Emoções e Experiências: questões da agenda atual do Design em Projetos para PDV.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Emoções e Experiências: questões da agenda atual do Design em Projetos para PDV."

Transcrição

1 Emoções e Experiências: questões da agenda atual do Design em Projetos para PDV. Emotions and Experiences: today s Design Agenda issues in Projects for POS. Saddi, Monica Saboia, Doutoranda; Pontifícia Universidade Católica do RJ. Magalhães, Cláudio de Freitas, Doutor; Pontifícia Universidade Católica do RJ. RESUMO Com a intenção de contribuir para a compreensão da influência dos ambientes no comportamento dos indivíduos e da participação do Design nos projetos para essa área, propomos nesse artigo examinar a importância das emoções e das experiências nas questões que envolvem os projetos de Design, especialmente na construção das Atmosferas dos Pontos de Venda das empresas de varejo da atualidade. Apresentamos uma revisão do termo Atmosfera, introduzido por Kotler (1973) e dos recentes estudos sobre essa dimensão. Destacamos o Modelo de Meharabian & Russel (1974), MR, que se baseia no paradigma estímulo organismo - resposta (SOR) como caminho para a pesquisa neste campo. Palavras chave: design, ponto de venda, atmosfera, emoções, experiência, Design de Atmosfera, Design de Experiência. ABSTRACT Intending to contribute to the understanding of the influence of environments on the behavior of individuals and participation in design projects for this area, we propose in this article examining the importance of emotions and experiences on issues involving the design projects, especially in the construction Atmospheres of the Points of Sale of retail businesses today. We present a review of the term atmosphere, introduced by Kotler (1973) and current studies on this dimension. Featuring the Model Meharabian & Russel (1974), MR, based on the paradigm - stimulus - organism - response (SOR) - as a way to research in this field. Keywords: design, point of purchase, atmosphere, emotions, experience, atmospherics, experience design. 9º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

2 Introdução As emoções e experiências relacionadas aos objetos e lugares fazem parte do universo da expressão humana no ambiente social construído. Os lugares com os quais os indivíduos interagem não são indiferentes. Estes despertam reações, emoções, lembranças e sensações que tanto podem causar-lhes uma profunda atração, como também uma radical rejeição. Os indivíduos reagem emocionalmente aos ambientes e desenvolvem infinitas associações mentais construindo valores e preferências e comportamentos. Isso indica a importância das emoções e experiências relativas aos ambientes no processo de escolha dos indivíduos pelos espaços comerciais ou pontos de venda (PDV 1 ). Como isso ocorre a nível subjetivo, os motivos porque escolhem um lugar ou outro, nem sempre são expressos por eles. No entanto, em certos casos o ambiente é o que mais os agrada, podendo ser até mais importante do que qualquer outro aspecto na construção de suas preferências. Para os designers e arquitetos esse aspecto é fundamental, considerando que projetam espaços e objetos que serão usados pelos indivíduos. Atualmente, nos inúmeros Shoppings Centers ou nos espaços comerciais das grandes Lojas de Departamentos, ou mesmo nas pequenas e médias lojas especializadas, um grande número de aspectos são responsáveis pela escolha dos consumidores por esses lugares. Estudos anteriores já apontavam para a compreensão de que os consumidores respondem a um produto total no qual a parte tangível é uma pequena parte do todo Kotler (1973). Segundo o autor, isso incluiria inúmeros aspectos que acompanham o produto, porém, afirma que dentre esses aspectos, o lugar onde o produto é comprado, mais especificamente, a Atmosfera 2 desse lugar é um dos aspectos mais significantes para as pessoas. Atualmente, os empresários têm consciência da importância da Atmosfera das lojas, mas ainda necessitam de instrumentos para analisar seus efeitos. Considerando que os PDVs das empresas de varejo são uma fonte importante de informações sobre as reações dos consumidores tanto a atividade de projetar esses ambientes quanto à pesquisa e o gerenciamento desses aspectos representa um campo de estudo importante. Encontramos os primeiros estudos sobre a Atmosfera em Kotler (1973). Segundo Donovan & Rossiter (1982), estes estudos hoje apresentam algumas limitações. Donovan & Rossiter (1982), testaram, em vários tipos de varejo, o modelo de psicologia ambiental de Mehrabian-Russel (1974), baseado no paradigma de respostas do organismo aos estímulos (SOR 3 ), trazendo novas luzes para a pesquisa da Atmosfera e de sua influência no comportamento dos consumidores. Estudos recentes apontam para a influência da Atmosfera no processo de escolha dos consumidores (Parasuraman et al. 2002), como também no desenvolvimento e na comunicação das marcas de varejo (Ailawadi & Keller, 2004; Davies & Ward, 2005). Recentemente Jang & Namkung (2009) retomaram o modelo de Mehrabian-Russel, para relacionar a atmosfera a outras dimensões (produto e serviços) em um importante estudo em restaurantes. Nessas três últimas décadas esse tema de pesquisa persiste o que demonstra um grande campo ainda a examinar. 1 Termo correspondente a POS, point of sales ou point of purchase, que engloba o espaço físico das lojas de varejo e os vários projetos que o compõe (Saddi, 2008). 2 Kotler (1973) introduz o termo: atmosphere para definir o conjunto das sensações dos indivíduos em relação a certo ambiente. 3 Stimulus Organism Response. 9 Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

3 O termo athmosferics 4, ou Design de Atmosfera, inicialmente tem por definição, a meta de criar efeitos e sensações que possam aumentar da probabilidade de compra dos consumidores nas lojas (Kotler, 1973). A intenção desse trabalho é partir desse e de outros estudos já citados (Donovan & Rossiter, 1982; Jang & Namkung, 2009) para ampliar a função dos projetos de Design de Atmosfera, nos quais a meta principal seja criar ambientes mais agradáveis e significativos para as pessoas. Sem desconsiderar a intenção de compra, atender também a outros aspectos que possam responder às necessidades e desejos dos indivíduos. Portanto, com o intuito de contribuir com as pesquisas anteriores, este artigo propõe, em primeiro lugar, uma revisão do termo Atmosfera, para prosseguir com uma reflexão que relacione a Atmosfera com outros conceitos que atualmente fazem parte da agenda do designer: as emoções e as experiências em projetos para ambientes comerciais de lojas de varejo. Em seguida apresenta o modelo de Mehrabian-Russel (1974), assim como as adaptações realizadas pelos autores Donovan & Rossiter (1982) e Jang & Namkung (2009), como ponto de partida novas técnicas de pesquisa que possam ser usadas pelos designers e empresários na avaliação do impacto nos indivíduos dos projetos de Design de Atmosfera para PDV. Esse estudo faz parte de nossa pesquisa de Doutorado iniciada em 2009, sobre a experiência dos consumidores no PDV em andamento. Design & Atmosfera O reconhecimento da importância dos vários aspectos relacionados à escolha de produtos, serviços ou ambientes, por parte dos indivíduos, não é recente. Kotler (1973), em artigo para o Journal of Retailing, já afirmava que os consumidores respondem a um produto total, que incluiria inúmeros aspectos relacionados ao produto e a empresa tais como: os serviços, as garantias, a embalagem, a propaganda, entre outros. Porém, afirma que dentre esses aspectos, o lugar onde o produto é comprado é um dos aspectos mais significantes para as pessoas. Mais especificamente, a Atmosfera deste lugar, introduzindo esse termo para qualificar o ambiente das lojas. Donovan & Rossiter (1982) afirmam que em geral, os primeiros estudos conceituaram a Atmosfera das lojas como um simples atributo, como uma vaga dimensão de boa Atmosfera quando ela demonstra ser multidimensional. No entanto, ela tem sido estudada como fator de influência pela escolha da loja, mas sem uma maior investigação de como a Atmosfera influencia o comportamento dos consumidores. Pesquisas recentes reforçam a importância da Atmosfera e a sua relação com o comportamento dos consumidores. Donovan & Rossiter (1982), demonstram que os indivíduos gostam de gastar mais tempo e talvez mais dinheiro nas lojas em que sentem satisfação e um grau de atração de moderado a alto. Ailawadi & Keller (2004), reforçam que a Atmosfera agradável da loja aumenta o desejo de visitar a loja mais vezes, de permanecer mais tempo e comprar mais. Da mesma forma que representa um fator de importância e distinção nas empresas de varejo (Davies & Ward, 2005). Designers e empresários utilizam muitos elementos para criar uma Atmosfera eficaz para o PDV. A iluminação, o aroma, a música, as cores, a variedade dos produtos, o mobiliário e os revestimentos são alguns dos elementos que compõem o ambiente multidimensional das Atmosferas das lojas de varejo da atualidade. Esse conjunto de elementos desperta emoções positivas ou negativas nos indivíduos que podem reforçar ou 4 A consciente forma de projetar espaços a fim de criar certas reações ou sensações nos compradores (Kotler, 1973). 9º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

4 mesmo modificar suas intenções anteriores. As emoções relativas aos ambientes das lojas também são mediadas por outras dimensões tais como: os serviços e as experiências vividas dentro das lojas. A Atmosfera assume grande importância para a escolha das lojas quando passa a ser mais importante do que o produto em si na decisão de compra. Nestes casos ela é o produto principal (Kotler, 1973, p.48). Design & Experiência Nas empresas de varejo a gestão da experiência total da loja, tem se apresentado como uma estratégia para manter a vantagem competitiva e se diferenciar da concorrência (Bridson & Evans, 2004). Ao mesmo tempo, atualmente, os benefícios e preços relativos aos produtos continuam importantes para as pessoas, mas a identidade própria e as experiências ainda são mais importantes (Neumeier, 2004). Segundo Ardill (2007) o Experience Design, se concentra em proporcionar experiências dos consumidores com a marca e afirma que o conjunto dessas experiências contribui para a construção da percepção sobre a marca, motivam a fidelidade do consumidor e influenciam o seu desejo de recompra. O Design de Experiência é uma atividade multidisciplinar, centrada no relacionamento com o cliente, construída a partir da interação dos clientes com a marca, e como o branding, considera todos os aspectos da marca e da empresa: desde o produto, embalagem e ambiente de loja até as roupas e a atitude dos funcionários para criar memórias positivas e promover a experiência total com a marca (Ardill, 2007). Essa experiência é realizada através de inúmeros meios: pelos sentidos, pelas relações pessoais, pelo entretenimento, pela cultura, pelo lazer, pela tecnologia, pelos serviços, entre outros. Contudo, os ambientes das lojas de varejo são o palco onde ocorre grande parte dessas experiências. Para Becerra et al. (2006), o ponto de venda passou a ser um driver de experiências e o design o veículo para projetá-las. É o que observamos em uma série de recentes projetos para empresas de varejo. A sede da Volkswagen, mais parece um parque temático da marca, com lagos, parques e restaurantes, que leva os convidados a uma viagem ao mundo do automóvel. Na Apple Store, os consumidores podem testar os produtos antes de comprar e serem atendidos por um time de experts, além de participarem gratuitamente de workshops. A Prada Flagship Store, além de moda, oferece um espaço para shows e vários serviços especiais, com tecnologia de ponta para servir aos seus clientes. A não loja da Samsung Experience é voltada para o estímulo da criatividade e a interação com a tecnologia, e não vende nenhum produto. A Microsoft Home é um museu interativo que aplica a tecnologia da empresa em ambientes de uma casa do futuro. Estes recentes projetos para PDV inovam o conceito de exposição tradicional de produtos para a venda, transformando essas lojas, sedes ou escritórios em ambientes de imersão e interatividade. Centralizados na experiência, transformam os valores estratégicos das marcas em comportamentos nos quais se vivencia a marca (Saddi, 2008). Por exemplo, a Atmosfera da loja Starbucks, possui um agradável aroma de café que envolve o ambiente e remete ao gosto do café. Então, possivelmente desperta o desejo de tomar um café. No entanto, ao tomar um café na Starbucks, sentado em uma confortável poltrona e lendo uma revista, as emoções despertadas neste ambiente estarão relacionadas, não só a Atmosfera e seus aspectos físicos, mas também ao que está sendo vivido (experiência) neste lugar. O toque da folha da revista, a qualidade da música do 9 Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

5 ambiente, a sensação de conforto dada pela maciez da poltrona, a delicadeza do atendente, as outras pessoas que freqüentam esse ambiente e também, efetivamente, o gosto e a temperatura do café consistem na Experiência da Starbucks. Sendo assim, a Atmosfera, a Experiência, o Produto e os Serviços, participam da impressão total dos shoppers 5 sobre o ambiente. Segundo Kivela et al., 1999 (in Jang & Namkung, 2009), no contexto dos restaurantes os estímulos do produto como o sabor, o frescor, a apresentação em conjunto com a atmosfera podem ser antecessores das respostas emocionais e dos comportamentos futuros. Portanto, assim como os projetos de design de interiores e arquitetura definem a luminosidade, o mobiliário, os revestimentos e cores do ambiente, outros elementos que participam do branding das empresas de varejo, tais como: o tipo de música ambiente ou as atividades que são realizadas nas lojas são também componentes desta experiência dos indivíduos no PDV. Todavia, essa experiência tem como o principal aspecto a centralização nos desejos, expectativas, e aspirações dos consumidores (Ardill, 2007) para criar laços positivos que tenham significado e valor para eles ampliando o conceito de experiência de compra. A diferença é que as experiências não podem ser gratuitas, em uma profusão de sensações como um enjoativo parque de diversões (Saramago, 2001), mas algo que conecte as pessoas entre si e com a sociedade. Norton (2003) afirma que o que os indivíduos desejam atualmente são conexões verdadeiras, realizadas através de significativas experiências com as marcas e aponta a importância em desenvolver marcas verdadeiras (brand truth) para os consumidores (Norton, 2003). Isto é: a Nike precisa ser realmente apaixonada por esporte, assim como a Prada por moda e sofisticação. A Louis Vuitton, que afirma construir suas malas de viagem de forma cuidadosamente artesanal necessita que estes produtos sejam realmente feitos por artesãos de verdade. Atualmente, as lojas de varejo desenvolvem inovadores ambientes para seus pontos de venda nos quais os sentidos, as experiências e as emoções são exploradas. Mais do que uma utilização gratuita desses recursos, cada vez mais, o caminho para esses projetos nas empresas de varejo consiste em transformar essas lojas em marcas vivas. Portanto, o Experience Design se apresenta também como um recurso importante para o branding e o fortalecimento das marcas. Para Ailawadi & Keller (2004) a habilidade em criar ricas experiências (...) pode exercer um papel crucial na construção do valor dessas marcas. Projetos inovadores de design para PDV, em ambientes especiais que apelam aos sentidos e usam a tecnologia e os serviços, para promover experiências e conectar pessoas. Marcas de empresas genuínas que realmente são coerentes e apaixonadas pelo que fazem. Esses são dois aspectos de transformações no varejo que proporcionam um campo extremamente fértil para o Design e o Branding na atualidade. Design & Emoção O Design & Emoção se apresenta como outra recente área do campo do Design dedicada ao estudo das relações emocionais dos indivíduos com os objetos. Segundo o 5 A definição para shoppers se refere aos consumidores no ato da compra e, portanto, aqueles que estão no interior da loja, sejam clientes ou não. Não escolhemos o termo compradores em português, pois se refere à outra atividade presente nas empresas do varejo (buyers). O termo consumidor se aplica principalmente e de forma genérica, aos indivíduos da sociedade atual capazes de consumir bens e serviços. 9º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

6 neurocientista Antonio Damásio 6 recorrentemente citado por autores desta área: As emoções não são um luxo. Elas desempenham uma função na comunicação de significados a terceiros (Damásio, 1996). A partir de seus importantes estudos sobre a mente humana afirma que as emoções são também reações ao ambiente, aos objetos e pessoas que nos cercam e ao mesmo tempo fazem parte da linguagem do nosso corpo no mundo. É muito difícil imaginar objetos emocionalmente neutros. Alguns objetos evocam reações emocionais fracas, quase imperceptíveis, enquanto outros evocam reações emocionais fortes, mas a emoção é a regra (Damasio, 2004). Portanto, é seguro afirmar que os ambientes, assim como os objetos, despertam emoções nos indivíduos podendo alterar seu comportamento, seu estado de espírito e seu processo de escolha. Jang & Namkung (2009), estabelecem uma relação entre: os atributos do produto, o Design de Atmosfera, a qualidade dos serviços, as emoções (positiva ou negativa) e as intenções de comportamento. Os resultados sugerem que a Atmosfera e a qualidade dos serviços associada à qualidade do produto são necessárias para despertar emoções positivas. Por sua vez, os estudos sugerem que as emoções positivas se apresentam como um bom indicador para analisar o comportamento do consumidor nesses ambientes. Segundo estudos recentes (Damazio e Menezes, 2007), os objetos estão relacionados a sentimentos e emoções de momentos de nossas vidas fazendo parte da nossa memória. Por exemplo, o frasco do perfume usado pela mãe de uma pessoa quando ainda era criança podem lhe trazer sentimentos ou lembranças muito especiais. Sendo assim, também as questões do valor, do preço e da escolha dos objetos estarão relacionadas a esses sentimentos ou emoções, alterando sensivelmente essas dimensões. Neste caso, os sentimentos relacionados a este objeto podem ser tão especiais para aquela pessoa que o seu valor não estará, em primeira instância, sujeito às oscilações do mercado ou a análise de seus benefícios. O objeto em questão será submetido a outro tipo de avaliação que está diretamente relacionada à emoção e ao sentimento que ele desperta. Isto também pode ser aplicado aos ambientes. Por exemplo, entrar em um lugar que se assemelhe a cozinha da casa de uma querida avó pode trazer sensações de conforto e liberdade e despertar emoções agradáveis. Assim, as experiências pessoais nos ambientes, tais como: um passeio no Central Park; assistir a um jogo no Maracanã; visitar o museu do Holocausto; ir a Disneylândia, como também comprar na loja da Apple da Quinta Avenida despertará emoções relacionadas a esses ambientes na memória dos indivíduos, tanto positivamente quanto negativamente. No entanto, o que Damásio (2004) define como objeto emocionalmente competente, não sugere que os objetos sejam emocionais em si. A publicidade usa recorrentemente a associação das lembranças e sentimentos aos produtos e serviços que invariavelmente estarão presentes na memória da maioria dos consumidores do nosso tempo. No entanto, também os projetos de Design de Atmosfera produzem ambientes a fim de conduzir os indivíduos a certo tipo de impressão ou experiência. Porém, em última instância, são os indivíduos que atribuem valores às coisas e fazem associações mentais e afetivas com os objetos e lugares pelas experiências vividas. Sendo que grande parte dessa experiência não é controlável. Portanto, tendo a experiência dos indivíduos no PDV como fio condutor é fundamental que os designers possuam ferramentas para avaliar, monitorar, atualizar e medir a satisfação em relação a esses projetos. Não apenas para que as expectativas dos consumidores sejam atendidas, mas para 6 Neurocientista português radicado nos EUA, responsável pela construção de um pensamento inovador sobre o papel da emoção na inteligência humana, através de suas pesquisas com pacientes portadores de lesões cerebrais. 9 Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

7 que sejam também incluídos no processo e participem do desenvolvimento dos ambientes construídos para eles. Portanto, consideramos que o modelo de Mehrabian & Russel (1974), as adaptações de Donovan & Rossiter (1982) e a ampliação do modelo de Jang & Namkung (2009) se apresentam como modelos adequados para este tipo de pesquisa na qual o elemento central das respostas está relacionado às respostas emocionais dos indivíduos. O Modelo Merhabian & Russel (MR) A influência do ambiente no comportamento dos indivíduos tem sido admitida por paisagistas, arquitetos e designers de interiores e alguns varejistas. No entanto, as pesquisas da psicologia ambiental, que apresentaram um grande crescimento na década de 80, se dirigiram preferencialmente aos ambientes de trabalho, residências, entretenimento, e espaços institucionais como hospitais, escolas e prisões, com poucas investigações nos ambientes do varejo (Donovan & Rossiter, 1982). No entanto, a psicologia ambiental apresenta fortes condições de aplicação nos ambientes de varejo. Donovan e Rossiter (1982) adaptaram o modelo teórico desenvolvido pelos psicólogos ambientais, Mehrabian e Russel (1974) ao contexto do varejo. Os autores sustentam que este modelo é capaz de oferecer uma descrição parcimoniosa dos ambientes, das variáveis intervenientes e dos comportamentos dos consumidores. Dentre as pesquisas realizadas destacamos também a recente pesquisa de Jang & Namkung (2009) em restaurantes que teve por objetivo propor um modelo mais abrangente, que compreendesse a qualidade percebida, as emoções e as intenções de comportamento através do paradigma do modelo de MR. O modelo de Mehrabian & Russel (1974), se baseia no paradigma de estímulo e resposta do organismo (SOR). Os autores postulam que todas as respostas sobre um ambiente podem ser consideradas a partir de dois comportamentos principais: aproximação ou rejeição considerando três aspectos principais: o desejo de permanecer ou sair do ambiente; o desejo de explorar versus a tendência de permanecer inativo ou evitar interagir no ambiente; o desejo de se comunicar com outras pessoas contra a tendência de evitar interagir ou mesmo ignorar as tentativas de comunicação de outros. Mehrabian & Russel (1974) propõem em um modelo bipolar, três estados emocionais básicos relacionados a estes comportamentos, conhecidos por PAD: prazer, atração e domínio (pleasure, arousal and dominance). Prazer - Insatisfação: se refere ao grau em que o indivíduo se sente bem, alegre ou satisfeito em certas situações. Atração - Indiferença: se refere ao grau em que o indivíduo se sente alerta, estimulado ou ativo em certa situação. Domínio - Submissão: se refere à medida que o indivíduo se sente no controle da situação, ou livre para agir no ambiente. Russel & Pratt (1980) modificaram o modelo de MR retirando a dimensão do Domínio, pela evidencia de que as dimensões do Prazer e Atração demonstraram serem mais presentes na maior parte das situações. A pesquisa de Donovan & Rossiter (1982), foi realizada em 11 tipos de varejo, com um total de 66 observações. O questionário foi respondido em um ponto central dentro das lojas. As perguntas foram adaptadas para o contexto do varejo baseadas nos exemplos do modelo de MR para medir as reações de Aproximação e Rejeição. Os resultados das pesquisas demonstraram que a Atmosfera da loja está relacionada com o desejo dos consumidores de ficar mais tempo nela e indicam que a satisfação ou 9º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

8 prazer relativo ao ambiente está relacionado diretamente aos comportamentos de aproximação ou rejeição dos indivíduos nos ambientes (Donovan & Rossiter, 1982). Jang & Namkung (2009) optaram por uma abordagem unipolar considerando que a presença de uma emoção negativa não indica a possibilidade de uma emoção positiva possibilitando indicar simultaneamente emoções contraditórias. A partir do resultado dos estudos de Yalch & Spangenber, (2000, in Jang & Namkung, 2009) apontam que as experiências com emoções positivas nos PDVs favorecem o comportamento de aproximação; enquanto as emoções negativas favorecem o comportamento de afastamento ou rejeição. O modelo apresenta as relações entre a qualidade percebida (qualidade do Produto, Atmosfera e Serviços), as Emoções (positiva e negativa) e as intenções do Comportamento dos consumidores. As hipóteses apresentadas pelos autores relacionam três dimensões chave da experiência da alimentação em restaurantes com as emoções (positiva e negativa): 1) A qualidade do produto que inclui: o sabor, a apresentação do prato, o frescor, a variedade do cardápio; 2) A atmosfera do restaurante e 3) Os serviços. Os resultados sugerem que a Atmosfera e os Serviços são antecedentes significativos da emoção positiva, mas não são determinantes da emoção negativa. Isto demonstra que os atributos do produto podem não ser suficientes para criar uma emoção positiva. Ao mesmo tempo, uma boa Atmosfera e bons Serviços juntamente com a boa qualidade do Produto podem ser necessários para gerar uma emoção positiva. Enfim, os efeitos da emoção claramente demonstram que Atmosferas e Serviços excelentes favorecem futuros comportamentos de retorno através das Emoções positivas. Conclusão Consideramos que os estudos de Donovan e Rossiter (1982) e de Jang & Namkung (2009), podem ajudar empresários e designers a compreender as relações entre a Atmosfera do PDV, as emoções e comportamentos do consumidor, como também analisar como os estímulos podem contribuir para promover tanto emoções positivas como negativas que eventualmente afetam o comportamento do consumidor. Demonstrando que em termos empresariais, os projetos de Design de Atmosfera podem ser cruciais para a satisfação dos clientes nas empresas de varejo. Apontamos que o modelo de Mehrabian & Russel (1974) permanece como um promissor caminho para o estudo dos comportamentos de aproximação e rejeição no PDV. Entretanto, o modelo ampliado de Jang & Namkung (2009), pode ser mais compreensível na aplicação empresarial. Em resumo, diante dos atuais estudos sobre o papel da emoção na comunicação de significados e da importância das experiências nas empresas de varejo na construção das preferências dos consumidores, consideramos necessário apresentar ferramentas que possam ser usadas pelas empresas, pelos designers e arquitetos e pelos profissionais de branding que permitam avaliar e monitorar de Design de Atmosfera para PDV e de seu impacto nos consumidores. Enfim, as Atmosferas dos PDVs despertam nos indivíduos um conjunto de emoções: tanto positivas, quanto negativas, portanto, desenvolver projetos de Design de Atmosfera e de Experience Design que sejam afetivamente memoráveis (emoção positiva) e significativos para os indivíduos passa a ser uma questão importante da agenda do designer. 9 Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

9 Referências Bibliográficas AILAWADI, K. L. e KELLER, K. L. Understanding retail branding: conceptual insights and research priorities. Journal of Retailing, 2004, Vol. 80, pp ARDILL, Ralph. Experience Design. Design Council. 26 março de Acesso: junho BECERRA, Paulina; FÁBREGAS, Silvia; PIZZABIOCCHE, Georgina; Através de las experiencias. Buenos Aires: IMDI, BRIDSON, Kerrie; EVANS, Jody. The Secret to a Fashion Advantage is a Brand Orientation. International journal of Retail & Distribution Management, 2004, Vol.32, No. 8, p DAMASIO, R. Antonio. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo : Companhia das Letras _Em busca de Espinosa: prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo: Companhia das Letras, DAVIES, J. Barry; WARD, Philippa. Exploring the connections between visual merchandising and retail branding. An application of facet theory. International Journal of Retail & Distribution Management. Vol.33, No. 7, p , DONOVAN, J. Robert; ROSSITER, R. John. Store Atmosphere: An Environmental Psychology Approach. Journal of Retailing, vol.58, nº1, Spring, JANG, Shaw; NAMKUNG, Young. Perceived quality, emotions, and behavioral intentions: Application of an extended Mehrabian-Russell model to restaurants. Journal of Business Research, vol. 62, , KOTLER, Philip. Atmospherics as a Marketing Tool, Journal of Retailing, vol. 49, no. 4, Winter NEUMEIER, Marty. The Brand Gap: How to bridge the distance between business strategy and design. New Riders. Berkeley, NORTON, W. David. Toward meaningful brand experiences. Design Management Journal. Vol. 14, No. 1, p Winter MENEZES, S. Cristiane; DAMAZIO, Vera. Design & emoção: sobre a relação afetiva das pessoas com os objetos usados pela primeira vez. Dissertação (Mestrado em Artes e Design)-Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RUSSEL, A. James; PRATT, Geraldine. A Description of the Affective Quality Attributed to Environments. Journal of Personality and Social Psychology, vol. 38, n.º 2, p , º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

10 SADDI, S. Monica; MAGALHÃES, F. de Cláudio. Lojas de Marcas de Moda: integrando a identidade das marcas de moda aos projetos de design para o ponto de venda. Dissertação (Mestrado em Artes e Design)-Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design

Monica Saboia Saddi. Lojas de Marcas de Moda: Dissertação de Mestrado

Monica Saboia Saddi. Lojas de Marcas de Moda: Dissertação de Mestrado Monica Saboia Saddi Lojas de Marcas de Moda: Integrando a identidade das marcas de moda aos projetos de design para o ponto de venda Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV)

4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV) 111 4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV) Dentre os projetos de design que participam do programa do PDV de marcas de moda estão os projetos de: produto e moda, merchandising visual,

Leia mais

Marketing Olfativo. Aromatizadores

Marketing Olfativo. Aromatizadores & Aromatizadores Cenário Marketing Olfativo O efeito sobre o estado de espírito do consumidor é o único território que resta para prover benefícios novos e atraentes. Fonte - Melinda Davis A Nova Cultura

Leia mais

O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI?

O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI? O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI? DIVERTIMENTO FANTASIA NOVAS EXPERIÊNCIAS SENSAÇÕES SÉC. XXI: UM NOVO PARADIGMA DE MARKETING MARKETING TRANSACCIONAL Estratégias Transaccionais + MARKETING RELACIONAL

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO AGUIAR, Oscar Xavier de Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: oscarxa@bol.com.br

Leia mais

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Marcas Marcas Introdução...3 O que é marca?...4 Marcas x produtos...4 Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Exemplo de diferentes níveis de produto...6 Desafios do branding...8 Conceito de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

Aula 2: O conceito de branding: o significado da marca, sua imagem e patrimônio (emocional e financeiro).

Aula 2: O conceito de branding: o significado da marca, sua imagem e patrimônio (emocional e financeiro). Aula 2: O conceito de branding: o significado da marca, sua imagem e patrimônio (emocional e financeiro). A importância da publicidade na construção e gestão das marcas. Definição dos grupos de trabalho.

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

Design para Lojas de Moda: gestão de marcas em projetos para PDV.

Design para Lojas de Moda: gestão de marcas em projetos para PDV. Design para Lojas de Moda: gestão de marcas em projetos para PDV. Design for Fashion Brand Stores: the brand management in projects to point of purchase. Saddi, Monica Saboia; Mestranda; Pontifícia Universidade

Leia mais

Curso Intensivo. Merchandising - Formação Avançada e Gerenciamento de Produtos por Categoria em Farmácias

Curso Intensivo. Merchandising - Formação Avançada e Gerenciamento de Produtos por Categoria em Farmácias Curso Intensivo Merchandising - Formação Avançada e Gerenciamento de Produtos por Categoria em Farmácias O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual

Leia mais

BUILDING BRANDS TRANS FORMING BUSINESS. copyright

BUILDING BRANDS TRANS FORMING BUSINESS. copyright BUILDING BRANDS TRANS FORMING BUSINESS copyright QUEM SOMOS? 30 anos de mercado Metodologia proprietária 02 parceiros internacionais Abordagem integrada 04 unidades de negócio Equipe multidisciplinar 150

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I. Professora: Bárbara Ribeiro

GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I. Professora: Bárbara Ribeiro GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I Professora: Bárbara Ribeiro B-RIBEIRO.COM Aula 07: 15-Junho DIFERENCIAIS NO SERVIÇO JÁ OFERECIDO... Melhorar o que já

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Aula Inaugural - 29 de abril de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 16.482,00 À vista com desconto: R$ 15.657,00 Consultar

Leia mais

Apresentação 24/12/2014. Professor Wilker Bueno

Apresentação 24/12/2014. Professor Wilker Bueno Apresentação 1 Wilker Bueno Técnico em Magistério Colégio Estadual José Cipriano Varjão/GO Graduado em Administração de Empresas Universidade do Norte do Paraná Londrina/PR Especialista em RH e suas Atribuições

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos.

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Quem somos A 2DA Branding & Design é uma empresa de construção de marca. O que fazemos Transformamos ideias e negócios

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos.

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Quem somos A 2DA Branding & Design é uma empresa de construção de marca. O que fazemos Transformamos ideias e negócios

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

KAWAHARA TAKANO possui mais de 20 anos de experiência no setor do design

KAWAHARA TAKANO possui mais de 20 anos de experiência no setor do design Para ser uma empresa que fornece soluções de varejo é necessário desenvolver conceitos focados em todos os aspectos do processo de varejo, desde a arquitetura, ao visual merchandising e planejamento estratégico,

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Ricardo Mayer Palestras e Workshops

Ricardo Mayer Palestras e Workshops Ricardo Mayer Palestras e Workshops Tel: 55 8455 2022 E-mail: estudioricardomayer@gmail.com Site: estudioricardomayer.com.br Apresento esse conjunto atividades que foram formatadas ao longo dos últimos

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Maio de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Maio de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Emoção: a outra inteligência Muitos estudiosos discutem a relação entre pensamento e emoções. Algumas definições segundo o artigo de Grewal e

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

RELAÇÕES DE NEGÓCIO Os Serviços Hoteleiros e o Segmento PME

RELAÇÕES DE NEGÓCIO Os Serviços Hoteleiros e o Segmento PME RELAÇÕES DE NEGÓCIO Os Serviços Hoteleiros e o Segmento PME Armando Luís Vieira EDIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E VENDAS SÍLABAS & DESAFIOS - UNIPESSOAL LDA. NIF: 510212891 Sede: Rua Dorilia Carmona, nº 4, 4 Dt,

Leia mais

Silvia Palma. Hair Brasil 2011

Silvia Palma. Hair Brasil 2011 Silvia Palma Hair Brasil 2011 silviapalmarh@gmail.com São Paulo Brasil Apresentar o conjunto de competências que todo profissional precisa desenvolver e que possibilitam desempenhar determinada função

Leia mais

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão.

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão. 28 3 Design e emoção Segundo Norman (2004), as emoções são valiosas para a vida cotidiana de todos os seres humanos. A utilidade e a usabilidade também o são, mas sem a diversão, o prazer, o orgulho e

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS A INFLUÊNCIA DA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO NO POSICIONAMENTO E NO BRAND EQUITY DE MARCAS E PRODUTOS Rubens Gomes Gonçalves (FAFE/USCS) * Resumo Muitos autores têm se dedicado a escrever artigos sobre uma das

Leia mais

Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com

Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com 1 2 RELAÇÕES HUMANAS E PÚBLICAS Profª Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com EXERCÍCIOS DE PROVA (CESPE/Unb Agente Administrativo/Ministério

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Casos: Oi, Vivo, Citibank e HSBC Objetivos a. Analisar as estratégias de comunicação das empresas que utilizam os espaços culturais do Rio de Janeiro

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Da propaganda ao marketing ao Visual Merchandising, como nasceu o seu interesse pelo Visual Merchandising?

Da propaganda ao marketing ao Visual Merchandising, como nasceu o seu interesse pelo Visual Merchandising? A experiência no ambiente de loja é essencial para a relação entre o consumidor e a marca. Não é mais simplesmente uma questão de produtos, é preciso tornar a própria loja interessante e aconchegante para

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

Muito mais que um troféu

Muito mais que um troféu São Paulo, 08 de Julho de 2009. Circular ABISIPA Nº 28/2009 Muito mais que um troféu O Brazilian Beauty Club vai premiar o melhor planejamento estratégico de exportação com a participação em um Simpósio

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Avaliação da satisfação pós-p. dos Clientes. MBA em Gerenciamento de Obras. Planejamento das aulas

Avaliação da satisfação pós-p. dos Clientes. MBA em Gerenciamento de Obras. Planejamento das aulas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas MBA em Gerenciamento de Obras Salvador, março de 2008 Avaliação da Satisfação dos Clientes Prof. Margaret Souza

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

MBA em Design Estratégico

MBA em Design Estratégico MBA em Design Estratégico Público - alvo Indicado para profissionais com formação em Design, Arquitetura, Moda ou gestores e empreendedores que estejam buscando novas formas de gestão orientadas para a

Leia mais

Gean Roriz. Arthur Campos. A Move Empresas foi a construção de um sonho. E hoje fazemos outras pessoas tirarem do papel a marca dos seus sonhos.

Gean Roriz. Arthur Campos. A Move Empresas foi a construção de um sonho. E hoje fazemos outras pessoas tirarem do papel a marca dos seus sonhos. A Move Empresas foi a construção de um sonho. E hoje fazemos outras pessoas tirarem do papel a marca dos seus sonhos. Gean Roriz Sócio/Co-fundador Diretor de Estratégia e Inovação Move Empresas Arthur

Leia mais

Como combinado segue proposta para o coaching executivo com foco na preparação e caminhos para o seu crescimento e desenvolvimento profissional.

Como combinado segue proposta para o coaching executivo com foco na preparação e caminhos para o seu crescimento e desenvolvimento profissional. Belo Horizonte, 28 de março de 2013. Cara Grayce, Como combinado segue proposta para o coaching executivo com foco na preparação e caminhos para o seu crescimento e desenvolvimento profissional. Estamos

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP.

Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Tema do Painel: Minhas experiências na formação de Coaching Executivo Empresarial Elizabeth Nery Sinnott 26/11/2015

Tema do Painel: Minhas experiências na formação de Coaching Executivo Empresarial Elizabeth Nery Sinnott 26/11/2015 Tema do Painel: Minhas experiências na formação de Coaching Executivo Empresarial Elizabeth Nery Sinnott 26/11/2015 Formação Psicologia UNISINOS -RS Formação em Gestalt Terapia Configuração - SC MBA Administração

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

CONHECER E NEGOCIAR COM CLIENTES: uma experiência de gincana das cores

CONHECER E NEGOCIAR COM CLIENTES: uma experiência de gincana das cores CONHECER E NEGOCIAR COM CLIENTES: uma experiência de gincana das cores Autores: IVANISE MARIA BOMFIM SOARES e AZENILDA DE PAULA CABRAL Conhecer e Negociar com Clientes: Uma Experiência de Gincana das Cores,

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS 4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS O CONCEITO DE QUALIDADE Existem várias definições para o termo qualidade na literatura, não havendo um consenso entre os diversos autores. Garvin (1984) agrupou as várias

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

CERTIFICAÇÃO NÍVEL I

CERTIFICAÇÃO NÍVEL I CERTIFICAÇÃO NÍVEL I Coaching O que os seus clientes mais valorizam? Peter Drucker PERGUNTAS CONSTROEM INSIGHTS... Se eu pudesse pensar em algo que faria toda a diferença para mim, o que seria? Meta de

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Monica Saboia Saddi. Design do PDV: interdisciplinaridade, novos conceitos e objetivos nos projetos de arquitetura e design para o varejo de moda

Monica Saboia Saddi. Design do PDV: interdisciplinaridade, novos conceitos e objetivos nos projetos de arquitetura e design para o varejo de moda Monica Saboia Saddi Design do PDV: interdisciplinaridade, novos conceitos e objetivos nos projetos de arquitetura e design para o varejo de moda Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação

Leia mais

MARKETING DE VENDAS. Maiêutica - Curso de Processos Gerenciais

MARKETING DE VENDAS. Maiêutica - Curso de Processos Gerenciais MARKETING DE VENDAS Alcioni João Bernardi Prof. Ivanessa Felicetti Lazzari Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Processos Gerenciais (EMD0130) Prática do Módulo IV 27/11/12 RESUMO Este trabalho

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO 2015 Design de Interiores Contemporâneo

PÓS-GRADUAÇÃO 2015 Design de Interiores Contemporâneo Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Marcas, Emoções e Sentidos. Insights sobre o poder da razão, emoção e sentidos na construção e marketing de marcas de sucesso

Marcas, Emoções e Sentidos. Insights sobre o poder da razão, emoção e sentidos na construção e marketing de marcas de sucesso Marcas, Emoções e Sentidos Insights sobre o poder da razão, emoção e sentidos na construção e marketing de marcas de sucesso Agenda Os 5 sentidos e como se relacionam com as marcas Emoção e como retemos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING. Prof. Esp. Lucas Cruz

DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING. Prof. Esp. Lucas Cruz DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING Prof. Esp. Lucas Cruz Estabelecimento de metas Os objetivos devem atender aos critérios: ser organizados hierarquicamente, do mais importante para o

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

O marketing olfativo no varejo!

O marketing olfativo no varejo! O marketing olfativo no varejo! Regina Devecchi Perfumista O Marketing Olfativo no varejo. Os departamentos de marketing das empresas buscam a cada dia novas maneiras de atrair seus clientes e torná-los

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Varejo. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Varejo. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Varejo Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios reais, a partir de agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais