1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2. DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2. DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO"

Transcrição

1 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE), que tem como visão de futuro ser reconhecida como uma instituição moderna, arrojada e inovadora, referenciada pela excelência do seu projeto pedagógico e das suas práticas administrativas e pela qualidade, organização e resultado de todos os serviços prestados, apresenta um Resumo do Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Acompanhando a visão institucional, o Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade, propõe promover uma educação que estimule a curiosidade científica e o desenvolvimento humano e que esteja voltada para a formação de cidadãos e profissionais éticos, autônomos, críticos, competentes, prontos para atuar num mundo globalizado. Para alcançar os objetivos propostos, a UNIJORGE pretende promover uma educação direcionada para os quatro pilares da educação, compreendidos como os tipos fundamentais de aprendizagem, necessários à formação do indivíduo e do profissional: aprender a conhecer; aprender a fazer; aprender a conviver e aprender a ser. Adotar-se-ão, para tanto, estratégias pedagógicas inovadoras, que valorizam o educando como sujeito agente do processo educacional, a saber: técnicas investigativas; oficinas e estudo de casos. A aprendizagem é baseada em problemas, buscando, de forma contextualizada, a atualização e a inserção do estudante nas diversas situações por que passa o país e o mundo. As estratégias adotadas serão orientadas por atividades que levem o aprendiz a aplicar os conhecimentos construídos de forma criativa e significativa. Utilizando a metodologia de problematização, os discentes passam a identificar, mapear os problemas, as causas, consequências e desenvolvem ideias e ações para a solução dos problemas. A problematização é essencial para a aprendizagem organizada. É intencional, sistemática e têm por finalidade aprender conhecimentos específicos, normas de convivência e habilidades. 2. DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO Os Cursos Superiores de Tecnologia surgem como uma das principais respostas do setor educacional às necessidades e demandas da sociedade brasileira, como cursos de graduação com características diferenciadas, estruturados a luz das Diretrizes Curriculares Nacionais, aprovadas pelo CNE e

2 homologadas pelo MEC, visam apresentar conteúdos de relevância para os discentes, assim como desenvolver competências que permitam uma atuação sólida dos egressos no mercado de trabalho. Sendo assim, o Centro Universitário Jorge Amado, fazendo jus a sua missão produzir, sistematizar e difundir conhecimentos que contribuam com a formação de profissionais éticos, empreendedores, dotados de senso crítico, sensibilidade cultural e inteligência criativa, consciente do seu papel social, profissional e do seu compromisso com a cidadania, implanta o Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade, almejando contribuir com a progressiva expansão deste mercado, formando profissionais capacitados e instrumentalizados. 3. OBJETIVOS DO CURSO O Curso Superior em Tecnologia em Gestão da Qualidade vem ao encontro da formação e aprimoramento de profissionais atuantes na área de gestão, bem como objetiva o desenvolvimento de novas gerações de gestores adaptados a estas novas competências requeridas pelo mercado. Dessa forma, um dos principais objetivos do curso o Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade é a avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma organização, ou seja, a aplicação, avaliação e correção das normas (padrões) referentes aos sistemas certificáveis. O profissional de Qualidade pode atuar como auditor interno ou em entidades de certificação. Proceder à análise da situação da organização, seus métodos de trabalho e produtos; elaborar e gerenciar estratégias de implantação para obtenção de determinada certificação, a exemplo de qualidade, meio ambiente, saúde ocupacional e responsabilidade corporativa socioambiental; supervisionar as alterações no processo produtivo; além de capacitar os profissionais envolvidos dentro das organizações. 4. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado para o profissional do Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade será um profissional que desenvolverá, de forma competente, atividades empresariais voltadas à excelência nos produtos e serviços, Deverá desenvolver avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma organização, dominando e aplicando as normas e padrões referentes aos sistemas certificáveis, para tanto o egresso deverá desenvolver as habilidades de Interpretação e de racionalização de processos administrativos e operacionais, dimensionando as

3 equipes de processos produtivos e serviços. Daí a importância de apresentar algumas competências: Adequar a legislação ao empreendimento, procurando manter as políticas administrativas; Promover debates, seminários, palestras para divulgar assuntos relacionados aos processos de gestão da qualidade; Encaminhar aos setores e áreas competentes normas, regulamentos, dados estatísticos resultados de análises e avaliações, materiais de apoio técnico, educacional e outros de divulgação para conhecimento e auto-desenvolvimento do trabalhador; Planejar processos produtivos e de qualidade; Interpretar os estudos de racionalização de processos administrativos e operacionais; Estabelecer, documentar, programar e manter um sistema de gestão da qualidade e melhorar continuamente a eficácia; Medir, monitorar e analisar os indicadores de desempenho da qualidade dos processos da organização, visando prevenção e correção das não conformidades e melhorias contínuas; Avaliar as condições ambientais de trabalho e emitir parecer técnico que subsidie o planejamento e a organização do trabalho de forma segura para o trabalhador; Executar programas prevencionistas relacionadas à segurança e à higiene do trabalhador; Emitir parecer sobre a situação de empresa no que se refere aos aspectos do sistema de qualidade. Percepção dos fenômenos organizacionais nas suas interrelações com a realidade, em seus aspectos sociais, econômicos, políticos, tecnológicos e culturais; Capacidade de empreender ações, analisando criticamente as organizações, planejando e promovendo suas transformações; Busca pelo auto-desenvolvimento contínuo, com enfoque empreendedor; Capacidade de liderar e trabalhar em equipe, interagindo de forma crítica, flexível e inovadora em diferentes contextos organizacionais e sociais em prol de objetivos individuais e organizacionais; Correta e adequada expressão em documentos técnicocientíficos; Análise, interpretação e compreensão do contexto organizacional e suas partes integrantes, bem como suas relações com o ambiente externo, através de uma visão sistêmica e estratégica; Desenvolver e analisar projetos voltados para a tomada de decisão;

4 Compreender a dinâmica da conjuntura econômico-social e de mercado que envolve as empresas voltadas para a produção de bens e serviços; Capacidade de tomar decisões, através de uma visão global e integradora no meio em que está inserido; Atuação como gerente, gestor e ou Consultor de organizações, integrando conhecimentos técnicos, científicos e humanos, sempre observando os valores de responsabilidade social, justiça e ética. De um modo geral o profissional apresenta, dentre outras, as principais habilidades relacionadas às competências adquiridas: Implementação de técnicas que propiciem a existência de um ambiente adequado ao desenvolvimento dos talentos humanos; Prospecção de sistemas e tecnologias necessárias aos objetivos empresariais; Adoção de decisões que integrem as ações de curto, médio e longo prazo de empresas voltadas para a produção de bens e serviços. Poderá atuar como auditor interno ou em entidades de certificação. Proceder à análise da situação da organização, seus métodos de trabalho e produtos; elaborar e gerenciar estratégias de implantação para obtenção de determinada certificação, a exemplo de qualidade, meio ambiente, saúde ocupacional e responsabilidade corporativa socioambiental; supervisionar as alterações no processo produtivo; além de capacitar os profissionais envolvidos. 5. CONCEPÇÃO DO CURSO O processo de formação de um profissional de nível superior é complexo e dinâmico, principalmente porque necessita integrar as teorias pedagógicas de ensino e aprendizagem ao conhecimento científico específico, às diretrizes governamentais e às concepções atuais do mercado. O ensino configura-se, nesse bojo, como um conjunto de atividades acadêmicas que propicia ao educando os conhecimentos necessários para sua formação intelectual e profissional. O ensino, articulado com a pesquisa e a extensão, possibilita a aprendizagem e a aquisição de competências e habilidades. Busca, também, a construção contínua de novos conhecimentos voltados para a formação e o aprimoramento de atitudes necessárias ao trabalho profissional.

5 Portanto, a UNIJORGE e o Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade adotam os seguintes princípios norteadores da sua organização curricular: Indissociabilidade do ensino, da iniciação científica e da extensão, espelhados na articulação do currículo com a iniciação científica e a extensão; Eixo da Cultura, uma vez que se entende que o espaço profissional, assim como o espaço da sala de aula são integrados por sujeitos com formações diversas. O respeito à diversidade cultural, linguística, étnica é conteúdo transversal que perpassa o currículo de todos os cursos; Qualidade, mecanismo de aperfeiçoamento do processo pedagógico, através de implantação de projeto de Aprimoramento do Processo de Ensino e Aprendizagem; Igualdade, que deve ser buscada no sentido de permitir o acesso, a permanência e a qualidade da educação ministrada como forma de preparação para o exercício de atividades dentro da sociedade como cidadão e trabalhador; Ética da Identidade, condição essencial para a formação de profissionais-cidadãos autônomos, capazes de gerenciar sua vida profissional e pessoal; Interdisciplinaridade, entendida como uma atitude no desenvolvimento da ação pedagógica ou de abordagem aplicativa das ciências, a qual implica estabelecer articulações e interações que sejam pertinentes e adequadas à construção do conhecimento de cada uma das disciplinas particulares envolvidas no processo de ensino-aprendizagem; Contextualização, que implica aprendizagens ativas e significativas, que resultem na necessidade de observar as diferentes dimensões envolvidas no processo de aprendizagem a partir do cognitivo e do afetivo dentro de um determinado contexto social, econômico, político e cultural. Neste sentido, é necessário olhar para fora da escola e para o seu entorno com uma perspectiva de futuro para a comunidade que está mais próxima, sem perder de vista o cenário nacional e global. Desta forma, a contextualização se dá em um tempo e espaço definidos e dentro de determinados pressupostos do conhecimento científico; Empreendedorismo, que implica o desenvolvimento de atividades educativas que possibilitem ao educando a aquisição de atitudes empreendedoras e com as oportunidades oferecidas pela sociedade; Flexibilidade, que significa a operacionalização de um currículo que tenha diferentes perspectivas na sua trajetória acadêmica, permitindo ao estudante condições para avançar, quando demonstrar condições para isso, e ofertar estudos de complementação necessários ao desenvolvimento das competências gerais e específicas das áreas de conhecimentos científicos e ou das profissionais, quando for o caso.

6 6. CONCEPÇÕES E PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS O curto espaço de tempo de que dispõem os cursos tecnológicos exige que a metodologia de sala de aula seja diferenciada para garantir uma formação completa e de qualidade para os egressos. O conhecimento é construído a partir de experimentos práticos e estudo de caso. As aulas, bem como os módulos, são estruturados para atingir um determinado objetivo e incentivar o discente a buscar novos conhecimentos a partir do que foi tratado com a turma e o professor. A teoria deve vir sempre associada a uma situação problema, e os discentes são orientados a propor soluções para os problemas apresentados dentro do conhecimento e da tecnologia disponível. Os docentes organizam as atividades, conteúdos e práticas das diversas disciplinas de acordo com as habilidades e competências previstas para o módulo em que a disciplina está inserida e, consequentemente, dentro do escopo previsto para o perfil do egresso. Acredita-se que o desenvolvimento do discente se dá a partir de um processo de ensino-aprendizagem que privilegia o experimento em situações do cotidiano, observando-se o crescimento do discente em relação ao conhecimento, as habilidades e as atitudes. Objetivando garantir um processo constante de reflexão acerca das práticas de ensino e seus reflexos no grau de aprendizagem dos discentes; e, ainda, de observar o alinhamento das práticas aos princípios institucionais, foi criado o Núcleo de Pesquisa em Práticas Docentes (NPPD). O NPPD está inserido na estrutura organizacional da UNIJORGE alinhado, portanto, ao pensamento estratégico da instituição e oferecendo suporte a um dos seus objetivos: promover a melhoria contínua do processo de ensino-aprendizagem. Ainda visando a formação do discente a UNIJORGE promove vários eventos, o maior deles é o INTERCULTE, um evento que tem como propósito estimular a comunidade acadêmica na produção, socialização e divulgação de conhecimentos científicos no campo educacional, promovendo intercâmbios entre discentes e pesquisadores, entre instituições de ensino e outras parcerias da comunidade. Com o objetivo de agregar, consolidar e ampliar os conhecimentos dos alunos do Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade foi desenvolvido o Projeto Sábado do Saber, trata-se de um evento desenvolvido por professores

7 do curso que traz para a UNIJORGE, todos os semestres, profissionais renomados para discutir temas de interesse dos alunos do CST em Gestão da Qualidade. 7. SISTEMA DE AVALIAÇÃO No CST em Gestão da Qualidade a coordenação do curso, bem como os docentes compreende a avaliação como um processo que integra uma sequência de intervenções. Nessa perspectiva, a avaliação deixa de ser instrumento punitivo, para se configurar em um processo que põe em evidência o conhecimento prévio do discente (principalmente quando é um instrumento ou momento de diagnóstico), a aprendizagem processual e o conhecimento construído, permitindo a regulação da prática pedagógica. Compreender como caminha a aprendizagem do discente apenas no momento de provas final de unidade ou de curso impede que o professor analise, reveja ações planejadas e interfira no processo. É necessário criar estratégias avaliativas, a fim de verificar como a aprendizagem se processa em cada conjunto de intervenções realizadas, o que possibilita, ao professor, rever suas ações pedagógicas, promovendo a revisitação do discente aos conteúdos estudados e produções realizadas. No planejamento do professor deverão ser contempladas ações avaliativas constantes que gerem produções. A partir de situações-problema, os discentes devem ser levados à investigação, tratamento de resultados, construção de conhecimentos, produção escrita e apresentação de resultados, levando-se em consideração as especificidades de conteúdos e disciplinas. A prova, portanto, deve ser um indicativo de que o processo de ensinoaprendizagem foi realizado de modo efetivo. Docentes e coordenador acompanham constantemente o desempenho dos discentes. Ambos devem estar atentos em relação ao quanto os estudantes sabem antes de iniciarem uma unidade de ensino, ao quanto estão progredindo e quanto eles aprenderam ao final do processo. A avaliação em sala de aula será importante instrumento para diagnosticar necessidades, interesses e problemas de cada discente, permitindo ao professor acompanhar a construção do conhecimento do início ao final do processo. Com os resultados da avaliação em sala de aula, o professor irá, dentre muitas estratégias, motivar os discentes a se empenharem mais em aprender, informá-los sobre o que é esperado deles, analisar as abordagens de ensino ajustar e orientar as suas intervenções pedagógicas e atender às diferenças individuais dos discentes.

8 Para garantir o sucesso do projeto de avaliação de aprendizagem o coordenador irá (a) analisar os instrumentos avaliativos com seus docentes, observando a relevância da abordagem em relação ao Plano de Ensino; (b) acompanhar o resultado do levantamento dos conhecimentos prévios dos discentes em cada turma através de apresentações dos resultados da Avaliação diagnóstica, em reunião com os docentes por ciclo e por semestre na 3ª semana de aula; (c) encaminhar discentes para as atividades de nivelamento a partir dos resultados do diagnóstico; (d) acompanhar sistematicamente a postagem de resultados das avaliações, após cada unidade, e definir com o professor e NPPD modificações na estratégia de ensino, a partir dos resultados parciais. PROCEDIMENTOS As avaliações de aprendizagem poderão ser realizadas através de provas regulares, trabalhos, atividades de pesquisa e testes havendo, no mínimo, duas e, no máximo, sete avaliações por disciplina. Ressalte-se que, deve haver pelo menos 1 (uma) prova regular individual, realizada em sala de aula ou em laboratório de informática, quando necessário. A cada avaliação de aprendizagem deve atribuída uma nota, expressa em grau numérico de 0 (zero) a 10 (dez). Após o cálculo das médias, as notas, com mais de duas casas decimais, terão seu valor aproximado. Por exemplo: 6,86 = 6,9. Será atribuída nota 0 (zero) ao discente que deixar de se submeter à avaliação prevista na data fixada (à exceção dos casos de segunda chamada), bem como aquele que se utilizar de meio fraudulento, ainda que apurado posteriormente. Dessa forma, cópia de trabalhos, seja de colegas, Internet, ou qualquer outra fonte apurada, caracteriza-se fraude, à qual deverá ser, pois, atribuída nota 0 (zero). CRITÉRIOS DE MÉDIA PARA APROVAÇÃO Para ser aprovado, o discente precisará ter média igual ou superior a 7,0 (sete). Caso contrário, terá que se submeter à Prova Final, precisando, nesse caso, de média igual ou superior a 5,0 (cinco). Cálculo da Média das Avaliações (MA) A soma dos pesos de todas as avaliações realizadas não pode ser diferente de 7,0 (sete). MA = [(AV 1 x 2,5) + (AV 2 x 1) + (AV 3 x 2,5) + (AV 4 x 1)]/7

9 MA > 7,0 = Discente Aprovado MA < 7,0 = Discente fará Prova Final Observação: AV1: Avaliação(ões) Elaborada(s) pelo Professor; AV2: Projeto Integrador/Projeto Interdisciplinar; AV3: Prova; e, AV4: APED Estabelecida a necessidade de exame final, a nota da média final do curso resultará da média ponderada entre a média parcial (peso 7,0) e a nota do exame final (peso 3,0), calculada da seguinte forma: NPPF (Nota necessária na Prova Final = [50 (MA x 7,0)]/3 No caso de: NPPF > 10,0 (dez), o discente estará reprovado, sem direito a fazer Prova Final. Cálculo da Média com Prova Final (MF) MF = [(MA x 7,0) + (NPF x 3,0) / 10 Se MF > ou igual a 5,0 - Discente Aprovado Se MF < - Discente Reprovado CORREÇÃO E REVISÃO DE PROVAS REGULARES No dia da entrega das avaliações, em sala de aula, o professor fará a correção oral e a revisão das provas corrigidas. As dúvidas deverão ser analisadas com o professor. Existe ainda a possibilidade de o discente solicitar, via requerimento, dentro do prazo máximo de 48 horas após a divulgação do resultado, revisão da sua prova, inclusive da prova final. Avaliação Periódica Discente A Avaliação Periódica Discente (APED) compõe um projeto que foi decorrente do objetivo estratégico de melhoria contínua do processo ensinoaprendizagem.

10 Assim, foram pontos centrais para a proposta da APED: garantir que os discentes encerrem as disciplinas com um bom aproveitamento; detectar, em tempo hábil, os hiatos de aprendizagem para intervir em momento oportuno; regular as ações pedagógicas. A avaliação conta com um conjunto de questões de múltipla escolha e discursivas próximas ao perfil do ENADE. Pretende-se que, após aplicação, correção das questões e análise dos resultados, o coordenador do curso e o professor orientador da área (NPPD) realizem, com o docente responsável pela disciplina, uma reavaliação das intervenções realizadas. Para contribuir com a realização da APED e com a consecução de seus objetivos, o coordenador, junto a seus docentes, deve: (a) Tabular os resultados da APED; (b) Avaliar o resultado da APED e confrontar com os resultados das provas; (c) Verificar conteúdos nos quais os discentes obtiveram menor êxito; (d) Discutir is resultados da APED com os docentes do ciclo/semestre em questão (e) Definir propostas de ações e rever planejamento de intervenções didáticas com os docentes (f) Encaminhar para a Pró-Reitoria de Graduação relatório semestral da APED com pareceres avaliativos sobre a participação dos docentes no processo. 8. ESTÁGIO CURRICULAR Poucos princípios sobre a formação profissional têm sido tão consensuais como o da necessidade de romper com a divisão clássica expressa nos currículos compostos por disciplinas teóricas, no início, e práticas, no final, sendo que essas últimas estão invariavelmente articuladas com situações de estágio. Nesse sentido, a UNIJORGE entende que o Estágio Curricular, mediante a utilização de diferentes recursos, é uma oportunidade de argumentar, confrontar, socializar as situações de práticas reais no ambiente da sala de aula, e, a partir dos saberes teóricos, interpretar, inferir, construir hipóteses sobre como resolver questões complexas ou incertas que emergem da realidade profissional onde o estudante irá atuar. Em decorrência disso, para o estudante, a situação de estágio retrata um ambiente de certa familiaridade, apesar de que ainda assim enfrentará novos e grandes desafios. Para que essa experiência gere um excelente contexto de aprendizagem ela deve exigir que os estudantes resolvam problemas de diferentes naturezas com um bom nível de autonomia, possam discutir, levantar hipóteses, argumentar, tomar decisões, rever concepções anteriores e,

11 fundamentalmente, ter como ponto de referência nesse processo, as competências que se encontram subjacentes à prática dos bons profissionais. Segundo estudos desenvolvidos por Celso Frauches (2004) considera-se estágio curricular as atividades de aprendizagem social, profissional e cultural, proporcionadas ao estudante pela participação em situações reais de vida e trabalho de seu meio, sendo realizada na comunidade em geral ou junto a pessoas jurídicas de direito público ou privado, sob responsabilidade e coordenação da instituição de ensino. Neste contexto, a utilização do Estágio Curricular no período letivo de encerramento do curso serve para promover junto ao discente a prática necessária para aplicabilidade dos conceitos e competências desenvolvidos ao longo de sua formação. Com o objetivo de promover os resultados necessários na relação teórico/prática, o Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade atribui uma carga horária de 200 horas em campo, nas quais o discente passará pelas principais áreas de gestão de forma a poder estabelecer uma relação objetiva entre a teoria e a prática. Tais atividades serão orientadas por um docente da instituição em sala de aula computando-se mais 40h de acompanhamento na disciplina Estágio Curricular, obrigatória no Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. A coordenação das atividades de estágio curricular seguirá as normas legais contidas na Lei de 25 de agosto de 2008, que dispõe sobre o estágio de estudantes. O Estágio Curricular é considerado requisito obrigatório para a obtenção da Certificação e do Diploma de Tecnólogo. São objetivos do Estágio Curricular: Objetivo Geral: Integrar teoria e prática de forma sistemática por meio do oferecimento de condições concretas de investigação, análise, interpretação da realidade e intervenção nesta mesma realidade. Objetivos Específicos: I. Promover a interação entre as organizações e o setor acadêmico, fortalecendo as relações de parceria permanente e continuada com os campos de Estágio Curricular;

12 II. Favorecer atitude profissional e ética do discente, possibilitando o seu aperfeiçoamento por meio de conhecimentos que fundamentem e qualifiquem sua formação profissional e de cidadania; III. Favorecer o processo de atualização da estrutura curricular do Curso; IV. Oportunizar e estimular no discente sua capacidade de desenvolver novos conhecimentos e relações interpessoais; V. Proporcionar aos discentes condições de vivências práticas em consonância com seu aprendizado teórico-científico, visando ao aprimoramento do seu processo de formação profissional; VI. Possibilitar ao discente o desenvolvimento de sua capacidade científica, de suas habilidades e competências relativas a sua área de formação e especificas do seu Curso; VII. Realizar experiências de pesquisa e extensão universitária. A UNIJORGE atuará através do seu Centro de Carreiras, fomentando a efetivação dos estágios supervisionados, para os discentes em fase de conclusão de curso, através de parcerias com Instituições de Fomento às Micro, Pequenas e Médias Empresas: SEBRAE, IEL e CIEE, assim como através da utilização de parcerias com empresas locais e projetos sociais da instituição. As atividades de extensão, de monitorias e de iniciação científica na educação superior. O Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade tem Regulamento próprio para Estágio Curricular. O referido regulamento está disponível na coordenação. 9. TRABALHOS INTERDISCIPLINARES Em todos os semestres, as disciplinas convergem para uma atividade integradora denominada de Interdisciplinar. A interdisciplinaridade provoca um olhar crítico e reflexivo, capaz de compreender a correlação entre as diversas disciplinas da estrutura curricular. Essa abordagem é materializada através do Projeto Integrador, componente curricular em que os estudantes precisam desenvolver um estudo, uma pesquisa, um diagnóstico, um produto, um projeto de intervenção, etc. que envolva os conteúdos curriculares das disciplinas que compõem o semestre letivo. A apresentação do Projeto Integrador é um dos pontos alto do curso, tamanho envolvimento dos estudantes, docentes, coordenador do curso e organizações parceiras. Os dois melhores projetos são selecionados para a apresentação pública na MOSTRA DE PROJETOS,

13 realizada uma vez por ano e que envolve toda a comunidade acadêmica da UNIJORGE. O principal objetivo da MOSTRA DE PROJETOS é o resgate dos conteúdos apreendidos nas disciplinas do semestre em curso do discente e de semestres já cursados. É um evento que permite que o discente compreenda que ele faz parte ativa do processo de aprendizagem e reflita sobre a importância dos conteúdos trabalhados em sala de aula para a resolução de problemas reais. Neste raciocínio, torna-se essencial que sejam simulados em um ambiente educacional todos os aspectos que serão trabalhados em um contexto profissional. Dessa forma, o trabalho interdisciplinar semestral tem por objetivo oportunizar ao discente o desenvolvimento de suas habilidades e o aprofundamento de seus conhecimentos, além da incorporação de algumas atitudes importantes que devem estar presentes em qualquer profissional, como a criatividade, a organização, o auto-aprendizado, a pesquisa e a colaboração interpessoal. Nesta linha, o trabalho interdisciplinar atua também como uma extensão do trabalho realizado em sala de aula, em cada disciplina semestral, contribuindo assim para a construção das competências pretendidas no módulo. Além disso, o trabalho interdisciplinar permite ao discente demonstrar a aquisição das competências refletidas no domínio do tema trabalhado através de associação dos assuntos estudados durante o curso e do relacionamento dos conteúdos das diversas disciplinas que integram a proposta. 10. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade do Centro Universitário Jorge Amado atribui uma parte flexível da formação acadêmica do aluno, dentro da carga horária fixa do curso, referente a 80 (oitenta) horas, para a realização de Atividades Complementares. O cumprimento das 80 horas em Atividades Complementares é um dos requisitos para a colação de grau. O objetivo das Atividades Complementares é o enriquecimento da formação do aluno em relação aos cursos de Gestão e a outros campos do conhecimento para uma formação profissional sólida e ampla. Uma vez que são complementares à formação básica do aluno, devem ser objeto de Atividades Complementares, disciplinas, temas ou atividades que não constem da carga horária das disciplinas da matriz curricular do Curso.

14 A carga de 80 horas de Atividades Complementares deverá ser cumprida através das práticas previstas neste PPC, desde que previamente homologadas pela Coordenação das Atividades Complementares. INFRA ESTRUTURA FÍSICA Sala de Aula As salas de aula implantadas para o curso são excelentes, considerando os aspectos: quantidades e número de alunos por turma, disponibilidade de equipamentos, dimensões em função das vagas previstas, limpeza, iluminação, acústica, ventilação, acessibilidade, conservação e comodidade. As salas de aula do Campus Comércio localizam-se em quatro prédios e são utilizadas para as atividades acadêmicas do curso. Em cada andar, há um colaborador de apoio fixo nos corredores, que tem por atribuição instalar com antecedência os equipamentos necessários às aulas, regular a temperatura dos ambientes, transportar materiais necessários às atividades acadêmicas e atender às solicitações dos professores. Laboratórios O Centro Universitário Jorge Amado dispõe de diversos laboratórios de informática os quais podem ser utilizados pelos docentes para: (a) Atividades práticas de pesquisa; (b) Aulas de informática; (c) Desenvolvimento de trabalhos acadêmicos. Estes laboratórios são equipados com o pacote Office e demais ferramentas utilizadas por disciplinas específicas como: Sistema de Informação Aplicada a Gestão e MS Project. São utilizados ainda para o acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem, Moodle, através do qual são disponibilizados exercícios on-line, textos, vídeos, fóruns e CHATS, dando apoio às disciplinas.

1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2. DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO

1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2. DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE), que tem como visão de futuro ser reconhecida como uma instituição moderna, arrojada e inovadora, referenciada pela excelência do seu projeto

Leia mais

2. DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO

2. DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE), que tem como visão de futuro ser reconhecida como uma instituição moderna, arrojada e inovadora, referenciada pela excelência do seu projeto

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE) é mantido pela Sociedade Baiana de Educação e Cultura (ASBEC), pessoa jurídica de direito

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais

Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE) é mantido pela Sociedade Baiana de Educação e Cultura (ASBEC), pessoa jurídica de

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Marketing

Curso Superior de Tecnologia em Marketing Curso Superior de Tecnologia em Marketing 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE) é mantido pela Sociedade Baiana de Educação e Cultura (ASBEC), pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior

Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE) é mantido pela Sociedade Baiana de Educação e Cultura (ASBEC), pessoa jurídica de direito

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz.

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Objeto Desenvolver Projeto para a implementação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo no Cecal. Introdução:

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RESUMO DO PPC TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Emitente: Charles Lima Soares Data: 21/02/2015

RESUMO DO PPC TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Emitente: Charles Lima Soares Data: 21/02/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas tem como objetivo qualificar profissionais para atuação no mercado de trabalho que é composto atualmente de empresas de

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

RESUMO DO PPC TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Emitente: Charles Lima Soares Data: 23/03/2015

RESUMO DO PPC TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Emitente: Charles Lima Soares Data: 23/03/2015 1. PERFIL DO CURSO O mercado de trabalho para o Tecnólogo em Redes de Computadores é composto atualmente de empresas de qualquer porte que tenham implantado a Tecnologia de Informação nos seus processos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

RESUMO DO PPC SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Emitente: Charles Lima Soares Data: 19/11/2014

RESUMO DO PPC SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Emitente: Charles Lima Soares Data: 19/11/2014 1. PERFIL DO CURSO Em comunhão com a missão e os objetivos das UNIJORGE, o curso de Sistemas de Informação se coloca na responsabilidade de formar profissionais éticos e competentes na área de computação

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais