Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074"

Transcrição

1 Recensão Crítica Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação Docente: Prof. Fernanda Botelho Teresa Cardim Nº Raquel Mendes Nº Setúbal, Outubro de 2009

2 Referências Bibliográficas BOTELHO, Fernanda (2005). Globalização e cidadania: reflexões soltas. Disponível em BOTELHO, Fernanda (2006). "Textos e Literacias". Disponível em PAZ, João (2008). "Educação e Novas Tecnologias". Disponível em DIAS DE FIGUEIREDO, António (2000). "Novos media e nova aprendizagem" in Novo conhecimento, nova aprendizagem. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. pp WONG, Bárbara (2006). Será k a lguagem ds testes tá a mudar? in Revista Em dia com as línguas. Departamento de Línguas da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal. Os cinco artigos utilizados nesta recensão crítica estão inseridos na área de Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. As escolas do século XIX eram dirigidas às massas, criadas pela sociedade industrial de modo a criar mão-de-obra especializada e barata. Com evolução dos tempos, estas passaram a centrar-se mais no conhecimento e na construção de saberes. Actualmente, as aprendizagens não passam apenas pela escola, mas também em estabelecimentos paralelos a esta. (Figueiredo, 2000) Nos dias que correm, praticamente todas as crianças frequentam actividades extra-curriculares, onde desenvolvem outras competências, tanto a nível social, como intelectual, de que são exemplos os ateliês de dança, expressão musical, expressão plástica, informática e actividades desportivas. Defendemos que a aprendizagem deve ser individual na construção dos seus próprios saberes, mas também deve ser colectiva num espaço comum. Estas actividades são importantes para o enriquecimento da criança; contudo, é importante que os pais tenham consciência que os filhos cada vez têm mais ocupações extracurriculares, necessitando também de descanso e de mais tempo passado com a família. No Império Romano, o conceito de literacia designava saber ler, escrever e contar. Ao longo dos tempos, o seu significado modificou-se, abrangendo também a capacidade de compreender e utilizar a informação escrita contida em vários materiais impressos, com o objectivo de desenvolver os próprios conhecimentos, tornando-se Página1

3 um cidadão activo na sociedade. Actualmente, saber ler, escrever e contar designa o termo alfabetização. (Botelho, 2006) A evolução dos Media (as tecnologias de comunicação e informação) trouxe algumas transformações, de onde surgiu um novo conceito, que veio abranger a Literacia tradicional e a diversidade linguística e cultural: Multiliteracias. Este conceito integra outras formas de conceito de texto relacionadas com o visual, o áudio e o espacial. Consideramos que, quando uma criança começa a escola, está no início da fase da alfabetização e o seu nível de compreensão depende do contacto prévio com o mundo da escrita. Uma criança que não está devidamente preparada, por não ter tido qualquer contacto prévio com a leitura e a escrita, vai apresentar vários problemas durante a sua aprendizagem. Não generalizando, existem muitas crianças que, por não terem frequentado o ensino pré-escolar, no 1º ciclo do Ensino Básico apresentam inúmeras dificuldades, nomeadamente relacionadas com a coordenação motora fina, a orientação espacial, não sabendo por exemplo, segurar um lápis com a mesma firmeza que uma criança com a mesma idade e que frequentou o ensino pré-escolar. Essa criança pode também ter problemas em identificar os fonemas e associá-los aos grafemas. Para o processo de alfabetização ser um processo contínuo e com bons resultados é preciso ter em consideração que a criança precisa, antes de tudo, de uma auto-estima elevada, estar bem emocionalmente, ter segurança e auto-confiança, podendo assim enfrentar as dificuldades que o processo de alfabetização acarreta. Cada vez mais cedo, as crianças utilizam as novas tecnologias. O telemóvel é o meio de comunicação mais utilizado em todas as gerações e as mensagens escritas são uma forma de comunicação rápida. Os jovens inventaram uma nova forma de escrever mensagens através de códigos que reduzem o número de letras nas palavras, de que é exemplo vns à xcola hj? em vez de vens à escola hoje?. Um dos aspectos negativos é a utilização destes códigos escritos em todos os contextos, nomeadamente na escola (testes de avaliação, ditados, registos da aula). Em Portugal, não é aceitável que os alunos utilizem códigos redutores de palavras; contudo, na Nova Zelândia já é permitido em exames do secundário. É importante salientar que as normas da língua portuguesa não devem ser modificadas radicalmente e que a escola deve manter o nível de exigência em relação à escrita. Não podemos apenas pensar nas gerações mais jovens, isto porque para as Página2

4 gerações mais velhas a adapatação seria muito difícil. Um caso muito presente nos dias de hoje é o novo acordo ortográfico que, com poucas alterações, já veio causar algumas inquietações. Nas sociedades actuais, está cada vez mais presente o fenómeno da globalização, sendo esta a forma dos países interagirem e aproximarem pessoas, ou seja, interligar o mundo, levando em consideração aspectos económicos, sociais, culturais e políticos. Este fenómeno teve como resultado movimentos migratórios e mudanças culturais, levando ao aparecimento de necessidades de comunicação valorizadas como uma forma de ligação, estimulando a aprendizagem de novas línguas e culturas maternas. Consequentemente, aprender uma língua, facilita as formas de comunicar com o outro, pessoal e intercultural, promovendo uma melhor interacção com as diferentes culturas do mundo. (Botelho, 2005) Um exemplo de globalização foi a implementação da Declaração de Bolonha, que trouxe mudanças profundas no ensino. Outro aspecto a ter em conta é a questão da cidadania, por os países interagirem e as pessoas se aproximarem, é necessário haver o respeito e a tolerância pelo outro, defendendo os direitos individuais de cada um. Os professores com mais anos de carreira têm atitudes de resistência face às novas tecnologias. Esta atitude provém da falta de recursos nas escolas, da dificuldade na utilização destes novos recursos, defendendo que só devem ser utilizados quando houver uma reformulação de conteúdos, estratégias e materiais didácticos onde possam ser introduzidas as novas tecnologias. Relativamente à classe de profissionais de educação com menos tempo de serviço, estes mostram-se receptivos nestas novas aprendizagens, visto ser uma classe que cresceu com muitas das novas tecnologias, adoptando-as como algo usual. (Paz, 2008) É notório o incentivo dos alunos na exploração das TIC, contudo estas não substituem a capacidade de interpretação e de reflectir sobre a informação encontrada. O aluno deve desenvolver a sua capacidade de interpretar, devido ao excesso de informação encontrada na Internet, conseguindo seleccionar o que é de maior interesse e qualidade. Defendemos que a escola deve ter autonomia para decidir como gerir a integração das TIC, podendo ser utilizadas nas salas de aula como um complemento Página3

5 no quotidiano curricular dos alunos, ou ser apenas integradas num centro de recursos educativos, como a biblioteca. Na realidade, as TIC só são desenvolvidas, praticamente, em disciplinas vocacionadas para tal, acabando por não haver um investimento na formação dos professores nessa área. Um ponto fundamental que não pode ser posto de parte é a formação de atitudes e valores, tendo-se vindo a perder gradualmente, por exemplo as fraudes de informação digital. Por outro lado, a internet tem alargado o espaço de aprendizagem, na partilha de informação e dos recursos, para além das salas de aula. Os recursos utilizados são os blogues, as comunidades virtuais (facebook, hi5, my space, etc) e as plataformas de gestão de aprendizagens (moodle, , etc). Na nossa opinião, o professor tem o papel de estimular a curiosidade do aluno, desenvolvendo a sua autonomia e o seu espírito crítico, sendo fundamental para que aluno tenha uma atitude positiva face ao ensino - aprendizagem. As TIC aliadas ao conhecimento do professor são uma mais-valia, constituindo uma oportunidade que deve ser plenamente aproveitada. Página4

6 Bibliografia A Utilização das T.I.C. no Ensino Básico. [Consultado em ] Disponível em www: <URL: ROSA, Leonel Melo - As TIC na escola: que condições? [Consultado em ] Disponível em www: <URL: LIMA, Katia Ferreira - A importância da pré-escola. [Consultado em ] Disponível em www: <URL: Mais do que letras. [Consultado em ] Disponível em www: <URL: Página5

Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo. Ano letivo 2016/17. Domínios Indicadores VALOR

Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo. Ano letivo 2016/17. Domínios Indicadores VALOR Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo Ano letivo 2016/17 Os critérios de avaliação constituem referenciais comuns, no Agrupamento, sendo operacionalizados pelos professores da turma 1. Áreas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ERICEIRA. 1º Ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Disciplina: Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ERICEIRA. 1º Ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Disciplina: Português Disciplina: Português Lê com fluência, correção e expressividade Lê para apreciar textos literários Compreende mensagens orais Oralidade (O) Leitura e Escrita (LE) Educação Literária (EL) Gramática (G)

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC A - TRABALHADORES DOCENTES RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I 1. O ensino nesta escola é exigente 17,3 19,6 58,3 2. A escola é aberta ao

Leia mais

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

Fernando Luís de Sousa Correia (Correia, F.)

Fernando Luís de Sousa Correia (Correia, F.) Fernando Luís de Sousa Correia (Correia, F.) Atividades pedagógicas anteriores mais relevantes para a apreciação das capacidades nesse domínio, quando aplicável Universidade da Madeira 2016 A minha experiência

Leia mais

Educação Pré-Escolar

Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar Sendo a primeira etapa na educação básica, as competências gerais para a Educação Pré Escolar constituem um conjunto de princípios para apoiar o Educador de Infância na sua prática,

Leia mais

um projeto, muitos desafios e resultados

um projeto, muitos desafios e resultados um projeto, muitos desafios e resultados 23 de junho de 2016 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Objetivo da sessão: Partilhar percursos e recursos, dando continuidade ao projeto de investigação-ação, TEXTO,

Leia mais

Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo

Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações

1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações 1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações introduzidas pelo DL n.º 91/2013, de 10 de julho) 3-2.º

Leia mais

ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO

ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO ANO LETIVO 2014/2015 I Enquadramento legal 1.1. Enquadramento jurídico da Escola Portuguesa de Macau Despacho Conjunto ME/MNE n.º 79/1997, de 24 de

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE Maria João Soares LISBOA, 2004 DADOS PESSOAIS Nome: Maria João Soares Nome completo: Maria

Leia mais

Centro de Formação de Escolas do Concelho de Cascais Registo de Acreditação: CCPFC/ENT-AE-1201/14 Plano 2016/17

Centro de Formação de Escolas do Concelho de Cascais Registo de Acreditação: CCPFC/ENT-AE-1201/14 Plano 2016/17 Segurança Digital: A Utilização segura da Internet e Dispositivos Móveis CCPFC/ACC: 87428/16 Ana Cecília Antunes serão seleciona agrupamentos) Laboratórios de Aprendizagem: Cenários de Histórias de Aprendizagem

Leia mais

BOLETIM DA BE. O Regresso à Biblioteca. BIBLIOTECA ESCOLAR Agrupamento de Escolas de São João da Pesqueira

BOLETIM DA BE. O Regresso à Biblioteca. BIBLIOTECA ESCOLAR Agrupamento de Escolas de São João da Pesqueira A biblioteca escolar desenvolve nos estudantes competências para a aprendizagem ao longo da vida e desenvolve a imaginação, permitindo-lhes tornaremse cidadãos responsáveis In Manifesto da Biblioteca Escolar,

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais / Contabilidade Unidade Curricular História da Cultura Portuguesa Semestre: 4 Nº ECTS: 3,0

Leia mais

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 plano tecnológico da educação objectivo estratégico e metas objectivo estratégico colocar Portugal entre os cinco

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES do Trigal CAMPOS INTERVENÇÃO PROJETO EDUCATIVO ATIVIDADES OBJETIVOS RESPONSÁVEIS DATA LOCAL DESTINATÁRIOS CPI 3 Receção aos novos alunos e formação de utilizadores -Motivar para a utilização da ; -Informar

Leia mais

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL Pág.: 1 / 8 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO 2. DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA 3. MODO DE PROCEDER 3.1. Introdução 3.2. Recolha de Currículos dos Candidatos 3.3. Organização Interna dos Currículos 3.3.1. Arquivo

Leia mais

Pós-Graduação em Islão contemporâneo, Culturas e Sociedades

Pós-Graduação em Islão contemporâneo, Culturas e Sociedades Pós-Graduação em Islão contemporâneo, Culturas e Sociedades Duração 2 semestres Número de créditos 60 créditos (a conclusão com aprovação do curso (60 ECTS) confere um diploma de pós -graduação em Islão

Leia mais

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros Plano de Actividades Ano 2008/2009 Tema: A aventura dos livros 1 ACTIVIDADES DE ORGANIZAÇÃO Actividades Objectivos Intervenientes Calendarização Proceder à gestão de colecções. Organização e gestão do

Leia mais

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Os desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa 15 de Novembro de 2011 Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Instituto Superior Técnico,

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português

Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português O grupo da qualidade para o Ensino Superior (GT2) está a aplicar a análise SWOT ao Ensino Superior Português. A análise SWOT é uma ferramenta

Leia mais

HISTÓRIA. - Curso Vocacional - 1º ANO -

HISTÓRIA. - Curso Vocacional - 1º ANO - Planificação de História - 1º ano Curso Vocacional 201/2015 p. 1 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA HISTÓRIA - Curso Vocacional - 1º ANO - PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E LONGO PRAZO Ano letivo de 201/2015

Leia mais

Anexo 3. ANEXO 3 Questionário distribuído aos alunos

Anexo 3. ANEXO 3 Questionário distribuído aos alunos ANEXO 3 Questionário distribuído aos alunos 1 Instruções Este questionário é realizado no âmbito de um estudo que pretende caracterizar o envolvimento dos alunos do ensino superior com a Internet. Este

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar

Avaliação da biblioteca escolar Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 B. Leitura e literacia Avaliação 4 2011 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados

Leia mais

PLANO TIC 2013/2014 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O

PLANO TIC 2013/2014 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O PLANO TIC 2013/2014 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA EB1/PE VISCONDE CACONGO EB1PEVCACONGO@MADEIRA-EDU.PT IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR

Leia mais

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO 2013/2014 CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimentar a Brincar (Ano 5) Realização de experiências no âmbito da Biologia Escola Secundária Cacilhas-Tejo Agrupamento de Escolas Emídio Navarro EB 2,3

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma notícia para o média escolar

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma notícia para o média escolar Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina

Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina Cartão do Cidadão n.º 12550162 emitido em Lisboa e válido até 16/03/2014 N.I.F. 202445542 Estado

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas de Grândola PLANO DE ATIVIDADES DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES 2015/2016 Pág.1/ 7 INTRODUÇÃO O Plano Anual de das s Escolares do Agrupamento de Escolas de Grândola atende à especificidade

Leia mais

pretendam aperfeiçoar a sua competência linguística.

pretendam aperfeiçoar a sua competência linguística. APOIOS PARA: Estudar Português, cultura portuguesa, realizar investigação sobre língua e ou cultura portuguesas; Difundir a cultura portuguesa no Chile. A) Em Portugal: Estudar e ou fazer investigação

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Magro Joaquim Morada(s) Rua do Pinheiro, Nº 22, 2º esq., 2735-408 Cacém, Portugal Telefone(s) + 351 219144958 Telemóvel: + 351961215071

Leia mais

PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017

PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017 PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017 - Ao longo do ano - Manutenção do blogue da BE - Divulgar as actividades no blogue - Promover a integração da BE na Escola -Difusão da informação educativa -

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Agrupamento de Escolas LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 Departamento da Educação Pré-Escolar Ano Letivo 2016/2017 Perfil de Aprendizagens Específicas,

Leia mais

Identificação do aluno:

Identificação do aluno: Identificação do aluno: EB 2,3/S de Vale de Cambra António Xavier Fernandes Soares nº3 10º Ano Turma: E Identificação do livro: 1 Razões de Escolha do livro e Breve Resumo das expectativas: Escolhi este

Leia mais

E d u c a ç ã o e C u l t u r a

E d u c a ç ã o e C u l t u r a A Menina de Pedra Lisboa Aula Magna 20 novembro 2015 09h30 11h00 14h00 Foco Musical Portugal Calçadas das Lajes, lt 21, lj E 1900-291 Lisboa, Portugal Tel.: (+351) 218 429 800 E-mail: geral@focomusical.pt

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO A Serigrafia como Técnica de Impressão Aplicada ao Contexto de Ensino - Aprendizagem Acção 04 / 2009

DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO A Serigrafia como Técnica de Impressão Aplicada ao Contexto de Ensino - Aprendizagem Acção 04 / 2009 1 DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO A Serigrafia como Técnica de Impressão Aplicada ao Contexto de Ensino - Aprendizagem Acção 04 / 2009 N.º Acreditação: CCPFC/ACC- 56951/09 Modalidade: Oficina de Formação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA 2014/2015. Biblioteca Escolar. Enquadramento

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA 2014/2015. Biblioteca Escolar. Enquadramento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCANENA 2014/2015 Biblioteca Escolar Regulamento do concurso Um conto que contas Enquadramento 1. A prática regular de atividades como a leitura e a escrita é um fator primordial

Leia mais

GRUPO DE TEATRO WI-FI. O Quarto. Chat-room

GRUPO DE TEATRO WI-FI. O Quarto. Chat-room GRUPO DE TEATRO WI-FI O Quarto Chat-room 11-07-2012 O Grupo de Teatro Wi-Fi pretende mostrar que o actor não precisa de estar em palco para fazer teatro, utilizando o broadcasting e a tecnologia. Apresentação

Leia mais

1. Estudos globais sobre a população portuguesa

1. Estudos globais sobre a população portuguesa 1. Estudos globais sobre a população portuguesa ATÉ Á DÉCADA DE 40 Guedes, Armando Marques (1936), Mota, Pinto da (1904), Demografia Portuguesa, Lisboa, [sn] Elementos de demografia Lusitana, Lisboa, [sn]

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2013 / 2014

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2013 / 2014 Objetivos Conteúdos Sugestões metodológicas / Situações de aprendizagem N.º de aulas (50min) Noções introdutórias de TIC: Diagnosticar o estádio de desenvolvimento das - O professor deverá proceder a uma

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2015/2016 PORTUGUÊS 4.º Ano Disciplina Domínios Conteúdos

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2015/2016 PORTUGUÊS 4.º Ano Disciplina Domínios Conteúdos PORTUGUÊS Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo Ano letivo 2015/2016 PORTUGUÊS 4.º Ano Disciplina Domínios Conteúdos Oralidade Grelhas de registo Narrativa oral Compreensão do oral Questionário

Leia mais

Metodologias de Investigação em Educação. Professor Doutor J. António Moreira. Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia, Universidade Aberta

Metodologias de Investigação em Educação. Professor Doutor J. António Moreira. Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia, Universidade Aberta Atividade: Realização de um guião para uma entrevista semiestruturada inserida num estudo de caso sobre as representações de professores do ensino básico e secundário. Questões: 1 - O que pensam esses

Leia mais

Atividade prática Comparação de textos quotidianos e escolares

Atividade prática Comparação de textos quotidianos e escolares Atividade prática Comparação de textos quotidianos e escolares (para os professores) Os alunos de PLNM e a aprendizagem de conteúdos escolares Secção I - Desafios de alunos de PLNM na aprendizagem de conteúdos

Leia mais

Inscrição e Alargamento do Prazo

Inscrição e Alargamento do Prazo 3, 4 e 5 de fevereiro 2017 Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Inscrição e Alargamento do Prazo Desde a sua criação legal em 1983 (DL n.º 310/83, de 1 de julho), o Ensino Artístico Especializado tem vindo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO DISCIPLINA: Docente Técnico de Turismo Ambiental e Rural/2011-2014 Área de Integração Pedro Bandeira Simões N.º TOTAL DE MÓDULOS DE 1º/2º/3º

Leia mais

Currículo da Oferta de Escola Música

Currículo da Oferta de Escola Música Departamento de Expressões Currículo da Oferta de Escola Música Competências Específicas As competências específicas a desenvolver na disciplina de Música são aqui apresentadas em torno de quatro grandes

Leia mais

PROPOSTAS DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DAS DIFERENTES SECÇÕES DISCIPLINARES DO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES E TECNOLOGIAS

PROPOSTAS DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DAS DIFERENTES SECÇÕES DISCIPLINARES DO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES E TECNOLOGIAS PROPOSTAS DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DAS DIFERENTES SECÇÕES DISCIPLINARES DO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES E TECNOLOGIAS SECÇÃO DISCIPLINAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES DA ÉPOCA NORMAL. Ano Letivo 2016/2017-1º SEMESTRE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

CALENDÁRIO DE EXAMES DA ÉPOCA NORMAL. Ano Letivo 2016/2017-1º SEMESTRE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO 1º ANO Métodos de Investigação em Comunicação 06.01 14h30 Anf. Língua Portuguesa 09.01 15h00 97 Língua Estrangeira I Inglês 13.01 10h00 102 Língua Estrangeira I Francês 13.01 10h00

Leia mais

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular REALIZAÇÃO E PRODUÇÃO MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular REALIZAÇÃO E PRODUÇÃO MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular REALIZAÇÃO E PRODUÇÃO MULTIMÉDIA Ano Lectivo 205/206. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

O CONSUMIDOR TURISTA NA ERA DIGITAL-CONSTRUIR UMA RELAÇÃO DE CONFIANÇA

O CONSUMIDOR TURISTA NA ERA DIGITAL-CONSTRUIR UMA RELAÇÃO DE CONFIANÇA O CONSUMIDOR TURISTA NA ERA DIGITAL-CONSTRUIR UMA RELAÇÃO DE CONFIANÇA APRESENTAÇÃO DA REDE CEC E DO CEC PORTUGAL Inês Madaleno 07/11/2016 - FARO fatores que impulsionam a procura noutros mercados Preço

Leia mais

As crianças na casa tecnológica. Nuno de Almeida Alves, Ana Delicado, Ana Nunes de Almeida e Diana Carvalho

As crianças na casa tecnológica. Nuno de Almeida Alves, Ana Delicado, Ana Nunes de Almeida e Diana Carvalho As crianças na casa tecnológica Nuno de Almeida Alves, Ana Delicado, Ana Nunes de Almeida e Diana Carvalho Enquadramento As crianças são comumente apresentadas como os sujeitos liderantes na apropriação

Leia mais

Grelha de Análise de Conteúdo

Grelha de Análise de Conteúdo Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia Metodologias de Investigação Ano Lectivo 2012-2013 Tema 3 A Análise de Dados Grelha de Análise de Conteúdo Laura Ferreira Aluna nº 1202067 1 Grelha de Análise

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13 Quadro de síntese 2º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber / 0 Saber Fazer 70% "0 Ser / Saber Ser" 25% Língua Portuguesa Inglês "0 Ser / 5% /Saber Ser" " O Saber /

Leia mais

B-WITH B-IN. Relacionamento e Sensibilidade. Autonomia. Responsabilidade. Equilíbrio emocional. Auto-estima. Coerência

B-WITH B-IN. Relacionamento e Sensibilidade. Autonomia. Responsabilidade. Equilíbrio emocional. Auto-estima. Coerência B-WITH B-IN Relacionamento e Sensibilidade 04. Valorizo as minhas relações afectivas e demonstro equilíbrio na gestão de conflitos. Comprometo-me com o bem-estar da minha família. Reconheço que existem

Leia mais

Participa na selecção de informação adequada aos temas em estudo; Interpreta documentos com mensagens diversificadas;

Participa na selecção de informação adequada aos temas em estudo; Interpreta documentos com mensagens diversificadas; COLÉGIO TERESIANO HISTÓRIA - 7.º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2007/2008 COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS 1. Tratamento de informação/utilização de Fontes Participa na selecção de informação adequada

Leia mais

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas Era uma vez um processo de investigação Agora vão a www.pensamentocritico.com e clicam em Respostas!!! AVALIAÇÃO FORMATIVA E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO APRESENTAÇÃO DESTINATÁRIOS

EDITAL MESTRADO EM ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO APRESENTAÇÃO DESTINATÁRIOS MESTRADO EM ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL NO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO EDITAL Informam-se os interessados que, entre 1 e 17 de Julho de 2017, se

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Darlinda Moreira Universidade Aberta ProfMat-2003 Santarém A complexidade da realidade social O mundo foi sempre multicultural, sempre coexistiram

Leia mais

difusão cdie bibliográfica setembro 2016 centro de documentação e informação em educação

difusão cdie bibliográfica setembro 2016 centro de documentação e informação em educação dge difusão 72 bibliográfica setembro 2016 cdie centro de documentação e informação em educação Travessa das Terras de Sant Ana, 15 1250-269 Lisboa tel: 213 895 117/8 fax: 213 895 299 Estes registos bibliográficos

Leia mais

Regulamento Microsoft Dots Challenge 2ª Edição

Regulamento Microsoft Dots Challenge 2ª Edição Regulamento Microsoft Dots Challenge 2ª Edição A NOSSA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE, com morada na Avenida Marginal, Ed. Parque Oceano, 4º piso, Santo Amaro de Oeiras, 2780-322 Oeiras, NIPC 508 384 796, é a

Leia mais

PAREDES: Concelho Criativo para o Design. Projecto Design Hub

PAREDES: Concelho Criativo para o Design. Projecto Design Hub PAREDES: Concelho Criativo para o Design Projecto Design Hub Reflexão: A apresentação : resulta de um trabalho de investigação desenvolvido nos últimos três anose reflecte a minha perspectiva, enquanto

Leia mais

PROTOCOLO Setúbal, 15 de Fevereiro de 2006

PROTOCOLO Setúbal, 15 de Fevereiro de 2006 PROTOCOLO Setúbal, 15 de Fevereiro de 2006 I Introdução A ACADEMIA MORANGOS é uma marca nacional de Academias Infantis. Através de espaços pensados especialmente para crianças dos 4 aos 12 anos, dotados

Leia mais

Tecnologias de Informação e Comunicação 8.º Ano

Tecnologias de Informação e Comunicação 8.º Ano Tecnologias de Informação e Comunicação 8.º Ano Planificação Semestral de médio prazo (3 tempos de 5m) Conteúdos e avaliação diagnóstica 2 do programa da disciplina; apresentação das regras e normas da

Leia mais

Testes de diagnóstico de Português. Fausto Caels

Testes de diagnóstico de Português. Fausto Caels Testes de diagnóstico de Português Língua Não Materna Fausto Caels Equipa Grupo Língua e Diversidade Linguística ILTEC Maria Helena Mira Mateus Fausto Caels Nuno Carvalho Dulce Pereira (FLUL ILTEC) Ana

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano Metas de Aprendizagem Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação Domínio I A TERRA : Estudos

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades ANO LECTIVO 2011 / 2012 Índice Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Procedimentos adoptados -----------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA Língua Estrangeira I- Inglês 5ºANO Oral / Listening Compreender sons, entoações e ritmos da língua. Leitura / Reading Compreender palavras, conceitos simples e frases isoladas. Compreender palavras, frases

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO DESAFIOS DA EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO Fontainhas Fernandes UTAD 18 de outubro de 2014 Fontainhas Fernandes

Leia mais

O programa BE\CRE à la carte apresenta atividades e projetos pedagógicos que a equipa de Bibliotecas do Agrupamento de Escolas de Mem Martins

O programa BE\CRE à la carte apresenta atividades e projetos pedagógicos que a equipa de Bibliotecas do Agrupamento de Escolas de Mem Martins O programa BE\CRE à la carte apresenta atividades e projetos pedagógicos que a equipa de Bibliotecas do Agrupamento de Escolas de Mem Martins pretende desenvolver ao longo do ano com os diferentes níveis

Leia mais

OFERTA FORMATIVA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA

OFERTA FORMATIVA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE /MNE OFERTA FORMATIVA 2016/2017 INFORMAÇÃO DOCUMENTAÇÃO CONTEÚDOS FORMAÇÃO Vem descobrir a EUROPA com o Centro de Informação Europeia

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1.1.Missão A ASPIC, Associação Portuguesa de Investigação em Cancro, tem como objectivo

Leia mais

2.1 A participação de cada banda é gratuita, não existindo custos de participação.

2.1 A participação de cada banda é gratuita, não existindo custos de participação. 1.1 Este regulamento estabelece as normas de participação no concurso EDP LIVE BANDS 2017, um concurso promovido pela EDP - Energias de Portugal, SA (EDP), e organizado pela empresa The Event, Lda. 1.2

Leia mais

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra 1 Plano de formação e atividades 2016 1ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra - A emergência da escrita no pré-escolar. Uma abordagem à escrita em contexto pré-escolar Formadora: Manuela Guedes Destinatários:

Leia mais

VMSIMULADOS QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP 1

VMSIMULADOS QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP  1 CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP WWW.VMSIMULADOS.COM.BR 1 CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CURRÍCULO ESCOLAR ENSINOAPRENDIZAGEM FORMAÇÃO DO PROFESSOR PLANEJAMENTO ESCOLAR PROJETO PEDAGÓGICO CURRÍCULO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Nome: Fátima Cristina Dias Pereira. Data de Nascimento 15 de Maio de Naturalidade Monte * Funchal. Nacionalidade Portuguesa

IDENTIFICAÇÃO. Nome: Fátima Cristina Dias Pereira. Data de Nascimento 15 de Maio de Naturalidade Monte * Funchal. Nacionalidade Portuguesa IDENTIFICAÇÃO Nome: Fátima Cristina Dias Pereira Data de Nascimento 15 de Maio de 1971 Naturalidade Monte * Funchal Nacionalidade Portuguesa Bilhete de Identidade 957 60 42 Número de Contribuinte 168 257

Leia mais

Projeto do trabalho A Música Erudita nos Dias de Hoje Visões, Críticas, Divulgação

Projeto do trabalho A Música Erudita nos Dias de Hoje Visões, Críticas, Divulgação Universidade do Algarve Escola Superior de Educação e Comunicação Projeto Multimédia Música na Comunicação Docentes: Fernando Carrapiço, Raquel Correia Ano letivo 2011/2012 Projeto do trabalho A Música

Leia mais

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009 Implementação do Projecto Competências TIC Fevereiro de 2009 Objectivos Desenvolvimento e valorização profissional dos agentes educativos, em ordem à utilização das TIC Reconhecimento de competências já

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento Agrupamento de Escolas de Torre de Dona Chama Biblioteca Escolar/Área de Projecto Novas leituras, outros horizontes Ano Lectivo 2010/2011 ÍNDICE Introdução 3 1. A Escola novos desafios 3 2. O domínio da

Leia mais

PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O

PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O 2014-2015 O Coordenador TIC Isabel Maria Jesus Campos Escola do Santo Condestável IDENTIFICAÇÃO Identificação da

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular TEORIA DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1. CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1. CICLO Domínios Disciplinas Domínios de referência Parâmetros Ponderação% 1º 2º 3º 4º ano Instrumentos de Avaliação Oralidade Leitura Português Escrita Educação literária Conhecimento Explicito/gramática Resolução

Leia mais

Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor)

Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor) 1 Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor) Compreende as instruções do professor Compreende enunciados orais simples Compreende enunciados orais complexos Escuta atentamente COMPREENSÃO O

Leia mais

REDE DE PROGRAMAÇÃO CULTURAL CINCO SENTIDOS JAN/2017 DOSSIÊ IMPRENSA. Carlos Fernandes

REDE DE PROGRAMAÇÃO CULTURAL CINCO SENTIDOS JAN/2017 DOSSIÊ IMPRENSA. Carlos Fernandes REDE DE PROGRAMAÇÃO CULTURAL CINCO SENTIDOS Carlos Fernandes JAN/2017 DOSSIÊ IMPRENSA REDE DE PROGRAMAÇÃO 5 SENTIDOS A rede 5 Sentidos foi criada em 2009, no âmbito do QREN 2007-2013, com o intuito de

Leia mais

PLANO TIC 2 º E 3 º C I C L O S D O E N S I N O B Á S I C O E E N S I N O S E C U N D Á R I O 2012/2013. O Coordenador TIC

PLANO TIC 2 º E 3 º C I C L O S D O E N S I N O B Á S I C O E E N S I N O S E C U N D Á R I O 2012/2013. O Coordenador TIC PLANO TIC 2012/2013 2 º E 3 º C I C L O S D O E N S I N O B Á S I C O E E N S I N O S E C U N D Á R I O O Coordenador TIC Tânia Maria Pimenta Pereira de Castro Dias CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA Escola Básica

Leia mais

A. E. O. S. Newsletter. nº41. Projeto Eco-Escolas. 27 de junho a 1 de julho de 2016

A. E. O. S. Newsletter. nº41. Projeto Eco-Escolas. 27 de junho a 1 de julho de 2016 A. E. O. S. Newsletter nº41 27 de junho a 1 de julho de 2016 Projeto Eco-Escolas Cursos Profissionais Nos dias 6, 7 e 8 de junho, os alunos da turma do 10º B do Curso Profissional de Artes do Espetáculo

Leia mais

PLANO TIC E S C O L A B Á S I C A D O 1 º C I C L O C O M P RÉ- E S C O L A R D O R O C H Ã O D E L E G A Ç Ã O E S C O L A R D E S A N T A C R U Z

PLANO TIC E S C O L A B Á S I C A D O 1 º C I C L O C O M P RÉ- E S C O L A R D O R O C H Ã O D E L E G A Ç Ã O E S C O L A R D E S A N T A C R U Z PLANO TIC E S C O L A B Á S I C A D O 1 º C I C L O C O M P RÉ- E S C O L A R D O R O C H Ã O D E L E G A Ç Ã O E S C O L A R D E S A N T A C R U Z O Coordenador TIC Teresa João Martins da Silva IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

Exame Unificado de Acesso (Línguas e Matemática) às Quatro Instituições do Ensino Superior de Macau. Modelo. Português A

Exame Unificado de Acesso (Línguas e Matemática) às Quatro Instituições do Ensino Superior de Macau. Modelo. Português A Exame Unificado de Acesso (Línguas e Matemática) às Quatro Instituições do Ensino Superior de Macau Modelo Português A 1 Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às 4 Instituições do Ensino Superior

Leia mais

EDITAL Nª 01/ UEMG UNIDADE DIVINÓPOLIS 2ª SEMANA DE ARTES

EDITAL Nª 01/ UEMG UNIDADE DIVINÓPOLIS 2ª SEMANA DE ARTES EDITAL Nª 01/2016 - UEMG UNIDADE DIVINÓPOLIS 2ª SEMANA DE ARTES CAPÍTULO I DO OBJETIVO 1.1 A comissão organizadora da 2 Semana de Artes UEMG Unidade Divinópolis- torna público o presente edital para seleção

Leia mais

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Amélia de Jesus Marchão ameliamarchao@esep.pt 1 Objetivo

Leia mais

Departamento de Ciências Sociais e Humanas PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ano PCA

Departamento de Ciências Sociais e Humanas PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ano PCA Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Departamento de Ciências Sociais e Humanas PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

Abertura de candidaturas - «REFERÊNCIAS»

Abertura de candidaturas - «REFERÊNCIAS» Abertura de candidaturas - «REFERÊNCIAS» Formação de multiplicadoras e multiplicadores para prevenção e combate ao discurso de ódio online através da Educação para os Direitos Humanos Enquadramento O Discurso

Leia mais