1. Aspectos Epidemiológicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Aspectos Epidemiológicos"

Transcrição

1 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses vírus são altamente transmissíveis e podem sofrer mutações (transformações em suaestruturagenética).otipoaéomaismutávelentreostrês.asepidemiaseaspandemias geralmenteestãoassociadasaovírusdotipoa. Durante o século passado, ocorreram três importantes pandemias de influenza: a GripeEspanhola,de1918a1920;a GripeAsiática,entre1957e1960;eagripede Hong Kong, de 1968 a Entre 1977 e 1978, a chamada Gripe Russa afetou principalmente criançaseadolescentese,em2009,a GripeInfluenzaPandêmica(H1N1)2009 sepropagou rapidamente por vários países. Ressalta se ainda a ocorrência de transmissão direta do vírus influenza aviária de alta patogenicidade A (H5N1) ao homem, gerando surtos de elevada letalidadenaásia. Comosmodernosmeiosdetransporte,apropagaçãodovírusdainfluenzatornou se muito rápida. Hoje, o mesmo vírus pode circular em várias partes do mundo, causando epidemiasquasesimultâneas. A transmissão da influenza pode ocorrer através das secreções das vias respiratórias de uma pessoa contaminada ao falar, espirrar ou tossir. Outra forma de transmissão é por meio das mãos: após contato com superfícies recentemente contaminadas por secreções respiratórias de um indivíduo infectado, as mãos podem carregar o agente infeccioso diretamenteparaaboca,narizeolhos. Asinfecçõesduramaproximadamenteumasemanaesãocaracterizadasporiníciode sintomasrepentinos,comofebrealta,doresmusculares,dordecabeça,mal estar,tossenão produtiva,corizaerinite.amaioriadaspessoasrecupera seemumaouduassemanas,sem necessidadedetratamentomédico.noentanto,emcrianças,jovens,idososoupessoascom algumas condições crônicas (doenças pulmonares, metabólicas, renais, entre outras), a evoluçãopodeapresentarcomplicações. Ainfluenzaocorredurantetodooano,sendoqueadispersãoaumentarapidamente em algumas estações do ano. Em regiões de clima temperado, as epidemias acontecem predominantemente na estação do inverno, geralmente de novembro a abril no hemisfério NorteedejunhoaagostonohemisférioSul.Nostrópicos,ovírusdainfluenzacirculadurante todooano.

2 2 2. VigilânciadeSíndromeGripal O Sistema de Vigilância Sentinela de Influenza foi implantado em 2000 e conta, atualmente,comumaredede59unidadessentinelasdesíndromegripal(sg)localizadas,em suamaioria,nascapitaisbrasileiras. Essasunidadesinformamsemanalmenteonúmerodeatendimentos,geraiseporSG, no Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Influenza (SIVEP Gripe). Um dos objetivos do sistema é a identificação dos vírus respiratórios que circulam no país, além de permitiromonitoramentodademandadoatendimentoporsgnasunidadessentinelas. As unidades de vigilância de SG coletam cinco (05) amostras de secreção de nasofaringe (SNF) por semana. As amostras coletadas são encaminhadas para o Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN) de cada estado para processamento pela técnica de Imunofluorescência Indireta (IFI), incluindo a pesquisa para os vírus influenza A e B, parainfluenza1,2e3,adenovírusevírussincicialrespiratório(vsr). DEFINIÇÃODESÍNDROMEGRIPAL(SG): Indivíduoqueapresentoufebreacompanhadadetosseoudordegarganta Em2009,houvepredomíniodecirculaçãodovírusinfluenzaA,comcirculaçãodoVRS naprimeirametadedoanoe,em2010,dovírusinfluenzabentreassemanasepidemiológicas (SE)27e32.Noanode2011,ovírusinfluenzaAtevemaiorcirculaçãonasprimeirasSEdoano (atéase9)eentreasse25e31(figura1).nestemesmoano,destacou setambémcirculação dovrsentreasse9e24.verificou seumpercentualmaiordepositividadeparainfluenzaa em2009(36,7%)eparavrsem2010(31,8%)e2011(37,3%). A circulação dos vírus respiratórios por região geográfica se deu conforme resumo abaixo(tabela1). RegiãoNorte maiorpercentualdepositividadeparavrsnostrêsanos(42,8% em2009,45,6%em2010e39,5%em2011). RegiãoNordeste predomíniodevírusinfluenzaaem2009(40,5%)edevrs em2010(23,8%)e2011(37%). RegiãoSudeste mesmopercentualdepositividadeparainfluenzaaevrsem 2009(37,1%)epredomíniodeVRSem2010(38,9%)e2011(53%). RegiãoSul predomíniodeinfluenzaanosanosde2009(45,9%)e2011(51%), emaioridentificaçãodeinfluenzab(34,6%)em2010. RegiãoCentro oeste destaqueparavírusinfluenzaaem2009(42,4%),vrs em2010(37,1%)eosvírusinfluenzaa(37,1%)evrs(33,7%)em2011.

3 3 Figura1.DistribuiçãodosvírusrespiratóriosidentificadosnasunidadessentinelasdeSGpor semanaepidemiológicadeiníciodossintomas.brasil,2009a2011. Fonte:SIVEPGripe/SVS/MS.Dadosatualizadosem06/01/2012. Tabela1.DistribuiçãodosvírusrespiratóriosidentificadosnasunidadessentinelasdeSGpor regiãogeográficaeanoepidemiológicodeiníciodossintomas.brasil,2009a2011. Fonte:SIVEPGripe/SVS/MS.Dadosatualizadosem06/01/2012.

4 4 3. VigilânciadeSíndromeRespiratóriaAgudaGrave Emabrilde2009,oCentrodePrevençãoeControledeDoenças(CDC/EUA)identificou o vírus da influenza pandêmica A/H1N e, em julho, a Organização Mundial de Saúde (OMS)declaroupandemiaporessenovosubtipoviral. Duranteafasepandêmica,aconstataçãodetransmissãosustentadadessenovovírus nopaísresultouemmudançasnascondutasdeidentificaçãoeinvestigaçãodoscasosdesge de manejo clínico de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), uma vez que qualquer pessoa apresentando sintomas de gripe passou a ser suspeita também de infecção por influenzapandêmicaa/h1n12009.apartirdase28de2009,oministériodasaúdepassoua priorizar os casos de SRAG e aquelas pessoas que apresentassem fatores de risco para complicaçãodadoença. Mesmoapósafasepós pandêmicadainfluenzaa/h1n12009,declaradaemagostode 2010, o monitoramento e as ações preventivas continuam, considerando que o vírus permanece circulando junto a outros vírus sazonais. Em 2010, passaram a ser notificados apenas os casos de SRAG hospitalizados. A notificação desses casos é realizada, desde a pandemia até os dias atuais, em uma versão Web do Sistema de Informação de Agravos de Notificação(SINANInfluenzaWeb). DEFINIÇÃODECASODESÍNDROMERESPIRATÓRIAAGUDAGRAVE(SRAG) Indivíduocomfebre,tosse,dispneiaequefoihospitalizado. Em 2009, as Unidades Federadas (UF) que mais confirmaram casos de SRAG hospitalizadosporinfluenzaa/h1n12009concentraram senasregiõessulesudeste(paraná, SãoPaulo,RiodeJaneiro,RioGrandedoSuleSantaCatarina).Em2010,houvecirculaçãodo vírus nas regiões norte e nordeste, sendo que as UF que mais apresentaram casos foram Paraná, Pará, São Paulo, Maranhão e Piauí. Em 2011, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo apresentaram o maior número de casos confirmados (Tabela 2). O pico de casos confirmadosaconteceunase31em2009,nase10em2010enase25em2011(figura2). Nafigura3,observam seosmapascomadistribuiçãodoscasosdesragconfirmados parainfluenzaa/h1n12009pormunicípioderesidêncianosanosde2009(apartirdase16)e Nos mapas da figura 4 estão dispostos os casos de SRAG hospitalizados notificados no ano de 2011, com maior concentração de casos verificada nos municípios das regiões Sul e Sudeste. Os confirmados para influenza A/H1N estavam concentrados nos seguintes municípios: Belo Horizonte (568 casos notificados), Porto Alegre (346), São Paulo (189) e Curitiba(171). Os casos de SRAG hospitalizados confirmados para influenza A/H1N têm acometido faixas etárias mais jovens, com maior incidência nos menores de dois anos em ambos os sexos (Figuras 5 e 6). Em relação as mulheres em idade fértil, as gestantes foram 17%doscasosem2009,35,6%em2010ede36,7%em2011(Tabela3).Em2009e2010,33% doscasosrelatarampelomenosumacomorbidade.em2011,opercentualfoide44%(tabela 3). Mesmo com a intensa circulação do vírus pandêmico, foi observada circulação de outros vírusrespiratórios(figura7).

5 5 Nopaís,2.060casosdeSRAGconfirmadosparainfluenzaA/H1N12009evoluírampara óbito em 2009, 113 em 2010 e 21 em A região sudeste apresentou o maior número absolutodeóbitosem2009,aregiãonorteem2010earegiãosulem2011(tabela4). Tabela2.CasosdeSRAGnotificadoseconfirmadosparainfluenzaA/H1N12009porregião geográfica/ufderesidênciaeanodeiníciodossintomas.brasil,se16/2009ase52/2011. Região/UF SRAG A/H1N1 A/H1N1 A/H1N1 SRAG SRAG n% n% n% Norte , , ,3 RO , , ,0 AC , , ,9 AM , , ,0 RR , ,0 PA , , ,0 AP , , ,0 TO , , ,0 Nordeste , , ,8 MA , , ,0 PI , , ,0 CE , ,7 3 0 RN , , ,0 PB , , ,0 PE , , ,0 AL , , ,0 SE , ,0 0 0 BA , , ,4 Sudeste , , ,0 MG , , ,7 ES , , ,9 RJ , , ,6 SP , , ,9 Sul , , ,4 PR , , ,2 SC , , ,7 RS , , ,9 CentroOeste , , ,5 MS , , ,8 MT , , ,0 GO , , ,1 DF , , ,1 Total , , ,7 Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem08/01/2012.

6 6 Figura2.DistribuiçãodoscasosdeSRAGconfirmadosparainfluenzaA/H1N12009porsemana epidemiológicadeiníciodossintomas.brasil,se16/2009ase52/2011. Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem08/01/2012. Figura3.MapascomdistribuiçãodoscasosdeSRAGconfirmadosparainfluenzaA/H1N12009 pormunicípioderesidência.brasil,se16/2009ase52/ Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem11/12/2011.

7 7 Figura4.MapascomdistribuiçãodoscasosdeSRAGhospitalizadoseconfirmadospara influenzaa/h1n12009pormunicípioderesidência.brasil,2011. SRAGhospitalizado A/H1N12009 Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem08/01/2012. Figura5.Incidência( habitantes)doscasosdeSRAGconfirmadosparainfluenza A/H1N12009porfaixaetáriaesexo.Brasil,SE16/2009aSE52/ Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem11/12/2011.

8 8 Figura6.Incidência( habitantes)doscasosdeSRAGhospitalizadoseconfirmadospara influenzaa/h1n12009porfaixaetáriaesexo.brasil,2011. SRAGhospitalizado A/H1N12009 Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem08/01/2012. Tabela3.DistribuiçãodoscasosdeSRAGconfirmadosparainfluenzaA/H1N12009,segundo fatoresderiscoeanoepidemiológicodeiníciodossintomas.brasil,se16/2009ase52/2011. Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem08/01/2012. *Percentualemrelaçãoaototaldemulheres. **Percentualemrelaçãoaototaldemulheresemidadefértil.

9 9 Figura7.CasosdeSRAGcomidentificaçãodoagenteetiológicopelatécnicadert PCRem temporeal,poranoepidemiológicodoiníciodossintomas.brasil,se16/2009ase52/2011. Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem08/01/2012. Tabela4.DistribuiçãodosóbitosdeSRAGconfirmadosparainfluenzaA/H1N12009porregião geográficaeanodeiníciodossintomas.brasil,se16/2009ase52/2011. Região Norte Nordeste Sudeste Sul CentroOeste Total Fonte:SINANInfluenzaWeb/SVS/MS.Dadosatualizadosem08/01/ InternaçõesHospitalaresporCID10:J09aJ18 Ashospitalizaçõesporpneumoniaeinfluenza(CID 10:J09 J18)registradasnoSistema deinformaçãodehospitalizações(sih)apresentouumnúmerodeinternaçõesacimadolimiar superiornodiagramadecontroleparaoanode2009entreasse29e50,considerandouma sériehistóricade2004a2008.noanode2010,asinternaçõesultrapassaramolimiarsuperior nasprimeirassemanas,entreassemanas34e38enasúltimassemanasdoano.paraoanode 2011, observou se números acima do limiar superior apenas nas primeiras semanas do ano (Figura8).

10 10 Figura8.Distribuiçãodasinternaçõeshospitalaresporinfluenzaoupneumonias(CID10:J09 J18),segundosemanaepidemiológicadeinternação.Brasil,2009aSE40de2011. Fonte:CGIAE/DASIS/SVS/MS.Dadosatualizadosem08/01/ VigilânciaLaboratorial Iniciada em 1947, a rede de vigilância epidemiológica da influenza, coordenada pela OMS, inclui aproximadamente 112 Laboratórios Nacionais de Influenza distribuídos em 83 países, apoiados por cinco Centros Colaboradores de Referência localizados na Inglaterra, EstadosUnidos,Austrália,JapãoeChina. NoBrasil,arededelaboratóriosdereferênciaparavírusrespiratóriosécompostade três (03) laboratórios credenciados junto à OMS como centros de referência para influenza (NIC Nacional Influenza Center), os quais fazem parte da rede global de vigilância da influenza. Entre estes laboratórios há um laboratório de referencia nacional, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, e dois laboratórios de referência regional: o InstitutoAdolfoLutz(IAL),emSãoPaulo,eoInstitutoEvandroChagas(IEC),emBelém. A Rede de Laboratórios de Saúde Pública, do Ministério da Saúde, possui 27 LACEN, localizados nas capitais das unidades federadas. As amostras de SG e SRAG coletadas nas unidades de saúde são encaminhadas aos LACEN para a realização da técnica de ImunofluorescênciaIndireta(IFI). Atualmente, todos os LACEN realizam a técnica de IFI. Alguns também realizam a técnica de rt PCR em tempo real, como o Grande do Sul; Santa Catarina; Paraná; Minas Gerais;RiodeJaneiro;SãoPaulo;MatoGrossodoSul;Goiás;Pernambuco;CearáeAcre.Os estadosquenãorealizamrt PCRemtemporealencaminhamsuasamostrasaosLaboratórios

11 11 de Referência para Influenza (FIOCRUZ/RJ, IEC/PA e IAL/SP) de acordo com a área de abrangência. OsLaboratóriosdeReferênciaparaVírusRespiratórios,alémderealizaratécnicadert PCR em tempo real para os LACEN de estados não capacitados, também são responsáveis pelocontroledequalidadedasamostrasdeifi. Em 2011, os Laboratórios de Referência para Vírus Respiratórios receberam amostrasatéase49:790foramdafiocruz,905doiece3.519doial.nasprimeirassemanas epidemiológicas do ano foi identificada a circulação de influenza A sazonal, um aumento de casosdevrsapartirdase10edainfluenzaa(h1n1)2009apartirdase15. Figura9.DistribuiçãodosvírusrespiratóriosidentificadosnosNICpelatécnicadert PCRem temporeal,porsemanaepidemiológicadeiníciodossintomas.brasil,2011*. Fonte:CGLAB/SVS/MS.Dadosatualizadosem14/12/2011.*atéaSE49/ ImunizaçãodaInfluenza A vacina contra a influenza confere proteção contra as complicações associadas à Influenza. O Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Imunizações, disponibiliza,desde1999,avacinasazonalparaafaixaetáriade60anosdeidadee,apartirdo ano de 2010, a vacinação de rotina foi indicada para grupos prioritários com maior risco de complicações,visandocontribuirparaareduçãodamorbimortalidadeassociadaàinfluenza.

12 12 Em2011,foramampliadososgruposprioritáriosparavacinação:gestantesecrianças na faixa etária de seis meses a menos de dois anos foram incluídas. Desse modo, foram vacinadasaspopulaçõesde60anosemaisdeidade,trabalhadoresdesaúde,criançasnafaixa etária de seis meses a menos de dois anos, gestantes e povos indígenas, alcançando uma coberturanacionaldevacinaçãoacimade80%em2011. Figura10.Coberturavacinalcontrainfluenzaparatodososgruposprioritários.Brasil,2011 Fonte:Vacinômetro/Datasus/MS.Acessoem09/11/ TratamentodaInfluenza OMinistériodaSaúde,deacordocomoProtocolodeTratamentodeInfluenza 2011, recomendaousodeantiviral(fosfatodeoseltamivir)emtodosospacientescomsrage,na infecção por influenza (SG), em pacientes com fatores de risco para complicações, independente da situação vacinal. Esta indicação fundamenta se no benefício que a terapêutica precoce proporciona na redução da duração dos sintomas e, principalmente, na redução da ocorrência de complicações da infecção pelos vírus da influenza, segundo a experiênciaacumuladanomanejoclínicodepacientesduranteapandemiade2009. Oprotocoloestádisponívelparaconsultanolink: OUSODOOSELTAMIVIRPARAPROFILAXIAESTÁINDICADONASSEGUINTESSITUAÇÕES: Profissionaisdelaboratórionãovacinados,quetenhammanipuladoamostrasclínicas de origem respiratória que contenham o vírus influenza sem o uso adequado de EquipamentodeProteçãoIndividual(EPI).

13 13 Trabalhadores de saúde não vacinados que estiveram envolvidos na realização de procedimentosinvasivos(geradoresdeaerossóis)oumanipulaçãodesecreçõesdeum casosuspeitoouconfirmadodeinfecçãoporinfluenza,semousoadequadodeepi. Indivíduoscomfatorderiscoparacomplicaçõesparainfluenzaenãovacinadasecom exposiçãoàpacientessuspeitosdeinfluenzanasúltimas48horas. O início do tratamento deve ser o mais precoce possível e a coleta de material não deveretardarseuinício.empacientescomfatoresderiscoparacomplicaçõesecomsrag,o antiviral ainda apresenta benefícios mesmo se iniciado 48 horas após o estabelecimento das manifestaçõesclínicas. O antiviral deve estar disponível em todos os serviços de atendimento clínico de demandaespontânea(porexemplo:prontosocorro,unidadedeprontoatendimento UPA, Programa de Saúde da Família PSF, Unidade de Terapia Intensiva UTI e Ambulatório), de maneira a garantir o início precoce do tratamento e evitar a ocorrência de casos graves e óbitos. Além do tratamento com antiviral, recomenda se a ampla divulgação das medidas preventivascontraatransmissãodovírusinfluenza,lavagemdasmãoseetiquetarespiratória, alémdeoutroscuidadosrecomendadosespecialmenteaosprofissionaisdesaúde. 8. Recomendações OMinistériodaSaúdereiteraaimportânciadanotificaçãouniversaldetodososcasos de SRAG hospitalizados no SINAN Influenza Web (www.saude.gov.br/influenza) até a implantação de módulo específico para notificação de SRAG Inusitado, com devida coleta de materialdesnfeenvioparaolacen. A SG deve ser notificada em situações de surtos no SINAN Net, conforme orientação doprotocolodevigilânciaepidemiológicadainfluenzapandêmica(h1n1)2009 Notificação, InvestigaçãoeMonitoramento(http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/protocolo_ve_ influenza_2010.pdf). Emrelaçãoàrotinadevigilânciadainfluenza,oMinistériodaSaúderecomendaque: As Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde divulguem e orientem os serviços médicos para a utilização do protocolo para tratamento de SG com fator de risco e SRAG,disponívelnositedaSecretariadeVigilânciaemSaúde(SVS). Envidem esforços para garantir o acesso ao medicamento Oseltamivir de maneira oportuna. Divulguem amplamente as medidas preventivas contra a transmissão do vírus influenza,reforçandoaetiquetarespiratória,lavagemdasmãoscomáguaesabãoou usodeálcoolgel,alémdoscuidadosrecomendadosaosprofissionaisdesaúde. AsseguremanotificaçãodoscasosdeSRAGempacienteshospitalizados,bemcomo coleta de amostras de secreção NSF para a realização de diagnóstico viral, e tenham atualizadososfluxosdecoletaeencaminhamentoaoslacen.

14 14 9. OutrasInformações Foi publicada a Portaria nº GM/MS, em 17 de novembro de 2011, que estabelece mecanismo de repasse financeiro para implantação, implementação e fortalecimentodavigilânciaepidemiológicadainfluenzaedefineatuaçãodossítiossentinelas. NascapitaisdopaísenosmunicípiosdaRegiãoSulcompopulaçãomaiorque300mil habitantes serão implantadas ou implementadas a Vigilância Ampliada de Influenza, que é compostaportrêscomponentes:avigilânciadesíndromerespiratóriaagudagrave(srag),a Vigilância de Síndrome Gripal (SG) e a notificação de internações por CID J09 a J18. Nos municípioscompopulaçãomenorque300milhabitantesderegiãometropolitanadascapitais de outras regiões do país, serão implantadas ou implementadas a vigilância de Síndrome Gripal(SG)eanotificaçãodeinternaçõesporCIDJ09aJ18. Para obter a portaria, os protocolos e materiais oficiais do Ministério da Saúde para vigilânciadainfluenza,acesseoportalsaúdenolink:

15 15 Elaboraçãoeorganização JarbasBarbosadaSilvaJunior CláudioMaierovitchPessanhaHenriques MarianaPastorelloVerotti JoséRicardoPioMarins MarciaLopesdeCarvalho FabianoMarquesRosa WalquiriaAparecidaFerreiradeAlmeida AnaCláudiaMedeirosdeSouza LíbiaRobertadeOliveiraSouza DaianaAraujodaSilva FelipeTeixeiradeMelloFreitas ThayssaNeivadaFonseca LeandroQueirozSanti MariaGoreteBadaróMoreiraPianissolla MarliRochadeAbreuCosta MINISTERIODASAUDE SecretariadeVigilânciaemSaúde DiretoriaTécnicadeGestão Produção:NúcleodeComunicação Endereço EsplanadadosMinistérios,BlocoG, EdifícioSede,1oandar,Sala134 Brasília/DF. CEP: E Endereçoeletrônico:www.saude.gov.br/svs

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Pandemia Influenza. Márcia Regina Pacóla. GVE XVII Campinas SES - SP. http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm

Pandemia Influenza. Márcia Regina Pacóla. GVE XVII Campinas SES - SP. http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm Pandemia Influenza 1918 2009 http://www.cdc.gov/h1n1flu/images.htm Márcia Regina Pacóla GVE XVII Campinas SES - SP Pandemias: século XX H1N1 H2N2 PB1 HA NA H3N? PB1 HA PB2, PA NP, M, NS PB2, PA NP, NA,

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA]

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] 2 Gripe (Influenza A) Suína Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil I ÓBITOS, CASOS GRAVES E FATORES DE RISCO Entre 25 de abril e 8 de agosto, foram informados

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Vigilância Ampliada da Influenza Salvador - Ba

Vigilância Ampliada da Influenza Salvador - Ba Seminário Estadual de Vigilância Epidemiológica da Influenza e das Paralisias Flácidas Agudas/Poliomielite Vigilância Ampliada da Influenza Salvador - Ba Doiane Lemos Souza Chefe do Setor de Agravos Imunopreveníveis

Leia mais

INFLUENZA Vigilância Ampliada Portaria 2693/ MS 17/11/2011*

INFLUENZA Vigilância Ampliada Portaria 2693/ MS 17/11/2011* INFLUENZA Vigilância Ampliada Portaria 2693/ MS 17/11/2011* Republicada no DOU. Edição 81 de 26/04/2012, páginas 37 e 38 Art. 1º. Estabelece mecanismo de repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 Ano 09 - N⁰ 02 23 de Julho de 2009 Influenza Edição Especial Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 APRESENTAÇÃO Desde a declaração de Emergência de Saúde Pública de Importância

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 36 de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 36 de 2009 Edição n o 8 setembro de 2009 Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 36 de 2009 APRESENTAÇÃO Desde 16 de julho de 2009, após a declaração de transmissão

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 Edição n o 3 agosto de 2009 Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 APRESENTAÇÃO Desde 16 de julho de 2009, após a declaração de transmissão sustentada,

Leia mais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração Aspectos Laboratoriais Eduardo Pinheiro Guerra Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

Tabela 1: Distribuição dos vírus Influenza nas amostras laboratoriais FUNED, 2013. Número de amostras positivas

Tabela 1: Distribuição dos vírus Influenza nas amostras laboratoriais FUNED, 2013. Número de amostras positivas COORDENADORIA DE DOENÇAS E AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLOGIA, AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR INFLUENZA (GRIPE) - CID 10: J09,

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

INFORME TÉCNICO INFLUENZA DDTR 31/01/2012

INFORME TÉCNICO INFLUENZA DDTR 31/01/2012 2012 INFORME TÉCNICO INFLUENZA DDTR 31/01/2012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC

Leia mais

INFLUENZA NO RIO GRANDE DO SUL EM 2012

INFLUENZA NO RIO GRANDE DO SUL EM 2012 INFLUENZA NO RIO GRANDE DO SUL EM 2012 1 Introdução A influenza ou gripe se apresenta com um amplo espectro clínico, desde infecção assintomática até quadros letais. Em sua forma clínica clássica, se caracteriza

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 APRESENTAÇÃO

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 APRESENTAÇÃO Edição n o 2 julho de 2009 Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 APRESENTAÇÃO Desde a declaração de Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional por influenza A(H1N1),

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

INFORME TÉCNICO INFLUENZA ESP. DDTR Janeiro/2014

INFORME TÉCNICO INFLUENZA ESP. DDTR Janeiro/2014 2014 INFORME TÉCNICO INFLUENZA ESP DDTR Janeiro/2014 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

Boletim Epidemiológico Julho/2015

Boletim Epidemiológico Julho/2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGICA EM VIGILANCIA

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL

PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL O SISTEMA NACIONAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA (SNLSP) FOI INSTITUIDO ATRAVÉS DA PORTARIA MINISTERIAL Nº 280/BSB DE 21/07/77 E FOI

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem JUNIEL PEREIRA BRITO A INFLUEZA A-H1N1 Debate e Prevenção MUZAMBINHO 2010 JUNIEL

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Orientações para a prevenção de transmissão da influenza nas escolas de Belo Horizonte. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte.

Orientações para a prevenção de transmissão da influenza nas escolas de Belo Horizonte. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte. Orientações para a prevenção de transmissão da influenza nas escolas de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Agosto 2009 O vírus da influenza Os vírus influenza são subdivididos

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

HIV/AIDS no Norte e Nordeste

HIV/AIDS no Norte e Nordeste HIV/AIDS no Norte e Nordeste Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br 04 de dezembro de 2014 Foco em populações chave 12% 10% 10,5%

Leia mais

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9)

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) SOBRE O VÍRUS INFLUENZA A (H7N9) O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral A (H7N9) não havia sido

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

INFORME TÉCNICO DISTRITO FEDERAL (baseado no informe técnico do Programa Nacional de Imunizações/Ministério da Saúde)

INFORME TÉCNICO DISTRITO FEDERAL (baseado no informe técnico do Programa Nacional de Imunizações/Ministério da Saúde) GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E DE IMUNIZAÇÃO

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

NOTA TÉCNICA 05/2011

NOTA TÉCNICA 05/2011 NOTA TÉCNICA 05/2011 DENGUE SITUAÇÃO ATUAL, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA ENFRENTAMENTO Brasília, 13 de março de 2011. DENGUE SITUAÇÃO ATUAL, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA ENFRENTAMENTO 1. Situação atual Segundo

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

INFORME TECNICO - Junho 2015

INFORME TECNICO - Junho 2015 GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA INFORME TECNICO - Junho

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2013 % Jan a Dez 2013 x Jan a Dez 2012 Morte 60.752 1 54.767 9% - Invalidez Permanente 352.495 69% 444.206 70% 2 Despesas Médicas (DAMS) 94.668 19% 134.872

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Dengue no Brasil Informe epidemiológico 17/2009 Monitoramento CGPNCD

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Dengue no Brasil Informe epidemiológico 17/2009 Monitoramento CGPNCD MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Dengue no Brasil Informe epidemiológico 17/2009 Monitoramento CGPNCD Período: Semana epidemiológica 1 a 26 de 2009 As notificações de casos suspeitos

Leia mais

Situação da Tuberculose no Brasil

Situação da Tuberculose no Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Programa Nacional de Controle da Tuberculose Situação da Tuberculose no Brasil Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2015

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2015 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Av. 136 Quadra F 44 Lotes 22/ 24 Edifício César Sebba Setor Sul Goiânia GO- CEP: 74093-250 Fone: (62) 3201-7880 FAX: (62) 3201-7878

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS

DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS Priscila Leal e Leite Coordenação do Programa Nacional do Controle da Dengue - CGPNCD Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS JUNHO - 2009 Diretrizes Tomando por base a necessidade de organizar à assistência

Leia mais

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional Diretoria de Livro, Leitura e Literatura Fundação Biblioteca Nacional Sistema Nacional de Bibliotecas PúblicasP Censo Nacional das Bibliotecas

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 014/2012

NOTA TÉCNICA N o 014/2012 NOTA TÉCNICA N o 014/2012 Brasília, 28 de agosto de 2012. ÁREA: Área Técnica em Saúde TÍTULO: Alerta sobre o vírus H1N1 REFERÊNCIA(S): Protocolo de Vigilância Epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1)

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Testes Rápidos de HIV e Sífilis

Testes Rápidos de HIV e Sífilis Testes Rápidos de HIV e Sífilis Videoconferência Nº 04 Ministério da Saúde Outubro de 2012 PRÉ-NATAL A partir da adesão dos municípios, recursos para: TODAS AS GESTANTES Ultrassonografia 100% das gestantes

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B): Relembrando... A gripe é uma doença

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

6. A SVS/MS agradece a todas as Instituições que enviaram suas propostas. Instituição proponente. Universidade Federal do Rio de Janeiro

6. A SVS/MS agradece a todas as Instituições que enviaram suas propostas. Instituição proponente. Universidade Federal do Rio de Janeiro A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS) torna público o resultado da análise das propostas e projetos submetidos ao Chamamento Público nº 05/2014 Iniciativas Educacionais Aplicadas

Leia mais

INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 2016

INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 2016 1 INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 216 2 SUMÁRIO Gripe (influenza) como problema de saúde pública Vigilância Alerta e Preparação dos serviços de saúde Vacinação contra a gripe Comunicação GRIPE (INFLUENZA)

Leia mais

Aspectos Epidemiológicos da Tuberculose em Santa Catarina

Aspectos Epidemiológicos da Tuberculose em Santa Catarina HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO Aspectos Epidemiológicos da Tuberculose em Santa Catarina Péricles B. Spártalis Jr. Tubarão, 17/11/2011 Conceitos Tuberculose Multirresistente = M. tuberculosis resistente

Leia mais