CONFIRA NESTA EDIÇÃO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFIRA NESTA EDIÇÃO:"

Transcrição

1 CONFIRA NESTA EDIÇÃO: A CATEQUESE EM MINHA VIDA PÁG. 14 RITOS E CELEBRAÇÕES NA CATEQUESE PARTE II PÁG. 30 A QUESTÃO DO JESUS HISTÓRICO PÁG. 36 E MAIS: PARA QUÊ SER CRISMADO? PÁG. 54

2 Guia de Navegação para Tablets e Smartphones

3 Editorial Olá, leitor(a)! Meu nome é Luiz Guilherme Martins e eu sou o novo coordenador editorial da revista Sou Catequista. Significa que tenho a imensa responsabilidade de gerenciar todo o conteúdo que é direcionado com carinho e entusiasmo até você. A partir desta edição, nos encontraremos por meio deste espaço, o Editorial, e esporadicamente em artigos dentro da revista. sou surpreender positivamente às suas expectativas afinal Antes de recepcioná-lo, peço humildemente para que acolha-me e reze para que este trabalho jamais deixe de de contas, ele é voltado catequista exclusivamente a você, que nos acompanha bimestralmente. Agora, sim: seja bem-vindo à nona edição da Revista Sou Catequista! Como se trata de meu primeiro trabalho, colher os frutos de um intenso período de dedicação às pautas e ao conceito multimídia (falaremos sobre isso numa outra oportunidade) é um motivo de felicidade e de realização ainda maior. O fato é: nas páginas a seguir você encontrará uma gama de conteúdo que poderá auxiliar a preparação dos encontros catequéticos e enriquecer o conhecimento dos catequizandos. Essas duas características são, para a equipe Sou Catequista, pilares fundamentais, e ter a oportunidade de apresentá-los a você, buscando alimentar o conhecimento cristão, é tarefa de contentamento imensurável. Espero, de coração, que este tomo eletrônico possa auxiliá-lo(a) na propagação do Evangelho, prepará-lo(a) para os desafios da missão do catequista e formar seres humanos verdadeiramente cristãos de corpo e alma. Luiz Guilherme Martins, Coordenador editorial CONFIRA NESTA EDIÇÃO: RITOS E CELEBRAÇÕES NA CATEQUESE PARTE II PÁG. 30 Edição 9 Ano 3 Abril/2015 A CATEQUESE EM MINHA VIDA PÁG. 14 A QUESTÃO DO JESUS HISTÓRICO PÁG. 36 E MAIS: PARA QUÊ SER CRISMADO? PÁG. 54 Direção geral: Sérgio Fernandes Coordenação editorial: Luiz Guilherme Martins Consultor Eclesiástico: Pe. José Alem Revisão: Marcus Facciollo Projeto gráfico: Agência Minha Paróquia Diagramação: Renan Trevisan Desenvolvimento WEB: Matheus Moreira Atendimento: Ana Carolina Silva Comercial: Adriana Franco Banco de imagens: Shutterstock sou catequista A revista digital Sou Catequista é uma publicação da agência Minha Paróquia, disponível gratuitamente para smartphones e tablets nas plataformas IOS e Android. Os conteúdos publicados são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a visão da agência Minha Paróquia. É permitida a reprodução dos mesmos desde que citada a fonte. O conteúdo dos anúncios é de total responsabilidade dos anunciantes. facebook.com/soucatequista twitter.com/soucatequista

4

5

6 8 NESTA EDIÇÃO NOSSOS LEITORES Para ler a revista, deslize para as próximas páginas ou toque nos itens do índice. 14 DE CATEQUISTA PARA CATEQUISTA A CATEQUESE EM MINHA VIDA Anizete Alves 78 VOZ DA IGREJA A PÁSCOA INICIAÇÃO CRISTÃ CORRA O RISCO E QUEIME-SE! Liana Plentz ROTEIROS CATEQUÉTICOS RITOS DE ENTREGA NA CATEQUESE Ângela Rocha CRISTOLOGIA A QUESTÃO DO JESUS HISTÓRICO Márcio Oliveira Elias MATÉRIA DE CAPA A NOVA COMPREENSÃO DO MINISTÉRIO DA CATEQUESE Pe. José alem O CATECISMO RESPONDE CATECINE DEUS NÃO ESTÁ MORTO 40 PERSEVERANÇA E DEPOIS DA PRIMEIRA EUCARISTIA? João Melo 94 TEATRO TEATRO PARA FAZER PENSAR Erivandra Marques 54 CRISMA PARA QUE SER CRISMADO? Pe. Paulo F. Dalla-Déa DICAS DE LEITURA MENSAGEM DO PAPA CRIANÇAS, DOM PARA A HUMANIDADE

7

8 Caro leitor, seja bem-vindo ao Desafio Sou Catequista, uma parceria entre a revista Sou Catequista e a editora Ave-Maria. Nesta edição, sortearemos a Bíblia Católica do Jovem. Para conquistá-la você deverá formular uma resposta para a pergunta que preparamos e publicá-la neste endereço em forma de comentário: O mês de maio é o mês de Maria. Portanto, queremos saber: o que representa Maria para você, como catequista? Use seu conhecimento e criatividade à vontade, mas não se esqueça de ser objetivo. Nossa equipe analisará cada resposta e escolherá um(a) vencedor(a). Portanto capriche e, é claro, boa sorte!

9 Nossa equipe tem se dedicado bastante para trazer de presente a você uma revista tão caprichada. E o que pedimos em troca? Pedimos apenas que #compartilhe, curta a nossa fanpage e divulgue este trabalho ao máximo de pessoas. E obrigado pela amizade!

10 NOSSOS LEITORES 10 Que Deus abençoe a vocês por esse aplicativo, que me ajuda muito! Dirlei Ribeiro Eu não podia deixar de parabenizar vocês pela bela iniciativa da criação da revista. Acabei de ler algumas matérias e fiquei feliz com a qualidade do conteúdo e com as pessoas que contribuem com ela, nomes muito bons. Gostei da participação de vários catequistas. Meus parabéns! Sou catequista há 16 anos de uma das principais periferias de Fortaleza, comunidade do Lagamar. Ser cristão e catequista pra mim é um estilo de vida, é nadar contra a maré diariamente, mas é sem dúvida o que deu sentido à minha vida e de todos do Grupo em que eu participo. Paz e Bem para todos! Emanuel AJUDE-NOS A CHEGAR A MAIS CATEQUISTAS! AVALIE E DEIXE O SEU COMENTÁRIO SOBRE O APLICATIVO NA APPSTORE: < CLIQUE AQUI A SUA AVALIAÇÃO NOS AJUDA A MELHORAR DE POSIÇÃO NO RANKING E TER MAIS DESTAQUE NAS LOJAS. Quero parabenizar a Revista pelo excelente material! Sou cordenador da catequese em minha comunidade rural, pequena, distante da paroquia, onde temos poucos subsídios para uma boa formação. Ao encontrar a revista virtual, pude organizar o primeiro encontro de catequistas na minha comuidade, com diversos artigos. Já aguardo ansioso pela proxima edição! Meus parabéns! Paz e bem! Valdimar Adoro a revista! Parabéns por mais este material de apoio que temos e pela total qualidade do produto! Muito show! Fiquem com Deus! Paz e Bem! George da Silva Pereira

11 11 Olá, paz de Cristo! Estou escrevendo para elogiar a iniciativa maravilhosa da revista digital Sou catequista. Tenho 18 anos, estou há três anos na catequese e sentia uma profunda falta de formação, procurando por apoio em leituras. Conheci o aplicativo e com as revistas eu me maravilhei! Está me ajudando muito a crescer com os testemunhos, as dicas de filmes, livros, histórias de outros catequistas e tantas outras riquezas. Estarei sempre rezando pelas pessoas que estão por trás dessa iniciativa, e sempre aprendamos mais de Jesus pela escola de Maria! Deus os abençoe! Monique Veloso Gostaria de parabenizar os criadores da Revista Sou Catequista, pois ele é muito importante, cheio de conteúdo que nós auxilia com a catequese. Obrigado a todos! Odair José NOSSOS NÚMEROS assinantes visualizações de páginas seguidores no Facebook visitantes únicos/dia no site Parabenizo a equipe pela iniciativa desse brilhante e rico trabalho, pois nos ajudou bastante na Catequese. É um subsídio muito bom para a coordenação dos encontros. Obrigada por nos ajudar, nos orientar com temas belíssimos para passar para os nossos catequistas. Abraço a todos, fiquem com Deus! Marilucia Gomes Guimarães Carvalho ENVIE SUA MENSAGEM PARA

12

13

14 DE CATEQUISTA PARA CATEQUISTA 14

15 15 Análise H á 12 anos que venho realizando esse trabalho de catequista junto à minha comunidade, Nossa Senhora do Rosário. Essa missão passou a ser necessária em minha vida. Comecei como aprendiz de catequista e fui me especializando com cursos de formação, sendo o de Teologia o mais recente. Contextualização Agora tenho um horizonte amplo para me encontrar com as crianças e falar sobre Deus, Sua Criação e a história da Salvação. Falar de Deus para os pequeninos me enche o coração e a alma de tanta satisfação, tanta alegria, que sinto uma realização profunda. Ser catequista não é simplesmente reunir uma turma para falar de Deus, pois temos que nos preparar, estudar, preparar encontros... Exige muita responsabilidade, disponibilidade, muito amor e muita fé. Afinal, vamos apresentar Deus a essas criaturinhas tão amadas pelo Pai do Céu. Projeções Meu maior sonho, assim como o de todo catequista, é conseguir realmente evangelizar essas crianças segundo a vontade de Deus. Crianças cujos pais nos confiam essa tarefa cheia de responsabilidades e, ao mesmo tempo, tão gratificante.

16

17

18 VOZ DA IGREJA 18 O FATO DA RESSURREIÇÃO DOM FERNANDO ARÊAS RIFAN, Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney (RJ)

19 19 A revista VEJA da Semana da Páscoa (8 de abril) trouxe interessante reportagem sobre a Ressurreição de Jesus, o grande dogma do cristianismo, ressaltando que a comemoração do domingo de Páscoa reafirma o poder da fé na Ressurreição do Filho de Deus morto na Cruz, ideia, constata a reportagem, que se fortalece com a passagem dos milénios. E pergunta: por que, depois de pouco menos de 2000 anos, a crença na ressurreição de Jesus Cristo, um dos mais extraordinários mistérios da fé, ainda exerce efeito tão arrebatador? E constata que, se nada houvesse ocorrido na Páscoa daquele ano, ou seja, se a Ressurreição do Senhor não fosse um fato extraordinário atestado e comprovado, não se conseguiria explicar a miraculosa e extraordinária expansão do cristianismo diante de tantas forças contrárias do paganismo. Houve tentativas modernas de se negar a Ressurreição de Jesus como fato histórico. Segundo algumas dessas teorias, Jesus teria ressuscitado dentro do Kerigma, segundo a fórmula de Rudolf Bultmann, famoso teólogo protestante, ou seja, a ressurreição significaria apenas que os discípulos haviam reconhecido que a causa de Jesus continua! Por isso, torna-se muito elucidativa para nós a tese de Heinrich Schlier, discípulo de Bultmann, sobre a Ressurreição de Jesus, provando o fato histórico, base da fé cristã. Heinrich Schelier era pastor luterano, professor de exegese na Alemanha, e, depois, fez parte da Igreja confessante, ou seja, a parte da comunidade evangélica alemã que tentava salvaguardar a substância cristã do luteranismo, não aceitando que esse se desintegrasse no movimento que apoiava o nazismo. Depois da guerra, lecionou Novo Testamento e História da Igreja na Faculdade Teológica Evangélica de Bonn. Em 1953, para surpresa do seu mestre Bultmann, converteu-se à Igreja Católica e disse que sua conversão ocorrera de uma forma completamente protestante, ou seja, a partir de sua relação com a Escritura, segundo nos conta Ratzinger. Em 24 de outubro de 1953, foi recebido na Igreja Católica. No dia seguinte, recebe a primeira comunhão e, depois, a confirmação. Tem inúmeras obras teológicas, especialmente essa sobre a Ressurreição de Jesus, prefaciada pelo então Cardeal Joseph Ratzinger. Baseado na história e na Escritura, Schelier demonstra que a Igreja primitiva não falou da ressurreição de Jesus Cristo com distanciamento e de modo descompromissado, mas com emoção e num ato de profissão de fé. E ele argumenta tratar-se de um fato incontestável, embora conserve seu caráter de mistério. Segundo ele, os textos neotestamentários entendem a Ressurreição como um evento, um acontecimento histórico concreto. A Ressurreição não veio da pregação, mas sim a pregação partiu do fato da Ressurreição. E da sua Ressurreição deriva a conclusão lógica de que Ele é o Senhor, como se lê no discurso de São Pedro aos judeus: De fato, Deus ressuscitou este mesmo Jesus, e disso todos nós somos testemunhas... Portanto, que todo o povo de Israel reconheça com plena certeza: Deus constituiu Senhor e Cristo a este Jesus que vós crucificastes (At 2, 32-36).

20 20 PAZ PARA OS CRISTÃOS DOM ODILO PEDRO SCHERER, Arcebispo de São Paulo

21 21 No período da Páscoa, os cristãos saúdam com frequência desejando a paz: paz a você! A paz esteja contigo! Foi assim que Jesus Cristo saudava os apóstolos nos encontros com eles, depois da sua ressurreição: a paz esteja com vocês! Não tenham medo! (cf Lc 24,36; Jo 20,19-26). Com estas palavras, Jesus Cristo queria serenar o ânimo dos discípulos, muito assustados com o fato de verem o Mestre novamente, depois de ele ter sido crucificado e sepultado há vários dias... Estavam apavorados também com o temor de que algo de pior também pudesse acontecer a eles, pois eram bem conhecidos como o grupo de seguidores do Nazareno. Jesus devolve-lhes a paz e a alegria, dando-lhes a certeza de estar novamente com eles. Sabemos que essa paz durou pouco para os apóstolos, pois bem depressa desabaram sobre eles e os primeiros cristãos ameaças, prisões, torturas e mortes violentas. Tudo porque anunciavam o Evangelho de Cristo, partindo da sua ressurreição dentre os mortos. E assim continuou ao longo dos dois mil anos de Cristianismo, durante os quais houve poucos momentos de paz e tranquilidade... Em alguma parte do mundo, sempre houve perseguições, repressão e martírio para os cristãos. O próprio Jesus havia advertido que a vida de seus seguidores não seria fácil: o discípulo não é maior que o mestre: se perseguiram a mim, perseguirão também a vós (Jo 15,20). Atualmente, os cristãos são, de longe, o grupo religioso mais perseguido ou reprimido no mundo. Só para lembrar alguns fatos mais recentes: no último dia 2 de abril, alguns guerrilheiros do grupo Al Shebab, provenientes da Somália, entrou na Universidade de Garissa, no leste do Quênia, e escolheu especificamente os cristãos, deixando os demais irem embora. Foram mortos ao menos 147 pessoas, só porque eram cristãs. Em março de 2015, houve o seqüestro de 150 cristãos no noroeste da Síria; ainda em março, 14 cristãos foram mortos e mais de 70 ficaram feridos em conseqüência de dois atentados suicidas numa igreja católica e noutra, evangélica. Ainda em março passado, um grupo adentrou um convento e, entre outras violências, estuprou uma freira idosa, de 72 anos de idade no estado de Bengala Ocidental, na Índia. E são constantes as notícias sobre atentados contra igrejas cristãs na Nigéria, com numerosas vítimas; no Iraque, os mártires cristãos são numerosos, por conta do avanço do grupo Estado Islâmico. E o mundo assistiu horrorizado o degolamento de um grupo de cristãos na Líbia, também em março. No Egito, Sudão, Congo e Nigéria foram muitas as igrejas cristãs atacadas, com numerosas vítimas. Não é diferente no Paquistão. No próprio domingo da Páscoa dos cristãos, 5 de abril, duas igrejas foram atacadas e incendiadas na Síria pelo grupo radical que domina boa parte daquele país. Mas refresquemos um pouco a memória, para não esquecer os numerosos mártires da guerra civil espanhola, padres, freiras e leigos, trucidados pelo único motivo de serem cristãos; nem devem ser esquecidos os inumeráveis cristãos, que

22 22 foram vítimas dos regimes totalitários do século 20, os quais sempre viram na Igreja e nos cristãos fieis a ela um atrapalho para suas pretensões de poder total. E, só para lembrar, vamos retroceder um século na história, para encontrar mais de um milhão e meio de cristãos da Armênia, mártires de repressão político-religiosa, um verdadeiro genocídio, ainda mal reconhecido. Não ignoro que também há perseguição, repressão e martírio em relação a grupos religiosos, não cristãos. Eles merecem meu respeito e solidariedade. Minha reflexão, no entanto, refere-se à atual repressão sofrida pelos cristãos em várias partes do mundo. No conceito cristão, martírio não é suicídio, nem vida perdida em confronto com adversários; menos ainda, vida sacrificada por motivos ideológicos, em ato de violência contra outras pessoas. Mas é morte sofrida por causa das convicções religiosas. Os mártires cristãos, para serem assim reconhecidos pela Igreja, não devem manifestar ódio ou desejo de vingança contra quem os martiriza mas, a exemplo de Cristo na cruz, perdoar: Pai, perdoailhes, pois não sabem o que fazem (Lc 23,34). A Igreja valoriza a fé heróica e a fortaleza dos seus mártires. Existe até certa convicção formada entre os cristãos de que, quando não há mártires durante um período, isso poderia significar que as convicções cristãs ficaram diluídas e perderam vigor, acomodando-se às circunstâncias e ao ambiente: deixaram de ser sal da terra e fermento na massa (cf Mt 5,13). Se assim é, por que motivo, então, preocupar-se com as perseguições e martírios que os seguidores de Cristo sofrem? Os cristãos submetidos a violências, talvez, teriam a possibilidade de fugir, emigrar, mudar de religião, continuar cristãos deixando-se explorar como escravos; ou então, mantendo firme a sua fé, de perder a vida. No entanto, isso não pode ser exigido de ninguém. Atrás dos martírios, há um problema político-ideológico de violação grave dos direitos humanos, diante do qual, em boa parte, a comunidade internacional está se mantendo surda, calada e de braços cruzados. Nem mesmo tenho conhecimento de alguma manifestação de Autoridades brasileiras em relação a esse drama evidente. A liberdade de consciência e a liberdade para professar a própria fé, ou de não ter fé ou religião alguma, deveria ser garantida a todos. Trata-se de um direito humano fundamental, reconhecido pela ONU. Infelizmente, esta liberdade, talvez, é vista como secundária e, por isso, ou sacrificada diante de interesses estratégicos maiores... Cálculos perversos levam a violências sempre maiores. Não haverá paz verdadeira enquanto a liberdade religiosa não for respeitada e assegurada a todas as pessoas.

23 23 O QUE SE CELEBRA NA SEMANA SANTA DOM PEDRO BRITO GUIMARÃES, Arcebispo de Palmas (TO)

24 24 A Igreja Católica abre liturgicamente, com o Domingo de Ramos e da Paixão, a Semana Santa. Esse Domingo, portanto, é a porta de abertura e de entrada da Semana Santa. De forma muito breve, podemos afirmar que as ações litúrgicas da Igreja são, ao mesmo tempo, ações rememorativas (fazem memória litúrgica de um evento salvífico), demonstrativas (atualizam seus efeitos salvifícos) e prognósticas (abrem as portas do futuro escatológico). No Domingo de Ramos e da Paixão os dois mistérios centrais da vida de Jesus e, por conseguinte, da vida cristã, são rememorados, demonstrados e prognosticados. Na celebração da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, a Igreja faz, solenemente, o anúncio pascal da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Vejamos: Primeiro, Paulo, na Carta aos Filipenses, descreve o esvaziamento de Jesus, ao assumir a condição de escravo, fazendo-se igual ao homem, obediente até a morte de cruz (Fl 2,6-8). Marcos completa a tragicidade desta paixão, ao afirmar que Jesus entra em Jerusalém pequeno, humilde e pobre, montado num jumento (Mc 11,1-7). E em seguida, anuncia a sua paixão com todos os detalhamentos que ela comporta (Mc 15,1-39). Segundo, por causa disto, diz também Paulo que Deus o exaltou e lhe deu o nome que está acima de qualquer nome. E diante do nome de Jesus todo joelho se dobra no céu, na terra e nos inferno e toda língua proclama: Jesus Cristo é o Senhor para a glória de Deus Pai (Fl 2,9-11). Marcos completa esta informação dizendo que o povo, ao ver Jesus entrar triunfalmente em Jerusalém, estendeu seus mantos, espalhou seus ramos e gritou: Hosana (que literalmente significa: dá-nos a salvação )! Domingos de Ramos e da Paixão é, neste sentido, didático, catequético, litúrgico, pedagógico e propedêutico. Ao longo dos outros dias da Semana Santa, sobretudo a partir da quinta-feira santa, nas outras celebrações adicionais, tais como a bênção dos santos óleos, o lavapés, a adoração eucarística, a via-sacra e a encenação da paixão, o mistério da morte e ressurreição de Jesus, serão rememorados, demonstrados e prognosticados. Destacaremos, aqui, de forma muito breve, somente as três Páscoas: A Páscoa da Ceia: Na quinta-feira, celebramos a ceia do Senhor, a instituição do mandamento do amor fraterno e do sacerdócio ministerial. João, o evangelista, interpreta o sentimento mais profundo de Jesus, na última ceia, com as seguintes palavras: tendo Jesus amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim (Jo 13,1). Durante a ceia, Jesus cingiu-se com uma toalha e lavou os pés dos discípulos. Em seguida, comeu a páscoa com eles. Nesta celebração, comumente chamada de Páscoa da Ceia, Jesus se dá no pão e no vinho. Seu corpo e seu sangue já não são mais seus. Já foram dados. Portanto, Jesus sai da ceia literalmente morto. A Páscoa da Cruz: Na sexta-feira este sentimento de doação de Jesus chega ao seu ápice. Jesus não somente anuncia, introduz e simboliza, mas também realiza e expressa, de forma total e radical, esta sua sede de doação. É na celebração da adoração da cruz que a Igreja faz memória litúrgica da Páscoa da Cruz.

25 25 Os evangelistas traduzem, com palavras muito fortes, o que aconteceu na hora da morte de Jesus, ao afirmar que houve uma celebração fúnebre, da qual participou inteiramente a criação: uma escuridão cobriu a terra, o sol escondeu-se, o véu do templo rasgou-se em dois, a terra tremeu, os mortos ressuscitaram (Lc 23,45; Mc 15,38; Mt 27,51-52). Importante também foi a profissão de fé do centurião romano: verdadeiramente este homem era Filho de Deus (Mc 15,39). A morte na cruz, segundo o papa emérito Bento XVI, é um acontecimento cósmico e litúrgico. Depois disso, inicia-se o grande silêncio litúrgico. A Páscoa da Ressurreição: Todos os sentimentos de luto, de vigília, vividos em profundo espírito de contrição, comoção, obediência, luto e oração, são quebrados pelos brados de alegria e de aleluia, cantados nesta da vigília pascal que, segundo Santo Agostinho, é a mãe de todas as vigílias. O clima litúrgico se transforma totalmente quando a comunidade cristã proclama, solenemente, a ressurreição de Jesus. Trata-se, pois, de uma solene celebração de vigília. Destacamos aqui a celebração da luz, da água, da renovação das promessas batismais, da Palavra, em abundância, na qual se faz memória da criação, da libertação do Egito e em crescendo, se passa por todas as fases salientes da história da salvação, até chegar à glória da ressurreição. Quem chega a crer na ressurreição, crê no mistério final e sublime da fé cristã e chega ao ponto mais alto da espiritualidade cristã. É tudo isto que celebramos na Semana Santa. Depois desta solene noite santa, tudo passa a ser páscoa, ressurreição e vida nova, até que se complete cinquenta dias.

26 INICIAÇÃO CRISTÃ 26 Eu vim atear fogo ao mundo! CORRA O RISCO E QUEIME-SE! Que o fogo do coração de Jesus se propague por toda a terra! por Liana Plentz

27 27 Será que deixar que esse fogo de Jesus vá se apagando em nós não será o nosso grande pecado? Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Eu vim atear fogo ao mundo: e oxalá já estivesse ardendo! Preciso pas sar por um batismo, e como me angustio até que se cumpra! (Lc 12,48-49). Jesus se esforçava por transmitir o fogo que ardia em Seu coração enquanto caminhava pela Galileia. Certamente, a Sua vontade é que esse fogo queime realmente, que se propague por toda a Terra e que o mundo inteiro se inflame. Jesus quer que ninguém o apague, mas principalmente que ele não se apague no coração de Seus discípulos missionários! Esse fogo que arde em Seu interior é a paixão por Deus e a compaixão pelos que sofrem. Só quem se aproxima de Jesus com os olhos abertos e o coração desperto pelo Seu amor é capaz de compreender essa paixão que o move e o faz viver buscando o reino de Deus e Sua justiça até à morte. Para que serve uma Igreja de cristãos instalados comoda mente na vida, sem paixão alguma por Deus e sem com-paixão pelos que sofrem? Para que se precisa no mundo de cristãos incapazes de atrair, trans mitir luz ou oferecer calor? Para conhecer o poder transformador que o Mestre quis introduzir na Terra é preciso deixar-se queimar por Jesus. Só assim pode-se descobrir o aspecto mais apaixonante do Evangelho. E irradiar o mesmo fogo ao redor, na comu-nidade, na Igreja.

28 28 Olhemos para Jesus e deixemo-nos queimar, deixemos o nosso coração arder: Quando escutarmos Sua palavra viva e penetrante; Quando o frescor de Suas ima gens e parábolas tomar conta de nossa mente; Quando nos dermos conta da Sua linguagem concreta e imprevisível que não engana; Quando nos deixarmos contagiar pela Sua paixão pela vida: uma vida íntegra, vigorosa, sadia, a vida vivida em abundância: Vim para que tenham vida, e a tenham em abundância ; Quando conseguirmos sentir Deus como Pai e assim nos dermos conta de que todos os outros são nossos ir-mãos; Quando desistirmos de buscar o êxito, o útil, o razoável, e nos libertarmos do que os outros acham e do que os outros fazem e buscarmos uma vida feliz para todos, sem exceção, uma vida pautada no amor. Jesus nos chama a viver o amor sem restrições. Não basta buscar a perfeição, vivendo corretamente. É preciso escutar a voz do coração. Ir além do esperado: Amai os inimigos. Buscai o bem de todos. A mensagem de Jesus, se acolhida em nosso coração, em nossa vida, sacode, causa impacto e transforma. Mostra-nos um estilo de vida, um caminho a seguir, um caminho de transformação. Quem segue Jesus traz a revolução do amor em seu coração, e vai buscar uma sociedade mais justa. Vai viver buscando ardentemente que o fogo aceso por Ele arda cada vez mais neste mundo. Mas, como isso pode acontecer sem uma transformação radical? O fogo que Jesus deseja ver arden do sobre a Terra, é o amor que está no centro do Evangelho. Um amor que não combina com passividade, mediocridade ou rotina da boa ordem. Não podemos esquecer em nenhum momento de que Deus está perto de nós. Ele é que faz germinar, crescer e frutificar o amor e a justiça do Evangelho. É justamente essa presença de um Deus que não fala de vingança, mas de amor apaixo nado e de justiça fraterna, o que há de mais essencial no Evangelho. Assim Jesus contempla o mundo: cheio da graça e do amor do Pai. Essa graça e esse amor são a força criadora que vai fermentando a mas sa, como um fogo aceso que deve fazer arder o mundo inteiro.

29 29 Qual o sonho de Jesus? Uma família humana na qual habita o amor e a sede de justiça. Uma so ciedade que busca apaixonadamente uma vida mais digna e feliz para todos. Nós, seguidores de Jesus, não deveríamos perder a confiança e o ânimo. Esta sociedade está necessitada de testemunhas vivas que nos ajudem a continuar acreditando no amor, porque não há horizonte para o ser humano se ele acabar perdendo a fé no amor. Eu vim atear fogo ao mundo: e oxalá já estivesse ardendo! Coloquemo-nos diante de Jesus, em oração, e demos-lhe uma resposta a esta sua convocação. Como estamos alimentando esse fogo dentro de nós? Em nossa vida e testemunho? Temos espalhado esse fogo ao nosso redor? O que pode aumentar em nós o amor a Jesus? Com o que nos compromete essa Palavra de Deus refletida hoje? O importante é que você, leitor, não permita que este seja apenas mais um texto de reflexão que você leu. Tome uma decisão! Aceite a transformação radical que Jesus quer fazer em você! Aceite deixar que o Seu amor tome conta de você! Totalmente! Corra o risco e queime-se! Aceite ser uma testemunha viva que ajuda os outros a acreditar no amor! Liana Plentz Jornalista, catequista, especialista em ensino religioso. Coordenadora da iniciação à vida cristã do Vicariato de Porto Alegre. Secretária da Animação Bíblico-catequética do Regional Sul 3 da CNBB. Como podemos aumentar o fogo nos irmãos de fé e caminhada?

30 ROTEIROS CATEQUÉTICOS 30 Parte II RITOS DE ENTREGA NA CATEQUESE por Ângela Rocha Resgatando o assunto dos ritos e celebrações na catequese que iniciamos na 7ª edição da revista vamos falar agora das FESTAS E CELEBRAÇÕES! ACESSE O SITE

31 31

32 32 As celebrações possibilitam um ambiente rico em símbolos litúrgicos e sinais que manifestam os valores fundamentais do Evangelho e levam ao entendimento do momento sagrado que se vive. Portanto, é necessário que se crie um itinerário celebrativo que proporcione aos catequizandos viver a fé de um modo mais ativo e prático. Dessa forma o aprendizado se dará tanto pelas palavras que ouvem, quanto pelo ambiente de fé que os rodeia. É a união da teoria com a prática. Durante muito tempo vivemos uma catequese exclusivamente teórica, o que ocasionou uma separação entre catequese e liturgia. Em princípio, vamos pensar esse itinerário como intrínseco à própria implantação da IVC nos moldes do catecumenato na paróquia. Onde isso ainda não é possível, gradualmente, podem-se inserir pequenas celebrações e entregas no processo catequético. Para isso, é necessário que os catequistas e presbíteros conheçam intimamente o RICA Ritual de Iniciação Cristã de Adultos. O RICA, apesar de ser um ritual basicamente para adultos, pode ter seus rituais e celebrações adaptado para as crianças (cf. item 312). Aliás, ele traz um capítulo dedicado à iniciação de crianças em idade de catequese. Mas, vamos separar as celebrações em três tipos: - Celebrações catequéticas (momentos celebrativos): podem iniciar ou concluir um conjunto de temas dos encontros catequéticos. São celebrações que podem acontecer no ambiente dos encontros com ou sem a presença da família, líderes das pastorais e da comunidade catequética. Essas celebrações resgatam os principais temas do itinerário catequético. Ex.: acolhida dos novos catequizandos e famílias, celebração mariana (mês de maio), celebração dos Sete Sacramentos, dos Mandamentos, do Mandamento do Amor, das Bem-aventuranças, etc. - Celebrações de entrega (festas): são celebrações de caráter mais público, feitas perante a comunidade eclesial e que expressam o compromisso pessoal com a Igreja/comunidade. O ideal é que sejam celebrações eucarísticas, com monição especial do padre e participação da assembleia. Nelas podem ser feitas as entregas: da Cruz, da Bíblia, do Painosso, do Credo, conforme a caminhada catequética e o amadurecimento dos catequizandos ao entendimento de cada um desses símbolos da fé. Normalmente essas entregas adaptam-se a cada uma das etapas da catequese (anos/séries/ tempos). Essas celebrações devem se moldar à estrutura da Santa Missa, sem comprometer seu caráter litúrgico, em seus quatro grandes momentos: ritos iniciais, liturgia da palavra, liturgia eucarística e ritos finais.

33 Folha 33 - Celebrações de preparação próximas dos Sacramentos: são celebrações que proporcionam um aprofundamento mais intenso sobre o sacramento que será celebrado. O RICA orienta que essas celebrações sejam feitas na Quaresma, por ser o tempo próprio da Iluminação, tempo para se preparar para os sacramentos de iniciação desde a Igreja primitiva. Orienta-se também que os sacramentos da Eucaristia e a Confirmação sejam celebrados no tempo pascal, assim, o ano catequético fica desvinculado do ano escolar, valorizando a catequese como processo de iniciação à vida cristã e tirando seu caráter de aula de religião ou escola de sacramento e doutrina. Exemplos de celebrações: celebração penitencial (confissões, tanto para Eucaristia quanto para a Crisma), celebração do pão (para valorizar a Eucaristia); para a Crisma as celebrações da água, da luz, da Ressurreição, vigília crismal, etc. Todas essas celebrações e momentos celebrativos devem ser entendidos como expressão orante dos conteúdos trabalhados na catequese. É necessário encontrar o momento ideal, dentro do itinerário anual (planejamento), para realizar a celebração. Lembrando que não se celebra aquilo que não se entende e que, além dos catequizandos, a família também precisa ser preparada para estes momentos. O objetivo principal da catequese e das celebrações é levar o catequizando a uma verdadeira experiência de encontro ~ ~ com Jesus Cristo. Deve-se cuidar com muito zelo para que as celebrações não se transformem em apenas leituras e encenações. A acolhida deve ser fraterna e verdadeira, o ambiente deve ser bem preparado e agradável, os catequizandos devem ser envolvidos de forma a serem participantes ativos e não expectadores ou atores que decoraram a fala. É essencial, também, que se proporcione um ambiente de profunda espiritualidade, de profunda oração, usando recursos e leituras adequadas: as Sagradas Escrituras, símbolos, mantras (refrões), músicas, orações, etc.; que se ensine os catequizandos a conversar com Deus, a sentir a presença Dele em suas vidas, a entender Jesus Cristo e a valorizar a devoção mariana. Em todas as celebrações o ambiente deve estar preparado e adequado ao tema que

34 34 se quer celebrar, sempre com a presença dos símbolos cristãos: a Bíblia, a cruz, flores, velas, trigo e pão, uva e vinho, imagem de Maria, etc. Em cada uma das celebrações a organização deve nomear previamente o comentarista (catequista, pai, mãe, catequizando, membro da comunidade) e distribuir previamente a cada um a sua participação, para que não se faça nada de improviso. Os comentários devem ser uma referência e não devem inibir a espontaneidade, importante para a celebração. No entanto, há que se cuidar, também, para que não aconteçam discursos longos e desnecessárias explicações sobre os símbolos apresentados. Símbolo não se explica. Se o fizermos, significa que ele não simboliza aquilo que queremos. FONTE: SAGRADA CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVINO. RICA Ritual da Iniciação Cristã de Adultos. São Paulo: Paulinas, Também se deve escolher músicas e cantos adequados ao momento que está sendo celebrado. Mantras e refrões ajudam a interiorização e conduzem à oração. Quando as celebrações forem integradas à celebração litúrgica (Missa) deve-se cuidar para que elas não interfiram no ritual da Santa Missa, mas, sim, complementem a liturgia. O padre celebrante deve estar perfeitamente integrado ao processo de catequese de iniciação à vida cristã e conhecer o RICA para que as celebrações não sejam comprometidas. As celebrações de entrega na Missa não podem, de forma alguma, ser motivo de estresse entre catequistas e padre. Na PARTE III, começaremos a falar das principais celebrações a ser realizadas: acolhida dos catequizandos e entrega dos símbolos, Pai-nosso e Credo. Ângela Rocha Catequista e formadora na Paróquia N. Sra. Rainha dos Apóstolos em Londrina-PR. Especialista em catequética pela FAVI, Curitiba-PR. Administradora do grupo Catequistas em Formação.

35 Com o ijuventude você tem acesso ao mais completo conteúdo católico jovem, atualizado diariamente e em sintonia com a Jornada Mundial da Juventude. Saiba tudo sobre as JMJs (história, símbolos, ouça os hinos) e fique ligado nas notícias sobre a próxima, que acontecerá na Cracóvia em Na seção #Fé você tem acesso aos textos do Papa, orações para os jovens, aprofundamento sobre a Santa Missa, instruções para uma boa Confissão e como rezar o Rosário, e artigos atualizados sobre o tema Juventude. A seção Cristoteca é um playlist com mais de 100 músicas católicas para escutar gratuitamente na hora que quiser. O ijuventude também traz num só lugar todas as rádios e tvs católicas que transmitem o seu sinal pela internet. Interaja nas redes sociais, acesse os principais sites católicos e participe do cadastro de jovens. E, ainda mais: receba promoções e descontos exclusivos para os usuários do aplicativo. Baixe grátis. Compartilhe e divulgue essa novidade aos seus amigos!

36 CRISTOLOGIA 36 por Márcio Oliveira Elias

37 37 A dificuldade da moderna historiografia é a sua recusa em reconhecer a superioridade da base histórica do cristianismo, tal como o conhecemos, bem como o fundamento bíblico sobre o qual está edificada a pessoa de Jesus, em contraposição ao conjunto de informações de tantos outros personagens aceitos como históricos, apesar de pautados somente em indícios. Os escritos do Segundo Testamento são o testemunho autêntico da caminhada histórica de uma comunidade, embasada em fatos e acontecimentos vividos por um homem-deus: Jesus Cristo. Percebemos nos relatos dos Evangelhos que em Jesus interagem harmoniosa e, paradoxalmente, a humildade e a sublimidade, o humano e o divino. Nele, a humanidade é o portal de entrada para a divindade; o transcendente que se manifesta no meio terreno, numa integração de reconhecimento e alteridade. Envolver Jesus com auréolas ou magnanimidade celestes seria privá-lo do mais humano, pois o divino irrompe exatamente por meio de Seus passos terrestres. Sua filiação divina não o retira do tempo e do espaço, nem o torna distante do comum dos mortais; ao contrário, solidariza-o em amorização com todos, sem exceção. O Deus Criador se fez um ser humano, criatura: chorou, sorriu, alimentou, sofreu, amou, compartilhou de todos os sentimentos, fraquezas e grandezas humanas. Sendo homem, evidenciou Deus; sendo Deus, proclamou uma humanidade que transcende a matéria e nasce no espírito: o amor ágape da autodoação. Sua humanidade semeia a fé por Sua divindade; mais do que conflitivas, a humanidade e a divindade são completivas. O astrônomo e pensador Galileu Galilei nos deixou uma sábia reflexão sobre o desprendimento divino: Todo homem quer ser rei; todo rei quer ser Deus; só Deus quis ser homem. A presença de Jesus no contexto histórico da humanidade veio mostrar que todos nós podemos nos tornar divinos. Mas o caminho de nossa divinização exige de nossa parte a mais profunda humanização. É difícil para alguém perceber que Sua proposta de amor, perdão, justiça, igualdade e fraternidade encontrou uma grande resistência, justamente por parte daqueles que falam e agem em nome de Deus. Ele fez, antes de tudo, um enfrentamento religioso com as autoridades religiosas de Sua época, mas também estremeceu os acomodados e injustos alicerces sociais e políticos instalados. Carregar a cruz, como escolha no caminho de Jesus, é abraçar a responsabilidade da missão que ele próprio aceitou. Sua adesão ao compromisso do projeto de vida plena não O desviou das dificuldades que podiam ser modificadas, mas que não seriam extintas. Carregar a cruz foi romper com os milênios de animalidade sedimentada na estrutura da alma humana, principiando acender a luz pela fidelidade em servir e amar incondicionalmente. Não recebemos a redenção por intermédio de nossos méritos, mas em razão da pura misericórdia que Deus nos concedeu. No empreendimento histórico que está sendo analisado, observamos que o judaísmo não era somente uma religião,

38 38 mas uma estrutura sagrada com bases em ligações hierárquicas, econômicas e de direito social. Distanciando-nos do sentido moderno da religião, o judaísmo era uma estrutura de sacralidade familiar, em que os padrões existenciais de conduta formatavam as relações interpessoais na morada judia. Assim sendo, nesse contexto, em um momento de intensa desintegração social, que se distanciava de uma economia de subsistência familiar para uma nova economia mercantil, o evento Cristo aconteceu para conduzir um movimento messiânico, especialmente interessado na comunhão de todos, principalmente junto aos excluídos sociais; essa movimentação implicou uma ruptura com a estrutura de sacralidade familiar judia, que assim marcou toda a Sua caminhada. As afirmações de que os judeus eram intransigentes, defensores de um Deus caracterizado pela falta de misericórdia, são historicamente equivocadas. Os judeus daquela época, de uma maneira geral, eram partidários de uma ordem social justa e exigente, ao encontro da conformidade da lei mosaica relacionadas ao Templo e ao sagrado. Nessa perspectiva, Jesus não aceita as normas tradicionalistas promulgadas pelas autoridades religiosas, buscando inserir na comunidade os marginalizados e párias excluídos, que eram abundantes naquele momento de intensa crise econômica, cultural e familiar. Dessa maneira, Jesus desponta como um homem conflituoso e perigoso em face da ordem religiosa e social vigentes. Exatamente por isso foi rejeitado e condenado pelas autoridades como subversivo.

39 39 Ao refletirmos sobre as atitudes de Jesus, reconhecemos o melhor de nós mesmos enquanto criaturas criadas, sustentadas e habitadas por Deus, já que todos nós temos a nossa chance de progredir na consciência do bem, pois nascemos pelo sopro divino para progredir, para sermos melhores do que jamais fomos. Essa é a ordem natural que Jesus aponta em Sua caminhada redentora. Somos parte de Deus, temos as virtudes e as qualidades divinas em nosso interior, portanto, há que se compartilhar esses dons com todos, por todos e por nós mesmos. Não há como se aproximar de Jesus sem sentir-se atraído e fascinado por Sua pessoa, pelo carinho, pela delicadeza e ternura com que trata os outros, independentemente de seu gênero, etnia ou religião. O que importa é o contato vivo com sua pessoa, sem cair em abstrações metafísicas ilusórias ou analgésicas, pois o que ocupa o lugar central na vida de Jesus não é Deus simplesmente, mas Deus com seu projeto sobre a história humana. A transcendência e a ação caminham conectadas ao plano salvífico proclamado na encarnação. A fé em Jesus Cristo não deveria limitar-se a uma simples confissão doutrinal da Sua divindade, muito menos o conhecimento de Jesus se limita ao conhecer exterior e racional de Sua pessoa. Crer em Cristo de maneira concreta é viver como cristão, no seu seguimento completo ao projeto de Deus para a humanidade. A fé nesse homem só pode ser entendida como vida configurada segundo o seu evangelho, numa aderência existencial à sua pessoa e ao reino por ele proclamado, como resposta ao sentido da existência humana. Jesus foi um homem de extraordinários dons, influenciando a comunidade de Seu tempo, partindo da periferia da Galileia em direção ao centro social e religioso: Jerusalém. Os milagres ou sinais são o gérmen da Sua vida, que são reconhecidos por muitos e renegados por outros tantos, mas essencialmente compreendidos por seus discípulos como compromisso de vida e liberdade aos excluído e oprimidos, ou seja, como um sinal da chegada do Reino de Deus. A interpretação dos sinais (milagres) apontados em Jesus pode variar, mas eles são o pano de fundo de qualquer pesquisa em todos os tempos. A Palavra encarnou na história, tornando-nos assim partícipes da gloriosa caminhada salvífica. REFERÊNCIAS: BARBAGLIO, G. Jesus, hebreu da Galileia. 19 ed. São Paulo: Paulinas, BINGEMER, M. C. Jesus Cristo: servo de Deus e messias glorioso. São Paulo: Paulinas, BOFF, L. Jesus Cristo libertador. Petrópolis: Vozes, LIBANIO, J. B. Linguagem sobre Jesus. São Paulo: Paulus, RATZINGER, J. Jesus de Nazaré. São Paulo: Planeta, Márcio Oliveira Elias Mestre em teologia bíblica pela Pontifícia Universidade Urbaniana de Roma.

40 PERSEVERANÇA 40 E DEPOIS DA PRIMEIRA EUCARISTIA? Perseverança na catequese por João Melo

41 41 Grande é o empenho de nossas comunidades na tarefa de catequizar. E isso é muito bom! Porém, é bem verdade que a maior parte dos esforços dos catequistas de hoje estão voltados para a catequese de crianças, principalmente de Primeira Eucaristia. As crianças dessa fase merecem e precisam da nossa atenção, acolhida e carinho. Mas, e depois da Primeira Eucaristia? Por que há poucos catequistas dedicados as iniciativas com pré-adolescentes e adolescentes que terminaram a catequese de Primeira Eucaristia e ainda não têm idade para a catequese de Confirmação? Na verdade, nós é que voltamos a nossa atenção quase que exclusivamente às crianças que se preparam para a Eucaristia e acabamos por desvalorizar as outras modalidades e fases de catequese. Podemos destacar duas razões para isso ocorrer:

42 42 1 CATEQUESE SACRAMENTALIZADORA Trata-se da compreensão de que a catequese tem como maior objetivo preparar para receber os sacramentos. Ora, isso não é verdade, o objetivo da catequese é sempre evangelizar, isto é, fazer novos discípulos de Jesus Cristo. É preciso passar de uma catequese sacramentalizadora para uma catequese evangelizadora. Infelizmente percebemos que uma catequese que não resulta em um sacramento tem pouco ou nenhum esforço da comunidade. Receber os sacramentos é consequência de um caminho de seguimento de Jesus; 2 ESCOLARIZAÇÃO DA CATEQUESE CATEQUESE SACRAMENTALIZADORA Por mais que se diga o contrário, a nossa prática pastoral denuncia que a maior parte dos catequistas do Brasil ainda encara e organiza o processo de catequese como curso de inspiração escolar. Isso é tão verdade que insistimos em ritmar a catequese de acordo com o período escolar quando começa, tempo de férias, quando termina, etc. e não conforme o ano litúrgico. Essa mentalidade acaba por transformar a grande celebração da Primeira Eucaristia em conclusão de curso. Como na catequese com adolescentes que já terminaram a iniciação eucarística não acontece uma celebração desse tipo, o interesse dos catequistas por essa etapa diminui muito.

43 43 O GRANDE DRAMA É CONTINUAR O CAMINHO... Há inúmeras iniciativas de propostas catequéticas com esses adolescentes pelo Brasil afora e no fim desse texto pretendo elencar algumas. No entanto, para a maior parte das comunidades o desafio permanece: qual itinerário temos para oferecer aos adolescentes que terminam a catequese de iniciação à eucaristia? É comum ouvir catequistas dizendo que depois da Primeira Eucaristia que às vezes lamentavelmente parece mais uma formatura de conclusão de curso os iniciandos vão-se embora e não aparecem mais. Existe uma série de elementos que causam essa dificuldade, mas, em geral, essa atitude é resultado de um processo de catequese falho que não conseguiu iniciar na fé e na vida cristã os iniciandos e suas famílias. Aqueles que durante a catequese de Eucaristia apaixonaram-se por Jesus e aprenderam a amar a Palavra de Deus certamente vão perseverar nas iniciativas que a comunidade lhes oferecer.

44 44 O QUE GeraLMENTE acontece DEPOIS DA PRIMEIRA EUCARISTIA: Para planejar e então propor um itinerário catequético a esses pré-adolescentes e adolescentes é necessário descobrir o que exatamente acontece com eles depois que terminam a catequese de Eucaristia. Costuma ser assim:

45 45 1 Os de malas prontas. São aqueles iniciandos que você percebe desde os encontros de catequese eucarística que, assim que a catequese acabar, eles irão zarpar para bem longe e não dar mais as caras... Dificilmente voltam para a catequese de Confirmação; 3 Os com a mão na massa. São engajados nas pastorais ou movimentos, têm grande disposição e vontade de doar-se. Gostam de estar na igreja e logo fazem amizades com os membros da comunidade. É comum que iniciandos com essa atitude tenham grande maturidade e facilidade de relacionar-se. Sem dúvida farão a catequese de Confirmação; 5 Os turistas. Esses aparecem de vez em quando. Você sabe que um dia vão voltar... Em casamentos, Missas de sétimo dia, festas, eles aparecem. Alguns acabam fazendo a catequese de Confirmação. 2 Os que não largam o osso. A catequese de Eucaristia acabou para eles, mas a realidade não é bem assim. Eles continuam vindo aos encontros. Muitos acabam por serem ajudantes em novas turmas. Normalmente os iniciandos que não largam o osso fazem isso porque a comunidade não tem uma proposta de catequese adequada para sua fase; 4 Os telespectadores. Esses vêm religiosamente à Missa do domingo. Mas é isso. Grande parte está acompanhada da família. Preferem não tomar parte das atividades pastorais da comunidade. A maior parte faz catequese de Confirmação;

46 46 O EUNUCO ETÍOPE E FILIPE (AT 8,26-39) O episódio bíblico do encontro entre o eunuco e Filipe é de especial importância porque a partir dele podemos estabelecer um roteiro para a catequese com préadolescentes e adolescentes que terminaram a catequese de Eucaristia. Nesse trecho o personagem com quem Filipe dialoga já possui alguma experiência de fé que, no entanto, precisa ser aprofundada, assim como nossos iniciandos, que, terminada a catequese eucarística, precisam aprofundar no seguimento e discipulado de Jesus Cristo. Vejamos o trecho:

47 47 26 Um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Prepara-te e vai em direção do sul. Toma a estrada que desce de Jerusalém a Gaza. Ela está deserta. Filipe levantou-se e foi. IGREJA EM SAÍDA por Papa Francisco Filipe é um evangelizador itinerante que parece estar à procura de novas pessoas para evangelizar. Nos dias de hoje, diríamos que ele compreende bem o que o Papa Francisco diz sobre uma Igreja em saída. A estrada de que o texto fala é um caminho deserto de aproximadamente 100 km. Filipe prepara-se e vai. Prepara-te! : para nós isso significa pensar, estudar e planejar a proposta de catequese que queremos propor. Daí é que nasce o objetivo da nossa proposta. Filipe sabia que devia ir em direção do sul e como lá chegar, tomando a estrada que desce de Jerusalém a Gaza. Onde queremos chegar com a catequese de pré-adolescentes e adolescentes iniciados à Eucaristia? Qual o caminho, isto é, como fazer? Qual o método? 27 Nisso apareceu um eunuco etíope, alto funcionário de Candace, rainha da Etiópia, e administrador geral do seu tesouro. Ele tinha ido em peregrinação a Jerusalém. 28 Estava voltando e vinha sentado no seu carro, lendo o profeta Isaías. Um eunuco era um servo, preparado desde cedo para ser um funcionário por toda sua vida. Esse eunuco era o tesoureiro da Etiópia, uma posição de prestígio, sob o reinado da rainha. Candace era o título real da rainha, assim como faraó era o título real do rei do Egito. Sem dúvida o eunuco era um homem culto e também muito religioso, pois viajou centenas de milhas através de montanhas e desertos para adorar em EU VOU Música Garotada Missionária Jerusalém, cidade onde ficava o templo dos judeus. Além disso, é alguém que tem contanto com as Sagradas Escrituras, pois está lendo Isaías durante a viagem. Tudo isso nos ajuda a perceber que é preciso sempre começar a catequese a partir da pessoa concreta, em sua realidade. É preciso conhecer pessoalmente e levar em consideração a vivência e as experiências de vida de cada pessoa. O catequista de pré-adolescentes e adolescentes iniciados à eucaristia conhece cada um dos seus iniciandos e sabe o suficiente da experiência religiosa de cada um. Os iniciandos dessa modalidade ou fase de catequese já passaram por uma etapa de catequese de iniciação antes. É preciso ter isso em conta. Não faz sentido agir como se toda a catequese anterior não existisse ou fosse vã. É preciso valorizar as experiências que eles tiveram e partindo delas, aprofundá-las.

48 48 29 Então o Espírito disse a Filipe: Aproxima-te desse carro e acompanha-o. 30 Filipe acorreu, ouviu o eunuco ler o profeta Isaías e perguntou: Tu compreendes o que estás lendo? O coração do eunuco parece vazio; sentando-se na carruagem, procurou as Escrituras em busca de sentido. A frequente insuficiência evangelizadora das catequeses de iniciação à Eucaristia, sobretudo aquelas que ainda seguem um modelo tradicional de doutrinação que tem pouca ou nenhuma ligação com a vida, geram cristãos vazios de fé e de esperança. Acompanha-o! Essa é a recomendação do Espírito Santo para a ação evangelizadora de Filipe e também à nossa! Aproximarse, fazer-se próximo, amigo, caminhante, nem que seja preciso acorrer um pouco. Colocar-se lado a lado para ouvir, ser sensível à realidade e então despertar e aprofundar a fé. 31 O eunuco respondeu: Como poderia, se Ninguém me orienta? Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele. Aqui já é possível perceber a adesão de fé do eunuco e os frutos que produzirá. Ele sentiu uma profunda necessidade de encontrar-se, pois é ele quem chama Filipe para sentar-se a seu lado. A Palavra de Deus o seduz (cf. Jr 20,7), a sede (cf. Jo 4, 15), a paixão e o gosto pelas coisas do alto (cf. Cl 3,1) fazem com que o próprio eunuco busque aprofundar a Palavra de Deus. Que alegria para um catequista quando ele percebe o amor de seus iniciandos pela Palavra de Deus e pela catequese! 32 A passagem da Escritura que o eunuco estava lendo era esta: Ele foi levado como uma ovelha ao matadouro, e, qual um cordeiro diante do seu tosquiador, emudeceu e não abriu a boca. 33 Eles o humilharam e lhe negaram justiça. Seus descendentes, quem os poderá enumerar? Pois sua vida foi arrancada da terra. Era um trecho do profeta Isaías (53, 7-8) que Filipe também conhecia. O episódio desse encontro mostra a importante de conhecer a Sagrada Escritura e interpretar a Palavra. O eunuco queria conhecer a Sagrada Escritura, ele precisava de alguém para auxiliá-lo em explicar o texto. É isso que é catequizar. A Sagrada Escritura é o livro por excelência da catequese, por isso é preciso que o catequista conheça a Palavra de Deus, busque os ensinamentos da Igreja. Diz o Papa Emérito Bento XVI: Na base de toda a espiritualidade cristã autêntica e viva, está a Palavra de Deus anunciada, acolhida, celebrada e meditada na Igreja (Verbum Domini, n. 121). 34 E o eunuco disse a Filipe: Peço que me expliques de quem o profeta está dizendo isso. Ele fala de si mesmo ou se refere a algum outro? 35 Então Filipe começou a falar e, partindo dessa passagem da Escritura, anunciou-lhe Jesus. É graças à interpretação da Sagrada Escritura feita por Filipe que o eunuco adere à fé em Jesus Cristo. Filipe conhece e interpreta o texto de tal maneira que conduz ao encontro pessoal com Jesus Cristo.

49 49 Nenhuma catequese esgota o conhecimento ou o aprofundamento da Palavra de Deus. De fato, aqui estão também o núcleo e o conteúdo fundamental da catequese com préadolescentes e adolescentes iniciados à Eucaristia: o anúncio de Jesus Cristo. Por meio das Sagradas Escrituras, sobretudo pelo Novo Testamento, anuncia-se a Páscoa de Jesus, Sua morte e ressurreição, enquanto com o Antigo Testamento se aprofunda o início da história da Salvação. 36 Eles prosseguiram o caminho e chegaram a um lugar onde havia água. Então o eunuco disse a Filipe: Aqui temos água. Que impede que eu seja batizado? 37 Respondeu Filipe: Crês de todo o coração? Respondeu o eunuco: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus. O texto narra que eles prosseguiram o caminho. Não sabemos com precisão quanto tempo foi que caminharam e assim está bom. Não há um tempo determinado para amadurecer e aprofundar a fé, há, na verdade, um caminho a ser feito. O tempo que se gasta nesse caminho itinerário catequético não pode ser definido porque não é igual para todos. Cada um caminha ao seu tempo, assim também é a catequese com pré-adolescentes e adolescentes iniciados à Eucaristia. Aqui temos água, diz o texto. Ora, o caminho de Jerusalém a Gaza (At 8,26) é um caminho deserto. Mas agora surge água. Do mesmo modo, no texto sagrado incompreensível que o eunuco lia, agora brota um sentido iluminar que sacia a sua sede de Deus. O que era estéril ganha vida nova! As experiências de catequese anteriores podem ganhar novas cores a partir da catequese pós-iniciação eucarística. 38 O eunuco mandou parar o carro. Os dois desceram para a água e Filipe batizou o eunuco. 39 Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe. O eunuco não o viu mais e prosseguiu sua viagem, cheio de alegria. Filipe agiu pela ação do Espírito Santo, que o arrebatou. Isso significa que ele era movido e agitado pelo Espírito com rapidez e perspicácia, ou seja, sua catequese é antes de tudo resultado do seu testemunho de fé e da sua comunhão com Deus. Nesse trecho é evidente que a recepção do sacramento é consequência de um caminho de evangelização e não fim último em si mesmo. A viagem continua para o eunuco e também para Filipe da mesma forma que o caminho de seguimento de Jesus Cristo de nossos iniciandos e igualmente o nosso também continua. O eunuco é claramente a imagem de quem nos dias de hoje continua buscando a Deus. O sinal de vida nova que traduz a sua experiência de encontro com Cristo é a alegria que como nos ensina o Papa Francisco, enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus (Evangelii Gaudium, n. 1).

50 50 PASSOS PARA UMA CATEQUESE COM PRÉ-ADOLESCENTES E ADOLESCENTES INICIADOS À EUCARISTIA: 1) Reunir os envolvidos e bem planejar a proposta de catequese que se quer propor; 2) Conhecer pessoalmente cada iniciando tendo em conta a vivência e as experiências religiosas de cada um; 3) Propor um itinerário que aproxime catequistas e iniciandos e estes entre si, que possa suscitar a amizade e a estima entre todos; 4) Provocar o desejo e o gosto dos iniciandos pela catequese e pela intimidade com a Palavra de Deus; 5) Promover encontros envolventes e dinâmicos que ao mesmo tempo sejam de profunda experiência de contato com a Palavra de Deus; 6) Privilegiar o anúncio da Boa Nova Pascal de Jesus Cristo, morto e ressuscitado, mas também de toda a história da Salvação, desde o Antigo Testamento; 7) Respeitar e estar atento à maturidade de fé de cada iniciando, sem ter pressa para passar para a catequese de confirmação; 8) Abrir-se à ação criativa do Espírito Santo que inspira-nos a abraçar novos métodos e técnicas de acordo com a faixa etária e a linguagem dos adolescentes;

51 51 O QUE JÁ FAZEM POR AÍ... A catequese de iniciação à vida cristã de inspiração catecumenal sugere um tempo mistagógico após a celebração dos sacramentos; na prática, isso significa dizer que os encontros de catequese não se enceram no dia da Primeira Eucaristia, eles continuam por um período suficiente para aprofundar os mistérios celebrados. Só depois é que efetivamente se conclui essa fase de catequese iniciática e dá-se início ao tipo de catequese de que aqui estamos falando. QUADRO GERAL DA INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ Essa modalidade de catequese com adolescentes já iniciados à Eucaristia, em muitas comunidades, é chamada de catequese de perseverança, que normalmente é um período catequético para pré-adolescentes e adolescentes que ocorre entre a catequese de iniciação eucarística e a catequese de Confirmação. Trata-se de uma proposta válida de crescimento de fé, sabedoria e graça diante de Deus (cf. Lc 2,52). A natureza dessa catequese tem que ser entendida à luz do seu nome, perseverança... Do latim perseverantia, diz respeito ao ato de manter-se constante e firme ao longo de um projeto já iniciado. O projeto é seguir Jesus Cristo! Perseverança é sinônimo de luta, esforço e sacrifício e seguir Jesus é muito disso tudo mesmo... Mas a perseverança é, sem dúvida também, um caminho para a satisfação, pelo prazer e pela felicidade que proporciona. Dessa forma, a catequese de Perseverança não pode ser vista como uma catequese menos importante, negligenciada ou pouco pensada e estruturada.

52 52 PROPOSTAS QUE DERAM CERTO: Infância e Adolescência Missionária; CANAL DE VÍDEOS DO BLOG DA GAROTADA MISSIONÁRIA Ministério de leitores infantojuvenis que se reúnem semanalmente para a leitura orante da Bíblia; Ministério dos acólitos (coroinhas): na Paróquia Santo Antônio de Pádua, da Vila Mafra, em São Paulo, os iniciandos só podem ingressar no grupo dos coroinhas depois da catequese de Eucaristia. Além da saudável expectativa, essa medida pedagógica realça a ligação entre servir o altar e a Eucaristia, pois os adolescentes que são acólitos também comungam do Corpo e Sangue do Senhor; Grupos por afinidades: grupos de teatro, de música, coral infantojuvenil, de vivências missionárias, etc. Isso não significa que não possa haver um único grupo que faça um pouco de todas essas coisas. O Projeto Lectionautas, que propõe orientações para a leitura orante comunitária da Palavra de Deus, sobretudo entre os jovens é válido também para adolescentes. PROJETO LECTIONAUTAS Momentos de oração e espiritualidade: realização de encontros querigmáticos e retiros periódicos;

53 53 O projeto Alerta, que foi apresentado durante o 1º Seminário Nacional de Iniciação à Vida Cristã, mostra como os adolescentes e jovens são pouco a pouco inseridos na catequese de Crisma de inspiração catecumenal. Liana Plentz, colunista da revista Sou Catequista, disponibilizou na internet toda a apresentação do projeto. Hoje, quando se fala em catequese com adolescentes e jovens, não se pode esquecer da linguagem das redes sociais. A utilização das mídias virtuais, como grupos no Facebook e no WhatsApp são poderosos instrumentos de evangelização. Por tudo isso, não cabe aqui um catequista despreparado ou um grupo que se reúne de forma aleatória e sem saber o que fazer. É verdade que a sistematização da catequese dessa fase pode ser mais leve, mas isso não significa desorganização ou falta de objetivo. É mais do que ficar com os iniciandos na Igreja para não se perderem até a Crisma, é preciso enxergar esse tempo como verdadeira proposta catequética de continuidade da vivência cristã e de autêntico crescimento no discipulado de Jesus Cristo. AS PARTILHAS NO SEMINÁRIO NACIONAL DE INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ APRESENTAÇÃO PROJETO ALERTA WHATSAPP (GOOGLEPLAY) WHATSAPP (ITUNES) João Melo Seminarista da Arquidiocese de São Paulo. Especialista em Catequese pelo UNISALSP e acadêmico do curso de pós-graduação em Ensino Religioso Escolar pelo mesmo instituto. É membro da Comissão Arquidiocesana de Animação Bíblico-Catequética da Arquidiocese de São Paulo.

54 CRISMA 54

55 55 Para quê ser crismado? por Pe. Paulo F. Dalla-Déa Quero refletir um pouco sobre a razão de ser crismado hoje: creio que mesmo não falando temos muitas perguntas a esse respeito, sejam feitas pelos crismandos (que muitas vezes vão empurrados pelos pais e avós para a catequese de Crisma), sejam pelos catequistas ou pelos católicos de nossas comunidades de fé. Este texto não quer ser uma resposta oficial da Igreja Católica, mas uma investigação de fé feita para nós, hoje, do século XXI. Espero que ajude você, leitor, a se motivar mais e a passar as razões de sua fé para quem tem dúvidas, fortalecendo e motivando as pessoas que precisam receber a Graça e a Presença de Deus na sua vida, por meio dos sacramentos.

56 56 Não é para a salvação Quem recebe a Crisma e a Eucaristia é porque já foi batizado e quer progredir/ aprofundar-se na fé e na vida cristã. Assim como quem é feliz hoje trabalhou para que a felicidade fosse acontecendo em pequenos gestos de amor e de dedicação. Quem vai receber a Crisma já foi batizado. Então, o sacramento da Crisma é visto como uma espécie de luxo para alguns católicos apenas de nome. Ou seja, Jesus disse que seria necessário o Batismo para entrar no céu: então não preciso ser crismado, já que tenho a entrada garantida. Seria o mínimo do mínimo para o objetivo proposto. Esse é um grande reducionismo. Para se ter uma família não basta apenas saber quem é o seu pai, sua mãe e seus irmãos: também precisa conviver com eles. Formando laços que se cria uma família, realizando convivência que se criam vínculos e geram-se amor e dedicação. Ou seja: ter uma família exige dedicação, tempo e dinâmica positiva de convivência. Não é algo mágico ou instantâneo, como muitos gostariam que fosse. Mas quem diz que não é necessário ser crismado está certo, como não e necessário ser feliz para viver. Conheço muitos que vivem sem serem felizes, mas seria melhor se eles fossem felizes, não? A felicidade não é automática para quem vive, mas se realiza em quem se esforça por ser feliz, assim como a confirmação não é necessária, mas é muito desejável que haja os dois na vida de um cristão. Não serve para receber o Espírito Santo Há muitos catequistas (até padres) que dizem que esse é o sacramento do Espírito Santo. Em parte isso é verdade, em parte não. Ou seja: o crismando não vai receber o Espírito Santo, como um Pentecostes particular, porque já o recebeu no Batismo. Lembra qual é o último rito do ritual do Batismo? É a imposição do óleo do crisma, que confere ao batizado a unção (= crisma) do Espírito para que ele seja sacerdote, profeta e rei do Novo Testamento. Ou seja: o Espírito é dado todo no Batismo (já que não se consegue dar metade do Espírito Santo agora e metade mais tarde, na crisma).

57 57 Nota histórica: nos primeiros séculos da Igreja, Batismo, Confirmação e Eucaristia eram sempre feitos juntos, na mesma cerimônia da Vigília Pascal, que era presidida pelo bispo. Como isso começou a se tornar impossível pelo número de pessoas a ser batizadas, pela criação de comunidades rurais sem a presença do bispo (paróquias) e pela introdução do batizado de crianças, a separação de funções acabou se tornando necessária. O diácono batizava, o bispo crismava e o padre dava a eucaristia. O bispo era sempre a garantia da comunhão eclesial do fiel com a comunidade cristã. Aqui está a origem histórica da dissociação dos três sacramentos básicos para ser cristão. Entendese isso historicamente, mas não se deve fazer confusão teológica e sacramental: o Espírito Santo é recebido completamente já no sacramento do Batismo.

58 58 Um critério para dentro da comunidade Temos que falar da confirmação então como um sacramento da unidade e da plenitude da Igreja. Assim como toda Graça parte de um único ponto (da Trindade), todo sacramento deve estar ligado a um único ponto de partida: o bispo. Ele tem a função de congregar todo o rebanho, como um bom pastor de suas ovelhas. Ele é o pai espiritual da sua comunidade de fé cristã. Ele é o nó que une os vários ministérios e carismas da Igreja. Ele é o anjo que vela pela fé de todos nós, segundo o livro do Apocalipse (cf. Ap 1,20) A Crisma é sempre ligada ao bispo: o óleo do crisma é por ele consagrado (com todos os padres da diocese reunidos) uma única vez ao ano para ser administrado a todos os cristãos que serão confirmados. Uma única vez para todos: unidade de fé, de graça e sinal visível de comunhão espiritual. O bispo é o pastor das ovelhas de Cristo: ele é a plenitude dos dons do Espírito Santo. No ritual antigo, o altar da Eucaristia tinha seis velas durante todo o ano, mas no momento em que o bispo presidia deveria haver sete velas, em sinal da plenitude do Espírito Santo naquele lugar. Assim, ser crismado pelo bispo é ser ligado a um único fundamento visível de fé na graça e na unidade dos cristãos. Mas isso não confere ao sacramento uma dimensão de mais presença de Deus. É um critério interno. Tanto que, em vários casos regulados pelo Código de Direito Canônico, o padre da comunidade pode conferir a confirmação a um fiel ou a um grupo de fiéis. Um crismado é sempre alguém ligado à sua comunidade, alguém chamado a fazer a sua vida ligada a uma construção de uma unidade de vida e de oração. Alguém chamado a ser construtor de uma unidade entre os seguidores de Cristo, alguém chamado a construir uma fraternidade para dentro da comunidade de fé. Por causa de minha fé, a comunidade deve crescer e ser mais fiel ao evangelho de Cristo.

59 59 Sonhar é acordar-se para dentro Mário Quintana

60 60 Desafiados como cristãos: do dentro para o fora da comunidade de fé Embora seja prerrogativa do bispo, já vimos que um padre também pode crismar, em circunstâncias regulamentadas. Poderíamos aqui falar sobre muitas coisas, o significado do óleo, das leituras, das vestes, da cor litúrgica, etc. Tudo isso é sempre muito explorado nas nossas catequeses e nos comentários ao ritual da confirmação. Mas quero me ater a um rito menos comentado e sempre feito de forma superficial. O tradicional tapinha no rosto que os crismados recebem do bispo. O ritual da confirmação, porém, tem um momento pouco explorado, que é o tapa no rosto do crismando. É o que confirma que o faz. Dá um tapa no rosto e diz: A paz esteja contigo. O que recebe o sacramento deverá responder: E contigo também. Numa visão superficial, parece um arcaísmo (= algo passado e sem significado), mas podemos explorar melhor esse gesto. Num mundo com tantas guerras e violências de todo tipo, o que significa o tapa na cara? Sem dúvida, um gesto antigo de desafio. Quem recebe o tapa deve se considerar desafiado para uma disputa. E qual o teor da disputa? A paz, que deve estar comigo e contigo. Ser desafiado à paz não é um gesto corriqueiro se considerarmos a situação do mundo, em constante guerra, pelos mais variados motivos. Sempre em guerra, o cristão que recebe o sacramento da Crisma é desafiado por ser um construtor da paz, na linguagem de São Francisco. Ou um bem-aventurado (Mt 5,9) que será chamado e conhecido como um Filho de Deus (o mesmo título do Messias). Quem desafia aquele cristão a ser um construtor da paz? Ninguém menos do que o bispo, o edificador da comunhão da comunidade de fé, o bom pastor em nome de Cristo, o Anjo da Igreja loca (segundo o Apocalipse). É oficialmente desafiado a ser construtor da paz pelo próprio Apóstolo da comunidade de fé. De agora em diante, ser cristão deve ser continuamente um risco a ser assumido a cada dia. Um risco calculado de martírio, de testemunho. Que se dará nos pequenos gestos (e pode em

61 61 alguns lugares exigir a doação da vida por Cristo como ele a doou por nós). O gesto ritual faz a passagem do dentro para o fora da comunidade de fé (ad intra para ad extra, na linguagem tradicional da teologia). Desafio dado, desafio aceito. A partir daí só se poderá reconhecer o cristão no campo de batalha pela construção de uma paz real a ser construída no serviço humilde a uma sociedade que precisa do Evangelho quanto mais grita contra ele. O gesto ritual do tapa na cara faz o convite à uma missão essencial e possível. Um gesto que mais do que tudo nos coloca como missionários do Reino. Missionários humildes e artesãos de uma paz trabalhosa. Uma paz que não se constrói com grandes teorias, mas que se constrói visitando as periferias existenciais na linguagem do atual Papa Francisco. VÍDEO DO PAPA FRANCISCO NO DOMINGO DE PENTECOSTES, RESPONDENDO A PERGUNTAS DOS FIÉIS. Veja, a partir dos 50 minutos, quando ele fala da Igreja e da sociedade. É sobre a dimensão de uma fé que testemunha PARA FORA. Uma Igreja desafiada pelo Espírito Santo a construir uma paz difícil no contemporâneo da história.

62 62 Crisma para adolescentes: uma proposta de falar à juventude A Igreja crismou crianças durante séculos. A partir do Concílio Vaticano II optou por esperar até a idade da adolescência pra administrar o sacramento da confirmação, alterando a tradicional ordem Batismo-Crisma-Eucaristia. Por que essa mudança no século XX? A Igreja optou por ter uma proposta, por falar para os jovens, já que eles foram assumidos como protagonistas (= atores principais) com um papel importante na Igreja. A mudança de rumo da catequese foi uma opção pelos jovens (no documento de Puebla (1979) será feita uma opção preferencial pelos jovens também). Uma opção de quem quer valorizar e dar voz e vez aos jovens. De quem quer assumir os jovens. De uma Igreja que queria e quer ser jovem com os jovens. A mudança na data da Crisma não foi ingênua ou fruto da sorte. Foi uma decisão de uma Igreja que se importa com os seus filhos mais jovens e que quer arriscar falar a sua língua. Mudar a data da Crisma para a idade da adolescência foi uma proposta de enculturação, uma vontade de mergulhar no universo que os adolescentes e jovens estão imersos para nadar com eles, junto com o Cristo. JUVENTUDE E VATICANO II Entrevista on-line do Pe. Paulo Dalla-Déa sobre a posição adotada pelo Vaticano II em relação à juventude, tão menosprezada nos meios eclesiais ainda hoje.

63 63 A solução italiana: o crescimento na Graça Você, leitor, deve estar se perguntando para que serve então ser crismado? Posso passar muito bem sem esse sacramento. Poder pode, mas não é conveniente que um cristão comece e não termine o que começou. Se ele começou na Graça, pelo Batismo, persevere na Graça, pela confirmação, e chegue até a plenitude da Graça, o Cristo da Eucaristia. Santo Tomás de Aquino, teólogo do século XII, diz que a Crisma é o momento do crescimento e do fortalecimento da graça cristã. Citando o Papa Melchíades, diz: O Espírito Santo, na fonte batismal, dá a plenitude da inocência; na confirmação, concede o aumento da graça 1. E também diz: A graça que faz o homem agradável a Deus não se recebe pois só para remissão dos pecados, mas também para aumentar e firmar a justiça. 2 1 AQUINO, T. Suma Teológica III Parte, questão 72: o sacramento da confirmação, São Paulo: Loyola, 2006, p Idem, p Idem, p Para ele, o sacramento deve ser recebido por todos (homens e mulheres, crianças e velhos, incluindo pessoas em estado terminal) para o fortalecimento da Graça na pessoa que o recebe. Deve ser um sacramento universalmente distribuído, não a apenas alguns privilegiados porque ele faz parte integrante da saúde da alma de todo cristão. A quem recebe o sacramento torna-se superior a si mesmo, entrando na categoria do crescimento em vista da estatura de Cristo. Para quem diz que a Crisma não é necessária para a salvação, ele também rebate: (...) deve-se dizer que todos os sacramentos são de alguma forma necessários para a salvação. Mas há alguns que sem os quais não há salvação, enquanto outros atuam para a perfeição da salvação. Deste modo, a confirmação é necessária à salvação, embora sem ela possa haver salvação, contanto que não se deixe de recebê-la por desprezo do sacramento 3.

64 64 A solução francesa: colocar as forças do Espírito em movimento Para o grande teólogo francês Jean Daniélou (século XX), a confirmação serve mesmo para colocar em movimento o Espírito Santo que o crismando tem dentro de si e que precisa ser expandido e colocado para voar. É sabido que Deus é educado e não força as pessoas, mas exige, já desde o Batismo, que o cristão precisa da confirmação para que os dons e os frutos da sua presença se manifestem em nós. É preciso ativar a Graça/Presença de Deus em nós para que ela comece a escorrer como um rio, que não pode mais ser detido. Nas palavras dele: Nós dizemos que o objetivo da confirmação era a comunicação do Espírito Santo. Mas o novo cristão já é batizado no Espírito. Ora, o nosso texto precisa que o que falta após o Batismo é a perfeição. E essa perfeição consiste nos dons do Espírito Santo. Chegamos, pois ao próprio objetivo da confirmação. Esse não se trata da doação do Espírito Santo, já concedido no batismo. Mas é uma nova efusão do Espírito. Uma efusão que tem por finalidade conduzir à perfeição as energias espirituais suscitadas na alma pelo batismo. Como escreve Mme. Lot-Borodine: é a colocação em movimento dos poderes sobrenaturais de todas as energias infusas no banho sagrado. 4 A tradição oriental manterá esse aspecto, vendo na confirmação o sacramento do progresso espiritual enquanto o batismo é o do nascimento espiritual. 5 Creio que poderíamos trocar a palavra perfeição (termo tradicional em teologia e espiritualidade, mas hoje desgastado) por fortalecimento na Graça. Ou por fortalecimento da vida espiritual. Fortalecimento parece ser mais entendido, pois remete a um corpo sarado, metáfora perfeita para o corpo espiritual e a vida na Graça. 4 DANIELOU, J. Bíblia e Liturgia: a teologia bíblica dos sacramentos e das festas da igreja trad. e pref. Geraldo Lopes São Paulo: Paulinas, 2013, p Idem, p. 140.

65 65 A Crisma como uma das etapas da iniciação cristã Hoje, especialistas concordam com a afirmação de que é necessário haver uma visão e um trabalho conjunto, vendo os sacramentos como blocos, mais do que separados e em si mesmos. Precisamos pensar nos sete sacramentos em três blocos: 1. Sacramentos da iniciação cristã: Batismo, Crisma e Eucaristia; 2. Sacramentos de cura: Confissão e Unção dos Enfermos; 3. Sacramentos de serviço: Matrimônio e Ministério Ordenado.

66 66 Assim, superaremos uma visão tradicional e muito individualista da recepção dos sacramentos, como se eles fossem gavetas separadas de recepção individual, onde o aspecto comunitário-social ficaria como um complemento. Isso posto, precisamos pensar em uma ação catequética que vise: A evangelização mais de adultos do que de crianças; Uma visão e um trabalho conjunto de uma iniciação cristã; Os momentos fortes de evangelização, de oração litúrgica e orante; A vida individual e familiar para provocar uma autêntica mudança comportamental. Ou seja, o trabalho hoje deve ser muito mais complexo e integrado. Como fazer isso? Os catequistas e catequetas estão apenas começando na reflexão e na transformação das fórmulas antigas, na renovação dos manuais e no convencimento das pessoas. Ainda temos muito trabalho pela frente. Na verdade, estamos voltando à prática da Igreja antiga, em que a catequese era uma dinâmica que integrava as etapas da recepção dos sacramentos da iniciação cristã e que se estendia pelo período necessário ao catequisando até depois da recepção dos sacramentos da iniciação cristã, quando era neófito (= novo na Luz) acompanhado por três anos. Ou seja: um processo muito mais individualizado e aprofundado, adaptado às necessidades da comunidade e do que ia ingressando na fé.

67 67 A catequese de Crisma é para deixar o Espírito Santo agir Se como falamos, a catequese de Crisma é para deixar o Espírito Santo agir e liberar os dons e os seus frutos na vida espiritual do cristão, que sentido tem repetir todo o conteúdo da Primeira Eucaristia? Não deveria ser um treinamento na oração e na leitura da Bíblia? Ou um treinamento de fortalecimento dos dons e das virtudes cristãs? Esse parece ser um objetivo muito mais necessário de se perseguir na nossa catequese e na vida espiritual dos nossos adolescentes e jovens. Métodos de oração, de concentração, de oração vocal em grupo e de meditação/contemplação. Meios de entender o sentido e a prática de participação litúrgica (tanto pessoal como comunitária) estão em ampla falta nas catequeses de nossas comunidades, muito focadas em conteúdo e pouco preocupadas em expor nossos jovens crismandos à rica espiritualidade de 21 séculos da Igreja. O que eu tenho visto por aí são catequistas, padres e pais preocupados apenas com a memorização de verdades de fé que já foram explicadas e expostas na catequese de Eucaristia. Não é à toa que tenho visto muitos adolescentes e jovens fugirem dessa chatice como eles mesmos se expressam. Também o fato de focarmos pouco a espiritualidade e a liturgia em nossas catequeses de Crisma explica a necessidade de nossos jovens irem procurar uma espiritualidade em grupos de oração carismáticos ou achar espiritualidade entre budistas e espiritualistas de todo o CANÇÃO PARA O ESPÍRITO SANTO A ORAÇÃO CARMELITANA ESPIRITUALIDADE JESUÍTA ORAÇÃO INACIANA por Lilian Carvalho

68 68 tipo. Se não oferecemos uma coisa que temos de sobra e com profundidade como a espiritualidade, eles vão procuram onde podem matar a sua sede, mesmo que em águas nem sempre potáveis. Só de exemplo, coloquei alguns vídeos e textos de da riquíssima espiritualidade católica de séculos. Aqui temos as famílias carmelitana, jesuíta, franciscana, beneditina. Fiz questão de colocar também uma corrente de espiritualidade mais nova: a espiritualidade libertadora da Pastoral de Juventude, que, embora não tenha os séculos das outras, é absolutamente legítima e nascida na América Latina. Sei que você pode não concordar comigo, mas precisamos dar um passo com relação à oração e à espiritualidade dos nossos católicos que se iniciam na fé. Se a catequese de crisma não incorporar e aprofundar a espiritualidade e a rica tradição de variados métodos de oração da Igreja, ficaremos eternamente deitados em berço esplêndido, sem conseguir afirmar os pés no chão e caminhar com as próprias pernas. Se focarmos a catequese de Crisma e o Pai Nosso 6, a espiritualidade e as formas de oração que temos na Igreja, ESPIRITUALIDADE FRANCISCANA VOCAÇÃO BENEDITINA ESPIRITUALIDADE LIBERTADORA 6 O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA (http://goo.gl/gwxfcn) é construído sobre quatro pilares: a profissão da fé batismal (o Símbolo), os sacramentos da fé (7 sacramentos + ação de Deus na liturgia), a vida de fé (os Mandamentos), a oração do crente (o Pai-Nosso ). Sobre o Creio (Símbolo), sobre os Sacramentos, sobre os Mandamentos, a catequese trata sempre e bem. A grande lacuna de nossas catequeses se dá sobre a Liturgia e sobre o Pai-Nosso: sobre a vida espiritual e sobre a oração, que acaba se resumindo em uma oração superficial, decorada e apressada em muitos lugares (nos melhores lugares se ensina a rezar o Rosário de Nossa Senhora). Assim, recém-saídos da catequese, nossos católicos já estão anêmicos e sem forças espirituais, precisando recorrer a outras tradições religiosas (até pagãs) para se abastecer interiormente. Essa falta de fé na oração tem sido a fonte de muitos transtornos na Igreja Católica e a causa de muitos tropeçarem na participação eclesial, querendo sair da Igreja rica de tradição e profundidade espiritual que temos.

69 69 vamos ajudar nossos jovens a crescer na fé e na sua vida espiritual. Respondendo à pergunta que me fiz no início do nosso artigo: a catequese de Crisma serve para desenvolver e fortalecer os músculos da fé e da oração. É para que os jovens e adolescentes tenham um corpo sarado, saudável. Portanto, é preciso: Ser crismado para se tornar uma pessoa em que o Espírito Santo toma conta, jorrando os seus dons e os seus frutos na minha vida, de minha família e de todos os que entrarem em contato comigo; Ser crismado para que a minha comunidade cresça na fidelidade ao Evangelho de Cristo, dentro e fora, em direção à sociedade; Ser crismado para ser saudável no meu corpo espiritual; Ser crismado para me desafiar a viver com Cristo num mundo que tem medo dele. Se você ou seu grupo ainda tiverem medo de fazer diferente, deixo aqui um vídeo motivacional que pode ajudar a pensar diferente. Vamos arriscar a acertar o passo? O melhor vídeo motivacional já feito CATEQUESE COM LEITURA ORANTE PAULINAS LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Pe. Dr. Paulo F. Dalla-Déa Padre diocesano, palestrante, pós-doutor em ciências da religião, doutor em educação e religião pela Escola Superior de Teologia (EST) de São Leopoldo-RS, mestre em teologia pastoral pela Pontifícia Faculdade Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo, com especialização em catequese de crisma. Trabalha há mais de 20 anos com pastoral da juventude e catequese de crisma. É membro da Sociedade de Teologia e Ciências da Religião (SOTER) e da Sociedade Brasileira de Catequetas.

70 CATEQUESE INCLUSIVA 70 O OLHAR DO CATEQUISTA DIANTE DAS PESSOAS COM AUTISMO por Thaís Rufatto dos Santos

71 71

72 72 O presente artigo visa a abordar a metodologia necessária a ser utilizada pelo catequista para evangelizar o catequizando com algum tipo de deficiência diante da nova realidade encontrada nas paróquias. Colocando em prática os ensinamentos deixados por Jesus ao anunciar o Reino de Deus, o catequista por meio do seu testemunho de fé, vai ao encontro daqueles que mais precisam de amor e acolhida e os acolhe, além de resgatar sua dignidade; a pessoa com deficiência é vista pelo catequista além das suas aparências. A garantia das leis é um dever do Estado, enquanto a atitude profética do cristão catequista está acima da lei. Jesus quando realizou a cura no dia de sábado, para muitos descumpriu a lei, mas esta fazia referência apenas às ações relacionadas a trabalhos.

73 73 A atitude de Jesus com os excluídos é exemplo para o catequista A atitude do catequista que vê a pessoa com deficiência além das suas aparências traz o testemunho da sua experiência de vida que aprendeu com Jesus a amar o pobre, o aleijado, o coxo (cf. Mc 8,23-25; Mt 15,30-31; Lc 7,22; Jo 1,8), o cadeirante e também os excluídos por algum motivo, por situações financeiras precárias, deficientes visuais, com paralisia cerebral, deficiência intelectual, os analfabetos e todos aqueles que por algum motivo foram e ainda são rejeitados na sociedade, acolhe-os, além de resgatar sua dignidade. O cristão chamado a ser catequista, recebe da Igreja a missão de exercer sua vocação escolhida a dedo por Deus antes mesmo do seu nascimento (Jr 1,5), conduz os catequizandos sem deficiência a olharem o catequizando com algum tipo de deficiência como imagem de Jesus. Essas pessoas com algum tipo de deficiência são preparadas pelo catequista para a recepção dos sacramentos e também para a vivência da fé, na Igreja e na sociedade. Atualmente, as pessoas com deficiência na sociedade vivem de maneira paradoxal se comparadas às realidades enfrentadas por essa mesma população no passado. É comum de um lado depararem com o avanço da medicina nessa área e melhoria da qualidade de vida, e de outro o aumento das barreiras atitudinais que impedem a contratação ou viabilização da permanência de um empregado com deficiência numa dada empresa. A lei de cotas 1 nº 8.213, de 24 de julho de 1991, de contratação de deficientes nas empresas dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência e dá outras providências à contratação de pessoas com deficiências. No artigo 93, a empresa com 100 ou mais funcionários está obrigada a preencher de dois a cinco por cento dos seus cargos com beneficiários reabilitados, ou pessoas com de deficiência, na seguinte proporção: até 200 funcionários, 2%; de 201 a 500 funcionários, 3%; de 501 a 1000 funcionários, 4%; acima de 1.001, 5%. 1 acessado em 4/11/2012.

74 74 As principais barreiras encontradas no ambiente de trabalho 5-Comportamento de generalização: não se vê o indivíduo como um todo, vendo-se apenas sua deficiência; 7-Atitudes de medo mantêm um empregado com deficiência afastado, com medo de que ele venha a dizer ou fazer algo que vá ofender um cliente, ou às vezes acontece de mantê-lo afastado para protegê-lo do contato com o empregado com deficiência e este ficar constrangido; 2-Pena; 1-Atitude de inferioridade; 3-Exaltação do heroísmo; 4-Ignorância ou desconhecimento; 6-Crença em estereótipos: inventam-se comportamentos estereotipados em vista da deficiência do colega de trabalho, por exemplo, pessoas deficientes intelectuais são dóceis, as cadeirantes são agressivas; 8-Vantagem ou favorecimento.

75 75 Muitos empregados acreditam que indivíduos com deficiência recebem vantagens especiais, ou exigências menores no trabalho. As mesmas condições precisam ser asseguradas a todos. O respeito às necessidades do trabalhador com deficiência exige oportunidades iguais para eles. As pessoas com deficiência vivem em uma sociedade em que se valoriza o corpo escultural e a pseudo-perfeição, tornandose essas pessoas à margem de oportunidades sociais. A sociedade que ao mesmo tempo se abre para receber as pessoas com deficiência acaba por excluí-las quando no seu interior ainda existem as barreiras atitudinais. O mesmo acontece na educação quando essas barreiras atitudinais e físicas atinge essa parte da população, segregada pela sociedade, com direitos ao ingresso a universidades por meio da lei de cotas. E nos mais variados serviços: saúde, estabelecimentos comerciais e religiosos dificultam o exercício pleno da cidadania e impedem essas pessoas de chegarem ao mercado de trabalho com a qualificação exigida pelas empresas. Inclusão na Igreja Com o objetivo de alicerçar a evangelização inclusiva, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), no Documento 84 2, intitulado de Diretório Nacional de Catequese, no capítulo 6, parágrafos 202 a 207, aborda a catequese com deficientes. Em unidade com o que é abordado no documento, na catequese a acolhida da pessoa com deficiência irá resultar em futuros catequistas e agentes de pastoral com algum tipo de deficiência. Para que essa acolhida aconteça de maneira satisfatória, faz-se necessário proporcionar à pessoa com deficiência uma acolhida com qualidade, olhando para ela, como imagem de Jesus e também que aconteça uma catequese apropriada com recursos e conteúdos adaptados. A catequese junto às pessoas com deficiência destina-se à todas as idades, desde as crianças até os adultos. 2 Conferência Nacional dos Bispos do Brasil Diretório Nacional de Catequese. DOCUMENTOS DA CNBB 84 Texto aprovado pela 43ª Assembléia Geral Itaici Indaiatuba (SP), 9 a 17 de agosto de 2005 Paulinas São Paulo SP 2006

76 76 Evangelização das pessoas com deficiência Evangelizar as pessoas com deficiência é um papel de evangelização dupla, o catequista também é evangelizado por elas através da sua história de vida e experiência que já adquiriram com Deus e pela maneira como lidam com a realidade da causa das deficiências. É preciso perceber também quanto essas pessoas têm a ensinar com sua própria experiência e com o modo como lidam com a sua situação. Com elas, como com os demais catequizandos é grande a troca de experiências e aprendizados. A participação das pessoas com deficiência na catequese deve ser feita em união aos demais catequizandos para evitar a segregação no interior da Igreja e, com isso, o contra testemunho das pregações feitas por Jesus. Atitude como essa está fundamentada para que não se crie a ideia de que as pessoas com deficiência necessitam de uma catequese voltada apenas para elas. O ambiente para a catequese junto às pessoas com deficiência deve ser adaptado, de acordo com a legislação vigente, que favorece o acolhimento e acesso a elas no interior das paróquias no que diz respeito a rampas de acesso e banheiros adaptados. Essa catequese necessita de uma preparação específica dos catequistas em cada deficiência, a metodologia e a didática a serem utilizadas são diferentes. Pode-se também pedir ajuda de profissionais que trabalham com a causa da deficiência, sejam eles psicopedagogos, fonoaudiólogos, professores, fisioterapeutas, intérpretes, etc. Para que o catequista atinja os objetivos propostos no Documento 84 da CNBB é necessário que ele faça em sua diocese cursos de preparação voltados à catequese inclusiva, para aprender mais sobre o assunto e trocar experiências com outros catequistas que também estão enfrentando essa realidade. O catequista tem em seu um rosto cristão a fisionomia de Deus. Segundo o Gênesis, fomos criados à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn 1,26s). Diante da sua fisionomia, ele enxerga pela ótica de Deus no catequizando com algum tipo de deficiência a imagem de Jesus excluído de nossa sociedade e o acolhe com amor reportando-se ao evangelho de Mt 25,40 ( Quando fizestes isso ao menor dos meus irmãos, é a Mim que o fizestes ).

77 77 Para ref letir Vós sabeis que os chefes das nações as oprimem e os grandes as tiranizam. Mas, entre vós, não deve ser assim: quem quiser ser grande, seja vosso servo; e quem quiser ser o primeiro, seja escravo de todos. Porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos (Mc 10, 42-45). Para saber mais Lei de Cotas para contratar Deficientes Cotas para inclusão de deficientes no mercado de trabalho não são cumpridas Thaís Rufatto dos Santos Thaís Rufatto dos Santos é Pedagoga, Psicopedagoga, Pós Graduada em Educação Especial, Consultora em Educação Inclusiva. Coordenou a Pastoral da Pessoa com Deficiência, na Diocese de Santo Amaro - SP. É autora de livros voltados à Catequese Inclusiva. Ministra palestras em Paróquias e Dioceses. Contato:

78 MATÉRIA DE CAPA 78 A NOVA COMPREENSÃO DO MINISTÉRIO DA CATEQUESE Por Pe. José Alem ASSISTA A APRESENTAÇÃO

79 79

80 80 CATEQUESE A SERVIÇO DA INICIAÇÃO CRISTÃ Este longo processo de iniciação, chamado catecumenato, concluía-se com a imersão no mistério pascal através dos três grandes sacramentos: o Batismo, a Eucaristia e a Confirmação. A situação do mundo de hoje leva a Igreja a retornar a esse modelo catecumenal. A catequese é um processo exigente, um itinerário prolongado... SOBRE AS EXIGÊNCIAS E CARACTERÍSTICAS DA INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ Aspectos essenciais da fé cristã: Descoberta de si mesmo (dimensão antropológica); Experiência de Deus (dimensão afetivointerpretativa); Anuncio e adesão a Jesus Cristo (dimensão cristológica); Vida no Espírito (dimensão pneumatológica); Celebração litúrgica e oração (dimensão celebrativa); Participação na comunidade (dimensão comunitário-participativa); Interação vida-fé e serviço fraterno (dimensão socio-transformadora e inculturada); A formulação da fé (dimensão racionalintelectual); Diálogo com outras experiências religiosas (dimensão ecumênica e de diálogo inter-religioso); O relacionamento de cuidado com o cosmos (dimensão ecológica ou cósmica); Natureza da catequese; Catequese é uma ação eclesial; A Igreja transmite a fé que ela mesma vive e o catequista é um porta-voz da comunidade.

81 81 Características fundamentais da catequese: Ser um aprendizado dinâmico da vida cristã; Fornecer uma formação de base essencial; Possibilitar a incorporação na comunidade; Proporcionar formação orgânica e sistemática da fé; Suscitar o compromisso missionário e transformador; Fomentar o diálogo com outras experiências eclesiais. A finalidade da catequese: Aprofundar o primeiro anúncio de Jesus Cristo; Levar o catequizando ao conhecimento, celebração e vivência do mistério de Deus manifestado em Jesus Cristo que nos revela o Pai e o Espírito Santo; Levá-lo à comunhão com a Igreja, corpo de Cristo e à participação em sua missão. A comunidade é: fonte, lugar e meta da catequese. É o ambiente natural da catequese. Faz parte do processo da educação da fé, por meio da interação de três elementos: o catequizando, a caminhada da comunidade e a mensagem evangélica.

82 82 TAREFAS DA CATEQUESE Conhecimento da fé: a catequese introduz o cristão no conhecimento do próprio Jesus, das Escrituras. Iniciação litúrgica: Cristo está vivo em Sua Igreja, sobretudo nas ações litúrgicas (SC 7). Formação moral: colocar as atitudes de Jesus como modelo de comportamento. Vida de oração: ensinar a rezar com Jesus, com os mesmos sentimentos e disposições com as quais Ele Se dirigia ao Pai. Vida comunitária: a fé pode ser vivida em plenitude somente dentro da comunidade. Missão: o verdadeiro seguidor de Jesus é missionário do Reino. CATEQUESE INSPIRADA NO PROCESSO CATECUMENAL É uma ação gradual e se desenvolve em quatro etapas: O pré-catecumenato: é o momento do primeiro anúncio, em vista da conversão, quando se explicita o querigma (primeira evangelização); O catecumenato: destinado à catequese integral e em cujo início tem lugar a entrega dos Evangelhos; O tempo da purificação e iluminação: fornece uma preparação mais intensa (recebem o Pai Nosso e o Credo) e recebem-se os sacramentos da iniciação; O tempo da mistagogia: progride-se no conhecimento mais profundo do mistério pascal. Participação integral na comunidade.

83 83 RICA - RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS Introdução O Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (RICA), reformado após o Concílio Vaticano II, oferece extraordinária riqueza litúrgica e preciosa fonte pastoral, especialmente na catequese com adultos e particularmente no que se refere ao restabelecimento do Catecumenato na Igreja. É bom recordar a obrigatoriedade do Catecumenato e do uso do Ritual no Batismo de adultos. Deve-se usar com criatividade e senso pastoral as diversas opções e alternativas oferecidas neste ritual. (Dom Geraldo na apresentação introdutória do RICA- 24/06/2001) RITOS DO CATECUMENATO: Celebração da entrada no catecumenato; Ritos para o tempo do catecumenato; Celebração da eleição (no 1º domingo de Quaresma); Ritos para o tempo de purificação e iluminação (Quaresma); Ritos de preparação imediata (na manhã de Sábado Santo); Celebração dos sacramentos de iniciação (na Vigília Pascal); Rito simplificado para a iniciação de adultos; Rito abreviado de iniciação de adultos (em perigo de morte); Preparação para a Confirmação e a Eucaristia de adultos que, batizados na infância, não receberam a devida catequese; Ritos de iniciação de criança em idade de catequese; Textos diversos na celebração de iniciação cristã de adultos; Apêndice: rito de admissão na plena comunhão da Igreja Católica das pessoas já batizadas validamente.

84 84 QUADRO DE EXPLICAÇÕES: O que é o catecumenato? Conforme o RICA, é a iniciação dos adultos na fé e na vida cristã: Tempo de comunhão e participação na comunidade cristã (RICA 18); Tempo de catequese (RICA n. 19); Tempo de conversão aos valores cristãos (RICA n. 19); A comunidade cristã acompanha as etapas da caminhada de fé de seus catecúmenos com celebrações e ritos. VÍDEO EXPLICATIVO SOBRE A INICIAÇÃO CRISTÃ E O RICA O pré-catecumenato: É a etapa do acolhimento na comunidade cristã. Primeira evangelização. Inscrição e colóquio com o catequista. Celebração da entrada. O catecumenato: Etapa suficientemente longa para: Catequese; Vivência cristã (conversão); Entrosamento com a Igreja; Ritos; Celebração da eleição.

85 85 Purificação e Iluminação: Quaresma. Preparação próxima para: Catequese; Práticas quaresmais; Ritos; Celebração dos sacramentos de iniciação cristã na Vigília Pascal. VÍDEO EXPLICATIVO SOBRE A MISTAGOGIA Mistagogia Aprofundamento e vivência do mistério cristão (mistério pascal). Consideração final A missão do catequista consiste não apenas em exercer a missão para, mas a missão entre. O catequista missionário participa da realidade do outro e celebra a fé e a vida em comunidade. Pe. José Alem Sacerdote membro da Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria. Educador e comunicador, Professor de Filosofia, Espiritualidade, Comunicação, Psicologia da Religião. Especialista em Logoterapia. Filósofo clínico. Assessor de cursos e formação através de palestras, retiros, encontros, oficinas. Escritor e assessor de projetos de comunicação e educação.

86

87

88 { { O CATECISMO RESPONDE 88 { Uma Nuvem de Testemunhas { Servidores da Oração 2683 As testemunhas que nos precederam no Reino, especialmente as que a Igreja reconhece como santos, participam da tradição viva da oração pelo exemplo modelar de sua vida, pela transmissão de seus escritos e por sua oração hoje. Contemplam a Deus, louvamno e não deixam de velar por aqueles que deixaram na terra. Entrando na alegria do Mestre, eles foram postos sobre o muito. Sua intercessão é o mais alto serviço que prestam ao plano de Deus. Podemos e devemos pedir-lhes que intercedam por nós e pelo mundo inteiro Na comunhão dos santos, desenvolveram-se, ao longo da história das Igrejas, diversas espiritualidades. [...] Há uma espiritualidade igualmente na confluência de outras correntes, litúrgicas e teológicas, atestando a inculturação da fé num meio humano e em sua história. As espiritualidades cristãs participam da tradição viva da oração e são guias indispensáveis para os fiéis, refletindo, em sua rica diversidade, a pura e única Luz do Espírito Santo. O Espírito é de fato o lugar dos santos, e o santo é para o Espírito um lugar próprio, pois se oferece para habitar com Deus e é chamado seu templo A família cristã é o primeiro lugar da educação para a oração. Fundada sobre o sacramento do matrimônio, ela é a Igreja doméstica, onde os filhos de Deus aprendem a orar como Igreja e a perseverar na oração. Para as crianças, particularmente, a oração familiar cotidiana é o primeiro testemunho da memória viva da Igreja reavivada pacientemente pelo Espírito Santo Os ministros ordenados também são responsáveis pela formação para a oração de seus irmãos e irmãs em Cristo. Servidores do bom Pastor que são, eles são ordenados para guiar o povo de Deus às fontes vivas da oração: a Palavra de Deus, a Liturgia, a vida teologal, o Hoje de Deus nas situações concretas Muitos religiosos consagraram toda a vida à oração. Desde o deserto do Egito, eremitas, monges e monjas consagraram seu tempo ao louvor de Deus e à intercessão por seu povo. A vida consagrada não se mantém e não se propaga sem a oração; esta é uma das fontes vivas da contemplação e da vida espiritual na Igreja.

89 { 89 { Lugares Favoráveis à Oração 2691 A Igreja, casa de Deus, é o lugar próprio para a oração litúrgica da comunidade paroquial. E também o lugar privilegiado da adoração da presença real de Cristo no Santíssimo Sacramento. A escolha de um lugar favorável é importante para a verdade da oração: Para a oração pessoal, pode ser um recanto de oração, com as Sagradas Escrituras e imagens sagradas, para aí estar no segredo diante do Pai. Numa família cristã, essa espécie de peque no oratório favorece a oração em comum; Nas regiões onde existem mosteiros, a vocação dessas comunidades é favorecer a partilha da Oração das Horas com os fiéis e permitir a solidão necessária a uma oração pessoal mais intensa; As peregrinações evocam nossa caminhada pela terra em direção ao céu. São tradicionalmente tempos fortes de renovação da oração. Os santuários são para os peregrinos, em busca de suas fontes vivas, lugares excepcionais para viver como Igreja as formas da oração cristã.

90 CATECINE 90 ASSISTA AO TRAILER: DEUS NÃO ESTÁ MORTO

91 91 Para a pessoa errada você nunca terá valor nenhum, mas para a pessoa certa você será tudo. Lançado nos cinemas norte-americanos em 21 de março de 2014, pela Pure Flix Entertainment, e em 21 de agosto do mesmo ano nos circuitos brasileiros, sob distribuição de Graça Filmes, Deus não está morto, filme dirigido por Harold Cronk e produzido por Michael Scott, Russell Wolfe e Anna Zielinski, além de apresentar aos espectadores uma proposta de perseverança na fé diante das dificuldades físicas, espirituais e sociais, é uma referência (e homenagem) aos estudantes das principais universidades científicas, onde a religiosidade, ainda hoje, é motivo de intolerância entre mestres e alunos. Sinopse: Josh Wheaton (Shane Harper), um jovem cristão e estudante, matricula-se em uma universidade onde decide cursar aulas extracurriculares de filosofia administradas pelo professor Jeffrey Radisson (Kevin Sorbo), ateu. Josh é o único aluno da classe que se recusa a assinar uma espécie de formulário solicitado por Radisson, o que não lhe dá outra escolha, a não ser apresentar suas convicções aos outros alunos, contrapondo Jeffrey e provando que Deus existe. Para tanto, o professor dá a Josh um seminário de vinte minutos ao final de três aulas. É nesse momento que Wheaton busca interiorizar-se, ouvir o Espírito Santo e apoiar-se em estudos e artigos a respeito do tema, sob auxílio da Sagrada Escritura. Fora do contexto dos debates, uma série de subtramas periféricos desenvolvem-se no decorrer da história. A conclusão do enredo, é claro, você poderá descobrir junto aos catequizandos em um de seus encontros.

92

93

94 TEATRO 94 TEATRO PARA FAZER PENSAR por Erivandra Marques Usar teatro em eventos de evangelização será sempre uma boa pedida para instigar o pensamento crítico. Catequistas que têm facilidade de expor suas ideias por meio de esquetes devem fazêlo sempre que houver oportunidade. Textos criativos, dramáticos ou divertidos podem descontrair e ativar o botão da crítica de crianças, jovens e adultos. Basta ter o cuidado de adequar a mensagem à capacidade de entendimento do público-alvo.

95 95 Jesus deve ser nosso maior exemplo de contação de histórias, pois sua habilidade em contar histórias continua estimulando o pensar, e, mais ainda, atraindo corações. Não se deve desperdiçar esse anzol que a tantos alcança. Lanço um desafio aos irmãos catequistas para que exercitem a criação de histórias escritas partindo de uma ideia central que desejam abordar, unindo personagens às suas características e fazendo com que a história que faz pensar ganhe vida com a interpretação. Se essa parte de atuar ainda não for algo simples para o catequista executar, ele pode buscar formação ou aproveitar, por exemplo, jovens de uma turma de preparação para Crisma, que gostem de teatro, para ensaiarem e apresentarem histórias baseadas na Palavra de Deus, tais como estão na Bíblia, ou mais contemporâneas, que demonstrem comportamentos atuais, mas que sejam iluminadas pelo Evangelho. Nesta edição, apresento o Julgamento de Demóstenes, uma história que fala de mentira, intolerância, injustiça, com uma pitada de bomhumor e um final trágico que faz pensar: Poderia ser diferente, se.... O julgamento de Demóstenes TOQUE PARA BAIXAR Erivandra Marques Catequista de Primeira Comunhão Paróquia Senhor do Bonfim - Maceió, AL

96 DICAS DE LEITURA 96 EU! FALANDO EM PÚBLICO? SIM. AGORA É A SUA VEZ. De Sílvio Luzardo, editora Paulus Eu, falando em público? Geralmente é o que dizemos quando somos convidados a discursar para uma plateia, grande ou pequena. Apesar das dúvidas, da insegurança e do medo que impomos sobre nós mesmos nessas ocasiões, podemos superar com tranquilidade a todos esses sentimentos. ACESSE O SITE O livro escrito por Sílvio Luzardo tem o objetivo de ajudá-lo a realizar essa tarefa de uma maneira simples e objetiva. Com dicas e segredos sobre como comportarse diante dos ouvintes, seja em uma palestra ou nas reuniões catequéticas, Eu! Falando em Público? transformará a maneira como você se dirige às pessoas, com técnicas básicas e fundamentais para uma grande apresentação.

97 97 CATEQUESE INFANTIL De Alaice Mariotto Kater, editora Ave-Maria Conduzir a catequese infantil é uma missão que requer cuidado e atenção no planejamento e execução dos encontros e atividades. Pensando nisso, Alaice Mariotto Kater escreve a respeito da preparação final para a Primeira Eucaristia, a fim de que esse seja um processo objetivo. Catequese Infantil destaca os principais temas bíblicos, mandamentos e sacramentos em um verdadeiro resumo da fé cristã. ACESSE O SITE SYMBOLUM Organizado por Maria Rosa Poggio, Edições CNBB Symbolum propõe uma leitura sintética, por relevância e centralidade dos temas, de todo o articulado patrimônio de fé contido no Catecismo da Igreja Católica. Seu objetivo é aproximar o máximo possível o fiel dos conteúdos fundamentais do Cristianismo, que infelizmente permanecem, para muitos, um grande desconhecido. ACESSE O SITE As páginas do volume também pretendem, de algum modo, responder àquelas que são possivelmente as mais frequentes e também mais específicas questões que a prática cotidiana e o ensino da fé põem para cada um.

98 MENSAGEM DO PAPA 98 CRIANÇAS, DOM PARA A HUMANIDADE

99 99

100 100 AUDIÊNCIA GERAL DO PAPA FRANCISCO 18/03/2015 Em primeiro lugar, as crianças nos recordam que todos, nos primeiros anos da vida, fomos totalmente dependentes dos cuidados e da benevolência dos outros. E o Filho de Deus não poupou esta etapa. É o mistério que contemplamos a cada ano, no Natal. O Presépio é o ícone que nos comunica esta realidade no mundo de forma mais simples e direta. Mas é curioso: Deus não tem dificuldade em se fazer entender pelas crianças, e as crianças não têm problemas em entender Deus. Não por acaso, no Evangelho há algumas palavras muito belas e fortes de Jesus sobre os pequenos. Este termo pequenos indica todas as pessoas que dependem da ajuda dos outros e, em particular, as crianças. Por exemplo, Jesus diz: Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequenos (Mt 11, 25). E ainda: Guardai-vos de menosprezar um só destes pequenos, porque eu vos digo que seus anjos no céu contemplam sem cessar a face de meu Pai que está nos céus (Mt 18, 10). Então, as crianças são em si mesmas uma riqueza para a humanidade e também para a Igreja, porque nos chamam de volta constantemente à condição necessária para entrar no Reino de Deus: aquela de não nos considerarmos auto-suficientes, mas necessitados de ajuda, de amor, de perdão. E todos precisamos de ajuda, de amor e de perdão! As crianças nos recordam uma outra coisa bela; recordam-nos que somos sempre filhos: mesmo se a pessoa se torna adulta, ou idosa, mesmo se se torna pai, se ocupa um lugar de responsabilidade, abaixo de tudo isso permanece a identidade de filho. Todos somos filhos. E isso nos reporta

101 102 veem, não são pessoas duplas, ainda não aprenderam aquela ciência da duplicidade que nós adultos, infelizmente, aprendemos. Além disso, as crianças em sua simplicidade interior levam consigo a capacidade de receber e dar ternura. Ternura é ter um coração de carne e não de pedra, como diz a Bíblia (cfr Ez 36, 26). A ternura é também poesia: é sentir as coisas e os acontecimentos, não tratálos como meros objetos, somente para usá-los, porque servem. As crianças têm a capacidade de sorrir e de chorar: algumas, quando as pego para abraçá-las, sorriem; outras me veem vestido de branco e acreditam que eu sou um médico e que vim para vacinálas, e choram mas espontaneamente! As crianças são assim: sorriem e choram, duas coisas que em nós grandes muitas vezes são bloqueadas, não somos mais capazes. Tantas vezes o nosso sorriso se torna um sorriso de papelão, uma coisa sem vida, um sorriso que não é vivo, um sorriso artificial, de palhaço. As crianças sorriem espontaneamente e choram espontaneamente. Depende sempre do coração e muitas vezes o nosso coração se bloqueia e perde essa capacidade de sorrir, de chorar. E então as crianças podem nos ensinar de novo a sorrir. Mas, nós mesmos, devemos nos perguntar: eu sorrio espontaneamente, com frescor, com amor ou o meu sorriso é artificial? Eu ainda choro ou perdi a capacidade de chorar? Duas perguntas muito humanas que as crianças nos ensinam. Por todos esses motivos, Jesus convida os seus discípulos a se tornarem como crianças, porque quem é como elas pertence ao Reino de Deus (cfr Mt 18, 3; Mc 10, 14).

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL 52ª Assembleia Geral Aparecida - SP, 30 de abril a 9 de maio de 2014 02C/52ª AG( Sub) 4ª Versão com as emendas. COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA A

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL OLHANDO PARA A FRENTE: O PROJETO SER IGREJA NO NOVO MILÊNIO EXPLICADO ÀS COMUNIDADES

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL OLHANDO PARA A FRENTE: O PROJETO SER IGREJA NO NOVO MILÊNIO EXPLICADO ÀS COMUNIDADES 1 CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL OLHANDO PARA A FRENTE: O PROJETO SER IGREJA NO NOVO MILÊNIO EXPLICADO ÀS COMUNIDADES Não que eu já tenha recebido tudo, ou já me tenha tornado perfeito. Mas

Leia mais

Evangelizadores entre os jovens

Evangelizadores entre os jovens Evangelizadores entre os jovens Evangelizadores entre os jovens Governo Ger al Ir. Emili Turú Superior Geral Ir. Joseph Mc Kee Vigário Geral Ir. Antonio Ramalho Conselho Geral Ir. Ernesto Sánchez Conselho

Leia mais

Papa Francisco no Brasil

Papa Francisco no Brasil Papa Francisco no Brasil Escritório de Informação do Opus Dei no Brasil Papa Francisco no Brasil pronunciamentos Viagem Apostólica ao Rio de Janeiro por ocasião da XXVIII Jornada Mundial Da Juventude Rio

Leia mais

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA EVANGELII GAUDIUM PAPA FRANCISCO AO EPISCOPADO, AO CLERO ÀS PESSOAS CONSAGRADAS E AOS FIÉIS LEIGOS

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA EVANGELII GAUDIUM PAPA FRANCISCO AO EPISCOPADO, AO CLERO ÀS PESSOAS CONSAGRADAS E AOS FIÉIS LEIGOS EXORTAÇÃO APOSTÓLICA EVANGELII GAUDIUM DO PAPA FRANCISCO AO EPISCOPADO, AO CLERO ÀS PESSOAS CONSAGRADAS E AOS FIÉIS LEIGOS SOBRE O ANÚNCIO DO EVANGELHO NO MUNDO ATUAL Tradução portuguesa revista pelo Secretariado

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL ORIENTAÇÕES PASTORAIS SOBRE A RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL ORIENTAÇÕES PASTORAIS SOBRE A RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA 1 CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL ORIENTAÇÕES PASTORAIS SOBRE A RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA APRESENTAÇÃO 34ª Reunião Ordinária do Conselho Permanente/1994 Brasília, DF, 22 a 25 de novembro

Leia mais

À minha mãe, uma mulher de fé que sempre acreditou no propósito de Deus para minha vida. Sua dedicação aos seus filhos é o seu maior legado.

À minha mãe, uma mulher de fé que sempre acreditou no propósito de Deus para minha vida. Sua dedicação aos seus filhos é o seu maior legado. 1 À minha mãe, uma mulher de fé que sempre acreditou no propósito de Deus para minha vida. Sua dedicação aos seus filhos é o seu maior legado. Tudo o que alcançamos é também uma conquista sua, obrigado

Leia mais

Quem está realmente bem? As Bem-Aventuranças

Quem está realmente bem? As Bem-Aventuranças 1 Quem está realmente bem? As Bem-Aventuranças Dallas Willard Bem-aventurados os espezinhados, os estapeados, os traídos. Paul Simon Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos

Leia mais

Série Percurso Educativo EDUCAR-SE PARA EDUCAR

Série Percurso Educativo EDUCAR-SE PARA EDUCAR Série Percurso Educativo EDUCAR-SE PARA EDUCAR Dom Filippo Santoro é Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro, leciona teologia na Pontifícia Universidade Católica - PUC Rio. Marco Coerezza é pedagogo formado

Leia mais

Este ano com o tema: O Bem que você faz muita gente compartilha, queremos sensibilizar mais pessoas para que abracem a nossa causa.

Este ano com o tema: O Bem que você faz muita gente compartilha, queremos sensibilizar mais pessoas para que abracem a nossa causa. Amigas e amigos da CESE! Chega o mês de setembro trazendo com ele a renovada alegria da primavera, como cantou o poeta: Vê, estão voltando as flores.... Setembro traz, também, a Campanha Primavera para

Leia mais

JUVENTUDE SUBSÍDIO MUSICAL

JUVENTUDE SUBSÍDIO MUSICAL OFÍCIO DIVINO DA JUVENTUDE SUBSÍDIO MUSICAL Organização: José Wilson Correa Garcia, sj (IPJ Leste II BH) Contribuições: Ana Clésia da Silva Alcântara (CMP - BH) Seleção dos arquivos das músicas. Creômenes

Leia mais

[página intencionalmente deixada em branco]

[página intencionalmente deixada em branco] [página intencionalmente deixada em branco] Imortalidade da Alma ou Ressurreição dos Mortos? Oscar Cullmann *** Immortalité de l'âme ou Résurrection des morts? Edição Compacta em Português Brasileiro Nesta

Leia mais

Este livro foi produzido com o apoio da Tyndale House Foundation.

Este livro foi produzido com o apoio da Tyndale House Foundation. O MELHOR DA ESPIRITUALIDADE BRASILEIRA CATEGORIA: ESPIRITUALIDADE / ENSAIOS Copyright 2005 por Editora Mundo Cristão Coordenação editorial: Silvia Justino Colaboração: Rodolfo Ortiz Preparação de texto:

Leia mais

BASTA UMA PALAVRA Pe. Antonio José Distribuição Gratuita

BASTA UMA PALAVRA Pe. Antonio José Distribuição Gratuita ~ 1 ~ BASTA UMA PALAVRA Pe. Antonio José Distribuição Gratuita ~ 2 ~ Projeto Rio de Deus www.riodedeus.com Capa: Tiago Juliani Diagramação: Maíra Jaber As referências bíblicas foram retiradas de: Lecionário

Leia mais

Um Convite à Diferença

Um Convite à Diferença Um Convite à Diferença Ellen G. White 2002 Copyright 2013 Ellen G. White Estate, Inc. Informações sobre este livro Resumo Esta publicação ebook é providenciada como um serviço do Estado de Ellen G. White.

Leia mais

www.seguindoacristo.com.br

www.seguindoacristo.com.br As Escrituras são infalíveis, a Palavra de Deus não contém erros. A nossa interpretação, contudo, não é infalível. Dessa forma, este estudo é passível de correção e, portanto, toda compreensão e ajuda

Leia mais

www.cartasdecristobrasil.com.br Carta 1

www.cartasdecristobrasil.com.br Carta 1 Carta 1 Eu, o CRISTO, aproveito esta oportunidade para falar diretamente com VOCÊ. Eu vim para retificar as interpretações errôneas de meus ensinamentos quando, conhecido como Jesus, estive na Palestina

Leia mais

V CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO e DO CARIBE DOCUMENTO FINAL

V CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO e DO CARIBE DOCUMENTO FINAL V CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO e DO CARIBE aparecida, 13-31 de maio de 2007 DOCUMENTO FINAL SIGLAS AA AG CIC CDSI CDC ChD ChL DCE Dl DP DV EAm ECE EMCC EN EV FC FR GE GS HV IM LÊ LG

Leia mais

1 EVANGELIZACÃO no presente e no futuro da América Latina CONCLUSÕES DA IIIª CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO.

1 EVANGELIZACÃO no presente e no futuro da América Latina CONCLUSÕES DA IIIª CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO. 1 EVANGELIZACÃO no presente e no futuro da América Latina CONCLUSÕES DA IIIª CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO Texto Oficial Puebla de los Angeles, México, 27-1 a 13-2 de 1979 Edições Paulinas

Leia mais

Bem Vindo, Espírito Santo

Bem Vindo, Espírito Santo Bem Vindo, Espírito Santo Como experimentar a dinâmica obra do Espírito Santo em sua vida Benny Hinn Título original: "Welcome, Holy Spirit" Tradução: Maria José Arabicano Bompastor Editora Ltda., 1995

Leia mais

os DEMANZDAMENTOS 21473 - Os Dez Mandamentos Thays Designer Editor C. Qualidade Dep. Arte

os DEMANZDAMENTOS 21473 - Os Dez Mandamentos Thays Designer Editor C. Qualidade Dep. Arte os D EZ MANDAMENTOS os D EZ MANDAMENTOS Princípios divinos para melhorar seus relacionamentos Loron Wade Tradução Eunice Scheffel do Prado Casa Publicadora Brasileira Tatuí, SP Título original em inglês:

Leia mais

Crer é também pensar John R. W. Stott

Crer é também pensar John R. W. Stott Crer é também pensar John R. W. Stott C o n t e ú d o : PREFÁCIO 3 CRISTIANISMO DE MENTE VAZIA 4 POR QUE OS CRISTÃOS DEVEM USAR SUAS MENTES? 7 CRIADO PARA PENSAR 8 PENSANDO OS PENSAMENTOS DE DEUS 11 MENTES

Leia mais

SENTINELA, EM QUE PONTO ESTÁ A NOITE?

SENTINELA, EM QUE PONTO ESTÁ A NOITE? SENTINELA, EM QUE PONTO ESTÁ A NOITE? dma Revista das Filhas de Maria Auxiliadora Via Ateneo Salesiano, 81-00139 Roma tel. 06/87.274.1 fax 06/87.13.23.06 E-mail: dmariv2@cgfma.org Diretora responsável

Leia mais

O REINO DE DEUS ESTÁ EM VÓS

O REINO DE DEUS ESTÁ EM VÓS O REINO DE DEUS ESTÁ EM VÓS Leon Tolstoi O REINO DE DEUS ESTÁ EM VÓS Tradução de CEUNA PORTOCARRERO Apresentação de FR. CLODOVIS BOFF 2ª EDIÇÃO EDTTORA ROSADOS TEMPOS 2 Breve nota acerca da versão digital

Leia mais

PAX CHRISTI PORTUGAL. Artífices e testemunhas da paz entre tod@s

PAX CHRISTI PORTUGAL. Artífices e testemunhas da paz entre tod@s PAX CHRISTI PORTUGAL Artífices e testemunhas da paz entre tod@s Lisboa Dezembro de 2012 PAX CHRISTI PORTUGAL Artífices e testemunhas da paz entre tod@s CONTRIBUTOS PARA A CELEBRAÇÃO DO 46º DIA MUNDIAL

Leia mais

preparando-se para o cristãos

preparando-se para o cristãos preparando-se para o Cauxílio para casais cristãos Casamento John Piper C preparando-se para o Cauxílio para casais cristãos Casamento Preparando-se para o Casamento Auxílio para casais cristãos Traduzido

Leia mais

Segunda parte Jesus na Judéia e Jerusalém CAPÍTULO 10. Mc 10,1-12 Matrimônio Mt 19,1-12; Lc 16,18

Segunda parte Jesus na Judéia e Jerusalém CAPÍTULO 10. Mc 10,1-12 Matrimônio Mt 19,1-12; Lc 16,18 Segunda parte Jesus na Judéia e Jerusalém CAPÍTULO 10 Mc 10,1-12 Matrimônio Mt 19,1-12; Lc 16,18 (1) Saindo de Cafarnaum (Mt 9,33) Jesus deixou definitivamente a Galiléia com destino à Judéia. Evitou o

Leia mais

Copyright. Le Livros. http://lelivros.com

Copyright. Le Livros. http://lelivros.com Copyright Esta obra foi postada pela equipe Le Livros para proporcionar, de maneira totalmente gratuita, o benefício de sua leitura a àqueles que não podem comprála. Dessa forma, a venda desse ebook ou

Leia mais

SÍNODO DOS BISPOS XIV ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA [4-25 de outubro de 2015] A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo

SÍNODO DOS BISPOS XIV ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA [4-25 de outubro de 2015] A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo SÍNODO DOS BISPOS XIV ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA [4-25 de outubro de 2015] A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo LINEAMENTA ITINERÁRIO PROPOSTO PELA CONFERÊNCIA EPISCOPAL PORTUGUESA

Leia mais