Etiquetagem energética de janelas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Etiquetagem energética de janelas"

Transcrição

1 Etiquetagem energética de janelas Apresentação sumária Outubro 2012

2 Razões para um sistema de etiquetagem Ferramenta de comunicação de simples compreensão e suporte à decisão a tomar; Potencia a escolha de produtos mais eficientes; Amplamente aceite por todos os atores no mercado, potencia a distinção e concorrência entre soluções e produtos; Suporte à especificação de produtos, nomeadamente nos casos de pequenas intervenções e reabilitação; Suporte à implementação de incentivos e medidas de apoio financeiro ligadas à classe energética do produto; Suporte em standards Europeus ligados com a marcação CE e a diretiva europeia de rotulagem.

3 Benefícios da etiquetagem energética CONSUMIDOR FINAL Escolha de produtos de elevada eficiência Redução da fatura com a energia SETOR Diferenciação e valor acrescentado da oferta Reconhecimento e credibilidade dos produtos Suporte de marketing comum e em larga escala Aumento do volume de negócios PAÍS Redução do consumo energético Diminuição da dependência energética

4 Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Um sistema voluntário de etiquetagem Permite estender o conceito e benefícios da etiquetagem a produtos não regulados pela Comissão Europeia; Permite que fabricantes e instaladores possam distinguir os seus produtos com base no seu desempenho energético. Uma porta aberta para produtos eficientes Onde o consumidor final pode escolher os produtos mais eficientes; Onde o consumidor final pode obter informação adicional em relação ao produtos que já dispõe. Uma ferramenta de marketing e promoção Em que os setores visados podem beneficiar de uma estratégia de marketing geral; Onde os fabricantes podem alavancar esse marketing com estratégias de comunicação próprias para os produtos que comercializam.

5 ADENE é entidade gestora do SEEP VANTAGENS: É uma entidade sem fins lucrativos de utilidade pública que promove atividades de interesse público no domínio da energia Adquiriu uma larga experiência na gestão do SCE, do SGCIE e outros programas de âmbito nacional Dispõem de expertise e consenso no mercado para implementação e gestão de um sistema de etiquetagem energética

6 Etiquetagem Energética de Janelas PORQUÊ AS JANELAS? As janelas têm um impacto relevante no consumo de energia nos edifícios Permite a caracterização do desempenho energético e da comparação entre produtos Facilita a comunicação entre o consumidor e o fabricante ou instalador Potencia a concorrência e inovação na conceção de novos produtos Instrumento para a regulamentação e implementação de políticas de incentivo

7 Substituição de janelas Melhorias de melhoria que pretende implementar? Medida preferida dos consumidores para melhorar desempenho energético da habitação Benefícios esperados são poupança de energia, melhoria do conforto e redução do ruído Obra fácil, rápida e limpa Inquérito da ADENE aos proprietários de casa com certificado energético. % das resposta em que cada medida foi referida pelo inquirido.

8 Etiqueta SEEP Janelas tem dois formatos A etiqueta energética (propósito promocional ou marketing) Etiqueta de registo (propósitos múltiplos)

9 Descrição da etiqueta energética de janelas IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Número único do produto Fabricante Referência do modelo Referência do produto Tipo de produtos: - Janelas - Coletores solares - Elevadores - Etc

10 Descrição da etiqueta energética de janelas DESEMPENHO ENERGÉTICO DO PRODUTO 7 classes de A a G Possibilidade de expansão para produtos mais eficientes (A+ ou A++) Total de energia expresso em kwh/m 2.mês. Possibilidade de acomodação de indicadores para Verão e Inverno.

11 Descrição da etiqueta energética de janelas PARÂMETROS DE CÁLCULO Parâmetros obrigatórios: - U w da janela - Fator solar do vidro - Permeabilidade ao ar Informação adicional: - Transmissão luminosa - Atenuação acústica da janela Zona climática

12 Descrição da etiqueta energética de janelas MECANISMOS DE IDENTIFICAÇÃO ADICIONAIS Etiqueta NFC Indicação da incorporação de uma etiqueta NFC que permite a obtenção de informação adicional sobre o produto. QR Code: Amplamente disponível, permite a recolha de informação adicional sobre o produto

13 Etiqueta de registo A etiqueta de registo acompanha o produto durante o seu tempo de vida. Esta etiqueta inclui a seguinte informação: Número único do produto; Classe energética; Tipo de produto; QR code e etiqueta NFC tag (por debaixo) Propósitos desta etiqueta: Cliente final Obter informação adicional sobre o produto; Fabricante/Instalador Manutenção ou substituição do produto; Perito qualificado Obtenção de dados reais e adequados acerca das características do produto aquando da certificação de edifícios; Sistema Distribuição geográfica ou outra informação estatística.

14 Número único do produto O sistema de codificação permitirá recolher informação adicional, providenciar segurança e ligar sistemas de certificação: Identificação do subsistema Identificação do fabricante Identificação do produto Numeração da etiqueta Check digit Regras de numeração: XX Subsistema: 2 letras características do nome do subsistema Fabricante: Sequencial com início em 100 Produto: Sequencial com início em 001 Etiqueta: Sequencial com início em Check digit: 2 dígitos Exemplo: JA Subsistema: JA (janelas) Fabricante: 110 Produto: 025 Etiqueta: 4534 Check digit: 25

15 Processo de emissão de etiquetas SEEP Janelas DETENTOR DE SISTEMAS FABRICANTE SEEP Janelas PRODUTO ETIQUETADO CLIENTE FINAL ESQUEMA SIMPLIFICADO PARA ETIQUETAR PRODUTOS NO SEEP

16 Processo de emissão de etiquetas Criação das bases de dados e emissão de etiquetas Criação das bases de dados e emissão de etiquetas 1º passo Criação de bases de dados DETENTOR DE SISTEMAS PRODUTOR DE VIDRO Detentores de sistemas e produtores de vidros alimentam a base de dados com os seu produtos e carregam informação adicional como relatórios, ensaios, etc... Fabricantes de janelas podem igualmente carregar informação. 2º passo Registo de fabricantes Os Fabricantes registam-se e têm acesso a uma área privada onde desenvolvem a sua atividade. Fabricantes definem o seu portfolio com base nas soluções que comercializam e relação estabelecida com os Detentores de Sistemas (quando aplicável) Detentor de sistemas 1 Produto 1 Detentor de sistemas 1 Produto 2 Detentor de sistemas 2 Produto 5

17 Processo de emissão de etiquetas Criação das bases de dados e emissão de etiquetas Criação das bases de dados e emissão de etiquetas 3º passo Emissão de etiquetas Fabricantes iniciam o processo de emissão de etiquetas e seguem um formulário passo a passo. Todos os parâmetros chave e informação adicional são identificados pelo sistema mais informação adicional como: Detentores de sistemas; Tipo de caixilho e vidro; Dimensão real da janela; Possível localização de aplicação; Outras informações adicionais. O sistema avalia o desempenho energético do produto com base nos inputs introduzidos ou escolhidos. 4º passo Validação das etiquetas O Fabricante visualiza e valida as etiquetas confirmando se tudo está de acordo com a expectativa.

18 Processo de emissão de etiquetas Criação das bases de dados e emissão de etiquetas Criação das bases de dados e emissão de etiquetas 5º passo Impressão das etiquetas Etiqueta energética Etiqueta de registo Informação adicional SISTEMA DE ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE PRODUTOS SUBSISTEMA JANELAS Registo de emissão JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx JA A+ Dados: xxxxxxxxxxxxxxxxxx O sistema providencia diversos tipo de output e impressão de acordo com tipo de papel, layout, etc Informação adicional pode ser parametrizada (listagens para obra, encomendas, cliente final, etc..) 6º passo Fornecimento do produto

19 SEEP enquanto plataforma integradora do setor O SETOR O CONTROLO DE QUALIDADE Fiscalização - Nível 1 Empresa de sistemas (Detentor) Fornecedor de acessórios/materiais Instalador Cliente final O CLIENTE FINAL FABRICANTE DE PRODUTO ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS ORGANISMOS NOTIFICADOS/ ACREDITADOS ENTIDADES FISCALIZADORAS SEEP SISTEMA DE ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE PRODUTOS OUTROS SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO SISTEMA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Fiscalização - Nível 2 Fiscalização - Nível 3 A GESTÃO E PROMOÇÃO DO SISTEMA LIGAÇÃO ENTRE SISTEMAS INTERAÇÃO ENTRE DIVERSAS ENTIDADES E SISTEMAS NO MERCADO DAS JANELAS

20 Perguntas e respostas sobre a plataforma SEEP Em que suporte funciona o SEEP? Trata-se de uma plataforma informática, gerida pela ADENE, na qual os vários intervenientes trabalham e os consumidores acedem a informação Quem se regista no sistema? Os Fabricantes registam-se no sistema e acedem via área privada. O que é necessário para caracterizar os produtos? Ensaios provenientes da marcação CE e determinação dos parâmetros obrigatórios para a avaliação do desempenho energético do produto. Quando pode o Fabricante emitir etiquetas? Assim que o Fabricante dispuser dos seus produtos totalmente caracterizados no sistema, pode emitir etiquetas desde esse momento. Onde são produzidas as etiquetas? As etiquetas são produzidas no sistema informático (acessível pela internet) e providenciadas em formato PDF.

21 SEEP Janelas operacional no início de 2013 Folheto de apresentação (para público em geral) Simulador de classes (para profissionaisl Aceda a mais informação e acompanhe as novidades em:

22 Para mais informações ADENE Agência para a Energia ANFAJE Associação Nacional Fabricantes de Janelas Eficiência

Etiquetagem energética de janelas

Etiquetagem energética de janelas Etiquetagem energética de janelas Apresentação sumária Fevereio 2013 Índice 1. A etiquetagem energética no contexto Europeu 2. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 3. SEEP Janelas 4. Determinação

Leia mais

Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas. Versão 1.0 Janeiro de 2014

Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas. Versão 1.0 Janeiro de 2014 Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas Versão 1.0 Janeiro de 2014 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 2. SEEP Janelas 3. Janelas Eficientes 4. Apoio ao consumidor

Leia mais

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias Promover a Eficiência Energética nos edifícios As PME do Sector Energético Desafios e estratégias 22 de Março 2013 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos 2. Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado

O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado ENERGY FOR SMART CITIES Cascais Painel Built Environment Lisboa, 28 a 30 de Novembro de 2012 Joana Fernandes

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS

ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS Mais inovação Maior valor-acrescentado para o sector APCMC 27 de Fevereiro 2013 Em parceria com 1 Indústria da caixilharia: um sector em mudança A indústria de caixilharia

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Junho 2014 Índice 1. A etiquetagem energética no contexto Europeu 2. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 3. Produtos Etiquetados

Leia mais

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu PROJECTO REQUEST Lisboa 10.10.2012 www.building-request.eu 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ANFAJE 2 A 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Missão A ANFAJE pretende representar e defender os seus associados bem

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Valorizamos a sua energia ÍNDICE AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO AR COMPRIMIDO CORREÇÃO FATOR DE POTÊNCIA DIAGNÓSTICO E AUDITORIA ENERGÉTICA ILUMINAÇÃO MONITORIZAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais

Etiqueta Energética de Elevadores

Etiqueta Energética de Elevadores Etiqueta Energética de Elevadores Para promover a eficiência energética dos elevadores instalados no seu edifício JULHO 2014 Conteúdos Os elevadores e o consumo de energia O Sistema de Etiquetagem Energética

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4 E X E M P L O S D E I N O V A Ç Ã O 2 0 0 8 2 Exemplos de Inovação Apresentação de alguns exemplos relacionados com os vários tipos de inovação para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Automatização do processo de Controlo Ambiental Auto-controlo ambiental Sendo a Indústria que detém fontes poluidoras (Cimenteiras, Produção de energia, Incineradoras, etc.), uma das mais intervenientes

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Imobilizado 2008 Imobilizado 2008. Imobilizado 2008

Imobilizado 2008 Imobilizado 2008. Imobilizado 2008 Descritivo completo Controle totalmente o seu património e automatize toda a carga administrativa com o processamento automático de amortizações e reavaliações e com a impressão simples e rápida dos mapas

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores

Etiquetagem Energética de Elevadores Etiquetagem Energética de Elevadores Metodologia de Desempenho Energético Simulador de Desempenho Energético Apresentação Maio 2015 Versão 1.0 Índice 1. Guia de Etiquetagem Energética de Elevadores 2.

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento Este projeto recebe financiamento da União Europeia no âmbito do programa de investigação e inovação Horizonte 2020, sob o contrato No649905 A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios

VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios Sheraton Lisboa Hotel & Spa, na sala White Plains Lisboa, 25 de Outubro de 2011 ADENE Agência para a Energia Rui

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos. 11 de novembro Custóias

Etiquetagem Energética de Produtos. 11 de novembro Custóias Etiquetagem Energética de Produtos 11 de novembro Custóias Produtos abrangidos pela diretiva europeia Foco da Comissão Europeia nos produtos que consomem energia Impacto direto no consumo de energia (Produtos

Leia mais

>>>>> Líder em Renovação

>>>>> Líder em Renovação >>>>> CONFORTO. SEGURANÇA. ISOLAMENTO ACÚSTICO. ISOLAMENTO TÉRMICO Líder em Renovação Serviço Global A DELEME COMERCIAL presta um Serviço Global aos seus clientes. Desde o primeiro contacto, até à conclusão

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP

Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP Sistemas de aquecimento Sistemas industriais Sistemas de refrigeração Directiva ErP A directiva ErP introduz a etiquetagem

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE CAIXILHARIA

EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE CAIXILHARIA EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE CAIXILHARIA Engº Ricardo Pereira Extrusal, S.A. Em 1972 foi fundada a EXTRUSAL Companhia Portuguesa de Extrusão, S.A. especializada na Extrusão de perfis em ligas de Alumínio

Leia mais

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS Ivo BRAGA 1 RESUMO Os Serviços de manutenção exigem cada vez mais um elevado nível de complexidade. Mesmo a nível local onde o grau de especialização

Leia mais

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas YET - Your Electronic Transactions Soluções globais de transações eletrónicas Conhecimento e experiência na desmaterialização de processos A YET Your Electronic Transactions é uma empresa especializada

Leia mais

Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA

Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA 6ª Reunião Anual PORTFIR 31 Outubro 2013 Silvério Paixão O Mundo está a mudar Sabia que? Os Consumidores

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

A Gestão operacional total da clínica ou consultório

A Gestão operacional total da clínica ou consultório Descritivo completo Clínica 2008 A Gestão operacional total da clínica ou consultório Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante Software PHC; Maior eficiência na Gestão de Marcações;

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 11 Hotelaria - Incentivo à promoção da Eficiência Energética 2015 ÍNDICE 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual o enquadramento

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

A solução de mobilidade que lhe permite aceder via Internet à gestão g comercial e facturação ç da sua empresa.

A solução de mobilidade que lhe permite aceder via Internet à gestão g comercial e facturação ç da sua empresa. Descritivo completo dnegócio 3 A solução de mobilidade que lhe permite aceder via Internet à gestão g comercial e facturação ç da sua empresa. Benefícios Consultar, alterar ou introduzir novos clientes;

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1. Qual o diploma que estabelece o regime de constituição, gestão e funcionamento do mercado organizado de resíduos (MOR), nos termos do n.º 2 do artigo 62.º do Decreto-Lei n.º 178/2006,

Leia mais

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows. ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 www.boavistawindows.com Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.com CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ALGUNS

Leia mais

O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto

O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto Isolamento acústico e poupança de energia com o vidro cria propriedades de isolamento acústico e térmico para uma melhor qualidade de vida. Mais de 80%

Leia mais

CDE Agências Bancárias

CDE Agências Bancárias CDE Agências Bancárias Andreia Carreiro Innovation Project Manager acarreiro@isa.pt Agenda 1. ISA Intelligent Sensing Anywhere S.A. ; 2. CDE BES Banco Espirito Santo; 1. Motivação; 2. Objetivos; 3. Dados

Leia mais

VERSÃO DIGITAL UM PIRATA? DISTRIBUIÇÃO PROIBIDA CONSEGUE RECONHECER. Saiba como reconhecer um pirata-das-janelas quando pede um orçamento de janelas.

VERSÃO DIGITAL UM PIRATA? DISTRIBUIÇÃO PROIBIDA CONSEGUE RECONHECER. Saiba como reconhecer um pirata-das-janelas quando pede um orçamento de janelas. CONSEGUE RECONHECER UM PIRATA? Saiba como reconhecer um pirata-das-janelas quando pede um orçamento de janelas. Tenha atenção redobrada quando tem diante de si uma empresa ou um comercial que lhe pretende

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

SISTEMA DE INSCRIÇÕES ONLINE

SISTEMA DE INSCRIÇÕES ONLINE PROPOSTA COMERCIAL SISTEMA DE INSCRIÇÕES ONLINE PARA EVENTOS Para: ADVB Aos cuidados de: Mastrângela APRESENTAÇÃO Viemos apresentar a nossa proposta comercial para utilização de eventize! para seus eventos

Leia mais

LIDACO. Solução Integral para a gestão de atividades ruidosas GESTÃO TOTAL DAS ATIVIDADES RUIDOSAS, SEM NECESSIDADE DE DESLOCAÇÃO

LIDACO. Solução Integral para a gestão de atividades ruidosas GESTÃO TOTAL DAS ATIVIDADES RUIDOSAS, SEM NECESSIDADE DE DESLOCAÇÃO D_LIDACO_v0006_20141223_PT LIDACO Solução Integral para a gestão de atividades ruidosas Características Solução COMPLETA para a gestão de atividades ruidosas. GESTÃO TOTAL DAS ATIVIDADES RUIDOSAS, SEM

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes.

A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes. Descritivo completo PHC dfront A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes. Benefícios Aumento da qualidade e eficiência

Leia mais

Certificação Energética de Edifícios. Andreia Bastos Brandão

Certificação Energética de Edifícios. Andreia Bastos Brandão Certificação Energética de Edifícios Andreia Bastos Brandão Sistema de Certificação Energética de Edifícios SCE é um instrumento de política energética cuja implementação tem contribuído para um maior

Leia mais

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório PHC Clínica CS A gestão operacional total da clínica ou consultório A informação confidencial sobre cada paciente, o seu historial e, se integrado com o módulo PHC Gestão CS, a gestão financeira e a facturação

Leia mais

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro.

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro. NEWSLETTER 1 O IDIT O IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica é uma associação privada de utilidade pública, sem fins lucrativos, cujo objectivo primordial é contribuir para a modernização

Leia mais

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO PONTO DE SITUAÇÃO DO PROCESSO OBJECTIVOS

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 LNEC - LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE LISBOA, 29/06/2015 O que é? Fundo de Eficiência Energética (FEE):

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

A Água é um recurso precioso e escasso. A EPAL segue uma estratégia orientada para a eficiência

A Água é um recurso precioso e escasso. A EPAL segue uma estratégia orientada para a eficiência Estratégia e Visão A Água é um recurso precioso e escasso Os operadores de sistemas de abastecimento são os primeiros responsáveis pelo fornecimento e uso eficiente da Água A EPAL segue uma estratégia

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências

Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências WORKSHOP Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências Os desafios... Como identificar e dar a conhecer aos proprietários as oportunidades de

Leia mais

A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção

A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção Marta Ferreira USGM Sistemas de Gestão e Melhoria 18-04-2013 1 Regulamento Directiva (UE) nº 89/106/CEE 305/2011

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

PHC Imobilizado CS BENEFÍCIOS. _ Gestão completa do património imobilizado. _ Impressão de mapas legais obrigatórios

PHC Imobilizado CS BENEFÍCIOS. _ Gestão completa do património imobilizado. _ Impressão de mapas legais obrigatórios PHCImobilizado CS DESCRITIVO O módulo PHC Imobilizado permite processar automaticamente as amortizacões/ reintegracões bem como as reavaliacões dos bens que compõem o imobilizado de uma empresa. PHC Imobilizado

Leia mais

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011 Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião Junho 2011 Objectivos Avaliar se os indivíduos que habitam em casas já certificadas, conhecem o respectivo certificado energético

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04 PIRELIÓFORO e (P Himalaia) Água Quente Solar Jorge Cruz Costa para DER/INETI para PORTUGAL Como desenvolver o solar sem cometer os erros dos anos 80? O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

1.1 Enquadramento... 5. 1.2 Objetivo e Definição... 5. 1.3 Vantagens... 6. 1.4 Critérios para Acreditação... 7. 1.5 Processo de Acreditação...

1.1 Enquadramento... 5. 1.2 Objetivo e Definição... 5. 1.3 Vantagens... 6. 1.4 Critérios para Acreditação... 7. 1.5 Processo de Acreditação... ÍNDICE 1 O Sistema de Acreditação de Produtos Eco 2 Seia... 5 1.1 Enquadramento... 5 1.2 Objetivo e Definição... 5 1.3 Vantagens... 6 1.4 Critérios para Acreditação... 7 1.5 Processo de Acreditação...

Leia mais

Aviso de confidencialidade

Aviso de confidencialidade Aviso de confidencialidade A informação que consta desta apresentação é confidencial. Qualquer forma de divulgação, reprodução, cópia ou distribuição total ou parcial da mesma é proibida, não podendo ser

Leia mais

Desafios Tecnológicos do Novo Código dos Contratos Públicos

Desafios Tecnológicos do Novo Código dos Contratos Públicos As Compras Como Fonte de Inovação e Valorização Impactos Apresentação da nova Corporativa legislação Confidencial Desafios Tecnológicos do Novo Código dos Contratos Públicos Miguel Sobral Administrador

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso

O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso Na atitude está a nossa diferença O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso Faturação Eletrónica Desmaterialização Documental Outsourcing TI Solução integrada para desmaterialização de documentos

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Índice. I O Sistema de Faturação Eletrónica ... Envio de faturas por email Integração direta das faturas no sistema de informação do Cliente ...

Índice. I O Sistema de Faturação Eletrónica ... Envio de faturas por email Integração direta das faturas no sistema de informação do Cliente ... Índice I O Sistema de Faturação Eletrónica.......................................................... Envio de faturas por email Integração direta das faturas no sistema de informação do Cliente...............

Leia mais

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 3 / 1. CONTEXTO 6 / 2. DIRECTIVA ECODESIGN (ErP) 7 / 3. ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 12 / 4. O MUNDO MUDA A ARISTON FICA A SEU LADO 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

PHC Imobilizado CS. ππ Cadastro e histórico de activos ππ Amortizações. ππ Reavaliações ππ Imparidades ππ Revalorizações ππ Abates ππ Mapas Legais

PHC Imobilizado CS. ππ Cadastro e histórico de activos ππ Amortizações. ππ Reavaliações ππ Imparidades ππ Revalorizações ππ Abates ππ Mapas Legais PHCImobilizado CS DESCRITIVO O módulo PHC Imobilizado permite processar automaticamente as amortizacões/depreciacões, as reavaliacões, as imparidades/reversões bem como as revalorizacões dos activos que

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS

BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS PHC Imobilizado CS DESCRITIVO O módulo PHC Imobilizado CS permite processar automaticamente as amortizacões/depreciacões, as reavaliacões, as imparidades/reversões, bem como as revalorizacões dos activos

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET BRASIL ABRIL de 2015 Matriz Cultural do Mercado O Brasil é grande consumidor de produtos gourmet, porém existe logicamente um processo seletivo destes

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Oportunidades de financiamento de projetos de eficiência energética AREA Alto Minho DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE PONTE LIMA, 5/06/2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE)

Leia mais

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 162/XII Aprova os requisitos de acesso e de exercício da atividade de perito qualificado para a certificação energética e de técnico de instalação e manutenção de edifícios e sistemas, conformando-o

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

O papel da AMESEIXAL no projeto LifeSaver

O papel da AMESEIXAL no projeto LifeSaver LifeSaver Context sensitive monitoring of energy consumption to support energy savings and emissions trading in industry O papel da AMESEIXAL no projeto LifeSaver Philippe Bollinger Conteúdo Introdução

Leia mais

de Janelas Eficientes

de Janelas Eficientes Este suplemento comercial faz parte integrante do JORNAL DE NOTÍCIAS de 10 de março de 2014 e não pode ser vendido separadamente Entrevista a João Ferreira Gomes, presidente da ANFAJE Associação Nacional

Leia mais

27 de Fevereiro de 2014. João Gomes (jgomes@centi.pt) Bernardina Pós de Mina (bernardina.mina@secil.pt)

27 de Fevereiro de 2014. João Gomes (jgomes@centi.pt) Bernardina Pós de Mina (bernardina.mina@secil.pt) 27 de Fevereiro de 2014 João Gomes (jgomes@centi.pt) Bernardina Pós de Mina (bernardina.mina@secil.pt) 1 ÍNDICE 1. OBJECTIVOS DO PROJECTO 2. ESTRATÉGIA TÉCNICO-CIENTÍFICA 3. I&D DAS ABORDAGENS TÉCNICO-CIENTÍFICAS

Leia mais

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO, A RELAÇÃO COM A BANCA Coimbra, 18 de Junho de 2014 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais