Na reunião de 16 de dezembro de 2014, o Conselho adotou as conclusões do Conselho intituladas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Na reunião de 16 de dezembro de 2014, o Conselho adotou as conclusões do Conselho intituladas"

Transcrição

1 Conselho da União Europeia Bruxelas, 16 de dezembro de 2014 (OR. en) 16827/14 NOTA de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações n.º doc. ant.: 16716/14 Assunto: Uma agenda transformadora pós Conclusões do Conselho DEVGEN 277 ONU 161 ENV 988 RELEX 1057 ECOFIN 1192 Na reunião de 16 de dezembro de 2014, o Conselho adotou as conclusões do Conselho intituladas "Uma agenda transformadora pós-2015", que constam do Anexo à presente nota /14 ms/cfs/ms 1 DG C 1 PT

2 ANEXO Uma agenda transformadora pós-2015 Conclusões do Conselho 1. A agenda para o período pós-2015 representa uma boa oportunidade de fazer face, de forma verdadeiramente transformadora, a algumas das questões globais com que o mundo de hoje se depara. Como o Conselho já salientou em conclusões anteriores 1, são proeminentes entre estas questões os desafios interligados de erradicar a pobreza e alcançar um desenvolvimento sustentável em todas as suas três dimensões (ambiental, social e económica). Para enfrentar este desafio de forma coordenada e coerente, precisamos de uma agenda ambiciosa e omissora de ninguém. Essa agenda deverá ser de natureza realmente global e universal, na qual participem em pleno todos os países e partes interessadas. As presentes conclusões do Conselho passam em revista os progressos já alcançados e as oportunidades que se apresentam, ao entrarmos na próxima fase do processo internacional. 2. Definir uma agenda transformadora representa uma prioridade essencial, e para o efeito tanto a UE como os seus Estados-Membros estão prontos a encetar um diálogo aberto e construtivo com todos os parceiros e todos os interessados. 3. A UE e os seus Estados-Membros continuam fortemente implicados na Declaração do Milénio, determinados a acelerar os esforços para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) e empenhados em assegurar que a agenda pós-2015 dê um seguimento exaustivo aos resultados do Rio+20 e trate das causas estruturais da pobreza, da desigualdade, das alterações climáticas e da degradação ambiental. 1 Conclusões do Conselho de 25 de junho de 2013, "Uma agenda abrangente para o período pós-2015" (doc /13); Conclusões do Conselho de 12 de dezembro de 2013, "Financiar a erradicação da pobreza e o desenvolvimento sustentável para além de 2015" (doc /13); Prioridades da UE para a 69.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas (doc /14) /14 ms/cfs/ms 2

3 4. A UE congratula-se com a diversidade de achegas para o processo internacional, incluindo os numerosos contributos das partes interessadas e as consultas temáticas mundiais organizadas pelas Nações Unidas, que possibilitaram a participação de um número nunca antes visto de pessoas de todo o mundo. Além do Relatório do Grupo de Alto Nível de Personalidades Eminentes sobre a Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e do documento final do evento especial dos ODM, o Conselho saúda o relatório do Comité Intergovernamental de Peritos para o Financiamento do Desenvolvimento Sustentável bem como a proposta do Grupo de Trabalho Aberto (GTA) para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que servirão de base para integrar os ODS na agenda de desenvolvimento pós-2015, embora reconheça que poderão ser tidos em consideração outros contributos conforme estabelecido na Resolução 68/309 da Assembleia Geral das Nações Unidas. 5. O Conselho saúda o Relatório de Síntese relativo à Agenda pós-2015, com o título "O caminho para a dignidade até 2030: Erradicar a pobreza, transformar todas as vidas e proteger o planeta", apresentado pelo Secretário-Geral das Nações Unidas em 4 de dezembro de Congregando as diversas vertentes necessárias para assegurar o êxito da Agenda, o relatório dá um contributo essencial para os próximos processos intergovernamentais preparatórios da Cimeira de setembro de Saudamos a oportunidade que representa a Terceira Conferência Internacional sobre o Financiamento do Desenvolvimento, de julho de 2015, para focar enquadramentos políticos favoráveis e para mobilizar e fazer uso efetivo de recursos financeiros com vista a concretizar a agenda pós Salientamos a importância das presentes negociações da Convenção Quadro das Nações Unidas relativa às alterações climáticas bem como a importância de alcançar em dezembro de 2015, em Paris, um acordo ambicioso, juridicamente vinculativo e aplicável a todas as partes. 8. Fazemos notar igualmente a importância das próximas negociações de um Quadro pós-2015 para a redução do risco de catástrofes, na Conferência de Sendai em março de /14 ms/cfs/ms 3

4 9. As anteriores conclusões do Conselho e a Comunicação da Comissão titulada "Uma vida digna para todos: passar da visão à ação coletiva" 2 são contributos importantes para afinar a posição da UE e seus Estados-Membros na preparação da cimeira de setembro de Princípios orientadores 10. O Conselho reafirma a visão e as prioridades da UE e seus Estados-Membros consignadas nas suas Conclusões de junho de 2013 e sublinha que a erradicação da pobreza e o desenvolvimento sustentável são vertentes com reforço mútuo e interligação intrínseca. A agenda pós-2015 deverá, portanto, integrar de modo equilibrado em todos os seus pontos as três dimensões de desenvolvimento sustentável, assegurar a respetiva coerência e sinergias e contemplar as interligações de todas as metas e objetivos. Será também crucial assegurar que a agenda siga uma abordagem assente no respeito de todos os direitos humanos e que respeite, apoie e desenvolva os atuais acordos, convenções, compromissos e processos multilaterais. 11. A universalidade da agenda é um aspeto fundamental. A agenda deverá ter cobertura mundial e aplicação universal, tendo em conta os níveis de desenvolvimento e os contextos e capacidades nacionais e respeitando as políticas e prioridades nacionais. Deverá superar as clivagens tradicionais e reconhecer que todos os países compartilham desafios e oportunidades, bem como um futuro comum. 12. A Agenda pós-2015 deverá refletir a complexidade do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza. Mas é também essencial que haja um quadro conciso e claro para que todos os governos e partes interessadas a sintam como sua e a apliquem efetivamente. Para garantir o êxito da agenda e o apoio do público, é capital que esse quadro seja facilmente divulgado e entendido. 2 Doc /14 + ADD 1 (COM (2014) 335 final) /14 ms/cfs/ms 4

5 13. A agenda pós-2015 deverá guiar-se pelo princípio da responsabilização, para a qual é fundamental que todos os países a sintam integralmente como sua, que haja transparência e que sejam efetiva e eficazmente fiscalizados e passados em revista os avanços registados. A agenda deverá também aumentar consideravelmente a capacidade das populações de participarem e contribuírem de modo real e significativo nas escolhas políticas que as afetam e responsabilizarem os governos e outros intervenientes face aos progressos. 14. Deixou de ser possível continuar na atual situação, quer em termos de dignidade humana, quer de igualdade, quer de sustentabilidade. A nova agenda deverá almejar a erradicação da pobreza em todas as suas formas, bem como o desenvolvimento sustentável na suas três vertentes, de forma equilibrada e integrada. Deverá aguçar a nossa determinação de pôr termo à extrema pobreza no tempo de uma geração, aproveitando e levando a cabo os ODM ainda não alcançados. Registamos com preocupação que os Estados frágeis e afetados por conflitos ainda estão a ficar para trás. A agenda deverá reconhecer também que a sustentabilidade do ambiente é fundamental para garantir uma prosperidade sustentável e o bem-estar de todas as pessoas ao nível do planeta. Deverá desbloquear os motores da economia verde, tornar as nossas economias e modos de vida mais equitativos e sustentáveis, dotando-os de meios eficazes de reduzir a pobreza. A nova agenda deverá pôr a tónica nas pessoas, assentar nos direitos humanos e combater a discriminação, incluindo a desigualdade entre homens e mulheres e a violência sexista. Deverá abordar as causas estruturais da pobreza, da desigualdade e da violência, inclusive mediante o reforço das instituições democráticas, da boa governação e do primado do direito, de forma efetiva e inclusiva. A nova agenda só conseguirá ser transformadora se comportar todos estes elementos. Definir uma agenda transformadora 15. A agenda deverá focar os desafios e oportunidades constantes da proposta do GTA, a saber: pobreza; fome, segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável; saúde e bem-estar; ensino e educação; igualdade entre os sexos e emancipação das mulheres; água e saneamento básico; energia; crescimento inclusivo e sustentável, emprego e trabalho digno; infraestruturas; industrialização e inovação sustentáveis; desigualdade; cidades e povoamento humano; padrões sustentáveis de consumo e produção; alterações climáticas; oceanos, mares e recursos marinhos; ecossistemas terrestres, florestas, desertificação, degradação dos solos e biodiversidade; sociedades pacíficas e inclusivas, acesso à justiça e instituições responsabilizadas; meios de implementação e parceria mundial para o desenvolvimento sustentável /14 ms/cfs/ms 5

6 16. O Relatório de Síntese do Secretário-Geral das Nações Unidas põe em perspetiva uma agenda transformadora universal para os próximos 15 anos e mais além, fundamentada nos direitos humanos e destinada a reduzir a pobreza, transformar condições de vida e proteger o planeta. Congratulamo-nos com a abordagem inovadora de utilizar um conjunto integrado de seis elementos essenciais para facilitar os debates com vista a delinear uma agenda de desenvolvimento sustentável, isto é, uma abordagem centrada nos seguintes vetores: pôr fim à pobreza e lutar contra a desigualdade; assegurar a saúde, o conhecimento e a inclusão das mulheres, jovens e adultas; desenvolver uma economia forte, inclusiva e transformadora; proteger os nossos ecossistemas em proveito de todas as sociedades e dos nossos filhos; criar sociedades seguras e pacíficas e instituições fortes; e ainda estimular a solidariedade global para o desenvolvimento sustentável. 17. A agenda deverá tratar as questões intersectoriais, que deverão ser integradas com todo o resto, incluindo a redução dos riscos de catástrofe e a resiliência. Além disso, a migração bem gerida e a mobilidade humana deverão ter pleno reconhecimento na agenda enquanto potenciais fatores de desenvolvimento, reconhecendo ainda que é necessário ter em conta as oportunidades e os desafios da migração. Aceitamos a diversidade natural e cultural do mundo e reconhecemos que a cultura, incluindo o património cultural mundial e as indústrias criativas podem desempenhar um importante papel para alcançar um desenvolvimento inclusivo e sustentável. 18. Salientamos que é importante manter na agenda a abordagem integrada proposta pelo GTA para os ODS, que congrega os numerosos e interligados desafios e oportunidades. Salientamos que é necessário manter e reforçar as sinergias, a coerência e as interligações em todos os pontos da agenda /14 ms/cfs/ms 6

7 19. A agenda não deverá deixar ninguém para trás. Deverá, em especial, focar sem qualquer discriminação as necessidades dos mais vulneráveis e mais desfavorecidos, incluindo as crianças, os idosos e os deficientes, bem como os grupos sociais marginalizados e os povos indígenas, e deverá igualmente corresponder às aspirações dos jovens. Deveremos assegurar que a ninguém onde quer que viva e seja qual for a sua origem étnica, sexo, idade, deficiência, religião ou crença, raça ou outro estatuto sejam negados os direitos humanos universais e as oportunidades económicas básicas. Salientamos que são de importância crucial um ensino de qualidade, os cuidados de saúde universais e a proteção social para todos, pois têm um papel central para alcançar o desenvolvimento sustentável. Reiteramos a necessidade de eliminar a desnutrição em todas as suas formas. 20. Reiteramos igualmente que a agenda pós-2015 deverá ter no seu cerne a emancipação e os direitos humanos das mulheres, jovens e adultas, bem como pôr fim a todas as formas de discriminação e violência contra as mulheres jovens e adultas. Todos os objetivos, metas e indicadores deste quadro deverão incluir os entraves legais, sociais e económicos à igualdade entre homens e mulheres. Reconhecemos a importância de fazer participar os homens jovens e adultos no processo de fazer avançar a igualdade entre os sexos. Continuamos empenhados na promoção, proteção e observância de todos os direitos humanos e na aplicação plena e efetiva do Programa de Ação de Pequim, do Programa de Ação da Conferência Internacional sobre a População e o Desenvolvimento e dos resultados das respetivas conferências de revisão e, neste contexto, no que toca à saúde sexual e reprodutiva, bem como aos direitos inerentes. 21. Salientamos as oportunidades de construir uma economia verde inclusiva. A agenda deverá conduzir a uma transição para padrões sustentáveis de consumo e produção, que fomente também a utilização eficiente dos recursos e evite e minimize a poluição, inclusive mediante a gestão sustentável de produtos químicos e resíduos /14 ms/cfs/ms 7

8 22. Salientamos a necessidade de focar de forma proeminente as sociedades pacíficas inclusivas, a governação democrática e o primado do direito. Fazer avançar estas questões com êxito é essencial para conseguir que a agenda pós-2015 seja transformadora. Têm de ser respeitados, protegidos e atendidos os direitos humanos e as liberdades fundamentais, incluindo a liberdade de expressão, associação e imprensa. É essencial fortalecer a sociedade civil e garantir um ambiente propício às atividades da sociedade civil. Devemos assegurar que as instituições, incluindo as instituições de segurança e de justiça, sejam legítimas, responsáveis e eficientes e ajam de acordo com o princípio do primado da lei. Devemos atacar-nos efetivamente aos fatores de violência e conflito em todas as sociedades e às questões que impedem a boa governação, como a corrupção e a exclusão. 23. Reafirmamos que a agenda pós-2015 tem de ser totalmente coerente e secundante dos objetivos climáticos, e que estes deverão ser bem percetíveis em toda a agenda. Será assim apoiada a CQNUAC sem abrir negociações climáticas em paralelo. 24. Reconhecemos que a biodiversidade é um pilar fundamental do sistema que sustém a vida na Terra, do qual depende o nosso presente e futuro bem-estar, tal como salientou a Convenção das Nações Unidas sobre a Luta contra a Desertificação. Apoiamos a integração prioritária da biodiversidade na Agenda pós Cumprir os objetivos de Aichi em matéria de biodiversidade contribui de modo significativo para respeitar prioridades mais latas do desenvolvimento sustentável no mundo. 25. A UE e os seus Estados-Membros congratulam-se com a proposta do GTA. Em futuros trabalhos, será importante assegurar que haja indicadores bem definidos, que permitam concretizar e fiscalizar um conjunto de metas específicas, mensuráveis e realizáveis, preservando o importante equilíbrio político que representa a proposta do GTA. As metas definidas deverão ter um impacto transformador, evitar a duplicação de esforços e ser coerentes com as normas e acordos da ONU e com os quadros legais internacionais. Salientamos, em particular, o pleno cumprimento da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, que define o quadro legal em que devem decorrer todas as atividades nos mares e oceanos /14 ms/cfs/ms 8

9 Uma nova parceria mundial 26. A erradicação da pobreza e o desenvolvimento sustentável são desafios fortemente interligados, que não só são comuns, na medida em que são de interesse universal e importantes para todos os povos, como são também mundiais, na medida em que, num mundo interdependente, muitos deles requerem uma ação coletiva e soluções globais. Para concretizar a agenda pós-2015, é necessário criar uma parceria mundial para o desenvolvimento sustentável, orientada pelos princípios da universalidade, partilha de responsabilidades, responsabilização mútua, consideração das respetivas capacidades, e adotar uma abordagem de congregação das diversas partes interessadas. Deveremos criar uma parceria mundial mais forte, mais responsável e mais inclusiva, a fim de mobilizar as ações de todos os países e partes interessadas, a todos os níveis. Será essencial seguir uma abordagem mais exaustiva, coerente e efetiva, que permita concretizar a agenda por vários meios, tendo igualmente presentes as especiais necessidades dos países menos desenvolvidos e das populações mais carenciadas. 27. Temos uma oportunidade única de marcar conjuntamente a diferença com uma nova parceria mundial baseada na cooperação das diversas partes interessadas, que permitam um elevado nível de intercâmbio e colaboração e possam alcançar níveis mais elevados de ambição e inovação.. A parceria mundial deverá promover e aprender com a experiência das parcerias já existentes, como a parceria mundial para uma cooperação eficaz ao serviço do desenvolvimento e o programa-quadro decenal em matéria de produção e consumo sustentáveis. O setor privado e a sociedade civil desempenharão um papel essencial na concretização da agenda, pelo que recordamos a importância dos princípios fixados no Pacto Global e dos princípios orientadores da ONU sobre empresas e direitos humanos /14 ms/cfs/ms 9

10 28. A UE e os seus Estados-Membros reconhecem que a universalidade exige que todos se comprometam. Neste contexto, a agenda pós-2015 deverá ter correspondência nas políticas internas e externas dos Estados-Membros e da UE, incluindo a Nova Estratégia da UE para o Desenvolvimento Sustentável 3 e a Estratégia Europa 2020 e políticas conexas. A UE e os seus Estados-Membros comprometem-se a desempenhar a fundo o papel que lhes cabe em todos os aspetos da agenda, incluindo os meios de a concretizar, e espera que os outros parceiros contribuam com a sua quota-parte, incluindo os novos parceiros emergentes. Deveremos enquadrar compromissos apropriados e ambiciosos para todas as partes, tendo em conta os níveis de desenvolvimento e os contextos e capacidades nacionais. É de importância fundamental para a agenda pós-2015 e sua concretização que os países a sintam como sua e por ela sejam responsáveis, inclusive mediante estratégias de desenvolvimento sustentável ou compromissos nas instâncias apropriadas. 29. Deveremos assegurar um ambiente político que seja propício ao êxito deste quadro. Todos os países deverão fomentar a todos os níveis a coerência entre as políticas de desenvolvimento sustentável, bem como rever e avaliar as suas políticas, conforme apropriado, a fim de contribuir para o êxito da concretização deste quadro. Fazemos notar, em especial, a importância de políticas sólidas nos domínios do comércio, ciência, migração, tecnologia e inovação, conhecimento e partilha de experiência pericial. A UE e os seus Estados-Membros continuam também empenhados em assegurar a coerência entre as políticas de desenvolvimento, como contributo fundamental para o esforço coletivo de tornar mais coerentes as políticas de desenvolvimento sustentável. 30. Recordamos as anteriores Conclusões do Conselho sobre o relatório anual de 2014 ao Conselho Europeu sobre as metas da UE em matéria de ajuda ao desenvolvimento 4, nomeadamente que a cooperação para o desenvolvimento continua a ser uma importante prioridade da UE, que se comprometeu formalmente a atribuir coletivamente 0,7% do RNB à ajuda pública ao desenvolvimento até 2015, dando assim um passo decisivo no sentido de alcançar os ODM, e com os quais a UE e os seus Estados-Membros reafirmaram todos os seus compromissos individuais e coletivos de Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD), tendo em conta as circunstâncias orçamentais excecionais. 3 4 Doc /06 Conclusões do Conselho, de 19 de maio de 2014, sobre o "Relatório anual de 2014 ao Conselho Europeu sobre as metas da UE em matéria de ajuda ao desenvolvimento", (doc. 9989/14) /14 ms/cfs/ms 10

11 31. Num contexto de mudança mundial, os recursos financeiros necessários para a erradicação da pobreza e o desenvolvimento sustentável continuam a ser consideráveis pelo que terão de ser tratados de forma holística, coerente e englobante. Registamos com prazer que o relatório do Comité Intergovernamental de Peritos para o Financiamento do Desenvolvimento Sustentável tenha salientado a importância de uma abordagem que englobe toda a temática deste financiamento, incluindo a mobilização e utilização efetiva dos recursos domésticos, do financiamento público internacional, do financiamento privado e de formas inovadoras de financiamento proveniente de fontes nacionais e internacionais, bem como do combate aos fluxos financeiros ilegais. Fazemos notar a necessidade de eliminar gradualmente as subvenções prejudiciais ao ambiente que são incompatíveis com o desenvolvimento sustentável, incluindo as dirigidas aos combustíveis fósseis. Recordamos as anteriores Conclusões do Conselho sobre o financiamento da erradicação da pobreza e do desenvolvimento sustentável para além de 2015 e reconhecemos que a APD continua a ser um elemento importante e catalisador do financiamento global disponível para os países em desenvolvimento, especialmente os mais carenciados A UE e os seus Estados-Membros consideram que se deveriam reforçar mutuamente os preparativos da Terceira Conferência Internacional sobre o Financiamento do Desenvolvimento, em julho de 2015, e da Cimeira pós-2015, em setembro. A Conferência para o Financiamento do Desenvolvimento deverá focar os diversos meios de concretizar a agenda pós-2015, incluindo não só os quadros políticos favoráveis como a mobilização e utilização efetiva de recursos financeiros, dando assim um contributo positivo para a Cimeira pós Estes processos e outros conexos deverão conduzir a um enquadramento único. 5 Conclusões do Conselho de 12 de dezembro de 2013, "Financiar a erradicação da pobreza e o desenvolvimento sustentável para além de 2015" (doc /13) /14 ms/cfs/ms 11

12 33. Será essencial seguir uma abordagem sólida, eficiente e efetiva do processo de fiscalização e responsabilização da agenda pós-2015, a nível nacional, regional e mundial, a fim de avaliar os progressos realizados no sentido de alcançar as metas e objetivos. Essa abordagem deverá assentar num efetivo multilateralismo, na abertura, participação significativa, transparência e responsabilização mútua, incluindo uma vertente de análise pelos pares. Deverá contar com o necessário apoio de um sistema eficiente e eficaz das Nações Unidas, bem como de outras instituições, e envolver todos os parceiros e partes interessadas, incluindo a sociedade civil, a comunidade científica, os meios de comunicação social e o setor privado. Haverá que desenvolver um quadro eficaz de fiscalização e responsabilização nos futuros processos intergovernamentais, incluindo um papel de supervisão para o Fórum Político de Alto Nível no seguimento e na análise dos progressos da agenda pós-2015 a nível mundial. Os mecanismos e processos existentes deverão ser utilizados de forma coordenada, sempre que possível, a fim de evitar as duplicações e limitar os encargos administrativos. A UE continua empenhada na transparência e na responsabilização e, neste contexto, o Conselho saúda o Relatório de 2014 sobre a responsabilização da UE em matéria de financiamento do desenvolvimento. 34. Para tais relatórios, será essencial dispor de indicadores robustos, mensuráveis e virados para a obtenção de resultados, devendo tais indicadores, caso não existam, ser desenvolvidos tendo em conta a experiência, as melhores práticas e os conhecimentos especializados, bem como a aspiração dos cidadãos a uma cultura de responsabilização. Será essencial intensificar o uso dos dados já existentes e assegurar que sejam recolhidos dados de maior qualidade, de forma coordenada, bem como tirar partido das novas tecnologias informáticas. A este respeito, deram contributos úteis o Grupo dos Amigos da Presidência, para as formas mais abrangentes de medir o progresso, e o Grupo Consultivo de Peritos Independentes, para uma revolução no uso de dados aplicada ao desenvolvimento sustentável. Tal como salientou a proposta do GTA, será essencial desagregar os dados por rendimento, sexo, idade e outros fatores, a fim de assegurar que todas as metas sejam alcançadas por todos os grupos pertinentes e que ninguém fique para trás. Temos de reconhecer que é necessário ir além do Produto Interno Bruto (PIB) e encarar formas mais abrangentes de medir o progresso, incluindo o capital social, humano e natural, para articular uma ideia mais geral de modos de vida sustentáveis e bem-estar. Reconhecemos a importância de desenvolver capacidades estatísticas, sobretudo nos países em desenvolvimento, para permitir uma efetiva responsabilização. Fazemos igualmente notar que o Eurostat e os institutos de estatística dos Estados-Membros terão uma importante função de apoio ao processo evolutivo de fiscalização do desenvolvimento sustentável /14 ms/cfs/ms 12

13 35. O elemento mais essencial de uma agenda pós-2015 verdadeiramente transformadora é a real concretização que ocorre sobretudo a nível nacional. Serão, pois, fundamentais a apropriação e a liderança nacionais. Os esforços nacionais deverão ser reforçados por meio da cooperação e parceria a nível regional e mundial, no que se inclui a cooperação e as parcerias entre as diversas partes interessadas. Também são importantes para a concretização da agenda os trabalhos que estão a ser desenvolvidos para tornar o sistema da ONU para o desenvolvimento mais "adaptado aos fins", tanto a nível da sede como ao nível de cada país. A UE e os seus Estados-Membros reconhecem que fazer avançar o desenvolvimento sustentável também depende da própria ação interna e da elaboração das nossas próprias medidas de implementação. 36. O Conselho convida a Comissão a propor um caminho concreto a seguir com vista à parceria mundial, que inclua os elementos acima indicados e assente num processo consultivo, inclusive com os Estados-Membros. Próximas etapas 37. A UE e os seus Estados-Membros continuarão a desempenhar um papel ativo e construtivo em todos os processos atualmente em curso e a apoiar a convergência destes processos com vista a um único quadro englobante para o período pós Para o efeito, a UE e os seus Estados-Membros continuarão a desenvolver e atualizar posições comuns, a fim de participar de forma unificada nas futuras negociações intergovernamentais. 38. A UE e os seus Estados-Membros continuarão a trabalhar de forma construtiva e inclusiva com todos os parceiros e partes interessadas, nomeadamente a sociedade civil, os Parlamentos, as instituições científicas e académicas, as autoridades locais, o setor privado, os parceiros filantrópicos e sociais, durante toda a preparação e concretização da agenda pós A UE e os seus Estados-Membros continuarão a participar regularmente nos processos de diálogo e sensibilização nestes domínios. Em especial, tomaremos como base as iniciativas e declarações conjuntas e continuaremos a trabalhar com os parceiros regionais. A UE e os seus Estados-Membros estão empenhados em ter um papel ativo na construção dos necessários consensos para estabelecer e pôr em prática uma agenda pós-2015 ambiciosa, transformadora e inclusiva /14 ms/cfs/ms 13

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

10434/16 mc/ap/ip 1 DG B 3A

10434/16 mc/ap/ip 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 17 de junho de 2016 (OR. en) 10434/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações SOC 419 EMPL 278 ECOFIN 630 SAN 271 EDUC 243 n.º

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a:

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a: SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 14 a 15 de abril de 2012 CA-VI/doc.6/12 Rev.2 Cartagena das Índias, Colômbia 23 maio 2012 Original: espanhol MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS As Chefes

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES

A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES 1. O QUE É UMA LEI DE BASES? Uma lei de bases é uma lei

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Justificativas O Estado contemporâneo busca superar uma parte substantiva dos obstáculos que permeiam as políticas públicas e as ações privadas através

Leia mais

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira PREÂMBULO Os Orçamentos Participativos são símbolos de importância da participação dos cidadãos na sociedade democrática, neste sentido a Câmara Municipal

Leia mais

O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O PLANO BRASIL SEM MISÉRIA A adoção de uma estratégia multidimensional coordenada, com objetivos e metas claros e mensuráveis, é uma das iniciativas mais importantes dos países que buscam reduzir seus

Leia mais

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../...

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../... PACTO DE AUTARCAS CONSIDERANDO que o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas confirmou que as alterações climáticas são uma realidade e que a utilização de energia relacionada com actividades

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris, na sua 20ª sessão,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Contexto do Projecto Contexto Ambiental Descrever as calamidades climáticas presentes (eventos e condições) afectando

Leia mais

São Paulo, 17 de Agosto de 2012

São Paulo, 17 de Agosto de 2012 São Paulo, 17 de Agosto de 2012 Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, no 22º Congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Fenabrave Senhoras

Leia mais

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição.

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição. I. OBJETIVO Esta Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA), tem como objetivo estabelecer os princípios e as diretrizes compatíveis com a natureza e complexidade das atividades e produtos da Instituição,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Ponto 10.1. Proposta das Normas do Orçamento Participativo de Pombal

Ponto 10.1. Proposta das Normas do Orçamento Participativo de Pombal Cópia de parte da ata da Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Pombal nº0014/cmp/15, celebrada em 25 de Junho de 2015 e aprovada em minuta para efeitos de imediata execução. Ponto 10.1. Proposta das

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

O Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) : Benefícios para os doentes, para a ciência e para o crescimento económico

O Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) : Benefícios para os doentes, para a ciência e para o crescimento económico O Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) : Benefícios para os doentes, para a ciência e para o crescimento económico Adaptado de: PORQUE É QUE O ACORDO TTIP É IMPORTANTE Um

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE

GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE Adotado pelo conselho associativo da Agence universitaire de la Francophonie 13 de setembro

Leia mais

Um Plano de Investimento para a Europa

Um Plano de Investimento para a Europa Um Plano de Investimento para a Europa O «triângulo virtuoso» INVESTIMENTO REFORMAS ESTRUTURAIS RESPONSABILIDADE ORÇAMENTAL 1 Um Plano de Investimento para a Europa MOBILIZAR FINANCIAMENTOS PARA O INVESTIMENTO

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Rede de pessoas e organizações voluntárias da nação brasileira, apartidária, ecumênica e plural, que visa o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO Renatto Marcello de Araujo Pinto Comitê Gestor da PNRSJT Comissão de Responsabilidade Socioambiental DILEMAS DO DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal 2 Ficha 7.0 Auxílio estatal Índice 1 Princípio... 5 2 Definição do conceito de auxílios estatais... 6 3 Quem

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

8096/15 jnt/pbp/ms 1 DG E - 1 C

8096/15 jnt/pbp/ms 1 DG E - 1 C Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de abril de 2015 (OR. en) 8096/15 SPORT 14 EDUC 108 JEUN 32 NOTA de: para: Secretariado-Geral do Conselho Comité de Representantes Permanentes/Conselho n.º doc.

Leia mais

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014 Natália de Oliveira Fontoura Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Brasília, março de 2014 Apesar das conquistas das mulheres, são ainda observadas muitas desigualdades

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

29.6.2016 A8-0215/1 ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão ---------------------------------------------------------

29.6.2016 A8-0215/1 ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão --------------------------------------------------------- 29.6.2016 A8-0215/1 Alteração 1 Ismail Ertug, Knut Fleckenstein em nome do Grupo S&D Wim van de Camp em nome do Grupo PPE Roberts Zīle em nome do Grupo ECR Izaskun Bilbao Barandica em nome do Grupo ALDE

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel

Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel SÃO MIGUEL DO OESTE, JUNHO DE 2015. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SULCREDI SÃO MIGUEL 1 ABRANGÊNCIA Esta política orienta o

Leia mais

Processo de planejamento participativo do Plano Diretor Aspectos metodológicos

Processo de planejamento participativo do Plano Diretor Aspectos metodológicos Processo de planejamento participativo do Plano Diretor Aspectos metodológicos Não existe no Estatuto das Cidades uma discrição minuciosa de um procedimento a ser seguido para elaboração dos Planos Diretores,

Leia mais

Declaração sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher

Declaração sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher Declaração sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher Proclamada pela Assembléia Geral na Resolução 2263(XXII), de 7 de novembro de 1967 A Assembléia Geral, Considerando que os povos das Nações

Leia mais

9228/16 fmm/cm/fc 1 DG B 3A - DG G 1A

9228/16 fmm/cm/fc 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9228/16 ECOFIN 468 UEM 214 SOC 332 EMPL 228 COMPET 302 ENV 347 EDUC 203 RECH 194 ENER 210 JAI 458 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL CONEXÃO VERDE REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL IASEA INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL 1. APRESENTAÇÃO Conexão Verde é uma rede de aprendizagem e colaboração que envolve jovens

Leia mais

Objetivos. Prioridades de temáticos. investimento

Objetivos. Prioridades de temáticos. investimento 1. Reforço da investigação, do desenvolvimento tecnológico e da inovação (objetivo I&D) n.º 1 do artigo 9.º) Todas as prioridades de ao abrigo do objetivo temático n.º 1 1.1. Investigação e inovação: Existência

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

Gestão Pública Democrática

Gestão Pública Democrática Gestão Pública Democrática Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Gestão Pública Democrática Conceito de gestão Tem origem na palavra latina gestione que se refere ao ato de gerir, gerenciar e administrar.

Leia mais

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL Ideias Centrais Metodologia de Construção do Programa Quatro instâncias: 1. Fóruns de discussão regionalizados Um coordenador regional; Espaço de discussão permanente; Diálogo

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Em reunião de 05 de setembro de 2014, o Núcleo de Estudos Comportamentais (NEC), autorizado pelo disposto no inciso

Leia mais

POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1

POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1 POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1 1. O INÍCIO: A IMPLANTAÇAO DO PROGRAMA NACIONAL DE PENAS ALTERNATIVAS PELO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Instalado

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO Só é voluntário quem se põe ao serviço do OUTRO ÍNDICE 1. Introdução 2. O movimento Pais-em-Rede. 3. Ser voluntário Pais-em-Rede: 3.1 O nosso conceito de voluntariado 3.2 Direitos

Leia mais

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL Na última década, o número de pessoas em situação de pobreza e exclusão social em Portugal tem vindo a aumentar significativamente. A este facto preocupante, acresce

Leia mais

Realizam MUNICÍPIOS SUSTENTÁVEIS: LEGADO DAS GERAÇÕES FUTURAS

Realizam MUNICÍPIOS SUSTENTÁVEIS: LEGADO DAS GERAÇÕES FUTURAS Revista & Realizam 2016 MUNICÍPIOS SUSTENTÁVEIS: LEGADO DAS GERAÇÕES FUTURAS 31 de Maio de 2016 Teatro FECAP- Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado Bairro Liberdade - São Paulo - SP - Brasil MUNICÍPIOS

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Audiência Pública na Câmara dos Deputados Comissão Especial sobre a Crise Hídrica Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE FORUM DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE Recife,

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015

Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015 GT - Atividade Docente avaliação, valorização do ensino e carreira / diretrizes gerais. Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015 O documento mestre conceitual que apresentamos tem a função

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 8.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 8.º Ano Projeto 1 Condições que permitem a vida na Terra Ciências Naturais Compreender o ambiente! Tempo Previsto: 1 quinzena 1.ª Fase: Posição da Terra no Sistema Solar 2.ª Fase: Condições da Terra que permitem

Leia mais

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS . - ; - -1,- - MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala B, 1 andar, sala 176 - CEP: 70056-900 - Brasilia/DF sitgmte

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Empreendedorismo o caminho para a sustentabilidade

Empreendedorismo o caminho para a sustentabilidade 4º Encontro com a Educação 21 de Abril 2012 Empreendedorismo o caminho para a sustentabilidade Carlos Borrego e Ana Margarida Costa Ser empreendedor empreendedor - termo utilizado para identificar o indivíduo

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Suporte ao desenvolvimento da Rede Saúde & Diplomacia Seguimento

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016 PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016 O programa Talentos da Educação é uma iniciativa da Fundação Lemann para apoiar pessoas talentosas e comprometidas com a melhoria da educação no Brasil. A proposta é

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC CAPÍTULO I ÂMBITO E OBJETIVOS Artigo 1.º Âmbito O Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC), adiante designado por Centro, é uma

Leia mais

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Guia de monitorização de impactos Nº Direitos Humanos Guia de monitorização de impactos Aplicá vel à EDP Temas incluídos

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade 1º Encontro Educação para uma outra São Paulo Temática: Educação Profissional

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade 1º Encontro Educação para uma outra São Paulo Temática: Educação Profissional Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade 1º Encontro Educação para uma outra São Paulo Temática: Educação Profissional Relator: Carmen Sylvia Vidigal Moraes (Demanda social: Fórum da Educação da Zona Leste:

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

sustentabilidade Futuro em construção futuro em construção

sustentabilidade Futuro em construção futuro em construção futuro em construção ONU apresenta relatório com a síntese de todo o trabalho desenvolvido até agora para definição e negociação da agenda pós-2015, com ações que guiarão o desenvolvimento global a partir

Leia mais

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTERIO DA SAÚDE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O MINISTÉRIO DO TRABALHO, DA SAÚDE E DAS POLÍTICAS SOCIAIS DA REPÚBLICA ITALIANA SOBRE COOPERAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE

Leia mais

Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base

Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base O QUE É REDEAMÉRICA? É UMA REDE TEMÁTICA LIDERADA PELO SETOR EMPRESARIAL COM UMA ESTRATÉGIA HEMISFÉRICA PARA FAZER DO

Leia mais

Contracepção e Saúde Reprodutiva no. Duarte Vilar Director Executivo da APF

Contracepção e Saúde Reprodutiva no. Duarte Vilar Director Executivo da APF Melhores Escolhas Melhor Saúde Contracepção e Saúde Reprodutiva no Contexto da Formação Profissional Duarte Vilar Director Executivo da APF Antecedentes Desde 1983: colaboração entre a APF e diversos CFP

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO. Recomendação 193. Genebra, 20 de junho de 2002. Tradução do Texto Oficial

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO. Recomendação 193. Genebra, 20 de junho de 2002. Tradução do Texto Oficial CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO Recomendação 193 Recomendação sobre a Promoção de Cooperativas adotada pela Conferência em sua 90 ª Reunião Genebra, 20 de junho de 2002 Tradução do Texto Oficial

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas 1. Identificação do Candidato 1.1. Nome da pessoa/organização: 1.2. Número de identificação (BI ou CC): de / / ou

Leia mais

Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio

Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio ODILON LUÍS FACCIO Instituto Primeiro Plano São Paulo, 24 de junho de 2008 Grupo de Excelência

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA

RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA ESAF PR Seminário Paranaense de Educação Fiscal RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA Fabiane L.B.N.Bessa Papel do Estado e suas relações com a sociedade civil e o mercado -> apoio recíproco Reformas

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:50737-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737

Leia mais

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia Preâmbulo Numa sociedade democrática é fundamental que existam mecanismos de participação que permitam aos jovens o desenvolvimento de competências de cidadania que lhes possibilitem a formulação de ideias

Leia mais

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política de da Investimento CPFL Energia Social S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito

Leia mais

PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS

PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL Especialização em Gestão Social de Políticas Públicas PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

Pacto Global das Nações Unidas Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) Signatário: PATMAR INDÚSTRIA E COMERCIO LTDA

Pacto Global das Nações Unidas Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) Signatário: PATMAR INDÚSTRIA E COMERCIO LTDA Signatário: PATMAR INDÚSTRIA E COMERCIO LTDA Relatório anual referente ao ANO 2012 Para nossos acionistas: Tenho o prazer de confirmar que PATMAR INDUSTRIA E COMERCIO LTDA reafirma o seu apoio das Dez

Leia mais

Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013

Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013 Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013 Há três dimensões que apoiam a construção de conhecimento aplicável para empresas e seus gestores formando a base para o desenvolvimento de ferramentas

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

Criar condições de Segurança e de uma Paz Durável para Todos

Criar condições de Segurança e de uma Paz Durável para Todos Memorando do Workshop 5 http://jaga.afrique-gouvernance.net Criar condições de Segurança e de uma Paz Durável para Todos Contexto e Problemática De acordo com os termos de referência, o Workshop 5 referente

Leia mais

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ Prémio Jovem Empreendedor Regulamento Municí pio de Grâ ndolâ Regulamento do Prémio Jovem Empreendedor Preâmbulo O empreendedorismo tem vindo a assumir, dadas as atuais circunstâncias económicas e sociais,

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ESTUDOS. O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados:

CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ESTUDOS. O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados: PLANO DE ESTUDOS O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados: 1.º PERÍODO DOMÍNIO SUBDOMÍNIO / CONTEÚDOS 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o

Leia mais

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 2015 Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 Junta de Freguesia de Fermentelos Índice NOTA JUSTIFICATIVA... 2 CAPÍTULO I... 3 Missão... 3 Artigo 1º... 3 CAPÍTULO II... 3 Objeto... 3 Artigo 2º...

Leia mais

Intercâmbio 2012. Projeto Intercâmbio de Cidadania. Intercâmbio entre jovens mineiros e cariocas 25 a 29 de julho de 2012 no Rio de Janeiro (RJ)

Intercâmbio 2012. Projeto Intercâmbio de Cidadania. Intercâmbio entre jovens mineiros e cariocas 25 a 29 de julho de 2012 no Rio de Janeiro (RJ) Intercâmbio 2012 Projeto Intercâmbio de Cidadania Intercâmbio entre jovens mineiros e cariocas 25 a 29 de julho de 2012 no Rio de Janeiro (RJ) 0 Índice Assunto Pagina Apresentação 2 Objetivos do Programa

Leia mais

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global de janeiro de 1 Por Min Zhu Em nossa Reunião Anual de outubro de 13, travamos um longo debate sobre as perspectivas

Leia mais

10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação

10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação 10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação Estatuto do Idoso uma década de... D I G N I D A D E F E L I C I D A D E AT I V I D A D E V I TA L I D A D E Q U A L I D A D E R E S P E I

Leia mais

A visão empresarial da nova institucionalidade

A visão empresarial da nova institucionalidade Inovação Tecnológica e Segurança Jurídica A visão empresarial da nova institucionalidade José Ricardo Roriz Coelho Diretor Titular Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC Presidente Suzano

Leia mais