TEMPO PARTICIPAÇÕES S.A. Instrução CVM nº 480 Item 10 Comentários dos Diretores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEMPO PARTICIPAÇÕES S.A. Instrução CVM nº 480 Item 10 Comentários dos Diretores"

Transcrição

1 TEMPO PARTICIPAÇÕES S.A. Instrução CVM nº 480 Item 10 Comentários dos Diretores 10.1 Os diretores devem comentar sobre: a. Condições financeiras e patrimoniais gerais A Diretoria da Companhia entende que a mesma apresenta condições financeiras e patrimoniais suficientes para implementar o seu plano de negócio. b. Estrutura de capital e possibilidade de resgate de ações ou quotas A Diretoria entende que a atual estrutura de capital, mensurada como relação entre capitais próprios e de terceiros é pouco alavancada, principalmente, pelo fato da Companhia não possuir empréstimos e/ou financiamentos, operando com recursos próprios e com passivos operacionais, em sua maioria, de curto prazo. c. Capacidade de pagamento em relação aos compromissos financeiros assumidos Considerando o perfil de nosso fluxo de caixa, acreditamos que temos liquidez e recursos de capital suficientes para cobrir os investimentos, despesas, dívidas e outros valores a serem pagos nos próximos anos, embora não possamos garantir que tal situação permanecerá igual. Caso seja necessário contrair empréstimos para financiar nossos investimentos e aquisições, acreditamos ter a capacidade para contratá-los adequadamente. d. Fontes de financiamento para capital de giro e para investimentos em ativos nãocirculantes utilizadas Atualmente a Companhia utiliza como fonte de financiamento para capital de giro e para investimentos em ativos não-circulantes recursos próprios. e. Fontes de financiamento para capital de giro e para investimentos em ativos nãocirculantes que pretende utilizar para cobertura de deficiências de liquidez Atualmente a Companhia possui recursos próprios suficientes para financiamento de capital de giro sem necessidade de financiamento. f. Níveis de endividamento e as características de tais dívidas A Companhia não detém empréstimos e/ou financiamentos com terceiros. g. Limites de utilização dos financiamentos já contratados A Companhia não detém empréstimos e/ou financiamentos com terceiros. h. Alterações significativas em cada item das demonstrações financeiras Resultado financeiro consolidado dos anos de 2007 a

2 R$MM x x 08 Receita Bruta % 2.2% Impostos (31.0) (42.1) (39.1) 35.5% -7.1% Receita Líquida % 2.7% Custo dos Serviços Prestados (395.1) (508.3) (511.1) 28.6% 0.6% Despesas Gerais e Administrativas (159.3) (177.3) (205.9) 11.3% 16.2% Ebitda % -35.5% Margem Ebitda 2.1% 4.5% 2.8% 2.4 p.p p.p. Depreciação e Amortização (6.4) (7.7) (8.5) 20.9% 10.5% Amortização de Ágio (87.3) (12.7) % - Equivalência Patrimonial (0.2) 446.7% % Baixa por Impairment - (154.2) (13.3) % Resultado financeiro % -40.3% Receitas financeiras % -48.4% Despesas financeiras (2.8) (14.2) (5.2) 403.0% -63.6% Despesas de imposto de renda e contribuição social (9.2) (31.8) (12.8) 247.3% -59.7% Corrente (3.2) (19.0) (6.8) 499.5% -64.4% Diferido (6.0) (12.8) (6.1) 113.9% -52.8% Lucro Liquido (89.7) (141.9) % - Margem Líquida (%) -15.8% -19.7% 0.4% -3.9 p.p p.p. Receita Bruta: Apresentou crescimento de 27,4% em 2008 e 2,2% em 2009 devido ao crescimento das operações da Companhia (crescimento orgânico) assim como em razão das aquisições realizadas ao fim do ano de 2007 e durante o ano de Receita Líquida: Apresentou crescimento de 27,0% em 2008 e 2,7% em 2009 devido ao crescimento das operações da Companhia (crescimento orgânico) assim como em razão das aquisições realizadas ao fim do ano de 2007 e durante o ano de Custos dos Serviços Prestados: Apresentou crescimento de 28,6% em 2008 e 0,6% em Uma vez que os custos dos serviços prestados são de natureza variável, seu crescimento é explicado pelo crescimento de receita da Companhia. Despesas Gerais e Administrativas: As despesas gerais e administrativas da Companhia apresentaram crescimento de 11,3% e 16,2% em 2008 e 2009 respectivamente. Tal aumento está detalhado na tabela abaixo e é derivado, entre outros fatores, (1) das aquisições realizadas nos anos de 2007 e 2008; (2) dos investimentos da Companhia em recrutamento de pessoal altamente qualificado; (3) da constituição de uma provisão para devedores duvidosos de R$ 40,2 milhões no ano de R$MM x07 09x08 SG&A das Unidade de Negócios (159.3) (177.2) (205.9) 11.3% 16.2% Despesas com pessoal (71.0) (95.8) (100.3) 35.1% 4.6% Despesas gerais e administrativas (65.0) (61.5) (56.0) -5.4% -8.9% Despesas com comercialização (17.6) (14.3) (19.0) -19.1% 33.2% Despesas tributárias (0.5) (1.6) (1.2) 0.0% -25.4% Outras receitas (despesas) operacionais (5.1) (4.0) (29.4) -22.9% 642.1% Depreciação e Amortização: As variações no saldo de depreciações e amortizações não foram representativas e são explicadas pelo crescimento da Companhia nos anos de 2008 e 2009, tanto por meio de aquisições como de forma orgânica. 2

3 Amortização de Ágio: O valor de 2007 refere-se ao ajuste do ágio constituído na aquisição da controlada USS ao valor de seu benefício fiscal. O valor de 2008 refere-se, substancialmente, às amortizações de ágios de empresas adquiridas entre os anos de 2007 e Baixa por Impairment Refere-se ao ajuste do ágio gerado em aquisições de investimentos ao seu valor recuperável, baseando-se na capacidade de geração de lucros futuros de tais investimentos. Resultado Financeiro O resultado financeiro da Companhia, tanto em 2008 quanto em 2009, foi influenciado pela aplicação dos recursos captados na oferta primária de ações da Companhia realizada em dezembro de Programa de Recompra: A Tempo concluiu o seu primeiro Programa de Recompra durante o 4T08. Durante o programa, foram compradas ações totalizando um investimento de R$22,2MM. Todas ações foram mantidas em tesouraria durante o programa de recompra e canceladas no livro escriturador após término do programa no dia 05/12/08. Ato subsequente, deu-se o inicio ao segundo Programa de Recompra, com direito a compra de 10% do novo Free Float durante 365 dias. Até dezembro, a Tempo comprou um total ações, representando um investimento de R$ 20,4 milhões, estas ações permanecem em tesouraria Os diretores devem comentar: a. Resultados das operações do emissor O ano de 2009 foi muito importante para a Companhia, com grandes avanços na estruturação dos seus processos, implantação de sistemas especializados na gestão de seus negócios e, principalmente, com a assinatura do memorando de entendimentos para a aquisição da totalidade do capital social do Unibanco Saúde. Até o momento, a Tempo Assist só atua no segmento de saúde pós-pagamento. Após a aprovação pela Agência Nacional de Saúde (ANS) a Tempo Assist irá atuar também no mercado de planos de pré-pagamento, passando a oferecer a mais completa plataforma de soluções em saúde do Brasil. Ainda em 2009 a Tempo Assist reforçou seu time com pessoas com vasta experiência no mercado de serviços, implementou o software de gestão SAP e reposicionou sua marca. Para 2010, as perspectivas são bastante animadoras, visto que a melhora contínua de processos e produtos criam uma sólida plataforma para sustentar o crescimento dos próximos anos. No mercado de assistências, a Companhia fechou parcerias importantes para a comercialização de assistências especializadas diretamente ao consumidor final, utilizando a base de clientes e o meio de pagamento de seus parceiros. Dessa maneira, a Tempo Assist pretende atingir o mercado de pessoas, veículos e residências não-segurados, um universo ainda maior do que o mercado de seguros no país. No segmento de saúde, a Tempo Assist vem estruturando uma ampla rede de corretores para iniciar uma ação comercial agressiva, que oferecerá o mais completo portfólio de serviços do mercado de saúde, permitindo a seus clientes optarem por serviços de seguro, backoffice de operações de saúde, administração de planos de saúde, pós-pagamento e homecare. Por fim, o segmento de planos odontológicos deverá se beneficiar do alto crescimento do mercado em que está inserido e continuará sua estratégia de expansão através de parcerias com canais massificados de comercialização. A grande novidade para o ano de 2010 é a implantação de um único sistema operacional desenvolvido internamente, que permitirá à 3

4 Tempo Assist ter uma das plataformas operacionais mais sofisticadas do mercado de planos odontológicos no Brasil. Em termos de perspectivas macroeconômicas, o avanço da economia nacional pode favorecer os segmentos em que a Companhia atua de forma direta, principalmente com o esperado aumento no número de empregos formais, por conta da retomada das contratações pela indústria, aumento do PIB e dos gastos relacionados à saúde. O rendimento médio da população ocupada em 2009 também alcançou recorde, com tendência de alta em 2010, favorecendo nossos segmentos, já que os gastos com Saúde e Assistências estão diretamente ligados ao crescimento da renda familiar. Em resumo, a Tempo Assist entende que 2009 foi um ano de fundamental importância para que a empresa se preparasse para os desafios de crescimento que possui nos próximos anos e se capacitasse ainda mais a trazer satisfação e bem estar a todos os seus clientes. Como resultado disso, a Companhia acredita que 2010 deverá ser um ano onde a Tempo Assist se beneficiará de suas novas avenidas de crescimento e de seus processos mais estruturados para atingir seus objetivos de forma sólida e alinhada à sua missão e valores corporativos. b. Variações das receitas atribuíveis a modificações de preços, taxas de câmbio, inflação, alterações de volumes e introdução de novos produtos e serviços Nossas atividades, situação financeira, receitas e resultados operacionais poderão vir a ser prejudicados de maneira relevante por modificações nas políticas ou normas que envolvam ou afetem certos fatores, tais como: taxa de juros; inflação; liquidez dos mercados financeiros e de capitais; política fiscal; e outros acontecimentos políticos, sociais e econômicos. c. Impacto da inflação, da variação de preços dos principais insumos e produtos, do câmbio e da taxa de juros no resultado operacional e no resultado financeiro do emissor Risco de mercado e concorrência Risco de flutuação dos custos odontológicos - sinistralidade Risco de crédito Risco de taxa de juros dos instrumentos financeiros: Risco de liquidez 10.3 Os diretores devem comentar sobre os efeitos relevantes que os eventos abaixo tenham causado ou se espera que venham a causar nas demonstrações financeiras da companhia e em seus resultados: a. Introdução ou alienação de segmento operacional Não Aplicável 4

5 b. Constituição, aquisição ou alienação de participação societária Participação no capital social das principais investidas em 31 dezembro - % Descrição Ações/cotas Direta Indireta Direta Indireta Controladas USS Cotas 100,00 100,00 CM-CRC Cotas 99,99 99,99 Gama Saúde Cotas 99,99 99,99 Efectiva Cotas 99,99 99,99 Med-Lar Cotas 99,99 0,01 99,90 0,10 Odonto Empresas Cotas 99,99 99,99 Adem Ordinárias 99,99 99,99 Praia do Imbassaí (i) Cotas 100,00 100,00 Prevdonto Cotas 100,00 100,00 Coligadas Multicare Cotas 49,00 49,00 Presdental Ordinárias 49,00 49,00 (i) Sociedade denominada Praia do Imbassaí Participações Ltda. que detém a participação na Multicare. A Companhia detém, de forma indireta por meio de sua controlada USS, participação de 50% no Consórcio Dia e Noite ("Consórcio" ou "CDN"), cujo único objetivo é executar o contrato de prestação de serviços de assistência nos ramos de veículos, pessoas, lar e outros. Adicionalmente, a Companhia detém também, por meio de sua controlada USS, participação de 50% no Consórcio Assistência Viagem ("CAV"), com o objetivo de executar a prestação dos serviços de assistência às viagens para clientes do mercado "B2B" (business to business), nele compreendidos seguradoras, operadoras de planos de saúde e empresas públicas ou privadas, e ao mercado "B2B2C" (business to business to consumer), composto por corretoras, empresas administradoras de cartões de crédito e concessionárias de serviços públicos Principais Aquisições realizadas: Descrição Ações/ cotas Participação adquirida no capital social - % Odonto Empresa Ordinárias 60 Prevdonto Cotas 100 Staff Serviços de Home Care S.A. ("Staff") Ordinárias 100 Adem Cotas 100 Presdental Ordinárias 49 Maxi Care Ordinárias 100 Multicare Cotas 49 5

6 Em maio de 2007, a Gama Odonto S.A. (sucedida por incorporação pela Odonto Empresas) adquiriu a carteira de clientes da Associl Assessoria de Saúde em Odontologia ao Comércio e Indústria Ltda., a qual foi celebrada sob a condição suspensiva da aprovação da ANS. Em novembro de 2009, a Odonto Empresas recebeu um ofício da ANS ratificando a transferência da carteira de clientes da Associl para a Odonto Empresas. Em outubro de 2007, a Companhia adquiriu, de forma indireta, 40% da Odonto Empresa Convênios Dentários Ltda. Em 9 de maio de 2008, mediante a aprovação da ANS, adquiriu a totalidade das ações da Odonto Empresa. Em novembro de 2007, a Companhia adquiriu, por meio de sua controlada direta Efectiva Saúde Gerenciada Ltda., 100% do capital social da Med-Lar Internações Domiciliares Ltda. Em dezembro de 2007, a Companhia concluiu a Oferta Pública de Ações no montante de R$ , mediante a emissão de ações ordinárias nominativas, escriturais e sem valor nominal. Em 15 de maio de 2008, a Companhia adquiriu, de forma indireta, ações representativas de 10% do capital social da Maxi Care Odontologia Empresarial S.A ( Maxi Care ). Em 30 de setembro de 2008, mediante a aprovação da ANS, adquiriu a totalidade das ações da Maxi Care. Em 21 de maio de 2008, a Companhia concluiu, de forma indireta, a aquisição de 100% das ações representativas do capital social da Staff Serviços de Home Care S.A. Em 29 de maio de 2008, a Companhia concluiu, de forma indireta, a aquisição de 100% das ações representativas do capital social da Adem Assistência Dentária Empresarial S/C Ltda. Em 6 de junho de 2008, a Companhia adquiriu, de forma indireta, 49% das cotas representativas do capital social do Plano de Assistência Odontológica Unidonto Ltda ( Prevdonto ). Em 30 de setembro de 2008, mediante a aprovação da ANS, adquiriu a totalidade das ações da Prevdonto. Em 22 de julho de 2008, a Companhia adquiriu, de forma indireta, ações representativas de 49% do capital social da Presdental Assistência Odontológica Empresarial S.A. Uma vez que seja concedida a autorização pela ANS à transferência de controle, a Companhia adquirirá, também de forma indireta, adicionais 6% do capital social da Presdental, com o que passará a deter 55% do seu capital social. Em 31 de agosto de 2008, a Companhia adquiriu, de forma indireta, ações representativas de 49% do capital social da Multicare Consultoria e Administração de Recursos em Saúde Ltda. ( Multicare ). Uma vez que seja concedida a autorização pela ANS à transferência de controle, a Companhia adquirirá, também de forma indireta, os 51% restantes do capital social da Multicare, com o que passará a deter 100% do seu capital social. Em 24 de setembro de 2009, a Companhia assinou memorando de entendimentos com o Itaú Unibanco Holding S.A. com o objetivo de adquirir 100% do controle acionário da Unibanco Seguradora S.A. Esta aquisição depende da aprovação da ANS para ser concretizada. c. Eventos ou operações não usuais Não Aplicável 6

7 10.4 Os diretores devem comentar: a. Mudanças significativas nas práticas contábeis Do ponto de vista de regulamentação da ANS, foi utilizado o Plano de Contas instituído pela Resolução Normativa RN 184 emitida em 19 de dezembro de 2008, ratificada através da IN 24 de 22 de dezembro de Do ponto de vista societário, houve grandes mudanças nas práticas contábeis devido ao primeiro ano de cumprimento integral da Lei , que teve como um de seus principais aspectos, o objetivo de alinhar as normas brasileiras com as internacionais (IFRS). Adicionalmente durante o ano de 2009 a Companhia procedeu a inscrição dos débitos no parcelamento previsto na Lei Além da introdução da Demonstração do Valor Adicionado (CPC 09) e da Demonstração do Fluxo de Caixa (CPC 03) em substituição a antiga DOAR, as principais mudanças introduzidas pela Lei , que afetaram a Companhia foram: CPC 01 Redução ao valor recuperável de ativos Trata sobre o reconhecimento e a mensuração de perda por valor recuperável. CPC 04 Ativos Intangíveis Dispõe sobre os critérios de reconhecimento e amortização de ativos intangíveis. CPC 10 Pagamento baseado em ações Esclarece que a mensuração do valor da opção deve ocorrer na data da outorga, além de esclarecer outros aspectos práticos. Eventos subseqüentes A Resolução Normativa N 206 de 2 de dezembro de 2009, da Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS, determinou, que as Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde OPS: As contraprestações e prêmios provenientes das operações de planos privados de assistência à saúde na modalidade de preço pré-estabelecido devem ser obrigatoriamente apropriados pelo valor correspondente ao rateio diário - pro rata dia - do período de cobertura individual de cada contrato, a partir do primeiro dia de cobertura, as parcelas das contraprestações e prêmios correspondentes aos dias do período de cobertura referentes ao mês subseqüente deve ser contabilizada como Faturamento Antecipado. Os saldos registrados no passivo circulante referentes à Provisão de Risco, previstos na regulamentação vigente, deverão ser, em janeiro de 2010,revertidos em sua totalidade a crédito da conta de resultado da variação das provisões técnicas. Como parte do processo de emissão de normas contábeis relativo a Lei 11638, alguns pronunciamentos divulgados em 2009 terão impacto em 2010: CPC 11 Contratos de seguros CPC 15 Combinação de negócios 7

8 CPC 21 Demonstração intermediária CPC 22 Informações por segmento CPC 23 Políticas contábeis, Mudança de estimativa e retificação de erros CPC 24 Evento Subsequente CPC 25 Provisões, passivos e ativos contingentes CPC 27 Ativo Imobilizado CPC 33 Benefícios à empregados CPC 38 Instrumentos financeiros: Reconhecimento e Mensuração CPC 39 - Instrumentos financeiros: Apresentação CPC 40 - Instrumentos financeiros: Evidenciação A Companhia continua avaliando os impactos das alterações introduzidas por essas normas. b. Efeitos significativos das alterações em práticas contábeis Em decorrência das alterações introduzidas pelos CPCs, listamos a seguir os principais efeitos que resultaram da aplicação destes pronunciamentos: Demonstrações financeiras A Demonstração dos Fluxos de Caixa, que está sendo apresentada desde o trimestre findo em 30 de junho de 2008 em nota explicativa. Já a Demonstração do Valor Adicionado desde o exercício findo em 31 de dezembro de Ativo intangível: ágio gerado de aquisição de investimentos Refere-se ao ágio fundamentado em expectativa de rentabilidade futura, gerado nos processos de aquisição de empresas ocorridas durante os anos de 2007 e A partir de 31 de dezembro de 2008 os ágios registrados contabilmente não devem ser amortizados, sendo necessária a avaliação através do teste de recuperação (impairment), o que envolve projeções de fluxos de caixa e premissas que permitem estimar o valor recuperável de um ativo de longo prazo. Plano de opções de ações A Companhia realizou os cálculos e as contabilizações de todos as despesas previstas para o plano de opções de ações de acordo com as orientações do pronunciamento técnico CPC 10, que exige que os efeitos das transações de pagamentos baseados em ações estejam refletidos no resultado e na posição patrimonial e financeira da entidade como Reservas de Capital. c. Ressalvas e ênfases presentes no parecer do auditor Não houve Os diretores devem indicar e comentar políticas contábeis críticas adotadas pela companhia, explorando, em especial, estimativas contábeis feitas pela administração sobre questões incertas e relevantes para a descrição da situação financeira e dos resultados, que exijam julgamentos subjetivos ou complexos, tais como: provisões, contingências,reconhecimento da receita, créditos fiscais, ativos de longa duração, vida útil de ativos não-circulantes, planos de pensão, ajustes de conversão em moeda estrangeira, custos de recuperação ambiental, critérios para teste de recuperação de ativos e instrumentos financeiros. 8

9 Provisão para créditos de liquidação duvidosa: Algumas empresas do Grupo têm como órgão regulador a Agência Nacional de Saúde ( ANS ), que define critérios contábeis a serem seguidos à todas as Operadoras de Saúde, incluindo, os parâmetros para fins de provisão para créditos de liquidação duvidosa. Adicionalmente, para as empresas não reguladas pela a ANS a Companhia estabeleceu o critério de análise da qualidade de crédito de seus clientes, através de um método de rating aliado aos dados de idades de vencimento. Provisão para Contingências: a Companhia avalia as possíveis perdas por contingências (trabalhistas, cíveis e tributárias) através das opiniões de seus assessores jurídicos internos, bem como advogados externos, que atribuem probabilidades de perda para todas as causas em andamento Relação aos controles internos adotados para assegurar a elaboração de demonstrações financeiras confiáveis, os diretores devem comentar: A conduta dos negócios da Companhia busca sempre as melhores práticas de Governança Corporativa e o compromisso com a transparência da gestão. Neste sentido, temos convicção que a constante avaliação dos Controles Internos é essencial para o crescimento sustentado. As ações da Companhia são negociadas no Novo Mercado da BM&F Bovespa S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, segmento composto por ações de companhias que adotam práticas de governança corporativa adicionais às exigidas pela legislação brasileira. O Conselho de Administração é composto por, no mínimo, 5 (cinco) e, no máximo, 9 (nove) membros e seus respectivos suplentes, todos acionistas, eleitos pela Assembléia Geral e, por ela destituíveis a qualquer tempo, com mandato unificado de 1 (um) ano, permitida a reeleição. A Diretoria da Sociedade é composta por, no mínimo, 3 (três) e, no máximo, 5 (cinco) Diretores, sendo eleitos pelo Conselho de Administração, para mandatos de 1 (um) ano, admitida a reeleição. A Companhia conta com grupos de apoio, que contribuem para executar suas atividades de forma eficiente e sustentável, em áreas específicas do negócio. Sua estrutura é formada por nove comitês, sendo um deles o Comitê Executivo, que é composto pelo Presidente, Diretores Corporativos, Diretores das Unidades de Negócio e de Produtos da Companhia, e oito comitês específicos, cujas ações estão sujeitas à aprovação do Comitê Executivo, quais sejam: Comitê de Gente, Gestão, Ética, Investimentos, Infra-Estrutura, Marketing, Regulatório e Fiscal. Com objetivo de identificar e melhorar seus controles internos, a Companhia contratou serviços adicionais da PricewaterhouseCoopers(PwC) relacionados ao mapeamento e identificação de eventuais pontos de melhorias de processos, controles internos e sistemas, cujo plano de solução está em andamento. Com relação aos controles internos adotados para assegurar a elaboração das demonstrações financeiras confiáveis, a Companhia julga que os mesmos são adequados, corroborados pela obtenção usual de parecer sem ressalva da PwC, uma das mais renomadas auditorias do mercado. A Companhia vem continuamente centrando esforços na regularização dos pontos de aperfeiçoamento de controles internos, especialmente os apontados no último relatório de controles internos da PwC em poder da Administração, 9

10 referente ao fechamento anual de 2008, onde várias soluções foram implementadas no decorrer de Adicionalmente, a Companhia possui uma Diretoria de Riscos e Controles Internos que é responsável, com interação integral com demais áreas da Companhia, pelo aprimoramento de todos os aspectos relacionados aos controles internos, processos, acompanhamentos regulatórios e de governança, abrangendo as atividades de Gestão de Riscos, Auditoria Interna, Prevenção à Fraude, Sindicância, Jurídico Regulatório e Compliance e Controles Internos. (i) Política de Divulgação de Informações A Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações, em fase de revisão de sua primeira versão, atende às regras de transparência e às exigências dos órgãos reguladores do mercado financeiro, como a Comissão de Valores Mobiliários(CVM), A Agência Nacional de Saúde Suplementar(ANS) e a BM&FBovespa. A Companhia divulga fatos relevantes conforme a Instrução no 358/02 da CVM, que exige a disponibilização de dados sobre seus negócios, de forma a dar aos investidores tempo hábil para a tomada de decisão. As divulgações dos resultados trimestrais, dos fatos relevantes, release de resultados, dos relatórios anuais, dos documentos arquivados na CVM, das políticas e práticas da Companhia e outras informações institucionais estão disponíveis no website de Relações com Investidores. (ii) Código de Ética A conduta de todos os empregados e parceiros da Companhia é pautada pelo seu Código de Ética, em fase de revisão de sua primeira versão, que reafirma os valores corporativos, esclarece questões de comportamento ético e define princípios a serem observados nos relacionamento com os públicos com os quais a Companhia interage. O Comitê de Ética desenvolve ações de formação e conscientização, além de disponibilizar o Código em sua intranet, a fim de garantir o conhecimento adequado do mesmo aos colaboradores. Auditoria Externa Em atendimento à Instrução CVM no 381/03, a Companhia informa que a política em relação à contratação de auditorias externas assegura que não haja conflito de interesses, perda de objetividade ou independência do auditor no seu relacionamento com a Companhia. Durante 2009 foram contratados serviços não relacionados à auditoria em valor inferior à 5% do valor contratado junto aos auditores externos Caso o emissor tenha feito oferta pública de distribuição de valores mobiliários, os diretores devem comentar: a. Como os recursos resultantes da oferta foram utilizados Os recursos da Oferta Pública de Ações da Companhia foram utilizados da seguinte maneira: (1) quitação de dívida contraída, antes da Oferta Pública, para o financiamento de aquisições realizadas no ano de 2007; (2) financiamento de aquisições realizadas após a Oferta Pública de Ações ocorrida em (3) Recompra de Ações de emissão da própria Companhia; Importante salientar que parte dos recursos levantados nessa Oferta ainda estão em poder da Companhia e que a destinação de tais recursos continua sendo o financiamento de aquisições. 10

11 b. Se houve desvios relevantes entre a aplicação efetiva dos recursos e as propostas de aplicação divulgadas nos prospectos da respectiva distribuição Não ocorreram desvios. c. Caso tenha havido desvios, as razões para tais desvios Não ocorreram desvios Os diretores devem descrever os itens relevantes não evidenciados nas demonstrações financeiras do emissor, indicando: a. Os ativos e passivos detidos pelo emissor, direta ou indiretamente, que não aparecem no seu balanço patrimonial (off - balance sheet items). Não há. b. Outros itens não evidenciados nas demonstrações financeiras Não há Em relação a cada um dos itens não evidenciados nas demonstrações financeiras indicados no item 10.8, os diretores devem comentar: a. Como tais itens alteram ou poderão vir a alterar as receitas, as despesas, o resultado operacional, as despesas financeiras ou outros itens das demonstrações financeiras do emissor Não aplicável. b. Natureza e o propósito da operação Não aplicável. c. Natureza e montante das obrigações assumidas e dos direitos gerados em favor do emissor em decorrência da operação Não aplicável Os diretores devem indicar e comentar os principais elementos do plano de negócios do emissor, explorando especificamente os seguintes tópicos: a. Investimentos Desde a Oferta Publica, a Companhia tem realizado, principalmente, investimentos em desenvolvimento de sistemas e aquisição de softwares. b. Desde que já divulgada, indicar a aquisição de plantas, equipamentos, patentes ou outros ativos que devam influenciar materialmente a capacidade produtiva do emissor Desde a Oferta Publica foram efetuadas sete aquisições de empresas e uma associação. c. Novos produtos e serviço Não houve Comentar sobre outros fatores que influenciaram de maneira relevante o desempenho operacional e que não tenham sido identificados ou comentados nos demais itens desta seção: Todos os itens relevantes já foram comentados ao longo desse documento. 11

12 TEMPO PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF n / NIRE Companhia Aberta - CVM nº PROPOSTA DA DIRETORIA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO (art. 192 da Lei 6.404/76 e art. 9º, 1º, II da Instrução CVM nº 481/09) Senhores acionistas, Nos termos do art. 192 da Lei 6.404/76 e do art. 9º, 1º, II da Instrução CVM nº 481/09, a Administração da Tempo Participações S.A. propõe a V.Sas. que o lucro líquido do exercício encerrado em 31 de dezembro de 2009, no montante de R$ ,29, seja integralmente compensado com os prejuízos acumulados apurados em períodos anteriores, de acordo com o art. 189 da Lei 6.404/76. Barueri, 31 de março de DIRETORIA 12

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

HARPIA ÔMEGA PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF N.º 13.407.573/0001-86 NIRE 35.300.391.942 COMPANHIA ABERTA

HARPIA ÔMEGA PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF N.º 13.407.573/0001-86 NIRE 35.300.391.942 COMPANHIA ABERTA HARPIA ÔMEGA PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF N.º 13.407.573/000186 NIRE 35.300.391.942 COMPANHIA ABERTA Avenida Brigadeiro Faria Lima n. 3729, Itaim Bibi, CEP 04538133 São Paulo SP Informações disponibilizadas

Leia mais

Div i u v lg l a g çã ç o o d os o s R e R s e u s lt l a t dos o s do o 3º Trimestre de 2009

Div i u v lg l a g çã ç o o d os o s R e R s e u s lt l a t dos o s do o 3º Trimestre de 2009 Divulgação dos Resultados do 3º Trimestre de 2009 Aviso Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócio da Companhia, projeções e metas operacionais

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2012 ALOG

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DESTAQUES DO PERÍODO (2T11)

DESTAQUES DO PERÍODO (2T11) QUALICORP REGISTRA CRESCIMENTO DO TRIMESTRE NO NÚMERO DE BENEFICIÁRIOS DE 18,5%, RECEITA LÍQUIDA DE 43,9%, EBITDA AJUSTADO DE 36,6% EM RELAÇÃO AO 2T10 1 São Paulo, 12 de agosto de 2011. A QUALICORP S.A.

Leia mais

Divulgação de Resultados Quarto Trimestre de 2014

Divulgação de Resultados Quarto Trimestre de 2014 Divulgação de Resultados Quarto Trimestre de 2014 Barueri, 04 de março de 2014. Apresentação de Resultados 4T14 A Tempo Participações S.A. (BM&FBovespa: TEMP3; Reuters: TEMP3.SA; Bloomberg: TEMP3 BZ),

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios Identificação das pessoas responsáveis pelo formulário Capital/Bolsa Capital/ Balcão Declaração do Presidente e do Diretor de Relação com Investidores Dívida / Investimento Coletivo IAN Apenas informações

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores.

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores. À CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014 Prezados Senhores. Em atendimento ao art.21 inciso VIII da Instrução CVM 480/09, segue abaixo as

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

do 4º Trimestre de 2009

do 4º Trimestre de 2009 Divulgação dos Resultados Divulgação dos Resultados do 4º Trimestre de 2009 Destaques Operacionais O ano de 2009 foi marcado por investimentos em sistemas (plataforma proprietária de planos odontológicos),

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Oi S.A. (atual denominação de BRASIL TELECOM S.A.) 8ª Emissão

Leia mais

ALGAR TELECOM S.A. EXERCÍCIO DE 2014

ALGAR TELECOM S.A. EXERCÍCIO DE 2014 ALGAR TELECOM S.A. (atual denominação social da COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL) 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro,

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. (atual denominação da INPAR S.A.) 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12 São Paulo, 15 de agosto de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do segundo

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures

LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário

Leia mais

GAFISA S.A. EXERCÍCIO DE 2014

GAFISA S.A. EXERCÍCIO DE 2014 GAFISA S.A. 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente Fiduciário

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS. 2ª Emissão Pública de Debêntures

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS. 2ª Emissão Pública de Debêntures COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Companhia de Gás de São Paulo - Comgás 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório

Leia mais

CLARO S.A. EXERCÍCIO DE 2014

CLARO S.A. EXERCÍCIO DE 2014 CLARO S.A. (sucessora por incorporação da EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A. EMBRATEL) 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro,

Leia mais

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Demonstrações contábeis Referentes aos exercícios findos em 31

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

BEMATECH S.A. EXERCÍCIO DE 2014

BEMATECH S.A. EXERCÍCIO DE 2014 BEMATECH S.A. 1ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente Fiduciário

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

LOCALIZA RENT A CAR S.A. 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2012

LOCALIZA RENT A CAR S.A. 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2012 LOCALIZA RENT A CAR S.A. 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2012 Rio de Janeiro, 30 de Abril, 2013. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Tempo Participações S.A. Controladora e consolidado BR GAAP e IFRS simultaneamente Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório

Tempo Participações S.A. Controladora e consolidado BR GAAP e IFRS simultaneamente Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório Tempo Participações S.A. Controladora e consolidado BR GAAP e IFRS simultaneamente Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

NATURA COSMÉTICOS S.A. EXERCÍCIO DE 2014

NATURA COSMÉTICOS S.A. EXERCÍCIO DE 2014 NATURA COSMÉTICOS S.A. 5ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

COMFRIO SOLUÇÕES LOGÍSTICAS S.A. 1ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

COMFRIO SOLUÇÕES LOGÍSTICAS S.A. 1ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 COMFRIO SOLUÇÕES LOGÍSTICAS S.A. 1ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

ALLPARK EMPREENDIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E SERVIÇOS S.A. 5ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2012

ALLPARK EMPREENDIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E SERVIÇOS S.A. 5ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2012 ALLPARK EMPREENDIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E SERVIÇOS S.A. 5ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2012 Rio de Janeiro, 30 de Abril, 2013. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos administradores Banco Volkswagen S.A. Examinamos as demonstrações

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais