Tubulações Industriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tubulações Industriais"

Transcrição

1 07/12/

2 Tubos 07/12/2012 2

3 Geração Produção e / ou Tubulação Utilização Armazenagem Utilização Líquidos Pastosos Com suspensão Gases 07/12/2012 3

4 Conduto rígido tubos; Conduto flexível tubo fexível, mangeira, mangote. Normas Americanas Pipe (conduzir fluidos) Tubing (trocar calor, conduzir sinais, etc) 07/12/2012 4

5 Os tubos utilizados em instalações industriais, são definidos e classificados pela ANSI B36.10 (Aços Carbono e Aços Liga) e B36.19 (Aços Inoxidáveis); São designados por um número chamado DN - Diâmetro Nominal (referencial da linha neutra), qual vai de 1/8 até 12 não correspondendo a nenhuma dimensão física do tubo. Já nos casos de 14 e 36, correspondem ao diâmetro da circunscrição da linha neutra da espessura do material (centro da parede interna x externa). Para cada Ø nominal fabricam-se tubos com várias espessuras, o diâmetro externo é conservado, variando-se então apenas o diâmetro interno. 07/12/2012 5

6 07/12/2012 6

7 07/12/2012 7

8 Os tubos eram fabricados em 3 (três) espessuras conhecidas, como: S Standard; XS Extraforte ; XXS Duplo Extraforte. A ANSI B36.10 adotou as séries Schedule Number para designar a espessura dos tubos (10, 20, 30, 40, 60, 80, 100, 120, 140 e 160) Espessura STD e Sch 40 são as mesmas para diâmetros até NPS 10 (DN 250); Espessura STD é 3/8 (9,52mm) para diâmetros NPS 12 (DN 300) e maiores; Espessura XS e Sch 80 são as mesmas para diâmetros até NPS 8 (DN 200); Espessura XS é ½ (12,7mm) para diâmetros NPS 8 (DN 200) e maiores. 07/12/2012 8

9 07/12/2012 9

10 07/12/

11 07/12/

12 Tubos Industriais Os tubos de Ø >36 não são padronizados, fabricando-se apenas por encomenda e com costura. Os tubos de aço carbono, s/ costura, variam entre 6 e 10m podendo chegar a 16m, dependendo do peso do lingote. Os tubos c/ costura podem ser fabricados em comprimentos prédeterminados. No geral, os comprimentos variam de 3, 6 e 12 metros; Os tubos são fabricados em com três extremidades (pontas), de acordo com o meio de ligação a ser usado: Lisa, Chanfrada e Rosqueada. 07/12/

13 Tubos de FoFo 07/12/

14 Tubos de PVC 07/12/

15 Tubos de PVC 07/12/

16 Tubos de Cobre e Suas Ligas Tubulações Industriais 07/12/

17 07/12/

18 Processos de Fabricação Tubulações Industriais Laminação Tubos sem costura Extrusão Fundição Tubos com costura Laminação + Soldagem 07/12/

19 Laminação (Parte I) 07/12/

20 Laminação (Parte II) 07/12/

21 Extrusão 07/12/

22 Fabricação de Tubos c/ Costura (FRW) 07/12/

23 Fabricação de Tubos c/ Costura (SAW) 07/12/

24 Fabricação de Tubos c/ Costura (ERW) 07/12/

25 Fabricação de Tubos c/ Costura Helicoidal (SAW) 07/12/

26 Dados para Pedido/Aquisição Tubulações Industriais Quantidade (peso ou comprimento); Diâmetro nominal; Espessura/série; Norma dimensional; Material; Processo de fabricação (tipo); Extremidade; Acabamento/revestimento. 07/12/

27 Meios de Ligação dos Tubos 07/12/

28 Meios de Ligação Conectar tubos entre si; Ligar tubos às válvulas, acessórios e equipamentos. Principais sistemas de ligação/fixação Ligações rosqueadas; Ligações soldadas; Ligações flangeadas; Ligações ponta e bolsa; Ligações de compressão; Ligações patenteadas. Escolha depende de: material, diâmetro, finalidade, segurança, custo, pressão e temperatura, fluido, necessidade de desmontagem. 07/12/

29 LIGAÇÕES CORRENTES AO LONGO DA TUBULAÇÃO SERVIÇOS NÃO- SEVEROS SERVIÇOS SEVEROS DIÂMETROS ATÉ 4 DIÂMETRO DE 6 OU MAIORES DIÂMETRO ATÉ 1½ LIGAÇÕES ROSQUEADAS COM LUVAS SOLDA DE TOPO LIGAÇÕES DE SOLDA DE ENCAIXE COM LUVAS DIÂMETROS DE 2 OU MAIORES SOLDA DE TOPO DIÂMETROS DE 4 LIGAÇÕES ROSQUEADAS COM UNIÕES LIGAÇÕES NOS EXTREMOS DA TUBULAÇÃO, OU ONDE FOR EXIGIDA FACILIDADE DE DESMONTAR SERVIÇOS NÃO- SEVEROS SERVIÇOS SEVEROS DIÂMETRO DE 6 OU MAIORES DIÂMETROS ATÉ 1½ LIGAÇÕES FLANGEADAS (FLANGES ROSQUEADOS OU SOBREPOSTOS) LIGAÇÕES DE SOLDA DE ENCAIXE COM FLANGES DE ENCAIXE DIÂMETROS DE 2 OU LIGAÇÕES FLANGEADAS 07/12/2012 MAIORES (FLANGES DE PESCOÇO) 29

30 Ligações Rosqueadas Domiciliares/Comerciais Industriais, em ramos secundários; Vantagens Desvantagens Custos Fácil execução; Fácil desmontagem D 4 Vazamentos; Resistência mecânica Rosca em tubos: Sch 30 a 100 (preferencialmente) ANSI/ASME B /12/

31 07/12/

32 07/12/

33 07/12/

34 07/12/

35 Ligações Soldadas Solda por fusão Solda de topo Solda de encaixe ou soquete Vantagens Resistência Estanqueidade Aparência Manutenção Fácil de pintar e isolar Desvantagens Desmontagem Mão de obra 07/12/

36 Solda de topo para tudo com diâmetro acima de 2. ASME B /12/

37 Solda de topo para tudo com diâmetro inferior a 1 1/2 07/12/

38 Ligações Flangeadas Tubulações Industriais Válvulas; Equipamentos e instrumentos; Desmontagem (quando tubulação não flangeada); Tubos entre si (quando não pode soldar); Desvantagens: Vazamento Pesadas Volumosas Caras 07/12/

39 Ligações Flangeadas Tubulações Industriais ANSI/ASME B16.5 as 7 classes abrangem todos os tipos de flanges, Ø de ½ a 24,com as seguintes exceções: 2500# só até ø 12 ; Flanges de encaixe só nas classes de 150# e 600#; 1500# flanges rosqueados até ø 12 ; Ø < 3 os da classe 400# são iguais aos 600#; Ø < 2 1/2 os da classe 900# são iguais aos 1500#. Obs: # = psi = lbf/pol². 07/12/

40 07/12/

41 07/12/

42 Tipos de Flanges Forjados < 20 ; >20 Anel rolado laminado a quente ou feitos de chapas ou barra calandrada Principais Especificações ASTM p/ forjados: A-181: aço carbono uso geral A-105: aço carbono acalmado c/ Si, p/ temperaturas elevadas A-182: aço-liga Mo, Cr-Mo e de aços inoxidáveis A-351: aço carbono e aço-liga Ni p/ baixas temperatura ANSI B16.5 define 7 classes de flanges cujas pressões nominais são (#): 150, 300, 400, 600, 900, 1500, Estas pressões são as admissíveis de trabalho p/ uma determinada temperatura. P/ o A/C são 260ºC p/ 150# em 455ºC p/ as demais. P/ os de aços-liga e inox variam conforme o material sendo mais altas do que as correspondentes ao A/C. O número da pressão nominal não significa a pressão admissível de trabalho do flange, esta depende da temperatura de trabalho. 07/12/

43 Tipos de Flanges A) Integral Equipamentos Ferro fundido + Resistente B) Pescoço Uso geral Resistência Aperto Tensões residuais Montagem: - Tubo chanfrado - Comprimento certo C) Sobreposto Menos custo Facilidade de montagem Aperto Tensões residuais 07/12/

44 Tipos de Flanges Não soldáveis Tubos Não - metálicos D) Rosqueado Aperto tensões residuais Rosca: tensões, vazamentos E) Encaixe 1½ + Facilidade na montagem F) Lap-joint Soltos,virola Sem contato G) cego Bocais de equipamentos Extremidade Futura expansão 07/12/

45 Tipos de Flanges 07/12/

46 C/ ressalto: mais comum, p/ qualquer temperatura e pressão, 1/16 de altura p/ classes de pressão 150 e 300#) e ¼ p/ classes mais elevadas, superfície lisa ou ranhurada (espiralada ou concêntricas). Ranhuras devem ter profundidade de até 0,15mm, e o ressalto liso pode ter vários graus de acabamento de acordo c/ o serviço ou tipo da junta. Plana: usual p/ Fofo e materiais frágeis; aperto da junta é inferior ao do face c/ ressalto. Só acoplar face plana c/ face plana. Para junta c/ Anel: usado p/ serviços severos, altas pressões e temperaturas (vapor >600#, hidrocarbonetos > 900#), fluidos perigosos, tóxicos etc. Rasgo circular profundo p/ encaixe do anel. Vedação pela ação de cunha do anel e pela dilatação deste devido a pressão interna. Dureza da face maior que o anel (A/C 120 HB, Inox 304, 316, 347 e HB e 120HB p/ 304L e 316L Macho e Fêmea: face de lingueta e ranhura, mais raros, usados p/ serviços especiais; junta fica confinada não tendo contato com o fluido circulante. 07/12/

47 07/12/

48 07/12/

49 07/12/

50 Juntas para Flanges Elemento de vedação, submetida a forte compressão pelo aperto dos parafusos, e a esforço de cisalhamento pelo fluido circulante. Deve ser suficientemente deformável e elástica, p/ amoldar nas irregularidades da superfície dos flanges, e dura e resistente quanto maior for a pressão do fluido. Compressão aperto Cisalhamento pressão Interna Material Acomodação Deformável P, t Elástico Resistente fluido, t 07/12/

51 Juntas para Flanges Espessura Dureza F = P x A P a (espess. ) Dureza Acabamento das faces P. Interna pode Aperto Inicial - p/ acomodar o material da junta sem pressão; Residual - p/ compensar a pressão Interna; A quente - p/ compensar a dilatação dos parafusos. 07/12/

52 Juntas para Flanges Não metálicas: juntas planas, p/ FFR e FFP, espessuras de 0,7 a 3mm, sendo 1,5mm mais comum. Borracha natural, sintética, materiais plásticos e papelão hidráulico (material aglutinante c/ amianto comprimido. Semi-metálicas em espiral: lâmina metálica (geralmente inox), torcida em espiral, c/ enchimento de amianto em volta. P/ FFR, serviços acima dos p/ Junta papelão hidráulico, e classes > 600#. Acabamento dos flanges deve ser liso. Metálicas foleadas: possuem; espessura da junta: 2 a 3mm. Mesmo emprego das semi-metálicas espiral; Flange com acabamento liso ou ranhura concêntrica. Metálicas maciças: faces planas ou ranhuradas, p/ FFR (altas pressões), e FF Macho-Fêmea. Metálicas de anel (JTA): anéis metálicos maciços de seção octogonal ou ovalada (mais comum). Empregadas em vapor e hidrogênio (>600#) e hidrocarbonetos (>900#). Usadas em temperaturas acima de 550ºC 07/12/

53 Materiais para Juntas Tubulações Industriais Borracha natural (EPDM); Borrachas sintéticas (PTFE, Silicone, PVA, PU); Papelões hidráulicos; Materiais plásticos (PVC, PEAD, PEBD); Juntas metálicas folheadas ou em espiral; Juntas metálicas simples. 07/12/

54 Juntas Planas (ANSI/ ASME B 16.21) Tubulações Industriais ENCHIMENTO NÃO METÁLICO Juntas de Anel (ANSI/ ASME B 16.20) 07/12/ OVAL

55 Parafusos e Estojos (AC) AC psi AL psi (AL) APERTO A-193 Gr B7 (1%Cr 0,2% Mo) até 480ºC A-193 Gr B5 (5%Cr 1/2% Mo) até 600ºC A-320 (aço-liga Ni) temperaturas abaixo de 0ºC Aços Inox, devido a baixa resistência mecânica, não devem ser usados em serviços severos. ANSI B31 limita a FLG até 400#. 07/12/

56 07/12/

57 07/12/

58 Parafusos e Estojos APERTO INICIAL Tem a finalidade de adaptar as juntas às faces do flange, amoldando-a às imperfeições. Valores do Aperto Inicial: Juntas de Borracha de 2,5 a 4 MPa Juntas de Papelão Hidráulico de 8 a 12 MPa Juntas Metálicas de 20 a 40 Mpa APERTO RESIDUAL Tem o objetivo de combater o efeito da pressão interna (Pi) na tubulação tendendo a separar os flanges. Valor do Aperto Residual :1,5 a 2 vezes Pi APERTO FINAL Para compensar os efeitos de dilatações devido a variações de temperatura 07/12/

59 Parafuso Cabeça integral sextavada ou quadrada, rosca nuca abrange todo o corpo. ANSI B18.2 padroniza dimensões, ANSI B1.1 padroniza dimensões dos filetes. Designados pelo comprimento e Ø nominal da rosca. ANSI B21 permite o uso de A/C p/ FLG até 300#, juntas não metálicas e até 260ºC. Só costumam ser empregados até 150#. Estojo Barras cilíndricas rosqueadas (pode ou não abranger todo o comprimento) c/ porcas e contra porcas independentes. Melhor aperto; filetes devem ser obtidos por rolamente e não por corte (usinagem). ANSI B18.2 padroniza dimensões, ANSI B1.1 padroniza dimensões dos filetes. ANSI B31.3 possui tabelas indicando as tensões admissívies e temperatura de trabalho p/ os diversos materiais de uso p/ os estojos. 07/12/

60 Ligação de Compressão Tubulações Industriais 07/12/

61 Ligação de Ponta e Bolsa Tubulações Industriais 07/12/

62 07/12/

63 Ligação de Ponta e Bolsa Tubulações Industriais 07/12/

64 Ligações Patenteadas Tubulações Industriais Junta Dresser Junta Vitaulic Junta Gibault 07/12/

65 Conexões 07/12/

66 Para solda de topo Para solda de encaixe Sistemas de Conexões Rosqueados Flangeados De ponta e bolsa De compressão 07/12/

67 1. Para mudanças de direção Curvas de raio longo Curvas de raio curto Curvas de redução Joelhos Joelhos de redução De 22 ½º, 45º, 90º e 180º 2. Para derivações Tês normais (de 90º) Tês de 45º Tês de redução Peças em y Cruzetas Cruzetas de redução Selas Colares 07/12/

68 3. Para mudanças de diâmetro Reduções concêntricas Reduções excêntricas 4. Para ligação 5. Para fechar extremidades Luvas Uniões Flanges Niples Virolas Tampões Bujões Flanges cegos 07/12/

69 Conexões Flangeadas (ANSI/ASME B 16.5) 07/12/

70 Conexões Flangeadas Sanitárias (ASME BPE 2002) 07/12/

71 Conexões para Solda de Encaixe (ANSI/ASME B16.11) 07/12/

72 Conexões Rosqueadas (ANSI/ ASME B 16.11, B 2.1) 07/12/

73 07/12/

74 Para Tubo Reforçados c/ Fibra de Vidro (FRP) 07/12/

75 Conexões Para Ligação De Compressão (Fittings) 07/12/

76 Conexões Para Ligação De Compressão 07/12/

77 07/12/

78 Conexões Para Solda De Topo (ANSI/ ASME B 16.9) 07/12/

79 Emprego das Conexões de Grande Porte 1 Curva em gomos em tubo de grande diâmetro 2 Boca de lobo 3 Acessórios para solda de topo soldados diretamente um ao outro 4 Derivação com colar 5 Derivação com luva 6 Acessórios para solda de encaixe (ou com rosca) com niples intermediários 07/12/

80 Curvas em Gomo e Derivações Soldadas Curvas em Gomo: Usadas exclusivamente em tubulações de aço; são feitas de pedaços de tubos e soldados de topo; podem ter 2, 3 ou 4 gomos. São usadas em Ø acima de 20, pressões e temperaturas moderadas. Derivações soldadas: Para ramais pequenos, até Ø 2, é usual o emprego de uma luva, soldada diretamente no tubo-tronco, desde que este último tenha pelo menos Ø 4. Os ramais de quais quer Ø, acima de 1, podem ser feitos c/ uso de selas ou colares. Para ramais de 2 ou mais, desde que o Ø do tubo-tronco seja maior do que o Ø do ramal, o mais usual é a solda direta de um tubo no outro (boca de lobo). Estas podem ser sobrepostas (menores tensões residuais) ou penetrantes (maiores tensões residuais). A ANSI B31 aceita esse tipo de derivação indicando detalhadamente casos onde seja necessário reforços locais. Estes reforços consistem em um anel de chapa envolvendo a derivação e soldado no tubo tronco e na derivação. 07/12/

81 Boca de Lobo (Ramal de 2 ou maior) 07/12/

82 Derivações Soldadas 07/12/

83 Derivações Soldadas 07/12/

84 Derivações Soldadas 07/12/

85 Derivações Soldadas 07/12/

86 Derivações Soldadas (Weldolet) Tubulações Industriais 07/12/

87 07/12/

88 Derivações Soldadas 07/12/

89 Curvas em Gomo 07/12/

90 07/12/

91 Isolamento 07/12/

92 07/12/

93 07/12/

94 Fim!!! 07/12/

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais

CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS

CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS ELEMENTOS DE LINHA São equipamentos e acessórios que se apresentam com constância ao longo de uma tubulação de processo. Os principais desses componentes são: conectores,

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS CONEXÕES DE TUBULAÇÃO VÁLVULAS INDUSTRIAIS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS CONEXÕES DE TUBULAÇÃO VÁLVULAS INDUSTRIAIS CURSO: ELETROMECÂNICA DISCIPLINA: MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS MECÂNICOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS CONEXÕES DE TUBULAÇÃO VÁLVULAS INDUSTRIAIS APOSTILA ORGANIZADA PELO PROFESSOR FÁBIO FERRAZ abril/ 2009 1 MEIOS

Leia mais

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos.

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulações Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulação é conjunto de tubos e seus diversos acessórios(curvas, tês, reduções, flanges, luvas, junta de expansão, válvulas,

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS Ligações rosqueadas; Ligações soldadas; Ligações flangeadas; Ligações de ponta e bolsa; Outras Ligações: - Ligações de compressão; - Ligações patenteadas. 1 Fatores que influenciam

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL COMPOSICÃO QUÍMICA PROCESSO DE FABRICAÇÃO PROPRIEDADES MECÂNICAS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTROLE DE QUALIDADE TENSÕES ADMISSÍVEIS EMPREGO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 6000-000-000-200-001

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 6000-000-000-200-001 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 6000-000-000-200-001 1 de 13 : DATA: 08/02/08 GEPRO GERENCIA DE PROJETOS Nº do Contrato: RESP. TÉCNICO/ CREA: ÍNDICE DE REVISÕES REV. E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9

Leia mais

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S USUÁRIO: CEGÁS 1 de 4 OBJETO: AMPLIAÇÃO DA RE DISTRIBUIÇÃO GÁS NATURAL RAMAL DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDIMENTO A CLIENTES MATERIAL TUBULAÇÃO EM AÇO CARBONO PARA GASODUTO DISTRIBUIÇÃO E INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

Leia mais

TUBULAÇÕES JOSÉ AERTON ROCHA

TUBULAÇÕES JOSÉ AERTON ROCHA TUBULAÇÕES JOSÉ AERTON ROCHA Tubulações Industriais Tubulações industriais são um conjunto de tubos e seus diversos acessórios, que tem por objetivo o transporte de fluidos do seu ponto de armazenamento

Leia mais

Certificado de Registro e Classificação Cadastral - CRCC

Certificado de Registro e Classificação Cadastral - CRCC CERTIFICAMOS que a empresa acima identificada encontra-se regularmente inscrita no Cadastro de es de Materiais e/ou Serviços da PETROBRAS e habilitada para as especialidades indicadas conforme relação

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 APRESENTAÇÃO Atuando no mercado desde 1988, a DRAGTEC, empresa conceituada no mercado de tubos, apresenta sua linha de produtos para comercialização,

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Prof. Antonio Clélio Ribeiro Livro Texto: TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Volumes 1 e 2 SILVA

Leia mais

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo

Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo TUBOS INOX Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo erro de edição, os preços são válidos para

Leia mais

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores.

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores. 4 Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Tubos sem Costura Tubos de aço sem costura são utilizados em aplicações como cilindros hidráulicos, componentes de transmissão, oleodutos,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S USUÁRIO: CEGÁS FOLHA: 1 de 5 OBJETO: AMPLIAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL OBRA. Í N D I C E D E R E V I S Õ E S REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 A B EMISSÃO PARA APROVAÇÃO ATENDENDO COMENTÁRIOS

Leia mais

Conectores / Adaptadores

Conectores / Adaptadores Conectores / Adaptadores Rev.10 1/20 ÍNDICE CONECTORES/ADAPTADORES PARA SOLDA CBW CFSW CW LBW LW TSW UDS UFSW UMSW USW TÓPICO PÁGINAS CBW CONECTOR PARA SOLDA DE TOPO 4 CFSW CONECTOR FÊMEA PARA SOLDA DE

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

CONEXÕES FLANGES VÁLVULAS JUNTAS DE EXPANSÃO INSTRUMENTAÇÃO. catálogo

CONEXÕES FLANGES VÁLVULAS JUNTAS DE EXPANSÃO INSTRUMENTAÇÃO. catálogo CONEXÕES FLANGES VÁLVULAS JUNTAS DE EXPANSÃO INSTRUMENTAÇÃO catálogo Válvulas de Ferro e Aço Válvulas de Bronze Tipos: Agulha Alívio Angular Borboleta Descarga de Caldeira Diafragma Esfera Gaveta Globo

Leia mais

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS METÁLICOS São feitos em metal (normalmente aço inox), fechado em uma das extremidades através de solda ou caldeamento, e, quase sempre rosqueado na outra parte e fixo ao. TUBOS CERÂMICOS São muito

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS FIRJAN CIRJ SESI SENAI IEL TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS CONTROLE DIMENSIONAL Caldeiraria e tubulação versão preliminar SENAI-RJ Metrologia TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS CONTROLE DIMENSIONAL Caldeiraria e tubulação

Leia mais

Sistema de condução para redes de ar comprimido, com união por termofusão. A revolução em sistema de condução para redes de ar comprimido

Sistema de condução para redes de ar comprimido, com união por termofusão. A revolução em sistema de condução para redes de ar comprimido Sistema de condução para redes de ar comprimido, com união por termofusão. A revolução em sistema de condução para redes de ar comprimido MEMBRO A tecnologia e segurança do PP-R, agora também para redes

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

Dados Técnicos Sobre Tubos

Dados Técnicos Sobre Tubos www.swagelok.com Dados Técnicos Sobre Tubos Índice Serviço de Gás.......................... 2 Instalação.............................. 2 Tabelas de Pressão de Trabalho Sugeridas Tubos em Aço Carbono.....................

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-27 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-27 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-27 Petrobras Contatos professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso Tubulações, válvulas

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line - PPL - é um novo sistema de tubulação de encaixe rápido projetado para todo tipo de planta de ar comprimido, bem como para outros fluidos, gases

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA CATÁLOGO TÉCNICO S E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA ÍNDICE S FIG. PÁG. Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.B. 10 1 Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.I. 11 2 Gaveta HA WCB FLG ASME

Leia mais

Válvulas reguladoras de pressão auto-operadas

Válvulas reguladoras de pressão auto-operadas Válvulas reguladoras de pressão autooperadas SR DIN PN 6 ANSI 300 DN 5 a 00 mm /2" a 4" SR 5R, R, 5E, E Aplicação As válvulas autooperadas reguladoras e redutoras de pressão SR 5R e SR R servem para controlar

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

VÁLVULAS DE ZONA DE ESFERA MOTORIZADAS

VÁLVULAS DE ZONA DE ESFERA MOTORIZADAS 4 ÁLULAS DE ZONA DE ESFERA MOTORIZADAS 64600 646004 30 (±0%) 4 (±0%) 6460 cat. 00 Servocomando para válvulas de zona de esfera série 6470, 6480 e 6489. Alimentação: 30 (ac) ou 4 (ac). Consumo: 4 A. Corrente

Leia mais

Catálogo Técnico. www.novema.com.br

Catálogo Técnico. www.novema.com.br Catálogo Técnico 2014 www.novema.com.br ÍNDICE VÁLVULAS: Fig. Pág. Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VB NVM 01 F 04 Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VI NVM 02 F 05 Gaveta HA WCB FLG ANSI 150 LBS NVM 03 06

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

Dureza Máxima Rockwell B. a) De acordo com a Norma API 6 A os anéis em ferro doce e aço carbono devem ser cadmiados com uma camada de 0,0002 a 0,0005.

Dureza Máxima Rockwell B. a) De acordo com a Norma API 6 A os anéis em ferro doce e aço carbono devem ser cadmiados com uma camada de 0,0002 a 0,0005. - São anéis metálicos usinados de acordo com padrões estabelecidos pelo American Petroleum Institute (API) e American Society of Mechanical Engineers (ASME), para aplicações em elevadas pressões e temperaturas.

Leia mais

Tubagens e Acessórios

Tubagens e Acessórios Tubagens e Acessórios Tubo Multicapa e Acessórios 7 Tubo Pex e Acessórios 17 Tubo PPR e Acessórios 26 Tubo Cobre e Acessórios 33 Tubo Inox e Acessórios 59 Tubo PVC e Acessórios 69 Tubo Polietileno e Acessórios

Leia mais

ÍNDICE DE REVISÕES. Rev. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS ALTERAÇÃO DA CLASSE DE PRESSÃO DAS VÁLVULAS DE DN 1 PARA # 800

ÍNDICE DE REVISÕES. Rev. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS ALTERAÇÃO DA CLASSE DE PRESSÃO DAS VÁLVULAS DE DN 1 PARA # 800 DIRTEC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET - SUL- 015.04 Rev.4 SULGÁS Cia de Gás do Rio Grande do Sul 01 de 15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL GERAL ÍNDICE DE REVISÕES Rev. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 1

Leia mais

- Castelo selado a pressão: "Pressure Seal" - Castelo soldado c/ anel de assento. - Anel lanterna - somente classes 300-600 - 900-1500.

- Castelo selado a pressão: Pressure Seal - Castelo soldado c/ anel de assento. - Anel lanterna - somente classes 300-600 - 900-1500. NICSA Válvulas de Fundido Gaveta - Globo - Retenção Classes ANSI 150-300 - 600-900 - 1500 FVAF-0206 Gaveta NICSA Globo Retenção Pressões de conforme API - 598 Classe 150 psi Classe 300 psi Classe 600 psi

Leia mais

Manual de instruções LINHA. Ar puro como sempre deve estar

Manual de instruções LINHA. Ar puro como sempre deve estar Manual de instruções LINHA Ar puro como sempre deve estar Sistema em PPR para Ar Comprimido Normas e Certificados O Sistema AirKap é produzido em material inerte e resistente à corrosão e por ter uma superfície

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental.

Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental. Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental. O mercado e diretrizes de empresas apontam cada vez mais para investimentos no sentido de reverter situações de contaminação

Leia mais

PROJETO MECÂNICO DE TROCADOR DE CALOR CASCO E TUBO

PROJETO MECÂNICO DE TROCADOR DE CALOR CASCO E TUBO PROJETO MECÂNICO DE TROCADOR DE CALOR CASCO E TUBO Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta

Leia mais

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral.

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. SETEMBRO/2011 Bitolas: 20, 25, 32, 40,50,60, 75, 85, 110 milímetros; Pressão

Leia mais

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS MANIFOLD As válvulas Manifold, produzidas pela Detroit, foram desenvolvidas e dimensionadas para tornar uma tubulação de instrumentos de diferencial de pressão mais simples, mais segura e mais confiável.

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3 MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO 1 Normas Aplicáveis Tubos: NBR 15.561; EN 12.201-2; Módulo 1.2 Conexões Soldáveis: NBR 15.593;EN 12.201-3; Módulo 1.3 Diretrizes para Projetos: NBR 15.802; Conexões Mecânicas:

Leia mais

Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.18, 990.19, 990.20 e 990.21, conexão rosqueada

Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.18, 990.19, 990.20 e 990.21, conexão rosqueada Selos diafragma Selo diafragma com conexão higiênica Para aplicações sanitárias Modelos 990.18, 990.19, 990.20 e 990.21, conexão rosqueada WIKA folha de dados DS 99.40 outras aprovações veja página 3 Aplicações

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

Apresentação. A Aceflan Acessórios Industriais Ltda. é uma empresa com mais de 20 anos no

Apresentação. A Aceflan Acessórios Industriais Ltda. é uma empresa com mais de 20 anos no Apresentação A Aceflan Acessórios Industriais Ltda. é uma empresa com mais de 20 anos no mercado, sempre atuando no segmento de acessórios para tubulação, tais como: Curvas, Tês, Flanges, Reduções, Válvulas,

Leia mais

LISTAS DE MATERIAIS 4

LISTAS DE MATERIAIS 4 C:\DOCUMENTS AND SETTINGS\MAISA.SENHA\DESKTOP\SAA\04 LISTA DE MATERIAIS.DOC 4 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 51 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação Histórico Revisão 0 1 2 3 4

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS: LIGAÇÕES ROSQUEADAS LIGAÇÕES SOLDADAS LIGAÇÕES FLANGEADAS LIGAÇÕES DE PONTA E BOLSA OUTROS SISTEMAS Ligações de compressão Ligações patenteadas FATORES QUE INTERFEREM

Leia mais

LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO

LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO w w w. h d s b r a s i l n e. c o m. b r ADAPTADOR

Leia mais

ÍNDICE GERAL DA TABELA DE AÇO

ÍNDICE GERAL DA TABELA DE AÇO ÍNDICE GERAL DA TABELA DE AÇO Tubo e Acessórios em Aço Carbono DIN 1 Tubo e Acessórios em Aço Carbono STD... 3 Válvulas Esfera FF / Aço Carbono / Aço Inox. 5 Junta Expansão Filtros em Aço / Válvulas para

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Prof. Antonio Clélio Ribeiro Livro Texto: TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Volumes 1 e 2 SILVA TELLES, Pedro Carlos Livros Técnicos e Científicos

Leia mais

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ASME B16.10M Tubos de Aço Carbono Com e Sem Costura METALLIC FÓRMULAS PARA CÁLCULOS DE PESOS POR METRO (BARRAS E TUBOS DE

Leia mais

Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS

Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS VÁLVULA FERRO CLASSE GAVETA FUNDIDO 15 Válvula gaveta em ferro fundido ASTM A 16 B; classe 15 lbs; haste ascendente com rosca trapezoidal externa e castelo aparafusado

Leia mais

FLEX VÁLVULAS E CONEXÕES

FLEX VÁLVULAS E CONEXÕES FLEX VÁLVULAS E CONEXÕES APRESENTAÇÃO FLEX VÁLVULAS E CONEXÕES FORNECIMENTO DE VÁLVULAS, CONEXÕES E ACESSÓRIOS INDUSTRIAIS. A FLEX, empresa especializada em VÁLVULAS, CONEXÕES e ACESSÓRIOS industriais,

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação 517 Válvula Globo 2/2 Vias - Acionamento Manual Apresentação Válvula Globo metálica flangeada (tipo aerodinâmica), acionada manualmente por volante. Ideal para o controle ou bloqueio de fluidos como: vapor,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe.

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. 01/66 FIG.Nº.:AG-01 Bitola 1/8 á 1. Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. Nº NOMES DAS PARTES CONSTRUÇÃO 01 TRAVA

Leia mais

Válvula Globo com Fole de Vedação Norma DIN

Válvula Globo com Fole de Vedação Norma DIN Válvula Globo com Fole de Vedação Norma DIN Aplicação Para bloquear e controlar manualmente vapor saturado, ar, gases, óleo térmico, amônia, água quente, vácuo e líquidos neutros. Características Fole

Leia mais

KITS DE ISOLAMENTO PARA FLANGES

KITS DE ISOLAMENTO PARA FLANGES KITS DE ISOLAMENTO PARA FLANGES Kits de Isolamento para Flanges Trata-se de um conjunto de peças cuja função é isolar eletricamente flanges de tubulações da passagem de correntes estranhas, evitando a

Leia mais

M40Fi3 ISO. Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300

M40Fi3 ISO. Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300 Página 1 a 6 TI-D221-02 M40Fi ISO Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300 Descrição A válvula M40Fi ISO é uma válvula esfera de passagem reduzida, com construção monobloco, e tem montagem

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Distribuidor no Brasil:

Distribuidor no Brasil: MINERAÇ Ã O 14 www.alvenius.ind.br O portfólio da Alvenius, em conjunto com sua experiência de mercado, bem como sua equipe de engenharia e assessoria técnica, permite que a companhia forneça desde os

Leia mais

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição Medição de vazão Bocal de vazão para instalação interna na tubulação, modelo FLC-FN-PIP Bocal de vazão para montagem entre flanges, modelo FLC-FN-FLN WIKA folha de dados FL 10.03 Aplicações Geração de

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo II Aula 03 3. TUBOS Quando usamos o termo tubo, que na pratica, a tempos atrás, e por muito tempo foi conhecido como cano, que até mesmo podemos dizer que

Leia mais

Tubos Redondos 11 22070781

Tubos Redondos 11 22070781 1 Tubos Redondos 11 22070781 Bitola (D) Bitola (D) Espessura Teórico Bitola (D) Bitola (D) Espessura Teórico Bitola (D) Bitola (D) Espessura Teórico Bitola (D) Bitola (D) Espessura Teórico da parede barra

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

CONEXÕES SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

CONEXÕES SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 ONEXÕES SISTEMS D QULIDDE E MIENTL ERTIFIDOS ONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 ONEXÕES DPTUDO onexões e adaptadores para uso geral na indústria, usados para interligar outras peças

Leia mais

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC Tubos e Conexões de PVC, para Água Fria, com Junta Soldável Norma Regulamentadora: ABNT NBR 5648 / jan 1999. Campo de Aplicação: Sistemas Prediais, condominiais e pequenas

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com.

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com. VARANDA 5 6 9 SUPORTE LATERAL 12 4 7 10 8 Código: 17010101 Descrição: Conjunto suporte lateral regulável Ø 13mm: 1 - Manopla - PA rosca M10 SS 304 2 - Arruela - M12 24mm SS 304 3 - Olhal - M10 PA M10 SS

Leia mais

4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre

4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre 4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre O Kanasan é um tubo corrugado de dupla parede, fabricado em Polietileno de Alta Densidade (PEAD), semi rígido, anelado externamente e liso internamente (Figura 1,

Leia mais

Sistemas Hidráulicos Sanitários. Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás

Sistemas Hidráulicos Sanitários. Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás Sistemas Hidráulicos Sanitários Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás Sistemas Hidráulicos Sanitários Instalação hidro-sanitária água fria Processo Executivo 1) Colocar todas

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência.

Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência. Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência. União deslizante de duplo lábio: maior segurança e facilidade de trabalho. O anel

Leia mais

Tubos e Conexões com Qualidade Schulz

Tubos e Conexões com Qualidade Schulz Linha ConectAR Tubos e Conexões com Qualidade Schulz O constante crescimento da indústria, dos processos tecnológicos e o forte impulso da automação industrial, exigem instalações de ar comprimido, eficientes,

Leia mais

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE MANUAL TÉCNICO Série: FBE Aplicação Desenvolvida para trabalhar com fluidos viscosos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração, alimentícia,

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS027 CONSERTO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Revisão: 01 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS027 CONSERTO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Revisão: 01 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS

COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS EMPRESA PARANAPANEMA JULHO - 2013 COBRE INTRODUÇÃO - Fundamental no desenvolvimento das primeiras civilizações, o cobre mantém-se como o melhor e mais indicado material

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e garantia do bom funcionamento das tubulações de

Leia mais

Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda.

Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda. Informações gerais: Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda. Fábrica: Fone/Fax: Site : E-mail : Data da Fundação: Rua: Amélio Koga, / - Vila Invernada São Paulo - SP. (0) - worldval@worldval.com.br

Leia mais

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho TERMORESISTÊNCIA GRÁFICO DEMONSTRATIVO DOS DESVIOS NAS TERMORESISTÊNCIAS CLASSES A e B TOLERÂNCIA ºC,,,0,,,,,0,,,,,0 0, 0, 0, 0, TERMORESISTÊNCIA CLASSE B TERMORESISTÊNCIA CLASSE A -00-00 0,0 00 00 00

Leia mais

Informações sobre FLANGES

Informações sobre FLANGES 1 Informações sobre FLANGES 2 1 INTRODUÇÃO Flanges são elementos que promovem a ligação entre tubos e/ou entre tubos e equipamentos facilitando a montagem e a desmontagem. As classes de pressão de flanges

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais