ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3"

Transcrição

1 ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR ÁREA AJARDINADA - redução da taxa de ocupação LARGURA DA RUA LOTES DE ESQUINA / CANTO CHANFRADO VAGAS DE ESTACIONAMENTO CONDIÇÕES DE ACESSO AO CONJUNTO R IMPLANTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO VEGETAÇÃO NO LOTE NÍVEL DO PAVIMENTO TÉRREO IMPLANTAÇÃO DE EDIFICAÇÕES E MUROS JUNTO ÀS DIVISAS CLASSIFICAÇÃO DOS VOLUMES DAS EDIFICAÇÕES AERAÇÃO E INSOLAÇÃO EDIFICAÇÃO SECUNDÁRIA - EDÍCULA ÁREA PERMEÁVEL RESERVATÓRIO DE RETENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS 9 3. ACESSIBILIDADE 9 4. EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS 9 5. EXIGÊNCIAS DO CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES SEGURANÇA DE USO: QUANTIDADE E TIPOS DE ESCADAS ELEVADORES CLASSIFICAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS ÁREAS COMPUTÁVEIS E NÃO COMPUTÁVEIS COMO APRESENTAR A MEMÓRIA DE CÁLCULO 12

2 1 - ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Consultar o Passo 3 do Guia de Aprovação Zonas de uso onde o R3.01 é permitido e quais os índices urbanísticos referentes a dimensionamento de lote, coeficiente de aproveitamento, taxa de ocupação, recuos, gabaritos e outros. Consultar os Quadros das Zonas de Uso nos Anexos do Guia de Aprovação Não admite o uso misto Recuo de frente secundário de 4,00m Recuos de frente em lote de esquina e em lotes irregulares estabelecidos no Quadro nº 8 do Decreto /74 e /76. Consultar o Quadro dos Recuos nos Anexos do Guia de Aprovação Nos casos em que as zonas de uso Z17 e Z18 forem lindeiras à Zona de uso Z1 e o limite entre as zonas passar pelo interior da quadra, através de segmentos ou de viela sanitária, os lotes das zonas de uso Z17 ou Z18, quando ocupados por edificações com altura superior a 10 m (dez metros), deverão prever uma faixa "non aedificandi" de 25 m (vinte e cinco metros) de largura, traçada e medida paralelamente ao limite entre as zonas de uso, que deverá ser obrigatoriamente arborizada, podendo ser ocupada por estacionamento de veículos no subsolo até 50% da sua profundidade... 3º do artigo 2º da Lei nº 9.049/80 com nova redação dada pelo art. 8º da Lei 9.411/81/ Resolução SEMPLA-CZ/126/87. O recuo de frente para viela deve ser no mínimo 1,60m Nas zonas Z17 e Z18 e nos corredores de uso especial Z8CR5 e Z8CR6 devem ser observadas as restrições contratuais estabelecidas pelo loteador Art. 39 da Lei 8.001/73, com nova redação dada pela Lei 9.846/85. Se o lote apresentar dimensões inferiores ao exigido para a zona deve ser apresentada matrícula no Cartório de Registro de Imóveis comprovando sua existência em data anterior à lei nº 7.805, de 01 de novembro de Art. 27 da Lei 9.413/81 Nas zonas Z2, Z11, Z13, Z17 e Z18 e corredores lindeiros, o coeficiente de aproveitamento básico gratuito pode chegar a 2,0 através da redução da taxa de ocupação e desde que 50% da área do lote não ocupada seja ajardinada e que 15% da área total do lote seja mantida permeabilizada. Art. 166 e 297 da Lei /02 2

3 1.1 - CORREDOR DE USO ESPECIAL - Z8CR Nos corredores de uso especial ZR-CR, exceto no Z8.CR4, somente é permitido construir na faixa edificável com profundidade de 40m no Z8-CR1, Z8-CR2, Z8- CR5 e Z8-CR6 e de 50m nos Z8-CR3. A área remanescente além da faixa do corredor é não edificável, podendo ser ocupada apenas subsolo para estacionamento de veículos. Não é permitido projetar piscina nesta área. Devem ser observadas outras condições especiais em relação aos recuos, gabarito de edificação, acessos e cálculo dos índices de aproveitamento e ocupação. Art. 19 e 20 da Lei 8.001/73, art 21, 22, 25 da Lei 9.049/80, art. 28 da Lei 9.300/81, art. 3, 12, 13 da lei 9.411/81. Mais informações consultar Passo 3 do Guia de Aprovação e Quadro de Zonas Especiais Z8-CR nos Anexos deste Guia de Aprovação OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR Nas zonas Z2, pode ocorrer a compra de potencial construtivo acima do coeficiente de aproveitamento básico até o limite do coeficiente de aproveitamento máximo de 2,5 através de outorga onerosa do direito de construir. Art. 165 e 213 da Lei /02 e Decreto /03 Nas zonas Z11 e Z13, havendo redução parcial da taxa de ocupação ou não havendo alteração da taxa de ocupação, poderá ocorrer a compra de potencial construtivo acima do coeficiente de aproveitamento básico 1, até o limite de 2,0, através de outorga do direito de construir. Art. 166 e 213 da Lei /02 e Decreto /03 Nas zonas Z3, Z4, Z5, Z10, Z12, corredor Z8.CR3 e Z , 08, 10, 11, 12 e 13, pode ocorrer a compra de potencial construtivo acima do coeficiente de aproveitamento básico até o limite do coeficiente de aproveitamento máximo de 4,0 através de outorga onerosa do direito de construir. Art. 165 e 213 da Lei /02 e Decreto / ÁREA AJARDINADA - redução da taxa de ocupação Nas zonas Z2, Z11, Z13, Z17 e Z18 e nos corredores de uso Z8CR a elas lindeiros, quando o coeficiente de aproveitamento básico for aumentado sem o pagamento de contrapartida, mediante a redução da taxa de ocupação, deve ser reservada no mínimo 50% da área do terreno não ocupada para jardim. 3

4 No cálculo da área ajardinada pode ser considerada como não ocupada a área resultante da subtração da área de projeção máxima possível para o coeficiente de aproveitamento adotado. Art. 166 e 297 da Lei / LARGURA DA RUA O uso ou atividade pode não ser permitido em função da largura e extensão da via que dá acesso ao lote. Também são estabelecidas condições especiais referentes a gabarito de altura da edificação, aumento do recuo de frente e limite de área construída. Lei /85 Mais informações consultar Passo 3 do Guia de Aprovação e Quadro de Largura de Vias nos Anexos deste Guia de Aprovação LOTES DE ESQUINA / CANTO CHANFRADO Nos cruzamentos dos logradouros públicos deverá ser previsto canto chanfrado de 3,50 m (três metros e cinqüenta centímetros), normal à bissetriz do ângulo formado pelo prolongamento dos alinhamentos, salvo se tal concordância tiver sido fixada de forma diversa em arruamento ou plano de melhoramento público. Item da Lei / VAGAS DE ESTACIONAMENTO Número mínimo de vagas para estacionamento de veículos e motos Quadro 4 da Lei 8001/73 e Capítulo 13 da Lei /92 Mais informações consultar Passo 3 do Guia de Aprovação Condições de acesso e manobra de veículos Capítulo 13 da Lei /92 - Até 60 vagas a largura do acesso e circulação de veículos é 2,75m. - Acima de 60 vagas é de 5,50m. - Mais de 100 vagas prever e delimitar em planta área de acomodação correspondente a 2,50m² por vaga, em espaços com largura mínima de 5,50m. Pista de Desaceleração junto ao alinhamento da via é necessária quando previstas mais de 100 vagas e a testada do lote for superior a 50m. Art.59 do Decreto /74 O acesso de veículos em lotes de esquina deverá distar, no mínimo, 6,00 m (seis metros) do início do ponto de encontro do prolongamento dos alinhamentos dos logradouros. Item da Lei /92. 4

5 No caso do número de vagas para estacionamento de veículos for igual ou superior a 500 será obrigatória a apresentação de Certidão de Diretrizes emitida por SMT. Tabela 4.D.1. do Decreto / CONDIÇÕES DE ACESSO AO CONJUNTO R3-01 No caso de conjunto com dois ou mais blocos, o acesso enquanto servir mais de um bloco deverá ser feito através de via de circulação que pode ser: VCV - Via de circulação de pedestres e veículos: o Recuada no mínimo 5m das edificações o Larguras da via e da faixa destinada a passeio variam em função da sua extensão: Extensão Largura total Largura dos passeios < ou = a 50,00m 8,00m 2,00m >50,00m e < ou = 10,00m 3,00m 100,00m > 100,00m 12,00m 5,00m VCP - Via de circulação de pedestres: o Recuada 3m no mínimo de qualquer edificação, prevendo-se nesse caso acesso de veículos direto à via oficial. o Largura mínima de 4m o Quando o acesso de pedestres servir a um único bloco pode ter largura mínima de 1,20m Art. 19 da Lei 8.881/79, 1 o, incisos VI a VIII 2 - IMPLANTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO Neste Capítulo encontram-se as condições mínimas para a implantação de edificações no lote, como definição do pavimento térreo, altura de edificações junto à divisa, faixas de aeração e insolação VEGETAÇÃO NO LOTE Quando houver previsão de remoção de árvores, deve ser requerida a anuência prévia junto ao DEPAVE/SVMA quando o lote estiver em região de proteção ambiental (APA) ou a projeção das copas ocupar mais de 30% da área do lote. A planta de implantação deve conter a indicação das árvores a serem mantidas, retiradas ou transplantadas, de acordo com a autorização concedida. 5

6 A apresentação do Termo de anuência prévia do DEPAVE permite a emissão do Alvará de Aprovação, ficando o Alvará de Execução vinculado à assinatura do Termo de Compromisso Ambiental - TCA Nas demais condições deve ser apresentado o protocolo do pedido de remoção junto à Subprefeitura, ficando o início das obras vinculado a este licenciamento. Lei /87, Portaria/127/SMMA.G/2002 e Portaria Intersecretarial n.º 04 SEHAB/SVMA/2003 Mais informações Consultar o Passo 4 do Guia de Aprovação NÍVEL DO PAVIMENTO TÉRREO Inciso XV do art. 2 o do decreto /74 e Resolução/CEUSO/29/79 No R3.03 com acesso por VCP ou VCV o nível do pavimento térreo das edificações deve situar-se em qualquer cota entre 1m acima e 1m abaixo do nível da via de circulação em frente à mesma. Lei /91 e Resolução/CEUSO/79/96 O nível do deck da piscina pode estar localizado no máximo 1m acima do nível do pavimento térreo adotado sendo obrigatória as condições de acessibilidade para pessoas portadoras de necessidades especiais e a previsão de gradil com portão em toda piscina de uso coletivo. Mais informações Consultar o Passo 7 do Guia de Aprovação TÉRREO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS O pavimento térreo pode ser implantado em nível mais elevado que o previsto no item acima, dependendo das condições das construções e lotes vizinhos, em terrenos que apresentem as seguintes situações: Acentuado aclive em relação à via Lençol freático elevado Localizado em ponto crítico de enchente PCE RESOLUÇÃO/CEUSO/29/79 Em terreno com acentuado declive em relação à via RESOLUÇÃO/SEMPLA/CZ/128/87. Mais informações Consultar o Passo 7 do Guia de Aprovação 6

7 2.3 - IMPLANTAÇÃO DE EDIFICAÇÕES E MUROS JUNTO ÀS DIVISAS As construções e os muros construídos a menos de 3m das divisas laterais e de fundo do lote devem ter altura de no máximo 9m, contados a partir do perfil natural do terreno. Item da Lei /92 e Desenho 10-I do Anexo 18 do Decreto /92 Mais informações Consultar o Passo 7 do Guia de Aprovação CLASSIFICAÇÃO DOS VOLUMES DAS EDIFICAÇÕES A volumetria da edificação determina os afastamentos necessários para a aeração e insolação, além das características dos compartimentos no caso da insolação. Uma edificação é classificada em três volumes: volume inferior Vi, volume superior Vs e volume enterrado Ve, assim caracterizados através do cálculo dos desníveis dos andares cuja somatória resulta no índice volumétrico n. Para cada volume são estabelecidas condições específicas de aeração e insolação, que devem ser consideradas juntamente com as estabelecidas nas LPUOS, sendo que apenas para o volume superior devem ser observados os afastamentos: faixa livre A e espaço livre I. Itens 10.2 a da Lei /92 e item 10.C do Decreto / AERAÇÃO E INSOLAÇÃO Os afastamentos necessários para o volume superior são obtidos através do cálculo dos desníveis dos andares cujo somatório resulta no índice volumétrico N. O atendimento aos afastamentos pode ser feito de forma escalonada, atendendo cada andar o afastamento necessário. Itens 10.6 a da Lei /92 e item 10.D a 10. J do Decreto /92. FAIXA LIVRE A Contorna toda a edificação independente da existência de aberturas, e tem para cada andar um único valor de faixa livre A. O coroamento das edificações que apresentar superfície vazada superior a 2/3 (dois terços) de sua superfície total poderá, à semelhança do ático, observar a faixa livre "A" do andar mais elevado da edificação. Itens 10.5 da Lei /92 e item 10.E do Decreto /92. 7

8 ESPAÇO LIVRE I Espaço caracterizado por um semicírculo ou retângulo que, em frente ao compartimento ou através de rebatimento, garante o espaço necessário para sua insolação. Também pode ser escalonado, e se amplia na medida em que a edificação se verticaliza garantindo a insolação dos andares inferiores. Como é calculado em função das características dos compartimentos, e se constitui em ampliação de espaços em pontos específicos da edificação, um mesmo andar pode possuir valores diferentes de I ao longo do seu contorno, ou de não precisar atender em alguns pontos, de acordo com a face da edificação. Os compartimentos classificados nos "GRUPOS A, B e C" poderão apresentar, no máximo, a partir do plano de insolação, profundidade igual a três vezes sua largura e seu pé-direito da Lei /92 Quando as dimensões das aberturas para aeração e insolação forem iguais ou superiores ao dobro do mínimo necessário exigido pelo item , a profundidade dos compartimentos poderá ser igual a cinco vezes a sua largura e seu pé-direito da Lei /92 Itens 10.6 da Lei /92 e. item 10.F. do Decreto / EDIFICAÇÃO SECUNDÁRIA - EDÍCULA Edificação transitória é aquela isolada da edificação principal, de pelo menos 1,50m, acessória à edificação principal, que não pode constituir domicílio independente. A edícula pode ocupar o recuo de fundo definido na lei de zoneamento, sendo computável para o cálculo da taxa de ocupação e coeficiente de aproveitamento e sua área de projeção deve atender a seguinte fórmula: E= S/4 +20, onde: E= área de projeção da edícula (m2); S= área de projeção da edificação principal. Art.2º, inciso XXI do Decreto /74 e Resolução/CEUSO/28/ ÁREA PERMEÁVEL Deve ser reservada no mínimo 15% da área do lote permeável. Esta área pode ser substituída ou complementada através de previsão de reservatório de retenção ou utilização de floreiras, nesse caso utilizando-se 1/3 do volume de terra (fórmula no texto da Lei) Item da Lei /92 e item 10.A.4 do Decreto /92 Nas zonas Z2, Z11, Z13, Z17 e Z18 e nos corredores de uso Z8CR a elas lindeiras, quando o coeficiente de aproveitamento básico for aumentado, sem o 8

9 pagamento de contrapartida, mediante a redução da taxa de ocupação somente podem ser consideradas permeáveis as áreas efetivamente sobre terra, não sendo computados os espaços destinados a acesso e circulação de veículos. Art. 166 e 297 da Lei /02 A área permeável deve estar contida no menor número de perímetros possíveis, de preferência em um único RESERVATÓRIO DE RETENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS Obrigatório nos lotes com área impermeável acima de 500m² (fórmula no texto da Lei) além do atendimento às exigências acima de área permeável. Pode ser utilizado o mesmo reservatório para atender também ao item da Lei /92, somando-se os dois volumes necessários. Lei / ACESSIBILIDADE A acessibilidade a portadores de mobilidade reduzida nas vias de circulação e em todos os acessos às áreas de uso comum do conjunto deve ser garantida, atendendedo-se as as condições previstas na NBR Lei /93 Para saber mais clique aqui: 4 - EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS Apartamento e vaga para estacionamento de veículo para uso de zelador, localizado no pavimento térreo ou no 1º andar com área mínima de: 60m² quando as unidades do conjunto residencial tiverem área igual ou superior a esta metragem igual à do menor apartamento quando estes tiverem menos de 60m². Na área mínima pode ser considerado o terraço privativo descoberto. O apartamento do zelador não é considerado no cálculo do coeficiente de aproveitamento. Art. 40 da Lei 8.001/73, art 86 do Decreto /74, Lei /85 e Resolução/CEUSO/ 81/97 Vestiário para funcionários com área mínima de 2,00m² para cada um dos sexos. Item da Lei /92 e item 4.A.1 e 4.A.2 do decreto /92 Depósito de lixo. Item da Lei /92 e item 9.C.3 do decreto /92 9

10 Abrigo para cilindros de gás combustível quando o local não é servido por rede de gás canalizado. Item da Lei /92 e item 9.C.2 do decreto / EXIGÊNCIAS DO CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES Neste capítulo informaremos as principais questões técnicas que devem ser observadas no projeto de edificações residenciais, além das já elencadas SEGURANÇA DE USO: QUANTIDADE E TIPOS DE ESCADAS O número e tipo de escadas necessário no conjunto residencial são definidos através da altura Ho (desnível entre o piso do pavimento de saída da população e o piso do último pavimento, excluído o ático): Desnível Número e tipo de escadas Lei /92 Ho < 12m 01 coletiva 12m > Ho 27m 01 protegida sem antecâmara Item m > Ho 80m 01 protegida com antecâmara ou pressurizada Item Ho > 80m 02 protegidas com antecâmara ou pressurizadas Item TIPOS DE ESCADA As características das escadas que servem a edificação dependem do uso, altura, lotação. Lei /92 Mais informações consultar o Passo 6 do Guia de Aprovação ELEVADORES O número e tipo de elevadores necessários na edificação são definidos através da altura do desnível (D) entre o piso do pavimento mais baixo (incluindo o subsolo) e o piso do último pavimento (excluído o ático): Desnível Número mínimo Tipo de elevador D 12m não obrigatório - 12m > D 24m 1 1 adaptado 24m > D 80m 2 1 comum e 1 adaptado D > 80m 2 1 de emergência¹ e 1 comum, sendo um deles adaptado 10

11 1. Item da Lei /92 e RESOLUÇÃO/ CEUSO/ 97/2000. Todos os andares devem ser servidos por 1 elevador adaptado ao uso por pessoas portadoras de deficiência ou necessidades especiais cuja cabine apresente dimensões mínimas de 1,10m de largura por 1,40m no sentido da profundidade (caixa sugerida: 1,65m x 1,95m). Item da Lei /92. O cálculo de tráfego de elevadores relativo a aplicação da NBR 5665 poderá eventualmente resultar em quantidade de elevadores superior a exigida pela seção 9.5 da Lei /92. Devem ser previstas paradas de elevador em todos os pavimentos, incluindo os subsolos, excetuando-se apenas o ático, o andar destinado unicamente a residência do zelador ou de uso privativo de andar contíguo. Item e subitem da Lei /92. O hall de elevadores deve ter acesso à escada ou deverá ser previsto gerador e elevador de segurança. Item da Lei /92 e item 9.E.3 do decreto /92 Seção 9.5 da Lei /92 e seção 9.E do decreto /92 Mais informações consultar o Passo 6 do Guia de Aprovação CLASSIFICAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS Os compartimentos de uma edificação são classificados em quatro grupos conforme suas características de utilização: essa classificação determina a área e a dimensão mínima do compartimento, pé-direito mínimo e os afastamentos necessários para a aeração e insolação, determinantes para a implantação da edificação. Item 11.1 da Lei /92 e 11.A do decreto /92 ABERTURAS/ PORTAS E JANELAS O dimensionamento dos vãos destinados à aeração e insolação dos também está relacionado com a sua classificação nos quatro grupos, e deve seguir a relação estabelecida na Lei para a profundidade do compartimento em relação às aberturas. Item 11.2 da Lei / ÁREAS COMPUTÁVEIS E NÃO COMPUTÁVEIS Não computável Áreas destinadas a lazer comum do edifício, em qualquer pavimento, na seguinte proporção: 4m² x nº de unidades para projetos protocolados até XX de setembro de

12 3m² x nº de unidades em projetos protocolados na vigência do Plano Diretor Pavimentos ou áreas destinadas à circulação e estacionamento de veículos Ático, desde que unicamente para esta finalidade, com dimensionamento compatível com a edificação projetada Térreo, quando destinado à utilização comum, incluindo obras complementares e mobiliário Apartamento de zelador, até 60 m² terraços em qualquer pavimento até o máximo de 10% da área de projeção do projeto. A peça que ultrapassar esse valor será considerada computável. Os outros itens da Tabela Saliências da Lei /92, como floreiras até 0,4m, pilares, elementos arquitetônicos até 0,4m, etc, não entram no cálculo de áreas enquanto se mantiverem nas dimensões ali estabelecidas. Se ultrapassar, a peça inteira é considerada área computável Computável As áreas de qualquer outro pavimento com exceção dos itens acima descritos são consideradas áreas computáveis. Não é considerada área construída Áreas descobertas, como terraço da cobertura O último lance das escadas de unidades residenciais com mais de 01 pavimento podem ser consideradas como vazio caso não estejam sendo ocupadas embaixo (com depósito ou lavabo, por exemplo). 7 - COMO APRESENTAR A MEMÓRIA DE CÁLCULO TÉRREO/ ÁREA DE PROJEÇÃO Indicar a área computável, se houver, e a área não computável, observando: O pavimento térreo sempre é a base para o cálculo da área de projeção: normalmente sua área é igual a área de projeção, a menos que tenha se descontado o poço do elevador neste andar, o que não é comum em edifícios residenciais, ou que tenha compartimentos nos subsolos que entrem na área de projeção; As áreas para usos comuns do térreo são por definição não computáveis, só serão consideradas computáveis as áreas privativas dos apartamentos. As áreas destinadas à circulação e estacionamento de veículos também são consideradas não computáveis; As áreas sob terraços que estiverem fechadas entram necessariamente na área de projeção; As áreas sob terraços que permaneçam abertos podem, a critério do autor, entrar ou não no cálculo da área da projeção, e da mesma forma na área do térreo; 12

13 Havendo edícula, deve ser verificado, além do recuo de 1,50 m da edificação, o atendimento à fórmula S/ = área máxima da edícula. A área de projeção a ser utilizada no cálculo dos 10% permitidos para terraço não computável no tipo é a área de projeção do projeto, sendo portanto a somatória das áreas de projeção de todos os blocos. ΣΥΒΣΟΛΟ Νορµαλµεντε δισπενσαδα α απρεσεντα ο σ νεχεσσ ριο θυανδο α φιγυρα µυιτο χοµπλεξα ου τενηα ρεασ χοµπυτ ϖεισ ου θυε εντραµ να ρεα δε προϕε ο. (ΤΙΠΟ, δυπλεξ, παϖιµεντοσ ιντερµεδι ριοσ, µεζανινο, τιχο, ε τοδοσ οσ ουτροσ παϖιµεντοσ Indicar a área computável. Indicar a área não computável. Cotar elementos arquitetônicos que não entram no cálculo de áreas (floreiras, pilares, etc). Indicar os vazios. 13

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta)

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta) 1/7 COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 2. IMPLANTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO IMPLANTAÇÃO DE EDIFICAÇÕES E MUROS JUNTO ÀS DIVISAS 6

ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 2. IMPLANTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO IMPLANTAÇÃO DE EDIFICAÇÕES E MUROS JUNTO ÀS DIVISAS 6 ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDORES DE USO ESPECIAL - Z8 CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3 1.3 ÁREA AJARDINADA - redução da taxa de ocupação 3 1.4 LARGURA DA

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

RESIDENCIAL CENTRAL PARK RIO VERDE

RESIDENCIAL CENTRAL PARK RIO VERDE MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO 01 - SITUAÇÃO O empreendimento, situar-seá Avenida I (Direita), Quadra 12, Lotes 04, 05 e 06, Parque dos Buritis e Rua Onze, Quadra 01, Lote 14, Parque Solar do Agreste, Gleba

Leia mais

MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO

MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO EDIFÍCIO F17 RUA FIDALGA Nº 787 I - Localização do Terreno Rua Fidalga, onde existiam os prédios n s 775, 779, 783, 787 e 793, demolidos conforme Alvarás de Execuções de Demolições

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

C. Manual Técnico. Projeto de Arquitetura VI. Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Arquitetura e Urbanismo

C. Manual Técnico. Projeto de Arquitetura VI. Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Arquitetura e Urbanismo Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Projeto de Arquitetura VI 1 º Semestre 2006 Matutino / Vespertino - Estrutura do texto e seleção das imagens Arq. Augusto França Arq. Cristine Gallinaro

Leia mais

Planilha de Controle e Registro Comentada Instruções

Planilha de Controle e Registro Comentada Instruções PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE BRAS E VIAÇÃO SUPERVISÃO DE EDIFICAÇÕES E CONTROLE Planilha de Controle e Registro Comentada Instruções A Planilha de Controle e Registro é

Leia mais

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA 0 Helcio Kronberg Avaliador e Leiloeiro Público Oficial R. Emiliano Perneta, 736 Centro - Curitiba/PR Fone/Fax 41 3233-1077 LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA Processo 0033193-67.2011.8.16.0179-1ª

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

DECRETO N.º 212/2007

DECRETO N.º 212/2007 DECRETO N.º 212/2007 Aprova o Regulamento de Edificações do Município de Curitiba e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, no uso de suas atribuições legais, com base no disposto no

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito.

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco,

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS I- Requerimento (modelo fornecido pela EMURB), assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. II- Número da inscrição cadastral do imóvel

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

Viamprom Construções Ltda. (Sociedade de Propósito Específico SPE). Tetto Empreendimentos Imobiliário e Paulo Baeta Empreendimentos.

Viamprom Construções Ltda. (Sociedade de Propósito Específico SPE). Tetto Empreendimentos Imobiliário e Paulo Baeta Empreendimentos. 1) Incorporação: Viamprom Construções Ltda. (Sociedade de Propósito Específico SPE). 2) Autoria dos Projetos: Crosara Arquitetura e Consultoria Ltda. CREA nº 7950/RF-DF 3) Planejamento e Vendas: Tetto

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento Novo Decreto de HIS Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015 Novo Decreto de HIS EHIS, EHMP, EZEIS, HIS e HMP Adequação à Lei nº 16.050/14 Sistematiza, Consolida e Revoga

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

GLOSSÁRIO PLANO DIRETOR DE MANAUS

GLOSSÁRIO PLANO DIRETOR DE MANAUS GLOSSÁRIO PLANO DIRETOR DE MANAUS Aceitação: documento expedido por órgão público competente que reconhece a execução de obra ou serviço e autoriza o uso ou a ocupação de edificação ou de instalações de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

Manual de Licenciamento de Projetos

Manual de Licenciamento de Projetos Manual de Licenciamento de Projetos Conteúdo Apresentação... 3 O que é o licenciamento de projetos?... 4 O que observar antes de fazer o projeto?... 5 Zoneamento... 6 Uso e Ocupação do Solo... 7 Melhoramento

Leia mais

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14 PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO I SEL SECRETARIA EXECUTIVA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS I SEC MANUAL DE EMPREENDIMENTOS DE GRANDE PORTE nr1 nr2 nr3 SÃO PAULO 2014 EMPREENDIMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE PASSEIOS PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Secretaria Municipal

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

Condomínio Residencial Rural

Condomínio Residencial Rural Condomínio Residencial Rural CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 ÍNDICE. 1.0 PROJETOS...03 1.1 Aprovação/ Reaprovação/ Substituição...03 1.1.1 Considerações Gerais...03 1.1.2 Documentos

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

Manual de Anistia de Edificações

Manual de Anistia de Edificações Manual de Anistia de Edificações 1 Conteúdo Apresentação...1 O que é a Anistia de Edificações?...2 Quais os benefícios?...3 Histórico de Leis...4 Anistia - Leis 13.558/03 e 13.876/04...5 Não são passíveis

Leia mais

ANEXO XIV GLOSSÁRIO. Alinhamento Limite divisório entre o lote e o logradouro público ou as áreas verdes abertas.

ANEXO XIV GLOSSÁRIO. Alinhamento Limite divisório entre o lote e o logradouro público ou as áreas verdes abertas. ANEXO XIV GLOSSÁRIO XIV.1 Conceitos de parcelamento, ocupação e uso do solo Acréscimo Ampliação de uma edificação em relação ao projeto aprovado, quer no sentido horizontal, quer no vertical, resultando

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 2 PROGRAMA DE NECESSIDADES E INFORMAÇÕES SOBRE O TERRENO

ATELIÊ DE PROJETO 2 PROGRAMA DE NECESSIDADES E INFORMAÇÕES SOBRE O TERRENO PROGRAMA DE NECESSIDADES E INFORMAÇÕES SOBRE O TERRENO Prof: Andréa Dall Olio ANÁLISE DO ARQUITETO EXIGÊNCIAS DO USUÁRIO PROGRAMA DE NECESSIDADES Etapa destinada à determinação das exigências de caráter

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 8760, DE 19 DE JANEIRO DE 2009. Regulamenta o art. 119, da Lei Complementar n.º 171, de 29 de maio de 2007 e Lei Complementar n.º 181, de 1º de outubro de 2008, que dispõe

Leia mais

ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 de 31 ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RATIFICADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE MAIO DE 2007 Página 2 de 31 1.0 PROJETOS...

Leia mais

Guia de Aprovação de Plantas

Guia de Aprovação de Plantas Guia de Aprovação de Plantas Projeto Plantas On-Line da Prefeitura da Cidade de São Paulo Objetivos Orientar e agilizar O Guia Para Aprovação de Projetos que colocamos à disposição dos cidadãos de nossa

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Unidades de apartamentos

Unidades de apartamentos Unidades de apartamentos Os apartamentos são de 141,92 m² e de 178,38m². As plantas podem sofrer variações devido à opção pelo número de dormitórios, sendo que um dormitório pode se integrar à sala ou

Leia mais

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5 Avenida Brasil HISTÓRICO A partir de 1935 foram definidas zonas de ocupação mais específicas dentre as quais a Zona Industrial. A primeira zona industrial efetivamente delimitada foi a de São Cristóvão.

Leia mais

Material exclusivo para treinamento de corretores. Proibida a divulgação. As informações aqui constantes poderão ser alteradas a exclusivo critério

Material exclusivo para treinamento de corretores. Proibida a divulgação. As informações aqui constantes poderão ser alteradas a exclusivo critério principais acessos foto aérea ficha técnica fachada implantação N 5 5 12 11 13 LEGENDA 17 1 ACESSO VEÍCULOS 16 2 ACESSO PEDESTRES 3 ESTAR SALÃO DE FESTAS 4 SALÃO DE FESTAS 5 HALL SOCIAL 15 6 ACADEMIA 14

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Quais os casos passíveis de licenciamento ambiental junto ao setor Anexo III Áreas Verdes do (DLA), visando a Autorização Ambiental Municipal? São passíveis de licenciamento ambiental pelo Anexo III:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

ANEXO I TABELA DO NÚMERO DE VAGAS DESTINADAS A ESTACIONAMENTO, NOS DIVERSOS TIPOS DE EDIFICAÇÕES

ANEXO I TABELA DO NÚMERO DE VAGAS DESTINADAS A ESTACIONAMENTO, NOS DIVERSOS TIPOS DE EDIFICAÇÕES ANEXO I TABELA DO NÚMERO DE VAGAS DESTINADAS A ESTACIONAMENTO, NOS DIVERSOS TIPOS DE EDIFICAÇÕES TIPOS DE EDIFICAÇÕES COLETIVAS MULTIFAMILIARES COMERCIAIS E DE SERVIÇOS CENTROS COMERCIAIS, SHOPPING CENTERS

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA

MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA O empreendimento imobiliário NOVO MUNDO EMPRESARIAL, a ser implantado na Reserva do Paiva, à Avenida A, Quadra F-1, Lote 4A2, Praia do Paiva,

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS

DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS A circulação vertical tem função de vencer os desníveis em geral e/ou entre pavimentos consecutivos, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. A circulação

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

CIRCULAÇÕES VERTICAIS

CIRCULAÇÕES VERTICAIS CIRCULAÇÕES VERTICAIS CEG219 Desenho arquitetônico II Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG219 DESENHO ARQUITETÔNICO II - Prof. Márcio Carboni 1 CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE

MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE Pelo presente instrumento particular, em cumprimento à determinação contida no artigo 9º da Lei 4.591, de 16.12.1964, MRV

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 399/07 DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO E A OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE MACUCO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo Prefeitura Municipal de Campinas Lei de Uso e Ocupação do Solo 1988 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS Lei de Uso e Ocupação do Solo compilação 4º. edição de atualização 2011 concluída em Março/2011 sob

Leia mais

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes AVALIAÇÃO NOVO PDE Claudio Bernardes ORDENAÇÃO TERRITORIAL MACROÁREAS MACROZONEAMENTO ZONEAMENTO ZONAS ESPECIAIS EIXOS DE ESTRUTURAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO URBANA MACROZONAS I Macrozona de Proteção e Recuperação

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR

TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR -fl.44- TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR PÉ DIREITO REVESTIMENTO PAREDES 01 SALA DE ESTAR 2.00 8.00 1/8 1/16 2.50 3 x P.D. - - 02 DORMITÓRIO ÚNICO 2.00 8.00 1/8 1/16 2.50 3 x

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

TERRENOS: 36, 37, 38, 39 e 45

TERRENOS: 36, 37, 38, 39 e 45 terrenos: 36, 37, 38, 39 e 45 Una Arquitetos OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA ÁREA 36, 37, 38, 39 e 45 una arquitetos autores Cristiane Muniz Fábio Valentim Fernanda Barbara Fernando Viégas colaboradores

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal 1. DECLARAÇÃO MUNICIPAL DAS CONDIÇÕES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO (DM) É a primeira etapa a ser cumprida para o requerimento de aprovação e licenciamento, junto à Prefeitura de Porto Alegre, de projetos

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais