PEIXES RECIFAIS DA COSTA DA PARAíBA, BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEIXES RECIFAIS DA COSTA DA PARAíBA, BRASIL"

Transcrição

1 PEIXES RECIFAIS DA COSTA DA PARAíBA, BRASIL Luiz A. Rocha 1 lerecê L. Rosa 1 Ricardo S. Rosa 1 ABSTRACT. REEF FlSIIES FROM PARAíBA, BRAZIL. The coral reef is an ecossystem which evokes great interest, for its beauty, species diversity and fisheries potential. The coast of Paraíba State, northeast Brazil, possesses several natural reefs and shipwrecks which are inhabited by a rich fish fauna. ln order to survey the reef fish fauna ofparaíba State, a total of 118 dives, utilizing SCUBA diving techniques, were carried out in 27 sampling points (depths: 0,5-66m), fram Februaly/1995 to May/1996. Specimens were collected whenever underwater identification was prec\uded. A total of 157 known species belonging to 59 tàmilies were found. Four unidentiíied species, one dasyatid, one haemulid, one scarid, and one labrid were recorded. Haemulidae was the most representative family in number ofindividuals, whereas Carangidae was the most speciose fami1y. This paper is part of a braader study of the noltheast Brazilian reeffishes. KEY WORDS. Brazil, Paraíba, reeffishes o recife de coral é um ecossistema extremamente rico, produtivo e diversificado, e faz parte de um sistema tropical costeiro, do qual muitas pessoas dependem. Ele fornece alimento à população, é uma notável fon te de emprego e renda (dos setores pesqueiro e turístico), protege fisicamente as praias tropicais, serve como habitat para muitas espécies e oferece materiais únicos para educação e pesquisa científica (WHITE et ai. 1994). Nesses locais os peixes alcançam grande diversidade (WELLS & HANNA 1992), encontrando-se mais de 4000 espécies nos recifes do Indo-Pacífico e cerca de 400 nos do Caribe (SALE el ai. 1994). Além dessa riq ueza taxonômica, observa-se também uma enorme diversidade de formas, hábitos, comportamentos e relações (SALE 199 1). Ecossistemas com composição faunística sim il ar àquela dos recifes de coral são formados por navios naufragados, sendo comum a adoção do termo "recifes artificiais" para designar tais locais (POTTS & HULBERT 1994). De acordo com CHOU ( 199 1) as grandes placas metálicas de naufrágios servem de substrato para os corais e algas calcárias, e as fendas e túneis formados entre os destroços dos navios oferecem abrigo a diversas espécies de peixes. Com o desenvolvimento de eq uipamentos de mergu lho e sistemas de transporte modernos, os recursos naturais encontrados nos recifes, naturais e artificiais, tornaram-se mu ito mais acessíveis aos pesquisadores e à população de um modo geral (MOYLE & CECH 1996; BAKUS 1994) e, como não há um manejo adeq uado dessas áreas, a exploração desordenada das mesmas torna-se cada dia mais ev idente (BREWER 1994; SALE el ai. 1994). 1) Departamento de Sistemática e Ecologia, Ce ntro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba João Pessoa, Paraíba, Brasil. Revta bras. Zool. 15 (2) : , 1998

2 554 ROCHA eta/o Apesar de existirem alguns trabalhos publicados sobre a ictiofauna marinha do Nordeste brasileiro (STARKS 1913; Roux 1973; ROSA 1980; RAMOS 1994), poucos são os dados publicados acerca da ictiofauna recifal desta área. Levantamentos ictiofaunísticos foram realizados por KOIKE & GUEDES (198 1) nos recifes de Pernambuco e estados vizinhos, FERREIRA et a!. (1995) na praia de Tamandaré, Pernambuco, ROSA et ai. ( 1997) em poças de maré da praia do Cabo Branco, Paraíba e ROSA & MOURA (1997) no Atol das Rocas, Rio Grande do Norte. O presente trabalho tem por objetivo fornecer uma lista das espécies de peixes recifais da costa da Paraíba e registrar aspectos ecológicos desta comunidade, visando ampliar o conhecimento acerca da ictiofauna recifal do Nordeste brasileiro, o que poderá subsidiar projetos de conservação e manejo destes recursos. MATERIAL E MÉTODOS Área de estudo A área amostrada (Fig. I, Tab. J) está compreendida entre as praias de Barra de Mamanguape (município de Rio Tinto - latitude 06 46'S) e de Acaú (município de Pitimbú - latitude 07 35'S). Segundo KEMPF (1970), a plataforma continental nesta área apresenta largura relativamente reduzida, sua maior parte encontra-se em profundidades menores que 40m e o início do talude dá-se geralmente entre 50 e 60m. LEÃO (1986) descreve os recifes encontrados no Nordeste brasileiro como pequenos, alongados, com fauna pobre em corais e, em sua maioria, assentados sobre um substrato rochoso não coralino. Elaboração da lista Para a elaboração da I ista dos peixes recifais, foram identificadas as espécies observadas durante 11 8 mergulhos, entre os meses de fevereiro de 1995 e maio de 1996 em 20 recifes naturais e sete artificiais ao longo da costa (Fig. I, Tab. I), cujas profundidades variaram de 0,5 a 66m. Utilizou-se uma placa de PVC para anotações subaquáticas, na qual eram registradas todas as espécies vistas em cada mergulho e alguns aspectos ecológicos da comunidade de peixes. Para a complementação da lista de espécies foi analisado material proveniente de duas coletas, uma no recife do Cabo Branco no dia lo de julho de 1994, e outra no recife do Picãozinho no dia 19 de abril de 1996, nas quais utilizou-se ictiotóxico à base de rotenona. Espécimes também foram coletados em mergulhos, utilizando-se um puçá, quando a identificação in loco não foi possível. O material coletado foi fixado em formo I a 10%, preservado em álcool etíli co 70%, e depositado na Coleção Ictiológica da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Na identificação das espécies foram utilizados os guias de RANDALL (1968), MENEZES & FIGUEIREDO (1985), BÓHLKE & CHAPLIN (1993), LIESKE & MYERS (1994) e HUMANN (1995). O material foi organizado sob a forma de lista sistemática, de acordo com NELSON (1994). Na lista de espécies, aquelas assinaladas por asterisco (*) representam primeiros registros formais para a costa da Paraíba. As espécies coletadas apresentam número de coleção; as demais foram observadas, fotografadas (Figs 2, 3) e/ou fi Imadas. Revta bras. Zool. 15 (2) : , 1998

3 Peixes recifais da costa da Paraiba, Brasil 555 * * * * Parruoa * * ( / (Xeano V c Atlântico * IJIYW 7O"W W'W 5O"W 4O"W * 30km * 07"35'S Fig. 1. Área de estudo, com indicação dos pontos visitados ('). Tabela I. Pontos amostrais na costa da Para iba, com indicação de profundidade, distância da costa, município, e número de mergulhos por localidade. Local Profundidade Distancia da costa Número de Município (m) (Km) mergulhos Recifes do late 0,5-2.0 João Pessoa Recifes de Tambaú 0,5-2,0 Joao Pessoa Recifes de Formosa 0,5-2,0 Cabedelo Recifes da Penha 0,5-3, Joao Pessoa Recife de Areia Vermelha 0,5-5,0 1,5 2 Cabedelo Recifes da Barra de Mamanguape 0,5-6,0 1 Rio Tinto Recife do Picaozinho 0,5-6,0 1,5 14 Joao Pessoa Recifes da Ponta do Seixas 0,5-6,0 0,1-2,0 3 Joao Pessoa Recifes do Bessa 0,5-6,0 2 2 Joao Pessoa Recife do picao das Agulhas 0,5-8,0 3 2 João Pessoa Naufrágio dos Sinos 3 Lucena Naufrágio dos Tinteiros 5 1,5 Cabedelo Naufrágio do Vanadouro 5 4 Lucena Recife do Caiau Joao Pessoa Recife da Pedra Nova Conde Recife da Curuba Grande 11 Conde Recife do Taci de Cima Joao Pessoa Recife do Tacizinho 12 2 Conde Naufrágio do Alice Joao Pessoa (Cont.) Revta bras. Zool. 15 (2): , 1998

4 556 ROCHA eta/o Tabela I. Continuação. Local Recife do Tarei de Cabedelo Naufrâgio do Queimado Naufrágio do Alvarenga Naufrágio do Vapor Bahia Recife da Pedra de Baixo Recife do Raso de Baixo Recife do Buraco Recife da Parede dos DentOes Profundidade Distância da costa Número de (m) (Km) mergulhos Municlpio Cabedelo Joêo Pessoa Joêo Pessoa Pitimbú Cabedelo Conde Conde Joêo Pessoa RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram identificadas 157 espécies, distribuídas em 59 famílias. Quanto ao número de espécies, Carangidae (12 espécies) foi a família mais representativa, seguida de Serranidae (li espécies) e Haemulidae (9 espécies). Apesar de todas as espécies identificadas estarem citadas para a Província Brasileira (sensu BRJGGS 1974), com distribuição geográfica abrangendo a costa nordestina, 69 ainda não haviam sido formalmente registradas para a costa da Paraíba. Destas, várias são capturadas para fins comerciais (pesca e aquarismo). Dentre os táxons observados, quatro não puderam ser identificados ao nível específico e possivelmente representam novas espécies: Haemulon sp. (Haemulidae) encontrada em grandes cardumes nos recifes com profundidades variando de 2 a 30m; Scarus sp. (Scaridae) observada entre 3 e 30m de profundidade, sendo a mais freqüentemente avistada do gênero; Cleptieus sp., espécie zooplanctívora, observada em cardumes na coluna d'água e Da~yatis sp., observada em fundos de areia próximo aos recifes até 15m de profundidade. Estudo anterior acerca dos peixes recifais e de áreas próximas aos recifes de Pernambuco e estados vizinhos (KOIKE & GUEDES 1981), realizado entre 1968 e 1979, listou 74 espécies pertencentes a 42 famílias. Destas, 23 não foram encontradas no presente trabalho: Elops saurus Linnaeus, 1758, Baseaniehthys teres (Goode & Bean, 1822), Ophiethus ophis (Linnaeus, 1758), Myrophis punetatus Lutken, 1852, Lile piquitinga (Schreider & Ribeiro, 1903), Lyeengraulis grossidens (Agassiz, 1829), Anehoa lamprotaenia Hildebrand, 1943, Arius herzbergii (Bloch, 1794), Neobythites gilli Goode & Bean, 1885, Xenomelaniris brasiliensis (Quoy & Gaimard, 1824), Serranus bald11lini (Evermann & Marsh, 1902), Oligoplites saurus (Bloch & Schneider, 1801), Ulaema lefroyi (Goode, 1874), Eueinostomus gula (Cuvier, 1830), Mentieirrhus martinieensis (Cuvier & Valenciennes, 1830), Stegastes leucostictus (Müller & Troschel, 1848), Hemipteronotus novacula (Litmaeus, 1758), Doratonotus megalepis (Gunther, 1862), Nomeus gronovii (Gmelin, 1788), Syacium micrurum Ranzani, 1840, Bothus ocellatus (Agassiz, 1831), Symphurus plagusia (Bloch & Schneider, 1801), Sphoeroides spengleri (Bloch, 1785). Para a praia de Tamandaré, Pernambuco, FERREIRA el ai. (1995) listaram 99 espécies, 14 das quais não foram observadas nos recifes da área deste estudo: Harengula clupeola (Cuvier, 1829), Synodus intermedius (Spix, 1829), Aulostomus maculatus Valenciennes, 1845, Fistularia tabacaria Linnaeus, 1758, Pseudo- Revta bras. Zool. 15 (2): ,1998

5 Peixes recifais da costa da Paraíba, Brasil 557 Fig. 2. (A) Ginglymostoma cirratum e Pempheris schomburgki, naufrágio do Vapor Bahia; (B) Gymnothorax miliaris, naufrágio do Queimado; (C) Muraena pavonina, naufrágio do Queimado. Revta bras. Zool. 15 (2): , 1998

6 558 ROCHA eta/o gramma gregoryi, Ulaema lefroyi (Goode, 1874), Eucinostomlls gula (Cuvier, 1830), Haemulon ch/ysagyrellm Günther, 1859, Haemulon macrostomum Günther, 1859, Equetus lanceolatlls (Linnaeus, 1758), Sphyraena guachancho Cuvier, 1830, Sparisoma atomarium (Poey, 1861), Parablennius pilicornis (Cuvier, 1859) e Sphoeroides spengleri (Bloch, 1785). Durante os mergulhos diurnos nos recifes situados em profundidades variando entre 6 e 20m, observou-se grandes cardumes de representantes do gênero Haemulon, principalmente Haemulon aurolineatum e Haemulon sp (Fig. 3b), mas, em mergulhos noturnos, nenhum exemplar dessas espécies foi observado. Segundo RANDALL (1967) isso ocorre porque estes peixes utilizam as construções recifais para proteção durante o dia, e à noite migram para ambientes adjacentes em busca de alimento. No naufrágio do Vapor Bahia, observou-se uma agregação de cerca de 10 indivíduos de Gynglimostoma cirratum (Fig. 2a), comportamento este citado por COMPAGNO (1984) para a espécie. Entretanto, nos demais pontos em que foi observada, a mesma estava representada por indivíduos isolados. Entre os pontos amostrados, o naufrágio do Queimado apresentou o maior número de espécies da família Muraenidae representadas por Gymnothorax funebris, G.moringa, G. vicinus (a mais representativa numericamente), G. miliaris e Muraena pavonina, estas duas últimas (Fig. 2b,c) não sendo vistas em nenhum outro ponto visitado. Em toda a área estudada a presença de peixes herbívoros é marcante, principalmente representantes das famílias Pomacentridae, Acanthuridae e Scaridae. Estas observações estão de acordo com SALE (1991) que indica os representantes dessas famílias como os herbívoros mais característicos de ambientes recifais. Nos recifes mais rasos (1-6m de profundidade), à exemplo dos resultados obtidos por FERREIRA et ai. (1995), os pomacentrídeos Stegastes fuscus e S. variabilis foram as espécies mais comumente observadas. Ainda no grupo dos herbívoros, merecem destaque os acanturídeos Acanthurus chirllrgus e A. coerulells, que foram observados em cerca de 90% dos pontos visitados, independentemente da profundidade. Exemplares de Chaetodon ocellatus, Malacanthus plumieri, Mycteroperca bonaci, Lutjanus analis, Lutjanllsjocu e Trachinotus falcatus que tinham distribuição bati métrica conhecida até os 30m de profundidade (HUMANN 1995; LIESKE & MYERS 1994), foram observados a 66m, no recife da Parede dos Dentões. As novas ocorrências observadas, associadas às dificuldades encontradas na identificação específica precisa, indicam a necessidade de estudos sistemáticos adicionais nas áreas recifais da região, principalmente naquelas de maior profundidade. Além disso, também são necessários estudos populacionais com enfoque nas espécies explotadas. Revta bras. Zool. 15 (2): ,1998

7 Peixes recifais da costa da Paraiba, Brasil 559 Fig. 3. (A) Cephalopholis fulva, naufrágio do Queimado; (B) Cardume de Haemulon sp., naufrágio do Queimado; (C) Holacanthus ciliaris e Chromis multilineata, recife do Taci de Cima. Revta bras. Zool. 15 (2) : , 1998

8 560 ROCHA eta/o Lista das espécies encontradas nos recifes da Paraíba Ginglymostomatidae Gingfymostoma cirratum (Bonnaterre, 1788) Carcharhinidae Rhizoprionodon porosus (Poey, 1861) Carcharhinus cf. perezi (Poey, 1876) Sphyrnidae Sphyrna tiburo (Linnaeus, 1758) Torpedinidae Narcine brasifiensis (Olfers, 1831) Dasyatidae Dasyatis americana Hildebrand & Schroder, 1928 Dasyatis sp. (*) Myliobatidae Aetobatus narinari (Euphrasen, 1790) Mobulidae Manta birostris (Donndorff, 1798) (*) Albulidae Afbufa vufpes (Linnaeus, 1758) Muraenidae Echidna catenata (Bloch, 1795) Enchelycore nigricans (Bonaterre, 1788) Gymnothoraxjimebris Ranzani, 1840, UFPB 3350, 3489 Gymnothorax miliaris (Kaup, 1856) (*) Gymnothorax moringa (Cuvier, 1829), UFPB 3344 Gymnothorax ocellatus (Agassiz, 1831) Gymnothorax vicinus (Castelnau, 1855), UFPB 3490 Muraena pavonina (Richardson, 1844) (*) Ophichthidae Ahlia egmontis (Jordan, 1844), UFPB 3336 Myrichthys ocellatus (Kaup, 1856), UFPB 3335 Ogcocephalidae Ogcocephalus vespertifio (Linnaeus, 1758) Gobiesocidae Gobiesox strumosus Cope, 1870 Synodontidae Synodus foetens (Linnaeus, 1758) Batrachoididae Thalassophryne nattereri Steindachner, 1876, UFPB 3338 Mugilidae Mugil curem a Cuvier & Valenciennes, 1836 Revta bras. Zool. 15 (2): ,1998

9 Peixes recifais da costa da Paraiba, Brasil 561 Mugilliza Valenciennes, 1836 Holocentridae Holocentrus ascensionis (Osbeck, 1765), UFPB 3491 Myripristisjacobus Cuvier, 1829 Plectrypops retrospinis (Guichenot, 1855) (*) Dactylopteridae Dactylopterus volitans (Linnaeus, 1758) Syngnathidae Hippocampus reidi Ginsburg, 1933 Scorpaenidae Scorpaena plumieri Bloch, J 789, UFPB 3337 Triglidae Prionotus puneta/us (Bloch, 1797) Serranidae Alphestes afer (Bloch, 1793) Cephalopholisfulva (Linnaeus, 1758), Fig. 3A Dipleetmmformosum (Linnaeus, 1766) Epinephelus adscensionis (Osbeck, 1771) Epinephelus guttatus (Linnaeus, 1758) (*) Epinephelus itajara (Lichtenstein, 1822) (*) Mycteroperca bonaci (Poey, 1860) (*) Ryptieus saponaceus (Bloch & Schneider, 180 I) (*) Rypticlls subbifrenatus Gill, 1861, UFPB 3340 (*) Serranus annularis (Günther, 1880) (*) Serranusjlaviven/ris (Cuvier & Valenciennes, 1830) Grammatidae Gramma aff loreto Poey, 1868 (*) Priacanthidae Priacan/hus arena/us Cuvier & Valenciennes, 1829 Apogonidae Apogon americanus Castelnau, 1855, UFPB 3359, 3492 Phaeoptyxpigmentaria (Poey, 1860), UFPB 3357,3493 (*) Malacanthidae Malacanthus plumieri (Bloch, 1786) Echeneidae Echeneis nauerates (Linnaeus, 1758) Rachycentridae Rachycentron canadum (Linnaeus, 1766) (*) Carangidae Alec/is eiliaris (Bloch, 1788) (*) Caranx hippos (Linnaeus, 1766) (*) Caranx latus Agassiz, Revta bras. Zool. 15 (2): ,1998

10 562 ROCHA etal. Caranx lugubris Poey, 1860 (*) Carangoides barth%maei Cuvier, 1833 Carangoides crysos (Mitchill, 1815) (*) Elagatis bipinnulatus (Quoy & Gaimard, 1824) (*) Naucrates ductor (Linnaeus, 1758) (*) Trachinotlls falcatus (Linnaeus, 1758) Trachinotus goodei Jordan & Evermann, 1896 Selar crllmenophthalmus (Bloch, 1793) Selene vomer (Linnaeus, 1758) Lutjanidae Lutjanus analis (Cuvier & Valenciennes, 1828) Lutjanus apodus (Walbaum, 1792) (*) Lutjanus cyanopterus (Cuvier, 1828) (*) Lutjanusjocu (Bloch & Schneider, 1801) Lutjanus synagris (Linnaeus, 1758) Ocyurus chrysurus (B loch, 1791) Gerreidae Eucinostomus argenteus Baird & Girard, 1854 Eucinostomus melanopterus (Bleeker, 1863) Haemulidae Anisotremus moricandi (Ranzani, 1840) Anisotremus surinamensis (Bloch, 1791), UFPB 3358 (*) Anisotremus virginicus (Linnaeus, 1758) Haemulon aurolineatum Cuvier, 1829 Haemulon parra (Desmarest, 1823), UFPB 3498 (*) Haemulon plumieri (Lacépede, 1802) Haemulon steindachneri (Jordan & Gilbert, 1882), UFPB 3495 Haemulon sp., UFPB 3364, 3370 (*) Orthopristis ruber (Cuvier & Valenciennes, 1830) Sparidae Archosargus rhomboidalis (Linnaeus, 1758) (*) Calamus pennatula Guichenot, 1855 Polynemidae Polydactylus virginicus (Linnaeus, 1758) Sciaenidae Odontoscion dentex (Cuvier, 1830) Pareques acuminatus (Bloch & Schneider, 1801), UFPB 3352, 3494 Umbrina coro ides (Cuvier, 1830) Mullidae Mulloidichthys martinicus (Cuvier & Valenciennes, 1829) (*) Pseudupeneus maculatus (Bloch, 1793) Revta bras. Zoo I. 15 (2): ,1998

11 Peixes recita is da costa da Paraiba, Brasil 563 Pempheridae Pempheris schomburgki Müll er & Troschel, 1848 (*) Chaetodontidae Chaetodon ocellatus Bloch, 1787, UFPB 3355 Chaetodon striatlls Linnaeus, 1758 (*) Pomacanthidae Holacanthus ciliaris (Linnaeus, 1758), Fig. 3C (*) Holacanthus tricolor (B loch, 1795) (*) Pomacanthus arcllatus (Linnaeus, 1758) (*) Pomacanthus paru (Bloch, 1787) (*) Kyphosidae Kyphosus sectatrix (Linnaeus, 1758) Cirrhitidae Amblycirrhitlls pinos (Mowbray, 1927) (*) Pomacentridae Abudefduf saxatilis (Linnaeus, 1758), UFPB 3346 Chromis multilineata (Guichenot, 1855), Fig. 3C (*) Chromisflavicauda (Günther, 1880) (*) Microspathodon chrysllrlls (Cuvier & Valenciennes, 1830) (*) Stegastesfúscus (Cuvier & Valenciennes, 1830), UFPB 3500 Stegastes aff dorsopzmicans (Poey, 1860) (*) Stegastes pictus (Castelnau, 1855) (*) Stegastes variabílis (Castelnau, 1855), UFPB 3353, 3499 Labridae Bodianus pulchellus (Poey, 1860) (*) Bodianus rzifits (Linnaeus, 1758) Clepticus sp. (*) Halichoeres bivittatus (Bloch, 1791) (*) Halichoeres cyanocephalus (Bloch, 1791) (*) Halichoeres maculipinna (Müller and Troschel, 1848) Halichoeres poeyi (Steindachner, 1867), UFPB 3348 Halichoeres aff radiatlls (Linnaeus, 1758), UFPB 3349 Hemipteronotlls martinicensis Cuvier, 1839 Thalassoma noronhanllm (Boulenger, 1888) (*) Scaridae Cryptotomus rosells Cope, 1871 Scarus coelestinus Cuvier & Valenciennes, 1839 Scarus sp., UFPB 3365 (*) Sparisoma chrysopterum (Bloch and Schneider, 1801) (*) Sparisoma radians (Cuvier & Va1enciennes, 1839) Sparisoma rllbripinne Cuvier & Valenciennes, 1839, UFPB 3360, 3504 Sparisoma aff viride (Bonaterre, 1788) Revta bras. Zool. 15 (2) : , 1998

12 564 ROCHA eta/o Trypterigiidae Enneanectes altivelis Rosemblatt, 1960, UFPB 3367,3501 (*) Dacty loscopidae Dactyloscopus tridigitatus Gill, 1859, UFPB 3339 Labrisomidae Labrisomus kalisherae (Jordan, 1904), UFPB 3503 (*) Labrisomus nuchipinnis (Quoy & Gaimard, 1824), UFPB 3497 Malacoctenus delalandii (Valenciennes, 1836), UFPB 3347,3368,3496 Malacoctenus ajj. triangulatus Springer, 1958, UFPB 3794 (*) Paraclinus nigripinnis (Steindachner, 1867), UFPB 3345 Blenniidae Ophioblennius atlanticus (Cuvier & Valencielmes, 1836), UFPB 3341,3502 (*) Entomacrodus nigricans Gill, 1859, UFPB 3342 (*) Scartella cristata (Linnaeus, 1758), UFPB 3361 (*) Gobiidae Barbulifer ceuthoecus (Jordan & Gilbert, 1884), UFPB 3343 Bathygobills soporator (Cuvier & Valenciennes, 1837), UFPB 3356 Coryphopterus glaucofraenum Gill, 1863, UFPB 3369 (*) Elacatinusfigaro Sazima, Moura & Rosa, 1996, UFPB 3366 (*) Gobionellus boleosoma (Jordan & Gilbert, 1882) Gobiosoma spilotum (Ginsburg, 1939), UFPB 3354 Ephippidae Chaetodipterusfaber (Broussonet, 1782) Acanthuridae Acanthurus bahianus Castelnau, 1855, UFPB 3505 (*) Acanthurus chirurgus (Bloch, 1787), UFPB 3363 Acanthurus coeruleus Bloch & Schneider, 180 I, UFPB 3362,3507 (*) Sphyraenidae Sphyraena barracuda (Walbaum, 1792) (*) Sphyraena picudilla (Poey, 1860) (*) Scombridae Scomberomorlls cavalla (Cuvier, 1829) (*) Scomberomorus brasiliensis Collette, Russo & Zavala-Camin, 1978 Bothidae Bothus lunatus (Linnaeus, 1758) (*) Achiridae Achirus achirus (Linnaeus, 1758) Balistidae Balistes veada Linnaeus, 1758 Canthidermis sujjlamen (Mitchill, 1815) (*) Melichthys niger (Bloch, 1786) (*) Revta bras. Zool. 15 (2) : , 1998

13 Peixes recifais da costa da Paraiba, Brasil 565 Monacanthidae Aluterus monoceros (Linnaeus, 1758) (*) Cantherhines Pllllus (Ranzani, 1842) (*) Ostraciidae Acanthostracion po/ygonius Poey, 1876 (*) Acanthostracion quadricornis (Linnaeus, 1758) Lactoph/ys trigonlls (Linnaeus, 1758) (*) Tetraodontidae Sphoeroides testudineus (Linnaeus, 1758) Diodontidae Chilomycterus antillarum (Jordan & Rutter, 1897) Diodon h%canthus Linnaeus, 1758 Diodon hystrix Linnaeus, 1758 (*) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAKUS, G.J Coral ReefEcosystems. Rotterdam, A.A. Balkema, 232p. BÓHLKE, 1.E. & c.c.g. CHAPLIN Fishes of the Bahamas and Adjacent Tropical Waters. Austin, University oftexas Press, 2 nd ed., 771 p. BREWER, R The Science of Ecology. New York, Saunders College Publishing, 2 nd ed., 773p. BRlGGS, 1.c Marine Zoogeography. New York, McGraw-Hill Book Co., 475p. CI-IOU, L.M Artificial reefs in Singapore: development potential and constrains, p ln: L.S. CHIA & L.M. CHOU (Eds) Urban coastal area management: the experience of Singapore. ICLARM Conference Proceedings 25, 128p. COMPAGNO, L.J.V FAO species catalogue. Vo14. Sharks ofthe world. An annotated and illustrated catalogue of sharks species known to date. Part 1. Hexanchiformes to Lamniformes. FAO Fish. Synop. 4 ( 125): FERREIRA, B.P.; M. MAlDA & A.E.T. SOUZA Levantamento inicial das comunidades de peixes recifais da região de Tamandaré - PE. BoI. Tecn. Cient. CEPENE 3 (1): HUMANN, P Reef Fish Identification - Florida, Caribbean, Bahamas. Jacksonville, New World Publications, 2 nd ed., 396p. KEMPF, M Notes on the benthic bionomy ofthe N-NE Brazilian shelf. Mar. Biol. 5: KOlKE, 1. & D.S. GUEDES Peixes dos arrecifes de Pernambuco e Estados vizinhos. Anais do III Encontro de Zoologia do Nordeste, Recife: LEÃO, Z.M.A.N Guia para Identificação dos Corais do Brasil. Salvador, Universidade Federal da Bahia, Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Geofisica, 57p. LrESKE, E. & R. MYERs Collins Pocket Guide to Coral Reef Fishes of the Caribbean, Indian Ocean and Pacifico London, Harper Collins Publishers, 400p. Revta bras. Zool. 15 (2): , 1998

14 566 ROCHA eta/o MENEZES, N.A. & J.L. FIGUEIREDO Manual de Peixes Marinhos do Sudeste do Brasil. Teleostei (4). São Paulo, Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo, 96p. MOYLE, P.B. & J.J. CECH Fishes: An Introduetion to Ichthyology. New Jersey, Prentiee-Hall lne., 3 rd ed., 590p. NELSON,1.S Fishes ofthe World. New York, John Wiley & Sons Ine., 3 rd ed.,600p. POTTS, T.A. & A.W. HULBERT Struetural influences ofartificial and natural habitats on fish aggregations in Onslow Bay, North Carolina. Buli. Mar. Sei. 55 (2): RAMOS, R.T.C Análise da composição e distribuição da fauna de peixes demersais da plataforma continental da Paraíba e estados vizinhos. Revta Nordest. Biol., João Pessoa, 9 (1): RANDALL, J.E Food habits of reef fishes of West Indies. Stud. Trop. Oeeanogr. 5: o Caribbean Reef Fishes. Hong Kong, T.F.H. Publications, 318p. ROSA, R.S Lista sistemática de peixes marinhos da Paraíba (Brasil). Revta Nordest. Biol., João Pessoa, 3 (2): ROSA, R.S & R.L. MOURA Visual assessment of reef fish community structure in the Atol das Rocas Biological Reserve, off Northeastern Brazil. Proe. 8 th Int. Coral Reef Sym. 1: ROSA, R.S.; I.L. ROSA & L.A. ROCHA Diversidade da ictiofauna de poças de maré da praia do Cabo Branco, João Pessoa, Paraíba, Brasil. Revta bras. Zool. 14 (I): Roux, C Téléostéens du PIateau Continental Brésilien, Compagne de la Calypso au Iarge des cotes Atlantiques de L' Amérique du Sud ( ). Premiere partie, 189p. SALE, P.F The Eeology of Fishes on Coral Reefs. San Diego, Academic Press, 754p. SALE, P.F.; G.E. FORRESTER & P.S. LEVIN ReefFish Management. National Geographie Researeh & Exploration 10 (2): STARKS, E.C The fishes of the Stanford expedition to Brazil. Leland Stanford Univ. Publ., Univ. Ser.: WELLS, S. & N. HANNA The Greenpeaee book of Coral Reefs. London, Blandford, 160p. WH1TE, A.T.; L.Z. HALE; Y. RENARD & L. CORTES! CoUaborative and Community-Based Management of Coral Reefs. West Hartford, Kumarian Press, 130p. Recebido em 18.IV.1997; aceito em 2S.v1.199B. Revta bras. Zoo!. 15 (2): , 1998

ISSN: 1679-3013 D.O.I.: 10.5914/to.2014.01186 ICTIOFAUNA DAS PISCINAS DE MARÉ DA PRAIA DO PAIVA: UM REGISTRO ANTERIOR À EXPLORAÇÃO IMOBILIÁRIA RESUMO

ISSN: 1679-3013 D.O.I.: 10.5914/to.2014.01186 ICTIOFAUNA DAS PISCINAS DE MARÉ DA PRAIA DO PAIVA: UM REGISTRO ANTERIOR À EXPLORAÇÃO IMOBILIÁRIA RESUMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Oceanografia TROPICAL OCEANOGRAPHY ONLINE ISSN: 1679-3013 D.O.I.: 10.5914/to.2014.01186 ICTIOFAUNA DAS PISCINAS DE MARÉ DA PRAIA DO PAIVA: UM REGISTRO

Leia mais

Caracterização ecológica dos peixes recifais do Atol das Rocas

Caracterização ecológica dos peixes recifais do Atol das Rocas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE BIOCIÊNCIAS, DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E LIMNOLOGIA. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOECOLOGIA AQUÁTICA Caracterização ecológica dos peixes recifais

Leia mais

Foto: Carlos E.L. Ferreira

Foto: Carlos E.L. Ferreira 291 Foto: Carlos E.L. Ferreira 292 Biodiversidade Marinha da Baía da Ilha Grande Capítulo 12. Peixes Recifais Peixes Recifais Carlos E.L. Ferreira 1, Carlos G.W. Ferreira 1, Carlos A. Rangel 1, José P.

Leia mais

Estrutura das comunidades de peixes recifais em três localidades no Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Estrutura das comunidades de peixes recifais em três localidades no Estado do Rio de Janeiro, Brasil Estrutura das comunidades de peixes recifais em três localidades no Estado do Rio de Janeiro, Brasil Laís de Carvalho Teixeira Chaves Niterói Julho de 2006 Universidade Federal Fluminense Pós-Graduação

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Diversidade, zoogeografia, análise de agrupamento, peixes recifais, Brasil.

RESUMO. Palavras-chave: Diversidade, zoogeografia, análise de agrupamento, peixes recifais, Brasil. 171 ANÁLISE DE AGRUPAMENTO DA ICTIOFAUNA RECIFAL DO BRASIL COM BASE EM DADOS SECUNDÁRIOS: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA. Recebido: 05/06/2003 Aceito: 06/11/2003 MARIA ELISABETH DE ARAÚJO 1, 2 CAROLINE VIEIRA FEITOSA

Leia mais

MARCELO RENNÓ BRAGA COMPOSIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E VARIAÇÃO TEMPORAL DE PEIXES RECIFAIS NAS ILHAS ITACOLOMIS, SC.

MARCELO RENNÓ BRAGA COMPOSIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E VARIAÇÃO TEMPORAL DE PEIXES RECIFAIS NAS ILHAS ITACOLOMIS, SC. MARCELO RENNÓ BRAGA COMPOSIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E VARIAÇÃO TEMPORAL DE PEIXES RECIFAIS NAS ILHAS ITACOLOMIS, SC. Tese apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Doutor em Ciências Biológicas

Leia mais

Comparação Latitudinal da Diversidade Peixes Estuarinos para as costas Sul, Norte e Nordeste do Brasil.

Comparação Latitudinal da Diversidade Peixes Estuarinos para as costas Sul, Norte e Nordeste do Brasil. SISBIOTA-PELD Zonas Costeiras: padrões e processos de biodiversidade e suas relações com variáveis ambientais em três grandes ecossistemas marinhos nas regiões, Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil. Comparação

Leia mais

INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO

INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO Estrutura da assembleia de peixes recifais em costões rochosos da Ilha Grande, RJ: influência da complexidade topográfica,

Leia mais

Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco

Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco 475 Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco Ana Karla F. Lira & Simone F. Teixeira Laboratório de Ecologia de Peixes Tropicais, Universidade

Leia mais

Guia de Identificação de Peixes Marinhos da Região Nordeste

Guia de Identificação de Peixes Marinhos da Região Nordeste Programa REVIZEE / SCORE-NE Guia de Identificação de Peixes Marinhos da Região Nordeste Rosangela Lessa 1 Marcelo F. de Nóbrega 2 1- Representante da Área de Dinâmica de Populações e Avaliação de Esstoques,

Leia mais

Pontos de en de peixes em

Pontos de en de peixes em Imensos objetos no oceano, em locais distantes da costa, as plataformas flutuantes de extração de petróleo têm uma boa parte de sua estrutura permanentemente submersa, criando um tipo de recife artificial

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PESCA DE CURRAL NA ILHA DE SÃO LUÍS, ESTADO DO MARANHÃO, BRASIL

ANÁLISE COMPARATIVA DA PESCA DE CURRAL NA ILHA DE SÃO LUÍS, ESTADO DO MARANHÃO, BRASIL Arquivos de Ciências do Mar ANÁLISE COMPARATIVA DA PESCA DE CURRAL NA ILHA DE SÃO LUÍS, ESTADO DO MARANHÃO, BRASIL Comparative analysis of the fish-weir fisheries at São Luís Island, Maranhão State, Brazil

Leia mais

Figura 21. Figura 22. Juvenil de guaiuba Lutjanus chrysurus no coral-de-fogo Millepora alcicornis (Foto: Beatrice P. Ferreira)

Figura 21. Figura 22. Juvenil de guaiuba Lutjanus chrysurus no coral-de-fogo Millepora alcicornis (Foto: Beatrice P. Ferreira) metros, o que é relativamente pouco para o home-range da maioria dos peixes considerados como indicadores de pesca. Existe uma tolerância para a pesca de linha praticada pela comunidade local a partir

Leia mais

ANDRÉ DE SOUZA FERRAZ ALVES andreferraz.dive@gmail.com

ANDRÉ DE SOUZA FERRAZ ALVES andreferraz.dive@gmail.com DESCRIÇÃO DE TUBARÕES CAPTURADOS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE-BRAZIL E ARMAZENADOS NO GRUPAMENTO DE BOMBEIROS MARÍTIMO DE PERNAMBUCO (Ordem Carcharhiniformes) ANDRÉ DE SOUZA FERRAZ ALVES andreferraz.dive@gmail.com

Leia mais

FAUNA DE ELASMOBRÂNQUIOS DO LITORAL DO ESTADO DE SERGIPE, BRASIL

FAUNA DE ELASMOBRÂNQUIOS DO LITORAL DO ESTADO DE SERGIPE, BRASIL Arquivos de Ciências do Mar FAUNA DE ELASMOBRÂNQUIOS DO LITORAL DO ESTADO DE SERGIPE, BRASIL Elasmobranch fish fauna off Sergipe State, Brazil Thiago Silveira Meneses 1, Fábio Neves Santos 1, Célia Waylan

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA BIODIVERSIDADE DOS PEIXES TELEÓSTEOS DEMERSAIS MARINHOS E ESTUARINOS DO BRASIL. Manuel Haimovici Sandro Klippel

DIAGNÓSTICO DA BIODIVERSIDADE DOS PEIXES TELEÓSTEOS DEMERSAIS MARINHOS E ESTUARINOS DO BRASIL. Manuel Haimovici Sandro Klippel DIAGNÓSTICO DA BIODIVERSIDADE DOS PEIXES TELEÓSTEOS DEMERSAIS MARINHOS E ESTUARINOS DO BRASIL Manuel Haimovici Sandro Klippel INTRODUÇÃO... 4 A Ictiofauna de Teleósteos Demersais Marinhos do Brasil...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DO MAR PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MARINHAS TROPICAIS INAH SÁTIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DO MAR PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MARINHAS TROPICAIS INAH SÁTIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DO MAR PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MARINHAS TROPICAIS INAH SÁTIRO ABUNDÂNCIA DE RAIAS DEMERSAIS APÓS PROIBIÇÃO DE PESCA DE ARRASTO POR EMBARCAÇÕES MOTORIZADAS

Leia mais

OCORRÊNCIA DE TARPON ATLANTICUS (VALENCIENNES, 1846) (PISCES: MEGALOPIDAE) NA BAÍA DE TODOS OS SANTOS (ESTADO DA BAHIA,BRASIL)

OCORRÊNCIA DE TARPON ATLANTICUS (VALENCIENNES, 1846) (PISCES: MEGALOPIDAE) NA BAÍA DE TODOS OS SANTOS (ESTADO DA BAHIA,BRASIL) 69 OCORRÊNCIA DE TARPON ATLANTICUS (VALENCIENNES, 1846) (PISCES: MEGALOPIDAE) NA BAÍA DE TODOS OS SANTOS (ESTADO DA BAHIA,BRASIL) Paulo Roberto Duarte Lopes * Marconi Porto Sena ** RESUM0 É registrada,pela

Leia mais

A PESCA DE LINHA DE ALTO MAR

A PESCA DE LINHA DE ALTO MAR A PESCA DE LINHA DE ALTO MAR REALIZADA POR FROTAS SEDIADAS NO ESPÍRITO SANTO, BRASIL 1 AGNALDO SILVA MARTINS, GEORGE OLAVO & PAULO A. S. COSTA RESUMO: A estrutura e a dinâmica da frota pesqueira de linha

Leia mais

ANEXO GERAL. Outras espécies de importância para a pesca comercial de peixes ornamentais no Brasil citada ao longo dos trabalhos.

ANEXO GERAL. Outras espécies de importância para a pesca comercial de peixes ornamentais no Brasil citada ao longo dos trabalhos. ANEXO GERAL Outras espécies de importância para a pesca comercial de peixes ornamentais no Brasil citada ao longo dos trabalhos. Exemplar de cirurgião juvenil (Acanthurus bahianus). Foto cedida por Yara

Leia mais

ECOLOGIA REPRODUTIVA DO PEIXE-DONZELA,

ECOLOGIA REPRODUTIVA DO PEIXE-DONZELA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E LIMNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOECOLOGIA AQUÁTICA ECOLOGIA REPRODUTIVA DO PEIXE-DONZELA, Stegastes

Leia mais

Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro

Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro Pereira, P.H.C 1.; Pedrosa, M 1.; Lima, R 1.; Silva, R 1.;Lippi, D. L. 1 ;Leal, I. 1

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Alimentação; Albula vulpes; Pernambuco.

PALAVRAS-CHAVE: Alimentação; Albula vulpes; Pernambuco. 15 NOTA SOBRE A ALIMENTAÇÃO DE ALBULA VULPES (LINNAEUS, 1758) (ACTINOPTERYGII: ALBULIDAE) NA PRAIA DE JAGUARIBE (ILHA DE ITAMARACÁ), PERNAMBUCO Paulo Roberto Duarte Lopes Prof. Assistente do Dep. de Ciências

Leia mais

Etnoictiologia dos Pescadores Artesanais de Ilhabela/ SP

Etnoictiologia dos Pescadores Artesanais de Ilhabela/ SP III Encontro da ANPPAS a 6 de maio de 006 Brasília DF Etnoictiologia dos Pescadores Artesanais de Ilhabela/ SP Milena Ramires Doutorado Ambiente e Sociedade - UNICAMP Resumo As relações de conhecimento

Leia mais

Teses e Dissertações. Ano Base. Área de Avaliação CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I. Área Básica OCEANOGRAFIA 1.08.00.00-0. Instituição

Teses e Dissertações. Ano Base. Área de Avaliação CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I. Área Básica OCEANOGRAFIA 1.08.00.00-0. Instituição Ano Base 2001 Área de Avaliação CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I Área Básica OCEANOGRAFIA 1.08.00.00-0 Instituição UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO (PE) Programa OCEANOGRAFIA 25001019034P-2 1 de 5 Mestrado

Leia mais

Manual de Identificação de Peixes Marinhos para a Costa Central

Manual de Identificação de Peixes Marinhos para a Costa Central Programa REVIZEE / SCORE-Central Manual de Identificação de Peixes Marinhos para a Costa Central 2ª Edição Luis Otávio Frota da Rocha (1) Paulo A. S. Costa (2) (1) Bolsista DTI/CNPq/REVIZEE SCORE-Central

Leia mais

Dinâmica das Frotas Pesqueiras da Região Nordeste do Brasil

Dinâmica das Frotas Pesqueiras da Região Nordeste do Brasil i UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE PESCA Laboratório de Dinâmica de Populações Marinhas - DIMAR PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS VIVOS DA ZONA ECONÔMICA

Leia mais

Mare Magnum 1(2), 2001 PEIXES DO ARQUIPÉLAGO FERNANDO DE NORONHA

Mare Magnum 1(2), 2001 PEIXES DO ARQUIPÉLAGO FERNANDO DE NORONHA ISSN 1676-5788 PEIXES DO ARQUIPÉLAGO FERNANDO DE NORONHA Jules M. R. Soto Museu Oceanográfico do Vale do Itajaí, Universidade do Vale do Itajaí, CP 360, CEP 88302-202, Itajaí, SC, Brazil. movisc@terra.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Centro de Ciências Biológicas Departamento de Ecologia e Zoologia Programa de Pós-Graduação em Ecologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Centro de Ciências Biológicas Departamento de Ecologia e Zoologia Programa de Pós-Graduação em Ecologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Centro de Ciências Biológicas Departamento de Ecologia e Zoologia Programa de Pós-Graduação em Ecologia JUAN PABLO QUIMBAYO AGREDA ESTRUTURA DAS COMUNIDADES DE PEIXES

Leia mais

Alimentação natural de Fregata magnificens (Fregatidae, Aves) nas Ilhas Moleques do Sul, Santa Catarina, Brasil

Alimentação natural de Fregata magnificens (Fregatidae, Aves) nas Ilhas Moleques do Sul, Santa Catarina, Brasil Revista Brasileira de Ornitologia 15 (1) 73-79 março de 2007 Alimentação natural de Fregata magnificens (Fregatidae, Aves) nas Ilhas Moleques do Sul, Santa Catarina, Brasil Joaquim Olinto Branco 1, Hélio

Leia mais

RISSO,, 1826 (PHASIANELLIDAE-

RISSO,, 1826 (PHASIANELLIDAE- Tricolia RISSO, 1826 (PHASIANELLIDAE-GASTROPODA-MOLLUSCA) NA PRAIA... 71 ARTIGO Tricolia RISSO,, 1826 (PHASIANELLIDAE- AE-GASTROPOD ASTROPODA-MOLL -MOLLUSCA) NA PRAIA DE PARIPUEIRA, LITORAL NORTE DE ALAGO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE PESCA E AQÜICULTURA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS PESQUEIROS E AQÜICULTURA PPG-RPAq.

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE PESCA E AQÜICULTURA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS PESQUEIROS E AQÜICULTURA PPG-RPAq. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE PESCA E AQÜICULTURA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS PESQUEIROS E AQÜICULTURA PPG-RPAq. FABIO MAGNO DA SILVA SANTANA ICTIOFAUNA DA ZONA DE

Leia mais

Museu Municipal do Funchal (História Natural) Madeira 31.XII.2005 No. 217

Museu Municipal do Funchal (História Natural) Madeira 31.XII.2005 No. 217 ISSN 0523-7904 B O C A G I A N A Museu Municipal do Funchal (História Natural) Madeira 31.XII.2005 No. 217 THE IMPACT OF THE OIL SPILL OF THE TANKER ARAGON ON THE LITTORAL FISH FAUNA OF PORTO SANTO (NE

Leia mais

Manual de Instruções de Pesquisas do Reef Check Brasil

Manual de Instruções de Pesquisas do Reef Check Brasil 91 92 Anexo 1 Manual de Instruções de Pesquisas do Reef Check Brasil I. INTRODUCÃO O método do Reef Check foi desenvolvido no início de 1996 com o objetivo de ser o Programa de Levantamento da Rede Global

Leia mais

AÇÕES DE PREVENÇÃO E ATENDIMENTO À VÍTIMAS DE ATAQUES POR TUBARÕES REALIZADAS PELO GRUPAMENTO DE BOMBEIROS MARÍTIMO DO CBMPE

AÇÕES DE PREVENÇÃO E ATENDIMENTO À VÍTIMAS DE ATAQUES POR TUBARÕES REALIZADAS PELO GRUPAMENTO DE BOMBEIROS MARÍTIMO DO CBMPE AÇÕES DE PREVENÇÃO E ATENDIMENTO À VÍTIMAS DE ATAQUES POR TUBARÕES REALIZADAS PELO GRUPAMENTO DE BOMBEIROS MARÍTIMO DO CBMPE Major BM André de Souza FERRAZ Alves RECIFE/2008 INTRODUÇÃO Trabalhos desenvolvidos

Leia mais

PESCA ARTESANAL MARÍTIMA NA COMUNIDADE DE COROA VERMELHA, MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ CABRÁLIA, BAHIA

PESCA ARTESANAL MARÍTIMA NA COMUNIDADE DE COROA VERMELHA, MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ CABRÁLIA, BAHIA PESCA ARTESANAL MARÍTIMA NA COMUNIDADE DE COROA VERMELHA, MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ CABRÁLIA, BAHIA Johnatas Adelir Alves 1 & Lilian Bastos Sarmento 1 1 Programa de Pós-Graduação em Sistemas Aquáticos Tropicais.

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS COSTEIROS E MARINHOS MESTRADO EM ECOLOGIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS COSTEIROS E MARINHOS MESTRADO EM ECOLOGIA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS COSTEIROS E MARINHOS MESTRADO EM ECOLOGIA PALOMA SANT ANNA DOMINGUEZ A PESCA E O CONHECIMENTO LOCAL DOS PESCADORES

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GERAL DA PESCA INDUSTRIAL DESEMBARCADA NO ESTADO DO PARÁ

CARACTERIZAÇÃO GERAL DA PESCA INDUSTRIAL DESEMBARCADA NO ESTADO DO PARÁ CARACTERIZAÇÃO GERAL DA PESCA INDUSTRIAL DESEMBARCADA NO ESTADO DO PARÁ Ludmila Assunção Pinheiro Laboratório de Oceanografia. Universidade Federal do Pará. Bolsista PIBIC/CNPq. Campus Universitário do

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

A ICTIOFAUNA COMO INDICADOR DE QUALIDADE AMBIENTAL EM PLANÍCIES DE MARÉ DO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ, BRASIL

A ICTIOFAUNA COMO INDICADOR DE QUALIDADE AMBIENTAL EM PLANÍCIES DE MARÉ DO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ, BRASIL Descritores qualidade ambiental; impactos antropogênicos; ictiofauna; indicador biológico. A ICTIOFAUNA COMO INDICADOR DE QUALIDADE AMBIENTAL EM PLANÍCIES DE MARÉ DO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ, BRASIL

Leia mais

Pollianna Santos Ferraz

Pollianna Santos Ferraz UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ ASSEMBLÉIAS DE PEIXES DEMERSAIS NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA ENTRE ITACARÉ E CANAVIEIRAS, BAHIA Pollianna Santos Ferraz Ilhéus - Bahia 2008 ii Pollianna Santos

Leia mais

COLUMBELLIDAE (GASTROPODA) ASSOCIADOS À Phragmatopoma sp. (POLYCHAETA) EM BOA VIAGEM - PE

COLUMBELLIDAE (GASTROPODA) ASSOCIADOS À Phragmatopoma sp. (POLYCHAETA) EM BOA VIAGEM - PE COLUMBELLIDAE (GASTROPODA) ASSOCIADOS À Phragmatopoma sp. (POLYCHAETA) EM BOA VIAGEM - PE Figueiroa,G.A. (1) ;Luz,B.R.A. (1) ;Silva,P.P.F. (1) ;Chalegre-Sandes,K.Q.T. (1) gabi_1407@hotmail.com (1) Laboratório

Leia mais

Peixes marinhos das águas costeiras de Ponta Negra, Rio Grande do Norte, Brasil

Peixes marinhos das águas costeiras de Ponta Negra, Rio Grande do Norte, Brasil ARTIGO DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v2n1p83-97 Peixes marinhos das águas costeiras de Ponta Negra, Rio Grande do Norte, Brasil Thiago Augusto Bezerra Gurgel 1, Mônica Rocha de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ELASMOBRÂNQUIOS NA RESERVA BIOLÓGICA DO ATOL DAS ROCAS, BRASIL

ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ELASMOBRÂNQUIOS NA RESERVA BIOLÓGICA DO ATOL DAS ROCAS, BRASIL Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Departamento de Oceanografia Programa de Pós-Graduação em Oceanografia ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ELASMOBRÂNQUIOS NA RESERVA BIOLÓGICA DO

Leia mais

Estado da arte sobre estudos de rodolitos no Brasil

Estado da arte sobre estudos de rodolitos no Brasil Estado da arte sobre estudos de rodolitos no Brasil Alexandre B. Villas-Boas 1 ; Marcia A. de O. Figueiredo 2 ; Gilberto Dias 3 ; Ricardo Coutinho 1 1 Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira,

Leia mais

Allocytus verrucosus (OREOSOMATIDAE) NO RIO DE JANEIRO (ATLÂNTICO SUL OCIDENTAL)

Allocytus verrucosus (OREOSOMATIDAE) NO RIO DE JANEIRO (ATLÂNTICO SUL OCIDENTAL) Allocytus verrucosus (OREOSOMATIDAE) NO RIO DE JANEIRO (ATLÂNTICO SUL OCIDENTAL) Lopes, P.R.D. (1) ; Oliveira-Silva, J.T. (1) ; Kieronski, D.B. (1) ; Matos, F.J.P. (2) andarilho40@gmail.com (1) Universidade

Leia mais

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi Justificativa para a criação da Unidade de Conservação - Ponta de Pirangi Os recifes de corais são ecossistemas que abrigam grande biodiversidade marinha, tendo, portanto uma grande relevância ecológica,

Leia mais

O projeto visa dar continuidade ao experimento conhecido como Área Fechada de Tamandaré para avaliar a eficiência da implantação e monitoramento de

O projeto visa dar continuidade ao experimento conhecido como Área Fechada de Tamandaré para avaliar a eficiência da implantação e monitoramento de CONTINUIDADE DO EXPERIMENTO E MONITORAMENTO DA EFICÁCIA DA ÁREA FECHADA DE TAMANDARÉ COMO REFERÊNCIA METODOLÓGICA PARA AS ZONAS DE PRESERVAÇÃO DA VIDA MARINHA DA APA COSTA DOS CORAIS UFPE O projeto visa

Leia mais

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu Considerado morto dentro dos limites da cidade de São Paulo, o rio Tietê abriga a menos de 80 km do centro da capital espécies de peixes não descritas pela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Programa de Pós-Graduação em Diversidade Biológica e Conservação nos Trópicos/PPG-DIBICT CIBELE TIBURTINO ATIVIDADE REPRODUTIVA

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA

ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA Vanda Maria Sales de Andrade Antônio Carlos Lôla da Costa Universidade Federal do Pará Rua Augusto Corrêa nº 01, Bairro

Leia mais

Introdução Geral Entre 1960 e 1980, do século XX, a poluição foi a maior preocupação quanto a preservação dos ambientes marinhos.

Introdução Geral Entre 1960 e 1980, do século XX, a poluição foi a maior preocupação quanto a preservação dos ambientes marinhos. Introdução Geral Entre 1960 e 1980, do século XX, a poluição foi a maior preocupação quanto a preservação dos ambientes marinhos. A expansão pesqueira, entretanto, parecia ser a solução para a crescente

Leia mais

ROBERTO SCHWARZ JUNIOR EFEITO DA LUA E DA MARÉ NA CAPTURA DE PEIXES EM UMA PLANÍCIE DE MARÉ DO SETOR EUHALINO DA BAÍA DE PARANAGUÁ -P R

ROBERTO SCHWARZ JUNIOR EFEITO DA LUA E DA MARÉ NA CAPTURA DE PEIXES EM UMA PLANÍCIE DE MARÉ DO SETOR EUHALINO DA BAÍA DE PARANAGUÁ -P R ROBERTO SCHWARZ JUNIOR EFEITO DA LUA E DA MARÉ NA CAPTURA DE PEIXES EM UMA PLANÍCIE DE MARÉ DO SETOR EUHALINO DA BAÍA DE PARANAGUÁ -P R Monografia apresentada como requisito parcial para-obtenção do título

Leia mais

Idades e crescimento da cioba, Ocyururs chrysurus, da Costa Central do Brasil

Idades e crescimento da cioba, Ocyururs chrysurus, da Costa Central do Brasil Rev. bras. oceanor., 5(1):, 22 Idades e crescimento da cioba, Ocyururs chrysurus, da Costa Central do Brasil (Age and growth of yellowtail snapper, Ocyururs chrysurus, from Central Coast of Brazil) Júlio

Leia mais

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 339 Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ MATHEUS OLIVEIRA FREITAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ MATHEUS OLIVEIRA FREITAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ MATHEUS OLIVEIRA FREITAS PESCA ARTESANAL E BIOLOGIA REPRODUTIVA DO ARIOCÓ Lutjanus synagris (LUTJANIDAE) NO BANCO DOS ABROLHOS ILHÉUS BAHIA 2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

José Luis Luque 1 * e Anderson Dias Cezar 2

José Luis Luque 1 * e Anderson Dias Cezar 2 Metazoários ectoparasitos do pampo-galhudo, Trachinotus goodei Jordan & Evermann, 1896 (Osteichthyes: Carangidae), do litoral do Estado do Rio de Janeiro, Brasil José Luis Luque 1 * e Anderson Dias Cezar

Leia mais

A EXPLOTAÇÃO DE PEIXES ORNAMENTAIS MARINHOS NO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL: CAPTURAS E MANUTENÇÃO NAS EMPRESAS E EXPORTAÇÃO

A EXPLOTAÇÃO DE PEIXES ORNAMENTAIS MARINHOS NO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL: CAPTURAS E MANUTENÇÃO NAS EMPRESAS E EXPORTAÇÃO A EXPLOTAÇÃO DE PEIXES ORNAMENTAIS MARINHOS NO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL: CAPTURAS E MANUTENÇÃO NAS EMPRESAS E EXPORTAÇÃO RESUMO Mara Carvalho Nottingham 1 Leopoldo Melo Barreto 2 Maria Elisabeth de Araújo

Leia mais

SÍNTESE DO RELATÓRIO FINAL DO DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL DA PESCA ARTESANAL NA BAÍA DA ILHA GRANDE. Rio de Janeiro Julho de 2009

SÍNTESE DO RELATÓRIO FINAL DO DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL DA PESCA ARTESANAL NA BAÍA DA ILHA GRANDE. Rio de Janeiro Julho de 2009 SÍNTESE DO RELATÓRIO FINAL DO DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL DA PESCA ARTESANAL NA BAÍA DA ILHA GRANDE Rio de Janeiro Julho de 2009 realização apoio patrocínio Síntese do Diagnóstico Socioambiental das Comunidades

Leia mais

Parques Marinhos Desafios em sua gestão O Caso do Parnam dos Abrolhos. Oc. Henrique Horn Ilha - chefe do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos

Parques Marinhos Desafios em sua gestão O Caso do Parnam dos Abrolhos. Oc. Henrique Horn Ilha - chefe do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos Parques Marinhos Desafios em sua gestão O Caso do Parnam dos Abrolhos Oc. Henrique Horn Ilha - chefe do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos Todos os ecossistemas naturais estão fortemente pressionados

Leia mais

Etnoictiologia dos pescadores artesanais da praia de Guaibim, Valença (BA), Brasil

Etnoictiologia dos pescadores artesanais da praia de Guaibim, Valença (BA), Brasil Neotropical Biology and Conservation 2(3):136-154, september-december 2007 by Unisinos Etnoictiologia dos pescadores artesanais da praia de Guaibim, Valença (BA), Brasil Ethnoichthyology of artisanal fishing

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra)

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) Requer o envio desta Indicação ao Poder Executivo, por intermédio do Ministério do Meio Ambiente para a recriação de Recifes Artificiais por meio de

Leia mais

Tema Vulnerabilidade das Áreas Costeiras Painel: Carlos Alberto Eiras Garcia, IO/FURG

Tema Vulnerabilidade das Áreas Costeiras Painel: Carlos Alberto Eiras Garcia, IO/FURG Tema Vulnerabilidade das Áreas Costeiras Painel: Carlos Alberto Eiras Garcia, IO/FURG Equipe Gestora Instituto de Oceanografia Universidade Federal do Rio Grande Dr. Carlos A. E. Garcia Dr. José H. Mulbert

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES DE GERRES APRION (CUVIER, 1829), (ACTINOPTERYGII, GERREIDAE) NA BAÍA DE SEPETIBA (RJ)

HÁBITOS ALIMENTARES DE GERRES APRION (CUVIER, 1829), (ACTINOPTERYGII, GERREIDAE) NA BAÍA DE SEPETIBA (RJ) 185 HÁBITOS ALIMENTARES DE GERRES APRION (CUVIER, 1829), (ACTINOPTERYGII, GERREIDAE) NA BAÍA DE SEPETIBA (RJ) Alexandre Clistenes Alcântara Santos Prof. Assistente Dep. de Ciências Biológicas Francisco

Leia mais

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA Eng. Renaldo Tenório de Moura, D.Sc. IBAMA ZONA COSTEIRA NO BRASIL Recife 8.500km Lei 7661/88 Institui a PNGC; Dec. 5300/2004 Regras de uso e ocupação; Critérios

Leia mais

AÇORES GUIA DE MERGULHO

AÇORES GUIA DE MERGULHO AÇORES GUIA DE MERGULHO terceira terceira Angra do Heroísmo Arcadas do Judeu (pg. 80) Baixa da Vila Nova (pg. 81) Calheta do Lagador (pg. 82) Cemitério das Âncoras (pg. 83) Cinco Ribeiras (pg. 84) Fradinhos

Leia mais

Nível trófico de peixes da costa brasileira

Nível trófico de peixes da costa brasileira ARTIGO DE REVISÃO DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v4n2p130-160 Nível trófico de peixes da costa brasileira Thiely Oliveira Garcia¹ e Tommaso Giarrizzo² 1. Mestre em Biologia Ambiental

Leia mais

No caminho certo... Meio Ambiente

No caminho certo... Meio Ambiente 46 No caminho certo... Interdisciplinaridade, pesquisas científicas, envolvimento da comunidade, parcerias e monitoramento constante fazem de projeto brasileiro de proteção às tartarugas marinhas modelo

Leia mais

Ivan Furtado Júnior 1 Márcia Cristina da Silva Tavares 2 Carla Suzy Freire de Brito 2

Ivan Furtado Júnior 1 Márcia Cristina da Silva Tavares 2 Carla Suzy Freire de Brito 2 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DA PRODUÇÃO DE PEIXES E CAMARÕES, COM REDE-DE-ARRASTO DE FUNDO, NA PLATAFORMA CONTINENTAL DA REGIÃO NORTE DO BRASIL (ÁREA DE PESCA DO CAMARÃO-ROSA) Ivan Furtado Júnior 1 Márcia Cristina

Leia mais

3. O Projeto. Programas governamentais e instrumentos legais para a conservação dos recifes de coral no Brasil

3. O Projeto. Programas governamentais e instrumentos legais para a conservação dos recifes de coral no Brasil 23 24 3. O Projeto Em 1999, o PROBIO, Projeto para a Conservação e Uso Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira, organizou a oficina de trabalho Avaliação e Ações Prioritárias para a Conservação

Leia mais

RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SITUAÇÃO ATUAL

RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SITUAÇÃO ATUAL Controle de revisões 1 Primeira emissão FASH AJM AJM 09/2013 0 Revisão Descrição Elaborado Verificado Aprovado Data Contratante: ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO VALE DO ITAPOCU - AMVALI Execução: ETHOS SERVIÇOS

Leia mais

CAMPANHA DE CONDUTA CONSCIENTE EM AMBIENTES RECIFAIS CORAL REEFS RESPONSIBLE CONDUCT CAMPAIGN 1

CAMPANHA DE CONDUTA CONSCIENTE EM AMBIENTES RECIFAIS CORAL REEFS RESPONSIBLE CONDUCT CAMPAIGN 1 CAMPANHA DE CONDUTA CONSCIENTE EM AMBIENTES RECIFAIS CORAL REEFS RESPONSIBLE CONDUCT CAMPAIGN 1 ANA PAULA LEITE PRATES 2 PAULA MORAES PEREIRA 3 MARIA CAROLINA HAZIN 4 MARIA HELENA REINHARDT 5 BEATRICE

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

Projeto de pesquisa. Distribuição espaço-temporal dos siris (Crustacea Portunidae) na Baía de Guaratuba e adjacências, Estado do Paraná, Brasil

Projeto de pesquisa. Distribuição espaço-temporal dos siris (Crustacea Portunidae) na Baía de Guaratuba e adjacências, Estado do Paraná, Brasil Projeto de pesquisa Distribuição espaço-temporal dos siris (Crustacea Portunidae) na Baía de Guaratuba e adjacências, Estado do Paraná, Brasil Autora: Sara Regina Sampaio Orientadora: Setuko Masunari Projeto

Leia mais

INVENTÁRIO DAS ESPÉCIES DE PEIXES DA COSTA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE E ASPECTOS ZOOGEOGRÁFICOS DA ICTIOFAUNA RECIFAL DO OCEANO ATLÂNTICO.

INVENTÁRIO DAS ESPÉCIES DE PEIXES DA COSTA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE E ASPECTOS ZOOGEOGRÁFICOS DA ICTIOFAUNA RECIFAL DO OCEANO ATLÂNTICO. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE BIOCIÊNCIAS, DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E LIMNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOECOLOGIA AQUÁTICA INVENTÁRIO DAS ESPÉCIES DE PEIXES DA COSTA

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação 03. Programação 04. Contatos da Organização 05. Confederação Brasileira de Automobilismo 06. Informações Úteis 07.

ÍNDICE. Apresentação 03. Programação 04. Contatos da Organização 05. Confederação Brasileira de Automobilismo 06. Informações Úteis 07. FORTALEZA - CE ÍNDICE Apresentação 03 Programação 04 Contatos da Organização 05 Confederação Brasileira de Automobilismo 06 Informações Úteis 07 Cidade Sede 07 Telefones úteis 09 Hotel Oficial 10 Calendário

Leia mais

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5 MIRrDEOS NEOTROPICAIS CCCXC: ESPÉCIES NOVAS DE GOlAS (HEMIPTERA, MIRIDAE) José C. M. Carvalho 1,2 Luiz A. A. Costa 1 ABSfRACf. NEOTROPICAL MIRIDAE CCCXC: NEW SPECIES FROM GOIÁs (HEMIPTERA, MIRIDAE). Six

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

PORTARIA ICMBIO Nº 16, DE 02 DE MARÇO DE 2015

PORTARIA ICMBIO Nº 16, DE 02 DE MARÇO DE 2015 PORTARIA ICMBIO Nº 16, DE 02 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre a atualização da denominação, da localização e das atribuições dos Centros Nacionais de Pesquisa e Conservação no âmbito do Instituto Chico Mendes

Leia mais

o USO DA MADEIRA NAS REDUÇÕES JESUÍTICO-GUARANI DO RIO GRANDE DO SUL. 8 - MÍSULA DO ALPENDRE DO COLÉGIO DE SÃO LUIZ GONZAGA 1

o USO DA MADEIRA NAS REDUÇÕES JESUÍTICO-GUARANI DO RIO GRANDE DO SUL. 8 - MÍSULA DO ALPENDRE DO COLÉGIO DE SÃO LUIZ GONZAGA 1 BALDUINIA. 0.19, p. 14-18, 15-XII-2009 o USO DA MADEIRA NAS REDUÇÕES JESUÍTICO-GUARANI DO RIO GRANDE DO SUL. 8 - MÍSULA DO ALPENDRE DO COLÉGIO DE SÃO LUIZ GONZAGA 1 MARIA CRISTINA SCHULZE-HOFER2 JOSÉ NEWTON

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Departamento de Ciências Agrárias Análise de uma amostragem de caça submarina na Terceira, no período de 1992 a 2012 Comparação com dados de pesca artesanal Cristina Sousa Santos

Leia mais

Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques)

Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques) Proteção da biodiversidade marinha no Parque Natural da Arrábida 29 abril 2015 Base Naval de Lisboa Alfeite, Almada Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques) Emanuel

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

Guidelines for submitting papers to the IX Brazilian Congress of Agroecology Belém, Pará BRAZIL, 2015

Guidelines for submitting papers to the IX Brazilian Congress of Agroecology Belém, Pará BRAZIL, 2015 Guidelines for submitting papers to the IX Brazilian Congress of Agroecology Belém, Pará BRAZIL, 2015 Avaliação do estado de sustentabilidade das lógicas familiares de produção em São Félix do Xingu, Território

Leia mais

PADRÕES DE DEPOSIÇÃO E ORIGENS DO LIXO MARINHO EM PRAIAS DA ILHA DE ITAPARICA - BAHIA

PADRÕES DE DEPOSIÇÃO E ORIGENS DO LIXO MARINHO EM PRAIAS DA ILHA DE ITAPARICA - BAHIA PADRÕES DE DEPOSIÇÃO E ORIGENS DO LIXO MARINHO EM PRAIAS DA ILHA DE ITAPARICA - BAHIA Santana Neto, S. P. de 1,2,3,4, Silva, I. R. 1,4, Livramento, F. C.² 1. Núcleo de Estudos Hidrogeológicos e de Meio

Leia mais

Composição e abundância de ovos e larvas de peixes na baía da Babitonga, Santa Catarina, Brasil

Composição e abundância de ovos e larvas de peixes na baía da Babitonga, Santa Catarina, Brasil Composição e abundância de ovos e larvas de peixes na baía da Babitonga, Santa Catarina, Brasil MICHELI D. P. COSTA 1 & JOSÉ MARIA SOUZACONCEIÇÃO 2 1,2 Universidade da Região de Joinville (Univille) Unidade

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS AMBIENTAIS EM ATAQUES DE TUBARÃO NO LITORAL DE PERNAMBUCO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS AMBIENTAIS EM ATAQUES DE TUBARÃO NO LITORAL DE PERNAMBUCO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS AMBIENTAIS EM ATAQUES DE TUBARÃO NO LITORAL DE PERNAMBUCO Introdução ao Geoprocessamento Discente: Jean Farhat de Araújo da Silva Introdução A presença de ataques de

Leia mais

Marine Technology Society. Quem somos. O que fazemos.

Marine Technology Society. Quem somos. O que fazemos. Marine Technology Society Quem somos. O que fazemos. Fundada em 1963 para atender a necessidade de uma organização dedicada à tecnologia marinha. Hoje a Marine Technology Society (MTS) se tornou o recurso

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS COMUNIDADES CORALINAS DA

CARACTERIZAÇÃO DAS COMUNIDADES CORALINAS DA Instituto Superior de Engenharia e Ciências do Mar Instituto Nacional de Desenvolvimento das Pescas WWF Cabo Verde CARACTERIZAÇÃO DAS COMUNIDADES CORALINAS DA ZONA NORTE DE SÃO VICENTE Aricson Elisio Cruz

Leia mais

Revista Nordestina de Ecoturismo, Aquidabã, v.3, n.2, outubro, 2010. A DIVULGAÇÃO DEFICIENTE DO TURISMO DE NAUFRÁGIO NA CIDADE DO RECIFE, PERNAMBUCO

Revista Nordestina de Ecoturismo, Aquidabã, v.3, n.2, outubro, 2010. A DIVULGAÇÃO DEFICIENTE DO TURISMO DE NAUFRÁGIO NA CIDADE DO RECIFE, PERNAMBUCO Revista Nordestina de Ecoturismo, Aquidabã, v.3, n.2, outubro, 2010. A DIVULGAÇÃO DEFICIENTE DO TURISMO DE NAUFRÁGIO NA CIDADE DO RECIFE, PERNAMBUCO ISSN 1983 8344 SEÇÃO: Artigos RESUMO O turismo de mergulho

Leia mais

Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1

Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 277 Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1 1 Departamento de Entomologia, Museu

Leia mais

BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864)

BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864) BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864) Juliana Ywasaki Lima Leonardo Serafim da Silveira Boto-cinza: Sotaliaguianensis (Van Bénéden, 1864) Juliana Ywasaki Lima, MV, MSc., Doutoranda do Programa

Leia mais

Levantamento preliminar dos morcegos do Parque Nacional de Ubajara (Mammalia, Chiroptera), Ceará, Brasil

Levantamento preliminar dos morcegos do Parque Nacional de Ubajara (Mammalia, Chiroptera), Ceará, Brasil Levantamento preliminar dos morcegos do Parque Nacional de Ubajara (Mammalia, Chiroptera), Ceará, Brasil Shirley Seixas Pereira da Silva 1 Patrícia Gonçalves Guedes 2 Adriano Lúcio Peracchi 3 ABSTRACT.

Leia mais

Espongofauna da praia de Gaibú, Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco, Brasil. ARAUJO LUZ 1

Espongofauna da praia de Gaibú, Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco, Brasil. ARAUJO LUZ 1 Revista CEPSUL Biodiversidade e Conservação Marinha Espongofauna da praia de Gaibú, Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco, Brasil. RUI MILTON PATRÍCIO DA SILVA JUNIOR 1, CAMILA CRISTINA PIRES DE BRITO 1,

Leia mais

Estoques alternativos para a frota de cerco, direcionada à captura de sardinha-verdadeira

Estoques alternativos para a frota de cerco, direcionada à captura de sardinha-verdadeira Estoques alternativos para a frota de cerco, direcionada à captura de sardinha-verdadeira Oc. Roberto Wahrlich, MSc Assessor Técnico SINDIPI Docente e pesquisador UNIVALI Sumário Antecedentes Restrições

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais