Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco"

Transcrição

1 Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Setembro 2016

2 Roteiro Internacional Ambiente externo ainda favorável para os mercados emergentes O Fed, o banco central americano, deve voltar a elevar juros este ano. Acreditamos que uma alta em dezembro seja o mais provável, mas o risco de acontecer em setembro parece subestimado pelo apreçamento dos ativos. O Banco Central Europeu (BCE) vem mantendo os juros estáveis, à medida que a atividade mostra alguma resiliência após o Brexit. Mas o viés é expansionista, dada a inflação substancialmente abaixo da meta. Com a expectativa de que as taxas de juros globais permaneçam em níveis muito baixos e os riscos de atividade na China limitados, o cenário externo permanece favorável para os mercados emergentes. Brasil Retomada à vista, mas crescimento sustentado depende das reformas A atividade econômica começa a se estabilizar e deve voltar a crescer a partir do último trimestre do ano. Os indicadores recentes sugerem uma retomada mais intensa do que tínhamos em nosso cenário. Revisamos nossa projeção de crescimento do PIB para -3,2% este ano (antes, -3,5%) e 2,0% em 2017 (antes, 1,0%). Ajustamos nossa projeção de resultado primário de -2,5% para -2,6% do PIB em 2016, em razão da expectativa de receitas extraordinárias mais baixas, mas mantivemos em -2,2% do PIB a projeção para Mantivemos nossa projeção de câmbio em 3,25 reais por dólar, ao fim de 2016, e 3,50 reais por dólar, ao fim de Mantivemos a projeção para o IPCA para este ano em 7,2%. Apesar da maior pressão dos preços de alimentos na margem, acreditamos em moderação ao longo do segundo semestre. Para 2017, a melhora das expectativas reforça nosso cenário de desaceleração do IPCA para 4,8%. O Banco Central (BC) mudou sua comunicação para tornar os próximos passos da política monetária mais dependentes dos dados. A mudança da comunicação e nossa expectativa para a economia nas próximas semanas são consistentes com nosso cenário de início do ciclo de cortes de juros em outubro. Mantemos nossa projeção da taxa Selic em 13,50%, ao fim de 2016, e 10,00%, ao fim do ano que vem. 2

3 Economia global: nossas projeções Mundo 3,4 3,4 3,1 3,1 3,4 EUA 1,5 2,4 2,4 1,5 2,2 Zona do Euro -0,4 0,9 1,5 1,5 1,3 Japão 1,4 0,0 0,5 0,5 0,7 China 7,8 7,3 6,9 6,5 6,0 3 Fonte: Itaú Unibanco, Haver Analytics

4 1Q14 2Q14 3Q14 4Q14 1Q15 2Q15 3Q15 4Q15 1Q16 2Q16 3Q16 4Q16 1Q17 2Q17 3Q17 4Q17 EUA: Fed mantém postura gradual e cautelosa A probabilidade de alta de juros no segundo semestre de 2016 vem aumentando nos últimos meses, diante da recuperação do mercado de trabalho e das condições financeiras mais favoráveis. No entanto, a trajetória de alta para as taxas de juros nos EUA deve permanecer gradual e cautelosa, diante do balanço de riscos para as perspectivas econômicas e a inflação ainda baixa. Mantivemos nossa projeção de crescimento do PIB em 1,5%, em 2016, mas ajustamos marginalmente nossa estimativa de 2,1% para 2,2%, em Inflação (Deflator PCE) Variação anual 2,7% 2,4% 2,2% 1,9% 1,7% 1,4% 1,2% %, Var. anual 0,9% Cenário Base (Desemprego = 4,5%, 0,7% Expectativas de Inflação (*) = 1,7%) Cenário Alternativo (Desemprego = 3.8%, 0,4% Expectativas de inflação (*) = 2,0%) 1T04 2T06 3T08 4T10 1T13 2T15 3T17 4T19 (*) Pesquisa com Economistas Profissionais, Projeção do CPI de 5-10 anos (ajustado para a diferença CPI-PCE) Crescimento do PIB %, anualizado 5,5% 4,5% 3,5% 2,5% 1,5% 0,5% -0,5% -1,5% -2,5% QoQ 2,6% 1,5% Annual 2,2% 4 Fonte: Itaú Unibanco, Bloomberg, Haver Analytics

5 1Q12 2Q12 3Q12 4Q12 1Q13 2Q13 3Q13 4Q13 1Q14 2Q14 3Q14 4Q14 1Q15 2Q15 3Q15 4Q15 1Q16 2Q16 3Q16 4Q16 1Q17 2Q17 3Q17 4Q17 Europa: BCE mantém taxa de juros, mas com viés expansionista O banco central europeu manteve a taxa de juros, mas com um viés expansionista, uma vez que a inflação segue muito baixa. A inflação da zona do euro registrou alta de 0,2% (acumulado em 12 meses), em agosto, e o núcleo da inflação recuou para 0,8%, vindo de 0,9%, em julho. Ambas as medidas continuam longe da meta do BCE, que é um número "próximo, porém abaixo, de 2%". A atividade mostrou alguma resiliência na Europa. PMI de Manufatura se recuperou no Reino Unido. Contágio para a Zona do Euro ainda é baixo. Mantemos nossa projeção de crescimento do PIB da zona do euro em 1,5% para 2016, e 1,3% para Índice de gerentes de compras Manufatura (PMI) Índice Crescimento do PIB (Zona do euro) % 2,5% ,0% 1,5% 1,6% 1,5% 1,3% 1,0% 0,9% 50 0,5% 0,0% 45 Reino Unido Zona do Euro -0,5% -1,0% 40 ago-10 ago-11 ago-12 ago-13 ago-14 ago-15 ago-16 Trimestral Anual 5 Fonte: Itaú Unibanco, Bloomberg, Haver Analytics, Eurostat

6 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 4T14 1T15 2T15 3T15 4T15 1T16 2T16 3T16 4T16 1T17 2T17 3T17 4T17 China: riscos continuam contidos Os últimos dados econômicos estão em linha com um cenário de estabilidade, ou seja, desaceleração gradual da atividade, inflação bem comportada e fluxos de capital sob controle. Temos reforçado que atualmente o principal risco para esse cenário é a desaceleração contínua do investimento fixo. No entanto, alta nos lucros da indústria pode melhorar investimentos à frente. Mantemos nossas projeções de crescimento do PIB em 6,5%, em 2016, e em 6,0%, em Lucros da indústria e investimento %, variação anual 30% 20% 10% Investimento Fixo(FAI) Lucros da Indústria (dir) 30% 15% 0% 0% -15% jul-13 jan-14 jul-14 jan-15 jul-15 jan-16 jul-16 Crescimento do PIB %, anualizado 9,0% 8,5% 8,0% 7,5% 7,0% 6,5% 6,0% 5,5% 5,0% 4,5% 4,0% Trimestral 7,3% 6.9% Anual 6,3% 6,0% 6 Fonte: Itaú Unibanco, NBS, CEIC

7 LatAm: política monetária diverge (parcialmente) do Fed Taxas de câmbio não devem ter forte depreciação em resposta à alta de juros pelo Fed. A atividade econômica permanece fraca na região, com sinais mistos na margem. Elevamos a projeção de crescimento do PIB para o Brasil, mas mantivemos as projeções para a maioria dos demais países. Esperamos que Brasil e Argentina liderem a recuperação da região no ano que vem em ambos os casos, o patamar baixo do PIB ajuda a retomada. Com a inflação menos pressionada, a política monetária na região está se tornando mais expansionista. A exceção é o México. Taxa de câmbio Variação anual, moeda local por dólar 60% 50% 40% 30% 20% p 2017p 10% 00% -10% -20% -30% BRL CLP COP MXN PEN 7 Fonte: Itaú Unibanco, Bloomberg, Haver Analytics

8 LatAm: nossas projeções Peru Mexico PIB - % PIB - % PEN / USD (Dez) MXN / USD (Dez) Taxa de juros - (Dez) - % Taxa de juros - (Dez) - % IPC IPC Colombia Chile PIB - % PIB - % COP / USD (Dez) CLP / USD (Dez) Taxa de juros - (Dez) - % Taxa de juros - (Dez) - % IPC IPC Argentina PIB - % ARS / USD (Dez) Lebac 35 d (Dez) - % IPC - % (Est. privadas) Fonte: Itaú Unibanco

9 Brasil: o que esperamos no curto prazo? Atividade econômica PIB (%) 3,0 0,1-3,8-3,2 2,0 Desemprego (%) Dezembro (PNAD cont.) 6,8 7,0 10,0 12,5 12,2 Inflação IPCA (%) 5,9 6,4 10,7 7,2 4,8 Política monetária Taxa SELIC (%) 10,00 11,75 14,25 13,50 10,00 Fiscal Superávit primário (% PIB) 1,8-0,6-1,9-2,6-2,2 Balança de pagamentos Câmbio (fim de período) 2,36 2,66 3,96 3,25 3,50 Conta corrente (% PIB) -3,0-4,3-3,3-1,2-1,7 9 Fonte: Itaú Unibanco, Bloomberg, BCB, IBGE

10 mar-03 mar-05 mar-07 mar-09 mar-11 mar-13 mar-15 mar-17 Brasil: recuperação mais intensa. Mas sustentável? Os indicadores recentes sugerem que a retomada da economia deve ser mais intensa do que o esperado. Indicadores antecedentes sugerem crescimento no quarto trimestre e o aumento na confiança permanece disseminado. Projetamos agora uma queda menor do PIB (de -3,5% para -3,2%), este ano, e uma recuperação mais intensa em 2017 (de 1% para 2% de crescimento). No entanto, a sustentabilidade da retomada depende da reaceleração da demanda, e esse cenário depende crucialmente da aprovação das reformas fiscais. Índice de difusão Confiança e Produção Industrial var. anual 80% 72% 64% 56% 48% 40% 32% 24% 16% Índice de difusão (12m, t-2) ìndice de difusão (3m, t-2) Crescimento PIB (12m) (dir.) 9% 7% 5% 3% 1% -1% -3% -5% -7% 50% 30% 10% -10% -30% 25% 20% 15% 10% -5% -10% -15% Produção Industrial -20% -50% Confiança na Indústria (T-1, dir.) -25% ago-06 ago-08 ago-10 ago-12 ago-14 ago-16 5% 0% 10 Fonte: Itaú Unibanco, IBGE

11 PIB deve voltar a crescer no 4T I 2013.II 2013.III 2013.IV 2014.I 2014.II 2014.III 2014.IV 2015.I 2015.II 2015.III 2015.IV 2016.I 2016.II 2016.III 2016.IV 2017.I 2017.II 2017.III 2017.IV Economia ainda não saiu da recessão, mas vem se estabilizando. O PIB recuou 0,6% no segundo trimestre ante o trimestre anterior, em linha com nossas estimativas. Olhando adiante, no entanto, a tendência é de acomodação. O crescimento deve ser puxado pela indústria (pela ótica da oferta) e pelo investimento (pela ótica da demanda). PIB Índice desszonalizado, 1995=100 Crescimento do PIB % trimestral ,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% -0,5% -1,0% -1,5% -2,0% -2,5% Realizado Projeção -1,0% -2,3% -0,4% -1,3% 0,2% - 0.5% -0,6% 0,9% II 2006.II 2008.II 2010.II 2012.II 2014.II 2016.II 11

12 Emprego formal segue em declínio A redução de vagas deve continuar até o primeiro semestre do ano que vem, devido às defasagens com que o mercado de trabalho reage à atividade econômica, mas a recuperação mais rápida da atividade econômica deve possibilitar uma queda do desemprego já no ano que vem. Dessa forma, mantivemos nossa projeção de 12,5% para o fim deste ano, mas alteramos nossa projeção de desemprego para 12,2% para dezembro do próximo ano (antes, 13,0%). Taxa de desemprego e emprego difícil de encontrar %, com ajuste sazonal Criação de emprego formal (CAGED) Milhares, com ajuste sazonal Emprego difícil de encontrar - ( T-12 ) Desemprego (dir.) ,0 40 *Com base na pesquisa de 30 Confiança do Consumidor 6 jul-09 jul-11 jul-13 jul-15 jul Fonte: IBGE, Itaú Unibanco, FGV

13 Fiscal: reformas fiscais serão aprovadas? Reduzimos nossa projeção de resultado primário em 2016 de -2,5% (R$ 155 bilhões) para -2,6% do PIB (R$ 162 bilhões), igualando a meta fiscal. Para 2017, mantivemos nossa projeção de resultado primário de -2,2% do PIB (R$ 143 bilhões), em linha com a meta do governo. Os resultados fiscais continuam em trajetória desfavorável. Acreditamos que a aprovação das medidas, caso se materialize, será um passo importante para estabilizar a dívida pública no médio prazo. Dívida bruta do governo geral % PIB 75% 70% 65% 60% 55% 50% 45% jul-07 jan-09 jul-10 jan-12 jul-13 jan-15 jul Fonte: Itaú Unibanco, Receita Federal

14 Pressão de curto prazo não muda perspectiva de desinflação Mantivemos a projeção para a inflação medida pelo IPCA em 2016 em 7,2%. Apesar da maior pressão nos preços de alimentos no curto prazo, acreditamos em moderação das altas ao longo do segundo semestre. O nível elevado de ociosidade da economia também tende a contribuir para uma queda maior da inflação mais à frente. Nesse cenário, mantivemos a projeção de que a inflação do IPCA recue para 4,8% no ano que vem. IPA agrícola e preços de alimentos Variação em 12 meses 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Alimentação no domicílio IPA Agrícola projeção -5% dez-11 dez-12 dez-13 dez-14 dez-15 dez-16 dez-17 Decomposição IPCA Variação em 12 meses 20% 18% 16% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% IPCA Livres (76%) Administrados (24%) 18,1% 10,7% 8,5% 7,2% projeção 4,8% 0% dez-11 dez-12 dez-13 dez-14 dez-15 dez-16 dez Fonte: Itaú Unibanco, IBGE

15 Taxa de câmbio estável, com equilíbrio entre fatores externos e domésticos Taxa de câmbio se manteve em torno dos 3,20 reais por dólar em agosto, com cenários externos e domésticos atuando em sentidos contrários. Membros do comitê de política monetária do Fed indicaram que a taxa de juros pode subir ainda este ano nos EUA. A sinalização gerou um movimento de apreciação do dólar frente às moedas de economias emergentes, entre elas o real. No Brasil, ainda que persistam as incertezas, o esforço do governo em promover ajustes e reformas continua sustentando a moeda. Taxa de Câmbio BRL/USD, final de período Déficit em conta corrente % PIB, anual 4,50 3% 4,00 3,50 3,25 3,50 2% 1% 0% 3,00 3,23-1% -1,2% 2,50-2% -3% -1,8% -1,7% 2,00-4% 1,50 dez-12 dez-13 dez-14 dez-15 dez-16 dez-17-5% 15 Fonte: Itaú Unibanco, BCB

16 Política monetária: Copom abre as portas, esperamos corte em outubro O Banco Central manteve o foco em trazer a inflação para a meta em 2017, o que não permitiu cortes de juros até agora. No entanto, o Copom decidiu alterar sua comunicação para tornar os próximos passos mais dependentes dos dados. Entendemos que essa mudança e nossa expectativa para a evolução da economia nos próximos meses são consistentes com nossa projeção de início dos cortes de juros na reunião de outubro. Projetamos que o ciclo expansionista continuará em 2017, até a Selic atingir 10,00% ao ano. 15% Selic % p.a. 14% 13% 13,50% 13,80% 12% 11% 10% 9% 10,00% 11,33% 8% 7% Projeção equipe econômica Itaú Apreçamento da SELIC implícito na curva de DI futuro 16 Fonte: Itaú Unibanco, Bloomberg

17 Conclusão Internacional Ambiente externo ainda favorável para os mercados emergentes O Fed, o banco central americano, deve voltar a elevar juros este ano. Acreditamos que uma alta em dezembro seja o mais provável, mas o risco de acontecer em setembro parece subestimado pelo apreçamento dos ativos. O Banco Central Europeu (BCE) vem mantendo os juros estáveis, à medida que a atividade mostra alguma resiliência após o Brexit. Mas o viés é expansionista, dada a inflação substancialmente abaixo da meta. Com a expectativa de que as taxas de juros globais permaneçam em níveis muito baixos e os riscos de atividade na China limitados, o cenário externo permanece favorável para os mercados emergentes. Brasil Retomada à vista, mas crescimento sustentado depende das reformas A atividade econômica começa a se estabilizar e deve voltar a crescer a partir do último trimestre do ano. Os indicadores recentes sugerem uma retomada mais intensa do que tínhamos em nosso cenário. Revisamos nossa projeção de crescimento do PIB para -3,2% este ano (antes, -3,5%) e 2,0% em 2017 (antes, 1,0%). Ajustamos nossa projeção de resultado primário de -2,5% para -2,6% do PIB em 2016, em razão da expectativa de receitas extraordinárias mais baixas, mas mantivemos em -2,2% do PIB a projeção para Mantivemos nossa projeção de câmbio em 3,25 reais por dólar, ao fim de 2016, e 3,50 reais por dólar, ao fim de Mantivemos a projeção para o IPCA para este ano em 7,2%. Apesar da maior pressão dos preços de alimentos na margem, acreditamos em moderação ao longo do segundo semestre. Para 2017, a melhora das expectativas reforça nosso cenário de desaceleração do IPCA para 4,8%. O Banco Central (BC) mudou sua comunicação para tornar os próximos passos da política monetária mais dependentes dos dados. A mudança da comunicação e nossa expectativa para a economia nas próximas semanas são consistentes com nosso cenário de início do ciclo de cortes de juros em outubro. Mantemos nossa projeção da taxa Selic em 13,50%, ao fim de 2016, e 10,00%, ao fim do ano que vem. 17

18 18

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

BRASIL: o fim de um modelo ou um ajuste cíclico? MAIO 2013

BRASIL: o fim de um modelo ou um ajuste cíclico? MAIO 2013 BRASIL: o fim de um modelo ou um ajuste cíclico? MAIO 2013 Novo padrão de consumo Mar 00 Sep 00 Mar 01 Sep 01 Mar 02 Sep 02 Mar 03 Sep 03 Mar 04 Sep 04 Mar 05 Sep 05 Mar 06 Sep 06 Mar 07 Sep 07 Mar 08

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS 1 Trimestre RESULTADOS OBTIDOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%)

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 CRESCIMENTO DO PIB

Leia mais

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros?

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? José Luís Oreiro * O Banco Central do Brasil iniciou o recente ciclo de flexibilização da política

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

16 a 31 de dezembro de 2014

16 a 31 de dezembro de 2014 16 a 31 de dezembro de 2014 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015 CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRIMESTRE DE 2015 1 CENÁRIO ECONÔMICO O segundo trimestre do ano de 2015 demonstrou uma aceleração da deterioração dos fatores macroeconômicos no Brasil, com aumento

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 Data: 27/02/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

1 a 15 de janeiro de 2015

1 a 15 de janeiro de 2015 1 a 15 de janeiro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2015 Roteiro Internacional Fim da onda de afrouxamento monetário? Mercado de trabalho forte nos EUA deve levar o Federal Reserve

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP ANEXO ESTATÍSTICO Produto Interno Bruto Tabela 1. Produto Interno Bruto Em R$ milhões Em U$ milhões 1 (último dado: 3º trimestre/) do índice de volume 2009 2010 (3ºtri) 2009 2010 (3ºtri) Trimestre com

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Economia Brasileira: Câmbio, Balança de Pagamentos e a Política Fiscal. Affonso Celso Pastore

Economia Brasileira: Câmbio, Balança de Pagamentos e a Política Fiscal. Affonso Celso Pastore Economia Brasileira: Câmbio, Balança de Pagamentos e a Política Fiscal Affonso Celso Pastore 1 índice (basket / US$) Entramos em um ciclo de valorização do dólar. A experiência dos dois ciclos anteriores

Leia mais

Carta Mensal Novembro 2015

Carta Mensal Novembro 2015 Canvas Classic FIC FIM (nova razão social do Peninsula Hedge FIC FIM) Ao longo de novembro, a divergência na direção da política monetária conduzida pelos dois mais relevantes bancos centrais do mundo

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010. Análise CEPLAN Recife, 26 de janeiro de 2010. Temas que serão discutidos na Análise Ceplan A conjuntura econômica título em mestre 2010 e perspectivas para 2011 (Brasil, Nordeste, Estados); Informe especial

Leia mais

Sondagem do Setor de Serviços

Sondagem do Setor de Serviços Sondagem do Setor de Serviços % Setor 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Agropecuária 5,9 4,9 4,7 4,8 5,0 5,2 Indústria 25,8 25,1 24,7 23,9 23,3 21,8 Serviços 54,1 55,8 56,5 57,3 56,8 58,9 Impostos líquidos

Leia mais

Macro Latam Mensal Revisão de cenário

Macro Latam Mensal Revisão de cenário Macro Latam Mensal Revisão de cenário setembro de 2015 Página Economia global Desaceleração da China reduz crescimento global 3 A desaceleração adicional da China tem impacto modesto nas economias desenvolvidas,

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Outubro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Outubro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Outubro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Dois Cenários Antagônicos para 2015

Dois Cenários Antagônicos para 2015 Dois Cenários Antagônicos para 2015 Celso L. Martone Setembro de 2014 A Herança Lula/Dilma I Taxa de inflação efetiva de 7,5%, contida a 6,5% pelo congelamento de preços administrados (energia, combustíveis,

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Taxas de juros domésticas cedem com divulgação de IPCA de abril mais baixo;

Taxas de juros domésticas cedem com divulgação de IPCA de abril mais baixo; 12-mai-2014 Taxas de juros domésticas cedem com divulgação de IPCA de abril mais baixo; Dólar encerra praticamente estável em semana de maior entrada de fluxo externo; Ibovespa termina semana com leve

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A B R I L, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 27 de maio de 2016 Crédito imobiliário alcança R$ 3,5 bilhões em abril

Leia mais

12 de setembro de 2014

12 de setembro de 2014 Capacidade de promover mudanças Para o rating brasileiro a recuperação econômica conduzida por investimento e o rígido cumprimento das metas de superávit primário entre 2% e 3% são essenciais. Por outro

Leia mais

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 1 pico = 100 Valor de Mercado das Bolsas Mundiais pico 100 Atual 80 Japão 60 40 crise 1929 20

Leia mais

Economia brasileira: Crise à vista

Economia brasileira: Crise à vista Boletim Econômico Edição nº 01 agosto de 2013 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Economia brasileira: Crise à vista Comportamento da inflação ditará o futuro político do país

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015 24/08/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Mais uma semana bastante volátil de mercado, com as tensões se elevando conforme os indicadores econômicos chineses demonstram um crescimento aquém do projetado

Leia mais

Relatório Mensal. Abril de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Abril de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Abril de 2015 Cenário Internacional: EUA Divulgado o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no primeiro trimestre de 2015 apresentando crescimento anualizado de 0,2%, muito aquém

Leia mais

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global de janeiro de 1 Por Min Zhu Em nossa Reunião Anual de outubro de 13, travamos um longo debate sobre as perspectivas

Leia mais

São Paulo, 17 de Agosto de 2012

São Paulo, 17 de Agosto de 2012 São Paulo, 17 de Agosto de 2012 Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, no 22º Congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Fenabrave Senhoras

Leia mais

Macro Latam Mensal Revisão de cenário

Macro Latam Mensal Revisão de cenário Macro Latam Mensal Revisão de cenário setembro de 2013 Página Economia global Redução do ritmo de expansão monetária nos EUA prestes a começar 3 O cenário é de aumento gradual nas taxas de juros de mercado

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Macro Latam Mensal Revisão de cenário

Macro Latam Mensal Revisão de cenário Macro Latam Mensal Revisão de cenário abril de 2014 Página Economia global Momento positivo nos mercados emergentes, mas crescimento continua fraco 3 A atividade nos EUA continua melhorando sem pressionar

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

BBDTVM - Fundos de Investimentos

BBDTVM - Fundos de Investimentos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Fundos de Investimentos ECONOMIA INTERNACIONAL Atividade Global Contexto corrente não persistirá: Concomitante desaceleração EUA e China Índice de S urpresas Macroeconômicas

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

INDX avança 4,71% em Fevereiro

INDX avança 4,71% em Fevereiro INDX avança 4,71% em Fevereiro Dados de Fevereiro/15 Número 95 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de fevereiro com elevação

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Márcio Holland Secretário de Política Econômica Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Brasília, 19 de maio de 2014 2 Por que investimentos

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Relatório Econômico Mensal SETEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal SETEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal SETEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal Sem grandes novidades no Relatório Focus desta segunda-feira, apenas pequenos ajustes nas previsões para o IPCA e a Produção industrial de 2010, as atenções estarão voltadas esta semana

Leia mais

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Robert John van Dijk Diretor Superintendente Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Agosto de 2008 Agenda - Administração de recursos de terceiros: no Brasil

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world 12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016 The asset manager for a changing world CENÁRIO ECONÔMICO EDUARDO YUKI ECONOMISTA CHEFE The asset manager for a changing world RITMO DE CRESCIMENTO MUNDIAL ESTÁ

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Taxa de juros. Taxa de câmbio. Bolsa de Valores. 22-dez-2014. a curva de juros subiu; o dólar desvalorizou-se 0,1% em relação ao real;

Taxa de juros. Taxa de câmbio. Bolsa de Valores. 22-dez-2014. a curva de juros subiu; o dólar desvalorizou-se 0,1% em relação ao real; 22-dez-2014 Taxa de juros a curva de juros subiu; Taxa de câmbio o dólar desvalorizou-se 0,1% em relação ao real; Bolsa de Valores o Ibovespa fechou a semana em alta de 3,4%. Na semana passada todos os

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros;

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; 06-jun-2014 Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; Dólar encerra semana em alta diante de expectativa de retirada de operações de swap; Ibovespa recuou 2,6% na semana,

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Mauá Investimentos. Confidencial

Mauá Investimentos. Confidencial Agenda Economia Mundial América Latina Brasil Como vem performando a economia mundial? Mundo cresce, com inflação controlada Juros reais historicamente baixos, e maior integração comercial Liquidez Internacional:

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia?

Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia? Audiência Pública 004/2007 da ANEEL Segunda Revisão Tarifária Periódica da Coelce Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia? Cláudio J. D. Sales Presidente Instituto Acende Brasil Auditório

Leia mais

Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central;

Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central; 19-mai-2014 Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central; Ibovespa subiu 1,7% na semana, e acumula alta

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES

PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES Walter Mendes de Oliveira Filho. Fevereiro 2005 1 PERSPECTIVA MERCADO DE AÇÕES A RECENTE RECUPERAÇÃO DO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO ACOMPANHOU A ALTA DOS MERCADOS EMERGENTES

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Os exemplos ilustram vencedores e perdedores da atual redução no preço do petróleo,

Os exemplos ilustram vencedores e perdedores da atual redução no preço do petróleo, Quem ganha e quem perde com a queda do preço do petróleo? O momento de queda no preço do petróleo leva alguns exportadores do produto a se prepararem para uma significativa queda de receitas. Ao mesmo

Leia mais

Perspectiva Mensal. Brasil: inflação resiste à queda da demanda

Perspectiva Mensal. Brasil: inflação resiste à queda da demanda Brasil Perspectiva Mensal 19/06/15 Brasil: inflação resiste à queda da demanda O IPCA voltou a surpreender em junho e a inflação acumulada em 12 meses deve seguir em alta, ultrapassando 9% nas próximas

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

Macro Latam Mensal Revisão de cenário

Macro Latam Mensal Revisão de cenário Macro Latam Mensal Revisão de cenário outubro de 2012 Página Economia global Mais estímulos, atividade estabilizando 3 Os principais bancos centrais injetaram outra rodada de estímulos. À medida que as

Leia mais

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. China: rumo a um novo equilíbrio? Relatório Semanal de Macroeconomia

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. China: rumo a um novo equilíbrio? Relatório Semanal de Macroeconomia Opinião Macroeconômica Macro Visão terça-feira, 8 de setembro de 2009 Relatório Semanal de Macroeconomia China: rumo a um novo equilíbrio? Na semana passada o Macro Visão destacou o aumento da participação

Leia mais