-Savart e de Ampère Leis de Biot-Savart e de Ampère 1 Vimos que uma carga elétrica cria um campo elétrico e que este campo exerce força sobre uma outra carga. Também vimos que um campo magnético exerce força sobre uma carga

Leia mais

Quantização da carga. todos os objectos directamente observados na natureza possuem cargas que são múltiplos inteiros da carga do eletrão

Quantização da carga. todos os objectos directamente observados na natureza possuem cargas que são múltiplos inteiros da carga do eletrão Eletricidade Quantização da carga todos os objectos directamente observados na natureza possuem cargas que são múltiplos inteiros da carga do eletrão a unidade de carga C, é o coulomb A Lei de Coulomb

Leia mais

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo Unidade 8 Eletricidade e Magnetismo Eletrostática e Eletrodinâmica Os fenômenos elétricos estão associados aos elétrons. Cargas Elétricas As cargas elétricas podem ser positivas ou negativas Cargas opostas

Leia mais

Lei de Gauss. O produto escalar entre dois vetores a e b, escrito como a. b, é definido como

Lei de Gauss. O produto escalar entre dois vetores a e b, escrito como a. b, é definido como Lei de Gauss REVISÃO DE PRODUTO ESCALAR Antes de iniciarmos o estudo do nosso próximo assunto (lei de Gauss), consideramos importante uma revisão sobre o produto escalar entre dois vetores. O produto escalar

Leia mais

Eletrônica I. Prof. Cláudio Henrique A. Rodrigues

Eletrônica I. Prof. Cláudio Henrique A. Rodrigues Eletrônica I 1 2 Qual o significado de um corpo eletricamentecarregado? A Carga Elétrica é positiva (+) ou negativa(-)? 3 Um corpo apresenta-se eletricamente neutro quando o número total de prótons e de

Leia mais

MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade

MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos ESCOLA SECUNDÁRIA DE TOMAZ PELAYO SANTO TIRSO 402916 MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade Eletrónica Fundamental Prof.: Erika Costa Estrutura da Matéria

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO Professoras: Bleidiana e Rose 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA DE FÍSICA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO Professoras: Bleidiana e Rose 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA DE FÍSICA COLÉGIO MAISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professoras: Bleidiana e ose 1ª ECUPEAÇÃO AUTÔNOMA DE FÍSICA OTEIO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / OTEIO DE ESTUDO Capítulo

Leia mais

Lei de Ohm e Resistores reais Cap. 2: Elementos de circuito

Lei de Ohm e Resistores reais Cap. 2: Elementos de circuito 2. Análise de Circuitos Elétricos Simples REDES e CIRCUITOS: A interconexão de dois ou mais elementos de circuitos simples forma uma rede elétrica. Se a rede tiver pelo menos um caminho fechado, ela é

Leia mais

EXERCÍCIOS FÍSICA 3ª SÉRIE

EXERCÍCIOS FÍSICA 3ª SÉRIE 3ª SÉRIE PROF. HILTON 1. A figura a seguir mostra a posição inicial de uma espira retangular acoplada a um eixo de rotação, sob a ação de um campo magnético originado por ímãs permanentes, e percorrida

Leia mais

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura:

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica dos fios que fazem a ligação entre a bateria e as

Leia mais

Eletromagnetismo Aplicado

Eletromagnetismo Aplicado Eletromagnetismo Aplicado Unidade 3 Prof. Marcos V. T. Heckler 1 Conteúdo Introdução Materiais dielétricos, polarização e permissividade elétrica Materiais magnéticos, magnetização e permeabilidade magnética

Leia mais

Circuitos elétricos e Grandezas elétricas

Circuitos elétricos e Grandezas elétricas Energia AQUECIMENTO ILUMINAÇÃO ENERGIA ELÉTRICA COMUNICAÇÕES TRANSPORTES Energia e correntes elétricas Distribuição da energia elétrica As linhas de alta tensão permitem o transporte da energia elétrica

Leia mais