EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÚNICA DA COMARCA DE PLANALTO - BAHIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÚNICA DA COMARCA DE PLANALTO - BAHIA"

Transcrição

1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÚNICA DA COMARCA DE PLANALTO - BAHIA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, por intermédio da Promotora de Justiça infrafirmada, nos termos do art.129, III, da Constituição Federal, art.72, IV, a, da Lei Complementar Estadual n.º11/96, e das Leis n.º 7.345/85 e n.º 8.429/92, e lastreado nos autos do Inquérito Civil número --/2004, que seguem anexos, vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, propor a presente AÇÃO CIVIL POR ATO DE IMPROBIDADE, com pedido liminar, contra JOSÉ MARIVALDO CALAZANS, brasileiro, casado, atual prefeito do Município de Planalto/Ba, residente e domiciliado na Pç. Raul Lopes Moitinho, n.º 655, nesta cidade, podendo ser encontrado, para fins de notificação, citação e intimação, no seu local de trabalho, sede da Prefeitura de Planalto; LEANDRA SANTOS CALAZANS COSTA, brasileira, estado civil ignorado, portadora do RG n.º , SSP/BA, servidora

2 pública municipal, residente e domiciliada nesta cidade, podendo ser encontrada na Rua Manoel Inácio de Oliveira, nº 193, centro, ou na sede da Prefeitura de Planalto-BA; LORENZO SANTOS CALAZANS, brasileiro, estado civil ignorado, portador do RG n.º , SSP/BA, inscrito no CPF sob o n.º , servidor público municipal, residente e domiciliado nesta cidade, podendo ser encontrado na Pç. Raul Lopes Moitinho, n.º 655, centro, ou na sede da Prefeitura de Planalto-BA; CÉLIO EUSTÁQUIO RIBEIRO CAMPOS, brasileiro, casado, servidor público municipal, portador do RG n.º , SSP/SP, inscrito no CPF sob o n.º , residente e domiciliado nesta cidade, podendo ser encontrado na Rua Manoel Inácio de Oliveira, nº 193, centro, ou na sede da Prefeitura de Planalto-BA, pelos motivos de fato e de direito que passa a expor: PRIMEIRO GRAU. I - DA COMPETÊNCIA DO JUÍZO DE DIREITO DO Inicialmente, para que não se suscitem argumentos desarrazoados acerca do assunto, cumpre apontar que é este juízo de primeiro grau que deve processar e julgar o presente feito. 2

3 Com efeito, é cediço que a matéria de competência originária dos Tribunais de Justiça dos Estados foi remetida pelo Poder Constituinte originário aos constituintes estaduais, que, no Estado da Bahia, apenas estabeleceu a competência originária do Tribunal de Justiça para julgar os feitos em que os prefeitos municipais figurem como réus, única e exclusivamente em matéria criminal (art.123, inc.i, alínea a, da Constituição Estadual), seguindo, assim, a ressalva do art.29, inciso VIII, da Constituição Federal. Destarte, em atendimento ao comando constitucional acima citado, a jurisprudência majoritária e mais abalizada firmou o entendimento de que é o juízo de primeiro grau o foro competente para processar e julgar as ações cíveis por ato de improbidade administrativa propostas em desfavor de prefeitos municipais. Veja-se: AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA MOVIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO CONTRA PREFEITO E OUTROS AGENTES POLÍTICOS DO MUNICÍPIO JUÍZO COMPETENTE LOCAL DO FATO DANOSO DECISÃO FUNDAMENTADA QUANTUM SATIS. A Ação Civil Pública por improbidade administrativa, sob qualquer ângulo que se examine, é sempre uma ação que vise o ressarcimento do poder público pelos atos atentatórios à moralidade da administração pública, praticados por agentes políticos, servidores ou terceiros e, assim, 3

4 competente será o Juízo Cível para conhecer e aplicar as cominações respectivas. Agravo improvido. (1ª CCv., AI n.º , de Girua, j , rel.des.luiz Felipe Silveira Difini http//www.tj.rs.gov.br jurisprudência - Primeira Câmara Cível) Todavia, em 24 de dezembro de 2002, foi promulgada a Lei n /2002, que alterou o art. 84 do Código de Processo Penal, estendendo o foro por prerrogativa de função às ações por ato de improbidade administrativa, inclusive quando dita ação tenha sido intentada após a cessação do exercício da função. Segundo, pois, o teor da alteração legislativa sob comento, a competência para processar e julgar as ações civis por ato de improbidade administrativa ajuizadas contra chefes do poder executivo municipal, como ocorre no caso vertente, seria do Tribunal de Justiça dos respectivos Estados. À evidência, a Lei /2002 é inconstitucional, conforme sustentou a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público CONAMP em Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada perante o Supremo Tribunal Federal, da lavra do Doutor Aristides Junqueira. In verbis: Com esses dispositivos, o legislador ordinário arvorou-se em Poder Constituinte e acrescentou mais uma competência originária ao rol exaustivo de competências de cada 4

5 tribunal, além de se arvorar, desastradamente, em intérprete maior da Constituição. Com efeito, é cediço que constitui tradição vetusta do ordenamento jurídico pátrio que a repartição da competência jurisdicional, máxime da competência originária para processo e julgamento de crimes comuns e de responsabilidade, é fixada na Constituição da República, de forma expressa e exaustiva, vedada qualquer interpretação extensiva. Se assim é com relação ao Supremo Tribunal Federal, aos tribunais superiores, aos tribunais regionais federais e aos juízes federais, também o é com relação aos tribunais estaduais, cuja competência também há de ser fixada em sede constitucional estadual, segundo expresso mandamento da Constituição Federal (...) Ora, definir é pôr limites e, se os limites da competência dos tribunais estão no texto constitucional, quer federal, quer estadual, não pode o legislador ordinário ultrapassálos, acrescentando nova competência ao rol exaustivo posto na Constituição, como se poder constituinte fosse. Que o rol de competência dos tribunais é de direito estrito e tem fundamento constitucional trata-se de entendimento reiteradamente proclamado por essa 5

6 excelsa Corte, como se extrai, a título exemplificativo, da ementa do v. acórdão relativo à Petição 693 AgR/SP, Relator o eminente Ministro Ilmar Galvão, assim redigida (...) Inúmeros são, também, os julgados desse colendo Supremo Tribunal Federal, relativamente à falta de sua competência originária para processo e julgamento de ação popular contra o Presidente da República, por se tratar de matéria não contemplada no exaustivo rol de competência fixado em sede constitucional. Não pode, pois, a lei ordinária, como o Código de Processo Penal, regular matéria que só pode ter sede constitucional. O que já se expôs é bastante para demonstrar a inconstitucionalidade de ambos os parágrafos, aqui questionados. Especificamente quanto ao 1º, ora impugnado, o legislador ordinário se arvora em intérprete do texto constitucional, no que diz respeito à própria competência dos tribunais, inclusive dessa Suprema Corte, dando-lhe interpretação divergente daquela já firmada por esse Tribunal Maior, consubstanciada no cancelamento da Súmula 394, que tinha o seguinte enunciado: 6

7 Cometido o crime durante o exercício funcional, prevalece a competência especial por prerrogativa de função, ainda que o inquérito ou a ação penal sejam iniciados após a cessação daquele exercício. Ora, se o intérprete maior da Constituição, o Supremo Tribunal Federal, já decidiu, há quase um lustro, que o texto constitucional não contempla a hipótese de prorrogação do foro por prerrogativa de função, quando cessado o exercício desta, não pode o legislador ordinário editar norma de natureza constitucional, como se esta tivesse o condão de compelir a Suprema Corte a voltar à interpretação, já abandonada, de uma norma da Constituição. Já quanto ao 2º, o legislador ordinário, a par de travestir-se em poder constituinte e, também em intérprete da Constituição, tal como quanto ao 1º, pretende revelar, ainda, poderes premonitórios ou servirse do seu mister legislativo como forma de pressão sobre esse Supremo Tribunal Federal, pois o tema nele posto constitui questão que é objeto de julgamento em curso. Outrossim, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, ao apreciar a matéria sob exame assim pronunciou-se sobre o teor da Lei /2002: 7

8 Inicialmente, fica rejeitada a preliminar de incompetência de foro por prerrogativa de função, pois a Lei Federal n /2002 não encontra fundamento na Constituição Federal de O art. 37, 4º, da Magna Carta trata da suspensão dos direitos políticos, perda da função pública, indisponibilidade dos bens e ressarcimento ao Erário, para os atos de improbidade administrativa, sem prejuízo da ação penal cabível. A ação proposta tem natureza eminentemente civil, não obstando possa ser ajuizada a competente ação penal (trecho do Acórdão do Agravo de Instrumento número /1-00 Rel. Elzio Stelato Júnior). Finalmente, como já deve ser do conhecimento desse MM. Juízo, o pleno do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, acompanhando o entendimento dos Tribunais de Justiça de São Paulo e Goiás, nos autos de uma ação de improbidade administrativa que o Ministério Público Estadual ajuizou contra o prefeito do Município de Tucano/Ba, reconheceu a inconstitucionalidade da Lei /02 e determinou o retorno do expediente para o juízo de primeiro grau, por ser o órgão competente para processá-lo e julgá-lo (vide cópia do DJU de 09 de março de 2004 acostado ao ICP anexo). Como se observa, não resta alternativa razoável senão concluir-se que é da competência do Juízo de Direito da Comarca de Planalto/Ba o processo e julgamento do presente feito, eis que os 8

9 dispositivos contrários a este entendimento, contidos na Lei /2002, são flagrantemente inconstitucionais, na medida em que se tratando de lei ordinária, acabou por versar sobre matérias pertinentes à Constituição Federal. II DOS ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA PRATICADOS PELOS RÉUS. Após analisar representação formulada por vereadores deste Município de Planalto, que provocou a instauração do processo administrativo n.º /2003, a colenda Corte de Contas dos Municípios constatou a existência de irregularidades em contratações de serviços e locações de veículos praticadas pelo Prefeito Municipal, ora Demandado. Em razão disso, decidiu pela imputação de multa no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) ao Chefe do Poder Executivo Municipal, bem como representação ao Ministério Público Estadual, para adoção das medidas pertinentes. Apresentada, então, a representação, pelo Tribunal de Contas dos Municípios, à Procuradoria-Geral de Justiça, foram os dois primeiros réus prontamente denunciados, junto ao egrégio Tribunal de Justiça deste Estado, pela prática dos crimes previstos nos artigos 89 da Lei n.º 8.666/93 e art. 1º, XIV, do Decreto-Lei n.º 201/67, em concurso material. Foi requerido, outrossim, o afastamento do Prefeito Municipal de Planalto, durante a instrução criminal, objetivando obstar a reiteração delitiva e resguardar a moralidade administrativa. Em seguida, a eminente Procuradora-Geral de Justiça Adjunta para Assuntos 9

10 Institucionais, subscritora da peça acusatória, acolhendo parecer criminal do ilustre Promotor de Justiça Auxiliar, remeteu cópia do expediente a esta Promotoria de Justiça, para adoção das medidas julgadas cabíveis, na área de improbidade administrativa. Em razão, pois, daquela representação formulada pelo Tribunal de Contas dos Municípios, que narra a prática de atos de improbidade administrativa pelos Demandados, causador de dano ao erário do Município de Planalto/Ba e desobediente aos princípios da Administração Pública, esta Promotoria de Justiça instaurou o Inquérito Civil tombado sob o número 02/2004, para apuração do fato específico de contratação irregular de serviços e locação de veículos junto a familiares do Prefeito Municipal, sem a necessária observância do princípio licitatório. Os demais fatos relatados no expediente estão sendo objeto de investigação em expediente apartado. Concluídas as investigações, no âmbito do Inquérito Civil Público anexo, restou evidenciado que o primeiro demandado, na condição de Prefeito do Município de Planalto/Ba, autorizou, no período compreendido entre os meses de janeiro e março de 2003, sem observar quaisquer das regras de licitação estabelecidas pela legislação vigente, a contratação direta de veículos para serviços diversos e a prestação da coleta de lixo pelos demais réus, todos eles servidores públicos municipais e parentes seus. 1

11 Com efeito, evidenciou-se nos autos do IC 02/2004, anexo, que o primeiro Demandado contratou com CÉLIO EUSTÁQUIO RIBEIRO CAMPOS, seu genro e Assessor Administrativo NI da Prefietura Municipal de Planalto, serviço de recolhimento de lixo, com a utilização do suposto veículo caminhão Ford de placa policial JMD 1514, placa esta correspondente, inexplicavelmente, ao veículo GM/CORSA WIND, da propriedade de ANTÔNIO MOREIRA e licenciado no Município de São Gonçalo dos Campos, Bahia. Para tanto, empenhou o valor total correspondente a R$ 5.200,00 (cinco mil e duzentos reais), conforme constam das notas empenho respectivas ao referido contrato, anexas. Comprovou-se nos autos do Inquérito Civil Público o efetivo pagamento de, ao menos, R$ 2.536,00 (dois mil quinhentos e trinta e seis reais), em duas parcelas, relativas aos processos de pagamento n.º 393/03 e 722/03. Embora não hajam sido juntadas as provas do pagamento da quantia restante, está claro que o negócio efetuado, sem o necessário procedimento licitatório, configurou enriquecimento ilícito por parte do contratado e gerou um prejuízo final ao erário correspondente a R$ 5.200,00 (cinco mil e duzentos reais). Insta acentuar, outrossim, que a contratação referida faz referência ao Programa Municipal Limpeza Geral é Cidade Limpa (v. notas de empenho respectivas), sendo de se considerar que, em se tratando de um programa de governo, com dotação orçamentária própria (cf. nota de empenho respectiva), não esteve inserido o negócio nas supostas iniciativas voltadas a atender a calamitosa situação de seca absoluta instalada no município, com elevados índices de desidratação e infecção de cidadãos. 1

12 Com efeito, o Prefeito Municipal não explicou porque, certamente, não tem explicação, em qualquer das oportunidades que teve para se defender, a contratação flagrantemente ilícita realizada com o seu genro. Ressalte-se, ainda, que sequer juntou cópia do contrato efetuado, embora lhe tivesse sido requisitado. Com LEANDRA SANTOS CALAZANS COSTA, filha do Alcaide e ocupante do cargo comissionado denominado Assessor da Secretaria de Governo Nível I, o Alcaide contratou, pelo valor total de R$ 4.500,00 (quatro mil e quinhentos reais), a locação do veículo de placa policial CBL 5332, de sua propriedade, tendo como objeto a manutenção de serviços diversos no período de 02 de janeiro a 31 de março de Note-se o absurdo constatado na nota de empenho n.º 263/2003, referente ao processo de pagamento n.º 721: a referida demandada é, ao mesmo tempo, credora e agente liquidante de parcela do valor empenhado. Além disso, observa-se, da informação juntada pelo DETRAN, após requisição ministerial, que o veículo se trata de caminhão com carroceria aberta, dado este que desperta, tal como em relação a CÉLIO EUSTÁQUIO, toda suspeita acerca do efetivo cumprimento do serviço de fornecimento de água, por meio de carros pipa, alegado pelo prefeito Municipal tanto na defesa que fez ao TCM quanto no documento dirigido ao Ministério Público. Vejam-se, neste diapasão, as seguintes declarações, todas constantes do Inquérito Civil Público anexo: 1

13 ...as cópias de todos os empenhos (n.º 260,262, 263 e 264) que motivaram os processos de pagamento epigrafados em vosso ofício, onde consta exatamente o aluguel dos veículos tipo Caminhões Pipa e Basculhantes, unicamente durante os meses de janeiro e fevereiro,... (cf. informação prestada ao MP) Já com LORENZO SANTOS CALAZANS, filho do Demandado e ocupante do cargo público municipal correspondente a Assessor de Governo, contratou-se o aluguel do automóvel de placa JLS 4427, da propriedade da PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPETINGA, pelo montante global de R$ 4.500,00 (quatro mil e quinhentos reais), tendo por objeto a manutenção de serviços diversos junto à Secretaria de Infraestrutura, no período compreendido entre os dias 02 de janeiro e 31 de março de Verifica-se que o contrato celebrado com LORENZO é idêntico àquele efetuado com LEANDRA, à exceção de que o veículo supostamente locado é, também inexplicavelmente, um BEM PÚBLICO, pertencente à PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPETINGA, do qual o contratado não poderia dispor, em qualquer hipótese. É, da mesma forma, de acordo com os dados produzidos pelo DETRAN, um caminhão com carroceria aberta, tal como o automóvel referente à sua irmã, LEANDRA. Ao todo, a saída de numerário sem observância das regras de licitação totalizou o importe de R$ ,00 (quatorze mil e duzentos reais), na forma discriminada no quadro a seguir: 1

14 Contratados Valor Célio Eustáquio R$ 5.200,00 Leandra R$ 4.500,00 Lorenzo R$ 4.500,00 TOTAL R$ ,00 Veja-se ainda que o réu JOSÉ MARIVALDO CALAZANS reconheceu, tanto perante o TCM em diversos trechos da defesa que àquela Corte apresentou, como à Promotoria de Justiça, haver contratado o serviço de coleta de lixo e locado os veículos dos seus parentes sem observar a regra da obrigatoriedade da licitação, deixando claro, ainda, que não foi formalizada excepcional e eventual - dispensa de certame, mesmo porque, na realidade, não concorria qualquer das hipóteses legais autorizadoras da exceção, previstas no artigo 24 da Lei n.º 8.666/93. Neste sentido, vale transcrever os seguintes trechos, constantes da peça acostada ao expediente e subscrita pelo próprio Alcaide:...preferiu contratar, nestes dois únicos meses, janeiro e fevereiro do ano em curso, os dois únicos veículos de propriedade de sua família, quais sejam, dois caminhões pipa (Docs. 02)(...) (destacou-se) (...) seria absoutamente desarrazoado que o Prefeito Municipal da cidade, responsável pelo seu povo e pelo seu destino, único obrigado por suprir as necessidades públicas 1

15 e os interesses coletivos, àquele tempo, permanecesse inerte, ou fosse providenciar licitação pública, ou mesmo saísse em outras cidades ou na sua própria cidade atrás de quem teria um maquinário daquele tipo, e estava disposto a alugar, para aquele serviços, à Prefeitura Muncipal.(...) (sic, destacou-se) É de se chamar a atenção para o fato de que o primeiro Demandado buscou ocultar a verdade ao afirmar, tanto ao Tribunal de Contas dos Municípios quanto ao Ministério Público, que os contratos em questão referiram-se tão somente aos meses de janeiro e fevereiro de 2003, sendo que, ao menos em relação a LEANDRA SANTOS CALAZANS COSTA e LORENZO SANTOS CALAZANS COSTA, os bens foram locados pelo período de três meses, compreendidos entre os dias 02 de janeiro a 31 de março de Não juntando o contrato concernente ao genro CÉLIO EUSTÁQUIO RIBEIRO CAMPOS, o Alcaide omitiu a informação sobre o tempo de execução do suposto serviço, mas o valor do seu contrato e a quantia paga em cada parcela deixam transparecer que a execução do serviço foi por tempo não inferior a 04 (quatro meses). Por outro lado, ressalta-se, mais uma vez, que ao Prefeito Municipal de Planalto o TCM ofereceu a oportunidade de juntar cópias dos procedimentos de dispensa de licitação do serviço contratado e dos automóveis locados; contudo, o Demandado nada apresentou que comprovasse a existência dos referidos procedimentos. Isto porque 1

16 conclui-se, irrefutavelmente não há justificativa plausível às contratações efetuadas, da forma como foram feitas. Finalmente, restou apurado no Inquérito Civil Público n.º 02/2004, por informação do próprio Prefeito Municipal, que os réus CÉLIO EUSTÁQUIO RIBEIRO CAMPOS, LEANDRA SANTOS CALAZANS COSTA e LEANDRO SANTOS CALAZANS COSTA, à época da locação, já eram servidores públicos do Poder Executivo de Planalto, o contratante, e por isso não poderiam participar dos negócios em questão. Essa ilegalidade, inclusive, ensejou denúncia da ré LEANDRA SANTOS CALAZANS COSTA e do seu genitor pela infração ao art. 89 da Lei n.º 8.666/93. III DO DIREITO Primeiramente, cumpre chamar a atenção para a hipótese de que, aparentemente, os três veículos objetos das contratações ora impugnadas não se mostraram hábeis à execução dos serviços a que, supostamente, seriam destinados, quais sejam, a coleta de lixo e o fornecimento de água à população carente. Isto porque o automóvel fornecido pelo Demandado CÉLIO EUSTÁQUIO RIBEIRO CAMPOS, cuja placa apontada, no respectivo empenho, é JMD 1514, correspondente, segundo informações do DETRAN, ao veículo GM/CORSA WIND, da propriedade de ANTÔNIO MOREIRA e licenciado no Município de São Gonçalo dos Campos, Bahia. A menos que a informação esteja equivocada, ou que todas as declarações 1

17 da Prefeitura sejam erradas o que é absurdo infere-se que a contratação foi FORJADA, visando a que o repasse da verba municipal ao patrimônio do suposto contratado se justificasse. Da mesma forma com LEANDRA SANTOS CALAZANS COSTA e LORENZO SANTOS CALAZANS COSTA. Ora, se os caminhões locados, nos termos das informações produzidas pelo DETRAN, no curso do ICP respectivo, têm carroceria aberta, certamente não correspondem esses automóveis aos carros pipas a que se refere o Alcaide, pessoalmente, em ambos os documentos que assina, dirigidos ao TCM e ao MP, todos constantes do autos. Depreende-se, pois, que o fornecimento de água restou prejudicado e, portanto, A LOCAÇÃO NÃO OCORREU E O SERVIÇO NÃO FOI PRESTADO. Em assim sendo, conclui-se que os acionados incidiram na hipótese do art. 9º, XI, da Lei n.º 8.429/92, segundo o qual: Art. 9º. Constitui ato de improbidade administrativa importando enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, emprego ou atividade nas entidades mencionadas no art. 1º desta Lei, e notadamente: (...) XI incorporar, por qualquer forma, ao seu patrimônio bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo 1

18 patrimonial das entidades mencionadas no art. 1º desta Lei; Por outro ângulo, nota-se que os Demandados incidiram em outra norma tipificadora do ato de improbidade administrativa, prevista no art. 10, VIII, da multicitada Lei, consistente em causar prejuízo ao erário por intermédio da desobediência ao processo licitatório. No caso, dispensando-o indevidamente, para autorizar a locação dos caminhões junto a LEANDRA SANTOS CALAZANS COSTA e LORENZO SANTOS CALAZANS COSTA, bem assim a contratação do suposto serviço de coleta de lixo com o genro, CÉLIO EUSTÁQUIO RIBEIRO CAMPOS. Por outro prisma, nota-se também a incidência dos Acionados nos ditames do art. 10, caput, da Lei n /92 (Lei de Improbidade Administrativa), que preceitua que constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades de direito público. Outrossim, o inciso VIII, do citado artigo da Lei de Improbidade Administrativa, preceitua, de forma mais específica, que configura ato de improbidade administrativa lesiva ao erário frustrar a licitude de processo licitatório ou dispensá-lo indevidamente. (grifou-se) 1

19 Cotejando-se os dispositivos legais acima mencionados com a narrativa constante da presente exordial, verifica-se a perfeita subsunção do fato à norma, eis que há sérias evidências de que o primeiro Demandando praticou, juntamente com os demais, ato de improbidade administrativa lesivo ao patrimônio municipal, ao autorizar a saída de recursos, a título de locação de veículos para o fim de realização do serviço de coleta de lixo e serviços diversos, sem o devido processo licitatório ou a regular dispensa do certame. A dispensa de licitação é considerada uma exceção à regra do art. 2º da Lei n.º 8.666/1993, que reza: Art. 2º. As obras, serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações, permissões, e locações da Administração Pública, quando contratadas com terceiros, serão necessariamente precedidas de licitação, ressalvadas as hipóteses previstas nesta lei. Neste sentido, ensinam Emerson Garcia e Rogério Pacheco Alves, na obra intitulada Improbidade Administrativa (ed. Lúmen Juris, Rio de Janeiro, 2002,p. 288), in verbis: O procedimento administrativo em que seja identificado caso de dispensa ou inexigibilidade de licitação o que motivará a contratação direta deve ser devidamente 1

20 fundamentado, conferindo publicidade ao ato e permitindo o devido controle. Nota-se, no caso particular, que ao administrado foi negado, pelo Administrador, o direito de conhecer o ato praticado, ante a inexistência de formalidade garantidora da sua lisura, transformando-o em negócio escuso, danoso ao patrimônio público e infiel à noção de probidade que devem nortear os atos da Administração. Com a irregularidade acima esposada, portanto, foram desobedecidos, além da própria regra jurídica consistente na obrigatoriedade da licitação, os próprios princípios noteadores da Administração Pública, sobretudo os da legalidade, moralidade e também o da publicidade, tendo em vista que a motivação de uma eventual dispensa de licitação era procedimento exigível, em nome desse princípio e do seu corolário: o princípio da transparência dos atos administrativos perante os administrados. Decerto, ainda, que, no caso em tela, a irregularidade constitui violação acintosa do casto princípio da IMPESSOALIDADE, que também serve de norte aos atos administrativos. Isto porque o procedimento licitatório foi previsto pela Carta da República e pela legislação infraconstitucional justamente para garantir isonomia entre os administrados, quando da celebração de um contrato com o poder público. Esta é uma forma de oportunizar a todos os possíveis interessados a execução dos seus serviços perante os entes administrativos, evitando-se apadrinhamentos, favoritismo e o tão combatido, ao menos em discurso, nepotismo. O parentelismo, contudo conduta de evidente imoralidade 2

21 prevaleceu no caso que ora se trata, tendo em vista que, sendo alheio ao procedimento licitatório, o Administrador escolheu, como contratados do Poder Executivo Municipal, os próprios filhos e o genro. Ademais, sublinhe-se que os princípios da legalidade, impessoalidade e moralidade foram mais uma vez violentadas no desrespeito ao artigo 9º, III, da Lei n.º 8.666/93, que diz: Art. 9º. Não poderá participar, direta ou indiretamente, da licitação ou da execução de obra ou serviço e do fornecimento de bens a eles necessários: (...) III servidor ou dirigente de órgão ou entidade contratante ou responsável pela licitação. Como se não bastasse o fato de haver designado os seus parentes, aqui também acionados, para exercer cargos de confiança junto à Administração Pública, o Alcaide ainda lhes possibilitou a negociação com o Município, a despeito da regra acima esposada, que veda a contratação entre o órgão ou entidade contratante e o seu servidor. É inegável, pois, que, descumprindo a lei, da forma como fez, os demandados feriram o princípio da impessoalidade, porque exerceram ato de evidente favorecimento; e o da moralidade, aquele que impõe que o agente público não dispense os preceitos éticos que devem estar presentes em sua conduta. Ora, aproveitar-se da sua condição de Administrador da Máquina Pública Municipal para contratar com parentes seus, dispensando, sem motivação e 2

22 publicidade, a obrigatória licitação, configura, sem sombra de dúvida, um ato de flagrante imoralidade, voltado para a realização de interesses particulares, apenas. O papel do Administrador e demais agentes públicos é servir à comunidade, com vistas à promoção do bem coletivo. A satisfação de interesses pessoais, que descumpre, inclusive, norma legal expressa, não pode ser aceita com naturalidade, sob pena de se ter em risco o contrato social, a segurança jurídica e a confiança do povo nas instituições democráticas. Observa-se, por fim, pela acurada análise dos fatos apurados, a evidente infração, pelos Demandados, ao artigo 11, caput e inciso IV, da Lei de Improbidade Administrativa, que dizem: Art. 11. Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições, e notadamente: (...) IV negar publicidade aos atos oficiais; É de se ter em vista, pois, de todo o exposto, que os demandados incidiram nas três hipóteses ventiladas pela Lei n.º 8.429/92 como atos de improbidade administrativa: aqueles que importam enriquecimento ilícito; os que causam prejuízo ao erário e os que atentam contra os princípios da administração pública. 2

23 Diante de todas as evidências, assim, de que os Acionados efetivamente praticaram atos de IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, devem ser a eles aplicadas as sanções previstas no art. 12, inciso I, da multicitada Lei de Improbidade Administrativa: perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, ressarcimentos integral dos danos; perda da função pública; suspensão dos direitos políticos de 8 (oito) a 10 (dez) anos; pagamento de multa civil; e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefício ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10 (dez) anos. Caso não seja acolhida a hipótese do art. 9º, e fixadas as penas do inciso acima (art. 12), que sejam então aplicadas as penas do inciso II: ressarcimentos dos danos; perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao seu patrimônio; perda da função pública; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de 5 (cinco) a 8 (oito) anos; pagamento de multa civil; e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefício ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 (cinco) anos. Admitindo-se a remota hipótese de não serem determinadas as penalidades dos incisos I ou II do art. 12, acima explicitado, devem ao menos ser aplicadas aos Acionados as sanções previstas inciso III do mesmo dispositivo legal, concernentes à incidência 2

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES. Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP. Professor no Curso FMB - SP

PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES. Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP. Professor no Curso FMB - SP PROFESSOR FÁBIO BELLOTE GOMES Graduado, Mestre e Doutor pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo USP Professor no Curso FMB - SP Autor do Manual Elementos de Direito Administrativo Editora

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA VARA DA SUBSEÇÃO Referência: Inquérito Civil nº 1.23.000.000854/2012-88 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio do Procurador da República

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992. Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB 1 BASE LEGAL LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 (Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das Autarquias

Leia mais

Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ

Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1 Essa obra, abrange todo o aspecto legal sobre Improbidade Administrativa; 2 Os profissionais

Leia mais

L I M P ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA 2010

L I M P ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA 2010 Exercícios de revisão lei 8.429/92 Lei da Improbidade 01) Sobre a Lei de Improbidade Administrativa assinale a alternativa incorreta: a) Os atos de improbidade administrativa são: os que importam em enriquecimento

Leia mais

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Conceito: é o designativo técnico para a chamada corrupção administrativa, que, sob diversas formas, promove o desvirtuamento da Administração Pública

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE 1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO, por seu representante legal infra-assinado, com fundamento nos art. 129, inciso III e 1º, da Carta Magna,

Leia mais

CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS

CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS Clique para editar o estilo do subtítulo mestre O tema Improbidade Administrativa está inserida dentro do assunto Controle

Leia mais

LEI N 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992

LEI N 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992 LEI N 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992 LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE ATIBAIA VARA ÚNICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE ATIBAIA VARA ÚNICA fls. 800 SENTENÇA Processo: Autor: Requerido: 0001770-34.2010.8.26.0695 - Ação Civil de Improbidade Administrativa Ministério Público do Estado de São Paulo Mario Antonio Pinheiro e outro Vistos. O MINISTÉRIO

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, pelo Promotor de Justiça que esta subscreve, no exercício das atribuições conferidas pelo inc. II do art. 129 da Constituição

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS ICP nº 1.18.000.002374/2011-31 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, com fundamento no art. 17 da Lei nº 8.429/92 e com base nas

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Após regular certame licitatório, vencido pelo consórcio Mundo Melhor, o Estado X celebrou contrato de obra pública, tendo por objeto a construção de uma rodovia

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão fls. 1 Autos n.º 0708777-72.2013.8.01.0001 Classe Ação Civil Pública Autor Defensoria Pública do Estado do Acre Réu Estado do Acre Decisão Trata-se de Ação Civil Pública, com pedido de tutela antecipada,

Leia mais

DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014

DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014 DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014 Institui e altera procedimentos referentes à sindicância administrativa, e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP PROCESSO nº DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA AO PROCESSO nº 90.0042414-3 MARÍTIMA SEGUROS S/A, pessoa jurídica de

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL RECOMENDAÇÃO/ORIENTAÇÃO Nº 002/2008 PGJ/CGMP/CACOP/MP-PI Recomendação aos agentes públicos e dirigentes de entidades, órgãos públicos e Poderes, que detenham a atribuição de nomear e exonerar ocupantes

Leia mais

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG,

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG, MERITÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE UBERABA/ MINAS GERAIS. Autos n. 701. Secretaria cível BANCO xxxx., já qualificado nos autos epigrafados da AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA

Leia mais

Sumário. Nota introdutória, xv

Sumário. Nota introdutória, xv Nota introdutória, xv 1 Princípios constitucionais da administração pública, 1 1.1 Conteúdo do capítulo, 1 1.2 Princípios e regras, 2 1.3 Princípi~ constitucionais, 4 IA Princípios expressos, 7 104.1 Legalidade

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme892 RgA-teP Diário da Justiça de 06/11/2006 26/09/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) : MIN. GILMAR MENDES : BRUNO DINIZ ANTONINI : RELATOR DO HC Nº 20906 DO SUPERIOR

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP).

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP). EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP). O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). IMPTTE : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ADV/PROC : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JÚNIOR E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (SOUSA)

Leia mais

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURIDICO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS, LEGALIDADE, CARONA, ADESÃO, VIGÊNCIA, VALIDADE, CONSEQUENCIAS JURÍDICAS. RELATÓRIO Trata-se o expediente os seguintes

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA EXMO.(A) SR(A). DR(A). JUIZ(A) DE DIREITO DA VARA ESPECIALIZADA DE DEFESA DO CONSUMIDOR DESTA CAPITAL A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA pelas suas representantes, infra firmadas, constituídas na

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Exmo. Sr. Juiz Federal da.ª Vara da Seção Judiciária Federal de São Paulo O Ministério Público Federal, por seu Procurador que ao final assina e com base no artigo 129, II e III da Constituição Federal,

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor FICHA R Nº 920/00- CENACON - ASSUNTO: serviço público água constantes interrupções no fornecimento de água em diversos bairros da cidade - manutenção precária do sistema de abastecimento - prestação de

Leia mais

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME 2ª Fase OAB/FGV Direito Processual Penal Monitoria Penal Karina Velasco EXERCÍCIO 1 O juiz, ao proferir sentença condenando João por furto qualificado, admitiu, expressamente, na fundamentação, que se

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 517 300-5/2-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 517 300-5/2-00, da Comarca de Jfife, PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO " TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRAT1CA - ~ REGISTRADO(A) SOB N mpiu Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Procedimento Preparatório Autos n.º 1.14.000.002855/2013-57 RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000079653 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9189316-64.2009.8.26.0000, da Comarca de Sumaré, em que são apelantes ATERPLAN COMERCIO E PAVIMENTAÇAO LTDA e

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO DECISÃO MONOCRÁTICA REMESSA NECESSÁRIA N. 011.2010.000052-7/001 CABACEIRAS. Relator : Des. José Ricardo

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 01/2014

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 01/2014 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 01/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, por intermédio da 2ª Promotoria de Justiça do Foro Regional de Campina Grande do Sul, Comarca da Região Metropolitana

Leia mais

Tendo em vista o artigo da Promotora de Justiça no Estado do Paraná, Dra. Suzane Maria Carvalho do Prado, disponibilizado por esse CAO-Crim, e as decisões proferidas pela Turma Recursal (Acórdão 71001890557)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1

A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1 A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1 1. INTRODUÇÃO As Forças Armadas, conforme previsão constitucional, são organizadas com base na hierarquia e

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 14 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 823.347 MARANHÃO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES RECTE.(S)

Leia mais

PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS

PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS PARECER 02/0650/2015 MANDADO DE SEGURANÇA N. 383598-59.2014.8.09.0000 (201493835980) COMARCA IMPETRANTE IMPETRADO ÓRGÃO JULGADOR DESEMBARGADOR RELATOR SUBPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 1º Comissão de Ética do Ministério da Educação MEC, constituída pela Portaria nº de 623

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos.

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos. Autos n.º 3022-48.2012.811.0007. Código nº 101526. Ação de Obrigação de Fazer. Vistos. Trata-se de ação nominada Ação Cominatória de Obrigação de Fazer com pedido expresso de tutela de urgência interposta

Leia mais

BIZU DO PONTO CONCURSO DA POLÍCIA FEDERAL AGENTE DIREITO ADMINISTRATIVO - PROF. FABIANO PEREIRA

BIZU DO PONTO CONCURSO DA POLÍCIA FEDERAL AGENTE DIREITO ADMINISTRATIVO - PROF. FABIANO PEREIRA Olá! Seja bem-vindo ao nosso BIZU de Direito Administrativo para o concurso da Polícia Federal, mais precisamente para o cargo de Agente, cujas provas serão aplicadas em 06 de maio de 2012. A propósito,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instauração, a organização e o encaminhamento ao Tribunal de Contas da União dos processos de tomada de contas especial. O TRIBUNAL

Leia mais

: MIN. MARCO AURÉLIO :DICACIEL TELEMED COM EQUIP, INFORMÁTICA E SERVIÇOS LTDA - EPP :FABRICIO DE CARVALHO ROCHA :PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA

: MIN. MARCO AURÉLIO :DICACIEL TELEMED COM EQUIP, INFORMÁTICA E SERVIÇOS LTDA - EPP :FABRICIO DE CARVALHO ROCHA :PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA MANDADO DE SEGURANÇA 30.788 MINAS GERAIS RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) LIT.PAS.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. MARCO AURÉLIO :DICACIEL TELEMED COM EQUIP, INFORMÁTICA E SERVIÇOS LTDA - EPP :FABRICIO

Leia mais

Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress.

Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress. Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress.com/ Rafael Adachi PRINCÍPIOS DO DIREITO ADMINISTRATIVO Supremacia do Interesse Público

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO O EXMO. SR. MINISTRO DIAS TOFFOLI: Ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo Procurador-Geral da República em face da Emenda

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS.

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS. EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Ordem de Habeas Corpus PAULA xxxxx, brasileira, casada, do lar, CPF n.xxxx, residente na Rua xxxx, por

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Edir, pessoa idosa que vive com a ajuda de parentes e amigos, é portadora de grave doença degenerativa, cujo tratamento consta de protocolo clínico e da diretriz

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU

PODER JUDICIÁRIO PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU AÇÃO CIVIL PÚBLICA Autos n. 6066-94.2014 1. Cuida-se de ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Paraná em desfavor de José Carlos Neves da Silva e outro e onde se apura a prática

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

DECISÃO. em processo em trâmite na 3ª Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital,

DECISÃO. em processo em trâmite na 3ª Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital, AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º 0000875-77.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: ESTADO DO RIO DE JANEIRO AGRAVADA: ÂNGELA MARIA MONTEIRO DA TRINDADE RELATOR: DESEMBARGADOR ALEXANDRE FREITAS CÂMARA Direito Constitucional.

Leia mais

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação.

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação. Vistos e Examinados estes Autos nº 0030100-02.2013.8.16.0182, que figuram como partes: AUTORA: SHIRLEY MACIEL SOARES ANDRADE RÉ: MAURINI DE SOUZA RÉU: WILSON HORSTMEYER BOGADO 1. RELATÓRIO Trata-se de

Leia mais

Artigo jurídico para publicação. Classificação: parecer. Título:

Artigo jurídico para publicação. Classificação: parecer. Título: Dados pessoais: Autora: Alessandra Chaves Braga Guerra Procuradora Federal na Advocacia-Geral da União. Graduada em direito pelo Centro Universitário de Brasília - UniCEUB e em Nutrição pela Universidade

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes OAB 2ª Fase Direito Constitucional Modelos: Ações Constitucionais e Recursos Cristiano Lopes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MODELOS: AÇÕES CONSTITUCIONAIS

Leia mais

Gabinete do Desembargador Fausto Moreira Diniz 6ª Câmara Cível

Gabinete do Desembargador Fausto Moreira Diniz 6ª Câmara Cível APELAÇÃO CÍVEL Nº 398279-07.2008.8.09.0174 (200893982792) COMARCA DE SENADOR CANEDO APELANTE : JOAQUIM CÂNDIDO DA SILVA APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR : DES. FAUSTO MOREIRA DINIZ RELATÓRIO Trata-se

Leia mais

PROCESSO Nº TST-CorPar-16901-96.2015.5.00.0000

PROCESSO Nº TST-CorPar-16901-96.2015.5.00.0000 Requerente: BANCO DO BRASIL S.A. Advogado : Dr. Ângelo César Lemos Requerido : MARCELO JOSÉ FERLIN D'AMBROSO - DESEMBARGADOR DO TRT DA 4ª REGIÃO. Terceiro : SINDICATO DOS BANCARIOS DE PORTO ALEGRE E REGIAO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. Vigência Regulamento Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR CONSELHEIRO RELATOR DO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ

EXCELENTÍSSIMO SENHOR CONSELHEIRO RELATOR DO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ EXCELENTÍSSIMO SENHOR CONSELHEIRO RELATOR DO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ Processo N 2010.HRZ.PCG.5691/11 APRESENTAÇÃO DE JUSTIFICATIVAS - ADITIVAS PRESTAÇÃO DE CONTAS DE GOVERNO

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Deu-se início, no ano de 2014, à construção de um grande empreendimento imobiliário no Município de São Luiz, no Maranhão, pela Construtora

Leia mais

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial.

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial. Petição Inicial A Petição inicial é a peça por meio da qual o autor provoca a atuação jurisdicional do Estado. A sua redação deverá obedecer a determinados requisitos estabelecidos no artigo 282 do CPC.

Leia mais

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 (OAB/LFG 2009/02). A sociedade Souza e Silva Ltda., empresa que tem como objeto social a fabricação e comercialização de roupas esportivas,

Leia mais

1008012-70.2013.8.26.0053 - lauda 1

1008012-70.2013.8.26.0053 - lauda 1 fls. 388 SENTENÇA Processo Digital nº: 1008012-70.2013.8.26.0053 Classe - Assunto Requerente: Requerido: Ação Civil Pública - Violação aos Princípios Administrativos 'MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE SORRISO JUÍZO DA PRIMEIRA VARA

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE SORRISO JUÍZO DA PRIMEIRA VARA 1 Código 105337 Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso Requeridos: FRANCISCO PYNARD DURGO GOMES, FLÁVIO DOS SANTOS SALVADOR, JOSÉ FRANCISCO AS SILVA (KIKO), ITAMAR VERÍSSIMO LUIZ Vistos etc.

Leia mais

Instituição essencial à Justiça EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA

Instituição essencial à Justiça EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA, por seu órgão de execução, no exercício de suas atribuições funcionais,

Leia mais

PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM

PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) COMARCA DE ORIGEM ITAGUARI/GO ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM 2ª TURMA DA 4ª CÂMARA CÍVEL ÓRGÃO JULGADOR

Leia mais

EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA PROMOTORA DE PROTEÇÃO DA MORALIDADE E DO PATRIMÔNIO PÚBLICO DA COMARCA DE CAMAÇARI - BAHIA.

EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA PROMOTORA DE PROTEÇÃO DA MORALIDADE E DO PATRIMÔNIO PÚBLICO DA COMARCA DE CAMAÇARI - BAHIA. EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA PROMOTORA DE PROTEÇÃO DA MORALIDADE E DO PATRIMÔNIO PÚBLICO DA COMARCA DE CAMAÇARI - BAHIA. ANTÔNIO ELINALDO ARAÚJO DA SILVA, brasileiro, casado, portador do RG 04231738-04

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE IPATINGA MINAS GERAIS.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE IPATINGA MINAS GERAIS. EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE IPATINGA MINAS GERAIS. De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça,

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores IVAN SARTORI (Presidente sem voto), BORELLI THOMAZ E LUCIANA BRESCIANI.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores IVAN SARTORI (Presidente sem voto), BORELLI THOMAZ E LUCIANA BRESCIANI. ACÓRDÃO Registro: 2011.0000317355 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9160752-75.2009.8.26.0000, da Comarca de Cândido Mota, em que é apelante EDVAL INACIO DE SOUZA sendo apelado

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES Relatório Voto : REV - G.ICN - 00901/2011 PROCESSO TC/MS : 6107/2008 PROTOCOLO : 908430 ÓRGÃO : PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ALVORADA DO SUL ORDENADOR (A) DE : ARLEI SILVA BARBOSA DESPESAS CARGO DO ORDENADOR

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO/UNIRG N. 015/2013 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Pelo presente instrumento particular, de um lado a, fundação pública com personalidade jurídica de direito público, com sede na av. Pará, 2432,

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

PARECER Nº 13.529-PP

PARECER Nº 13.529-PP PARECER Nº 13.529-PP COMPLEMENTAÇÃO DE PENSÃO POR MORTE EM ACIDENTE DE SERVIÇO. ARTIGO 259 DA LC 10.098/94. O servidor titular exclusivamente de cargo em comissão, desde a edição da Emenda Constitucional

Leia mais