SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES"

Transcrição

1 SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES Demonstrações Contábeis em 31 de março de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis

2 BEZ& ASSOCIADOS Auditores Ind ependentes RELATÓRIO DA REVISÃO ESPECIAL Aos Acionistas e Administradores da Sercomtel S.A Telecomunicações Londrina - PR Introdução Revisamos as informações contábeis intermediárias individuais da Sercomtel S.A Telecomunicações (Companhia), referentes ao trimestre findo em 31 de março de 2015, que compreendem o balanço patrimonial e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o trimestre findo naquela data, incluindo o resumo das principais políticas contábeis e as demais notas explicativas. A administração é responsável pela elaboração das informações contábeis intermediárias individuais de acordo com o pronunciamento técnico CPC 21 - Demonstração Intermediária, assim como pela apresentação dessas informações de forma condizente com as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários, aplicáveis à elaboração das Informações Trimestrais. Nossa responsabilidade é a de expressar uma conclusão sobre essas informações contábeis intermediárias com base em nossa revisão. Alcance da revisão Conduzimos nossa revisão de acordo com as normas brasileiras e internacionais de revisão de informações intermediárias (NBC TR Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor da Entidade e ISRE Review of Interim Financial Information Performed by the Independent Auditor of the Entity, respectivamente). Uma revisão de informações intermediárias consiste na realização de indagações, principalmente às pessoas responsáveis pelos assuntos financeiros e contábeis e na aplicação de procedimentos analíticos e de outros procedimentos de revisão. O alcance de uma revisão é significativamente menor do que o de uma auditoria conduzida de acordo com as normas de auditoria e, consequentemente, não nos permitiu obter segurança de que tomamos conhecimento de todos os assuntos significativos que poderiam ser identificados em uma auditoria. Portanto, não expressamos uma opinião de auditoria. Conclusão sobre as informações intermediárias individuais Com base em nossa revisão, não temos conhecimento de nenhum fato que nos leve a acreditar que as informações contábeis intermediárias individuais acima referidas não estão elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo com o CPC 21 aplicável à elaboração das Informações Trimestrais e apresentadas de forma condizente com as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários.

3 BEZ& ASSOCIADOS Auditores Ind ependentes Ênfases Conforme mencionado nas notas explicativas 10 e 11, a Companhia mantinha participação societária nas investidas Adatel TV e Comunicações Osasco S.A. e Adatel TV e Comunicações São José S.A., as quais encontram-se em processo de falência. Tendo em vista o processo falimentar, a Companhia vinha reconhecendo em suas demonstrações contábeis, provisão para perdas sobre eventuais passivos remanescentes. Em dezembro de 2014, a Companhia acatou parecer jurídico que trata da necessidade de reversão dos valores provisionados, tendo em vista que não há probabilidade de a Sercomtel vir a ser responsabilizada pelos passivos remanescentes de suas coligadas, atualmente, massas falidas. Como decorrência, a conta Provisão para Perdas com Investimentos, no passivo, foi diminuída em R$ mil e o resultado do exercício de 2014 aumentado em igual valor. Conforme mencionado na nota explicativa 21, a Companhia patrocina Plano de Suplementação de Aposentadoria e Pensões a seus empregados, por meio da SUPRE Fundação de Suplementação Previdenciária. No decorrer de 2014, a Companhia solicitou parecer atuarial independente, objetivando viabilizar a reversão dos valores mantidos nos fundos Coletivo Previdencial e Fundo Coletivo de Desligamento. A avaliação atuarial realizada indica que os valores de referidos fundos devem ser revertidos em favor da patrocinadora. Tendo em vista os estudos atuariais realizados, a Companhia reconheceu no resultado do exercício, a título de receita, o valor de R$ mil, sendo encaminhado Notificação Extrajudicial à Fundação, requerendo a adoção de medidas visando a devolução dos valores envolvidos. Conforme mencionado na nota explicativa 17, a Companhia possui ações judiciais pleiteando direito acionário, cuja opinião dos assessores jurídicos é de que a probabilidade de perda é provável, porém, sem condições de mensuração de um valor estimado para estas ações. O acionista majoritário solicitou à Câmara Municipal de Londrina, autorização legislativa para disponibilizar as ações preferenciais de sua propriedade na Sercomtel S.A Telecomunicações, recebendo a autorização por meio da Lei Municipal nº /2012. Em setembro/2013, o Município de Londrina outorgou poderes à Sercomtel para fazer a entrega das ações preferenciais aos proprietários que atendessem aos requisitos previstos na Lei nº11.640/2012. O prazo para entrega das ações é de 12 meses, prorrogáveis por mais 12 meses. Diante do compromisso assumido e demais medidas adotadas pela Prefeitura Municipal de Londrina e da impossibilidade de mensuração dos eventuais valores atribuíveis às ações, a Companhia constituiu provisão, somente, de determinados valores como: honorários de sucumbência e custas processuais relacionados aos processos com condenação provável, para a eventualidade de a Companhia ter que suportar esses valores. Outros assuntos Demonstração intermediária do valor adicionado Revisamos, também, a demonstração intermediária individual do valor adicionado, referente ao trimestre findo em 31 de março de 2015, cuja apresentação nas informações intermediárias é requerida de acordo com as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários aplicáveis à elaboração de Informações Trimestrais.

4 BEZ& ASSOCIADOS Auditores Ind ependentes Essa demonstração foi submetida aos mesmos procedimentos de revisão descritos anteriormente e, com base em nossa revisão, não temos conhecimento de nenhum fato que nos leve a acreditar que não está adequadamente elaborada, em todos os seus aspectos relevantes, em relação às informações contábeis intermediárias tomadas em conjunto. Maringá - PR, 30 de abril de 2015 BEZ Auditores Independentes S/S CRC PR 5.010/O-2 Valdemir Bez Contador CRC PR /O-2

5 SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MARÇO DE 2015 E 2014 (Em Milhares de Reais) ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades Contas a receber de clientes Estoques Impostos a recuperar Imposto de renda e contribuição social diferidos Sociedade ligada - - Despesas antecipadas Outros créditos NÃO CIRCULANTE Realizável a longo prazo Impostos a recuperar Créditos com empresas ligadas e controladas Adiantamentos para futuros aumentos de capitais Empréstimos a acionistas Depósitos judiciais Imposto de renda e contribuição social diferidos Demais realizáveis a longo prazo Investimentos Imobilizado Intangível As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

6 SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MARÇO DE 2015 E 2014 (Em Milhares de Reais) PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO CIRCULANTE Fornecedores Impostos, taxas e contribuições Parcelamento de impostos Pado Anatel Salários e encargos sociais Empréstimos e financiamentos Consignação em favor de terceiros Participação nos resultados NÃO CIRCULANTE Exigível a longo prazo Parcelamento de impostos Provisão para imposto de renda e contribuição social sobre reavaliação Provisão para contingências Plano de suplementação de aposentadoria e pensões Provisão para perdas com investimentos Empréstimos e financiamentos Contrato concessão/autorização Pado Anatel PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Capital social a integralizar (586) (15.000) Reserva de reavaliação Adiantamento para futuro aumento de capital-afac Ajustes de Avaliação Patrimonial (18.241) (20.635) Prejuízos acumulados ( ) ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

7 SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EM 31 DE MARÇO DE 2015 E 2014 (Em Milhares de Reais) RECEITA OPERACIONAL BRUTA Serviços de telecomunicações e venda de mercadorias DEDUÇÕES E IMPOSTOS SOBRE SERVIÇOS (13.177) (12.621) ICMS (10.622) (10.079) PIS/PASEP (454) (452) COFINS (2.093) (2.085) Vendas Canceladas (8) (5) - Receita operacional líquida CUSTO DOS SERVIÇOS PRESTADOS E DAS MERCADORIAS VENDIDAS (24.397) (22.251) Lucro bruto DESPESAS OPERACIONAIS (14.682) (11.340) Comercialização dos serviços (7.737) (6.310) Gerais e administrativas (7.730) (7.670) Outras despesas/receitas operacionais líquidas RESULTADO DE PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS Resultado de equivalência patrimonial Provisão para perdas com investimentos - (132) Resultado oper. antes do resultado financeiro (2.310) RESULTADO FINANCEIRO (514) (356) Despesas financeiras (1.896) (1.246) Receitas financeiras Lucro (Prejuízo) antes do imposto de renda e contribuição social (2.823) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 147 (453) Exercício - - Provisão p/ir 108 (329) Provisão p/cs 39 (124) Participação de empregados - - Lucro (Prejuízo) líquido do exercício (2.676) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

8 SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 31 DE MARÇO DE 2015 E 2014 (Em Milhares de Reais) Capital Social Reserva de Reavaliação Afac Ajuste de Avaliação Patrimonial Capital Social a Integralizar Prejuízos Acumulados Patrimônio Líquido Saldos em 31 de março de (20.635) (15.000) ( ) Lucro (Prejuízo) do exercício Capital social a integralizar Adiantamento para futuro aumento de capital - - (3.000) (3.000) Baixa de bens reavaliados - (191) (191) Baixa prov.do IR e CS s/bens reavaliados Realização da reserva de reavaliação - (799) Ajustes passivos atuariais Saldos em 31 de dezembro de (18.241) (586) ( ) Lucro (Prejuízo) do exercício (2.676) (2.676) Baixa de bens reavaliados Baixa prov.do IR e CS s/bens reavaliados Realização da reserva de reavaliação - (285) Saldos em 31 de março de (18.241) (586) ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

9 SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA EM 31 DE MARÇO DE 2015 E 2014 MÉTODO INDIRETO (Em Milhares de Reais) DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro (Prejuízo) liquido do exercício (2.676) Ajustes por: Depreciação Baixas do ativo imobilizado - 6 Provisão para baixa de imobilizado - (407) Rendimentos do realizável a longo prazo (519) - Provisão para perdas com investimento (203) 132 Provisão para contingências Resultado de participações societárias - (341) Contrato de concessão Variações no ativo circulante Aumento (Redução) em contas a receber de serviços ( - ) Prov.p/perdas (1.134) (30) Aumento (Redução) em estoques (917) 8 Aumento (Redução) em impostos a recuperar (568) (35) Aumento (Redução) em outros créditos Aumento (Redução) em outros direitos realizáveis (1.395) - Aumento (Redução) em despesas antecipadas - (1.399) (3.497) (1.247) Variações no passivo circulante Aumento (Redução) em pessoal, encargos e benefícios sociais 293 (3.033) Aumento (Redução) em fornecedores 251 (2.208) Aumento(Redução) em impostos, taxas e contribuições Aumento (Redução) de empréstimos e financiamentos (380) (51) Aumento (Redução) em consignação em favor de terceiros e outras obrigações (483) (717) Aumento (Redução) em provisão para contingência - - Aplicações no realizável a longo prazo (3.728) Redução (Aumento) no realizável a longo prazo - (121) Redução(Aumento) em depósitos judiciais e outros créditos 33 (153) Redução (Aumento) em adiantamento para futuro aumento de capital - (220) No exigível a longo prazo 33 (494) Redução (Aumento) no exigível a longo prazo (1.292) 420 Redução (Aumento) - parcelamento a longo prazo (ICMS/PASEP/COFINS) Redução (Aumento) - Pado Anatel Redução (Aumento) na transf. exigível a longo prazo p/curto prazo Redução (Aumento) - empréstimos e financiamentos (167) (547) Disponibilidades líquidas geradas pelas atividades operacionais ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Aplicações no imobilizado (4.294) (3.398) Disponibilidades líquidas geradas pelas atividades de investimentos (4.294) (3.398) Redução de caixa e equivalentes de caixa 15 (750) Saldo inicial dos equivalentes caixa Saldo final dos equivalentes caixa Redução de caixa e equivalentes de caixa 15 (750) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

10 SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO EM 31 DE MARÇO DE 2015 E 2014 (Em Milhares de Reais) RECEITAS Venda de serviços de telecomunicações Outras Receitas Operacionais Resultado não operacional 176 (62) (-) INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (20.214) (17.757) Insumos consumidos (576) (493) Outros insumos adquiridos (3.858) (3.111) Material e serviços de terceiros (15.780) (14.153) (=) VALOR ADICIONADO BRUTO (-) QUOTAS DE REINTEGRAÇÃO Depreciação e amortização (5.880) (6.545) (=) VALOR ADICIONADO LÍQUIDO (+) VALOR ADICIONADO TRANSFERIDO Receitas financeiras Resultado da equivalência patrimonial (=) VALOR ADICIONADO A DISTRIBUIR DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO: PESSOAL Remunerações Encargos sociais (exceto INSS) Entidade de previdência privada Auxílio alimentação Convênio assistencial e outros benefícios Custos imobilizados (22) (16) GOVERNO INSS (sobre folha de pagamento) (1.960) (1.694) ICMS Imposto de renda e contribuição social (147) 453 Outros FINANCIADORES Juros e variações cambiais Aluguéis ACIONISTAS (2.676) Resultados retidos (2.676) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

11 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (Em Milhares de Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL a) Da Companhia A Sercomtel S.A. Telecomunicações é uma sociedade por ações de economia mista, criada pela Lei Municipal de Londrina n.º 6.666, em 27 de junho de A Sercomtel tem como acionista majoritário a Prefeitura Municipal de Londrina. A principal atividade da Companhia é a exploração de serviços públicos de telecomunicações na modalidade do STFC Serviço de Telefonia Fixa Comutada, sob concessão da União Federal, a qual é vinculada, regulamentada e fiscalizada pela Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL. Possui autorização da Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL, para exploração STFC Serviço de Telefonia Fixo Comutada em todos os municípios do Estado do Paraná. A Sercomtel possui participação em outras empresas nos segmentos de Call Center e Provedor de Internet. A Companhia, até o exercício de 2013 também explorava a concessão de TV por assinatura via MMDS no município de Maringá PR pelo prazo de 15 anos a contar de Após a sanção pela Presidenta da República da Lei nº de 12 de setembro de 2011 onde, através da mesma possibilitou-se o processo de junção das operações de telefonia fixa e telefonia móvel, a Sercomtel instituiu um Grupo de Trabalho com a finalidade de avaliar a viabilidade da incorporação da Sercomtel Celular S.A pela Sercomtel S.A Telecomunicações. Após a aprovação do Projeto de Lei nº 389/2011 pela Câmara Municipal de Londrina, através da Lei de 05 de dezembro de 2011, o Prefeito do Município de Londrina sancionou a Lei que autoriza o processo de incorporação da Sercomtel Celular S.A pela Sercomtel S.A Telecomunicações. Através do Ato nº 5685, de 03 de outubro de 2012, o Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, aprovou a anuência prévia para a incorporação da Sercomtel Celular S.A. pela Sercomtel S.A. - Telecomunicações. A incorporação de fato da Sercomtel Celular S.A pela Sercomtel S.A Telecomunicações ocorreu no dia 31 de outubro de Através da Reunião de Diretoria nº. 697, realizada em 11/12/2013, foi deliberado pela descontinuidade da operação de TV por assinatura via MMDS, que ocorreu em 22/12/2013. b) Da Concessão Em 1998 a Companhia celebrou com a ANATEL, contrato de concessão do serviço telefônico fixo comutado local e de longa distância, outorgada a título gratuito. Em 22 de dezembro de 2005 este contrato foi prorrogado, ficando estabelecido seu término em 31 de dezembro de Este contrato prevê revisões em 31 de dezembro de 2010, 31 de dezembro de 2015 e 31 de dezembro de 2020 visando estabelecer novos condicionamentos, novas metas para universalização e para qualidade. De acordo com a legislação regulatória em vigor, integram o acervo da concessão, sendo a ela vinculados, os bens pertencentes ao patrimônio da Concessionária e que sejam indispensáveis à prestação do serviço concedido, especialmente aqueles qualificados no contrato de concessão, como abaixo: Infra-estrutura e equipamentos de comutação e transmissão incluindo terminais de uso público; Infra-estrutura e equipamentos de rede externa; Infra-estrutura de equipamentos de energia e ar condicionado; Infra-estrutura e equipamentos de centros de atendimento e de prestação de serviço; Infra-estrutura e equipamentos de sistemas de suporte a operação; Outros indispensáveis à prestação do serviço. No caso de risco à continuidade dos serviços ou no eventual impedimento da reversão dos bens vinculados à concessão, a ANATEL poderá negar autorização para utilização de bens

12 por terceiros ou exigir que o respectivo Contrato contenha cláusula pela qual o proprietário se obriga, em caso de extinção da concessão, a manter os Contratos e em sub-rogar a ANATEL nos mesmos direitos dele decorrentes. c) Das Atividades A Companhia iniciou suas atividades em 1º de setembro de 1996, quando recebeu, através da integralização inicial de capital efetuada pela Prefeitura Municipal de Londrina, o acervo líquido da autarquia Serviço de Comunicações Telefônicas de Londrina - Sercomtel. Atualmente a companhia presta o serviço telefônico fixo comutado, serviço de comunicação multimídia, serviço móvel pessoal e atua integradamente com a Sercomtel Participações S.A (anteriormente denominada Internet By Sercomtel S.A) cujos custos de suas estruturas operacional, administrativa e comercial são atribuídos às empresas de acordo com critérios de rateio definidos pela Administração da Companhia e que levam em consideração os correspondentes benefícios gerados. 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis foram elaboradas de forma individual com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil com observância às disposições da Lei das Sociedades por Ações (Lei nº 6.404/76) e de forma consolidada com base nas Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS), nos padrões da Lei nº /07 e Lei nº /09 e dos pronunciamentos contábeis emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). A companhia, voluntariamente, com o intuito de fornecer maior transparência de suas operações, inclui na divulgação de suas demonstrações contábeis a demonstração do valor adicionado (DVA), que tem o objetivo de demonstrar o valor da riqueza gerada pela Companhia, a sua distribuição entre os elementos que contribuíram para a geração dessa riqueza, tais como empregados, financiadores, acionistas, governos e outros, e a parcela da riqueza não distribuída. 3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS As principais práticas contábeis adotadas pela Companhia são: a) Reapresentação das Demonstrações Contábeis Consolidadas do exercício de 2013 Conforme mencionado na Nota Explicativa 11 Investimentos, as investidas Adatel TV e Comunicações Osasco S.A. e a Adatel TV e Comunicações São José S.A., tiveram sua falência decretada. Tendo em vista que a relação societária entre a Companhia e referidas investidas deixou de existir, na consolidação das Demonstrações Contábeis do Exercício de 2014, referidas investidas não foram consideradas. Visando permitir melhor comparabilidade entre as Demonstrações Contábeis dos exercícios de 2014 e 2013, a Administração optou por reapresentar as Demonstrações Consolidadas do exercício de 2013, excluindo os valores provenientes de tais investidas

13 b) Apresentação das demonstrações contábeis Os ativos e passivos são classificados como circulante quando sua realização ou liquidação ocorrer nos próximos doze meses. Caso contrário, são demonstrados como não circulantes. c) Mensuração da receita Conforme o pronunciamento técnico CPC 30 (R1) item 9, a receita deve ser mensurada pelo valor justo da retribuição recebida ou a receber. Portanto as mesmas são mensuradas de acordo com o período de realização do serviço, e são valoradas pelas tarifas na data da prestação dos serviços incluindo, também, os serviços prestados aos clientes que ainda não foram faturados. d) Benefícios aos empregados Baseado nas especificações do pronunciamento técnico CPC 33 (R1), aprovado pela Deliberação CVM nº 695/12, são calculados anualmente por atuário independente, com data base que coincide com o encerramento do exercício. Os ganhos ou perdas atuariais, motivados por alterações de premissas e/ou ajustes atuariais, no exercício de 2013, momento de transição de normas que regulam a matéria, foram reconhecidos em outros resultados abrangentes. A Sercomtel patrocina para seus colaboradores um plano de Previdência Complementar, administrado pela Supre Fundação de Suplementação de Aposentadoria, estruturado na modalidade de benefícios definidos. O Plano Misto de Benefícios previdenciários é custeado por contribuições dos Participantes Ativos, Participantes Auto-patrocinados, Participantes Vinculados, Participantes Assistidos e Patrocinadoras, considerando os seguintes benefícios: Renda Mensal de Aposentadoria; Renda Mensal de Aposentadoria por invalidez; Renda Mensal de Pensão por Morte; Renda Mensal de Auxílio-Doença; Abono Anual; Pecúlio por Morte. e) Aplicações financeiras São demonstradas ao custo acrescido dos rendimentos auferidos até a data do balanço. f) Contas a receber de clientes São valoradas pelas tarifas na data da prestação dos serviços incluindo, também, os serviços prestados aos clientes que ainda não foram faturados. A provisão para devedores duvidosos é constituída com base na análise dos créditos a receber, face aos riscos envolvidos, cujo montante é considerado suficiente pela Administração para cobrir prováveis perdas na sua realização. g) Estoques Estão avaliados ao custo médio de aquisição, ajustados ao valor de realização, quando aplicável

14 h) Investimentos Conforme pronunciamento técnico CPC 18, os investimentos em coligadas e controladas são avaliados pelo método de equivalência patrimonial, incluindo provisão para perdas em investimentos, quando necessária. i) Imobilizado Demonstrado ao custo de aquisição ou construção, acrescido de reavaliação registrada em A depreciação é calculada em função da vida útil estimada dos bens, revisada de acordo com os laudos técnicos, em conformidade com o pronunciamento técnico CPC 27 Ativo Imobilizado. j) Intangível Está demonstrado pelo custo de aquisição. As amortizações são calculadas pelo método linear de acordo com a vida útil estimada, em conformidade com o pronunciamento técnico CPC 27 Ativo Imobilizado. k) Demais ativos circulantes e não circulantes Os demais ativos são apresentados ao valor de custo ou de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos, as variações monetárias auferidas e a provisão para perdas. l) Tributos (Impostos e Contribuições) As receitas de vendas e serviços, em sua maioria, estão sujeitas a tributação pelo ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. Parte de suas receitas está sujeitas ao ISS Imposto sobre Serviços e são calculadas às alíquotas vigentes, assim como a tributação pelo PIS/PASEP Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público e COFINS Contribuição para Financiamento da Seguridade Social, onde há a incidência nos dois regimes de tributação, ou seja, cumulativo e não-cumulativo. Também, parte de suas receitas são tributadas pelo FUST (Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações e FUNTTEL (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações). A tributação sobre o lucro compreende o imposto de renda e a contribuição social, que são calculados com base nos resultados tributáveis (lucro ajustado), às alíquotas vigentes. O imposto de renda e a contribuição social diferidos são calculados sobre as diferenças temporárias entre o lucro das demonstrações financeiras e o lucro para fins fiscais, com base nas alíquotas vigentes e na extensão de sua provável realização. m) Estimativas Contábeis A preparação de demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a Administração da Companhia se baseie em estimativas para o registro de certas transações que afetam os ativos e passivos, as receitas e despesas, bem como a divulgação de informações sobre dados das suas demonstrações contábeis. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos estimados, devido a premissas utilizadas inerentes ao processo de sua determinação. A Companhia revisa periodicamente essas estimativas e premissas

15 n) Demais passivos circulantes e não circulantes São demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridos. o) Informação por Segmento A Sercomtel S.A. Telecomunicações opera o STFC - Serviço Telefônico Fixo Comutado, o SCM Serviço de Comunicação Multimídia e o SMP Serviço Móvel Pessoal, compreendendo a prestação dos serviços de telefonia fixa local, longa distância nacional e internacional, transmissão de dados por linha dedicada, banda larga, serviço móvel celular e outros, segmentado geograficamente no Paraná tendo como matriz a cidade de Londrina. Atualmente também está operando o STFC nas cidades de Cambé, Ibiporã, Rolândia, Arapongas, Apucarana, Maringá, Cornélio Procópio, Astorga, Mandaguari, Nova Esperança, Jandaia do Sul, Curitiba, Jataizinho, Bandeirantes, Santo Antônio da Platina, Jacarezinho, Ponta Grossa, Cascavel, Pato Branco, Irati, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Ivaiporã e Cianorte, seja de forma independente ou sinergicamente em parceria com sua sócia COPEL Companhia Paranaense de Energia. Assim como nas cidades acima, a companhia esta em contínuo processo de avaliação da possibilidade de expandir sua exploração do STFC Serviço de Telefonia Fixa Comutada para outras localidades no Estado do Paraná. 4. DISPONIBILIDADES Caixa Banco conta movimento Aplicações financeiras As aplicações financeiras estão compostas substancialmente em fundos e possuem remuneração média de 99% do CDI Certificado de Depósito Interbancário. 5. CONTAS A RECEBER Em 31 de março o saldo de contas a receber está apresentado da seguinte forma: Controladora Contas a receber de particulares Contas a receber de autarquias Detraf Parcelamento a receber Contas a faturar Outros (-) Provisão para crédito liquidação duvidosa (6.324) (6.324)

16 A provisão para créditos de liquidação duvidosa é calculada levando-se em consideração o percentual acumulado das perdas efetivas ocorridas nos últimos 11 meses, visto que após 360 dias são consideradas como perdas. 6. ESTOQUES Material de consumo Aparelhos Acessórios e outros IMPOSTOS RECUPERAR Imposto de renda Contribuição social Imposto sobre circulação de mercadorias e prestação de serviços - ICMS Imposto de renda retido na fonte Pasep e Cofins Outros No ativo circulante No ativo não circulante O imposto de renda e contribuição social referem-se a créditos de exercícios anteriores e do primeiro trimestre de 2015, relacionados a pagamentos de IR e CS por estimativa e de retenções de órgãos públicos. Os créditos relativos à ICMS referem-se a recuperação de créditos do ativo imobilizado e demais apropriações. O imposto de renda retido na fonte decorre dos rendimentos auferidos nos contratos de mútuos e aplicações financeiras. Os créditos relativos à COFINS e PASEP, referem-se à retenções realizadas sobre os serviços de telecomunicações prestados à órgãos públicos e compra de aparelhos ou acessórios para revenda, além de créditos proporcionados pela aplicação das regras do EFD-PIS/COFINS

17 8. IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL CORRENTE E DIFERIDO 8.1. Imposto de renda e contribuição social correntes Imposto de Renda Contribuição Social (Prejuízo) Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social (2.823) (2.823) Adições de despesas indedutíveis Exclusões de reversões de provisões (8.788) (14.415) - (14.415) Lucro fiscal (2.168) (2.823) Compensação de prejuízo fiscal não operacional Lucro real após compensação de prejuízo fiscal (2.168) (2.823) Imposto devido (-) Incentivo fiscal - PAT/outros Tributos correntes Tributos reavaliados (108) (123) (39) (45) Tributos diferidos Imposto de renda e contribuição social diferidos O imposto de renda e a contribuição social diferidos sobre as adições temporárias e sobre o saldo de prejuízos fiscais e base negativa, foram constituídos com base nas alíquotas vigentes, tendo a seguinte composição: Imposto de renda Contribuição social Provisões não dedutíveis Provisã o para devedores duvidosos Provisã o para contingências Provisã o para baixa de ativo imobilizado Provisã o contrato concessão/au torização Provisã o para perda e m investimento Imposto de renda e Contribuição social sobre as provisões temporárias Ativo circulante Ativo não circulante A companhia contabiliza imposto de renda e contribuição social diferido calculado às taxas vigentes. Os tributos sobre os planos de suplementação de aposentadoria e pensões estão sendo realizados de acordo com a avaliação atuarial preparada anualmente por atuário independente, em conformidade com as regras estabelecidas pela Deliberação CVM nº 695/2012 que aprovou o CPC 33 (R1). Os tributos diferidos sobre as demais provisões serão realizados em virtude das decisões judiciais na extensão de sua provável realização

18 9. DEPÓSITOS JUDICIAIS A Companhia e suas controladas possuem depósitos judiciais, que, de acordo com a natureza correspondem: Descrição Cíveis Tributárias Trabalhistas A Companhia possui valores em litígio de natureza tributária junto a Anatel Agência Nacional de Telecomunicações referente ao Fust Fundo de Universalização Serviços Telecomunicações, e outras ações judiciais relativas a questões originadas de sanções em processos administrativos da ANATEL. Os demais depósitos são de natureza trabalhista. 10. PARTES RELACIONADAS 10.1 Empréstimos a acionistas Referem-se a empréstimos concedidos à Prefeitura Municipal de Londrina, sobre os quais são auferidos rendimentos com base na variação do CDI Certificado de Depósito Interbancário, onde, conforme acordo entre os acionistas, foram amortizados com lucros da companhia na razão de retenção de 100% dos dividendos e 50% dos juros sobre o capital próprio. A companhia ingressou com ação judicial contra o Município visando a obtenção do pagamento deste empréstimo Créditos com empresas controladas Empresas controladas ADATEL TV e Comunicações Osasco S.A ADATEL TV e Comunicações São José S.A Companhia Nacional de Call Center Sercomtel Participações S.A Estes saldos eram substancialmente representados por contratos de mútuo com a finalidade de garantir o fluxo financeiro para pagamento das despesas correntes das controladas ADATEL TV e Comunicações Osasco S.A., ADATEL TV e Comunicações São José S.A., Companhia Nacional de Call Center ASK e Sercomtel Participações S.A. (anteriormente denominada Internet By Sercomtel S.A.). Em 21 de outubro de 2013, foi deferido o pedido de falência da controlada ADATEL TV e Comunicações Osasco S.A e em 24 de abril de 2014, foi deferido o pedido de falência da Adatel TV e Comunicações São José S.A. Em decorrência do deferimento das falências, os valores dos contratos de mútuo foram baixados em sua totalidade, bem como foi constituída provisão para os passivos remanescentes na sua integralidade de acordo com as informações recebidas do liquidante

19 Porém, em dezembro de 2014, a Administração acatou parecer jurídico relacionado a reversão dos valores provisionados para fazer frente aos eventuais passivos remanescentes, conforme aprovação da Diretoria que na Redir nº 749, que ratificou o teor do parecer jurídico, tendo em vista que não há probabilidade de a Sercomtel vir a ser responsabilizada pelos passivos remanescentes de suas coligadas, atualmente, massas falidas. Assim, a conta Provisão para Perdas com Investimentos, no passivo, foi diminuída em R$ mil, enquanto e o resultado do exercício aumentado em igual valor Adiantamentos para futuro aumento de capital AFAC ADATEL TV e Comunicações São José S.A CIA Nacional Call Center Em decorrência do deferimento da falência da ADATEL TV e Comunicações Osasco S.A., o valor do AFAC até então mantido, foi baixado em sua totalidade. Quanto a ADATEL TV e Comunicações São José S.A., foi constituída a provisão para perda do valor do AFAC no ano de 2013, tendo sido baixado em sua totalidade pelo deferimento do pedido de falência em Abril/2014. No exercício de 2014 foi realizado novo aporte financeiro a título de AFAC Adiantamento para futuro aumento de capital para a Companhia Nacional de Call Center ASK!, cujo ato foi deliberado através da 692ª Reunião de Diretoria, e ratificadas pela 252ª Reunião do Conselho de Administração Contas de resultado com empresas coligadas, controladas e com controladores Receitas financeiras Outras receitas operacionais As receitas financeiras referem-se aos juros de confissão de dívida com a Companhia Nacional de Call Center e atualização do adiantamento de empréstimo junto a Prefeitura Municipal de Londrina. Outras receitas operacionais referem-se ao suporte corporativo junto a Sercomtel Participações S.A. 11. INVESTIMENTOS Investimentos em controladas Incentivos fiscais

20 11.1.Investimentos em controlada Cia Nacional Sercomtel Call Center Participações Total Participação: No capital total - % 89,72 100,00 No capital votante - % 48,97 100,00 Informações das empresas controladas: Patrimônio líquido ajustado Lucro (Prejuízo) líquido do trimestre Saldo em 31 de dezembro de 2014 Em investimento (ativo) Em provisão para perda com investimentos Saldo em 31 de março de 2015 Equivalência Patrimonial 213 (9) 204 Em investimento (ativo) A Companhia decidiu alienar seus direitos societários nas empresas coligadas Adatel TV e Comunicações Osasco S.A. e Adatel TV e Comunicações São José S.A. Esta medida foi aprovada por seus acionistas. Em 24 de maio de 2013, ocorreu o Leilão de Oferta Pública de ambas empresas, porém em função do não comparecimento de empresas interessadas, referido leilão foi considerado deserto. Tendo em vista o insucesso na tentativa de venda das empresas, a Diretoria Colegiada em reunião realizada em 29 de maio de 2013, deliberou pela aprovação de proposta de Dissolução, Liquidação e Extinção das empresas Adatel TV e Comunicações Osasco S.A. e Adatel TV e Comunicações São José S.A, sendo que em 22 de julho de 2013, foi nomeado o liquidante das empresas. Em 21 de outubro de 2013, foi decretada a falência da Adatel TV e Comunicações Osasco S.A., conforme Processo nº e em 24 de abril de 2014, foi decretada a falência da Adatel TV e Comunicações São José, conforme Processo n Através destes instrumentos foram efetuadas a baixa das Confissões de Dividas, AFAC`s e as Provisões para Perdas de Investimentos, bem como constituída provisão para os passivos remanescentes. Porém, em dezembro de 2014, a Administração acatou parecer jurídico relacionado a reversão dos valores provisionados para fazer frente aos eventuais passivos remanescentes, conforme aprovação da Diretoria que na Redir nº 749, que ratificou o teor do parecer jurídico, tendo em vista que não há probabilidade de a Sercomtel vir a ser responsabilizada pelos passivos remanescentes de suas coligadas, atualmente, massas falidas. Assim, a conta Provisão para Perdas com Investimentos, no passivo, foi diminuída em R$ mil, enquanto e o resultado do exercício aumentado em igual valor

SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES

SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES SERCOMTEL S.A TELECOMUNICAÇÕES Demonstrações Contábeis em 30 de setembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis RELATÓRIO DA REVISÃO ESPECIAL Aos Acionistas e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S.

Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S. Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S.A) com Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2014 - SÃO PAULO TURISMO S. A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2014 - SÃO PAULO TURISMO S. A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2009 e ao Período de 13 de Maio a 31 de Dezembro de 2008 e Parecer

Leia mais

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 DUDALINA S/A BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO DE 2014 (Valores expressos em milhares de reais) Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70

RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70 RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70 RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Acionistas: Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas. as Demonstrações Contábeis

Leia mais

GMAC Administradora de Consórcios Ltda.

GMAC Administradora de Consórcios Ltda. GMAC Administradora de Consórcios Ltda. Demonstrações Financeiras Referentes ao Semestre Findo em 30 de Junho de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma. GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma. GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. com Parecer dos Auditores Independentes DFC-81 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS PRO FORMA Índice Parecer dos Auditores

Leia mais

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota

Leia mais

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo

Leia mais

BICICLETAS MONARK S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) A T I V O

BICICLETAS MONARK S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) A T I V O BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 A T I V O CIRCULANTE 2013 2012 2013 2012 Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 108.366 121.409 154.076 169.588 Investimentos temporários (Nota 7)

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2014 - NSG FINPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2014 - NSG FINPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes

METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes 1 Informações gerais A Metrobus Transporte Coletivo S.A., constituída

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 e 2012 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Desenvolvimento de

Leia mais

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Relatório dos Auditores Independentes sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados em 31 de dezembro de 2007 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de

Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro de 2013 Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013 KPDS 110896 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais 6 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações das mutações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011

METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011 METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras da Metalúrgica Duque S/A, referentes

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Fronteira Oeste Transmissora de Energia S/A FOTE

Demonstrações Financeiras Intermediárias Fronteira Oeste Transmissora de Energia S/A FOTE Demonstrações Financeiras Intermediárias Fronteira Oeste Transmissora de Energia S/A FOTE 31 de março de 2016 com o relatório dos Auditores Independentes sobre a revisão das Demonstrações Financeiras Intermediárias.

Leia mais

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014

J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de setembro de 2013

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de setembro de 2013 KPDS 72541 em 30 de setembro de 2013 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações

Leia mais

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 31 de março de

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 31 de março de Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 31 de março de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre a

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

Almart Administração e Participações S.A. e controladas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores

Almart Administração e Participações S.A. e controladas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores Almart Administração e Participações S.A. e controladas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

LOCALIZA RENT A CAR S.A.

LOCALIZA RENT A CAR S.A. Informações Trimestrais 30 de setembro de 2013 Localiza LOCALIZA RENT A CAR S.A. CNPJ/MF 16.670.085/0001-55 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A.

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E 2006 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - CONSTRUTORA TENDA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - CONSTRUTORA TENDA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais