Conhecimento e Desigualdade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conhecimento e Desigualdade"

Transcrição

1 Conhecimento e Desigualdade Marcos Cavalcanti CRIE Centro de Referência em Inteligência Empresarial Programa de Engenharia de Produção - COPPE/UFRJ Segundo a OCDE o conhecimento gerou, em 1999, cerca de 55% da riqueza mundial. Os restantes 45% estavam relacionados aos fatores tradicionais de produção: terra, capital, matéria prima, energia e trabalho. Alguns países parecem estar mais bem preparados para a competição global nesta nova sociedade onde o conhecimento passa a ser o principal fator de produção. Dentre estes, o caso da Coréia do Sul é o mais significativo. Após uma rápida discussão de como a Coréia conseguiu aliar altas taxas de desenvolvimento econômico com evidentes progressos sociais, apresentamos alguns pontos para uma agenda que contemple tanto a redução da desigualdade no Brasil quanto a sua inserção competitiva na Sociedade do Conhecimento. 1. Introdução Desde Adam Smith 1 diferentes correntes do pensamento econômico concordam que os fatores básicos de produção são terra, capital, trabalho, matéria-prima e energia. Esta classificação teve um profundo impacto no processo de desenvolvimento da Economia enquanto ciência e marcou o pensamento de gerações de economistas. Embora os trabalhos de Adam Smith sejam os mais reconhecidos, na realidade o primeiro a definir terra, capital e trabalho como os três principais fatores de produção foi o economista francês Jean Baptist Say ( ). 2 Mas esta realidade parece estar ficando para trás. Relatório da OCDE aponta que, em 1998, cerca de 55% da riqueza mundial foi gerada pelo conhecimento. 3 Pela primeira vez o conhecimento supera os fatores tradicionais de produção no processo de criação de riqueza. O relatório destaca, ainda, que a crescente redução dos custos e a facilidade de obtenção da informação apontam, claramente, para um aumento da participação do conhecimento no processo de criação de riqueza para organizações, regiões e países. Na verdade, a economia do conhecimento desloca o eixo da riqueza e do desenvolvimento de setores industriais tradicionais intensivos em mão-de-obra, matéria-prima e capital - para setores cujos produtos, processos e serviços são intensivos em tecnologia e conhecimento. Mesmo em setores mais tradicionais, como a agricultura, a indústria de bens de consumo e de capital, a competição é cada vez mais baseada na capacidade de transformar informação em conhecimento e este último 1. Adam Smith. A Riqueza das Nações, cuja primeira edição foi em Jean Baptiste Say, Cours d Economie Politique, Flammarion, Paris, OECD economic outlook. OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), Paris,1998.

2 RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE - ano 2 - nº especial - dezembro 2002 em decisões e ações de negócio. O valor dos produtos e serviços depende, assim, cada vez mais, do percentual de inovação, tecnologia e inteligência a eles incorporados 4. O conhecimento parece ser, portanto, o novo motor da economia. Este texto se divide em três seções, além desta introdução. A próxima seção apresenta, de forma resumida, um quadro comparativo entre o Brasil e a Coréia do Sul neste processo de transição para a Sociedade do Conhecimento. A seção três discute os riscos de que o caminho adotado por nós leve a um aumento da desigualdade interna e a nível internacional. A última seção apresenta as conclusões. 2. O Brasil e a Coréia na Sociedade do Conhecimento 4. Cavalcanti, Gomes e Pereira Neto, A Gestão de empresas na sociedade do conhecimento, Editora Campus, Fonte: The World Economic Outlook (WEO) Database May 2001, Fundo Monetário Internacional. 6. Idem. A Coréia e a China são apontados como dois dos países que, na última década, apresentaram as maiores taxas de crescimento do PIB. A China apresentou taxas de crescimento do PIB de 11% ao ano, em média, entre 1990 e 1998, mas com um impacto pequeno na redução da desigualdade social. 5 A Coréia, por outro lado, cresceu a taxas um pouco menores (7,5% ao ano, em média, entre 1990 e 1998), mas com um sucesso muito maior no combate a desigualdade. 6 Em 1975, a renda per capita da Coréia era de U$ 250, cerca de metade da brasileira, enquanto que o PIB brasileiro era quatro vezes maior que o PIB coreano 7. O PIB per capita da Coréia, em 1970, era de US$ 275, cerca de 75% do PIB per capita brasileiro. Em 2001, o PIB per capita coreano é mais de 2,5 vezes maior que o brasileiro (figura 1), e as projeções são de que o PIB da Coréia ultrapasse o do Brasil em 2003! 8 Entre 1980 e 1999, o crescimento médio do PIB coreano foi de 7,6% ao ano, contra um crescimento médio do PIB brasileiro de 2,9% ao ano, no período. FIGURA 1 PIB per capita (Brasil e Coréia) O PIB brasileiro, em 1975, era de US$ 82,5 bilhões, enquanto que o PIB coreano era de US$ 21 bilhões. Fonte: The World Economic Outlook (WEO) Database May 2001, Fundo Monetário Internacional. 8. PIB per capita Coréia (2001): US$ 9.130; PIB per capita Brasil (2001): US$ Fonte: The World Economic Outlook (WEO) Database May 2001, Fundo Monetário Internacional PIB per capita Coréia PIB per capita Brasil

3 A discussão sobre o que levou o Brasil, que já foi a oitava economia do mundo, a ir ficando para trás no ranking das maiores economias no espaço de uma geração, foge ao escopo deste artigo. O que nos interessa destacar aqui são algumas lições sobre os caminhos escolhidos pela Coréia e o Brasil para se inserirem de forma competitiva na economia mundial. Na verdade veremos que, no caso brasileiro, não podemos falar de um caminho para inserção na sociedade do conhecimento. A discussão sobre sociedade do conhecimento é claramente marginal no Brasil, ao contrário da Coréia que, explicitamente, elaborou uma estratégia de inserção competitiva nesta nova sociedade desde meados da década 70. Um dos pilares desta estratégia na Coréia foi a importância dada à educação. Desde 1980 não existe mais analfabetismo entre jovens com menos de 24 anos, e o índice de analfabetismo geral (cidadãos com mais de 15 anos) caiu de 15% da população em 1970 para menos de 2,5% da população em Em 1970 a Coréia tinha apenas 41% da população em idade escolar (1 o e 2 o graus) devidamente matriculada em alguma escola de ensino fundamental ou médio. Em 1990 este número já era de 90% e em 1999 a totalidade da população em idade escolar freqüenta as escolas, com níveis de aproveitamento elevados. 9 Mais impressionante ainda foi o aumento na escolaridade de nível superior. O percentual dos coreanos em idade de cursar uma universidade que estavam matriculados passou de 15% em 1980 para 70% em Em breve, três quartos da população coreana em idade de freqüentar uma universidade estará efetivamente freqüentando algum curso superior. Um número mais elevado do que o de alguns países desenvolvidos. Ao contrário da China, que a despeito de ter crescido a taxas médias anuais de mais de 10%, na última década, pouco fez para reduzir as desigualdades sociais, a Coréia obteve avanços significativos na redução da pobreza e da desigualdade. O resultado é que a evolução do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) coreano passou de 0,687 em 1975 para 0,875 em 1999, retirando-a do grupo de países intermediários e colocando-a no grupo de países desenvolvidos socialmente. 11 Outro pilar do desenvolvimento coreano foi o investimento em ciência e tecnologia. Desde 1985 a Coréia investe mais de 3% do PIB em ciência e tecnologia, com percentuais crescentes. O Brasil vem aumentando o percentual de maneira muito mais lenta e em 2000 chegou a cerca de 1% do PIB, o percentual mais alto da nossa história mas absolutamente ridículo frente ao investimento coreano. O resultado se faz notar no número de patentes depositadas no exterior. Em 1980 a Coréia depositou oito patentes nos Estados Unidos, enquanto o Brasil depositou 24 patentes. Em 1999, a Coréia tinha depositado patentes contra apenas 98 patentes brasileiras Estes números não são produtos do acaso, mas de um planejamento estratégico que definiu áreas e setores onde a Coréia se dispunha a ser competitiva garantindo, durante um período de tempo limitado, uma espécie de reserva de mercado. Mas ao contrário de modelos de reserva de mercado e incentivos fiscais tradicionais, a Coréia adotou um modelo onde se previa a cobrança de resultado em termos de desempenho e produtividade. As empresas que não atingissem determinadas metas de exportação e de produtividade teriam seus privilégios eliminados. 9. World Development Indicators 2001, Banco Mundial. 10. Idem. 11. Idem. 12. Korea and the Knowledgebased Economy, World Bank Institute, The World Bank, 2000.

4 RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE - ano 2 - nº especial - dezembro 2002 No caso brasileiro, não podemos falar sequer de um caminho para inserção na sociedade do conhecimento. Esta discussão ainda não foi colocada em nossa agenda. Na próxima seção levantamos alguns aspectos que nos parecem relevantes para discutir o caminho brasileiro para a sociedade do conhecimento. 3. Menos desigualdade e mais conhecimento No processo de transição da sociedade agrícola para a sociedade industrial, no início do século passado, o Brasil era o maior exportador mundial de café. Nossa pauta de exportações era composta, quase que exclusivamente, de produtos agrícolas, enquanto nossas importações se concentravam em produtos industriais, de maior valor agregado. Agora, na transição da sociedade industrial para a sociedade do conhecimento, que papel queremos desempenhar? Os números de nossa balança comercial parecem indicar que trilhamos o mesmo caminho: exportamos produtos de baixo valor agregado e importamos produtos de maior valor agregado. A diferença é que hoje exportamos café, soja, minério de ferro e também produtos industrializados como automóveis ou aparelhos celulares, mas que, na verdade, são commodities, produtos de baixo valor agregado. E continuamos a importar produtos de maior valor agregado, produtos intensivos em conhecimento como software, consultoria, produtos da indústria cultural (filme, música, programas de televisão), pagamentos de royalties e patentes. Em 1997 despendemos 96 vezes mais com patentes do que em 1992! O crescimento nas despesas de outros serviços intensivos em conhecimento (como tecnologia) também foi significativo (tabela 1). TABELA 1 Gastos do Brasil com licenciamentos externos Itens /92 ($ milhões) ($ milhões) (%) Patentes Tecnologia Serviços Técnicos Cópias softwares Outros Total fonte: Banco Central do Brasil

5 O valor global das exportações brasileiras, no ano 2000, foi de mais de US$ 55 bilhões, constituindo-se em um recorde. Se calcularmos, no entanto, o valor médio por tonelada exportada, de 1993 até 2000, veremos que o valor se manteve relativamente estável, em torno de US$ 220 por tonelada, com um pico de US$ 253 por tonelada em Enquanto isto, o valor médio das importações passou de US$ 329/ton em 1993 para mais de US$ 600/ton em 2000! (Figura 2). FIGURA 2 Valor médio (US$) por tonelada exportada/importada pelo Brasil ton importada ton exportada fonte: Knapp, Estes números confirmam o que dissemos: exportamos produtos de baixo valor agregado e importamos cada vez mais produtos de alto valor agregado. Como tradicionalmente sempre fizemos. A pergunta que nos cabe responder neste momento é a seguinte: Qual o papel que queremos desempenhar nesta nova sociedade? Será que estamos, mais uma vez, condenados a ocupar um papel de coadjuvante no cenário mundial? Devemos nos conformar ou devemos reagir à opinião corrente que afirma que o Brasil e os brasileiros são incapazes de competir nas áreas e setores mais dinâmicos e de maior valor agregado? E mesmo em setores tradicionais, será que não temos condição de incorporar mais valor (conhecimento) a estes produtos e serviços? A resposta que cada país dá a estas perguntas determina a fatia que ele terá na divisão internacional da riqueza. Paul Strassman alerta que a concentração de poder e riqueza é cada vez maior nas organizações e países cujo principal ativo é o conhecimento. 13 Somente seis países (EUA, Japão, Alemanha, Inglaterra, França e Itália), que juntos possuem apenas 11% da população mundial de 5.9 bilhões de pessoas, geraram 62% do PIB mundial (estimado em 13. STRASSMAN, Paul. Global Knowledge Power: Further accumulation and consolidation of knowledge is likely to exarcebate global conflicts. Knowledge Management, volume 3, number 6, june, 2000.

6 RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE - ano 2 - nº especial - dezembro 2002 U$ 29 trilhões) em Destes U$ 29 trilhões, os EUA detinham 27% e os outros 5 países citados detinham 35%. 14 Strassman comenta ainda que as empresas listadas em bolsa em todo o mundo faturaram U$ 24 trilhões em 1998 (83% do PIB mundial). Destas, quase metade é formada por empresas americanas (49%) e 30% pertencem aos outros cinco países mencionados. O capital de conhecimento detido por estas empresas foi de U$ 12 trilhões (metade do faturamento destas empresas) em 1998, de forma crescente. As empresas americanas respondem por 57% deste total e as dos outros países 12%. Ou seja, 70% do capital de conhecimento está concentrado nestes seis países. Uma situação parece estar se desenhando: os países em desenvolvimento, como o Brasil, concentrariam suas atividades na industrialização tradicional, enquanto os países ricos dominariam a economia do conhecimento. Se isto ocorrer aumentará de maneira nunca vista, e em velocidade inédita, o fosso que divide os dois mundos, aumentando ainda mais a dependência de um em relação ao outro. 4. Conclusões 14. Idem 13. O conhecimento sempre foi importante para o desenvolvimento econômico, mas apenas nos últimos anos, quando as atividades econômicas tornaram-se mais intensivas em conhecimento, sua centralidade foi reconhecida. Esta nova sociedade, onde o conhecimento passa a ser o motor da economia, possibilita que pessoas, empresas, paises, tendo acesso a este ativo, tenham condições de redefinir seus papéis para se adaptarem às novas regras do jogo. Surge concretamente a oportunidade de virar o jogo ou, pelo menos, torná-lo mais equilibrado. A sociedade do conhecimento traz a ameaça de aprofundar o fosso entre países pobres e ricos, se aceitarmos passivamente o papel que nos é reservado, de país consumidor de bens intensivos em conhecimento. Mas pode ser a oportunidade de nos transformarmos em um país desenvolvido e justo, caso saibamos aproveitar nossa capacidade de adaptação às mudanças e joguemos o novo jogo do desenvolvimento com uso do conhecimento. A primeira pergunta que devemos responder é qual deve ser o papel do Brasil nesta nova sociedade: produtor ou consumidor de produtos e serviços intensivos em conhecimento? Não se trata aqui de dar exclusividade a setores claramente intensivos em conhecimento como a indústria de informática, a biotecnologia, o setor aeroespacial, a cultura ou o turismo. Estes são, seguramente, setores onde temos condições de competir em pé de igualdade com os grandes, e que podem gerar muita riqueza, desde que criemos as condições ambientais adequadas. Crescer com mais conhecimento e menos desigualdade significa também dar formação, informação e crédito adequado aos nossos micro e pequenos empresários. As micro e pequenas

7 empresas que produzem pedras no norte fluminense conseguem exportar suas pedras brutas, que voltam depois de transformadas por pequenas e médias empresas italianas, a um preço quase 10 vezes maior para ornamentar a fachada de nosso prédios e hotéis. Precisamos criar estruturas de apoio a estas empresas de maneira a identificar oportunidades de negócio aqui dentro e lá fora, capacitando-os a agregar valor a seus produtos e garantindo crédito adequado para suas exportações. Crescer com mais conhecimento e menos desigualdade passa por capacitar melhor nossa juventude. Quando 61% dos jovens e adultos brasileiros não concluíram o ensino fundamental. 15 Que perspectiva de trabalho podem ter estes cidadãos? Precisamos garantir uma maior eficiência e eficácia em nossos gastos com educação, de forma a diminuir a deficiência de nosso sistema educacional básico, principal causa da desigualdade no mercado de trabalho 16. Num mundo onde o processo de criação de riqueza passa, principalmente, pelo conhecimento, seria um equívoco não nos preocuparmos com a redução da brutal desigualdade no acesso e uso do conhecimento. Esta nova sociedade pode ser uma ameaça para países como o Brasil mas pode se transformar na nossa grande oportunidade de virar o jogo promovendo um desenvolvimento com mais conhecimento e menos desigualdade. 15. André Urani, Menos Desigualdade para o Brasil, IETS Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade, Policy paper, julho de Idem.

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO...

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO... Economia do Brasil INTRODUÇÃO A economia de um país pode ser dividida em setores (primário, secundário e terciário) de acordo com os produtos produzidos, modos de produção e recursos utilizados. Estes

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Poupança e Investimento

Poupança e Investimento Poupança e Investimento Fernando Alexandre Ordem dos Economistas, Lisboa 19 de abril 2017 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma

Leia mais

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro/2011 Cenário para as Micro e Pequenas Empresas Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Números das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2 Micro e pequenas empresas (até 99 funcionários)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO EM SANTA CATARINA: CARACTERÍSTICAS E CAMINHOS PARA A RETOMADA DO CRESCIMENTO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO EM SANTA CATARINA: CARACTERÍSTICAS E CAMINHOS PARA A RETOMADA DO CRESCIMENTO AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO EM SANTA CATARINA: CARACTERÍSTICAS E CAMINHOS PARA A RETOMADA DO CRESCIMENTO Silvio Antonio Ferraz Cario NEIITEC-UFSC FLORIANÓPOLIS - SC Argumentos: Perda de

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA!

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Um breve passeio pela história... 70 e 80 = país sustentado por sua vocação agrícola. 1989 = inflação alcançava quase 2.000% ao ano! 1990 = abertura às importações

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Poupança e financiamento da economia portuguesa

Poupança e financiamento da economia portuguesa Poupança e financiamento da economia portuguesa Fernando Alexandre (U Minho), Luís Aguiar-Conraria (U Minho), Miguel Portela (U Minho) e Pedro Bação (U Coimbra) Associação Portuguesa de Seguradores 21

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr.

Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr. Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr. O Nível de desenvolvimento dos países em sua maioria é medido pelo seu IDH. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Organização das Nações

Leia mais

Definição da Classe Média no Brasil. São Paulo, junho de 2012.

Definição da Classe Média no Brasil. São Paulo, junho de 2012. Definição da Classe Média no Brasil São Paulo, junho de 2012. Evidência sobre o surgimento de uma Nova Classe Média Porcentagem de pobres (%) Evolução da pobreza - Brasil: 1999-2009 50 48 46 44 42 40 38

Leia mais

Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia

Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia Observatório do Meio Rural Universidade Politécnica Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia João Mosca Lisboa, 28 de Março de 2017 Apresentação 1. Análise macroeconómica: aspectos essenciais.

Leia mais

COLÔMBIA. Comércio Exterior

COLÔMBIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COLÔMBIA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA 8 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A crise econômico-financeira originada nos Estados Unidos, em 2008, denominada Crise dos Subprime, afetou toda a economia mundial. A atual crise da União Europeia, chamada

Leia mais

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Em 2010, segundo divulgação do IBGE, o PIB brasileiro cresceu 7,5% em relação a 2009. O PIB atingiu R$ 3,675 trilhões (ou, à taxa de câmbio de R$

Leia mais

Marcos De Marchi Presidente do Conselho Diretor da Abiquim

Marcos De Marchi Presidente do Conselho Diretor da Abiquim Marcos De Marchi Presidente do Conselho Diretor da Abiquim A QUÍMICA OCUPA POSIÇÃO DE DESTAQUE NA INDÚSTRIA BRASILEIRA 3º maior PIB Industrial 10,4% 2,5% do PIB Brasil US$ 58,6 bilhões Produtos Químicos

Leia mais

Empreendedorismo [7]

Empreendedorismo [7] [7] O Empreendedor DEGEN lembra que a riqueza de uma nação é medida pela capacidade de produzir, em quantidade suficiente, os bens e serviços necessários ao bem-estar de sua população A desigualdade de

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

População mundial crescerá 34% até 2050.

População mundial crescerá 34% até 2050. Agronegócio no Mundo Protagonista no Cenário Mundial População mundial crescerá 34% até 2050. 10.000 9.000 8.000 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000-9.150 7.670 6.830 195 210 219 2009 2020 2050 Mundo

Leia mais

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB Introdução à Macroeconomia Mensuração do PIB Microeconomia vs. Macroeconomia Microeconomia: O estudo de como famílias e empresas tomam decisões e de como interagem nos mercados. Macroeconomia: O estudo

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

PERU. Comércio Exterior

PERU. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PERU Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

MÉXICO. Comércio Exterior

MÉXICO. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC MÉXICO Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA 31 de outubro de 2016 INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA Paulo Mól Superintendente do IEL A economia brasileira está perdendo competitividade ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2016/17

Leia mais

ITÁLIA Comércio Exterior

ITÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ITÁLIA Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Para o economista francês Thomas Piketty, o Brasil precisa ampliar os impostos sobre

Para o economista francês Thomas Piketty, o Brasil precisa ampliar os impostos sobre \'Brasil precisa taxar ricos para investir no ensino público\', diz Piketty Para crítico-sensação do capitalismo, políticas para combater desigualdade são essenciais para impulsionar crescimento do país

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE ECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE ECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE ECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA CURSOS DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA ANO LETIVO:

Leia mais

A Civilização Tecnológica

A Civilização Tecnológica A Civilização Tecnológica Nas últimas décadas, o saber se tornou a principal força produtiva. Como insumo indispensável ao poderio produtivo, o conhecimento já é e será o principal fator competitivo entre

Leia mais

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé).

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). O termo está vinculado à situação econômica e social das nações ricas ; Para atingir este estado, um país precisa de: 1. Controle

Leia mais

REGIÃO SUL DO BRASIL

REGIÃO SUL DO BRASIL REGIÃO SUL DO BRASIL População Estimada nas grandes regiões, em 2013 População Norte 16.983.484 8,4 Nordeste 55.794.707 27,8 Sudeste 84.465.570 42,0 Sul 28.795.762 14,3 Centro-Oeste 14.993.191 7,5 BRASIL

Leia mais

SUÉCIA Comércio Exterior

SUÉCIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SUÉCIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA.

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA. Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará (CRC-CE) SUMÁRIO Introdução Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@gmail.com STN: princípios

Leia mais

O crescimento brasileiro é sustentável?

O crescimento brasileiro é sustentável? O crescimento brasileiro é sustentável? Adalmir Marquetti * RESUMO - O presente texto discute as condições necessárias para a continuidade da retomada do crescimento nos próximos anos. Aponta-se que há

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Junho/2012 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Jun/12 = R$ 7.158 milhões -0,5% sobre Mai/12 3,8%

Leia mais

09/02/2014. Prévia. Quem comercializa com quem? O tamanho importa: o modelo de gravidade

09/02/2014. Prévia. Quem comercializa com quem? O tamanho importa: o modelo de gravidade Capítulo 2 Comércio mundial: uma visão geral Prévia Os maiores parceiros comerciais do Brasil e dos Estados Unidos Modelo de gravidade: a influência do tamanho de uma economia no comércio a distância e

Leia mais

Perfil Econômico: Estados Unidos

Perfil Econômico: Estados Unidos 1970 1974 1978 1982 1986 1990 1994 1998 2002 2006 2010 1970 1973 1976 1979 1982 1985 1988 1991 1994 1997 2000 2003 2006 2009 Perfil Econômico: Estados Unidos A seguir, iremos analisar as diferentes formas

Leia mais

conomia e Finanças FATEC-SP 2012 FATEC-SP 2011 Justificativa para atualização curricular do curso de TI

conomia e Finanças FATEC-SP 2012 FATEC-SP 2011 Justificativa para atualização curricular do curso de TI Economia e Finanças FATEC-SP 2012 conomia e Finanças TI da FATEC-SP Justificativa para atualização curricular do curso de TI Profissional fazer estudos de necessidades e viabilidade técnico-econômica TI

Leia mais

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Como gasta a UE o seu dinheiro? Orçamento da UE para 2010: 141,5 mil milhões de euros = 1,20% do Rendimento Nacional Bruto Acção da UE na

Leia mais

Vale do Aço. Fevereiro/2016

Vale do Aço. Fevereiro/2016 Fevereiro/2016 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Perfil da economia brasileira nos governos Lula e Dilma 1 A economia brasileira no ciclo de governo

Leia mais

Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação

Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação Paulo Jannuzzi Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI/MDS www.mds.gov.br/sagi www.mds.gov.br/sagi

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Fevereiro/2013 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Média Jan-Fev 2008 6.188 2009 4.446 2010 5.178

Leia mais

2) Cite três conseqüências da desigualdade socioeconômica presente entre os povos nos países em desenvolvimento. (0,8)

2) Cite três conseqüências da desigualdade socioeconômica presente entre os povos nos países em desenvolvimento. (0,8) TEXTO PARA AS QUESTÕES 1 A 4 De acordo com a ONU (2007), a população mundial é de aproximadamente 6,6 bilhões de pessoas. Desse total mais de 5,0 bilhões vivem em nações subdesenvolvidas. Apesar da existência

Leia mais

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Crescimento e competitividade da economia moçambicana 2001-2010 João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Que padrão de crescimento Factores do crescimento e da competitividade (com enfoque macro ex

Leia mais

TOMATE PARA INDÚSTRIA

TOMATE PARA INDÚSTRIA FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO TOMATE PARA INDÚSTRIA CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

OS IMPACTOS DA CRISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE 2007/2008 NO DESENVOLVIMENTO GAÚCHO: O CASO DO

OS IMPACTOS DA CRISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE 2007/2008 NO DESENVOLVIMENTO GAÚCHO: O CASO DO OS IMPACTOS DA CRISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE 2007/2008 NO DESENVOLVIMENTO GAÚCHO: O CASO DO SETOR INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA/RS ARGEMIRO LUÍS BRUM 1 CÁTIA GUADAGNIN ROSSA 2 Resumo Palavras-chave:

Leia mais

Prof. Dr. Fernando Sarti

Prof. Dr. Fernando Sarti Os Desafios do Pré-sal: Riscos e Oportunidas para o País Sessão 3: O Brasil po se tornar uma referência em petróleo em águas profundas? As Políticas Industrial e Inovação Prof. Dr. Fernando Sarti Unicamp,

Leia mais

Lista de exercícios No. 4. EN Energia, meio ambiente e sociedade

Lista de exercícios No. 4. EN Energia, meio ambiente e sociedade Lista de exercícios No. 4 EN 2425 - Energia, meio ambiente e sociedade 4.1) a)explique o que é produto interno bruto e função de produção. Explique como as variáveis K, N e R afetam a função de produção.

Leia mais

Produção e Crescimento. 24. Produção e Crescimento. Crescimento Econômico no Mundo. Crescimento no Mundo. A Regra dos 70: Exemplo.

Produção e Crescimento. 24. Produção e Crescimento. Crescimento Econômico no Mundo. Crescimento no Mundo. A Regra dos 70: Exemplo. 24. Produção e Crescimento Produção e Crescimento O padrão de vida dos indivíduos de um país depende da habilidade desse país em produzir bens e serviços Em todos os países há muita variação no padrão

Leia mais

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Comércio Exterior

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice.

Leia mais

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley-

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley- Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios - Prof. Claudio Burian Wanderley- Questão relevante para entender o caso brasileiro: Teorema do eleitor mediano. Países democráticos

Leia mais

Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas semelhanças nos seus resultados.

Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas semelhanças nos seus resultados. ANO 5 NÚMERO 36 ABRIL DE 215 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO PARA A INDÚSTRIA QUÍMICA

A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO PARA A INDÚSTRIA QUÍMICA A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO PARA A INDÚSTRIA QUÍMICA A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA O BRASIL A indústria química é um dos mais importantes e dinâmicos setores da economia brasileira, representando

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae SEBRAE 2022 Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/115/

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2012 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Dez/12 = R$ 6.895 milhões 7,9% sobre Nov/12-5,3%

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades.

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades. Seminário Internacional. Desarrollo Económico Territorial: nuevas praxis em América Latina y el el Caribe em el siglo XXI CEPAL/ILPES, Santiago de Chile, 19 al 21 de octubre de 2010 Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões),

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), Dezembro / 2014 Resultados de Dezembro de 2014 - Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), redução de 19,9%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

ALEMANHA Comércio Exterior

ALEMANHA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ALEMANHA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

O MERCADO INTERNACIONAL DE MINÉRIO DE FERRO E SUAS PERSPECTIVAS

O MERCADO INTERNACIONAL DE MINÉRIO DE FERRO E SUAS PERSPECTIVAS O MERCADO INTERNACIONAL DE MINÉRIO DE FERRO E SUAS PERSPECTIVAS Maio, 2014 N T I A L S T R I C T L Y P R I V A T E A N D C O N F I D E N HRC - China Níquel Cobre Alumínio Minério de Ferro Apr-14 Jan-14

Leia mais

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP)

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) Hildo Meirelles de Souza Filho PIB Produto Interno Bruto (PIB) é o valor total do fluxo de produção atual de bens e serviços finais obtido dentro do território

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2016 Resumo de desempenho Janeiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais

CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE

CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE A Questão Ambiental Meio Ambienta SUSTENTABILIDADE CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE HISTÓRICO DO AMBIENTALISMO 1925 Protocolo de Genebra. 1964 Conferência das Nações Unidas sobre comercio

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

Presença da China na América do Sul

Presença da China na América do Sul Presença da China na América do Sul 1 1 Em 2008, 3% das exportações chinesas foram destinadas à América do Sul... Principais Destinos das Exportações Chinesas (2008) Estados Unidos 17,7% Japão 8,1% Coréia

Leia mais

Desenvolvimento Econômico Brasileiro: Desafios da Transição para a Renda Alta

Desenvolvimento Econômico Brasileiro: Desafios da Transição para a Renda Alta Desenvolvimento Econômico Brasileiro: Desafios da Transição para a Renda Alta Fernando A. Veloso IBRE/FGV O Brasil de Amanhã: Uma Homenagem da FGV/EPGE ao Professor João Paulo dos Reis Velloso 10 de Abril

Leia mais

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 Nos nove primeiros meses de 2002, a economia brasileira cresceu 0,9% em relação ao mesmo período de. No terceiro trimestre de 2002, o aumento foi

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 19/05/2016 Próxima Atualização 15/06/2016 Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe Preparado pelo PE Probe para

Leia mais

COSAG. Cenário Macroeconômico. 02 de junho de 2014

COSAG. Cenário Macroeconômico. 02 de junho de 2014 COSAG Cenário Macroeconômico 02 de junho de 2014 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 EUA Maior contribuição do governo e do consumo para o crescimento; Os indicadores macroeconômicos de

Leia mais

Renda Nacional. Copyright 2004 South-Western

Renda Nacional. Copyright 2004 South-Western Renda Nacional 15 Microeconomia Renda Nacional Microeconomia é estudo da decisão individual de consumidores e firmas e da interação entre eles no mercado. Macroeconomia Macroeconomia é o estudo da economia

Leia mais

Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Profa. Lérida Malagueta

Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Profa. Lérida Malagueta Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Sistemática de importação e exportação - conteúdo O Comércio Internacional Legislação e a estrutura brasileira Termos internacionais

Leia mais

Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina. Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco

Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina. Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco Abril 2013 1 Roteiro Internacional Recuperação moderada. Riscos de quebra menores, mas volatilidade

Leia mais

- Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões),

- Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões), Janeiro / 2015 Resultados de Janeiro de 2015 - Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões), redução de 10,4%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO WALTER ANTÔNIO ADÃO SUPERINTENDENTE DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUARIO E DA SILVICULTURA SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO CENÁRIOS - AGRONEGÓCIO 2

Leia mais

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 23 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA O PIB brasileiro registrou crescimento de,4% no terceiro trimestre de 23, na comparação com o trimestre anterior (ajustado

Leia mais

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 O papel da construção no desenvolvimento sustentado Há cinco anos, o setor da construção iniciou um ciclo virtuoso de crescimento: Esse ciclo foi pavimentado

Leia mais

Variedades de Capitalismo. Aula 7 Itália. Prof.: Rodrigo Cantu

Variedades de Capitalismo. Aula 7 Itália. Prof.: Rodrigo Cantu Variedades de Capitalismo Aula 7 Itália Prof.: Rodrigo Cantu Características principais Economia de mercado mediterrânea (EMM) Relações conflituosas - fragmentação Coordenação estatal Política social limitada

Leia mais

INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX

INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX Icomex de julho, referente a junho de 2017 Número 3 12.junho.2017 Em junho, o volume exportado cresce forte e o importado desacelera. Destaques O primeiro destaque

Leia mais

Anuário Estatístico do Turismo de Bonito

Anuário Estatístico do Turismo de Bonito Anuário Estatístico do Turismo de Bonito Ano Base - 2016 Realização: Apoio: ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO TURISMO DE BONITO ANO BASE 2016 O Anuário Estatístico do Turismo é a compilação dos dados coletados pelo

Leia mais

GEOGRAFIA GERAL PROFESSOR JHONNY

GEOGRAFIA GERAL PROFESSOR JHONNY GEOGRAFIA GERAL PROFESSOR JHONNY AULA 6: EUA DADOS Área: 9.372.614 km² Capital: Washington D.C População: 320 milhões (2016) Moeda: dólar norte-americano ( USD ) Divisão Administrativa: 50 estados MAPA

Leia mais

Sondagem Indústria da Construção CNI. 23/maio/2014

Sondagem Indústria da Construção CNI. 23/maio/2014 Sondagem Indústria da Construção CNI 23/maio/2014 Sondagem Indústria da Construção 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção ENIC Confederação Nacional da Indústria Goiânia 23 de maio de 2014 Indicadores

Leia mais

impacto econômico e social

impacto econômico e social Depósito de patentes no Brasil e seu impacto econômico e social Jorge Arbache UnB e Arbache Consultoria II Congresso Brasileiro de Propriedade Intelectual Tubarão, 29/10/2015 Globalização nova etapa De

Leia mais

Desafios do crescimento. Março de 2008

Desafios do crescimento. Março de 2008 Insumos da Construção Desafios do crescimento Março de 2008 Insumos da construção: desafios do crescimento Crescimento da construção A pressão dos preços O mercado de materiais de construção O que pode

Leia mais

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 4 Comparações Internacionais

Leia mais

Debate sobre Poupança. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP

Debate sobre Poupança. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Debate sobre Poupança Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Por que nossa taxa de poupança é tão baixa, comparada aos

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA

PANORAMA MUNDIAL DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA PANORAMA MUNDIAL DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA Robério Ferreira dos Santos e Joffre Kouri Embrapa Algodão, chgeral@cnpa.embrapa.br, joffre@cnpa.embrapa.br. RESUMO - Tendo como referência os dados publicados

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais