DO PLANEAMENTO FISCAL. Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO PLANEAMENTO FISCAL. Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de 2008"

Transcrição

1 OS VEÍCULOS DO PLANEAMENTO FISCAL Câmara dos Técnicos T Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de

2 Os Veículos do Planeamento Fiscal PLANEAMENTO / POUPANÇA FISCAL CONTRIBUINTES Sujeitos Passivos VEÍCULOS / INSTRUMENTOS DO PLANEAMENTO ESTADO Sujeito Activo 2

3 Planeamento Fiscal VEÍCULOS INSTRUMENTOS OPORTUNIDADES ESTRATÉGIA 3

4 Veículos do Planeamento Fiscal OFERTA Paraísos fiscais Regimes Fiscais Privilegiados Europa Comunitária O Mundo COMBATE À CONCORRÊNCIA FISCAL DESLEAL Estadual (medidas anti-abuso) e Convencional CE (Código Conduta / Auxílios Estado / Directivas) OCDE 4

5 BELIZE HOLANDA GIBRALTAR SINGAPURA GIBRALTAR BELIZE ILHAS VIRGENS HOLANDA SINGAPURA ILHAS VIRGENS 5

6 Instrumentos do Planeamento Fiscal LEGISLAÇÃO DOMÉSTICA CONVENÇÕES ACTOS DE ORIGEM INTERNACIONAL 6

7 Oportunidades de Planeamento Fiscal: Alguns Exemplos REALIZAÇÃO DE UM INVESTIMENTO - Veículo de opção - Financiamento do veículo DUPLA RESIDÊNCIA NEGÓCIO (Aproveitar menos-valias / Perdas; refrescar prejuízos ) ACTIVIDADES ( Holding, Financeira, Seguradoras, Comercial, Trading,, etc ) COBERTURAS DE RISCO ( Derivados) 7

8 Estratégia de Planeamento Fiscal PARA ATINGIR CERTA FINALIDADE: Impostos R/C/P Evitar dupla tributação OPÇÕES DISTINTAS Evitar reduzir ou diferir tributação Tributação negativa / créditos / reembolsos PLANEAMENTO FISCAL Forma Tipo Permanente Temporária Formal Substancial 8

9 Veículos de Planeamento Fiscal: Alguns Exemplos Puras (Acções / outros activos) HOLDINGS Sociedades Base / Ecrã ( Base Companies Sociedades Trampolim Conduit Companies ENTIDADES HÍBRIDAS TRUSTS 9

10 Holdings / Treaty Shopping Caso Indofood Eventual Abuso das CDR 1º Caso Prático Empréstimo Indonesia Corp XJuros Juros Cessão do Empréstim o SPV Corp (NL) Emissão de Notes Sub Corp (Ilhas Maurícias) Emissão de Notes JP Morgan Trustee (UK) Detentore s das Notes 10

11 Holdings / Treaty Shopping Eventual Abuso das CDR 2º Caso Prático SUÉCIA R.U. 51% Dividendos 49% Dividendos HOLDING INTERMÉDIA - B.V. 100% Dividendos PRÉVOST CAR 11

12 Holdings / Treaty Shopping Caso MIL Investments Eventual Abuso das CDR 3º Caso Prático DRF Corp (CAN) Mil Cayman Permuta de Acções Inco Corp (CAN) Mil Luxemburgo Alienação de Acções 12

13 Holdings / Directive Shopping 4º Caso Prático PORTUGAL, SA. Dividendos HOLDING EUROPEIA Dividendos EUA / BRASIL 13

14 Holdings: Principais Características 1. Isenção de Dividendos a) Mínimo Período de Participação b) Mínimo de votos ou participações capital c) Provenientes da Europa e fora da Europa 2. Isenção de Mais-Valias (considerar als. 1) 3. Dedutibilidade das Menos-Valias ou Perdas 4. Dedutibildade dos Encargos Financeiros 5. Exigência de ratios de capitalização 14

15 Holdings: Principais Características (Cont.) 1. Isenção sobre outros Rendimentos (Fees, Juros,..) 2. Taxa do Imposto das Sociedades (IRC) 3. Retenção na Fonte (Div./Jur/Royalties) a) Europa b) P/ Fora da Europa 15

16 Holdings: Outros Factores Fiscais 1. Consolidação / RETGS transfronteiriço? 2. Legislação e Transferência Fiscal (CFC) a) Exige Imputação de Rendimentos Estrangeiros b) É Imune a CFC Estrangeira (Track Record?) c) Argumentos (D.C. / Beneficiário Efectivo) 3. Tax Rulings (IPV) 4. Rede CDT 16

17 Holdings: Nascimento e Morte 1. Imposto sobre o Capital / Imposto do Selo 2. Tributação na Dissolução e Liquidação 17

18 Holdings: Outras Caracteristicas Relevantes 1. Capital Mínimo 2. Aumento e Redução de Capital 3. Diferentes Classes de Acções / Participações 4. Prémios, Aquisição de Capital Próprio e outras operações societárias 5. Dissolução e Liquidação 6. Obrigações Regulamentares, Acessórias e Declarativas 7. Supervisão / Controlo de Câmbios 18

19 Híbridos 1º Exemplo Estado 1 Estado 2 Estado 1 Estado 2 A C B Locador é o proprietário económico e amortiza D E.F. residente em Portugal E. F. residente fora da U.E. Locatário é o proprietário económico e amortiza 19

20 Híbridos Estado 1 SOCIEDADE MÃE 2º Exemplo Estado 2 BANCO Juro HIBRIDO GRUPO CONSOLIDADO SUBSIDIÁRIA OPERATIVA Gera Lucros 20

21 Estrutura Trust Estado 1 TRUST OFF-SHORE Estado 2 HOLDING Estado 3 SOCIEDADE IMPERATIVA 21

22 Os Veículos do Planeamento Fiscal Actuação e Estratégia a adoptar? CONTRIBUINTES ESTADOS 22

23 LISBOA Rua Castilho, Lisboa Tel.: Fax: PORTO Av. da Boavista, Edifício Oceanvs Porto Tel.: Fax: MADEIRA Av. Arriaga, Edíficio Marina Club, 73, 2º, Sala Funchal Tel.: Fax:

21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2.

21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2. 01 IRC 1 21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2. 5% ; 2.5% (ZFI 8 sob condições) 80% de isenção das derramas (imposto

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013 Participation Exemption: Novos Problemas António Rocha Mendes Outubro de 2013 Estrutura Comentários gerais à reforma do IRC Desenvolvimento de um regime de participation exemption Temas conexos com a participation

Leia mais

BEPS Ação 3 Regras CFC. VI Congresso Brasileiro de Direito Tributário Internacional 2015 João Francisco Bianco

BEPS Ação 3 Regras CFC. VI Congresso Brasileiro de Direito Tributário Internacional 2015 João Francisco Bianco BEPS Ação 3 Regras CFC VI Congresso Brasileiro de Direito Tributário Internacional 2015 João Francisco Bianco Introdução Objetivo do BEPS coerência do IRPJ no nível internacional Action 3 uso da CFC para

Leia mais

Beneficiário Efectivo nas CDT

Beneficiário Efectivo nas CDT Beneficiário Efectivo nas CDT e legislação doméstica Fiscalidade Internacional - Questões Actuais Tiago Cassiano Neves - 8 de Junho de 2011 Beneficiário efectivo - Questão Actual? BO incluído na CMOCDE

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

A defesa da concorrência em Portugal algumas reflexões

A defesa da concorrência em Portugal algumas reflexões A defesa da concorrência em Portugal algumas reflexões Comissão de Assuntos Económicos, Inovação e Tecnologia da Assembleia da República Audição Pública sobre Regulação da Concorrência 18 de Novembro de

Leia mais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Programa da Componente Profissional Área de Direito Tributário Substantivo e Processual 1.º Ciclo de formação teórico-prática II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Introdução

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

Um novo paradigma no combate ao planeamento fiscal agressivo Notas de atualidade e de prospetiva

Um novo paradigma no combate ao planeamento fiscal agressivo Notas de atualidade e de prospetiva Um novo paradigma no combate ao planeamento fiscal agressivo Notas de atualidade e de prospetiva Luís M. S. Oliveira De que estamos a falar O contexto internacional Base Erosion and Profit Shifting (BEPS)

Leia mais

Companies Tax Planning or Countries Tax Competitiveness? Fernando Carreira Araújo Madrid, 28 April 2012

Companies Tax Planning or Countries Tax Competitiveness? Fernando Carreira Araújo Madrid, 28 April 2012 Companies Tax Planning or Countries Tax Competitiveness? Fernando Carreira Araújo Madrid, 28 April 2012 Estrutura da apresentação Oferentes nas ofertas públicas de aquisição. Veículos utilizados por accionistas

Leia mais

Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China

Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China Paulo Núncio Sócio da Garrigues Lisboa Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China Ordem dos Economistas Lisboa, 23 de Março de 2011 Investir na China internacionalização Internacionalização

Leia mais

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões prá(c (c)ticas Mais-valias, dividendos e juros sobre o capital próprio prio 8 de Março o de 2010 TAX Índice Breve enquadramento O ADT Portugal Brasil

Leia mais

O Novo Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais

O Novo Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais O Novo Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Associação Fiscal Portuguesa Ricardo da Palma Borges 26 de Novembro de 2009 1 Residente habitual da Associação Fiscal Portuguesa? Como orador: Conferência

Leia mais

na Europa e em África

na Europa e em África LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal: plataforma de investimento na Europa e África Rogério M. Fernandes Ferreira (rff@rffadvogados.pt rff@rffadvogados.pt)

Leia mais

Um novo paradigma no combate à elisão fiscal Notas de prospetiva. Luís M. S. Oliveira

Um novo paradigma no combate à elisão fiscal Notas de prospetiva. Luís M. S. Oliveira Um novo paradigma no combate à elisão fiscal Notas de prospetiva Luís M. S. Oliveira De que estamos a falar O contexto internacional Base Erosion and Profit Shifting (BEPS) Pacote Antielisão da União Europeia

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade Internacional

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade Internacional INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade

Leia mais

26 de setembro de 2014

26 de setembro de 2014 - Rendimentos empresariais e profissionais / rendimentos de capitais e mais-valias João Pedro Santos (Centro de Estudos Fiscais e Aduaneiros - CEF) Conferência sobre A Reforma do IRS IDEFF / FDUL 26 de

Leia mais

MARÇO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças

MARÇO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças MARÇO 2004 SUMÁRIO I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL Despacho nº4260/2004, de 3 de Março IRS - Tabelas de retenção Continente Aprova as tabelas de retenção na

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS)

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) ALTERAÇÕES AO IRS, IRC, IMPOSTO DO SELO E LGT A Lei 55-A/2012, de 29 de Outubro introduziu alterações relevantes no Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), Imposto sobre o Rendimento das

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Países Baixos Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Países Baixos Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Países Baixos Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2010 Aicep Portugal Global Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3.

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2016

CALENDÁRIO FISCAL 2016 CALENDÁRIO FISCAL 2016 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i n f o @ b a k e r

Leia mais

OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar. As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB

OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar. As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB Cidália Maria da Mota Lopes Ana Maria Gomes Rodrigues 24 de Fevereiro 2012 1 Sumário

Leia mais

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados)

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) Sumário

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa)

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) Algumas tendências actuais

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Fiscalidade Internacional

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Fiscalidade Internacional INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2010 JANEIRO / 2010 Até ao dia 15 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários e rendimentos. CD-EP-OE-ES Até ao dia 20 - Entrega, pelas

Leia mais

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012 IRC e competitividade António Martins Outubro de 2012 1 1. Competitividade: uma perspetiva pessoal Capacidade de os agentes económicos venderem bens e serviços a preços que o consumidor julgue atrativos

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

Perspectivar os negócios de amanhã

Perspectivar os negócios de amanhã www.pwc.com/pt/tax/ma Perspectivar os negócios de amanhã O impacto das últimas medidas fiscais na actividade de M&A Management 2 PwC Clarificação dos conceitos de gratificação e de carácter regular para

Leia mais

Convenção Portugal-Brasil 2001 Desvios à Convenção Modelo OCDE. Gustavo Lopes Courinha Docente UCP / Assistente FDL

Convenção Portugal-Brasil 2001 Desvios à Convenção Modelo OCDE. Gustavo Lopes Courinha Docente UCP / Assistente FDL Convenção Portugal-Brasil 2001 Desvios à Convenção Modelo OCDE Gustavo Lopes Courinha Docente UCP / Assistente FDL Contexto histórico Celebração da CDT PT-BR em 1971. Denúncia da CDT PT-BR 1971 em 1999.

Leia mais

Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012

Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012 Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012 Incidência do IRS O IRS incide sobre os rendimentos obtidos por pessoas singulares RESIDENTES São tributados pela globalidade dos rendimentos obtidos (em Portugal e

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS GRANDES CONTRIBUINTES

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS GRANDES CONTRIBUINTES PAULA ROSADO PEREIRA Doutora em Direito Professora da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Consultora da SRS Advogados TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS

Leia mais

Contabilidade Geral. 1. Fundamentos da contabilidade Financeira. 2. Normalização contabilística. 3. Estrutura conceptual da contabilidade financeira

Contabilidade Geral. 1. Fundamentos da contabilidade Financeira. 2. Normalização contabilística. 3. Estrutura conceptual da contabilidade financeira Contabilidade Geral 1. Fundamentos da contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2. A importância da informação financeira para a tomada de

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016 Até 10/07/2016 Envio da Declaração periódica acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos contribuintes do regime normal mensal,

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Módulo 4 Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 Categoria E - Rendimentos de aplicação de capitais Rendimentos sujeitos (artº 5, CIRS) Essencialmente: Juros e Lucros entre outros:

Leia mais

As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva

As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva www.pwc.com/pt As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva Jaime Carvalho Esteves Jaime Carvalho Esteves OROC, Janeiro de 2011 Agenda Introdução O Abuso Cláusula Geral e Cláusulas

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

João Valadas Coriel CEO Autorização de Residência para Investimento em Portugal (ARI ou Golden Visa) > Vantagens do programa Golden Visa PORTUGAL OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO, RESIDÊNCIA E CIDADANIA

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

O conceito de beneficiário efetivo nas convenções contra a bitributação internacional

O conceito de beneficiário efetivo nas convenções contra a bitributação internacional V CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INTERNACIONAL 3 e 4 de outubro de 2013 O conceito de beneficiário efetivo nas convenções contra a GERD WILLI ROTHMANN Professor mestre, doutor e livre-docente

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

Repercussões do Direito Comunitário e das decisões do TJUE no Direito Interno e nas Decisões Judiciais

Repercussões do Direito Comunitário e das decisões do TJUE no Direito Interno e nas Decisões Judiciais Repercussões do Direito Comunitário e das decisões do TJUE no Direito Interno e nas Decisões Judiciais Miguel Teixeira de Abreu 19 de Maio de 2010 Ordem dos Advogados 21/01/2010 1 : Influência do Direito

Leia mais

O regime fiscal dos residentes não habituais. Caracterização e novos procedimentos

O regime fiscal dos residentes não habituais. Caracterização e novos procedimentos O regime fiscal dos residentes não habituais Caracterização e novos procedimentos Os conceitos de residência fiscal para efeitos de IRS encontram-se consignados no artigo 16.º do respetivo Código. Esta

Leia mais

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap.

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap. Economia e Finanças Públicas Aula T15 4.2 As contas e os saldos das AP 4.2.1 O saldo global das AP 4.2.2 A classificação económica das receitas e das despesas 4.2.3 Os saldos orçamentais EFP - ISEG 1 Conceitos

Leia mais

Imposto de Renda e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior 2017/2016. Luciana Pantaroto, CFP 21/03/2017

Imposto de Renda e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior 2017/2016. Luciana Pantaroto, CFP 21/03/2017 Imposto de Renda e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior 2017/2016 Luciana Pantaroto, CFP 21/03/2017 Declaração de ajuste anual 2017/2016 Informações gerais Quem está obrigado a entregar? Quem

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

ESTRUTURAS DE INVESTIMENTO NO EXTERIOR. Impactos fiscais

ESTRUTURAS DE INVESTIMENTO NO EXTERIOR. Impactos fiscais ESTRUTURAS DE INVESTIMENTO NO EXTERIOR Impactos fiscais 1 2 Investimentos Realizados por Pessoa Física no Exterior Offshores Conta Remunerada Conta de Depósito Fundos de Investimentos Exclusivos 3 INVESTIMENTOS

Leia mais

O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais. Ricardo da Palma Borges

O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais. Ricardo da Palma Borges O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais Ricardo da Palma Borges 8 de Junho de 2011 1 O regime e os objectivos subjacentes a aplicação do método de isenção como método de eliminação

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017

Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017 Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017 ASSUNTO: REALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ENTIDADES NÃO RESIDENTES CAMBIAIS Considerando

Leia mais

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros Perdas fiscais decorrentes da fraude carrossel Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros MSP - Janeiro 2008 26 Medidas de combate à fraude A dimensão

Leia mais

Finanças. Direção-Geral do Orçamento MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES

Finanças. Direção-Geral do Orçamento MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES Finanças Direção-Geral do Orçamento Em cumprimento do disposto no n.º 2 do artigo 7.º da Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro e artigo 52.º da Lei n.º 91/2001, de 20 de agosto, republicada em Anexo à Lei

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Uma empresa-mãe é uma entidade que detém uma ou mais subsidiárias.

Uma empresa-mãe é uma entidade que detém uma ou mais subsidiárias. Interesse minoritário é a parte dos resultados e dos activos líquidos de uma subsidiária atribuível a interesses de capital próprio que não sejam detidos, directa ou indirectamente através de subsidiárias,

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução Índice PPU CD 1. Introdução 1.1. Contabilidade 1.1.1. Importância da Contabilidade 1.1.2. Plano de Negócios e Orçamento 1.1.3. Contabilidade de Gestão ou Analítica 1.1.4. Os Preparadores da Informação

Leia mais

Fiscalidade Carga horária: 36 horas

Fiscalidade Carga horária: 36 horas Fiscalidade Carga horária: 36 horas PROGRAMA 1. O Sistema Fiscal Português (1 hora: Sérgio Cruz) 1.1. Os impostos nos orçamentos do Estado 1.2. Evasão e fraude fiscais 1.3. Benefícios fiscais 1.4. Contencioso

Leia mais

Poupança e financiamento da economia portuguesa

Poupança e financiamento da economia portuguesa Poupança e financiamento da economia portuguesa Fernando Alexandre (U Minho), Luís Aguiar-Conraria (U Minho), Miguel Portela (U Minho) e Pedro Bação (U Coimbra) Associação Portuguesa de Seguradores 21

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril. Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril

Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril. Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril O Executivo atribui a maior relevância, no seu programa, à modernização e solidez do sistema

Leia mais

Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos

Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos Mariana Gouveia de Oliveira Índice 1. Perspetiva Geral 2. Alterações ao Regime de Participation Exemption 3. Reporte de Prejuízos 4. Tributação

Leia mais

FISCALIDADE INTERNACIONAL

FISCALIDADE INTERNACIONAL NOVO FISCALIDADE INTERNACIONAL JUN JUL 2015 PORTO Introdução [Jaime Carvalho Esteves] Questões Regulatórias [Luis Gameiro] Rendimento e Dupla Tributação Internacional / Planeamento Fiscal Internacional

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

Obrigações nacionais / estrangeiras

Obrigações nacionais / estrangeiras Obrigações nacionais / estrangeiras Recebeu juros de obrigações nacionais ou estrangeiras? Se recebeu juros de obrigações nacionais ou estrangeiras, a retenção na fonte que tiver sido efectuada pelo BIG

Leia mais

Principais considerações fiscais Brasileiras

Principais considerações fiscais Brasileiras Investimento Português no Brasil 12 de Abril de 2012 Principais considerações fiscais Brasileiras Aspectos fiscais relevantes a considerar do ponto de vista fiscal Brasileiro Isenção de RF nos dividendos

Leia mais

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal Orçamento Rectificativo Lei n.º 20/2012, DE 14 DE MAIO No âmbito da iniciativa para o reforço da estabilidade financeira foi publicada, no passado dia 14 de Maio a Lei n.º 20/2012 (Lei 20/2012) que entrou

Leia mais

Instrumento de captação de aforro estruturado (ICAES) e Juros de depósito

Instrumento de captação de aforro estruturado (ICAES) e Juros de depósito Instrumento de captação de aforro estruturado (ICAES) e Juros de depósito Recebeu juros de depósito nacionais ou estrangeiros ou de ICAES? Se recebeu juros de depósitos, nacionais ou estrangeiros, ou de

Leia mais

Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito. Cristina Duarte Ministério das Finanças

Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito. Cristina Duarte Ministério das Finanças Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito Cristina Duarte Ministério das Finanças ESQUEMA: Afunilar Enquadramento Estratégico A Reforma do Estado A Agenda de Transformação Sistema de Regulação

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Fiscalidade II

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Fiscalidade II INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

INVESTIMENTOS POR PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS NO EXTERIOR MUDANÇA DE RESIDÊNCIA DO BRASIL PARA OS ESTADOS UNIDOS

INVESTIMENTOS POR PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS NO EXTERIOR MUDANÇA DE RESIDÊNCIA DO BRASIL PARA OS ESTADOS UNIDOS INVESTIMENTOS POR PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS NO EXTERIOR MUDANÇA DE RESIDÊNCIA DO BRASIL PARA OS ESTADOS UNIDOS Procedimentos e Aspectos Tributários O CONTEÚDO DESTA APRESENTAÇÃO NÃO TEM O OBJETIVO DE

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Transparência Fiscal nas Sociedades de Advogados e IRC 21 de Junho de 2013

Transparência Fiscal nas Sociedades de Advogados e IRC 21 de Junho de 2013 LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ Transparência Fiscal nas Sociedades de Advogados e IRC 21 de Junho de 2013 ASAP Associação das Sociedades de Advogados de Portugal

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro

INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de Capitais Com vista a estabelecer os procedimentos para o licenciamento e a realização das operações de capitais, em conformidade

Leia mais

VANTAGENS DE CONSTITUIR UMA SOCIEDADE LIMITADA NA AUSTRIA

VANTAGENS DE CONSTITUIR UMA SOCIEDADE LIMITADA NA AUSTRIA VANTAGENS DE CONSTITUIR UMA SOCIEDADE LIMITADA NA AUSTRIA Lukas Matthias Rhomberg Outubro 2015 AUSTRIA COMO GERENCIADORA DE ATIVOS Direito Romano Eficiência tributaria Facilidade para fazer negócios Sistema

Leia mais

PPR ÚNICO - 12ª Série

PPR ÚNICO - 12ª Série 1 TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se essencialmente a Clientes, com perfil conservador, que privilegiam a garantia de rendimento e capital investido

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ACTIVO 2012 2011 PASSIVO E FUNDOS PRÓPRIOS 2012 2011 DISPONIBILIDADES 142,881,801 121,846,458 DEPÓSITOS APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Depósitos à ordem 355,298,564

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos referentes ao reconhecimento e mensuração de títulos e valores

Leia mais

Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas

Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas II Congresso de Direito Fiscal Carlos Loureiro 11 de Outubro de 2011 Índice 1. Introdução 2. Desafios e limitações no âmbito da tributação dos Grupos

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Contribuições dos sócios 51 Capital * Nota: para efeitos de apresentação no Balanço, deduzir saldos das contas: 261 Accionistas c/ subscrição * 262 Quotas não liberadas

Leia mais

FICHA DE TRABALHO Nº2

FICHA DE TRABALHO Nº2 FICHA DE TRABALHO Nº2 NÚCLEO GERADOR 4- Contexto Privado Validação: Nome: turma: 2- Alteração de hábitos Caso após a análise do seu orçamento sinta a necessidade de começar a poupar, e não conseguindo

Leia mais

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal 1 SUMÁRIO 1. Tipos de Sociedades 2. Sociedades de Responsabilidade Limitada e Sociedades Anónimas 3. Constituição de sociedades 4. Regime

Leia mais

Regime Fiscal dos Residentes não Habituais

Regime Fiscal dos Residentes não Habituais Regime Fiscal dos Residentes não Habituais Atrair investimento estrangeiro para Portugal Vilamoura, 12 de Maio de 2014 Pedro Alves NEXIA, CPLA & Associados, SROC, Lda. 1. Enquadramento e objectivos Decreto-Lei

Leia mais

18 de Dezembro 2012 Direito Fiscal

18 de Dezembro 2012 Direito Fiscal AS MEDIDAS ANTI-FRAUDE E EVASÃO FISCAIS I. O PLANO DE ACÇÃO A NÍVEL EUROPEU Reflectindo uma necessidade urgente do reforço da política de combate à fraude e evasão fiscais, a Comissão Europeia apresentou

Leia mais

PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA

PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Parte Geral Legislação Específica Convenções para Evitar a Dupla Tributação Convenção 90/436/CEE Acordos prévios sobre preços de transferência Conceito de Preços de Transferência

Leia mais

d) 400. Justificação:

d) 400. Justificação: 1. Os juros de suprimentos recebidos (pessoas singulares e colectivas): a) São objecto de retenção na fonte à taxa de 15%; b) São objecto de retenção na fonte a uma taxa liberatória de 15%; c) São objecto

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 www.pwc.pt/orcamentoestado Orçamento do Estado 2016 Proposta de Lei Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado para 2016 OE 2016 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director 2 A importância do IRC Peso

Leia mais

JULHO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas III. Jurisprudência nacional I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças

JULHO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas III. Jurisprudência nacional I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças JULHO 2004 SUMÁRIO I. Legislação nacional II. Instruções administrativas III. Jurisprudência nacional I. LEGISLAÇÃO NACIONAL Ministério das Finanças Decreto-Lei n.º 162/2004, de 3 de Julho Altera o Código

Leia mais

Relatório de Disciplina de Mercado Aviso 10/2007 do Banco de Portugal 31 de Dezembro de 2014

Relatório de Disciplina de Mercado Aviso 10/2007 do Banco de Portugal 31 de Dezembro de 2014 Relatório de Disciplina de Mercado Aviso 10/2007 do Banco de Portugal 31 de Dezembro de 2014 Nota introdutória Este documento Disciplina de Mercado corresponde à resposta da Optimize Investimento SGPS

Leia mais

Poupança e Investimento

Poupança e Investimento Poupança e Investimento Fernando Alexandre Ordem dos Economistas, Lisboa 19 de abril 2017 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma

Leia mais

O IRS no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting

O IRS no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Tributação "Subsídio de Refeição" Tributado na parte que exceder em 50% o limite legal ou 70% se for atribuído através de vales de refeição Tributado na parte que exceder

Leia mais