EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE José Sávio Bicho de Oliveira 1 Eixo Temático: Etnomatemática e educação para inclusão Resumo: Este relato de experiência resulta da apresentação de um minicurso realizado com licenciandos para os anos iniciais do ensino fundamental com o objetivo de apresentar o uso dos jogos Mancala como possibilidade pedagógica para o ensino de História e Cultura Africana no âmbito das aulas de Matemática. Partiu-se do princípio que a Etnomatemática possibilita a valorização das culturas no contexto escolar. Desse modo, a Etnomatemática pode contribuir para um ensino de matemática que valorize aspectos da cultura negra, e, assim, para que os negros afro-brasileiros compreendam-se como parte da história da formação do povo brasileiro e entendam melhor sua própria história. Com a realização do minicurso foi possível identificar possibilidades do uso do jogo Mancala como recurso pedagógico para o ensino de matemática no que tange as relações étnico-raciais no contexto educacional. Palavras-chave: Etnomatemática; História e Cultura Afro-brasileira; Mancala. Apresentação O presente trabalho tem como objetivo apresentar o uso dos jogos Mancala como possibilidade pedagógica para o ensino de História e Cultura Africana no âmbito das aulas de Matemática. A experiência, ora em apresentação, foi realizada durante o minicurso Diversidade Cultural e Educação Matemática: pensando a sala de aula 2, ministrado a alunos do Curso de Licenciatura Integrada em Educação em Ciências, Matemática e Linguagens da Universidade Federal do Pará, no primeiro semestre de Durante o minicurso foi discutido as contribuições da Etnomatemática para a inclusão da História e Cultura Africana em sala de aula, apresentando o jogo Mancala como uma proposta. 1 (BICHO, J. S.) Mestre em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará. Participante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática e Cultura Amazônica (GEMAZ). E- mail: 2 Minicurso ministrado pelo autor.

2 Etnomatemática e ensino de História e Cultura Afro-Brasileira: dinâmica cultural no contexto escolar A Lei nº , de 9 de janeiro de 2003, é uma alteração da Lei nº , de 20 de dezembro de 1996, que obriga a inclusão da História e Cultura Afro-Brasileira no currículo oficial do ensino fundamental e médio das escolas brasileiras. Esta Lei consiste em resgatar as contribuições do negro à formação do Brasil, valorizando aspectos sociais, econômicos e políticos na educação escolar (BRASIL, 2003). 1 o O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil. Mas como pensar a aula de matemática nesse contexto? No campo da Educação Matemática, a Etnomatemática possibilita a valorização das culturas no contexto escolar. Segundo D Ambrosio (2002, p. 42), A estratégia mais promissora para a educação, nas sociedades que estão em transição da subordinação para a autonomia, é restaurar a dignidade de seus indivíduos, reconhecendo e respeitando suas raízes. De acordo com este autor, esta valorização das raízes dos indivíduos é a vertente mais importante da etnomatemática (Idem). Desse modo, a Etnomatemática mostra-se como uma possibilidade para um ensino de matemática que valorize aspectos da cultura negra, e, assim, contribui para que os negros afro-brasileiros compreendam-se como parte da história da formação do povo brasileiro e entendam melhor sua própria história. Com efeito, é importante destacar a pesquisa de Santos (2008) ao mostrar alternativas de valorização de aspectos da cultura africana no ensino e aprendizagem de matemática, caracterizando a sala de aula como um espaço de entrelaçamento de culturas. As intervenções etnomatemáticas descritas nesta pesquisa envolvem atividades com os tecidos oriundos da cidade de Gana, na África, e suas possibilidades para trabalhar conceitos matemáticos em suas relações com a cultura africana. O minicurso: aspectos metodológicos da experiência O minicurso foi realizado em três encontros de três horas cada, constituindo nove horas. Para sua execução, foi dividido em duas etapas: uma teórica (primeiro encontro) e outra prática (dois encontros). Na primeira, foi realizada uma abordagem teórica sobre a

3 Etnomatemática e suas possibilidades pedagógicas de acordo D Ambrosio (2002), Eduardo Sebastiani (1997). Na etapa prática, o enfoque foi a discussão de atividades 3 possíveis de serem realizadas levando-se em consideração o contexto em que os indivíduos estão inseridos, instigando aspectos culturais, econômicos, sociais e políticos segundo a perspectiva Etnomatemática. O último desses encontros foi direcionado a refletir sobre como incluir a História e Cultura Afro-brasileira nas aulas de Matemática. Este encontro iniciou-se com uma breve apresentação da Lei /03 e com a apresentação de dois vídeos: um sobre a temática História e Cultura Afro-brasileira 4 ; e outro sobre o jogo Mancala como uma possibilidade 5. Dando continuidade, confeccionamos os jogos Mancala com caixa de ovo e jogamos com semente de feijão, refletindo sobre a construção do conhecimento matemático e sobre suas relações com a História e Cultura Africana. Um jogo africano: o Mancala no centro das atenções O jogo Mancala é um jogo milenar que possui cerca de 200 versões. A palavra Mancala deriva do árabe naqaala que significa mover. Uma das versões do tabuleiro é formado por 2 filas de 6 covas pequenas e 2 covas maiores em cada ponta (mancala) e jogados com 48 contas normalmente sementes secas ou pequenos seixos; coloca-se quatro contas em cada cova pequena. Assim como a figura abaixo: Figura 01: Tabuleiro Mancala. Fonte: acesso em: junho de Como jogar Mancala? - É jogado por dois participantes; 3 (1) Da cultura amazônica: os barcos; (2) Merenda escolar. (BRITO, LUCENA, 2006) 4 FÓRUM DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DO RIO GRANDE DO SUL, disponível em: acesso em: junho de AWARE, JOGO MILENAR AFRICANO ETNOMATEMÁTICA, disponível em: acesso em: junho de 2012.

4 - Cada participante fica com uma fila de seis covas pequenas e uma mancala; - O jogador iniciante deve pegar todas as contas de sua primeira cava e distribuir uma a uma em sentido anti-horário nas cavas seguintes (sem pular nenhuma); - Quando acaba a distribuição na sua fila, o jogador deve distribuir na do adversário; - O jogador colhe as contas quando completa, com a última conta da jogada, 2 ou 3 contas nas cavas do outro jogador; - As contas colhidas são colocadas na mancala do jogador responsável pela jogada; - Neste caso, o jogador pode jogar mais uma vez; - Caso o jogador complete 2 ou 3 contas em cava adversária e na sua antecessora também tiver 2 ou 3 contas, este poderá colher as contas de ambas as cavas; - Quando não houver contas para movimento de um dos jogadores, o movimento torna-se obrigatório para quem tiver; - Porém, se o jogador que possuir contas não possuir movimentos que forneça contas para a fila do oponente, este último ficará com as contas do tabuleiro; - Vence o jogador que que colher 25 contas ou mais. Durante o minicurso, cada participante confeccionou seu próprio tabuleiro utilizando caixa de ovo e sementes de feijão. Em seguida, todos jogaram como forma de compreender o jogo, seu potencial para a aprendizagem matemática e suas contribuições para o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira nas aulas de matemática. Figura 02: Jogando Mancala durante o minicurso. Fonte: Arquivo pessoal. Considerações

5 Com a realização do minicurso foi possível identificar possibilidades do uso do jogo Mancala como recurso pedagógico para o ensino de matemática no que tange as relações étnico-raciais no contexto educacional. É importante destacar que a utilização de jogos africanos em sala de aula é uma das possibilidades de inclusão dos alunos afro-descendentes no contexto escolar, pois aspectos de sua cultura estarão fazendo parte das metodologias de ensino, neste caso, de matemática. A Etnomatemática mostra-se como um forte caminho para o trabalho com a diversidade cultural em sala de aula, pois resgata as tradições, valoriza as culturas e dá vozes aos interesses dos alunos. Com uma atitude etnomatemática, o jogo apresentado, mostrou aos participantes do minicurso que a aula de matemática pode ter abertura a outras formas de conhecimentos e que o trabalho com as raízes socioculturais africanas pode fazer parte das aulas das escolas brasileiras. O uso de jogos Mancala possui a visão da Etnomatemática para a inclusão da cultura africana no currículo escolar. Nesta perspectiva, outras reflexões/possibilidades de relações entre Educação Matemática e História e Cultura Afro-Brasileira podem ser encontradas, como, por exemplo, a capoeira, os artesanatos, os artefatos religiosos, os tecidos coloridos, entre outros. Referências BRASIL. Lei de 09 de janeiro de Inclui a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-Brasileira e Africana no currículo oficial da rede de ensino. Diário Oficial da União. Brasília, D AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, LUCENA, I. C. R.; BRITO, M. A. R. Etnomatemática nas séries iniciais. In: ENCONTRO PARAENSE DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 4., 2006, Belém. Anais... Belém: SBEM- PA, SANTOS, E. C. Os tecidos de Gana como atividade escolar: uma intervenção etnomatemática para a sala de aula f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

6 SEBASTIANI FERREIRA, E. Etnomatemática: uma proposta metodológica. Rio de Janeiro: MEM/USU, (Reflexão em Educação Matemática)

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E JOGOS DE ORIGEM AFRICANA UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E JOGOS DE ORIGEM AFRICANA UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Sociedade Brasileira de Matemática Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E JOGOS DE ORIGEM AFRICANA UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

JOGO MANCALA E AS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO

JOGO MANCALA E AS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO JOGO MANCALA E AS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO INTEGRAÇÃO 2015 Professor(a): Nome do Professor Disciplina: Nome Matemática da Disciplina Título Binômios da Aula Objetivo Possibilitar por meio do jogo a

Leia mais

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES):

Leia mais

JOGOS AFRICANOS: Mancala, Lendas e Tradições culturais. Resumo

JOGOS AFRICANOS: Mancala, Lendas e Tradições culturais. Resumo JOGOS AFRICANOS: Mancala, Lendas e Tradições culturais Daniely Berto dos Santos Marcos Antonio Gonçalves Júnior Natália Mendes Valadares Resumo É objetivo desta oficina trabalhar com um jogo de origem

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO 02273 FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? Sônia Maria Soares de Oliveira PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ- UECE

Leia mais

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais.

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.639, DE 9 DE JANEIRO DE 2003. Mensagem de veto Altera a Lei n o 9.394,

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 006/2009

NOTA TÉCNICA Nº 006/2009 NOTA TÉCNICA Nº 006/2009 Brasília, 01 de abril de 2009. ÁREA: Educação TÍTULO: Implantação das Leis nº 10.639/03 e nº 11.645/08 REFERÊNCIA(S): Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003; Lei nº 11.645/08,

Leia mais

P L A N O D E E N S I N O. DEPARTAMENTO: Matemática PROFESSOR: Valdir Damázio Júnior DISCIPLINA:Didática da Matemática SIGLA: ODIM0001 TURMA:

P L A N O D E E N S I N O. DEPARTAMENTO: Matemática PROFESSOR: Valdir Damázio Júnior DISCIPLINA:Didática da Matemática SIGLA: ODIM0001 TURMA: P L A N O D E E N S I N O DEPARTAMENTO: Matemática PROFESSOR: Valdir Damázio Júnior DISCIPLINA:Didática da Matemática SIGLA: ODIM0001 TURMA: CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 horas TEÓRICO/PRÁTICA: 72 horas CURSO(S):

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Pedagogia Missão O Curso de Pedagogia tem por missão a formação de profissionais de educação autônomos e cooperativos, capazes de pensar, investigar, decidir, planejar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-2 DISCIPLINA: Educação e Relações Étnico-Raciais JP0053 PROFESSOR: Ms. Claudemir Madeira I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária:30 h II EMENTA Tratar os conceitos de etnia, raça, racialização,

Leia mais

A PRODUÇÃO DE FARINHA DE TAPIOCA COMO CONTEXTO DE ENSINO PARA ESTUDANTES DO 6º ANO DA VILA DE AMERICANO - PA

A PRODUÇÃO DE FARINHA DE TAPIOCA COMO CONTEXTO DE ENSINO PARA ESTUDANTES DO 6º ANO DA VILA DE AMERICANO - PA A PRODUÇÃO DE FARINHA DE TAPIOCA COMO CONTEXTO DE ENSINO PARA ESTUDANTES DO 6º ANO DA VILA DE AMERICANO - PA PO86651838253 Eio Temático: Etnomatemática e a educação do campo Resumo O presente teto apresenta

Leia mais

DPH1226 JOGOS NA SALA DE AULA: MANCALA E SUPER TRUNFO NO ENSINO DE HISTORIA

DPH1226 JOGOS NA SALA DE AULA: MANCALA E SUPER TRUNFO NO ENSINO DE HISTORIA III Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento 20 a 22 de outubro de 2014 CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DPH1226 JOGOS NA SALA DE AULA: MANCALA E SUPER TRUNFO

Leia mais

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE Sandra Regina RICCI Mestranda em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás sandraricci@brturbo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA Maria do Perpétuo Socorro Lima Viana E-mail: socorroviana_@hotmail.com

Leia mais

DANÔMIO. Objetivos Aprimorar o conhecimento da multiplicação de monômios.

DANÔMIO. Objetivos Aprimorar o conhecimento da multiplicação de monômios. DANÔMIO Objetivos Aprimorar o conhecimento da multiplicação de monômios. Materiais Dado feito de papel com um monômio em cada face, 6 tabelas que apresentam todas combinações de produtos dos monômios de

Leia mais

LAAB: Ludicidade Africana e Afrobrasileira.

LAAB: Ludicidade Africana e Afrobrasileira. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE PEDAGOGIA CAMPUS DE CASTANHAL LAAB: Ludicidade Africana e Afrobrasileira. Coordenadora: Débora Alfaia Bolsista: Gabriela Paixão Castanhal- PA 2012 Oficina de Jogos

Leia mais

CULTURA AFRO-BRASILEIRA, CONSTRUINDO IDENTIDADES

CULTURA AFRO-BRASILEIRA, CONSTRUINDO IDENTIDADES CULTURA AFRO-BRASILEIRA, CONSTRUINDO IDENTIDADES E.E PROF. ALCINDO SOARES DO NASCIMENTO Professor(es) Apresentador(es): Mariana Pinto Ramalho Terossi Simone Pereira Cardoso Realização: Foco do Projeto

Leia mais

BARALHO CELULAR MANUAL DO PROFESSOR

BARALHO CELULAR MANUAL DO PROFESSOR BARALHO CELULAR MANUAL DO PROFESSOR Autoria: Carlos Eduardo Godoy Adriano Dias de Oliveira Renato Chimaso Revisão Técnica: Maria Ligia C. Carvalhal Revisão Científica: Regina Célia Mingroni Netto Diagramação:

Leia mais

HISTÓRIA E RACISMO O BRASIL UMA AFIRMAÇÃO PARA IDENTIDADE

HISTÓRIA E RACISMO O BRASIL UMA AFIRMAÇÃO PARA IDENTIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 HISTÓRIA E RACISMO O BRASIL UMA AFIRMAÇÃO

Leia mais

O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS

O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS José Márcio da Silva Ramos Diniz Universidade Estadual

Leia mais

Pensando em um Currículo de Matemática para a Escola Ribeirinha: entre o saber local e o saber global

Pensando em um Currículo de Matemática para a Escola Ribeirinha: entre o saber local e o saber global Pensando em um Currículo de Matemática para a Escola Ribeirinha: entre o saber local e o saber global Magali Rocha de Sousa 1 Isabel Cristina Rodrigues de Lucena 2 Minhas primeiras reflexões Em tempos

Leia mais

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Autor: Almir Lando Gomes da Silva (1); Co-autor: Antonio Fabio do Nascimento Torres (2); Coautor: Francisco Jucivanio

Leia mais

MANCALA: JOGO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EXPRESSÃO SOCIOCULTURAL AFRICANA

MANCALA: JOGO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EXPRESSÃO SOCIOCULTURAL AFRICANA MANCALA: JOGO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EXPRESSÃO SOCIOCULTURAL AFRICANA Mônica Menezes de Souza Universidade Bandeirantes de São Paulo UNIBAN profmonicams@yahoo.com.br Resumo: Os mancalas são jogos de

Leia mais

SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO

SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO 1 SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO Acadêmica: Raquel Luchese Orientadora: SilandraBadch Rosa Universidade Luterana do Brasil- ULBRA raquelluchese@hotmail.com RESUMO O presente trabalho refere-se ao Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PLANO DE ENSINO Semestre 2015.1 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA PRÉ-REQUISITOS EXA 471 Metodologia e didática do ensino --------------------------------------------- de química CURSO DEPARTAMENTO ÁREA

Leia mais

PORTARIA FAIBI N 014/2012 DE 02/08/2012. Oferta, na FAIBI, o curso de extensão Conteúdos de Matemática nos anos iniciais do ensino fundamental.

PORTARIA FAIBI N 014/2012 DE 02/08/2012. Oferta, na FAIBI, o curso de extensão Conteúdos de Matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. PORTARIA FAIBI N 014/2012 DE 02/08/2012 Oferta, na FAIBI, o curso de extensão Conteúdos de Matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. O DIRETOR GERAL da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

OS JOGOS DE ORIGEM AFRICANA NO RESGATE DE NOSSAS ORIGENS

OS JOGOS DE ORIGEM AFRICANA NO RESGATE DE NOSSAS ORIGENS na Contemporaneidade: desafios e possibilidades OS JOGOS DE ORIGEM AFRICANA NO RESGATE DE NOSSAS ORIGENS Neide Alves Schaeffer Universidade Luterana do Brasil - ULBRA neideschaeffer@gmail.com Ursula Tatiana

Leia mais

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: LINGUAGEM E ESTRUTURAÇÃO MUSICAL II Teoria e Percepção Musical II. Desenvolvimento da leitura musical em quatro claves de referência:

Leia mais

O JOGO MANCALA COMO RECURSO LÚDICO E PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DE ENSINO BÁSICO

O JOGO MANCALA COMO RECURSO LÚDICO E PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DE ENSINO BÁSICO Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O JOGO MANCALA COMO RECURSO LÚDICO E PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DE ENSINO BÁSICO Lucas Noronha de Oliveira

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE RIBEIRÃO PIRES

FACULDADES INTEGRADAS DE RIBEIRÃO PIRES FACULDADES INTEGRADAS DE RIBEIRÃO PIRES CURSO DEMATEMÁTICA - LICENCIATURA Versão 2016.1 Manual de Estágio Supervisionado Ribeirão Pires Prezado acadêmico Este manual destina-se a orientar o aluno de Licenciatura

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: JOGO CARA A CARA DE POLIEDROS

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: JOGO CARA A CARA DE POLIEDROS A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: JOGO CARA A CARA DE POLIEDROS Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 Jailson Lourenço de PONTES jail21.jlo@gmail.com

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL

RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL RELAÇÕES ENTRE A MATEMÁTICA ESCOLAR E A MATEMÁTICA DO COTIDIANO PROFISSIONAL 08932243409 Eixo temático: Etnomatemática e as relações entre tendências em educação Matemática. RESUMO: Este trabalho visa

Leia mais

TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA

TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA OFICINA 1 STORYTELLING Segunda, 06/02, das 19h às 22h30 OFICINA 2 PLANEJAMENTO INTELIGENTE Terça, 07/02, das 19h às 22h30 OFICINA 3 APLICAÇÕES DAS TEORIAS DE GRUPO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Carla de Araújo Universidade Estadual da Paraíba tapcarla@gmail.com Profª. Dra. Abigail Fregni Lins Universidade Estadual

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

ENSINO MÉDIO COM VISTAS A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

ENSINO MÉDIO COM VISTAS A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR V Fórum das Licenciaturas ENSINO MÉDIO COM VISTAS A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR Os Desafios da Formação Humana Integral Reconhecimento da escola como espaço de cidadania o Ensino Médio é um direito

Leia mais

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. Perfil do

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA - PERÍODO: 5º - 1º semestre 2016 DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E METODOLOGIA DO ENSINO DE GEOGRAFIA

CURSO: PEDAGOGIA - PERÍODO: 5º - 1º semestre 2016 DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E METODOLOGIA DO ENSINO DE GEOGRAFIA CURSO: PEDAGOGIA - PERÍODO: 5º - 1º semestre 2016 DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E METODOLOGIA DO ENSINO DE GEOGRAFIA PROJETO DE EXTENSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA Estágio Observação e Regência nas Séries Iniciais

Leia mais

FICHA IV - ESPECÍFICA POR SUBPROJETO. Ensino-aprendizagem

FICHA IV - ESPECÍFICA POR SUBPROJETO. Ensino-aprendizagem FICHA IV - ESPECÍFICA POR SUBPROJETO Ensino-aprendizagem 1. Quais os materiais didáticos na área do(s) subprojeto(s) existentes na escola? Recursos didáticos, materiais diferenciados e/ou alternativos.

Leia mais

O USO DO CINEMA COMO RECURSO DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O USO DO CINEMA COMO RECURSO DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O USO DO CINEMA COMO RECURSO DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Emanuela Suassuna de Araújo (1); Vanessa da Silva Santos (1) Universidade Federal da Paraíba, suassuna.emanuela@gmail.com (1); Universidade Federal

Leia mais

SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011

SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011 SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011 Responsável: Dra. Miriam Cardoso Utsumi Horário: quarta-feira 16:10h as 17:50h, sala : LEM Atendimento a alunos: PRESENCIALMENTE apenas às terças e quintas:

Leia mais

O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP

O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP estevão.armada@yahoo.com.br 1. Introdução De acordo com a Lei Federal n 11.645/08, torna-se obrigatório

Leia mais

Água em Foco Introdução

Água em Foco Introdução Água em Foco Introdução O Água em Foco tem como principais objetivos: (I) a formação inicial, com os alunos do Curso de Licenciatura em Química da UFMG, e continuada de professores, para trabalhar com

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TITULO I DO ESTÁGIO E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TITULO I DO ESTÁGIO E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TITULO I DO ESTÁGIO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E ABRANGÊNCIA ART. 1º - Denomina-se

Leia mais

Cultura corporal Afro-brasileira. Proª. Juliana da Silva 1ª aula

Cultura corporal Afro-brasileira. Proª. Juliana da Silva 1ª aula Cultura corporal Afro-brasileira Proª. Juliana da Silva 1ª aula Legislação Federal Lei nº 10639/2003 - estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Curso de Extensão Gênero e Diversidade na Escola Informações para o/a cursista

Curso de Extensão Gênero e Diversidade na Escola Informações para o/a cursista 1 of 23 Curso de Extensão Gênero e Diversidade na Escola 2010 Informações para o/a cursista - Informações Gerais - Metodologia do curso - Ambiente Virtual de Aprendizagem Rio de Janeiro Março/Abril 2010

Leia mais

ENSINO DOS JOGOS AFRICANOS EM AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: EXPERIÊNCIA NO PIBIB

ENSINO DOS JOGOS AFRICANOS EM AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: EXPERIÊNCIA NO PIBIB ENSINO DOS JOGOS AFRICANOS EM AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: EXPERIÊNCIA NO PIBIB Roseli Arnoud de Souza 1 Joana Luisa Silva Mendonça de Angelo 2 Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma 3 O presente trabalho

Leia mais

HIDROTABULEIRO: UMA PROPOSTA LÚDICA PARA TRABALHAR A HIDROSTÁTICA

HIDROTABULEIRO: UMA PROPOSTA LÚDICA PARA TRABALHAR A HIDROSTÁTICA HIDROTABULEIRO: UMA PROPOSTA LÚDICA PARA TRABALHAR A HIDROSTÁTICA Emmanuelle Dayane de Souza França emmanuelle.vs@gmail.com Marciana Cavalcante da Silva marcianakwy@gmail.com Isabelle Priscila Carneiro

Leia mais

DEBATE SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Anos Iniciais. Profa. Clarice Salete Traversini Pedagogia 04/12/2015

DEBATE SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Anos Iniciais. Profa. Clarice Salete Traversini Pedagogia 04/12/2015 DEBATE SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR Anos Iniciais Profa. Clarice Salete Traversini Pedagogia 04/12/2015 Construção de currículo, assim como a construção da democracia é um processo sem fim (Boaventura

Leia mais

INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA

INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA Evandro dos Santos Paiva Feio paivamat@yahoo.com.br Luciano Augusto da Silva Melo luciano.melo10@gmail.com

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano:

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Educação Física na Infância Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com Código:

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

BINGO DOS POLINÔMIOS. Apresentação: Jogo matemático

BINGO DOS POLINÔMIOS. Apresentação: Jogo matemático BINGO DOS POLINÔMIOS Apresentação: Jogo matemático Gabriel Jorge dos Santos 1 ; Jorge Luiz de Freitas 2 ; Sara Katiana Vieira da Silva 3 ; Taíse Barbosa Santos 4 Introdução Este jogo é voltado para a educação

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN:

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: O MATERIAL DOURADO NA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS NO CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS. Lenilson Oliveira do Nascimento - IFAL 1 lenils_on@hotmail.com Douglas Lopes do Nascimento- IFAL 2 wicham_douglas@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: EDUCAÇÃO FÍSICA II PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO ANO: 2º CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A 100 H/R DOCENTE RESPONSÁVEL: ANA

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

e educação de jovens e adultos

e educação de jovens e adultos Formação de neoleitores e educação de jovens e adultos Tancredo Maia Filho III Fórum do Plano Nacional do Livro e Leitura III Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias 20 de agosto

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL e FIP/Magsul 2º semestre 2012

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL e FIP/Magsul 2º semestre 2012 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

EXPLORANDO OS POLINÔMIOS E OS GRÁFICOS DAS FUNÇÕES POLINOMIAIS

EXPLORANDO OS POLINÔMIOS E OS GRÁFICOS DAS FUNÇÕES POLINOMIAIS EXPLORANDO OS POLINÔMIOS E OS GRÁFICOS DAS FUNÇÕES POLINOMIAIS Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (Emaiefem) GT 10 Marcelino Jose de CARVALHO Universidade Federal

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/2014 Etec: ERMELINDA GIANNINI TEIXEIRA Código: 0187 Município: SANTANA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa

SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados... 3 Domínio da ortografia oficial... 21 Reconhecimento de tipos e gêneros textuais... 9 Domínio da estrutura morfossintática

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Fundamentos e Metodologia em Educação Infantil II Código da Disciplina: EDU 334 Curso: Pedagogia Período de oferta da disciplina: 6º Faculdade responsável: PEDAGOGIA

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas.

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas. Pacto Nacional Para o Fortalecimento do Ensino Médio Encontro de Planejamento Professor Formador de IES Duílio Tavares de Lima 03/2015 CADERNO 5 - Áreas de conhecimento e integração curricular Tema: Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Licenciatura em Química Núcleo Temático: Químico Pedagógico Disciplina: Conteúdo e Metodologia do Ensino de Química I Código da Disciplina: 06013201 Professor(es):

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS BASEADOS NA TEORIA DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS

JOGOS MATEMÁTICOS BASEADOS NA TEORIA DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS JOGOS MATEMÁTICOS BASEADOS NA TEORIA DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS Carlos Henrique Lange carloshenriquelange@hotmail.com José Guilherme Simion Antunes guisimion@gmail.com Juliana Raupp raupp_juliana@yahoo.com

Leia mais

Licenciandos; 3 Coordenador. I Encontro de Sensibilização Ambiental do Lourdes Guilherme. Tema: Revitalização do espaço escolar e qualidade de vida

Licenciandos; 3 Coordenador. I Encontro de Sensibilização Ambiental do Lourdes Guilherme. Tema: Revitalização do espaço escolar e qualidade de vida MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto Biologia Carla Tatiane 1 ; Evanoel Nunes 2 ; Ivaneide Alves

Leia mais

TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DIADEMA AUTOR(ES): MARISA

Leia mais

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Disciplina: Artes Curso: Técnico Em Eletromecânica Integrado Ao Ensino Médio Série: 1º Carga Horária: 67 h.r Docente Responsável: EMENTA O universo da arte, numa abordagem

Leia mais

Pessoas físicas residentes no RS com inscrições em duas categorias diferenciadas:

Pessoas físicas residentes no RS com inscrições em duas categorias diferenciadas: Edital de Convocação: O Grupo de Trabalho Ensino de História e Educação da ANPUH-RS, faz saber que se encontra aberto o processo para apresentação, seleção e publicação material paradidático para utilização

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS...

POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS... POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS... Manuela Lima 1 Uniube/ Programa de Mestrado em Educação/manuelalima@uberabadigital.com.br Linha de trabalho: Políticas Públicas na Educação. Resumo

Leia mais

RELAÇOES RACIAIS NOS CURRICULOS DA PEDAGOGIA

RELAÇOES RACIAIS NOS CURRICULOS DA PEDAGOGIA RELAÇOES RACIAIS NOS CURRICULOS DA PEDAGOGIA Janaína de Azevedo Corenza Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro janaina.corenza@ifrj.edu.br INTRODUÇÃO A Lei 10.639 de 9 de janeiro de 2003, que

Leia mais

O ENSINO DE HISTÓRIA E O LIVRO DIDÁTICO EM FONTES DE INFORMAÇÃO DISPONÍVEIS EM MÍDIAS DIGITAIS

O ENSINO DE HISTÓRIA E O LIVRO DIDÁTICO EM FONTES DE INFORMAÇÃO DISPONÍVEIS EM MÍDIAS DIGITAIS O ENSINO DE HISTÓRIA E O LIVRO DIDÁTICO EM FONTES DE INFORMAÇÃO DISPONÍVEIS EM MÍDIAS DIGITAIS Sara Menezes Felizardo 1 RESUMO O texto apresenta quantitativamente as publicações sobre o livro didático

Leia mais

APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL

APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES IPEZAL/ANGÉLICA- MS APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO E RADICAL Ipezal/Angélica MS Abril 2012 ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES IPEZAL/ANGÉLICA- MS APRENDENDO COM O LUDO AÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP)

A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP) A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP) ALMEIDA, Cristine Nachari Moura 1 - UEPB Subprojeto: Química Resumo Este trabalho tem como objetivo apresentar, detalhar e discutir o projeto

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Licenciatura em Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos,

Leia mais

MANCALA: O JOGO COMO ESTRATÉGIA DE TRABALHO COM A CULTURA

MANCALA: O JOGO COMO ESTRATÉGIA DE TRABALHO COM A CULTURA MANCALA: O JOGO COMO ESTRATÉGIA DE TRABALHO COM A CULTURA Veronica Volski Carla Luciane Blum Vestena Resumo: O presente trabalho objetiva apresentar o jogo Mancala como estratégia de trabalho com a cultura

Leia mais

Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas. Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira

Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas. Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas 1 Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira É da terra e na terra que desenvolvem todas as atividades da vida, é onde plantam e colhem o fruto de seu trabalho

Leia mais

Alunos, professores, demais profissionais da educação e de outras áreas interessadas nos temas.

Alunos, professores, demais profissionais da educação e de outras áreas interessadas nos temas. A Educação Especial é definida pela LDBEN 9394/96 como modalidade de educação escolar que permeia todas as etapas e níveis do ensino. As escolas especiais assumem um papel importante, no sentido de apoiar

Leia mais

Pedagogia. 1º PERÍODO Carga Horária e Creditação

Pedagogia. 1º PERÍODO Carga Horária e Creditação Cep: 37200000 Pedagogia Matriz Curricular 1 (entrada no mês de Fevereiro) Nivelamentos Leitura e Produção de textos 60 Gramática 60 Carga Horária Total 120 Educação a Distância: Primeiras Aproximações

Leia mais

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES Rafael Pereira da Silva Universidade Estadual da Paraíba rafaelpereira.jt@hotmail.com Jailson Lourenço de Pontes

Leia mais

o CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÁS, no uso das

o CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÁS, no uso das Cf GOVERNO DO, ~ ESTADO DE GOlAS, Df.senvO~""Ir:remo com Responsabilidade,DE b DE 2009. Estabelece normas complementares para a inclusão, no Sistema Educativo do Estado de Goiás, das disposições das Leis

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

CAIXINHA DOS NÚMEROS INTEIROS

CAIXINHA DOS NÚMEROS INTEIROS CAIXINHA DOS NÚMEROS INTEIROS Claudimara da Silva Pfiffer Universidade Regional de Blumenau claudimara.mat@gmail.com Martiela Bispo Eilert Universidade Regional de Blumenau-Bolsista CAPES-PIBID martybe84@hotmail.com

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Jaciara Barbosa Carvalho Faculdade Anhanguera, Bauru\SP e-mail:

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS

A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS Introdução Fernanda Oliveira Costa Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo fernanda.ocg@terra.com.br Este artigo apresenta parte de uma pesquisa

Leia mais

PLANO DE CURSO ANO 2012

PLANO DE CURSO ANO 2012 PLANO DE CURSO ANO 2012 I. IDENTIFICAÇÃO ESCOLA ESTADUAL: CONTEÚDO: TURMA: 6º ano N DE AULAS SEMANAIS: PROFESSOR(ES): II. OBJETIVOS GERAIS.Desenvolver a noção de historicidade das ações dos homens da realidade

Leia mais

EXPERIÊNCIAS E DESAFIOS DAS LICENCIATURAS EM EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MARANHÃO RESUMO

EXPERIÊNCIAS E DESAFIOS DAS LICENCIATURAS EM EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MARANHÃO RESUMO EXPERIÊNCIAS E DESAFIOS DAS LICENCIATURAS EM EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MARANHÃO Marly Cutrim de Menezes RESUMO O estudo refere-se ao O Programa de Apoio à Formação Superior em Licenciatura em Educação do Campo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Núcleo Temático: Químico Pedagógico Código da Disciplina:

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Núcleo Temático: Químico Pedagógico Código da Disciplina: 1 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: ESCOLA DE ENGENHARIA Curso: Química Disciplina: Educação e Alteridade Prof. Dr. LUIZ FERNANDO PINTO BAHIA Carga horária: Teórica (x) 1h30 Prática

Leia mais

HISTÓRIA E CULTURA AFROBRASILEIRA E AFRICANA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS 1

HISTÓRIA E CULTURA AFROBRASILEIRA E AFRICANA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS 1 HISTÓRIA E CULTURA AFROBRASILEIRA E AFRICANA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS 1 Carla Cristina Barbosa 2 ;Alessandra Durães de Souza; Ana Claudia Vieira Cordeiro; Aline Cardoso de Lima; Almir Ferreira Soares;Célia

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA COMO LÓCUS DA FORMAÇÃO MUSICAL INICIAL DE PROFESSORES Alexandra Silva dos Santos Furquim UFSM Cláudia Ribeiro Bellochio UFSM

O CURSO DE PEDAGOGIA COMO LÓCUS DA FORMAÇÃO MUSICAL INICIAL DE PROFESSORES Alexandra Silva dos Santos Furquim UFSM Cláudia Ribeiro Bellochio UFSM 1 O CURSO DE PEDAGOGIA COMO LÓCUS DA FORMAÇÃO MUSICAL INICIAL DE PROFESSORES Alexandra Silva dos Santos Furquim UFSM Cláudia Ribeiro Bellochio UFSM INTRODUÇÃO No contexto das pesquisas em educação, a formação

Leia mais

Projeto do Estágio Supervisionado da Licenciatura em Ciências Biológicas (Parte do Projeto Pedagógico do Curso )

Projeto do Estágio Supervisionado da Licenciatura em Ciências Biológicas (Parte do Projeto Pedagógico do Curso ) Projeto do Estágio Supervisionado da Licenciatura em Ciências Biológicas (Parte do Projeto Pedagógico do Curso ) De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de professores - Art

Leia mais