116 Ciências Econômicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "116 Ciências Econômicas"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 04/2013 UOVR / COPAP / NC / PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 24/11/ Ciências Econômicas INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar a resolução das questões, confira a numeração de todas as páginas. 3. Esta prova é constituída de 20 questões objetivas. 4. Nesta prova, as questões objetivas são de múltipla escolha, com 5 alternativas cada uma, sempre na sequência a, b, c, d, e, das quais somente uma deve ser assinalada. 5. A interpretação das questões é parte do processo de avaliação, não sendo permitidas perguntas aos aplicadores de prova. 6. Ao receber o cartão-resposta, examine-o e verifique se o nome impresso nele corresponde ao seu. Caso haja qualquer irregularidade, comunique-a imediatamente ao aplicador de prova. 7. O cartão-resposta deverá ser preenchido com caneta esferográfica preta, tendo-se o cuidado de não ultrapassar o limite do espaço para cada marcação. 8. Não serão permitidas consultas, empréstimos e comunicação entre os candidatos, tampouco o uso de livros, apontamentos e equipamentos eletrônicos ou não, inclusive relógio. O não cumprimento dessas exigências implicará a eliminação do candidato. 9. Não será permitido ao candidato manter em seu poder relógios, aparelhos eletrônicos (BIP, telefone celular, tablet, calculadora, agenda eletrônica, MP3 etc.), devendo ser desligados e colocados OBRIGATORIAMENTE no saco plástico. Caso essa exigência seja descumprida, o candidato será excluído do concurso. Conhecimentos Específicos 10. O tempo de resolução das questões, incluindo o tempo para preenchimento do cartão-resposta, é de 4 horas. 11. Ao concluir a prova, permaneça em seu lugar e comunique ao aplicador de prova. Aguarde autorização para entregar o caderno de prova, o cartão-resposta e a ficha de identificação. 12. Se desejar, anote as respostas no quadro abaixo, recorte na linha indicada e leve-o consigo. DURAÇÃO DESTA PROVA: 4 horas INSCRIÇÃO TURMA NOME DO CANDIDATO ASSINATURA DO CANDIDATO... RESPOSTAS

2

3 A função demanda Dx = 15 2 Px e a função oferta Ox= 5 + 3Px caracterizam o mercado do Bem X. Supondo que NÃO existam interferências exógenas na lógica desse mercado, qual é a sua quantidade demandada? a) 2. b) 5. c) 7. d) 9. e) Sobre oferta, demanda e elasticidade é INCORRETO afirmar: a) Se um aumento na renda desloca a curva de demanda para a direita, estamos analisando um bem normal. b) Se a elasticidade cruzada de dois bens é positiva, esses bens são complementares. c) Se por algum motivo que não a lógica do mercado o preço do bem estiver fixado abaixo do preço de equilíbrio, há um excesso de demanda por esse bem. d) Se ocorrer uma redução nos preços dos insumos produtivos de um determinado bem, a curva de oferta desse bem se desloca para a direita. e) Se a produtividade dos trabalhadores de um determinado bem aumenta, o novo ponto de equilíbrio de mercado possui preço e quantidade superiores ao ponto de equilíbrio anterior à modificação na produtividade Sobre mercado e políticas governamentais, é correto afirmar: a) O governo nunca deve interferir na lógica do mercado, pois a mão-invisível gera o melhor resultado de mercado possível. b) O governo torna o mercado menos eficiente ao instituir um preço mínimo abaixo do preço de equilíbrio de mercado ou um preço máximo acima do preço de equilíbrio de mercado. c) O governo não deve se preocupar com o trade-off entre taxar ofertantes ou demandantes, pois o que determinará que agente econômico arcará com o ônus dos impostos é a elasticidade da curva de oferta e a elasticidade de curva de demanda. d) No caso dos monopólios naturais, cabe ao governo a ação de regular o mercado estimulando a concorrência. e) Apesar do objetivo de zelar pelo bem-estar econômico, o governo também incide em práticas anticompetitivas, como a concessão de patentes que na prática são monopólios temporários Considere um consumidor com a seguinte função utilidade e restrição orçamentária, U(x, y) = x 1/2. y 1/2 ex + 2y = 12. O consumidor maximiza a sua satisfação ao consumir que cesta de bens (x,y)? a) (3,6). b) (6,3). c) (4,8). d) (8,4). e) (7,5) Sobre curvas de indiferença, é INCORRETO afirmar: a) A curva de indiferença do tipo Cobb-Douglas é uma curva de indiferença bem comportada pois respeita as propriedades da monotonicidade e conjunto convexo. b) Curvas de indiferença bem comportadas não se cruzam. c) As curvas de indiferença de bens substitutos perfeitos são linhas retas. d) Em qualquer tipo de curva de indiferença, uma cesta de consumo pertencente a uma curva superior é preferível a uma cesta pertencente a uma curva inferior. e) As curvas de indiferença de bens complementares perfeitos são retas que foram ângulos de 90 o entre si Considere as curvas ao lado, elas descrevem diferentes curvas de custo de uma firma. Essas curvas podem ser a Curva de Custo Total Médio, a Curva de Custo Fixo Médio, a Curva de Custo Variável Médio ou a Curva de Custo Marginal. Assinale a alternativa que indica a associação correta entre as letras que nomeiam as curvas e o tipo de custo que elas representam. Custos A C B a) A Custo Fixo Médio; B Custo Total Médio; C Custo Variável Médio. b) A Custo Fixo Médio; B Custo Total Médio; C Custo Marginal. c) A Custo Variável Médio; B Custo Marginal; C Custo Fixo Médio. d) A Custo Variável Médio; B Custo Marginal; C Custo Total Médio. e) A Custo Marginal; B Custo Variável Médio; C Custo Total Médio. Quantidade produzida

4 Considere uma firma que atua em um mercado em concorrência perfeita no longo prazo com a seguinte função de produção F(x,y) = 3x 2 + 2y 3, onde x é capital e y é trabalho. Se o preço em vigor no mercado é 4 unidades monetárias, qual é o valor do custo marginal que corresponde ao lucro máximo da firma? a) 2. b) 4. c) 6. d) 8. e) Considere a relação entre as estruturas de mercado e a curva de oferta e a relação entre estruturas de mercado e receitas. Sobre o tema, assinale a alternativa correta. a) Em um mercado competitivo, no longo prazo, a curva de oferta é horizontal, pois a curva de oferta é determinada pela curva de custo marginal. b) A curva de oferta de uma empresa monopolista é positivamente inclinada, pois a oferta de uma firma monopolista corresponde à oferta de todo o mercado. Algo similar ocorre em um cartel. A diferença é que em um cartel um conluio determina a quantidade ofertada de cada membro do cartel, a relação gráfica da soma das quantidades ofertadas de empresas organizadas em um cartel e o preço determina a curva de oferta deste oligopólio. c) Em um mercado competitivo a receita média é igual ao preço e em um monopólio o preço é maior do que a receita média. d) Em um monopólio, a única firma que atua no mercado possui um grande poder de fixação de preço. Uma das consequências desse grande poder de fixação dos preços é a igualdade entre o preço e a receita média. O que implica que a curva da receita média em um monopólio é igual a curva da demanda. e) O modelo de curva de demanda quebrada representa a inexistência de qualquer rigidez de preço Sobre as estruturas de mercado e os modelos que as representam, considere as afirmativas abaixo: 1. O cartel costuma ser tido como ilegal pelas leis de defesa da concorrência, pois esse tipo de organização permite que firmas oligopolistas se comportem como uma única firma monopolista. Dado que as firmas aturarão como um monopólio, o custo social do monopólio existirá. 2. Em um mercado monopolisticamente competitivo, as firmas podem atuar como monopolistas durante um curto espaço de tempo devido às inovações tecnológicas. Devido a imitações de tais inovações a situação de monopólio é desfeita. Caso se verifique um baixo nível de inovação tecnológica, esse mercado torna-se mais similar a um mercado competitivo do que a um monopólio. 3. Em um monopólio regulado pelo governo, o objetivo da regulação é não permitir que a empresa fixe um preço de acordo somente com a curva de demanda o que implicaria em um alto custo social. A existência de monopólios é, comumente, justificada pelo alto custo fixo da instalação da uma empresa concorrente. 4. Se em um mercado, que anteriormente foi um monopólio, agora há quatro firmas que produzem produtos homogêneos o preço é menor do que a situação de monopólio, pois há competição. Caso as firmas se organizem em um cartel, o preço será o mesmo do monopólio. a) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras. b) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras. c) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras. e) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras Considere a decisão de duas firmas oligopolistas, A e B, em cooperar para agir como um monopólio e dividir os lucros ou em saber o que o concorrente vai fazer, dado que o conluio foi firmado, e antecipar esse comportamento para obter um lucro maior ainda (quebrar o conluio). Na figura abaixo a produção baixa indica manter o conluio e a produção alta significa quebra-lo. Cada retângulo representa um cenário possível, o triângulo da esquerda é o lucro da firma A e o triângulo da direita é o lucro da firma B. Qual será o lucro de cada empresa? Produção Alta Firma B Produção baixa Produção Alta 4 milhões 4 milhões 6 milhões 3 milhões Firma A Produção Baixa 3 milhões 6 milhões 5 milhões 5 milhões a) A 4 milhões e B 4 milhões. b) A 6 milhões e B 3 milhões. c) A 3 milhões e B 6 milhões. d) A 5 milhões e B 5 milhões. e) A 6 milhões e B 6 milhões.

5 Sobre os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda, considere as seguintes afirmativas: 1. Em um fluxo circular da renda, o fluxo monetário referente ao pagamento das famílias pelos bens e serviços fornecidos pelas empresas, corresponde à despesa agregada. 2. O fluxo real que envolve os fatores de produção de posse das famílias é um fluxo cujo sentido é das empresas para as famílias. 3. A remuneração dos fatores de produção compreende, entre outros elementos, os salários e os lucros. 4. A identidade macroeconômica básica, se colocada em um fluxo circular da renda, iguala o fluxo real de produtos e serviços das empresas para as famílias ao fluxo monetário de compra de bens e serviços das famílias para as empresas e, ainda, iguala esses dois fluxos ao fluxo monetário que corresponde ao pagamento dos fatores de produção das empresas para as famílias. a) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras. b) Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras. c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras. d) Somente a afirmativa 3 é verdadeira. e) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras Sobre os conceitos básicos do Balanço de Pagamentos, assinale a alternativa correta. a) Dentro do balanço de pagamentos de um país, as exportações são lançadas a débito, enquanto as importações são lançadas a crédito. b) O chamado saldo do balanço de pagamentos compreende os resultados das contas de transações correntes, movimentos de capitais e transações compensatórias. c) As rendas de capital são uma conta que faz parte da conta agregada de movimentos de capitais. d) As variações de reservas de moeda estrangeira e ouro monetário possuídos por um país são uma conta da conta agregada de transações compensatórias. e) Os movimentos de capitais de curto prazo não são comumente registrados no balanço de pagamentos Considerando os resultados do modelo clássico de determinação da renda, assinale a alternativa correta. a) Caso não exista nenhuma imperfeição de mercado, então no arcabouço do modelo clássico vale a chamada dicotomia clássica, ou seja, há uma separação completa entre o lado real e o lado monetário da economia. b) Dentro do modelo clássico, uma alteração na produtividade marginal do trabalho não afeta a posição da curva de oferta agregada, enquanto uma alteração no tamanho da população pode sim deslocar essa curva. c) O lado monetário do modelo clássico é incompatível com a equação de trocas de Fisher: MV=PY. d) A chamada Lei de Say só funciona no modelo clássico na presença de imperfeições de mercado, tal como rigidez de salários. e) No modelo clássico, o nível de preços só é alterado por movimentos da curva de oferta agregada Sobre o multiplicador dos gastos e o modelo básico de determinação de renda, considere as seguintes afirmativas: 1. O conceito de demanda agregada compreende as seguintes variáveis: o consumo agregado, o investimento agregado, os gastos do governo e as exportações líquidas. 2. No modelo mais básico de determinação da renda, o efeito multiplicador é afetado pela propensão marginal a consumir. 3. A propensão marginal a poupar não determina a magnitude do multiplicador da renda. a) As afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras. b) Somente a afirmativa 1 é verdadeira. c) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. d) Somente a afirmativa 2 é verdadeira. e) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras Considere o gráfico ao lado, típico de um modelo básico de determinação da renda. Assinale a alternativa correta. a) A curva assinalada com o algarismo 1 representa a igualdade entre investimento e gastos do governo. b) Um aumento do consumo provocaria um deslocamento da curva assinalada com o algarismo 1 para a direita e, portanto, um aumento da renda. c) A inclinação da curva marcada com o algarismo 1 é afetada pela propensão marginal a consumir. d) Um aumento no investimento deslocaria a curva assinalada com o algarismo 2 para cima e, portanto, aumentaria o produto de equilíbrio. e) O modelo básico representado no gráfico ao lado não pode incluir os efeitos de um aumento na propensão marginal a poupar.

6 Considerando o arcabouço do modelo IS-LM, assinale a alternativa correta. a) O efeito crowding-out é tipicamente resultado de uma política monetária contracionista. b) Os impactos de uma política fiscal expansionista são maiores em termos de alteração do produto quando a curva LM é bastante inclinada, ou seja, quando a elasticidade de demanda de moeda em relação à renda é alta. c) Os impactos de uma política fiscal expansionista, isto é, de um deslocamento para fora da curva IS são ambíguos em termos da renda quando as condições da curva LM forem as típicas de inclinação positiva. d) Não há eficácia da política fiscal expansionista quando a economia está na situação de armadilha da liquidez. e) O efeito crowding-out somente ocorre na situação de armadilha da liquidez Sobre desemprego, inflação, o produto de equilíbrio e considerando a equação de Phillips abaixo, assinale a alternativa correta. π = π e + β(μ μ n ) + ε Onde: π taxa de inflação πe taxa esperada de inflação µ - produto de equilíbrio µn produto potencial ε choque de oferta a) A inflação não pode ocorrer simplesmente porque as pessoas acreditam que haverá um aumento generalizado dos preços, ou seja, as expectativas de inflação não são um fator que gera inflação. b) Considerando uma economia em posição de equilíbrio em produto potencial, qualquer movimento da curva de demanda agregada se refletirá somente em um aumento de preços. c) Na equação de Phillips acima estão expressas duas causas possíveis de inflação, a inflação derivada das expectativas de inflação e a devida a choques de oferta. d) Uma inflação de demanda somente poderia ser expressa pela equação acima caso as expectativas de inflação fossem do tipo adaptativo. e) A equação da curva de Phillips acima permite expressar uma situação de estagflação Sobre taxas de câmbio e outros conceitos relacionados, assinale a alternativa INCORRETA. a) As taxas de juros são importantes determinantes das taxas de câmbio, pois afetam os fluxos de capitais entre países. b) O fenômeno chamado pass-through diz respeito à afetação da taxa de inflação de um país derivada de um movimento da taxa de câmbio. c) Os níveis dos preços domésticos afetam sensivelmente o nível da taxa de câmbio, porém nunca quando há uma inflação derivada de um choque de oferta. d) As expectativas são um importante elemento da determinação das taxas de câmbio, especialmente através do que se chama de profecias autorrealizáveis. e) Mudanças na renda de um país podem afetar a taxa de câmbio, pois têm efeitos, por exemplo, no nível de importações Sobre taxas de câmbio, teorias do comércio internacional e especialmente sobre a teoria das vantagens comparativas, considere as seguintes afirmativas: 1. Os ataques especulativos contra a moeda de um país estão geralmente relacionados à formação de expectativas sobre o nível da taxa de câmbio desse país. 2. A teoria clássica das vantagens comparativas afirma que os países devem exportar aquilo que produzem com custos relativamente menores e importar aquilo que produzem com custos relativamente maiores, embora isso possa nem sempre ser vantajoso para algum deles. 3. O argumento da deterioração dos termos de troca foi utilizada por economistas latino-americanos em meados do século XX para criticar a aplicação da teoria das vantagens comparativas para os países da América Latina. a) As afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras. b) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. c) Somente a afirmativa 2 é verdadeira. d) Somente a afirmativa 3 é verdadeira. e) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras.

7 Sobre o modelo IS-LM-BP, considere as seguintes afirmativas: 1. No diagrama que mostra a taxa de juros no eixo vertical e o nível do produto no eixo horizontal, se tivermos uma curva BP horizontal, então os pontos acima dessa curva significam posições de superávit no balanço de pagamentos. 2. A política monetária expansionista é inócua em termos de aumento da renda quando a economia opera em regime de câmbio fixo. 3. A política fiscal expansionista é inócua em termos da renda quando a economia opera em regime de câmbio fixo. 4. Não há desvalorização cambial quando o governo promove uma política monetária expansionista em um regime de livre mobilidade de capitais e câmbio flutuante. a) Somente a afirmativa 4 é verdadeira. b) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras. c) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras d) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras. e) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras.

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO 2013 10/12/2012 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO 2014 02/12/2013 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais

121 Ciências Econômicas

121 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Ajuste externo induzido por política cambial Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Mudança na composição dos gastos 1. Enfoque de elasticidade 2. Enfoque de absorção 2. Mudança no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional

Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional Revisão para Prova III UFS 2009/I A) 1. Regimes Cambiais - Regime cambial fixo - Regime de taxas de cambio flexíveis (flutuantes) - Ancoragem simétrico -

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

2.ª DCS/2011 CIÊNCIAS ECONÔMICAS LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

2.ª DCS/2011 CIÊNCIAS ECONÔMICAS LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. assinatura do(a) candidato(a) ADMISSÃO PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR.ª DCS/0 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Prova Dissertativa Ao receber este caderno, confira atentamente se os dados

Leia mais

ECONOMIA. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ECONOMIA. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 a) Devido ao deslocamento da curva de demanda, o mercado equilibra-se, a curto prazo, com elevação do preço e da quantidade negociada. A elevação do preço permite às empresas que já operam

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito:

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Componente Curricular: Economia CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

220 Ciências Econômicas

220 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 220 Ciências Econômicas INSTRUÇÕES

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I SISTEMA FINANCEIRO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I SISTEMA FINANCEIRO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 9 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

219 Ciências Contábeis

219 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 219 Ciências Contábeis INSTRUÇÕES

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

MACROECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA ABERTA 1- (APO-MP 2005) Considerando E = taxa real de câmbio calculada considerando os índices de preços interno e no estrangeiro e a taxa nominal de câmbio segundo conceito utilizado no

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ECONOMIA

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ECONOMIA QUESTÕES DISCURSIVAS Questão n o 1 a) Taxa de Câmbio Em setembro/outubro de 2008, houve uma desvalorização do real em relação ao dólar acima de 40%, decorrente do aumento da aversão a risco que provocou

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS As quantidades totais de alimento e vestuário, dois bens normais, são fixas e positivas, e pertencem às famílias A e B, com curvas de indiferença bem comportadas. Partindo de

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni Senhores, é com imenso prazer que concluo essa que foi a última prova da FGV na área fiscal deste ano... Façam bom proveito! E meus sinceros votos de sucesso no concurso!! 51 Com relação à mensuração do

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA Aula 4 FUNDAMENTOS DA ECONOMIA 1.2.3 Noção de custo de oportunidade e de análise marginal A escassez de recursos leva os produtores a efetuar escolhas para produção de bens. Em um mundo de recursos limitados,

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas GESTÃO DE COOPERATIVAS E AGRONEGÓCIOS Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA MACROECONOMIA QUESTÃO 01 EXAME ANPEC - 2004 Tendo em conta conceitos relativos ao sistema monetário, julgue as proposições: (0) Define-se papel-moeda em poder do público como sendo o saldo do papel-moeda

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber:

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber: 1. B/Pgtos, p. 1 Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 1A. BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Definição: O B/P é o registro contábil dos recebimentos e pagamentos feitos pelos diversos agentes

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

Faculdade Politécnica POLICAMP Sistemas de Informação 7º Semestre Economia e Finanças Aula 02 Prof. Carlos A. B. Viviani Email: carlosviviani@policamp.edu.br Microeconomia O termo Microeconomia designa

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO 2014 02/12/2013 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo TEORIA MACROECONÔMICA II ECO7 Aula 4 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 7/04/006 Conteúdo Poupança e Investimento na Economia Aberta a Conta Consolidada de Capital do Sistema

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

Teoria Macroeconômica I

Teoria Macroeconômica I Teoria Macroeconômica I Prof. Anderson Litaiff Prof. Salomão Neves Teoria Macroeconômica I - Prof. Anderson Litaiff/ Prof. Salomão Neves 1 2 Conteúdo Programático 2ª Avaliação Noções básicas de macroeconomia

Leia mais