TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, DA REPRESENTAÇÃO, PRINCÍPIOS, FINALIDADES, PRERROGATIVAS E DEVERES DO SINDICATO. CAPÍTULO I - DO SINDICATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, DA REPRESENTAÇÃO, PRINCÍPIOS, FINALIDADES, PRERROGATIVAS E DEVERES DO SINDICATO. CAPÍTULO I - DO SINDICATO"

Transcrição

1 ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES (AS) EM SEGURIDADE SOCIAL SAÚDE, PREVIDÊNCIA, SEGURO SOCIAL, ASSISTÊNCIA SOCIAL E TRABALHO NO ESTADO DE ALAGOAS - SINDPREV AL. TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, DA REPRESENTAÇÃO, PRINCÍPIOS, FINALIDADES, PRERROGATIVAS E DEVERES DO SINDICATO. CAPÍTULO I - DO SINDICATO SEÇÃO I - DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º. O Sindicato dos Trabalhadores (as) em Seguridade Social, Saúde, Previdência, Seguro Social, Assistência Social e Trabalho no Estado de Alagoas (SINDPREV- AL), atuará em âmbito estadual e em estrita observância do seu Estatuto, deste Regimento Interno e demais documentos aprovados em seu Congresso Estadual, filiado à Confederação Nacional dos Trabalhadores (as) em Seguridade Social (CNTSS), e à Central Única dos Trabalhadores (as) (CUT), criado em assembleia Estadual, realizada no dia 05/05/89, com sede e foro na cidade de Maceió, e duração indeterminada, é constituído para fins de defesa e representação legal da categoria profissional de trabalhadores (as) em instituição de SEGURIDADE SOCIAL, SAÚDE, PREVIDÊNCIA, SEGURO SOCIAL, ASSISTÊNCIA SOCIAL E TRABALHO, vínculo direto, indireto e funcional na base territorial do ESTADO de ALAGOAS. SEÇÃO II - DA REPRESENTAÇÃO Art. 2º. A representação da categoria profissional abrange para todos os efeitos constantes neste Estatuto, a categoria dos Servidores (as) das áreas de Seguridade Social e Trabalho. PARÁGRAFO ÚNICO - É considerado como Servidor (a) da Seguridade Social Saúde, Previdência, Seguro Social, Assistência Social e Trabalho: a) todos os trabalhadores (as) das unidades de prestação de serviços de Seguridade Social SAÚDE, PREVIDÊNCIA, SUGURO SOCIAL, ASSISTÊNCIA SOCIAL e TRABALHO, vinculados aos Governos Federal, Estadual e Municipal e em novos órgãos do sistema, que venham a ser criados ou transformados por força de Reforma administrativa ou mudanças na legislação. SEÇÃO III - DOS PRINCÍPIOS Art. 3. O Sindicato é uma entidade classista, autônoma e democrática que assume como princípio fundamental, seu compromisso com a luta pelos direitos inalienáveis da categoria dos Trabalhadores (as) da Seguridade Social Saúde, Previdência, Seguro Social, Assistência Social e Trabalho, na defesa por melhores condições de vida e trabalho, na manutenção da independência e autonomia da representação sindical, assim como seu engajamento na transformação da sociedade brasileira. Art. 4. São princípios organizativos do sindicato o desenvolvimento de suas atividades com independência e autonomia face ás organizações patronais, do Estado, do Governo, de partidos políticos, organizações e credos religiosos e os agrupamentos de natureza não sindical.

2 Art. 5. O Sindicato tem como finalidade: SEÇÃO IV - DA FINALIDADE. a) Unir todos os trabalhadores (as) da base na luta em defesa de seus interesses imediatos e futuros; b) Desenvolver atividades na busca de soluções para os problemas da categoria, tendo em vista a melhoria de suas condições de vida e trabalho, agindo sempre no interesse mais geral do povo brasileiro; c) Apoiar todas as iniciativas populares e progressistas que visem à melhoria das condições de vida para o povo brasileiro; d) Incentivar o aprimoramento cultural, intelectual e profissional do conjunto dos trabalhadores (as) da base; e) Prestar apoio e assistência aos associados do sindicato; f) Promover Congressos, Seminários, Assembleias e outros eventos para aumentar o nível de organização e conscientização da categoria, assim como participar de eventos intersindicais e de outros fóruns; g) Implementar a formação política e sindical de novas lideranças da categoria; h) Representar perante as autoridades governamentais e judiciárias, os interesses da categoria; i) Celebrar convênios e acordos coletivos de trabalho. j) Estimular a organização da categoria nos locais de trabalho. Art. 6. São prerrogativas do Sindicato: SEÇÃO V - DAS PRERROGATIVAS. a) Substituir e representar os interesses gerais da sua categoria, e os interesses individuais de seus associados, relacionados à sua condição de trabalho, em processos administrativos e judiciais, nas instâncias competentes; b) Celebrar Acordos e Convenções Coletivas de trabalho e suscitar dissídios coletivos; c) Eleger os (as) representantes da categoria, na forma deste estatuto; d) Estabelecer mensalidade para o associado (a) e contribuições excepcionais para toda a categoria representada, de acordo com as decisões tomadas em assembleias gerais, convocadas especificamente para este fim; e) Representar a categoria nos Congressos, Conferências e Encontros de âmbito Estadual e Nacional e colaborar com órgão técnico e consultivo no estado para a solução dos problemas que se relacionem com sua categoria;

3 f) Instalar sedes regionais nas Cidades pólos da Região. g) Colaborar e defender a solidariedade entre os povos para a concretização da paz e do desenvolvimento em todo mundo; h) Constituir serviços para a promoção de atividades culturais, profissionais e de comunicação. i) Colaborar com órgãos públicos visando à consecução dos interesses dos trabalhadores em geral; j) Filiar-se à federação, Confederações e outras organizações sindicais de interesse dos trabalhadores, mediante aprovação do Congresso dos associados; k) Estimular a organização da categoria por local de trabalho; l) Colaborar, como órgão técnico e consultivo, no estudo e solução dos problemas relativos à categoria que representa; m) Colaborar com outras entidades, visando à consecução dos interesses dos trabalhadores (as), como a fiscalização das condições de saúde, higiene e segurança do trabalhador (a). PARÁGRAFO ÚNICO - A colaboração com os órgãos públicos dar-se-á no caso desses órgãos exercerem atribuições de interesse dos trabalhadores (as), como fiscalização do trabalho, das condições de saúde, higiene e segurança do trabalhador. Art. 7. São deveres do sindicato: SEÇÃO VI - DOS DEVERES a) Manter relações com as demais associações, movimentos sociais e sindicatos de categorias profissionais para a concretização da solidariedade social e a defesa dos interesses nacionais; b) Lutar contra as formas de opressão e exploração do homem pelo homem e prestar irrestrita solidariedade às lutas dos trabalhadores (as) e dos povos do mundo inteiro, procurando elevar a unidade dos trabalhadores (as), tanto a nível nacional como internacional; c) Lutar pela defesa das liberdades individuais e coletivas, pelo respeito à justiça social e pelos direitos fundamentais do homem; d) Estabelecer negociações com a representação da categoria econômica, visando à obtenção de justa remuneração e melhores condições de vida e trabalho para a categoria; e) Zelar pelo cumprimento da legislação, Acordos e convenções coletivas de trabalho, Sentenças Normativas e similares, que assegurem direitos a categoria;

4 f) Lutar sempre pelo fortalecimento da consciência e organização sindicais; g) Assegurar a inexistência de exercício de cargo eletivo cumulativo com emprego remunerado pelo sindicato ou entidade de grau superior; h) Garantir a gratuidade dos cargos eletivos, ressalvada a hipótese de afastamento do trabalho para esse exercício, na forma que dispõe a legislação; i) Defender a unidade dos trabalhadores (as) da cidade e do campo na luta pela conquista de um país soberano, democrático e progressista, contra todo tipo de ingerência dos países imperialistas nos assuntos nacionais e pela reforma agrária antilatifundiária; j) Manter contato e intercâmbio com as entidades congêneres, sindicais ou não, em todos os níveis, desde que preservados os objetivos gerais fixados por este Estatuto. PARÁGRAFO ÚNICO - O Sindicato manterá obrigatoriamente um sistema atualizado de registro dos seus associados e da categoria, mantendo com a mesma um canal de comunicação permanente. CAPÍTULO II - DOS ASSOCIADOS DOS DIREITOS, DEVERES E PENALIDADES. SEÇÃO I - DOS DIREITOS DOS ASSOCIADOS. Art. 8. A todo indivíduo que, por atividade profissional ou vinculo empregatício, ainda que contratado por interposta pessoa, integre a categoria profissional de trabalhadores (as) do serviço público federal, estadual e municipal, das áreas de Seguridade Social e Trabalho, é garantido o direito de se associar ao Sindicato. Art. 9. São direitos dos associados (as): a) Utilizar as dependências do Sindicato para atividades compreendidas neste Estatuto; b) Votar e ser votado (a) nas eleições de representações do Sindicato, respeitadas as determinações deste Estatuto; c) Gozar dos serviços e benefícios pelo Sindicato; d) Requerer com um mínimo de 5% (cinco por cento) dos sócios (as) a convocação de uma assembleia Estadual Extraordinária, justificando-a; e) Participar com direito a voz e voto das assembleias Estaduais, Regionais e Municipais; f) Comparecer as reuniões e assembleias convocadas pelo Sindicato; g) Votar nas eleições e plebiscitos que venham a ser convocados pelo Sindicato. PARÁGRAFO ÚNICO - Os direitos dos associados (as) são pessoais e intransferíveis.

5 SEÇÃO II - DOS DEVERES DOS ASSOCIADOS. Art. 10. São deveres dos Associados (as): a) Exigir o cumprimento dos objetivos e determinações deste Estatuto e o respeito por parte da Diretoria; das decisões das assembleias Estaduais, Regionais Municipais e demais instâncias deste Sindicato; b) Pagar a mensalidade, no percentual de 1% (um por cento) da remuneração inclusive 13º salário, bem como, das contribuições excepcionais fixadas em assembleias Estaduais; c) Contribuir, para o Sindicato, com 5% (cinco por cento) do percentual conquistado no 1º (primeiro) mês em que houver a implantação de conquistas ou ganhos financeiros, decorrentes de ações judiciais movidas por este sindicato, das lutas e das negociações do movimento sindical, tais como: reposições, adiantamentos, aumentos, negociações para a data base, etc. d) Comparecer às reuniões e assembleias convocadas pelo Sindicato e acatar suas decisões soberanas; e) Desempenhar eficientemente o cargo para o qual tenha sido investido e propagar o espírito sindical na categoria; f) Zelar pelo patrimônio e serviços do Sindicato, cuidando de sua correta aplicação; g) Cumprir o presente Estatuto. PARÁGRAFO ÚNICO - Os Associados (as) não responderão, nem mesmo subsidiariamente pelas obrigações sociais assumidas pelo sindicato. SEÇÃO III - DAS PENALIDADES. Art. 11. Os associados (as) e diretores estão sujeitos as seguintes penalidades: a) Advertência escrita, suspensão e eliminação do quadro social, caso descumpram os deveres previstos neste Estatuto e as decisões adotadas em assembleias ou Congressos Estaduais; b) A apreciação da falta cometida pelo associado (a) deverá ser realizada em assembleia Estadual, convocada para esse fim, no qual o associado terá assegurado o direito de defesa; c) Julgado necessário, a assembleia Estadual designará uma Comissão de Ética para analisar o ocorrido; d) Para conduzir o Processo de Apuração de Infração cometida pelo Associado (a) será constituída uma Comissão de Ética composta por 2 (dois) secretários (as) e 3 (três) Associados (as), que recomendará ou não ao Conselho Deliberativo a aplicação de penalidade;

6 e) A aplicação da penalidade sugerida pela Comissão de Ética e determinada pelo Conselho Deliberativo deverá ainda ser deliberada em Assembleia Estadual ou Congresso. f) O infrator (a) poderá recorrer da penalidade aplicada pelo Conselho Deliberativo à Assembleia Estadual e ao Congresso em última instância, respeitada a primeira reunião dessa instância, após o período de aplicação da pena; g) A apreciação da penalidade, sob pena de nulidade, deverá ser precedida de audiência em que o associado poderá aduzir por escrito sua defesa. PARÁGRAFO PRIMEIRO - Os sócios (as) poderão ser excluídos por deliberação de assembleia Estadual, Congresso Estadual ou por solicitação do próprio Associado. PARÁGRAFO SEGUNDO - o Associado (a) que solicitar o afastamento do quadro social perderá automaticamente seus direitos como associado. PARÁGRAFO TERCEIRO - Ao associado (a) sub-júdice, afastado por motivo de saúde, demitido (a), ou em qualquer outra hipótese de suspensão involuntária do contrato de trabalho, será assegurado os mesmos direitos dos associados em atividade laboral, ressalvado o direito de exercer cargo de administração ou representação profissional, ficando isento do pagamento das mensalidades, no período em que perdurar esta condição, ficando ainda, assegurada assistência jurídico-trabalhista pelo período de 24 (vinte e quatro) meses ou enquanto durar a questão na justiça. PARÁGRAFO QUARTO - O associado (a) que tenha sido eliminado do quadro social poderá reingressar no Sindicato, desde que se reabilite, a juízo do Conselho Deliberativo, ou que liquide seus débitos, quando se tratar de atraso de pagamento das contribuições ou outros débitos contraídos junto ao Sindicato. PARÁGRAFO QUINTO - Na hipótese de readmissão o Associado (a) não sofrerá prejuízo na contagem do tempo anterior de filiação. PARÁGRAFO SEXTO - Quando o afastamento se der por iniciativa do empregador, apesar da isenção pelo período do afastamento deverá o associado (a), ao retornar ao trabalho, ressarcir o sindicato das mensalidades do período. PARÁGRAFO SÉTIMO - Quando o afastamento se der por iniciativa do empregado, não haverá a referida isenção, devendo o mesmo recolher sua mensalidade na Tesouraria do Sindicato. PARÁGRAFO OITAVO - O associado (a) que deixa a categoria representada, ingressando em outra categoria profissional, perderá automaticamente seus direitos associativos, ficando garantidos os direitos às ações judiciais trabalhistas do período de sua permanência, como sócio. PARÁGRAFO NONO - Além das penas descritas neste artigo, os secretários (as) também serão submetidos às penalidades específicas, conforme o título III, art. 69 a 92 deste estatuto.

7 TITULO II - DA ESTRUTURA, ADMINISTRAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DO SINDICATO. CAPÍTULO I - DA BASE TERRITORIAL DO SINDICATO. Art. 12. A base territorial do Sindicato, que abrange, além da capital, todos os demais Municípios do Estado de Alagoas, poderá ser subdividida, para efeitos administrativos e organizativos, em Bases Territoriais Regionais. Art. 13. A Base Territorial do sindicato na capital, delimitado na cidade de Maceió, poderá ser subdividida e organizada em bases Territoriais Regionais. Art. 14. A configuração de cada Base Territorial Regional poderá ser elaborada segundo a localização dos estabelecimentos da seguridade social e trabalho, conforme o Mapa Geográfico de distribuição da Base Territorial do SINDPREV-AL. Art. 15. As Bases Territoriais dos municípios do estado poderão ser agrupados e subdivididos em Bases Territoriais Regionais, com suas respectivas sedes e circunscrições definidas no Mapa Geográfico de Distribuição da base Territorial do SINDPREV-AL. Art. 16. Para cada Base Territorial regional, o Sindicato deverá instituir um Núcleo Sindical que será administrado de conformidade com o presente Estatuto. PARÁGRAFO ÚNICO: para cada município o Sindicato instituirá um Núcleo municipal, que compõe o Núcleo Regional. CAPÍTULO II - DO SISTEMA DELIBERATIVO DO SINDICATO SEÇÃO I - DA CONSTITUIÇÃO DOS ÓRGÃOS DE DELIBERAÇÃO DA CATEGORIA. Art. 17. Constituem o Sistema Deliberativo do SINDPREV-AL, as seguintes instâncias: a) Congresso Estadual; b) Pré - congressos regionais; c) Plenárias Estatutárias; d) assembleia Estadual; e) Conselho Deliberativo; f) Plenárias Regionais; g) assembleias municipais e locais; h) Diretoria Executiva.

8 SEÇÃO II - DO CONGRESSO DE DELEGADOS. Art. 18. O CONESPS - Congresso Estadual dos Trabalhadores da Seguridade Social será realizado de três em três anos, ordinariamente, ou a qualquer tempo quando convocado pela Diretoria. PARÁGRAFO ÚNICO: Uma Plenária estatutária com critérios definidos pela executiva e referendados pelo conselho deliberativo deste sindicato. SEÇÃO III - FINALIDADES DO CONGRESSO. Art. 19. O Congresso terá como finalidade: a) Analisar a situação real da categoria; b) Avaliar as condições de funcionamento e desenvolvimento da sociedade; c) Definir o programa de trabalho do sindicato; d) Decidir em última instância sobre recursos interpostos por associados; e) Alterar em todo ou em parte o presente estatuto; f) Aprovar as destituições, substituições ou remanejamentos na composição do Sistema Diretivo; g) Analisar todas as questões nele levantadas. PARÁGRAFO PRIMEIRO - Para organização do Congresso, será designada uma Comissão Organizativa, eleita na reunião do conselho deliberativo que auxiliará a Diretoria nos encaminhamentos necessários na sua organização e não poderá se contrapor aos Estatutos da Entidade. PARÁGRAFO SEGUNDO - O Regimento Interno do Congresso será discutido na reunião do conselho deliberativo e deverá ser submetido à aprovação, no início do Congresso; PARÁGRAFO TERCEIRO - Qualquer delegado inscrito no Congresso terá direito a apresentar textos e moções sobre o temário aprovado no Regimento Interno. SEÇÃO IV - DA COMPOSIÇÃO DO CONGRESSO. Art. 20. O Congresso do SINDPREV-AL será composto por: a) Direção Executiva do SINDPREV-AL; b) Delegados e suplentes eleitos na assembleia de base e referendado nos précongressos conforme os critérios determinados por esse Estatuto; c) Convidados (as) da direção;

9 d) Observadores (as) observando o regimento interno do congresso. SEÇÃO V - DA ELEIÇÃO DE DELEGADOS AO CONGRESSO Art. 21. Os delegados (as) e suplentes serão eleitos (as) em assembleias por local de trabalho na proporção de 10 presentes na assembleia local e/ou municipal e referendados (as) nos pré-congressos PARÁGRAFO PRIMEIRO: os pré - congressos precedem os congressos ordinários. PARÁGRAFO SEGUNDO: Só participará do congresso o delegado (a) que participar do pré-congresso de sua regional, com direito a voz e voto. PARÁGRAFO TERCEIRO: o quórum mínimo para eleições de delegados (as) ao congresso estadual será de 06 trabalhadores nas assembleias locais e ou municipal. SEÇÃO VI - DA CONVOCAÇÃO DO CONGRESSO. Art. 22. A convocação do Congresso Ordinário deverá ser feita com antecedência mínima de 60 (sessenta) dias e máxima de 120 (cento e vinte) dias, através de Edital publicado em jornal de grande circulação no estado de Alagoas, ou em Boletim Informativo à categoria. PARÁGRAFO PRIMEIRO - O Congresso será convocado pela Diretoria Administrativa ou pela maioria do Sistema Diretivo do Sindicato. PARÁGRAFO SEGUNDO - A Diretoria do sindicato providenciará a edição de um caderno contendo todas as teses inscritas ao Congresso. PARÁGRAFO TERCEIRO - Caso a Direção não convoque o Congresso no período previsto, este poderá ser convocado por 5% (cinco por cento) dos associados que darão cumprimento a este Estatuto. PARÁGRAFO QUARTO - O Congresso Estadual poderá ser convocado por abaixo assinado de 5% (cinco por cento) dos associados em dia com as suas obrigações sociais, os quais especificarão os motivos da convocação. PARÁGRAFO QUINTO - O abaixo-assinado que garante a realização do Congresso deverá ser depositado na sede do sindicato com antecedência mínima de 50 dias da data proposta para realização do congresso. PARÁGRAFO SEXTO - A Diretoria terá o prazo de 72 (setenta e duas) horas, a partir da entrega do abaixo-assinado, para convocar o Congresso Extraordinário solicitado. PARÁGRAFO SÉTIMO - Nenhum motivo poderá ser alegado pela Diretoria para frustrar a realização do Congresso Extraordinário e Ordinário, convocado nas formas deste Estatuto. PARÁGRAFO OITAVO - O prazo de convocação do Congresso Extraordinário será no mínimo de 45 (quarenta e cinco) dias e no máximo de 90 (noventa) dias.

10 PARÁGRAFO NONO - No Edital de convocação do Congresso deverá constar obrigatoriamente a pauta, local data e horário de sua realização, bem como os prazos para eleição e inscrição de delegados. Art. 23. As decisões do Congresso serão tomadas por maioria simples dos delegados (as) presentes a cada plenária. PARÁGRAFO ÚNICO - As deliberações referentes aos itens seguintes exigem a aprovação de pelo menos metade mais um dos delegados credenciados ao Congresso: I. Alterações Estatutárias; II. Regimento do Processo Eleitoral; III. Regimento Interno do SINDPREV-AL; IV. Remanejamento dos membros da Diretoria e do Sistema Diretivo. SEÇÃO VII - DAS ASSEMBLÉIAS ESTADUAIS. Art. 24. As assembleias Estaduais são soberanas em suas resoluções, respeitadas as determinações do Congresso Estadual e deste Estatuto. PARÁGRAFO PRIMEIRO - A assembleia Estadual será convocada por veículo de comunicação próprio do sindicato, publicação em jornal de grande circulação no Estado, no prazo mínimo de 48 (quarenta e oito) horas e máxima de 15 (quinze) dias, garantindo-se sejam informados todos os locais de trabalho. PARÁGRAFO SEGUNDO - A forma de deliberação (voto) das assembleias Estaduais será escolhida de acordo com a decisão da maioria simples dos presentes, exceto as assembleias Gerais Ordinárias Eleitorais, que serão sempre através de escrutínio secreto. PARÁGRAFO TERCEIRO - As assembleias Estaduais serão convocadas com fins específicos. PARÁGRAFO QUARTO - Na ausência de regulação diversa e especifica o quórum para deliberação das assembleias Estaduais será sempre de maioria simples dos associados (as) presentes. PARÁGRAFO QUINTO - O quórum da assembleia para pronunciamento sobre relações ou dissídios de trabalhos será da maioria simples - 50% + 1 (um) dos votos dos presentes. PARÁGRAFO SEXTO - A assembleia Geral Eleitoral e a assembleia Estadual que implique em alienação patrimonial serão processadas na conformidade de regulação própria deste Estatuto.

11 Art. 25. São consideradas ordinárias as assembleias Estaduais de apreciação do Balanço Patrimonial e Financeiro, a de Previsão Orçamentária e a Eleitoral, as demais serão consideradas assembleias Estaduais Extraordinárias. PARÁGRAFO ÚNICO - As assembleias Estaduais de Apreciação do Balanço Financeiro, a Patrimonial e Financeiro, a de Previsão Orçamentária serão realizadas, respectivamente, aos meses de março e novembro de cada ano. Art. 26. A assembleia Geral Eleitoral será realizada trienalmente, na conformidade do Título VI Seção I deste Estatuto. Art. 27. As assembleias Estaduais serão convocadas: a) Pelo Presidente; b) Pela maioria da Diretoria Administrativa; c) Pelo Conselho Fiscal d) Pela maioria dos membros que compõem o Sistema Diretivo do Sindicato. Art. 28. Será convocada pela Diretoria, assembleia Estaduais Ordinárias para tratar dos seguintes assuntos: a) Apreciação de balanço financeiro e patrimonial (realizada anualmente no mês de março); b) Previsão orçamentária (realizada anualmente no mês de novembro); c) Aprovação do relatório de Atividade e Plano de Trabalho semestral do sindicato; d) Definição de pauta de reivindicação e do processo de renovação de convenção ou acordo coletivo de trabalho. Art. 29. As assembleias Estaduais Ordinárias, esgotado o prazo de sua realização, poderão ser convocadas por abaixo-assinado de 5% (cinco por cento) dos associados (as) em dia com as obrigações sociais, os quais especificarão os motivos da convocação e assinarão o respectivo Edital. PARÁGRAFO PRIMEIRO - O abaixo-assinado que garante a realização da assembleia deverá ser depositado na sede do Sindicato com antecedência mínima de 6 (seis) dias da data da realização da assembleia. PARÁGRAFO SEGUNDO - A Diretoria terá o prazo de 72 (setenta e duas) horas, a partir da entrega do respectivo abaixo-assinado, para convocar a assembleia Geral solicitada. PARÁGRAFO TERCEIRO - É obrigatório o comparecimento de 2/3 (dois terços) dos solicitantes, sob pena de nulidade da assembleia.

12 Art. 30. As assembleias Estaduais Extraordinárias poderão ser convocadas por abaixoassinado de 5% (cinco por cento) dos associados em dia com as obrigações sociais, os quais especificarão os motivos da convocação e assinarão o respectivo Edital. PARÁGRAFO PRIMEIRO - O abaixo-assinado que garante a realização da assembleia deverá ser depositado na sede do Sindicato com antecedência mínima de 6 (seis) dias da data da realização da assembleia. PARÁGRAFO SEGUNDO - O Edital de convocação deverá ser publicado pela Diretoria do Sindicato, dentro do prazo máximo de 05 (cinco) dias do recebimento do respectivo abaixo-assinado, o qual definirá a data da realização da assembleia Extraordinária para um período igual ou superior a 5 (cinco) dias e igual ou inferior a 15 (quinze) dias de sua publicação. PARÁGRAFO TERCEIRO - No caso dos administradores (as) do sindicato infringir o disposto neste artigo, poderão os associados convocar a assembleia Estadual Extraordinária, e realizá-la, na forma prevista pelo parágrafo primeiro do Art. 24, deste estatuto. PARÁGRAFO QUARTO - É obrigatório o comparecimento de 2/3 (dois terço) dos solicitantes, sob pena de nulidade da assembleia. PARÁGRAFO QUINTO - A assembleia Estadual Extraordinária só poderá tratar dos assuntos que motivaram sua convocação. Art. 31. O quórum para a instalação das assembleias Estaduais é de no mínimo 1/3 (um terço) dos associados, quando se tratar de primeira convocação e, em segunda, trinta minutos depois, com qualquer número. PARÁGRAFO PRIMEIRO - As assembleias serão dirigidas pelo Presidente do Sindicato e secretariado pelo Secretário Geral, ou seus substitutos nomeados. PARÁGRAFO SEGUNDO - As deliberações das assembleias serão tomadas por maioria simples dos presentes, salvo exceções deste Estatuto. Art. 32. No caso de convocação por associado (a), o Edital de convocação a ser publicado poderá ser assinado apenas por 5 (cinco) associados (as) nos termos deste Estatuto, fazendo-se menção do número de assinaturas apostas ao documento. Art. 33. A convocação das assembleias Estaduais far-se-á da seguinte forma: a) afixação do Edital de Convocação na sede da entidade, em todos os Núcleos Regionais e locais de trabalho; b) no caso de convocação por associados (as); nos termos deste Estatuto, o Edital de Convocação poderá ser afixado nos seus locais de trabalho; c) publicação de Edital de Convocação nos órgãos oficiais e de comunicação do sindicato, em jornal de circulação na base territorial da Entidade.

13 Art. 34. Serão consideradas aprovadas em assembleias Estaduais as propostas que obtiverem maioria simples entre os sindicalizados (as) presentes. Art. 35. Nenhum motivo poderá ser alegado pelos administradores da entidade para frustrar a realização da assembleia convocada nos termos deste Estatuto. SEÇÃO VIII - DOS CONSELHOS DELIBERATIVO E DE REPRESENTANTES. Art. 36. O Conselho deliberativo é uma instância do SINDPREV-AL, com poderes de deliberação abaixo do congresso e das assembleias estaduais, que se reunirá bimestralmente, ordinariamente e extraordinariamente sempre que houver necessidade. PARÁGRAFO PRIMEIRO o conselho deliberativo será composto por: a) diretoria administrativa do SINDPREV-AL; b) um representante dos núcleos regionais. PARÁGRAFO SEGUNDO Compete ao Conselho Deliberativo: a) Participar das reuniões do Conselho de Representantes; b) Colaborar com a Diretoria na Organização da categoria em suas respectivas bases, mantendo a independência de posições político - sindicais; c) Colaborar com a Diretoria na execução da política sindical definida na reunião do Conselho de Representantes em seu âmbito de atuação; d) Reunir-se com a diretoria sempre que convocados; e) Representar o SINDPREV-AL em seu local de trabalho; f) Implementar as decisões dos foros deliberativos do SINDPREV-AL, CNTSS e CUT no local de trabalho; g) Defender os interesses dos associados no local de trabalho; h) Manter contato permanente com o Sindicato e os Núcleos Regionais; i) Fixar em conjunto com as demais instâncias deliberativas e consultivas as diretrizes gerais da política sindical a ser desenvolvida, bem como a política geral para a classe trabalhadora; j) Analisar bimestralmente os relatórios financeiros da Diretoria de Finanças; k) Participar da elaboração do Plano Anual de Ação Sindical que deverá conter entre outros: l) As diretrizes gerais a serem seguidas pelo Sindicato;

14 m) As prioridades, orientações e metas a serem atingidas a curto, médio e longo prazo. n) Analisar o Orçamento Anual do SINDPREV/AL, cabendo ao Conselho Fiscal e á assembleia Estadual a decisão final; o) Decidir sobre recursos das decisões da diretoria. PARAGRAFO TERCEIRO - O Conselho deliberativo poderá ser convocado: a) Pela Diretoria Administrativa do SINDPREV-AL; b) Pelo Conselho Fiscal do SINDPREV-AL; c) Por iniciativa de 20% (vinte por cento) dos Núcleos Regionais e/ ou Delegados de Base; d) Por 5% (cinco por cento) dos sócios do SINDPREV-AL, através de abaixo assinado; e) Por iniciativa do próprio Conselho. PARÁGRAFO QUARTO - O Conselho de representantes deverá ser constituído após a posse da Diretoria eleita. PARÁGRAFO QUINTO - O Conselho de representantes é uma instância consultiva do sindicato e será composto por: a) Diretoria Administrativa, suplente; b) Representante dos núcleos regionais e municipais; c) Representantes por local de trabalho, conforme tabela abaixo: TRABALHADORES NA BASE REPRESENTANTES Até 100 1; De 101 a 250 2; De 251 a 400 3; De 401 acima 4 Art. 37. Os (as) representantes de base serão eleitos em cada local de trabalho, por votação direta, aberta ou secreta, pelos associados (as) pertencentes à mesma unidade. PARÁGRAFO PRIMEIRO - É vedado aos Diretores do SINDPREV-AL, participarem como representantes de base. PARÁGRAFO SEGUNDO - O credenciamento como Representantes por local de trabalho será feito mediante a apresentação da Ata e da lista de assinaturas da assembleia Local;

15 PARÁGRAFO TERCEIRO - A assembleia de local de trabalho discutirá obrigatoriamente a pauta do Conselho. Art. 38. O (a) Representante por local de trabalho e respectivo suplente terão mandato igual ao da Diretoria Administrativa. Art. 39. O (a) Representante por local de trabalho poderá ter seu mandato extinto a qualquer tempo, por decisão da assembleia Local de sua Unidade, em votação plebiscitária e por maioria simples de votos. PARÁGRAFO ÚNICO - A iniciativa do plebiscito poderá ser tomada pela Diretoria Executiva ou por 20% (vinte por cento) dos associados que trabalham na unidade, sempre que o delegado de base não estiver cumprindo suas atribuições estabelecidas neste Estatuto. Art. 40. Os (as) Representantes por locais de trabalho promoverão reunião mensal em seu local de trabalho, facultada a participação de membro da Diretoria para tratar de todos os assuntos relacionados à sua unidade e as lutas e deliberações do conjunto da categoria. Art. 41. São atribuições dos (as) Representantes por locais de trabalho: a) Participar das reuniões do Conselho de Representantes; b) Colaborar com a Diretoria na Organização da categoria em suas respectivas bases, mantendo a independência de posições político - sindicais; c) Colaborar com a Diretoria na execução da política sindical definida na reunião do Conselho de Representantes em seu âmbito de atuação; d) Reunir-se com a diretoria sempre que convocados e) Representar o SINDPREV-AL em seu local de trabalho; f) Implementar as decisões dos foros deliberativos do SINDPREV-AL, CNTSS e CUT no local de trabalho; g) Defender os interesses dos associados no local de trabalho; h) Manter contato permanente com o Sindicato e os Núcleos Regionais; i) Fixar em conjunto com as demais instâncias deliberativas e consultivas as diretrizes gerais da política sindical a ser desenvolvida, bem como a política geral para a classe trabalhadora. Art. 42. Nas reuniões extraordinárias e ordinárias do Conselho será exigido quórum mínimo de 50%+1 (cinquenta por cento mais um), maioria absoluta do total de Representantes que o compõe.

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Artigo 1º - A Associação Recreativa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES DO SINDICATO ARTIGO 1º O Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Secretário Executivo do SINDCONTAS, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da entidade, convoca todos os filiados para comparecer a Assembléia

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO LEI N 495, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTES E DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Povo do Município de Nepomuceno, Minas Gerais,

Leia mais

Estatuto da Federação Nacional dos Trabalhadores nas Autarquias de Fiscalização do Exercício Profissional - FENASERA

Estatuto da Federação Nacional dos Trabalhadores nas Autarquias de Fiscalização do Exercício Profissional - FENASERA Estatuto da Federação Nacional dos Trabalhadores nas Autarquias de Fiscalização do Exercício Profissional - FENASERA Capítulo I Da Federação e Seus Objetivos Seção I Da Constituição, Denominação, Sede,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º. O Conselho de Órgãos Municipais Integrados

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado de Fiscais de Tributos, Auditores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Comunitária dos Moradores da Vila Basevi é uma ONG Organização Não Governamental,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM NACIONAL DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL FTSUAS. Princípios norteadores de funcionamento do Fórum 1. Natureza O Fórum Nacional dos Trabalhadores do

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos Art. 1º - A Associação dos agricultores... é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com

Leia mais

ESTATUTO DO SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SERGIPE. TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE e ABRANGÊNCIA

ESTATUTO DO SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SERGIPE. TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE e ABRANGÊNCIA ESTATUTO DO SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SERGIPE TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE e ABRANGÊNCIA Art. 1º. O Sindicato dos Servidores Públicos do Ministério Público do

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES 1 NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 o O Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Suzano

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro. Capítulo I Da entidade e seus fins

Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro. Capítulo I Da entidade e seus fins Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro Capítulo I Da entidade e seus fins Artigo 1. A Associação de Pós-Graduandos da Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro (APG-Fiocruz Rio de Janeiro), fundada em 26

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, órgão colegiado permanente, consultivo e

Leia mais

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC Regimento Interno CAPÍTULO I - Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Art. 1º. O CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Regulamenta o artigo 66, do Estatuto dos Servidores Públicos de São Leopoldo, Lei nº 6.055 de 14 de Setembro de 2006, Da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB.

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB. METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ESTATUINTE consiste em processo consultivo e deliberativo que tem por objetivo geral elaborar o Estatuto da UFRB. Art. 2º - São objetivos específicos

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES ESTATUTO SOCIAL Art. 1º - O CENTRO DOS PROFESSORES DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO, com a sigla CPERS/SINDICATO é uma

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP REGIMENTO DO 6º CONGRESSO ESTATUTÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS DA USP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA USP DATA: 27, 28, 29 E 30 DE ABRIL DE 2015. LOCAIS: ABERTURA DIA 27, ÀS 18H00 E INSTALAÇÃO DA PLENÁRIA PARA

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I DOS FINS, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º Artigo 2º A Associação dos Funcionários

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar?

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar? O Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar CDCE tem amparo legal? Sim. A Lei 7.040/98 que estabeleceu a gestão democrática no Sistema de Ensino, instituiu o CDCE, na forma, composição e outros providências

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TELECOMUNICAÇÕES DO DISTRITO FEDERAL - SINTTEL-DF TITULO I

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TELECOMUNICAÇÕES DO DISTRITO FEDERAL - SINTTEL-DF TITULO I ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TELECOMUNICAÇÕES DO DISTRITO FEDERAL - SINTTEL-DF TITULO I DA CONSTITUIÇÃO, DOS OBJETIVOS E DA AÇÃO SINDICAL CAPITULO I DO SINDICATO E SEUS FINS Art. 1º

Leia mais

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 Aprova o Estatuto da Fundação Cidade das Artes. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o Decreto

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais