APLICACIÓN DE LA MICROPROPAGACIÓN NA CLONACIÓN DE Eucalyptus EN BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICACIÓN DE LA MICROPROPAGACIÓN NA CLONACIÓN DE Eucalyptus EN BRASIL"

Transcrição

1 Universidade Federal de Viçosa Viçosa/MG - Brasil APLICACIÓN DE LA MICROPROPAGACIÓN NA CLONACIÓN DE Eucalyptus EN BRASIL ALOISIO XAVIER Professor Associado Departamento de Engenharia Florestal Universidade Federal de Viçosa - BRASIL San José - Costa Rica Noviembre / 2008 INSTITUTO DE BIOTECNOLOGIA APLICADA À AGROPECUÁRIA Universidade Federal de Viçosa Viçosa/MG - Brasil

2 BIOTECNOLOGIA Propagación In vitro Micropropagación de Eucalyptus

3 Principales Aplicación del Micropropagación em Eucalyptus (1) Rejuvenescimiento de clones seleccionados na fase adulta; (2) Limpeza clonal (enfermedades) (3) Embriogénesis somática; (4) Base para otras técnicas biotecnológicas (ex.: transgênicos).

4 ESTRUCTURAS

5 ESTRUCTURAS

6 REJUVENESCIMIENTO DE CLONES DE Eucalyptus Micropropagación por la Proliferación de Yemas Axilares A Laboratório de Cultura de Tejidos B C D E Isolamiento e Indución Fase de Multiplicación I H G F Fase de Alongamiento

7 REJUVENESCIMIENTO DE CLONES DE Eucalyptus Micropropagación por la Proliferación de Yemas Axilares Estabelecimiento in vitro - Coleta dos explantes Laboratório de Cultura de Tejidos

8 REJUVENESCIMIENTO DE CLONES DE Eucalyptus Micropropagación por la Proliferación de Yemas Axilares Estabelecimiento in vitro Desinfestación in vitro dos explantes Lavagem em água curriente Lavagem em água autoclavada Fungicida Álcool 70% Imersión em água autoclavada até inoculación Lavagem em água autoclavada NaClO 1%

9 REJUVENESCIMIENTO DE CLONES DE Eucalyptus Micropropagación por la Proliferación de Yemas Axilares Estabelecimiento in vitro - Inoculación y cultivo de los explantes Preparo do explante Inoculación em meio de cultura Explante inoculado 30 dias após inoculación Escuro durante 7 dias Sala de cultura

10 REJUVENESCIMIENTO DE CLONES DE Eucalyptus Micropropagación por la Proliferación de Yemas Axilares Multiplicación ye Alongamiento in vitro 30 dias após inoculación 1º subcultivo 2º subcultivo 3º subcultivo... Rejuvenescimiento nº subcultivo Enraizamiento ex vitro

11 0 28,1 53,1 37,5 65,6 Sob85 (%) 28,1 9,4 34,4 18,8 28,1 Sob85 (%) 81,2 65,6 59,4 93,8 65,6 90, ,8 65,6 56,3 84,4 87,5 93,8 78,1 MINIESTACAS X MICROESTACAS Sobrevivencia de las Mudas (85 dias) de Miniestacas y Microestacas de clones de Eucalyptus CLONE CM1 CLONE CM AIB (ppm) 0 MN MC MN MC MN MC 20 dias 25 dias 30 dias 20 0 AIB (ppm) 0 MN MC MN MC MN MC 20 dias 25 dias 30 dias 20 0 PERMANÊNCIA EM CV PERMANÊNCIA EM CV Sobrevivencia de las Mudas (85 dias) de Miniestacas y Microestacas de clones de Eucalyptus

12 SOB50 (%) 91,7 81,3 100,0 97,9 89,7 69,8 91,7 88,5 93,2 84,4 66,7 95,8 89,6 100,0 100,0 92,7 87,5 90,6 94,0 86,7 MINIESTACAS x MICROESTACAS Sobrevivencia de las Mudas (50 dias) de Miniestacas y Microestacas Dias 0 CC11 Mini CC11 Micro CC12 Mini CC12 Micro MC mini MC Micro CC1 Mini CC1 Micro CC8 Mini CC8 Micro Eucalyptus Clones grandis (4 clones)

13 MINIESTACAS MICROESTACAS Tiempo Eficiencia Costos Aplicabilidad

14 Micropropagación Via Embriogénesis Somática Eucalyptus (Fonte: TITON, 2004)

15 Eucalyptus (Fonte: TITON, 2004) Formación de estructuras semejantes a embrioles somáticos em Eucalyptus grandis. Estructuras formadas em 0,5 mg L-1 de dicamba (A-C) e em 5,0 e c10,0 mg L-1 de picloram (D-F).

16 Embriogénesis somática en Eucalyptus ESPÉCIE REFERÊNCIA Eucalyptus citriodora Muralidharan e Mascarenhas (1987) Eucalyptus grandis Watt et al, (1991) Major et al, (1997) Titon (2005) Alves (2008) Eucalyptus dunnii Termignoni et al, (1996) Eucalyptus nitens Ruad et al, (1997) Bandyopadhyay et al, (1999) Bandyopadhyay e Hamill (2000) Eucalyptus urophylla Tibok et al, (1995) Alves (2008) Arruda et al, (2000) Eucalyptus globulus Nugent et al, (1997) Bandyopadhyay et al, (1999) Pinto et al, (2002) Eucalyptus tereticornis Prakash e Gurumurthi (2005)

17 Micropropagación - Eucalyptus BIORREATORES Tipo RITA

18 EVOLUCIÓN Y TENDENCIAS DE LA PROPAGACIÓN CLONAL DE Eucalyptus - Brasil Plantío Clonal Banco Clonal ESTACAS Jardim Clonal Minijardim clonal MINIESTACAS Enraizamiento Microjardim clonal MICROESTACAS Laboratório (micropropagación via gemas axilares) (?) Laboratório (micropropagación via embriogénesis somática) (?) (?) semillas sintéticas

19 Índice Silvicultura Clonal Princípios e Técnicas de Clonagem Página 1 A Silvicultura Clonal Biologia da Propagação Clonal Propagação Clonal pela Enxertia Propagação Clonal pela Estaquia Propagação in vitro de Espécies Florestais Seleção Clonal Florestas Clonais Lançamento: 2009 Aloisio Xavier Ivar Wendling Rogério Luiz da Silva Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Florestal Universidade Federal de Viçosa Viçosa MG 2008 Informações:

20 Departamento de Engenharia Florestal Viçosa / MG - Brasil Muchas Gracias por la Atención Aloisio Xavier II SEMINARIO TALLER INTERNACIONAL AVANCES EN SILVICULTURA CLONAL Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Florestal

PROPAGAÇÃO CLONAL DO EUCALIPTO Aplicações Biotecnológicas

PROPAGAÇÃO CLONAL DO EUCALIPTO Aplicações Biotecnológicas PROPAGAÇÃO CLONAL DO EUCALIPTO Aplicações Biotecnológicas ALOISIO XAVIER Professor Associado Departamento de Engenharia Florestal Universidade Federal de Viçosa - BRASIL Campinas/SP Brasil Abril - 2011

Leia mais

APLICAÇÕES DA MICROPROPAGAÇÃO NA CLONAGEM DE Eucalyptus NO BRASIL

APLICAÇÕES DA MICROPROPAGAÇÃO NA CLONAGEM DE Eucalyptus NO BRASIL www.mag.go.cr/rev agr/inicio.htm www.cia.ucr.ac.cr Nota técnica APLICAÇÕES DA MICROPROPAGAÇÃO NA CLONAGEM DE Eucalyptus NO BRASIL Aloisio Xavier*, Wagner Campos Otoni** Palavras chave: Micropropagação,

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DO MAMOEIRO: ESTAQUIA E CULTURA DE TECIDOS

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DO MAMOEIRO: ESTAQUIA E CULTURA DE TECIDOS PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DO MAMOEIRO: ESTAQUIA E CULTURA DE TECIDOS Evento: VI Simpósio do Papaya Brasileiro Omar Schmildt PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DO MAMOEIRO: ESTAQUIA E CULTURA DE TECIDOS Cultura de Tecidos:

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 EFEITO DE AIA E BAP NA MULTIPLICAÇÃO DE EUCALYPTUS UROGRANDIS TÂNIA REGINA BATISTA 1, EVÂNIA GALVÃO MENDONÇA 2 ; VANESSA STEIN 3, LUCIANO VILELA PAIVA 4, BRENO RÉGIS SANTOS 5 RESUMO A área de florestas

Leia mais

Agronomía Costarricense ISSN: 0377-9424 rac.cia@ucr.ac.cr Universidad de Costa Rica Costa Rica

Agronomía Costarricense ISSN: 0377-9424 rac.cia@ucr.ac.cr Universidad de Costa Rica Costa Rica Agronomía Costarricense ISSN: 0377-9424 rac.cia@ucr.ac.cr Universidad de Costa Rica Costa Rica Silva, Rogério Luiz da; Oliveira, Mila Liparize de; Monte, Marco Antônio; Xavier, Aloisio PROPAGAÇÃO CLONAL

Leia mais

Avaliação de diferentes enraizadores em mini-estacas de clones de Eucalyptus urophylla no inverno

Avaliação de diferentes enraizadores em mini-estacas de clones de Eucalyptus urophylla no inverno V Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí V Jornada Científica Avaliação de diferentes enraizadores em mini-estacas de clones de Eucalyptus urophylla no inverno Lorena Martins de OLIVEIRA¹;

Leia mais

Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais

Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais IV Workshop em Melhoramento Florestal IPEF Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais Edson Seizo Mori FCA / UNESP Campus de Botucatu Introdução e Histórico A cultura dos eucalyptus no Brasil

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL ENRAIZAMENTO DE MICRO-ESTAQUIA DE IPÊ ROXO (TABEBUIA), COM AUXILIO DE ÁCIDO INDOL BUTIRICO (AIB) CRISTIANE

Leia mais

A HIBRIDAÇÃO NO MELHORAMENTO DA RESISTÊNCIA A FATORES ABIÓTICOS EM Eucalyptus. Teotônio Francisco de Assis Assistech Ltda assisteo@terra.com.

A HIBRIDAÇÃO NO MELHORAMENTO DA RESISTÊNCIA A FATORES ABIÓTICOS EM Eucalyptus. Teotônio Francisco de Assis Assistech Ltda assisteo@terra.com. A HIBRIDAÇÃO NO MELHORAMENTO DA RESISTÊNCIA A FATORES ABIÓTICOS EM Eucalyptus Teotônio Francisco de Assis Assistech Ltda assisteo@terra.com.br PRODUTIVIDADE FLORESTAL N Í V E I S D E P R O D U Ç ÃO POTENCIAL

Leia mais

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS ISRAEL GOMES VIEIRA Setor de Sementes IPEF Agosto 2007 SEMENTES CATEGORIAS IDENTIFICADA: material de propagação, coletado de matrizes com determinação botânica

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Propagação vegetativa em espécies florestais: Enxertia Estaquia Microestaquia Enxertia União de partes de uma planta em outra, de forma que as duas partes de plantas diferentes passem

Leia mais

MINIESTAQUIA E MICROPROPAGAÇÃO DE Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage X Eucalyptus dunnii Maiden

MINIESTAQUIA E MICROPROPAGAÇÃO DE Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage X Eucalyptus dunnii Maiden GILVANO EBLING BRONDANI MINIESTAQUIA E MICROPROPAGAÇÃO DE Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage X Eucalyptus dunnii Maiden Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Engenharia Florestal, Área

Leia mais

INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ

INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ Andredy Murilo Trindade Amorim¹, Oriel Filgueira de Lemos², Camila Beatriz Lima de Souza ³,Dávia Rosane Rodrigues Leite 3

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Roberto FARIA ; Sérgio Tadeu SIBOV ; Diego José CALDAS 2 ; Victor Fernando Rodrigues da SILVA 2 Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento

Leia mais

Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados

Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados Ilheus, Setembro de 2011 I Simpósio Brasileiro da Pupunheira Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados Dr. Douglas A. Steinmacher Introdução

Leia mais

Tecnologia de Biorreatores e Propagação Fotoautotrófica. Ricardo Penchel Wagner Otoni Aloisio Xavier

Tecnologia de Biorreatores e Propagação Fotoautotrófica. Ricardo Penchel Wagner Otoni Aloisio Xavier Tecnologia de Biorreatores e Propagação Fotoautotrófica Ricardo Penchel Wagner Otoni Aloisio Xavier Justificativas para Automação Aplicação da tecnologia em escala comercial. + Necessidade de minimizar

Leia mais

Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME. ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo

Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME. ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo Roteiro da Apresentação Histórico do TUME - as primeiras demandas Objetivos do TUME

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MEIOS DE CULTURA E MÉTODOS DE DESINFESTAÇÃO DE EXPLANTES DE PLANTAS ADULTAS DE ERVA-MATE

AVALIAÇÃO DE MEIOS DE CULTURA E MÉTODOS DE DESINFESTAÇÃO DE EXPLANTES DE PLANTAS ADULTAS DE ERVA-MATE 34 AVALIAÇÃO DE MEIOS DE CULTURA E MÉTODOS DE DESINFESTAÇÃO DE EXPLANTES DE PLANTAS ADULTAS DE ERVA-MATE Santos, D.C. dos 1 E Wendling, I. 2 RESUMO - Este trabalho objetivou avaliar os efeitos de diferentes

Leia mais

Análise Econômica de Dois Sistemas de Produção de Mudas de Eucalipto

Análise Econômica de Dois Sistemas de Produção de Mudas de Eucalipto Floresta e Ambiente 2011 abr./jun.; 18(2):171-177 doi 10.4322/floram.2011.035 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo de Pesquisa Análise Econômica de Dois Sistemas de Produção de Mudas

Leia mais

ANNE CAROLINE GUIEIRO CORREIA

ANNE CAROLINE GUIEIRO CORREIA ANNE CAROLINE GUIEIRO CORREIA MICROPROPAGAÇÃO EM BIORREATORES DE IMERSÃO TEMPORÁRIA E ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS DE CLONES HÍBRIDOS DE Eucalyptus globulus Dissertação apresentada à Universidade

Leia mais

Genética e Nutrição Florestal MDS

Genética e Nutrição Florestal MDS Melhoramento Genético e Manejo Florestal na Duratex MDS A DURATEX É UMA EMPRESA DO GRUPO ITAÚSA MDS PRODUTOS DA DIVISÃO MADEIRA PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUIDA: - MDF/HDF - MDP - CHAPA DURA DE FIBRA -

Leia mais

PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1

PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1 PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1 QUADROS, Kenia Michele de 2 ; COMIRAN, Mariane 3 ; BISOGNIN, Dilson Antônio 4 ;

Leia mais

Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico

Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico Engº Florestal UFV Mestre em Genética e Melhoramento Florestal UFV Especialista Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas - UFLA Novembro/2013

Leia mais

Minicurso 5º CBMP 11-13 de agosto de 2009 Guarapari, ES

Minicurso 5º CBMP 11-13 de agosto de 2009 Guarapari, ES Minicurso 5º CBMP 11-13 de agosto de 2009 Guarapari, ES Introdução Evolução no melhoramento genético Seleção de Espécies Seleção de População Seleção de Famílias e Indivíduos Histórico da clonagem do eucalipto

Leia mais

Cedro Australiano (Toona ciliata)

Cedro Australiano (Toona ciliata) TECNOLOGIA E VIDA Cedro Australiano (Toona ciliata) Características gerais e botânicas: Planta da família Meliaceae; Altura varia entre 20 a 35 m; Tronco ereto e cilíndrico; Folhas compostas paripinadas

Leia mais

Desafios das EPDI s privadas.

Desafios das EPDI s privadas. BIOCLONE Produção de Mudas S/A Roberto Caracas de Araujo Lima Sócio Diretor Executivo www.bioclone.com.br Desafios das EPDI s privadas. 14 a 16 de agosto de 2012 http://www.abipti.org.br/ A EMPRESA Setor

Leia mais

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith Caroline Ribeiro Tunes 1 e Gessiel Newton Scheidt 2 1 Aluno do Curso de Biotecnologia; Campus

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO TEMPO NECESSÁRIO PARA O ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS DE CLONES HÍBRIDOS DE Eucalyptus grandis 1

OTIMIZAÇÃO DO TEMPO NECESSÁRIO PARA O ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS DE CLONES HÍBRIDOS DE Eucalyptus grandis 1 759 OTIMIZAÇÃO DO TEMPO NECESSÁRIO PARA O ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS DE CLONES HÍBRIDOS DE Eucalyptus grandis 1 Lucas Amaral de Melo 2, Aloísio Xavier 3, Haroldo Nogueira de Paiva 3 e Silvano Rodrigues

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Otimização da multiplicação de brotações de Eucalyptus globulus Labill. in vitro Murilo Vieira Gabriel Dissertação apresentada para

Leia mais

INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. INTRODUÇÃO

INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. INTRODUÇÃO Página 270 INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. Wesley Machado 1, Andréa Almeida Carneiro 2 e Gracielle Teodora da Costa Pinto Coelho 3 1 Agrônomo, Pós-graduando em Biotecnologia,

Leia mais

Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME. ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo

Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME. ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo Roteiro da Palestra Como surgiu o TUME / Histórico Objetivos do TUME / Forma de atuação

Leia mais

MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO 9º Seminário de Atualização em Eucaliptocultura MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO Profa. Luciana Duque Silva Depto. Ciências Florestais ESALQ/USP 1 FATORES QUE INFLUEM NA ESCOLHA

Leia mais

Relação do estado nutricional de minicepas com o número de miniestacas de eucalipto

Relação do estado nutricional de minicepas com o número de miniestacas de eucalipto Scientia Forestalis Relação do estado nutricional de minicepas com o número de miniestacas de eucalipto Relationship of mini-stumps nutritional state to number of eucalypt mini-cuttings Ana Catarina Monteiro

Leia mais

Propagação de frutíferas

Propagação de frutíferas Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Propagação de frutíferas Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo Herbert

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais

Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento

Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Florestal Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento Naisy Silva Soares Orientador:

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO AUSTRALIANO (Toona ciliata M. Roem) POR MINIESTAQUIA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO AUSTRALIANO (Toona ciliata M. Roem) POR MINIESTAQUIA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO AUSTRALIANO (Toona ciliata M. Roem) POR MINIESTAQUIA JONICÉLIA CRISTINA ARAÚJO VIEIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO UENF CAMPOS DOS GOYTACAZES

Leia mais

Nutrição e adubação em minijardim clonal hidropônico de Eucalyptus

Nutrição e adubação em minijardim clonal hidropônico de Eucalyptus INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS ISSN 1-3453 Nutrição e adubação em minijardim clonal hidropônico de Eucalyptus Edson Namita Higashi Ronaldo Luiz Vaz de Arruda Silveira Antonio Natal Gonçalves

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO SOBRE A INCIDÊNCIA DE FERRUGEM NO EUCALIPTO

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO SOBRE A INCIDÊNCIA DE FERRUGEM NO EUCALIPTO INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO SOBRE A INCIDÊNCIA DE FERRUGEM NO EUCALIPTO MELLO, Edson¹ MEDICE, Regiane² ¹ Aluno do curso de Agronomia da Associação Cultural e Educacional de Itapeva Faculdade de Ciência Sociais

Leia mais

INSTALAÇÃO E MANEJO DE MINIJARDIM E MICROJARDIM CLONAL DE ERVA-MATE EM SISTEMA DE CULTIVO SEM SOLO 1

INSTALAÇÃO E MANEJO DE MINIJARDIM E MICROJARDIM CLONAL DE ERVA-MATE EM SISTEMA DE CULTIVO SEM SOLO 1 INSTALAÇÃO E MANEJO DE MINIJARDIM E MICROJARDIM CLONAL DE ERVA-MATE EM SISTEMA DE CULTIVO SEM SOLO 1 QUADROS, Kenia Michele de 2 ; COMIRAN, Mariane 3 ; BISOGNIN, Dilson Antônio 4 ; FISCHER, Hardi 5 ; RAUBER,

Leia mais

Art. 4º Após o término do prazo da presente consulta pública, serão conjuntamente apresentadas as

Art. 4º Após o término do prazo da presente consulta pública, serão conjuntamente apresentadas as MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 482, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 Nota: Portaria em Consulta Pública O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS NA CENIBRA

PRODUÇÃO DE MUDAS NA CENIBRA PRODUÇÃO DE MUDAS NA CENIBRA FLUXOGRAMA DE PRODUÇÃO DE MUDA CLONAL JARDIM CLONAL COLHEITA DE BROTOS PLANTIO DE ESTACA CASA DE VEGETAÇÃO CASA DE SOMBRA CRESCIMENTO RUSTIFICAÇÃO/ EXPEDIÇÃO SUBIRRIGAÇÃO TRANSPORTE

Leia mais

ESTABILIDADE FENOTÍPICA DE CLONE DE Eucalyptus urograndis, NA FAZENDA BOM JARDIM - APARECIDA - SP.

ESTABILIDADE FENOTÍPICA DE CLONE DE Eucalyptus urograndis, NA FAZENDA BOM JARDIM - APARECIDA - SP. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS ESTABILIDADE FENOTÍPICA DE CLONE DE Eucalyptus urograndis, NA FAZENDA BOM JARDIM - APARECIDA - SP. JOSÉ LUCIO PEREIRA BRAGA Sob Orientação

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO

PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO Guilherme de Andrade Lopes Gerente de Tecnologia e Meio Ambiente ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Introdução. Nivelamento de Conceitos. Histórico. Melhoramento - Fase Sementes.

Leia mais

MAPEAMENTO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS

MAPEAMENTO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS MAPEAMENTO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS Ambiente Externo Ambiente Externo - Internacional Fonte/Instituição Burril & Co. Life Sciences: Venture Capital, Private Equity, Merchant Banking, Media Documento Biotech

Leia mais

Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal

Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal Eduardo Euclydes de Lima e Borges O LASF Criado em 1967 - Professor José Flávio

Leia mais

EVOLUÇÃO DA SILVICULTURA CLONAL DE eucalyptus NO BRASIL

EVOLUÇÃO DA SILVICULTURA CLONAL DE eucalyptus NO BRASIL www.mag.go.cr/rev agr/index.html www.cia.ucr.ac.cr Nota técnica EVOLUÇÃO DA SILVICULTURA CLONAL DE eucalyptus NO BRASIL Aloisio Xavier 1/*, Rogério Luiz da Silva * Palavras chave: Silvicultura clonal,

Leia mais

ADDUBARE 27. Julho a Dezembro - 2014. Nesta Edição

ADDUBARE 27. Julho a Dezembro - 2014. Nesta Edição Ano XVII ADDUBARE 27 Julho a Dezembro - 2014 Nesta Edição Interação entre fertilidade do solo, clima e material genético permitem recomendações mais precisas e o aumento das produtividades atuais pag.

Leia mais

ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832

ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832 831 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS) 832 ESPÉCIES FLORESTAIS UTILIZADAS EM UM REFLORESTAMENTO PARA COMPOSIÇÃO DE RESERVA LEGAL PARA MANEJO SUSTENTADO. PRESIDENTE PRUDENTE

Leia mais

DESINFESTAÇÃO E ESTABELECIMENTO IN VITRO DE SEMENTES DE IPÊ AMARELO 1 RESUMO

DESINFESTAÇÃO E ESTABELECIMENTO IN VITRO DE SEMENTES DE IPÊ AMARELO 1 RESUMO DESINFESTAÇÃO E ESTABELECIMENTO IN VITRO DE SEMENTES DE IPÊ AMARELO 1 RAUBER, Marcelo A. 2 ; MAMBRIN, Ritieli 3 ; ROSA, Daniele P. 3 ; ERPEN, Lígia 3 ; HEBERLE, Michele 4 ; KIELSE, P. 5 ; LENCINA, Kelen

Leia mais

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro de Jatropha curcas Rosetânia Neves da Conceição 1 e Gessiel Newton Scheidt 2

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro de Jatropha curcas Rosetânia Neves da Conceição 1 e Gessiel Newton Scheidt 2 Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro de Jatropha curcas Rosetânia Neves da Conceição 1 e Gessiel Newton Scheidt 2 1 Aluna do Curso de Biotecnologia; Campus de Gurupi; e-mail: rncrose@hotmail.com

Leia mais

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DE MODELOS HIPSOMÉTRICOS AJUSTADOS COM DADOS OBTIDOS POR MEIO DO USO DE PRANCHETA DENDROMÉTRICA E FITA MÉTRICA EM POVOAMENTOS FLORESTAIS DO GÊNERO EUCALYPTUS NA REGIÃO DO OESTE DO

Leia mais

ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS

ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS 1. OBJETIVO Fixar diretrizes básicas a serem obedecidas na produção, comercialização e utilização de mudas, em todo o território nacional,

Leia mais

Kaline Aguiar Gonzalez Vale

Kaline Aguiar Gonzalez Vale UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NÚCLEO DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Kaline Aguiar Gonzalez Vale INTRODUÇÃO Biotecnologia???

Leia mais

Técnico de Laboratório Biotecnologia Vegetal

Técnico de Laboratório Biotecnologia Vegetal Técnico de Laboratório Biotecnologia Vegetal Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Para o preparo de uma solução de KCl a 2,5 mm deve-se diluir uma solução estoque que está na concentração de 20

Leia mais

Eng. Florestal, PhD, EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia, Parque Estação Biológica, Av. W-5 Norte (final) CEP 70770-901, Brasília, DF.

Eng. Florestal, PhD, EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia, Parque Estação Biológica, Av. W-5 Norte (final) CEP 70770-901, Brasília, DF. Comunicado Técnico Novembro, 85 ISSN 0102-0099 Brasília, DF 2003 Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelecimento de plantios florestais Vicente Pongitory Gifoni Moura 1 Daniel Pereira Guimarães

Leia mais

DINÂMICA DO ENRAIZAMENTO DE MICROESTACAS E MINIESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis 1

DINÂMICA DO ENRAIZAMENTO DE MICROESTACAS E MINIESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis 1 Dinâmica do Enraizamento de estacas e estacas... DINÂMICA DO EAIZAMENTO DE MICROESTACAS E MINIESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis Miranda Titon, Aloisio Xavier e Wagner Campos Otoni RESUMO - O presente

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DO CULTIVO DE ALGODÃO (Gossypium hirsutum) IN VITRO

PADRONIZAÇÃO DO CULTIVO DE ALGODÃO (Gossypium hirsutum) IN VITRO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos PADRONIZAÇÃO DO CULTIVO DE ALGODÃO (Gossypium hirsutum) IN VITRO Rafael Rogério Pereira da Silva (1), Universidade

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRICOLA MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO Autores Prof. Dr. Jair Alves Dionísio Eng a. Agr a. Diana Signor

Leia mais

AMBIENTES DE ENRAIZAMENTO E SUBSTRATOS DE CULTIVO PARA MUDAS DE GOIABEIRA PRODUZIDAS POR MINIESTAQUIA

AMBIENTES DE ENRAIZAMENTO E SUBSTRATOS DE CULTIVO PARA MUDAS DE GOIABEIRA PRODUZIDAS POR MINIESTAQUIA AMBIENTES DE ENRAIZAMENTO E SUBSTRATOS DE CULTIVO PARA MUDAS DE GOIABEIRA PRODUZIDAS POR MINIESTAQUIA LEONARDO MUNIZ AZIZ MILHEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO CAMPOS DOS GOYTACAZES

Leia mais

CAPÍTULO II PRODUÇÃO DE MUDAS E VIVEIROS FLORESTAIS

CAPÍTULO II PRODUÇÃO DE MUDAS E VIVEIROS FLORESTAIS CAPÍTULO II PRODUÇÃO DE MUDAS E VIVEIROS FLORESTAIS 1. Sementes O mercado interno de produção de sementes florestais é suficiente para suprir as necessidades de consumo, especialmente para espécies do

Leia mais

RENASEM. Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003. Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004. Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas

RENASEM. Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003. Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004. Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas RENASEM Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003 Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004 Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas Instrução Normativa nº 9 de 02 de junho de 2005 De acordo com a

Leia mais

Aluna cria professor virtual animado para processo de ensino

Aluna cria professor virtual animado para processo de ensino Aluna cria professor virtual animado para processo de ensino Imagine uma ferramenta que possa te auxiliar nas tarefas feitas no computador. Para motivar o interesse do aluno no aprendizado em ambiente

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

INTRODUÇÃO À CULTURA IN VITRO ASPECTOS PRÁCTICOS

INTRODUÇÃO À CULTURA IN VITRO ASPECTOS PRÁCTICOS Ana Paula Jacob INTRODUÇÃO À CULTURA IN VITRO ASPECTOS PRÁCTICOS Reguladores de Crescimento AUXINAS Naturais IAA; IBA Síntese NAA; 2,4-D; Dicamba Inibidores oxidação Fluoroglucinol; ácido ferrúlico CITOCININAS

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ANGICO-VERMELHO (Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan) POR ESTAQUIA E MINIESTAQUIA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ANGICO-VERMELHO (Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan) POR ESTAQUIA E MINIESTAQUIA POLIANA COQUEIRO DIAS PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ANGICO-VERMELHO (Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan) POR ESTAQUIA E MINIESTAQUIA Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte

Leia mais

Volume de substrato VOLUME e idade: DE SUBSTRATO influência... E IDADE: INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE MUDAS CLONAIS DE EUCALIPTO APÓS REPLANTIO

Volume de substrato VOLUME e idade: DE SUBSTRATO influência... E IDADE: INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE MUDAS CLONAIS DE EUCALIPTO APÓS REPLANTIO Volume de substrato VOLUME e idade: DE SUBSTRATO influência... E IDADE: INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE MUDAS CLONAIS DE EUCALIPTO APÓS REPLANTIO 185 Anne Caroline Guieiro Correia 1, Reynaldo Campos Santana

Leia mais

PROPAGAÇÃO IN VITRO DO PORTA-ENXERTO DE VIDEIRA PAULSEN 1103 E CONTROLE DO CRESCIMENTO DE FUNGOS NO MEIO DE CULTURA.

PROPAGAÇÃO IN VITRO DO PORTA-ENXERTO DE VIDEIRA PAULSEN 1103 E CONTROLE DO CRESCIMENTO DE FUNGOS NO MEIO DE CULTURA. PROPAGAÇÃO IN VITRO DO PORTA-ENXERTO DE VIDEIRA PAULSEN 1103 E CONTROLE DO CRESCIMENTO DE FUNGOS NO MEIO DE CULTURA. Júlia Thomé1; René A. Nadal e Gabriel Werner Malkiewiez2; Aledson Rosa Torres3; Liliane

Leia mais

Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de novas metodologias de ensino com o emprego de horta escolar

Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de novas metodologias de ensino com o emprego de horta escolar VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

Evolução da área foliar da videira de vinho cv. Syrah pé franco e enxertada em Paulsen 1103, no período de formação do parreiral em Petrolina, PE

Evolução da área foliar da videira de vinho cv. Syrah pé franco e enxertada em Paulsen 1103, no período de formação do parreiral em Petrolina, PE Evolução da área foliar da videira de vinho cv. Syrah pé franco e enxertada em 93 Evolução da área foliar da videira de vinho cv. Syrah pé franco e enxertada em Paulsen 1103, no período de formação do

Leia mais

Anexo V- Modelo de Requerimento de Inscrição da Produção da Unidade de Propagação in vitro;

Anexo V- Modelo de Requerimento de Inscrição da Produção da Unidade de Propagação in vitro; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 27 DE AGOSTO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE MUDAS DE PALMA FORRAGEIRA

ACLIMATIZAÇÃO DE MUDAS DE PALMA FORRAGEIRA ACLIMATIZAÇÃO DE MUDAS DE PALMA FORRAGEIRA Como fazer? MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ACLIMATIZAÇÃO DE MUDAS DE PALMA FORRAGEIRA Lindomar Maria de Souza Marina Medeiros de Araújo Silva Jucilene

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

Plano de Disciplina. Ementa:

Plano de Disciplina. Ementa: Curso: Mestrado em Produção Vegetal Disciplina: Sistemas agroflorestais Código: Carga Horária: 60 h.a. Semestre: 1 Caráter: Optativa Créditos: 4 Professor Coordenador: Tadário Kamel de Oliveira Horário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA Comissão Permanente Organizadora de Concurso Público

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA Comissão Permanente Organizadora de Concurso Público 1 VAGAS REMANESCENTES 0 CUIABÁ Atualizado em 11 de Agosto de 2009 Faculdade de Ciências Médicas Faculdade de Nutrição Instituto de Saúde Coletiva Arquitetura e Urbanismo Ciências Básicas em Saúde Alimentos

Leia mais

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa Procedimento IFC PROJETO FLORESTAL BRASIL Antonio José de Sousa Junho 2010 LOCALIZAÇÃO PLANO DE NEGOCIO A Florestal foi constituída em julho de 2007, tendo como acionistas a J&F Participações S.A e a MCL

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO Valter de Oliveira Neves Júnior1; Zélio de Lima Vieira 1; Leandro Martins Prudente1; Rafael Benetti1; Sebastião Pedro da Silva Neto 2 1 Acadêmico PVIC/UEG

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1 PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1 SOUZA, Letiele Bruck de 2 ; COGO, Maurício Ricardo de Melo 2 ; SANTOS,

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA

MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA A batata (Solanum tuberosum, família Solanaceae) é uma planta originária da região andina. No século XVI chegou à Europa onde, depois de vencer a resistência

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA FLORESTA DE EUCALIPTO PARA A PRODUÇÃO DE BRIQUETES

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA FLORESTA DE EUCALIPTO PARA A PRODUÇÃO DE BRIQUETES VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA FLORESTA DE EUCALIPTO PARA A PRODUÇÃO DE BRIQUETES Éder Aparecido Garcia Engenheiro Florestal, M. Sc., Doutorando em Ciência Florestal, Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA),

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VIII Jornada Científica. Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VIII Jornada Científica. Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus ambuí Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano Filipe Soares Nogueira¹; Jorge Estevão Machado Corrêa²; Ricardo Monteiro Corrêa³.

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-AMARELO (Handroanthus chrysotrichus)

MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-AMARELO (Handroanthus chrysotrichus) Pesquisas Agrárias e Ambientais doi: 1.14583/2318-767.v3n1a1 http://www.ufmt.br/nativa ISSN: 2318-767 MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-AMARELO (Handroanthus chrysotrichus) Mariane de Oliveira PEREIRA 1, Marcio

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Florestas Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Documentos 129

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Florestas Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Documentos 129 ISSN 1679-2599 Novembro, 2006 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Florestas Ministério da Agricultura e do Abastecimento Documentos 129 Eucaliptos Indicados para Plantio no Estado do Paraná

Leia mais

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Msc. Martha Maria Passador Novembro/2010 16ª Reunião Técnica do PROTEF Doenças em eucalipto Doenças foliares Mancha de micosferela Mycosphaerella

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Bomfim de Alcantara, Giovana; Lopes Fortes Ribas, Luciana; Rioyei Higa, Antônio; Zuffellato Ribas, Katia Christina;

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

EMPRESA/INSTITUIÇÃO ENDEREÇO ÁREA DE ATUAÇÃO. Ciências Agrárias. Engenharia Civil. Ciências. Ciencias Agropecuarias. Ciências. Biológicas.

EMPRESA/INSTITUIÇÃO ENDEREÇO ÁREA DE ATUAÇÃO. Ciências Agrárias. Engenharia Civil. Ciências. Ciencias Agropecuarias. Ciências. Biológicas. LISTA DAS INSTITUIÇÕES CONVENIADAS PARA ESTÁGIO EXTERNO EMPRESA/INSTITUIÇÃO ENDEREÇO ÁREA DE ATUAÇÃO AECA Associação Est. De Rua: D. Pedro I, n 07 sala 402. Cooperação Agrícola Bairro: Centro - Rio de

Leia mais

Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil

Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil Leonardo R. Barbosa Laboratório de Entomologia Florestal Embrapa Florestas SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PRAGAS QUERENTERNARIAS

Leia mais

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil Vieira Neto, João; Oliveira, Adelson Francisco de; Caproni, Csaignon Mariano; Villa, Fabíola; Oliveira da Silva, Luiz Fernando

Leia mais

ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO

ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO O Produtor de Mudas, abaixo identificado, requer a inscrição de: PLANTA BÁSICA PLANTA MATRIZ JARDIM CLONAL

Leia mais

Intervenientes no Estudo

Intervenientes no Estudo 6. Intervenientes no Estudo 145 Inovação e Empreendedorismo Sustentado i&es Estudo de Benchmarking Internacional 146 intervenientes no estudo 6. ESPECIALISTAS EM EMPREENDEDORISMO Eduardo Garcia Erquiaga

Leia mais