An#coagulantes e an#plaquetários no perioperatório, inclusive de cirurgia de catarata e implante dentário. Dra. Daniela Calderaro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "An#coagulantes e an#plaquetários no perioperatório, inclusive de cirurgia de catarata e implante dentário. Dra. Daniela Calderaro"

Transcrição

1 An#coagulantes e an#plaquetários no perioperatório, inclusive de cirurgia de catarata e implante dentário Dra. Daniela Calderaro

2

3 Efeito rebote da suspensão AAS Sangramento AAS aumenta sangramento em 50%, mas sem aumento de sangramentos graves, exceto neurocirurgia e RTU prostata Burger,W et al. J Intern Med (5):

4 Oscarsson A e cols. Br J Anaesth 2010; 104:305-12

5 troponina+ MACE 30d % % 3,7 AAS P=0,10 9 placebo ,8 AAS P=0,02 9 placebo Operações de risco intermediário ou alto, exceto vascular (julgaram anti-ético randomizar,mantiveram AAS para todos da vascular). AAS 75mg x placebo 220 pacientes: +/- 72ª, 68% DAC, 22% DCV. (previsão inicial de inclusão de 540 pctes) Oscarsson A e cols. Br J Anaesth 2010; 104:305-12

6 Análise da agregabilidade plaquetária frente ao ácido araquidonico distribuida em quartis. Pacientes no 4- quartil apresentaram praticamente o dobro de eventos CV que os pacientes nos quartis inferiores: 35% X 18.54%; p= Por outro lado, não houve relação entre Aggr plaquetária e eventos hemorrágicos (p =0.422). Eventos CV e hemorrágicos de acordo com os quartis de aggr plaquetária ao AA 70,00% 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% CV events hemorrhagic events 20,00% 10,00% 0,00% 1 quartile (0-1.0 Ω) 2 quartile ( Ω) 3 quartile ( Ω) 4 quartile (>11Ω) AA platelet aggregability Calderaro, D. J Vasc Surg Dec;58(6):1593-9

7 Therapies targeted at inhibiting various platelet receptors. Oprea A D, and Popescu W M Br. J. Anaesth. 2013;111:i3- i17 The Author [2013]. Published by Oxford University Press on behalf of the British Journal of Anaesthesia. All rights reserved. For Permissions, please

8 Cirurgia vascular e dupla anti-agregação Stone D. J Vasc Surg 2011; 54:779.

9 Algorithm for perioperative management of antiplatelet therapy. Oprea A D, and Popescu W M Br. J. Anaesth. 2013;111:i3- i17 The Author [2013]. Published by Oxford University Press on behalf of the British Journal of Anaesthesia. All rights reserved. For Permissions, please

10 I Diretrizes de anti-agregantes e anticoagulantes da SBC Recomendações para o uso do tirofiban como ponte no perioperatório: Grau de Recomendação IIb Pacientes que serão submetidos a operações de urgência com risco de sangramento intermediário ou alto portadores de Stent farmacológico há menos de 1 ano com fatores de risco para trombose do Stent (nível de evidência C) Pacientes que serão submetidos a operações de urgência com risco de sangramento intermediário ou alto portadores de Stent farmacológico há menos de 1 ano quando for necessário a suspensão simultânea da aspirina e do clopidogrel. (nível de evidência C)

11 PROTOCOLO N=30 AAS- todos os dias; Clopidogrel- suspenso 5 dias pré-op; reinício assim que possível (com novo ataque) Tirofiban- inicio no dia seguinte da suspensão clopidogrel; suspender a infusão 4 horas antes do procedimento (se Clearance de creatinina < 30, suspender 8 horas antes);reiniciar 2 horas após a cirurgia (inclusive bolus) e manter até 6 horas depois de reiniciado clopidogrel.

12 anticoagulantes

13 Manejo da anticoagulação Risco de TE Prótese valvar mecânica FA TEV ponte heparina Alto >10% ano TEA >10% mês TEV Mitral Aór?ca an?ga AVC/AIT < 6m CHADS 2 5 ou 6 AVC/AIT < 3m Doença valvar TEV < 3m Trombofilia grave Def. prot C/S/ an?trombina Ac an?fosf individualizar Moderado 5-10% ano TEA 4-10% mês TEV Aór?ca nova com FR para AVC* CHADS 2 3 ou 4 TEV 3-12m TEV recorrente Trombofilia Câncer a?vo Suspensão transitória Baixo <5% ano TEA >2%mês TEV Aór?ca nova sem FR para AVC CHADS 2 0 a 2 Sem AVC/AIT TEV > 12m *FR=FA,AVC/AIT prévios, HAS,DM,IC,idade>75a Douketis JD e cols. ACCP Gudeilines. Chest 2012;141(2): 326s-350s

14 Operar na vigência de anticoagulantes?

15 10% sangramento: auto-limitado; subconjuntival

16 operações de catarata: ev. Entrevista 7 dias Varfarina: 734 pacientes; mantida em 526 (71,7%) AAS: 4340 pacientes; mantida em 3363 (74,5%) Exame em 24hs para 7231 pacientes: 55% com bl retrobulbar. Sangramentos: 2.3/1.000 hem retrobulbar ao todo. AAS mantido(n= 920): 2.2/1.000 hem retrobulbar Varfarina mantida(n=136): 7.4/1.000 hem retrobulbar Katz J. Ophtalmology 2003;

17 Maior medo: anestesia retrobulbar; Considerar procedimento com sedação e anestesia tópica/ Anestesia geral 40 pacientes, 51 procedimentos An. Tópica, sem sangramento

18 Cirurgia odontológica 32 pacientes com varfarina 71 pacientes com AAS 103 pacientes controle INR hs pré-op <3,5; (até 3 extrações dentárias, ou tratamento periodontal, ou drenagem de abscesso, ou até 3 implantes). Transamin 5% de 6/6hs (bochecho), por 5 dias Apenas sangramento minor: resolve em casa com compressão local Broekema F. British Journal of Oral and Maxilofacial Surgery 2014; e15-19

19 Gualandro DM, Yu PC, Calderaro D, Marques AC, Pinho C, Caramelli B, et al. II Diretriz de Avaliação Perioperatória da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol 2011; 96(3 supl.1): 1-68.

20

21 É possível operar com NOAC? Procedimentos com baixo risco de sangramento: de pele ou extração dentária, por ex., considerar manter o tratamento com rivaroxabana Evitar a intervenção no pico de atividade da droga (2-4 hs após a dose) Turpie AGG. Thromb Haemost 2012; 108:

22 Operação de urgência Não há recomendação para o uso profilático de Complexo Protrombínico ou Fator VII recombinante para pacientes que fazem uso dos novos anicoagulantes orais e necessitam cirurgia de urgência, a menos que já apresentem sangramento grave. Avaliar risco X benefício de operar nas 1-as 24 hs após a ultima dose

O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari

O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari Pacientes e clínicos devem receber diretrizes prá5cas sobre o uso dos novos an5coagulantes orais, e a facilidade de uso destes

Leia mais

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia EULER MANENTI MD PhD FACC Ins2tuto de Medicina Cardiovascular Sistema de Saúde Mãe de Deus Porto Alegre Conflito

Leia mais

Uso de antiagregantes plaquetários e antitrombóticos em pacientes adultos com dengue Protocolo

Uso de antiagregantes plaquetários e antitrombóticos em pacientes adultos com dengue Protocolo INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA DE LARANJEIRAS / NÚCLEO DE BIOESTATÍSTICA E BIOINFORMÁTICA Uso de antiagregantes plaquetários e antitrombóticos em pacientes adultos com dengue Protocolo Bernardo Rangel

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL COMO FUNCIONA

PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL COMO FUNCIONA ANTICOAGULAÇÃO ORAL PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL O controle do uso do anticoagulante oral nas clínicas especializadas garante um tratamento mais adequado e seguro. COMO FUNCIONA A Hematológica possui

Leia mais

Trombofilias. Dr Alexandre Apa

Trombofilias. Dr Alexandre Apa Trombofilias Dr Alexandre Apa TENDÊNCIA À TROMBOSE TRÍADE DE VIRCHOW Mudanças na parede do vaso Mudanças no fluxo sanguíneo Mudanças na coagulação do sangue ESTADOS DE HIPERCOAGULABILIDADE

Leia mais

25 de Outubro 6ª feira Quem são os doentes em Fibrilhação Auricular com indicação para anticoagulação oral

25 de Outubro 6ª feira Quem são os doentes em Fibrilhação Auricular com indicação para anticoagulação oral 2014 25 de Outubro 6ª feira Quem são os doentes em Fibrilhação Auricular com indicação para anticoagulação oral António Pedro Machado Carlos Rabaçal Score de risco isquémico CHA 2 DS 2 - VASc Sexo Fem.

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Co-Editores Guilherme Fenelon, Martino Martinelli Filho Coordenadores Cesar Grupi, Jacob Atié Participantes Adalberto

Leia mais

Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV)

Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV) Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV) Vânia Maris Morelli Disciplina de Hematologia e Hemoterapia Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP TEV (TVP MI e EP) ~7 dias

Leia mais

FA e DAC: Como abordar esse paciente? Ricardo Gusmão

FA e DAC: Como abordar esse paciente? Ricardo Gusmão FA e DAC: Como abordar esse paciente? Ricardo Gusmão Coordenador do Serviço de Cardiologia do H. Barra D Or Médico da U.C. do I.N.Cardiologia ORBIT-AF: Registro anticoagulação Estimated Change in the Number

Leia mais

Manuseio Peri-operatório dos. dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos (AOD)

Manuseio Peri-operatório dos. dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos (AOD) Manuseio Peri-operatório dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos Guia de Consenso 2014 I. MANUSEIO PERI-OPERATÓRIO EM DOENTES MEDICADOS COM ANTICOAGULANTES ORAIS DIRETOS 1. Fatores a considerar

Leia mais

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST Nome do paciente: Atendimento: Idade: Sexo: ( ) M ( ) F Peso: Altura: Chegada ao hospital: / / Hora: ALERGIAS: Início da dor anginosa Data: Hora: Marcar o que se aplica: ESCORE TIMI PARA IAM COM SST HISTÓRIA

Leia mais

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Dr Henrique Lane Staniak Doutor em ciencias médicas FMUSP Cardiologista do HMPB e do HU-USP Epidemiologia SCA 5 a 7 milhões de

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Reijâne Alves de Assis Abril de 2012

Reijâne Alves de Assis Abril de 2012 Quando e como reverter pacientes em uso de antiagregantes e anticoagulantes. Qual a melhor conduta frente a situações de risco hemorrágico? Agentes hemostáticos x transfusão de hemoderivados Reijâne Alves

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica NT 65 Data: 08/04/2014 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0016044-91.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812.

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812. ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 08 /2014 - CESAU Salvador, 23 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA:xxxPromotoria da Justiça de xxx/dispensação

Leia mais

TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco

TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco Reunião Científica Divisão de Cardiologia TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco Wersley Araújo Silva São Lucas Clínica & Hospital Aracaju, 30 de abril de 2013 Brasil Papel das Plaquetas

Leia mais

Novos Fármacos Antiagregantes Plaquetários Tailur Alberto Grando TSA - SBA

Novos Fármacos Antiagregantes Plaquetários Tailur Alberto Grando TSA - SBA Novos Fármacos Antiagregantes Plaquetários Tailur Alberto Grando TSA - SBA Clique para editar os estilos do texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível Nas últimas duas décadas

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica Data: 07/04/2014 NT/63 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0015970-37.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA

MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MANUSEIO PERIOPERATÓRIO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL EM CIRURGIA NÃO CARDÍACA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA Dr. J. Sokhi Professor J. Kinnear Southend University Hospital, UK Tradução autorizada do Anesthesia

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) José de Arimatea Barreto Os fenômenos tromboembólicos incidem em 0,2% a 1% durante o ciclo gravídico-puerperal. Metade das tromboses venosas é identificada antes do parto

Leia mais

Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP

Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP Angiologia e Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Daniel Mendes Pinto Simpósio sobre Atualização em An

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco

Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco Anticoagulação e Procedimentos Médicos No período perioperatório

Leia mais

Guia do prescritor rivaroxabano

Guia do prescritor rivaroxabano Guia do prescritor rivaroxabano Informação importante de segurança Bayer Portugal, S.A. Rua Quinta do Pinheiro, nº 5 2794-003 Carnaxide NIF: 500 043256 Versão 4, agosto 2014 Este medicamento está sujeito

Leia mais

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012 EM DISCUSSÃO PÚBLICA NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Profilaxia do Trombo Embolismo Venoso em Ortopedia TEV, Trombose venosa profunda, embolia pulmonar, Cirurgia

Leia mais

Novos Agentes Anticoagulantes- Como Usar? VI Board Review Reijâne Alves de Assis 23 de junho de 2012

Novos Agentes Anticoagulantes- Como Usar? VI Board Review Reijâne Alves de Assis 23 de junho de 2012 Novos Agentes Anticoagulantes- Como Usar? VI Board Review Reijâne Alves de Assis 23 de junho de 2012 Conflitos de interesse: Nada a declarar Novos anticoagulantes Relevância do tema Profilaxia nos procedimentos

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

ESCOLHA DO REGIME ANTIPLAQUETÁRIO NAS SÍNDROMES CORONÁRIAS AGUDAS

ESCOLHA DO REGIME ANTIPLAQUETÁRIO NAS SÍNDROMES CORONÁRIAS AGUDAS CURSO ANUAL DE REVISÃO EM HEMODINAMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA SBHCI - 23/10/2014 : SÃO PAULO ESCOLHA DO REGIME ANTIPLAQUETÁRIO NAS SÍNDROMES CORONÁRIAS AGUDAS Marinella Patrizia Centemero Serviço

Leia mais

Como selecionar o tipo de stent e antiplaquetários para cirurgias não cardíacas. Miguel A N Rati Hospital Barra D Or - RJ

Como selecionar o tipo de stent e antiplaquetários para cirurgias não cardíacas. Miguel A N Rati Hospital Barra D Or - RJ Como selecionar o tipo de stent e antiplaquetários para cirurgias não cardíacas Miguel A N Rati Hospital Barra D Or - RJ National Cardiovascular Data Registry CathPCI Registry Cath PCI Data 1.87.993 procedimentos,

Leia mais

Stents farmacológicos e diabetes

Stents farmacológicos e diabetes Stents farmacológicos e diabetes Constantino González Salgado Hospital Pró Cardíaco Realcath-RealCordis HUPE-UERJ DM analisando o problema O Diabetes Mellitus é doença sistêmica de elevada prevalência

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

Terapia antitrombótica versus exodontia. Interromper ou não a medicação?

Terapia antitrombótica versus exodontia. Interromper ou não a medicação? Terapia antitrombótica versus exodontia. Interromper ou não a medicação? Antithrombotic therapy x Tooth Extraction. When to stop or not medication? RESUMO Terapias com agentes antiagregantes plaquetários

Leia mais

ANTIAGREGANTES Quem e quando parar?

ANTIAGREGANTES Quem e quando parar? ANTIAGREGANTES Quem e quando parar? Francisco Matias Serviço de Anestesiologia Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Francisco Matias 16/07/2012 1 Objectivos Gerais Reconhecer a importância do uso

Leia mais

Papel dos Betabloqueadores e Estatinas

Papel dos Betabloqueadores e Estatinas Papel dos Betabloqueadores e Estatinas Danielle Menosi Gualandro danielle.gualandro@incor.usp.br Médica Assistente da Unidade Clínica de Medicina Interdisciplinar em Cardiologia InCor - HCFMUSP Papel dos

Leia mais

Preparo de Exames Endoscópicos. Isabel Fonseca Santos R1 2014

Preparo de Exames Endoscópicos. Isabel Fonseca Santos R1 2014 Preparo de Exames Endoscópicos Isabel Fonseca Santos R1 2014 Etapas para a realização de exames endoscópicos: 1. Orientações no agendamento 2. Avaliação médica 3. Consentimento informado 4. Jejum 5. Preparo

Leia mais

MANUSEIO PERI-OPERATÓRIO DOS DOENTES MEDICADOS COM

MANUSEIO PERI-OPERATÓRIO DOS DOENTES MEDICADOS COM Consensos // Consensus MANUSEIO PERI-OPERATÓRIO DOS DOENTES MEDICADOS COM ANTICOAGULANTES E ANTIAGREGANTES PLAQUETÁRIOS: RESULTADO DA 3ª REUNIÃO DE CONSENSO da SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA Cristiana

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Diretrizes Assistenciais Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Autores e revisores: João Fernando Lourenço de Almeida, Jorge David Aivazoglou

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Isabela Ribeiro Simões de Castro e Maria Celia Andrade A trombose venosa profunda e a embolia pulmonar são os agravos mais comuns de tromboembolismo

Leia mais

Após extensa revisão os autores deste trabalho dão as

Após extensa revisão os autores deste trabalho dão as Qual é o risco de eventos cardíacos adversos ou de sangramento grave, após cirurgias não cardíacas, relativos à terapia antiplaquetária, em pacientes com angioplastia coronariana prévia? The Risk of Adverse

Leia mais

30/07/2013. Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise endógena. Trombólise exógena trombolíticos

30/07/2013. Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise endógena. Trombólise exógena trombolíticos Contraindicações da anticoagulação Ricardo de Amorim Corrêa Faculdade de Medicina/UFMG Tratamento da tromboembolia pulmonar aguda Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise

Leia mais

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Camila Belonci Internato em Cirurgia Cardíaca Prof. Mário Augusto Cray da Costa Medicina UEPG Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1 ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA 1 I- CONCEITO: avaliação realizada por cardiologista, com fortes bases epidemiológicas, objetivando determinar classificação funcional do paciente, e risco de complicações

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU Salvador, 27 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: xxx Promotoria da Justiça de Brumado/Dispensação

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Farmacologia aplicada às emergências

Farmacologia aplicada às emergências UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ASSISTÊNCIA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA FARMACOLOGIA APLICADA ÀS EMERGÊNCIAS Farmacologia aplicada às emergências Nardeli Boufleur nardeli@unochapeco.edu.br

Leia mais

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria Dayse M Lourenço Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica Do coagulograma convencional a tromboelastometria Consultoria científica: Bayer Glaxo Smith Kline UNIFESP Escola

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

Este Guia de Prescrição não substitui o Resumo das Características do Medicamento (RCM) do Pradaxa.

Este Guia de Prescrição não substitui o Resumo das Características do Medicamento (RCM) do Pradaxa. PRADAXA GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O TRATAMENTO DA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E DA EMBOLIA PULMONAR (EP), E PREVENÇÃO DA TVP E DA EP RECORRENTE EM ADULTOS (TVP/EP) PRADAXA GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O TRATAMENTO

Leia mais

Acidente Vascular Cerebral Pedro Schestatsky MD, PhD

Acidente Vascular Cerebral Pedro Schestatsky MD, PhD Acidente Vascular Cerebral Pedro Schestatsky MD, PhD Quando suspeitar? Déficit neurológico focal e história de início abrupto de sintomas na ausência de trauma, bem como quadros vertiginosos persistentes

Leia mais

Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) Bloqueio motor, bloqueio sensitivo, dor lombar

Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) Bloqueio motor, bloqueio sensitivo, dor lombar ANESTESIA REGIONAL E ANTICOAGULAÇÃO BENEFÍCIOS DO BLOQUEIO DO NEUROEIXO Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) PROFILAXIA CONTRA TROMBOEMBOLISMO NA ARTROPLASTIA DE QUADRIL HBPM,

Leia mais

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias DOENÇAS HEMORRÁGICAS INTRODUÇÃO Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses Fase primária da hemostasia: púrpuras (alteração dos vasos ou plaquetas) púrpuras vasculares ou plaquetárias Fase

Leia mais

Quando o sangue forma massas de coágulos dentro dos vasos, essas massas recebem o nome de trombos. Frequentemente os trombos são friáveis, ou seja,

Quando o sangue forma massas de coágulos dentro dos vasos, essas massas recebem o nome de trombos. Frequentemente os trombos são friáveis, ou seja, 1 Prezado paciente Se você está em tratamento com anticoagulante oral, saiba que essa substância é muito eficaz para prevenir a ocorrência de tromboses e embolias, que são complicações sérias resultantes

Leia mais

Realização. Coordenador Geral. Coordenação. Comissão de Redação e Síntese. Apoio. Grupos de trabalho

Realização. Coordenador Geral. Coordenação. Comissão de Redação e Síntese. Apoio. Grupos de trabalho DRETRZES RSLERS DE NTGREGNTES PLQUETÁROS E NTOGULNTES EM RDOLOG 10 Realização Sociedade rasileira de ardiologia oordenação Departamento de ardiologia línica (S/D) poio Grupo de Estudo em oronariopatias,

Leia mais

Em 2013, como escolher?

Em 2013, como escolher? Novos anticoagulantes, o início da fase IV Em 2013, como escolher? 04 de fevereiro de 2013 Marcelo Jamus Rodrigues Novos anticoagulantes Em 2013, como escolher? Dabigatrana Rivaroxabana Apixabana Novos

Leia mais

NOVOS ANTICOAGULANTES NO

NOVOS ANTICOAGULANTES NO NOVOS ANTICOAGULANTES NO TEV Guilherme Parreiras Médico Pneumologista do HJK Coordenador do Ambulatório de Anticoagulação do HJK 05/2014 OBJETIVOS DA AULA Introdução Características dos novos Anticoagulantes

Leia mais

PREPARO PARA EXAME DE URETROCISTOGRAFIA

PREPARO PARA EXAME DE URETROCISTOGRAFIA PREPARO PARA EXAME DE URETROCISTOGRAFIA Todos pacientes deverão vir acompanhadas por um responsável legal maior de 18 anos. NA VESPERA DO EXAME: Café da manhã normal. Almoço leve. No jantar uma sopa de

Leia mais

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA Profa. Elisabeth Maróstica ISQUEMIA MIOCÁRDICA Sintoma primário da cardiopatia isquêmica é a ANGINA: Angina estável (esforço) Angina instável (repouso) Angina de Prinzmetal

Leia mais

Aspirina no perioperatório de cirurgias não cardíacas: o dilema entre manter ou suspender*

Aspirina no perioperatório de cirurgias não cardíacas: o dilema entre manter ou suspender* ARTIGO DE REVISÃO Aspirina no perioperatório de cirurgias não cardíacas: o dilema entre manter ou suspender* Aspirin perioperatively in noncardiac surgery: the dilemma between keeping or suspend Rodrigo

Leia mais

CUSTO-EFETIVIDADE DO DABIGATRAN NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES VASCULARES CEREBRAIS EM DOENTES COM FIBRILHAÇÃO AURICULAR

CUSTO-EFETIVIDADE DO DABIGATRAN NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES VASCULARES CEREBRAIS EM DOENTES COM FIBRILHAÇÃO AURICULAR Dissertação artigo de revisão bibliográfica Mestrado Integrado em Medicina Ano Letivo 2011/2012 CUSTO-EFETIVIDADE DO DABIGATRAN NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES VASCULARES CEREBRAIS EM DOENTES COM FIBRILHAÇÃO

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto )

RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto ) RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto ) SOLICITANTE Eduardo Soares de Araújo Juíz de Direito Comarca de Andradas MG NÚMERO DO PROCESSO 14.2723-1 DATA 03/06/2014 Proc. 14.2723-1 Autor: VALDECI

Leia mais

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins HAP Definição Condição patológica caracterizada pela elevação da pressão arterial pulmonar média acima de 25mmHg com

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA ARMANDO MANSILHA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO IMPORTÂNCIA DA DOENÇA < 5 casos / 100.000 / ano < 15 anos 500 casos / 100.000 / ano 80 anos Maior incidência nas

Leia mais

Boletim Científico SBCCV 12-2012

Boletim Científico SBCCV 12-2012 1 2 Boletim Científico SBCCV 12-2012 Análise de desfechos após 5 anos do implante transcateter de válvula aórtica balãoexpansível, no Canadá. 5-Year Outcome After Transcatheter Aortic Valve Implantation.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

2000 Nacional Heart Attack Alert Program: diretrizes para protocolos e programas de UDTs

2000 Nacional Heart Attack Alert Program: diretrizes para protocolos e programas de UDTs Introdução 1981 Hospital St. Agnes, Baltimore (EUA) Dr. Raymond Bahr Estratégias para maior especificidade, sensibilidade e acurácia no diagnóstico de dor torácica 2000 Nacional Heart Attack Alert Program:

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

Como reconciliar as medicações usuais com as necessárias, durante o evento agudo? Ricardo Gusmão

Como reconciliar as medicações usuais com as necessárias, durante o evento agudo? Ricardo Gusmão Como reconciliar as medicações usuais com as necessárias, durante o evento agudo? Ricardo Gusmão Coordenador do Serviço de Cardiologia do H. Barra D Or Médico da U.C. do I.N.Cardiologia Paciente com FA,

Leia mais

Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança. Monitor: Fernando Pessuti

Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança. Monitor: Fernando Pessuti Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança Monitor: Fernando Pessuti Niterói, 28 de abril de 2015 Antiagregantes plaquetários Anticoagulantes orais Heparinas Novos anticoagulantes orais Tríade de Virchow

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

CASO CLÍNICO DAC III. HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br

CASO CLÍNICO DAC III. HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br CASO CLÍNICO DAC III SILVIO GIOPPATO SILVIO GIOPPATO HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br Antecedentes Feminino, 90 anos HAS; DLP; Obesidade (IMC: 31) IM prévio com ICP primária para ACD

Leia mais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais NOTA TÉCNICA 66/2014 Solicitante: Dra. Patricia Santos Firmo Juíza de Direito Data: 09/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais Processo

Leia mais

Avaliação Pré-Operatória: Visão do Pneumologista. Luciana Tamiê Kato Morinaga Pneumologista

Avaliação Pré-Operatória: Visão do Pneumologista. Luciana Tamiê Kato Morinaga Pneumologista Avaliação Pré-Operatória: Visão do Pneumologista Luciana Tamiê Kato Morinaga Pneumologista Prevalência e impacto Identificação do paciente de risco Modificação do risco Situações específicas Tabagismo

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Eurival Soares Borges AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA ACP - American College Physicians ACC - Ameriacn College of Cardiology AVALIAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS: 1 - Tromboembolismo venoso (TEV) 2 - Obesidade 3

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A

P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A P R O S T AT E C T O M I A R A D I C A L L A P A R O S C Ó P I C A O Câncer de próstata (Cap) É o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos,

Leia mais

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação.

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. HEMOSTASIA 1 2 IX Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. INATIVO ATIVADO NOME COMUM VIA DE ATIVAÇÃO I Ia Fibrinogênio Comum II IIa Protrombina Comum

Leia mais