A INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO"

Transcrição

1 A INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO Prof. Cristiano Chaves de Farias Entre todos os cargos judiciários, o mais difícil, segundo me parece é o do Ministério Público. Este, como sustentáculo da acusação, devia ser tão parcial como um advogado; e como guarda inflexível da lei, devia ser tão imparcial como um juiz. Advogado sem paixão, juiz sem imparcialidade, tal o absurdo psicológico, no qual o Ministério Público, se não adquirir o sentido do equilíbrio - se arrisca momento a momento - a perder por amor da sinceridade a generosa combatividade do defensor; ou, por amor da polêmica, a objetividade sem paixão do magistrado. (PIERO CALAMANDREI, Eles, os juízes, vistos por um advogado, São Paulo: Martins Fontes, 1996) 1. Origens históricas do Ministério Público As origens remotas do MP se encontram em diversas figuras institucionais existentes na Grécia, Roma, Egito, França, todas atuando com parte das funções que hoje são atribuídas ao MP brasileiro. Impossibilidade de detectar órgão específico com a atual natureza do Ministério Público brasileiro. Origens no direito brasileiro com considerável avanço desde as Ordenações Manuelinas até a Constituição Federal de A etimologia PONTES DE MIRANDA: ofício integrante da essência do Estado, formado a partir da exegese dos vocábulos ministério (incumbência, função) e público (aquilo que pertence à coletividade). 3. O MP no estado de direito contemporâneo Órgão de garantia dos interesses sociais maiores, efetivados pela Constituição da República (arts. 127/129), velando, ainda, pela fiel aplicação da lei. Promove a Justiça e a paz social, através da efetivação da ordem jurídica lícita. Como Instituição organizada e pertencente ao Estado Democrático de Direito, é fruto da evolução de figuras e agentes diversos, da Antigüidade e do pretérito histórico da sociedade mundial. Tem a função primordial de servir como mola propulsora do sistema de freios e contrapesos (system of checks and balances), essencial ao equilíbrio dos poderes constituídos. É o fiel da balança. 4. MP como órgão constitucional (a posição na CF/88) 4.1. Noções gerais - 1

2 CF/88 127: instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindolhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Órgão autônomo e independente, com autonomia financeiro-administrativa, desvinculado a qualquer dos poderes do Estado. Não é poder constituído do Estado, mas também não se vincula a qualquer dos poderes constituídos (não pertence ao Legislativo, Executivo ou Judiciário). Não é e não se preocupa em ser o quarto poder Divisão e organização do MP Conceituação constitucional: CF/ caput: O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. A divisão e organização do MP está na Constituição da República 1, que prevê a existência do MP da União (englobando o MP Federal, do Trabalho, Militar, do Distrito Federal e Territórios), chefiado pelo Procurador-Geral da República e de um Ministério Público em cada estado da Federação, chefiado pelo Procurador-Geral de Justiça. Os membros do MP, ainda, possuem as mesmas garantias conferidas aos magistrados (CF/ º I a, b, c): vitaliciedade, inamovibilidade e irredutibilidade de subsídios. Princípios institucionais: unidade e indivisibilidade. Vedações constitucionais: 1) a que o MP defenda judicialmente os interesses do Poder Público (Administração Pública) 2 ; 2) receber honorários ou custas processuais; 3) exercer a advocacia; 4) participar de sociedade comercial; 5) exercer outra função pública, salvo uma de magistério; 6) exercer atividade político-partidária (CF/ II). A curadoria especial (CPC 9º) não é mais função típica do MP, tocando às atividades institucionais da Defensoria Pública (Lei Complementar nº80/94). Prerrogativas: 1) acesso a dados sigilosos, exceto constitucionais (LC 75/93, 8º e 80); 2) 5. Atuação e intervenção no Processo Civil 5.1. Noções gerais A atividade do Ministério Público no processo civil bifurca-se em: a) órgão agente; b) órgão interveniente (custos legis, fiscal da lei). Como órgão agente funcionará como parte, invocando a tutela jurisdicional nas hipóteses de defesa da própria sociedade (pro populo) e de substituição processual (defesa de determinados direitos, quando autorizado por lei). Exemplos: ncc nulidade do casamento, CPC 487 III - ação rescisória, Lei nº8.437/92 - moralidade administrativa).. A compreensão das atividades processuais do MP precisa se concretizar à luz do balizamento constitucional. Assim, deixou de ser órgão acusador sistemático, atuando SEMPRE COM LIBERDADE FUNCIONAL, de acordo com a convicção íntima do seu representante, podendo, inclusive, ir de encontro aos interesses que fizeram com que atuasse na ação específica Órgão agente (parte autora) 1 A organização interna do MP e regulamentação funcional estão na Lei nº8.625/93 - Lei Orgânica Nacional do MP e em leis específicas para cada MP estadual e da União. O MP da União está regido pela Lei Complementar nº75/93 e no estado da Bahia pela Lei Complementar Estadual nº11/96 - Lei Orgânica do MP/BA. 2 O simples interesse do Poder Público (estatal) na causa não importa em necessidade de intervenção do MP. Interesse público para justificar a intervenção ministerial não se confunde com interesse do Poder Público. Jurisprudência e doutrina nesse caminho: Não se pode confundir interesse da Fazenda Pública com interesse público. Interesse público é o interesse geral da sociedade, concernente a todos não só ao Estado. (STJ,REsp SP, Rel. Min. Garcia Vieira, publ. DJU , p.25) - 2

3 É a veia processual ativa do MP. Como agente, o MP age em nome próprio para defesa de interesses determinados, em face da necessária inércia do Judiciário, bem como pela impossibilidade do Estado não quedar inerte frente a certas situações. OVÍDIO A. BAPTISTA DA SILVA: é a alternativa moderna que viabiliza a superação do princípio dispositivo, sem comprometimento da imparcialidade do juiz, condição indispensável para o exercício da função jurisdicional. Divisão da atuação do MP como órgão agente: na tutela de interesses não personalizados, de ordem coletiva (ação civil pública), é órgão agente pro populo. Quando tutela interesses personalizados (ação de investigação de paternidade), é órgão agente substituto processual. Como parte pro populo atua em nome da própria ordem jurídica, onde o interesse privado esteja contrapondo-se ao interesse público que tem supremacia (conceito social), ex: nulidade do casamento (CC 1.548) e ação rescisória (CPC 487). Como parte substituta processual, excepcionando o CPC 6º, atua no sentido de preservar um interesse pessoal e particular, mas cuja defesa é necessária à preservação da ordem jurídica (ex: alimentos e investigação de paternidade). Os membros do MP têm capacidade postulatória, embora não inscritos nos quadros da OAB, pela incompatibilidade de funções e pela vedação constitucional (CR 128 II b). Legitimação ativa ministerial, exemplos: ação extinção de fundações (CPC 1204), Leis nº 7.853/89 (proteção das pessoas portadoras de deficiência), 7.913/89 (evitar prejuízos ou ressarcir danos causados a titulares de valores mobiliários e investidores do mercado de investimentos), 6.766/79 (defesa do solo urbano e loteamentos), 6.981/80 (meio ambiente), 6.015/73 (registros públicos), entre outras. Situações controvertidas: a) A legitimidade ministerial para a ação civil pública na defesa de interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos indisponíveis. b) A legitimação para a interdição (CC e CPC 1.177). c) A ação civil ex delito e a tese da inconstitucionalidade progressiva (CPP 68). A posição favorável do STF (STF, RE /SP, rel. Min. Marco Aurélio). O princípio da obrigatoriedade aplica-se de forma mitigada no processo civil. Ainda que esteja agindo como órgão agente, constitui parte imparcial, velando pela fiel aplicação da lei. Privilégios processuais (aplicáveis quando funcionar como órgão agente ou interveniente): 1) não se sujeita ao pagamento de custas e preparos (CPC 27 e 511 1º, exceto quando agir de má-fé ou dolosamente, CPC 85); 2) prazo para contestar em quadrúplo e para recorrer em dobro - mas não para contra-arrazoar (CPC 188), inclusive para Agravo Regimental (STJ 116); 3) pode como qualquer parte desistir da ação e do recurso; 4) sua intimação é PESSOAL, em qualquer caso, com ciente nos autos (CPC 236 2º); 5) não presta depoimento pessoa; 6) falará depois das partes (CPC 83, I) somente quando fiscal da lei. Limites de atuação: Pode o MP Estadual agir no âmbito da Justiça Federal (quando se tratar de causa de sua competência), bem como o MP Federal na Justiça Estadual, quando a competência for desta: não é a competência do órgão jurisdicional quem define a atribuição ministerial para atuar no processo. É induvidosa a possibilidade do litisconsórcio ativo entre diferentes órgãos do MP, estando, inclusive, previsto na própria Lei nº7.347/85, 5 o, 5º. Pode o membro do MP de primeira instância exercitar ação mandamental ou habeas corpus junto aos Tribunais, quando necessário, conforme Lei 8.625/93 32, I. Não pode impetrar HC em tribunais superiores. Questão do Promotor natural: admissibilidade da tese tanto na doutrina, como na jurisprudência, reconhecida pelo STF (Rel. Min. Sepúlveda Pertence) e já assentada no STJ. Entendimento temperado pelo princípio da unidade e indivisibilidade Órgão interveniente (custos legis) Como órgão interveniente (custos legis), o MP atua como fiscal da lei, exercendo os mesmos poderes e direitos processuais das partes, ressalvados aqueles inerentes à disposição do direito ou da ação pela parte. - 3

4 Não integra, entretanto, a angularização do processual (o actum trium personarum). É sujeito especial do processo. Pode 1) produzir amplamente qualquer espécie de prova (CPC 83 II), pugnando por elas, incumbindo os custos do adiantamento da prova à parte Autora. (CPC 33 e 884). 2) Pode pugnar pela concessão de tutela antecipada (CPC 273). 3) Pode, ainda, argüir a incompetência absoluta, 4) suscitar conflito de uniformização de jurisprudência, 4) recorrer amplamente (ainda que as partes não recorram - CPC 499 e STJ 99), 5) requerer provas e depoimentos pessoais, 6) opor exceção de impedimento e suspeição do juiz (esta última as suspeições em relação ao próprio MP). Não pode tomar atitudes típicas e privativas da parte (atos de disposição de direito). Nulidade pela falta de intimação (e não falta de atuação efetiva): o essencial é a intimação (pessoal do órgão do MP para todos os atos processuais, e não a efetiva manifestação do seu representante (CPC 246). A atuação superveniente da Procuradoria de Justiça podendo convalidar nulidades anteriores (STJ, REsp.2903, rel. MIn. Sálvio de Figueiredo Teixeira). Atuando como fiscal da lei, porém, o MP não tem vinculação (compromisso) com quaisquer das partes, nem mesmo com o titular do direito indisponível. Dispõe, portanto, de independência e liberdade funcional, não estando adstrito à defesa dos interesses que marcarem a sua intervenção. Bem assevera EDUARDO ARRUDA ALVIM que, atuando como custos legis, o Ministério Público não tem compromisso com quaisquer das partes, cabendo-lhe apenas zelar pela ordem pública e bem comum. Também o Superior Tribunal de Justiça já cimentou que o MP, na qualidade de custos legis (fiscal da lei), não está obrigado a manifestar-se sempre em favor do litigante menor. Se acaso estiver convencido de que a postulação do incapaz não apresenta nenhum fomento de juridicidade, como é o caso destes autos, é-lhe possível opinar pela sua improcedência. (STJ, Ac.4 a T., Resp /SP, rel. Min. Barros Monteiro). O CPC 82 prevê a intervenção ministerial: I - nas causas em que há interesse de incapazes; II - nas causas concernentes ao estado de pessoa, pátrio poder, tutela, curatela, interdição, casamento, declaração de ausência e disposição de última vontade; III - nas ações que envolvam litígios coletivos pela posse de terra rural e nas demais causas em que há interesse público evidenciado pela natureza da lide ou qualidade da parte. Hipóteses de intervenção: a) interesse de incapazes (CPC 82 I, a intervenção do MP é obrigatória quando houver interesse de incapaz no pólo ativo ou passivo da relação processual). A senilidade não indica, por si só, incapacidade, salvo se houver impossibilidade fática de compreensão da realidade. b) questão de estado, pátrio poder, tutela, curatela, interdição, casamento, declaração de ausência e disposições de última vontade (CPC 82 II): causas versando sobre status familiae clamam pela intervenção ministerial. c) litígio coletivo pela posse de terra rural e interesse público evidenciando pela natureza da lide ou qualidade da parte (CPC 82 III): impõe-se a participação ministerial em conflitos por posse ou propriedade de imóveis rurais, dês que coletivizados (não se confunde com litisconsórcio ativo). A parte final do inciso III prevê o que se denomina, juridicamente, conceito vago, abstrato (norma de encerramento). A intervenção do MP no feito depende da comunhão de vontades do próprio órgão e do Judiciário: é ato complexo (NELSON NERY Jr. & ROSA MARIA ANDRADE NERY) Casos específicos de intervenção do MP no Processo Civil a) Juizados especiais cíveis (Lei nº9.099/95 11); b) procedimentos especiais de jurisdição voluntária (CPC 1.105); c) desapropriações; d) executivos fiscais; e) usucapião; f) ações cautelares; g) inventários e partilhas (e arrolamentos); h) incidentes nos tribunais; i) mandado de segurança e hábeas data; j) união estável e dissolução de sociedade de fato; - 4

5 k) ação rescisória; l) falência, recuperação judicial de empresas e insolvência civil; m) anulação de registro público n) liquidação extrajudicial de instituição financeira o) indignidade e deserdação p) bem de família Súmulas: ] Súmula 99 STJ: O Ministério Público tem legitimidade para recorrer no processo em que oficiou como fiscal da lei, ainda que não haja recurso da parte. Súmula 116 STJ: A Fazenda Pública e o Ministério Público têm prazo em dobro para interpor agravo regimental no STJ. - 5

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO E EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL

MINISTÉRIO PÚBLICO E EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL MARCELO ZEMKNER Professor de Direito das Faculdades Integradas de Vitória FDV E do Centro de Evolução Profissional CEP Promotor de Justiça no Estado do Espírito Santo MINISTÉRIO PÚBLICO E EFETIVIDADE DO

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

As causas em que se considera dispensável a intervenção do Ministério Público

As causas em que se considera dispensável a intervenção do Ministério Público Racionalização da Intervenção do no Cível Abril de 2010 1. Separação judicial consensual onde não houver interesse de 2. Ação declaratória de união estável e respectiva partilha de bens. 3. Ação ordinária

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA

PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA Caio Cezar Buin Zumioti 1 A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 05 de outubro de 1988, em seu art. 5º, inciso LXXIV, diz que o Estado prestará assistência

Leia mais

CURSO ESTAGIÁRIO DO MP

CURSO ESTAGIÁRIO DO MP CURSO ESTAGIÁRIO DO MP BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

P R O N U N C I A M E N T O M I N I S T E R I A L

P R O N U N C I A M E N T O M I N I S T E R I A L P R O N U N C I A M E N T O M I N I S T E R I A L Trata-se de mandado de segurança impetrado por em face do INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL, objetivando assegurar que a autoridade coautora continue

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA A Recomendação ora apresentada se faz necessária para que o Ministério

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

REVISÃO PRESENCIAL MP/SP - 2015 PROCESSO CIVIL MAURÍCIO CUNHA/LUCIANO ROSSATO

REVISÃO PRESENCIAL MP/SP - 2015 PROCESSO CIVIL MAURÍCIO CUNHA/LUCIANO ROSSATO REVISÃO PRESENCIAL MP/SP - 2015 PROCESSO CIVIL MAURÍCIO CUNHA/LUCIANO ROSSATO Facebook.com/cunhaprocivil Instagram: @cunhaprocivil @lucianorossato1 Email: cunhaprocivil@gmail.com lucianoalvesrossato@hotmail.com

Leia mais

CLASSES PROCESSUAIS DO 1º GRAU DA JUSTIÇA ESTADUAL ( % ) VRTEES'S R$

CLASSES PROCESSUAIS DO 1º GRAU DA JUSTIÇA ESTADUAL ( % ) VRTEES'S R$ PROCESSO CÍVEL E DO TRABALHO Outros Procedimentos Atos e expedientes Habilitação para Casamento 2 214 23 239 Art. 20, II Lei 9.94/13 ISENTO Instrução de Rescisória 240 SEM CUSTAS - Já abrangidas nas custas

Leia mais

CLASSES PROCESSUAIS DO 1º GRAU DA JUSTIÇA ESTADUAL ( % ) VRTEES'S R$

CLASSES PROCESSUAIS DO 1º GRAU DA JUSTIÇA ESTADUAL ( % ) VRTEES'S R$ PROCESSO CÍVEL E DO TRABALHO Outros Procedimentos Atos e expedientes Habilitação para Casamento 2 214 237 239 Art. 20, II Lei 9.974/13 ISENTO Instrução de Rescisória 240 Já abrangidas nas custas da ação

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL)

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) Disciplina: Direito Constitucional Ravi Peixoto, Procurador Municipal. 10 (Dez) horas/aulas. 1 2 3 4 5 6 7 57:00m 54:00m 50:00m

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

FINANCEIRO EM DEMANDAS POSICIONAMENTO DO SUPERIOR

FINANCEIRO EM DEMANDAS POSICIONAMENTO DO SUPERIOR INVERSÃO DO ÔNUS FINANCEIRO EM DEMANDAS AMBIENTAIS MBIENTAIS. BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE POSICIONAMENTO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Laura Lícia de Mendonça Vicente Advogada Coordenadora do Depto. Ambiental

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 DIREITO ADMINISTRATIVO...17 Fernando Ferreira Baltar Neto e Ronny Charles Lopes de Torres 1. Direito Administrativo e o Regime Jurídico-Administrativo...17

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

Da Atividade da Advocacia

Da Atividade da Advocacia Art. 1º São atividades privativas de advocacia: I - a postulação a qualquer órgão do Poder Judiciário e aos juizados especiais; (Vide ADIN 1.127-8) Exceções: 1)Justiça do Trabalho (art. 791 da CLT) Art.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO nº, de de de 2013.

RECOMENDAÇÃO nº, de de de 2013. RECOMENDAÇÃO nº, de de de 2013. Revoga a Recomendação CNMP nº 16 que dispõe sobre a atuação dos membros do Ministério Público como órgão interveniente no processo civil. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO

Leia mais

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO PARTE 1 A TUTELA PROVISÓRIA PREVISTA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA CRÍTICA... 23 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA TUTELA

Leia mais

CURSO DE ENSINO À DISTÂNCIA EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONVÊNIO IDP/COC Sábados, das 09 às 12h

CURSO DE ENSINO À DISTÂNCIA EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONVÊNIO IDP/COC Sábados, das 09 às 12h 1 CURSO DE ENSINO À DISTÂNCIA EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONVÊNIO IDP/COC Sábados, das 09 às 12h Aula Data Disciplina Professor C/H 1 08 -nov-08 Aula Inaugural Profs. Gilmar Mendes Arruda Alvim Sérgio

Leia mais

SUMÁRIO ORIENTAÇÕES AO EXAMINANDO...13 1. PROVIMENTO 136/09: O NOVO EXAME DE ORDEM...13 2. PONTOS A SEREM DESTACADOS NO EDITAL DO EXAME...

SUMÁRIO ORIENTAÇÕES AO EXAMINANDO...13 1. PROVIMENTO 136/09: O NOVO EXAME DE ORDEM...13 2. PONTOS A SEREM DESTACADOS NO EDITAL DO EXAME... SUMÁRIO ORIENTAÇÕES AO EXAMINANDO...13 1. PROVIMENTO 136/09: O NOVO EXAME DE ORDEM...13 2. PONTOS A SEREM DESTACADOS NO EDITAL DO EXAME...16 2.1. MATERIAIS/PROCEDIMENTOS PERMITIDOS E PROIBIDOS...16 2.2.

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CAPACIDADE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Murillo Sapia Gutier 1

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CAPACIDADE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Murillo Sapia Gutier 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CAPACIDADE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL Murillo Sapia Gutier 1 SUMÁRIO: 1. Conceito; 2. Capacidade de direito; 3. Capacidade de ser parte; 4. Capacidade Processual; 5. Capacidade postulatória;

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

SUMÁRIO. Questões comentadas dos exames da OAB - 2ª edição

SUMÁRIO. Questões comentadas dos exames da OAB - 2ª edição SUMÁRIO Questões comentadas dos exames da OAB - 2ª edição Apresentação - Marco Antonio Araujo Junior Sobre os autores 1.1 Introdução princípios e poderes 1.2 Ato administrativo 1.3 Organização da Administração

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO. ANEXO EMENTAS (Turma III) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO. ANEXO EMENTAS (Turma III) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a Seminário de Integração e Motivação SIM () Seminário de imersão. Capacita o aluno a quebrar barreiras

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ 1ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE ENTRÂNCIA FINAL DE ARAPONGAS.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ 1ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE ENTRÂNCIA FINAL DE ARAPONGAS. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ 1ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE ENTRÂNCIA FINAL DE ARAPONGAS. EDITAL N. 01/2014 TESTE SELETIVO PARA INGRESSO AO QUADRO DE ASSESSOR JURÍDICO DAS-5 DO MINISTÉRIO

Leia mais

1ª FASE - EXTENSIVO NOTURNO Disciplina: Direito Processual Civil Prof.: Fábio Menna Data: 08/09/2008

1ª FASE - EXTENSIVO NOTURNO Disciplina: Direito Processual Civil Prof.: Fábio Menna Data: 08/09/2008 TEMAS TRATADOS EM SALA 1. Jurisdição e Competência Ação Estado para que exerça atividade jurisdicional. Art. 1º, CPC. Pode ser contenciosa (há conflito de interesses, e o Estado atua na solução deste conflito)

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA 1) A prova terá duração máxima de 3 horas. 2) Cada questão possui apenas uma resposta correta e, a marcação de mais de uma assertiva, implicará em sua nulidade. 3) Durante

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

Wander Garcia. Coordenador da coleção Como Passar OAB. 2 a FASE. 3 a Edição 2012 PRÁTICA ADMINISTRATIVA E CONSTITUCIONAL. Wander Garcia e Teresa Melo

Wander Garcia. Coordenador da coleção Como Passar OAB. 2 a FASE. 3 a Edição 2012 PRÁTICA ADMINISTRATIVA E CONSTITUCIONAL. Wander Garcia e Teresa Melo na Wander Garcia Coordenador da coleção Como Passar OAB 3 a Edição 2012 2 a FASE PRÁTICA ADMINISTRATIVA E CONSTITUCIONAL Wander Garcia e Teresa Melo SUMÁRIO ORIENTAÇÕES AO EXAMINANDO...13 1. Provimento

Leia mais

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2. 2 0 0 7 PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.164,95 2 - Recursos: A) interposição de qualquer recurso 1.042,37 3,8476 40,11 1.082,47 B)

Leia mais

WANDER GARCIA TERESA MELO BRUNA VIEIRA PRÁTICA ADMINISTRATIVA E CONSTITUCIONAL. 4 a EDIÇÃO COLEÇÃO. Coordenador da Coleção

WANDER GARCIA TERESA MELO BRUNA VIEIRA PRÁTICA ADMINISTRATIVA E CONSTITUCIONAL. 4 a EDIÇÃO COLEÇÃO. Coordenador da Coleção WANDER GARCIA TERESA MELO BRUNA VIEIRA PRÁTICA ADMINISTRATIVA E CONSTITUCIONAL 4 a EDIÇÃO COLEÇÃO Coordenador da Coleção SUMÁRIO ORIENTAÇÕES AO EXAMINANDO...13 1. Provimento 144/11: o Novo Exame de Ordem...13

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

T E O R I A GERAL DO DIREITO CIVIL

T E O R I A GERAL DO DIREITO CIVIL ROTEIRO DE AULA Ponto 02 Teoria Geral do Direito Civil 1. Histórico Romano-Germânica Direito Português Direito Brasileiro Idade Antiga Ius Civile (Roma) Idade Média Direito Romano com fortes influências

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 07854/2008 2. Classe de Assunto: III - Consulta 3. Entidade: Defensoria Pública 4. Interessado: Estellamaris Postal 5. Relator: Conselheiro Napoleão de

Leia mais

Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil Lei 8.906/1994

Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil Lei 8.906/1994 Ética Profissional Aula 01 Professora Clara Brum Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil Lei 8.906/1994 DA ADVOCACIA Pontos da aula: Do Exame de Ordem Prov. 144/ 13 de junho de 2011. Da

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ Dispõe sobre a nomeação de defensor dativo nas Comarcas onde não exista Defensoria Pública e dá outras providências atribuições legais, O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, no uso de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Os atos das partes podem ser classificados em três espécies: postulatórios, dispositivos e instrutórios.

Os atos das partes podem ser classificados em três espécies: postulatórios, dispositivos e instrutórios. Material disponibilizado pelo Professor: ATOS PROCESSUAIS Algumas características importantes: a) ausência de forma via de regra, os atos processuais são desprovidos de solenidade para sua prática, ou

Leia mais

CONSELHO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CONSELHO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR GERAL DO ESTADO DE SÃO PAULO PROPOSTA: INCLUSÃO DA INTIMAÇÃO PESSOAL DO PROCURADOR DO ESTADO NO PROJETO DE LEI ORGÂNICA DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO DE SÃO PAULO, COMO

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet.

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE DIREITO PÚBLICO DIREITO CONSTITUCIONAL Notas de Aula (Esboço) Atualizada em: 18.10.06 Docente: Prof. Dr.

Leia mais

Exercícios de Direito Processual do Trabalho para Concursos

Exercícios de Direito Processual do Trabalho para Concursos de Direito Processual do Trabalho para Concursos 1. No que diz respeito ao jus postulandi, conforme entendimento sumulado, é correto afirmar: (Juiz do Trabalho FCC TRT/SP 2011). (A) Pode ser exercido em

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR CONSULTA N 04/2015 CAOP CÍVEL. Objeto: Ação de investigação de paternidade proposta pelo MP Substituto processual Isenção de custas processuais. Interessado: Dr. Guilherme Giacomelli Chanan, d. Promotor

Leia mais

Corregedoria Geral da Justiça

Corregedoria Geral da Justiça ,,* Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Página 1 de 7 r Corregedoria Geral da Justiça Provimento CG. N 33/97 Regulamenta a informatização dos Ofícios de Justiça que passam a utilizar o Sistema de

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0000.15.036232-5/000 Númeração 0362325- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Raimundo Messias Júnior Des.(a) Raimundo Messias Júnior 06/10/2015 08/10/2015

Leia mais

@PROVA MPU: TÉCNICO DIREITO CONSTITUCIONAL

@PROVA MPU: TÉCNICO DIREITO CONSTITUCIONAL @PROVA MPU: TÉCNICO DIREITO CONSTITUCIONAL 51. Todas as normas presentes na CF, independentemente de seu conteúdo, possuem supremacia em relação à lei ordinária, por serem formalmente constitucionais.

Leia mais

O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA

O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA EDITAL Nº 018/2011 O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PARA INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA,no uso de suas atribuições legais, torna público os Pontos da Prova Oral do Concurso

Leia mais

CAP 01 - Princípios...15

CAP 01 - Princípios...15 Sumário CAP 01 - Princípios...15 1.1. PRINCÍPIOS BÁSICOS:...16 1.1.1. Princípio da Supremacia do Interesse Público Sobre o Privado...16 1.1.2. Princípio da Indisponibilidade do Interesse Público...16 1.2.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PROCURADORIA GERAL DO ESTADO

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PROCURADORIA GERAL DO ESTADO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PROCURADORIA GERAL DO ESTADO II PROCESSO SELETIVO PARA FORMAÇÃO DO QUADRO DE RESERVA DE ESTAGIÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR, DA ÁREA DE DIREITO DA PGE/PA BELÉM, 23 DE OUTUBRO DE 2008

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS SIMULADOS DE DIREITO 5º Simulado de ORGANIZAÇÃO DO MPE/RJ! PROFESSOR: RICARDO GOMES

PONTO DOS CONCURSOS SIMULADOS DE DIREITO 5º Simulado de ORGANIZAÇÃO DO MPE/RJ! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: ORGANIZAÇÃO DO MPE/RJ TODOS OS CARGOS DIREITO PROCESSUAL PARA O TCU TEORIA E EXERCÍCIOS REGIMENTO INTERNO DO TSE TODOS OS CARGOS (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES Tiago Ghellar Fürst A nova Lei de Falências e Recuperação Judicial, que entrou em vigor no dia 09.06.2005 (Lei 11.101/2005, publicada no DOU

Leia mais

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Curso Resultado Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Atualizado em 18 de dezembro de 2015 Sumário Ação coletiva / civil pública Ação contra seguradora Ação de adjudicação compulsória

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. Vigência Regulamento Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO COMPETÊNCIA AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE DE FATO PEDIDO DE INDENIZAÇÃO.

AGRAVO DE INSTRUMENTO COMPETÊNCIA AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE DE FATO PEDIDO DE INDENIZAÇÃO. Órgão : Quinta Turma Cível Classe : AGI Agravo de Instrumento N. Processo : 2007 00 2 003404-3 Agravante : E. C. R. Agravado : J. G. DA S. J. Relatora : Desembargadora HAYDEVALDA SAMPAIO EMENTA AGRAVO

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO CCR/PP/249/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ORIGEM: PTM DE SANTARÉM/PA PRT DA 8ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DR. VITOR BAUER FERREIRA DE SOUZA INTERESSADO 1: ALFA SUPERMERCADO LTDA INTERESSADO

Leia mais

Fredie Didier Jr. Ravi Peixoto

Fredie Didier Jr. Ravi Peixoto Fredie Didier Jr. Professor-associado da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (graduação, mestrado e doutorado). Coordenador do curso de graduação da Faculdade Baiana de Direito, Membro

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL DOAÇÃO DE LIVROS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL DOAÇÃO DE LIVROS MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL DOAÇÃO DE LIVROS Conforme dispõe a Instrução Normativa MPF/SG/SA nº 001/1993, os bens classificados como IRRECUPERÁVEIS poderão

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE Ministério Público do Estado de Minas Gerais Fechamento de barragens Aspectos institucionais; Fechamento de mina X fechamento de barragem. Teoria da responsabilidade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000216806 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0196471-72.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante SOCIORTHO COMERCIO

Leia mais

CURSO: DIREITO. 3. De acordo com o trecho da música Quase sem querer, do grupo Legião Urbana, marque a alternativa correta: Quase sem querer

CURSO: DIREITO. 3. De acordo com o trecho da música Quase sem querer, do grupo Legião Urbana, marque a alternativa correta: Quase sem querer CURSO: DIREITO CONHECIMENTOS BÁSICOS: LINGUA PORTUGUESA 1. De acordo com a gramática da Língua Portuguesa, a Concordância é o processo sintático em que certas palavras se combinam. Tal combinação formal

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...7 CAPÍTULO I JUSTIFICATIVA, ASPECTOS HISTÓRICOS E SISTEMAS EXISTENTES DE CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE...19 1. Justificativa

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes Sinopse Este livro divide-se em duas partes, analisando primeira e detalhadamente a Teoria Geral dos Direitos Humanos, para a seguir enfocar

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI » Pedro Henrique Meira Figueiredo NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI O ano de 2010 marcou a comunidade jurídica com a divulgação dos tão esperados anteprojetos do novo Código

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO PROGRAMA DE DISCIPLINA II. Disciplina: PRÁTICA JURÍDICA I (D-40) Área: Ciências Sociais Período: Sétimo Turno: Matutino/Noturno Ano: 2008.1 Carga Horária: 90 H; Créd.: 05 III. Pré-Requisito:

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

SUPER PLUS Disciplina: Direito Processual Civil Tema: Ação e Processo Prof.: Rodrigo da Cunha Lima Freire Data: 21/02/2005.

SUPER PLUS Disciplina: Direito Processual Civil Tema: Ação e Processo Prof.: Rodrigo da Cunha Lima Freire Data: 21/02/2005. Doutrina 1. Conceito de ação AÇÃO. CONDIÇÕES DA AÇÃO. PROCESSO. PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS 2. Teorias acerca da natureza jurídica da ação 2.1. Teoria civilista ou imanentista 2.2. Teoria da ação como direito

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

(6^_ê0â1R0) (D=:A5) - Nº Lote: 2013101705-2_1 - REEXAME NECESSÁRIO N. 2008.34.00.006506-3/DF - TR14403 V O T O RELATÓRIO

(6^_ê0â1R0) (D=:A5) - Nº Lote: 2013101705-2_1 - REEXAME NECESSÁRIO N. 2008.34.00.006506-3/DF - TR14403 V O T O RELATÓRIO (6^_ê0â1R0) PODER JUDICIÁRIO RELATÓRIO Trata-se de reexame necessário de sentença em que o magistrado da 9ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal, em ação de mandado de segurança, concedeu

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

MPU MPF MPT MPM MPDFT Conselho de Ass. Superior do MPU

MPU MPF MPT MPM MPDFT Conselho de Ass. Superior do MPU 1 Estrutura de Carreira PGR PGT PGJM PGJDFT Sub PGR Sub PGT Sub PGM Procurador de Justiça Proc. Regional da República Proc. Regional do Trabalho Procurador Militar Promotor de Justiça Procurador da República

Leia mais

[FÊNIX ASSOCIAÇÃO PRÓ SAÚDE MENTAL]

[FÊNIX ASSOCIAÇÃO PRÓ SAÚDE MENTAL] A IMPORTÂNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA SAÚDE O Ministério Público tem a sua razão de ser na necessidade de ativar o Poder Judiciário, em pontos em que esta remanesceria inerte porque o interesse agredido

Leia mais

HONORÁRIOS DE ADVOGADO NO PROCESSO DO TRABALHO

HONORÁRIOS DE ADVOGADO NO PROCESSO DO TRABALHO HONORÁRIOS DE ADVOGADO NO PROCESSO DO TRABALHO Sergio Pinto Martins SUMÁRIO: 1 Etimologia. 2 Conceito. 3 Fundamentos. 4 Ius Postulandi. 5 Classificação. 6 Honorários de Advogados. 7 Código Civil. 8 Relações

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO, qualificada nos autos, interpôs embargos declaratórios à sentença de fls. 181/182, que extinguiu

Leia mais