Ações para Eliminar as Perdas Físicas de Vacinas no Município de Florianópolis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ações para Eliminar as Perdas Físicas de Vacinas no Município de Florianópolis"

Transcrição

1 Ações para Eliminar as Perdas Físicas de Vacinas no Município de Florianópolis Aluna: Kátia Regina Anastácio Soares 1 Orientador: Luis Carlos Cancellier de Olivo 2 Tutora: Maria Luciana Biondo da Silva 3 Resumo O objetivo deste estudo foi dimensionar as perdas físicas de vacinas e identificar quais os fatores que contribuíram para essas perdas no ano de 2011 no município de Florianópolis. Conforme os dados analisados das notificações de imunobiológicos expostos à temperatura inadequada, a causa mais frequente foi por falha no equipamento. Dessa forma, este artigo contribui com sugestões de ações para eliminar ou diminuir as perdas físicas de vacinas. Sugere também ações que possam ser desenvolvidas e estabelecer normas que analisam a origem da falha ou defeito, e buscar novas tecnologias que viabilizem a manutenção preventiva dos equipamentos utilizados para armazenar os imunobiológicos. Além disso, propõe-se um estudo sobre a relação custo efetividade para analisar os gastos com as perdas físicas versus a manutenção ou até mesmo substituição dos equipamentos. Palavras-chave: Vacinas. Armazenamento. Perdas Físicas. Abstract The objective of this study was to scale the physical losses of vaccines and identify the factors that contributed to those losses in 2011 in Florianópolis. According to data analyzed notifications of immunobiological exposed to inappropriate temperature, the most frequent cause was a fault in the equipment. Thus, following suggestions and actions to eliminate or reduce physical losses of vaccines. Suggest actions that can be developed and set standards that analyze the source of the fault or defect, and seek new technologies that can enable preventive maintenance of equipment used to store Immunobiological. Propose a cost effectiveness study to analyze spending on physical losses versus the maintenance or even replacement of equipment. Key words: Vaccines. Storage. Physical Losses. 1 Graduada em Enfermagem pela Universidade do Vale do Itajaí (2004). yahoo.com.br. 2 Doutor em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003). uol.com.br. 3 Graduada em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí (2000). Especialização (Lato Sensu) em Gestão de Pessoas nas Organizações pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011).

2 Ações para Eliminar as Perdas Físicas de Vacinas no Município de Florianópolis 1 Introdução Segundo o Ministério da Saúde, vacinação é a ação mais eficaz de se prevenir e evitar as doenças imunopreveníveis, tais como: poliomielite, sarampo, tuberculose, varicela, rubéola, hepatite B, tétano e outras doenças. No entanto, as campanhas de vacinação eram desenvolvidas de forma descontinuada e com baixa cobertura por iniciativa dos governos estaduais. Dessa forma, foi necessária a implantação de um programa que coordenasse de maneira centralizada e proporcionasse regras para todo o território nacional. (BRASIL, 2003) O Programa Nacional de Imunização (PNI) foi criado em setembro de 1973 com a finalidade de coordenar as ações para imunizar a população, controlar e, até mesmo, erradicar as doenças imunopreveníveis. Esse programa é citado como referência mundial pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). (SI-PNI, 2012) Ele é orientado por normas técnicas estabelecidas nacionalmente no que se refere à conservação, à manipulação, ao transporte e ao armazenamento, garantindo imunobiológicos de qualidade até o momento da administração, sendo a conservação feita por meio de refrigeração. (BRASIL, 2003) A refrigeração dos imunobiológicos (vacinas) destina-se exclusivamente à conservação de sua capacidade de imunizar. Por serem produtos termolábeis, o calor acelera a inativação dos componentes dos imunobiológicos após determinado tempo expostos à temperatura fora do preconizado, e essa alteração pode ocorrer tanto pela alta como pela baixa temperatura. O PNI preconiza que todas as vacinas nas estâncias de armazenamento devem ser conservadas em temperatura de + 2 ºC até + 8 ºC em câmaras frias na rede de distribuição denominada de rede de frio e em refrigeradores domésticos de 280 litros nas unidades básicas de saúde, sendo de uso exclusivo para as vacinas. (ROCHA et al., 2001) O PNI define perdas físicas de vacina por quebra de frasco, falha do equipamento de refrigeração, problemas no transporte, armazenamento inadequado na caixa térmica, falta de energia elétrica e procedimento impróprio. As perdas técnicas são definidas como: perda por validade do frasco após aberto e validade do fabricante. (ROCHA et al., 2001) 94 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9

3 Kátia Regina Anastácio Soares # Luis Carlos Cancellier de Olivo # Maria Luciana Biondo da Silva E, para cada vez mais se ter o controle dos imunobiológicos, foi criado o Sistema de Informação de Apuração de Imunobiológicos Utilizados (SI-AIU). O SI-AIU é um sistema que permite o controle da movimentação de imunobiológicos a partir da sala de vacinas, apurando a utilização, as perdas técnicas e as perdas físicas, com consolidações municipal, estadual e nacional. Esse instrumento permite ao gestor um perfeito entendimento do aproveitamento das vacinas e dos soros do programa nacional de imunizações. Conforme norma da rede de frio, preconizada pelo Programa Nacional de Imunização, todo imunobiológico que sofre alteração de temperatura deve ser colocado sob suspeita e avaliado. A decisão de inutilizar os imunobiológicos expostos depende da temperatura no momento da exposição, do tempo de exposição, da reincidência, do lote e da validade. 2 Revisão de Literatura O resgate teórico de alguns temas é importante para uma melhor compreensão deste estudo. Por esse motivo, a seguir serão apresentadas: breve definição de vacina e dos tipos de perdas desse imunobiológico, conceituação e descrição de distribuição e de armazenamento das vacinas na Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis. 2.1 Breve Definição de Vacina É definida pelo Ministério da Saúde como uma substância produzida em laboratório com bactérias ou vírus (ou parte deles), podendo ser de vírus não vivo ou vírus vivo atenuado. Tem como finalidade ativar uma resposta do sistema imunológico, promovendo a produção de anticorpos contra o vírus que foi introduzido no organismo. Dessa forma, se desenvolve a chamada memória imunológica, que produz a imunidade permanente contra as doenças imunopreveníveis ou ameniza a forma grave da doença, pois não se garante 100% de imunidade após a vacinação. A vacina tem como finalidade reduzir a morbimortalidade causada pelas doenças imunopreveníveis, mas para garantir sua eficácia é necessário que ela seja manipulada com segurança desde o processo de fabricação, arma- Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9 95

4 Ações para Eliminar as Perdas Físicas de Vacinas no Município de Florianópolis zenamento, transporte, distribuição, até o momento de sua administração na população. (BRASIL, 2004) 2.2 Distribuição e Armazenamento das Vacinas da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis A vacina, assim como qualquer produto, percorre um longo caminho até chegar a sua unidade de destino para ser disponibilizada à população. Por se tratar de um produto com particularidades bem definidas, são necessários cuidados específicos para garantir sua qualidade e eficácia. A distribuição se dá verticalmente, iniciando na instância nacional, seguindo para a estadual, que por sua vez distribui para as instâncias municipais, as quais ficam responsáveis pela distribuição de sua rede, suas unidades básicas de saúde. Neste trabalho a instância municipal será o objeto de estudo. (BRASIL, 1998) Conforme Rocha et al. (2001), a rede de frio ou cadeia de frio é definida como o processo de armazenamento, conservação, distribuição, manipulação e transporte dos imunobiológicos. O PNI determina que os imunobiológicos devam estar acondicionados em temperatura adequada desde o laboratório fabricante até o momento em que a vacina é administrada. Na rede de frio do município de Florianópolis, existem três câmaras frias que mantêm as vacinas nas temperaturas recomendadas entre +2ºC a +8ºC. Além disso, há ainda dois freezers para armazenamento das bobinas de gelo (gelox), utilizados para o transporte das vacinas até as unidades básicas de saúde. Nas unidades básicas, as instalações físicas destinadas para sala de vacinação também precisam seguir os padrões definidos pelo PNI: sala com no mínimo 9 m², de uso exclusivo para vacinação, iluminação adequada para a metragem de sala, janelas e vidros com proteção contra a luz solar direta, ar-condicionado para manter a temperatura ambiente entre +18 ºC e +20 ºC, parede de alvenaria lisa impermeável e de fácil higienização, pintada com tinta lavável, piso lavável com acabamento liso e não escorregadio. Quanto às geladeiras, estas precisam ser simples do tipo doméstica com capacidade de 280 a 380 litros, congelador de no mínimo 30 litros, com pelo menos três prateleiras, gavetas e prateleira da porta desmontáveis. 96 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9

5 Kátia Regina Anastácio Soares # Luis Carlos Cancellier de Olivo # Maria Luciana Biondo da Silva Ainda seguindo as orientações do PNI, as geladeiras devem ser organizadas da seguinte forma: a. No congelador preencher todo o espaço com gelox na posição vertical; b. Na primeira prateleira devem ser colocadas as vacinas que podem ser submetidas à temperatura negativas, são elas: vacina contra a paralisia infantil (pólio) e febre amarela, estas devem estar dispostas em bandeja perfuradas para permitir a circulação de ar; c. Na segunda e terceira prateleira devem ser acondicionadas, também em bandejas perfuradas, as vacinas que não podem ser submetidas à temperatura negativa, são elas: antitetânica (dt), tríplice bacteriana (DPT ), Hepatite B, Influenza, BCG (contra a tuberculose), tríplice viral (caxumba, rubéola, sarampo), antirrábica, rotavírus, pneumo 10, menigo C, tetravalente (difteria, tétano, pertussis, Haemofilus influenzae tipo B). Também entre estas prateleiras deve ser colocado o sensor de termômetro de máxima e mínima. d. No lugar da gaveta, na parte inferior da geladeira, devem ser colocadas 12 garrafas com água e corante para que contribuam para elevação lenta da temperatura interna do refrigerador quando ocorrer a falta de energia elétrica. (BRASIL, 2007) Recomenda-se que as geladeiras devem ser descongeladas a cada 15 dias ou quando a camada de gelo for superior a 0,5 cm. (BRASIL, 2004) É expressamente proibido armazenar produtos na porta da geladeira, como também quaisquer outros materiais biológicos, medicamentos, ou armazenamento de alimentos. (BRASIL, 2007) Para atuar na sala de vacina, o profissional deverá ser necessariamente da área da saúde (auxiliar, técnico de enfermagem ou enfermeiro) habilitado pelo conselho de classe profissional. Para aplicação de imunobiológicos, deve ser obrigatoriamente capacitado pela Gerência de Vigilância de Doenças Imunopreveníveis e Imunização (GEVIM) do Estado de Santa Catarina. (BRASIL, 2004) 2.3 Breve Definição dos Tipos de Perdas das Vacinas A exigência de condições adequadas de armazenagem para as vacinas garante a durabilidade do produto, o que permite que os valores investidos Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9 97

6 Ações para Eliminar as Perdas Físicas de Vacinas no Município de Florianópolis neste medicamento sejam aproveitados adequadamente. No entanto, problemas no manuseio, ou mesmo no armazenamento do material, podem torná-lo inutilizável. A vacina pode ficar inutilizável pela ruptura do frasco onde está armazenada, o que torna impossível a retenção do medicamento para uso futuro. Outra situação que deixa a vacina inutilizável é a exposição desse medicamento a uma temperatura inadequada durante a sua armazenagem. Apesar de a vacina, quando armazenada em temperatura inadequada, parecer em condições de uso, essa exposição à temperatura imprópria altera suas propriedades, o que compromete sua eficácia na prevenção, ou mesmo no tratamento de doenças, trazendo riscos aos usuários. Por esse motivo, quando uma dessas situações ocorre, perde-se a vacina. Usa-se o termo perda para indicar uma vacina que não tem mais utilidade na prevenção ou no tratamento de doenças. As perdas são classificadas em: a. Perdas técnicas: dá-se após o vencimento da validade, estipulado pelo fabricante, e após transcorrido o tempo de utilização da vacina após aberturado frasco, e após reconstituição que pode ser por hora ou dias. b. Perdas físicas: são aquelas ocorridas por: quebra do frasco, procedimento inadequado, exposição à temperatura inadequada por, falta de energia elétrica, falha no equipamento, acondicionamento inapropriado na hora do transporte. (BRASIL, 2007) Esta pesquisa se deterá somente à análise das perdas físicas. 3 Metodologia O método utilizado na pesquisa foi a análise dos dados documentados nos formulários de imunobiológicos expostos à temperatura inadequada, da rede de frio do município de Florianópolis no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de (YIN, 2001) Trata-se de uma pesquisa aplicada, por permitir buscar soluções concretas e imediatas. A metodologia utilizada foi a abordagem quantitativa, essa escolha se deu por ser a mais adequada para o estudo. (JACOBSEN, 2011) A rede de frio possui registradas todas as notificações ocorridas e as orientações sobre a conduta a ser tomada frente aos imunobiológicos expostos à temperatura inadequada. 98 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9

7 Kátia Regina Anastácio Soares # Luis Carlos Cancellier de Olivo # Maria Luciana Biondo da Silva Os dados levantados foram colocados em tabelas de Excel e verificou- -se a porcentagem dos eventos ocorridos no período citado. Averiguaram-se 71 notificações de exposição à temperatura inadequada nas unidades básicas de saúde, as quais possuem sala de vacinação. Todas as notificações foram analisadas pela Gerência de Vigilância de Doenças imunopreveníveis e Imunização (GEVIM-SC), conforme tabela apresentada na análise dos dados. Tabela 1: Notificações de exposição de imunobiológicos à temperatura inadequada por tipo de ocorrência em 2011 Tipo de Ocorrência Número de Notificações Falta de energia elétrica 13 18% Desconexão acidental da tomada 0 0% Falha durante o transporte 0 0% Falha no equipamento 37 52% Porta do equipamento ficou aberta 1 1% Desligamento do disjuntor 1 1% Outro 19 27% Total % Ocorrência Fonte: Dados obtidos por meio de pesquisa no Setor de Imunização / Vigilância Epidemiológica / Vigilância em Saúde / SMS Florianópolis. Atualizado em: 28 dez Figura 1: Gráfico com percentual de notificações de exposições à temperatura inadequada por tipo de ocorrência em 2011 Fonte: Dados obtidos por meio de pesquisa no Setor de Imunização / Vigilância Epidemiológica / Vigilância em Saúde / SMS Florianópolis. Atualizado em: 28 dez Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9 99

8 Ações para Eliminar as Perdas Físicas de Vacinas no Município de Florianópolis Tabela 2: Notificações de exposição de imunobiológicos à temperatura inadequada por tipo de alteração em 2011 Temperatura na exposição Número de notificações Temperatura acima do recomendado 8 ºC 39 55% Temperatura abaixo do recomendado 2 ºC 31 44% Temperatura acima e abaixo do recomendado 8 ºC 1 1% Total % Ocorrência Fonte: Dados obtidos por meio de pesquisa no Setor de Imunização / Vigilância Epidemiológica / Vigilância em Saúde / SMS Florianópolis. Atualizado em: 28 dez Figura 2: Gráfico com percentual de notificações de exposições à temperatura inadequada por alteração da temperatura em 2011 Fonte: Dados obtidos por meio de pesquisa no Setor de Imunização / Vigilância Epidemiológica / Vigilância em Saúde / SMS Florianópolis. Atualizado em: 28 dez Análise dos Dados e Alternativas de Soluções Conforme se observou na Tabela 1, 52% das exposições de Imunobiológicos à temperatura inadequada está relacionada com falha no equipamento. Segundo o Manual da Rede de Frio, faz-se necessária a realização de revisão periódica do refrigerador, verificando-se a vedação da borracha e o nivelamento para regulagem da porta, para evitar que ela fique entreaberta, pois a diferença entre a temperatura de dentro do refrigerador e a do ambiente faz com que o ar frio do refrigerador tente se igualar à temperatura ambiente, e isso faz com o que esse ar frio saia e dê lugar ao ar mais quente do ambiente. 100 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9

9 Kátia Regina Anastácio Soares # Luis Carlos Cancellier de Olivo # Maria Luciana Biondo da Silva Destaca-se o alto percentual das ocorrências definidas como Outro fator no formulário de notificação, desse modo faz-se necessária uma breve descrição do que seriam os outros fatores, pois somente a partir desses dados é que se poderá definir uma estratégia e, assim, buscar a solução para eliminar as perdas. A falta de energia é responsável por 18% das perdas físicas, conforme informação da rede de frio. A Central Elétrica de Santa Catarina (Celesc) informa quando vai ocorrer o desligamento da rede para manutenção, a prefeitura é avisada e faz o recolhimento das vacinas e ocorre o desligamento. Porém, quando a falta de energia dá-se pelas intempéries do clima, não há como prever, mas pode-se buscar soluções como, por exemplo, encontrar uma fonte alternativa de energia para que o refrigerador permaneça funcionando até que se restabeleça a energia. Conforme Araújo (2007), é necessário que o profissional que atua em sala de vacina seja treinado e realize periodicamente cursos de atualizações profissionais. O profissional preparado para as tarefas diárias, no seu local de trabalho, poderá facilmente identificar problemas que passariam despercebidos. Dessa forma, o setor de Vigilância Epidemiológica proporciona treinamento para os funcionários que atuam na sala de vacina, buscando melhorar o atendimento e preparar os profissionais para avaliar as condições de armazenamento dos imunobiológicos e verificar se estão em temperatura adequada para o uso ou não. 5 Considerações Finais Os resultados demonstram que as perdas físicas de vacinas no município de Florianópolis apresentam como causa principal a falha em sua conservação, ou seja, a temperatura inadequada para o acondicionamento destas. Nesse caso, as vacinas são colocadas sob suspeita e avalia-se se serão inutilizadas, o que depende da temperatura no momento da exposição, do tempo de exposição, da reincidência, do lote e da validade. Por ser uma ação complexa, é preciso o preenchimento correto e o mais completo possível das notificações de exposição de imunobiológicos à temperatura inadequada para não ocorrer erros na interpretação dos dados e, consequentemente, decisões equivocadas. Dessa forma, a capacitação dos profissionais que atuam nas salas de vacina é uma iniciativa com potencial de mudança, visando assegurar a Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9 101

10 Ações para Eliminar as Perdas Físicas de Vacinas no Município de Florianópolis qualidade das vacinas e a imunização da população com certeza da eficácia dos imunobiológicos. O estudo também evidencia a necessidade de mais pesquisas em relação ao custo efetividade, para analisar os gastos com as perdas físicas versus gastos com manutenção ou, até mesmo, a substituição dos equipamentos, pois o dispêndio com as perdas pode servir como investimento tanto nesta área como ampliar os serviços de saúde. Por isso, a manutenção da qualidade de todo esse sistema é indispensável para que a imunização atinja seu objetivo, ou seja, prevenir e/ou minimizar os agravos à saúde decorrentes das doenças imunopreveníveis. Cabe ressaltar a necessidade de outras pesquisas acerca desse assunto, pois se observou um déficit muito grande de artigos científicos sobre o tema. Referências ARAÚJO, Luís César Gonçalves de. Organização e métodos. São Paulo: Atlas, BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde. Programa Nacional de Imunizações. Rede de frio: noções básicas de refrigeração e procedimentos para conservação de imunobiológicos. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde, Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde. Programa Nacional de Imunizações. Manual de rede de frio: manutenção de equipamentos de refrigeração, ar-condicionado e geração de emergência. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde, Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde. Programa Nacional de Imunizações. Manual para determinação e reparo de avarias em refrigeradores/congeladores fotovoltaicos para a conservação de vacinas. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde; Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9

11 Kátia Regina Anastácio Soares # Luis Carlos Cancellier de Olivo # Maria Luciana Biondo da Silva. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de rede de frio: manutenção de equipamentos de refrigeração, ar-condicionado e geração de emergência. Brasília: Ministério da Saúde, p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). ROCHA, Cristina Maria Vieira da et al. Manual de rede de frio. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde; Fundação Nacional de Saúde, 2001 SI-PNI. Sistema de Informações do PNI Disponível em: < datasus.gov.br>. Acesso em: 10 nov YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 9 103

Atualização em Rede de Frio. Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação

Atualização em Rede de Frio. Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação Atualização em Rede de Frio Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação Rede de Frio REDE DE FRIO Processo de armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

REDE DE FRIO I - ORIENTAÇÕES PARA ADEQUAÇÃO E FORTALECIMENTO DA REDE DE FRIO

REDE DE FRIO I - ORIENTAÇÕES PARA ADEQUAÇÃO E FORTALECIMENTO DA REDE DE FRIO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com REDE

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

FUNASA IMUNIZAÇÕES. Manual de Rede de Frio

FUNASA IMUNIZAÇÕES. Manual de Rede de Frio FUNASA IMUNIZAÇÕES Manual de Rede de Frio Manual de Rede de Frio Brasília, junho 2001 2001. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. 3ª Edição É permitida a reprodução parcial ou total desta obra,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

TÍTULO: REDE DE FRIO: UM ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ENFERMAGEM NA SALA DE VACINA

TÍTULO: REDE DE FRIO: UM ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ENFERMAGEM NA SALA DE VACINA TÍTULO: REDE DE FRIO: UM ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ENFERMAGEM NA SALA DE VACINA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE MARIO SCHENBERG AUTOR(ES):

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação vacinas 0 Situações de Emergência na sala de vacinação Nº ASSUNTO: Padronizar Situações de Emergência na sala de vacinação. RESULTADOS ESPERADOS: Evitar perdas de vacinas. APLICAÇÃO: Este POP aplica-se

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

A Coordenação do PNI tem como objetivo contribuir para o controle, eliminação e/ou erradicação das doenças imunopreveníveis, utilizando estratégias

A Coordenação do PNI tem como objetivo contribuir para o controle, eliminação e/ou erradicação das doenças imunopreveníveis, utilizando estratégias IMUNIZAÇÕES Manual de Rede Programa Nacional de Imunizações (PNI) O PNI foi instituído em 1973, com a finalidade de coordenar ações que se desenvolviam, até então, com descontinuidade, pelo caráter episódico

Leia mais

IMUNIZAÇÃO. I Introdução

IMUNIZAÇÃO. I Introdução IMUNIZAÇÃO I Introdução A SMSA/BH desenvolve a atividade de imunização em todos os centros de saúde da rede municipal pública e em 10 serviços conveniados, oferecendo à população todas as vacinas preconizadas

Leia mais

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais.

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um Sistema

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

ARTIGOS ORIGINAIS. IV do Município do Recife. Assessing the vaccine cold chain of a municipal immunization program: IV sanitary district, Recife

ARTIGOS ORIGINAIS. IV do Município do Recife. Assessing the vaccine cold chain of a municipal immunization program: IV sanitary district, Recife ARTIGOS ORIGINAIS Avaliação da Rede de Frio do Programa Municipal de Imunização do Distrito Sanitário IV do Município do Recife Assessing the vaccine cold chain of a municipal immunization program: IV

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

Informação sobre Vacinação

Informação sobre Vacinação Informação sobre Vacinação Folheto nº 1 julho 2013 CADEIA DE FRIO ARMAZENAMENTO E MANIPULAÇÃO DAS VACINAS É importante que as vacinas sejam armazenadas e manipuladas corretamente, desde o momento que chegam

Leia mais

Informação sobre Vacinação

Informação sobre Vacinação Informação sobre Vacinação Orientação técnica nº 1 julho 2013 CADEIA DE FRIO ARMAZENAMENTO E MANIPULAÇÃO DAS VACINAS É importante que as vacinas sejam armazenadas e manipuladas corretamente, desde o momento

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

A cadeia de frio das vacinas: manter redes de frio

A cadeia de frio das vacinas: manter redes de frio A ENFERMAGEM É IMPORTANTE A Enfermagem é importante fornece informação breve de referência, com uma perspectiva internacional da profissão de enfermagem sobre questões sociais e de saúde actuais A cadeia

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

FACULDADE PERNAMBUCANA - FAPE CLÍNICA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO

FACULDADE PERNAMBUCANA - FAPE CLÍNICA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO 1 INTRODUÇÃO A atenção à saúde de um indivíduo e da população está focada em quatro importantes áreas assistenciais: a promoção e proteção da saúde, a prevenção de doenças, o diagnóstico

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 Regulamenta o funcionamento dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais - CRIE. O Presidente da Fundação Nacional

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Protocolo. Vacinação em TCTH

Protocolo. Vacinação em TCTH Protocolo Vacinação em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Este protocolo envolve: Vacinação em pacientes e familiares candidatos e tratados com transplante de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas Cartilha de Vacinas Para quem quer mesmo saber das coisas 1 Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde, 2003 Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: TRANSPORTE BLH-IFF/NT- 19.04 - Transporte do Leite Humano Ordenhado BLH-IFF/NT- 20.04 - Controle de Temperatura das Caixas Isotérmicas FEV 2004 BLH-IFF/NT-

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Enfermeiro Adilson Adair Böes Enfermeiro João de Deus Reck Lima Junior Rotina

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

Reformar o Laboratório de Entomologia e reposição de mobiliário e equipamentos;

Reformar o Laboratório de Entomologia e reposição de mobiliário e equipamentos; PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação é parte integrante do Ofício 1.407 de 04 de dezembro do corrente ano que solicitou ao Ministério da Saúde recurso financeiro para auxiliar o Estado em decorrência

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

Enfermagem. Imunização 2016

Enfermagem. Imunização 2016 Enfermagem Imunização 2016 Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo de ser estudado em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes. Esta

Leia mais

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde A PREVENÇÃO DA HEPATITE B ATRAVÉS DA IMUNIZAÇÃO EM CASO DE ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO DOS TRABALHADORES

Leia mais

MÓDULO I ATUALIZAÇÃO EM REDE DE FRIO

MÓDULO I ATUALIZAÇÃO EM REDE DE FRIO MÓDULO I ATUALIZAÇÃO EM REDE DE FRIO Elaboração: Coordenação de Normatização/Subcoordenação de Capacitação/GIRF/SUVISA/SES Atualização: Abril/2015 Objetivos deste Módulo Atualizar noções básicas sobre

Leia mais

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira 9 A Vacinação na Saúde da Criança e o Papel da Enfermagem PROTENF Ciclo 7 Volume 2 Resumo Amanda Souza Rodrigues Fabiano Oliveira Novaes Maria Inês Corrêa Cárcamo Nadja de Carvalho Moreira Suzana Curtinhas

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Palavras-Chave: Vacinas, Esquema Vacinal, Saúde da Criança, Reações Adversas.

Palavras-Chave: Vacinas, Esquema Vacinal, Saúde da Criança, Reações Adversas. INQUÉRITO EPIDEMIOLÓGICO DAS REAÇÕES ADVERSAS PÓS-VACINAL EM CRIANÇAS COM IDADE ENTRE 0 E 5 ANOS Gisele Miranda FPP; Leandro Rozin FPP. RESUMO: A imunização é considerada uma das principais estratégias

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água 2 Conteúdos 1 Boas Práticas de Utilização... 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água... 1.2 Normas de Segurança... 1.3 Recomendações de Ergonomia... 1.4 Normas de Utilização... 2 Resolução de

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Inventário de PCB. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria

Inventário de PCB. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Inventário de PCB Brasília, 28 de novembro de 2014. Legalmente amparado Convenção

Leia mais

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia.

Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia. Monitoramento como Ferramenta Importante na Melhoria das Boas Práticas em Vacinação no SUS-Bahia. 9º Curso Básico de Imunizações Selma Ramos de Cerqueira O QUE É MONITORAMENTO? É O CONJUNTO DE ATIVIDADES

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES ACREDITAMENTO DE SERVIÇOS PRIVADOS DE IMUNIZAÇÃO HUMANA I. CONDIÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DO ACREDITAMENTO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES ACREDITAMENTO DE SERVIÇOS PRIVADOS DE IMUNIZAÇÃO HUMANA I. CONDIÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DO ACREDITAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES EDITAL 02/2013 ACREDITAMENTO DE SERVIÇOS PRIVADOS DE IMUNIZAÇÃO HUMANA Por intermédio deste edital, a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) aprimora e divulga o

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA COBERTURA VACINAL INFANTIL DE CRIANÇAS DE 0 A 1 ANO DE IDADE NA USF VILA SÃO JOÃO EVANGELISTA RESUMO

VERIFICAÇÃO DA COBERTURA VACINAL INFANTIL DE CRIANÇAS DE 0 A 1 ANO DE IDADE NA USF VILA SÃO JOÃO EVANGELISTA RESUMO VERIFICAÇÃO DA COBERTURA VACINAL INFANTIL DE CRIANÇAS DE A ANO DE IDADE NA USF VILA SÃO JOÃO EVANGELISTA Carell Peres Marra Emilse Aparecida Silva Melo Alinne Cardoso Queiroz Carlessandro Coluna Machado

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO

CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO Experiências no transporte de sangue e componentes para fins terapêuticos. Fundação Hemocentro de Brasília Fábio de França Martins Gerência

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010 PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010 Assunto: Antissepsia da pele antes de vacina por via intramuscular. 1. Do fato Solicitado parecer por graduando de enfermagem sobre a antissepsia da pele antes da administração

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES INFORME TÉCNICO CAMPANHA NACIONAL DE MULTIVACINAÇÃO

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Robson Guilherme Ferreira (II) Jackson Duarte Coelho (III) Julio César Agrícola Costa da Silveira (I) Resumo O trabalho a ser apresentado tem como objetivo

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Indicador de nº 1: Percentual de casos notificados que foram encerrados oportunamente após notificação, exceto dengue clássico.

Indicador de nº 1: Percentual de casos notificados que foram encerrados oportunamente após notificação, exceto dengue clássico. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GT-SINAN/CGDT NOTA TÉCNICA PARA ORIENTAÇÃO DE COMO CALCULAR OS INDICADORES DE ACOMPANHAMENTO DO SINAN Indicador

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Manual Elaborado por PEDRO PAULO TRIGO VALERY Considerações Gerais Estocar e administrar um almoxarifado de medicamentos não é como estocar alimentos apesar

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 35 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Pneumologia Infecção respiratória por vírus emergentes Calendário de vacinação 2007 Sociedade

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERITENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÃO E REDE FRIO ESQUEMA VACINAL NOTA INFORMATIVA Nº143/CGPNI/DEVIT/SVS/MS/18/122014

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

REQUISITOS PARA ABERTURA, INCLUSÃO E FUNCIONAMENTO DE SALA DE VACINA, REDE DE FRIO DAS SECRETARIAS MUNICIPAL DE SAÚDE E REGIONAIS DE SAÚDE.

REQUISITOS PARA ABERTURA, INCLUSÃO E FUNCIONAMENTO DE SALA DE VACINA, REDE DE FRIO DAS SECRETARIAS MUNICIPAL DE SAÚDE E REGIONAIS DE SAÚDE. SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA REQUISITOS PARA ABERTURA, INCLUSÃO E FUNCIONAMENTO DE SALA DE VACINA, REDE DE FRIO DAS SECRETARIAS MUNICIPAL

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes.

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO

REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO CAPITULO I DA FINALIDADE E DA APLICAÇÃO Art. 1º A Central Analítica Multiusuária (CAM/PEQ-UNIOESTE) é um conjunto de laboratórios que contam com equipamentos modernos, em sua maioria de última geração,

Leia mais