CONTABILIDADE INTERNACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE INTERNACIONAL"

Transcrição

1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA CONTABILIDADE INTERNACIONAL Com ênfase no IFRS, US Gaap e BR Gaap Maio de 2012

2 SUMÁRIO DAS AULAS 05/05/2012 Ambiente Econômico Internacional Necessidade de Harmonização IFRS - Fundamentos e Estrutura US GAAP Fundamentos e Estrutura BR GAAP Fundamentos e Estrutura

3 SUMÁRIO DAS AULAS 12/05/2012 Ativo Intangível Goodwill Investimento Equivalência Patrimonial Exercícios

4 SUMÁRIO DAS AULAS 26/05/2012 Ativo Imobilizado Teste do Impairment Fluxo de Caixa Descontado Exercícios

5 SUMÁRIO DAS AULAS 02/06/2012 Métodos de Conversão Método Corrente Conversão pela Taxa de Câmbio Método Histórico Estudo de Caso Final

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ERNEST & YOUNG, -; FIPECAFI, - Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. São Paulo: Atlas, CARVALHO, N. L.; LEMES, S. Contabilidade internacional para graduação: textos, estudos de casos e questões de múltipla escolha. São Paulo: Atlas, NIYAMA, J. K. Contabilidade internacional. 2. ed. São Paulo: Atlas, PADOVEZE, C. L.; BENEDICTO, G. C.; LEITE, J. S. J. Manual de Contabilidade internacional. São Paulo: Cengage, SANTOS, J. L.; SCHIMIDT, P.; FERNANDES, L. A. Introdução a contabilidade internacional. São Paulo: Atlas,

7 AMBIENTE ECONÔMICO INTERNACIONAL Ambiente Econômico Internacional Necessidade de Harmonização IFRS - Fundamentos e Estrutura US GAAP Fundamentos e Estrutura BR GAAP Fundamentos e Estrutura

8 AMBIENTE ECONÔMICO INTERNACIONAL QUAL FOI O MOTIVO DA INTERNACIONALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE? Internacionalização dos Mercados de Capitais proporcionado por investimentos estrangeiros e formação de blocos econômicos. Necessidade de um conjunto de padrões contábeis internacionais que permitam a comparação de informações entre companhias. Busca de informações por parte de grandes grupos que realizam operações comerciais internacionais.

9 AMBIENTE ECONÔMICO INTERNACIONAL CARACTERÍSTICAS Apresentar aos usuários externos e internos informações úteis e de qualidade para auxiliar na tomada de decisões; Contribui para a captação de recursos financeiros em algum mercado de capitais específico; É considerada como a linguagem universal dos negócios, tendo em vista a harmonização de suas normas; Reporte de informações no caso de empresas estrangeiras instaladas em diferentes países em que são negociadas suas ações; É diante dessas características que a Contabilidade Internacional é considerada a principal ferramenta de divulgação do desempenho empresarial!

10 AMBIENTE ECONÔMICO INTERNACIONAL AS DIMENSÕES DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL CONTABILIDADE INTERNACIONAL Elaboração e Reporte EMPRESAS Brasil Estados Unidos União Européia PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Linguagem Financeira Localização Geográfica Utilização das DC como fonte de informações USUÁRIOS Ásia Canadá México Localização da empresa Localização da empresa Adaptado de Padoveze, Benedicto e Leite (2012)

11 ESTRUTURA DAS INFORMAÇÕES DA CI De modo geral, as informações empresariais das companhias são agrupadas em um único relatório, conhecido como Relatório Anual e deve contemplar a seguinte estrutura: RELATÓRIO ANUAL Relatório da Administração Demonstrações Contábeis Notas Explicativas Parecer dos Auditores Parecer do Conselho Fiscal Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração do Resultado Abrangente Demonstrações das mutações do PL Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Valor Adicionado Balanço Social Todas essas informações devem possuir atributos que permitam a sua compreensibilidade por parte de seus usuários. Por isso que existe a harmonização das normas contábeis!

12 NECESSIDADE DE HARMONIZAÇÃO A harmonização das normas contábeis torna-se fundamental pelo fato de que: Melhora a transparência e a compreensão, facilitando a comparabilidade das informações divulgadas às diferentes economias; Reduz os custos na elaboração, divulgação e de auditoria; Exclui as diferenças em resultados gerados pelo reconhecimento contábil a partir de um único conjunto de normas; Facilita e simplifica o processo de consolidação das demonstrações financeiras; Melhora a comunicação da empresa com seus investidores nacionais e estrangeiros;

13 IFRS Fundamentos e Estrutura O que é o IASC? Significa COMITÊ DE NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ou International Accounting Standards Committee. Criado em 1973 por meio de um acordo entre diversas entidades profissionais de vários países; Sediado em Londres e foi até o ano de 2001 o órgão normatizador dominante; Após 2001 surge o IASB International Accounting Standards Board que sucedeu o IASC e é denominada como IFRS International Financial Reporting Standards;

14 IFRS Fundamentos e Estrutura Estrutura do IASB Conselho de Monitoramento Aprova e fiscaliza os curadores Fundação IASC Com 22 curadores, nomeia, fiscaliza e capta recursos Conselho Com membros, define a agenda técnica, aprova normas e interpretação Conselho Cunsultivo de Normas Vinculado ao Conselho com 40 membros Comitê de Normas Contábeis Internacionais Vinculado ao Conselho com 14 membros Grupos de Trabalho Vinculado ao Conselho para grandes projetos em agenda

15 IFRS Fundamentos e Estrutura Normas Internacionais da IAS IAS ASSUNTO 1 Apresentação das demonstrações contábeis 2 Estoques 7 Demonstração do Fluxo de Caixa 8 Políticas contábeis, erros fundamentais e mudanças das estimativas contábeis 10 Eventos subsequentes à data do Balanço 11 Contratos de Construção 12 Imposto de Renda 16 Ativo Imobilizado 17 Arrendamentos (leasing) 18 Receita 19 Benefícios aos empregados 20 Contabilidade de concessões governamentais e divulgação de assistência 21 Efeitos das mudanças nas taxas de câmbio

16 Normas Internacionais da IAS IAS 23 Custos de Empréstimos ASSUNTO 24 Divulgação das partes relacionadas 26 Contabilidade e emissão de relatórios para planos de aposentadoria 27 Demonstrações contábeis consolidadas e contabilidade para investimentos 28 Contabilidade para investimentos em associadas 29 Demonstrações contábeis em economias hiperinflacionárias 31 Tratamento contábil de participação em empreendimentos joint venture 32 Instrumentos financeiros: divulgação e apresentação 33 Lucro por ação 34 Relatórios financeiros intermediários 36 Redução no valor recuperável de ativos 37 Provisões, passivos e ativos contingentes 38 Ativos Intangíveis 39 Instrumentos Financeiros : reconhecimento e mensuração 40 Propriedades para Investimento 41 Agricultura

17 IFRS Fundamentos e Estrutura Normas Internacionais de Relatório financeiro IFRS ASSUNTO 1 Adoção pela primeira vez das IFRS 2 Remuneração com base em ações 3 Combinação de empresas 4 Instrumentos financeiros e contratos de seguros 5 Ativos não correntes mantidos para a venda e operações descontinuadas 6 Exploração e avaliação de recursos minerais 7 Instrumentos financeiros: divulgação de informações 8 Segmentos operacionais 9 Instrumentos Financeiros (a partir de 2013)

18 IFRS Fundamentos e Estrutura O BRASIL e a Contabilidade Internacional Quais são os órgãos brasileiros que normatizam o Brasil à Contabilidade Internacional? BACEN CVM CPC Comunicado /06 determina o desenvolvimento de ação específica para as instituições financeiras passem a adotar o IFRS a partir de Determina por meio da IN 457/07 que as companhias abertas a partir de 2010 divulguem suas demonstrações contábeis nos padrões IFRS. Determina os procedimentos a serem realizados em convergência com as normas internacionais. LEI 6.404/76 LEI /07 LEI /09

19 IFRS Fundamentos e Estrutura O BRASIL e a Contabilidade Internacional TIPOS DE ENTIDADES SOCIEDADE ANÔNIMA de Capital Aberto SOCIEDADE ANÔNIMA de Capital Fechado (GP) SOCIEDADE ANÔNIMA de Capital Fechado (MP) SOCIEDADE LIMITADA de Grande Porte SOCIEDADE LIMITADA de Pequeno Porte ADOÇÃO IFRS ADOÇÃO CVM PUBLICAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONTRATAÇÃO AUDITORIA INDEPENDENTE Sim Sim Sim Sim Não Opcional Sim Sim Não Opcional Sim Não Não Não Não Não Não Não Sim Não

20 US GAAP Fundamentos e Estrutura O que é o FASB? O FASB - Financial Accounting Standards Board, ou Comitê de Normas de Contabilidade Financeira é um órgão do setor privado da economia americana que foi criado em 1973 para emissão de pronunciamentos sobre assuntos contábeis. SUA MISSÃO Aperfeiçoar e estabelecer os padrões contábeis, servindo como guia e educador para todo o público.

21 US GAAP Fundamentos e Estrutura Enquanto no Brasil tem-se a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), nos EUA têm-se a SEC (Securities and Exchange Commission) que regula o mercado de capitais dos EUA é o responsável pela regulamentação contábil das Companhias americanas. Base Estrutural United States Generally Accepted Accounting Principles - USGAAP Pronunciamento No Brasil, equivalese ao PCNA Princípios Contábeis Geralmente Aceitos Statement of Financial Accounting Standards - SFAS No Brasil, equivalese ao CPC Comitê de Pronunciamentos Contábeis

22 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais Quais são as entidades que se pronunciam sobre as Normas e Procedimentos CFC Conselho Federal de Contabilidade IBRACON Instituto dos Auditores Independentes do Brasil CVM Comissão de Valores Mobiliários + + Contábeis no Brasil? Houve a existência de muitas divergências CPC Comitê de Pronunciamentos Contábeis A partir de então foi criado o CPC

23 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais COMPOSIÇÃO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS Criado pela Resolução CFC no 1.055/05 ABRASCA Associação Brasileira das Companhias Abertas; APIMEC Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais; BM&F BOVESPA Bolsa de Valores de São Paulo; CFC Conselho Federal de Contabilidade; FIPECAFI Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras; e IBRACON Instituto dos Auditores Independentes do Brasil.

24 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS Decorre em função das necessidades de: Convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos e custo nas análises e decisões, redução de custo de capital); Centralização na emissão de normas Representação das Instituições nacionais interessadas em eventos internacionais.

25 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS Tipos de Produtos elaborados pelo CPC: Pronunciamentos Técnicos Interpretações Orientações IMPORTANTE Os Pronunciamentos Técnicos serão obrigatoriamente submetidos a audiências públicas

26 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS Pronunciamento da Estrutura conceitual Básico CPC 01 IAS 36 Redução ao Valor Recuperável de Ativos CPC 02 IAS 21 Efeitos das mudanças nas taxas de câmbio e conversão das DC CPC 03 - IAS 7 Demonstração dos Fluxos de Caixa CPC 04 IAS 38 Ativo Intangível CPC 05 IAS 24 Divulgação sobre Partes Relacionadas CPC 06 IAS 17 Operações de Arrendamento Mercantil CPC 07- IAS 20 Subvenção e Assistência Governamentais CPC 08 IAS 39 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

27 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais CPC 09 - Demonstração do Valor Adicionado CPC 10 IFRS 2 Pagamento baseado em ações CPC 11 IFRS 4 Contratos de seguros CPC 12 - Ajuste a Valor presente CPC 13 - Adoção inicial da Lei nº /07 CPC 14 IAS 32/39 Instrumentos financeiros fase I CPC 15 IFRS 3 - Combinação de Negócios CPC 16 IAS 2 - Estoques CPC 17 IAS 11 - Contratos de Construção CPC 18 IAS 28 - Investimentos em Coligadas e Controladas

28 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais CPC 19 IAS 31 - Investimento em empreendimento controlado em conjunto CPC 20 IAS 23 - Custos de Empréstimos CPC 21 IAS 34 - Demonstração intermediária CPC 22 IFRS 8 - Informações por Segmento CPC 23 IAS 8 - Políticas contábeis, mudanças em estimativa e retificação de erro CPC 24 IAS 10 - Evento subsequente CPC 25 IAS 37 - Provisões, Passivos contingentes e ativos contingentes CPC 26 IAS 1 - Apresentação das demonstrações contábeis CPC 27 IAS 16 - Ativo Imobilizado CPC 28 IAS 40 - Propriedade para Investimento CPC 29 IAS 41 - Ativo Biológico e Produto Agrícola

29 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais CPC 30 IAS 18 - Receitas CPC 31 IFRS 5 Ativo não Circulante mantido para a venda CPC 32 IAS 12 Tributos sobre o lucro CPC 33 IAS 19 Benefícios a empregados CPC 35 IAS 27 Demonstrações separadas CPC 37 IFRS 1 Adoção inicial das Normas Internacionais de Contabilidade CPC 38 IAS 39 Instrumentos Financeiros: reconhecimento e mensuração CPC 39 IAS 32 Instrumentos Financeiros: apresentação CPC 40 IFRS 7 Instrumentos Financeiros: evidenciação CPC 41 IAS 33 Resultado por Ação CPC 43 IFRS 1 Adoção inicial dos pronunciamentos CPC 15

30 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS Orientações Técnicas OCPC 01 Entidades de incorporação imobiliária OCPC 02 Esclarecimentos sobre as Demonstrações Contábeis de 2008 OCPC 03 Instrumentos Financeiros: reconhecimento, mensuração e evidenciação OCPC 04 Aplicação da Interpretação Técnica ICPC 02 nas entidades imobiliárias OCPC 05 Contratos de Concessão

31 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS Interpretações Técnicas ICPC 01 Contratos de concessão ICPC 02 Contrato de construção do setor imobiliário ICPC 03 Aspectos complementares das operações de arrendamento mercantil ICPC 04 CPC 10 - Pagamento Baseado em Ações ICPC 05 Pagamento Baseado em Ações Transações de ações do grupo ICPC 06 Hedge de investimento líquido em operações no exterior ICPC 07 Distribuição de Lucros in natura ICPC 08 Contabilização da proposta de dividendos ICPC 09 Demonstrações contábeis individuais, separadas e consolidadas e aplicação do método de equivalência patrimonial

32 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS Interpretações Técnicas ICPC 10 Aplicação inicial ao Ativo Imobilizado e a propriedade para investimento ICPC 11 Recebimento em transferência de ativos dos clientes ICPC 12 Mudanças em passivos por desativação, restauração e outros passivos ICPC 13 Direitos a participações decorrentes de fundos de desativação, restauração e reabilitação ambiental ICPC 15 Passivo decorrente de participação de um mercado específico. ICPC 16 Extinção de passivos financeiros com instrumentos patrimoniais ICPC 17 Contratos de Concessão - Evidenciação

33 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais ESTRUTURA DAS PRÁTICAS CONTÁBEIS NO BRASIL LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA BRASILEIRA Lei 6.404/76 Lei /07 Lei /09 PRONUNCIAMENTOS CPC CFC CVM BACEN SUSEP ANEEL ANATEL ANS ANTT Demais

34 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais PARTICULARIDADES DA LEI /07 Art. 3º Obrigatoriedade de Auditoria Independente as Sociedades de Grande Porte QUAL O CONCEITO DE SOCIEDADE DE GRANDE PORTE? Independentemente se S/A ou LTDA. Quando no exercício social anterior: A empresa apresentou um Ativo total superior a R$ 240 milhões Quando a empresa auferiu uma Receita bruta superior a R$ 300 milhões

35 Aplicação da lei para as companhias abertas e para as sociedades de grande porte S.A. aberta S.A. fechada grande porte S.A. fechada pequeno porte sociedade de grande porte (Ltda.) normas contábeis da Lei e da CVM auditoria publicação normas contábeis da Lei e da CVM auditoria publicação normas contábeis da Lei ou da CVM publicação normas contábeis da Lei auditoria não tem publicação Fontes (2012)

36 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais PARTICULARIDADES DA LEI /07 CPC 13 - Adoção inicial da Lei nº /07 e MP nº 449/08 Dispensa excepcional de demonstrações comparativas; Mudanças de práticas que alterem saldos de 2007 devem ser ajustadas no balanço de abertura contra Lucros Acumulados; Notas Explicativas com esses efeitos DFC e DVA não precisam de comparação a não ser que já fossem divulgadas

37 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais PARTICULARIDADES DA LEI /07 Art. 1º - Inciso IV e V Ao fim de cada exercício social serão elaborados: I - Balanço Patrimonial; II - Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados; III - Demonstração do Resultado do Exercício; IV Demonstração dos Fluxos de Caixa; e Quando PL for superior a R$ ,00 V Demonstração do Valor Adicionado. Se acaso for S/A de Capital Aberto

38 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais NOVA ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL - LEI /07 1. ATIVO 2. PASSIVO 1.1 Ativo Circulante 2.1 Passivo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2.2 Passivo Não Circulante 2.3 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Realizável a Longo Capital Social Prazo Reservas de Capital Investimentos Reservas de Lucros Imobilizado Ajustes de Variação Intangível Patrimonial (-) Ações em Tesouraria (-) Prejuízos Acumulados

39 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais NOVA ESTRUTURA DA DRE - LEI /07 I - Receita bruta das vendas e serviços (-) Deduções das vendas, os abatimentos e os impostos; (=) Receita líquida das vendas e serviços (-) Custo das Mercadorias e Serviços vendidos ou CPV (=) Lucro Operacional Bruto (-) Despesas Operacionais Despesas com Vendas Despesas Administrativas Despesas Tributárias Despesas Operacionais Financeiras Despesas Financeiras (+) Receitas Financeiras Variações Cambiais (-) Outras Receitas e Despesas (=) Lucro Líquido antes do Imposto de Renda e Contribuição Social (-) Provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro (=) Lucro Líquido após Provisão (-) Participação de Debêntures, Empregados, Administradores e partes relacionadas (=) Lucro Líquido do Exercício

40 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais AJUSTE A VALOR PRESENTE - LEI /07 Exigido para Ativos e Passivos não-circulantes. Quando relevantes os ajustes também devem ser feitos nos circulantes Busca-se eliminar os juros embutidos implícita ou explicitamente Venda a prazo ou compra a prazo Retirar a parcela de juros do contas a receber Redução da receita de vendas

41 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais DEPARTAMENTO DE COMPRAS Exemplo numérico Qual o valor de Mercado do Estoque? R$ 2.610,00 Qual o valor a vista do Estoque adquirido? R$ 2,520,00 Qual foi a margem operacional adquirida com a compra? R$ 90,00

42 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais DEPARTAMENTO DE COMPRAS Exemplo numérico Qual foi a Receita Financeira obtida com a compra? R$ 54,27 M = P x (1 + i) n A Receita Financeira refere-se a aplicação financeira possibilitada pela postergação do pagamento do produto , ,00 M = 2.700,00 x (1 + 0,01) x (1+0,01) M = 2.700,00 x (1,01) x (1,01) M = 2.700,00 x 1,0201 M = 2.754,27

43 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais DEPARTAMENTO DE COMPRAS Exemplo numérico Qual foi o Custo Financeiro obtido com a compra? R$ 180,00 O Custo Financeiro refere-se ao financiamento que foi concedido pelo fornecedor. CF = Est. Vista Est. Prazo CF = 2.520, ,00 CF = (180,00)

44 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais DEPARTAMENTO DE COMPRAS Exemplo numérico Qual foi a Margem Financeira obtida com a compra? (R$ 125,73) A Margem Financeira é a diferença entre a Receita Financeira e o Custo Financeiro referente à aquisição. MF = Rec. Financ. Custo Financ. MF = 54,27 180,00 MF = (125,73)

45 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais DEPARTAMENTO DE COMPRAS Exemplo numérico Matéria Prima: Barra de Ferro 7/8 Nota Fiscal Data: 02/09/2010 Fornecedor: Fornecedor Alpha Ltda Quantidade: 900 Unid. Medida: Valor Unitário Prazo: 3,00 Valor Unitário a vista: Mt Prazo Pagto (mês) 2 % a.m. 1% 2,80 Valor Mercado a vista: 2,90 Valor Mercado Estoque: 2.610,00 Valor Total a Vista: 2.520,00 Margem Operacional: 90,00 Receita Financeira: 54,27 Custo Financeiro: (180,00) Margem Financeira: (125,73) Margem de Contribuição sobre a Aquisição - 35,73 Neste exemplo, o Departamento de Compras obteve uma Margem de Contribuição Negativa sobre a compra realizada.

46 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais DEPARTAMENTO DE COMPRAS Exemplo numérico Suponha-se que este mesmo produto foi adquirido por outro fornecedor (Fornecedor Beta SA) nas seguintes condições: Produto: Barra de Ferro 7/8 Quantidade Adquirida: 900 unidades Prazo para Pagamento: 60 dias (2 meses) Preço Unitário à Vista: R$ 2,80 Preço Unitário à Prazo: R$ 2,95 Custo de Oportunidade de Capital: 1% a.m. Data da Aquisição: 15/03/2012 Nota Fiscal número: Qual a Margem de Contribuição obtida com esta aquisição?

47 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO A empresa Inovação adquiriu do Fornecedor Champion produtos que serão utilizados para revenda, nas seguintes condições: Produto: Pneus 215/60 R16 Maxxis Quant. Adquirida: 150 unidades Prazo p/ Pagto: 90 dias (3 meses) Preço Unit. à Vista: R$ 287,00 Preço Unit. à Prazo: R$ 304,50 Preço Unit. Mercado: R$ 300,00 Custo de Oport. de Capital: 1,2% a.m. Data da Aquisição: 15/03/2012 Nota Fiscal número: Produto: Pneus 195/70 R15 Maxxis Quant. Adquirida: 210 unidades Prazo p/ Pagto: 90 dias (3 meses) Preço Unit. à Vista: R$ 165,00 Preço Unit. à Prazo: R$ 180,50 Preço Unit. Mercado: R$ 170,00 Custo de Oport. de Capital: 1,2% a.m. Data da Aquisição: 22/03/2012 Nota Fiscal número: 7.035

48 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO A empresa Inovação vendeu para consumidores diversos, os produtos que foram adquiridos, nas seguintes condições: Produto: Pneus 215/60 R16 Maxxis Quant. Vendida: 110 unidades Prazo p/ Recbto: 60 dias (2 meses) Preço Unit. à Vista: R$ 390,00 Preço Unit. à Prazo: R$ 429,00 Preço Unit. Mercado: R$ 410,00 Custo de Oport. de Capital: 5% a.m. Produto: Pneus 195/70 R15 Maxxis Quant. Vendida: 160 unidades Prazo p/ Recbto: 60 dias (2 meses) Preço Unit. à Vista: R$ 229,50 Preço Unit. à Prazo: R$ 252,45 Preço Unit. Mercado: R$ 240,00 Custo de Oport. de Capital: 5% a.m.

49 Convergência entre o Brasil e as Normas Internacionais 2º ENCONTRO - 12/05/2012 Ativo Intangível Goodwill Investimento Equivalência Patrimonial Exercícios

50 ATIVO INTANGÍVEL - LEI /07 É formado por contas que anteriormente eram classificadas no Imobilizado (Marcas e Patentes), no Diferido (Pesquisa e desenvolvimento) e em Investimentos (Ágio) Desenvolvimento de Produtos Marcas e patentes Fundos de mercado Goodwill O que é?

51 ATIVO INTANGÍVEL - LEI /07 GOODWILL - LEI /07 É a diferença entre valor de mercado e valor de custo? (ágio) NÃO, pois isso é ÁGIO Seria a diferença entre o valor pago e o valor de mercado? SIM, isso é GOODWILL

52 INVESTIMENTO - LEI /07 PARTICULARIDADES Método de equivalência patrimonial Estabelece o capital votante (20%) como base para a presunção de influência; Conceito de influencia significativa;

53 INVESTIMENTO - LEI /07 EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL É um método contábil de avaliação de investimentos realizados por uma empresa, chamada investidora, em outra, denominada investida. Em outras palavras, é um ajuste contábil realizado a fim de determinar o valor dos investimentos de uma companhia em outras empresas.

54 INVESTIMENTO - LEI /07 EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL O valor do investimento será determinado mediante a aplicação sobre o valor do PL, o percentual de participação da investidora no capital da coligada ou controlada. Art. 248, inciso I da Lei 6.404/ no valor do PL da coligada ou controlada não dever ser computados os resultados não realizados decorrentes de negócios com a companhia investidora ou com outras sociedades coligadas à companhia ou por ela controladas.

55 INVESTIMENTO - LEI /07 Equivalência patrimonial corresponde ao valor do investimento determinado mediante a aplicação da porcentagem de participação no capital social sobre o patrimônio liquido de cada coligada, sua equiparada e controlada. EXEMPLO: INVESTIDORA SIZE POSSUI AÇÕES DA INVESTIDA LIGHT INVESTIDA LIGHT CAPITAL AÇÕES 100 % PATRIMÔNIO LÍQUIDO CAPITAL + RESERVAS - PREJUÍZOS $ INVESTIDORA SIZE PARTICIPAÇÃO AÇÕES 30 % INVESTIMENTO NO VALOR PATRIMONIAL $

56 INVESTIMENTO - LEI /07 PARTICULARIDADES Devem ser avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial investimentos das pessoas jurídicas em: Sociedades Controladas; Sociedades Coligadas, cuja administração tenha influência, ou que participe de até 20% ou mais do Capital votante;

57 INVESTIMENTO - LEI /07 O QUE VEM A SER INFLUÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO? A empresa investidora tem só 15% do capital, mas é ela quem fornece a tecnologia de produção e designa o diretor industrial ou o responsável pela área de produção; A investidora tem 15% de participação, mas é responsável pela adm. e finanças, sendo a área de produção de responsabilidade dos outros acionistas.

58 INVESTIMENTO - LEI /07 O QUE SÃO SOCIEDADES COLIGADAS? São consideradas coligadas as sociedades quando uma participa com 10% ou mais do Capital Social da outra, sem controlá-la. EXEMPLO:. Se a Companhia A detiver 20% do Capital Social da Empresa B, as empresas A e B são coligadas. Porém, se esta participação for de 5%, não estará considerada a coligação entre as empresas Quando se referir ao Capital, este abrangerá tanto o capital votante quanto o não-votante

59 INVESTIMENTO - LEI /07 SOCIEDADES COLIGADAS Com base no Capital da Investida, determine o limite mínimo e Máximo de uma Coligada, conforme a Legislação. Espécie de Ação Capital da Investida Coligada Mínimo Coligada Máximo Ordinárias Preferenciais Total Quant. Ações Ações % Ações % ,9% % % ,95%

60 INVESTIMENTO - LEI /07 O QUE SÃO SOCIEDADES CONTROLADAS E CONTROLADORAS? São consideradas controladas as sociedades na qual a controladora, diretamente ou por intermédio de outras controladas, é titular de direitos dos sócios que lhe assegurem, de modo permanente, supremacia nas deliberações sociais e poder de eleger a maioria dos administradores. Neste sentido, o controle pode ser direto ou indireto (por meio de outras controladas) e refere-se à participação no Capital Votante.

61 INVESTIMENTO - LEI /07 SOCIEDADES CONTROLADAS E CONTROLADORAS EXEMPLO: Se a Companhia A participa com mais de 50% do Capital Votante da Empresa B, configura-se o controle, ou seja, a Empresa A controla a Empresa B. a) A Empresa A detém 15% do Capital Votante da Empresa C b) A Empresa B (que é controlada por A) participa com 40% do Capital Votante da Empresa C.... Assim, conclui-se que A empresa A é controladora também da Empresa C, porque a soma das participações (15% própria e 40% de sua controlada B) ultrapassa a 50% do Capital Votante.

62 INVESTIMENTO - LEI /07 SOCIEDADES CONTROLADAS E CONTROLADORAS Com base no Capital da Investida, determine o limite mínimo e máximo de uma Controlada, conforme a Legislação. Espécie de Ação Capital da Investida Controlada Mínimo Controlada Máximo Ordinárias Preferenciais Total Quant. Ações Ações % Ações % ,1% % % ,1% %

63 INVESTIMENTO - LEI /07 Classificação das participações quanto ao % que a investidora possui do Capital da Investida. 10% OU MAIS DO CAPITAL TOTAL DA INVESTIDA SEM CONTROLE COLIGADA CAPITAL VOTANTE QUE GARANTE PODER DE DECISÃO NAS AG MAIS QUE 50 % DO CAPITAL VOTANTE CONTROLADA MENOS QUE 10% DO CAPITAL VOTANTE E MENOS QUE 10% DO CAPITAL TOTAL OUTRAS PARTIPAÇOES

64 INVESTIMENTO - LEI /07 MOMENTO EM QUE DEVE SER FEITA A EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Na aquisição do Investimento Momento em que deverá ser desdobrado o custo de aquisição em valor da equivalência patrimonial e em valor do ágio ou deságio na aquisição (diferença entre o custo de aquisição e o valor da equivalência patrimonial). Em cada Balanço de encerramento do período-base de apuração do Lucro Real Momento em que o ajuste do valor do investimento ao valor de Patrimônio Líquido da coligada ou controlada deverá ser registrado.

65 INVESTIMENTO - LEI /07 NORMAS GERAIS O valor do PL da coligada ou controlada será determinado com base em Balanço Patrimonial ou balancete de verificação levantado na mesma data do Balanço da empresa, ou até 2 meses no máximo antes desta data. Se os critérios contábeis adotados pela coligada ou controlada e pela empresa investidora não forem uniformes, esta deverá fazer, no Balanço Patrimonial da coligada ou controlada, os ajustes necessários para eliminar as diferenças relevantes decorrentes da diversidade de critérios.

66 INVESTIMENTO - LEI /07 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS PERMANENTES São aplicações de recursos na aquisição de ações ou cotas de outras empresas com o objetivo de: Garantia de fornecimento de Matéria Prima, Tecnologia, entre outros. Aumentar a sua participação no mercado. Manter clientes considerados estratégicos. Garantir uma possível atividade complementar.

67 INVESTIMENTO - LEI /07 COMPOSIÇÃO DAS AÇÕES CAPITAL SOCIAL Lei 6.404/76 Artigo 15, 2o Lei nº , de estabelecem que... o número de ações preferenciais sem direito a voto não pode ultrapassar 50% (cinqüenta por cento) do total das ações emitidas. Assim, consequentemente as ações ordinárias devem corresponder a no mínimo, 50% mais uma ação.

68 INVESTIMENTO - LEI /07 MODALIDADES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS CAPITAL FECHADO Negocia suas ações na própria companhia CAPITAL ABERTO Possuem normatização na Comissão de Valores Mobiliários e Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo. Negocia suas ações na Bovespa

69 Implicações no Ativo Imobilizado - Lei /07 3º ENCONTRO - 26/05/2012 Ativo Imobilizado Teste do Impairment Fluxo de Caixa Descontado Exercícios

70 Implicações no Ativo Imobilizado - Lei /07 De acordo com a nova Lei, o que vem a ser o Ativo Imobilizado? Os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividade da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens. Art /76

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem 1 * Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem Em função das Necessidades de: - convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos

Leia mais

Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação

Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação A Nova Lei das S/A Lei nº 11.638/07 Introdução Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação Dependência de normatização: CVM, BACEN, SUSEP, CFC e outros LEI nº 11.638 versus Medida

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC 00 CPC 01 CPC 02 CPC 03 CPC 04 CPC 05 CPC 06 CPC 07 CPC 08 EMITIDOS Pronunciamento Técnico

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Código no SIGA: PMBACBIC09/00 Coordenação Acadêmica

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ed Ruiz Rogério Mota Emerson Ferreira Jonas Dal

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Coordenação Acadêmica:

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis

Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis Alexandre Alcantara da Silva Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis Adendo à 1ª edição Texto atualizado em 28.04.2009 Relativo às alterações introduzidas pela Lei nº 11.638/2007

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS Professor 1 JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Lei n. 11.638/2007. Nova Lei das n. Sociedades 11.638/2007 Anônimas. Contabilidade Empresarial. Nova Lei das Sociedades Anônimas

Lei n. 11.638/2007. Nova Lei das n. Sociedades 11.638/2007 Anônimas. Contabilidade Empresarial. Nova Lei das Sociedades Anônimas Lei n. 11.638/2007 Nova Lei das n. Sociedades 11.638/2007 Anônimas Prof. Dr. José Carlos Marion Nova Lei das Sociedades Anônimas Seminários Cursos Debates Fóruns de Discussão Contabilistas - 400.000 Escritórios

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVA LEI DAS S/A - LEI 11.638/07

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVA LEI DAS S/A - LEI 11.638/07 PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVA LEI DAS S/A - LEI 11.638/07 1 Ativo 1.1 Classificação 1.1.1 Como passam a ser classificados os ativos? Os Ativos agora passam a ser classificados em Ativos Circulantes e Ativos

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE

CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE Profs. Eliseu Martins e Ariovaldo dos Santos Apresentação e atualização: Pretextato Mello Contador (Modéstia à parte) 1 - Introdução Mudança de natureza

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013 Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014 Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Belo Horizonte 2012 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL

Leia mais

CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014 ALTERNATIVAS A B C D E

CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014 ALTERNATIVAS A B C D E UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE PROCESSO SELETIVO - EDITAL 01/2014 - TURMA 2015 CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2

Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 INVESTIMENTOS PERMANENTES Avaliados pelo método de equivalência patrimonial MEP Procedimentos

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Exercício 2008. Checklist para elaboração de demonstrações financeiras

Exercício 2008. Checklist para elaboração de demonstrações financeiras Exercício 2008 Checklist para elaboração de demonstrações financeiras 2 Checklist De acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil Este checklist foi desenvolvido com a finalidade de auxiliar na

Leia mais

ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL

ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL Outubro/2009 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional IFRS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Luiz Alves Lalves01@gmail.com Rio de Janeiro Outubro de 2014 Rua 1º de Março, 33 Centro Rio de Janeiro/RJ Cep: 20.010-000

Leia mais

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 36 Impairment of Assets No CPC: CPC 01 (R1) Redução ao valor recuperável

Leia mais

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS PARTE 1 - IFRS NORMATIVOS E SEUS EFEITOS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS PARTE 2 MENSURAÇÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IFRS GRUPO APLICABILIDADE IFRS FULL ENTIDADES

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB) (parte) Descrição Item Objetivo 1 Alcance e Finalidade

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO . COMUNICADO AO MERCADO Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS Apresentamos as principais alterações em nossas demonstrações contábeis decorrentes da adoção do padrão contábil internacional

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO: VERIFICAÇÃO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO: VERIFICAÇÃO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO: VERIFICAÇÃO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE Laura Pochmann

Leia mais

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.Márcia Ota As NORMAS Internacionais de (International Accounting Standard

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 13º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA JUNHO/2013 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01446-0 CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS 73.178.600/0001-18

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01446-0 CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS 73.178.600/0001-18 ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 30/09/2009 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS

Leia mais

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceito de contabilidade 1.1 Ciência social 1.1.1 Princípios de contabilidade 1.2 Objeto da contabilidade 1.3 Objetivo da contabilidade 1.4 Finalidade da contabilidade

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES INTRODUÇÃO 1. Este pronunciamento abrange as participações em sociedades coligadas e controladas e as participações minoritárias de natureza

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações Contábeis de 31 de Março de 2010 BR GAAP

Demonstrações Contábeis de 31 de Março de 2010 BR GAAP Demonstrações Contábeis de 31 de Março de 2010 BR GAAP Arquivada na CVM e na SEC em 05/05/10 Gerência Geral de Controladoria - GECOL Vale S.A. ÍNDICE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONDENSADAS Relatório dos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - CONSTRUTORA TENDA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - CONSTRUTORA TENDA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

BR GAAP vs. IFRS. Visão Geral. Junho de 2009

BR GAAP vs. IFRS. Visão Geral. Junho de 2009 BR GAAP vs. IFRS Visão Geral Junho de 2009 Índice Introdução 4 Normas convergidas CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos CPC 02 - Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS PERMANENTES

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS PERMANENTES ASPECTOS GERAIS AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS PERMANENTES PROF. EDILSON PAULO São classificados como Investimentos Permanentes, as participações societárias e direitos de qualquer natureza que tenham finalidade

Leia mais

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção Notas Explicativas Eduardo Assumpção 1 Notas Explicativas Os Casos Práticos que Serão Apresentados 4 Marco Regulatório da Convergência IFRS Pequenas e Médias Empresas I F R S P M E 5 Conteúdo Programático

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS)

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ OBJETIVO Apresentar

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 13. Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 13. Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 13 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Índice Itens Introdução 1 4 Objetivo 5 6 Alcance 7 9 Práticas contábeis

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias Demonstrações Contábeis Obrigatórias 1.Introdução As demonstrações contábeis são os meios pelos quais as empresas e as demais entidades informam à sociedade as condições de seu patrimônio. A legislação

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010

Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010 Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 Introdução... 5 Estrutura do checklist de divulgação... 6 Formato do checklist de divulgação... 6 Seção A Divulgações aplicáveis

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 729, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 729, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova a Interpretação Técnica ICPC 09(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de demonstrações contábeis individuais, demonstrações separadas, demonstrações consolidadas e aplicação do método

Leia mais

Observações na Implementação da Lei n 11.638/07. Junho 2009

Observações na Implementação da Lei n 11.638/07. Junho 2009 Observações na Implementação da Lei n 11.638/07 Junho 2009 Índice Introdução 3 Resumo dos resultados 4 Impactos da Lei n 11.638/07 por segmento de indústria 6 Telecomunicações 8 Energia 10 Mercado Imobiliário

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais