Contratação de plano de saúde para servidores do Poder Legislativo, vereadores e familiares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contratação de plano de saúde para servidores do Poder Legislativo, vereadores e familiares"

Transcrição

1 Contratação de plano de saúde para servidores do Poder Legislativo, vereadores e familiares CONSULTA N EMENTA: Consulta Câmara Municipal I. Concessão do benefício de plano de saúde a servidores e seus familiares. Possibilidade. Edição de lei de iniciativa do Legislativo Municipal. Prévia dotação orçamentária. Autorização específica na Lei de Diretrizes Orçamentárias. Atendimento aos preceitos da Lei de Responsabilidade Fiscal. Respeito aos limites de despesa com pessoal previstos no art. 29-A, 1, da CR/88. Observância aos ditames da Lei n /93. Licitação prévia para contratar com empresa privada ou realização de credenciamento. II. Concessão de plano de saúde para vereadores e familiares. Impossibilidade. Natureza remuneratória do benefício. Remuneração exclusivamente por subsídio fixado em parcela única. Art. 39, 4, da CR/88. Vedação de acréscimo de qualquer outra vantagem remuneratória. A Constituição Federal preconiza a autonomia administrativa e financeira dos Poderes, sendo assim, cabe ao próprio Legislativo a iniciativa de lei para fixação de seus padrões remuneratórios, de acordo com o art. 51, IV, da Constituição Federal, e por simetria aplicável às Constituições Estaduais e às leis orgânicas municipais, cabendo ao chefe do Executivo sancioná-la. Há, portanto, a possibilidade de os servidores de órgãos, e/ou de um e outro Poder terem, distintamente, benefícios de plano de saúde. Não há necessidade de que o benefício se estenda a todos os servidores do Município, podendo ser concedido somente aos servidores do Legislativo. RELATOR: CONSELHEIRO EDUARDO CARONE COSTA RELATÓRIO Trata-se de consulta formulada pelo Sr. Mário Lúcio Vilaça, Presidente da Câmara Municipal de Mateus Leme, indagando e solicitando in verbis: (...) Se o Legislativo Municipal pode celebrar convênio com planos de saúde como os oferecidos pela Unimed, destinado a atender funcionários, vereadores e familiares destes. Em caso positivo, quais os procedimentos devem ser adotados para a viabilização do referido convênio. 122

2 A consulta foi instruída com parecer da douta Auditoria a fls. 6-8, com fulcro nas disposições constantes no art. 54, V, do Regimento Interno, aprovado pela Resolução TC n. 12/2008, o qual propugna, em preliminar, pelo seu conhecimento. Observa a douta Auditoria em seu relatório que a questão tem precedentes decisórios deste Tribunal materializado nas Consultas n , n e n , respondidas, nas sessões de 05/12/07, 08/10/08 e 08/07/09, de relatoria do Conselheiro Substituto Hamilton Coelho, Conselheiro Simão Pedro Toledo e Conselheiro Eduardo Carone Costa, respectivamente. Esclarece, ainda, que a presente consulta, no plano da análise abstrata, deve ser respondida no sentido de que há possibilidade da concessão do benefício de plano de saúde aos servidores, vedado tal benefício aos vereadores, que têm política remuneratória diversa do funcionalismo público. É o relatório. PRELIMINAR Pareceres e decisões Pelo exame dos pressupostos de conhecimento da presente consulta, infere-se a legitimidade da autoridade consulente, consoante preceituado no inciso I do artigo 210 da Resolução de 19/12/2008 (RITCEMG). No tocante ao seu objeto, a elucidação do questionamento formulado pelo consulente é de relevante importância para o cotidiano de diversos municípios mineiros, além de adequar-se ao disposto no artigo 76, inciso IX da Constituição do Estado de Minas Gerais, segundo o qual compete à Corte de Contas emitir parecer em consulta sobre matéria que tenha repercussão financeira, contábil, orçamentária, operacional e patrimonial. Destarte, considero que, em tese, é de todo pertinente que esta egrégia Corte esclareça as dúvidas elaboradas pelos jurisdicionados e estabeleça as diretrizes que poderão auxiliá-los na condução das medidas e ações oriundas da gestão administrativa, viabilizando o cumprimento da missão pedagógica afeta aos Tribunais de Contas. Desse modo, presentes os requisitos de admissibilidade estipulados nas disposições regimentais em vigor, recebo a presente consulta e o faço estribado na dicção do artigo 211 do RITCEMG. MÉRITO Vencida a preliminar arguída, meritoriamente, respondo, em tese, aos quesitos, considerando o meu posicionamento nas consultas aludidas no incluso relatório. A questão suscitada pelo consulente é acerca da possibilidade ou não de o Poder Legislativo celebrar convênio com planos de saúde, destinado a atender funcionários, vereadores e familiares destes. 123

3 Cumpre ressaltar, por oportuno, que, como bem enfatizou a douta Auditoria, a relação jurídica pretendida pelo consulente se enquadra na figura do contrato administrativo oneroso, porquanto, no convênio, o elemento fundamental é a cooperação e não o lucro, que é intrínseco ao fim colimado. Consoante já enfatizado pela douta Auditoria a questão foi enfrentada em precedentes decisórios deste Tribunal materializados nas Consultas n ; n e n É de se destacar, ainda, que, no que tange à contratação de plano de saúde, na consulta paradigma, correspondente à de n , e relatada pelo Exmo. Conselheiro Substituto Gilberto Diniz, foi aprovado, à unanimidade, o seguinte entendimento, em resumo: De início, entendo que a orientação hoje adotada pelo colegiado não se coaduna com a autonomia administrativa e financeira dos municípios, a teor dos arts. 18 e 30 da Constituição de Isso porque os municípios têm competência para legislar sobre assuntos de interesse local e aplicar suas receitas livremente, observados, por óbvio, os princípios contidos nas Carta Federal e na do respectivo Estado-membro e as normas de sua lei orgânica e das leis de caráter nacional. Lado outro, a contratação de plano de saúde para servidores não configura duplo benefício social, considerando que não se enquadra entre aquelas ações e serviços públicos de saúde prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), de caráter universal e igualitário a que alude o art. 196 da Lex Legum, os quais se constituem em dever do Estado, termo que abarca União, Estados-membros, Distrito Federal e Municípios. Em linhas gerais, esse dever estatal, levado a efeito pelo SUS, é consubstanciado nas ações e serviços públicos que visam a promover, proteger, recuperar e reabilitar a saúde de toda a população. Para atender a esse desiderato, os entes políticos devem alocar anualmente percentuais mínimos de recursos, nos termos previstos na Emenda Constitucional n. 29, de 13/09/00 (no caso dos municípios, o percentual é de 15%), e observadas as normas da Lei Federal n , de 19/09/90, e de atos regulamentares do Conselho Nacional de Saúde. Entretanto, a contratação de plano de saúde para o servidor não tem as mesmas características de tais serviços ou ações públicas. A uma, porque se destina a clientela específica, não se constituindo, pois, numa ação direta ou indireta para fomentar a saúde pública. A duas, porquanto constitui vantagem pecuniária inerente à política remuneratória do empregador, no caso a administração, que visa a valorizar o funcionalismo pelos trabalhos prestados como qualquer outro benefício concedido ao servidor. Trata-se de utilidade que se agrega à remuneração, cuja finalidade é garantir a melhoria da condição social e o atendimento de uma das necessidades vitais básicas do servidor e de sua família a saúde como, a propósito, é preconizado pelo art. 7 da Carta Federal. 124

4 Nessa esteira, a criação da mencionada vantagem pecuniária, mediante lei, não configura duplo benefício. A meu juízo, haveria duplo benefício, por exemplo, se a Administração Pública mineira contratasse outro plano de saúde para seus servidores, a par da assistência à saúde já prestada pelo Ipsemg. Por tais motivos, não vislumbro, sequer, afronta aos princípios da isonomia e da impessoalidade. Haveria, sim, quebra dessas normas fundantes se o Poder Público privilegiasse seus servidores em detrimento dos demais cidadãos no atendimento dos serviços prestados pelo SUS, o que não é o caso. Nesse contexto, cumpre evidenciar que o art. 169 da Carta da República de 1988 determina a fixação de limites de despesas com pessoal para os entes federados, e seu 1 estabelece os critérios para a concessão de vantagem ou benefício ao servidor, incluído aumento de remuneração. Para que isso ocorra, é necessário haver prévia e específica dotação orçamentária, suficiente para atender às projeções de despesas com pessoal e aos acréscimos dela decorrentes e autorização específica na LDO. Pareceres e decisões A Lei Complementar n. 101, de 04/05/00, fixou para o Município o limite de gastos com pessoal em 60% da receita corrente líquida, dos quais 6% se destinam ao Legislativo e 54% ao Executivo conforme disposto no inciso III do art. 19 e inciso III do art. 20. Ademais, a sobredita lei complementar impôs condições e normas de planejamento financeiro e orçamentário para a geração de despesa pública, sobretudo aquelas contidas em seus arts. 16 e 17. Assim, se o Município dispuser de recursos orçamentários e financeiros para conceder tal vantagem ou benefício, atendidas as condições e limites legais, poderá fazê-lo, independentemente da assistência prestada em caráter universal e igualitário pelo SUS. (...) (...) para reforçar a tese ora defendida, calha salientar que o inciso II do 3 do art. 230 da Lei n , de 11/12/90, que disciplina o Estatuto dos Servidores Públicos Federais, com redação dada pela Lei n de 10/05/06, autoriza (...) a União e suas entidades autárquicas e fundacionais a contratar, mediante licitação, na forma da Lei n de 21/06/93, operadoras de planos e seguros privados de assistência à saúde que possuam autorização de funcionamento do órgão regulador. (...) manter entendimento diverso do que ora se propõe é caminhar na contramão dos acontecimentos uma vez que, no âmbito federal, a citada lei foi recentemente modificada justamente para permitir que a União, suas autarquias e fundações contratem planos e seguros privados de assistência à saúde para os servidores. (...) a contribuição da Administração para custeio de plano de saúde para servidores é totalmente legal e, a par de ser considerada como despesa de pessoal, constitui vantagem pecuniária de natureza remuneratória. 125

5 Pelo exposto, ouso divergir da orientação deste Tribunal por entender que não há razão para se obstar à participação de Município no custeio de plano de saúde a seus servidores, desde que atendidas as condicionantes constitucionais e legais anteriormente mencionadas. Ademais, é de se ressaltar que o pretendido plano de saúde deva ser estendido a todos os servidores da municipalidade, e não apenas àqueles lotados na edilidade local, sob pena de ofensa ao princípio constitucional da isonomia, cuja concessão deverá ser efetivada mediante expressa previsão legal e específica dotação orçamentária, além de estar incluída na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Entretanto, tal benefício não poderá ser estendido aos vereadores, que têm política remuneratória diversa do funcionalismo público. Por oportuno, ressalto os requisitos especificados, também, pela Auditoria, para a concessão do mencionado benefício, a saber: a) previsão em lei de iniciativa do Poder Executivo Municipal; b) prévia dotação orçamentária; c) autorização específica em lei de diretrizes orçamentárias; d) licitação prévia para contratar com empresas privadas; e) observância dos limites de despesas com pessoal da Câmara, definidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal e pela Constituição da República. Entretanto, tal benefício não pode ser estendido aos vereadores, por força do disposto no 4 do art. 39 da Constituição da República de 1988, que estabelece a remuneração dos detentores de mandato eletivo exclusivamente por subsídio, fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer outra vantagem ou espécie remuneratória. Nestes termos, respondo a consulta. Na sessão do dia 21/10/09, pediu vista dos autos o Conselheiro Antônio Carlos Andrada. 126

6 Retorno de Vista CONSELHEIRO ANTÔNIO CARLOS ANDRADA RELATÓRIO Na sessão do dia 21 de outubro de 2009, solicitei vista dos autos n , relativos à consulta formulada pelo Presidente da Câmara Municipal de Mateus Leme, Vereador Mário Lúcio Vilaça, por meio da qual indaga, in verbis: (...) se o Legislativo Municipal pode celebrar convênio com planos de saúde como os oferecidos pela Unimed, destinados a atender funcionários, vereadores e familiares destes. Em caso positivo, quais os procedimentos devem ser adotados para a viabilização do referido convênio. Pareceres e decisões A matéria foi relatada pelo ilustre Conselheiro Eduardo Carone Costa. Em preliminar, o colegiado decidiu admitir a consulta. No mérito, o relator respondeu no sentido de que há a possibilidade da concessão do benefício de plano de saúde aos servidores, desde que respeitados requisitos específicos: a) previsão em lei de iniciativa do Poder Executivo Municipal; b) prévia dotação orçamentária; c) autorização específica em lei de diretrizes orçamentárias; d) licitação prévia para contratar com empresas privadas; e) observância dos limites de despesa com pessoal da Câmara, definidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal e pela Constituição da República. Além disso, entendeu o Conselheiro Eduardo Carone Costa que tal benefício não pode ser estendido aos vereadores, que têm política remuneratória diversa do funcionalismo público. Com exceção do próprio relator, nenhum dos membros do Pleno manifestou-se sobre o mérito. Pedi, então, vista dos autos para me inteirar melhor do teor de consultas anteriores e estudar a matéria com maior profundidade. É o relatório. MÉRITO Inicialmente, Srs. Conselheiros, apresentarei um breve histórico a respeito do entendimento do Tribunal sobre a matéria. 127

7 Como pode ser demonstrado nas Consultas n (sessão de 31/03/99), n (sessão de 17/04/02), n (sessão de 15/12/04), o Tribunal entendia que o custeio do plano de saúde para os servidores significaria duplo benefício social. O erário municipal não poderia arcar com o ônus de proporcionar assistência médica privada aos servidores da Câmara, em face do Sistema Único de Saúde, que já é financiado pelo Poder Público. Considerava-se que, na esfera pública, não se poderia beneficiar, muito menos gratuitamente, nem privilegiar determinados trabalhadores em prejuízo da maioria, e até mesmo do contribuinte. Na Consulta n (sessão de 06/06/07), o relator, Conselheiro Eduardo Carone Costa, respondeu não ser possível a concessão de plano de saúde pago, total ou parcialmente, com recursos públicos. Isso, em face do SUS, que já é financiado pelo Poder Público. Defendeu que a hipótese acarretaria excepcional acréscimo de despesas com pessoal, proporcionando salário indireto aos servidores. Na sessão em que tal consulta foi levada a julgamento, concedeu-se vista ao Conselheiro Gilberto Diniz que, em seu voto-vista, entendeu que o Município pode contribuir para o custeio de plano de saúde, pois o citado ente tem competência para legislar sobre assuntos de interesse local e aplicar suas receitas livremente, observados, por óbvio, os princípios contidos nas Cartas Federal e do respectivo Estado-membro e as normas de sua Lei Orgânica e das leis de caráter nacional. Além disso, segundo ele, a contratação de plano de saúde para o servidor não tem as mesmas características de tais serviços ou ações públicas, a exemplo das realizadas pelo SUS. A uma, porque se destina a clientela específica, não se constituindo, pois, numa ação direta ou indireta para fomentar a saúde pública. A duas, porquanto constitui vantagem pecuniária inerente à política remuneratória do empregador, no caso a Administração, que visa a valorizar o funcionalismo pelos trabalhos prestados como qualquer outro benefício concedido ao servidor. Salientou também que para que isso ocorra é necessário haver prévia e específica dotação orçamentária, suficiente para atender às projeções de despesas com pessoal e aos acréscimos dela decorrentes, e autorização específica na LDO. Afirmou que a contribuição da Administração para custeio de plano de saúde para servidores é legal e, a par de ser considerada como despesa de pessoal, constitui vantagem pecuniária de natureza remuneratória. Em virtude dessa natureza, tal vantagem não pode ser estendida aos agentes políticos. O Conselheiro Relator Eduardo Carone Costa então modificou seu entendimento, aderindo ao voto do Conselheiro Gilberto Diniz. Após, foi concedida vista ao Conselheiro Wanderley Ávila que, em seu voto-vista, concordou com o Conselheiro Gilberto Diniz e Conselheiro Eduardo Carone. Destacou a possibilidade de que os servidores de órgãos de um e outro Poder dentro do mesmo Município possam ter, distintamente, benefícios de plano de saúde, observada lei 128

8 específica concedente, previsão na LDO e dotação orçamentária na Lei Orçamentária Anual, devido à autonomia administrativa e financeira dos Poderes. Afirmou que o benefício tem caráter supletivo e facultativo. Destacou também a possibilidade de que o benefício tenha, ou não, natureza remuneratória, pois prevê a possibilidade de feição indenizatória, discordando, nesse ponto, do Conselheiro Gilberto Diniz. Além disso, entendeu que, ainda que haja previsão na LDO e recursos orçamentários para efetivação da despesa, o benefício deve ser previsto em lei local, a qual deverá disciplinar a natureza jurídica concernente ao plano de saúde, inclusive se incorporará ou não aos vencimentos. O entendimento do Conselheiro Wanderley Ávila foi aprovado por unanimidade, com o adendo de que o custeio pela Administração Pública não pode ser total, podendo contribuir somente com uma parte. É o que prevalece, hoje, neste Tribunal, como podemos verificar em precedentes decisórios materializados nas Consultas n (sessão de 05/09/07), n (sessão de 05/12/07), n (sessão de 08/10/08) e n (sessão de 08/07/09). Pareceres e decisões Passo agora a expor o meu entendimento sobre a matéria. De início, já adianto que entendo ser possível a contratação de plano de saúde destinado a atender servidores da Câmara Municipal, conforme fundamentos apresentados a seguir. A doutrina clássica já se posicionou especificamente acerca da possibilidade de custeio de vantagens remuneratórias aos servidores. Segundo Oswaldo Aranha Bandeira de Melo, são reservados, aos servidores, os serviços das organizações assistenciais e previdenciárias que lhes forem destinados, como o serviço médico, dentário, hospitalar, além de outros. 1 Não há, portanto, duplo benefício social. Tal benefício trata-se de salário indireto, ou seja, é um suplemento dos salários ordinários, apesar de não corresponder a nenhum trabalho determinado. 2 Tem, portanto, natureza remuneratória. Apesar de respeitar o entendimento do nobre Conselheiro Wanderley Ávila que, em consultas anteriores, entendeu ser possível que o benefício do plano de saúde tenha natureza indenizatória, não vislumbro tal possibilidade. Conforme as Consultas n e n , entende-se como indenização no direito público os valores pagos a título de compensação de despesas excepcionais, não corriqueiras, em decorrência do exercício de função pública. O benefício do plano de saúde não poderá ter caráter indenizatório, pois não se destina a recompor despesas extraordinárias assumidas pessoalmente pelo agente no exercício de sua função. 1 BANDEIRA DE MELLO, Oswaldo Aranha. Princípios Gerais de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, SÜSSEKIND, Arnaldo. Instituições de Direito do Trabalho. 17. ed. São Paulo: LTr, v , p

9 Em relação ao pagamento desse plano de saúde, tendo em vista o caráter remuneratório do benefício, nada impede que a Administração Pública pague o plano de saúde em sua totalidade, se houver orçamento para tanto. Ou que contribua somente com uma parte. Segundo entendimento do TJMG, 3 o plano de saúde não tem natureza jurídica previdenciária. E por esse motivo, pode-se concluir que não há a obrigatoriedade de que o servidor arque com uma parte, como ocorre com os benefícios desta natureza, podendo a Câmara Municipal arcar com todo o custo. Além disso, a adesão ao plano de saúde deve ser voluntária, não podendo o servidor ser obrigado a aderir, visto não haver compulsoriedade, tanto no caso em que a Administração arque com toda a despesa ou no caso de pagar somente uma parte. Isso, pois não há natureza tributária, ou seja, não é uma prestação pecuniária compulsória instituída em lei e sim um benefício remuneratório oferecido pela Administração Pública. Já em relação aos familiares dos servidores, será sim possível a concessão do plano de saúde se o Município dispuser de recursos orçamentários e financeiros para conceder tal vantagem, já que não há vedação legal para tanto. Nesse sentido, note-se, também, que o benefício do plano de saúde visa à melhoria da condição social dos agentes públicos, pelo que a extensão da benesse à suas famílias vai ao encontro da finalidade da concessão. Cumpre ressaltar, ainda, que a lei que regulamentar a concessão do plano de saúde a familiares de servidores deverá regular o grau de parentesco que pode ser alcançado por tal benefício. Por fim, em qualquer hipótese, deverá o ente concedente respeitar os limites legais com despesa de pessoal e cuidar para que a concessão da vantagem em análise seja feita de forma responsável e planejada, para que não signifique um fator de desequilíbrio financeiro para o Município. Admitida a possibilidade de contratação de plano de saúde e fixada sua natureza, analisarei os requisitos para a concessão. É obrigatório que a vantagem em análise seja concedida por lei, de iniciativa da própria Câmara Municipal, nesse ponto divergindo do eminente relator. Explico melhor. A Constituição Federal preconiza a autonomia administrativa e financeira dos Poderes, sendo assim, cabe ao próprio Legislativo a iniciativa de lei para fixação de seus padrões remuneratórios, de acordo com o art. 51, IV, da Constituição Federal, e por simetria aplicável às Constituições Estaduais e às leis orgânicas municipais, cabendo ao chefe do Executivo sancioná-la. Há, portanto, a possibilidade de os servidores de órgãos, e/ou de um e outro Poder terem, distintamente, benefícios de plano de saúde. Não há necessidade de que o benefício se estenda a todos os servidores do Município, podendo ser concedido somente aos servidores do Legislativo. 3 Número do processo: /002(1) Relator: Armando Freire. Data do julgamento: 19/02/

10 Isso posto, insta salientar que, para a edição da lei autorizativa, é imprescindível que haja prévia dotação orçamentária e autorização específica na Lei de Diretrizes Orçamentárias. O art. 169, 1 da CR/88, prevê, in verbis: Art A despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em lei complementar. 1 A concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração, a criação de cargos, empregos e funções ou alteração de estrutura de carreiras, bem como a admissão ou contratação de pessoal, a qualquer título, pelos órgãos e entidades da administração direta ou indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, só poderão ser feitas: I se houver prévia dotação orçamentária suficiente para atender às projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos dela decorrentes; II se houver autorização específica na lei de diretrizes orçamentárias, ressalvadas as empresas públicas e as sociedades de economia mista (grifo nosso). Pareceres e decisões Outro requisito fundamental é o atendimento aos ditames da Lei de Responsabilidade Fiscal, especialmente o art. 19, III e art. 20, III, a e b: Art. 19. Para os fins do disposto no caput do art. 169 da Constituição, a despesa total com pessoal, em cada período de apuração e em cada ente da Federação, não poderá exceder os percentuais da receita corrente líquida, a seguir discriminados: (...) III Municípios: 60% (sessenta por cento). Art. 20. A repartição dos limites globais do art. 19 não poderá exceder os seguintes percentuais: (...) III na esfera municipal: a) 6% (seis por cento) para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas do Município, quando houver; b) 54% (cinquenta e quatro por cento) para o Executivo. Quanto ao Poder Legislativo, há que se observar ainda o disposto no 1 do art. 29-A da CR/88: Art. 29-A (...) 1. A Câmara Municipal não gastará mais de 70% (setenta por cento) de sua receita com folha de pagamento, incluído o gasto com o subsídio de seus Vereadores. Ao utilizar a expressão folha de pagamento, entendemos que o constituinte quis referir-se ao conceito de despesa com pessoal. Como a contratação de plano de 131

11 saúde para os servidores constitui despesa com pessoal, esse limite de 70% da receita da Câmara deve ser respeitado. Além de todos esses requisitos, é fundamental observar que o contrato a ser firmado entre a Administração Pública e a empresa de plano de saúde deverá, via de regra, se submeter a um processo licitatório, nos termos da Lei n /93, ressalvadas as exceções dos arts. 24 e 25. Como salienta Gustavo Moura dos Santos: (...) é importante observar que a Câmara Municipal tem autonomia administrativa e financeira, conforme se depreende dos arts. 51, IV e 52, XIII c/c art. 29, caput, CRFB. Desse modo, deve ela própria realizar a licitação e proceder à contratação (...) para os seus servidores, os quais serão pagos com recursos do Poder Legislativo, submetendo-se, portanto, às limitações com despesa de pessoal da Lei de Responsabilidade Fiscal e da Constituição. 4 Outra possibilidade é a realização do credenciamento, que é possível, independentemente do valor do contrato, desde que seja aberto a todos os interessados que preencham os requisitos estabelecidos pela Administração no edital de credenciamento. 5 Não há necessidade de licitação quando uma alternativa de contratar não for excludente de outras, isso, mesmo em face da imposição de requisitos mínimos. A administração deverá credenciar todos aqueles interessados que satisfaçam os requisitos previamente estabelecidos. Sua utilização encontra-se condicionada aos princípios que informam a Lei de Licitações e, por ser excepcional, deve ser justificado pelo administrador. Ou seja, haverá o credenciamento quando houver inexigibilidade de licitação, por inviabilidade de competição, quando todos os interessados podem realizar o serviço. Os servidores poderão optar por um plano de saúde dentre aqueles prestadores que atenderem as qualificações exigidas no edital. As condições da prestação de serviço devem ser uniformes e previamente estabelecidas no edital de credenciamento. Além disso, o pagamento corresponderá à efetiva prestação de serviços pelos contratados. Por fim, como último adendo, entendo que a concessão do benefício, se custeado pelo Poder Público, deverá ser acessível a todos os servidores, sem qualquer distinção, vedado sua concessão a apenas parte do quadro de pessoal, como, por exemplo, a filiados de associação de servidores, sindicatos ou outras entidades do gênero, sob pena de violação do princípio da isonomia, como aliás decidiu o TCE/ PR em recente assentada. Esses são os requisitos que considero fundamentais para que possa haver a concessão de plano de saúde aos servidores da Câmara Municipal. 4 DOS SANTOS, Gustavo Moura. A Concessão do Seguro Saúde aos Servidores Municipais. Revista da Administração Municipal. Jul./ set., 2008, p É o que se observa na Denúncia n , na Consulta n e no Processo Administrativo n , deste Tribunal. 132

12 Quanto ao outro questionamento, relativo à possibilidade de os edis receberem o benefício do plano de saúde, estou convencido, assim como o relator, de que os vereadores não possuem esse direito, pois, segundo o 4 do art. 39 da Constituição Federal, estão sujeitos ao regime de subsídio. Por isso, em virtude de sua natureza remuneratória, a vantagem do plano de saúde não pode ser estendida aos vereadores, pelo fato de serem eles agentes políticos, detentores de mandato eletivo, que recebem subsídios, parcelas únicas a que não se pode adicionar qualquer vantagem remuneratória. Quanto aos familiares dos vereadores, penso não ser possível a concessão de tal benefício, pelos motivos já explicitados acima, referentes à sujeição do agente político ao regime de subsídio. Assim, vale de regra o brocardo jurídico de que accessio cedit principali. Conclusão: pelas razões elencadas, respondo a esta consulta, em suma, nos seguintes termos: Pareceres e decisões Há a possibilidade de se conceder aos servidores da Câmara Municipal o benefício do plano de saúde, custeado, em parte, pela Administração Pública. Tal benefício tem natureza remuneratória. Para tanto, devem ser respeitados os seguintes requisitos: a) edição de lei, de iniciativa do próprio Legislativo Municipal; b) prévia dotação orçamentária e autorização específica na Lei de Diretrizes Orçamentárias; c) atendimento aos ditames da Lei de Responsabilidade Fiscal; d) respeito aos limites de despesa com pessoal previstos no 1 do art. 29-A da Constituição Federal; e) observância da Lei n /93 na contratação da empresa operadora do plano de saúde. Os familiares dos servidores poderão receber tal benefício, observadas as exigências legais. Por outro lado, em razão da natureza remuneratória, essa vantagem não poderá ser concedida aos vereadores, nem aos seus familiares, observado o disposto no 4 do art. 39 da Constituição Federal, que estabelece a remuneração dos detentores de mandato eletivo exclusivamente por subsídio, fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer outra vantagem remuneratória. Conforme art. 216 do Regimento Interno deste Tribunal, este entendimento, firmado no mesmo sentido das Consultas n , n e n , implica a reforma das teses das Consultas n , n , n , n e n , que dispunham sobre a matéria em outro sentido. 133

13 Sugiro, por conseguinte, ante o papel pedagógico desta Corte e a repercussão das deliberações em sede de consultas, que seja anotada a reforma da tese no arquivo das Consultas n , n , n , n e n , disponibilizado no sítio eletrônico do Tribunal. Adotando tal procedimento, poderemos evitar a ocorrência de interpretações equivocadas de nossa orientação, conferindo efetividade ao art. 216 do novo Regimento Interno. É o meu parecer. Em sendo aprovado, encaminhe-se cópia da decisão à Biblioteca desta Corte, responsável pelo gerenciamento do banco de dados que disponibiliza a pesquisa das consultas, para que anote a reforma supracitada com a maior brevidade possível. Na oportunidade, manifestou-se o Conselheiro Sebastião Helvecio: Acolho o parecer do relator, mas com a seguinte ressalva: assistência médica é um dos itens integrantes da seguridade social, junto com assistência social e a previdência; e o princípio da solidariedade há que ser observado deve acontecer sempre a participação do servidor beneficiado com o plano de saúde. Quanto ao assunto, posicionou-se o Conselheiro Presidente Wanderley Ávila: Esta Presidência também acompanha o relator, sendo vencida somente com relação à natureza remuneratória do benefício do plano de saúde. A consulta em epígrafe foi respondida pelo Tribunal Pleno na sessão do dia 10/03/10 presidida pelo Conselheiro Wanderley Ávila; presentes o Conselheiro Elmo Braz, Conselheiro Antônio Carlos Andrada, Conselheira Adriene Andrade, Conselheiro Sebastião Helvecio e Conselheiro em Exercício Gilberto Diniz que acompanharam o parecer exarado pelo relator, Conselheiro Eduardo Carone Costa, com as observações do Conselheiro Antônio Carlos Andrada. Vencidos em parte o Conselheiro Presidente Wanderley Ávila e o Conselheiro Sebastião Helvecio. 134

Concessão de plano de saúde e auxílio-alimentação a servidores

Concessão de plano de saúde e auxílio-alimentação a servidores Concessão de plano de saúde e auxílio-alimentação a servidores RELATOR: CONSELHEIRO SIMÃO PEDRO TOLEDO Em acréscimo, pondero que, também, o pretendido plano de saúde deva ser estendido a todos os servidores

Leia mais

Adoção do instituto jurídico do credenciamento para prestação de consultas médicas

Adoção do instituto jurídico do credenciamento para prestação de consultas médicas Adoção do instituto jurídico do credenciamento para prestação de consultas médicas CONSULTA N. 811.980 EMENTA: Consulta Prefeitura Municipal I. Realização de sistema de credenciamento para prestação de

Leia mais

Indenização de despesas com viagem a servidor público e agente político

Indenização de despesas com viagem a servidor público e agente político Indenização de despesas com viagem a servidor público e agente político CONSULTA N. 748.370 EMENTA: Câmara Municipal Agente público Indenização de despesas com viagem Possibilidades de formalização dos

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

Possibilidade de destinação de verbas do Fundeb para entidades assistencialistas

Possibilidade de destinação de verbas do Fundeb para entidades assistencialistas RELATOR: CONSELHEIRO EDUARDO CARONE COSTA Possibilidade de destinação de verbas do Fundeb para entidades assistencialistas EMENTA: CONSULTA PREFEITURA MUNICIPAL CONVÊNIO ENTIDADES COMUNITÁRIAS, CONFESSIONAIS

Leia mais

Operacionalização e gerenciamento da folha de pagamento de servidores públicos municipais

Operacionalização e gerenciamento da folha de pagamento de servidores públicos municipais RELATOR: CONSELHEIRO SEBASTIÃO HELVECIO Operacionalização e gerenciamento da folha de pagamento de servidores públicos municipais EMENTA: CONSULTA MUNICÍPIO CONTRATAÇÃO DE INSTITUIÇÃO FINANCEIRA GERENCIAMENTO

Leia mais

Autoaplicabilidade dos benefícios previstos na LC n. 123/06

Autoaplicabilidade dos benefícios previstos na LC n. 123/06 RELATOR: CONSELHEIRO MAURI TORRES Autoaplicabilidade dos benefícios previstos na LC n. 123/06 DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE MUNÍCIPIOS LICITAÇÃO TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA MICROEMPRESAS

Leia mais

Possibilidade de aquisição de bens imóveis pelos Poderes Executivo ou Legislativo com recursos repassados pelo Poder Executivo CONSULTA N. 837.

Possibilidade de aquisição de bens imóveis pelos Poderes Executivo ou Legislativo com recursos repassados pelo Poder Executivo CONSULTA N. 837. Possibilidade de aquisição de bens imóveis pelos Poderes Executivo ou Legislativo com recursos repassados pelo Poder Executivo CONSULTA N. 837.547 EMENTA: Consulta Município Aquisição de imóvel pelo Poder

Leia mais

Sujeição das associações de Municípios às normas de direito público

Sujeição das associações de Municípios às normas de direito público Sujeição das associações de Municípios às normas de direito público CONSULTA N. 731.118 EMENTA: Associação de Municípios Aplicação de recursos de origem pública Submissão às normas de direito público relativas

Leia mais

FUnDeB: utilização de recursos para pagamento de abono a profissionais da educação

FUnDeB: utilização de recursos para pagamento de abono a profissionais da educação FUnDeB: utilização de recursos para pagamento de abono a profissionais da educação ConsUlta n. 771.766 ementa: Consulta município FUnDeB Pagamento de abono aos profissionais do magistério e demais profissionais

Leia mais

Adequação do plano de carreira do magistério público municipal ao piso salarial nacional dos profissionais da educação básica

Adequação do plano de carreira do magistério público municipal ao piso salarial nacional dos profissionais da educação básica Adequação do plano de carreira do magistério público municipal ao piso salarial nacional dos profissionais da educação básica CONSULTA N. 812.465 EMENTA: Consulta Prefeitura Municipal Plano de carreira

Leia mais

Custeio de capacitação dos servidores públicos pelo Legislativo Municipal CONSULTA N. 838.755

Custeio de capacitação dos servidores públicos pelo Legislativo Municipal CONSULTA N. 838.755 Custeio de capacitação dos servidores públicos pelo Legislativo Municipal CONSULTA N. 838.755 EMENTA: CONSULTA CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL COM AUXÍLIO FINANCEIRO AO SERVIDOR PÚBLICO

Leia mais

Possibilidade de utilização de subvenções sociais oriundas do orçamento municipal para despesas trabalhistas

Possibilidade de utilização de subvenções sociais oriundas do orçamento municipal para despesas trabalhistas CONSULTA N. 887.867 RELATOR: CONSELHEIRO GILBERTO DINIZ Possibilidade de utilização de subvenções sociais oriundas do orçamento municipal para despesas trabalhistas DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA CONTROLADORA

Leia mais

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores EMENTA: CONSULTA LEGISLATIVO MUNICIPAL I. CUSTEIO DE CARTÕES

Leia mais

EC n. 41/2003 Aposentadoria: contagem em dobro de férias-prêmio, informações por via Fiscap e forma de cálculo

EC n. 41/2003 Aposentadoria: contagem em dobro de férias-prêmio, informações por via Fiscap e forma de cálculo CONSULTA N. 832.402 RELATOR: CONSELHEIRO SEBASTIÃO HELVECIO EC n. 41/2003 Aposentadoria: contagem em dobro de férias-prêmio, informações por via Fiscap e forma de cálculo EMENTA: CONSULTA INSTITUTO DE

Leia mais

Impossibilidade de contratação temporária de jovens aprendizes

Impossibilidade de contratação temporária de jovens aprendizes Impossibilidade de contratação temporária de jovens aprendizes CONSULTA N. 790.436 EMENTA: Consulta Fundação Municipal Promenor Contratação temporária de jovens aprendizes Atendimento de fins sociais e

Leia mais

Dação em pagamento de imóvel para adimplir obrigação com a Administração Pública

Dação em pagamento de imóvel para adimplir obrigação com a Administração Pública julho agosto setembro 2011 v. 80 n. 3 ano XXIX Dação em pagamento de imóvel para adimplir obrigação com a Administração Pública CONSULTA N. 837.554 EMENTA: CONSULTA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada Fls. PROCESSO N.º: 783499 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTES: José Fernando Pereira, Ivan Anacleto Toledo, José Maria da Silva e Gilberto Damas Toledo (vereadores da Câmara Municipal de Faria Lemos) PROCEDÊNCIA:

Leia mais

Banco oficial, custódia de títulos públicos e aplicação de receitas provenientes de contribuições previdenciárias

Banco oficial, custódia de títulos públicos e aplicação de receitas provenientes de contribuições previdenciárias Banco oficial, custódia de títulos públicos e aplicação de receitas provenientes de contribuições previdenciárias ConsUlta n. 715.524 ementa: Consulta município I. Banco oficial Instituição financeira

Leia mais

8ª Secretaria de Controle Externo

8ª Secretaria de Controle Externo Fls. 12 À Auditora de Controle Externo, Maria Clara Seabra de Mello Costa, para proferir Orientação Técnica. Em 23 de janeiro de 2014. JOSÉ AUGUSTO MARTINS MEIRELLES FILHO Secretário da 8ª Secretaria de

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO 001858/2011 ORIGEM Prefeitura Municipal de Umbaúba NATUREZA Consulta INTERESSADO Anderson Fontes Farias RELATOR Conselheiro REINALDO MOURA FERREIRA AUDITOR Parecer nº 204/2011 Alexandre Lessa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 943/2009 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 943/2009 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 943/2009 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 03760/2009 2. Classe de Assunto: (III Plenário) Consulta 3. Entidade: Prefeitura de Arraias TO 4. Responsável: Antônio Wagner Barbosa Gentil - Prefeito

Leia mais

Possibilidade de percepção simultânea de subsídio de cargo eletivo de vereador e vencimento pelo exercício de cargo efetivo, emprego ou função pública

Possibilidade de percepção simultânea de subsídio de cargo eletivo de vereador e vencimento pelo exercício de cargo efetivo, emprego ou função pública RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Possibilidade de percepção simultânea de subsídio de cargo eletivo de vereador e vencimento pelo exercício de cargo efetivo, emprego ou função pública DICOM TCEMG

Leia mais

Empregado público empossado em cargo em comissão ou cargo político e a ilegalidade do recolhimento do FGTS

Empregado público empossado em cargo em comissão ou cargo político e a ilegalidade do recolhimento do FGTS CONSULTA N. 862.147 RELATOR: CONSELHEIRO CLÁUDIO TERRÃO Empregado público empossado em cargo em comissão ou cargo político e a ilegalidade do recolhimento do FGTS EMENTA: CONSULTA LEGISLATIVO MUNICIPAL

Leia mais

Superavit financeiro em balanço patrimonial de autarquia como fonte de recurso para abertura de crédito suplementar

Superavit financeiro em balanço patrimonial de autarquia como fonte de recurso para abertura de crédito suplementar RELATOR: CONSELHEIRO MAURI TORRES Superavit financeiro em balanço patrimonial de autarquia como fonte de recurso para abertura de crédito suplementar DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA CONTROLADORIA-GERAL DO

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-007/2015 - PLENÁRIO

PARECER/CONSULTA TC-007/2015 - PLENÁRIO - PLENÁRIO PROCESSO - TC-7531/2013 JURISDICIONADO - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DA SERRA - IPS ASSUNTO - CONSULTA CONSULENTES - ALEXANDRE CAMILO FERNANDES VIANA EMENTA 1) TEMPO

Leia mais

8.3 DESPESAS COM PESSOAL

8.3 DESPESAS COM PESSOAL FINANÇAS PÚBLICAS débitos com a União e com entidades a ela ligadas, bem como sua aplicação para capitalização de fundos de previdência, nos termos do art. 8º da Lei nº 7.990/89 (Consulta n. 838756. Rel.

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada Fls. PROCESSO: 837554 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTE: ITAMAR ANTÔNIO DINIZ (Diretor do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Três Pontas/MG) PROCEDÊNCIA: INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES

Leia mais

Irregularidade: abertura de créditos adicionais sem recursos disponíveis

Irregularidade: abertura de créditos adicionais sem recursos disponíveis RELATOR: AUDITOR GILBERTO DINIZ Irregularidade: abertura de créditos adicionais sem recursos disponíveis DICOM TCEMG EMENTA: PRESTAÇÃO DE CONTAS PREFEITURA MUNICIPAL EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ABERTURA DE CRÉDITOS

Leia mais

Reflexão acerca da alteração consignada nos arts. 27 e 29 da Lei de Licitação pela Lei n. 12.440/2011

Reflexão acerca da alteração consignada nos arts. 27 e 29 da Lei de Licitação pela Lei n. 12.440/2011 RELATOR: CONSELHEIRO CLÁUDIO TERRÃO Reflexão acerca da alteração consignada nos arts. 27 e 29 da Lei de Licitação pela Lei n. 12.440/2011 EMENTA: CONSULTA PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA LICITAÇÃO FASE DE

Leia mais

SUMÁRIO. Tribunal Pleno

SUMÁRIO. Tribunal Pleno Comissão de Jurisprudência e Súmula Belo Horizonte 06 a 19 de julho de 2009 nº 5 Este Informativo, desenvolvido a partir de notas tomadas nas sessões de julgamento das Câmaras e do Tribunal Pleno, contém

Leia mais

Exercício concomitante de mandato eletivo com o de dois cargos públicos acumuláveis

Exercício concomitante de mandato eletivo com o de dois cargos públicos acumuláveis RELATOR: CONSELHEIRO WANDERLEY ÁVILA Exercício concomitante de mandato eletivo com o de dois cargos públicos acumuláveis DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTAS PREFEITO ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS LIMITE DE DOIS

Leia mais

8.4 DISPONIBILIDADES FINANCEIRAS

8.4 DISPONIBILIDADES FINANCEIRAS [Contabilização da receita de transferência intergovernamental] (...) as receitas de transferência intergovernamental, mesmo as destinadas a programas específicos, integram a receita corrente líquida que

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

Custeio de capacitação dos servidores públicos pelo Legislativo Municipal

Custeio de capacitação dos servidores públicos pelo Legislativo Municipal PARECER NA CONSULTA N. 838.755 RELATOR: AUDITOR LICURGO MOURÃO Custeio de capacitação dos servidores públicos pelo Legislativo Municipal DICOM TCEMG É possível que a Câmara Municipal institua programa

Leia mais

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade É sabido que empenho é o comprometimento de verba orçamentária para fazer face a uma despesa

Leia mais

SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL

SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO E APROPRIAÇÃO DA DESPESA NO SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A Administração Pública, cada vez mais, tem se utilizado da contratação de estagiários para execução

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N. 931/2003, DE 08 DE OUTUBRO DE 2003.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N. 931/2003, DE 08 DE OUTUBRO DE 2003. RESOLUÇÃO N. 931/2003, DE 08 DE OUTUBRO DE 2003. Processo: 06367/2002 Assunto: Consulta Entidade: Ministério Público Órgão: Procuradoria Geral de Justiça Consulente: Jacqueline Adorno de La Cruz Barbosa

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara 1. Processo n.º: TC 05821/2008 2. Classe de Assunto: 09 Processo Licitatório / 04 Inexigibilidade 3. Responsável: Sandra Cristina Gondim Secretária da Administração

Leia mais

PROCESSO - TC-3526/2007 INTERESSADO - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DA SERRA ASSUNTO - CONSULTA

PROCESSO - TC-3526/2007 INTERESSADO - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DA SERRA ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3526/2007 INTERESSADO - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DA SERRA ASSUNTO - CONSULTA RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS - DISPONIBILIDADES DE CAIXA - OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes

Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes CONSULTA N. 835.894 EMENTA: Consulta Câmara Municipal Doação de bens imóveis públicos a pessoas comprovadamente carentes

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

Relatório Protocolado n 11.228.141-0 Anteprojeto da Lei de Inovação do Estado do Paraná

Relatório Protocolado n 11.228.141-0 Anteprojeto da Lei de Inovação do Estado do Paraná Relatório Protocolado n 11.228.141-0 Anteprojeto da Lei de Inovação do Estado do Paraná Trata-se de protocolado contendo a minuta de Anteprojeto de Lei, encaminhada pela Secretaria de Estado da Ciência

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DISPENSA DE LICITAÇÃO ARTIGO 24, INCISO VIII, DA LEI Nº 8.666/93 NÃO INCIDÊNCIA EM RELAÇÃO A ÓRGÃO OU ENTIDADE INTEGRANTE DA

Leia mais

A previsão sobre o gasto com pessoal e seus limites, estabelecidos pela Lei Complementar 101/00, está expressa no art. 18, 1º da norma, que diz:

A previsão sobre o gasto com pessoal e seus limites, estabelecidos pela Lei Complementar 101/00, está expressa no art. 18, 1º da norma, que diz: Parecer Coletivo Convênio. Prestação Serviços. Programas de Saúde. Despesa com Pessoal. Terceirização. Outros Encargos. Apropriação na Folha do Município. Impossibilidade A abordagem da presente matéria

Leia mais

Utilização de meio eletrônico por Município como veículo oficial de publicação de atos municipais

Utilização de meio eletrônico por Município como veículo oficial de publicação de atos municipais RELATOR: CONSELHEIRO ANTÔNIO CARLOS ANDRADA Utilização de meio eletrônico por Município como veículo oficial de publicação de atos municipais EMENTA: CONSULTA ENTIDADES ASSOSSIATIVAS DE MUNICÍPIOS PUBLICAÇÃO

Leia mais

RELATOR: CONSELHEIRO SUBSTITUTO GILBERTO DINIZ Especificidades dos fundos municipais de saúde: unidades orçamentárias e gestoras de recursos

RELATOR: CONSELHEIRO SUBSTITUTO GILBERTO DINIZ Especificidades dos fundos municipais de saúde: unidades orçamentárias e gestoras de recursos CONSULTA N. 833.221* 1 RELATOR: CONSELHEIRO SUBSTITUTO GILBERTO DINIZ Especificidades dos fundos municipais de saúde: unidades orçamentárias e gestoras de recursos DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPIVARI DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LEI MUNICIPAL Nº 884, DE 19 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal,

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA PALÁCIO SENADOR CHAGAS RODRIGUES Assessoria Jurídica Legislativa PARECER AJL/CMT Nº 094/2013

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA PALÁCIO SENADOR CHAGAS RODRIGUES Assessoria Jurídica Legislativa PARECER AJL/CMT Nº 094/2013 PARECER AJL/CMT Nº 094/2013 Teresina (PI), 10 de maio de 2013. Assunto: Projeto de Lei Complementar nº. 078/2013 Autor: Mesa Diretora Ementa: Institui, no âmbito da Câmara Municipal de Teresina, o Plano

Leia mais

ORIGEM: Memorando N 580/05, do Departamento de Pessoal.

ORIGEM: Memorando N 580/05, do Departamento de Pessoal. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER Nº 169/05 ENTIDADE SOLICITANTE: Departamento de Pessoal Secretaria

Leia mais

ASSUNTO: Informações quanto à concessão de benefícios aos trabalhadores contratados nos moldes da Lei nº 8.745/93.

ASSUNTO: Informações quanto à concessão de benefícios aos trabalhadores contratados nos moldes da Lei nº 8.745/93. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas Nota

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno

RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno 1. Processo nº: 02856/2009 2. Classe de Assunto: Consulta 3. Entidade: Câmara Municipal de Dianópolis-To 4. Responsável: Reginaldo Rodrigues de Melo - Presidente 5. Relator:

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações

Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações CONSULTA N. 838.756 EMENTA: CONSULTA PREFEITURA MUNICIPAL I. RECURSOS DO FUNDO ESPECIAL DE ROYALTIES/ PETRÓLEO APLICAÇÃO

Leia mais

Contratação de parentes próximos a agentes públicos, por meio de procedimento licitatório, e observância dos princípios constitucionais

Contratação de parentes próximos a agentes públicos, por meio de procedimento licitatório, e observância dos princípios constitucionais RELATOR: CONSELHEIRO SEBASTIÃO HELVECIO Contratação de parentes próximos a agentes públicos, por meio de procedimento licitatório, e observância dos princípios constitucionais DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA

Leia mais

Criação de abrigo para menores por meio de consórcio público

Criação de abrigo para menores por meio de consórcio público RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Criação de abrigo para menores por meio de consórcio público DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA MUNICÍPIO ABRIGO PARA MENORES IMPLANTAÇÃO CONSÓRCIO PÚBLICO POSSIBILIDADE

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará RESOLUÇÃO Nº 16.769 (Processo nº. 2003/51606-1) Assunto: Consulta formulada pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO ES- TADO visando esclarecer se os valores correspondentes ao Imposto de Renda Retido na Fonte sobre

Leia mais

Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública

Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública RELATOR: CONSELHEIRO GILBERTO DINIZ Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA PROCESSO DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA ESTIMATIVA DO CUSTO DO OBJETO E INDICAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA

RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA 1. Processo Nº: 00709/2007 2. Classe de Assunto: IV Aposentadoria 3. Interessado: Tercina Dias de Carvalho Secretaria da Educação e Cultura 4. Entidade: Instituto de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 07854/2008 2. Classe de Assunto: III - Consulta 3. Entidade: Defensoria Pública 4. Interessado: Estellamaris Postal 5. Relator: Conselheiro Napoleão de

Leia mais

Tratam os autos de consulta formulada pelo Sr. Antônio do Vale Ramos, Prefeito do município de Patos de Minas, vazada nos seguintes termos:

Tratam os autos de consulta formulada pelo Sr. Antônio do Vale Ramos, Prefeito do município de Patos de Minas, vazada nos seguintes termos: PROCESSO Nº 735556 NATUREZA: Consulta PROCEDÊNCIA: Prefeitura Municipal de Patos de Minas CONSULENTE: Antônio do Vale Ramos Prefeito Municipal AUDITOR: Edson Arger Tratam os autos de consulta formulada

Leia mais

Despesa total com pessoal: inclusão dos gastos com reajuste e revisão geral anual de vencimentos e do valor do Imposto de Renda Retido na Fonte

Despesa total com pessoal: inclusão dos gastos com reajuste e revisão geral anual de vencimentos e do valor do Imposto de Renda Retido na Fonte Despesa total com pessoal: inclusão dos gastos com reajuste e revisão geral anual de vencimentos e do valor do Imposto de Renda Retido na Fonte CONSULTA N. 812.412 EMENTA: Consulta Prefeitura Municipal

Leia mais

PARECER PCO N.º 01852/13 (PROT N.º 10.149-08) (ACFA N.º 67/13)

PARECER PCO N.º 01852/13 (PROT N.º 10.149-08) (ACFA N.º 67/13) AJU: ASSESSORIA JURÍDICA ORIGEM: GABINETE DO CONS. RAIMUNDO MOREIRA PARECER PCO N.º 01852/13 (PROT N.º 10.149-08) (ACFA N.º 67/13) EMENTA: Prestação de Contas. Caixa de Assistência dos Servidores do Município.

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 30/10/2015 Prezados clientes, A Câmara dos Deputados aprovou na noite de 28.10.2015, o Projeto de Lei de Conversão ( PLV ) nº 21/2015, referente à Medida

Leia mais

Forma de cálculo dos proventos de aposentadoria proporcional: momento adequado para verificação da limitação prevista no 2º do art.

Forma de cálculo dos proventos de aposentadoria proporcional: momento adequado para verificação da limitação prevista no 2º do art. Forma de cálculo dos proventos de aposentadoria proporcional: momento adequado para verificação da limitação prevista no 2º do art. 40 da CR/88 CONSULTA N. 794.728 EMENTA: Consulta Município Servidor público

Leia mais

PROCESSO - TC-2291/2011 INTERESSADO - PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR LINDENBERG ASSUNTO - CONSULTA EMENTA

PROCESSO - TC-2291/2011 INTERESSADO - PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR LINDENBERG ASSUNTO - CONSULTA EMENTA PROCESSO - TC-2291/2011 INTERESSADO - PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR LINDENBERG ASSUNTO - CONSULTA EMENTA PUBLICAÇÃO DE ATOS ADMINISTRATIVOS TAIS COMO EXTRATOS DE CONTRATO, LICITAÇÕES, INFORMATIVOS

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL Protocolo nº 07.0000.2015.003765-0 Requerente: OAB/DF, de ofício. Assunto: Análise da constitucionalidade das Leis Distritais nº 5.206, de 30.10.2013 (arts. 4º e 5º); 5.207, de 30.10.2013 (art. 2º); 5.200,

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Fls. 60 59 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Solução de Consulta nº 29 Data 02 de julho de 2013 Processo 13154.720567/2012 36 Interessado UNIMED RONDONÓPOLIS COOPERATIVA DE

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

Contratação direta de serviço de assessoria jurídica

Contratação direta de serviço de assessoria jurídica Contratação direta de serviço de assessoria jurídica RELATOR: CONSELHEIRO WANDERLEY ÁVILA Devo frisar que o procedimento licitatório destinado à pré-qualificação dos futuros credenciados deve ser pautado

Leia mais

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Questão interessante diz respeito aos requisitos legais a serem cumpridos pelos municípios para repassar subvenção social a entidades

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 22, de 2011, do Senador Lindbergh Farias, que autoriza a União a conceder isenção fiscal,

Leia mais

O consulente juntou o Parecer jurídico nº 064/ASSEJUR/2013 à consulta.

O consulente juntou o Parecer jurídico nº 064/ASSEJUR/2013 à consulta. PROCESSO Nº : 9.441-2/2013 INTERESSADO : CÂMARA MUNICIPAL DE TANGARÁ DA SERRA ASSUNTO : CONSULTA RELATOR : CONSELHEIRO SUBSTITUTO LUIZ HENRIQUE LIMA PARECER Nº : 036/2013 Excelentíssimo Senhor Conselheiro:

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

Impossibilidade de utilização de recursos públicos para abastecimento de veículos particulares de vereadores e para doação de coroas de flores

Impossibilidade de utilização de recursos públicos para abastecimento de veículos particulares de vereadores e para doação de coroas de flores Impossibilidade de utilização de recursos públicos para abastecimento de veículos particulares de vereadores e para doação de coroas de flores CONSULTA N. 812.510 EMENTA: Consulta Câmara Municipal Utilização

Leia mais

Remuneração dos Agentes Políticos.

Remuneração dos Agentes Políticos. Remuneração dos Agentes Políticos. Subsídio Os Agentes Políticos recebem por subsídio (art. 39, 4º da CF/88), a saber: 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-005/2010 PROCESSO - TC-6947/2008 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-005/2010 PROCESSO - TC-6947/2008 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DOE 5.11.2010 PROCESSO - TC-6947/2008 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA CONTRATO DE DOAÇÃO GLOBAL ANUAL DE SUCATA PERTENCENTE À EMPRESA PÚBLICA PARA ENTIDADES FILANTRÓPICAS - POSSIBILIDADE

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA-GERAL E DO TRIBUNAL PLENO COORDENADORIA DE TAQUIGRAFIA / COORDENADORIA DE ACÓRDÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA-GERAL E DO TRIBUNAL PLENO COORDENADORIA DE TAQUIGRAFIA / COORDENADORIA DE ACÓRDÃO Ementa de Parecer em Consulta Tribunal Pleno Processo n.: 887880 Natureza: Consulta Órgão/Entidade: Prefeitura Municipal de Teófilo Otoni Consulentes: Getúlio Afonso Porto Neiva, Prefeito Municipal e André

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Tribunal Pleno

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Tribunal Pleno fls. 1 ACÓRDÃO Classe : Direta de Inconstitucionalidade n.º 001628-1.201.8.05.0000 Foro de Origem : Foro de comarca Ubaitaba Órgão : Relator(a) : Desembargador Jatahy Júnior Requerente : Prefeito do Município

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

10.4 SALDO FINANCEIRO DE CAIXA

10.4 SALDO FINANCEIRO DE CAIXA renda e proventos de qualquer natureza, incidente na fonte, sobre rendimentos pagos, a qualquer título, por eles, suas autarquias e pelas fundações que instituírem e mantiverem, bem como de parcelas dos

Leia mais

Convênio de cooperação e contrato de programa posicionamento acerca da necessidade de autorização legislativa para sua pactuação

Convênio de cooperação e contrato de programa posicionamento acerca da necessidade de autorização legislativa para sua pactuação Convênio de cooperação e contrato de programa posicionamento acerca da necessidade de autorização legislativa para sua pactuação RELATOR: CONSELHEIRO EDUARDO CARONE COSTA (...) a validade dos contratos

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL

APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL José Heitor dos Santos Promotor de Justiça/SP Silvio Carlos Alves dos Santos Advogado/SP A Lei Complementar Paulista nº. 1.062/08, que disciplina a aposentadoria

Leia mais

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Amigos concursandos! Desejo a todos muita paz, tranqüilidade e que seus objetivos estejam caminhando

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada PROCESSO: 716941 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTE: ÚLTIMO BITENCOURT DE FREITAS PROCEDÊNCIA: PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTE ALEGRE DE MINAS ASSUNTO: CONSULTA QUANTO À LEGALIDADE DE REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS,

Leia mais

ANÁLISE DA LEGALIDADE DO PAGAMENTO DE 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS A AGENTES POLÍTICOS

ANÁLISE DA LEGALIDADE DO PAGAMENTO DE 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS A AGENTES POLÍTICOS ANÁLISE DA LEGALIDADE DO PAGAMENTO DE 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS A AGENTES POLÍTICOS MÁRCIO SILVA FERNANDES Consultor Legislativo da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

Caráter excepcional da indicação de marca em edital

Caráter excepcional da indicação de marca em edital RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Caráter excepcional da indicação de marca em edital DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA PRESIDENTE DE CÂMARA MUNICIPAL ELABORAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 1.884/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 1.884/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 1.884/2014 Referência : Ofício nº 162/14/SEC/MPM. Protocolo AUDIN-MPU nº 769/2014. Assunto

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 095/2009 TCE/TO 2ª Câmara

ACÓRDÃO Nº 095/2009 TCE/TO 2ª Câmara ACÓRDÃO Nº 095/2009 TCE/TO 2ª Câmara 1. Processo nº: 1686/2007 2. Classe de Assunto: II Prestação de Contas de ordenador de despesas referente ao exercício de 2006 3. Responsável: Valquíria Moreira Rezende

Leia mais

Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR

Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR O art. 100 da Constituição Federal de 1988 dispõe sobre a forma de pagamento de precatórios judiciais, que se realizarão na ordem cronológica de apresentação,

Leia mais