Universidade Anhanguera-Uniderp

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Anhanguera-Uniderp"

Transcrição

1 Universidade Anhanguera-Uniderp Sinistralidade em planos de saúde: alternativas para controle Larissa Fernandes Guimarães Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado no MBA em Gestão de Planos de Saúde Área de concentração: Gestão da Atenção à Saúde Orientadora: Profª Alba Valéria Eira Fleury Goiânia (GO) 2013

2 UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PLANOS DE SAÚDE LARISSA FERNANDES GUIMARÃES SINISTRALIDADE EM PLANOS DE SAÚDE: ALTERNATIVAS PARA CONTROLE Goiânia

3 UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PLANOS DE SAÚDE LARISSA FERNANDES GUIMARÃES SINISTRALIDADE EM PLANOS DE SAÚDE: ALTERNATIVAS PARA CONTROLE Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão de Planos de Saúde. Orientadora: Profª Alba Valéria Eira Fleury. Goiânia

4 RESUMO O presente artigo buscou a contextualização da sinistralidade nos planos de saúde uma vez que, para manter a operadora saudável financeiramente, é imperativo que se busque ferramentas para o controle dos sinistros. Uma sinistralidade aceitável pela maioria das operadoras é da ordem de 70 a 75% a fim de que seja viável o negócio de saúde. O objetivo deste trabalho foi apresentar alternativas para o controle da sinistralidade nos planos de saúde a fim de garantir a exequibilidade do negócio, promovendo a estabilidade da equação operadora/beneficiário. Adotamos neste artigo a metodologia da revisão literária de aspecto qualitativo sobre sinistralidade e operadoras de planos de saúde, tendo como base de dados a Biblioteca Virtual da Saúde (BVS), livros e apostilas que tratam do tema além de artigos publicados no período de 2000 a PALAVRAS-CHAVE sinistralidade; plano de saúde; controle

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 5 OBJETIVO... 6 METODOLOGIA... 6 REVISÃO DA LITERATURA Conceitos e definições de sinistralidade Regulação dos planos de saúde Causas para alta sinistralidade Alternativas para administração e controle da sinistralidade CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 15

6 5 INTRODUÇÃO Atualmente muito se fala sobre sinistralidade nos planos de saúde, uma vez que a saúde financeira da operadora depende, e muito, do controle e administração dos sinistros. Termo constantemente utilizado pelos gestores em saúde, a sinistralidade é um importante indicador financeiro para a avaliação e uso dos recursos de saúde. Sinistralidade é a relação entre a média de utilização e os custos que a empresa paga à operadora de assistência médica, seja ela uma seguradora ou uma empresa de medicina de grupo. Significa a equação dos custos de assistência sobre as receitas da assistência de uma operadora. 1 Vários fatores tem influenciado diretamente nos custos assistenciais: incremento de novas tecnologias médicas, aumento do uso de exames, envelhecimento da população, aumento do rol de Procedimentos da ANS, etc. Isto impacta diretamente na equação custos sobre as receitas. 2 Por estes motivos, os desafios de dirigentes de operadoras de saúde são complexos: - Necessidade de melhorar o rendimento da operadora; - A reivindicação dos prestadores de atualização de suas tabelas; - A exigência dos clientes: querem rede ampliada e qualificada, melhores profissionais e redução de preços nos seus planos de saúde; - A ampliação do Rol de procedimentos pela ANS anualmente; - Novas tecnologias que geram novos procedimentos e agregam novos custos; - Tributos exagerados para as operadoras, inviabilizando- as; - Judicialização da saúde. 3 Os reflexos de todos estes fatores produzem desequilíbrio econômico financeiro das operadoras, por crescimento exagerado de sinistros, obrigando a intervenção da Agencia Nacional de Saúde e muitas vezes a liquidação da Operadora.3 A sinistralidade alta pode ocorrer por uma real necessidade de tratamento ou pela utilização indevida, com abusos ou utilização desnecessária por parte do beneficiário, onerando o plano sem necessidade. Outro fator a ser considerado é uma receita menor do que as despesas, ou seja, o valor arrecadado pela operadora com o plano não consegue manter o plano. A administração desta sinistralidade é

7 6 parte importante da gestão de operadoras de planos de saúde, acompanhando e controlando a utilização dos beneficiários para manter saneada a operadora. 3 Nas carteiras com custos abusivos e desordenados pode-se agir com ações educativas e de prevenção para a população de usuários, bem como de ações assistenciais que alterem hábitos e melhorem a qualidade de saúde destas pessoas. Porém em carteiras onde não se encontram abusos, nem uso desordenado e sim um preço muito baixo, é necessário buscar outras soluções como revisão atuarial do plano, desenho de produtos e até tentar rediscutir o futuro do plano de saúde. 1 Desta forma este trabalho calcou-se na construção de elementos que somem para a criação de estratégias e ações que contribuam para o equilíbrio saudável da relação operadora/beneficiário, possibilitando a assistência de qualidade, mas sem perder o enfoque na utilização racional do plano. OBJETIVO O objetivo deste estudo foi, através de uma revisão da literatura existente, apresentar alternativas para o controle da sinistralidade nos planos de saúde a fim de garantir a saúde financeira da operadora e a viabilidade do negócio, promovendo o equilíbrio da equação plano/beneficiário. METODOLOGIA O processo metodológico que subsidiou o presente trabalho consistiu em uma revisão literária de aspecto qualitativo sobre sinistralidade, planos de saúde e operadoras de saúde, tendo como base de dados a Biblioteca Virtual da Saúde (BVS), livros e apostilas que tratam do tema, além de artigos publicados no período de 2000 a A revisão de literatura de caráter qualitativo deu-se através da busca e pesquisa de informações, trazendo para o artigo várias referências que corroboraram para a percepção sobre o tema. Foi realizado um levantamento de informações com

8 7 utilização de artigos, livros, apostilas e consultas na internet sobre o assunto em foco, utilizando-se para a busca os descritores: sinistralidade, plano odontológico, operadora de planos de saúde, gestão e controle de utilização. REVISÃO DA LITERATURA Para um melhor entendimento a revisão da literatura foi separada em tópicos: 1. Conceitos e definições de sinistralidade Para a ANS taxa de sinistralidade é a relação, expressa em porcentagem, entre a despesa assistencial e a receita de contraprestações das operadoras. 4 Significa a relação entre sinistros realizados e prêmio, ou seja, os custos sobre as receitas de uma operadora. É possível medir a sinistralidade de um indivíduo, de um grupo ou de toda a carteira de beneficiários de um determinado plano de saúde. 1 Outra definição diz que sinistralidade é a avaliação da relação entre receita e despesas de um benefício. Quando esta relação se desequilibra, significa que a empresa está gastando acima das previsões contratuais, o que pode ocasionar cancelamento de contrato por parte da operadora ou reajustes inesperados. 5 O controle da sinistralidade mede a relação entre a receita obtida com o pagamento das faturas em relação ao custo assistencial com a cobertura contratual. Este índice define a viabilidade do negócio. Este equilíbrio financeiro também é conhecido por break even. 2 Sobre índice de sinistralidade, o mesmo é conceituado como a divisão entre a receita e as despesas com procedimentos. Esta equação funciona como um gatilho: quando fica desequilibrada, o custo dos planos aumenta, transformando-se em problemas para as operadoras e seguradoras (que arcam com o reembolso desses procedimentos), para as empresas (que vêem o custo dos planos aumentarem) e para os funcionários. 6

9 8 Uma sinistralidade aceitável e limite é da ordem de 75%, ou seja, os custos representarem 75% da receita adquirida. Esta medida permite o plano custear as despesas administrativas, comerciais e ter uma margem de lucro que viabilize o negócio. Quando uma operadora atinge níveis elevados de sinistralidade, ela está pagando para manter uma carteira e não tem como custear suas despesas administrativas e outros custos Regulação dos planos de saúde Em 2000, através da Lei no 9.961/2000, foi criada a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) com a finalidade institucional de promover a defesa do interesse público na assistência suplementar à saúde, regulando as operadoras setoriais, inclusive quanto às suas relações com prestadores e consumidores, contribuindo para o desenvolvimento das ações de saúde no país. 7 De acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde os objetivos da regulamentação podem ser resumidos em seis pontos: 1) assegurar aos consumidores de planos privados de assistência à saúde cobertura assistencial integral e regular as condições de acesso; 2) definir e controlar as condições de ingresso, operação e saída das empresas e entidades que operam no setor; 3) definir e implantar mecanismos de garantias assistenciais e financeiras que assegurem a continuidade da prestação de serviços de assistência à saúde contratados pelos consumidores; 4) dar transparência e garantir a integração do setor de saúde suplementar ao SUS e o ressarcimento dos gastos gerados por usuários de planos privados de assistência à saúde no sistema público; 5) estabelecer mecanismos de controle da abusividade de preços; 6) definir o sistema de regulamentação, normatização e fiscalização do setor de saúde suplementar. 8 Em resumo, o objetivo estratégico do regime de regulação na saúde, é, através de leis e resoluções, melhorar a qualidade dos contratos, contribuir para que as empresas se sustentem e gerar incentivos que beneficiem os consumidores Causas para alta sinistralidade

10 9 Várias são as causas para um aumento de sinistralidade nos planos de saúde. É sabido que os custos em saúde vêm crescendo progressivamente por diversos motivos tais como incorporação de novas tecnologias, aumento na utilização de procedimentos, envelhecimento da população, cronificação de doenças, dentre outros. Estes custos elevados na assistência de saúde não tendem a reduzir nos próximos anos. Pelo contrário, aumentam cada vez mais. Isto impacta diretamente na equação de custos sobre as receitas. 9 No segmento odontológico, a literatura mostra que o setor de saúde suplementar odontológico cresceu 210% nos últimos anos, o que faz com que o segmento de operadoras de planos odontológicos viva, atualmente, um momento extraordinário dentro do sistema privado de atenção à saúde. A trajetória ascendente evidencia que, cada vez mais, a população está contratando os serviços destas operadoras, sejam eles planos coletivos ou individuais. 10 Quando a empresa inicia o benefício odontológico, tem grande probabilidade de ter uma sinistralidade acima dos 60%, pois existe a chamada demanda reprimida, pessoas que ganham a oportunidade de iniciar o tratamento dental. Dependendo do perfil dos colaboradores a probabilidade pode diminuir, caso já tenham o costume de frequentar o consultório de um dentista. Com o mínimo de um ano analisando a sinistralidade, é possível saber qual é o custo necessário para se manter o equilíbrio financeiro. A troca contínua no quadro de funcionários ( turnover ) também será fundamental para projetar o gasto. Quanto maior esse índice, maior será a chance da sinistralidade aumentar. 2 O sistema de financiamento na saúde suplementar baseia-se na solidariedade inter-geracional (com os mais jovens financiando parcialmente os mais idosos). A elevação da proporção de idosos diante de indivíduos em idade ativa (ou razão de dependência de idosos) implicará dificuldades para a manutenção desse sistema. Segundo projeções do IBGE, em 2050 haverá 4,3 indivíduos idosos para cada 10 indivíduos com idade entre 20 e 59 anos. Atualmente, esta razão é de 1,4 para 10. Cada pessoa em idade ativa deverá suportar o triplo de pessoas em idade acima de 60 anos do que atualmente ocorre. 9 Portanto, a sinistralidade, devido à idade tende a aumentar consideravelmente. Um fator determinante de estímulo à entrada de usuários na rede de serviços e que eleva a sinistralidade é a ausência de práticas de promoção e prevenção.

11 10 Muitas vezes essas ações tem sido utilizadas como ferramenta de marketing, mas não como uma prática efetiva. 11 No que tange à sinistralidade há diferenças entre os planos médico-hospitalares e odontológicos. A maioria dos planos médico-hospitalares trabalha com uma alta sinistralidade, porém com uma baixa frequência, ou seja, enquanto a maioria dos beneficiários não se encontra hospitalizada, aqueles que estão hospitalizados incorrem em altos custos. No caso dos planos odontológicos, ocorre o contrário: há uma alta frequência de eventos de baixo custo: a maioria da população possui algum tipo de doença bucal a ser tratada e a maioria das doenças bucais tratáveis a custos menores que as doenças médicas. Outra observação é que a frequência de utilização nos planos odontológicos coletivos se comporta de forma diferenciada dos planos médico-hospitalares pois, após um pico de utilização inicial, existe uma tendência de estabilização, reduzindo os custos e a sinistralidade ao longo do tempo. 12 A realidade atual é que o cliente está mais informado e participativo das decisões sobre sua saúde. O envelhecimento da população aumenta a demanda de serviços, que por sua vez aumenta a longevidade, que faz com surjam novos avanços tecnológicos. Tudo isso eleva os custos da saúde. 3 Observa-se ainda o problema da assimetria de informações que é inerente ao mercado de saúde suplementar e dificulta o funcionamento eficiente desse mercado. Os beneficiários têm mais informação sobre o seu estado de saúde do que as operadoras e adquirem o plano somente se o custo for inferior ao que eles esperam gastar com saúde. As operadoras, por sua vez, apenas aceitam vender o plano de saúde a um preço superior ao gasto esperado pelo indivíduo saudável. Porém, a operadora não analisa o estado de saúde do consumidor, exceto por algumas características observáveis, como sexo, histórico de saúde, exames, se fumante, dentre outras. Mas, por força da regulação, não pode diferenciar o preço a ser cobrado com base nesses fatores. 13 Assim sendo, dois problemas surgem em decorrência dessa assimetria: a seleção adversa, ou seja, à medida que a operadora eleva o preço, ela seleciona os beneficiários em piores condições de saúde e com maiores gastos esperados com tratamento, e o risco moral, ou moral hazard, que se refere ao comportamento dos agentes. Tanto os problemas de seleção adversa como de risco moral podem resultar em grandes perdas para as companhias seguradoras porque levam a altos

12 11 pagamentos de indenizações de seguro. Assim, a redução da seleção adversa e do risco moral é um dos principais objetivos das companhias seguradoras. 13 Reajustes de valores cobrados pelos planos são usados pelas operadoras para se corrigir o déficit da alta sinistralidade. Os reajustes dos planos coletivos podem ocorrer através de negociações entre a operadora de saúde e a empresa que compra o plano de saúde. São realizados com base na utilização do plano ou pelo cálculo da sinistralidade da carteira em períodos anteriores. Cada vez que a sinistralidade atinge índices altos, aplicam-se reajustes proporcionais Alternativas para gestão e controle da sinistralidade Como alternativas para controle de sinistralidade, as operadoras de planos odontológicos tendem a criar mecanismos que incentivem os beneficiários a frequentarem o dentista regularmente, uma vez que seus custos aumentam quando o tratamento é adiado, e este adiamento é uma prática frequente entre os usuários. 12 É imprescindível um acompanhamento constante dos índices de utilização e principalmente mapear esta utilização por períodos, atualizando os dados através de um sistema com programa exclusivo, e então realizar ações específicas para gerenciar diferentes riscos tais como: - Reeducação na saúde e sua manutenção; - Acompanhamento dos casos crônicos; - Palestra e seminários de orientação médica; - Apontamento dos procedimentos utilizados de forma desnecessária; - Programas de qualificação de vida; - Posto médico nas dependências da empresa; - Campanhas de conscientização, entre outras. 5 O mapeamento, análise e o controle rigoroso da sinistralidade são o resultado real de economia para o cliente, permitindo muitas vezes, redução na fatura junto à operadora ou seguradora. 5 Como medidas para diminuir os custos da saúde, é necessário: - Melhorar a comunicação com os clientes e fidelizá-los; - Criar política adequada e transparente de comercialização e negociação de contratos; - Desenvolver e convencer a prática de Atenção e Promoção da Saúde. 3

13 12 Outra ferramenta utilizada pelas operadoras é a auditoria, importante parte do processo de controle da sinistralidade. Ao mesmo tempo em que realiza o controle de qualidade da assistência oferecida, também controla custos, prevenindo abusos nos sinistros e prevenindo e controlando fraudes, tornando-se fundamental para a gestão. 15 As operadoras rotineiramente lançam mão de mecanismos de regulação a fim de diminuir e controlar a sinistralidade. São instrumentos e ferramentas utilizadas para promover o uso responsável e consciente do plano, para promover o gerenciamento de custos e controle de desperdícios, além de evitar fraudes. Exemplos são as coparticipações, onde o usuário arca com parte do custo do procedimento; gate keeper ou porta de entrada que funciona como uma triagem e possibilita uma grande redução dos custos assistenciais e franquia que é a cobrança de um valor fixo por diária ou período. 16 Provavelmente a medida mais popular para reduzir a sinistralidade seja a carência, que constitui um mecanismo que favorece o comportamento prudente dos indivíduos, mesmo aqueles que consideram baixa sua probabilidade de despesa com saúde. 9 A introdução de um auditor ou administrador é uma ferramenta utilizada como elemento chave no processo de implantação da atenção gerenciada. Este profissional autoriza os procedimentos guiado por protocolos técnicos e controlam os atos médicos, limitando-os de acordo com a eficiência pretendida do sistema. O auditor regula o cuidado, segundo a lógica administrativa e metas de consumo/receitas. 2 Também utilizam a auditoria radiológica em Odontologia como opção de controle, por ser relativamente fácil (uma vez que procedimentos odontológicos são altamente rastreáveis) e resultar em uma relação custo/benefício positiva para a operadora. 12 Por outra vertente, aliando controle de sinistralidade com concorrência, observase que a expressiva maioria das operadoras vê a proposta de investimento em ações preventivas como uma estratégia para vencer a concorrência acirrada. Ela levaria a uma menor sinistralidade, maior resolutividade e, como consequência, a uma redução dos custos dos produtos oferecidos. 18 Diferenciar o preço do plano conforme o perfil do usuário, ou seja, baseado em suas escolhas individuais, como ser fumante ou não, praticar ou não exercícios

14 13 físicos, adotar alimentação saudável, dentre outras, é uma forma de estimular as pessoas a adotar hábitos de vida saudáveis. Como consequência estas atitudes contribuem para a redução dos gastos com assistência à saúde e,consequentemente, com a redução da taxa de sinistralidade. As operadoras de planos com melhores taxas de sinistralidade adotam excelência de gestão e, certamente, tomam decisões mais acertadas e eficientes. 9 Como exemplos de atividades relacionadas à excelência de gestão e consequente redução dos índices de sinistro, pode-se citar: - avaliar performance sabendo-se o tempo e recursos gastos, é possível avaliar a performance; - visualizar atividades a serem terceirizadas com as atividades bem mapeadas, podem ser visualizadas aquelas que não são o negócio da empresa e que assim podem ser terceirizadas. A excelência de gestão ajuda a identificar onde a terceirização traz eficiência; - entender as atividades que consomem recursos e que agregam ou não valor ao procedimento ou serviço ao se verificar cada atividade, podem ser vistas aquelas que consomem recursos e não adicionam valor e assim, eliminá-las, uma vez que o beneficiário não quer pagar por algo que não adiciona valor ao serviço; - fazer reengenharia em atividades identificadas as atividades que são malfeitas, podem ser redesenhadas, tornando-as mais eficientes; - melhorar continuamente os sistemas de gestão de qualidade algumas atividades podem ser melhoradas continuamente, usando os conceitos de gestão de qualidade, com o objetivo de melhora na eficiência; - fazer gestão de beneficiários como a relação entre a operadora de planos de saúde e beneficiários é feita por serviços, a excelência de gestão enxerga melhor os beneficiários que, mesmo fazendo procedimentos parecidos, podem ter custos diferentes. 19 Como os reajustes de receita dos planos estão de certa forma limitada, a saída para a resolução da equação de aumento da sinistralidade x reajuste do plano é baixar custos operacionais e aumentar a receita do plano com a entrada de novos beneficiários. Este ingresso, no entanto, precisa ser estudado e acompanhado. Caso ocorra um cálculo de mensalidade incorreto a situação financeira da operadora pode ser agravada. 18

15 14 Alguns especialistas observam que o Brasil caminha para a chamada Terceira Geração da Assistência Médica, onde o foco das ações está no processo de educação dos beneficiários, incentivando cada vez os beneficiários que praticam atividades saudáveis, contribuindo com seu próprio bem estar físico e mental. Pessoas saudáveis tendem a utilizar menos os serviços de saúde e são disseminadores dessa cultura saudável em toda a organização e contribuem diretamente para a queda da sinistralidade. 18 Um ponto fundamental é investir em trabalho de mudança cultural para diminuir a sinistralidade, tomando o cuidado para não haver perda da qualidade de atendimento. Esta mudança visa quebrar e mudar o paradigma atual de atenção reativa centrada na doença, em procedimentos e baseado em demanda espontânea, para um modelo de atenção integral à saúde, com ações de promoção em saúde e prevenção de riscos e doenças. 6 Investir em programas de prevenção ainda é o melhor atalho para empresas, operadoras de planos de saúde e seguradoras evitarem aumentos do índice de sinistralidade. 6 Outras alternativas para reduzir a sinistralidade da carteira de usuários da operadora são o gerenciamento de crônicos/riscos, remuneração por performance, criação de rede assistencial própria, auditoria em saúde, entre outros. 2 CONCLUSÃO Este estudo demonstrou as causas para o aumento da sinistralidade nas planos de saúde e o impacto que o desequilíbrio entre receita e despesa causa no negócio, muitas vezes inviabilizando a continuidade da operadora. Evidenciou a necessidade do acompanhamento e controle da sinistralidade dos planos para manter a saúde financeira da operadora. Finalmente apresentou alternativas para este controle e reforçou a importância da prevenção e promoção de saúde como opção e tendência de mercado para este segmento. Concluiu-se que é essencial criar medidas e estratégias para conter o aumento da sinistralidade e manter um nível satisfatório de utilização dos planos, tornando a operadora viável economicamente.

16 15 Como bem disse Dr. Fernando Fernandes, Médico Cirurgião Geral, especialista em Sistemas de Saúde: Existem muitas soluções inovadoras para problemas conhecidos. A primeira delas é sair da inércia e motivar-se a resolver os entraves diários, que vivemos em nossas instituições. REFERÊNCIAS 1. Fernandes F. A Sinistralidade Crescente no Sistema de Saúde Disponível em dade.pdf - acesso em 11/10/12 2. Sinistralidade - Disponível em: acesso em 26/08/12 3. Marino GT. Gerenciamento de Riscos e Controle de Sinistralidade - Disponível em: os%20e%20controle%20de%20sinistralidade.pdf acesso em 23/10/12 4. Agência Nacional de Saúde (Brasil). Caderno de Informação em Saúde Suplementar : beneficiários, operadoras e planos. Rio de Janeiro: ANS; março Disponível em: 09.pdf 5. Controle de Sinistralidade e Redução de Custos - Disponível em: - acesso em 03/09/ acesso em 05/11/12

17 16 7. Resoluções CONSU nº 01/2000. Sanções aplicáveis aos procedimentos e atividades lesivas à assistência de saúde suplementar. Delega competência à ANS para os atos mencionados. Rio de Janeiro: ANS; Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Saúde Suplementar. Brasília: CONASS; Azevedo ERFC. Os Desafios das Operadoras de Planos de Saúde de Autogestão em um Cenário de Envelhecimento Populacional e Cronificação de Doenças. Rio de Janeiro: REDE LFG, (Monografia apresentada à Universidade Anhanguera, Universidade Para o Desenvolvimento da Região do Pantanal UNIDERP e Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes REDE LFG. Curso de Pós- Graduação Lato Sensu TeleVirtual em Gestão de Planos de Saúde). 10. Pietrobon L, Silva CM, Batista LRV, Caetano JC. Planos de assistência à saúde: interfaces entre o público e o privado no setor odontológico. Ciência & Saúde Coletiva 2008; 13(5): Malta DC.; Cecílio, LCO; Merhy, EE.; Franco, TB.; Jorge, AO.; Costa, MA. Perspectivas na regulação da saúde suplementar diante dos modelos assistenciais. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9: Covre E.; Alves SL. Planos odontológicos: uma abordagem econômica no contexto regulatório. Rio de Janeiro: ANS; Cechin J. A história e os desafios da saúde suplementar: 10 anos de regulação. São Paulo: Saraiva, Letras & Lucros, Souza MIS. Gestão Eficiente da Sinistralidade com Intervenção de ações de Medicina Preventiva Minimiza Custos de Plano de Saúde - Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado no Pós-Graduação em Gestão de Planos de Saúde Área de concentração: Gestão de Plano de Saúde

18 Universidade Anhanguera-Uniderp Orientadora: Profª. Alba Valéria Fleury Belem-PA O que é sinistralidade em planos de saúde. Disponível em: - acesso em 01/10/ acesso em 12/11/ Franco TB. Trabalho e transição tecnológica na saúde. Projeto para qualificação à tese de doutorado. FCM. Unicamp, Campinas Duarte EJA. As operadoras de planos privados de assistência à saúde no marco do novo modelo de regulação. Dissertação de mestrado ENSP/FIOCRUZ.RJ. 19. Coura B. Gestão de custos em saúde / Betovem Coura... [et al.]. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. (Gestão em saúde (FGV Management)). Em colaboração com Alfredo Augusto Gonçalves Pinto, Fernando Faria Salgado, Mauro Barros Dantas.

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Francine Leite Apresentação Este trabalho introduz o tema Envelhecimento

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar

Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar 50 Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar SANDRO LEAL ALVES 1 1 Este artigo reflete a opinião do autor e foi produzido a partir de apresentação realizada pelo mesmo por ocasião da 4ª Conferência

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS 1 RESUMO

AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS 1 RESUMO AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA S ASSISTENCIAIS 1 Quartiero,L. 2 1 Monografia de conclusão de Especialização em Auditoria em Saúde - FACISA 2 Enfermeira,

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

Debates GVsaúde. Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões. Denise Eloi Maio/2014

Debates GVsaúde. Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões. Denise Eloi Maio/2014 Debates GVsaúde Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões Denise Eloi Maio/2014 Sistema de Saúde Suplementar 1.274 operadoras de planos de saúde com beneficiários Mais

Leia mais

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado?

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Mauricio Ceschin Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais No segundo trimestre de 2010, o número de beneficiários de planos de saúde cresceu 1,9%, totalizando 44.012.558

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL Federação Nacional de Saúde Suplementar COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL Audiência Pública sobre a Mobilidade com Portabilidade (Consulta Pública ANS nº 29/2008) 19/11/08 Solange Beatriz Palheiro

Leia mais

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 1 CONTEXTO CUSTOS DA SAÚDE COLOCAM OPERADORAS EM RISCO FINANCEIRO O SETOR DE SAÚDE ESTÁ EM ALERTA O aumento dos custos com procedimentos médicos e hospitalares tem superado

Leia mais

CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ

CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ 11 Novembro 2015 Início: 9:00 horas Término: 12:00 horas GESTÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 09h00 às 09h30 09h30 às 10h30 10h30 às 11h00 11h00 às 12h00 Welcome

Leia mais

ANEXO I PROCEDIMENTOS PREVIAMENTE ACORDADOS PPA SOBRE A PROVISÃO DE EVENTOS/SINISTROS A LIQUIDAR - DIOPS/ANS

ANEXO I PROCEDIMENTOS PREVIAMENTE ACORDADOS PPA SOBRE A PROVISÃO DE EVENTOS/SINISTROS A LIQUIDAR - DIOPS/ANS ANEXO I SOBRE A PROVISÃO DE EVENTOS/SINISTROS A LIQUIDAR - DIOPS/ANS Data-base do DIOPS: trimestre de. 1 DIOPS Financeiro e Balancete 1.1 - Com base no balancete de verificação devidamente assinado pelo

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 29ª Edição Agosto de 214 SUMÁRIO EXECUTIVO Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (Mar/14): 5.722.522; Taxa

Leia mais

Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária

Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária 1 Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária A presente nota tem o objetivo de esclarecer as regras gerais da atual regulamentação para a formação dos preços e dos aumentos por mudança de

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar. Chile, Agosto 2011

Agência Nacional de Saúde Suplementar. Chile, Agosto 2011 Agência Nacional de Saúde Suplementar Chile, Agosto 2011 Dados do Setor Planos de Saúde Planos de Saúde Médico Hospitalares Exclusivamente Odontológicos Consumidores Número de Operadoras Faturamento em

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 30ª Edição Outubro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (jun/14): 50.930.043; Taxa

Leia mais

Como são calculadas as mensalidades?

Como são calculadas as mensalidades? Este informe aborda os aspectos relacionados ao reajuste do valor das mensalidades do Plano de Assistidos e do Plano de vinculados administrados pelo Eletros-Saúde (ES) para o ano de 2015. mas antes, é

Leia mais

ASPECTOS FINANCEIROS DA COOPERATIVA E CAPITAL SOCIAL

ASPECTOS FINANCEIROS DA COOPERATIVA E CAPITAL SOCIAL ASPECTOS FINANCEIROS DA COOPERATIVA E CAPITAL SOCIAL Operadoras de Plano de Saúde ANTES E DEPOIS LEI 9656/98 E ANS LEI 9656/98 Regulamenta a atividade das Operadoras de Planos de Saúde na área Suplementar

Leia mais

TENDÊNCIAS E DESAFIOS DOS SISTEMAS DE SAÚDE NAS AMÉRICAS

TENDÊNCIAS E DESAFIOS DOS SISTEMAS DE SAÚDE NAS AMÉRICAS TENDÊNCIAS E DESAFIOS DOS SISTEMAS DE SAÚDE NAS AMÉRICAS [Abertura] Podemos identificar quatro etapas no processo de regulamentação desse setor que surge em meados dos anos sessenta e alcança uma extraordinária

Leia mais

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Consultoria Técnica para a Gestão da Sinistralidade Suporte para Organização das Auditorias Operadora Consultoria Técnica em OPME Auditorias,

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

Avaliação Atuarial de Banco de Dados

Avaliação Atuarial de Banco de Dados Avaliação Atuarial de Banco de Dados ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA - SP São José dos Pinhais, 12 de Junho de 2007. Índice 1. Introdução---------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE A Norma Contábil é necessária para padronizar o registro das operações do mercado de saúde. O principal objetivo da padronização é monitorar a solvência desse mercado. Solvência é a capacidade de uma operadora

Leia mais

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Ciclo de Debates SUS O Cenário do Fornecimento de Órteses e Próteses Uma visão das Operadoras de Planos Privados 07 de

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

Sustentabilidade do Setor de Saúde Suplementar. Leandro Fonseca Diretor Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras - DIOPE

Sustentabilidade do Setor de Saúde Suplementar. Leandro Fonseca Diretor Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras - DIOPE Seminário Anual de Saúde 2013 Sustentabilidade dos programas de saúde: desafios e oportunidades Leandro Fonseca ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar 16 de maio de 2013 2013 Towers Watson. Todos os

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

I Jornada Científica Outubro de 2012. Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica.

I Jornada Científica Outubro de 2012. Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica. I Jornada Científica Outubro de 2012 Planos de saúde no Brasil: Uma análise da regulação econômica. Doutorando do PPED/IE/UFRJ: Rodrigo Mendes Leal (RMendesleal@gmail.com) Orientadora: Dra. Maria Lucia

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

RH 2020: Valor e Inovação. Rediscutindo os modelos financeiros existentes. René Ballo. 7 de maio de 2015, São Paulo

RH 2020: Valor e Inovação. Rediscutindo os modelos financeiros existentes. René Ballo. 7 de maio de 2015, São Paulo RH 2020: Valor e Inovação Rediscutindo os modelos financeiros existentes René Ballo 7 de maio de 2015, São Paulo Avanços da medicina e de medicamentos Ampliação do rol de procedimentos Envelhecimento da

Leia mais

Regulaçã. ção o Atuarial dos Planos de Saúde. Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT

Regulaçã. ção o Atuarial dos Planos de Saúde. Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT Regulaçã ção o Atuarial dos Planos de Saúde Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT Gerência-Geral Geral Econômico-Financeiro dos Produtos GGEFP/DIPRO Regulação do Setor

Leia mais

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares José Cechin Superintendente Executivo José Cechin Carina Burri Martins Francine Leite Apresentação Entende-se por Custos Médico-Hospitalares o total das despesas

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

8ª Congresso Brasileiro de Gestão em Laboratórios Clínicos - Hospitalar

8ª Congresso Brasileiro de Gestão em Laboratórios Clínicos - Hospitalar 8ª Congresso Brasileiro de Gestão em Laboratórios Clínicos - Hospitalar Impactos da Contratualização na Saúde Suplementar e as várias visões do Relacionamento Comercial Sandro Leal Alves 22 de maio de

Leia mais

CARTA ABERTA AOS SABESPIANOS

CARTA ABERTA AOS SABESPIANOS CARTA ABERTA AOS SABESPIANOS O PLANO DE SAÚDE oferecido pela Sabesp é considerado pela força de trabalho como um dos principais benefícios e, consequentemente, como elemento chave para a permanência de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015

CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015 CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015 1 INFORMES 1.1- Demonstrações contábeis 2014: Na reunião do Conselho Curador, ocorrida em Brasília/DF no período de 27 e 28 de abril de 2015, os Conselheiros

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Saúde Suplementar: Algumas Reflexões

Saúde Suplementar: Algumas Reflexões 436 Saúde Suplementar: Algumas Reflexões Renata Vale Pacheco Medeiros 1 Abrindo a série de palestras sobre Saúde Suplementar, o Dr. Luiz Augusto Carneiro frisou que o seguro saúde é contrato de seguro

Leia mais

ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos

ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos 201 ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos Luciana Gomes de Paiva 1 Da palestra do Dr. Franklin Padrão, de início, destacam-se os princípios doutrinários de universalidade, equidade

Leia mais

Regulação e resultados econômicos dos planos privados de saúde no Brasil. Régulation et les résultats économiques des plans de santé privés au Brésil.

Regulação e resultados econômicos dos planos privados de saúde no Brasil. Régulation et les résultats économiques des plans de santé privés au Brésil. CALASS 2014 Regulação e resultados econômicos dos planos privados de saúde no Brasil. Régulation et les résultats économiques des plans de santé privés au Brésil. Rodrigo Mendes Leal - Doutor em Políticas

Leia mais

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 2012 Towers Watson. Todos os direitos reservados. 29ª Pesquisa de Benefícios Towers Watson

Leia mais

ANS. Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho

ANS. Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho ANS Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho Diretor de Desenvolvimento Setorial São Paulo, maio de 2011 Plano Coletivo

Leia mais

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10. DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.2012 A G E N D A 1. Cenário da saúde no Brasil 2. Um setor cada vez mais

Leia mais

COOPERATIVISMO ANS AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

COOPERATIVISMO ANS AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR COOPERATIVISMO ANS AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR LEI DOS PLANOS DE SAÚDE A Lei Federal nº 9.656/98 - regulamenta os planos privados de assistência à saúde, foi sancionada em 03 de junho de 1998.

Leia mais

Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007

Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007 Audiência Pública Projeto de Lei da Câmara n o 39, de 2007 Aspectos econômicos da negociação coletiva de médicos na Saúde Suplementar 1 Coordenação-Geral de Economia da Saúde (COGSA) Ministério da Fazenda

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS

Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS X Congresso Brasileiro de Informática em Saúde out/2006 - Florianópolis (SC) ANS Lei nº 9.656/1998

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

Assunto: Definição de Informações Gerais em Saúde Suplementar

Assunto: Definição de Informações Gerais em Saúde Suplementar AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIFIS/GGRIN Protocolo Nº. 33902. 211702/2008-78 Data Registro 28/11/2008. Hora Registro 10:24 Assinatura: NOTA n.º 01/2008/GGRIN/DIFIS Rio de Janeiro, 28 de novembro

Leia mais

O mercado de serviços de Saúde no Brasil

O mercado de serviços de Saúde no Brasil www.pwc.com.br O mercado de serviços de Saúde no Brasil O mercado brasileiro de serviços de saúde: um dos mais promissores e atraentes do mundo Contexto Quinto país em termos de área e população, com 8,51

Leia mais

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho se propõe

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde

Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde Atos Normativos ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar Resolução Normativa 186, de 14 de janeiro de 2009 - ANS Instrução Normativa

Leia mais

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste?

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste? PERGUNTAS E RESPOSTAS REAJUSTE ANUAL E DENÚNCIA DE CONVÊNIOS E MENSALIDADES REAJUSTADAS JULHO DE 2014 REAJUSTE ANUAL 1. O que é um reajuste anual e qual é sua base legal? O reajuste anual é um mecanismo

Leia mais

Panorama dos gastos com cuidados em saúde

Panorama dos gastos com cuidados em saúde Panorama dos gastos com cuidados em saúde Os custos da saúde sobem mais que a inflação em todo o mundo: EUA Inflação geral de 27% em dez anos, a inflação médica superou 100%; Brasil Inflação geral 150%

Leia mais

Universidade Anhanguera - UNIDERP Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes

Universidade Anhanguera - UNIDERP Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes Universidade Anhanguera - UNIDERP Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes GESTÃO DE RISCO E SINISTRALIDADE EM OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE MICHELE CHRISTINA SANTARELLI DE OLIVEIRA Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD Qualificação e Remuneração de Prestadores Ary Ribeiro MD; PhD Faz-se necessário reformar o modelo de remuneração dos prestadores hospitalares na saúde suplementar brasileira? Sim, pois o atual modelo,

Leia mais

CONTRUÇÃO DA AGENDA REGULATÓRIA 2015-2017 Renata Fernandes Cachapuz Núcleo RS

CONTRUÇÃO DA AGENDA REGULATÓRIA 2015-2017 Renata Fernandes Cachapuz Núcleo RS CONTRUÇÃO DA AGENDA REGULATÓRIA 2015-2017 Renata Fernandes Cachapuz Núcleo RS Agenda Regulatória Ferramenta de planejamento em que se apresenta um cronograma de atividades prioritárias, com abordagem organizada

Leia mais

7º Congresso de Gestão de Assistência à Saúde

7º Congresso de Gestão de Assistência à Saúde 7º Congresso de Gestão de Assistência à Saúde Estratégias de Otimização dos Custos de Operação (Administrativos) Heráclito Gomes de Brito Junior NOV/08 Agenda O setor de planos de saúde Forças de mercado

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 1 CONHEÇA A PRODENT Nosso objetivo é garantir a plena satisfação dos nossos beneficiários, empresas clientes e parceiros, por meio da prestação de serviços altamente qualificados.

Leia mais

Universidade Anhanguera-Uniderp

Universidade Anhanguera-Uniderp Universidade Anhanguera-Uniderp Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes ÍNDICE DE SINISTRALIDADE: O DESAFIO DA MANUTENÇÃO DE UM PATAMAR EQUILIBRADO FRENTE AOS CONSTANTES AUMENTOS NOS CUSTOS MÉDICOS DANILO CAETANO

Leia mais

Órteses, Próteses e Materiais Especiais OPME

Órteses, Próteses e Materiais Especiais OPME Órteses, Próteses e Materiais Especiais OPME Martha Oliveira Diretora-Presidente Substituta Brasília, 14 de abril de 2015 Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS Dimensão do setor OPMEs no âmbito da

Leia mais

PLANOS, DESAUD. Aspectos Jurídi e Econômicos. Luiz Augusto Ferreira. Angélica Lúcia Carlini Desembargador Carlos Augusto Guimarães e Souza Junior

PLANOS, DESAUD. Aspectos Jurídi e Econômicos. Luiz Augusto Ferreira. Angélica Lúcia Carlini Desembargador Carlos Augusto Guimarães e Souza Junior ORGANIZAÇAO E COORDENAÇAO Luiz Augusto Ferreira Carneiro PLANOS, DESAUD Aspectos Jurídi e Econômicos Angélica Lúcia Carlini Desembargador Carlos Augusto Guimarães e Souza Junior Carlos Ernesto Henningsen

Leia mais

A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO

A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO IBDESS Fevereiro/2010 Fausto Pereira dos Santos Diretor-Presidente Vínculos a planos privados de assistência à saúde e registros no cadastro: Brasil (2000 2009) (milhões)

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 116 - Data 28 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS. REGIME DE

Leia mais

Seção II Das Definições

Seção II Das Definições RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 310, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre os princípios para a oferta de contrato acessório de medicação de uso domiciliar pelas operadoras de planos de assistência à saúde.

Leia mais

RELACIONAMENTO ENTRE OPERADORAS E PRESTADORES E SEUS REFLEXOS NAS NEGOCIAÇÕES CONFLITO X COOPERAÇÃO

RELACIONAMENTO ENTRE OPERADORAS E PRESTADORES E SEUS REFLEXOS NAS NEGOCIAÇÕES CONFLITO X COOPERAÇÃO RELACIONAMENTO ENTRE OPERADORAS E PRESTADORES E SEUS REFLEXOS NAS NEGOCIAÇÕES CONFLITO X COOPERAÇÃO Moisés Warszawiak/junho 2011 Moisés Warszawiak/junho 2011 OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE PRESTADO R DE SERVIÇO

Leia mais

TREINAMENTO E ATUALIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DAS ÁREAS CONTÁBIL E FISCAL

TREINAMENTO E ATUALIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DAS ÁREAS CONTÁBIL E FISCAL Empresarial TERCEIRIZAÇÃO CONTÁBIL Com o aumento dos custos operacionais e estruturais em geral, um dos segmentos que mais tem evoluído em matéria de terceirizações é o da contabilidade. Terceirizar é,

Leia mais

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde.

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde. Seguros para a Cobertura de Medicamentos Principais Desafios e Experiências 1. Contexto 2 No Brasil: 38,8 milhões de brasileiros (20% da população) utilizam medicamentos contínuos; desses, 12,4 milhões

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Constituição de 1988 Implantação do SUS Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO GRUPO: ADMINISTRAÇÃO II DATA: HORÁRIO: NOME DO CANDIDATO: CPF: ASSINATURA: INSTRUÇÕES:

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

Gestão de Benefícios

Gestão de Benefícios Gestão de Benefícios 2EASY GESTÃO DE BENEFÍCIOS A 2Easy Benefícios é uma unidade de negócios da 2Easy Solutions, reconhecida pelo seu know how em Soluções para Gestão de Pessoas. A 2Easy Benefícios nasceu

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em Saúde. OBJETIVO DO CURSO:

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 384, DE 4 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre oferta pública de referências operacionais e cadastro de beneficiários

Leia mais

BRADESCO SAÚDE SPG 100 e EMPRESARIAL 200

BRADESCO SAÚDE SPG 100 e EMPRESARIAL 200 NOVO SPG 100 e EMPRESARIAL 200 SPG 100 Empresarial 200 NOVOS PRODUTOS, NOVAS OPORTUNIDADES. Diversas soluções, MUITAS VANTAGENS. Na busca contínua pela melhoria, a Bradesco Saúde é pioneira mais uma vez,

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE PLANOS. Oclair Custódio dos Santos

PRECIFICAÇÃO DE PLANOS. Oclair Custódio dos Santos PRECIFICAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE Oclair Custódio dos Santos 2 Programação - Precificação FDPR OBJETIVOS ASPECTOS CONCEITUAIS APLICADOS AO CÁLCULO ATUARIAL ASPECTOS DA GESTÃO DE RISCO NOS PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

Programa de Atenção Integrada ao Idoso

Programa de Atenção Integrada ao Idoso Programa de Atenção Integrada ao Idoso Valéria Terra¹, Maria Carolina Carmignani¹, Tereza Barczinski² ¹ Metrus Instituto de Seguridade Social ² Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina. Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog

Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina. Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog Objetivo Análise de forma ainda superficial sobre a organização do sistema de saúde

Leia mais

AÇÕES DE PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE: A VISÃO DO ÓRGÃO REGULADOR

AÇÕES DE PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE: A VISÃO DO ÓRGÃO REGULADOR AÇÕES DE PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE: A VISÃO DO ÓRGÃO REGULADOR Saúde e Produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso dos negócios Towers Watson São Paulo, 28 de maio de 2014

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - PLANO ASSISTENCIAL EXERCÍCIO 2012

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - PLANO ASSISTENCIAL EXERCÍCIO 2012 AGROS - INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL - CNPJ/MF: 20.320.487/0001-05 Viçosa MG. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - PLANO ASSISTENCIAL EXERCÍCIO 2012 A administração do AGROS Instituto UFV de Seguridade Social

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Ano Base 2013. Programa de Qualificação da Saúde Suplementar

Ano Base 2013. Programa de Qualificação da Saúde Suplementar Relatório da Qualificação das Operadoras 2014 Ano Base 2013 Programa de Qualificação da Saúde Suplementar Introdução O Programa de Qualificação das Operadoras consiste na avaliação sistemática de um conjunto

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

RELATORIO DA AUDITORIA MÉDICA E GESTÃO DA CARTEIRA DA CAAMS ANO 2013

RELATORIO DA AUDITORIA MÉDICA E GESTÃO DA CARTEIRA DA CAAMS ANO 2013 RELATORIO DA AUDITORIA MÉDICA E GESTÃO DA CARTEIRA DA CAAMS ANO 2013 Começamos o trabalho de auditoria médica e gestão do plano da Caixa dos Advogados de Mato Grosso do Sul Np fim de Abril de 2013. A situação

Leia mais

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS 2014 19010-080 -Presidente Prudente - SP 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Prof.ª Adriana Maria André,

Leia mais

Painel da Saúde Suplementar no Brasil

Painel da Saúde Suplementar no Brasil Painel da Saúde Suplementar no Brasil Fundamentos da Auditoria na Saúde Suplementar 10h às 12h A ANS, a regulamentação e os Planos de Saúde. Goldete Priszkulnik (30 ) A Auditoria em Saúde assessorando

Leia mais

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria Rio de Janeiro, Maio de 2008 Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras ANS Boa Tarde!

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS EXTENSÃO EM GESTÃO DE PLANOS DE SAÚDE - RIO DE JANEIRO DISCIPLINAS, EMENTAS E CORPO DOCENTE

ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS EXTENSÃO EM GESTÃO DE PLANOS DE SAÚDE - RIO DE JANEIRO DISCIPLINAS, EMENTAS E CORPO DOCENTE ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS EXTENSÃO EM GESTÃO DE PLANOS DE SAÚDE - RIO DE JANEIRO DISCIPLINAS, EMENTAS E CORPO DOCENTE CARGA HORÁRIA: 120 horas AULAS: terças e quintas de 18h45 as 22h00 (15m de

Leia mais

Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS

Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS Epidemia de Doenças Crônicas: Como enfrentar esse desafio? Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2010 Martha Oliveira Assessoria da Presidência- ANS I A ANS e a Saúde Suplementar I A ANS e a Saúde Suplementar

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE ÁREA DO CONHECIMENTO Administração. Saúde. NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em Saúde. AMPARO LEGAL E PORTARIA

Leia mais