PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL"

Transcrição

1 1 PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL O. M. M. Silva 1, S. A. Baldacim 1, C. Santos 2, Salgado, E.G.C 1, F. C. L. Melo 1 1 CTA-IAE- Divisão de Materiais - Pça. Mar. do Ar Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias S. J. dos Campos SP, Cep: Tel: (0xx) , 2 FAENQUIL-DEMAR - Departamento de Engenharia de Materiais Polo Urbo Industrial, Gleba AI6, s/n, Lorena-SP, Cep Tel (0xx12) RESUMO A caracterização da microestrutura de materiais cerâmicos envolve a determinação de tamanho de grão, distribuição de fases, grau de porosidade etc. Apesar de difícil determinação, essas identificações são importantes para a obtenção das relações entre as estruturas e as propriedades dos materiais. O objetivo desse trabalho é a revelação da microestrutura de materiais cerâmicos covalentes, sem a necessidade de lixamento e polimento, que não são operações simples e podem requerer equipamentos sofisticados, tais como: politriz automática; discos de corte diamantados, etc. Neste trabalho, esta sendo apresentado pela primeira vez uma técnica de preparação de materiais cerâmicos para observação da microestrutura ao microscópio eletrônico de varredura (MEV), com ataque químico da superfície de fratura, suprimindo os processos de corte com disco diamantado, embutimento em baquelite, lixamento e polimento em politrizes automáticas com lixas e pastas de diamante. Palavras chaves: caracterização, micrografia, superfície de fratura, nitreto de silício 1

2 2 I. INTRODUÇÃO A concepção e o desenvolvimento de materiais cerâmicos, bem como a otimização dos parâmetros de processamento ou propriedades mecânicas, implicam no conhecimento e controle da microestrutura, tanto qualitativa como quantitativamente. Alguns materiais cerâmicos, tais como nitreto de silício (Si 3 N 4 ) e o carbeto de silício (SiC), são quase sempre sinterizados com aditivos que, após o resfriamento, formam fases intergranulares que envolvem os grãos do material base, dificultando a sua observação. O uso de ataques químicos se faz necessário para remover essa fase intergranular, sem degeneração dos materiais cerâmicos. Assim, pode-se avaliar os aspectos microestruturais, de forma a conciliar os aspectos morfológicos com as propriedades mecâmicas [1-4 ]. Em trabalhos recentes, foi possível utilizar um ataque químico de fácil aplicação, de baixos riscos à saúde, e que permite uma limpeza da fase intergranular. Essa técnica consiste em submeter uma amostra lixada e polida a ataque químico em um banho de sais fundidos (KOH:NaOH), em temperaturas da ordem de C, em tempos que variam em função da quantidade de aditivos utilizados na preparação das amostras [ 5-7 ]. Entendia-se que as etapas de lixamento e polimento eram necessárias para facilitar a atuação do sal fundido na fase intergranular, facilitando a limpeza dos grãos. Face a dificuldade encontrada durante o processo de preparação de amostras pelo processo de polimento e posteriormente ataque para revelar a microestrutura desenvolveu-se um método mais rápido e mais barato para determinar a microestrutura de material cerâmico. Este método consiste em promover uma fratura da seção desejada (transversal ou longitudinal) da amostra e posteriormente promover um ataque, para a observação da microestrutura em microscópio eletrônico de varredura (MEV). Este método poderá ser aplicado a outros materiais cerâmicos, principalmente aqueles sinterizados via fase líquida. O presente trabalho visa dar início ao desenvolvimento e aperfeiçoamento de métodos laboratoriais para a revelação de microestrutura de materiais de alta 2

3 3 dureza e resistência ao desgaste a partir de superfícies de fratura e ataques seletivos. II. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL II.1 Matérias- Primas As composições estudadas foram à base de nitreto de silício (Si 3 N 4 ) aditivado com nitreto de alumínio (AlN) e óxido de ítrio (Y 2 O 3 ), conforme discriminado na tabela 1. Todos estes pós foram fabricados pela H.C. Starck- Alemanha. Efetuou-se primeiramente a pesagem dos pós precursores em balança analítica, procedendo-se a seguir à mistura/moagem dos mesmos em moinho de bolas, por 48h, a úmido, utilizando-se etanol absoluto. Em seguida efetuou-se a compactação dos pós para a confecção dos corpos-de-prova, em duas etapas. Na primeira etapa os corpos-de-prova foram compactados em matrizes de aço, com camisa flutuante, com diâmetro de 10 mm e comprimento de 15 mm. Na segunda etapa eles foram submetidos à prensagem isostática a frio, sob pressão de 300 MPa, por 60 segundos, com o objetivo de melhorar suas propriedades mecânicas. A etapa de sinterização foi realizada em um forno de resistência de grafite, em atmosfera de nitrogênio, à uma temperatura de 1750 o C por 30 minutos com taxa de aquecimento de 20 o C/min. Tabela 1. Composições utilizadas neste trabalho. Composição Si 3 N 4 AlN Y 2 O 3 Y 2,5 92,5 5,0 2,5 Y 5,0 90,0 5,0 5,0 Y 10 85,0 5,0 10 3

4 4 II.2 PREPARAÇÃO DOS CORPOS-DE-PROVA PARA EXAME MICROGRÁFICO As amostras foram fraturadas; uma das superfícies de fratura foi metalizada com ouro-paládio e examinada em MEV. As outras faces das fraturas foram submetidas ao ataque químico com KOH:NaOH mistura 1:1 a C, tempo entre 5 a 10 minutos, metalizadas com ouro-paládio e examinadas no MEV. Para efeito de comparação, foram preparadas amostras pelo método convencional: corte, lixamento e polimento com pasta de diamante, visando a obtenção de uma superfície plana e polida, e ataque com o mesmo reagente químico usado no ataque das amostras fraturadas. Foram então metalizadas com ouro-paládio e examinadas no MEV. III. RESULTADOS E DISCUSSÕES Todas as amostras fraturadas, examinadas após o ataque químico a temperatura de 500 o C, apresentaram excelentes resultados. Selecionou-se para demonstração dos resultados obtidos as amostras contendo 5,0 % em peso dos elementos Y 2 O 3 e AlN nas condições: polida e fraturadas, sem ataque e com ataque. A Figura 1 (A e B) mostra a superfície de fratura sem ataque químico. O tamanho e a morfologia dos grãos ficaram ocultos devido a presença da fase vítrea existente entre os grãos. A 4

5 5 B 2 µm Figura 1 (A e B). Micrografia da superfície de fratura.observa-se que o tamanho e morfologia dos grãos estão ocultos. A Figura 2 (A e B) mostra a microestrutura da amostra lixada e polida e atacada quimicamente a temperatura de C. O tamanho e a morfologia dos grãos foram revelados nitidamente. A 5

6 6 B Figura 2 (A e B). Observa-se nitidamente o tamanho e morfologia dos grãos. A Figura 3 (A a C) mostra a microestrutura da amostra fraturada e, posteriormente, atacada quimicamente a temperatura de 500 o C. Observa-se que o tamanho e a morfologia dos grãos foram revelados nitidamente, apresentando as mesmas características observadas nas amostras polidas e atacadas. A B 6

7 7 C Figura 3 (A a C). Microestrutura da amostra fraturada e atacada - Observa-se o tamanho e morfologia dos grãos nitidamente. IV. CONCLUSÕES Os resultados obtidos com as amostras fraturadas e atacadas, são equivalentes aos obtidos com o processo tradicional que consiste em lixamento, polimento e subsequente ataque químico. A nova técnica adotada se demonstrou eficiente, já que a microestrutura e suas características (tamanho de grão, razão de aspecto, alinhamento dos grãos) podem ser avaliadas, da mesma forma que em amostras onde toda a etapa de preparação (lixamento e polimento) foram utilizadas. Assim, essa técnica se mostrou extremamente simples, de baixo custo, rápida e eficiente. Não requer equipamentos sofisticados e materiais de consumo tais como lixas feltro e pasta diamantada para o polimento, reduzindo assim o custo final e o tempo de preparação das amostras a serem observadas. REFERÊNCIAS 1 - S. A. Baldacim, C. Santos, O. M. M. Silva, C. R. M. Silva, Mechanical properties evaluation of hot-pressed Si 3 N 4 -SiC (w) composites, Int Journ Hard Mat Refract Met, 2003,In press. 7

8 8 2 - C. Santos, K. Strecker, S. A.Baldacim, O. M. M. da Silva, C. R. M. da Silva, Influence of additive content on the anisotropy in hot-pressed Si 3 N 4 ceramics using grain orientation measurements, Ceramics International, 2004, in press. 3 - Santos, C.; Strecker, K.; Baldacim, S.A.; Silva, O.M.M.; Santos, D.R.; Silva C.R.M., Grains orientation during creep of hot pressed Si 3 N 4 ceramics, CSBMM, 2003, Caxambú-MG 4 - C. Santos; S.Ribeiro; K.Strecker; L.E.G.da Silva, The importance of Si 3 N 4 characterization by SEM at the different sintering stages, Acta Microscopica, vol12, Dez 2003, pp Santos, C., Silva, C. R. M., Silva, O. M. M., Baldacim, S. A., Chemical Etching for microstructural Revelation of Si 3 N 4 Ceramics: parameters optmization In: MICROMAT 2002 CD-Rom., Kelly, C.A., Ribeiro, S., Santos, C., Silva, C. R. M., Microstructural Characterization of The Silicon Carbide Ceramics In: MICROMAT 2002 CD- Rom., Santos, C., Silva, C. R. M., Silva, O. M. M., Baldacim, S. A., Microstructural Characterization of SiALONs with compositional gradient In: MICROMAT 2002 CD-Rom., ABSTRACT The microstructural characterization of the ceramics is based on the determination of the grains size, phase distribution, porosity degree, etc. These identifications is very difficult, but are very important for the development of the relationship between microstructural aspects and mechanical properties. The objective of this work is the microstructural revalation in the structural ceramics using a sheap technic, without the utilization of the grinding and polishing steps. Key-words: characterization, micrographs, fracture surface, silicon nitride. 8

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

Palavras-chave: Carbeto de silício; Porosidade; Processamento digital de imagens, método de Arquimedes.

Palavras-chave: Carbeto de silício; Porosidade; Processamento digital de imagens, método de Arquimedes. MEDIDA DE POROSIDADE EM SIC ATRAVÉS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Vinicio C. da Silva 1* (D), Marília G. Diniz 1, José B. de Campos 1 e Celio A. Costa Neto 2 1 - Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

TORNEAMENTO DE FERRO FUNDIDO CINZENTO COM FERRAMENTAS CERÂMICAS À BASE DE NITRETO DE SILÍCIO PRODUZIDAS POR SINTERIZAÇÃO NORMAL

TORNEAMENTO DE FERRO FUNDIDO CINZENTO COM FERRAMENTAS CERÂMICAS À BASE DE NITRETO DE SILÍCIO PRODUZIDAS POR SINTERIZAÇÃO NORMAL 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 TORNEAMENTO DE FERRO FUNDIDO CINZENTO COM FERRAMENTAS CERÂMICAS À BASE DE NITRETO DE SILÍCIO PRODUZIDAS POR SINTERIZAÇÃO NORMAL M. A. Lanna, A. M. Abrão,

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA PRESSÃO E TEMPERATURA NO PROCESSO DE PRENSAGEM A QUENTE DE CARBETO DE BORO

DETERMINAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA PRESSÃO E TEMPERATURA NO PROCESSO DE PRENSAGEM A QUENTE DE CARBETO DE BORO Anais do 37 Congresso Brasileiro de Cerâmica 22 a 25 dc maio dc 1993, Curitiba - PB DETERMINAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA PRESSÃO E TEMPERATURA NO PROCESSO DE PRENSAGEM A QUENTE DE CARBETO DE BORO Francisco Cristovão

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 703-710 INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP 1 INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP S. R. Teixeira, F. C. Dias, A. E. Souza, G. T. Almeida Santos, M. A. L. Nobre

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica IMPLICAÇÃO DA ADIÇÃO DE NÚCLEOS HETEROGÊNEOS NAS PROPRIEDADES DA LIGA Al-7%Si

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06 4. Processamento de Materiais Cerâmicos F. Jorge Lino Alves 1 Resumo 4. Processamento de Materiais Cerâmicos Processos utilizados na fabricação

Leia mais

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas.

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. 1 Conceito: As propriedades das ligas metálicas e suas transformações estão intimamente ligadas ao seu estado metalúrgico ou microestrutural. O exame

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Cerâmica 51 (2005) 313-317. FAENQUIL-DEMAR, C.P.116, Lorena, SP, Brasil 12600-970 2. LNLS, Campinas, SP, Brasil 3

Cerâmica 51 (2005) 313-317. FAENQUIL-DEMAR, C.P.116, Lorena, SP, Brasil 12600-970 2. LNLS, Campinas, SP, Brasil 3 Cerâmica 51 (2005) 313-317 313 Caracterização estrutural por difração de raios X de alta resolução de SiAlONs sinterizados com diferentes aditivos (Structural characterization by high-resolution X-ray

Leia mais

2.4-Aços inoxidáveis dúplex:

2.4-Aços inoxidáveis dúplex: N (Nitrogênio): Juntamente com o cromo e molibdênio, é usado para dar maior resistência à corrosão. Adições de nitrogênio (0,1% a 0,3%) aumentam significativamente a resistência à corrosão por pite. Estudos

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E ESTRUTURAL NA SUBSTITUIÇÃO DO LIGANTE METÁLICO Co POR Ti EM METAL DURO

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E ESTRUTURAL NA SUBSTITUIÇÃO DO LIGANTE METÁLICO Co POR Ti EM METAL DURO VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CERÂMICAS À BASE DE CARBETO DE SILÍCIO

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CERÂMICAS À BASE DE CARBETO DE SILÍCIO AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CERÂMICAS À BASE DE CARBETO DE SILÍCIO Luiz Ricardo Berezowski IC (luiz@h8.ita.br) Carlos de Moura Neto PQ Francisco Cristóvão Lourenço de Melo PQ Instituto Tecnológico

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA.

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de (1) ; Oliveira, Amando Alves de (1)

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS Miguel Adriano Inácio 1, a, José Vitor Cândido de Souza 1, b, Maria do Carmo de Andrade Nono 1, c e

Leia mais

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 6 4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 4. Estudo do comportamento da decomposição total para o precursor na fase (Bi, Pb)- Obs. As amostras desta seção foram as resultantes de tratamento feito por DTA/TGA, e foram

Leia mais

Qualidade em Abrasivos. Novo. VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante. Especiais. Produtos. Aplicações

Qualidade em Abrasivos. Novo. VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante. Especiais. Produtos. Aplicações Novo VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante Aplicações Produtos Especiais Campos de Aplicação Nossa solução A VSM oferece produtos de alta tecnologia e qualidade com excelente

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

Desenvolvimento de Esmalte Brilhante para Porcelanato

Desenvolvimento de Esmalte Brilhante para Porcelanato Desenvolvimento de Esmalte Brilhante para Porcelanato Giovana Baldessar Zanardo a,b, Fernando Marco Bertan b, Oscar Rubem Klegues Montedo a * a Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC, Criciúma -

Leia mais

Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG.

Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG. Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG. Fábio Sawada Cutrim Instituto Tecnológico de Aeronáutica fabiosawada@gmail.com Bolsista PIBIC CNPq Danieli

Leia mais

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1 SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO J.C.Vendramim 1 [1] João Carmo Vendramim Engenheiro metalurgista, mestrado em engenharia de materiais pela universidade de Campinas Unicamp. Introdução A seleção do

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TEXTURA DURANTE O PROCESSAMENTO DE AÇOS ELÉTRICOS 0,5%Si e 1,25%Si 1

EVOLUÇÃO DA TEXTURA DURANTE O PROCESSAMENTO DE AÇOS ELÉTRICOS 0,5%Si e 1,25%Si 1 EVOLUÇÃO DA TEXTURA DURANTE O PROCESSAMENTO DE AÇOS ELÉTRICOS 0,5%Si e 1,25%Si 1 RESUMO Marcos Flávio de Campos 2 Ivan Gilberto Sandoval Falleiros 2 Fernando José Gomes Landgraf 3 Gabriela Campos Fronzaglia

Leia mais

OBTENÇÃO DE AÇO ROLAMENTO PELA ROTA DA METALURGIA DO PÓ. Jai Pedro do Santos*, João Batista Ferreira da Silva*, Gilbert Silva**, Vera Lucia Arantes**.

OBTENÇÃO DE AÇO ROLAMENTO PELA ROTA DA METALURGIA DO PÓ. Jai Pedro do Santos*, João Batista Ferreira da Silva*, Gilbert Silva**, Vera Lucia Arantes**. OBTENÇÃO DE AÇO ROLAMENTO PELA ROTA DA METALURGIA DO PÓ. Jai Pedro do Santos*, João Batista Ferreira da Silva*, Gilbert Silva**, Vera Lucia Arantes**. * Universidade do Vale do Paraíba/Instituto de Pesquisa

Leia mais

Influência da Moagem de Alta Energia na porosidade de produtos da metalurgia do pó

Influência da Moagem de Alta Energia na porosidade de produtos da metalurgia do pó Influência da Moagem de Alta Energia na porosidade de produtos da metalurgia do pó Kahl Zilnyk (UEPG) E-mail: 061040724@uepg.com Osvaldo Mitsuyuki Cintho (UEPG) E-mail: omcintho@uepg.com Resumo: Neste

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE NEGRO-DE-FUMO EM TUBOS DE PEAD PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE NEGRO-DE-FUMO EM TUBOS DE PEAD PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso DESENVOLVIMENTO de Esmalte Brilhante para Porcelanato Giovana Baldessar Zanardo Fernando Marco Bertan

Leia mais

ANÁLISE DO TAMANHO DO CRISTALITO E MICRODEFORMAÇÃO DA REDE CRISTALINA DO CARBETO DE TUNGSTÊNIO MOÍDOS EM MOINHO DE ALTA ENERGIA.

ANÁLISE DO TAMANHO DO CRISTALITO E MICRODEFORMAÇÃO DA REDE CRISTALINA DO CARBETO DE TUNGSTÊNIO MOÍDOS EM MOINHO DE ALTA ENERGIA. ANÁLISE DO TAMANHO DO CRISTALITO E MICRODEFORMAÇÃO DA REDE CRISTALINA DO CARBETO DE TUNGSTÊNIO MOÍDOS EM MOINHO DE ALTA ENERGIA. F. T. da Silva 1,a. ; M. A. M. Nunes 1 ; R. M. V. de Oliveira 2 ; G. G.

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas

Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas Tarique da S. Cavalcante, P. P. Rebouças Filho, Victor Hugo

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA Marcos Antônio de Carvalho Rocha Sérgio Souto Maior Tavares Maria da Penha Cindra Fonseca Juan Manuel Pardal Viviane Florido

Leia mais

Processos de Fabricação Metalurgia do Pó

Processos de Fabricação Metalurgia do Pó Instituto Federal de Santa Catarina Campus de Florianópolis Departamento Acadêmico de Metal-Mecânica Curso Técnico de Mecânica Industrial ProIn II Processos de Fabricação Metalurgia do Pó ProIn II Mecânica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS

CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS CARACTERIZAÇÃO DE LIGAS Al-Si EUTÉTICA E HIPEREUTÉTICA FUNDIDAS POR CENTRIFUGAÇÃO PARA APLICAÇÕES AUTOMOTIVAS A. A. Couto 1,2 ; D. M. Marreco 1 ; A. Cabral Neto 1 ; J. Vatavuk 1 ; M. A. Nava 3 Av. Prof.

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Santos, Fabricio Simão dos; Gheno, Simoni Maria; Kuri, Sebastião Elias Microscopia de varredura por sonda (SPM) aplicada

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

Desenvolvimento e caracterização de ferramentas cerâmicas de Si 3 N 4 revestidas com AlCrN. vitor@las.inpe.br RESUMO

Desenvolvimento e caracterização de ferramentas cerâmicas de Si 3 N 4 revestidas com AlCrN. vitor@las.inpe.br RESUMO Desenvolvimento e caracterização de ferramentas cerâmicas de Si 3 N 4 revestidas com AlCrN J.V.C. Souza,2, O.M.M. Silva 3, M. C.A. Nono, J.P.B. Machado, M. Pimenta 4, L. F.C. Sá 2 INPE - Av. dos Astronautas,.758,

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DE PÓ DE EXAUSTÃO EM MASSA CERÂMICA ATOMIZADA TIPO SEMIGRÊS

A INCORPORAÇÃO DE PÓ DE EXAUSTÃO EM MASSA CERÂMICA ATOMIZADA TIPO SEMIGRÊS A INCORPORAÇÃO DE PÓ DE EXAUSTÃO EM MASSA CERÂMICA ATOMIZADA TIPO SEMIGRÊS W. R. Knop 1, L. Dalla. Valentina 2, M. V. Folgueiras 3, S.C.Semptikovski 4 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138

CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138 CARACTERÍSTICAS DE FORMAÇÃO DA AUSTENITA EXPANDIDA NA NITRETAÇÃO POR PLASMA DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 316 GRAU ASTM F138 R. R. Caetano (1), A. R. Franco Jr. (2), C. E. Pinedo (1) (1) Núcleo de

Leia mais

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 JORNADAS SAM/ CONAMET/ SIMPOSIO MATERIA 2003 07-03B ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 Effting 1, C.; Bressan 2, J.D. 1 Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC),Caixa Postal 631, Joinville,

Leia mais

Palavras - chave: Grafita nodular, ferro fundido nodular, tempo e temperatura de vazamento, propriedades mecânicas, analise estrutural.

Palavras - chave: Grafita nodular, ferro fundido nodular, tempo e temperatura de vazamento, propriedades mecânicas, analise estrutural. INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE VAZAMENTO SOBRE A ESTRUTURA DOS NÓDULOS E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR NO ESTADO BRUTO DE FUNDIÇÃO Resumo: Douglas F. Vidal¹* (D), Lioudmila

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205)

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) Evelin Barbosa de Mélo Engenheira Química, Dep. Eng. Mecânica, Centro

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA Hector Reynaldo Meneses Costa CEFET-RJ/DEPES Ari Sauer Guimarães UFRJ/PEMM/COPPE Ivani

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O TRATAMENTO TÉRMICO A VÁCUO E O TRATAMENTO TÉRMICO POR BRASAGEM REALIZADO EM AÇO INOXIDÁVEL M340 APLICADO A INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS R. L. Ciuccio 1, V. Pastoukhov 2, M.D.D. NEVES

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

3. Como são classificadas as diversas técnicas de prototipagem rápida?

3. Como são classificadas as diversas técnicas de prototipagem rápida? PROTOTIPAGEM RÁPIDA 1. Introdução Fabricação de protótipos em curto espaço de tempo (horas ou dias contra dias ou meses anteriormente necessários) Protótipo: - modelo em escala real de peças ou produtos

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESPESSURA DE CHAPA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO PARA TUBOS API 5L-X65 1

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESPESSURA DE CHAPA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO PARA TUBOS API 5L-X65 1 CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESESSURA DE CHAA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO ARA TUBOS AI 5L-X65 1 aulo Henrique Ogata 2 Helio Goldenstein 3 Antonio Augusto Gorni 4 Fernando José Gomes Landgraf

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Caracterização de dobras de laminação por metalografia e microscopia óptica

Caracterização de dobras de laminação por metalografia e microscopia óptica Caracterização de dobras de laminação por metalografia e microscopia óptica Marcos Chogi Iano (1) Faculdade de Tecnologia de Sorocaba São Paulo Brasil e-mail: iano@fatecsorocaba.edu.br Mauro Pancera (2)

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação

Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação Processo de fabricação de cabos de alumínio com ênfase em trefilação É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer. Aristóteles 24/Novembro/2014 1 Produtos e Aplicações Cabos de

Leia mais

EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO.

EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO. EFEITO DE LONGOS TEMPOS DE AQUECIMENTO A 850 C SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO UNS S31803 EM MEIO ÁCIDO E MEIO AQUOSO CONTENDO CLORETO. Rodrigo Magnabosco Engenheiro Metalurgista EPUSP 1993, Mestre

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil)

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Julian Johann (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Maico

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA.

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. Alunos: Antonio Rodrigues e Vitor Antoniazzi. Orientador: Ivani de S. Bott. Co-Orientador: José Roberto D Almeida. Introdução A ideia de se unir corpos sólidos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DA LIGA TI -13Nb-13Zr OBTIDA POR METALURGIA DO PÓ (M/P)

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DA LIGA TI -13Nb-13Zr OBTIDA POR METALURGIA DO PÓ (M/P) CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DA LIGA TI -13Nb-13Zr OBTIDA POR METALURGIA DO PÓ (M/P) V.A.R. Henriques 1, C.R.M. Silva 1, C.A.A. Cairo 1, J.C. Bressiani 2 Rua Mar del Plata N. 1046, Apto. 13, Jardim Paraíso,

Leia mais

EFFECT OF SINTERING AIDS ON BORON CARBIDE SINTERING

EFFECT OF SINTERING AIDS ON BORON CARBIDE SINTERING 606 Anais do 39. Congresso Brasileiro de Cerâmica 10 a 13 de junho de 1995 - Aguas de i indõia - SP EFEITO DE ADITIVOS NA SINTERIZAÇÃO DE CARBETO DE BORO Francisco Cristovão Lourenço de Melo Cosme Roberto

Leia mais

4 Materiais e Métodos

4 Materiais e Métodos 4 Materiais e Métodos 4.1. Ensaio de Microdureza 4.1.1. Seleção dos Dentes Quinze caninos superiores humanos extraídos foram obtidos do estoque de dentes da Disciplina de Endodontia da Universidade do

Leia mais

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro O desenvolvimento de peças e componentes mecânicos através da metalurgia do pó vem sendo crescentemente utilizado. Destes materiais, o

Leia mais

PROPRIEDADES MECANICAS RELACIONADAS COM A MICROESTRUTURA DE AÇOS AVANÇADOS DESTINADOS À INDÚSTRIA AUTOMOBILISTICA

PROPRIEDADES MECANICAS RELACIONADAS COM A MICROESTRUTURA DE AÇOS AVANÇADOS DESTINADOS À INDÚSTRIA AUTOMOBILISTICA PROPRIEDADES MECANICAS RELACIONADAS COM A MICROESTRUTURA DE AÇOS AVANÇADOS DESTINADOS À INDÚSTRIA AUTOMOBILISTICA A.R.Faria Neto, A.Harada, M.S.Pereira Av. Dr. Ariberto Pereira da Cunha, 333. CEP: 12516-410

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

MOLHABILIDADE DO SiC PELOS ADITIVOS AlN/RE 2 O 3 (RE 2 O 3 ÓXIDO DE TERRAS RARAS)

MOLHABILIDADE DO SiC PELOS ADITIVOS AlN/RE 2 O 3 (RE 2 O 3 ÓXIDO DE TERRAS RARAS) 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 MOLHABILIDADE DO SiC PELOS ADITIVOS AlN/RE 2 O 3 (RE 2 O 3 ÓXIDO DE TERRAS RARAS) F. V. MOTTA, S. RIBEIRO, R. M. BALESTRA, S. P. TAGUCHI Faculdade de Engenharia

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Palavras-chave: Aço inoxidável duplex, ferrita, cinética, ferritoscópio. ferritoscope

Palavras-chave: Aço inoxidável duplex, ferrita, cinética, ferritoscópio. ferritoscope Estudo da precipitação da fase sigma em aço inoxidável duplex 2205 através de estereologia e ferritoscópio Study of precipitation of the sigma phase in a duplex stainless steel 2205 by means stereology

Leia mais

ANÁLISE MICROESTRUTURAL, COMPOSICIONAL E PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS CERAMICAS INDÍGENAS DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO CANINHAS/SP

ANÁLISE MICROESTRUTURAL, COMPOSICIONAL E PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS CERAMICAS INDÍGENAS DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO CANINHAS/SP ANÁLISE MICROESTRUTURAL, COMPOSICIONAL E PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS CERAMICAS INDÍGENAS DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO CANINHAS/SP F. P. Nakano 1 ; R. B. Ribeiro 1,2 ; S. J. L. Rosa 2 ; W. G. Bornal 3 ; C. M. Queiroz

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

SINTERIZAÇÃO DE POLÍMEROS CARLA PRISCILA DA SILVA FREITAS EGLON RHUAN SALAZAR GUIMARÃES OSÉAS PEREIRA ROCHA THIAGO MUNIZ BARBOSA

SINTERIZAÇÃO DE POLÍMEROS CARLA PRISCILA DA SILVA FREITAS EGLON RHUAN SALAZAR GUIMARÃES OSÉAS PEREIRA ROCHA THIAGO MUNIZ BARBOSA Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF Centro de Ciência e Tecnologia CCT Laboratório de Materiais Avançados LAMAV SINTERIZAÇÃO DE POLÍMEROS CARLA PRISCILA DA SILVA FREITAS EGLON

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS BRUNA RAGE BALDONE LARA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS BRUNA RAGE BALDONE LARA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS BRUNA RAGE BALDONE LARA Caracterização estrutural de misturas de pós de Si3N4 + B e Si3N4 + C produzidos por moagem de alta energia e subsequente sinterização Poços de

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 Telmo Roberto Strohaecker UFRGS, PROFESSOR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Sandro Griza UFRGS, DOUTORANDO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Rodrigo André Hoppe

Leia mais

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 1 CIÊNCIAS DOS MATERIAIS Profa. Dra. Adélia Lima Email: amlsilva0603@gmail.com à Química Aplicada 2 A disciplina Química Aplicada aborda os conteúdos básicos

Leia mais

3 Kit Trizact Film - Polimento de Vidros

3 Kit Trizact Film - Polimento de Vidros 3 Kit Trizact Film - Polimento de Vidros Boletim Técnico Outubro/2001 Sistema para Recuperação e Restauração de Transparência de Vidros Microabrasivo Trizact TM Um dos maiores problemas enfrentados pelas

Leia mais

Processo de Fabricação I. Metalurgia do Pó. Prof.: João Carlos Segatto Simões

Processo de Fabricação I. Metalurgia do Pó. Prof.: João Carlos Segatto Simões Processo de Fabricação I Metalurgia do Pó Prof.: João Carlos Segatto Simões Introdução 6000 anos a.c: armas, lanças e ferramentas produzidas a partir de aglomerados de ferro Século XIX: primeiros passos

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE DE IMAGENS NA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE CERÂMICAS VARISTORAS

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE DE IMAGENS NA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE CERÂMICAS VARISTORAS UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE DE IMAGENS NA CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE CERÂMICAS VARISTORAS doi: 10.4322/tmm.00603011 José Geraldo de Melo Furtado 1 Rodrigo Dias 2 Maria Cecília de Souza Nóbrega 3 Eduardo

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO CÓDIGO DISCIPLINA SERIAÇÃO IDEAL OBR/OPT/EST PRÉ-REQUISITO. ANUAL/SEM. 0434 - Mat. Const. Mec. I - Co-requisito-1993

PROGRAMA DE ENSINO CÓDIGO DISCIPLINA SERIAÇÃO IDEAL OBR/OPT/EST PRÉ-REQUISITO. ANUAL/SEM. 0434 - Mat. Const. Mec. I - Co-requisito-1993 PROGRAMA DE ENSINO UNIDADE UNIVERSITÁRIA Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira CURSO 04020 HABILITAÇÃO Engenharia Mecânica DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL Engenharia Mecânica PROFESSOR RESPONSÁVEL E COLABORADOR

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: ESTUDO DO PROCESSAMENTO, COMPORTAMENTO MECÂNICO E DA MICROESTRUTURA DE COMPÓSITOS CERÂMICOS UTILIZADOS COMO VEDAÇÃO

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 FRAGILIZAÇÃO DA MARTENSITA REVENIDA EM PARAFUSOS: ANÁLISE DE DOIS CASOS Marcelo A. L.*, Tokimatso R. C., Júnior P. Z.**,

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA Ana L. F. S. d Almeida 1, José R. M. d Almeida 2 * 1 Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal

Leia mais

INFLUENCIA DA ORIENTAÇÃO DE PROTOTIPAGEM NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE COMPONETES PRODUZIDOS POR SINTERIZAÇÃO DIRETA A LASER DE METAIS (DMLS).

INFLUENCIA DA ORIENTAÇÃO DE PROTOTIPAGEM NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE COMPONETES PRODUZIDOS POR SINTERIZAÇÃO DIRETA A LASER DE METAIS (DMLS). INFLUENCIA DA ORIENTAÇÃO DE PROTOTIPAGEM NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE COMPONETES PRODUZIDOS POR SINTERIZAÇÃO DIRETA A LASER DE METAIS (DMLS). 1 C.E.S. Britto, 1 L.K. Roque, 2 C. A. C. Zavaglia, 2 M. A.

Leia mais