O PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO COMO AGENTE CLAREADOR INTERNO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO COMO AGENTE CLAREADOR INTERNO"

Transcrição

1 O PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO COMO AGENTE CLAREADOR INTERNO Aluna: Angela Ferrão Venturini Orientador: Prof. Ms. Mateus Silveira Martins Hartmann Curso: Especialização em Endodontia Passo Fundo, Outubro de 2007.

2 2 RESUMO O termo clareamento dental designa várias técnicas que objetivam melhorar uma das funções do dente, a estética. Existem técnicas para um ou todos os dentes, para dentes vitais, ou com tratamento endodôntico, mediatas ou imediatas. A seleção da técnica leva em conta, principalmente, a causa do manchamento ou escurecimento dental. Este trabalho tem por objetivo analisar, de acordo com a literatura, a utilização do agente clareador a base de peróxido de hidróxido a 35%, bem como sua efetividade, suas alterações em tecidos moles, suas limitações, verificar a concentração necessária e possíveis associações, analisar o tempo necessário para se conseguir um resultado estético satisfatório, quando utilizados na técnica de clareamento interno, observando a forma de atuação e os resultados obtidos com essa substância química. Esta revisão bibliográfica será executada em periódicos, livros, sites, monografias, dissertações e teses. Palavra-chave: Clareamento dental. Peróxido de hidrogênio a 35%.Agente clareador.

3 3 SUMÁRIO 1. PROBLEMA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS...5 Objetivos gerais...5 Objetivos específicos REVISÃO DE LITERATURA METODOLOGIA CRONOGRAMA ORÇAMENTO...12 REFERÊNCIAS...13

4 4 O PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO COMO AGENTE CLAREADOR INTERNO 1. PROBLEMA Qual a efetividade do Peróxido de Hidrogênio como agente clareador na técnica do clareamento interno? 2. JUSTIFICATIVA Nos dias atuais a estética e o sorriso estão intimamente relacionados no mundo moderno e civilizado. Dentes brancos, bem contornados e alinhados, estabelecem o padrão de beleza. Assim, um sorriso com essas características, além de atraente, pode indicar saúde emocional, amor-próprio, status e sensualidade. Entretanto, no cotidiano clínico temos observado que a alteração cromática dos dentes anteriores pode levar as pessoas a perderem sua auto-estima, levando-as a se comportarem de maneira reservada e tímida. Nesses casos, dependendo da etiologia e da intensidade da alteração de cor, o clareamento dental passa a ser a primeira opção de tratamento, por ser uma técnica de baixo custo, com poucos efeitos colaterais e, principalmente, por não implicar em desgaste da estrutura dental. Nos dentes não-vitais, tratados endodonticamente, a abordagem para o clareamento em geral é intracoronal, como rotina é empregada uma associação das técnicas, imediata (termocatalítica) e mediata (Walking-Bleach Technique), utilizando uma solução de peróxido de hidrogênio a 35% e água. Este agente clareador vem sendo utilizado há mais de l00 anos e permanece como o agente clareador de escolha na maioria dos casos, tanto em dentes vitalizados quanto desvitalizados. É uma substância altamente instável e, quando em contato com a saliva e estrutura dental, dissocia-se em oxigênio e água, este responsável pela efetivação do clareamento dental (CLARKWAN SIECH,1990). Em concentrações elevadas (30% a 50%), o peróxido de hidrogênio é cáustico aos tecidos moles e pode ser tóxico. No entanto, este trabalho procurará analisar a efetividade do agente clareador à base de peróxido de hidrogênio a 35%, na técnica de clareamento interno. A partir de então surgiram no mercado inúmeros agentes clareadores nas mais diferentes composições e concentrações, todos com o mesmo propósito, porém poucos apresentaram informações confiáveis a respeito da sua efetividade e segurança.

5 5 3. OBJETIVOS Objetivos Gerais A realização deste trabalho tem como propósito avaliar a efetividade e a segurança do agente clareador a base de peróxido de hidrogênio a 35% no clareamento de dentes não vitais. Objetivos Específicos Avaliar a efetividade do clareamento conseguido com peróxido de hidrogênio. Verificar qual a concentração necessária e possíveis associações. Observar o tempo necessário para se conseguir um resultado estético satisfatório. Determinar as alterações em tecidos moles e suas limitações. 4. REVISÃO DE LITERATURA Nas técnicas de clareamento de dentes sem vitalidade, substâncias clareadoras são colocadas na cavidade correspondente à câmara pulpar de dentes que já se submeteram a um tratamento endodôntico. Também existem técnicas para clareamento de dentes desvitalizados e vitalizados realizados em consultório (in-office) ou em casa pelo paciente (at-home). As diferenças entre ambas consistem na utilização de produtos de diferentes composições podendo ser indicados o peróxido de hidrogênio ou peróxido de carbamida. Geralmente nas técnicas de consultório empregam-se ambos os produtos em concentração entre 35% a 37%, devendo haver um controle rigoroso da aplicação a ser realizada pelo cirurgião-dentista. Estes produtos podem ou não incluir a utilização de uma fonte de calor aparelhos fotopolimerizadores, diodos emissores de luz ou laser para acelerar a degradação do peróxido de hidrogênio. James Berry (1990) escreveu suas preocupações pessoais quanto à segurança de utilização dos produtos clareadores que ganhavam mercado, na oportunidade, nos Estados Unidos e no mundo. Estes produtos, motivo de inquietação do autor, tanto podiam ser passados aos pacientes através de um profissional (odontólogo), quanto poderiam chegar às mãos dos usuários através de venda direta ao consumidor, o que o preocupava ainda mais. Para exemplificar a leviandade com que o assunto era tratado em certas oportunidades, Berry

6 6 cita o fato que Ronald Murayama, da Califómia (inventor do agente de clareamento dental - Natural White), apregoou a segurança de seu produto em uma estação de televisão americana no programa chamado Amazing Discoveries" dizendo:..o principal ingrediente do Natural White é o oxigênio. O oxigênio, como vocês sabem, está em todo lugar em torno de nós, na atmosfera. Chakwan Siew (1990) que respondia pelo Departamento de Toxicologia do Instituto de Pesquisas da Associação Dentária Americana no ano em que Berry escreveu em resposta à colocação simplista de Murayama ponderou que o oxigênio presente na atmosfera difere daquele que compõe os agentes de clareamento dental. Na mesma oportunidade, afirmou que o componente ativo dos agentes de clareamento, durante o processo de reação, se decompõe gerando peróxido de hidrogênio e liberando radicais de oxigênio livre, que são muito ativos. Citando informações da literatura científica, Siew (1990) ressalta que o peróxido de hidrogênio em outros experimentos já foi relacionado como possuidor de potencial mutagênico, sendo capaz de aumentar o efeito de carcinógenos conhecidos, tendo a capacidade de danificar tecidos periodontais se usado por muito tempo, e podendo ser agente retardador de processo cicatricial. Ele declarou ainda que o uso prolongado e sem supervisão de peróxido de hidrogênio, é capaz de alterar a flora oral normal, possibilitando que haja uma hipertrofia das papilas filiformes da língua caracterizando a condição conhecida como língua pilosa. Ele também chama atenção para a possibilidade de que o uso do peróxido em questão poderia propiciar o aparecimento de infecções orais crônicas, a partir de microrganismos oportunistas como a cândida albicans, assim como a inibição de certas enzimas pulpares. Haywood et al. (1991), declaram que um conselho adequado é o de sugerir, aos pacientes em tratamento clareador, a moderação de consumo de cigarros ou assemelhados durante o tratamento. Em se tratando do tecido conjuntivo, os autores observaram que o tecido estava edemaciado e que havia um infiltrado característico de processos agudos. Passadas 24 horas de gotejamento do peróxido sobre a mucosa, o epitélio estava mais desorganizado e nas células podiam ser encontradas inclusões lipídicas ou uma trama densa de tonofibrilas. No conjuntivo, neste mesmo período, as papilas eram mais curtas e edemaciadas e os vasos aí presentes mostravam muitos leucócitos intravasculares enquanto que o número de células leucocitárias no espaço extravascular era menor do que aquele presente após 12 horas de experimento. Os animais experimentais foram mantidos por 48 horas sob ação do peróxido e ao final deste período, havia completa descaracterização do epitélio com destacamento da camada córnea; aumento dos espaços intercelulares; e células edemaciadas e vascularizadas.

7 7 Enquanto que no conjuntivo o infiltrado continuava sendo característico de processos agudos. O peróxido de hidrogênio é o componente básico ativo dos modernos agentes de clareamento que utilizam a técnica de clareamento caseiro. Na verdade, este produto já era largamente utilizado, como por exemplo, em terapêuticas periodontais, onde entrava em contato direto com a gengiva, que é a área da cavidade bucal com maior possibilidade de sofrer os efeitos do peróxido de hidrogênio, quando a técnica da moldeira está sendo empregada para corrigir alterações de cor dos dentes. Revisando a literatura a respeito dos possíveis efeitos dos agentes de clareamento dental sobre os tecidos orais, encontra-se que, em relação a gengiva, estas soluções podem entrar em contato com a mesma das seguintes maneiras: - a partir da porção interna do canal radicular durante o clareamento de dentes despolpados quando o profissional coloca dentro da câmara pulpar uma pasta ou uma solução contendo, por exemplo, peróxido de hidrogênio a 35%; - vazamento do produto clareador através do dique de borracha quando está sendo feito um clareamento de dentes em consultório, por exemplo, com peróxido de hidrogênio a 35%; - durante o clareamento caseiro de dentes, que pode ser realizado através da utilização de moldeiras contendo o agente clareador; - e/ou através de escovação dentária com dentifrícios, que também contém como constituinte básico um agente clareador a base de peróxido de hidrogênio. 4.1 Mecanismo de ação dos agentes clareadores O clareamento dental é realizado, graças à permeabilidade da estrutura dental aos agentes clareadores, capazes de se difundir livremente pelo esmalte e dentina atuando na parte orgânica destas estruturas. Dependendo da sua técnica, o veículo do oxigênio, em geral um peróxido, é utilizado na forma de solução ou gel, em concentrações que variam de acordo com as necessidades do caso clínico, podendo ser associadas técnicas e materiais (BARATIERI et al., 2002). Peróxido de Carbamida: comumente apresentado em concentrações de 10, 15, 16% para técnica caseira em dentes vitais, e 35%, para clareamento em consultório, tanto em dentes vitais como não-vitais.

8 8 Peróxido de Hidrogênio: apresentado em concentrações de 1,5 a 7,5% para uso em dentes vitais na técnica de clareamento caseiro e de 35% para dentes vitais na técnica em consultório e para dentes não-vitais. Peróxido de Sódio: substância apresentada em pó que em contato com a água, decompõe-se em metaborato de sódio, peróxido de hidrogênio e oxigênio. Normalmente é utilizado em associação com peróxido de hidrogênio para clareamento em dentes não-vitais. Hidroxilite: recentemente introduzido no mercado com a intenção de controlar a ocorrência de sensibilidade dentária na técnica de clareamento. Possibilita obter a liberação de oxigênio sem presença de peróxido (DILLENBURG; CONCEIÇÃO, 2000). Para Weimer et al. (1994) o agente clareador ideal seria o perborato de sódio tetraidratado associado á água destilada, devido a sua eficiente atuação e baixo risco de provocar reabsorção cervical. Entretanto, o perborato de sódio, quando adicionado á água, decompõe-se em peróxido de hidrogênio. Esse processo resulta na liberação do oxigênio ativo, responsável pelo clareamento. Entretanto, quando se emprega perborato de sódio, espera-se pequena difusão de peróxido de hidrogênio devido à quantidade liberada. 4.2 Clareamento de dentes não-vitais: Antes de tentar o clareamento intracoronal devemos esgotar todas as outras possibilidades por meio do uso dos agentes clareadores extracoronais. Dentes amplamente restaurados e/ou cariados não devem ser clareados. Nestes casos, uma cobertura total é a melhor alternativa. Devemos também observar a presença de trincas e/ou restaurações deficientes, que possibilitem a comunicação da câmara pulpar com o meio bucal, situações estas que podem ser resolvidas, quando possível antes do clareamento, por meio de selamento destes defeitos, evitando assim que o agente clareador escape e, além de não clarear o dente, provocar danos nos tecidos moles. Antes de executar o clareamento intracoronal devemos observar alguns aspectos do canal radicular. Ele deve estar bem obturado evitando infiltrações de agentes clareadores; deve haver normalidade periapical e periodontal no dente em questão; remoção de toda dentina cariada, bem como resíduo de materiais obturador e restaurador (BARATIERI et al., 2002).

9 Técnica operatória: Selamento biomecânico: após a remoção do material obturador da embocadura do canal radicular, uma camada de hidróxido de cálcio P.A. é aplicada em contato com o material obturador com uma espessura em torno de 1mm. Esse procedimento tem como objetivo alcalinizar o meio, prevenindo a reabsorção radicular externa. A seguir, uma barreira de cimento de ionômero de vidro é aplicada com o auxílio de uma ponteira plástica na seringa centrix, com uma espessura em torno de 1 a 2mm a fim de selar a embocadura do canal e os túbulos dentinários que poderiam permitir a difusão do peróxido de hidrogênio até o tecido periodontal. A partir do momento em que o C.I.V. tomou presa, o condicionamento com ácido fosfórico a 35% é realizado, a fim de remover a camada de smear layer expondo os túbulos dentinários, tornando-os mais suscetíveis à ação do agente clareador. Na técnica mediata em dentes não-vitais usa-se a associação de peróxido de hidrogênio a 35% com perborato de sódio, obtendo-se uma consistência pastosa. Ou então, peróxido de hidrogênio na forma de pó (Endoperox, Septodont). Já na técnica imediata, utilizamos peróxido de hidrogênio a 35% na forma de solução. Normalmente nessa técnica, o tempo clínico de aplicação é maior, ficando em torno de 30 a 40 min, em que o agente clareador deverá ser renovado em intervalos de 3 a 4 minutos em cada dente. Após isso é realizada a restauração temporária com cimento de ionômero de vidro; ajuste oclusal e recomendações ao paciente. A segunda consulta, na técnica mediata, se dá em torno de 2 a 7 dias, onde será avaliado a cor, para posterior restauração do dente. Na técnica imediata, se dá após 48 horas Limitações É costume evitar a administração de qualquer medicação desnecessária a mulheres grávidas ou que estejam amamentando. Desta forma, não é recomendável a utilização do clareamento dental caseiro. Trabalhos têm sugerido que o DMBA, um carcinógeno presente no cigarro, pode ser potencializado por agentes que contêm oxigênio. Inúmeros outros comprovam a segurança desta técnica, garantindo a sua utilização sem causar nenhum dano ao paciente. Além disso, o peróxido de carbamida a 10% já é empregado em Odontologia, há várias décadas, sem qualquer relato desfavorável ou controverso. Portanto, o fumo não é propriamente uma limitação, embora, devido a um excesso de segurança, recomende-se aos

10 10 fumantes a interrupção ou diminuição do hábito durante o tratamento. Dentes com áreas cervicais expostas e de muita sensibilidade podem limitar ou inviabilizar o clareamento. Neste caso a solução seria o tratamento das áreas cervicais com agentes dessensibilizadores, como vernizes fluoretados, flúor fosfato acidulado a 1,23%, em aplicações tópicas, adesivas dentinários ou, mesmo, a restauração destas áreas Efeitos colaterais Devido ao baixo peso molecular do peróxido de carbamida e a sua livre passagem pelo esmalte e dentina, alguns pacientes apresentam sensibilidade dental transitória. Normalmente a interrupção do tratamento por dois a três dias elimina esse desconforto. Outro possível efeito colateral consiste de inflamação gengival, ocasionada por bordas ou arestas cortantes da moldeira. Após a sua remoção, pode-se dar continuidade ao tratamento ph ácido das soluções clareadoras O ph das soluções clareadoras varia de 4,6-7,4 e cogitou-se a possibilidade de provocarem desmineralização das estruturas dentais. Entretanto, estudos clínicos demonstraram que, somente durante os cinco primeiros minutos de clareamento, o ph permanece crítico. Após este período, devido à degradação da uréia, o ph da solução é bruscamente aumentado, elevando também o ph da placa. Demais, deve-se considerar também o potencial remineralizador da saliva, presente na cavidade bucal Efeitos sobre os materiais restauradores Alguns autores sugerem diminuição na vida efetiva dos compósitos posteriores, devido à ruptura da matriz de resina. Entretanto, este efeito causado pelos géis clareadores não é considerado pior do que aquele provocado por alguns alimentos. Isto significa que as restaurações sem envolvimento estético podem ser mantidas sem prejuízo para as mesmas. Com relação à alteração de cor das resinas compostas, concluiu-se que ocorre apenas uma limpeza superficial, evidenciando a necessidade de substituição das restaurações estéticas, uma vez que não são clareadas como a estrutura dental.

11 Reabsorção radicular externa associada ao clareamento de dentes endodonticamente tratados A reabsorção externa radicular tem sido relacionada ao clareamento em dentes endodonticamente tratados em diferentes trabalhos. Harrington e Natkin (1979) relataram sete casos de reabsorção externa em pacientes que tinham tido seus dentes clareados através da associação da técnica imediata e da técnica mediata. Todos os dentes envolvidos tornaram-se desvitalizados após injúria traumática na época em que os pacientes eram jovens (11 a 15 anos), sendo que não ocorreram traumas após o clareamento. Em todos os casos, um agente cáustico associado com uma fonte de calor foi utilizado. As lesões de reabsorção estavam localizadas, em todos os casos, no terço cervical da raiz. Lado et al. (1983) reportaram o caso de um paciente com reabsorção externa após clareamento dental, no qual não havia histórico de trauma: o paciente era adulto (50 anos), a endodontia havia sido realizada aos 25 anos e o clareamento, aos 44 anos. Cvek e Lindvall (1985) apresentaram uma série de onze casos de reabsorção após os dentes terem sido clareados. A técnica de clareamento utilizada foi à associação da imediata com a mediata. Dos onze dentes um não apresentava histórico de trauma: enquanto que os outros tinham sofrido trauma anterior ao tratamento endodôntico. Todos os pacientes eram jovens na época do trauma. O tratamento clareador foi realizado após alguns anos da endodontia. Em todos os dentes a reabsorção foi notada nas radiografias de acompanhamento após seis meses ou um ano. A aparência radiográfica das reabsorções variava muito. Em dois dentes, a reabsorção era apenas superficial e não progrediu durante o período de observação. Em cinco dentes, a reabsorção era associada com aquilose. Nos quatro dentes remanescentes, foi progressiva, em forma arredondada e associada com radiolucência no osso alveolar adjacente. Kehoe (1987) realizou um estudo in vitro, em que 20 incisivos humano, após tratamento endodôntico, foram tratados pela técnica mediata. Os resultados demonstraram que há uma leve queda do ph. As leituras de ph após a colocação da pasta de hidrogênio de cálcio evidenciavam um aumento de ph, o qual poderia inibir a atividade osteoclástica. Friedman et al. (1988) examinaram 58 dentes tratados endodonticamente e clareados após um período de um a oito anos do tratamento clareador. Foi encontrada reabsorção radicular externa em quatro casos (6,9%), sendo progressiva em dois casos e detida em outros dois. Nenhum trauma pré ou pós-operatório tinha acontecido em qualquer dos quatro casos.

12 12 Dos quatro dentes, um tinha sido clareado pela técnica mediata, outro pela técnica imediata e os outros dois, pela combinação de técnicas. Rotstein et al. (1990) o perborato confirmou ser alcalino, enquanto o peróxido foi ácido. O ph dos materiais, quando misturados, mudou gradualmente de ácido a alcalino, conforme a concentração de perborato de sódio fosse aumentada. A mistura com consistência clínica foi alcalina, sendo sua alcalinidade aumentada com o tempo. 5. METODOLOGIA: O projeto vai ser executado através de uma pesquisa bibliográfica, os instrumentos de coleta serão os artigos de periódicos, livros, referências de documentos obtidos via Internet, monografias, dissertações e teses. 6. CRONOGRAMA: Atividades Revisão de Literatura Entrega do projeto Apresentação do Projeto Correções Entrega da Monografia Defesa monografia Correções/ entrega final ANO mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X 7 ORÇAMENTO: Especificação Quantidade Total (R$) Artigos 05 pg R$ 37,00 Digitação 31 pg R$ 74,50 Cópias CD 02 un R$ 3,00 Cópias (Xerox) Encadernação 40 pg 1 un R$ 20,00 R$ 10,00

13 13 REFERÊNCIAS: CONCEIÇÃO, E. N. et al. Dentística: Saúde e Estética.1ª edição. Porto Alegre: Artes Médicas, CVEK, M.; LINDVALL, A. M. External root resorption following bleaching of pulpless,teeth with oxygen peroxide. Endod. Dent. Traumatol., v. 1, n. 2, p , Apr BARATIERI, L. N., et al. Clareamento Dental. São Paulo: Santos, Clareamento de dentes. In: BARATIERI, L. N. et al. Odontologia Restauradora fundamentos e possibilidades. 4. Reimpressão. São Paulo: Santos, p BUSATO, A. L. S. et al. Clareamento de dentes escurecidos. Revista Gaúcha de Odontologia, Porto Alegre, v. 34, n. 6, p , HAYWOOD, V. B.; HEYMANN, H. O. Nioptoyard vital bleaching. Quintessence International, v. 20, p , HARRINGTON.G.W.; NATKIN.E. External resorption associated with bleaching of pulpless teeth. J Endod., v. 5, n. 11, p , Nov KEHOE,J.C. ph reversal following in vitro bleaching of pulpless teeth. J.Endod. v.13,n jan LADO,E.A. et al. Cervical resorption in bleached teeth. Oral Surg Oral Med Oral Pathol., v. 55, n.1 p Jan NUNES, M. F.; CONCEIÇÃO, E. N. Clareamento dental. In: CONCEIÇÃO, E. N. e cols. Restaurações estéticas: compósitos, cerâmicas e implantes. Porto Alegre: Artmed, p ROTSTEIN, I.; FRIEDMAN, S. ph variation among materials used for intracoronal bleaching. J Endod., v. 17, n. 8, p , Aug.1990.

TODO PACIENTE PODE QUAL DEVE SER A IDADE. Clareamento Dental. Odontologia Cosmética REALIZAR O TRATAMENTO CLAREADOR? MÍNIMA?

TODO PACIENTE PODE QUAL DEVE SER A IDADE. Clareamento Dental. Odontologia Cosmética REALIZAR O TRATAMENTO CLAREADOR? MÍNIMA? Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Odontologia Programa de Educação Tutorial Clareamento Dental Um dos tratamentos mais populares estéticos realizados em dentes escurecidos (Klaric, 2014).

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Clareamento dental Associação de técnicas para obtenção de efetividade e naturalidade

Clareamento dental Associação de técnicas para obtenção de efetividade e naturalidade CASO CLÍNICO A linha inovadora de clareamento dental da Angelus TÍTULO Clareamento dental Associação de técnicas para obtenção de efetividade e naturalidade AUTOR AUTORES Jorge Eustáquio Mestre em Dentística

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

CLAREAMENTO DENTAL ASSOCIAÇÃO DE TÉCNICAS PARA OBTENÇÃO DE EFETIVIDADE E NATURALIDADE

CLAREAMENTO DENTAL ASSOCIAÇÃO DE TÉCNICAS PARA OBTENÇÃO DE EFETIVIDADE E NATURALIDADE CLAREAMENTO DENTAL ASSOCIAÇÃO DE TÉCNICAS PARA OBTENÇÃO DE EFETIVIDADE E NATURALIDADE AUTORES: Jorge Eustáquio Mestre em Dentística Restauradora Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic Campinas SP;

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

Gislaine Adams Sabrine Louise Souza

Gislaine Adams Sabrine Louise Souza Caso Clínico Clínica Integrada IV Necropulpectomia Gislaine Adams Sabrine Louise Souza Universidade Positivo 5º período Anamnese Paciente M.M. Sexo feminino 21 anos Fumante Procurou o serviço de emergência

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

REGULAMENTO ODONTOLÓGICO

REGULAMENTO ODONTOLÓGICO REGULAMENTO ODONTOLÓGICO Regulamento Vigente REGULAMENTO ODONTOLÓGICO ARTIGO 1º - A Associação dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo - AFRESP - prestará a seus associados inscritos na Administração

Leia mais

Profilaxia. Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio. Bifluorid 12 em embalagens Single Dose. Indicações: Indicações:

Profilaxia. Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio. Bifluorid 12 em embalagens Single Dose. Indicações: Indicações: Bifluorid 12 Bifluorid 12 Single Dose Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio Bifluorid 12 em embalagens Single Dose Reparação de cerâmica directa Tratamento de hipersensibilidade

Leia mais

Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato

Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato ... vedar... obliterar... isolar do meio externo SELANTE É: Barreira Física Os selantes oclusais são reconhecidos como uma medida efetiva na PREVENÇÃO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

MILHÕES P O O S A I S O M E N I T M U 8DE SORRISOS. www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES.

MILHÕES P O O S A I S O M E N I T M U 8DE SORRISOS. www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES. MILHÕES 8DE SORRISOS M U I T M U O I T M A I S O M E N P O O S R BRINDES DESCONTOS ECONOMIA QUALIDADE www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES. LEVE AGORA! WHITE CLASS

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Odontólogo (Unidade Móvel) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. I N S T R

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RUGOSIDADE

AVALIAÇÃO DA RUGOSIDADE AVALIAÇÃO DA RUGOSIDADE SUPERFICIAL DE RESINA COMPOSTA APÓS A AÇÃO DE AGENTES CLAREADORES IMEDIATOS William Kabbach* Flávia Magnani Bevilacqua** Juliana Alvares Duarte Bonini Campos*** Welingtom Dinelli****

Leia mais

Avaliação da temperatura in vitro durante a reação termocatalítica no clareamento de dentes despolpados

Avaliação da temperatura in vitro durante a reação termocatalítica no clareamento de dentes despolpados Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2007 maio-ago; Avaliação da temperatura in vitro durante a reação termocatalítica no clareamento de dentes despolpados In vitro evaluation of

Leia mais

www.odontomagazine.com.br Ano 3 - N 34 - Novembro de 2013 comunicação integrada Reportagem Odontologia do Esporte

www.odontomagazine.com.br Ano 3 - N 34 - Novembro de 2013 comunicação integrada Reportagem Odontologia do Esporte www.odontomagazine.com.br Ano 3 - N 34 - Novembro de 2013 comunicação integrada comunicação integrada Reportagem Odontologia do Esporte Clareamento dental para dentes não vitais e vitais, seguido de procedimentos

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X)

TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) Caso clínico realizado pelo especialista em Dentística Restauradora HECTOR GREGORY SOCIAS JUNIOR (República Dominicana).

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr.

Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Artigos Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Agregando valor aos procedimentos diários: do clareamento à fratura dental. Atualmente, observa-se que as novas idéias e a avaliação contínua

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

Clareamento Dental de Prof. Dr. Fernando Mandarino

Clareamento Dental de Prof. Dr. Fernando Mandarino Clareamento Dental de Prof. Dr. Fernando Mandarino 1 Introdução Existem diversas formas para denominarmos as técnicas de clarear os dentes. No Brasil o termo mais difundido é o clareamento, os nomes de

Leia mais

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1. O paciente João compareceu ao consultório odontológico uma semana depois de realizar uma exodontia do segundo molar inferior esquerdo. Qual das alternativas abaixo contém os

Leia mais

Carla Thaís da Costa Roberta Pereira Navi. Clareamento Dental Interno e Suas Perspectivas Para O Clínico Geral

Carla Thaís da Costa Roberta Pereira Navi. Clareamento Dental Interno e Suas Perspectivas Para O Clínico Geral Carla Thaís da Costa Roberta Pereira Navi Clareamento Dental Interno e Suas Perspectivas Para O Clínico Geral Universidade São Francisco Bragança Paulista, 2008 Carla Thaís da Costa Roberta Pereira Navi

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados na

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA PRÉ-CLÍNICA II Código: ODO-028 Pré-requisito:

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte

Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte TRATAMENTO ENDODÔNTICO Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte O D O N T O LO G I A E S T É T I C A R E S TAU R A D O R A O que é tratamento endodôntico? É a remoção do tecido mole que se encontra na

Leia mais

Diferentes alternativas de clareamento para dentes escurecidos tratados endodonticamente

Diferentes alternativas de clareamento para dentes escurecidos tratados endodonticamente Diferentes alternativas de clareamento para dentes escurecidos tratados endodonticamente Joana Dourado Martins 1 Luana Costa Bastos 1 Lívia Aguilera Gaglianone 1 Juliana Fellipi Góes de David de Azevedo

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES 1. Garantir, no longo prazo, o incremento dos recursos orçamentários e financeiros para a saúde e aprovar o orçamento do SUS, composto pelos orçamentos das três esferas

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias

Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias Tabela proposta a sócios CCD- V.N.Gaia 01 CONSULTA Consulta de medicina dentária 10 Consulta para apresentação e discussão de plano de tratamento 10

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE.

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. VOCÊ RESOLVENDO O PROBLEMA DO SEU PACIENTE. CONTÉM NANO- HIDROXIAPATITA Pasta Dessensibilizante e Remineralizante AF. folder 40x7 nano p.indd 6/6/0 :40:49

Leia mais

FLÁVIA PONTES DE GOES MACIEL. CLAREAMENTO ENDÓGENO Revisão de Literatura

FLÁVIA PONTES DE GOES MACIEL. CLAREAMENTO ENDÓGENO Revisão de Literatura FLÁVIA PONTES DE GOES MACIEL CLAREAMENTO ENDÓGENO Revisão de Literatura Londrina 2014 FLÁVIA PONTES DE GOES MACIEL CLAREAMENTO ENDÓGENO Revisão de Literatura Trabalho de Conclusão de Curso apresentado

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICOS MERIDIONAL CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA MÔNICA BEUX

FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICOS MERIDIONAL CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA MÔNICA BEUX FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICOS MERIDIONAL CEOM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA MÔNICA BEUX EFICÁCIA, SEGURANÇA E RISCOS DOS DIFERENTES CLAREADORES INTERNOS: REVISÃO DE

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

Abraão Guimarães Costa Ellen Sabrina Rangel Milan TRATAMENTO DA COLORAÇÃO DE DENTES DESVITALIZADOS

Abraão Guimarães Costa Ellen Sabrina Rangel Milan TRATAMENTO DA COLORAÇÃO DE DENTES DESVITALIZADOS Abraão Guimarães Costa Ellen Sabrina Rangel Milan TRATAMENTO DA COLORAÇÃO DE DENTES DESVITALIZADOS Pindamonhangaba SP 2014 Abraão Guimarães Costa Ellen Sabrina Rangel Milan TRATAMENTO DA COLORAÇÃO DE DENTES

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental?

... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental? ... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental?... que os alimentos duros ajudam a limpar os dentes? Eles estimulam o fluxo salivar dificultando a queda de

Leia mais

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Plano Integral... TRATAMENTO AMBULATORIAL/DIAGNÓSTICO Consulta EMERGÊNCIA Colagem de fragmentos (consiste na recolocação de partes de dente que sofreu fratura,

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

ANEXO I CÓD. C O N S U L T A I N I C I A L QUANT. VALOR. 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00

ANEXO I CÓD. C O N S U L T A I N I C I A L QUANT. VALOR. 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00 ANEXO I C O N S U L T A I N I C I A L 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00 U R G Ê N C I A E E M E R G Ê N C I A 121 Curativo em caso de hemorragia bucal 175 38,50 122

Leia mais

Avaliação clínica do clareamento dental pela técnica caseira

Avaliação clínica do clareamento dental pela técnica caseira Caso Clínico Avaliação clínica do clareamento dental pela técnica caseira Fabiano Carlos Marson*, Luis Guilherme Sensi*, Fabiano de Oliveira Araujo*, Sylvio Monteiro Junior**, Élito Araújo*** Resumo O

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO QUESTÃO 21 Assinale a alternativa CORRETA quanto à obtenção da analgesia (anestesia regional): a) O método do bloqueio de nervo é aplicado para a obtenção

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ANESTESIA E CIRURGIA SEPTOJECT XL Agulha estéril descartável com maior calibre interno Tribiselada, siliconizada, bisel interno e pré-rosqueada; Indicador de bisel; Menor esforço para

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS

CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ESTOMATOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTISTICA RESTAURADORA CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS O Estado da Arte ANTENOR

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Departamento. Carga horária ODONTOPEDIATRIA - ODT 7013. Odontologia

PLANO DE ENSINO. Departamento. Carga horária ODONTOPEDIATRIA - ODT 7013. Odontologia PLANO DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Semestre: 2011/2 Nome da disciplina Departamento Fase Carga horária ODONTOPEDIATRIA - ODT 7013 Odontologia 8a 4 horas-aula/semana 72 horas-aula/semestre

Leia mais

Palavras-Chave: Clareamento dental. Pigmentação. Dente não vital.

Palavras-Chave: Clareamento dental. Pigmentação. Dente não vital. ISSN 1678-1740 http://ulbratorres.com.br/revista/ Torres,Vol I 2017.1 - Dossiê Área da Saúde Submetido em: Mar/Abr/Mai, 2017 Aceito em: Jun/2017 PROTOCOLO CLÍNICO DO CLAREAMENTO DENTAL INTERNO EM DENTES

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

YOTUEL ALL IN ONE. Instruções de uso: Escovar os dentes 3 vezes por dia, durante 3 minutos.

YOTUEL ALL IN ONE. Instruções de uso: Escovar os dentes 3 vezes por dia, durante 3 minutos. YOTUEL ALL IN ONE Dentífrico branqueador para a higiene dentária Yotuel All In One é o primeiro dentífrico com peróxido de carbamida, para uso diário, que ajuda a proteger o esmalte dentário das agressões

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico Dr Saul Antunes Neto Desde o surgimento das resinas compostas, das técnicas de condicionamento ácido, das estruturas

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA

REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA 1. OBJETIVO 1.1. Disponibilizar a prestação continuada de serviços odontológicos, sem limite financeiro, na forma de Plano Privado de Assistência à Saúde, conforme

Leia mais

Uniodonto São José dos Campos APRESENTAÇÃO

Uniodonto São José dos Campos APRESENTAÇÃO Uniodonto São José dos Campos APRESENTAÇÃO Prezados (as) Cooperados (as), A presentamos a edição 2014 da Tabela de Atos Odontológicos Local e Intercâmbio, de acordo com a Terminologia Unificada em Saúde

Leia mais

clareamento dentário supervisionado pelo cirurgiãodentista

clareamento dentário supervisionado pelo cirurgiãodentista Clareamento dentário supervisionado pelo cirurgião dentista DENTAL BLEACHING SUPERVISIONED BY DENTIST Marcelo Gonçalves Cardoso Priscila de Macedo Máximo Departamento de Odontologia da Universidade de

Leia mais

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS INSTITUCIONAL 31 anos no mercado odontológico; Presença com sedes em 10 cidades brasileiras, dentre elas 9 capitais; Solidez e tradição na atenção à Saúde Bucal; Mais de 2 milhões de beneficiários; Mais

Leia mais

Técnicas em Higiene Dental

Técnicas em Higiene Dental Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Técnicas em Higiene Dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Aulas práticas Lista de materiais Aulas práticas - Lista de materiais Roupa

Leia mais

CLAREAMENTO EM DENTES VITAIS: UMA REVISÃO LITERÁRIA BLEACHING IN VITAL TEETH: A LITERARY REVIEW

CLAREAMENTO EM DENTES VITAIS: UMA REVISÃO LITERÁRIA BLEACHING IN VITAL TEETH: A LITERARY REVIEW Artigo de Revisão CLAREAMENTO EM DENTES VITAIS: UMA REVISÃO LITERÁRIA BLEACHING IN VITAL TEETH: A LITERARY REVIEW Resumo Felipe Fagundes Soares 1 José Augusto Cardoso de Sousa 1 Caroline Chaves Maia 1

Leia mais

ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 vacina Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3

ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 vacina Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3 ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 Brasil pode ter vacina anti-hpv este ano...2 Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3 Por um sorriso perfeito...3 Decifrando os rótulos...3 Zero Hora

Leia mais

O conhecimento dos cirurgiões-dentistas do município de Vassouras-RJ em relação ao clareamento dental e os riscos de sua auto-administração

O conhecimento dos cirurgiões-dentistas do município de Vassouras-RJ em relação ao clareamento dental e os riscos de sua auto-administração O conhecimento dos cirurgiões-dentistas do município de Vassouras-RJ em relação ao clareamento dental e os riscos de sua auto-administração The knowledge of dentists in the city of Vassouras-RJ concerning

Leia mais

C U R S O O D O N T O L O G I A

C U R S O O D O N T O L O G I A C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: CLÍNICA INTEGRADA III Código: Pré-requisito: ODONTOLOGIA

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil Enforce - Sistema Multiuso de Cimentação Adesiva, com Flúor Desde que foi lançado no Brasil, o sistema de cimentação adesiva Enforce com Flúor passou a fazer parte do dia-adia dos profissionais que realizam

Leia mais

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens Adper Easy One Adesivo Autocondicionante Um adesivo Um frasco Muitas vantagens Um adesivo. Uma camada. Uma única etapa. Rápido! PRATICIDADE EM UM FRASCO Com o Adper Easy One, você precisa de apenas um

Leia mais

Materiais de restauração (Ionómero de vidro) VOCO Ionofil Molar. VOCO Ionofil Molar Jumbo Mix. Cimento de ionómero de vidro compactável

Materiais de restauração (Ionómero de vidro) VOCO Ionofil Molar. VOCO Ionofil Molar Jumbo Mix. Cimento de ionómero de vidro compactável VOCO Ionofil Molar VOCO Ionofil Molar Jumbo Mix Cimento de ionómero de vidro compactável Restaurações de classe I (não sujeitas a forças oclusais de estrutura dentária VOCO Ionofil Molar em cápsulas de

Leia mais

O MELHOR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA DE BRASÍLIA

O MELHOR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA DE BRASÍLIA O MELHOR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA DE BRASÍLIA Objetivo: Proporcionar ao profissional um elevado padrão técnico-científico; capacitá-lo para bem desempenhar suas funções e com substrato básico

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst TÉCNICA DIRETA. 1. Radiografia inicial para determinação da possibilidade de confecção de pino/núcleo. 2. O dente

Leia mais