Colposcopia no Microcarcinoma do Colo Uterino Existem achados patognomônicos?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colposcopia no Microcarcinoma do Colo Uterino Existem achados patognomônicos?"

Transcrição

1 Colposcopia no Microcarcinoma do Colo Uterino Existem achados patognomônicos? Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC

2 Definição Profundidade de Invasão Mestwerdt (1947) - 5 mm Margulis et al. (1965) - 5,0 mm Ullery et al. (1965) - 3,0 mm Averette et al. (1976) - 1,0 mm Extensão da lesão Sedlis et al. (1979) - <4 mm Volume da lesão Burghardt (1973) mm3

3 Definição FIGO (1961) - early stromal invasion (IA) FIGO (1971) - occult cancer of the cervix (IA) SGO (1973) - 3mm sem LVSI FIGO (1975) - microinvasive cancer (IA) - occult cancer of the cervix (IB) FIGO (1985) - IA1 e IA2 FIGO (1995) - IA1 e IA2

4 Definição (FIGO 1994) IA1 - Invasão do estroma < 3mm em profundidade e < 7mm em extensão IA2 - Invasão do estroma é > 3 mm e < 5 mm em profundidade e < 7mm em extensão * A profundidade de invasão não deverá ser maior do que 5mm medida da base do epitélio, superfície ou glandular, do qual originou-se. O envolvimento dos espaços vasculares, venoso ou linfático, não deverá alterar o estadiamento. ü Lesões macroscópicas, mesmo com invasão superficial, são estádio IB. Pecorelli S et al. Int J Gynecol Obstet. 2009;105(2):107-8.

5 Definição (FIGO 1994) Prognóstico do carcinoma microinvasor: sobrevida de 97,8% em 5 anos para 638 mulheres no estádio IA1 e de 97,3% para 213 mulheres no estádio IA2 da doença. Benedet, 2001

6 Aspectos colposcópicos Tamanho da lesão Presença de tipos epiteliais diferentes dentro da lesão Vascularização aumentada Ulceração. Burghardt,1991 Tidbury & Singer, 1992

7 Aspectos colposcópicos Tamanho da lesão Aspecto colposcópico importante na avaliação de indicadores de microinvasão. Quanto maior a área de epitélio anormal, maior a chance de ser lesão invasora (lesão pode ser suspeita quando ocupa toda a extensão da zona de transformação). Burghardt,1991

8 Aspectos colposcópicos Tipos Epiteliais diferentes Mosaico grosseiro/ pontilhado grosseiro Epitélio acetobranco denso Múltiplos orifícios glandulares espessados. Burghardt, 1991

9 Aspectos colposcópicos Vascularização aumentada Vasos atípicos, com irregularidade crescente de calibre Extensos mosaicos/ pontilhados grosseiros Ampla distância intercapilar Kolstad & Stafl, 1982

10 Aspectos colposcópicos Vasos Atípicos Podem primariamente diferenciar lesões microinvasoras de lesões precursoras do colo Achados mais frequentemente em lesões francamente invasoras do que em microcarcinoma, com percentual de 84% e 44%, respectivamente van Meir, 1979 Sillman,

11 Aspectos colposcópicos Segundo Richard Reid (1991), as imagens são suspeitas quando: ü Ulceração superficial, principalmente se margeada por epitélio acetobranco; ü Presença de vasos atípicos; ü Mosaico e pontilhado extremamente grosseiros; ü ZT é de grande extensão e apresenta um conjunto diferente de alterações epiteliais; ü Quando lesões colposcópicas sugestivas de lesão de alto grau, entram mais de 5 mm do canal cervical.

12 Aspectos colposcópicos Segundo Dexeus (2005), são sinais de invasão incipiente: ü Extensa zona de transformação (em 55% dos casos) com orifícios glandulares espessados; ü Superfície epitelial é friável; ü Mosaico e pontilhado grosseiros; ü Vasos atípicos com calibres variados (extensas áreas altamente vascularizadas, coexistem com áreas de necrose).

13 Aspectos colposcópicos Atipias vasculares são sinais colposcópicos que possibilitam uma crescente suspeita de invasão. Não se deve esquecer que a colposcopia por si não é capaz de dar o diagnóstico definitivo de microinvasão. Dexeus, 2005

14 Aspectos colposcópicos Experiência no Instituto de Ginecologia da UFRJ (Ambulatório de Patologia Cervical) ü 151 pacientes com diagnóstico de Carcinoma Microinvasor Estádio Clínico IA1.

15 Microcarcinoma: achados patognomônicos Ø Objetivo: Avaliar a sensibilidade da colposcopia no diagnóstico do Microcarcinoma do colo uterino estádio clínico IA1 Furtado Y et al. Am J Obstet Gynecol 2011;205:360.e1-4.

16 Microcarcinoma: achados patognomônicos Métodos: Estudo de corte transversal Ø Selecionado 151 mulheres (1991 a 2008) Ø 54 submetidas a excisão eletrocirúrgica Ø 97 submetidas a conização com bisturi frio Ø Furtado Y et al. Am J Obstet Gynecol 2011;205:360.e1-4.

17 Microcarcinoma: achados patognomônicos Resultados Ø Faixa etária de maior incidência no grupo: anos

18 Microcarcinoma: achados patognomônicos Ø Resultados Houve suspeita de invasão em 35/151 sensibilidade de 23% (baixa sensibilidade do método)

19 Microcarcinoma: achados patognomônicos

20 Microcarcinoma: achados patognomônicos

21 Aspectos colposcópicos Conclusão Ø Este estudo mostrou que a sensibilidade da colposcopia para diagnóstico do microcarcinoma é baixo porque, na maioria dos casos, os critérios colposcópicos que são usados não definem as lesões microinvasoras Ø Entretanto mesmo não existindo padrão colposcópicos de microinvasão, a colposcopia desempenha uma importante função na biopsia dirigida das áreas mais suspeitas Ø O diagnóstico definitivo do microcarcinoma pode ser apenas estabelecido com o estudo histológico da peça cirúrgica Furtado Y et al. Am J Obstet Gynecol 2011;205:360.e1-4.

22

23

24

25

26 III CONGRESSO LATINOAMERICANO DE PATOLOGIA VULVOVAGINAL Clique para editar o estilo do subtítulo mestre 7-8/ Outubro /2016 Rio de Janeiro - Brasil

27

28 YARA

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Curso de Atualização em PTGI 20/06/09 Instituto de Ginecologia - UFRJ Susana Aidé História natural da NIC Progressão Progressão Regressão

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

Trocando Idéias XIII Agosto

Trocando Idéias XIII Agosto Trocando Idéias XIII Agosto - 2008 Estenose Cervical Aparecida Monteiro Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Instituto de Pesquisa Evandro Chagas Estenose Cervical Definição

Leia mais

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Carcinoma Escamoso Invasor

Carcinoma Escamoso Invasor Carcinoma Escamoso Invasor Lesões Precursoras do Carcinoma Cervical de Células C Escamosas Morfogênese do Carcinoma Cervical Mucosa ectocervical Mucosa endocervical Hiperplasia de Células de Reserva Displasia

Leia mais

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 18 MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO 1. INTRODUçãO Leiomiomas uterinos são os tumores mais frequentes do trato genital feminino, clinicamente aparentes em 25% das

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

Quando o tratamento destrutivo pode ser uma boa opção?

Quando o tratamento destrutivo pode ser uma boa opção? Lesão de Alto Grau Quando o tratamento destrutivo pode ser uma boa opção? Cliue para editar o estilo do subtítulo mestre Maria José de Camargo 20 min CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Estudos durante

Leia mais

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS Tiago Saldanha José Durães Serviço de Radiologia HEM - CHLO Curso de carcinoma de células renais Lisboa 2015 PAPEL DOS MÉTODOS DE IMAGEM Diagnóstico Estadiamento

Leia mais

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB Leonardo S. Carvalho OBJETIVOS Avaliar a capacidade da MDCT com MPRs, para a predição da ressecabilidade do adenocarcinoma pancreatico MATERIAL E MÉTODO Trabalho retrospectivo

Leia mais

Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo?

Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo? IX S impós io de Atualização em Ginecologia Oncológica III S impós io de Genitos copia do DF ABPTGIC Capítulo DF 12-14 de Maio de 2011 Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo? Fábio Russomano

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

Nomenclatura Colposcopica - Rio 2011 TROCANDO IDÉIAS XVI Rio de Janeiro, 2 a 4 de Agosto de 2012. Paula Maldonado Instituto de Ginecologia da UFRJ

Nomenclatura Colposcopica - Rio 2011 TROCANDO IDÉIAS XVI Rio de Janeiro, 2 a 4 de Agosto de 2012. Paula Maldonado Instituto de Ginecologia da UFRJ Nomenclatura Colposcopica - Rio 2011 TROCANDO IDÉIAS XVI Rio de Janeiro, 2 a 4 de Agosto de 2012 Paula Maldonado Instituto de Ginecologia da UFRJ A memória é uma curiosa mistura de lembranças e esquecimentos

Leia mais

IFCPC 2011 - TERMINOLOGIA COLPOSCÓPICA DO COLO DO ÚTERO

IFCPC 2011 - TERMINOLOGIA COLPOSCÓPICA DO COLO DO ÚTERO IFCPC 2011 - TERMINOLOGIA COLPOSCÓPICA DO COLO DO ÚTERO Dra. Margarida Matos Profa. Titular de Ginecologia da EBMSP Profa. Adjunta da FAMEB-UFBa CENGISA Relação das classificações colposcópicas Classificação

Leia mais

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Bruno Pinto Ribeiro Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Mais de 99% câncer de tireóide tópico Locais ectópicos struma ovarii, pescoço Objetivo

Leia mais

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede 4ª Reunião do GT de Oncologia Projeto OncoRede Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Rio de Janeiro, 02 de Setembro de 2016 Clique para editar local e data Pauta da 4ª

Leia mais

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Linfoma em gatos (sinônimos) Linfoma Século XXI

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

Rastreio Citológico: Periodicidade e População-alvo UNICAMP. Agosto 2012. Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP

Rastreio Citológico: Periodicidade e População-alvo UNICAMP. Agosto 2012. Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP Rastreio Citológico: UNICAMP Periodicidade e População-alvo Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Agosto 2012 Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP Rastreamento citológico

Leia mais

Espessamento endometrial na pós menopausa - aspectos atuais

Espessamento endometrial na pós menopausa - aspectos atuais Espessamento endometrial na pós menopausa - aspectos atuais I Curso Téorico-Prático de Histeroscopia do Hospital Pérola Byington 31 mai e 01 jun de 2012 Alysson Zanatta Núcleo de Endoscopia Ginecológica

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

Consultar versão digital do programa. Imagem: Ad Médic PROGRAMA CIENTÍFICO

Consultar versão digital do programa. Imagem: Ad Médic PROGRAMA CIENTÍFICO Consultar versão digital do programa Imagem: Ad Médic PROGRAMA CIENTÍFICO Sexta-feira, 10 de fevereiro 13.00h Abertura do Secretariado 14.00-15.30h 14.00-14.30h 14.30-15.00h 15.00-15.30h 15.30-16.00h 16.00-16.30h

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

UICC HPV e CÂNCER CERVICAL CURRÍCULO

UICC HPV e CÂNCER CERVICAL CURRÍCULO UICC HPV e CÂNCER CERVICAL CURRÍCULO 01 Capítulo 2.c. Triagem e diagnóstico - Colposcopia Charité Universitätsmedizin Berlim, Alemanha Câncer cervical - 02 Estágios pré-cancerosos Diagnósticos - Citologia

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. CONSTITUINTES 2.1. Ovários 2.2. Tubas Uterinas 2.3. Útero 2.4. Cérvix 2.5. Vagina 2.6. Vulva 2.7. Clitóris 2.8 Uretra Ovários Glândula Exócrina e

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

Edison Natal Fedrizzi. Declaração de conflito de interesse

Edison Natal Fedrizzi. Declaração de conflito de interesse Edison Natal Fedrizzi Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Hemangioma Típico Prevalência: 1 a 20%. F: M até 5:1 Assintomático. Hiperecogênico bem definido

Leia mais

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Evidências da efetividade do rastreio citológico

Leia mais

Câncer de Endométrio Hereditário

Câncer de Endométrio Hereditário Disciplina de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo Coordenador do Serviço de Cirurgia Oncológica I Disciplina Eletiva de Fundamentos da Cirurgia Oncológica Professor Afiliado Abner Jorge Jácome Barrozo

Leia mais

CAPÍTULO 4. CÂnCER DE OVáRIOS. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 4. CÂnCER DE OVáRIOS. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 4 CÂnCER DE OVáRIOS 1. INTRODUçãO A neoplasia maligna ovariana, apesar de rara, apresenta um comportamento agressivo, atingindo uma letalidade de 55,4%, sendo a primeira causa de morte entre as

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER SUMÁRIO 1. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero... 4 2. Atenção Primária à Saúde... 6 2.1. Periodicidade... 7 3. Adolescentes e Mulheres Jovens...

Leia mais

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse Ygor Vieira de Oliveira Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Manual de Orientação Trato Genital Inferior

Manual de Orientação Trato Genital Inferior Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia Manual de Orientação Trato Genital Inferior CAPÍTULO 14 Neoplasia intra-epitelial cervical (diagnóstico) 2010 Este Manual de Orientação

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS

CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS I MARIA ISABEL DE CASTRO BARBOSA CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS RECIFE 2006 MARIA ISABEL DE CASTRO BARBOSA CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO

Leia mais

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Fábio Russomano Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ 25 A 28 DE ABRIL DE

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS 10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS SOUZA-NETO, José Augusto; FREITAS-JUNIOR, Ruffo; CABERO, Flávia Vidal; FREITAS, Thaís Castanheira; TERRA,

Leia mais

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC tumores de pele não melanoma SELINALDO AMORIM BEZERRA C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC 2 0 1 0 Orlando Parise e col. Diagnóstico e Tratamento Câncer de Cabeça e Pescoço São Paulo:

Leia mais

ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA DE MARGENS CIRÚRGICAS: estudo. comparativo randomizado entre duas técnicas de conização eletrocirúrgica.

ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA DE MARGENS CIRÚRGICAS: estudo. comparativo randomizado entre duas técnicas de conização eletrocirúrgica. ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA DE MARGENS CIRÚRGICAS: estudo comparativo randomizado entre duas técnicas de conização eletrocirúrgica. Maria Aparecida Pereira Tristão Rio de Janeiro Março 2012 ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

Câncer de Próstata. Dr.Adolfo Oliveira

Câncer de Próstata. Dr.Adolfo Oliveira Câncer de Próstata Dr.Adolfo Oliveira Câncer de Próstata Aproximadamente 46 mil casos/ano Cerca 24% de chance de desenvolver Câncer de Próstata durante a vida Aproximadamente 30% não são avaliadas para

Leia mais

Biologia molecular dos carcinomas epiteliais e tumores de baixo grau (borderline) do ovário e implicações para a prática clínica

Biologia molecular dos carcinomas epiteliais e tumores de baixo grau (borderline) do ovário e implicações para a prática clínica Biologia molecular dos carcinomas epiteliais e tumores de baixo grau (borderline) do ovário e implicações para a prática clínica Filomena M Carvalho filomena.carvalho@fm.usp.br 2 Epiteliais 80-90% Cél.

Leia mais

HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES

HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES DGO USP RIB PRETO HISTEROSCOPIA CIRURGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA Histerectomia Taxas excessivamente altas em alguns países

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

Gaudencio Barbosa LCCP/HUWC 08/2011

Gaudencio Barbosa LCCP/HUWC 08/2011 Gaudencio Barbosa LCCP/HUWC 08/2011 O manejo cirurgico de pacientes com hiperparatiroidismo primario (HPTP) evoluiu consideravelmente A exploração das quatro glandulas bilateralmente foi substituida por

Leia mais

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br)

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) ONCOLOGIA Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Lábeis Estáveis Perenes CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Células lábeis: São aquelas em constante renovação

Leia mais

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RADIOTERAPIA INTRAOPERATÓRIA PARA O TRATAMENTO DE ESTÁDIOS INICIAIS

Leia mais

UICC HPV and Cervical Cancer Curriculum Chapter 2.c. Screening and diagnosis - Colposcopy Prof. Achim Schneider, MD, MPH

UICC HPV and Cervical Cancer Curriculum Chapter 2.c. Screening and diagnosis - Colposcopy Prof. Achim Schneider, MD, MPH 1 UICC HPV e CÂNCER CERVICAL CURRÍCULO 2 01 Capítulo 2.c. Triagem e diagnóstico - Colposcopia Charité Universitätsmedizin Berlim, Alemanha Este conjunto de slides discutirá o uso do colposcopia como uma

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESCADA Concurso Público 2009 Cargo: Médico Colposcopista / Nível Superior CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESCADA Concurso Público 2009 Cargo: Médico Colposcopista / Nível Superior CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 Uma paciente foi submetida a uma biopsia de colo uterino cujo resultado não foi conclusivo. Necessita-se de uma nova avaliação colposcópica. Qual o menor tempo necessário

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC

Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC Pacientes com carcinoma de celulas escamosas (CEC) comumente se apresentam com massa cervical O primario geralmente é revelado após avaliação clínica O primário pode ser desconhecido

Leia mais

O que fazer perante:nódulo da tiroideia

O que fazer perante:nódulo da tiroideia 10º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante:nódulo da tiroideia Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa

Leia mais

DIVERTÍCULO DE ZENKER. R1 Jean Versari - HAC

DIVERTÍCULO DE ZENKER. R1 Jean Versari - HAC DIVERTÍCULO DE ZENKER R1 Jean Versari - HAC Divertículo de Zenker Evaginação da mucosa e submucosa do esôfago posterior por área de fraqueza entre as partes tireofaríngea e cricofarínega do músculo constritor

Leia mais

Carretas da Mulher farão atendimento na Praça da Matriz

Carretas da Mulher farão atendimento na Praça da Matriz www.d24.com.br Editoria: Notícias Coluna: -- Carreatas da Mulher farão atendimento na Praça da Matriz (X) Press-release da assessoria de imprensa ( )Matéria articulada pela assessoria de imprensa ( ) Iniciativa

Leia mais

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA CITOPATOLOGIA POSITIVA, COLPOSCOPIA E HISTOPATOLOGIA:

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX 2015 Dificuldade no diagnostico histopatológico da NIC II

TROCANDO IDEIAS XIX 2015 Dificuldade no diagnostico histopatológico da NIC II TROCANDO IDEIAS XIX 2015 Dificuldade no diagnostico histopatológico da NIC II ABG capítulo RJ Cecília Vianna Andrade Clique para editarde o estilo do subtítulo mestre A biopsia do colo uterino Avaliação

Leia mais

(LAING, COUGLEY, KLENERMAN, % 50% ; BIRKE

(LAING, COUGLEY, KLENERMAN, % 50% ; BIRKE 1 - INTRODUÇÃO 2 As alterações de sensibilidade no paciente portador de diabetes mellitus são responsáveis diretas pela considerável morbidade relacionada com as úlceras plantares e suas conseqüências.

Leia mais

Patologia do colo uterino I-Citopatologia Profa. Sônia Maria Neumann Cupolilo Dra. em Patologia FIOCRUZ/RJ Especialista em Patologia SBP Especialista em Citopatologia SBC HPV Objetivos Conhecer o Programa

Leia mais

INSTITUCIONAL HISTÓRIA

INSTITUCIONAL HISTÓRIA 2011 INSTITUCIONAL HISTÓRIA O Centro de Diagnóstico do Câncer foi fundado em 1998 e está localizado na cidade de João Pessoa, sendo considerado uma referência estadual para a detecção precoce do câncer

Leia mais

CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo

CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo Histórico do rating CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo Dimensão Excelência Clínica Área de Ortopedia Artroplastias da Anca e Joelho e Fraturas proximais do fémur Alteração de apresentação da área

Leia mais

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos:

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos: Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Os vírus do papiloma humano são classificados na família Papillomaviridae, gênero Papilomavírus. São vírus envelopados, de simetria icosaédrica, com 72 capsômeros

Leia mais

DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS

DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA! Disciplina: Patologia Bucal 4º e 5º períodos DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 DESORDENS POTENCIALMENTE

Leia mais

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA Dr. Markus Gifoni Oncologista Clínico Instituto do Câncer do Ceará Fortaleza 01/06/2013 Informações

Leia mais

Imagens de adição -úlceras

Imagens de adição -úlceras Tracto Digestivo 8 -Estudos contrastados do tubo digestivo (conclusão) Imagens de adição (cont.) os processos ulcerativos A radiologia digestiva na era da endoscopia 9 -A imagiologiaseccional no estudo

Leia mais

Colposcopia na Gravidez

Colposcopia na Gravidez Colposcopia na Gravidez José Eleutério Junior A colposcopia é um método de excelência, associado ao Papanicolaou, no rastreio de lesões intra-epiteliais escamosas e neoplásicas, sendo usada para identificar

Leia mais

S. C. SILVA; ANTÔNIO A. G. JUNIOR; LUANE A. MARTINS; 01 DE MAIO DE 2014.

S. C. SILVA; ANTÔNIO A. G. JUNIOR; LUANE A. MARTINS; 01 DE MAIO DE 2014. 1 Braquiterapia de Alta Taxa de Dose em tumores de pele não melanoma: Experiência do setor de Radioterapia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia. ROSEANE E. M SILVA; EURÍPEDES.

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 116 CASOS

KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 116 CASOS KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 6 CASOS Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Prevenção do Cancro do Ovário

Prevenção do Cancro do Ovário Área de Ginecologia/ Obstetrícia Serviço de Ginecologia Director de Área: Dr. Ricardo Mira Journal Club 15 de Maio 2015 Prevenção do Cancro do Ovário Raquel Lopes 7 de Abril de 2015 Cancro do Ovário 5ª

Leia mais

Histerectomia Radical Laparoscópica versus Aberta para tratamento de cancer de colo uterino inicial: epidemiologia e resultados cirúrgicos

Histerectomia Radical Laparoscópica versus Aberta para tratamento de cancer de colo uterino inicial: epidemiologia e resultados cirúrgicos Histerectomia Radical Laparoscópica versus Aberta para tratamento de cancer de colo uterino inicial: epidemiologia e resultados cirúrgicos Reitan R. 1, Bereza, B. 1, Foiato, T.F. 1, Luz, M.A. 1, Guerreiro,

Leia mais

Braquiterapia Guiada por Imagem: Ponto de vista do radioterapeuta

Braquiterapia Guiada por Imagem: Ponto de vista do radioterapeuta Braquiterapia Guiada por Imagem: Ponto de vista do radioterapeuta Heloisa de Andrade Carvalho heloisa.carvalho@hc.fm.usp.br heloisa.carvalho@hsl.org.br Tumores ginecológicos Colo Incidência câncer colo

Leia mais

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV - 2014 Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular CHLN Isquémia distal complicação conhecida da cirurgia dos acessos Incidência varia de 1 a 6% Sintomas variam desde

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome.

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Caso Clínico Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Apendicite.

Leia mais

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO SERVIÇO DE GINECOLOGIA MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV NO RASTREIO DO CÂNCER DE COLO UTERINO Dra Rejane

Leia mais

Rastreamento para Câncer de Pulmão

Rastreamento para Câncer de Pulmão Rastreamento para Câncer de Pulmão Rosana S Rodrigues Coordenadora de Pesquisa - Área de Imagem ID Or Médica Radiologista Hospital Copa D Or e HUCFF/UFRJ Rastreamento anual por TC de baixa dose (LDCT)

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Atualização 01 MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) Coordenação de Prevenção e Vigilância

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS 2013 INFECÇÃO EXTRAGENITAL POR HPV

TROCANDO IDÉIAS 2013 INFECÇÃO EXTRAGENITAL POR HPV INFECÇÃO EXTRAGENITAL POR HPV Doença Anal Importância e abordagem clinica Clique para editar o estilo do subtítulo mestre José Ricardo Hildebrandt Coutinho Serviço de Coloproctologia do Hospital Federal

Leia mais

05/03/ /2015. Equipe NATS, Bom dia!

05/03/ /2015. Equipe NATS, Bom dia! 05/03/2015 03/2015 Biópsia de nódulo tireoidiano SOLICITANTE : Juíza Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional do Juizado Especial de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO: 9013419.97.2015.813.0024

Leia mais

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Câncer do Laringe Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Prof. Dr. Luiz Roberto de Oliveira - 2004 Revisão Anatômica Divisão

Leia mais

Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise. Prof André Montillo UVA

Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise. Prof André Montillo UVA Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise Prof André Montillo UVA Patologia Evolução Fisiológica A Partir dos 4 anos de idade haverá uma Obstrução da

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DE MANTENÓPOLIS - ES

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DE MANTENÓPOLIS - ES 0 FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO FAESA CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTROLE, AVALIAÇÃO, AUDITORIA E MONITORAMENTO EM SAÚDE ROSILENE CAMARGOS FONCECA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE

Leia mais