Tratamento de Sinais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento de Sinais"

Transcrição

1 Tratamento de Sinais Luiz Affonso Guedes 1 Ivanovitch Silva 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte 25 de setembro de 2009 Sinais DCA Prática de programação concorrente 1/21

2 Sumário 1 Conceito e tratamento de Sinais Introdução Exemplos de sinais Funções Signal Handler 2 Função signal Exemplo 01 Exemplo 02 3 Função kill Exemplo 03 Exemplo 04 4 Função alarm Exemplo 05 5 Desafio Sinais DCA Prática de programação concorrente 2/21

3 Sumário 1 Conceito e tratamento de Sinais Introdução Exemplos de sinais Funções Signal Handler 2 Função signal Exemplo 01 Exemplo 02 3 Função kill Exemplo 03 Exemplo 04 4 Função alarm Exemplo 05 5 Desafio Sinais DCA Prática de programação concorrente 3/21

4 Introdução Sinais em Linux e Unix Sinais são enviados para os processos em decorrência de algum evento (assíncronos). São tratados como sendo interrupções de software. Cada sinal apresenta um número de identificação. Os nomes dos sinais são definidos em sys/signal.h. Padronização do nome: SIGXXX. Onde XXX é o mnemônico relativo ao sinal. Ex.: SIGKILL. Sinais DCA Prática de programação concorrente 4/21

5 Introdução Enviando um sinal Quando o kernel envia um sinal a um processo, o processo pode indicar que se execute uma das ações seguintes: Ignorar o sinal - o sinal será descartado pelo kernel. O processo continua seu processamento. Existem sinais que não podem ser ignorados pelo processo. Processar o sinal - o processo configura uma função, signal handler, para o tratamento do sinal. Aplicar ação default - o próprio kernel irá determinar a ação a ser aplicada. Sinais DCA Prática de programação concorrente 5/21

6 Exemplos de sinais Alguns exemplos de sinais SIGKILL - este sinal não pode ser ignorado nem pode configurar uma função (signal handler). A ação default dele é terminar o processo. SIGTERM - usado para implementar a morte programada de um processo. É o sinal defalut do comando kill. SIGSTOP - faz o processo ficar parado no sistema. Não pode ser ignorado nem pode configurar uma função (signal handler). SIGCONT - indica que o processo mude seu status de parado para executando. SIGINT - interrupção de terminal, geralmente um ctrl-c. SIGALRM - interrupção por alarme. Sinais DCA Prática de programação concorrente 6/21

7 Funções Signal Handler Funções para tratamento de sinais SIG DFL - handling padrão. O sinal é manipulado com o procedimento padrão para um determinado sinal. SIG IGN - o sinal é ignorado. Sinais DCA Prática de programação concorrente 7/21

8 Sumário 1 Conceito e tratamento de Sinais Introdução Exemplos de sinais Funções Signal Handler 2 Função signal Exemplo 01 Exemplo 02 3 Função kill Exemplo 03 Exemplo 04 4 Função alarm Exemplo 05 5 Desafio Sinais DCA Prática de programação concorrente 8/21

9 Função signal Sintaxe: void (*signal ( int sig, void (*func) (int)) ) (int) Parâmetros: int sig - o nome do sinal sobre o qual será efetuado o processamento. void (*func) (int) - função signal handler que será executada na ocorrência do sinal. Retorno: Endereço de func -1: se func não poder ser instalada. Sinais DCA Prática de programação concorrente 9/21

10 Exemplo 01 Capturando uma interrupção do terminal Download 1 //Compilar: g++ -o nomeexecutavel nomedoarquivo.cpp 2 //Executar:./nomeExecutavel 3 #include <signal. h> // definicao dos sinais 4 #include <stdio. h> 5 #include <unistd. h> 6 //Funcao signal handler responsavel por tratar o sinal 7 void funcaosignalhandler ( int sig ) 8 { 9 printf ( Nao adianta usar o sinal : %d \n, sig ) ; 10 printf ( Apenas termino com um k i l l 9 %d\n,getpid ( ) ) ; 11 } 12 int main (){ 13 //Instalar a função para tratar o sinal de interrupcao de terminal 14 signal ( SIGINT, funcaosignalhandler ) ; while ( 1 ) { 17 printf ( Processo : %d vai dormir por 1 segundo.\n,getpid ( ) ) ; 18 sleep ( 1 ) ; 19 } 20 } Sinais DCA Prática de programação concorrente 10/21

11 Exemplo 02 Capturando uma interrupção do terminal Download 1 //Compilar: g++ -o nomeexecutavel nomedoarquivo.cpp 2 //Executar:./nomeExecutavel //Funcao signal handler responsavel por tratar o sinal 5 void funcaosignalhandler ( int sig ) 6 { 7 printf ( Nao adianta usar o sinal : %d \n, sig ) ; 8 printf ( Apenas termino com um k i l l 9 %d\n,getpid ( ) ) ; 9 // Instalar a funcao default para SIGINT, nesse caso um exit 10 s i g n a l ( SIGINT, SIG DFL ) ; 11 } int main (){ 14 //Instalar a função para tratar o sinal de interrupcao de terminal 15 signal ( SIGINT, funcaosignalhandler ) ; while ( 1 ) { 18 printf ( Processo : %d vai dormir por 1 segundo.\n,getpid ( ) ) ; 19 sleep ( 1 ) ; 20 } 21 } Sinais DCA Prática de programação concorrente 11/21

12 Sumário 1 Conceito e tratamento de Sinais Introdução Exemplos de sinais Funções Signal Handler 2 Função signal Exemplo 01 Exemplo 02 3 Função kill Exemplo 03 Exemplo 04 4 Função alarm Exemplo 05 5 Desafio Sinais DCA Prática de programação concorrente 12/21

13 Descrição A função kill serve para enviar um sinal para um determinado processo ou para um grupo de processos. O sinal só será entregue no processo destino caso exista permissão. Um processo com permissão de root pode enviar qualquer sinal para qualquer processo. Um processo usúario pode enviar sinais somente para processos pertencentes ao mesmo usúario. Sinais DCA Prática de programação concorrente 13/21

14 Função kill Sintaxe: int kill (pid t pid, int sig) Parâmetros: pid t pid - identificador do processo ao qual pretende-se comunicar int sig - o nome do sinal sobre o qual será efetuado o processamento. Observação: se pid for >0: o sinal é enviado para o processo identificado no parâmetro = 0: o sinal é enviado para todos os processos do mesmo grupo que o processo identificado no parâmetro < 1: o sinal é enviado para todos os processos que tenham o valor do grupo igual ao valor absoluto do parâmetro pid Sinais DCA Prática de programação concorrente 14/21

15 Exemplo 03 Finalizar um processo filho através da função kill Download idprocesso = fork ( ) ; 3 switch ( idprocesso ){ 4 case 1: // erro na abertura do processo filho 5 exit ( 1 ) ; 6 case 0: // retorno de fork para processo filho 7 while(1){ 8 printf ( Sou o processo f i l h o ID : %d, pai ID : %d\n, getpid ( ), getppid ( ) ) ; 9 sleep ( 1 ) ; 10 } 11 break ; 12 default : // processo pai 13 int cont = 0; 14 while(1){ 15 printf ( Sou o processo pai com ID : %d, pai ID : %d, f i l h o ID : %d\n, 16 getpid ( ), getppid ( ), idprocesso ) ; 17 sleep ( 1 ) ; 18 if ( cont++==4) kill ( idprocesso, SIGKILL ) ; //finalizar o processo filho 19 } 20 break ; 21 } 22 exit ( 0 ) ; 23 } Sinais DCA Prática de programação concorrente 15/21

16 Exemplo 04 Enviar um sinal para o processo filho Download 1 //Funcao signal handler responsavel por tratar o sinal 2 void funcaosignalhandler ( int sig ) 3 { 4 printf ( Sou o processo f i l h o : %d, RECEBI UMA MENSAGEM DO MEU PAI : %d\n, 5 getpid ( ), getppid ( ) ) ; 6 exit ( 1 ) ; 7 } 8 int main (){ //Instalar a função para tratar o sinal do usuario 11 s i g n a l (SIGUSR1, funcaosignalhandler ) ; 12 // Criando o processo 13 idprocesso = fork ( ) ; 14 switch ( idprocesso ){ default : // processo pai 17 int cont = 0; 18 while(1){ 19 printf ( Sou o processo pai com ID : %d, pai ID : %d, f i l h o ID : %d\n, getpid ( ), 20 getppid ( ), idprocesso ) ; 21 sleep ( 1 ) ; 22 if ( cont++==4) kill ( idprocesso,sigusr1 ) ; //finalizar o processo filho 23 } Sinais DCA Prática de programação concorrente 16/21

17 Sumário 1 Conceito e tratamento de Sinais Introdução Exemplos de sinais Funções Signal Handler 2 Função signal Exemplo 01 Exemplo 02 3 Função kill Exemplo 03 Exemplo 04 4 Função alarm Exemplo 05 5 Desafio Sinais DCA Prática de programação concorrente 17/21

18 Função alarm Sintaxe: unsigned int alarm (unsigned int sec) Parâmetro: unsigned int sec: a função configura um temporizador em tempo-real para expirar em sec segundos. Para cancelar algum alarme existente é preciso apenas chamar a função com o parâmetro sec igual a zero. Retorno: A função retorna o tempo, em segundos, restante para que o alarme anterior expire. Se nenhum alarme tiver sido previamente executado, o retorno será zero. Sinais DCA Prática de programação concorrente 18/21

19 Exemplo 05 Manipulando alarmes Download 1 //Funcao signal handler responsavel por tratar o alarme 2 void detectaralarme ( int sig ){ 3 printf ( O sinal %d f o i recebido : SIGALRM\n, sig ) ; 4 printf ( Vontando para o programa p r i n c i p a l \n ) ; 5 kill ( getpid ( ), SIGKILL ) ; 6 } 7 main (){ 8 // Instalar o tratamento do alarme 9 s i g n a l (SIGALRM, detectaralarme ) ; 10 unsigned int temporestantealarmeanterior ; 11 temporestantealarmeanterior = alarm ( 5 ) ; 12 printf ( Tempo restante do alarme a n t e r i o r : %d\n, temporestantealarmeanterior ) ; 13 sleep ( 2 ) ; 14 // Ao chamar alarm() antes do alarme anterior expirar, faz com que 15 // o alarme anterior seja perdido 16 temporestantealarmeanterior = alarm ( 5 ) ; 17 printf ( Tempo restante do alarme a n t e r i o r : %d\n, temporestantealarmeanterior ) ; 18 sleep ( 1 ) ; 19 temporestantealarmeanterior = alarm ( 5 ) ; 20 printf ( Tempo restante do alarme a n t e r i o r : %d\n, temporestantealarmeanterior ) ; 21 while ( true){ 22 sleep ( 1 ) ; 23 printf ( Esperar ser f i n a l i z a d o \n ) ; 24 }; 25 } Sinais DCA Prática de programação concorrente 19/21

20 Sumário 1 Conceito e tratamento de Sinais Introdução Exemplos de sinais Funções Signal Handler 2 Função signal Exemplo 01 Exemplo 02 3 Função kill Exemplo 03 Exemplo 04 4 Função alarm Exemplo 05 5 Desafio Sinais DCA Prática de programação concorrente 20/21

21 Construir um sinal de trânsito Simular o procedimento de um sinal de trânsito. Implementação deve usar obrigatoriamente sinais e alarme. 2 processos Pai: controlar a temporização (vermelho=3s, amarelo=2s, verde=4s). Filho: mudança das cores. Imprimir mensagens informando as cores do semáforo. Sinal de trânsito Sinais DCA Prática de programação concorrente 21/21

Manipulação de processos

Manipulação de processos Manipulação de processos Luiz Affonso Guedes 1 Ivanovitch Silva 1 affonso@dca.ufrn.br ivan@dca.ufrn.br 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte 17 de setembro de 2009 Processos DCA0109 1 / 18 Sumário

Leia mais

Processos em Unix. Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi.

Processos em Unix. Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi. Processos em Unix Conteúdo: Definição de Processos em Unix Estrutura, tipo e escalonamento de processos em Unix Processos, Pai, Filho e Zumbi. O que é um Processo em Unix? É um espaço de endereçamento

Leia mais

E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro. Programação Concorrente em Linux

E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro. Programação Concorrente em Linux E.E.E.P. Dr. Solon Tavares Sistemas Operacionais Prof. Henrique Cordeiro Programação Concorrente em Linux O Conceito de Processo no Linux O conceito de processo é fundamental para qualquer sistema operacional

Leia mais

http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html

http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html http://www.csl.mtu.edu/cs4411/www/notes/process/fork/create.html FORK() SYSTEM CALL * UTILIZADO PARA CRIAR SUBPROCESSO * PROCESSO QUE CRIA É PAI * PROCESSO CRIADO É O FILHO * APÓS A CRIAÇÃO AMBOS OS PROCESSO

Leia mais

MC514 Sistemas Operacionais: Teoria e Prática 1s2010. Processos e sinais

MC514 Sistemas Operacionais: Teoria e Prática 1s2010. Processos e sinais MC514 Sistemas Operacionais: Teoria e Prática 1s2010 Processos e sinais Processos e threads Process 1 Process 1 Process 1 Process User space Thread Thread Kernel space Kernel (a) Kernel (b) fork() Cria

Leia mais

MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS

MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS MÓDULO 02 PROCESSOS E THREADS PROCESSOS e THREADS 1. ATIVIDADE 01 Verificar a criação de um processo filho (que imprime de 51 a 100) que rodará concorrentemente com o processo pai (que imprime de 1 a 50)

Leia mais

Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II

Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II Definição de Processo Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II Processo é o mesmo de Programa? Programa Estrutura estática Instruções + Dados Processo Entidade Ativa Instância de um Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CENTRO 06. Funções, variáveis, parâmetros formais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CENTRO 06. Funções, variáveis, parâmetros formais UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CENTRO 06 Disciplina: Linguagem de Programação C Profª Viviane Todt Diverio Funções, variáveis, parâmetros formais

Leia mais

Programação de Sistemas Carris

Programação de Sistemas Carris Programação de Sistemas Carris Programação de Sistemas Carris : 1/18 Problema (1) A fim de incentivar os alfacinhas a deslocar na cidade de Volvo, a Carris-Companhia de Carris de Ferro de Lisboa decidiu

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Analise o código abaixo:

Analise o código abaixo: Recursão - introdução Analise o código abaixo: 1 # include 2 # include 3 int Fatorial ( int x) 4 int k, s =1; for (k =0;k

Leia mais

Conteúdo programático

Conteúdo programático Introdução à Linguagem C Conteúdo programático Introdução à Linguagem C Estrutura de Programas Variáveis, Constantes Operadores, Entrada e Saída de Dados Estruturas de Desvio Estrutura de Múltipla Escolha

Leia mais

Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo)

Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo) Manual Cobrança Caixa Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo) Selecionar Cedente Para utilizar o sistema, selecione o Cedente (CADASTROS > SELECIONAR CEDENTE > ACESSAR).

Leia mais

Dada uma gramática GLC G: Obter G tal que L(G )=L(G) e G seja LL(1); Conforme a conveniência, efetuar eliminação de regras e de recursões à direita, usando a notação EBNF; Criar, para cada símbolo não-terminal

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C 1 2 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? 3 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? while (C)?; 4 Enunciado: Construa um algoritmo para mostrar os 100

Leia mais

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P1 22/09/2010 Nota

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P1 22/09/2010 Nota P1 22/09/2010 Matrícula: Turma: Questão 1) (3,5 pontos) O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida do bemestar de uma população. Engloba três dimensões: educação (E), longevidade (L) e a riqueza

Leia mais

Índice. Manual De instalação ProjectNet Manager http:// www.projectnet.com.br

Índice. Manual De instalação ProjectNet Manager http:// www.projectnet.com.br Índice Instalação ProjectNet Manager... Página 2 Configuração Inicial ProjectNet Manager... Página 8 Instalação do Microsoft SQL Server Express... Página 10 Apontando um Banco de Dados já existente...

Leia mais

Comunicação entre Processos por Troca de Mensagens. Prof. Celso maciel da Costa

Comunicação entre Processos por Troca de Mensagens. Prof. Celso maciel da Costa Comunicação entre Processos por Troca de Mensagens Prof. Celso maciel da Costa Troca de Mensagens Com memória compartilhada: os processo compartilham variáveis e trocam informações através do uso de variáveis

Leia mais

django-pagseguro Documentation

django-pagseguro Documentation django-pagseguro Documentation Release 1.4.2 Fábio Cerqueira February 11, 2015 Contents 1 Tutorial django-pagseguro 3 1.1 Instalação................................................. 3 1.2 Configurando

Leia mais

Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet

Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet Indice: Configurações iniciais...2 Configuração de IP...2 Teclas especiais...2 Cabo de rede...2 Programação...3 Abrindo a comunicação (abreip)...3 Enviando

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos Gerência de Pacotes

Introdução a Sistemas Abertos Gerência de Pacotes Introdução a Sistemas Abertos Gerência de Pacotes filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Existem diversas formas de instalarmos softwares em distribuições Linux. A mais utilizada é através da utilização

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES COMANDOS E FORMATOS DE ENTRADA E SAÍDA 1 COMANDOS E FORMATOS DE ENTRADA E SAÍDA Os comandos de entrada e saída, na sua forma mais simplificada, possuem a seguinte estrutura:

Leia mais

Processos. Estados principais de um Processo: Contexto de um Processo. Nível de um Processo. http://www.dei.isep.ipp.pt/~orlando/so2/processos.

Processos. Estados principais de um Processo: Contexto de um Processo. Nível de um Processo. http://www.dei.isep.ipp.pt/~orlando/so2/processos. Página 1 de 5 Processos Consiste num método de descrição das actividades de um sistema operativo; Todo o software incluído no sistema operativo é organizado num grupo de programas executáveis. Cada um

Leia mais

Formas de Pagamento Resumida... 34 Vendas Vendedor... 34 Vendas Vendedor Resumido... 35 Vendas Vendedor Caixa... 35 Vendas por Artigos...

Formas de Pagamento Resumida... 34 Vendas Vendedor... 34 Vendas Vendedor Resumido... 35 Vendas Vendedor Caixa... 35 Vendas por Artigos... Manual POS Conteúdo Configuração no Servidor... 3 Gestão de Stocks... 3 Manutenção de Artigos... 3 Gestão de Clientes... 4 Gestão de Fornecedores... 5 Sistema POS... 6 Manutenção de Series de Armazéns...

Leia mais

Controlo de processos e sinais

Controlo de processos e sinais Controlo de processos e sinais 8 Este capítulo aborda os processos e os sinais O controlo de processos com os comandos do sistema operativo disponíveis e em particular o bash shell. Os comandos ps, kill,

Leia mais

Simulado de Linguagem de Programação Java

Simulado de Linguagem de Programação Java Simulado de Linguagem de Programação Java 1. Descreva o processo de criação de programas em Java, desde a criação do código-fonte até a obtenção do resultado esperado, por meio de sua execução. Cite as

Leia mais

Processos, tarefas e núcleo

Processos, tarefas e núcleo Processos, tarefas e núcleo Sistemas Operativos 2012 / 2013 1. Processos Processo Processo Processo Page 1 1 Multiprogramação Execução, em paralelo, de múltiplos programas na mesma máquina Cada instância

Leia mais

Administração de Banco de Dados. José Antônio da Cunha CEFET - RN

Administração de Banco de Dados. José Antônio da Cunha CEFET - RN Administração de Banco de Dados José Antônio da Cunha CEFET - RN Introdução Com o SQL mail é possível mandar e-mail usando comandos específicos de dentro do código de procedures e até emitir notificar

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Comunicação em Grupo Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 10.4 pág. 304-311 2 Comunicação em Grupo Suponha que se deseja um serviço de arquivos único

Leia mais

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas ,QVWDODomR 5HTXLVLWRV0tQLPRV Para a instalação do software 0RQLWXV, é necessário: - Processador 333 MHz ou superior (700 MHz Recomendado); - 128 MB ou mais de Memória RAM; - 150 MB de espaço disponível

Leia mais

Configuração para Uso do Tablet no GigaChef e Outros Dispositivos

Configuração para Uso do Tablet no GigaChef e Outros Dispositivos Configuração para Uso do Tablet no GigaChef e Outros Dispositivos Birigui SP Setembro - 2013 1. Configurando o Ambiente. Este documento mostra como configurar o ambiente do GigaChef para usar o Tablet

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Índice Configuração dos documentos no Backofficce... 3 O Driver ERP Next... 6 Configurações principais... 6 Configurações do vendedor... 7 Configurações do

Leia mais

Esta melhoria depende de execução do update de base U_UPDFIN, conforme procedimento para implementação.

Esta melhoria depende de execução do update de base U_UPDFIN, conforme procedimento para implementação. Solicitação de Fundos Novas Funcionalidades Produto : Microsiga Protheus Financeiro versão 11 Chamado : TEIXDG Data da publicação : 01/08/12 País(es) : Argentina Banco(s) de Dados : Todos Esta melhoria

Leia mais

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido Manual de Instalação do Gold Pedido 1 Visão Geral Programa completo para enviar pedidos e ficha cadastral de clientes pela internet sem usar fax e interurbano. Reduz a conta telefônica e tempo. Importa

Leia mais

atualização gratuita *para clientes Solutio com contrato de manutenção ativo.

atualização gratuita *para clientes Solutio com contrato de manutenção ativo. novidades da versão 2.2 Obrigações fiscais 2013 o Comunicação das faturas para a AT através do Serviço Online Ficheiros do processo o Atualizadas as designações dos tipos de ficheiro o Acrescentadas as

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Basic, Everest e Braille Box. Guia de Instalação

Basic, Everest e Braille Box. Guia de Instalação Basic, Everest e Braille Box Guia de Instalação 2 PUBLICADO POR Index Braille Hantverksvägen 20 954 23, Gammelstad Suécia Telefone: +46 920 2030 80 www.indexbraille.com E POR Tecassistiva Av. Dr. Altino

Leia mais

Instalando o Microsoft Office 2012-09-13 Versão 2.1

Instalando o Microsoft Office 2012-09-13 Versão 2.1 Instalando o Microsoft Office 2012-09-13 Versão 2.1 SUMÁRIO Instalando o Microsoft Office... 2 Informações de pré-instalação... 2 Instalando o Microsoft Office... 3 Introdução... 7 Precisa de mais ajuda?...

Leia mais

Questões frequentes relativas à Instrução da CMVM n.º 1/2010 Deveres de Informação dos Emitentes:

Questões frequentes relativas à Instrução da CMVM n.º 1/2010 Deveres de Informação dos Emitentes: Questões frequentes relativas à Instrução da CMVM n.º 1/2010 Deveres de Informação dos Emitentes: A. GENERALIDADES 1. Como se poderá verificar que a informação enviada, via extranet, foi recebida pela

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille e da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE

MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO O procedimento de instalação do SAT (Dimep) é bastantes simples, para equipamentos Dimep basta seguir as etapas abaixo. 1. Instalação do

Leia mais

Termo genérico que se aplica a vários tipos de diagramas que enfatizam interações de objetos.

Termo genérico que se aplica a vários tipos de diagramas que enfatizam interações de objetos. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Seqüência Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Módulo e-rede Magento v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede Magento v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede Magento v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação e

Leia mais

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael É parte do software, e deve atender os requisitos do usuário Controla o hardware, incluindo periféricos de entrada e saída Usa um conjunto de comandos e regras:

Leia mais

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Sumário Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Capítulo 2. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo XML 12 Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Alexandre Meslin (meslin@nce.ufrj.br) Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos de informática, de software e de hardware. Introduzir os conceitos relativos à representação

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 16/03/12 As instruções abaixo aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

SOFTWARE VIAWEB. Como instalar o Software VIAWEB

SOFTWARE VIAWEB. Como instalar o Software VIAWEB SOFTWARE VIAWEB Como instalar o Software VIAWEB O Software VIAWEB é na verdade um receptor de eventos. A única diferença é que os eventos são recebidos via INTERNET. Portanto, a empresa de monitoramento

Leia mais

Classificação de Ativo Orçamento e Provisão de Despesa

Classificação de Ativo Orçamento e Provisão de Despesa Classificação de Ativo Orçamento e Provisão de Despesa Produto : Microsiga Protheus Ativo Fixo versão 11 Requisito : 154.03 Data da publicação : 28/02/13 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Esta

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Apostila Pascal Ed. 2006. Prof. Dr. Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Apostila Pascal Ed. 2006. Prof. Dr. Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Apostila Pascal Ed 2006 Prof Dr Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8 ARQUIVOS DE DADOS EM PASCAL: ARQUIVOS SEQUENCIAIS - UMA INTRODUÇÃO 81 ARQUIVOS SEQUENCIAL E DIRETO

Leia mais

Programação Estruturada I

Programação Estruturada I Programação Estruturada I Introdução a Linguagem C Prof. Thiago Caproni Tavares 1 Prof. Mateus dos Santos 2 1 thiago.tavares@ifsuldeminas.edu.br 2 mateus.santos@ifsuldeminas.edu.br Última Atualização:

Leia mais

Curso C: Ponteiros e Arrays

Curso C: Ponteiros e Arrays Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Computação Curso C: Ponteiros e Arrays Prof. Ricardo Pezzuol Jacobi rjacobi@cic.unb.br Ponteiros um ponteiro Ž uma vari vel que contžm o endere o um

Leia mais

COMO CRIAR UM PEDIDO DE COMPRAS

COMO CRIAR UM PEDIDO DE COMPRAS Esse guia considera que o catálogo já esteja atualizado, caso haja dúvidas de como atualizar o catálogo favor consultar o Guia de Atualização do Catálogo. Abra o programa e clique no botão Clique aqui

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD

CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD AO OBTER UM CÓDIGO DE ACTIVAÇÃO E AO INTRODUZIR O MESMO PARA ACTIVAR A LICENÇA DO PROGRAMA DE SOFTWARE E AO INSTALAR

Leia mais

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z Use o para alterar as configurações da impressora que afetam os trabalhos enviados à impressora por uma porta serial (Serial Padrão ou Opção Serial ). Selecione um item de menu para obter mais detalhes:

Leia mais

Elementos de programação em C

Elementos de programação em C Elementos de programação em C Estruturas condicionais Francisco A. C. Pinheiro, Elementos de Programação em C, Bookman, 2012. Visite os sítios do livro para obter material adicional: www.bookman.com.br

Leia mais

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA O Sistema Caça-Talentos tem o objetivo de aprimorar o negócio e fornecer um controle informatizado dos processos de captação dos alunos. Ele possui

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Aula 11: Desvios e Laços

Aula 11: Desvios e Laços Aula 11: Desvios e Laços Nesta aula explicaremos alguns comandos que podem alterar o fluxo dos seus programas em JavaScript. Você aprenderá a estrutura dos comandos de desvios e laços. Entenderá como funcionam

Leia mais

SVCs para Controle de Processos no Unix. Sistemas Operacionais

SVCs para Controle de Processos no Unix. Sistemas Operacionais SVCs para Controle de Processos no Unix Criação de Processos A maioria dos sistemas operacionais usa um mecanismo de spawn para criar um novo processo a partir de um outro executável. LPRM/DI/UFES 2 Criação

Leia mais

Estrutura de Diretórios Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com

Estrutura de Diretórios Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com Linux Rodrigo Gentini gentini@msn.com /bin - Ficam armazenados os comandos básicos que todos os usuários podem usar, como o : ls, cat, cd entre outros. /boot - Ficam todos os arquivos que a máquina precisa

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA. Filas de mensagem

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA. Filas de mensagem Página 1 de 5 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Sistemas Operativos ETI - IGE Filas de mensagem 2º Semestre 2003/2004 Aula 04 1. Criar uma fila de mensagens. Mandar uma mensagem.

Leia mais

José Romildo Malaquias 2011-1

José Romildo Malaquias 2011-1 Programação de Computadores I Aula 08 Programação: Estruturas de Repetição José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/58 Motivação Como imprimir os três

Leia mais

Boletim Técnico. Montagem do conteúdo de laudos. Produto : Microsiga Protheus - Medicina e Segurança do Trabalho - Versão 10

Boletim Técnico. Montagem do conteúdo de laudos. Produto : Microsiga Protheus - Medicina e Segurança do Trabalho - Versão 10 Montagem do conteúdo de laudos Produto : Microsiga Protheus - Medicina e Segurança do Trabalho - Versão 10 Chamado : TFCNEF Data da publicação : 23/08/12 País(es) : Todos Banco(s) de Dados : Todos Esta

Leia mais

time_t shm_ctime; /* hora da última alteração de atributod da MP através de shmctl + IPC_SET */

time_t shm_ctime; /* hora da última alteração de atributod da MP através de shmctl + IPC_SET */ Página 1 de 6 Memória Partilhada Pedaço de memória virtual que dois ou mais processos podem incluir no seu espaço de endereçamento, permitindo a comunicação entre eles. È o mecanismo mais rápido de comunicação

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ 1 - VARIÁVEIS Variáveis espaço de memória reservado para armazenar tipos de dados, com um nome para referenciar seu conteúdo. Observações importantes Todas as variáveis devem

Leia mais

SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Sistemas Operacionais

SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Sistemas Operacionais SVCs para Controle de Processos no Unix (cont.) Primitivas exec..() As primitivas exec constituem, na verdade, uma família de funções que permitem a um processo executar o código de outro programa. Não

Leia mais

Gestão Documental. Gestão Documental

Gestão Documental. Gestão Documental Alcides Marques, 2007 Actualizado por Ricardo Matos em Junho de 2009 Neste capítulo pretende-se analisar a temática da, começando por apresentar um breve resumo dos conceitos subjacentes e apresentando

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO II VARIÁVEIS COMPOSTAS HOMOGÊNEAS UNIDIMENSIONAIS

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO II VARIÁVEIS COMPOSTAS HOMOGÊNEAS UNIDIMENSIONAIS INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO II VARIÁVEIS COMPOSTAS HOMOGÊNEAS UNIDIMENSIONAIS Material da Prof. Ana Eliza Dados e comandos, para serem processados, devem estar na memória do computador. Memória Definição:

Leia mais

Disponibilizada a rotina Vale Presente (LOJA830) no módulo Controle de Lojas (SIGALOJA), assim como já é utilizada no módulo Front Loja (SIGAFRT).

Disponibilizada a rotina Vale Presente (LOJA830) no módulo Controle de Lojas (SIGALOJA), assim como já é utilizada no módulo Front Loja (SIGAFRT). Vale Presente para Controle de Lojas Produto : Microsiga Protheus - Controle de Lojas - Versão 10 Chamado : TFDI16 Data da publicação : 12/07/12 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Esta melhoria

Leia mais

NITGEN iaccess GUIA RÁPIDO DE USUÁRIO. www.fingertech.com.br - Fingertech Imp. e Com. de Produtos Tecnológicos LTDA.

NITGEN iaccess GUIA RÁPIDO DE USUÁRIO. www.fingertech.com.br - Fingertech Imp. e Com. de Produtos Tecnológicos LTDA. NITGEN iaccess GUIA RÁPIDO DE USUÁRIO 1 Sumário 1. Descrição do Software... 3 1.1 Visão Geral do Software... 3 1.2 Principais Características... 3 1.3 Especificação mínima e recomendada... 3 2. Instalação

Leia mais

Um processo sob UNIX ocupa uma área de memória formada basicamente por 3 partes:

Um processo sob UNIX ocupa uma área de memória formada basicamente por 3 partes: Processos O UNIX é um sistema operacional multitarefa (suporta multiprogramação). Isso significa que ele é capaz de gerenciar a execução simultânea de vários programas. O termo processo é usado para caracterizar

Leia mais

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS Está disponível a partir da versão 2014.73 do XD Rest/Pos/Disco um novo formato no instalador em ambientes Microsoft Windows. O instalador passa a

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Versão: 19/09/2011 Atualizado em: 26/04/2012

Versão: 19/09/2011 Atualizado em: 26/04/2012 Versão: 19/09/2011 Atualizado em: 26/04/2012 Posição Financeira Conteúdo Introdução a Posição Financeira... 5 Conhecendo o Produto... 6 Ações dos botões das telas... 9 Cetip... 10 Banco Liquidante... 11

Leia mais

Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Existem situações onde é necessário repetir um determinado trecho de um programa um certo número de vezes. Assim,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Nível de rede Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Nível de rede Aula 6 Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Protocolo nível de aplicação Protocolo nível

Leia mais

Técnico em Radiologia. Prof.: Edson Wanderley

Técnico em Radiologia. Prof.: Edson Wanderley Técnico em Radiologia Prof.: Edson Wanderley Rede de Computadores Modelo Mainframe Terminal Computador de grande porte centralizado; Os recursos do computador central, denominada mainframe são compartilhadas

Leia mais

Árvores. ! utilizada em muitas aplicações. ! modela uma hierarquia entre elementos. ! O conceito de árvores está diretamente ligado à recursão

Árvores. ! utilizada em muitas aplicações. ! modela uma hierarquia entre elementos. ! O conceito de árvores está diretamente ligado à recursão Árvores 1 Árvores! utilizada em muitas aplicações! modela uma hierarquia entre elementos! árvore genealógica! diagrama hierárquico de uma organização! modelagem de algoritmos! O conceito de árvores está

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

2 Segmentação de imagens e Componentes conexas

2 Segmentação de imagens e Componentes conexas Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Departamento Acadêmico de Informática (DAINF) Algoritmos II Professor: Alex Kutzke (alexk@dainf.ct.utfpr.edu.br) Especificação do Primeiro Trabalho Prático

Leia mais

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Roteiro... Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Infra-estrutura de um SD Considerações de projeto Sistemas Distribuídos Aula 4 Karine de Pinho Peralta Modelos de Comunicação - comunicação entre processos

Leia mais

Manual do KLinkStatus. Paulo Moura Guedes Tradução: Marcus Gama

Manual do KLinkStatus. Paulo Moura Guedes Tradução: Marcus Gama Paulo Moura Guedes Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o KLinkStatus 6 3 Configurando o KLinkStatus 8 4 Créditos e Licença 11 5 Instalação e compilação 12 Resumo KLinkStatus é um verificador

Leia mais

Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1

Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1 Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1 Normatização: Provimento nº 22/2014 Corregedoria Geral de São Paulo Segue o link com a íntegra do provimento, publicado no site da ARPEN-SP, em 18/09/2014:

Leia mais

T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1

T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1 T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1 Lista de Figuras T.I. para o Dealer Suite: Servidores Figura 1 Tela Principal do ESXi...4 Figura 2 Tela VMware Player...5 Figura 3 Arquivo /etc/exports do

Leia mais

Arquiteturas de Computadores Paralelos

Arquiteturas de Computadores Paralelos Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Paralelismo O estudo de paralelismo

Leia mais

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma Aula 03 Processadores Prof. Ricardo Palma Definição O processador é a parte mais fundamental para o funcionamento de um computador. Processadores são circuitos digitais que realizam operações como: cópia

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Arquitectura dos Sistemas Operativos Programação de Sistemas Arquitectura : 1/25 Introdução (1) Um sistema operativo de uso geral é formado por diversas componentes: Gestor de processos

Leia mais

LINGUAGEM C. Estrutura básica de um programa

LINGUAGEM C. Estrutura básica de um programa LINGUAGEM C Estrutura básica de um programa Um programa em linguagem C é constituído por uma sequência de funções (módulos) que em conjunto irão permitir resolver o problema proposto. Estas funções contêm

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede.

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Também chamado de estrutura de seleção múltipla (caso). Assim como o if-else, o switch também é uma estrutura de seleção. O if-else realiza o teste

Leia mais

Aula 06 - Funções. O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros

Aula 06 - Funções. O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros Algoritmo e Programação Aula 06 - Funções Colegiado de Engenharia da Computação

Leia mais