REVISTA ADM.MADE - ANO 6 / Nº 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA ADM.MADE - ANO 6 / Nº 2"

Transcrição

1 REVISTA ADM.MADE - ANO 6 / Nº 2 APRESENTAÇÃO No primeiro número da Revista ADM.MADE foram apresentados seis trabalhos de professores e alunos do nosso Programa de Mestrado em Administração e Desenvolvimento Empresarial aprovados no ENANPAD2000. Com este segundo número estamos apresentando um total de onze artigos, sendo oito aprovados no Congresso de BALAS2001 em San Diego, dois aprovados no Fifth International Management Control Systems Research Conference em Londres, e um artigo resumindo os resultados de tese de doutorado recentemente defendida na Universidade de Campinas. Como o leitor pode verificar, a característica marcante dos trabalhos publicados em nossa Revista é o fato de estarem todos baseados em resultados de pesquisas. Embora, neste número, muitos artigos sejam de professores desta Universidade, todos foram previamente avaliados por Comitês de Congressos Internacionais de prestígio na área. Além dos mil volumes a serem distribuídos gratuitamente aos nossos leitores cadastrados, todos os artigos estarão disponíveis no site a partir do mês de agosto. Para os próximos números, ficamos no aguardo das contribuições de nossos leitores com vistas ao aperfeiçoamento contínuo de nossa Revista. O Editor ARTIGOS As Organizações Cooperativas e o Mercado - o caso de uma cooperativa de trabalho médico, a UNIMED Autor: Lucilaine Pascucci, Silvio César de Castro Elisa Emília Resende Bernardo Rocha (in memorian) Estratágias de Cooperação e Competição de Organizações em Rede - Uma Realidade Pós-Fordista? Autor: Lamounier Erthal Villela Arranjos Produtivos Locais e Governança Autores: Adelaide Maria Coelho Baeta Luis Aureliano Gama de Andrade Flávia Maria Coelho Baêta-Lara Pressões Contingenciais versus Dinâmica de Inovação em Arranjos Cooperativos Autor: Alsones Balestrin Cooperação Empresarial - Teoria e Evidência Empírica Business Cooperation - Theory and Empirical Evidence Autores: Elvio Valente

2 As Organizações Cooperativas e o Mercado - o caso de uma cooperativa de trabalho médico, a UNIMED Autor: Lucilaine Pascucci, Silvio César de Castro (Economista, Mestre em Administração pela Universidade Estadual de Maringá. Professora adjunta da Faculdade Paranaense FAPAR, em Curitiba. ) Silvio César de Castro (Possui graduação em CIÊNCIAS CONTÁBEIS pela Universidade Estadual de Maringá (1998) e mestrado em Administração - UEM/UEL pela Universidade Estadual de Maringá em consórcio com a Universidade Estadual de Londrina (2006). Professor da graduação e Pós Graduação do CESUMAR - Centro de Ensino Superior de Maringá.) Elisa Emília Resende Bernardo Rocha (in memorian)(doutora em Economia pela Unicamp e Professora do Mestrado do Programa de Mestrado em Administração da Universidade estadual de Maringá em Consórcio com a Universidade Estadual de Londrina.) Resumo A discussão sobre cooperativismo e mercado capitalista tem levantado questionamentos a respeito dos princípios que norteiam o sistema cooperativista, no ambiente competitivo. A pressão que as cooperativas sofrem por parte das forças do mercado faz com que elas alterem sua conduta, para poderem sobreviver no mercado competitivo. Neste contexto, o presente artigo buscou verificar através de um estudo qualitativo, como tais forças impulsionam a organização cooperativa a se comportar em relação ao ambiente, suas características, problemas e desafios. O estudo tem como base o caso da terceira maior Cooperativa de Trabalho Médico do Paraná. Foram também verificados quais os propósitos da fundação da cooperativa, o contexto no qual ela se desenvolveu, bem como sua forma de gestão e capacidade de transformação em relação aos seus concorrentes diretos, do setor privado. Palavras-chave: cooperativismo; UNIMED; cooperativa médica; competitividade. [topo] Abstract The discussion on cooperativism and capitalist market has triggered a debate on the principles that underpin the cooperative system in a competitive environment. Market pressures made on coops force a change in their behavior so that they may survive in a competitive market. Using a qualitative approach, this research aims at verifying how such forces push cooperative organizations to compete within the market environment, their characteristics, problems and challenges. This study has been based on the third largest coop in the state of Paraná, Brazil, that is, UNIMED, a healthcare coop. It has also been examined the purposes underlying the foundation of the cooperative, the framework within which it has grown, how it has been managed, and its transformation capabilities compared to its private-owned competitors in the healthcare industry. Key words: cooperativism; UNIMED; healthcare cooperative; competitiveness. [topo] 1. INTRODUÇÃO As discussões sobre o cooperativismo, das últimas décadas, concentraram sua atenção em cooperativas agrícolas e agropecuárias, por estas representarem, em muitas regiões, uma das poucas possibilidades de agregação de valor à produção rural, além da inserção de pequenos e médios produtores em mercados concentrados (FERREIRA; BRAGA, 2004). Todavia, o cooperativismo, desde seus primórdios em Rochdale, tem sido edificado sobre os valores da solidariedade e eqüidade, independente do tipo de profissionais que participa do movimento. E, o que teve início a partir de um grupo de artesãos (que criaram a primeira cooperativa, de consumo, em 1844, em Rochdale, Inglaterra), hoje se espalha pelo mundo através de cooperativas agrícolas, cooperativas de crédito, cooperativas de consumo, cooperativas de produção, cooperativas médicas, entre outras que, apesar de suas particularidades, encontram-se sob uma doutrina de princípios comuns. Num ambiente de dificuldades econômicas, o advento da economia solidária e a busca por melhores condições deram origem a iniciativas populares e disseminou o conhecimento e a discussão sobre vários assuntos, dentre eles, o cooperativismo. A Unimed, Cooperativa de Trabalho Médico é uma destas que, apesar de ser nacionalmente conhecida e respeitada pelos planos de saúde que comercializa, pouco é percebida pelo público, em relação à sua formação cooperativa. A discussão proposta pretende verificar as influências que esta organização cooperativa sofre do mercado capitalista no qual está inserida e como administra a situação, dado

3 seu caráter cooperativo e sua relevante participação no mercado de saúde nacional. A reestruturação do sistema de saúde pública a partir de meados de 1980, decorrente da ineficácia do Estado em administrar o atendimento à saúde da população, culminou na mercantilização da saúde por parte do próprio Governo e das organizações de iniciativas privadas que passaram a atuar no mercado de prestação de serviços médicos. Neste contexto, a iniciativa privada voltada ao mercado de prestação de serviços se estruturou de duas formas: através de empresas privadas e cooperativas de trabalho médico. Todavia, tanto as cooperativas quanto as empresas privadas encontram-se no mesmo ambiente competitivo, regido por um sistema capitalista, o que pode tornar essas duas organizações muito similares e em determinados aspectos, descaracterizando as organizações cooperativas em relação aos seus princípios, tendo em vista o ambiente no qual ela se encontra. Diante disto, este artigo tem como objetivo verificar, através de um estudo de caso, como uma cooperativa de serviços médicos se comporta em relação a esse ambiente competitivo, suas características, problemas e desafios. Num primeiro momento são apresentadas algumas considerações sobre o cooperativismo e o cooperativismo médico, especificamente. Num segundo momento faz-se uma discussão acerca do cooperativismo em um ambiente competitivo sob o sistema econômico capitalista. Por fim, tem-se o estudo de caso realizado, a apresentação e discussão dos resultados e a conclusão a respeito dos resultados obtidos. 2. O COOPERATIVISMO As idéias cooperativistas começaram a ser pensadas sob influência do pensamento econômico e social dos chamados socialistas utópicos franceses e ingleses do século XIX. Foi num ambiente bastante fecundo ao surgimento de movimentos sociais (liberalismo econômico no qual a Europa Ocidental se encontrava no século XVIII), que teve origem o movimento cooperativo que, sob os efeitos das conseqüências sociais da Revolução Industrial, teve como pressupostos básicos a solidariedade, a eqüidade, o trabalho em grupo e a liberdade e, como principais idealizadores Owen, Fourier, Buchez, Blanc. (BERNARDO ROCHA, 1999, p.3). Os primeiros precursores do cooperativismo Owen e Fourier referiram-se às associações agrícolas enquanto que Buchez e Blanc, às associações de trabalhadores urbanos. As principais idéias de Robert Owen tratavam de recorrer primeiro ao governo e às autoridades para estabelecer um novo sistema; combatiam o lucro e a concorrência, por considerá-los responsáveis pela deturpação do meio social, pelos males e injustiças sociais; acreditavam que para mudar o homem é necessário mudar o meio social, ou seja, o caráter é modificado através da educação e do meio social. Em meio às discussões entre ingleses e franceses e orientada por razões idealistas foi fundada, em 1895, a ACI Aliança Cooperativa Internacional, com o objetivo maior de preservar os valores cooperativos e o anseio de solidariedade em dimensão mundial, além de representar o ideal da cooperação rochdaleana em oposição aos excessos de competição capitalista. A doutrina cooperativa pode ser assim resumida: é uma proposta de mudança do meio econômico-social, que se concretizará de modo pacífico e gradativo, por meio de cooperativas de múltiplos tipos. Ou, tentando resumir em uma frase, é a reforma do meio social por um instrumento econômico as cooperativas (PINHO, 2000, p.46). Neste sentido, Bernardo Rocha (1999, p.9) ressalta que o cooperativismo está alicerçado sobre os valores da liberdade, solidariedade e eqüidade; (...), pressupõe o desempenho de papel econômico e social. A distinção das organizações cooperativas em relação às outras formas de organização dá-se através de princípios pelos quais são regidas. Ainda de acordo com o autor, e a última alteração realizada no Congresso da ACI, em 1995 são sete os princípios cooperativistas: adesão livre e voluntária; controle democrático pelos sócios; participação econômica do sócio; autonomia e independência; educação, treinamento e informação; cooperação entre cooperativas; e preocupação com a comunidade. O cooperativismo, através de seus princípios, reconhece os indivíduos como sujeitos e provoca transformações na sociedade. Neste sentido, Touraine (1996, p.264) já afirmou que uma sociedade somente se torna democrática se a lei e os costumes vierem a corrigir a desigualdade dos recursos e sua concentração, e permitir a comunicação. A organização cooperativa, apesar de sua origem remota, não esteve presente na vida cotidiana das pessoas até bem pouco tempo atrás, chegando mesmo a ser desconhecida por parte da maioria destes. Ou ainda, em se tratando de organização cooperativa, a associação feita era em relação às grandes cooperativas de produção agrícola ou agropecuária. Este cenário sofreu mudanças profundas ainda no final do século XX e hoje é comum falar-se em cooperativas de trabalho, de crédito, de consumo, de produção e cooperativa médica, não apenas no meio profissional e acadêmico, mas também, em ambientes populares (PINHO, 1966; FLEURY, 1983). A proposta de que trata este artigo, pretende considerar a situação específica de uma cooperativa de trabalho médico e, devido às particularidades do cooperativismo na área médica, considerou-se apropriado tecer esclarecimentos sobre Sistema Unimed e sua estrutura de funcionamento. 2.1 O Cooperativismo Médico A Unimed é uma cooperativa de trabalho médico que nasceu em Santos, em 1967 por iniciativa de um grupo de médicos liderados por Edmundo Castilho, então presidente do sindicato médico da cidade de Santos. Em meados de 1960, os institutos previdenciários foram unificados no INPS Instituto Nacional de Previdência Social, prometendo a democratização da saúde. Esse período da saúde pública foi retratado, por Bertolli Filho (2000), como um momento marcado pelo clientelismo onde partidos e líderes políticos trocavam por votos,

4 em fases eleitorais, estruturas - ambulâncias, leitos hospitalares, médicos e enfermeiros, vacinas às vezes incompatíveis com as reais demandas. Contudo, as más condições de atendimento oferecidas pelo sistema público de saúde abriram espaço para a crescente atuação das empresas de medicina de grupo, o que desencadeou um processo de mercantilização do setor da saúde no Brasil. Neste sentido, Bertolli Filho (2000), comenta que praticamente desde a criação do Ministério da Saúde, em 1953, a iniciativa privada tem pressionado o governo a não investir na saúde, e sim financiar os empresários da saúde, que finalmente ocorreu em Como uma resposta da classe a mercantilização cada vez maior da medicina, foi fundada a Unimed Cooperativa de Trabalho Médico, administrada nos moldes de uma empresa, porém sem fins lucrativos, uma iniciativa brasileira que mudou o perfil da medicina suplementar no país e é considerado hoje, o maior sistema cooperativo de trabalho médico do mundo. Novas cooperativas médicas são fundadas em diversas cidades do Brasil e, a partir de 1970, surgem as Federações, com o objetivo de padronizar os procedimentos operacionais e estimular a troca de experiências entre as Unimeds de um mesmo Estado. Com o passar dos anos, são fundadas novas cooperativas que se espalham por todo o país. Já, na década de 1990, com o investimento e a participação efetiva em campanhas institucionais, a Unimed conquista a liderança e o reconhecimento no setor de saúde do Brasil. Ao mesmo tempo, intensifica os contatos internacionais em função da procura crescente, em muitos países, de novos modelos para a saúde. Sendo que, em 1995, a Unimed é reconhecida como a entidade cooperativista líder do setor de saúde nas Américas no "I Fórum Latino de Cooperativismo de Saúde e Afins", primeiro encontro do setor a reunir entidades de mais de trinta países das Américas e Europa. Neste mesmo ano, a Unimed do Brasil Confederação Nacional das Cooperativas Médicas filia-se à Aliança Cooperativa Internacional ACI. Mesmo sujeitas a políticas de âmbito nacional, as atuais 386 Cooperativas Médicas do país são independentes, com suas peculiaridades, portanto, tendo autonomia e liberdade de administração. No universo de Operadoras registradas, segundo dados de julho/2004 da Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS, o Sistema de Cooperativas Unimed representa em torno de 17% do total de Operadoras registradas e ainda assim é responsável por 25% do mercado de saúde brasileiro, sendo considerada a maior rede de assistência médica do país. Segundo Pinho (2004) o Sistema Unimed reúne cerca de um terço dos profissionais médicos do país em cinco mil municípios, ou seja, quase 90% das cidades brasileiras, possuindo mais de 13 milhões de usuários. Por ser o cooperativismo uma forma de trabalho democraticamente constituída e administrada, a Unimed é aberta a todos médicos. A diferença em relação às demais organizações do gênero é que, ao ingressar nela, o médico, através da aquisição de uma cota, torna-se um de seus donos, com direito a participar das Assembléias que decidem os seus rumos. A partir da Unimed, o médico teve ampliado o seu mercado de trabalho, sem ser explorado, uma vez que aboliu o intermediário e o paciente passou a ter um atendimento personalizado, preservando a relação médicopaciente tão importante para a prática da boa medicina. 3. AS ORGANIZAÇÕES E O MERCADO Em termos conceituais, empresa é a organização destinada à produção e/ou comercialização de bens e serviços tendo como objetivo o lucro. A organização cooperativa, por sua vez,... é uma forma de negócio de propriedade democrática e controle por parte dos membros que têm necessidades comuns, e que por sua vez trabalham para o negócio sem fins lucrativos e recebem benefícios proporcionais a sua participação BERNARDO ROCHA, 1999). No entanto, nascidas em meio ao capitalismo do século XIX, as cooperativas surgiram como uma forma de reação às práticas de livre concorrência e também como uma tentativa de enfraquecer os desequilíbrios resultantes do liberalismo econômico (PINHO, 1966). Para Medeiros, apesar de seu caráter diferenciado uma cooperativa não se distancia muito de uma empresa não cooperativa, principalmente quando ela está inserida em um mercado capitalista, uma vez que se busca também a obtenção de um excedente físico ou monetário (sobras operacionais), ao final de cada operação (1995, p.47). A margem do mercado exige uma inserção competitiva, isto é, as organizações cooperativas precisam ser empresas eficientes, buscando aquilo que até recentemente pareceria heresia: lucro, resultados positivos. Portanto, as organizações cooperativas são empresas que, também, precisam competir no disputado mercado global, mas diferente das empresas capitalistas com as quais concorrem, não podem deixar de lado a vertente social que faz parte de seus princípios (RODRIGUES, 1997). O equilíbrio entre as vertentes social e econômica, necessárias à manutenção dos princípios cooperativistas, é o grande desafio das cooperativas na economia atual. Uma, dentre as inúmeras pressões competitivas exercidas pelo mercado, diz respeito a necessidades de mudanças e exigências na capacidade de inovação. Então, a organização cooperativa já não existe apenas para proporcionar trabalho em condições justas aos cooperados. Para que seja possível a oferta de trabalho e remuneração justa, a organização cooperativa necessita criar as condições para tal, o que significa, acompanhar o mercado e evoluir, para nele permanecer. Do contrário, ela não sobrevive. A manutenção de uma posição no mercado exige das organizações aprimoramento e, conseqüentemente, a construção de diferenciais, a partir dos quais se constroem vantagens competitivas. O caráter democrático da cooperativa em nada impede que ela seja eficiente, apenas é imperativo que, na busca desta eficiência, ela não ignore os princípios a ela inerentes. Neste contexto, algumas organizações cooperativas conseguiram não apenas sobreviver, mas se destacar e aumentar a participação no mercado em que atuam, devido a decisões acertadas e atitudes estratégicas do corpo administrativo. A preocupação com a concorrência existe para ambos os tipos de organizações. Assim como as organizações privadas, de cunho capitalista, preocupam-se e criam mecanismos de proteção em relação às forças do seu ambiente, as cooperativas, quaisquer que seja sua área de atuação, fazem parte do mesmo ambiente e não estão isentas dessa influência. Neste contexto, remetendo à obra de Porter (1980), a estratégia de negócios deveria ser baseada na estrutura do mercado no qual as empresas operam. No caso do mercado de saúde, as operadoras de planos de saúde e, portanto, também a UNIMED, disputam mercado e, na maioria das vezes, seus produtos são dirigidos a um público específico sendo que, a concorrência diz respeito, principalmente, ao tipo e preço do produto.

5 As diferenças básicas entre conceitos e objetivos dos dois tipos de organizações consideradas podem ser mais bem visualizadas no Quadro 1, a seguir. Quadro 1 Sociedade Cooperativa & Sociedade Capitalista Fonte: Benato (1998). Como demonstrado, os motivos pelos quais os dois tipos de organizações existem são preponderantemente diferentes. A permanência da organização cooperativa neste ambiente desperta um conflito entre seus princípios cooperativistas e as exigências de comportamento advindas das forças de mercado. Como resultado, as cooperativas são envolvidas por ações capazes de produzir alterações em sua forma, forças adversas pouco benéficas ao sistema cooperativo e estes, além de outros fatores acabam determinando a necessidade de adaptação ao meio econômico-social, como garantia de sua sobrevivência. Neste contexto, a economia dominante, hegemônica, deixa pouco espaço para alternativas. Sobre o assunto, Pinho (1966, p.84) comenta que [...] o ambiente, além de exercer pressão contrária ao desenvolvimento do cooperativismo, influi, também, de modo profundo no seu funcionamento interno. Diante de tantas condições pouco favoráveis, a cooperativa vem sofrendo diversas alterações, muitas voluntárias e conscientes, outras, aceitas quase inconscientemente. Ainda de acordo com a autora, tais modificações refletem na doutrina cooperativa, obrigando-a a um reajustamento de ordem finalista e normativa. Neste contexto, surgem mudanças de ordem interna, visíveis a partir da mentalidade capitalista de cooperados e dirigentes. Partindo desta premissa, Pinho (2004, p.303) postula que se o meio em que vive o cooperado o condicionou apenas a reagir aos imperativos de eficácia, de rentabilidade e de responsabilidade, de acordo com a racionalidade do homem capitalista, por exemplo, não se pode esperar que ele atue segundo a ética

6 cooperativista. A questão é objeto de discussão e análise por diversos autores. Uma crítica ao capitalismo e a competitividade que ele gera é feita por Singer (2002), segundo o qual, tal situação culmina em desigualdades entre ganhadores e perdedores, ou seja, entre os detentores de capital e os que vendem sua força de trabalho. Em concordância com o autor, Karl Marx (citado por BOTTOMORE, 2000, p.1) argumenta que Por força da concorrência, a mera preservação do capital é impossível sem que ele mesmo se expanda. Para Fleury (1983), a cooperativa, ampliando-se e prosperando, tende a transformar-se em uma organização capitalista. Por fim, Singer (2002) alerta que, mesmo em uma economia composta por empresas solidárias, algumas se sairiam melhor que outras por diversos fatores, desde contingenciais até humanos. Portanto, o mercado competitivo, e sua própria necessidade de manutenção e crescimento, abre novos horizontes à organização cooperativa fazendo com que sejam assumidas novas condutas e metodologias que contribuam para sua adequação ao ambiente competitivo do qual ela faz parte. Neste sentido, a doutrina cooperativa não poderia deixar de sofrer reflexos e adaptações à economia capitalista. Por mais ufanistas que alguns defensores dos princípios cooperativistas possam ser, as cooperativas atualmente estão inseridas em uma economia de mercado, um mercado cada vez mais exigente, fazendo com que os meios de produção e distribuição, quer sejam proporcionados por empresas privadas ou cooperativas, sejam cada vez mais competitivas no sentido de atingirem um padrão máximo de excelência em produtos e serviços. Mendes (2004, p.17), tratando sobre o capitalismo, afirma que tal sistema segue rigorosamente a economia ortodoxa de mercado, ou seja, quem comanda a economia são as forças de demanda (que refletem o interesse dos consumidores) e de oferta (que devem expressar o desejo dos produtores). Tanto as organizações privadas quanto as organizações cooperativas compartilham os mesmos recursos (naturais, humanos, tecnológicos e capitais), fazem uso das mesmas instituições (jurídicas, políticas, sociais e econômicas), todavia, há diferenças doutrinárias entre unidades de produção privadas e cooperativas, que caracterizam a grande diferença de comportamento entre estas organizações. Enquanto a doutrina cooperativa destaca a pessoa humana (PINHO, 1966), o capitalismo lança foco sobre o capital (BARKER, 1997) e esse acaba sendo o início dos conflitos entre cooperativismo e empresas privadas. Esta situação decorre do fato de que a competitividade é fruto do mercado privado sob uma economia capitalista, enquanto que o cooperativismo não. Diante disto, Luxemburgo (1986, p.87) afirma que as cooperativas são instituições híbridas no seio da economia capitalista: [...] elas constituem uma produção socializada em miniatura, que é acompanhada por uma troca capitalista. Mas na economia capitalista a troca domina a produção; em virtude da concorrência, para que a empresa possa sobreviver, ela exige uma exploração implacável da força de trabalho, que quer dizer, a dominação completa do meio de produção pelos interesses capitalistas. Singer (2002) já houvera se posicionado a respeito, ao afirmar que, por ser o mercado capitalista o dominador dos meios de produção, aos indivíduos cabe a venda da força de trabalho. Para Polanyi (2000, p.97), a comunidade pode sucumbir neste processo, na medida em que o ritmo desse transtorno é exagerado, pois [...] como regra, o progresso é feito à custa da desarticulação social. E, na evolução determinista dos acontecimentos, surge como alternativa a economia solidária, como uma resposta ao processo de exclusão inerente do mercado capitalista neoliberal (RUFINO, 2003). 4. METODOLOGIA Tendo em vista que este artigo busca discutir a questão da competitividade imposta pelo capitalismo em relação aos princípios cooperativistas em uma cooperativa de serviços médicos, a pesquisa foi desenvolvida através da metodologia do estudo de caso, utilizando-se como unidade empírica uma cooperativa médica que atua no ramo de prestação de serviços médicos através da comercialização de planos de saúde, no norte do Paraná. Para Gimenez (2001) o estudo de caso é ferramenta poderosa para conseguir entendimentos mais abrangentes de fenômenos complexos. O nível de análise é o organizacional e a unidade de análise, os recursos da empresa pesquisada, conforme Yin (1989). Segundo Bressan (2000) este método, assim como os métodos qualitativos, são úteis quando o fenômeno a ser estudado é amplo e complexo, onde o corpo de conhecimentos existente é insuficiente para suportar a proposição de questões causais e nos casos em que o fenômeno não pode ser estudado fora do contexto onde naturalmente ocorre Coleta e Análise dos Dados Tendo em vista a característica qualitativa do artigo, utilizou-se como forma de coleta de dados a entrevista pessoal semi-estruturada, que ocorreu entre os dias 06 e 08/12/2004. Esta é uma das fontes de dados mais importantes para os estudos de caso, apesar de haver uma associação usual entre a entrevista e metodologia de survey (YIN, 1989). Babbie (1999, p. 259) ressalta a importância da presença do entrevistador ao se utilizar surveys por entrevistas, -que implicam em questões e respostas mais estruturadas- pois, segundo ele, a presença de um entrevistador geralmente reduz a quantidade de não sei e sem resposta, além da possibilidade de se buscar respostas com perguntas do tipo: se tivesse que escolher uma das respostas, qual você acha que aproximaria mais dos seus sentimentos? (grifo do autor), além da possibilidade do entrevistador explicar os itens do questionário, caso haja confusão por parte do entrevistado. A coleta de dados foi feita a partir de entrevistas semi-estruturadas e focadas aos objetivos propostos no estudo. Os sujeitos da pesquisa que forneceram as informações fazem parte do alto escalão diretivo da Cooperativa, sendo os três Diretores cooperados há mais de vinte anos. Entre os cooperados: o Coordenador de Protocolos, pessoa responsável pela atualização das tabelas de acordo com as economias regionais, o Diretor Presidente e o Diretor Médico, sendo este último, responsável pelas deliberações de ordem clínica. Foi entrevistado também o Superintendente Financeiro da Cooperativa, o qual não é cooperado, todavia, faz parte da administração há mais de oito anos. A entrevista foi semi-estruturada de tal forma que pudesse explorar, na visão da alta direção da Cooperativa, a problemática dos princípios cooperativistas e do mercado competitivo no qual ela está inserida. Inicialmente,

7 obtiveram-se os dados relacionados ao perfil de cada entrevistado (gênero, idade, tempo de profissão, especialidade), a fim de caracterizar cada um deles. As entrevistas foram gravadas e transcritas a fim de se assegurar a análise completa do conteúdo. As identidades dos entrevistados foram protegidas, não sendo registradas na entrevista e, por conseqüência, na transcrição das mesmas. As entrevistas semi-estruturadas são trabalhadas por meio da técnica da análise de conteúdo, sobre a qual Richardson (1999) esclarece que é, particularmente, utilizada para se estudar material do tipo qualitativo, onde o uso de técnicas aritméticas não pode ser aplicado. E ainda, segundo Chizzotti (2001), tais técnicas são utilizadas em mensagens escritas ou não, sendo possível utilizar diversos procedimentos. 5. A ORGANIZAÇÃO PESQUISADA A Unimed Regional Maringá Cooperativa de Trabalho Médico, unidade empírica deste estudo, foi fundada em agosto de 1982, constituída inicialmente pela cooperação de 40 médicos e, dentre as operadoras de plano de saúde paranaenses, ocupa o terceiro lugar em termos de porte e número de usuários. Possui um quadro atual de 617 médicos cooperados e, em julho/2004, contava com usuários, além do atendimento aos usuários de todo o território nacional, via intercâmbio. Além de Maringá, seu campo de ação se estende a 24 Municípios da região e, por seu caráter integrado, atende usuários de Singulares de todo o território nacional, via intercâmbio (ou seja, a condição de atendimento dada ao usuário do Sistema Unimed, em qualquer outra Singular que não a sua Unimed de origem). A concorrência direta é composta por algumas empresas de planos de saúde e algumas seguradoras. A venda de planos é apenas uma das muitas atividades dessas concorrentes, de fato representando participação muito discreta no setor especificamente de planos de saúde. Dentre os concorrentes diretos destacam-se três, dois deles ligados a hospitais locais. O maior interesse desses dois concorrentes é gerar maior procura por seus próprios serviços. A Unimed Regional Maringá, ao contrário, procurar atender as preferências dos usuários por meio da oferta de rede de prestadores conveniados. Os produtos comercializados pelos concorrentes locais são bastante limitados, direcionados a usuários de menor poder aquisitivo, que buscam produtos básicos de menor valor. 6. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS As entrevistas realizadas exaltaram manifestações que confirmam a tese dos autores anteriormente apresentados, descaracterizando em determinados momentos quase que por completo a unidade de pesquisa como cooperativa, tendo em vista as forças do sistema econômico capitalista exigirem um comportamento competitivo, tornando-a uma organização híbrida. Tendo em vista que os dirigentes da cooperativa são, também, cooperados, portanto, ativos profissionalmente, mantendo consultórios e atendimento em hospitais, foi questionado a princípio, sobre o porquê de se associarem a uma cooperativa. Todos os entrevistados, sem exceção, demonstraram o interesse de facilitar o acesso dos consumidores aos seus consultórios. Com base nos depoimentos, pode-se afirmar que, a princípio, o interesse dos cooperados não estava calcado na preocupação com a sociedade ou com uma classe menos favorecida, mas, muito mais no objetivo de maximização de resultados para seus associados, o que contraria um dos princípios da doutrina cooperativista que afirma que seu objetivo é prestar serviços e não gerar lucros para os sócios. Segundo um dos entrevistados: [...] em uma época que em Maringá ainda predominava a medicina privada, a medicina particular, acontece que ficava fora do meu alcance, ou eu ficava fora do alcance de muitos pacientes, porque eu não tinha acesso a outros convênios. E aí surge uma opção...a cooperativa de Maringá é uma das primeiras do Brasil, também. Aí surge uma opção que é você próprio dentro de um grupo de cooperativismo, montar um acesso do paciente ao seu consultório. Então, uma cooperativa de trabalho médico onde você organiza a sua atividade médica. (Relato de entrevista). Enquanto o movimento cooperativo, de forma geral, tem a finalidade de contrapor-se às grandes corporações capitalistas de caráter monopolístico, na concepção dos entrevistados não havia a quem se contrapor, pois a concorrência local era composta apenas por seguradoras, cujo principal objetivo não era a venda de planos de saúde. Além de outras, a importância dada aos resultados financeiros é percebida e o relato seguinte demonstra o fato, quando um dos entrevistados é questionado sobre o que os médicos cooperados esperam da cooperativa. [...] remuneração é a primeira coisa. Liberdade para aplicar as técnicas que ele julgue necessário que ele [sic], os exames que ele acha que deva solicitar, a indicação de outro colega que ele acha que deva fazer, liberdade técnica pra trabalhar, remuneração, liberdade técnica, a princípio essas duas coisas são as principais [..].(Relato de entrevista). Em última instância, a criação da Cooperativa Médica veio de encontro à doutrina cooperativista, que tem por objetivo a solução de problemas sociais por meio da formação de comunidades de cooperação. As cooperativas e empresas privadas de planos de saúde se instalaram explorando o mercado, mas também, auxiliando a população em relação a uma ineficiência do Estado. Neste contexto, enquanto o Estado não tem competência, em nível de recursos, para manter a saúde pública da população, a criação de empresas que comercializassem planos de saúde foi facilitada e incentivada, o que transferiu grande parcela desta problemática para a esfera privada. Hoje, segundo a ANS são cerca de beneficiários de planos de saúde no Brasil, representando 21,3% de uma população de habitantes, algo extremamente difícil de ser absorvido pelo Estado, através do Sistema Único de Saúde. Neste sentido, a cooperativa pode ser percebida como auxiliando na solução de um problema econômico-social. Todavia, o próprio Estado tem fomentado as operadoras de plano de saúde a serem mais competitivas. Isso tem ocorrido através da ANS, que atua fiscalizando e coibindo atitudes, tais como, reajustes de preços livres, por parte das operadoras de planos de saúde, o que faz com que elas reduzam ao máximo o seu custo de operação para poderem sobreviver. As entrevistas realizadas ressaltaram a extrema dificuldade deste processo, pois, se por um lado a ANS não for coerente na liberação de reajustes de preços, a operadora pode falir,

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Publicado em 25 de junho de 2013 por Itamar Pelizzaro Gart Capote, presidente da ABPMP Association of Business Process Management Professionals

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Especialização em Gestão de Negócios

Especialização em Gestão de Negócios Especialização em Gestão de Negócios e Projetos Rio de Janeiro Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS.

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. Ana Lícia de Santana Stopilha Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia Campus XV Doutoranda em Difusão do Conhecimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO INSTITUCIONAL FTA

PROJETO DE EXTENSÃO INSTITUCIONAL FTA PROJETO DE EXTENSÃO INSTITUCIONAL FTA Faculdade de Tecnologia de Macapá - FTA ALESSANDRO SOUZA DE OLIVEIRA Diretor Geral FRANQUILÉIA L. BEZERRA Diretora Acadêmica Coordenadora de Curso (Gestão RH/Comercial/Hospitalar)

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Palavras chave: Administração, planejamento, organização 1

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO Excelentíssimo Senhor GILBERTO JOSÉ SPIER VARGAS MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA Esplanada dos Ministérios Bloco A, 8º Andar Brasília - DF Assunto: Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais