PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Porto Alegre, setembro de 2010.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2010-2013. Porto Alegre, setembro de 2010."

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Porto Alegre, setembro de 2010.

2 2 AUTORIDADES MUNICIPAIS JOSÉ FORTUNATTI Prefeito Municipal SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CARLOS HENRIQUE CASARTELLI Secretário Municipal de Saúde MARCELO BÓSIO Secretário Adjunto CAROLINA SANTANNA Secretária Substituta JAMES MARTINS DA ROSA Coordenação Geral MARIA LETICIA DE OLIVEIRA GARCIA Conselho Municipal de Saúde MIRIAN GIZELE MEDEIROS WEBER Assessoria de Planejamento e Programação CHRISTIANE NUNES DE FREITAS Coordenadoria Geral da Rede de Atenção Primária em Saúde CARMEN JASPER Assessoria de Comunicação

3 3 FABIANO BRUM BERESFORD Assessoria Jurídica ANDERSON ARAUJO DE LIMA Coordenadoria Geral da Vigilância em Saúde ELAINE TWEEDIE LUIZ Gerência de Regulação dos Serviços de Saúde ROBERTA RIGGO DALCIN Sistema Municipal de Urgência ANDRÉ BELLIO Coordenadoria Geral de Administração Financeira e Orçamentária MAGLIANE BREVES BACEDONI BRASIL LACATELLI Coordenação Geral de Apoio Técnico Administrativo ROBERTO SCALCO IZQUIERDO Coordenadoria Geral de Administração e Desenvolvimento dos Serviços SERGIO R. LOMANDO Gerência de Saúde do Servidor Municipal MARIA ISABEL BITTENCOURTT Hospital Materno Infantil Presidente Vargas JULIO HENRIQUE G. FEREIRA Hospital de Pronto Socorro TANIA MARIA COUTO COELHO

4 4 Assessoria Parlamentar GERÊNCIAS DISTRITAIS MAGDA MARIA GASPARY BERTONCELLO Centro ANA LÚCIA DE LEÃO DAGORD Noroeste-Humaitá-Navegantes e Ilhas ANGELA REGINA GROFF NUNES Norte e Eixo Baltazar ELIANA FERREIRA Leste/ Nordeste VÂNIA MARIA FRANTZ Partenon /Lomba do Pinheiro LORI MARIA GREGORY Glória/Cruzeiro/ Cristal SANDRA DALLA COSTA Restinga/ Extremo Sul MÁRIO CORREA EVANGELISTA JR Sul/Centro Sul

5 5 GRUPO DE TRABALHO Anderson Araujo Lima André Luis Bellio Cleusa M. Almeida Mendes Christiane Nunes de Freitas Denise Antunes Nascimento Elaine Oliveira Soares Gerci Salete Rodrigues Heloisa Helena Rousselet de Alencar Ignez Maria Serpa Ramminger José Carlos Sangiovanni Lurdes Maria Toazza Tura Marcelo Bósio Márcia Elisa Pereira Trindade Maria Letícia de Oliveira Garcia Mirian Gizele Medeiros Weber Susane Schirmer Mendes Scheid Roberta Rigo Dalcin

6 6 SECRETARIA TECNICA DO CMS Christiane Nunes de Freitas Nei Carvalho Maria Letícia de Oliveira Garcia Heloisa Helena Rousselet de Alencar Oscar Paniz Mirian Gizele Medeiros Weber Humberto Escorza Luis WalterJaques Dornelles Tânia Ledi da Luz Ruchinsque Dianne Mara Vittorassi Walter Jeck Teresinha Albina Maraskin Ernani T. Ramos Elizabeth Eggrs Cassali Moiseli Paz Mario P. França Vera Puerari Vanderlei Luiz Matiello Fornari Danielly Silveira de Souza

7 7 COLABORADORES Adriana Tarrago, Carolina Santanna, Simone Ávila, Patrícia de Oliveira, Vera Regina Puerari, Luiza Ribeiro, Cláudia Fernandes Costa Zanini, Maria de Fátima Pinho de Bem, Ruth Alves de Ávila, Rosa Maria Rimolo Vilarino, Denis da Silva Fraga, Suzana Luiza Weber Backes de Leon, Carlos Oscar Kieling, Maria Luiza Hofmeister Meneghini, Carmen Lucia Salvador Stein, Luciane Rampanelli Franco, Jussara Benvenutti, Roberto Scalco Isquierdo, Magliane Breves Bacedoni Brasil Locatelli, Edinei Rosane Silva Barreto, Sara Jane Escouto dos Santos, Elaine Black Ceccon, Margarida Maria Martimiano Ramos, Cecilia Gutterres, Jacqueline Elbern, Carolina Veli Perlott, Marcele Moretto, Oscar Paniz, Rosane Mortari Cicconet, Katia Camargo de Oliveira, José Mario D Avila Neves, Maira Bueno, Franscisco Mazzuca, Carla Molin, Flavio Augusto Guedes, Lenise Ibargoyen Santolin, Juliana Giorgetta Proença, Alberto Luiz Grigolli Maia, Maristela Fiorini, Marcia Cambraia Calixto, Rosane Simas Gralha, Patrícia C. Wiederkehr. Estagiárias, residentes e funcionários da ASSEPLA. GT de Saúde Mental, GT de Fonoaudiologia, Comissão de Saúde da População Negra, GT Força Tarefa Combate a TB, Gerentes Distritais, Juliana Maciel Pinto.

8 8 GLOSSÁRIO ACD - Auxiliar de Consultório Dentário ACS - Agente Comunitário de Saúde ADOT - Assistência Domiciliar Terapêutica AIDS - Síndrome da Imunodeficiência Adquirida AIH - Autorização de Internação Hospitalar AIVD - Atividades Instrumentais de Vida Diária AME - Aleitamento Materno Exclusicvo APAC - Autorização de Procedimentos de Alta Complexidade ASSECOM - Assessoria de Comunicação ASSEJUR - Assessoria Jurídica ASSEPLA - Assessoria de Planejamento e Programação ASSETEC - Assessoria Técnica AVD - Atividades de Vida Diária AZT - Azidethymidine C - Centro CA - Câncer CAPS - Centro de Apoio Psicossocial CAPSad - Centro de Apoio Psicossocial Álcool e Drogas CAPSi - Centro de Apoio Psicossocial Infantil CCIH - Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CD - Cirurgião Dentista CE - Causas Externas CEO - Centro de Especialidades Odontológicas CEP - Comitê de Ética em Pesquisa

9 9 CEREST - Centro de Referência em Saúde do Trabalhador CERIH - Central de Regulação de Internações Hospitalares CGADSS - Coordenadoria- Geral de Administração e Desenvolvimento dos Servidores da Saúde CGAFO - Coordenadoria-Geral de Administração Financeiro-Orçamentária CGATA - Coordenadoria-Geral de Apoio Técnico- Administrativo CGPAN/MS - Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição do MS CGRAPS Coordenadoria Geral da Rede de Atenção Primária em Saúde CGRSS Comissão de Gerência de Resíduos dos Serviços de Saúde CGSMU - Coordenação Geral do Sistema Municipal de Urgências CGVS - Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde CH Carga Horária CIB Comissão Intergestores Bipartite CMCE Central de marcação de Consultas e Exames CME Centro de Material e Esterilização CMI Comitê de Mortalidade Infantil CMS Conselho Municipal de Saúde CNDSS Comissão Nacional de Determinantes Sociais CNES Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde CNS Conselho Nacional de Saúde COAS Centro de Orientação e Apoio Sorológico COMEN Conselho Municipal de Entorpecentes CONEP Comissão Nacional de Ética em Pesquisa CPF Comissão de Padronização de Formulários CRABS Coordenação da Rede de Atenção Básica CRAI Centro de Referência no Atendimento Infanto-juvenil CRIE Centro de referência de Imunobiológicos Especiais

10 10 CS Centro de Saúde CTA Centro de Triagem e Aconselhamento DAC Doenças do Aparelho Circulatório DANT Doenças e Agravos Não-Transmissíveis DAR Doenças do Aparelho Respiratório DEMHAB Departamento Municipal de Habitação DEN Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas DIP Doenças Infecto-Parasitárias DIU Dispositivo Intra Uterino DM Diabete Mellitus DMLU Departamento Municipal de Limpeza Urbana DO Declaração de óbito DOPA Diário Oficial de Porto Alegre DPOC Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica DST Doenças Sexualmente Transmissíveis EAP Equipe de Administração de Pessoal ED Equipe de Desenvolvimento EJA Educação de Jovens e Adultos EPTC Empresa Pública de Transporte e Circulação ERGR Equipe de Registro Geral e Recepção ESE Estratégia Saúde Escolar ESF Estratégia Saúde da Família EUA Estados Unidos da América FASC Fundação de Assistência Social e Cidadania FUGAST Fundação de Gastroenterologia do Estado GCC Glória, Cruzeiro, Cristal

11 11 GD Gerências Distritais GHC Grupo Hospitalar Conceição GM Gabinete Ministerial GPO Gabinete de Programação Orçamentária GRSS Gerência de Regulação dos Serviços de Saúde GS Gabinete de Saúde GSSM Gerência de Saúde do Servidor Municipal GTH Grupos de Trabalho de Humanização HAS Hipertensão Arterial Sistêmica HCPA Hospital de Clínicas de Porto Alegre HCR Hospital Cristo Redentor HEPA Hospital Espírita de Porto Alegre HIV Vírus da Imunodeficiência Humana HMIPV Hospital Materno Infantil Presidente Vargas HMV Hospital Moinhos de Vento HNSC Hospital Nossa Senhora da Conceição HPB Hospital Parque Belém HPS Hospital de Pronto Socorro HSL PUC Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul HTLV Human T Cell Lymphotropric Vírus Type I HVN Hospital Vila Nova IAPETC Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Empregados em Transportes e Cargas IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ICV Índice de Condições de Vida IDH Índice de Desenvolvimento Humano

12 12 IDHM Índice de Desenvolvimento Humano - Municipal INAMPS Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social INCA Instituto Nacional do Câncer INEP Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais INPS Instituto Nacional de Previdência Social IUBAAM Iniciativa Unidade Básica Amiga da Amamentação Km Kilômetros LENO Leste. Nordeste LT I Licença de Tratamento de Interesse MOVA Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos MS Ministério da Saúde N Total NASCA Núcleo de Atenção à Saúde da Criança e Adolescente NEB Norte Eixo Baltazar NEO Neoplasias NEU Núcleo de Ensino em Urgência NHNI Noroeste, Navegantes, Humaitá e Ilhas ODP Oxigenoterapia Domiciliar Prolongada OMS Organização Mundial da Saúde PACS Pronto Atendimento da Cruzeiro do Sul PAIGA Programa de Atenção Integral à Gestante Adolescente PESM Plantão de Emergência em Saúde Mental PLP Partenon, Lomba do Pinheiro PMPA Prefeitura Municipal de Porto Alegre PMS Plano Municipal de Saúde PMSH Política Municipal de Saúde do Homem

13 13 PNH Política Nacional de Humanização PNSIPN Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PPA Programação Pluri Annual PPI Programação Pactuada e Integrada PPV Programa de Prevenção à Violência PRÁ-NENÊ Programa de Vigilância da Saúde das Crianças no Primeiro Ano de Vida PRD Programa de Redução da Danos PSF Programa Saúde da Família PUC Pontifícia Universidade Católica REMUME Relação Municipal de Medicamentos Essenciais RES Restinga RN Recém-nascido ROP Região do Orçamento Participativo RSNV Relatório Semanal de Nascidos Vivos SAE Serviço de Apoio Especializado SAMU Serviço de Atendimento Móvel de Urgências SCS Sul, Centro Sul SES Secretaria Estadual de Saúde SIAB Sistema de Informações da Atenção Básica SIM Sistema de Informações de Mortalidade SIM Sistema Nacional de Mortalidade Infantil SINASC Sistema de Notificação de Nascidos Vivos SISPRÉNATAL Sistema de Informação do Acompanhamento do Pré-Natal SISVAN Sistema Nacional de Vigilância Alimentar e Nutricional SMS Secretaria Municipal de Saúde SRTN Serviço de Referência de Triagem Neonatal

14 14 SUS Sistema Único de Saúde TB Tuberculose TBC Tuberculose THD Técnico de Higiene Dental TMI Transmissão Materno-Infantil TS Tratamento Supervisionado UBS Unidade Básica de Saúde UPA Unidade de Pronto Atendimento US Unidade de Saúde USA Unidade de Suporte Avançado USB Unidade de Suporte Básico UTC Usina de Triagem e Compostagem UT I Unidade de Tratamento Intensivo VD Visitas Domiciliares VDRL Pesquisa Laboratorial de Doença Venérea

15 15 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Crescimento da população de Porto Alegre, 1800 a Gráfico 2 Distribuição etária da população 38 Gráfico 3 - Proporção dos habitantes de Porto Alegre por sexo e por faixa etária, Gráfico 4 - Proporção dos habitantes de Porto Alegre por sexo e por faixa etária 39 Gráfico 5: Número e proporção de adolescentes na população total de Porto Alegre, a 2009 Gráfico 6 - Proporção da população negra na DNV por Gerência Distrital, Porto 43 Alegre 2001 a 2009 Gráfico 7 - Disparidade IDHM, Brasil, RS e regiões do Orçamento 46 Participativo de Porto Alegre e UDH da RMPOA Gráfico 8 - Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, 2000: Todas as UDHs 47 da Região Metropolitana de Porto Alegre Gráfico 9 - Índice de Desenvolvimento Humano 1991 e Gráfico 10 - Proporção da população negra na NV por região de 2001 a Gráfico11- Renda apropriada por extratos da população, na região 57 metropolitana de Porto Alegre Gráfico 12 Analfabetismo na região metropolitana de Porto Alegre, Gráfico 13 - Escolaridade materna em Porto Alegre, Gráfico 14 - Demonstrativo dos acidentes de trânsito retirado do anuário estatístico de 70 Porto Alegre, 2008 Gráfico 15 Número de óbitos por idade em Porto Alegre, Gráfico 16 Número de óbitos por sexo em Porto Alegre, Gráfico 17 - Mortalidade de mulheres em idade fértil 74 Gráfico 18 homicídios por causa externa e cor 82 Gráfico 19 - Proporção dos óbitos por causa externa dos habitantes de Porto Alegre por 82 sexo e por faixa etária, 2001 a 2008 Gráfico 20 - Casos notificados de dengue por semana epidemiológica e regiões do Brasil, Gráfico 21 Mapa dos Municípios infestados por Aedes aegypti nos 86 últimos 12 meses no Rio Grande do Sul, até 13/07/2010 Gráfico 22 - Distribuição dos casos AUTÓCTONES (RS) de dengue por 89 semana epidemiológica, Porto Alegre, 2010.

16 16 Gráfico 23 Taxa de incidência de AIDS em menores de 13 anos por raça/cor em Porto 110 Alegre, 2009 Gráfico 24 - Número de casos confirmados e descartados de Síndrome da Rubéola 111 Congênita em Porto Alegre, Gráfico 25 - Distribuição proporcional do acompanhamento das crianças beneficiárias do 136 Programa Bolsa Família, Porto Alegre, Gráfico 26 Coberturas vacinais da Vacina Oral contra Poliomielite (VOP) em Porto 139 Alegre, 2000 a Gráfico 27 - Número de casos de coqueluche em Porto Alegre, 1999 a Gráfico 28 Distribuição dos casos confirmados decoqueluche por faixa etária em Porto 141 Alegre, 1999 a 2009 Gráfico 29 - Distribuição dos casos confirmados de Rubéola e 143 descartados para Sarampo e Rubéola segundo ano de início dos sintomas, Porto Alegre, 1999 a Gráfico 30 Número de casos de meningite por Haemophilus influenzae por faixa etária 144 em Porto Alegre, 1999 a Gráfico 31 - Proporção das faixas etárias dos casos de hepatite viral A em 148 Porto Alegre, 1999 a 2009 Gráfico 32 - Número de casos e taxa de incidência de varicela em Porto Alegre, a Gráfico 33 - Número de nascimentos e óbitos em menores de 1 ano de idade em Porto 191 Alegre, 2000 a Gráfico 34 Escolaridade materna e Taxa de Mortalidade Infantil em Porto Alegre, 2000 a Gráfico 35 Taxa de Mortalidade Infantil (/1000) e a raça/cor em Porto Alegre, 2000 a Gráfico 36 - Mortalidade proporcional por Capítulo do CID de 1 a 4 anos por raça/cor 199 Porto Alegre 2001 a Gráfico 37 Proporção de óbitos por causas externas em menores de 20 anos em Porto 202 Alegre, 2001 a Gráfico 38 Proporção de óbitos por causas externas em crianças e adolescentes em 203 Porto Alegre, 2001 a 2008

17 17 Gráfico 39 - Mortalidade proporcional pelos principais motivos de óbito (Capítulo do CID) em 204 crianças e adolescentes em Porto Alegre, 2001 a 2008 Gráfico 40 - Fonte: Registro de Atendimentos das nutricionistas da rede básica da SMS 208 Gráfico 41 Indicadores de Acidente Vascular Cerebral do SISPACTO, conforme faixa 209 etária, para Porto Alegre/RS Gráfico 42 - Casos absolutos de Acidente Vascular Cerebral, por faixa etária, em Porto 210 Alegre Gráfico 43 - Distribuição dos casos agudos da Hepatite segundo faixa etária, em 214 Porto Alegre, no período 1999 a 2009 Gráfico 44 - Distribuição proporcional segundo faixa etária, em Porto Alegre, no 215 período 1999 a 2009 Gráfico 45 - Distribuição proporcional de casos de Hepatite B aguda 215 segundo faixa etária, Porto Alegre, 1999 a 2009 Gráfico 46 Distribuição dos casos de Hepatite B Aguda segundo 216 faixa etária em anos e ano de diagnóstico, Porto Alegre, 1999 a Gráfico 47- Distribuição dos casos de Hepatite B aguda segundo faixa 216 etária (em anos) e ano de diagnóstico, Porto Alegre, 1999 a 2009 Gráfico 48 - Distribuição proporcional por faixa etária dos casos de 218 Hepatite C, Porto Alegre, 1999 a 2009 Gráfico 49 - Cobertura vacinal média (%) com vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e 219 rubéola), Porto Alegre, 2000 a Gráfico 50 Distribuição segundo faixa etária (em anos) e ano de início dos 220 sintomas dos casos confirmados de rubéola, Porto Alegre, 1999 a 2009 Gráfico 51 Casos de tétano 221 Gráfico 52 Distribuição segundo faixa etária em anos, do total de casos de 222 tétano Acidental no período de 1999 a Porto Alegre Gráfico 53 - Coeficiente de Incidência por AIDS em residentes em Porto Alegre, série 223 histórica Gráfico 54 - Letalidade por AIDS, residentes em Porto Alegre, por ano diagnóstico, 224 série histórica

18 18 Gráfico 55 - Casos de AIDS, residentes em Porto Alegre, distribuição por raça/cor, 225 série Gráfico 56 - Casos de AIDS em residentes em Porto Alegre, distribuição 226 por sexo e raça, no ano diagnóstico Gráfico 57 - Casos de AIDS em maiores de 13 anos em Porto Alegre, Gráfico 58 - Proporção de casos de AIDS em adultos residentes em Porto Alegre, 227 distribuição por faixa etária, séries históricas 1983 a 2008 Gráfico 59 - Proporção de casos de AIDS em adultos residentes em Porto 228 Alegre, distribuição por faixa etária, 1999 a 2008 Gráfico 60 - Casos de AIDS, residentes em Porto Alegre, distribuição por categoria de 229 exposição, série Gráfico 61 - Casos de AIDS, residentes em Porto Alegre, distribuição do 230 por categoria de exposição UDI, 1999 a 2008 Gráfico 62 - Incidência de tuberculose pulmonar bacilífera, RS, Gráfico 63 Incidência de tuberculose, Porto Alegre a Gráfico 64 Incidência de Tuberculose nas capitais brasileiras MS/SVS 233 Gráfico 65 - Taxa de coinfecção TB/HIV dos casos novos de tuberculose 234 todas as formas clínicas em residentes de Porto Alegre. Gráfico 66 - Distribuição da taxa de incidência de casos de tuberculose, 234 por Gerência Distrital / Porto Alegre, Gráfico 67 - Taxa de incidência de tuberculose Presídio Central, segundo ano 235 de diagnóstico, Porto Alegre Gráfico 68 Taxa de incidência de Tuberculose por raça e cor 235 Gráfico 69 - Situação de alta do PSF Sem Domicílio Porto Alegre, 237 anos 2006 e 2007 Gráfico 70 - Distribuição da investigação dos casos de Leptospirose 246 Gráfico 71 - Distribuição da evolução dos casos de leptospirose 246 Gráfico 72 Razão de Mortalidade Materna de 1996 a Gráfico 73 - Mortalidade em mulheres em idade fértil, segundo raça/cor, Porto 255 Alegre Gráfico 74 Nascidos vivos e óbitos maternos 257

19 19 Gráfico 75 - Exames de Citopatológicos coletados 2007 a Gráfico 76 - Exames de ecografia realizados, 2008/ Gráfico 77 - Exames de mamografia realizados, 2008/ Gráfico 78 - Taxa de incidência de mortalidade por causas externas de 15 a 24 anos por 269 raça/cor em Porto Alegre 2001 a 2009 Gráfico 79 - Pirâmide populacional dos indígenas cadastrados no SIASI, Gráfico 80 Relação de vacâncias 326 Gráfico 81 - Planejamento estratégico na SMS/POA 343 Gráfico 82 - Territórios de abrangência das Gerências Distritais de Saúde, Gráfico 83 Programa estruturante 444 Gráfico 84 Unidades de Atenção 444 Gráfico 85 Regionalização da saúde 445 Gráfico 86 Unidades de Nefrolofia 445

20 20 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Taxa Bruta de Natalidade e de Fecundidade em Porto Alegre, 2001 a Tabela 2 Nascidos vivos de mães residentes em Porto Alegre, 2000 a Tabela 3 - População residente por faixa etária e sexo em Porto Alegre, Tabela 4 Proporção de adolescentes por Gerência Distrital em Porto 42 Alegre, 2000 Tabela 5 - População Masculina e Feminina por Gerência Distrital, Tabela 6 - Estimativa de pessoas ocupadas, segundo setores de atividade econômica, 53 Porto Alegre, Tabela 7 - Estimativa de pessoas em idade ativa, segundo condição de atividade, Porto 54 Alegre, Tabela - 8 Doenças causadas pela falta de saneamento e de educação ambiental: 62 Tabela 9 Efeitos dos principais poluentes na atmosfera 66 Tabela 10 Mortalidade proporção por capítulo de causas dos óbitos do CID 10 por sexo 72 em Porto Alegre, 2008 Tabela 11 Mortalidade proporção por capítulo de causas dos óbitos do CID 10 por 73 raça/cor em Porto Alegre, 2008 Tabela 12 Mortalidade proporção por capítulo de causas dos óbitos do CID 10 por 75 Gerência Distrital em Porto Alegre, Tabela 13 - Mortalidade proporcional por capítulo de causas dos óbitos do CID 10 por faixa 77 etária em Porto Alegre, 2008 Tabela 14 - Mortalidade proporcional por causa externa por faixa etária em Porto Alegre, Tabela 15 Mortalidade proporcional por causa externa por raça/cor em Porto Alegre, Tabela 16 - Comparativo de casos notificados de dengue por Unidade Federada. Semanas 84 Epidemiológicas 1 a 17 de 2009 / 2010*. Tabela 17 - Freqüência de casos confirmados de dengue segundo classificação final e ano 87 da notificação, de residentes em Porto Alegre, de 2001 a 2009 (SE 52).

21 21 Tabela 18 - Freqüência de casos investigados de dengue segundo classificação final e ano 88 da notificação, de residentes em Porto Alegre, no período correspondente a Semana epidemiológica 01 a 24 de 2007 a Tabela 19 - Estimativa do número de casos de dengue com necessidade de hidratação em 90 Porto Alegre, em diferentes cenários epidemiológicos, por Gerência Distrital de Saúde. Tabela 20 - Estimativa do número de casos de dengue com necessidade de hospitalização 91 e casos de febre hemorrágica em Porto Alegre, em diferentes cenários epidemiológicos,por Gerência Distrital de Saúde Tabela 21 Número de gestantes cadastradas no SISPRENATAL por Gerência Distrital e 93 por tipo de hospital de nascimento (SUS e não SUS) em Porto Alegre em Tabela 22 - Características maternas e gestacionais dos nascimentos em 2008 por 95 Gerência Distrital e por tipo de hospital de nascimento (SUS e não SUS) em Porto Alegre Tabela 23 - Nascidos vivos de mães residentes em Porto Alegre, 2000 a Tabela 24 Número de nascimentos por Gerência Distrital em Porto Alegre, 2000 a Tabela 25 - Taxa de natalidade e de fecundidade por Gerência Distrital em Porto Alegre, Tabela 26 Características dos recém-nascidos em 2008 por Gerência Distrital e por tipo 101 de hospital de nascimento (SUS e não SUS) em Porto Alegre. Tabela 27 Número de casos e taxa de incidência de sífilis congênita por Gerência 104 Distrital e por ano em Porto Alegre, 2007, 2008 e Tabela 28 Número de casos e taxa de incidência de sífilis congênita por raça/cor e por 105 ano em Porto Alegre, 2007, 2008 e Tabela 29 Casos confirmados de sífilis em gestante e congênita e momento do 106 diagnóstico em Porto Alegre, 2007 a Tabela 30 Taxa de exposição e de transmissão congênita do HIV em Porto Alegre, a Tabela 31 Número de casos e taxa de incidência AIDS em menores de 5 anos e em 109 menores de 13 anos em Porto Alegre, 2000 a Tabela 32 Malformações congênitas em Porto Alegre, 2001 a Tabela 33 Freqüência proporcional da classificação das malformações segundo o CID 116 em nascidos vivos em Porto Alegre, 2001 a 2009.

22 22 Tabela 34 Número de AIH de partos em Porto Alegre (por ocorrência e por residência) e número de Emissões Otoacústicas Evocadas para Triagem Auditiva (Procedimento: ) realizadas por hospital, 2008 e Tabela 35 - Local da coleta do teste de triagem neonatal (teste do pezinho) em Porto Alegre, Tabela 36 - Motivos de internação (Capítulo do CID 10) durante o período neonatal em Porto Alegre, Tabela 37 - Motivos de internação neonatal (CID 10) por Afecções Originadas no Período Perinatal em Porto Alegre, Tabela 38 - Motivos de internação neonatal (CID 10) por Doenças Infecciosas e Parasitárias em Porto Alegre, Tabela 39 Aleitamento materno exclusivo (AME) no primeiro dia em casa e em menores de 6 meses em Porto Alegre, Tabela 40 Aleitamento materno exclusivo em menores de 6 meses por tipo de serviço de puericultura em Porto Alegre, Tabela 41 Proporção de crianças que consumiram água, chá, suco ou outro leite água, segundo faixa etária em Porto Alegre, Tabela 42 Proporção de crianças que consumiram comida de sal, frutas, verduras, legumes e alimentos considerados não saudáveis, segundo faixa etária em Porto Alegre, Tabela 43 Número de inscritos no Programa Prá-Nenê por Gerência Distrital, 2006 a Tabela 44 Dados da primeira consulta dos inscritos no Programa Prá-Nenê por Gerência Distrital, Tabela 45 Acompanhamento mínimo ( 7 consultas) dos inscritos no Programa Prá-Nenê por Gerência Distrital, 2006 a Tabela 46 Gestantes e crianças menores de 1 ano e de 12 a 23 meses acompanhadas pela Estratégia de Saúde da Família em Porto Alegre, 2008 Tabela 47 Estado nutricional dos Beneficiários do Programa Bolsa Família em Porto Alegre, 2008 Tabela 48 - Percentual de crianças menores de cinco anos com baixo peso para idade em Porto Alegre, 2008 a

23 23 Tabela 49 - Proporção de sobrepeso e obesidade (IMC) por faixa etária em Porto Alegre, a 2010 Tabela 50 - Casos confirmados Notificados no Sistema de Informação de Agravos de 144 Notificação - Sinan Net, Porto Alegre, 2007 a 2009 Tabela 51 - Casos confirmados de meningite por agente etiológico em menores de anos em Porto Alegre, 2007 a Tabela 52 - Casos confirmados e taxa de incidência (/ ) de tuberculose por faixa 147 etária em Porto Alegre, 2001 a Tabela 53 Cobertura vacinal em Porto Alegre, 1999 a Tabela 54 Cobertura vacinal em menores de 1 ano em Porto Alegre, Tabela 55 Incidência de eventos adversos pós vacinação, por vacina, Porto Alegre, Tabela 56 - Número de casos de diarréia notificados por faixa etária em Porto Alegre, a 2009 Tabela 57 Número de internações hospitalares por doença diarréica aguda em crianças 157 em Porto Alegre, Tabela 58 Número de óbitos, taxa de mortalidade e de mortalidade proporcional em 158 menores de 5 anos em Porto Alegre, 2001 a 2009 Tabela 59 Número de notificações de violência em menores de 20 anos em Porto Alegre, a 2008 Tabela 60 Número de notificações de violência em menores de 20 anos por sexo em 160 Porto Alegre, 2006 a Tabela 61 Número de notificações segundo o ambiente da violência em menores de anos em Porto Alegre, 2006 a Tabela 62 Número de atendimentos por acidentes e violência em menores de 20 anos 161 em Porto Alegre, outubro de Tabela 63 Número de atendimentos por acidentes e violência por sexo em menores de anos em Porto Alegre, outubro de Tabela 64 - Número de atendimentos por causa do acidente em menores de 20 anos em 163 Porto Alegre, outubro de 2009 Tabela 65- Número de atendimentos por queda segundo o local da ocorrência em 164 menores de 20 anos em Porto Alegre, outubro de 2009

24 24 Tabela 66 - Número de atendimentos por violência em menores de 20 anos em Porto 165 Alegre, outubro de Tabela 67 Motivos de internação (Capítulo do CID 10) de 28 a 364 dias de vida em Porto 167 Alegre, 2008 Tabela 68 - Motivos de internação por doenças do aparelho respiratório de 28 a 364 dias 168 de vida em Porto Alegre, 2008 Tabela 69 - Motivos de internação por doenças infecciosas de 28 a 364 dias de vida em 169 Porto Alegre, 2008 Tabela 70 Número de internações hospitalares e taxa de internação de moradores de 170 Porto Alegre por faixa etária, 2008 Tabela 71 Motivos de internação (Capítulo do CID 10) de 1 a 9 anos em Porto Alegre, Tabela 72 Motivos de internação (Capítulo do CID 10) de 10 a 19 anos em Porto Alegre, Tabela 73 - Internação hospitalar* de residentes de Porto Alegre, por sexo e faixa etária, 176 em 2008 Tabela 74 Número de internações por causas externas por sexo e faixa etária em Porto 177 Alegre, 2008 Tabela 75 - Motivo de internação hospitalar por causa externa em crianças e 178 adolescentes, Porto Alegre, 2008 Tabela 76 Número de nascimentos de mães adolescentes em Porto Alegre, 2001 a Tabela 77 Proporção de nascimentos de mães adolescentes em Porto Alegre, Tabela 78 - Proporção de nascimentos de mães adolescentes por Gerência Distrital e 181 entre os Usuários do SUS, 2008 Tabela 79 - Proporção de nascimentos de mães adolescentes por raça/cor em Porto 182 Alegre, 2001 a 2008 Tabela 80 Taxa específica de fecundidade (/1.000) por faixa etária em Porto Alegre, a 2008 Tabela 81 - Taxa específica de fecundidade (/1.000) por faixa etária por Gerência Distrital, Tabela 82 Número de nascimentos, óbitos fetais e neonatais precoce, taxa de 184 mortalidade fetal e perinatal em Porto Alegre, 2000 a 2009

25 25 Tabela 83 - Número de nascimentos, óbitos fetais e taxa de mortalidade fetal em Porto 185 Alegre, 2008 Tabela 84 - Comparação das características maternas e de nascimento entre os nascidos 186 vivos, os óbitos infantis e os óbitos fetais Tabela 85 Causa dos óbitos fetais segundo os Capítulos do CID-10 em Porto Alegre, a 2009 Tabela 86 Número de óbitos fetais por idade gestacional em Porto Alegre, 2001 a Tabela 87 Número de óbitos fetais por peso em Porto Alegre, 2001 a Tabela 88 Motivo do óbito fetal por Capítulo do CID em fetos com peso >= 2500 gramas 189 em Porto Alegre, 2001 a 2009 Tabela 89 - Número de nascimentos, óbitos em menores de 1 ano de idade e Taxas de 190 Mortalidade em Porto Alegre, 2000 a Tabela 90 - Número de óbitos em menores de 1 ano de idade e Taxas de Mortalidade por 193 Gerência Distrital em Porto Alegre, 2008 Tabela 91 - Número de óbitos em menores de 1 ano de idade segundo a causa básica 195 (Capítulo do CID) em Porto Alegre, Tabela 92 - Número de óbitos em menores de 1 ano de idade segundo a classificação de 196 evitabilidade da causa básica (Critérios de Redutibilidade) em Porto Alegre, 2008 Tabela 93 - Número de óbitos em maiores de 1 e menores de 10 ano de idade em Porto 197 Alegre, 2001 a 2009 Tabela 94 - Número de óbitos em maiores de 1 e menores de 10 ano de idade segundo a 197 causa básica (Capítulo do CID) em Porto Alegre, 2001 a 2009 Tabela 95 - Número de óbitos em adolescentes em Porto Alegre, 2001 a Tabela 96 - Número de óbitos em adolescentes segundo a causa básica (Capítulo do CID) 201 em Porto Alegre, 2001 a 2009 Tabela 97 - Número de óbitos em crianças e adolescentes segundo a causa básica 204 (Capítulo do CID) em Porto Alegre, 2001 a Tabela 98 - Experiência de Cárie estimada para Porto Alegre em Tabela 99 - Necessidade e Uso de Prótese Dentária entre adultos e idosos estimada para 213 Porto Alegre em 2003 Tabela 100 Casos de AIDS em residentes em Porto Alegre, distribuição dos casos por 225 cor e sexo, série

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO - DEPLAN GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE - GPS

Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO - DEPLAN GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE - GPS Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) Gerência de Programação em Saúde DEPLAN/SUSAM Coordenação: Priscilla Lacerda (2014) PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE - PMS Plano de Saúde PS, instrumento

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015 Apresentação Os relatórios quadrimestrais são: instrumentos de monitoramento e acompanhamento da execução da PAS (Art. 6º, Portaria nº 2.135/13 Estabelece diretrizes

Leia mais

Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017)

Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017) Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017) Gerência de Programação em Saúde DEPLAN/SUSAM Coordenação: Priscilla Lacerda (Revisado em Maio de 2014) O QUE

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Contém os resultados, desde 2008, dos indicadores pactuados em 2012 pelos municípios

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Gestão da dengue no município de Niterói

Gestão da dengue no município de Niterói Gestão da dengue no município de Niterói Fundação Municipal de Saúde de Niterói Veronica Alcoforado de Miranda Coordenação do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa A questão da reemergência da dengue

Leia mais

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE Valéria D.Sartori Bassani 1 Introdução Este artigo tem por objetivo apresentar uma descrição sintética socioeconômica da cidade de Porto Alegre,

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Situação da Tuberculose no Brasil

Situação da Tuberculose no Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Programa Nacional de Controle da Tuberculose Situação da Tuberculose no Brasil Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Palavras-chave: Triagem neonatal. Agenda política. Tempos de coletas.

Palavras-chave: Triagem neonatal. Agenda política. Tempos de coletas. A IMPORTÂNCIA DA AGENDA POLÍTICA NA EVOLUÇAO DOS TEMPOS DAS COLETAS REALIZADAS NA PRIMEIRA SEMANA DE VIDA DA TRIAGEM NEONATAL NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Simone Martins de Castro 1,2 ; Solange Rosaura

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E S EIXO 1:GESTÃO DA ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE. Diretriz 1.Garantia do acesso da população a serviços de qualidade, com equidade e em tempo adequado

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

FUNÇÕES: Coordenação das ações de planejamento, monitoramento e avaliação nas regiões de saúde; Apoio à SETEC/CIR;

FUNÇÕES: Coordenação das ações de planejamento, monitoramento e avaliação nas regiões de saúde; Apoio à SETEC/CIR; Planejamento no Rio Grande do Sul e a elaboração dos Instrumentos de Gestão GT Planejamento, Monitoramento e Avaliação da Gestão julho, 2013 Base Estratégica Descentralização das ações de planejamento,

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde ANEXO Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde PACTO PELA VIDA 2008. PRIORIDADE OBJETIVO META FÓRMULA DE CÁLCULO FONTE I. Atenção à Saúde do Idoso. i. Identificar pessoas

Leia mais

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013 Planejamento intersetorial e Gestão Participativa Recife, 04/09/2013 Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social,

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS 2013 SMS-RJ/SUBPAV/SAP boletim.indd 1 07/11/2013 12:51:59 boletim.indd 2 07/11/2013 12:51:59 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA AIDS NO MUNICÍPIO DO RIO

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 ELABORAÇÃO MS/SE/SPO/ PLANEJASUS EQUIPE PLANO NACIONAL DE SAÚDE cgpl@saude.gov.br - (61) 3315-2677 - www.saude.gov.br/planejasus Início do processo:

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

entaçõe Aprese o para Padrão

entaçõe Aprese o para Padrão Prefeitura de Porto Alegre SPráticas Integrativas e es MENTARES E COMPLEM Aprese RATIVAS E o para Padrão AS INTEGR Complementares no SUS em Porto Alegre RS EM 23 DE MARÇO DE 2011, DESIGNAÇÃO DA COORDENAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA PROGRAMA DE DST/ HIV /AIDS / HEPATITES

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA PROGRAMA DE DST/ HIV /AIDS / HEPATITES GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA PROGRAMA DE DST/ HIV /AIDS / HEPATITES SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE E DEFESA CIVIL GERÊNCIA ESTADUAL DE DST/AIDS,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 40

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 40 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 40 QUESTÃO 17 São competências do Sistema Único de Saúde: I- Colaborar na proteção do meio ambiente, incluindo o ambiente do trabalho. II- Participar do controle

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS Diagnóstico Operacionalização do Plano Estadual Contexto de vulnerabilidade 1. Relações desiguais de gênero Ações governamentais

Leia mais

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL * I. ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL FORTALECENDO O CONTROLE SOCIAL O envolvimento de diferentes atores

Leia mais

Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS

Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde COLÓQUIO Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS PAINEL III Subtema 2: Primeira infância e gravidez na adolescência: O

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE TEMAS DESTE INFORME Entendendo um pouco mais

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Desafios para o Sistema de Vigilância / Sistema de Atenção a Saúde Queda da Taxa de Fecundidade

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos Mestrado Internacional em Saúde Pública/Peru ModúloDisciplinar: Vigilância em Saúde : Vigilância Ambiental e à Saúde do Trabalhador Aplicabilidade de Conceitos de Vigilância em Saúde: O monitoramento de

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul Taxa de alfabetização 97,2 86,7 88,6 95,7 92,8 91,0 93,2 87,9

Leia mais

ESTUDO Nº 41, DE 2005

ESTUDO Nº 41, DE 2005 SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais Visita da Delegação da Assembléia Nacional da República Socialista do Vietnã ao Presidente da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS em 07/03/2005 ESTUDO Nº 41, DE 2005

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICPATIVA Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo Brasília - DF Abril

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense *

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * ALINE DE MOURA SOUZA 1 SUZANA MARTA CAVENAGHI 2 Introdução Este trabalho tem por objetivo apresentar informações referentes à

Leia mais

projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as

projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES 2013-2015 1 A construção deste plano teve o assessoramento técnico realizado pela Secretaria de Estado da Mulher, através do projeto fortalecendo as políticas

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro 2013 Dimensão demográfica População em 2010: 190.755.799

Leia mais

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com.

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com. PERFIL MUNICIPAL Blumenau - SC Data de instalação Ano de 1880 Estimativa da população 2009 Natalidade 2007 299.416 habitantes 3.818 nascidos vivos Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855 Área 520

Leia mais

P R O J E T O ALVORADA

P R O J E T O ALVORADA P R O J E T O ALVORADA O Projeto Alvorada foi idealizado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para reduzir as desigualdades regionais e elevar a qualidade de vida das populações mais carentes do País.

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR II SERVIÇOS DA REDE BÁSICA

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR II SERVIÇOS DA REDE BÁSICA Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR II SERVIÇOS DA REDE BÁSICA CENTRO DE SAÚDE VILA DOS COMERCIÁRIOS ÁREA 17 AMBULATÓRIO DE

Leia mais