Mineração MINERAÇÃO É TUDO ISSO! indústria da. Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mineração MINERAÇÃO É TUDO ISSO! indústria da. Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios..."

Transcrição

1 Mineração indústria da Ano IV - nº 27 Setembro de 2009 MINERAÇÃO É TUDO ISSO! Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios... São os destaques da EXPOSIBRAM 2009 e do 13º Congresso Brasileiro de Mineração Vale Noélia Albuquerque / Vale Mineral Image / Vale Mineral Image / Vale Luiz Braga / Vale Luiz C. Marigo / Vale André Vieira / Vale EDIÇÃO ESPECIAL Vale

2 2 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 EDITORIAL Bem-vindos à EXPOSIBRAM 2009 Já se passaram dois anos do último grande encontro do setor mineral em Minas Gerais. E estamos novamente na expectativa de mais quatro dias repletos de novidades, durante a Exposição Internacional de Mineração EXPOSIBRAM 2009 e o 13º Congresso Brasileiro de Mineração. Entre os dias 21 e 24 de setembro, esperamos receber a visita de 50 mil pessoas no Expominas, em Belo Horizonte (MG). Eventos como esses são muito importantes para nós já que dessa forma, podemos nos aproximar da comunidade e dos representantes desse segmento da economia tão importante para o Brasil que é a mineração. A cada encontro, novas experiências, novos amigos, novas parcerias. E o melhor de tudo: enxergar a mineração como ela é. O número de pessoas que as atividades minerárias envolvem, os equipamentos gigantescos, a tecnologia empregada em diversas etapas do processo mineral, mostram, sem dúvida, a característica agregadora da mineração. Mais do que isso, ela abraça a comunidade que vive próxima, ensina a ler e a escrever, a tocar um instrumento, a cuidar da saúde, a praticar um esporte, a trabalhar, enfim, a exercer a cidadania. Por isso, como está na capa desta edição, a Mineração é tudo isso. Acreditamos ser ela como das principais atividades produtivas do País e uma das responsáveis pela melhoria das condições de vida de cada cidadão, que simplesmente não sobreviveria sem os minérios. EXPEDIENTE Indústria da Mineração - Informativo do Instituto Brasileiro de Mineração DIRETORIA EXECUTIVA: Presidente: Paulo Camillo Vargas Penna / Diretor de Assuntos Minerários: Marcelo Ribeiro Tunes / Diretor de Assuntos Ambientais: Rinaldo César Mancin CONSELHO DIRETOR: Presidente: José Tadeu de Moraes / Vice-Presidente: Luiz Eulálio Moraes Terra Produção: Profissionais do Texto / Jorn. Resp.: Sérgio Cross (MTB3978) Textos: Carolina Cascão Sede: SHIS QL 12 Conjunto 0 (zero) Casa 04 Lago Sul Brasília/DF CEP Fone: (61) / Fax: (61) Portal: IBRAM Amazônia: Av Gov. José Malcher, 815 s/ 313/14 Ed. Palladium Center CEP: Belém/PA Fone: (91) /55 IBRAM - MG: Rua Alagoas, 1270, 10º andar, sala 1001, Ed. São Miguel, Belo Horizonte/MG CEP Fone: (31) Sancionado o Dia da Mineração em São Paulo O governador de São Paulo, José Serra, sancionou o Projeto de Lei (PL) 620/2008, de autoria do Deputado João Caramez (PSDB). Este documento institui o Dia Estadual da Mineração a ser comemorado anualmente no dia 9 de setembro. O PL foi convertido na Lei , publicada no Diário Oficial no dia 19 de agosto. Caramez também é Coordenador da Frente Parlamentar de Apoio à Mineração. A Frente, composta por mais de 30 deputados e entidades públicas e privadas do setor, apresentou em 9 de setembro de 2008 o primeiro relatório dos trabalhos desenvolvidos desde a sua constituição, em março de O documento apresenta um panorama atualizado da mineração paulista, os principais entraves que afetam o setor e as propostas para seu desenvolvimento sustentável. Os dados apresentados no PL, que reproduzem trechos do relatório, demonstram a importância da mineração paulista que é voltada, essencialmente, para o consumo interno, respondendo pelo abastecimento da indústria de transformação, agricultura e, principalmente, construção civil. Apesar de a mineração no Estado de São Paulo não ser de metais ou de pedras preciosas, considerados minerais nobres e de alto valor agregado, a base da produção mineral paulista constitui-se da extração de areia, cascalho, argilas (comum e plástica) e de pedras britadas. Segundo o Anuário Mineral (2006) São Paulo produziu substâncias minerais no valor superior a R$ 2 bilhões, de um total nacional de quase R$ 31 bilhões. Outro ponto relevante destacado é a produção cerâmica. No Estado corresponde a mais de 60% da produção brasileira e é responsável pela geração de 25 mil empregos diretos e 250 mil indiretos. Sugestões? Basta enviar um para

3 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 3 ENTREVISTA PaulO CAMILLO VARGAS PENNA - PRESIDENTE DO IBRAM EXPOSIBRAM 2009 e 13º Congresso Brasileiro de Mineração Eugênio Novaes O Presidente do IBRAM, Paulo Camillo Vargas Penna, fala sobre a Exposição Internacional de Mineração - EXPOSIBRAM 2009 e o 13º Congresso Brasileiro de Mineração - A mineração e novo cenário socioeconômico. Os eventos, promovidos pelo Instituto, acontecem simultaneamente entre os dias 21 e 24 de setembro, em Belo Horizonte (MG). Nas próximas páginas, o leitor terá um panorama sobre o que está programado para os quatro dias de evento. Espera-se que 50 mil visitantes se atualizem sobre os rumos da mineração e, também, conferir o que há de mais moderno no setor. Paulo Camillo, Presidente do IBRAM Quais são os temas principais que serão discutidos no 13º Congresso Brasileiro de Mineração? Devido ao novo cenário socioeconômico mundial, tivemos a preocupação de abordar a mineração nesta fase conturbada. Apesar disso, as empresas continuam crescendo. Uma prova é o levantamento, realizado pelo IBRAM, que prevê investimentos de US$ 47 bilhões até 2013 pelo setor no Brasil. Dentre os palestrantes o sr. destaca alguns em especial? São todos de alto nível, como Anthony Hodge, Presidente do Conselho Internacional de Mineração e Metais ICMM (International Council on Mining and Metals). Outro especialista relevante é o analista de commodities do banco de investimentos Goldman Sachs, Paul Gray, que previu no 12º Congresso Brasileiro de Mineração, em 2007, o crescimento da mineração na China e na Índia. Há muitos nomes interessantes no Congresso. Jan Klawitter, Diretor de Mineração e Metais do Fórum Econômico Mundial, por exemplo, nos dará uma ideia dos novos caminhos da mineração global. O Congresso trará assuntos de legislação mineral também? Sim, no Painel Legislação e Política Mineral para a Atração de Investimentos, no segundo dia de congresso. James Otto, especialista em Direito Minerário e Recursos Naturais (Estados Unidos), ministrará palestra sobre a política, legislação e tributação na mineração para o século 21. A lei mineral brasileira precisa de atualizações. E é por esse motivo que convidamos palestrantes internacionais. Assim podemos compreender como uma legislação pode se modernizar a ponto de ser atraente para os investidores. As alterações climáticas serão debatidas? É um tema importante. As mudanças climáticas vêm sendo colocadas como um dos maiores desafios deste século a ser enfrentado pela humanidade. Assuntos relacionados a inserção da mineração neste novo contexto e os riscos e oportunidades para o setor serão apenas alguns assuntos a serem discutidos no Painel sobre mudanças climáticas. É necessário saber os impactos das mudanças climáticas no dia a dia das empresas e se a mineração está preparada para responder ao desafio. Acredito que teremos algumas respostas durante o Congresso de Mineração. E sobre os novos mercados de mineração? Como isso será abordado? Principalmente em relação aos marcos regulatórios da mineração, como a exploração de urânio que até hoje é monopólio estatal no Brasil. O setor mineral vêm lutando pela flexibilização do monopólio deste minério. Há outras questões como a exploração em faixa de fronteira, a mineração em terras indígenas e no oceano. O IBRAM tem estabelecido algumas parcerias com organismos internacionais. Pode nos citar algum exemplo? Um exemplo de aliança é a parceria com o Conselho Internacional de Mineração e Metais ICMM, desde O Conselho reúne a comunidade global da mineração. Durante o Congresso de Mineração, o IBRAM e o ICMM lançarão o livro Planejamento para o Fechamento Integrado de Mina: Kit de Ferramentas. A obra é um conjunto de diretrizes e de procedimentos para o planejamento de fechamento de mina, desenvolvido para auxiliar os gerentes de minas e os grupos de apoio a tomarem decisões com base na análise holística dos aspectos do fechamento. E a questão dos recursos hídricos na mineração? Não existe mineração sem o uso da água, um bem mineral finito que deve ser usado de forma racional. Em 2006, lançamos um livro em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA), que reuniu cases e trabalhos de especialistas em torno de soluções e exemplos das empresas mineradoras na gestão de recursos hídricos. O assunto também será tema de painel durante o Congresso Brasileiro de Mineração.

4 4 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Mudanças Climáticas: mineradoras podem contribuir para a redução das emissões globais Para a temperatura se estabilizar, relatório aponta a necessidade de limitar a concentração de CO2 De acordo com o 4º relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas - IPCC (resultado da parceria entre a Organização Meteorológica Mundial - OMM e o Programa das Nações Unidas) um aumento de temperatura acima de 2 C no mundo pode acarretar consequências desastrosas para a humanidade, inclusive para a econo- mia mundial. Diante da situação, reduzir as emissões globais de Gases de Efeito Estufa (GEE) representa um grande desafio e mesmo que os países desenvolvidos reduzissem imediatamente a zero suas emissões, não seria possível alcançar esta meta global sem a participação das economias emergentes, como o Brasil. Parque Zoobotânico, administrado pelo Instituto Ambiental Vale, em Parauapebas (PA) A mineração terá participação decisiva na transição para uma economia de baixo carbono, no sentido de aproveitar novas oportunidades de negócios e aumentar a competitividade. Segundo o Diretor de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Vale (associada ao IBRAM), Luiz Cláudio Castro, as mudanças climáticas influenciam na disponibilidade das tecnologias de geração de energia e nos padrões de consumo no mundo o que resulta na substituição de insumos energéticos e de matérias primas para a produção de bens e produtos. Como a mineração é a atividade básica para obter boa parte dessa matéria prima, incluir o debate a longo prazo das mudanças climáticas na avaliação estratégica do produtos e serviços é essencial para as empresas do setor, explica Castro. Na mineração, alterações no clima podem trazer influências sobre a disponibilidade de água e afetar as tecnologias e processos que requerem o uso intensivo deste recurso natural. Além disso, eventos climáticos catastróficos - como inundações, ampliação do nível dos mares, maior incidência de furacões podem impactar de forma significativa nos custos da logística de transporte dos minérios. Vale Castro lembra que nem toda interferência da natureza na mineração é negativa e merece ser citado o lado positivo - especialmente na etapa de reabilitação das áreas degradadas: a capacidade de regeneração natural da vegetação é maior quando estas áreas estão próximas a lugares não impactados. Isso significa que uma extração mineral dentro de uma floresta nacional ou nas proximidades de qualquer outro banco genético natural significativo tende a ter uma reabilitação muito mais

5 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 5 Dario Zalis / Vale rápida que qualquer outra próxima a centros urbanos, pois é impulsionada pela natureza preservada ao redor, exemplifica. Convenção sobre Mudança do Clima No final deste ano, em Copenhague, na Dinamarca, acontecerá a 15ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 15). No encontro, representantes de 200 países discutirão os novos compromissos e incentivos para a redução das emissões de GEE, como forma de adaptar aos efeitos das emissões históricas para o desenvolvimento, o financiamento e a cooperação tecnológica. Castro explica que para o Brasil avançar no debate de baixo carbono é fundamental a estruturação de um sistema previsível e estável para as questões de mudanças climáticas, pois só assim será possível o planejamento das empresas para atuar neste novo contexto. O Brasil tem um papel de liderança entre os países emergentes caso defenda a discussão da adoção de compromissos voluntários de redução de emissões pelos países emergentes, respeitando o princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas (quem historicamente emitiu mais, terá maior responsabilidade pela redução), diz Castro. Para funcionar efetivamente, o programa de baixo carbono deverá mobilizar empresas, governos e a sociedade civil. Para o Diretor de Meio Ambiente, o Brasil, mais do que qualquer outro país no mundo, reúne as condições de liderar a agenda desta nova economia. A meta de redução do desmatamento em 80% até 2020, definida pelo Plano Nacional de Mudanças Climáticas (documento do Governo brasileiro), dará significativa contribuição para a redução das emissões globais. AGENDE-SE O assunto será tema do Painel Mudanças Climáticas e a Mineração: Tendências e Oportunidades, no dia 23 de setembro, às 16h45, no auditório I Domingos Fleury da Rocha. Exemplo de preocupação das mineradoras: revegetação na mina de Carajás

6 6 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Dragagem de Bombas Submersíveis: forma de transporte eficaz Reforma do Código de Mineração será assunto de debate na EXPOSIBRAM 2009 Representantes do Governo e da Indústria Mineral se encontram durante o 13º Congresso Brasileiro de Mineração para discutir o marco regulatório do setor Dragflow Bombas são meios de transporte que dispensam caminhões, correias transportadoras e outros meios mecânicos, que são muito trabalhosos e exigem manutenção. Tudo o que se precisa é água e eletricidade ou uma fonte de pressão hidráulica para operar com êxito. Este equipamento, fabricado pela empresa Dragflow, é uma das novidades na EXPOSIBRAM A dragagem desta bomba submersível é capaz de lidar com suspensões de pedras e areia, transportá-las em um duto e entregá-las ao destino. A bomba está incorporada a um dispositivo denominado agitador que pode suportar o peso dos sólidos. A empresa Dragflow, de origem italiana, mas localizada no Canadá, fabrica bombas submersíveis de grande porte - que podem ser equipadas com desagregadores hidráulicos. Graças ao dispositivo agitador, as bombas colocam em suspensão o material adquirido para depois compactar os rejeitos (tailings) no fundo de bacias, lagos e oceanos. Isso permite o máximo rendimento do material e supera a produção (toneladas por hora) de qualquer outra dragagem de sistemas competitivos. VISITE O estande da Dragflow é o C 17, no Pavilhão do Expominas Um dos maiores marcos regulatórios do setor, o Código de Mineração publicado em 1967, que vem sendo reformulado pelo Governo, será assunto de debate no 13º Congresso Brasileiro de Mineração. De acordo com a Procuradora Jurídica do Departamento Nacional de Produção Mineral DNPM, Cristina Esteves, o Governo vem atuando fortemente na formulação do conjunto de projetos de lei que prevê a criação de uma agência reguladora, a permissão à exploração por estrangeiros na faixa da fronteira e o uso do direito minerário como garantia aos pedidos de financiamento bancário. Segundo ela, o processo de preparação do material está em andamento, mas não há previsão da data de apresentação da proposta no Congresso Nacional. O código em vigência atual, no Brasil, é extremamente defasado e não prevê pontos importantes. A forma de acesso ao subsolo, por exemplo, tem que ser melhorada. É uma questão que implica até na sobrevivência. E, a obrigação do Estado é garantir a socialização da riqueza, afirma Cristina. A Procuradora Jurídica do DNPM será uma das coordenadoras do Painel Direito Mineral Comparado: experiência de outros países mineradores, ao lado de Carlos Vilhena, da Pinheiro Neto Advogados, que atua há mais de 20 anos no setor. Entraves Clássicos Algumas questões que têm sido alvo de críticas estão relacionadas ao aumento da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais - CFEM. Isso porque a proposta apresentada implica na duplicação do percentual da compensação financeira e a incidência desta sobre o valor da mina, do produto da lavra e não sobre o faturamento líquido. De um lado, estão os Parlamentares que pleiteiam a medida, e de outro, os empresários que argumentam contra a elevada carga tributária já incidente sobre os minérios. Direito Mineral no 13º CBM Representantes do Governo e da Indústria Mineral aproveitarão o encontro para discutir as mudanças na legislação, a alteração de regras e procedimentos relacionados ao setor mineral. AGENDE-SE O assunto será discutido no Painel Direito Mineral Comparado: experiência de outros países mineradores, no dia 23 de setembro, às 14 horas, no auditório 1 Domingos Fleury da Rocha, no EXPOMINAS.

7 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 7 Livro sobre mineração será lançado na EXPOSIBRAM 2009 A obra do professor Claudio Scliar será lançada no dia 22 de setembro no estande do IBRAM Mineração e Geodiversidade do Planeta Terra é um livro editado pela Signus Editora, de autoria do professor e geólogo Claudio Scliar, Secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia. O objetivo da obra é divulgar os conhecimentos técnicos do setor de forma didática, principalmente aos professores do Ensino Fundamental e Médio. Este é o quinto livro lançado por Scliar. Segundo ele, é importante a divulgação dos temas de mineração em linguagem simples e direta, pois a maioria do material que existe é técnico e direcionado apenas para espe- cialistas do setor mineral. Uma das marcas registradas do autor é o uso de ilustrações explicativas em todos os livros. A obra está dividida em cinco capítulos. O primeiro é sobre a Geodiversidade e Sociedade e trata da história da humanidade e da forma de ocupação do território, como exemplo a produção agrícola e pecuária. Nesta parte do livro ressalto a importância atual e futura dos bens minerais como também a presença deles no nosso dia-a-dia. Quem pensa nas minas de bauxita (matériaprima do alumínio) ao beber refrigerante numa latinha gelada?, demonstra. O segundo capítulo explica os constituintes da geodiversidade: minerais, rochas, solos etc. O terceiro faz um breve histórico da mineração no Brasil e da importância da atividade por meio de dados estatísticos, mapas e quadros esclarecedores. O quarto capítulo trata da sustentabilidade. Neste patamar, Scliar cita as legislações que tratam do meio ambiente e exemplifica áreas reaproveitadas pela mineração, como o Teatro Ópera de Arame, em Curitiba (PR), uma antiga pedreira desativada. Ao final do livro, Claudio Scliar propõe uma forma de levar a mineração para as salas de aulas, ou seja, como empregá-la como disciplina por meio de exercícios. Inclusive, neste último capítulo, há sugestões de práticas e bibliografias para serem usadas nas escolas de Ensino Fundamental e Médio. O autor Claudio Scliar formou-se em 1972 na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Doutorou-se em Economia e Política Mineral e é livro professor se dirige aos interessados do Departamento em conhecer a importância geodiversidade para o uso e a ocupação da de Geologia do Instituto de Geociências da Universidade O superfície terrestre, Federal em especial de quanto Minas ao aproveitamento dos recursos minerais pela sociedade. Gerais (UFMG). Atualmente está cedido ao Ministério Destaca-se de Minas o objetivo e de Energia. servir como material didático aos Veja abaixo as obras de Claudio Scliar: Geopolítica das minas do Brasil (1994); Três dias descobrindo a terra e o amor (1997); Amianto, mineral mágico ou maldito (1998); Mineração, base material da aventura humana (2004). AGENDE-SE professores e alunos das disciplinas dos cursos fundamental e médio que tenham nos seus programas conteúdos relativos ao papel da mineração, no mundo e no Brasil. Conhecer a história e as implicações econômicas, sociais e ambientais da geodiversidade e das minas existentes no município, estado ou país é um passo importante para descobrir as riquezas do território onde vivemos. Da mesma forma, desvendar a origem dos materiais utilizados para fabricar os produtos comuns que nos cercam significa entender a necessidade de práticas sustentáveis no aproveitamento dos recursos naturais, entre os quais se encontram os minerais, as rochas, os solos e os fósseis. O autor, Claudio Scliar, é geólogo, formado em 1972 na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com doutorado em Economia e Política Mineral. Professor do Departamento de Geologia, Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), já publicou diversos artigos e livros, destacando-se os seguintes, com as datas das primeiras edições: Geopolítica das minas do Brasil (1994), Três dias descobrindo a terra e o amor (1997), Amianto, mineral mágico ou maldito (1998), e Mineração, base material da aventura humana (2004). Atualmente está cedido ao Ministério de Minas e Energia. O livro Mineração e Geodiversidade do Planeta Terra Mineração nos Planos Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental e Médio será lançado, às 19 horas, no dia 22 de setembro, no estande do IBRAM, durante a EXPOSIBRAM 2009.

8 8 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 O que fazer quando uma empresa encerra as atividades minerais? Fechamento de mina, uma das maiores preocupações do setor, será debatido durante o 13º CBM The New York Times O que fazer quando uma mina encerra as atividades? Como fica a comunidade que vive nas proximidades? Essas são apenas algumas das questões abordadas em um planejamento de fechamento de mina. Para debater a questão, o Pesquisador Roberto Cerrini Villas-Bôas, do Centro de Tecnologia Mineral CETEM, ministrará a palestra Aspectos Socioeconômico do Fechamento de Mina, durante o 13º Congresso Brasileiro de Mineração (CBM). Fechamento de Mina é uma das maiores preocupações do setor mineral. Especialistas da mineração afirmam que um bom planejamento, envolvendo não só aspectos físicos e minerais, como também a preocupação com a comunidade e o futuro da área minerada, é fundamental no processo de encerramento das atividades minerarias. De acordo com o Pesquisador Villas-Bôas é necessário traçar previsões para que áreas mineradas se tornem auto-sustentáveis depois que a empresa encerra as atividades no local. Do ponto de vista ambiental, um fechamento de mina mal executado traz poluição, seja visual ou química, e com todas as implicações que acarretam para o futuro uso da área, afirma Villas-Bôas. Empresas que se preocupam com o fechamento de mina são destaques, principalmente, no quesito sustentabilidade, no Veladero, na Argentina: empreendimentos em mina de ouro. setor mineral. Cito nos últimos cinco anos como exemplo, embora não único, a mineradora Anglo American que desenvolveu uma metodologia de acompanhamento de projetos junto às comunidades nas quais opera. Destaco no mundo, o exemplo de lavra em regiões de geleiras permanentes, na fronteira entre a Argentina e Chile, inédita no mundo conta Villas-Bôas Águas Claras (MG): programa prevê implantação de centro urbano.

9 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 9 Ignacio Costa Plano de recuperação de áreas degradadas O plano de recuperação de áreas degradadas, incluído no planejamento de fechamento de mina, tem que apresentar um conjunto de soluções para garantir novas formas de uso do solo da área minerada depois de encerradas a atividade de mineração. Para garantir o cumprimento de planos como este, a sociedade e o Governo tem papel fundamental no processo. Os aspectos regulatórios são obtidos por meio de pressões sociais, que conduzem, eventualmente, alterações na legislação, conclui o Pesquisador. Por isso, planejar um fechamento em que todos os interesses tanto da empresa quanto da sociedade estejam alinhados é um desafio que, quando atingido, traz benefícios a todos os envolvidos direta e indiretamente. AGENDE-SE Fechamento de Mina será tema de Painel, no dia 24 de setembro, às 14 horas, no auditório II Noé Chaves, no EXPOMINAS. Dentre os participantes dessa discussão estão o Diretor- Geral do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Miguel Antonio Cedraz Nery, e a Diretora do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Conselho Internacional de Mineração e Metais ICMM, Christine Copley. Seminário sobre encerramento de mina, promovido pelo IBRAM, em Maria Dalce Ricas (Superintendente Executiva da AMDA), João Carlos de Melo (Consultor do IBRAM),e à direita Isaura Pinho (Gerente Geral de Engenharia e Tecnologia Ambiental da Vale). Em junho de 2008, o IBRAM promoveu, em parceria com a Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM, o Seminário Encerramento de Mina: Aspectos Ambientais e Socioeconômicos, em Belo Horizonte (MG). Durante o encontro, mineradoras e Governo, discutiram não só os aspectos físicos e minerais do fechamento de mina como também a questão social, o relacionamento com as comunidades e o futuro da área minerada. O Secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, José Carlos Carvalho, afirmou que a visão sobre licenciamento ambiental deve estar atrelada à competitividade do País. Não queremos ser um obstáculo à mineração. Precisamos ser parceiros e atuar de forma sustentável, afirmou. FECHAMENTO DE MINA: IBRAM e ICMM lançam kit de ferramentas na EXPOSIBRAM 2009 Preocupados com o processo de planejamento de mina versus sustentabilidade e parâmetros sociais, econômicos e ambientais, o IBRAM e o Conselho Internacional de Mineração e Metais ICMM lançam o livro Planejamento para o Fechamento Integrado de Mina: Kit de Ferramentas. A obra tem mais de 90 páginas e aborda o fechamento de mina como parte essencial do negócio de mineração. O guia foi desenvolvido para auxiliar os gerentes de mina e os grupos de apoio a tomarem decisões com base na análise holística dos aspectos do fechamento. Esta obra técnica aborda a integração no processo de planejamento e engenharia de uma operação como um mecanismo importante para que a mina crie valor duradouro. Espera-se vários fechamentos de mina nas próximas décadas em vários países com vocação mineral. A forma como estes fechamentos serão planejados e gerenciados terá influência decisiva nos diálogos globais relacionados aos custos e benefícios da mineração para a sociedade e que poderá influenciar nas novas estruturas de governança para o setor. AGENDE-SE O livro Planejamento para o Fechamento Integrado de Mina: Kit de Ferramentas, publicação conjunta do Conselho Internacional de Mineração e Metais ICMM e do IBRAM, será lançado no estande do IBRAM, às 12h30, em 23 de setembro, na EXPOSIBRAM Planejamento para o Fechamento Integrado de Mina: Kit de ferramentas

10 10 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Divulgação Novos estudos sobre o uso racional da água chegam ao Brasil Water Footprint, batizada no Brasil como pegada hídrica, analisa a utilização da água em diversas etapas e setores da indústria A mineração utiliza água em várias fases do processo de produção. Por esse motivo, o uso racional deste bem faz parte da gestão de recursos hídricos das mineradoras. Novos estudos sobre o assunto chegam ao Brasil, e um deles, mais especificamente o water footprint, denominado pegada hídrica, será tema de palestra no 13º Congresso Brasileiro de Mineração. Segundo a Pesquisadora e Doutora em Ciência Ambiental, Vanessa Empinotti, Analista de Meio Ambiente da Confederação Nacional da Indústria CNI, o water footprint tem como objetivo analisar a utilização da água em diferentes etapas da cadeia de produção em vários setores da indústria, inclusive nas atividades de mineração. O conceito water footprint é inédito no Brasil. Nasceu na Holanda e basicamente implica na necessidade de preservação dos recursos hídricos, explica. A pegada hídrica atraiu a atenção de multinacionais, preocupadas em elevar os indicadores de eficiência e oferecer ao consumidor produtos ecologicamente corretos. Até agora, a maior parte dos estudos está relacionada à agricultura. Em breve, a mineração também será um dos focos da análise. O estudo ainda não está definitivamente implantado. De acordo com a pesquisadora, o avanço dos estudos motivará ainda mais as empresas mineradoras no sentido de exer- citar práticas de reuso de água ou utilizar o recurso em menor quantidade. É preciso cuidar dos efluentes e privilegiar ações que preservem as bacias hidrográficas, disse Vanessa Empinotti. Antes se falava apenas da questão da disponibilidade, agora temos mais um parâmetro para abordar a água em função da sua quantidade utilizada durante o processo produtivo: quanto mais eficiente o uso da água, maior valor será agregado ao produto. O impacto dessa nova visão interfere no desenvolvimento de tecnologias específicas para cada setor e na geração de mercado para novos profissionais, como consultores capacitados para identificar níveis de consumo de água, explica Empinotti. Vanessa Empinotti aposta na criação de mecanismos específicos para a mineração. As empresas podem utilizar isso como diferencial, tanto para os parceiros diretos, que vão adquirir os minérios extraídos, quanto para os consumidores, mais conscientes de que aquele produto tem um impacto menor na Imagem do livro A Gestão dos Recursos Hídricos e a Mineração natureza. É uma questão que pode se traduzir em futuras barreiras comerciais: quem estiver na frente, ditando novas regras, estará na liderança do mercado, pois dará início a uma espécie de reinvenção do produto, inserido na questão ambiental, reforça. AGENDE-SE O Painel Gestão de Recursos Hídricos pela Mineração acontecerá no dia 24 de setembro, às 14 horas, no auditório I Domingos Fleury da Rocha, no EXPOMINAS. Participarão do painel especialistas como o Diretor da Potamos Engenharia e Hidrologia, Mário Cicareli Pinheiro, o Gerente de Recursos Hídricos da Anglo Ferrous Brazil, José Roberto Centeno e a Secretária Executiva do Conselho de Empresários para o Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG, Patrícia Helena Gambogi Boson. Memória Em novembro de 2006, o IBRAM, em uma iniciativa com a Agência Nacional de Águas (ANA), lançou o livro A Gestão dos Recursos Hídricos e a Mineração. A obra reuniu cases e trabalhos de especialistas em torno de soluções e exemplos das empresas mineradoras na gestão de recursos hídricos, como o uso racional da água.

11 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 11 Peneiras que selecionam o tamanho do minério fino chegam ao Brasil A evolução tecnológica chinesa será exposta pela Hefest Minerals na EXPOSIBRAM 2009 Todo minério deve passar por um processo de classificação granulométrica que determina se ele é grosso, médio ou fino. Para os minérios finos é necessário o uso de peneiras de alta freqüência. Segundo o Diretor da Hefest Minerals, Flávio Greco, incidência maior é a do minério fino, pois o grosso, de alto teor, está se esgotando. E é por isso que a empresa trouxe para o Brasil e para a EXPOSIBRAM 2009 as Peneiras de Alta Frequência para peneiramento de partículas finas produzidas pela chinesa Landsky. Os equipamentos são resultados da evolução tecnológica chinesa e se destacam pelo baixo custo de aquisição e operacional. Com gabinete de controle digital touch screen e novos conceitos de design, as peneiras utilizam excitadores eletromagnéticos em vez de motores elétricos, com baixo consumo de energia e alta produtividade, explica Greco. Como o minério da China é de baixo teor, as tecnologias dos equipamentos para concentração estão bastante evoluídas. E é por esse motivo, de acordo com Greco, que as indústrias mineradoras brasileiras vêm utilizando de forma crescente os equipamentos chineses. Por que China? Foi-se o tempo em que os equipamentos chineses eram vistos com desconfiança. Produtor desde brinquedos até aviões, o devorador de mercados conseguiu superar as indústrias da Europa, América e o restante da Ásia tornando-se o maior exportador do mundo. Com ampla capacidade de investimentos em outros países, que agora começa a mostrar para o mundo, a China tem o poder de realizar investimentos vultosos, os quais Peneira de alta frequência e gabinete começaram na África e agora estão voltados para a América do Sul. A China pode se tornar um excelente parceiro comercial. Nós descobrimos que as economias da China e Brasil são complementares. Espero que nossa pátria saiba aproveitar estas oportunidades e incremente o comércio bilateral de forma a crescermos juntos, pois um precisa do outro, afirma Flávio Greco. VISITE O estande da Hefest Minerals é o C14 no Pavilhão do EXPOMINAS. Divulgação Thyssenkrupp Inovações tecnológicas em equipamentos de grande porte serão apresentadas na EXPOSIBRAM 2009 Topo: Recuperadora de Tambor com Parede Simples Base: Britagem Totalmente Móvel (BTM) A Thyssenkrupp Fördertechnik Latino Americana, apresentará na EXPOSIBRAM 2009, dois equipamentos inovadores. Um é a Britagem Totalmente Móvel (BTM) que elimina a necessidade de caminhões fora de estrada nas minas. E o outro produto é a primeira Recuperadora de Tambor com Parede Simples fornecida no Brasil, normalmente utilizada quando se necessita uma melhor homogeneização do material. Este equipamento, por exemplo, recupera o minério depositado na pilha do pátio de estocagem. A empresa Thyssenkrupp possui uma vasta linha de produtos que abrange desde equipamentos e sistemas para minas a céu aberto, transporte, manuseio e estocagem, até o processamento final. VISITE O estande da Thyssenkrupp Fördertechnik Latino Americana é o P 22, localizado no Pavilhão, do Expominas.

12 12 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Eugênio Sávio Programas de alfabetização integram ações de sustentabilidade das mineradoras Novas metodologias para a sustentabilidade na mineração serão debatidas no 13º Congresso Brasileiro de Mineração Entende-se como sustentabilidade ações que previnem os impactos e riscos, sejam eles ambientais, econômicos e sociais da atividade de mineração. Como evolução deste conceito, novas metodologias de aperfeiçoamento, vem surgindo, de acordo com a Consultora Ambiental da Environmental Resources Management ERM, Maria Sulema Pioli, um das palestrantes do 13º Congresso Brasileiro de Mineração. Uma novidade, por exemplo, é a inclusão e estabelecimento de diálogo maior entre a comunidade e a empresa de mineração, principalmente na questão dos investimentos sociais privados e o desenvolvimento local das áreas próximas da mineração. O tripé da sustentabilidade é composto por pessoas, ambiente e resultados econômico-financeiros de modo equivalente. Não deve haver prevalência de um item ao definir um plano de ação afirma. A consultora explica que as mineradoras devem demonstrar transparência nas ações de sustentabilidade, pois o setor, historicamente, tem como marca registrada uma imagem degradadora do meio ambiente, causadora de impactos ambientais e sociais. A transparência gera confiança e robustece as relações entre a comunidade e as mineradoras, afirma. Sulema destaca que a sustentabilidade na mineração já faz parte das mineradoras que incluem nos planos de gestão estratégias e bons exemplos. No entanto, é preciso que posicionamentos e compromissos sejam materializados por uma série de questões indispensáveis, como identificação integral de impac-

13 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 13 Eugênio Sávio tos em pessoas, meio ambiente e no contexto socioeconômico, enfatiza. A definição de indicadores de desempenho para acompanhar os resultados das medidas de gestão, o resultado efetivo, o monitoramento e avaliação do desempenho de modo integrado são essenciais para redefinir objetivos estratégicos e metas quando a sustentabilidade é uma das preocupações, explica Maria Sulema. Quando uma empresa de mineração se preocupa com este tipo de gestão, o resultado é a confiança dos públicos de interesse, além de adição de valor aos acionistas fundamentada na consistência entre o discurso defendido e desempenho demonstrado, conclui. AGENDE-SE O tema será discutido no Painel Novas Metodologias para a Aferição da Performance de Sustentabilidade na Indústria Mineral, no dia 23 de setembro, às 16h45, no auditório Auditório III Octávio Ferreira da Silva, no EXPOMINAS. Atividades culturais: Uso de instrumentos e execução de peças musicais tradicionais. Marisa Kissimoto Luiz Braga Educação artística: Atividades que desenvolvem e enriquecem os dons criativos individuais. (Vitória/ES) Assistência à criança e ao menor: Ações diretas e parcerias com creches, pastorais, orfanatos e outros. (Itabirito/MG)

14 14 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Equipamentos aliados à segurança na mineração subterrânea Para a Cattron Group International, criadora de ferramentas automatizadas para operações em áreas subterrâneas, a automação é aliada e incrementadora Cattron Group International Cattron Group International Operador durante comando à distância de equipamento de mineração subterrânea Parece brincadeira de criança, mas não é. É parecido com um videogame, mas também não é. A automação de equipamentos na mineração subterrânea é aliada na prevenção aos riscos de acidentes e no incremento da produtividade neste tipo de extração. O controle remoto de movimentação de cargas, por exemplo, é apenas mais uma das ferramentas criadas pela Cattron Group International (que existe desde 1946). A empresa é especializada em produtos relacionados à segurança de operações, que compreende desde o controle remoto desse tipo de máquinas até sistemas de comunicação de voz e dados para minas subterrâneas. É possível não só garantir que o operador de uma carregadeira LHD a comande à distância, numa localização segura em relação a áreas de risco de desabamento, como também acomodá-lo em segurança em uma sala de controle, com o comando total da máquina, monitorando-a em tempo real pela tela de um computador, diz o Gerente de Operações da empresa para a América do Sul, Laercio Fernandes Neves. Para garantir uma automação eficaz há que se pavimentar os caminhos antes, diz Laercio. O meio físico da rede subterrânea, diz ele, é fundamental para assegurar todo o avanço tecnológico disponível no mercado. Não basta a mina possuir o que há de melhor em termos de tecnologia, se tiver um meio físico que não acompanha toda essa capacidade ressalta. Oferecemos ao mercado sistemas de comunicação para o tráfego de voz e de dados em alta velocidade. Pode-se, por exemplo, permitir estações de trabalho na mina com acesso à internet, comunicação via telefonia VoIP ou rádio, automação de ventiladores, monitoramento de subestações, localização em tempo real de pessoas ou de máquinas dentro da mina, e instalação de câmeras de monitoramento ao longo dos túneis, tudo isso utilizando o mesmo meio físico de rede, enfatiza o Gerente de Operações. VISITE O estande da Cattron Group International é o D 3, localizado no Pavilhão, do EXPOMINAS.

15 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 15 Indústria de cimento vê expansão de 4,1% nos últimos 12 meses O assunto será discutido no 13º Congresso Brasileiro de Mineração em Minas Gerais Dados preliminares do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), indicam que as vendas acumuladas do insumo nos últimos doze meses (agosto de 2008 a julho de 2009) atingiram 50,9 milhões de toneladas o que significa um incremento de 4,1% sobre o mesmo período anterior (agosto/07 a julho/08). A expansão da indústria do cimento será mais um dos assuntos a serem discutidos durante o 13º Congresso Brasileiro de Mineração. Uma prova dessa expansão do setor são as vendas de julho de 2009 que cresceram 0,4% no período de apenas um mês. De acordo com o Vice-Presidente Executivo do SNIC, José Otávio Carvalho, a indústria cimenteira apresenta bons resultados de desenvolvimento desde 2006 em virtude do boom no setor da construção residencial. Uma explicação para o crescimento está também nos incentivos federais criados pelo Governo por meio de programas como Minha Casa e Minha Vida. Além da boa disponibilidade de crédito e de fatores como a queda de juros e a capitalização das construtoras, explica. Minas Gerais tem participação fundamental na produção de cimento. De acordo com o SNIC, o Estado é responsável por 25% da produção nacional, praticamente metade do montante gerado no Sudeste. Além de atender o consumo interno, Minas é um fornecedor estratégico, que atende os mercados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. A expansão do mercado de cimento indica que a atividade de mineração para extrair a matéria-prima continua aquecida. Carvalho enfatiza que, com o crescimento dos últimos três anos, diversos equipamentos foram reativados e mão de obra foi contratada para atender a demanda do mercado. No dias de hoje, segundo ele, o setor mostra que consegue recuperar a lacuna de seis anos de crise. AGENDE-SE O assunto será um dos temas do Painel: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais, no dia 22 de setembro, às 14 horas, no auditório III Octávio Ferreira da Silva. A expansão da indústria do cimento tem relação com o boom no setor da construção residencial Dados do SNIC revelam que em 2007, o setor cresceu 10% e, no ano passado, 15%. Para o dirigente, o fechamento do ano 2008 foi excepcional, visto que com o início da crise outras áreas sofreram grande retração. E é exatamente pelo constante desenvolvimento da construção civil que o sindicato espera manter o bom desempenho do ano passado e fechar este ano com o mesmo crescimento de 2008, otimiza José Otávio. Apesar da crescente popularização da construção civil, uma pesquisa realizada pelo Sindicato demonstra que o Brasil ainda possui baixo nível de consumo de cimento per capita quando comparado a índices de países em desenvolvimento, como a China. No País, a média é de 280 kg por habitante/ ano, enquanto os chineses chegam a 300kg por habitante /ano. Shutterstock

16 16 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Localize-se na exposibram 2009

17 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 17

18 18 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 ENTREVISTA Richard Gregory Wallis - Cônsul-Geral da Austrália no Brasil Divulgação Neste ano, assim como nas edições anteriores, o pavilhão de 111m 2 promoverá as empresas australianas em conjunto, contando com uma estrutura com vários estandes e lounge, para receber clientes e visitantes. Quais os fatores, na sua opinião, fazem da Austrália um dos principais países mineradores do mundo? Além dos recursos naturais, a Austrália é uma das mais importantes nações mineradoras do mundo (terceira; atrás dos EUA e África do Sul) por causa da quantidade de dados geológicos disponíveis de maneira aberta e gratuita (on-line para qualquer pessoa pelo portal do Geoscience Austrália: e os pelos sites dos governos estaduais). Além do sistema de governo, leis e certificados que transmitem confiança, transparência e segurança aos investidores do setor. E é por isso que, nos últimos 40 anos, a Austrália investiu muito em infraestrutura (portos e ferrovias) para desenvolver a indústria de mineração. Richard Gregory Wallis afirma que a relação entre a Austrália e o Brasil cresce enormemente A Austrália investiu muito em infraestrutura (portos e ferrovias) para desenvolver a indústria de mineração A Austrália participa da EXPOSIBRAM desde 2003 por meio da Australian Trade Commission, agência de comércio e investimento da Austrália, que desenvolve um trabalho de atração das empresas australianas para países chaves em mineração como o Brasil. A Austrália tem uma produção significativa de minério de ferro? Qual a expectativa em relação a este minério, no sentido de produção e exportação? E reservas? O minério de ferro, ao lado do carvão mineral, continua sendo importante para a economia australiana. Em 2007 o país possuía 13% das reservas mundiais de minério de ferro e estava classificada em quarto lugar atrás da Ucrânia (19%), Rússia (16%) e China (14%). No referente a contained iron (teor de ferro contido), a Austrália tem o equivalente a 15% das reservas mundiais e está posicionada em segundo lugar, atrás apenas da Rússia (19%). A Austrália é responsável por 16% do minério de ferro produzido no mundo, ficando atrás apenas da China (32%) e do Brasil (19%), sendo o maior exportador mundial deste minério. O país também está atualmente produzindo a magnetita, devido ao aumento nos preços internacionais e as novas tecnologias de processamento mineral que tornam está atividade viável. Novas minas e uma gama de novos empreendimentos em

19 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 19 A Austrália é responsável por 16% do minério de ferro produzido no mundo, ficando atrás apenas da China (32%) e do Brasil (19%), sendo o maior exportador mundial deste minério infraestrutura estão surgindo para atender a essa expansão da produção de minério de ferro. O Brasil pode tirar vantagem das tecnologias, pois muitas das empresas líderes no fornecimento de Serviços, Tecnologia e Equipamentos, estão se instalando aqui. Em bauxita, o país é um dos maiores produtores. Qual o motivo? O sr. teria alguma estatística? A Austrália demonstra reservas de bauxita de 7.9 Gt, sendo a segunda maior do mundo atrás da Guiné e na frente do Brasil, Jamaica e China. A Austrália é atualmente o maior produtor mundial de bauxita, com 33% da produção global em A qualidade e localização das jazidas além das tecnologias de ponta disponíveis fazem com que o país detenha está posição. E sobre o urânio? A Austrália é uma das maiores fornecedoras deste minério junto com o Canadá. Explique, por favor, um pouco sobre essa questão? Aproximadamente 95% de todos os recursos de urânio australianos estão localizados em apenas seis depósitos, sendo que 72% destes estão no estado de South Australia. O depósito de Olympic Dam é o maior do mundo. Novamente a qualidade, localização das jazidas e a tecnologia aplicada na exploração destas favorecem a produção. Qual a expectativa de participação do pavilhão da Austrália na EXPOSIBRAM? Qual o número de empresas? Temos uma ótima expectativa para a participação das empresas australianas na EXPOSIBRAM Este ano contamos com 21 empresas com ampla experiência internacional e que oferecem soluções, serviços e equipamentos de ponta. Estimamos um volume de negócios a serem gerados na ordem de 30 milhões de reais. Desde quando a Austrália participa da EXPOSIBRAM? Como será a participação neste ano? A Austrália está na EXPOSIBRAM desde 2003, sendo esta a nossa quarta participação. Esse ano, assim como nas edições anteriores, teremos um pavilhão que promoverá as empresas australianas em conjunto, contando com uma estrutura de 111m 2 com estandes e lounge, para receber nossos clientes e visitantes da melhor forma. Como a Australian Trade Commission faz a seleção de empresas para participarem da EXPOSIBRAM? A Australian Trade Commission, agência de comércio e investimento da Austrália, desenvolve um trabalho de atração das empresas australianas para países chaves em mineração como o Brasil. As empresas interessadas em eventos internacionais são então avaliadas e As empresas de serviços, tecnologia e equipamentos para mineração australianos estão mais interessadas no Brasil e enxergam o País como oportunidade de crescimento internacional para outros mercados da América Latina e África finalmente selecionadas para participação. O intuito da agência é mostrar o que há de mais moderno e atual em tecnologia mineral da Austrália para o mundo. Por que a Austrália participa da EXPOSIBRAM? O sr. destaca algo peculiar do evento? Participamos porque que é estratégico para a Austrália identificar e fazer parte dos principais eventos do setor de mineração mundial. A EXPOSIBRAM é referência no Brasil, que é um dos grandes centros de exploração, produção e investimento em mineração do mundo. Qual seria o relacionamento entre a Austrália e o Brasil no setor mineral? A relação entre a Austrália e o Brasil cresce enormemente. As empresas de serviços, tecnologia e equipamentos para mineração australianos estão mais interessadas no Brasil e enxergam o País como oportunidade de crescimento internacional para outros mercados da América Latina e África. Temos uma ótima expectativa para a participação das empresas australianas na EXPOSIBRAM 2009 Divulgação

20 20 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Anglo American Anglo American completa 68% do Projeto Barro Alto As operações estão previstas para começar no primeiro trimestre de 2011 A futura planta de níquel da Anglo American (associada ao IBRAM), localizada na cidade goiana de Barro Alto, registrou em julho um grande marco: 68% do total das atividades do projeto foram finalizadas. O Projeto Barro Alto recebeu investimento de US$ 1,8 bilhão e espera iniciar as operações em A expectativa de produção da nova unidade é de 36 mil toneladas de níquel por ano ao longo de 26 anos de operação. O projeto já completou 99% da engenharia e 48% da construção. O destaque da construção, nestes últimos meses, tem sido o importante avanço na montagem dos fornos elétricos e calcinadores, considerados o cora- ção da planta, e a conclusão da instalação de linha de transmissão, cujo objetivo é transmitir a energia elétrica em 230 kv da subestação de Furnas (em Souzalândia GO) para a unidade industrial de Barro Alto, destaca Euler Piantino, Gerente Geral do Projeto. Com mais de 13,5 milhões de horas trabalhadas, é importante ressaltar que o empreendimento, que gera mais de 4 mil empregos durante a sua implantação e disponibilizará cerca de 700 novos postos de trabalho na fase de operação -, tem excedido níveis de referência do mercado em desempenho de Segurança do Trabalho. Segurança é um valores mais importantes da Anglo American, e é fortemente difundido para todos os empregados e contratados, sem exceção, ressalta Piantino. Fornos Calcinadores da empresa A nova unidade de Barro Alto produzirá 36 mil toneladas de níquel por ano Anglo American Parceria com Petrobras O Projeto Barro Alto estabeleceu, em agosto de 2009, parceria com a Petrobras, por meio da BR Distribuidora, para o fornecimento de óleo combustível e diesel. De acordo com Luiz Alberto Roselli de Souza, Gerente de Compras da Anglo American Brasil, com o Projeto Barro Alto surgiu a necessidade de negociação do fornecimento com volumes maiores desses combustíveis. O acordo, firmado por quatro anos, prevê, durante este período, o suprimento de 560 milhões de quilos de óleo combustível 2A, para processos industriais, e 48 milhões de quilos de óleo diesel, para máquinas, equipamentos e frotas de todas as unidades operacionais da empresa no país (Barro Alto, Niquelândia, Catalão, Ouvidor e Cubatão). Na unidade de Barro Alto, além dos tanques reservatórios, que começarão a ser construídos no princípio de 2010, a BR já instalou um posto de abastecimento de óleo diesel para a frota da Anglo American. Dentro desse posto, a BR fornecerá uma estrutura para controle de frota, ou seja, um sistema que identifica os veículos a serem abastecidos, a quantidade de combustível utilizada, bem como o consumo de cada veículo, seja em horas trabalhadas por litro de diesel ou em quilômetros por litro. VISITE O estande da Anglo American na EXPOSIBRAM 2009 é o I 30, no Pavilhão do EXPOMINAS. A empresa é patrocinadora OURO do evento.

21 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 21 MOPE participa pela primeira vez da EXPOSIBRAM O estande da empresa oferecerá diagnóstico e análise de usinas por meio da equipe técnica. Para isso, basta o interessado apresentar os dados da mineradora. É a primeira vez que a MOPE Modelo Operacional Ltda, empresa de Engenharia de Processos, de Software, de Controle e Automação e de Inteligência Computacional participa da EXPOSIBRAM. A estreia será acompanhada de inovações com destaque ao programa OPERA, já testado em uma usina de flotação. Esta novidade representa um sistema avançado de otimização e controle, baseado no Modelo Operacional do Diretor da empresa, o chileno Alexis Yovanovic (detalhes no quadro abaixo). O sistema atua de forma manual ou em tempo real, de forma a auxiliar em operações como flotação, moagem, separação magnética, entre outras. Alexis Yovanovic explica que as operações de beneficiamento mineral têm-se caracterizado, durante quase um século, pela utilização de paradigmas, que correspondem a determinadas fórmulas empíricas (método científico tradicional), tabelas indicadas nos catálogos dos fabricantes, fatores de correção e até algumas dicas tradicionalmente utilizadas na indústria mineral. A MOPE se apresenta como uma opção de ruptura com o status quo da mineração, afirma. De acordo com Yovanovic o estande da MOPE na EXPOSIBRAM MOPE será interativo. Os interes- sados poderão dialogar com nossa equipe técnica e ainda levar os dados de processo de suas usinas para receberem avaliação e depois diagnóstico preliminar sobre o nível de desempenho das operações unitárias discutidas, acrescenta. A EXPOSIBRAM é a melhor oportunidade que já tivemos para dialogar com o mercado mineral, comenta Alexis Yovanovic. VISITE O estande da MOPE é o Q 14, localizado no Pavilhão do Expominas. Sistema OPERA A MOPE foi fundada em 2008, em Belo Horizonte, depois do desenvolvimento dos primeiros produtos e a montagem da equipe técnica especializada. A empresa baseia a tecnologia no Modelo Operacional, idealizado pelo Engenheiro Civil-Químico chileno Alexis Yovanovic, em Desde então, diversos programas de computação e soluções avançadas foram desenvolvidas, exibindo hoje cinco importantes áreas de atuação no mercado, desde a Pesquisa Metalúrgica e Desenvolvimento de Rota de Processos, até avançadas soluções de otimização e controle. Mope Equipamento de mineração subterrânea será lançado na EXPOSIBRAM 2009 A Atlas Copco (associada ao IBRAM) fará lançamento mundial de um equipamento para mineração subterrânea, na EXPOSIBRAM Segundo informações da empresa, o equipamento incorporará uma série de inovações que excederão às expectativas do mercado. VISITE A novidade pode ser conferida no estande H 12, no Pavilhão do EXPOMINAS. Prominas apresenta novo gerenciador para planejamento de lavra A Prominas Projetos e Serviços de Mineração (associada ao IBRAM) apresentará na EXPOSIBRAM 2009 uma linha diversificada de ferramentas para o planejamento de lavra com uso do software MineSight. Uma das novidades é o MSDH - MineSight Drillhole, novo gerenciador de base de dados que promete revolucionar o controle e validação das informações. Para o Diretor Técnico e Gerente de Projetos da empresa, Gislei Silva, a EXPOSI- BRAM é uma vitrine para mostrar todo o potencial do MineSight e provar que o produto foi escolhido por diversos clientes no Brasil e no mundo. O Diretor Administrativo, João Franco, concorda. É um evento especial por reunir empresas importantes no setor, possibilitando grande interação com clientes e perspectiva de novos negócios. VISITE O estande da Prominas Projetos e Serviços de Mineração está localizado em dois locais no Pavilhão do EXPOMINAS: E 4 e F 1.

22 22 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Infraestrutura e logística são essenciais para o escoamento da produção mineral A logística é fundamental para o desenvolvimento do setor de mineração em qualquer região do País. Segundo o Consultor do IBRAM Amazônia, Alberto Rogério, a carência de infraestrutura é um grande desafio, pois provoca um custo adicional nos projetos. Um exemplo real é o do Município de Juruti, no oeste do Pará, que para implantar uma mina de bauxita, a Alcoa (associada ao IBRAM) construiu uma ferrovia de 55 quilômetros até um terminal portuário para transportar o minério da área de lavra e beneficiamento. Foram necessários 110 mil dormentes e 11 mil trilhos para a Ferrovia, além de duas locomotivas com 40 vagões, para transportar a bauxita. Tudo isso pelo fato de a região ser entrecortada por rios e igarapés e as estradas de chão batido. Outro investimento foi o aproveitamento da rodovia estadual que passa pela região. A PA-257, que também liga o Beneficiamento ao Porto, foi pavimentada e recebeu drenagem superficial e equipamentos de segurança, além de sinalização. Por ela, circulam os funcionários da mina, as máquinas e os equipamentos do projeto. Uma ciclovia também foi construída nos primeiros três quilômetros, para garantir a segurança da comunidade local. O terminal portuário exigiu planejamento: ergueu-se um píer e um retro-porto, com capacidade para receber o minério da locomotiva e armazenálo até o momento do embarque. De acordo com Alberto Rogério, mais que conceitos associados unicamente ao planejamento, a oferta de infraestrutura, bem como os condicionantes de logística são, na O IBRAM declarou, no início do ano, investimentos de US$ 47 bilhões no setor mineral até o ano No Pará, o montante aplicado será de US$ 22 bilhões verdade, fatores determinantes para viabilidade de qualquer empreendimento. Energia é essencial para desenvolver qualquer segmento econômico, esclarece. Como exemplo, ele cita a Usina Hidrelétrica de Tucuruí, que viabilizou projetos existentes no Pará. Rodovias As longas distâncias e o árduo trabalho de escoar a produção pelas estradas do Pará, somados à má condição das rodovias que ligam o Estado às demais localidades do Brasil, tornam o deslocamento um problema de primeira ordem. Ferrovia no Município de Juruti Logística alternativa Para tentar minimizar prejuízos, mineradoras utilizam alternativas de logística. A Imerys Rio Capim Caulim (associada ao IBRAM), por exemplo, possui um mineroduto que liga a mina da empresa, em Ipixuna do Pará, até a planta industrial, localizada em Barcarena, a 40 quilômetros de Belém (PA). O caulim extraído chega até a fábrica para ser beneficiado por meio do mineroduto de 1,5 metro de profundidade e 158 quilômetros de extensão. O mineroduto funciona 365 dias por ano e 24 horas por dia. Este sistema diminui os riscos ambientais e aumentam a segurança do processo, explica Milton Costantin, Diretor-Presidente da empresa. O produto final é embarcado em porto privativo da Imerys, em Barcarena, com capacidade para receber navios de até 45 mil toneladas. Os principais destinos das exportações brasileiras de caulim beneficiado são a Bélgica, Japão, Estados Unidos, Países Baixos e Itália. ALCOA

23 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 23 ALCOA Escola forma agentes de sustentabilidade Juruti está prestes a se transformar no novo pólo de mineração no Pará, com a inauguração da mina de bauxita da Alcoa, em setembro. Com isso, os moradores começam a conviver com novos conceitos, entre eles o de sustentabilidade a partir de uma iniciativa da Escola Juruti de Sustentabilidade naquele município do Oeste paraense. E assim surgiu o curso Formação de Agentes de Sustentabilidade, o primeiro promovido pela instituição. A ideia é formar um grupo de pessoas para atuar e promover a construção do conceito e da prática da sustentabilidade em Juruti, por meio da criação de projetos e ações sociais, econômicas, culturais e ambientais envolvendo a parceria entre os três setores da sociedade (setor público, privado e sociedade civil organizada), bem como a captação dos recursos necessários para a execução desses projetos. A iniciativa é considerada inovadora pelos alunos. O agricultor Jenivaldo Roberto do Amaral, 33, integrante da Cooperativa Agropecuária dos Pequenos Produtores Rurais de Juruti (COPAJE), diz que ficou surpreso com a proposta do curso. Criar uma escola e formar agentes de sustentabilidade é uma ação nova e tarefa difícil. Sustentabilidade ainda não tem uma fórmula, um conceito pronto, afirma. Para que os participantes possam compreender os diversos níveis de organização envolvidos pela sustentabilidade, o curso é dividido em três módulos: Mobilização de Recursos para o 3º Setor e Projetos Socioambientais, Gestão de Organizações Civis e Gestão Pública Municipal. Neles, os alunos aprendem a entender as políticas de cidadania, elaborar e gerenciar projetos, captar e gerir recursos. Numa avaliação recente, 85% deles conceituaram o curso como muito bom e bom. Para os instrutores, 96% dos alunos deram esses mesmos conceitos. O conteúdo programático recebeu um percentual de 74% e os recursos didáticos utilizados no curso, 79%. O interesse dos alunos também surpreendeu a coordenação do curso. O índice de freqüência chega a 74%. Fizemos a seleção e a mobilização, mas nem sempre se consegue tanto sucesso, comemora o Coordenador de projetos de responsabilidade empresarial do Instituto Peabiru, Rui Martins. A boa aceitação do curso levou a coordenação a criar a Escola Juruti de Sustentabilidade, numa iniciativa do Grupo Alcoa, financiada pela Alcoa Foundation, com execução e coordenação do Instituto Peabiru. A Escola Juruti de Sustentabilidade faz parte do Tripé de Sustentabilidade pensado para o município. Complementam esse tripé, o Conselho Juruti Sustentável e o Fundo Juruti Sustentável. O modelo foi desenhado pela Alcoa para promover o desenvolvimento ordenado e independente do município. Devido ao sucesso, os idealizadores da Escola de Sustentabilidade já pensam em ampliar a grade de cursos ofertados para o próximo ano. Jurutienses se preparam para operar mina de bauxita Nós somos a base da empresa e vamos levá-la aonde ela deseja estar, sempre buscando a excelência e a melhoria para nós e para o empreendimento, diz Rui Bruce Vieira, 23 anos. Ele é um dos funcionários recém contratados para a fase de Operação da mina de bauxita que a Alcoa implanta em Juruti (PA). Rui já trabalhou em vários estabelecimentos da cidade, mas sempre de Agentes de sustentabilidade contratados e o supervisor (à esquerda) maneira informal. Só o fato de estar aqui e de ser a primeira vez que minha carteira é assinada, já é muita coisa. Rui é do grupo de moradores de Juruti que participaram dos cursos do Programa de Qualificação Profissional, uma parceria entre o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e a Alcoa. O Programa já profissionalizou pessoas em áreas da informática, mecânica, elétrica e, mais recentemente, nos Programas de Formação de Operadores e Operadoras e Manutenção. Eu fiz os cursos do Programa de Formação de Operadores e Operadoras (PFO) e do Programa de Formação para Manutenção (PFM). Ingressarei na Alcoa como Operadora, na área do Beneficiamento, conta Lauriana da Silva, que já trabalhou em bares e restaurantes, oficinas mecânicas e lanchonetes, todos serviços temporários. Busco novos conhecimentos e não vou parar. Seguirei em frente. O principal desafio é ficar longe da família, explica. Foram contratados 45 profissionais de Juruti para a fase de Operação da mina, dentre os quais 27 foram alunos do SENAI. Estes alunos encerraram os cursos e estão capacitados, podendo ser contratados pela empresa de acordo com a disponibilidade de vagas. O objetivo é que esses profissionais trabalhem na fase de Operação da Mina de Juruti e também em qualquer outra empresa ou empreendimento que necessite de mão-de-obra preparada para a área industrial, afirma Célia Oliveira, Consultora de Educação da Alcoa, responsável pela parceria com o SENAI.

24 24 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Novo modelo MW 5000C de carreta de perfuração pneumática Wolf Metalúrgica apresenta novo modelo de carreta na EXPOSIBRAM 2009 A carreta de perfuração pneumática recebeu novos acessórios. O modelo MW- 5000C que será apresentado na EXPOSIBRAM 2009 pela Wolf Metalúrgica, proporcionará novas condições de trabalho operacional por meio de simplicidade e segurança. A empresa, especializada em equipamento de perfuração de rocha, tem como marca registrada o desenvolvimento de novas tecnologias. O equipamento pesa sete toneladas em três metros de altura. A cabina com ar condicionado, por exemplo, aumenta a produção devido ao conforto operacional. Segundo o Gerente de Negócios da empresa, Marcelo Garcia, todos os comandos e instrumentos da carreta possuem acesso fácil e rápido. A área de visão é grande por causa do vidro em formato curvo. E entre outros acessórios, a carreta permite o trabalho noturno, divulga. Além disso, a carreta possui um coletor de pó eficiente, um engraxador acionado pelo painel de controles, e um trocador de haste que executa toda a ação dentro da própria cabine. Wolf Metalúrgica VISITE O estande da WOLF Metalúrgica é o H 14, no Pavilhão do EXPOMINAS. Balança para correias transportadoras será lançada na EXPOSIBRAM 2009 MS Instrumentos A MS Instrumentos apresentará a Balança Integradora Max Performance e uma nova abordagem para melhor administração dos equipamentos Quando fazer a nova calibração daquela balança especifica? Qual o intervalo de tempo da manutenção para assegurar a precisão? Quando os roletes devem ser trocados? São perguntas técnicas, mas que a MS Instrumentos, especialista em equipamentos de medições, há 20 anos, faz questão de esclarecer ao apresentar tecnologias, antes mesmo da aquisição. A novidade que será levada para a EXPOSIBRAM 2009 é a Balança Integradora Max Performance que faz a pesagem do minério enquanto ele é transportado por meio das correias. Segundo a empresa, o novo equipamento representa uma nova abordagem para melhorar administração dos resultados das balanças para correias transportadoras. Como forma de diferenciação, a MS Instrumentos, considera os termos de manutenção tão importantes quanto o próprio equipamento. E é esse o diferencial, para a representante da Direção da ISO da empresa, Terezinha Duarte. Nossos especialistas em balanças criam roteiros analíticos de pontuação dos equipamentos para que antes da aquisição e instalação, o usuário conheça o resultado da medição, explica. Sistema de pesagem de correias transportadoras Os engenheiros de vendas propõe ao cliente a solução correta para cada aplicação, associando a qualidade de nossos produtos aos custos de aquisição. O usuário fica ciente quanto à complexidade e suporte de manutenção do equipamento, afirma Terezinha. VISITE O estande da MS é o R 78, localizado no Pavilhão, do EXPOMINAS.

25 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 25 João Ramid A MRN se preocupa com o bem-estar e a qualidade de vida de seus empregados e familiares Mineração Rio do Norte completa 30 anos São muitos os motivos para comemorar. Dentre ele, o fato de a empresa ser uma das maiores produtoras mundiais de bauxita. A Mineração Rio do Norte MRN (associada ao IBRAM), mineradora de bauxita no Pará, completou 30 anos em agosto. A empresa comemora não só o aniversário como também o fato de ser uma das maiores produtoras mundiais de bauxita e a maior empregadora do Oeste do Pará. A região Norte é responsável pela maior parte da mão de obra da MRN, sendo origem de mais de 84% dos empregados. Desse total, 96,5% são do estado do Pará a maioria da região Oeste, que possui mais de 900 representantes, especialmente de Santarém, Oriximiná e Terra Santa. Além do efetivo próprio, a MRN gera mais vagas de empregos, ocupadas por trabalhadores terceirizados. O compromisso da MRN com o bem-estar e a qualidade de vida de seus empregados e familiares pode ser notado pelo programa de benefícios que a empresa disponibiliza. São cerca de 30 benefícios e serviços sociais, que vão desde assistência médica até ensino gratuito na escola de Trombetas e kit escolar para filhos de empregados, explica a assistente social da MRN, Vânia Blois. Ao longo dos últimos cinco anos, a MRN investiu mais de R$ 28 milhões em programas sociais. Grande parte desses programas é conduzida em parceria com as comunidades e instituições técnicas, científicas, públicas e privadas, além de órgãos governamentais e organizações não-governamentais. Desta forma, os projetos da empresa têm como princípios básicos a busca da auto-sustentação e o relacionamento de longo prazo com as partes envolvidas. Alguns desses projetos já chegaram à marca dos 10 anos. É o caso do Quilombo, desenvolvido em parceria com a Fundação Esperança, ONG de Santarém. Por meio do projeto, uma equipe presta assistência médica a moradores de 18 comunidades quilombolas que vivem às margens do rio Trombetas. Outro destaque é o incentivo ao desenvolvimento da piscicultura, através da criação de tambaquis em tanques-redes. O objetivo do projeto é proporcionar uma alternativa de renda aos ribeirinhos. Desde o inicio do projeto, mais de 200 famílias já foram beneficiadas e uma renda de mais de R$ 350 mil já foi gerada para as comunidades através da venda do pescado, explica José Haroldo Paula, Gerente de Relações Comunitárias da MRN.

26 26 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Vale Mina subterrânea de Taquari-Vassouras, Sergipe Segurança e Saúde na mineração: fator de competitividade Valorizar o empregado e zelar pela saúde é, além de uma atitude humana, uma forma de tornar a empresa competitiva e plenamente produtiva as ferramentas suficientes para pleno sucesso na prevenção de ocorrências que podem prejudicar uma das principais atividades econômicas do País. Análise de risco Para uma boa gestão de prevenção de acidentes de trabalho é necessário realizar uma análise de risco. É o primeiro passo para saber exatamente como evitar o problema. É preciso identificar para depois atuar. O Programa foi pensado para ajudar a reverter os indicadores que hoje são negativos no setor de mineração, especialmente no segmento das pequenas e médias empresas, explica Cláudia. Atitudes humanitárias, preocupadas com o bem-estar dos empregados, fazem parte do cotidiano das empresas modernas de mineração. Engana-se quem acha que esta atitude não esteja atrelada ao rendimento profissional. Uma pessoa feliz é capaz de mover montanhas. Uma pessoa plenamente saudável não é complemento e sim suplemento de uma empresa. Fatores positivos como esses fazem a diferença: aumentam a produtividade e permitem que uma mineradora se torne muito mais competitiva. É preciso valorizar o empregado, cuidar dele. Todos ganham com tal atitude. A empresa que se propõe a cuidar dos funcionários tem uma carta na manga. É comum a segurança ocupacional servir de diferencial durante uma negociação. E essas são afirmações da especialista sobre o assunto, Cláudia Pellegrinelli, também Coordenadora do Programa Especial de Segurança e Saúde Ocupacional do IBRAM, o MinerAÇÃO. O Programa do IBRAM existe desde 2007 e, se propõe a fazer um trabalho junto às empresas para diminuir o número de acidentes de trabalho. Essa ação, inicialmente solicitada por um grupo de mineradoras, só não está de fato implantada, por falta de maior participação das demais empresas. Espera-se que até o final do ano, o MinerAÇÃO tenha Para garantir o sucesso do Programa é preciso, além de conscientização, o apoio de empresas. A iniciativa para aderir ao MinerAÇÃO é voluntária. Todos aqueles que procurarem o IBRAM para fazer parte do Programa receberão suporte com treinamentos, palestras e pesquisas para diminuir drasticamente esta estatística que tanto assusta, enfatiza Cláudia. Segundo dados do Instituto, a mineração é o terceiro segmento que mais provoca mortes em termos de segurança ocupacional no Brasil. Alega-se muito que a mineração provoca doenças e mortes. Só um trabalho sério consegue retirar o setor desta plataforma de risco, conclui a especialista.

27 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 27 Quer participar do Programa MinerAÇÃO? Para garantir o sucesso do Programa Especial de Segurança e Saúde é preciso a participação de empresas do setor da mineração, independentemente do porte e sistema de gestão, com adesão voluntária ao Programa. Para aderir ao MinerAÇÃO basta entrar em contato com o IBRAM por meio do telefone ou enviar para: Conheça cinco Princípios do Programa: 1. Atuar, de forma permanente, com o intuito de minimizar os riscos à saúde e segurança das pessoas nas atividades de mineração; 2. Possibilitar e incentivar a participação de todas as empresas do setor, independentemente de seu porte e sistemas de gestão, com adesão voluntária ao programa; 3. Ter como base o atendimento irrestrito à legislação brasileira e estar alinhado aos princípios do ICMM - International Council of Mining and Metals, em relação à Segurança e Saúde Ocupacional; 4. Promover o constante, amplo e permanente intercâmbio de experiências e boas práticas entre as empresas do setor e partes interessadas, desenvolvendo meios de comunicação adequados; 5. Incentivar o desenvolvimento das pessoas (empregados, contratados, parceiros e partes interessadas), por meio de ações de educação e treinamento. AGENDE-SE O assunto Segurança e Saúde será tema do Painel: Gestão Estratégica de Segurança e Saúde Ocupacional como Fator de Competitividade, no dia 23 de setembro, às 14 horas, no auditório III Octávio Ferreira da Silva, no EXPOMINAS. Exemplo de Segurança e Saúde: laboratório do Sono da MRN no PA Renato Printes Um belo exemplo de como cuidar e zelar pela saúde dos empregados é o Programa de Medicina do Sono e Fadiga, iniciativa da Mineração Rio do Norte MRN. As atividades do Laboratório do Sono do hospital de Porto Trombetas, no Município de Oriximiná, no Pará, começaram em março de As instalações do hospital passaram por adequações físicas e, equipamentos de polissonografia foram adquiridos para a realização de exames. Atualmente, o sono é uma das principais preocupações da MRN em relação a saúde dos empregados, já que a qualidade do sono está diretamente ligada ao desempenho das pessoas. O sono aumenta a possibilidade de erros na operação e é, reconhecidamente, fator de aumento no risco e na gravidade de acidentes. Por meio do Programa, devem ser identificadas e tratadas desordens respiratórias do sono, sonolência diurna, insônia, desordens da neurologia e psiquiatria que afetam o sono. Em 2008, a MRN passou a usar a luz (fototerapia ou luxterapia) para combater a sonolência no ambiente de trabalho, especialmente com empregados que trabalham em turnos e na operação de máquinas como tratores, locomotivas, escavadeiras e caminhões. A luz inibe a produção de melatonina, hormônio que induz ao sono, produzido à noite. Assim, foram implantadas nessas máquinas lâmpadas com capacidade de LUX e baixa emissão ultravioleta, que acendem gradativamente para não ofuscar o operador. Ainda em 2008, uma enfermaria do hospital recebeu tratamento acústico para a realização de exames polissonográficos - em Funcionário da MRN durante exame polissonográfico, no Laboratório do Sono que o paciente dorme no hospital sendo monitorado por uma câmera que registra imagens em DVD. Sobre Saúde Ocupacional O conceito de Saúde Ocupacional vai muito além dos aspectos de possíveis doenças causadas pelo trabalho. Aspectos sociais, psicológicos, qualidade das relações no trabalho, segurança institucional e perspectivas de futuro influenciam a saúde no trabalho.

28 28 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Mineradora de ouro crescerá em 5 anos o equivalente à metade da produção No ano de comemoração dos dez anos da AngloGold Ashanti (associada ao IBRAM) no Brasil, os acionistas afirmam que a empresa crescerá em cinco anos o equivalente à metade da sua produção. Outro motivo Equipamento de mineração subterrânea AngloGold Ashanti AngloGold Ashanti Ouro em barra: produto final. para comemorar é o fato de a Anglo ter mantido todos os seus projetos de crescimento no País para este ano, mesmo diante da situação econômica mundial. Para que a previsão de crescimento se realize, a empresa aposta também em responsabilidade social, na valorização dos empregados e no aprimoramento da gestão como exemplo o Projeto One, que padronizará os processos da AngloGold em todo o mundo. Na questão da segurança - um dos aspectos mais valorizados pela empresa AngloGold Ashanti, o Programa de Gerenciamento de Riscos, associado a outras iniciativas, age na conscientização de cada empregado em cuidar de si e do colega, sempre em busca das oportunidades de melhoria. Nos últimos anos, alguns processos, como pesquisas de clima e o desenvolvimento de empregados por meio de treinamentos, têm proporcionado bons resultados no bem-estar dos trabalhadores. Desenvolvimento social e ambiental Um exemplo de responsabilidade ambiental da mineradora é a criação de duas Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) uma em Nova Lima e outra em Sabará e Caeté (todas em MG). Além disso, 80% da água nas unidades operacionais é recirculada e o Sistema de Gestão Ambiental da Empresa está ancorado na ISO A AngloGold se alinha à ISO e 17025, bem como ao Código Internacional de Cianeto, os três com conotação ambiental; à OHSAS 18001, de segurança e saúde; à ISO 9001, de qualidade e à NBR 16001, meta para este ano, que versa sobre responsabilidade social. Responsável pela maior parte dos empregos oferecidos às comunidades das regiões onde atua Nova Lima e Raposos, com a Planta do Queiroz, a empresa mantém parcerias locais para geração de trabalho e renda. Somente em impostos, a empresa

29 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 29 AngloGold Ashanti gera 89 milhões de reais em Minas Gerais e em Goiás. A Política de Desenvolvimento de Comunidades abarca projetos voltados para as áreas de saúde, educação e renda em todas essas cidades. Os sistemas de governança da AngloGold Ashanti pressupõem a prestação de contas e a informação transparente para todas as partes interessadas. A participação da AngloGold Ashanti no setor mineral brasileiro é marcada pelo volume e qualidade dos investimentos em exploração mineral, ampliação de minas em operação, abertura de novas minas, introdução de mais ouro e subprodutos, o que se torna mais significativo por cobrir regiões distintas do Brasil: o Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais, e o Centro Oeste, em Crixás, GO, afirma Paulo Camillo Vargas Penna, Presidente do IBRAM. Algumas unidades da empresa: Córrego do Sítio I e Córrego do Sítio II Com produção anual de 500 mil toneladas de minério e 90 mil onças de ouro por ano cujo teor é de 6,19 gramas por tonelada o Projeto Córrego do Sítio I acaba de ganhar uma unidade irmã: Córrego do Sítio II, onde já se iniciou uma campanha de exploração e sondagem para incrementar a produção a partir de Ambas se localizam em Santa Bárbara (MG). A estimativa, com o segundo projeto, é duplicar a contribuição atual e elevar as 90 mil onças/ ano para 180 mil. Os recursos minerais em Córrego do Sítio são da ordem de 2,2 milhões de onças, sendo 1 milhão de onças de recursos lavráveis, com vida útil até Em Córrego do Sítio II, o potencial estimado é de 1,6 milhão de onças, com vida útil prevista para Em termos de previsão de investimentos, as duas unidades somam aproximadamente US$ 330 milhões. Projeto Lamego A previsão é produzir 290 mil toneladas de minério por ano, com teor de 4,87 gramas de ouro por tonelada, a partir de O Projeto Lamego, em Sabará (MG), está em fase de estudos e prevê o aprofundamento dos principais corpos de minério locais Carruagem e Cabeça de Pedra. Os recursos minerais são de 1,3 milhões de onças, sendo que a parte lavrável representa 374 mil onças. A vida útil da mina está prevista para O Projeto recebeu investimentos de US$ 60 milhões e, contabiliza-se, atualmente, 500 postos de empregos. Mineração Serra Grande Os investimentos em pesquisa também propiciaram expandir a Planta Industrial e prolongar a vida útil da Mineração Serra Grande, joint venture da AngloGold Ashanti e da Kinross, localizada na cidade de Crixás (GO). As minas e a nova planta industrial passaram por mudanças estruturais e por uma expansão, que recebeu R$ 120 milhões de investimento, cuja inauguração foi em março passado, com vista a ampliar a produção da empresa em 44%. Em 2009, Serra Grande irá processar 1,08 milhão de toneladas de minério para produzir, aproximadamente, 162 mil onças de ouro ou 5 toneladas. Uma das etapas da produção de ouro: fundição. Quando o projeto foi aprovado na década de 80, a vida útil prevista para a empresa era 10 anos. Já se passaram 20, e ainda restam nove anos nos planos atuais de lavra, podendo ser estendidos em decorrência dos investimentos em exploração. Os recursos conhecidos atualmente são da ordem de 2 milhões de onças de ouro, o que garante a operação da empresa até O investimento em pesquisa geológica nos próximos quatro anos é de cerca de R$ 90 milhões. A empresa emprega 900 pessoas diretamente e mais 300 indiretamente. Recentemente, Serra Grande conquistou o Prêmio Excelência em Gestão da Segurança, concedido pela própria AngloGold Ashanti. VISITE O estande da AngloGold Ashanti na EXPOSI- BRAM 2009 é o estande C 29, localizado no Pavilhão do EXPOMINAS.

30 30 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 CPE Copa de 2014: construção civil deve aumentar contratações Setor está otimista com a chegada do Mundial, que pode criar mais de 3,5 milhões de vagas em todo o País A construção civil promete ser o motor da economia brasileira nos próximos cinco anos. A preparação para a Copa do Mundo de 2014 deve transformar o Brasil em um grande canteiro de obras, o que permite ao setor fazer planos para reiniciar o ciclo de crescimento interrompido em 2008 pela crise mundial. As empresas da construção civil já registram melhoras, e garantem que o segmento passará por um aumento de contratações para atender à demanda. Na avaliação dos representantes e especialistas, a construção civil deverá ganhar maior participação no PIB a partir do próximo ano. Até 2008, a indústria da construção representava 5,1% das riquezas do País. A Copa do Mundo de 2014 aumentará os investimentos em infraestrutura pelo menos até o ano de realização, o que aquecerá a construção civil, avalia Carlos Maurício Lima de Paula Barros, Diretor-Presidente da ABEMI - Associação Brasileira de Engenharia Industrial. O otimismo das empresas tem base no volume de investimentos prometidos para o setor, que variam de R$ 60 bilhões a R$ 100 bilhões. Especialistas estimam que, a cada R$ 1 milhão em investimentos na construção civil, são criados 58 empregos, sendo 33 empregos diretos e 25 indiretos. Isso significaria a geração de pelo menos 3,5 milhões de vagas. Para Barros, o crescimento do setor deve aumentar o número de empregos principalmente em empresas de projeto, consultoria, edificações e construção industrial. Laser Scanner terrestre de alta precisão em levantamentos 3D é apresentado ao mercado brasileiro A empresa responsável pela locação e venda desses equipamentos estará na EXPOSIBRAM 2009 O Laser Scanner terrestre LMS-Z620 (marca RIEGL) é composto por um equipamento de alta performance e longo alcance para escaneamentos em 3D, por um software de tratamento e operação dos dados (RiSCAN PRO) e ainda por uma câmera digital de alta resolução. Tudo isso forma um sistema para auxiliar no processamento automático ou semi-automático dos dados escaneados e das imagens. Materiais estes que geram produtos que informam a profundidade e servem para análises de geotecnia (área mecânica dos solos) e medição de minas, entre outras aplicações. Projetado especialmente para aquisição rápida de imagens 3D de alta qualidade, até mesmo sob condições ambientais adversas, o Laser Scanner é um sensor totalmente portátil. O equipamento fornece uma combinação de amplo campo de visão, longa faixa de alcance Laser Scanner terrestre em dois países: Austrália e, abaixo, China. e rápida aquisição de dados. Um notebook com Windows, juntamente com o pacote do software RiSCAN PRO, permite ao usuário adquirir instantaneamente dados 3D de alta qualidade no campo e acessar uma variedade funções de registro, pós-processamento e exportação de dados. A novidade é apresentada ao mercado brasileiro pela CPE Equipamentos Topográficos Ltda., especializada em locação e venda de equipamentos topográficos, como estações totais, receptores GPS, laser scanners e softwares. A empresa, que atua desde 1974, estará na EXPOSIBRAM CPE VISITE O estande da CPE Equipamentos Topográficos Ltda. É o A 21, no Pavilhão do Expominas.

31 Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Indústria da Mineração 31 Devex DEVEX apresenta ferramenta que informa em tempo real as condições dos equipamentos Especializada em sistemas para controle e supervisão de operações de minas, a Devex (associada ao IBRAM) apresentará na EXPOSIBRAM 2009, uma nova versão do SmartMine, que existe há 12 anos. Este novo sistema, com destaque para a Telemetria Pró-ativa, fornece informações em tempo real sobre condições anômalas de uso dos equipamentos e, ainda, auxilia na gestão de ativos de forma a prevenir danos e mau uso do equipamento por meio de alarmes gerados na central de controle e no computador de bordo. De acordo com o Gerente, da Devex, Renato de Souza Gomes, o benefício dessa novidade é a possibilidade do usuário antecipar possíveis riscos e educar o operador, evitando danos ao equipamento e perdas na produtividade. Durante o evento, a Devex apresentará também a evolução do Exacta System. Essa funcionalidade do SmartMine permite maior precisão na rotina das máquinas por meio de GPS de alta precisão (HPGPS) e Sever System em operação no computador de bordo do trator de esteira sensores de cinemática e inclinação. Dessa forma, o sistema obtém os dados de trabalho dos equipamentos com grande exatidão, o que minimiza retrabalhos e aumenta o ganho operacional nas atividades de perfuração, carregamento, corte e aterro, explica Gomes. VISITE O estande da Devex é o L 15 no Pavilhão do EXPOMINAS. Voith Turbo mostra inovações de acoplamento para indústria de mineração Além do novo acoplamento integrado e do convencional, a empresa apresentará aos visitantes da EXPOSIBRAM 2009 o equipamento simulador Um acoplamento usado na mineração é um dispositivo que garante eficiência na transmissão de potência do motor das máquinas e ainda, reduz o consumo de energia. Durante a EXPOSIBRAM 2009 a empresa Voith Turbo apresentará o novo produto, o Acoplamento TurboSyn, e ainda, fará uma simulação deste equipamento aos visitantes. O equipamento simulador permitirá, de forma didática, que o visitante perceba o comportamento dinâmico de uma partida via acoplamento hidrodinâmico. De acordo com a empresa, os investimentos no desenvolvimento dos acoplamentos e variadores de velocidade hidrodinâmicos chegam a 2 milhões de euros por ano na Voith. Esses equipamentos são reconhecidos no mercado como de alta qualidade comprovada, destaca o Gerente da Divisão Industrial da companhia, Jorge Jappur. Ele salienta que a Voith Turbo possui o compromisso mundial de confiabilidade, cujo slogan é Engineered reliability (denominação que traduz a filosofia corporativa do Grupo e pode ser traduzida em três palavras-chaves: qualidade, confiabilidade e solidez). A participação no mercado de mineração representa 80% dos negócios. A EXPOSIBRAM é o maior evento de mineração do País, que reúne os principais clientes e fabricantes do mercado. A participação no evento permite perceber o pulso e orientação do mercado e com isso conceber as melhores estratégias para nossa atuação, afirma Jorge Jappur. Voith Turbo A Voith Turbo é uma divisão do Grupo Voith, que desenvolve e fornece tecnologia de ponta em componentes, sistemas e serviços relacionados a acionamentos. Com atuação global nas áreas industrial, automotiva, ferroviária e naval, a empresa emprega, no mundo, mais de colaboradores e faturou 1,16 bilhão no ano fiscal 2007/2008. Acoplamento TurboSyn VISITE O estande da Voith Turbo é o F15, no Pavilhão do EXPOMINAS. Divulgação

32 32 Indústria da Mineração Ano IV - nº 27, setembro de 2009 Ausenco Ausenco do Brasil: capacitação em engenharia mineral e consultoria ambiental Soluções para aumentar o potencial de cada estágio do ciclo de vida de um projeto de mineração. É justamente este papel de provedor de soluções técnicas que é garantido pela equipe de especialistas da Ausenco do Brasil Engenharia (associada ao IBRAM). A companhia estará na EXPOSIBRAM A empresa detalhará sua capacitação nas áreas de Engenharia Mineral, Óleo & Gás, Energia, Infraestrutura e Consultoria Ambiental. A Ausenco realiza estudos de engenharia do tipo EPC (Engenharia, Suprimentos e Construção) e EPCM (Engenharia, Suprimentos e Gestão da Construção) para projetos de grande escala em uma ampla variedade de commodities. As linhas de negócios compreendidas pelas Ausenco Minerals, Vector, PSI, Sandwell, Ascentis e Gerenciamento de programa da Ausenco cobrem toda a cadeia produtiva: avaliação geológica, planejamento de mina, beneficiamento mineral, disposição de rejeitos/estéril, transporte por dutos, manuseio de granéis e projetos portuários. Dentre alguns dos projetos recentemente desenvolvidos pela Ausenco estão: Mineração Bauxita Paragominas para a Vale. O mineroduto de 245 km da mina de bauxita de Paragominas, da Vale, no Projeto Anglo Ferrous Minas Rio: terraplenagem e abertura de pista para lançamento do mineroduto Mineroduto da mina de bauxita de Paragominas, da Vale, no Pará Ausenco Pará, foi comissionado em 2007 e transporta 11,8 milhões ton/ano de material. É o primeiro e único duto de transporte de concentrado de bauxita de longa distância no mundo, processo este de alta complexidade técnica em face aos desafios de resistência, disponibilidade e controle do sistema. Anglo Ferrous Minas Rio para a Anglo Ferrous Brasil (Anglo American). Projeto de Engenharia Básica e Detalhada, com 524 km, que liga a planta em Conceição do Mato Dentro (MG) ao porto em Barra do Açu, em São João da Barra, no Rio de Janeiro, com 2 Estações de Bombeamento, uma Estação de Válvulas e o Terminal. O projeto está em fase de implantação. O segundo mineroduto para a Samarco Mineração, com 398,7km de distância, desde a mina de Germano, em Minas Gerais, até Ponta do Ubu, no Espírito Santo, que foi comissionado em 2007/2008 e transporta hoje oito MTA de concentrado de minério de ferro. VISITE O estande da Ausenco do Brasil Engenharia é o R 34, no Pavilhão do Expominas.

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade Avanços da indústria brasileira rumo ao desenvolvimento sustentável Síntese dos fascículos setoriais Encontro da Indústria para a Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson

Leia mais

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas EXPEDIENTE PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL Roberto Simões DIRETOR-PRESIDENTE Luiz Barretto DIRETOR

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO VADOR DINÂMICO ADOR DEZEMBRO, 2013 INO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO VADOR DINÂMICO ADOR DEZEMBRO, 2013 INO PLANO DE DESENVOLVIMENTO R ADOR OVADOR DINÂMICO DEZEMBRO, 2013 INO INO VADOR R INOVA PLANO DE O DESENVOLVIMENTO DE DE DESEN LVI PLANO DE DESEN VOLVI DESEN VOLVI MENTO DEZEMBRO, 2013 O Futuro é o que fazemos

Leia mais

LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE

LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE 1 COLEÇÃO DE ESTUDOS SOBRE DIRETRIZES PARA UMA ECONOMIA VERDE NO BRASIL Autor: Paulo Fleury 2 Realização: Fundação Brasileira para

Leia mais

[r]evolução. energética A CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO LIMPO. [r]evolução energética CONSELHO EUROPEU DE ENERGIA RENOVÁVEL

[r]evolução. energética A CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO LIMPO. [r]evolução energética CONSELHO EUROPEU DE ENERGIA RENOVÁVEL [r]evolução energética A CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO LIMPO Greenpeace/RODRIGO BALEIA CONSELHO EUROPEU DE ENERGIA RENOVÁVEL [r]evolução energética A CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO LIMPO [r]evolução energética

Leia mais

VÉRTICE. As minas de Minas Gerais REVISTA. Principal atividade econômica do estado amplia fronteiras ISSN 2177-5362 ABR/MAI/JUN 2013 Nº 15 CREA-MINAS

VÉRTICE. As minas de Minas Gerais REVISTA. Principal atividade econômica do estado amplia fronteiras ISSN 2177-5362 ABR/MAI/JUN 2013 Nº 15 CREA-MINAS REVISTA ISSN 2177-5362 VÉRTICE ABR/MAI/JUN 2013 Nº 15 CREA-MINAS Fechamento Autorizado. Pode ser aberto pela ECT. As minas de Minas Gerais Principal atividade econômica do estado amplia fronteiras Curta

Leia mais

VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014

VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014 VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014 INTRODUÇÃO Tratamos aqui das diretrizes para elaboração de um programa do PV para o Brasil/2014. Pedimos que sejam avaliadas, criticadas,

Leia mais

30º. Programa Ciência Sem Fronteiras

30º. Programa Ciência Sem Fronteiras 30º Programa Ciência Sem Fronteiras Caros (as) Leitores (as) O Café com Sustentabilidade da FEBRABAN acaba de completar 30 edições. Lançado em 2007, o evento reúne representantes dos bancos associados,

Leia mais

GRUPO JALLES MACHADO INVESTE R$ 410 MILHÕES. Pró-Industrial

GRUPO JALLES MACHADO INVESTE R$ 410 MILHÕES. Pró-Industrial GRUPO JALLES MACHADO INVESTE R$ 410 MILHÕES Pró-Industrial ADIAL - Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás Setembro - 2011 - ANO IV - Nº 24 ADIAL Informa - www.adial.com.br Plano Brasil

Leia mais

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO Clarissa Lins Daniel Wajnberg Agosto 2007 Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Rua Engenheiro Álvaro Niemeyer, 76 CEP 22610-180

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO: A ROTA PARA A PRODUTIVIDADE

EDUCAÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO: A ROTA PARA A PRODUTIVIDADE EDUCAÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO: A ROTA PARA A PRODUTIVIDADE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson Braga de Andrade 1º DIRETOR SECRETÁRIO Paulo Afonso Ferreira 1º VICE-PRESIDENTE Paulo

Leia mais

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 2 C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional Por que investir em Comunicação Interna PREFÁCIO Em pouco mais

Leia mais

POLÍTICA INDUSTRIAL, TECNOLÓGICA E DE COMÉRCIO EXTERIOR DO GOVERNO FEDERAL (PITCE): Balanço e Perspectivas

POLÍTICA INDUSTRIAL, TECNOLÓGICA E DE COMÉRCIO EXTERIOR DO GOVERNO FEDERAL (PITCE): Balanço e Perspectivas POLÍTICA INDUSTRIAL, TECNOLÓGICA E DE COMÉRCIO EXTERIOR DO GOVERNO FEDERAL (PITCE): Balanço e Perspectivas Mario Sergio Salerno Professor do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica

Leia mais

Manual de. compras. Sustentáveis

Manual de. compras. Sustentáveis Manual de compras Sustentáveis Manual de Compras Sustentáveis Maio 2014 CEBDS Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável Manual de Compras Sustentáveis Índice O que é o CEBDS 8

Leia mais

República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva

República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva República Federativa do Brasil Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente: José Alencar Gomes da Silva Ministério do Meio Ambiente Ministra: Marina Silva Secretário Executivo: João Paulo Ribeiro

Leia mais

Desenho e Análise da Cadeia de Valor da Água Mineral no Brasil 1

Desenho e Análise da Cadeia de Valor da Água Mineral no Brasil 1 1 Desenho e Análise da Cadeia de Valor da Água Mineral no Brasil 1 STEPHANIE CRISTINE LOURENÇO SILVEIRA - stephanieclsilver@gmail.com RENATA PAES LEME ROQUETTE - renata_paesleme@hotmail.com LUCIEL HENRIQUE

Leia mais

Visão que faz acontecer A realidade cada vez mais estratégica dos líderes de finanças

Visão que faz acontecer A realidade cada vez mais estratégica dos líderes de finanças Informação e análise para decisores nº 44 Abril-Junho 2014 Visão que faz acontecer A realidade cada vez mais estratégica dos líderes de finanças Especial CFO em perspectiva O impacto da tecnologia e do

Leia mais

A C pa. do Mundo. 15 km. País se prepara para sediar o maior evento do planeta, que irá abrir oportunidades de negócios. Perfil do Consumidor

A C pa. do Mundo. 15 km. País se prepara para sediar o maior evento do planeta, que irá abrir oportunidades de negócios. Perfil do Consumidor ANO V / Nº 32 / set-out 2012 A C pa do Mundo É NOSSA 15 km País se prepara para sediar o maior evento do planeta, que irá abrir oportunidades de negócios Mudanças Radicais Itaquera, na Zona Leste da capital,

Leia mais

Produção agrícola de mais de 197 milhões de toneladas bate recorde e impulsiona diversos segmentos da economia

Produção agrícola de mais de 197 milhões de toneladas bate recorde e impulsiona diversos segmentos da economia nome da retranca www.br.com.br Nº 52 Ano 9 novembro/dezembro 2013 A SUPERSAFRA Produção agrícola de mais de 197 milhões de toneladas bate recorde e impulsiona diversos segmentos da economia Logística BR

Leia mais

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e pesquisas sobre produção, mercado, comércio exterior,

Leia mais

Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas. Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável

Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas. Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável CBCS - Conselho Brasileiro de Construção Sustentável Presidente do

Leia mais

CURSO BÁSICO DE GESTÃO AMBIENTAL

CURSO BÁSICO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO BÁSICO DE GESTÃO AMBIENTAL Entidades Integrantes do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae Associação Brasileira dos Sebraes Estaduais Abase Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das

Leia mais

empreender Tempo de Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Desoneração

empreender Tempo de Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Desoneração ANO V / Nº 33 / NOV-DEZ 2012 Tempo de empreender Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Compras governamentais Veja como pequenas empresas aumentam

Leia mais

Índice. 05 Tendência Evolução dos motores pede lubrificantes mais eficientes. 06 Legislação Obrigatória por lei: Contribuição Sindical patronal

Índice. 05 Tendência Evolução dos motores pede lubrificantes mais eficientes. 06 Legislação Obrigatória por lei: Contribuição Sindical patronal Nov/Dez 2011 Índice 05 Tendência Evolução dos motores pede lubrificantes mais eficientes 06 Legislação Obrigatória por lei: Contribuição Sindical patronal 08 Seu Negócio Um óleo não é igual a outro 10

Leia mais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais Maria José de Oliveira Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, MJO. As empresas familiares da cidade de Franca:

Leia mais

O CAMINHO DE UMA O CAMINHO DE UMA NOVA ERA. INDUSTRIAL Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre. Governador Binho Marques avalia mandato

O CAMINHO DE UMA O CAMINHO DE UMA NOVA ERA. INDUSTRIAL Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre. Governador Binho Marques avalia mandato Ano 05 Número 17 Dezembro/2010 INDUSTRIAL Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre MODERNIZAÇÃO Usina Álcool Verde começa a produzir DESPEDIDA Governador Binho Marques avalia mandato Arquivo

Leia mais

Para um mundo com novos valores. A Vale em Canaã dos Carajás

Para um mundo com novos valores. A Vale em Canaã dos Carajás Para um mundo com novos valores. A Vale em Canaã dos Carajás Expediente Diretoria de Cobre Hub Sul - Sossego Diretoria de Projetos Ferrosos Norte Diretoria de Operação Ferrosos S11D Gerência de Comunicação

Leia mais

A ECONOMIA CRIATIVA: UM GUIA INTRODUTÓRIO

A ECONOMIA CRIATIVA: UM GUIA INTRODUTÓRIO No mundo inteiro se concebe a economia criativa como uma parte determinante e crescente da economia global. Os governos e os setores criativos estão dando cada vez mais importância ao papel que ela desempenha

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos.

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Plano Nacional de Educação. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Art. 2º A partir da vigência desta Lei,

Leia mais

A hora e a vez da logística

A hora e a vez da logística BR MERCADO CONSUMIDOR P A L A V R A B R A hora e a vez da logística Pode parecer drástico, mas é verdade: empresas que não se enquadram em um ágil e inteligente modelo de gestão estão fadadas ao fracasso.

Leia mais