Virtus Disseminando Conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Virtus Disseminando Conhecimento"

Transcrição

1 Virtus Disseminando Conhecimento 8º Convenção de Contabilidade do Estado de Mato Grosso A importância e o impacto das IFRS no Brasil 29 de setembro de Edmir Lopes de Carvalho Todos os direitos autorais estão reservados à Virtus -Treinamento e Gestão Contábil Ltda 1

2 APRESENTAÇÃO Edmir Lopes de Carvalho Mestre em Controladoria e graduado em Ciências Contábeis pela FEA-USP. Executivo das áreas de Controladoria e Planejamento, com carreira iniciada em auditoria na Coopers&Lybrand (uma das big four ), e consolidada em empresas de destaque: Iochpe- Maxion S/A, Rhodia, Grupo Rhône Poulenc, Aventis Crop Science Ltda, Alstom Brasil Ltda e Assa Abloy (Yale La Fonte Sistemas de Segurança Ltda). Atualmente é sócio da VIRTUS Treinamento e Gestão Contábil Ltda (Consultoria Empresarial e Implantação de Sistemas, Consultoria e Treinamento em IFRS) e Vice-Presidente e responsável pela Contabilidade da ANEFAC. Na área acadêmica é professor da FIPECAFI e FIA (FEA-USP), MBA da FGV Management e da Universidade Presbiteriana Mackenzie e pesquisador do Laboratório TECSI USP, do qual é um dos responsáveis pelo desenvolvimento da taxonomia brasileira de XBRL. Certificado em Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) ACCA e associado ao IMA Institute of Management Accountants (USA). 2

3 Lei /07 Contextualização e Importância 3

4 Lei /07 Contextualização e Importância Lei Lei das S/A s Projeto de Lei 3.741/00 atualização da Lei das S/A s IN 457/07 MP 449/08 Lei /09 RTT IFRS International Financial Reporting Standard Lei /07 BR GAAP 4

5 Representantes Órgãos Reguladores Convidado 5

6 Empresas Empresas S/A S/A Capital Capital Aberto Aberto Capital Capital Fechado Fechado Ltdas Ltdas SGP SGP Demais Demais SGP SGP Demais Demais DFs X X CPC-PME X X CPC-PME N/A Auditoria X X Facultativo X N/A Publicação X X X* N/A N/A *Exceto PL < R$ 1 milhão e com até 20 acionistas Lei (11/6/2010) artigo 76. 6

7 Lei /07 Contextualização e Importância Lei antiga S G P Lei com a /07 14 CPCs P M E regra antiga Lei /07 = IFRS 40 CPCs CPC-PME (Res CFC 1255/09, 1285/10 e 1319/10) 7

8 Lei /07 Contextualização e Importância A tendência no Brasil, é que com a maior quantidade de ajustes entre o societário e o tributário......as empresas comecem e ter duas contabilidades completamente distintas. Material elaborado pela SERASA RTT / FCONT 8

9 Lei /07 Contextualização e Importância Controle da neutralidade FCONT: RTT e FCONT: DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (CPC/IFRS) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (RTT/FCONT) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (LALUR) SPED Lucro Societário Lucro Contábil Lucro Real Material elaborado por Edison Fernandes 9

10 Lei /07 Contextualização e Importância Adoção IFRS (a) Adoção /07 Adoção Normas CVM Publicação das DF s Auditoria SA s Abertas Sim (b) Sim Sim Sim Sim SA s Fechadas Grande Porte Não Sim Opcional Sim Sim SA s Fechadas (PME) Não Sim (CPC PME) Não Sim (c) Opcional Ltda s Grande Porte Não Sim Não Não Sim Ltda s - (PME) Não Sim (CPC PME) Não Não Não (a) A lei determina que a CVM a partir de agora deve observar as normas internacionais de contabilidade quando da emissão das instruções ou quaisquer orientações. (b) Demonstrações financeiras consolidadas a partir de 2010 (c) Exceto para as companhias com menos de 20 acionistas e PL inferior a 1 milhão. De acordo com a redação da /07 não é necessária a elaboração e publicação da DFC quando, na data do balanço, a empresa apresentar PL inferior e 2 milhões. *Fonte: Serasa-Experian 10

11 Lei /07 Contextualização e Importância Mais baseada em princípios pios e requerendo julgamento profissional O fortalecimento conceitual da análise de riscos e benefícios em relação a propriedade jurídica Requer revisão e unificação da nossa Estrutura Conceitual e Princípios Fundamentais de Contabilidade 11

12 Lei /07 Contextualização e Importância Code Law Regras Common Law Princípios Forma Essência Objetivo Subjetivo Custo Histórico Fair Value 12

13 Lei /07 Contextualização e Importância Valor Contábil Valor Mercado Valor de Uso Valor de Negociação Benefícios Econômicos Futuros Valor Presente Maior Valor Contábil Valor Justo 13

14 Lei /07 Contextualização e Importância Fonte: IASB Países que estão em fase de migração às IFRS Países que já adotam as IFRS 14

15 Impacto das IFRS no Brasil em Levantamento efetuado por segmento caracterizado pela 15

16 16

17 Lei antiga Lei com a /07 14 CPCs Lei /07 => IFRS 40 CPCs Foco do estudo S/A Capital Aberto 17

18 Tradicionais Mercado Balcão Financeiro Demais Segmentos Total: 675 empresas Gov Corporativa MA NM N1 N IFRS Antecipado (7) Constituída em 2009 / 2010 (5) Sem Alterações (11) (1) Outros (2)

19 Saldo com base nas práticas anteriores em milhares de R$ CPC 27 / IAS 16 Imobilizado ,2% CPC 15 / IFRS 3 Combinação de Negócios ,4% Part Não Controladores ,0% CPC 29 / IAS 41 A Biológico ,0% ICPC 08 Pagto Dividendos ,9% CPC 38, 39 e 40 / IAS 32,39 e IFRS 7 Instrumentos Financeiros ,2% CPC 30 / IAS 18 Receita ( ) -0,2% CPC 01 / IAS 36 Impairment ( ) -0,2% CPC 25 / IAS 37 Provisões / Passivos Contingentes ( ) -0,2% CPC 33 / IAS 19 Benefícios a Empregados ( ) -0,3% CPC 04 / IAS 38 Intangível ( ) -0,3% ICPC 01 / IFRIC 12 Concessão ( ) -0,5% Ativo Diferido ( ) -0,5% CPC 37 / IFRS 1 Adoção Inicial ( ) -1,3% CPC 32 / IAS 12 IR e CS Diferidos ( ) -2,3% Outros ,3% Saldo com base nas IFRS ,2% 19

20 Setor Econômico Valores em milhares de R$ SETOR ECONÔMICO Anterior Reapresentado Var% Bens Industriais ,9% Construção e Transporte ,1% Consumo Cíclico ,7% Consumo não Cíclico ,6% Materiais Básicos ,7% Petróleo, Gás e Biocombustíveis ,9% Tecnologia da Informação ,3% Utilidade Pública ,3% Total Geral ,2% 20

21 SEGMENTO Equipamentos Elétricos Máq. e Equip. Industriais Motores, Compressores e Outros Material Rodoviário Serviços Diversos Bens Industriais em milhares de R$ Saldo com base nas práticas anteriores Imobilizado ,6% Participação dos Acionistas ,6% Pagto Dividendos ,9% IR e CS Diferidos ,3% Mudança Tx Câmbio ,2% Combinação de Negócios ,1% A Biológico ,0% Benefícios a Empregados ,0% AVP ,0% Intangível (25.059) -0,2% Ativo Diferido (25.519) -0,2% Outros (36.105) -0,3% Instrumentos Financeiros ( ) -3,1% Saldo com base nas IFRS ,9% Empresas CSU CARDSYST EMBRAER FRAS-LE INEPAR LUPATECH MARCOPOLO METALFRIO RANDON PART VALID WEG 21

22 SEGMENTO Construção Civil Exploração de Rodovias Intermediação Imobiliária Materiais de Construção Serv de Apoio e Armazenagem Transporte Aéreo Transporte Rodoviário Construção e Transporte Saldo com base nas práticas anteriores Imobilizado ,8% Participação dos Acionistas ,2% Pagto Dividendos ,7% Custo de Empréstimo ,7% Consolidação ,3% IR e CS Diferidos ,1% Instrumentos Financeiros ,1% Outros ,1% Investimentos (1.267) 0,0% Benefícios a Empregados (2.730) 0,0% Leasing (3.594) 0,0% AVP (6.014) 0,0% Impairment (39.528) -0,1% Concessão (67.436) -0,3% Receita ( ) -1,1% Combinação de Negócios ( ) -2,0% Provisões / Passivos Contingentes ( ) -2,1% Ativo Diferido ( ) -2,4% Intangível ( ) -2,9% Saldo com base nas IFRS ,1% Empresas CC DES IMOB ALL AMER LAT BR BROKERS CCR SA CR2 CYRELA REALT DIRECIONAL ECORODOVIAS ETERNIT EVEN EZTEC GAFISA GOL HELBOR JHSF PART JSL LLX LOG LOG-IN LOPES BRASIL MRV OHL BRASIL PDG REALT PORTOBELLO ROSSI RESID SANTOS BRP TAM S/A TECNISA TEGMA TRISUL 22 TRIUNFO PART

23 Consumo Cíclico SEGMENTO em milhares de R$ Saldo com base nas práticas anteriores Imobilizado ,5% Pagto Dividendos ,7% Combinação de Negócios ,5% Outros ,9% Participação dos Acionistas ,6% Instrumentos Financeiros ,2% Estoques ,0% Benefícios a Empregados ,0% Investimentos 812 0,0% Receita (2.560) 0,0% Consolidação (3.173) 0,0% Provisões / Passivos Contingentes (5.583) -0,1% Ativo Diferido (8.813) -0,1% IR e CS Diferidos (60.312) -0,6% Saldo com base nas IFRS ,7% Empresas ALPARGATAS ANHANGUERA AREZZO CO B2W VAREJO CEDRO CIA HERING ESTACIO PART GRENDENE KROTON LOCALIZA LOJAS MARISA LOJAS RENNER MAGAZ LUIZA NET SARAIVA LIVR TIME FOR FUN 23

24 Consumo Não Cíclico SEGMENTO Açucar e Alcool Agricultura Alimentos Alimentos Diversos Análises e Diagnósticos Carnes e Derivados Medicamentos Produtos Diversos em milhares de R$ Saldo com base nas práticas anteriores Imobilizado ,3% Combinação de Negócios ,3% Instrumentos Financeiros ,4% Investimentos ,2% Pagto Dividendos ,1% Custo de Empréstimo ,1% Participação dos Acionistas ,1% AVP (2.540) 0,0% Outros (19.292) -0,1% Receita (81.719) -0,3% Estoques (85.140) -0,3% Benefícios a Empregados (91.356) -0,3% Provisões / Passivos Contingentes ( ) -0,5% Impairment ( ) -0,6% A Biológico ( ) -0,6% Ativo Diferido ( ) -0,8% IR e CS Diferidos ( ) -3,5% Saldo com base nas IFRS ,6% Empresas AMIL BRF FOODS COSAN CREMER DASA DROGASIL HYPERMARCAS JBS M.DIASBRANCO MARFRIG MINERVA ODONTOPREV P.ACUCAR-CBD RAIA SLC AGRICOLA TEREOS 24

25 Materiais Básicos SEGMENTO Artefatos de Cobre Artefatos de Ferro e Aço Fertilizantes e Defensivos Madeira Materiais Diversos Minerais Metálicos Papel e Celulose Petroquímicos Siderurgia em milhares de R$ Saldo com base nas práticas anteriores Imobilizado ,1% Combinação de Negócios ,0% A Biológico ,7% Instrumentos Financeiros ,5% Participação dos Acionistas ,5% Custo de Empréstimo ,2% Pagto Dividendos ,2% Outros ,1% ANC Mantido para Venda ,0% Investimentos 804 0,0% Provisões / Passivos Contingentes 39 0,0% Custo de Transação (13.266) 0,0% Investimento em Empreend Conjunto (17.458) 0,0% Benefícios a Empregados ( ) -0,7% Impairment ( ) -0,7% Ativo Diferido ( ) -0,8% IR e CS Diferidos ( ) -4,2% Saldo com base nas IFRS ,7% Empresas BRASKEM DURATEX EUCATEX FER HERINGER FERBASA FIBRIA GERDAU GERDAU MET KLABIN S/A MAGNESITA SA MANGELS INDL MMX MINER NUTRIPLANT PARANAPANEMA PROVIDENCIA SUZANO PAPEL UNIPAR USIMINAS VALE 25

26 Petróleo, Gás e Biocombustível SEGMENTO Exploração e/ou Refino Empresas ECODIESEL OGX PETROLEO em milhares de R$ Saldo com base nas práticas anteriores Ativo Diferido (73.017) -0,8% A Biológico (11.550) -0,1% Saldo com base nas IFRS ,9% 26

27 Tecnologia da Informação SEGMENTO Computadores e Equipamentos Programas e Serviços Empresas BEMATECH IDEIASNET POSITIVO INF TOTVS UOL em milhares de R$ Saldo com base nas práticas anteriores Receita ,0% Intangível 14 0,0% Leasing (130) 0,0% Consolidação (2.977) -0,1% Participação dos Acionistas (3.471) -0,1% IR e CS Diferidos (8.094) -0,3% Pagto Dividendos (10.195) -0,4% Subvenção Governamental (15.520) -0,7% Investimentos (36.634) -1,6% Saldo com base nas IFRS ,3% 27

28 Utilidade Pública SEGMENTO Energia Elétrica em milhares de R$ Saldo com base nas práticas anteriores Imobilizado ,0% Pagto Dividendos ,6% Participação dos Acionistas ,6% Outros ,3% Consolidação ,1% Combinação de Negócios ,1% Investimentos ,0% A Biológico ,0% Provisões / Passivos Contingentes (3.011) 0,0% Intangível (11.576) 0,0% Custo de Empréstimo (25.319) 0,0% Ativo Diferido (56.079) 0,0% Receita ( ) -0,1% Instrumentos Financeiros ( ) -0,1% Benefícios a Empregados ( ) -0,1% Concessão ( ) -1,1% IR e CS Diferidos ( ) -2,2% Adoção Inicial ( ) -2,8% Saldo com base nas IFRS ,3% Empresas CEEE-D CEEE-GT CELESC CEMIG CESP COPEL CPFL ENERGIA ELETROBRAS ELETROPAULO ENERGIAS BR EQUATORIAL LIGHT S/A MPX ENERGIA RENOVA TERNA PART TRACTEBEL TRAN PAULIST 28

29 29

30 Imobilizado Valores em milhares de R$ BRASKEM DURATEX EUCATEX FER HERINGER FERBASA FIBRIA GERDAU GERDAU MET KLABIN S/A MAGNESITA SA MANGELS INDL MMX MINER NUTRIPLANT PARANAPANEMA PROVIDENCIA SUZANO PAPEL UNIPAR USIMINAS VALE CEEE-D CEEE-GT CELESC CEMIG CESP COPEL CPFL ENERGIA ELETROBRAS ELETROPAULO ENERGIAS BR EQUATORIAL LIGHT S/A MPX ENERGIA RENOVA TERNA PART TRACTEBEL TRAN PAULIST 30

31 Combinação de Negócios Valores em milhares de R$ BRASKEM DURATEX EUCATEX FER HERINGER FERBASA FIBRIA GERDAU GERDAU MET KLABIN S/A MAGNESITA SA MANGELS INDL MMX MINER NUTRIPLANT PARANAPANEMA PROVIDENCIA SUZANO PAPEL UNIPAR USIMINAS VALE 31

32 Auditoria Externa TOTAL:

33 61 empresas de grande porte Empresas ainda patinam na Adoção* A pesquisa refere-se ao exercício de 2010 (ativos de R$ 119 bilhões e geraram um caixa de R$ 12 bilhões) 39 empresas PME 87% divulgaram suas DFs de forma completa (em 2009, esse porcentual foi de 81%) Auditoria => 85% apenas 38% não apresentaram nenhuma ressalva em 2010 (uma redução significativa frente ao exercício anterior, 85%) apenas 59% entregaram todas as peças contábeis Auditoria => não há obrigatoriedade apenas a metade teve seus balanços auditados. Os desvios constatados diz respeito aos ativos imobilizados critérios como a revisão da vida útil dos ativos em vez de taxas de depreciação fiscais * Estudo realizado pelo (Ibef) de Campinas (SP) em parceria com a KPMG e a Policamp. Publicado no Valor Econômico em 13/09/11 33

34 Virtus Disseminando Conhecimento Agradecimento 34

35 Virtus Disseminando Conhecimento Obrigado!!! Edmir Lopes de Carvalho fones: (11) /

Empresa Setor Avaliação

Empresa Setor Avaliação Empresa Setor Avaliação São Martinho Açúcar e Alcool Bom Minerva Alimentos / Abatedouros Bom JBS Alimentos / Abatedouros Bom BRF Foods Alimentos / Abatedouros Bom M. Diasbranco Alimentos / Massas e Farináceos

Leia mais

Atualizado em 14/04/2014

Atualizado em 14/04/2014 Atualizado em 14/04/2014 Calendário de Divulgação de Balanços do 1T14, sujeito a alteração* Calendário de Balanços por ordem de data de divulgação Data Empresa Evento 16/Abr Localiza Balanço, após o fechamento

Leia mais

Atualizado em 20/03/2012

Atualizado em 20/03/2012 Atualizado em 20/03/2012 Calendário de Divulgação de Balanços do 4T11, sujeito a alteração* Calendário de Balanços por ordem de data de divulgação Data Empresa Evento 19/3 Alpargatas Teleconferência, às

Leia mais

Café da Manhã e Workshop ISE 2012 Sonia Favaretto Presidente do Conselho Deliberativo 06/03/2012

Café da Manhã e Workshop ISE 2012 Sonia Favaretto Presidente do Conselho Deliberativo 06/03/2012 Café da Manhã e Workshop ISE 2012 Sonia Favaretto Presidente do Conselho Deliberativo 06/03/2012 Objetivos estratégicos 2011 2015 1. Ampliar a abertura de informações ao mercado 2. Aumentar a participação

Leia mais

Na sexta-feira (24), são aguardados os resultados de Fibria, Hypermarcas, Souza Cruz e Tractebel.

Na sexta-feira (24), são aguardados os resultados de Fibria, Hypermarcas, Souza Cruz e Tractebel. Page 1 of 5 20/4/2015 07:41:42 - EMPRESAS E SETORES CALENDÁRIO DE BALANÇOS: USIMINAS, FIBRIA E HYPERMARCAS INAUGURAM SAFRA DE DIVULGAÇÃO DO 1TRI15 São Paulo, 20/04/2015 - A temporada de divulgação de balanços

Leia mais

08/Nov LLX Teleconferência, às 12h, em inglês, com tradução simultânea para o português

08/Nov LLX Teleconferência, às 12h, em inglês, com tradução simultânea para o português Atualizado em 05/11/2012 Calendário de Divulgação de s do 3T12, sujeito a alteração* Calendário de s por ordem de data de divulgação Data Empresa Evento 05/Nov CPFL 05/Nov Direcional 05/Nov Marcopolo 05/Nov

Leia mais

CONTROLES INTERNOS NAS EMPRESAS BRASILEIRAS

CONTROLES INTERNOS NAS EMPRESAS BRASILEIRAS "Para uso exclusivo dos participantes do Ciclo de Debates em Governança Corporativa do Fipecafi CONTROLES INTERNOS NAS EMPRESAS BRASILEIRAS 2007 KPMG Risk Advisory Services Ltda., uma sociedade brasileira

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 3 A. AVALIAÇÃO.

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 3 A. AVALIAÇÃO. MERCADO DE CAPITAIS 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS PARA OS ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 3 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 Prof. Figueiredo

Leia mais

Convergência aos Padrões Internacionais de Contabilidade

Convergência aos Padrões Internacionais de Contabilidade Convergência aos Padrões Internacionais de Contabilidade Com o objetivo de convergir aos padrões internacionais, a contabilidade brasileira foi alterada a partir de 01/01/2008 pelas Leis 11.638/2007 e

Leia mais

Perspectivas Setoriais

Perspectivas Setoriais Banrisul S.A. Corretora de Valores Mobiliários e Câmbio Quick Highlights 2012 Quick Highlights Os quick highlights são relatórios rápidos com informações sucintas elaboradas pelos analistas da Banrisul

Leia mais

A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS. Abril/2013

A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS. Abril/2013 A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS Abril/2013 Índice Cenário Macroeconômico; Renda Fixa e Renda Variável; Investimentos; Rentabilidade dos Planos; Resumo do Processo de Perfis de Investimento

Leia mais

Governança a Corporativa e o

Governança a Corporativa e o Conteúdo Governança a Corporativa e o Preço o das AçõesA Mônica Barros, D.Sc. Abril de 2008 Definições Básicas Conflito de agência Governança Corporativa (GC) Objetivos da Governança Corporativa Histórico

Leia mais

Monitor Mercantil - Free float de fato ou de direito

Monitor Mercantil - Free float de fato ou de direito Página 1 de 5 Notícias Colunas Cotações Assinatura Publicidade Gráfica A Empresa Rio de Janeiro São Paulo CONJUNTURA 27/05/2010-17:05 Free float de fato ou de direito Para Fernando Galdi, importância do

Leia mais

28/11/2014 RETORNO TOTAL AOACIONISTA

28/11/2014 RETORNO TOTAL AOACIONISTA RETORNO TOTAL AOACIONISTA 28/11/2014 RIO DE JANEIRO : Praça Pio X, 55 11º andar Tel.: 21 2142-2100 / 21 2142-2121 SÃO PAULO : Rua Líbero Badaró, 425-16º andar - São Paulo - SP - Tel.: 11 2928-6000 / 11

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Código no SIGA: PMBACBIC09/00 Coordenação Acadêmica

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Coordenação Acadêmica:

Leia mais

Convergência às Normas Internacionais: desafios e avanços

Convergência às Normas Internacionais: desafios e avanços Convergência às Normas Internacionais: desafios e avanços O Processo de Convergência Importância para os usuários Wang Jiang Horng Gerente de Desenvolvimento de Empresas BOVESPA BOVESPA Único centro de

Leia mais

Avanços Recentes da Governança Corporativa e Próximos Passos além do Novo Mercado

Avanços Recentes da Governança Corporativa e Próximos Passos além do Novo Mercado Avanços Recentes da Governança Corporativa e Próximos Passos além do Novo Mercado Seminário: Reflexões sobre a Governança Corporativa no Brasil Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira Doutor e Mestre

Leia mais

LANÇAMENTO DE NOVOS ÍNDICES. Lançamento de novos índices

LANÇAMENTO DE NOVOS ÍNDICES. Lançamento de novos índices Lançamento de novos índices Os novos Índices Índice BM&FBOVESPA Imobiliário Nome de Pregão: IMOBILIARIO Código: IMOB Índice BM&FBOVESPA de Consumo Nome de Pregão: ICONSUMO Código: ICON Razões do Lançamento

Leia mais

LIQUIDEZ O DILEMA DA LIQUIDEZ DE CAIXA

LIQUIDEZ O DILEMA DA LIQUIDEZ DE CAIXA LIQUIDEZ O DILEMA DA LIQUIDEZ DE CAIXA 22 REVISTA RI Fevereiro 2016 Competitividade mais acirrada, nível de crescimento da economia, inflação, perda do grau de investimento, juros elevados, muitos impostos

Leia mais

19 corretoras indicam as melhores ações para setembro

19 corretoras indicam as melhores ações para setembro Imprimir Fechar Bolsa 19 corretoras indicam as melhores ações para setembro Incertezas sobre a recuperação econômica dos Estados Unidos fazem os analistas optarem por empresas mais defensivas e voltadas

Leia mais

Investimento Sustentável no Brasil 2009

Investimento Sustentável no Brasil 2009 RelatóriosNacionaisdaIFCsobreInvestimentoSustentável: InvestimentoSustentávelnoBrasil2009 Relatório Final Abril de 2009 w w w. t e r i e u r o p e. o r g w w w. d e l s u s. c o m RelatóriosNacionaisdaIFCsobreInvestimentoSustentável:

Leia mais

DOMINGUES E PINHO CONTADORES IFRS PARA LTDAs: APLICÁVEL PARA SGP E PME COMO FOI O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO?

DOMINGUES E PINHO CONTADORES IFRS PARA LTDAs: APLICÁVEL PARA SGP E PME COMO FOI O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO? COMO FOI O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO? PASSOS QUE FORAM ADOTADOS PARA PERMITIR QUE EM QUASE 2 ANOS PUDÉSSEMOS IMPLEMENTAR AS ALTERAÇÕES EM MAIS DE 500 EMPRESAS. Mapeamento das necessidades internas objetivando

Leia mais

HÁ LUZ NO FIM DO TÚNEL. Fonte: Ágora Corretora de Valores e Positivo Informática

HÁ LUZ NO FIM DO TÚNEL. Fonte: Ágora Corretora de Valores e Positivo Informática 10/04/08 POSITIVO INFORMÁTICA COMPRA A LONGO PRAZO REVISÃO DE ESTIMATIVAS Preço (POSI3): R$ 19,65/Ação ON Preço Alvo (Dez/08): R$ 38,00/Ação ON Upside: 93,4% Highlights HÁ LUZ NO FIM DO TÚNEL Revisamos

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Ibovespa Top 31 de março de 2012 e 2011 com Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras

Leia mais

Flash. Bens de Capital. Resultados da Marcopolo no 1T13 foram fracos conforme esperado talvez um dos poucos pontos de entrada para a ação

Flash. Bens de Capital. Resultados da Marcopolo no 1T13 foram fracos conforme esperado talvez um dos poucos pontos de entrada para a ação Flash terça-feira, maio 07, 2013 Bens de Capital POMO4 Recomendação Neutral Preço (06/05/2013) R$13,42 Preço-Alvo 2013 R$15,00 Potencial de Valorização 13% 13E 14E 15E P/L 18,1x 14,9x 12,3x EV/EBITDA 12,7x

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 41-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em International Financial Reporting Standards, IFRS, Comitê de Pronunciamentos Contábeis, CPC, e Controladoria,

Leia mais

Relatório Especial Yield 11/01/2011

Relatório Especial Yield 11/01/2011 Introdução No mercado acionário tem sido observado, que investidores com determinado perfil preferem compor suas carteiras ou comprar determinadas ações, que distribuem dividendos e juros sobre o capital

Leia mais

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC 00 CPC 01 CPC 02 CPC 03 CPC 04 CPC 05 CPC 06 CPC 07 CPC 08 EMITIDOS Pronunciamento Técnico

Leia mais

WebServices. Versão < 1.0 > < 22/07/2010 > AGO 1-11

WebServices. Versão < 1.0 > < 22/07/2010 > AGO 1-11 Magliano Versão < 1.0 > < 22/07/2010 > AGO 1-11 SUMÁRIO 1. WS_Magliano... 3 1.1. Acoes... 4 1.2. Cambio... 5 1.3. Indicadores... 6 1.4. Indices... 7 1.5. Moedas... 8 1.6. PesquisaCotacao... 9 1.7. Ticker...

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

DESTAQUES DIÁRIOS RESEARCH 25 DE OUTUBRO DE 2016

DESTAQUES DIÁRIOS RESEARCH 25 DE OUTUBRO DE 2016 dez-08 mar-09 jun-09 set-09 dez-09 mar-10 jun-10 set-10 dez-10 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 set-13 dez-13 mar-14 jun-14 set-14 dez-14 mar-15 jun-15 set-15 dez-15

Leia mais

Flash. Energia Elétrica. Reestruturando o setor O que podemos esperar?

Flash. Energia Elétrica. Reestruturando o setor O que podemos esperar? Flash segunda-feira, março 11, 2013 Energia Elétrica Reestruturando o setor O que podemos esperar? Sérgio Tamashiro Thiago Auzier Nossa Visão: Na última sexta-feira, o Ministro das Minas e Energia, Edison

Leia mais

MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade)

MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade) MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos

Leia mais

Flash. Seguros. Expectativa de 1T13 Decepcionante para Seguradoras: Neutro para BRIN3 e rebaixando SULA11 para Neutral

Flash. Seguros. Expectativa de 1T13 Decepcionante para Seguradoras: Neutro para BRIN3 e rebaixando SULA11 para Neutral Flash quinta-feira, abril 18, 2013 Seguros SULA11 Recomendação Neutral Preço (17/04/2013) R$16,50 Preço-Alvo 2013 R$17,30 Potencial de Valorização 4,8% P/L 11,5x 8,8x 8,6x EV/EBITDA 1,6x 1,4x 1,3x PSSA3

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL 2008 COMPANHIAS ABERTAS

ANÁLISE SETORIAL 2008 COMPANHIAS ABERTAS ANÁLISE SETORIAL 2008 COMPANHIAS ABERTAS 36 SETORES ANALISADOS: (1) aço, (2) água e esgoto, (3) alimentos e bebidas, (4) autopeças, (5) calçados, (6) cimentos e agregados, (7) comércio em geral, (8) concessionária

Leia mais

17 corretoras indicam as melhores ações para janeiro

17 corretoras indicam as melhores ações para janeiro Page 1 of 6 Bolsa 04/01/2011 06:02 17 corretoras indicam as melhores ações para janeiro Entre os papéis com maior presença nas carteiras recomendadas, estão (15 indicações), Petrobras (12), Itaú Unibanco

Leia mais

Desafios do IFRS para empresas brasileiras

Desafios do IFRS para empresas brasileiras Desafios do IFRS para empresas brasileiras Estamos em consonância com o mundo? 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 16 de setembro de 2013 Ramon D. Jubels 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 1

Leia mais

Relatório de Atividades 2009 APIMEC RIO

Relatório de Atividades 2009 APIMEC RIO Presidência 01/10 Rio de Janeiro, 06 de fevereiro de 2010 Prezados Senhores, Estamos felizes em poder divulgar o balanço das atividades da APIMEC RIO realizadas durante o ano de 2009. Temos a satisfação

Leia mais

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DOS ATIVOS: Análise do CPC 01 nas empresas de capital aberto divulgadas pela Revista Exame 2011

REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DOS ATIVOS: Análise do CPC 01 nas empresas de capital aberto divulgadas pela Revista Exame 2011 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DOS ATIVOS: Análise do CPC 01 nas empresas de capital aberto divulgadas pela Revista Exame 2011 Flávia Palmeira Lima vinhapl@hotmail.com UNIVERCIDADE Valdilene Pereira da Silva

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

Análise do perfil de investimento social em empresas de capital aberto no Brasil no ano de 2009

Análise do perfil de investimento social em empresas de capital aberto no Brasil no ano de 2009 Análise do perfil de investimento social em empresas de capital aberto no Brasil no ano de 2009 Ricardo Trovão Fatec - Faculdade de Tecnologia de Itaquaquecetuba SP Brasil ricardo.trovao@uol.com.br Michel

Leia mais

Relatório de Atividades 2008 APIMEC RIO

Relatório de Atividades 2008 APIMEC RIO Presidência 01/09 Rio de Janeiro, 06 de fevereiro de 2009 Prezados Senhores, Estamos felizes em poder divulgar o balanço das atividades da realizadas durante 2008. Assim, temos o prazer de informar que

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO . COMUNICADO AO MERCADO Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS Apresentamos as principais alterações em nossas demonstrações contábeis decorrentes da adoção do padrão contábil internacional

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS Professor 1 JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE USO CONFIDENCIAL 1

APRESENTAÇÃO DE USO CONFIDENCIAL 1 Os Melhores Websites de Sustentabilidade do Brasil 2006/2007 Entre as Empresas listadas no Ibovespa Apimec, 24.4.2007 Dr. William Cox, Director, Management & Excellence/GrowAssociates APRESENTAÇÃO DE USO

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS PARTE 1 - IFRS NORMATIVOS E SEUS EFEITOS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS PARTE 2 MENSURAÇÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IFRS GRUPO APLICABILIDADE IFRS FULL ENTIDADES

Leia mais

Indicadores de Custo de Capital Próprio Mensal

Indicadores de Custo de Capital Próprio Mensal Indicadores de Custo de Capital Próprio Mensal DEZEMBRO/2015 Método 1 de Cálculo do Indicador de Custo de Capital Próprio (Ke) Ke i = RF + β i (prêmio de risco de mercado) + BR Método 2 de Cálculo do Indicador

Leia mais

4/3/20084/3/2008 SEGUNDA (03/03) TERÇA (04/03) QUARTA (05/03) QUINTA (06/03) SEXTA (07/03) !"#$ %&' ()

4/3/20084/3/2008 SEGUNDA (03/03) TERÇA (04/03) QUARTA (05/03) QUINTA (06/03) SEXTA (07/03) !#$ %&' () - SEGUNDA (03/03) TERÇA (04/03) QUARTA (05/03) QUINTA (06/03) SEXTA (07/03)!"#$ %&' () *) *%+,,-& )./%0 1 ' ' " 2 2 2 2 + 3# -%%+ 4+)5 -%% 3#%+ -%, )%%. 67 2 %%+ %%%/(- 8%+ %,%9+!"#$ +2+5 %. 67 +) + &

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

IGB30 Índice Gradual Brasil 30. Janeiro 2015

IGB30 Índice Gradual Brasil 30. Janeiro 2015 Janeiro 2015 Introdução IGB30 Origem do IGB30 IGB30 A ideia de criação de um índice alternativo do mercado acionário brasileiro surgiu da dificuldade crescente em se explicar as oscilações do Ibovespa

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

Uma breve análise do Mercado de Capitais Brasileiro Através de Redes Complexas e da Web*

Uma breve análise do Mercado de Capitais Brasileiro Através de Redes Complexas e da Web* Uma breve análise do Mercado de Capitais Brasileiro Através de Redes Complexas e da Web* Filipe de Lima Arcanjo *Ainda não achei um título melhor No último capítulo de Dragon Ball Z Seminários Avançados

Leia mais

Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ nº 10.406.511/0001-61 (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) (CNPJ nº 33.868.597/0001-40) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009.

ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009. ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009. Maria Carolina Domingues Franco 1 ; Michel Mott Machado 2 ; Ricardo Trovão 3 Estudante

Leia mais

TABELA DE PONTUAÇÃO 2012

TABELA DE PONTUAÇÃO 2012 Encantado Cruz Alta Soledade Gravataí Caxias do Sul Ijui Cerro Largo Curso de Auditoria voltado à validação da escrituração contábil fundamentado nas novas NBCs e nos dispositivos das legislações comercial

Leia mais

Distribuição da Carteira da Visão Prev

Distribuição da Carteira da Visão Prev Distribuição da Carteira da Visão Prev Dezembro de 2011 Data: 30/12/11 Renda Fixa Títulos Públicos(1) LFT LTN NTN-B NTN-F Total de Títulos Públicos CDBs BANCO ABN AMRO REAL BCO BRASIL SA BRADESCO S.A CTVM

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Ibovespa Regimes Próprios Fundo de Investimento em Ações (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - Período de 01 de abril de 2011 (data início das

Leia mais

31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras HSBC Fundo de Investimento Ações Institucional (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores independentes

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

IFRS e CPCs a nova contabilidade brasileira

IFRS e CPCs a nova contabilidade brasileira IFRS e CPCs a nova contabilidade brasileira Impactos para o profissional de RI Outubro de 2010 Agenda I. Introdução ao IFRS e o novo BR GAAP (CPCs) II. Potenciais impactos III. Desafios IV. A experiência

Leia mais

Demonstrativo de Investimentos - Plano de Benefícios PREVI FUTURO Relação dos Investimentos

Demonstrativo de Investimentos - Plano de Benefícios PREVI FUTURO Relação dos Investimentos - Plano de Benefícios PREVI FUTURO Relação dos Investimentos Dezembro de 2015 RECURSOS 6.671.202.785,78 100,00 FUNDOS DE INVESTIMENTO (GESTÃO TERCEIRIZADA) 2.760.299.045,88 41,37 FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Demonstrações financeiras em 28 de fevereiro de 2009 e 29 de fevereiro de 2008

Demonstrações financeiras em 28 de fevereiro de 2009 e 29 de fevereiro de 2008 ABCD BRAM Fundo de Investimento em Ações IBrX-50 CNPJ nº 07.667.245/0001-16 (Administrado pela BRAM - Bradesco Asset Management S.A. Distribuidora Demonstrações financeiras em 28 de fevereiro de 2009 e

Leia mais

Evidenciação de Práticas de Programas de Remuneração por Ações pelas Companhias Listadas no Novo Mercado da Bolsa de Valores de São Paulo Bovespa

Evidenciação de Práticas de Programas de Remuneração por Ações pelas Companhias Listadas no Novo Mercado da Bolsa de Valores de São Paulo Bovespa 5 Evidenciação de Práticas de Programas de Remuneração por Ações pelas Companhias Listadas no Novo Mercado da Bolsa de Valores de São Paulo Bovespa Disclosure of Practice Remuneration Program for share

Leia mais

SUZANO HOLDING S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 60.651.809/0001-05 NIRE 35300011864

SUZANO HOLDING S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 60.651.809/0001-05 NIRE 35300011864 SUZANO HOLDING S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 60.651.809/0001-05 NIRE 35300011864 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 A Administração da Suzano Holding

Leia mais

MAPA DE DIVIDENDOS MAPA DE OSCILAÇÃO. 03 de May de 2015. 04 de maio de 2015. Importante

MAPA DE DIVIDENDOS MAPA DE OSCILAÇÃO. 03 de May de 2015. 04 de maio de 2015. Importante 7 15 30 atanaka@plannercorretora.com.br MAPA DE DIVIDENDOS MAPA DE OSCILAÇÃO 03 de May de 2015 Importante Disclaimer e certificações dos analistas estão localizados na última página Importante: Disclaimer

Leia mais

Durante o semestre findo em 30 de Junho de 2010, o movimento no capital do OIC foi o seguinte:

Durante o semestre findo em 30 de Junho de 2010, o movimento no capital do OIC foi o seguinte: INTRODUÇÃO A constituição do BPI Brasil Fundo de Investimento Aberto Flexível (OIC) foi autorizada por deliberação do Conselho Directivo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de 21 de Outubro de

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

Ciclo de Palestras IFRS - IACAFM. Visão Integrada CPC, IFRS, e-social, 12.973 e Finanças. Nabil Ahmad Mourad

Ciclo de Palestras IFRS - IACAFM. Visão Integrada CPC, IFRS, e-social, 12.973 e Finanças. Nabil Ahmad Mourad Ciclo de Palestras IFRS - IACAFM Visão Integrada CPC, IFRS, e-social, 12.973 e Finanças Nabil Ahmad Mourad Palestra Agenda Aspectos da adoção do IFRS no mundo. Aspectos importantes para entendimentos das

Leia mais

Desafio não menos importante para empresas, contadores, controllers, diretores financeiros e auditores!!

Desafio não menos importante para empresas, contadores, controllers, diretores financeiros e auditores!! Seminário BNDES IFRS Um Caminho para a Transparência* 30 de abril de 2008 *connectedthinking A adoção das IFRS no Brasil representa! O maior evento societário desde a Lei 6404! Desafio não menos importante

Leia mais

Pair Trading Idea Operações Estruturadas quarta-feira, 6 de abril de 2011

Pair Trading Idea Operações Estruturadas quarta-feira, 6 de abril de 2011 Pair Trading Idea Oportunidades C/V Ativo 1 Ativo 2 Ativo 1 (R$) Ativo 2 (R$) Fator de Troca atual Ponto de Venda Ponto de Compra Target Ganho esperado Duração estimada Operações em andamento 09/mar C

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem 1 * Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem Em função das Necessidades de: - convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos

Leia mais

SUMÁRIO E S P E C I A L P E R S P E C T I V A S 2 0 1 1

SUMÁRIO E S P E C I A L P E R S P E C T I V A S 2 0 1 1 2 E S P E C I A L P E R S P E C T I V A S 2 0 1 1 SUMÁRIO CONJUNTURA ECONÔMICA 4 CARTEIRA SUGERIDA COMO FAZEMOS? 7 DESEMPENHO HISTÓRICO E ESTRATÉGIAS ADOTADAS 8 ESTRATÉGIAS ADOTADAS NO ANO DE 2010 9 HISTÓRICO

Leia mais

Ishares BM&F Bovespa Small Cap Fundo de Índice CNPJ nº 10.406.600/0001-08

Ishares BM&F Bovespa Small Cap Fundo de Índice CNPJ nº 10.406.600/0001-08 Ishares BM&F Bovespa Small Cap Fundo de Índice CNPJ nº 10.406.600/0001-08 (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) (CNPJ nº 33.868.597/0001-40) Demonstrações Financeiras

Leia mais

GTD PARTICIPAÇÕES S.A.

GTD PARTICIPAÇÕES S.A. GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

Edital de Audiência Pública SNC FUNDOS nº 01/11 Prazo:18/07/2011. Minuta de Norma Contábil Aplicável aos FII

Edital de Audiência Pública SNC FUNDOS nº 01/11 Prazo:18/07/2011. Minuta de Norma Contábil Aplicável aos FII Edital de Audiência Pública SNC FUNDOS nº 01/11 Prazo:18/07/2011 Minuta de Norma Contábil Aplicável aos FII Apresentação BM&FBOVESPA 12/07/2011 Disclaimer As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Prefácio Com a convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs Seção 35 - Adoção inicial (AI) 2 Primeiro conjunto de demonstrações contábeis no qual a entidade faz

Leia mais

Stock Guide Legendas 09.01.2015

Stock Guide Legendas 09.01.2015 Legendas 09.01.2015 EMPRESA TICKER PREÇO PREÇO ALVO UP SIDE RECOM. BETA VOLUME OSCILAÇÃO (%) YIELD (%) PAY BASE LUCRO LÍQUIDO EBITDA PATRIM. ENDIV. VALOR FIRM P/VPA P / L FV / EBITDA ROE (%) (R$) CCV (1)

Leia mais

29/04/2016 RETORNO TOTAL AOACIONISTA

29/04/2016 RETORNO TOTAL AOACIONISTA RETORNO TOTAL AOACIONISTA 29/04/2016 RIO DE JANEIRO - CENTRO : Praça Pio X, 55 11º andar Tel.: 21 2142-2100 / 21 2142-2121 RIO DE JANEIRO - BARRA : Av. das Américas, 500 Bloco 04 SL 304 Tel.: 21 3485-9670

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

Indicadores de Custo de Capital. Mensal

Indicadores de Custo de Capital. Mensal Indicadores de Custo de Capital Próprio Mensal Maio / 2014 INDICADORES CEMEC DE CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO APRESENTAÇÃO Uma das etapas mais relevantes no processo de avaliação de empresas, principalmente

Leia mais

Demonstrações Financeiras IFRS

Demonstrações Financeiras IFRS Demonstrações Financeiras IFRS Prof. Dr. Fábio Moraes da Costa Professor Associado da FUCAPE Business School Grupo Consultivo do International Accounting Education Standards Board (IAESB) Membro da delegação

Leia mais

Indicadores de Custo de Capital Próprio. Mensal

Indicadores de Custo de Capital Próprio. Mensal Indicadores de Custo de Capital Próprio Mensal Janeiro / 2015 INDICADORES CEMEC DE CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO APRESENTAÇÃO Uma das etapas mais relevantes no processo de avaliação de empresas, principalmente

Leia mais

Demonstrações Contábeis de 31 de Março de 2010 BR GAAP

Demonstrações Contábeis de 31 de Março de 2010 BR GAAP Demonstrações Contábeis de 31 de Março de 2010 BR GAAP Arquivada na CVM e na SEC em 05/05/10 Gerência Geral de Controladoria - GECOL Vale S.A. ÍNDICE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONDENSADAS Relatório dos

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras demonstrações financeiras 1 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Ao Conselho de Administração e aos Acionistas da Ultrapar Participações S.A. São Paulo SP Examinamos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

N º 112 > Janeiro de 2010 PERSPECTIVAS PARA 2010

N º 112 > Janeiro de 2010 PERSPECTIVAS PARA 2010 N º 112 > Janeiro de 2010 PERSPECTIVAS PARA 2010 p>2 SUMÁRIO CONJUNTURA ECONÔMICA PG 005 CARTEIRA SUGERIDA COMO FAZEMOS? PG 007 DESEMPENHO HISTÓRICO E ESTRATÉGIAS ADOTADAS PG 008 ESTRATÉGIAS ADOTADAS NO

Leia mais

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção Notas Explicativas Eduardo Assumpção 1 Notas Explicativas Os Casos Práticos que Serão Apresentados 4 Marco Regulatório da Convergência IFRS Pequenas e Médias Empresas I F R S P M E 5 Conteúdo Programático

Leia mais

50 IPOs: Bodas de Ouro do Mercado de Capitais brasileiro

50 IPOs: Bodas de Ouro do Mercado de Capitais brasileiro 50 IPOs: Bodas de Ouro do Mercado de Capitais o Abertura de Capital o Pessoas Físicas e Estrangeiros o Valorização no 1º Dia o Os Valores das Empresas: Múltiplos de Receita, EBITDA e Lucro Líquido o Riscos

Leia mais