SASSMAQ Sistema de Avaliação em Saúde, Segurança e Meio. 3.a Edição 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SASSMAQ Sistema de Avaliação em Saúde, Segurança e Meio. 3.a Edição 2014"

Transcrição

1

2 SASSMAQ Sistema de Avaliação em Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Qualidade 3.a Edição 2014 Apresentação : Eva Cancissu Moraes, especialista em logística de produtos químicos. Consultora ABIQUIM para suporte ao GT na revisão do programa. Instrutora dos cursos ABIQUIM de auditor líder e auditor interno do SASSMAQ.

3 A evolução de um programa de sucesso

4 OBJETIVO: Apresentar as principais mudanças entre esta edição e a versão 2005 do programa. Vista geral dos novos conteúdos, apresentação do novo Questionário, Guia, Perfil das empresas candidatas à avaliação e indicadores de desempenho para as empresas candidatas à avaliação SASSMAQ.

5 PROGRAMA: Disposições Gerais regulamento do processo de avaliação; Escopos de avaliação Tabela de dimensionamento das auditorias Fluxograma de avaliação e Qualificação Preenchimento do Perfil das empresas candidatas à avaliação Número de questões - versão 2005; versão 2014, Tipo de questões Áreas de avaliação Panorama geral do Questionário de avaliação Principais alterações desta revisão

6 SASSMAQ a edição - Transporte Rodoviário Contribuíram para esta revisão: os seguintes agentes: A versão 2011 do CEFIC Conselho Europeu da Indústria Química; O Grupo de trabalho da indústria química, parceiros e OC s Comissão de parceiros no transporte da indústria; Comissão consultiva do SASSMAQ; Perguntas frequentes sobre o SASSMAQ no site da ABIQUIM; Auditores internos e líderes nos cursos de formação ou reciclagem; Organismos certificadores Publicações legais e normativas do setor

7 Disposições Gerais Tipos de avaliações Transporte rodoviário Aplicado em empresas prestadoras de serviços de transporte rodoviário. Transporte Ferroviário Aplicado em prestadores de serviços de transporte,por ferrovia. Estação de Limpeza Aplicado em prestadores de serviços de limpeza de equipament os de transporte ( tanques, isotanques, containers) ou embalagens grandes Atendimento à emergências químicas Aplicado em prestadores de serviços de atendimento interno ( dentro dos sites) ou externo de emergências químicas

8 Disposições Gerais Documentos do sistema SASSMAQ Transporte Rodoviário. 1 - O perfil da empresa candidata à avaliação, preenchido e enviado ao órgão certificador ; 2- O questionário de avaliação; 3- O guia de implementação e de auditoria; 4- O relatório da auditoria; 5- O certificado da avaliação;

9 Disposições Gerais regulamento do processo de avaliação O SASSMAQ é um sistema de avaliação customizado para provedores de serviços logísticos da indústria química. Caráter dos requisitos do sistema: Mandatórios ( M) Industriais ( I ) Desejáveis ( D)

10 Tipo de questões MANDATÓRIAS ( M ) : As questões classificadas com M cobrem itens que são obrigatórios por lei ou por exigência da indústria. Elas representam exigências básicas que devem ser atendidas por todos os prestadores de serviços de logística. Mesmo no caso de uma questão M ser referente a algo não exigido por lei no local em que está sendo conduzida a avaliação, a pergunta deve ser respondida e ser adicionado um comentário à resposta explicando que, no local específico, o item referido não representa uma exigência legal. Há algumas questões que referem-se a exigências legais no local em que se está conduzindo a avaliação. aliação Um comentário também deve ser adicionado na seção apropriada. p

11 Tipo de questões INDUSTRIAIS ( I ) : As questões I cobrem itens que a indústria química normalmente exige deseuprestadores de serviços de logística para ter um nível aceitável de controle. Questões não respondidas positivamente t nesta categoria devem ser atendidas dentro de um prazo acertado entre a empresa química e o prestador de serviço. Deve haver um mínimo de 70% de aprovação de questões industriais na primeira avaliação e 85% para as avaliações subsequentes.

12 Tipo de questões DESEJÁVEIS ( D ) As questões D cobrem itens em que melhorias no sistema de SSMA e Qualidade podem ser feitas. Normalmente, esses itens serão reexaminados durante a reavaliação periódica que deve ser realizada a dois anos. As questões desejáveis são de livre atendimento, na primeira avaliação e 40% para as avaliações subsequentes.

13 Disposições Gerais regulamento do processo de avaliação As empresas químicas precisam ter garantias de que as operações de transporte com produtos químicos, são conduzidas de forma segura e com qualidade. d - Como eram as avaliações em prestadores de serviços no passado - Qual o objetivo de uma avaliação padronizada para a indústria química - Diferença entre o processo de Avaliação x o processo de Qualificação da indústria i química.

14 Avaliação : realizada por um órgão certificador da escolha do prestador de serviços = aplicação do SASSMAQ Qualificação : requisitos buscados pela indústria nos prestadores de serviços.

15 Disposições Gerais regulamento do processo de avaliação A avaliação ocorre por unidade avaliada ou CNPJ; A avaliação é baseada em um escopo, solicitado pela empresa candidata à da avaliação; Para obter o certificado de avaliação é preciso atender aos quesitos do sistema, conforme as cotas estabelecidas para cada nível de atendimento; Após 2 anos a empresa passa por uma reavaliação completa.

16 Disposições Gerais regras do processo Datas em que as avaliações podem ser realizadas; Pendências durante a avalição: até a reunião de fechamento Pendências após o processo de avaliação: até 90 dias Emissão do Certificado de avaliação: só após completada Casos em que o processo deverá ser reiniciado.

17 Disposições Gerais regras do processo Manutenção do certificado de avaliação: - Mudança de razão social; - Manutenção do escopo da certificação Necessidade de reavaliações: - Mudança de endereço; - Mudança de escopo; - Expiração do prazo pa ode validade do certificado. cado

18 Disposições Gerais regras do processo Questões não aplicáveis: - análise do avaliador com base no escopo da avaliação, nas informações do Perfil da empresa avaliada e observações das instalações da empresa. - todas as questões Mandatórias, não aplicáveis, devem ser justificadas. Um órgão certificador pode proceder sucessivas avaliações na empresa, mas a cada duas avaliações é recomendado que a avaliação seja realizada por auditor diferente da última avaliação.

19 Disposições Gerais regras do processo Mudança ou extensão de escopo: Ocorre a reavaliação para os quesitos não verificados na avaliação vigente - apresentar evidências mínimas de 6 meses para o escopo solicitado na primeira avaliação da mudança e para as reavaliações evidências de 12 meses.. Ex. de mudança de escopo: granel x embalados, ados, perigosos x não perigosos, frota própria x frota subcontratada. Extensão : abrangência nacional x internacional, transporte estadual x interestadual.

20 Disposições Gerais Escopos de avaliação Transporte de produtos químicos à granel : ( Nacional, internacional; Líquido, sólido ou gasoso; Perigosos, não perigosos) Transporte de produtos químicos embalados : ( nacional, internacional, perigosos, não perigosos)

21 Disposições Gerais Qualificação do auditor Auditor ligado direta ou indiretamente a um organismo certificador nacional ou internacional, que tenha efetuado pelo menos 5 auditorias de sistemas de garantia da qualidade, gestão ambiental e ou saúde e segurança 9001, ou OSHAS em industrias químicas e ou transportes, engenheiro ou técnico de segurança e que tenha conhecimento de leis, regulamentações, normas nacionais i e internacionais de transporte, SSMA e que tenha participado e sido aprovado ado no treinamento e de auditor para a aplicação do SASSMAQ. SS Caso o auditor não seja engenheiro ou técnico de segurança, deve ser acompanhado de especialista para atuar nos itens pertinentes.

22 Preenchimento do Perfil das empresas candidatas à avaliação Para cada unidade avaliada deve ser preenchido um Perfil, na última versão de formulário, disponibilizado no site da ABIQUIM/SASSMAQ: O perfil deve ser completa e corretamente preenchido; O escopo da avaliação deve ser adequadamente definido no perfil; Informações de frota, produtos, principais clientes devem ser preenchidos em abas separadas no documento/planilha As licenças, válidas, devem ser relacionadas em aba separada do documento/planilha e enviadas cópias digitalizadas, it d ou papel ao órgão certificador antes da avaliação.

23 ÁREAS DE AVALIAÇÃO: 1. Gerenciamento: Aborda aspectos como responsabilidades d de gerenciamento, treinamentos, relatórios e investigações de não-conformidades, pessoal, promoção de atitudes, auditoria e revisão de sistemas de gerenciamento, etc. São áreas importantes em que a administração deve mostrar forte liderança pessoal e facilitar um sistema de apoio que direcione as atividades id d da empresa para a excelência em SSMA, Qualidade

24 ÁREAS DE AVALIAÇÃO 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente SSMA Verifica se estão sendo mantidos padrões e ca se estão se do a t dos pad ões elevados em segurança, saúde e cuidado ambiental e se há a devida preocupação pela proteção dos funcionários, do público e do ambiente

25 Áreas de avaliação 3. Equipamentos : A preocupação com operações seguras e confiáveis levam ao interesse em projetos e na especificação de equipamentos, exigindo a existência de programas de inspeção e manutenção de rotina

26 Áreas de avaliação 4. Planejamento e Operações: As atividades operacionais e administrativas diárias são examinadas e o auditor busca confirmar a existência i de sistemas e procedimentos adequados de controle, bem como de que esses sistemas estão sendo obedecidos.

27 Áreas de Avaliação 5. Proteção patrimonial e confidencialidade: Espera-sese que a devida atenção seja dada aos aspectos de segurança que afetam as informações e a propriedade dos clientes. O auditor examinará normas e procedimentos, controle de acesso e inspeções regulares de segurança.

28 Áreas de avaliação 6. Inspeção do local : Apesar de o SASSMAQ ter sido desenvolvido para examinar os sistemas de gerenciamento e não as instalações em si, há a necessidade de avaliação de alguns elementos físicos para que se obtenha uma noção das condições das instalações e dos aspectos de SSMA e Qualidade da operação.

29 Número de Questões, por área de avaliação Versão a edição Versão a edição Área Avaliação Central ( C) Rod.( Ro) Total 1. Gerenciamento Seg. Saúde e Ambiente Equipamentos Planej. operações Segurança Inspeção do Local Área de Avaliação Central ( C) Rod. ( Ro) Total 1. Gerenciamento Seg. Saúde e Ambiente Equipamentos Planej. operações Segurança Inspeção do Local

30 Número de Questões, por nível de atendimento mandatórias industriais desejáveis

31 Número de Questões, por tipo de questão Versão a edição Versão a edição Saúde e Central Rodoviário Total Saúde e Central Rodoviário Total Segurança Segurança Meio Ambiente Central Rodoviário i Total Meio Ambiente Central Rodoviário Total Qualidade Central Rodoviário Total Qualidade Central Rodoviário Total No. Cx resposta: No. Cx resposta:

32 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3.

33 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3. A avaliação cobre os seguintes aspectos: 1. Gerenciamento 1.11 Responsabilidades d de gerenciamento Política geral Responsáveis pelo SSMA e Qualidade Coordenadores de Segurança de Bens e Produtos Perigosos Responsabilidades d Individuais id i de SSMA e Qualidade d Reuniões

34 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Treinamento Treinamento para gerentes e supervisores Treinamento de coordenadores/responsáveis Treinamento para funcionários e operadores 1.3 Relatórios, investigações, análises e ações corretivas Relatórios e investigações de não-conformidades

35 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Indicadores de Desempenho Os indicadores passam a fazer parte do questionário i de avaliação, o sistema fornece uma planilha com os indicadores e guia para elaboração.

36 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3. Indicadores de Desempenho IST s caráter mandatório para parceiros e não parceiros do Atuação Responsável 22 indicadores

37 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3. Indicadores d de Desempenho caráter industrial i para parceiros do Atuação Responsável. Segurança de Processo 04 indicadores

38 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3. Indicadores d de Desempenho caráter industrial i para parceiros do Atuação Responsável. Segurança de Transporte 6 indicadores

39 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3. Indicadores d de Desempenho caráter industrial i para parceiros do Atuação Responsável. Social 1 indicador

40 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3. Indicadores d de Desempenho caráter industrial i para parceiros do Atuação Responsável. Meio Ambiente 13 indicadores

41 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Pessoal Política de recrutamento Disciplina Drogas e álcool Posturas de SSMA e Qualidade Quadro de avisos (ou qualquer forma aberta de comunicação)

42 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Auditoria e revisão do sistema de gerenciamento Sistema de auditoria interna 1.7 Liderança executiva Liderança e comunicação de excelência em SSMA e Qualidade 1.8 Controle de documentos e Requisitos legais Procedimentos

43 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Saúde, Segurança e Meio Ambiente 2.1 Identificação e avaliação de riscos Sistema de Identificação, Análise, Avaliação e gerenciamento de Riscos Mudança de Processos e reavaliação de riscos e programas de gerenciamento.

44 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Segurança Procedimentos e Instruções de Operação Equipamento de Proteção Individual (EPI) Estacionamento de veículos Prontidão e Respostas a Emergências Limpeza e descontaminação de tanques.

45 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Saúde Ocupacional Informações sobre produtos químicos perigosos Avaliação de riscos à saúde Controle de riscos à saúde Exames e monitoramento médicos - funcionários Exames e monitoramento médicos - subcontratados Primeiro socorros

46 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Proteção ambiental Procedimentos gerais frota própria Procedimentos gerais subcontratados Gerenciamento de resíduos Prevenção e controle de derramamentos ou vazamentos 2.5 Subcontratação de serviços rodoviários Política de subcontratação Subcontratações de curto e longo prazo

47 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Equipamentos 3.1 Especificação e contratação de equipamentos Especificação 3.2 Manutenção dos equipamentos Inspeção e manutenção preventiva frota própria Inspeção e manutenção preventiva subcontratados Identificação e calibragem de equipamentos de medição

48 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Planejamento e Comunicações Comunicações Há evidências de um acordo( contrato, carta de negociação, acordo escrito formal ) entre a empresa e os clientes? Existe um plano de contingência para manter a capacidade de planejamento em caso de doenças, férias, imprevistos, etc.? São realizadas reuniões pré-agendadas com o cliente, em nível gerencial para acertar as operações.

49 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Manuseio, movimentação e transporte de produtos perigosos 4.2 Operações Instruções de Operações Frota Própria Instruções de Operações Subcontratados Planejamento de Rotas de Entrega e Recebimento Carga e descarga

50 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão Check list frota própria Check list Subcontratados Controle Frota Própria Controle Subcontratados Planejamento diário de viagem/ comunicações com o motorista 4.3 Administração Registros Seguro

51 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3. 5 Segurança Patrimonial e Confidencialidade 5.1 Segurança Padrões e Procedimentos de Segurança Patrimonial Controle de Acesso Inspeções de Segurança

52 Panorama geral do Questionário de avaliação - revisão 3. 6 Inspeção do Local 6.1 Edifícios, terrenos e equipamentos fixos 6.2 Tanques de Armazenagem de Combustível 6.3 Equipamentos de transporte 6.4 Manuseio e armazenagem de produtos embalados

53 Questões acrescentadas nesta edição: 1. Gerenciamento: Responsáveis pelo SSMA e Qualidade Tipo SS MA Q NA C A empresa tem um Responsável Técnico para as operações de transporte nos termos da lei? M Inclusão por atualização legal. ANTT Agência Nacional de Transportes Terrestres. Lei

54 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: Gerenciamento: 1.2 Treinamento Treinamento para funcionários e operadores C 1233c c São críticos para a segurança, qualidade e meio ambiente: Programa Olho Vivo na Estrada (apenas para motoristas) Tipo SS MA Q NA I 1 C d Na Mão certa (apenas para motoristas) I 1 C e conteúdo do PPRA M 1 Conformidade legal e conformidade com o Atuação Responsável.

55 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: Gerenciamento: 1.3 Indicadores Indicadores de Desempenho Tipo SS MA Q NA O processo de medição de desempenho Ro é acompanhado? O processo de medição de desempenho Ro está disponível no local? As metas especificadas pelo cliente foram Ro satisfatoriamente acordados? Os resultados de desempenho são Ro I comunicados aos clientes? A empresa mede os indicadores Ro mandatórios da planilha relacionados a saúde e segurança ( SST)? Os indicadores são exigidos desde a 1.a ed.2001,fora sistema de pontuação. I I I I M

56 Questões excluídas e consolidadas em outras questões : 1. Gerenciamento: Exclusão de 7 questões por estarem consolidadas com o item

57 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: 1. Gerenciamento: Posturas de SSMA e Qualidade Tipo SS MA Q NA A empresa estabeleceu um programa básico de C avaliação e reconhecimento por comportamentos I seguros de motoristas ( segurança em direção)? A empresa estabeleceu um programa básico de incentivo e reconhecimento por comportamentos C seguros para todas as demais funções, desenvolvido D internamente ou adotado de instituições locais reconhecidas? Há programas estabelecidos e divulgados de prêmios C ou reconhecimento para encorajar a segurança das D atividades para todos os colaboradores? Inclusão de questões de melhoria contínua e conformidade com o Atuação Responsável,

58 Questões excluídas consolidadas em outras questões : 1. Gerenciamento: Exclusão de 3 questões por estarem consolidadas no item

59 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões 1. Gerenciamento: Há procedimentos atualizados para: Tipo SS MA Q NA C b Identificação, atualização, divulgação e adequação do sistema, para atendimento a M requisitos legais? Inclusão por atualização legal

60 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente C a Ro b Ro c Ro d C e Existe um sistema documentado para identificação, análise e avaliação dos riscos das operações, que considere: - análise e avaliação de riscos potenciais de acidentes nas instalações da empresa - análise e avaliação de riscos potenciais de acidentes rodoviários fora da empresa envolvendo produtos químicos - análise e avaliação de riscos potenciais de exposição a produtos químicos, que possa afetar aea ou ferir pessoas - análise e avaliação de riscos potenciais de emissões para o meio ambiente, decorrentes de má operação do veículo ou equipamento ou acidentes - análise e avaliação de riscos decorrentes de falha de operação ou manutenção de veículos ou equipamentos de transporte. Tipo SS MA Q NA I I I I I C 2111f f -análise e avaliação de riscos existentes t nas rotas de transporte t I Inclusão de 5 questões para melhor cobertura do quesito.

61 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente C Existe um plano de segurança desenvolvido e implementado para produtos perigosos de alta consequência, tendo como base a lista HCDG: High Consequence Dangerous Goods da ONU, que atenda os requisitos it legais locall ou internacional i ( onde aplicável).. l) Inclusão para conformidade com o tópico incluso análise de risco de produto.

62 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Mudança de Processos e reavaliação de riscos e programas de gerenciamento. Há um procedimento para registrar e recomendar tomada de decisões e ações mediante mudanças que impactam diretamente o ambiente ou operações da empresa, que considere: Tipo SS MA Q NA C a nova análise, avaliação de riscos I C b revisão do PGR - Plano de Gerenciamento de Riscos? I Inclusão de novo tópico para conformidade com análise de riscos e Atuação Responsável

63 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Programas de inspeção e manutenção preventiva para veículos próprios: C i tração ( cavalo trator, truck, toco, leve) I C j equipamento de transporte para carga seca ( sider, graneleira, aberta, baú, etc) C 2211k conteiner ( dry, open top, etc) I C l porta containeres, bug, I 2211m Equipamento de transporte à grane incluindo a parte rodante C I ( tanques para granéis líquidos, vasos de pressão). C n silos para granéis sólidos I C 2211o isotanques. I Tipo SS MA Q NA Explosão de questões já existentes, porém descrição dos equipamentos I

64 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Programas de inspeção e manutenção preventiva para veículos subcontratados C i tração ( cavalo trator, truck, toco, leve) equipamento de transporte para carga seca ( sider, graneleira, C j I aberta, baú, etc) C k conteiner ( dry, open top, etc) I C l porta containeres, bug, I C m Equipamento de transporte à grane incluindo a parte rodante ( tanques para granéis líquidos, vasos de pressão). I C n silos para granéis sólidos I C o isotanques. I Tipo SS MA Q NA I

65 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Existem procedimentos abrangentes e compreensíveis na empresa, incluindo autorizações de trabalho, para garantir a segurança de: Tipo SS MA Q NA Ro f Trabalhos em altura? M Inclusão de questão, atualização ali ação legal.

66 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Se os tanques são limpos, descontaminados na própria instalação: Tipo SS MA Q NA Ro a A instalação é certificada SASSMAQ Estação de Limpeza - EL? I Ro b Ro c A empresa possui Registro de descontaminador - RD? As estações possuem licença de instalação, de operação e de destinação de resíduos para os produtos envolvidos e demais licenças de funcionamento? I M Inclusão para conformidade com SASSMAQ-EL e atendimento legal.

67 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Limpeza e descontaminação de tanques em instalações de terceiros Ro a A instalação é certificada SASSMAQ Estação de Limpeza - EL? Ro b Ro c A empresa possui Registro de descontaminador - RD? As estações possuem licença de instalação, de operação e de destinação de resíduos para os produtos envolvidos e demais licenças de funcionamento? Tipo SS MA I I M Q NA

68 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Exames e monitoramento médicos - funcionários Tipo SS MA Q NA O PCMSO foi elaborado levando em conta os riscos específicos da atividade, de acordo com o PPRA, Ro a da localidade efetiva onde o funcionário exerce suas M funções? O PCMSO contempla para motoristas além da anamnese os seguintes exames ( na admissão, C periódico e demissão): oftalmológico, audiometria, M eletroencefalograma, eletrocardiograma, hemograma completo. Inclusões para aproximar requisito SASSMAQ à legislação de trânsito.

69 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: 2. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Ro a C Exames e monitoramento médicos - subcontratados O PCMSO foi elaborado levando em conta os riscos específicos da atividade, de acordo com o PPRA, da localidade efetiva onde o funcionário exerce suas funções? O PCMSO contempla para motoristas além da anamnese os seguintes exames ( na admissão, periódico e demissão): oftalmológico, audiometria, eletroencefalograma, eletrocardiograma, hemograma completo. Tipo SS MA Q NA M M Inclusões para aproximar requisito SASSMAQ da legislação de trânsito.

70 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 3. Equipamentos A frota é adequada, conforme previsto no perfil? Tipo SS MA Q NA Ro a Ro b Frota Própria, cavalo mecãnico ou truck ou toco carga á granel - idade máxima 7 anos e para carga embalada 10 anos.? Subcontratados, cavalo mecãnico ou truck ou toco carga á granel - idade máxima 7 anos e para carga embalada 10 anos.? I I Alteração para melhoria da segurança em transportes

71 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 3. Equipamentos frota própria e subcontratada A frota é adequada, conforme previsto no perfil? Tipo SS MA Q NA Ro d CIV parte rodante equipamentos de transporte à granel, produtos não perigosos? I Ro f CIV para cavalo mecânico ( tração) truck, toco à granel não perigoso? Ro g CIV para cavalo mecânico ( tração), truck, toco produtos embalados perigosos? Ro 3114h h CIV para equipamentos de tração, truck, toco produtos embalados não perigosos? Ro i RTCAR para equipamentos de transporte carga embalada produtos perigosos? Ro j RTCAR para equipamentos de transporte carga embalada produtos não perigosos? I I I D D Inclusões revisão de segurança no transporte.

72 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 3. Equipamentos Inspeção e manutenção preventiva frota própria Existe um programa escrito para inspeção e manutenção preventiva dos seguintes itens? Ro a tração ( cavalo trator, truck, toco, leve) equipamento de transporte para carga seca ( sider, Ro b graneleira, aberta, baú, etc) Ro 3211c c conteiner ( dry, open top, etc) Ro d porta containeres, bug, I Ro 3211e e tanques ou vasos de pressão para granéis líquidos, sólidos e gasosos. I Ro f silos para granéis sólidos I Ro g isotanques. M Explosão de item já existente, descrevendo os equipamentos. Tipo SS MA Q NA I I I

73 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 3. Equipamentos Inspeção e manutenção preventiva subcontratados Existe um programa escrito para inspeção e manutenção preventiva dos seguintes itens? Ro a tração ( cavalo trator, truck, toco, leve) I Ro b equipamento de transporte para carga seca ( sider, graneleira, aberta, baú, etc) I Ro c container ( dry, open top, etc) I Ro d porta containeres, bug, I Ro e tanques ou vasos de pressão para granéis líquidos, sólidos e gasosos. I Ro f silos para granéis sólidos I Ro g isotanques. M Tipo SS MA Q NA

74 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 4. Planejamento das Operações C a C b Manuseio, movimentação e transporte de produtos perigosos Existe um procedimento escrito e de conhecimento de todos para o cumprimento da legislação em vigor para o transporte e manuseio de produtos perigosos? O pessoal envolvido nas operações de transporte é treinado com base nas instruções deste procedimento? Tipo SS MA Q NA M M Questões transferidas dos itens e para este tópico, não há, portanto, inclusão ou exclusão, os mesmos quesitos permanecem válidos na área de operações.

75 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões : 4. Planejamento das operações Check list frota própria Tipo SS MA Q NA Ro a Há um procedimento para aplicação de check list na frota própria, antes e depois do carregamento e com verificação pontual? 4.2.7/.8 Controle Frota Própria e Subcontratada Tipo SS MA Q NA I Ro a Ro a O cronotacógrafo é aferido por organismo credenciado e com laudo? O cronotacógrafo é aferido por organismo credenciado e com laudo? M M

76 Questões acrescentadas ou consolidadas em outras questões: 6. Inspeção do Local 6.4 Manuseio e armazenagem de produtos embalados Tipo SS MA Q NA Ro Ro Ro Existe um local de espera para motorista em condições adequadas? O Plano de Emergência do local avaliado está divulgado e exposto em locais de grande circulação de pessoas? Durante o armazenamento, ainda que temporário, são obedecidos os critérios de incompatibilidade química entre os produtos armazenados? As condições de iluminação das áreas de operações, pátios, acessos são adequadas as atividades desenvolvidas no local? M M M M

77 Agradecemos sua presença, esperando ter atendido suas expectativas! Contato: www. Abiquim.org.br / sassmaq/perguntas frequentes Telefone : (11 ) Treinamento Abiquim

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Douglas Tavares Comissão de Transportes. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Douglas Tavares Comissão de Transportes. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Douglas Tavares Comissão de Transportes Um Compromisso da Indústria Química Sub-Processos do Novo Atuação Responsável Gestão Geral Gestão de Suprimentos Gestão da Produção Gestão do Transporte e Distribuição

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 20/11/28 Página 1 de 14 - MONITORAMENTO, MEDIÇÃO E MENSURAÇÃO DE DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 20/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Realização da Visita: Recepção da fruta Conservação

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

O QUE É O CÓDIGO C&A DE CONDUTA PARA FORNECIMENTO DE MERCADORIAS? COMO POSSO OBTÊ-LO?

O QUE É O CÓDIGO C&A DE CONDUTA PARA FORNECIMENTO DE MERCADORIAS? COMO POSSO OBTÊ-LO? POR QUE A SOCAM AUDITA OS FORNECEDORES C&A E SEUS SUBCONTRATADOS? A C&A, como empresa que busca atuar de forma socialmente responsável, considera essencial o monitoramento de todos os elos de sua cadeia

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

QUALINSTAL Maio 2016. Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis

QUALINSTAL Maio 2016. Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis QUALINSTAL Maio 2016 Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis Estrutura Requisitos Responsabilida des Regras Gerais Gestão Qualidade Saúde e segurança Meio ambiente Técnicos Responsabilidade

Leia mais

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 Este procedimento tem por objetivo estabelecer os critérios a serem observados pelas empresas e suas subcontratadas com relação

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos;

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos; Diferentes empresas de pesquisa oferecem diferentes habilidades, experiências e instalações. Por essa razão, não existe uma única empresa que seja a mais apropriada para todos os tipos de problemas de

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS

PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS OBJETIVO DOS PROGRAMAS PREVENIR ATITUDES INSEGURAS NO TRANSPORTE POR MEIO DA CONSCIENTIZAÇÃO DOS MOTORISTAS. META ATINGIR O NÍVEL ZERO EM ACIDENTES SÉRIOS. PRINCIPAL

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12.

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12. POL 5.3.1.16-1 1 / 12 POL 5.3.1.16-1 2 / 12 POL 5.3.1.16-1 3 / 12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. DA VALEC S.A.... 6 3. OBJETIVOS PROPOSTOS E METAS PARA O PRIMEIRO ANO... 7 4. NORMAS AMBIENTAIS PROPOSTAS...

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO. Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO. Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8 Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto (nome comercial): Borracha de Silicone c/ Catalisador Código interno de identificação do produto:

Leia mais

Modelos de gestão de riscos com o GLP/Convenção OIT 174 e a nova NR 20 (2012) Roque Puiatti Eng. Seg. Trabalho e AFT/SRTE/RS

Modelos de gestão de riscos com o GLP/Convenção OIT 174 e a nova NR 20 (2012) Roque Puiatti Eng. Seg. Trabalho e AFT/SRTE/RS Modelos de gestão de riscos com o GLP/Convenção OIT 174 e a nova NR 20 (2012) Roque Puiatti Eng. Seg. Trabalho e AFT/SRTE/RS Após Bhopal (1984) diversas atividades sobre o tema foram articuladas pela OIT

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL

NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL PROCEDIMENTO INTERNO PARA INGRESSO DE COLABORADORES DAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS FLORESTAIS HISTÓRICO DAS REVISÕES: REVISÃO DESCRIÇÃO 01 Criação do procedimento 11/2007

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas Autora Patrícia Lins de Paula A NR-20, Norma Regulamentadora 20 do Ministério do Trabalho e Emprego, trata

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3070 / 3268 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3070 / 3268 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE E QUALIDADE - SASSMAQ SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1 OBJETIVO...4 2 DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS...4 3 HISTÓRICO DAS REVISÕES...5

Leia mais

Assistente de Tecnologia da Informação e Técnico em Instrumentação. Descrição e Requisitos

Assistente de Tecnologia da Informação e Técnico em Instrumentação. Descrição e Requisitos Vitória, 20 de Maio de 2014. A Selecta, empresa de Recrutamento e Seleção, divulga as vagas de emprego em aberto, com destaque para: Analista Financeiro, Assistente Contábil, Assistente de Tecnologia da

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços.

Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços. HISTÓRICO Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços. Especializado na customização de soluções em segurança patrimonial e serviços, o

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes Comitês do Banco BMG Introdução Os Comitês representam coletivamente os interesses do Banco BMG, nos diversos segmentos de sua organização. É política do Banco BMG, manter o controle permanente de seus

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO Fevereiro de 2012 1 SUMÁRIO 1. Dos Princípios e Objetivos 2. Dos Fundamentos do Programa 3. Da Estrutura do Programa 4. Da Documentação de Referência

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 1) O que são produtos perigosos? São substâncias encontradas na natureza ou produzidas por qualquer processo que coloquem em risco a segurança

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Sistema de Avaliação de SSMAQ em Prestadores de Serviços de Destinação de Resíduos

Sistema de Avaliação de SSMAQ em Prestadores de Serviços de Destinação de Resíduos Sistema de Avaliação de SSMAQ em Prestadores de Serviços 11º Congresso de Atuação Responsável Comissão Temática de Política Ambiental Recapitulando... O que é? Sistema de avaliação de empresas de tratamento

Leia mais

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA ESTALEIRO ENSEADA 1/5 TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA 1. Objetivo Este procedimento estabelece a sistemática de levantamento de competências, promoção da conscientização e treinamento. 2. Aplicação

Leia mais

SELECIONAMOS: Faturamento

SELECIONAMOS: Faturamento SELECIONAMOS: Monitoramento Remuneração: R$ 1400.00 Benefícios: _VALE ALIMENTAÇAO R$220,00 _SEGURO DE VIDA Descrição: ATIVIDADES PRINCIPAIS: ABERTURA DE O.S., ACOMPANHAMENTO E CONFERENCIA DE FATURAS DE

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Versão: 07 Folha: 1 de 6 Processo: Recrutamento & Seleção, Movimentação e Treinamento de Pessoal Alterar logomarca 1. OBJETIVO: Identificar as competências necessárias para as funções que compõe a grade

Leia mais

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho V FORUM - NR 32 São Paulo 09.06.2010 Noeli Martins auditora fiscal do trabalho médica do trabalho PORTARIA MTE 3214/78-33 Normas Regulamentadoras NR 01 Disposições Gerais NR 02 Inspeção Prévia NR 03 Embargo

Leia mais

Proteção para os prestadores de primeiros socorros: evitar contato cutâneo e inalatório com o produto durante o processo.

Proteção para os prestadores de primeiros socorros: evitar contato cutâneo e inalatório com o produto durante o processo. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: OIL TREATMENT Aplicação: Aditivo concentrado para óleo de motor. Fornecedor: Orbi Quimica Ltda. Avenida Maria Helena, 600 - Leme SP Brasil - CEP

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 2 PPRA Desde 1994, por exigência legal, as empresas são obrigadas a montar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Esse programa foi definido pela

Leia mais

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social Certificação ANBT NBR 16001:2004 Sistema de Gestão da Responsabilidade Social O que é? É uma norma brasileira de responsabilidade social que tem caráter de sistema de gestão e propósito de certificação.

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS NOME DO PRODUTO: CARTECH LIMPA PNEUS

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS NOME DO PRODUTO: CARTECH LIMPA PNEUS Página de 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: CARTECH LIMPA PNEUS Principais Usos: Limpa pneus. Nome da empresa: CARTECH COM. E DISTRIB. DE PRODUTOS AUTOMOTIVOS LTDA. Endereço:

Leia mais

Padrão de Desempenho 1 V2 Avaliação e Gestão de Riscos e Impactos Socioambientais

Padrão de Desempenho 1 V2 Avaliação e Gestão de Riscos e Impactos Socioambientais Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 ressalta a importância da gestão do desempenho socioambiental durante o ciclo de vida de um projeto. Um sistema eficaz de avaliação e gestão socioambiental é um processo

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE DOCUMENTOS PARA ACESSO Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) Segue procedimento que deverá ser seguido exatamente como orientado para que o serviço contratado seja

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS SEDE ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

Curso Avaliação da Conformidade: Contextos, Fundamentos e Práticas. Certificação de Pessoas na Área de Turismo

Curso Avaliação da Conformidade: Contextos, Fundamentos e Práticas. Certificação de Pessoas na Área de Turismo Curso Avaliação da Conformidade: Contextos, Fundamentos e Práticas Certificação de Pessoas na Área de Turismo Maria Regina Alves de Souza Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade Inmetro 15.05.2009

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO Tecido ou fluido constituinte do organismo humano, tais como excrementos, fluidos corporais, células, tecidos, órgãos ou outros fluidos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE FISPQ N PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ PASTA DESENGRAXANTE GEL

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE FISPQ N PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ PASTA DESENGRAXANTE GEL GARANTIA DE QUALIDADE Página 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Sinônimo: Nome da empresa: GITANES PRODUTOS AUTOMOTIVOS LTDA Endereço: Rua Dos Diamantes, 72- Prosperidade São

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

INDUSTRIAS QUIMICAS TAUBATE S A IQT - Atendimento de Saúde São Paulo

INDUSTRIAS QUIMICAS TAUBATE S A IQT - Atendimento de Saúde São Paulo Proposta INDUSTRIAS QUIMICAS TAUBATE S A IQT - Atendimento de Saúde São Paulo À INDUSTRIAS QUIMICAS TAUBATE S A IQT A\C: Camila Borges de Carvalho camila.borges@iqt.com.br Apresentação da Proposta Conforme

Leia mais

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012

Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Portaria SIT nº 308, de 29.02.2012 - DOU 1 de 06.03.2012 Altera a Norma Regulamentadora nº 20 - Líquidos Combustíveis e Inflamáveis, aprovada pela Portaria MTb nº 3.214, de 8 de junho de 1978. A Secretária

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 1 pág de 16 Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 2 pág de 16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA NO TURISMO DE AVENTURA TDA RAFTING & EXPEDIÇÕES SUMÁRIO SEÇÃO 0 - INTRODUÇÃO SEÇÃO DESCRIÇÃO 1 Informações sobre a TDA Rafting & Expedições 2 Apresentação do Manual

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e várias PGR s. 2-No

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Pasta esmerilhar válvulas Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada -

Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada - Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada - PROGRAMA INTERINSTITUCIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM SONDADOR Grupo de Trabalho da Rede CERTIFIC: Wilson Consciani -

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA.

ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA. ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA. OBJETIVOS DO PROGRAMA A VALEC, como concessionária da Ferrovia Norte Sul será a responsável pela operação

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: CORANTE CARAMELO CER Página: (1 of 8) ATENçÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 623 DE 21 DE MARÇO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 623 DE 21 DE MARÇO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº 623 DE 21 DE MARÇO DE 2016 Ementa: Dispõe sobre a competência legal para o exercício da manipulação de drogas antineoplásicas pela farmacêutico. O Conselho Federal de Farmácia, no exercício

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Programa de Gerenciamento dos Serviços de Saúde no Brasil Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Responsabilidade civil: Art. 3 da Lei de Introdução

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

SGA. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental 07/04/2012

SGA. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental 07/04/2012 Sistemas de gestão ambiental SGA Um sistema de gestão ambiental pode ser definido como uma estrutura organizacional que inclui responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos necessários

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

OS ENFOQUES PRINCIPAIS DA NR 20 SÃO OS TREINAMENTOS E A GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTRA OS FATORES DE RISCO DE ACIDENTES

OS ENFOQUES PRINCIPAIS DA NR 20 SÃO OS TREINAMENTOS E A GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTRA OS FATORES DE RISCO DE ACIDENTES OS ENFOQUES PRINCIPAIS DA NR 20 SÃO OS TREINAMENTOS E A GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTRA OS FATORES DE RISCO DE ACIDENTES Com a revisão da NR 20 (Portaria SIT n.º 308, de 29 de fevereiro

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais