Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez"

Transcrição

1 Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez O que é otalgia? Dor localizada no ouvido. Pode ser produzida por alterações nas estruturas do mesmo (otite, traumatismos, corpo estranho) ou em estruturas circunvizinhas ao mesmo que produzem dor referida nos ouvidos. O que é otite? Otite é um termo geral usado para inflamação do aparelho auditivo. Pode ser uma otite externa, média ou interna, essa última correspondendo a uma labirintite. O que é labirintite? É uma inflamação do labirinto, uma parte da chamada orelha interna. A labirintite por vezes é acompanhada de vertigem e surdez. O que é anacusia? É a palavra usada quando há perda total da capacidade auditiva. O que é hipoacusia? Diminuição da capacidade auditiva. É produzida por uma alteração da condução do estímulo auditivo ou uma perda da função do ouvido interno ou dos nervos correspondentes O que é presbiacusia? É a perda progressiva da audição provocada pelo envelhecimento e conseqüente degeneração da células ciliadas. A maioria das pessoa nasce com a capacidade de detectar sons numa faixa de freqüência que vai de 16 ciclos ou vibrações por segundo a até 20 mil ciclos por segundo. A deficiência compromete especialmente os sons agudos, ou seja, de freqüência mais alta. Essa perda é acentuada após os cinqüenta anos. Não há tratamento clínico. Pode-se recorrer, porém, ao uso de aparelhos amplificadores de som.

2 O que é LIBRAS? É a sigla usada para designar a Língua Brasileira de Sinais. Através do Librasweb, um ambiente computacional desenvolvido para aprendizagem da LIBRAS através da Internet, é possível traduzir diversas frases para essa linguagem. No endereço possível assistir a pequenos vídeos nos quais um portador de deficiência auditiva faz os gestos correspondentes à palavra escolhida no dicionário. O que é um instrutor de LIBRAS ou intérprete da língua brasileira de sinais? Um instrutor da língua brasileira de sinais é uma pessoa surda apta a dar aulas de LIBRAS. Quem oferece o certificado de instrutor é a Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (FENEIS). Maiores informações podem ser obtidas na própria instituição, Rua Timburibá, 91, Vila Mariana, CEP : , São Paulo - SP Tel: (11) O que é um aparelho de amplificação sonora individual (A.A.S.I.)? Em alguns casos, o exame audiométrico indica a possibilidade de usar um aparelho de amplificação sonora individual (A.A.S.I.). Este é um equipamento pequeno, usado junto ao ouvido da criança, que amplia a intensidade dos sons e os traz para um nível confortável para quem precisa usá-lo. Atualmente, ele possui um nível bastante alto de sofisticação, ampliando o som de maneira cada vez mais seletiva, isto é, os sons da fala têm?prioridade? sobre os ruídos ambientais, nos momentos de comunicação.os benefícios advindos do uso do aparelho auditivo não são percebidos de imediato; é necessário um período de aprendizagem e de adequação auditiva que, às vezes, pode desanimar a criança e seus familiares. Qual a diferença entre surdez e audição subnormal? A audição subnormal é uma perda moderadamente grave, entre 56 e 70 decibéis. Só é considerada surdez se superar 91 decibéis. Para saber mais sobre a deficiência auditiva retorne à página principal dessa seção O que diferencia a surdez condutiva da surdez neurossensorial? Existem dois tipos principais de problemas auditivos. O primeiro afeta o ouvido externo ou médio e provoca dificuldades auditivas "condutivas" (também denominadas?de transmissão"), normalmente tratáveis e curáveis. O outro tipo envolve o ouvido interno ou o nervo auditivo. Chama-se surdez neurossensorial e costuma ser irreversível.

3 Onde encontrar cursos de libras? Existem diversos sites de referência para quem procura escolas e associações que ministram esses cursos. Visitando o ou telefonando para a FENEIS no (11) , você poderá conhecer algumas dessas instituições.outra alternativa é consultar a lista de eventos cursos e concursos publicada na Rede SACI, ou escrever para nossa equipe de atendimento no Qual o papel da escola e das clínicas de fonoaudiologia? Qual é o papel do professor e do fonoaudiólogo? Resposta recebida da FENEIS - Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos Quanto à educação de surdos a escola já exerceu vários papéis. Inclusive o papel de educar os meninos surdos, para que estes, não causassem danos à sociedade. Esse foi o princípio norteador da fundação do atual Instituto Nacional de Educação de Surdos, na época do Império. Ver documentos de fundação na biblioteca do mesmo. O papel da escola foi evoluindo no sentido de dar capacitação profissional (foi a ênfase por muitas décadas no INES), depois veio a formação geral acadêmica, mas sempre com ênfase no especial que era entendido como sendo o ensino articulado da fala, e a partir daí o ensino do Português oral como língua materna. A escola tinha uma preocupação central com ensino da fala como pré requisito para as demais aprendizagens. Esse objetivo continua sendo perseguido por aqueles que ainda entendem que a inteligência das pessoas surdas só estará comprovada se essa pessoa falar com a voz. Mas, a ciência como é dinâmica já trouxe novos conhecimentos à respeito da capacidade inata dos seres humanos para a criação e desenvolvimento de linguagem/língua independente de sermos seres humanos surdos ou ouvintes. A capacidade inata é do ser humano. Hoje, com a discussão de novos paradigmas para a educação dos surdos no Brasil, discute-se em alguns grupos (reduzidos) de profissionais ouvintes com a participação de pessoas surdas, como é a escola que se deseja construir a partir de um novo olhar ao sujeito surdo, em princípio, um sujeito não deficiente, e capaz de uma participação dialógica em relação às questões de ordem "lingüística, educacional, escolar e de cidadania". E, é Skliar que trata desse assunto com propriedade:

4 "A potencialidade de reconstrução histórica dos surdos sobre a sua educação e sua escolarização é, sem margem de dúvidas, um ponto de partida para uma reconstrução política significativa e para que participem, com consciência, das lutas dos movimentos sociais surdos pelo direito a uma educação que abandone os seus mecanismos perversos de exclusão, e pôr um exercício pleno da cidadania. Reconstruir essa história é uma nova experiência de liberdade, a partir da qual se torna possível aos surdos imaginarem outras representações para narrarem a própria história do que significa ser surdo." Carlos Skliar no livro por ele organizado: "A Surdez" um olhar sobre a diferença, em seu artigo: Os Estudos Surdos em Educação: problematizando a normalidade. Editora Mediação, Porto Alegre. Em Atualidade da Educação Bilingüe para Surdos, em artigo já citado, Skliar faz considerações sobre o contexto de poder da escola e de como nesse espaço está presente o debate entre as diferentes formas sociais e a ideologia. O ensino de uma forma geral tem contemplado sempre uma política cultural que privilegia o poder instituído, não dando condições para o desenvolvimento e fortalecimento de identidades próprias, pessoais, ao contrário disso, prioriza as habilidades técnicas que atendem às demandas do mercado contemporâneo homogêneo. Essa é a lógica da inclusão dos surdos nas escolas regulares com a justificativa de que assim procedendo, eles se tornarão "mais" eficazes, eficientes. E não é por acaso que isso acontece, nada é gratuito ao se tratar de valores políticos que nunca são neutros, por isso não é tarefa simples compreender o papel da escola em uma "sociedade dividida e fragmentada racial, social, lingüística e sexualmente. A escola moderna contribui no dia-a-dia para essa divisão..." Skliar, C. (1999:08). Para falar no papel do professor é necessário que se tenha definido que sujeito se quer ao final da formação acadêmica, como será essa escola e, assim, definir quem será esse professor. Com certeza, em princípio, não será o professor com formação acadêmica geral para o ensino de aluno ouvintes, não será um professor monolingüe, perguntamos até se será um professor ouvinte. Responder essa pergunta requer definições claras e não hipócritas sobre todos esses pontos: que sujeito se pretende ter ao final de sua formação escolar, em que escola, qual o currículo e que formação terá esse professor. Behares, L. (1994) referindo-se à maioria das crianças surdas que são filhas de pais ouvintes, estas ao ingressarem na escola apresentam dificuldades lingüísticas e de

5 interação, que não são conseqüência da surdez, mas são fundamentalmente, causadas por uma interação precoce deficitária dessa criança com seus pais: A maioria dos dos filhos de ouvintes ingressam nas instituições escolares nas condições que acabamos de descrever. É nestas instituições onde, na maioria dos casos, a criança começa a receber um treinamento para a comunicação verbal2 através da modalidade oral, de uma língua oral sinalizada ou de ambas simultaneamente e, em muitos casos, através da li ngua de sinais utilizada pela comunidade surda adulta. A escola atua como "doadora" universal" de linguagem em suas múltiplas formas. Com relação ao papel dos fonoaudiólogos, melhor seria se os próprios respondessem. É curioso que essa área do conhecimento seja resultante das especulações que a então chamada logopedia fazia sobre os problemas de linguagem. O Instituto Nacional de Educação de Surdos teve um núcleo de logopedia onde atendiam as pessoas ouvintes e surdas. O que os professores de surdos iam conseguindo de sucesso em relação a "fala" articulada, foi sendo absorvido pelos denominados logopedistas. O método acima citado, organizado pelo professor Geraldo Cavalcanti, professor de surdos, também, desenvolveu uma parte específica e muito especializada das técnicas e procedimentos para a chamada oralização, tendo organizado, inclusive, uma cartilha para essa finalidade, já na década de 70. Hoje, após o reconhecimento da faculdade de Fonoaudiologia, esses profissionais são identificados como os que ensinam a língua oral aos surdos, apesar de que a ênfase maior da grade curricular da mesma, não está nos conhecimentos relativos à surdez, nem tampouco nos conhecimentos sobre aquisição e desenvolvimento de língua materna e muito menos ainda sobre aquisição de Segunda língua. A nosso ver esse assunto precisa, também, ser definido se refletirmos dentro da visão de surdez como não deficiência, e assim muita coisa precisaria ser mudada com relação à formação desse profissional da fonoaudiologia, perguntaríamos, até, se seria ele necessário para a educação dos surdos. Quanto ao assunto clínica, colocado em pauta, não vemos necessidade de maiores explanações, diante do que entendemos estar claro sobre a importância do foco educacional e não clínico, em relação à educação dos surdos. A fonoaudiologia pode ter sua participação como clínica, como um atendimento ele deve estar disponível, no público e no privado, como sendo complementar às necessidades dos surdos em expressarem oralmente a língua, (no caso de nosso país, a língua portuguesa),

6 adquirida na escola, através do ensino com professores especializados em ensino de língua, pois língua não se adquire em clínica, é uma atividade social e se dá na construção interativa entre os pares. Finalmente, entendemos ser fundamental para os profissionais da fonoaudiologia, ou para quaisquer pessoas que queiram capacitar-se para esse tipo de intervenção com os surdos, que reflitam e questionem a formação que é oferecida por essa área.

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail. MOVIMENTO SURDO E CIDADANIA ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.com Extermínio e abandono social EXISTE

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS LETRASLIBRAS 83 LETRASLIBRAS 84 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Wanilda Maria Alves Cavalcanti APRESENTAÇÃO Cara(o)aluna(o) Iniciandoumnovociclodeestudos,aUniversidadeFederaldaParaíbaincorporaaoscursosquejá

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação

9º Simposio de Ensino de Graduação O SURDO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO 9º Simposio de Ensino de Graduação Autor(es) GIULIELE APARECIDA DOS SANTOS OLIVEIRA Orientador(es) ELINE TEREZA ROZANTE PORTO 1. Introdução Surdez ou deficiência auditiva

Leia mais

Diagnóstico, aconselhamento e habilitação Madeira, Junho 2005

Diagnóstico, aconselhamento e habilitação Madeira, Junho 2005 Diagnóstico, aconselhamento e habilitação Madeira, Junho 2005 Isabel Galhardo . Professora de Apoio Educativo Ministério da Educação 21 anos na Consulta de Grupo de Surdez Infantil do Serviço de ORL do

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Linguagens Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Prof. Anderson Simão Duarte Coordenador do Curso Letras-Libras Mestre em Estudos Linguísticos

Leia mais

Então por que alguns não falam quase nada ou falam diferente?

Então por que alguns não falam quase nada ou falam diferente? Surdez e Linguagem Primeiramente vamos falar sobre o conceito de surdez. É bastante comum ouvirmos as pessoas se referirem ao surdo como "mudo", ou pior, "mudinho", surdo-mudo, deficiente auditivo, entre

Leia mais

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 149, /2 6 / 8 FACULDADES EDUCAÇÃO COM ÁREAS DE

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei Tema 01: ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS NO BRASIL Imbricada em relações de poder, a educação dos surdos vem sendo pensada e definida, historicamente, por educadores ouvintes, embora possamos

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CAMPO LIMPO PAULISTA 2013 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A língua brasileira de sinais

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras turma em: fortaleza/ce -> Aulas presenciais aos finais de semana; -> Professores altamente qualificados; -> Curso com

Leia mais

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado Por ISRAEL GONÇALVES CARDOSO A área de conhecimento educacional responsável pela reflexão no que diz respeito à realidade da educação dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Audiovisual e Acessibilidade - UFBA O papel do intérprete

Leia mais

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS INTRODUÇÃO Tecnicamente a diferença que existe entre tradutor e tradutor-intérprete é que o tradutor envolve pelo menos uma língua escrita entre as envolvidas e seu processo é consecutivo, ou seja, há

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos CONSIDERAÇÕES SOBRE A COMUNIDADE SURDA 171 Priscila Figueiredo da Mata Medeiros (UEMS) priscilafdmata@hotmail.com RESUMO O objetivo geral desse trabalho é delinear um panorama sobre a comunidade surda.

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA Mariana Rodrigues Ferreira Fantinelli (G UENP, campus de Jac.) naninha_fantinelli@hotmail.com Sonia Maria Dechandt Brochado ( Orientadora UENP) O letramento do

Leia mais

PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA ESCOLA REGULAR

PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA ESCOLA REGULAR PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA Universidade Federal do Rio grande do Sul elisama_libras@hotmail.com Introdução Este trabalho trata se de um ensaio que

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

Antonio Carlos Cardoso Professor de Libras da Univasf Campus Juazeiro/BA e Colaborador das Políticas de Educação Inclusiva

Antonio Carlos Cardoso Professor de Libras da Univasf Campus Juazeiro/BA e Colaborador das Políticas de Educação Inclusiva Antonio Carlos Cardoso Professor de Libras da Univasf Campus Juazeiro/BA e Colaborador das Políticas de Educação Inclusiva Desenvolvimento de Educação de Surdos para professores Surdos do Brasil Na sala

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA Márcia do Socorro E. da Silva 1 INTRODUÇÃO Há uma luta pela prevalência sobre os poderes e os saberes que operam nas sociedades e o palco desta luta é o meio social como

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA MATERNA E SEGUNDA LÍNGUA: QUESTÕES ACERCA DO BILINGUISMO NA EDUCAÇÃO SURDA Sizenana Maria da Silva (UEMS) suzi2010.maria@hotmail.com Magno Pinheiro de Almeida (UEMS) mpa_proflibras_magno@hotmail.com

Leia mais

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o primeiro passo para mudar uma história marcada por lutas e

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO

XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO NECESSIDADES DAS DIFERENTES POPULAÇÕES E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS NA CONSTRUÇÃO DA REDE DE CUIDADOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA COM ENFASE EM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA.

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA COM ENFASE EM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA. Curso de Especialização em EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA COM ENFASE EM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA. ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Inclusão. Políticas públicas educacionais. Processo Educacional.

PALAVRAS-CHAVE: Inclusão. Políticas públicas educacionais. Processo Educacional. DEFICIÊNCIA AUDITIVA: POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Autor do Trabalho: Professora Dra.Elvira Bezerra Pessoa-UEPB Co-autor 1, Maria Karoline Nóbrega Souto Estudante do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, nº 100 - Aeroporto - Barretos - São Paulo Telefone: (17) 3321-3060 www.facisb.edu.br CURSO DE MEDICINA Atividades

Leia mais

KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI.

KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI. RESUMO DEPOIMENTOS DE ALUNOS UNIVERSITÁRIOS SURDOS SOBRE SUA INCLUSÃO NA SOCIEDADE. KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI. Karla_fono@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO Elaine Cristina Paixão da Silva (USP) Cássia Geciauskas Sofiato (USP) Palavras- chave: Atendimento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS.

A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. RENATA DOS SANTOS COSTA BORGES (INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE

Leia mais

EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções

EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções Ana Carolina da Silva Souza Esse trabalho tem como tema a educação bilíngue para surdos, o desafio é levantar uma discussão bastante delicada,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala A Perda Auditiva como um Problema de Saúde Pública em Angola Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala Sumário I. Introdução II. Objectivos

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS IFPE/IFS RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS - (R.S.C.) UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA! Caro servidor: Como é do conhecimento de todos, o seguimento docente

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: CARGO: INTÉRPRETE DE LIBRAS PROCESSO

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

JOVEM COM DEFICIÊNCIA

JOVEM COM DEFICIÊNCIA JOVEM COM DEFICIÊNCIA 1. Promover cursos de educação profissional de nível básico (técnico e tecnológico nos termos da Lei 9.394/96) e superior em espaços públicos e privados, respeitando a inclusão de

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

A CAPACITAÇÃO DO PROFESSOR EM LÍNGUA DE SINAIS

A CAPACITAÇÃO DO PROFESSOR EM LÍNGUA DE SINAIS A CAPACITAÇÃO DO PROFESSOR EM LÍNGUA DE SINAIS CHRISTIANE MARIA COSTA CARNEIRO PENHA christianepenha@yahoo.com.br SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CENTRO UNIVERSITÁRIO ABEU ANTONIO RICARDO

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais