SIMPÓSIO NACIONAL DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMPÓSIO NACIONAL DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA"

Transcrição

1 SIMPÓSIO NACIONAL DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA OFICINA GEOGEBRA NA ESCOLA : ATIVIDADES EM GEOMETRIA E ÁLGEBRA PROFA. MARIA ALICE GRAVINA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFRGS BRASÍLIA SETEMBRO 2013

2 PARTE 1: GEOMETRIA EM MOVIMENTO Em diversos mecanismos ao nosso redor, a geometria em movimento se faz presente. Por exemplo, em ventiladores podemos observar o movimento circular de suas hastes em torno do seu eixo central; em roldanas, observamos movimentos de sobe-desce conforme a roldana gira; na praça de brinquedos temos o vai-vem do balanço; nas janelas basculantes vemos o movimento de giro de suas folhas; na escada rolante temos os deslocamentos dos degraus; nas portas pantográficas vemos o deslizamento das grades. Para implementar uma modelagem geométrica, a primeira atitude é ter um olhar atento ao mecanismo que se pretende modelar. Ao observá-lo precisamos identificar as características do movimento: é um deslocamento? é um movimento circular? é uma composição de movimentos? Para realizar uma atividade de modelagem é de fundamental importância o menu das transformações geométricas que tem-se disponível no GeoGebra, e que colocamos em destaque na figura 1. Figura 1 No que segue vamos fazer a modelagem de um ventilador. Na Figura 2 temos o esqueleto do ventilador que queremos contruir: o círculo pontilhado determina o tamanho do ventilador e os cinco segmentos, com um ponto em comum, correspondem às pás. Figura 2 Iniciamos construíndo segmento que vai determinar o raio do círculo pontilhado e um ponto O que vai ser o centro do círculo. Com o recurso Compasso construímos o círculo, depois um ponto M sobre o círculo e finalmente o segmento que corresponde à primeira haste, conforme indicação dada na figura 3. A figura 4 indica o procedimento de construção da primeira pá: no segmento inicial construímos o segmento que é sua quarta parte, nisso utilizando duas vezes a ferramenta Ponto Médio. Com o Compasso construímos o círculo de centro M e com raio igual ao segmento quartaparte ; este é o círculo menor que está pontilhado na figura 4. Usando os pontos de intersecção dos dois círculos e o ponto O, construímos um triângulo isósceles e depois um semicírculo que tem como diâmetro a base do triângulo. 2

3 Figura 3 Figura 4 Escolhido o número de pás (no nosso caso são cinco), calculamos a medida do ângulo entre as hastes de duas pás consecutivas (no nosso caso 72 o = 360 o /5) e usando a ferramenta Girar em torno de um Ponto por um Ângulo obtemos a segunda pá, resultante da rotação da primeira, segundo ângulo de medida de 72 o, em torno do ponto centro do ventilador. Para construir as demais pás procedemos da mesma forma: giramos a segunda pá e obtemos a terceira, giramos a terceira e obtemos a quarta e assim por diante. Agora, de forma breve, indicamos como fazer uma segunda modelagem - uma porta pantográfica. No GeoGebra é o recurso Ponto Médio que vai criar o efeito abrir/fechar a porta. Inicia-se com a construção de um segmento e a marcação de seu ponto médio, e depois é feita a marcação dos pontos médios dos segmentos determinados por estes três pontos, e sucessivamente segue-se com a marcação de pontos médios. A figura 5 ilustra a construção de sucessivos pontos no segmento inicial; e também ilustra o efeito de acumulação dos pontos, conforme um dos extremos do segmento inicial se aproxima do outro extremo. Seqüência de imagens que ilustram a inserção de pontos médios Figura 5 Seqüência de imagens que ilustram os pontos se acumulando Feita a construção do segmento horizontal, com pontos nele igualmente distribuídos, iniciase a construção da grade. Conforme ilustra a figura 6, primeiro é construído um X e os demais X s são construídos através do recurso Reflexão com Relação a uma Reta. Com este procedimento, quando movimentamos o ponto extremidade do segmento horizontal, obtemos o efeito sanfona na porta pantográfica. 3

4 Figura 6 Com a construção do ventilador e da porta pantográfica procuramos ilustrar o quanto a modelagem das formas em movimento, mesmo em situações muito simples, propicia o desenvolvimento de raciocínios geométricos. Outras tantas situações interessantes e até mesmo divertidas podem ser modeladas no GeoGebra. Podemos por exemplo, criar brinquedos e jogos com movimento sincronizado, como um caleidoscópio, uma pista de corrida de carros, brinquedos de parques de diversões. Também podemos pensar no próprio corpo humano e criar modelos que representem os movimentos de braços, pernas, mãos, olhos, dentre outros. Na Figura 7 temos a modelagem de grupo de bailarinos em movimento, onde todo grupo dança quando se manipula o ponto M. Este efeito é obtido através da ferramenta Ampliar ou Reduzir Objeto, disponível no menu das Transformações Geométricas. A segunda situação simula o brinquedo conhecido como Pogobol ; aqui o uso da ferramenta Lugar Geométrico pode criar interessantes efeitos de caminhos de pulos e a imaginação provoca raciocínios geométricos que dificilmente se fariam presentes na sala de aula tradicional. Figura 7 4

5 PARTE 2: NÚMEROS COMANDANDO PONTOS Na atividade Números comandando pontos, trabalha-se com segmentos em sistema de coordenadas. Entendidos os conteúdos de matemática (simples), tem-se a competencia para fazer, de forma divertida, desenhos surpresas que integram álgebra e geometria. Figura 1 Desenhos-surpresa Na Figura 1 trazemos exemplos de desenhos surpresa : com a alteração do número a o desenho da casa vai sendo produzido - o ponto verde traça o chão, os pontos laranja traçam as paredes e os pontos rosa traçam os segmentos que compõem o telhado. O desenho do barco também vai sendo composto conforme é manipulado o número a. Os conhecimentos de matemática exigidos na brincadeira são os mesmos que foram utilizados no trabalho com o GrafEq. Como vamos trabalhar com movimento de pontos, retomamos a ideia de translação vertical e horizontal, agora aplicada a pontos. Na Figura 2, V = (x,y) e b e c indicam as medidas dos segmentos destacados. Na primeira figura o ponto rosa R corresponde a uma translação horizontal, para a direita, do ponto verde V e assim R = (x+b,y); já o ponto laranja L corresponde a translação horizontal, para a esquerda, do ponto verde V, e assim L = ( x-c,,y). Na segunda figura o ponto rosa R é uma translação vertical, para cima, do ponto verde V e assim R = (x,y+b); o ponto laranja L é uma translação vertical, para baixo, do ponto verde V e assim L = ( x, y-c). Figura 2 Deslocamentos horizontal e vertical do ponto verde V Isto é o que basta para iniciar a brincadeira no GeoGebra! A atividade fica particularmente interessante quando se faz uso do recurso Seletor um número a variando em certo intervalo e de forma que segmentos variados podem ser desenhados sob o comando do mesmo número a ; é assim que foram desenhadas as composições da Figura 3. 5

6 Figura 3 Composições com quadrados e retângulos Vejamos como fazer a primeira composição. Inicialmente é feita a construção do Seletor (ver Figura 4): -passo 1: selecionar o recurso Seletor e clicar com o botão esquerdo do mouse em um canto superior da tela; -passo2: na janela que se abre, fazer a escolha de variação para o número a, que no caso da composição rosa vai ser com variação entre 0 e 4; -passo 3: clicar na caixa Aplicar, e assim está criado o Seletor. Figura 4 Recurso Seletor no GeoGebra A próxima etapa é definir o primeiro ponto a ser comandado pelo número a (ver Figura 5): -passo 1 : criar ponto usando o recurso Novo Ponto ; -passo 2: clicar sobre o ponto com o botão direito do mouse e na janela que se abre escolher a opção Propriedades ; -passo 3: na aba Básico definir as coordenadas do ponto que vai fazer o desenho, e no caso indicamos na linha Valor o ponto de coordenadas (a,0) para desenhar o segmento comprimento 4 sobre o eixo OX da composição rosa; Para desenhar o segundo lado horizontal do retângulo criamos um novo ponto com coordenadas (a,2); os lados verticais são desenhados pelos pontos (0, a/2) e (4, a/2), relembrando aqui que a variação de a foi escolhida entre 0 e 4. Para o quadrado rosa temos: os pontos (1, (a/2)+2) e (3, (a/2)+2) desenham os lados verticais; o ponto ((a/2)+1, 4) desenha o lado horizontal superior. 6

7 Figura 5- Edição de coordenadas de ponto no Geogebra Para a segunda composição, o Seletor tem variação entre 0 e 3. O lado superior do quadrado maior é um segmento de comprimento 6 unidades começando no ponto (-3,3). Assim o ponto que desenha este segmento é (2.a - 3, 3). De imediato obtemos o ponto que desenha o lado inferior do quadrado: (2.a 3, -3). Os segmentos laterais são desenhados pelos pontos (-3, 2.a -3) e (3, 2.a -3). Agora vamos nos concentrar nos segmentos inclinados do quadrado menor: inicialmente imaginamos o segmento s desenhado pelo ponto (a, a) e aplicamos convenientes tranlações neste segmento: o ponto (a, a -3) desenha o lado que corresponde ao deslocamento vertical de s, para baixo de três unidades; o ponto (a -3, a) desenha o segmento que corresponde ao deslocamento horizontal de s, para a esquerda de três unidades. Agora imaginamos o segmento t desenhado pelo ponto (a, -a) e obtemos, analogamente, via deslocamentos de t, os pontos que desenham os outros dois segmentos do quadrado menor: (a, -a +3) e (a -3, -a). Para desenhar o barco (figura 6): o Seletor tem o número real a variando entre 0 e 4. Neste desenho, o que se tem de novo, sob o ponto de vista das relações algébricas, é o desenho da vela rosa. O ponto R desenha o segmento superior da vela, com inclinação negativa (-1/3). Como R é comandado pelo número a, precisamos ajustar a variação de sua primeira coordenada: enquanto a assume valores entre 0 e 4, a primeira coordenada de R assume valores entre 0 e 3. Assim a primeira coordenada de R é (3/4).a. Sabendo que o segmento tem inclinação (-1/3) e que tem extremo no ponto (0,6), a segunda coordenada é ((-1 /3).(3 / 4).a +6) Figura 6 Barco no sistema de coordenadas Explicações mais detalhadas sobre as operações algébricas e os efeitos geométricos que correspondem a segmentos em diferentes posições e inclinações podem ser vistas no artigo Álgebra e Geometria: números comandando pontos, de Gravina,M.A. & Torres, M., publicado na Revista do Professor de Matemátca, no

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 06: PERSPECTIVA LINEAR DE 1 PONTO. MÃO LIVRE Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro

Leia mais

http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno

http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno 4. Edição de objetos http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno Damasceno Damasceno www.damasceno.info -- damasceno12@hotmail.com Google: Google: Blender Blender

Leia mais

Tutorial Relógio Rhinoceros

Tutorial Relógio Rhinoceros Tutorial Relógio Rhinoceros Bruna Message Migliavacca 172777 CG I - PLES UFRGS FEV/2011 Abrir o programa Rhinoceros com a configuração Small Objects - Centimeters Começaremos o desenho pelo círculo central

Leia mais

TESTES SOCIOMÉTRICOS

TESTES SOCIOMÉTRICOS TESTES SOCIOMÉTRICOS Docente: Mestre Mª João Marques da Silva Picão Oliveira TESTES SOCIOMÉTRICOS * O Teste Sociométrico ajuda-nos a avaliar o grau de integração duma criança/jovem no grupo; a descobrir

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 2 do livro de Taha (2008): Introdução O modelo de PL de duas variáveis Propriedades

Leia mais

Para começar esse passo a passo, temos que falar primeiramente sobre os materiais usados na produção dessa tela:

Para começar esse passo a passo, temos que falar primeiramente sobre os materiais usados na produção dessa tela: Neste trabalho o objetivo é fazer uma apresentação de todas as fases da pintura espatulada do tema ARARA VERMELHA de uma forma descontraída para que os artistas participantes possa observar todos os recursos

Leia mais

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano Módulo de Princípios Básicos de Contagem Combinação Segundo ano Combinação 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Numa sala há 6 pessoas e cada uma cumprimenta todas as outras pessoas com um único aperto

Leia mais

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis 1 4.1 Funções de 2 Variáveis Em Cálculo I trabalhamos com funções de uma variável y = f(x). Agora trabalharemos com funções de várias variáveis. Estas funções aparecem naturalmente na natureza, na economia

Leia mais

Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital

Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital Página 1 de 16 Índice DonD - Sistema para Teste de Acuidade Visual...3 Componentes do Produto...4 Instalação...5 Abrindo o sistema do DonD...5 Configuração...6

Leia mais

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 GEOMETRIA Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 O MATERIAL COMO SUPORTE DO PENSAMENTO Muita gente usa o material na sala de aula como se a Geometria estivesse no material.

Leia mais

Guia de Referência OPEN PROJECT Treinamento Essencial

Guia de Referência OPEN PROJECT Treinamento Essencial Guia de Referência OPEN PROJECT Treinamento Essencial Eng. Paulo José De Fazzio Junior NOME As marcas citadas são de seus respectivos proprietários. Sumário Conceitos do OpenProj... 3 Iniciando um projeto...

Leia mais

Jornalismo de Dados. Aula 04 Explorando o Tableau I. Prof. Dalton Martins Gestão da Informação

Jornalismo de Dados. Aula 04 Explorando o Tableau I. Prof. Dalton Martins Gestão da Informação Jornalismo de Dados Aula 04 Explorando o Tableau I Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Dicas de ferramentas para converter PDF planilha http://www.cometdocs.com/ Dicas de ferramentas

Leia mais

Modelagem com Geometria Dinâmica na Escola

Modelagem com Geometria Dinâmica na Escola Modelagem com Geometria Dinâmica na Escola Maria Alice Gravina Instituto de Matemática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil gravina@mat.ufrgs.br Mariângela Torre Dias Instituto de Matemática,

Leia mais

UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 1

UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 1 ANÁLISE GRÁFICA UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 0.. Introdução Neste capítulo abordaremos princípios de gráficos lineares e logarítmicos e seu uso em análise de dados. Esta análise possibilitará

Leia mais

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA X 1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS 1.2 Triângulo equilátero circunscrito A seguir, nós vamos analisar a relação entre alguns polígonos regulares e as circunferências.

Leia mais

12 26, 62, 34, 43 21 37, 73 30 56, 65

12 26, 62, 34, 43 21 37, 73 30 56, 65 1 Questão 1 Solução a) Primeiro multiplicamos os algarismos de 79, obtendo 7 9 = 63, e depois somamos os algarismos desse produto, obtendo 6 + 3 = 9. Logo o transformado de é 79 é 9. b) A brincadeira de

Leia mais

Recensão digital Dezembro de 2013

Recensão digital Dezembro de 2013 Educação, Formação & Tecnologias (julho dezembro, 2013), 6 (2), 105 109 Recensão digital Dezembro de 2013 As ferramentas digitais do Mundo Visual http://nlstore.leya.com/asa/newsletters/ev/imagens/html/vfinal.html

Leia mais

CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS. Criação de Tabelas no Access

CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS. Criação de Tabelas no Access CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS Criação de Tabelas no Access Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Criação de um Banco de Dados... 4 3. Criação de Tabelas... 6 4. Vinculação de tabelas...

Leia mais

Unidade 3 Função Afim

Unidade 3 Função Afim Unidade 3 Função Afim Definição Gráfico da Função Afim Tipos Especiais de Função Afim Valor e zero da Função Afim Gráfico definidos por uma ou mais sentenças Definição C ( x) = 10. x + Custo fixo 200 Custo

Leia mais

Especificar. Simplificando o extraordinário. Como jogar

Especificar. Simplificando o extraordinário. Como jogar PENSE ANTES DE IMPRIMIR Especificar Como jogar O jogo Especificar ajuda os alunos a formular e fazer perguntas sobre diversos assuntos. Também promove o pensamento analítico dos alunos da pré-escola. O

Leia mais

Imagine que você queira conhecer alguns pontos do Brasil e vai utilizar este mapa. Vamos lá! - Baía de Guanabara G6 - Porto Velho C3 - Belém F2

Imagine que você queira conhecer alguns pontos do Brasil e vai utilizar este mapa. Vamos lá! - Baía de Guanabara G6 - Porto Velho C3 - Belém F2 magine que você queira conhecer alguns pontos do Brasil e vai utilizar este mapa. Vamos lá! - Baía de Guanabara G6 - Porto Velho C3 - Belém F Agora, encontre as seguintes localidades e assinale o ponto

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA: ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA

O ENSINO DE GEOGRAFIA: ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA O ENSINO DE GEOGRAFIA: ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA Adriana Patrocinio Pereira. ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA A CONSTRUÇÃO DA LATERALIDADE O banho de papel. Atividade desenvolvida na EMEF Profª Claudete da

Leia mais

Capítulo1 Tensão Normal

Capítulo1 Tensão Normal - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Referências Bibliográficas:

Leia mais

Tutorial. Georreferenciamento de Imagens. versão 1.0-23/08/2008. Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky

Tutorial. Georreferenciamento de Imagens. versão 1.0-23/08/2008. Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky Tutorial Georreferenciamento de Imagens versão 1.0-23/08/2008 Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky 1. Introdução O tutorial tem como objetivo fornecer informações básicas para georreferenciar

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Figura 1: Tela de Apresentação do FaçaCalc.

MANUAL DO USUÁRIO. Figura 1: Tela de Apresentação do FaçaCalc. Apresentação MANUAL DO USUÁRIO O FAÇACALC é um software que realiza cálculos hidráulicos, tais como: Motor Hidráulico, Trocador de Calor, Acumulador Hidráulico e Cilindro Hidráulico. Na sessão Funcionalidades

Leia mais

1.1- Vamos começar com a planta baixa, na escala 1:20. Obs: passe a planta, com as medidas indicadas em uma folha separada, na escala 1:20.

1.1- Vamos começar com a planta baixa, na escala 1:20. Obs: passe a planta, com as medidas indicadas em uma folha separada, na escala 1:20. 1 PONTO DE FUGA 1.1- Vamos começar com a planta baixa, na escala 1:20. Obs: passe a planta, com as medidas indicadas em uma folha separada, na escala 1:20. 30 1.2- Coloque essa planta na parte de cima

Leia mais

Matemática Básica Intervalos

Matemática Básica Intervalos Matemática Básica Intervalos 03 1. Intervalos Intervalos são conjuntos infinitos de números reais. Geometricamente correspondem a segmentos de reta sobre um eixo coordenado. Por exemplo, dados dois números

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT: 10 RESUMO Este estudo consiste em um

Leia mais

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 1 Criação do Modelo do Mundo no ABB RobotStudio 5.15.01

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 1 Criação do Modelo do Mundo no ABB RobotStudio 5.15.01 ROBIN Robótica Industrial Guião do Trabalho Laboratorial Nº 1 Criação do Modelo do Mundo no ABB RobotStudio 5.15.01 Homepage: http://www.dee.isep.ipp.pt/~mss Email: mss@isep.ipp.pt Ano Letivo: 2013/2014

Leia mais

GABARITO AULA 01. a-4; b-1; c-2; d-3; e-5.

GABARITO AULA 01. a-4; b-1; c-2; d-3; e-5. GABARITO AULA 01 Exercício Nº 1 Tipo avaliação Alternativa certa. Questão O Microsoft Publisher tem a função de: Alternativas a) criar slides. b) editar apresentações. c) desenvolver publicações com aparência

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 09 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 6. Introdução ao MS Access O Microsoft

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE FINAL ALTERAÇÕES BÁSICAS NO PRODUTO SITE ACESSANDO O PAINEL _ 1 EDITANDO TEXTOS _ 2 TROCANDO IMAGENS 4 INSERINDO VIDEOS 7

MANUAL DO CLIENTE FINAL ALTERAÇÕES BÁSICAS NO PRODUTO SITE ACESSANDO O PAINEL _ 1 EDITANDO TEXTOS _ 2 TROCANDO IMAGENS 4 INSERINDO VIDEOS 7 MANUAL DO CLIENTE FINAL ALTERAÇÕES BÁSICAS NO PRODUTO SITE SUMÁRIO ACESSANDO O PAINEL _ 1 EDITANDO TEXTOS _ 2 TROCANDO IMAGENS 4 INSERINDO VIDEOS 7 EDITANDO O BANNER 9 ADICIONANDO UM MAPA DE LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Considere um sistema ortogonal com os eixos x, y e z. Esses eixos tomados dois a dois determinam planos.

Considere um sistema ortogonal com os eixos x, y e z. Esses eixos tomados dois a dois determinam planos. 59 No texto que segue abordamos algumas possibilidades de construção de formas tridimensionais no GeoGebra Para isso, discutimos inicialmente rotação com vetores em R 3 para, em seguida, obtermos suas

Leia mais

GEOMETRIA DO TAXISTA. (a -b )² + (a -b )²

GEOMETRIA DO TAXISTA. (a -b )² + (a -b )² GEOMETRI O TXIST Geometria do Taxista é uma geometria não-euclidiana, no sentido em que a noção de distância não é a mesma e acordo com o desenho abaixo, suponhamos um motorista de táxi que apanha um cliente

Leia mais

APOSTILA DE INFORMÁTICA - PAINT

APOSTILA DE INFORMÁTICA - PAINT APOSTILA DE INFORMÁTICA - PAINT Profa Responsável Fabiana P. Masson Caravieri Colaboração das monitoras: Cindy Berti e Laysla Araujo Giovanini SUMÁRIO 1. SOBRE O PAINT... 3 2. USANDO O PAINT... 3 2.1.

Leia mais

Características das Figuras Geométricas Espaciais

Características das Figuras Geométricas Espaciais Características das Figuras Geométricas Espaciais Introdução A Geometria espacial (euclidiana) funciona como uma ampliação da Geometria plana e trata dos métodos apropriados para o estudo de objetos espaciais,

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

Calculando distâncias sem medir

Calculando distâncias sem medir cesse: http://fuvestibular.com.br/ alculando distâncias sem medir UUL L No campo ocorrem freqüentemente problemas com medidas que não podemos resolver diretamente com ajuda da trena. Por exemplo: em uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA Disciplina: Física Básica III Prof. Dr. Robert R.

Leia mais

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE QUESTÃO 01 SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES Descritor 11 Resolver problema envolvendo o cálculo de perímetro de figuras planas. Os itens referentes a

Leia mais

Sistema De Gerenciamento Web UFFS

Sistema De Gerenciamento Web UFFS Sistema De Gerenciamento Web UFFS Acesso ao Sistema Link para acesso O acesso ao SGW UFFS é feito através de um link, que por segurança, poderá não ser permanente. Este mesmo link será modificado com uma

Leia mais

Os ângulos estão sempre presentes em nossa vida e quase não nos damos conta disso. Quer ver?

Os ângulos estão sempre presentes em nossa vida e quase não nos damos conta disso. Quer ver? Se você observar um ângulo de 20 (20 graus) por uma lente que aumenta quatro vezes um objeto, qual será a amplitude (ou abertura) do ângulo visto por você através da lente? Um avião parte de uma cidade

Leia mais

Como gerir um espaço de conversa (chat) ou uma vídeo-conferência e participar num fórum de debate (Google Hangouts)

Como gerir um espaço de conversa (chat) ou uma vídeo-conferência e participar num fórum de debate (Google Hangouts) Como gerir um espaço de conversa (chat) ou uma vídeo-conferência e participar num fórum de debate (Google Hangouts) Este módulo irá ensinar-lhe como gerir um espaço de conversa (chat) ou uma videoconferência

Leia mais

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho 2014 Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação - NTIC 10/07/2014 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho COORDENADOR DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

AV2 - MA 12-2011 UMA SOLUÇÃO

AV2 - MA 12-2011 UMA SOLUÇÃO Questão 1. Considere os caminhos no plano iniciados no ponto (0, 0) com deslocamentos paralelos aos eixos coordenados, sempre de uma unidade e no sentido positivo dos eixos x e y (não se descarta a possibilidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS! Criando cenários a partir do Solver! Planilha entregue para a resolução de exercícios! Como alterar rapidamente

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. Paulo e

Leia mais

Graphing Basic no Excel 2007

Graphing Basic no Excel 2007 Graphing Basic no Excel 2007 Tabela de Conteúdos 1. Inserindo e formatando os dados no Excel 2. Criando o gráfico de dispersão inicial 3. Criando um gráfico de dispersão de dados de titulação 4. Adicionando

Leia mais

a) O Word é um editor de TEXTOS. Com ele é possível digitar cartas, currículos e trabalhos escolares.

a) O Word é um editor de TEXTOS. Com ele é possível digitar cartas, currículos e trabalhos escolares. START - WORD Respostas dos Exercícios CAPÍ TULO 1 1. Complete as frases usando as palavras do quadro: JANELA TEXTOS TÍTULO ZOOM a) O Word é um editor de TEXTOS. Com ele é possível digitar cartas, currículos

Leia mais

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada Resumo: Estudo do Comportamento das Funções O que fazer? 1º - Explicitar o domínio da função estudada 2º - Calcular a primeira derivada e estudar os sinais da primeira derivada 3º - Calcular a segunda

Leia mais

MICROSOFT OFFICE POWERPOINT 2007

MICROSOFT OFFICE POWERPOINT 2007 MICROSOFT OFFICE POWERPOINT 2007 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INICIANDO O POWERPOINT 2007...7 CONHECENDO A TELA...7 USANDO MODELOS...13 CAPÍTULO 2 DESIGN DO SLIDE...19 INICIAR COM UM DESIGN DO SLIDE...21 INICIAR

Leia mais

Autoria: Fernanda Maria Villela Reis Orientadora: Tereza G. Kirner Coordenador do Projeto: Claudio Kirner. Projeto AIPRA (Processo CNPq 559912/2010-2)

Autoria: Fernanda Maria Villela Reis Orientadora: Tereza G. Kirner Coordenador do Projeto: Claudio Kirner. Projeto AIPRA (Processo CNPq 559912/2010-2) Autoria: Fernanda Maria Villela Reis Orientadora: Tereza G. Kirner Coordenador do Projeto: Claudio Kirner 1 ÍNDICE Uma palavra inicial... 2 Instruções iniciais... 3 Retângulo... 5 Quadrado... 6 Triângulo...

Leia mais

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES OPERAÇÕES COM FRAÇÕES Adição A soma ou adição de frações requer que todas as frações envolvidas possuam o mesmo denominador. Se inicialmente todas as frações já possuírem um denominador comum, basta que

Leia mais

Aplicações Diferentes Para Números Complexos

Aplicações Diferentes Para Números Complexos Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Aplicações Diferentes Para Números Complexos Capítulo II Aplicação 2: Complexos na Geometria Na rápida revisão do capítulo I desse artigo mencionamos

Leia mais

Criar e formatar relatórios

Criar e formatar relatórios Treinamento Criar e formatar relatórios EXERCÍCIO 1: CRIAR UM RELATÓRIO COM A FERRAMENTA RELATÓRIO Ao ser executada, a ferramenta Relatório usa automaticamente todos os campos da fonte de dados. Além disso,

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Ciência da Computação

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Ciência da Computação Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Ciência da Computação Lista 1 de Introdução a Agentes Inteligentes Bruno Benevides Cavalcante, Rafael Gonçalves Barreira [bbc2 rgb2]@cin.ufpe.br Agentes 1.

Leia mais

Eduardo B. Júnior Autodesk Instructor CAD e 3Ds Max Specialist. Ricardo Casarino Autodesk Developer Autodesk Instructor Awards 2006

Eduardo B. Júnior Autodesk Instructor CAD e 3Ds Max Specialist. Ricardo Casarino Autodesk Developer Autodesk Instructor Awards 2006 Eduardo B. Júnior Autodesk Instructor CAD e 3Ds Max Specialist. ebjunior@3darts.com Ricardo Casarino Autodesk Developer Autodesk Instructor Awards 2006 Ricardo_Casarino@hotmail.com Impressão Escala Em

Leia mais

Guia Rápido Configuração de Impressos

Guia Rápido Configuração de Impressos Guia Rápido Configuração de Impressos Produto : Totvs Série 1 Saúde (Personal Med) Versão do doc. : BR_001 Caminho : Configurações / Pessoais / Impressos Neste guia rápido você irá aprender como configurar

Leia mais

CARTOGRAFIA. Sistemas de Coordenadas. Prof. Luiz Rotta

CARTOGRAFIA. Sistemas de Coordenadas. Prof. Luiz Rotta CARTOGRAFIA Sistemas de Coordenadas Prof. Luiz Rotta SISTEMA DE COORDENADAS Por que os sistemas de coordenadas são necessários? Para expressar a posição de pontos sobre uma superfície É com base em sistemas

Leia mais

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS PRISMAS Os prismas são sólidos geométricos muito utilizados na construção civil e indústria. PRISMAS base Os poliedros representados a seguir são denominados prismas. face lateral base Nesses prismas,

Leia mais

Modelagem features básicas sólidos extrudados (protusões e cortes) _WF_3

Modelagem features básicas sólidos extrudados (protusões e cortes) _WF_3 AULA_03 Modelagem features básicas sólidos extrudados (protusões e cortes) _WF_3 1 Iniciar o ProE e selecionar o diretório de trabalho com (Set Working Directory). Neste exemplo o diretório selecionado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 68 9.3 Experiência 3: Lançamento Horizontal, Conservação da Energia e da Quantidade de Movimento 9.3.1 Objetivos Identificar corretamente a grandeza alcance em um lançamento horizontal de projétil a partir

Leia mais

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo STV 8 SET 2008 1 ANÁLISE DOS SINAIS DE VÍDEO as três partes do sinal composto de vídeo, ilustradas na figura abaixo, são: 1 o sinal da câmera correspondendo às variações de luz na cena 2 os pulsos de sincronismo

Leia mais

Autocad 2006 Outras ferramentas 3D

Autocad 2006 Outras ferramentas 3D Autocad 2006 Outras ferramentas 3D 1 Múltiplas janelas Ou digite vports. Ou, vá à opção View viewports... Polilinhas em 3D Digite 3dpoly. Ou vá à Draw 3D polyline. Para desenhá-la no espaço, eixo Z, digite

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO Profa. Daniane Franciesca Vicentini Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Márcia de Andrade Pereira DEFINIÇÕES CORPO ESTRADAL: forma assumida

Leia mais

Resolução Comentada Unesp - 2013-1

Resolução Comentada Unesp - 2013-1 Resolução Comentada Unesp - 2013-1 01 - Em um dia de calmaria, um garoto sobre uma ponte deixa cair, verticalmente e a partir do repouso, uma bola no instante t0 = 0 s. A bola atinge, no instante t4, um

Leia mais

MANUAL DO SEU TABLET DO CONGRESSO

MANUAL DO SEU TABLET DO CONGRESSO MANUAL DO SEU TABLET DO CONGRESSO Como posso ligar o tablet: O botão power está localizado na borda do tablet, o botão está identificado por este símbolo Pressione e segure o botão power até que a tela

Leia mais

Administração Portal Controle Público

Administração Portal Controle Público Administração Portal Controle Público Manual do usuário www.controlepublico.org.br 2015 Sumário 1. Workflow da publicação... 3 1.1. Perfis de publicação... 3 1.2. Perfis de controle no Administrador...

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) O MOODLE (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) é um Ambiente Virtual de Ensino-Aprendizagem (AVEA) de código aberto, livre e gratuito que se mantém em desenvolvimento

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas. Flávia F. Feitosa

Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas. Flávia F. Feitosa Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas Flávia F. Feitosa Disciplina PGT 035 Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão do Território Junho de 2015 Dados Espaciais são Especiais!

Leia mais

Modelo conceitual de Smart Devices

Modelo conceitual de Smart Devices Modelo conceitual de Smart Devices Os aplicativos para Smart Devices organizam e manipulam a informação estruturada com a realidade das entidades com as quais se trabalha. Por exemplo, a realidade poderia

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Relatório do Experimento 1 Sistema Massa - Mola. Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa

Relatório do Experimento 1 Sistema Massa - Mola. Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa FEP0111 - Física I Relatório do Experimento 1 Sistema Massa - Mola Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa 4 de novembro de 2005 Sumário 1 Introdução 2 2 Objetivos 2 3 Procedimento experimental 2 3.1

Leia mais

=E4/26 F10 =F4 = G4+F5

=E4/26 F10 =F4 = G4+F5 HISTOGRAMA O histograma é uma forma gráfica de apresentar a distribuição de freqüências de uma variável. O histograma é um gráfico de barras verticais construído com os resultados da tabela de freqüências.

Leia mais

PLANILHA DE NIVELAMENTO

PLANILHA DE NIVELAMENTO GUIA PRÁTICO DataGeosis Versão 2.3 PLANILHA DE NIVELAMENTO Paulo Augusto Ferreira Borges Engenheiro Agrimensor Treinamento e Suporte Técnico 1. CRIANDO PLANILHA DE NIVELAMENTO Para criar uma Planilha de

Leia mais

Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa

Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa 1 Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa O primeiro passo é criar um login de acesso que será com um e-mail e uma senha única para o grupo. Ao entrar no ambiente de Inscrição e selecionar

Leia mais

Orientação Profissional Empregabilidade Empreendedorismo. Guia para o Portal

Orientação Profissional Empregabilidade Empreendedorismo. Guia para o Portal Orientação Profissional Empregabilidade Empreendedorismo Guia para o Portal O Portal OPEE foi criado como uma ferramenta para complementar o uso da METODOLOGIA OPEE. Para auxiliar o professor e o aluno

Leia mais

Sérgio Luisir Díscola Junior

Sérgio Luisir Díscola Junior Capítulo-3: Estoque Livro: The Data Warehouse Toolkit - Guia completo para modelagem dimensional Autor: Ralph Kimball / Margy Ross Sérgio Luisir Díscola Junior Introdução Cadeia de valores Modelo de DW

Leia mais

Como devo fazer para me inscrever nos ambientes virtuais?

Como devo fazer para me inscrever nos ambientes virtuais? Obs.: Para acessar os links deste guia basta clicar sobre o link. Obs².: Clicando sobre o link das perguntas aqui embaixo você será direcionado diretamente para a resposta que você procura. 1) Como devo

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PORTAL UNIMED AUTORIZAÇÃO Site: www.unimedlitoral.com.br/planodesaude A senha e login será sempre o CPF do Médico Desenvolvido por: Larissa

Leia mais

SINTAXE DO COMANDO SEQUÊNCIA

SINTAXE DO COMANDO SEQUÊNCIA 31 A partir da digitação de alguns parâmetros no Comando Sequência é possível produzir sequências numéricas e geométricas, e é o que propomos nesse texto. Para isso, abordamos as sintaxes do comando e

Leia mais

é um círculo A tampa A face é um retângulo

é um círculo A tampa A face é um retângulo No cotidiano, estamos cercados de objetos que têm diferentes formas. Por exemplo, uma caixa de papelão: suas faces são retângulos, e a caixa é um paralelepípedo. Outro exemplo: uma lata de óleo tem a forma

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Veja nesta aula mais alguns exercícios para você aplicar as dicas das aulas anteriores. (Mateus Machado) EXERCÍCIOS Faça todos estes desenhos em uma folha A4 usando o lápis HB. 1. LINHAS IMAGINÁRIAS

Leia mais

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados?

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados? o triângulo é uma das figuras mais importantes da Geometria, e também uma das mais interessantes. Na nossa vida diária, existem bons exemplos de aplicação de triângulos e de suas propriedades. Quer ver

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais

Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte 3. Circunferência. Professores: Cleber Assis e Tiago Miranda

Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte 3. Circunferência. Professores: Cleber Assis e Tiago Miranda Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte Circunferência. 8 ano/e.f. Professores: Cleber Assis e Tiago Miranda Elementos Básicos de Geometria - Parte. Circunferência. 1 Exercícios Introdutórios Exercício

Leia mais

Descobrindo medidas desconhecidas (I)

Descobrindo medidas desconhecidas (I) Descobrindo medidas desconhecidas (I) V ocê é torneiro em uma empresa mecânica. Na rotina de seu trabalho, você recebe ordens de serviço acompanhadas dos desenhos das peças que você tem de tornear. Vamos

Leia mais

Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação. Subárea de Matemática. Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014

Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação. Subárea de Matemática. Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014 Cento de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação Subárea de Matemática 1 Plano de Ensino de Matemática 7º Ano - 2014 Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação Subárea de Matemática Profª Marisa Gomes

Leia mais

Microsoft PowerPoint

Microsoft PowerPoint Microsoft Microsoft é utilizado para desenvolver apresentações. Os trabalhos desenvolvidos com este aplicativo normalmente são apresentados com o auxílio de um datashow. Apresentações - Conjunto de slides

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

Assim, você acaba de ver como essa peça (came) é importante. Por isso, nesta aula, você vai conhecê-la melhor.

Assim, você acaba de ver como essa peça (came) é importante. Por isso, nesta aula, você vai conhecê-la melhor. A UU L AL A Came Uma moça viajava tranqüila de moto mas, na subida, percebeu que seu veículo perdia força. O mecânico de motos, após abrir o motor e examinar as peças, verificou que as cames do comando

Leia mais

LAYOUTS PARA PLOTAGEM

LAYOUTS PARA PLOTAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA LAYOUTS PARA PLOTAGEM Professor: João Carmo Introdução Como se sabe o AutoCAD possui dois modos de apresentação

Leia mais

Georreferenciamento (registro) de imagens no QGIS *

Georreferenciamento (registro) de imagens no QGIS * Georreferenciamento (registro) de imagens no QGIS * 1. Introdução Registro é uma transformação geométrica que relaciona as coordenadas da imagem (linha e coluna) com as coordenadas geográficas (latitude

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA CAPITALIZAÇÁO COMPOSTA: MONTANTE E VALOR ATUAL PARA PAGAMENTO ÚNICO Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados

Leia mais

Manual de instalação do Microsoft SQL Server 2008 R2 Express no Windows 10

Manual de instalação do Microsoft SQL Server 2008 R2 Express no Windows 10 Manual de instalação do Microsoft SQL Server 2008 R2 Express no Windows 10 1-Antes de iniciar a instalação do SQL é necessário liberar as permissões do usuário para evitar erro, para realizar esse procedimento

Leia mais

Tutorial Autodesk Inventor Sheet Metal

Tutorial Autodesk Inventor Sheet Metal Tutorial Autodesk Inventor Sheet Metal Flange transitada Esboço A operação Flange transitada proporciona uma forma de criar seções de transição no modelo. Elas podem ser a única operação (ou a operação

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Álgebra Linear Professor: André Luiz Galdino Aluno(a): 4 a Lista de Exercícios 1. Podemos entender transformações lineares

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO V A e V F GRUPO V B e V E GRUPO V

Leia mais