ALIMENTOS BRASILEIROS E SUAS PORÇÕES. Um guia para avaliação do consumo alimentar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALIMENTOS BRASILEIROS E SUAS PORÇÕES. Um guia para avaliação do consumo alimentar"

Transcrição

1 ALIMENTOS BRASILEIROS E SUAS PORÇÕES Um guia para avaliação do consumo alimentar

2 Um pouco da história 1996/1997 Estudo Multicêntrico sobre Consumo Alimentar (Galeazzi, MAM; Domene, SMA; Schieri, S) Registro Fotográfico para Inquéritos Dietéticos - Utensílios e Porções Zabotto, CB; Vianna, RPT; Gil, MF * Cunha, DTO; Moreira, MA; Reis, MAC; Monego, ET NEPA/UNICAMP, 1996

3 Proposta Desenvolver uma ferramenta para instrumentalizar a coleta de informações dietéticas usando imagens utensílios de cozinha alimentos in natura ou processados/preparados. variedades e tipos de alimentos com suas porções (pequena, média e grande)

4 ALIMENTOS BRASILEIROS E SUAS PORÇÕES: um guia para avaliação do consumo alimentar Estelamaris Monego; Maria do Rosário Peixoto; Raquel Santiago; Maria de Fátima Gil; Mariana de Morais Cordeiro; Marta Isabel Campos; Rávila Graziany de Souza Editora Rubio LTDA ISBN : ; ISBN 13: Ano 2013

5 Sumário Capítulo 1. Método Capítulo 2. Utensílios de cozinha Capítulo 3. Alimentos Capítulo 4. Alimentos em porções Capítulo 5. Composição dos alimentos

6 Metodologia: fotografias Estúdio montado junto ao Laboratório de Dietética/FANUT-UFG Fotografias foram obtidas imediatamente após o preparo para evitar perda das características sensoriais

7 Metodologia: fotografias Fotografias executadas por fotógrafo profissional Câmera fotográfica Canon 40 D - lente Canon mm Ângulo da lente fotográfica em relação ao alimento de 45º Fundo das fotografias foi propositalmente de cor neutra e as porções foram acondicionadas em prato de porcelana branco raso

8 Estudo piloto: validação das fotografias Objetivo verificar se as fotos representavam o tamanho real da porção Para a validação, os participantes foram solicitados a visualizar fotos dos três tamanhos de porções e identificar qual a porção lhe foi apresentada do alimento recém preparado

9 Estudo piloto: validação das fotografias Todos os alimentos tiveram um índice de acerto superior a 50%, indicando boa representatividade das fotos comparadas à porção real do alimento

10 Metodologia: escolha dos alimentos Critérios de inclusão: alimentos representativos dos hábitos alimentares do brasileiro e cujas medidas caseiras não fossem facilmente descritas por meio de utensílios alimentos incluídos no Guia Alimentar para a População Brasileira e no Estudo Multicêntrico (estudo de consumo alimentar familiar) (BRASIL, 1997; BRASIL, 2006)

11 Metodologia: escolha dos alimentos Selecionados e fotografados 157 alimentos e preparações 108 opções de alimentos representados por seus tipos e variedades: 54 Frutas 54 frutas 9 castanhas e sementes comestíveis 27 Hortaliças 6 Queijos 12 Massas

12 Metodologia: escolha dos alimentos 49 alimentos em porções individuais em 3 tamanhos diferentes, totalizando 147 porções de alimentos 5 doces 5 Frutas 1 Queijo 1 tipo de castanhas e sementes comestíveis

13 Metodologia: escolha dos alimentos 49 alimentos em porções individuais em 3 tamanhos diferentes, totalizando 147 porções de alimentos 8 Massas 16 Hortaliças 10 preparações de carnes 3 Tubérculos

14 Metodologia: escolha dos alimentos Variedades e tipos de alimentos com suas porções Porção pequena: subtração de 50% do total da gramatura da porção média Porção média: representada pela porção de consumo usual apresentada no Guia Alimentar para a População Brasileira Porção grande: soma de 50% do total da gramatura da porção média

15 Metodologia: utensílios e medidas caseiras

16 Metodologia: utensílios e medidas caseiras Medidas caseiras (colher) Cheia Rasa Nivelada

17 Composição Nutricional Composição centesimal: valor energético, proteína, carboidrato, lipídeo, ferro, cálcio e sódio Tabela Brasileira de Composição de Alimentos TACO (NEPA - UNICAMP, 2006) Tabela do Estudo Nacional da Despesa Familiar ENDEF (IBGE, 1999) Tabela de Composição de Alimentos: suporte para decisão nutricional (PHILIPPI, 2002) Tabela para Avaliação de Consumo Alimentar em Medidas Caseiras (PINHEIRO et al., 2005) Outras publicações - PACHECO, 2006; VERA et al., 2010; USDA, 2010 Exemplo :

18

19 Referências IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estudo Nacional de Despesa Familiar. Tabelas de composição de alimentos. Rio de Janeiro, 5 ed, BRASIL. MS. Estudo multicêntrico sobre consumo alimentar. Brasília, p. BRASIL. MS. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição (CGPAN). Guia Alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília, NELSON, M.; HARALDSDÓTTIR, J. Food photographs: pratical guidelines II. Development and use of photographic atlases for assessing food portion size. Public Health Nutrition, London, v. 1, n. 4, p , NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ALIMENTAÇÃO NEPA. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. Tabela brasileira de composição de alimentos TACO. Campinas, 2 ed, PHILIPPI, ST. Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. São Paulo: Metha, 2. ed, PINHEIRO, ABV.; LACERDA, EMA.; BENZECRY, EH.; GOMES, MC.; COSTA, V. M. Tabela de avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. Rio de Janeiro: Atheneu, 5 ed, UNITED STATES DEPARTAMENT OF AGRICULTURE (USDA). NATIONAL AGRICULTURAL LIBRARY. National Nutrient Database for Standard Reference. VENTER, C. S.; MACINTYRE, U.E.; VORSTER, H. H. The development and testing of a food portion photograph book for use in African population. Journal of Human Nutrition Dietetetics, Edinburgh, v.13, n. 4, p , VERA, R.; SOARES JÚNIOR, M. S.; NAVES, R. V.; SOUZA, E. L. B.; FERNANDES, E. P.; CALIARI, M.; LEANDRO, W. M. Características químicas de amêndoas de barueiros (Dipteryx Alata Vog.) de ocorrência natural no cerrado do estado de Goiás, BRASIL. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 31, n. 1, BLANTON, C. A.; MOSHFEGH, A. J.; BAER, D. J.; KRETSCH, M. J. The USDA automated multiple-pass method accurately estimates group total energy and nutrient intake. Journal of Nutrition, v. 136, p , 2006.

PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Nome da disciplina: Composição de Alimentos (NUT 004)

PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Nome da disciplina: Composição de Alimentos (NUT 004) PROGRAMA DE DISCIPLINA I - DADOS GERAIS 1. Nome da disciplina: Composição de Alimentos (NUT 004) 2. Curso: Nutrição 3. Departamento: Nutrição 4. Período do Curso: 2º 5. Número de Créditos: 02 6. Pré-requisitos:

Leia mais

Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo 1 Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo TABELA DE COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS ALIMENTOS Manual do Usuário 2014 São Paulo 2 Sumário Página inicial...

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO DE PORÇÕES ALIMENTARES PARA USO EM INQUÉRITOS DIETÉTICOS E EDUCAÇÃO NUTRICIONAL

REGISTRO FOTOGRÁFICO DE PORÇÕES ALIMENTARES PARA USO EM INQUÉRITOS DIETÉTICOS E EDUCAÇÃO NUTRICIONAL 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 REGISTRO FOTOGRÁFICO DE PORÇÕES ALIMENTARES PARA USO EM INQUÉRITOS DIETÉTICOS E EDUCAÇÃO NUTRICIONAL Valéria Brumato Regina 1 ; Felipe Agnello Vilaça Ferreira

Leia mais

VERIFICAÇÃO DO VALOR NUTRICIONAL DAS REFEIÇÕES PRODUZIDOS NUM RESTAURANTE COMERCIAL

VERIFICAÇÃO DO VALOR NUTRICIONAL DAS REFEIÇÕES PRODUZIDOS NUM RESTAURANTE COMERCIAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 VERIFICAÇÃO DO VALOR NUTRICIONAL DAS REFEIÇÕES PRODUZIDOS NUM RESTAURANTE COMERCIAL Edna Kiyomi Kassuya

Leia mais

Nota Técnica: Conversor de Aquisições de Alimento

Nota Técnica: Conversor de Aquisições de Alimento Nota Técnica: Conversor de Aquisições de Alimento em Energia e Nutrientes (AQUINUT) 1 Rafael Moreira Claro a Eliseu Verly Jr b Renata Bertazi Levy a Carlos Augusto Monteiro a,b Modelo de citação: NUPENS/USP

Leia mais

COMPOSIÇÃO CENTESIMAL E VALOR ENERGÉTICO DE PRATOS TRADICIONAIS DO RIO GRANDE DO SUL

COMPOSIÇÃO CENTESIMAL E VALOR ENERGÉTICO DE PRATOS TRADICIONAIS DO RIO GRANDE DO SUL Bento Gonçalves, 21 de Agosto de 2008. COMPOSIÇÃO CENTESIMAL E VALOR ENERGÉTICO DE PRATOS TRADICIONAIS DO RIO GRANDE DO SUL P.C.P. Santos 1, C.R. Nespolo 1, F.O. Arboite 1, C.M. Veríssimo 2, B.D. Vivan

Leia mais

Instrumento imagético para orientação nutricional

Instrumento imagético para orientação nutricional UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIA GONÇALVES MICALI ROSA WANDA DIEZ GARCIA Instrumento imagético para orientação nutricional Ribeirão Preto 2014 FLÁVIA GONÇALVES MICALI

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS - CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO NUTRIÇÃO PROGRAMA E PLANO DE ENSINO SEMESTRE

UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS - CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO NUTRIÇÃO PROGRAMA E PLANO DE ENSINO SEMESTRE UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS - CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO NUTRIÇÃO PROGRAMA E PLANO DE ENSINO SEMESTRE 2014-2 I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME DA DISCIPLINA

Leia mais

Índice de Qualidade da Dieta

Índice de Qualidade da Dieta Veris Faculdades Curso de Nutrição Avaliação Nutricional II Índice de Qualidade da Dieta O estudo da dieta com suas diversas combinações de alimentos, mais do que o consumo de itens alimentares individuais

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Análise de Alimentos CÓDIGO: ALM023 DEPARTAMENTO: Departamento de Alimentos PROGRAMA DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TEÓRICA CARGA HORÁRIA PRÁTICA CRÉDITOS 15 45 04 VERSÃO CURRICULAR: 2016/1 PERÍODO:

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado

Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado Café da manhã fundamental para começar bem o dia Diversos estudos comprovam a importância do café da manhã no contexto de uma alimentação saudável,

Leia mais

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos?

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos? 1. Introdução Educar para uma alimentação saudável é essencial na tentativa de ajudar os jovens a tornar as escolhas saudáveis escolhas mais fáceis. Educar para comer bem e de uma forma saudável, constitui

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE BARU (Dipteryx alata Vog.) DA REGIÃO SUL DO ESTADO DE GOIÁS

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE BARU (Dipteryx alata Vog.) DA REGIÃO SUL DO ESTADO DE GOIÁS CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE BARU (Dipteryx alata Vog.) DA REGIÃO SUL DO ESTADO DE GOIÁS Jean Carlos Rodrigues LIMA; Adriana Regia Marques de SOUZA; Katiuchia Pereira TAKEUCHI ESCOLA DE AGRONOMIA

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 2 Período: 2 Disciplina: Composição de Alimentos (Food Composition) Carga Horária Total: 45 Teórica: 45 Atividade Prática: 0 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl.

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO?

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES Fonte: ANVISA - Aência Nacional de Viilância Sanitária APRESENTAÇÃO Neste manual, vamos conhecer alumas

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE LABORATÓRIO DE ESTUDO EXPERIMENTAL DOS ALIMENTOS 13. NHOQUE DE SOJA COM MOLHO DE PROTEINA TEXTURIZADA

Leia mais

A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza

A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza Isabel Cristina Martins Santos Montovideo, 09 de setembro de 2009 Pesquisa de Orçamentos Familiares Despesas e Rendimentos monetários e

Leia mais

Comparação de dois programas computacionais utilizados na estimativa do consumo alimentar de crianças

Comparação de dois programas computacionais utilizados na estimativa do consumo alimentar de crianças Comparação de dois programas computacionais utilizados na estimativa do consumo alimentar de crianças Comparison of two nutrition software applications used to estimate food intake of children Rosana Salles-Costa

Leia mais

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? F. F. Paiva, G. Cavada, E. Helbig, L. R. Borges Flávia Fernandes Paiva Gramado, 2012 Introdução Vida mais corrida Modificações alimentares + Maus hábitos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO DO MOSTEIRO DA RESSURREIÇÃO

ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO DO MOSTEIRO DA RESSURREIÇÃO 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA

Leia mais

Development of a questionnaire to assess food intake of population groups

Development of a questionnaire to assess food intake of population groups ORIGINAL ORIGINAL INQUÉRITO ALIMENTAR 59 Desenvolvimento de um inquérito para avaliação da ingestão alimentar de grupos populacionais Development of a questionnaire to assess food intake of population

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações)

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos por Deborah Markowicz Bastos, Luisa Oliveira

Leia mais

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis ESTIMAÇÃO DE POPULAÇÕES HUMANAS VIA IMAGENS DE SATÉLITE: COMPARANDO ABORDAGENS E MODELOS Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Multivitamínicos Minerais. Regulamentação no Brasil

Multivitamínicos Minerais. Regulamentação no Brasil Multivitamínicos Minerais Regulamentação no Brasil Workshop sobre Estratégia de Fortificação Caseira no Brasil 29 e 30 de setembro Brasília (DF) Regulamentação Suplementos vitamínicos e ou minerais (Alimentos)

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 Definição e estimativa Envelhecer significa conviver com as alterações próprias prias da idade.

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR Alimentação Boa Pra Você Todo ser vivo precisa se alimentar para obter energia e nutrientes para se desenvolver. No caso do ser humano, os alimentos trazem

Leia mais

FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA SOBRE PROCESSOS PARA CONSERVAÇÃO DE FRUTAS" Parte III- PRODUÇÃO DE FRUTAS DESIDRATADAS

FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA SOBRE PROCESSOS PARA CONSERVAÇÃO DE FRUTAS Parte III- PRODUÇÃO DE FRUTAS DESIDRATADAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA

Leia mais

O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor

O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor Renata Maria Padovani e Jaime Amaya-Farfan (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação) Segurança a Alimentar Segurança alimentar Inocuidade

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos

Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos Maria da Graça Dias Departamento de Alimentação e Nutrição Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, I.P. Sumário Introdução Curso e-learning FAO/INFOODS

Leia mais

Sistemas de gestão de base de dados de composição de alimentos computadorizados e intercâmbio

Sistemas de gestão de base de dados de composição de alimentos computadorizados e intercâmbio Sistemas de gestão de base de dados de composição de alimentos computadorizados e intercâmbio U. Ruth Charrondière FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos

Leia mais

Questionários de Frequência de Consumo Alimentar desenvolvidos e validados para população do Brasil: revisão da literatura

Questionários de Frequência de Consumo Alimentar desenvolvidos e validados para população do Brasil: revisão da literatura DOI: 10.1590/1413-81232015209.12602014 2697 Questionários de Frequência de Consumo Alimentar desenvolvidos e validados para população do Brasil: revisão da literatura Food Frequency Questionnaire developed

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Prêmio Jovem Cientista

Prêmio Jovem Cientista 1 Prêmio Jovem Cientista Linhas de Pesquisa: Cuidados com a saúde e nutrição nos esportes ELABORAÇÃO DE FARINHAS INTEGRAIS ENRIQUECIDA COM FRUTOS DO CERRADO (BARU) VISANDO ATENDER AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS

Leia mais

DICAS PARA PAIS E FILHOS

DICAS PARA PAIS E FILHOS DICAS PARA PAIS E FILHOS Orientações práticas para Crianças e Adolescentes com Sobrepeso ou Obesidade APRESENTAÇÃO Este trabalho foi desenvolvido pelas alunas Charlene Lopes, Elisangela de Paula Silva

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA

AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA 93 AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA Gabriela de Souza Oliveira¹,Vânia Mayumi Nakajima² Resumo: Considerando a importância

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

PROJETO ESCOLA DO SABOR

PROJETO ESCOLA DO SABOR PROJETO ESCOLA DO SABOR COMPANHIA DE ENTREPOSTOS E ARMAZÉNS GERAIS DE SÃO PAULO CEAGESP 2012 1. INTRODUÇÃO A alimentação infantil escolar deve ser nutricionalmente equilibrada, confeccionada com alimentos

Leia mais

Plano de Ensino. ALBEB - Alimentos e Bebidas Período Letivo 2012 - Anual Currículo 13002006 Carga Horária Anual 80 Série 4a Série

Plano de Ensino. ALBEB - Alimentos e Bebidas Período Letivo 2012 - Anual Currículo 13002006 Carga Horária Anual 80 Série 4a Série Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Turismo ALBEB - Alimentos e Bebidas Período Letivo 2012 - Anual Currículo 13002006 Carga Horária Anual 80 Série 4a Série Ementa O estudo

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO

FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO 1 FICHA TÉCNICA: Como abrir a ficha técnica do alimento? Para inserir Novo alimento clique no botão para abrir ficha. Para Pesquisar Alimentos do banco de dados clique no botão

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS 1. INTRODUÇÃO GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS O pão francês é um alimento tradicionalmente consumido pela população brasileira, principalmente em refeições como o café da manhã e o lanche

Leia mais

CARDÁPIOS SUBSTITUTOS. Prof a - Andréa Araújo

CARDÁPIOS SUBSTITUTOS. Prof a - Andréa Araújo CARDÁPIOS SUBSTITUTOS Prof a - Andréa Araújo Por grupos alimentares Por equivalentes nos grupos alimentares Por equivalentes da pirâmide Pelo VET Por Grupos alimentares Grupo de Alimentos: Classificação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE EDUCAÇÃO CED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PPGE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE EDUCAÇÃO CED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PPGE Linha A: Formação, Didática e Trabalho Docente Núcleo 1: Didática, Saberes Docentes e Práticas Pedagógicas - Maria Socorro Lucena Lima - Jacques Therrien - Maria Marina Dias Cavalcante Local: Sala do Prof.

Leia mais

lacunifera Ducke). Renata Carvalho Neiva,Regilda Saraiva dos Reis Moreira-Araújo

lacunifera Ducke). Renata Carvalho Neiva,Regilda Saraiva dos Reis Moreira-Araújo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA- PROPESQ COORDENAÇÃOO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CITEC Programa Institucional de Bolsa em Desenvolvimento Tecnológico einovação

Leia mais

CORTE O AÇÚCAR, ELIMINE GRÃOS E FARINHAS, NÃO CONSUMA NADA PROCESSADO E CORTE LATICÍNIOS.

CORTE O AÇÚCAR, ELIMINE GRÃOS E FARINHAS, NÃO CONSUMA NADA PROCESSADO E CORTE LATICÍNIOS. Desafio: Whole30 INTRODUÇÃO Seja bem-vindo ao seu novo programa de reeducação alimentar Whole30! A partir de hoje durante 30 dias você vai seguir essa dieta exatamente como está aqui. Cada vez que você

Leia mais

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira Alimentação no primeiro ano de vida Verônica Santos de Oliveira Nutrição nos Primeiros Anos de Vida Deixe que a alimentação seja o seu remédio e o remédio a sua alimentação ( Hipócrates ) Nutrição nos

Leia mais

OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET

OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET ELABORADA COM SUCO DE MARACUJÁ* Ana Cândida Barbieri Lamante** Marcela Aparecida Dada** Mariana Furquim** Camila Gravena** Flávia Berwerth Bellarde*** Flávia Della Lucia**** Introdução

Leia mais

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Projeto 8: Conhecimento para Inovação Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Equipe Técnica Laboratório do Ambiente Construído, Inclusão e Sustentabilidade LACIS/FAU/CDS/UnB: Coord. Geral: Raquel Naves

Leia mais

MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES

MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES TERESINA-PI SETEMBRO/11 1 ORIENTADORAS: Adriana de Azevedo Paiva Nutricionista, Doutora em Saúde Pública, Profa. da Disciplina Dietoterapia I da Universidade Federal do Piauí

Leia mais

* A História da Alimentação. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* A História da Alimentação. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * A História da Alimentação 2 1 3 4 No final do curso você terá as respostas destas perguntas Diante de tanta informação... No que devemos acreditar? 5 6 7 8 9 10 11 12 *Você presta atenção nos alimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO NUTRIÇÃO PROGRAMA E PLANO DE ENSINO SEMESTRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO NUTRIÇÃO PROGRAMA E PLANO DE ENSINO SEMESTRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO NUTRIÇÃO PROGRAMA E PLANO DE ENSINO SEMESTRE 2014-2 I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME DA DISCIPLINA N O DE HORAS-AULA

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA CIDADE DE CASCAVEL NO PARANÁ

ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA CIDADE DE CASCAVEL NO PARANÁ 2 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA CIDADE DE CASCAVEL NO PARANÁ SCHIMILOSKI, Franciely 1 CEZAR, Thais Mariotto 2 RESUMO Tendo

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: NUTRIÇÃO APLICADA AO PROCESSO SAÚDE DOENÇA Código: ENF 306 Pré-requisito:

Leia mais

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Alimentos Universidade

Leia mais

Estratégias Governamental para Redução do Sódio

Estratégias Governamental para Redução do Sódio VIII REUNIÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTOS Goiânia, 22,23 e 24/08/12 Estratégias Governamental para Redução do Sódio DENISE DE OLIVEIRA RESENDE Gerente-Geral de Alimentos Ações Governamentais :

Leia mais

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Leia mais

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e Análise dos resultados Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e grupos de alimentos, consumo de nutrientes e ainda algumas análises que combinam nutrientes e grupos de alimentos ou

Leia mais

Titulação: Bacharel em Nutrição; Especialista em Nutrição e Saúde; MBA EM Gestão Executiva de Negócio; Mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade.

Titulação: Bacharel em Nutrição; Especialista em Nutrição e Saúde; MBA EM Gestão Executiva de Negócio; Mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade. C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Nutrição e Dietética Código: ODO-19 Pré-requisito:

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Castanha à lupa. Conceção: Mariana Barbosa. Corpo redatorial: Mariana Barbosa; Isabel Tristão

Ficha Técnica. Título: Castanha à lupa. Conceção: Mariana Barbosa. Corpo redatorial: Mariana Barbosa; Isabel Tristão Castanha à lupa Ficha Técnica Título: Castanha à lupa Conceção: Mariana Barbosa Corpo redatorial: Mariana Barbosa; Isabel Tristão Revisão: Célia Craveiro; Sandra Dias; Sónia Xará; Teresa Rodrigues Propriedade:

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 CASSANEGO, Daniela Buzatti 2 ; MATTANNA, Paula 2 ; GUSSO, Ana Paula 2 ;

Leia mais

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35 Manter a saúde, deixar a barriga sarada e aumentar a energia são benefícios que podem ser conquistados com a escolha correta dos alimentos. Alguns itens colaboram para ter ossos fortes, queimar gordura,

Leia mais

ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde

ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde Diretrizes da Política Nacional de Alimentação e Nutrição Organização da Atenção Nutricional

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

Gastronomia. Disciplina: ELEMENTOS DA NUTRIÇÃO. 1. Conceitos importantes no estudo da nutrição

Gastronomia. Disciplina: ELEMENTOS DA NUTRIÇÃO. 1. Conceitos importantes no estudo da nutrição Gastronomia Disciplina: ELEMENTOS DA NUTRIÇÃO 1. Conceitos importantes no estudo da nutrição 1- CONCEITOS IMPORTANTES NO ESTUDO DA NUTRIÇÃO ALIMENTO: Do ponto de vista clínico, qualquer substância que

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável Alimentação Saudável O que é a alimentação saudável? A Alimentação Saudável é uma forma racional de comer que assegura variedade, equilíbrio e quantidade justa de alimentos escolhidos pela sua qualidade

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA RECEITA

FICHA TÉCNICA DA RECEITA FICHA TÉCNICA DA RECEITA 1 1 FICHA TÉCNICA DA RECEITA. + de 1.270 receitas para serem multiplicadas. Para criar um novo cadastro, clique no botão Nova Receita. A melhor forma para adicionar uma nova receita

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

OFICINAS ECO-GASTRONÔMICAS SABOR DE SOBRA: O APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS COMO PRÁTICA EXTENSIONISTA 1

OFICINAS ECO-GASTRONÔMICAS SABOR DE SOBRA: O APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS COMO PRÁTICA EXTENSIONISTA 1 OFICINAS ECO-GASTRONÔMICAS SABOR DE SOBRA: O APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS COMO PRÁTICA EXTENSIONISTA 1 Yoná da Silva Dalonso 2 ; Mariana Falcão Duprat 3 ; Elaine Cristina Borges Scalabrini 4 RESUMO:

Leia mais

Carne suína e dietas saudáveis para o coração. Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas

Carne suína e dietas saudáveis para o coração. Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas Carne suína e dietas saudáveis para o coração Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas As doenças cardiovasculares representam uma preocupação crescente para os profissionais

Leia mais

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Gabinete/Cargo Nome Extensão E-mail Diretor Luiz Felipe Rocha de Faria 1450 lef@isep.ipp.pt Sub-diretor(es) António Constantino Lopes 1462 acm@isep.ipp.pt

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

* 10 Passos para uma Alimentação Saudável. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* 10 Passos para uma Alimentação Saudável. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * 10 Passos para uma Alimentação Saudável * O ato da alimentação deve estar inserido no cotidiano das pessoas, como um evento agradável e de socialização 1 Fonte: GUIA ALIMENTAR DA POPULAÇÃO BRASILEIRA:

Leia mais

Manuais Adotados 2015-2016. Curso: Ciências e Tecnologias Opções: F.Q.-A + B.G.

Manuais Adotados 2015-2016. Curso: Ciências e Tecnologias Opções: F.Q.-A + B.G. Curso: Ciências e Tecnologias Opções: F.Q.-A + B.G. - Educação Física - - Matemática A - Biologia - CCH Biologia 12 978-989-647-050-0 Osório Da Cunha Matias Santos, Pedro Nuno Gomes Bastos Martins Areal

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE RESÍDUOS QUÍMICOS E O PROCESSO DE DESCARTE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Ao final deste capítulo, você poderá Ø Explicar rótulos de alimentos Ø Decidir quais alimentos são melhores com base em três fatores Capítulo 13 Nutrição:

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

INSTRUÇÕES. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO VESTIBULAR DE INVERNO 2012 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA

INSTRUÇÕES. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO VESTIBULAR DE INVERNO 2012 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA 3 a etapa: Química, Matemática e Física Química 16 a 30 Matemática 31 a 45 Física 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA 31 23 03 30 15 31 11 22 27 29 06 15 21 31 10 23 05 27 31 06 13 06 21 31 15 03 26

Leia mais

Projetos para a Sala de Aula

Projetos para a Sala de Aula Projetos para a Sala de Aula 5 a a 8 a SÉRIES 5. COMO COMO? Comparação entre sua dieta diária e a recomendação da USDA SOFTWARES NECESSÁRIOS: SOFTWARE OPCIONAL: MICROSOFT EXCEL 97 MICROSOFT WORD 97 MICROSOFT

Leia mais