DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO"

Transcrição

1 DIREITO ELETRÔNICO Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO Este trabalho tem como finalidade o estudo do direito eletrônico, devido a ser um assunto bastante recente, bem como a sua aplicação nos dias atuais, e sua sistemática com outros ramos do direito. Palavras chaves: direito eletrônico, internet, crime. 1. INTRODUÇÃO - DIREITO ELETRÔNICO Desde os primórdios do mundo, as pessoas, as ciências, a tecnologia e a sociedade evoluem. O direito em decorrência dessa dinâmica regulamenta essas relações, estabelecendo regras de procedimento e punições, pois vivemos em sociedade compostas de pessoas e quando se fala de pessoas, seres humanos, estes tem a tendência de desvirtuar, as finalidades positivas dessa evolução. Atualmente não é diferente, os avanços tecnológicos depois da Revolução Industrial foram extraordinários, a cada dia se vê novidades nas ciências e tecnologia, porém os problemas caminham junto com essa evolução e nem sempre o direito consegue 1 Aluna do 9 o semestre de Direito manhã RGM

2 2 regulamentar, pois este é uma ciência, e como toda ciência é formal, baseada em parâmetros, depende de estudos para se concretizar e estuda determinado período de tempo o comportamento da sociedade, para então criar as normas, um procedimento demorado, quando se fala de tecnologia, pois esta evolui de forma alucinadora. Quando se fala de direito eletrônico, se fala de um tema muito novo, pois o advento do computador, processamento de dados e internet se originou aqui no Brasil com o início da globalização na década de noventa, século XX, portanto, muito recente, muito discutida, faltando ainda regulamentação referente ao assunto e ainda, pontos de muita divergência, o que se verá a seguir. 2. DIREITO ELETRÔNICO 2.1 Conceito de Direito eletrônico: É um ramo do direito que consiste no estudo do conjunto de normas, aplicações, processos, relações jurídicas, doutrina, jurisprudência, que surgem como conseqüência da utilização e desenvolvimento da informática, encontrando direcionamento para a consecução de fins peculiares, como os seguintes: - Evolução ordenada de produção tecnológica, visando sua proliferação e propagação dos avanços da informática, segundo Aurélio (2006, p.478), informática é a ciência que visa ao tratamento da informação através do uso de equipamentos na área de processamento de dados. - A preocupação com a correta utilização dos instrumentos tecnológicos através de mecanismos que regulamentem de maneira correta e eficaz sua aplicação no mundo moderno. (PAIVA, 2010, p. 6) 2.2 O DIREITO ELETRÔNICO COM RELAÇÃO AOS OUTROS RAMOS DE DIREITO Segundo Paiva (2010, p ), apesar de várias discussões gerarem em torno da autonomia do direito eletrônico, o autor em seu ensaio, acredita que o tema em questão é autônomo e que interage com os vários ramos do Direito, como por exemplo, o Direito Constitucional, quanto a inviolabilidade do sigilo da correspondência, com o Direito Civil, nos aspectos contratuais, direitos personalíssimo etc, direitos autorais, com o Direito do Consumidor, nas relações de consumos entre o

3 3 site de vendas e o consumidor, e com o Direito Penal, que se torna muito mais evidente devido aos crimes cometidos. Muitas discussões geram em torno da aplicação da legislação penal nos crimes realizados na internet, alguns doutrinadores entendem que as leis atuais podem ser adaptadas a esses tipos de crime e que não podem ficar sem punição, somente por questões de interpretação. Outros, entendem que precisa de legislação específica, com tipos adequados a esses tipos de crimes, e ainda, pelo fato de não haver lei especial para tratar desses delitos, fere, portanto, o Princípio da Legalidade e Anterioridade, que se verá a seguir. 3. CRIMES PELA INTERNET A Internet é a maior rede de computadores do mundo. Ela é uma rede global, de total integração, de centenas de milhares de outras redes locais, regionais e nacionais. Ela é valorizada porque permite que as pessoas se comuniquem de modo fácil, rápido e barato com outras pessoas em quase todos os lugares do mundo, ela praticamente elimina as barreiras de tempo e de espaço. (LANDON e LAUDON, 1999, p. 168) Como toda tecnologia que surge, que é descoberta, serve para facilitar a vida humana, contudo, como o ser humano tende a desvirtuar as finalidades boas, como por exemplo o uso de celular, que atualmente é usado pelo crime organizado ou filmar cenas, invadindo a privacidade alheia, surgem então os desvios, os excessos, que muitas vezes configuram crimes, como é o caso da Internet. Os crimes por computador podem variar de uma brincadeira de adolescente à espionagem internacional e ainda crimes sexuais como a pedofilia, furto de dados, organização de crimes, dentre outros. Primeiramente, deve-se saber o que é crime? Crime é: (...) ato ou ação, que não se mostra abstração jurídica, mas ação ou omissão pessoal, tecnicamente, diz-se o fato proibido por lei, sob ameaça de uma pena, instituída em benefício da coletividade e segurança social do Estado (...) deve resultar de ação e omissão, voluntária ou intencional, contra a lei penal, a qual constitui sua causa, sem a qual o resultado não teria ocorrido. O resultado da ação

4 4 ou omissão é que pressupõe a existência do crime; a quem lhe deu causa é que se imputa a ação ou omissão criminosa. (SILVA, 2007, p. 399). Segundo Greco (2007, p.140) sob o aspecto formal, crime seria toda conduta que atentasse, que colidisse frontalmente contra a lei penal editada pelo Estado. Considerando-se o seu aspecto material, conceituamos o crime como aquela conduta que viola os bens jurídicos mais importantes. A lei penal determina se uma conduta praticada por alguém é proibida pelo direito Penal. Cabe a lei a tarefa, em obediência ao princípio da legalidade, de proibir comportamentos sob a ameaça de pena. (GRECO, 2007, p.16) O princípio da legalidade está previsto no art. 5º da Constituição Federal que diz: Não há crime sem lei anterior que o defina nem pena sem prévia cominação legal. Segundo Greco (2007, p.94), É o princípio mais importante do Direito Penal, que também está previsto no art. 1º do Código Penal, onde não se fala na existência de crime se ao houver uma lei definindo-o como tal. O princípio da legalidade possui quatro funções fundamentais: a) proibir a retroatividade da lei penal; b) proibir a criação de crime e penas pelos costumes; c) proibir o emprego de analogia para criar crimes, fundamentar ou agravar penas; d) proibir incriminações vagas e indeterminadas. Quando se fala de crimes cometidos pela Internet alguns doutrinadores entendem que se está utilizando-se da analogia, pelo fato de não existirem tipos penais específicos para esses crimes. Define-se a analogia como uma forma de auto-integração da norma consistente em aplicar a uma hipótese não prevista em lei a disposição legal relativa a um caso semelhante. (GRECO, 2007, p. 46) Luiz Regis Prado (apud GRECO, 2007, p.94) aduz que: Por analogia, costuma-se fazer referência a um raciocínio que permite transferir a solução prevista para determinado caso a outro não regulado expressamente pelo ordenamento jurídico, mas que comparte com o primeiro certos caracteres essenciais ou a mesma ou suficiente razão, isto é, vincula-se por uma matéria relevante simili ou a pari. Segundo Greco (2007, p. 94) no Direito Penal a analogia deve ser vista a partir da seguinte premissa: é totalmente proibido, em virtude do Princípio da Legalidade, o recurso da analogia quando esta

5 5 for utilizada de modo a prejudicar o agente, seja ampliando o conteúdo dos tipos penais incriminadores, a fim de abranger hipóteses ao previstas expressamente pelo legislador. Pois toda conduta que o mesmo pretende proibir ou impor, devem ser descritas de forma clara e precisa, de modo que o agente entenda de forma clara. Para uma outra corrente de doutrinadores, os crimes cometidos pela Internet já estão tipificados, alterando só o meio, ou seja, a forma como ele é praticado. Portanto, não haveria necessidade de legislação específica, e também não estaria ferindo o Princípio da Legalidade. 4. CONSIDERAÇÕES GERAIS - ANONIMATO A internet não tem fronteiras, atua de forma global, o sistema operacional por ela fornecido, favorece uma falsa sensação de liberdade e impunidade. Essa falsa sensação de liberdade e impunidade, é decorrente do anonimato que ela proporciona. Anonimato segundo Aurélio (2006, p.124) significa: anônimo, ou seja, sem nome ou assinatura do autor, sem nome ou nomeada; obscuro, ou seja, é proibido por lei, contudo na internet, muito se vê manifestações sem a devida autoria. Em nossa Constituição Federal, art. 5º, IV - é livre a manifestação de pensamento, sendo vedado o anonimato. A internet, enseja, muitas vezes o uso de pseudônimo, que significa segundo Aurélio (2006, p.663): nome falso ou suposto, geralmente adotado por escritor ou artista. Portanto, com o uso de pseudônimo, as pessoas ficam no anonimato, cometendo os crimes pela Internet. Outra situação corriqueira na internet é o uso de dados falsos, tanto no , como nos sites de relacionamento, bem como, no preenchimento de qualquer dado virtual, favorecendo mais uma vez o anonimato e achando que não serão punidas por seus delitos. Inclusive o uso de uma falsa identidade é crime previsto no art. 307 do Código Penal, ou seja, o agente imputa a si mesmo ou a terceira pessoa, falsa identidade. Segundo Greco (2009, p. 327) por identidade devemos entender o conjunto de caracteres próprios de uma pessoa, que permite identificá-la e distingui-la das demais, por exemplo: o nome, idade, profissão, sexo, estado civil etc. A lei pune o agente que se

6 6 identifica incorretamente, com dados que não são seus, ou atribui esses dados falsos a uma terceira pessoa. Esses comportamentos devem ser dirigidos finalisticamente no sentido de obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou causar dano a outrem (...) Faz-se ressaltar que essa vantagem não poderá possuir natureza econômica, sob pena de ser o agente responsabilizado pelo delito de estelionato. (GRECO, 2009, p. 327). Ocorre que é possível por meio de perícia, identificar os autores desses crimes, bem como existe o rastreamento por parte da polícia, de dados, que eles consideram passíveis de cometimento de delitos, identificando por meio do ID (registro do computador identificação) o usuário do computador e o transgressor da lei penal. Portanto, essa falsa sensação de impunidade não é absoluta! CONCLUSÃO Os computadores e a internet, em si, não podem mudar a sociedade. Tudo de bom ou de ruim que vem dos computadores pode ser ligado a decisões básicas de como serão usados pelas pessoas. A internet é de fato um recurso tecnológico de grandes proporções. Facilita a comunicação, a informação, o comércio, a economia dentre tantas outras, de forma global e dinâmica. Não se consegue imaginar um mundo hoje sem internet tamanha são as facilidades. As mudanças causadas pela internet e consequentemente pelos computadores não podem ocorrer sem a intervenção humana. Muitos dos usuários, desvirtuam o bom caminho que a tecnologia oferece. As pessoas que utilizam essa tecnologia devem fazê-lo de uma forma que não prejudique as pessoas e nem organizações tanto públicas, bem como, as privadas, sendo, portanto, responsáveis, devendo prestar contas perante a lei, no caso de desvirtuarem o que a tecnologia oferece, ou seja, no cometimento de algum crime ou na provocação de dano. Muito se discute sobre a regulamentação desses crimes, ou seja, a criação de tipos penais específicos para esses delitos, gerando, portanto muitas discussões a respeito.

7 7 Sem sombra de dúvida que muitos dos crimes cometidos já existem em tipificação como, por exemplo, o furto, a injúria, o estelionato, não necessitando de novos tipos penais. Ocorre que não se pode esquecer que o número de pessoas atingidas no mundo virtual é imensurável, sendo o dano muito maior que nos crimes convencionais, e cada dia mais surgem novas facetas dos criminosos, pois criatividade é o que não falta, em decorrência desse fato, deve-se haver legislação específica, em alguns casos específicos, como no caso dos provedores, que devem ser responsáveis pelas informações contidas e proporcionando ainda mais segurança aos usuários. Um outro problema que não se pode esquecer é a velocidade com que a tecnologia evolui a cada dia, dificultando a elaboração das leis, pois, como já foi dito, estas decorrem de um processo evolutivo e de elaboração mais demorada do que a tecnologia. REFERÊNCIAS BRASIL. Código penal, Processo Penal e Constituição Federal. 5ª Ed. São Paulo: Saraiva, FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio: o dicionário da língua portuguesa. 6ª Ed. ver. Atual. Curitiba: Positivo, GRECO, Rogério. Curso de direito penal parte geral. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Impetus, GRECO, Rogério. Curso de direito penal parte especial. Vol. 4. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2009 LANDON, Jane Price. LAUDON, Kenneth C. Sistemas de Informação. 4ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico. 27 a ed. Rio de janeiro, PAIVA, Mário Antônio Lobato de. Direito eletrônico. Disponível em: <http://www.alfaredi.com/apc-aa-alfaredi/img_upload/9507fc6773bf8321fcad954b7a344761/paiva.pdf>. Acesso em: 20 de março 2010.

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 PROJETO DE LEI Nº DE 2015 Incluir Sinais de Tvs a Cabo ao 3º do art. 155, do Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Inclua-se sinais de Tvs à cabo ao 3º,

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Palavras-chave: conceito; legislação subsidiária, direito penal, civil, consumidor, constitucional.

DIREITO ELETRÔNICO. Palavras-chave: conceito; legislação subsidiária, direito penal, civil, consumidor, constitucional. 1 DIREITO ELETRÔNICO Samara Luna, aluna do 9º semestre do Curso de Direito do CEUNSP de Salto. RESUMO Este artigo tem por escopo traçar as primeiras linhas a respeito do Direito Eletrônico, tecendo breves

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO Palavras-chaves: Controle. E-mail. Empregado. Matheus Diego do NASCIMENTO

Leia mais

LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS

LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS LEI FEDERAL CONCEDE ANISTIA PARA POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DA BAHIA QUE PARTICIPARAM DE MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS Fabiano Samartin Fernandes * O Presidente da República sancionou a Lei n. 12.191,

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1

PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1 PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1 Danielli Regina Scarantti 2, Lurdes Aparecida Grossmann 3. 1 Projeto de extensão Cidadania Para Todos realizado no curso de Graduação em

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Legislação empresarial especial

Resumo Aula-tema 05: Legislação empresarial especial Resumo Aula-tema 05: Legislação empresarial especial Em termos gerais, as relações jurídicas empresariais estão regidas pelo Código Civil de 2002. No entanto, sobre matérias específicas, existem leis específicas

Leia mais

A LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO EM FACE DOS NOVOS PROJETOS LEGISLATIVOS

A LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO EM FACE DOS NOVOS PROJETOS LEGISLATIVOS A LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO EM FACE DOS NOVOS PROJETOS LEGISLATIVOS William Matheus Marins Vitt Mestrando em Direito, com ênfase em Direitos Humanos. Bolsista pela FAPERGS UNIRITTER williamvitt@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE

TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE AUTOR(ES): NÁDIA CRISTIANE DA SILVA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Walter Aranha Capanema. O monitoramento das atividades. do usuário pelo provedor

Walter Aranha Capanema. O monitoramento das atividades. do usuário pelo provedor O monitoramento das atividades do usuário pelo provedor Walter Capanema Introdução: Embora o Brasil tenha criado uma importante legislação que proteja e garanta os direitos do consumidor (Lei 8.078/90),

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA ABRANGÊNCIA Este Código de Ética e Conduta destina-se aos colaboradores e, no que couber, aos prestadores de serviços, visitantes e fornecedores da Panificação Tocantins. INTEGRIDADE

Leia mais

Responsabilidade na Internet

Responsabilidade na Internet Responsabilidade na Internet Papos em Rede 26/01/2012 Glaydson Lima Advogado e Analista de Sistema @glaydson glaydson.com http://delicious.com/glaydsonlima/paposemrede Responsabilidade por publicação direta

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT,

TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT, TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT, pessoas jurídicas de direito privado ao final identificadas,

Leia mais

Segurança em Redes Sociais.

Segurança em Redes Sociais. <Nome> <Instituição> <e-mail> Segurança em Redes Sociais Agenda Redes sociais Características principais Riscos principais Cuidados a serem tomados Créditos Redes sociais (1/2) Redes de relacionamento

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

Desde os tempos primórdios, o homem é um ser social, ou seja, necessita se comunicar. É a dicotomia de ouvir e ser ouvido.

Desde os tempos primórdios, o homem é um ser social, ou seja, necessita se comunicar. É a dicotomia de ouvir e ser ouvido. CRIMES VIRTUAIS Tiago Tadashi TAKUSHI 1 Marcus Vinícius Feltrim AQUOTTI 2 RESUMO: Com o avanço tecnológico ampliaram-se as fronteira da comunicação, e o mais importante, se não, o mais utilizado meio para

Leia mais

Legislação Anticorrupção

Legislação Anticorrupção O que muda com a Lei nº 12.846/2013 e com o Decreto nº 8.420/2015 gsga.com.br São Paulo Rio de Janeiro Curitiba Belo Horizonte Brasília Introdução 2 oooa partir da edição da chamada Lei Anticorrupção (Lei

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Abrangência... 3 1.3 Vigência... 3 1.4 Princípios... 3 1.5 Comitê de Ética e Conduta... 4 1.6 Disponibilidade... 4

Leia mais

Noções Básicas de Direito para Servidores Públicos: Aspectos Práticos

Noções Básicas de Direito para Servidores Públicos: Aspectos Práticos Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria de Gestão e Controle 18.09.2012 Noções Básicas de Direito para Servidores Públicos: Aspectos Práticos Gustavo Justino de Oliveira Pós-Doutor em Direito Administrativo

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.506, DE 1998

PROJETO DE LEI Nº 4.506, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.506, DE 1998 Dispõe sobre a proibição de aparelhos que emitem raio laser e dá outras providências. Autor: Deputado JAIR BOLSONARO Relator:

Leia mais

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS A Wilson Sons, por meio deste Guia Anticorrupção, pretende disseminar os valores morais e éticos que norteiam seus diversos negócios, reiterando seu princípio de combate

Leia mais

Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco

Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco Questões Potenciais de Prova Direito Penal Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL - QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA! 1. Aplicação

Leia mais

Código de Conduta e de Boas Práticas

Código de Conduta e de Boas Práticas Código de Conduta e de Boas Práticas Preâmbulo Aos membros da comunidade académica da Universidade de Lisboa (docentes e investigadores, trabalhadores não docentes e não investigadores, bolseiros de investigação,

Leia mais

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Escola Superior Dom Helder Câmara CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Introdução A Constituição da República Federativa

Leia mais

Contrato Individual de Trabalho. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato Individual de Trabalho. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato Individual de Trabalho Contrato de Experiência Direito diversos tipos de denominações: Contrato de Prova; Período de Experiência; Pacto de Experiência, etc. A CLT "elegeu" a denominação Contrato

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL LEGISLAÇÃO PERTINENTE AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL; RESPONSABILIDADE ÉTICA; RESPONSABILIDADE TÉCNICA; REPONSABILIDADE CIVIL; RESPONSABILIDADE

Leia mais

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado Discutem-se nesse

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.375, DE 2013 (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

PROJETO DE LEI N.º 6.375, DE 2013 (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.375, DE 2013 (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Dispõe sobre a responsabilidade penal dos provedores de acesso à rede mundial de computadores - Internet e dos provedores

Leia mais

Segurança em Redes Sociais. Miriam von Zuben miriam@cert.br

Segurança em Redes Sociais. Miriam von Zuben miriam@cert.br Segurança em Redes Sociais Miriam von Zuben miriam@cert.br Tratamento de Incidentes Articulação Apoio à recuperação Estatísticas Treinamento e Conscientização Cursos Palestras Documentação Reuniões Análise

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL. VEÍCULO SOB A GUARDA DO EMPREGADOR EM SEU ESTACIONAMENTO.

RESPONSABILIDADE CIVIL. VEÍCULO SOB A GUARDA DO EMPREGADOR EM SEU ESTACIONAMENTO. RESPONSABILIDADE CIVIL. VEÍCULO SOB A GUARDA DO EMPREGADOR EM SEU ESTACIONAMENTO. Primeiramente, vale ressaltar, que muito tem se discutido acerca da responsabilidade civil de quem mantém estacionamento

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei nº 2542, de 2007. (Do Sr. Deputado JOSÉ GENOINO)

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei nº 2542, de 2007. (Do Sr. Deputado JOSÉ GENOINO) CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei nº 2542, de 2007 (Do Sr. Deputado JOSÉ GENOINO) Dispõe sobre a Atividade de Inteligência Privada, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta

Leia mais

A Internet depois do Marco Civil

A Internet depois do Marco Civil Direito Digital Marco Civil da Internet A Internet depois do Marco Civil Gustavo Gobi Martinelli Quem sou eu? Nome: Gustavo Gobi Martinelli Graduado em Ciência da Computação; Graduado em Direito; Mestrando

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

II.1. O presente TERMO DE USO é parte integrante do CADASTRO do SERVIÇO.

II.1. O presente TERMO DE USO é parte integrante do CADASTRO do SERVIÇO. Termos e Condições de Uso do Serviço Star Wars As disposições abaixo regulam a utilização do serviço STAR WARS ( SERVIÇO ), comercializado por NEXTEL, doravante denominada "NEXTEL" ao CLIENTE, o qual,

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br Associação Brasileira de Engenharia Industrial ABEMI Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial

Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial Professora conteudista: Anabel Cruz Dionísio Revisor: Clecius E. A. Salomé Sumário Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial Unidade I 1 ASPECTOS DA ÉTICA...1

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Capítulo I Das Regras Deontológicas

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Capítulo I Das Regras Deontológicas CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Capítulo I Das Regras Deontológicas O Código de conduta e ética reflete o padrão ideal de comportamento e valores que devem nortear os membros da Fundação Technos de Previdência

Leia mais

(Abrange o corpo ativo: voluntários, colaboradores e funcionários)

(Abrange o corpo ativo: voluntários, colaboradores e funcionários) CÓDIGO de ÉTICA dos PCI (Abrange o corpo ativo: voluntários, colaboradores e funcionários) Paramédicos de Catástrofe Internacional Aprovado pela Direção em 27 de Fevereiro de 2011. ÍNDICE CÓDIGO DE ÉTICA

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 4ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 4ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 4ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 FURTO NO REPOUSO NOTURNO: STJ: Causa de incidência de aumento de pena aplicada ao furto simples; O

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL CRISTIANE APARECIDA ROSA DIALUCE 1 GUILHERME JORGE DO CARMO SILVA 2 VÂNIA MARIA BEMFICA GUIMARÃES PINTO COELHO 3 RESUMO O presente estudo vem à lume apresentar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON

CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON A Revolutyon é uma Empresa regida por uma escala de valores, que se orgulha da qualidade e do caráter de todos os seus Membros. O presente Código de Ética

Leia mais

CONCORRÊNCIA DESLEAL, APROPRIAÇÃO DE SEGREDOS INDUSTRIAIS, COMERCIAIS, ESPIONAGEM: FORMAS DE PREVENÇÃO DESSES EVENTOS

CONCORRÊNCIA DESLEAL, APROPRIAÇÃO DE SEGREDOS INDUSTRIAIS, COMERCIAIS, ESPIONAGEM: FORMAS DE PREVENÇÃO DESSES EVENTOS Brasil 01452-002 SP CONCORRÊNCIA DESLEAL, APROPRIAÇÃO DE SEGREDOS INDUSTRIAIS, COMERCIAIS, ESPIONAGEM: FORMAS DE PREVENÇÃO DESSES EVENTOS Ana Carolina Rovida de Oliveira acoliveira@almeidalaw.com.br I

Leia mais

SPAM: A PRAGA DIGITAL DO SÉCULO E A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 1. Camila Duarte 2.

SPAM: A PRAGA DIGITAL DO SÉCULO E A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 1. Camila Duarte 2. SPAM: A PRAGA DIGITAL DO SÉCULO E A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 1 Camila Duarte 2. 1 MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO 2

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO Secretaria Municipal de Educação maele_cardoso@hotmail.com Introdução A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, constitui se no atendimento de crianças de 0 a 5 anos de idade, em instituições

Leia mais

PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO.

PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO. PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO. THALES PONTES BATISTA Advogado-sócio da Paulo Albuquerque Advogados Associados, especialista em Direito do Consumidor, Direito Imobiliário,

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. Vivian Flores BRANCO 1

TRABALHO INFANTIL. Vivian Flores BRANCO 1 TRABALHO INFANTIL Vivian Flores BRANCO 1 RESUMO: O presente artigo trata do início do trabalho infantil, assim como as causas que levam crianças e adolescentes a se incorporarem no mercado de trabalho

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

Stalking e Convenção de Istambul. Rita Braga da Cruz Porto Dezembro de 2014

Stalking e Convenção de Istambul. Rita Braga da Cruz Porto Dezembro de 2014 Stalking e Convenção de Istambul Padrão de comportamentos de assédio persistente, que se traduz em formas diversas de comunicação, contacto, vigilância e monitorização de uma pessoaalvo Consiste na vitimação

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

TERMO DE USO. A prévia compreensão e aceitação destes termos são indispensáveis para a utilização do site e de todos os seus serviços.

TERMO DE USO. A prévia compreensão e aceitação destes termos são indispensáveis para a utilização do site e de todos os seus serviços. TERMO DE USO Este Termo de Uso aplica-se ao uso dos serviços oferecidos pelo website www.bairroalto.com.br, doravante denominada Portal do Bairro Alto. Qualquer pessoa física, doravante denominada USUÁRIO,

Leia mais

A descrição do fato típico na acusação penal

A descrição do fato típico na acusação penal A descrição do fato típico na acusação penal Hugo Nigro Mazzilli Advogado, Consultor jurídico, Procurador de Justiça aposentado, Professor da Escola Superior do Ministério Público (SP) A denúncia ou a

Leia mais

Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC. por Siomara Pantarotto. siomara@planalto.gov.

Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC. por Siomara Pantarotto. siomara@planalto.gov. Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC por Siomara Pantarotto siomara@planalto.gov.br Identificar e refletir acerca dos aspectos jurídicos e éticos relacionados

Leia mais

REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO

REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO Por: ; Docente da PUC-Minas em Poços de Caldas Gestão e Conhecimento, v. 3, n. 2, art. 2, março/ junho 2007 www.pucpcaldas.br/graduacao/administracao/nupepu/online/inicial.htm

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: DIREITO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 5 (CINCO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 05 (CINCO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 08 (OITO)

Leia mais

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Os alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de

Leia mais

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO Carolina Cicarelli GUASTALDI 1 RESUMO: O presente trabalho tem como meta analisar o Código de Defesa do Consumidor como instrumento

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO

PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO Este trabalho mostrará as tratativas

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Índice Nossos princípios diretivos 03 Proteção do patrimônio e uso dos ativos 04 Informação confidencial 05 Gestão e Tratamento dos Colaboradores 06 Conflitos de interesse 07

Leia mais

Publicado Decreto que regulamenta o Marco Civil da Internet

Publicado Decreto que regulamenta o Marco Civil da Internet Publicado Decreto que regulamenta o Marco Civil da Internet Autores Raphael de Cunto André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Beatriz Landi Laterza Figueiredo Sócios e Associados de Pinheiro Neto Advogados

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA O Princípio da Territorialidade Temperada informa a aplicação da lei penal brasileira aos crimes cometidos no território nacional I, mas não é absoluta, admitindo

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OMISSÃO DE SOCORRO E A PERICLITAÇÃO DA VIDA Juliane Drebel 1 Taís Bianca Bressler 2 Rogério Cezar Soehn 3 SUMARIO: 1 RESUMO. 2 CONCEITO. 3 SUJEITOS DO DELITO. 4 ELEMENTOS OBJETIVOS DO CRIME. 5 ELEMENTOS

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP SERCOMTEL S.A., sociedade anônima de economia mista, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 01.371.416/0001-89, com sede na Rua Prof. João Cândido, 555, Londrina,

Leia mais

# internauta. Leg@ l. Aprenda mais sobre a utilizacao ~ Segura da internet

# internauta. Leg@ l. Aprenda mais sobre a utilizacao ~ Segura da internet # internauta Leg@ l Aprenda mais sobre a utilizacao ~ Segura da internet ~ 1 CONHEÇA seus novos amigos ÎÎ Neninha - sou a representante do Instituto Martinelli Solidariedade (IMS), uma entidade sem fins

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE OSMAR LOPES JUNIOR CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE A internet rompe barreiras, fronteiras e qualquer

Leia mais

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE EMPRESA DO GRUPO 1. INTRODUÇÃO Mundialmente as fraudes ameaçam os governos, as corporações, os negócios e a sociedade, independentemente do grau de desenvolvimento de cada

Leia mais

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação PROJETO DE LEI Nº 84/1999 CRIMES INFORMÁTICOS COMPARATIVO ENTRE A VERSÃO APROVADA NO SENADO E APRESENTADA NO PLENÁRIO DA CÂMARA EM 18/07/2008, E O SUBSTITUTIVO DO RELATOR NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA

Leia mais

A ÉTICA EMPRESARIAL E O VALOR COMPARTILHADO

A ÉTICA EMPRESARIAL E O VALOR COMPARTILHADO A ÉTICA EMPRESARIAL E O VALOR COMPARTILHADO Camila e Silva MESCOLOTI 1 Lucas do Nascimento TAVARES 2 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 3 RESUMO: A sociedade tinha uma concepção de que as causa dos problemas

Leia mais

Política Mundial Anticorrupção

Política Mundial Anticorrupção Política Mundial Anticorrupção I. OBJETIVO A legislação da maioria dos países considera crime o pagamento, oferta de pagamento, ou mesmo o recebimento de suborno, propina, ou outro pagamento corrupto,

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET ESTUDO CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE CONSTITUIÇÃO FEDERAL Constituição Federal de 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS Graciel Marques Tarão Assessor do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1. Introdução Inicialmente é preciso contextualizar o tema na Legislação Processual Penal. Dessa forma, o

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA Este Concurso Cultural, denominado Mostra de Ensaios e Sabores Audiovisuais- MESA" (Concurso) é promovido pela INFOGLOBO COMUNICAÇÃO

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 04/2014 Rio de Janeiro, 17 de março de 2014. Ilmo Provedor / Presidente a/c: Recursos Humanos / Departamento Pessoal Complementando informações repassadas deste Sindicato e diante do volume de

Leia mais

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO ESTUDANTIL PARA PRIMEIROS EMPREGOS www.noprimeiroemprego.com.br. Jovem Conectado Curitiba: PROEPE, 2015 36p. il. Título.

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO ESTUDANTIL PARA PRIMEIROS EMPREGOS www.noprimeiroemprego.com.br. Jovem Conectado Curitiba: PROEPE, 2015 36p. il. Título. Impressão Acabamento Editora Mona Ltda - ME Rua José Bajerski, 271 Curitiba/ PR Cep: 82.220-320 Fone (41) 3068-9009 Fax (41) 3068-9008 www.graficamonalisa.com.br PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO ESTUDANTIL PARA

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

ACIDENTE DO TRABALHO. Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário:

ACIDENTE DO TRABALHO. Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário: ACIDENTE DO TRABALHO Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário: I- Introdução II- Conceito III. Responsabilidade civil do empregador pelo acidente do trabalho IV- Competência para apreciar

Leia mais

Capítulo I Princípios Gerais. Capítulo II Responsabilidade Institucional. Capítulo III Responsabilidade Social

Capítulo I Princípios Gerais. Capítulo II Responsabilidade Institucional. Capítulo III Responsabilidade Social 4 5 5 6 7 7 7 8 9 9 10 10 Apresentação Capítulo I Princípios Gerais Capítulo II Responsabilidade Institucional Capítulo III Responsabilidade Social Capítulo IV A Ética nas Relações Internas Capítulo V

Leia mais

Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial.

Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial. G7 PRO UNIIDADE BRASIIL SSOLLUÇÕEESS EESSTTRRATTÉÉGI IICASS EEM SSEEGURRANÇA CÓDIGO DE ÉTICA Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial. Este documento possui informações INTERNAS

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS

TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS 1 I. Introdução: - A vida em Sociedade exige regramento; - As Normas Reguladoras das relações humanas; - A aplicação das sanções (punições): maior ou menor grau

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

CRIMES IMPRESCRITÍVEIS

CRIMES IMPRESCRITÍVEIS CRIMES IMPRESCRITÍVEIS Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 CRIMES IMPRESCRITÍVEIS Este trabalho trará um conceito de prescrição e mostrará que como

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999 PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999 (Do Sr. Luiz Piauhylino) Dispõe sobre os crimes cometidos na área de informática, suas penalidades e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

Leia mais