MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE"

Transcrição

1 MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE Recebimento de dados pelo Hospital Versão 1.1 2/9/2014 Contato

2 Índice Introdução... 2 Requerimentos para instalação do Web Service... 2 Instalação... 2 Adaptação de layout de integração... 3 Processamento da Sugestão... 3 Gerenciador Web Service... 5 Permissões Necessárias ao ambiente de Produção Tasy... 5 Visualização... 5 Inserção... 5 Anexo

3 Introdução O documento a seguir tem objetivo prover uma sugestão de implantação de web service ao cliente para conexão ao servidor através do banco de dados ORACLE, sistema operacional WINDOWS e sistema ERP TASY sendo de total responsabilidade do mesmo a manutenção e garantia de pleno funcionamento e integridade dos dados. Caso o banco de dados não seja ORACLE ou o sistema operacional não seja WINDOWS, o manual ainda sim poderá servir de referência para instalação. Será detalhado no mesmo desde a configuração do banco, até o processo de busca aos dados Requerimentos para instalação do Web Service Servidor de Aplicação Servidor dedicado ou Virtual Machine) Sistema Operacional Windows 02 GB de RAM 100 MB Disco Windows Servidor Web Apache ou IIS Recomendamos pacote ScriptCase com Apache - Solicitar para equipe de Suporte) PHP ou superior Servidor de Banco de Dados Servidor dedicado ou Virtual Machine) 04 GB de RAM 10 Gb Disco Sistema ERP: TASY Banco de dados Oracle 10G/11G Esquema GTP TableSpace GTP_TS Instalação 1 Instalação de PHP+APACHE scriptcase_v7.exe) a. Se não estiver habilitado, habilitar a extensão soap removendo ; da seguinte linha do php.ini i. ;extension=php_soap.dll 2 Instalação do client web service + gerenciador de webservice a. Descompactar o arquivo plannexo_wes.zip no diretório wwwroot b. Serão criadas duas pastas, uma referente ao gerenciador e outra referente ao webservice propriamente dito 3 Criação no banco do Esquema GTP para criação dos objetos ver tópico Lista de objetos) 4 No banco de dados executar script s para criação de objetos plannexo_wes-xxx.sql) 5 Recomendável habilitar envio de alerta por de erro de execução em job não exibido no manual)

4 Lista de objetos de banco Segue abaixo a lista dos objetos do banco que deverão ser criados e uma breve descrição que será detalhada mais a frente. Ver anexo 1 TABELA - WES_SUGGESTION_HEADER TABELA - WES_SUGGESTION_ITEM TABELA - WES_SUGGESTION_PARC PROCEDURE - PRC_GENERATE_REQ Adaptação de layout de integração Caso o sistema ERP instalado não seja TASY, a PROCEDURE prc_generate_req precisará ser adaptada de acordo com as regras de negócio do ERP em questão. Para compreender verique o documento Manual de Integração PLANNEXO Processamento da Sugestão A tela abaixo exibe todas as sugestões de compra do Plannexo, podendo conter diversos itens distintos, ou itens iguais no entanto com datas de entregas distintas programação de compra). Para cada linha existirá a quantidade sugerida e a data prevista de entrega sendo possível que o usuário altere os dados Após selecionar os itens que deseja, irá clicar no botão processar de mesmo nome e aparecerá a tela abaixo com os dados da capa da solicitação. Nesse estágio, o usuário ainda poderá alterar os dados padrões da capa e ainda as quantidades.

5 Após finalizar as alterações, o usuário irá clicar em Atualizar e a solicitação ficará com o status Aguardando ERP conforme imagem abaixo. No servidor de aplicação de cliente, o arquivo php client_gerar_solic.php deverá ser agendado para ser executado numa frequência de 5 em 5 minutos e irá acessar o webservice plannexo, realizando a leitura de todos as solicitações com status Aguardando ERP. Esse arquivo deverá ser configurado para apontar para o servidor testes PLANNEXO inicialmente) conforme imagem abaixo Uma vez obtidas as solicitações, serão gravadas nas tabelas wes_suggestion_header - Capa da solicitação wes_suggestion_item - Itens da solicitação wes_suggestion_parc - Parcelas da solicitação

6 Logo após serem gravadas, o mesmo php irá executar a procedure prc_generate_req que irá realizar a inserção no TASY, e retornar os logs de integração nas tabelas citadas acima Caso ocorra sucesso, irá enviar ao servidor plannexo o código de solicitação gerada no TASY, e ao mesmo tempo irá executar o layout de integração de envio ERP_PURCHASE_REQ para enviar os registros atualizados da tabela de solcitação do TASY. No PLANNEXO a solcitação ficara com status Aprovado ERP Caso ocorra erro, serão enviados os logs de integração e será gravado o status Reprovado ERP Gerenciador Web Service Caso seja necessário, o conteúdo das tabelas WES, poderão ser consultados através do Gerenciador Web service da aba Integração Retorno Nela poderá ser consultado dados da Capa, Itens e Parcelas assim como os respectivos logs de integração conforme imagem abaixo Permissões Necessárias ao ambiente de Produção Tasy Visualização Tabela: Sequence: Função: estabelecimento, unidade_medida,usuario solic_compra_seq obter_pessoa_fisica_usuario Inserção Tabela: solic_compra, solic_compra_item, solic_compra_item_entrega Anexo 1

7 ******************************************** ** Tabela - wes_suggestion_header Capa da solicitação ******************************************** CREATE TABLE wes_suggestion_header id_int_plannexo NUMBER22) NOT NULL, date_expected DATE NOT NULL, cod_sector VARCHAR2200) NOT NULL, cod_local VARCHAR2200) NOT NULL, cod_reason VARCHAR2200) NOT NULL, cod_buyer VARCHAR2200) NOT NULL, cod_user VARCHAR2200) NOT NULL, yn_urgent CHAR1) NOT NULL, sit_req NUMBER*,0) NOT NULL, date_int DATE, id_req_erp NUMBER22), header_log VARCHAR22000), cod_estab VARCHAR2255) NOT NULL, CONSTRAINT wes_suggestion_header_pk PRIMARY KEY id_int_plannexo) ) ******************************************** ** Tabela - wes_suggestion_item Itens da solicitação ******************************************** CREATE TABLE wes_suggestion_item id_int_plannexo NUMBER22) NOT NULL, cod_item VARCHAR2255) NOT NULL, qty_parc FLOAT NOT NULL, std_unit VARCHAR2255) NOT NULL, item_log VARCHAR22000), CONSTRAINT wes_suggestion_item_pk PRIMARY KEY id_int_plannexo,cod_item) ) ******************************************** ** Tabela - wes_suggestion_parc Parcelas da solicitação ******************************************** CREATE TABLE wes_suggestion_parc id_int_plannexo NUMBER22) NOT NULL, cod_item VARCHAR2255) NOT NULL, num_parc NUMBER*,0), date_parc DATE NOT NULL, qty_parc FLOAT NOT NULL, CONSTRAINT wes_suggestion_parc_pk PRIMARY KEY id_int_plannexo,cod_item,date_parc) )

8 ********************** ** Procedure - prc_generate_req ********************** CREATE OR REPLACE procedure PRC_GENERATE_REQ is --****************** --HEADER PARAM --****************** v_nr_seq_header v_date_expected v_cod_sector v_local_estoq v_reason v_cod_user v_urgent v_sit_req v_date_int v_estab WES_SUGGESTION_HEADER.ID_INT_PLANNEXO%type; WES_SUGGESTION_HEADER.DATE_EXPECTED%type; WES_SUGGESTION_HEADER.COD_SECTOR%type; WES_SUGGESTION_HEADER.COD_LOCAL%type; WES_SUGGESTION_HEADER.COD_REASON%type; WES_SUGGESTION_HEADER.COD_USER%type; WES_SUGGESTION_HEADER.YN_URGENT%type; WES_SUGGESTION_HEADER.SIT_REQ%type; WES_SUGGESTION_HEADER.DATE_INT%type; WES_SUGGESTION_HEADER.COD_ESTAB%type; --****************** -- HEADER ITEM --****************** v_item v_nr_seq_item v_qty_parc v_item_unit WES_SUGGESTION_ITEM.COD_ITEM%type; WES_SUGGESTION_ITEM.ITEM_ORDER%type; WES_SUGGESTION_ITEM.QTY_PARC%type; WES_SUGGESTION_ITEM.STD_UNIT%type; --****************** -- PARC PARAM --****************** v_nr_parcela WES_SUGGESTION_PARC.NUM_PARC%type; v_dt_delivery WES_SUGGESTION_PARC.DATE_PARC%type; v_qty_delivery WES_SUGGESTION_PARC.QTY_PARC%type; v_tasy_nr_solic integer; tasy_seq_item integer; tasy_seq_item_in integer; ID_REQ_ERP integer; v_dt_solic_purchase date; v_integration varchar1); v_qt_total_item real; v_dt_solic_item date; ie_tipo_integracao_w varchar215); nr_seq_integracao_w number10); ie_integra_tipo_solic_w varchar215); qt_registro_w number10); ie_erro_w varchar21000) := ''; ds_erro_w varchar23000); vl_ultima_compra_w number13,4); v_id_user varchar100); cursor c01 IS SELECT ID_INT_PLANNEXO, DATE_EXPECTED, COD_SECTOR, COD_LOCAL, COD_REASON, COD_USER,

9 nvlyn_urgent,'n'), SIT_REQ, DATE_INT, COD_ESTAB FROM WES_SUGGESTION_HEADER WHERE sit_req=1; CURSOR c02 IS SELECT COD_ITEM, ITEM_ORDER, QTY_PARC, STD_UNIT FROM WES_SUGGESTION_ITEM WHERE ID_INT_PLANNEXO = v_nr_seq_header; CURSOR c03 IS SELECT NUM_PARC, DATE_PARC, QTY_PARC FROM WES_SUGGESTION_PARC WHERE ID_INT_PLANNEXO = v_nr_seq_header AND COD_ITEM = v_item; --*************************************** --Loop cabeçalho --*************************************** open C01; loop fetch C01 into v_nr_seq_header, v_date_expected, v_cod_sector, v_local_estoq, v_reason, v_cod_user, v_urgent, v_sit_req, v_date_int, v_estab; exit when C01%notfound; ie_erro_w := NULL; --Validacao de usuario v_cod_user is not null) then select count*) into qt_registro_w from tasy.usuario where uppernm_usuario) = upperv_cod_user); qt_registro_w = 0) then

10 ie_erro_w := 'Usuário inválido no tasy'; UPDATE wes_suggestion_header SET header_log = ie_erro_w where id_int_plannexo = v_nr_seq_header; else select tasy.obter_pessoa_fisica_usuariov_cod_user,'c') into v_id_user from dual; v_id_user is null) then ie_erro_w := 'S'; --Validacao de estabelecimento nvlv_estab,0) = 0) then ie_erro_w := 'Estabelecimento vazio'; nvlv_estab,0) > 0) then select count*) into qt_registro_w from tasy.estabelecimento where cd_estabelecimento = v_estab and ie_situacao = 'A'; qt_registro_w = 0) then ie_erro_w := 'Estabelecimento não existe no Tasy'; UPDATE wes_suggestion_header SET header_log = ie_erro_w where id_int_plannexo = v_nr_seq_header; --Validacao de local de estoque nvlv_local_estoq,0) = 0) then ie_erro_w := 'Local de estoque vazio'; ie_erro_w is null) then select tasy.solic_compra_seq.nextval into v_tasy_nr_solic from dual; insert into tasy.solic_compra nr_solic_compra, cd_estabelecimento, dt_solicitacao_compra, dt_atualizacao, nm_usuario, ie_situacao, cd_local_estoque, ie_aviso_chegada, ie_aviso_aprov_oc, ie_urgente, ie_tipo_solicitacao, dt_atualizacao_nrec, nm_usuario_nrec, ie_envia_integracao,

11 values v_estab, sysdate, sysdate, v_cod_user, 'A', v_local_estoq, 'N', 'N', v_urgent, '2', sysdate, v_cod_user, 'N', ); exception when others then ) cd_pessoa_solicitante, ie_comodato, nr_solic_importacao v_tasy_nr_solic, v_id_user, 'N', v_nr_seq_header ie_erro_w := 'Ocorreu um erro ao inserir no tasy'; UPDATE wes_suggestion_header SET header_log = ie_erro_w where id_int_plannexo = v_nr_seq_header; open C02; loop fetch C02 into v_item, v_nr_seq_item, v_qty_parc, v_item_unit; exit when C02%notfound; --*************************************** --Loop itens --*************************************** SELECT SUMqty_parc), mindate_parc) into v_qt_total_item, v_dt_solic_item FROM wes_suggestion_parc WHERE id_int_plannexo = v_nr_seq_header AND cod_item = v_item; --Validacao de unidade de medida v_item_unit is null) then ie_erro_w := 'Unidade medida não informada'; UPDATE wes_suggestion_item SET item_log = ie_erro_w where id_int_plannexo = v_nr_seq_header and cod_item = v_item; v_item_unit is not null) then select count*) into qt_registro_w from tasy.unidade_medida where cd_unidade_medida = v_item_unit and

12 ie_situacao = 'A'; qt_registro_w = 0) then ie_erro_w := 'Unidade medida não existe no tasy'; UPDATE wes_suggestion_item SET item_log = ie_erro_w where id_int_plannexo = v_nr_seq_header and cod_item = v_item; --Validacao de data da solicitação v_dt_solic_item is null) then ie_erro_w := 'Data de solicitação não informada'; UPDATE wes_suggestion_item SET item_log = ie_erro_w where id_int_plannexo = v_nr_seq_header and cod_item = v_item; ie_erro_w is null) then select nvlmaxnr_item_solic_compra),0) + 1 into from tasy.solic_compra_item where nr_solic_compra = v_tasy_nr_solic; tasy_seq_item insert into tasy.solic_compra_item nr_solic_compra, nr_item_solic_compra, cd_material, cd_unidade_medida_compra, qt_material, dt_atualizacao, nm_usuario, ie_situacao, dt_solic_item, ie_geracao ) values tasy_seq_item, v_item, v_item_unit, v_qt_total_item, sysdate, v_cod_user, 'A', v_dt_solic_item, 'S' exception when others then v_nr_seq_header and cod_item = v_item; ); v_tasy_nr_solic, ie_erro_w := 'Ocorreu um erro ao gravar o item da solicitação ' v_tasy_nr_solic; UPDATE wes_suggestion_item SET item_log = ie_erro_w where id_int_plannexo = ie_erro_w is null) then

13 --*************************************** --Loop parcela --*************************************** open C03; loop fetch C03 into v_nr_parcela, v_dt_delivery, v_qty_delivery; exit when C03%notfound; select nvlmaxnr_item_solic_compra_entr),0) + 1 into tasy_seq_item_in from solic_compra_item_entrega where nr_solic_compra = v_tasy_nr_solic and nr_item_solic_compra = tasy_seq_item; insert into tasy.solic_compra_item_entrega nr_solic_compra, nr_item_solic_compra, nr_item_solic_compra_entr, qt_entrega_solicitada, dt_entrega_solicitada, dt_atualizacao, nm_usuario ) values v_tasy_nr_solic, tasy_seq_item, tasy_seq_item_in, v_qty_delivery, v_dt_delivery, sysdate, v_cod_user ); end loop; close C03; end loop; close C02; ie_erro_w is not null) then --caso ocorra erro em um unico item ja deleta toda solicitacao DELETE FROM tasy.solic_compra where nr_solic_compra = v_tasy_nr_solic; --marca a capa da solicitação falha caso ocorre erro em tanto no item, como solciitacao) update wes_suggestion_header set sit_req = 3 where id_int_plannexo = v_nr_seq_header; else -- marca a capa da solicitação como sucesso, e grava o código gerado no tasy update wes_suggestion_header set sit_req = 2,

14 id_req_erp = v_tasy_nr_solic where id_int_plannexo = v_nr_seq_header; end loop; close C01; commit;

MANUAL DE INTEGRAÇÃO. Padrão de envio e recebimento de dados. Contato suporte@gtplan.com.br

MANUAL DE INTEGRAÇÃO. Padrão de envio e recebimento de dados. Contato suporte@gtplan.com.br MANUAL DE INTEGRAÇÃO Padrão de envio e recebimento de dados Contato suporte@gtplan.com.br Índice Introdução... 2 Garantia de Funcionamento... 2 Envio de dados pelo cliente... 2 Layouts de integração...

Leia mais

Logado no OracleXE vamos acessar a opção:

Logado no OracleXE vamos acessar a opção: Tutorial PL/SQL O PL/SQL é uma linguagem procedural que roda diretamente no núcleo do SGBD Oracle. O objetivo deste tutorial é mostrar a criação de funções e procedimentos em PL/SQL, interagindo com comandos

Leia mais

Oracle 10g: SQL e PL/SQL

Oracle 10g: SQL e PL/SQL Oracle 10g: SQL e PL/SQL PL/SQL: Visão Geral Enzo Seraphim Visão Geral Vantagens de PL/SQL Suporte total à linguagem SQL Total integração com o Oracle Performance Redução da comunicação entre a aplicação

Leia mais

Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo

Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo Equipe: Felipe Cavalcante Fernando Kakimoto Marcos Corrêa Sumário 1. Mini-Mundo... 3 1.1 Entidades...

Leia mais

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br PostgreSQL www.postgresql.org André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br Características Licença BSD (aberto, permite uso comercial) Multi-plataforma (Unix, GNU/Linux,

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Bancos de Dados I. Integridade semântica

Bancos de Dados I. Integridade semântica Bancos de Dados I PUC-Rio Departamento de Informática (DI) Eng./Ciência da Computação e Sist. Informação Contrôle de Integridade em SGBDs: procedimentos armazenados, gatilhos e funções Prof. sergio@inf.puc-rio.br

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você

Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você por Cristóferson Guimarães Magalhães Bueno e Odilon Corrêa da Silva 1 O objetivo deste artigo é demonstrar como criar um sistema

Leia mais

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL PL/SQL Laboratório de Bases de Dados PL/SQL Program Language SQL linguagem de programação da Oracle que permite processar dados armazenados no banco de dados Exemplos de operações permitidas alterar, remover,

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação e ativação

Leia mais

PL/pgSQL por Diversão e Lucro

PL/pgSQL por Diversão e Lucro PL/pgSQL por Diversão e Lucro Roberto Mello 3a. Conferência Brasileira de PostgreSQL - PGCon-BR Campinas - 2009 1 Objetivos Apresentar as partes principais do PL/pgSQL Apresentar casos de uso comum do

Leia mais

Create Sequence Cria uma sequence. Uma sequence é um objeto que permite vários usuários gerarem valores inteiros sem repetição.

Create Sequence Cria uma sequence. Uma sequence é um objeto que permite vários usuários gerarem valores inteiros sem repetição. Conceitos PL/Sql Create Sequence Cria uma sequence. Uma sequence é um objeto que permite vários usuários gerarem valores inteiros sem repetição. Sintaxe CREATE SEQUENCE [schema.]sequence [INCREMENT BY

Leia mais

Oracle 10g Dicas de PL/SQL. Conteúdo

Oracle 10g Dicas de PL/SQL. Conteúdo Oracle 10g Dicas de PL/SQL Conteúdo Objetivos... 2 Comentários... 2 Declarações... 2 Conversões de variáveis... 2 DDL Criar, alterar ou apagar tabelas Create, Alter or Drop table... 3 Restrições na criação

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

Sistema de Controle de Estoque

Sistema de Controle de Estoque FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIAS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM BANCO DE DADOS Professor: Olegário Correia Neto Alunos: Marcelo Gonçalves, Juliano Pirozelli, João Lucas Pecin,

Leia mais

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE Formando: Dyckson Dyorgio Dolla Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl Julho / 2001 ROTEIRO DA

Leia mais

Especialização em web com interfaces ricas

Especialização em web com interfaces ricas Especialização em web com interfaces ricas Banco de Dados Apache Derby / JavaDB Prof. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares fabrizzio@inf.ufg.br professor.fabrizzio@gmail.com Instituto de Informática Universidade

Leia mais

Documento de Configuração PB: Gerador de Relatórios (PB)

Documento de Configuração PB: Gerador de Relatórios (PB) Documento de Configuração PB: Gerador de Relatórios (PB) 20/05/2012 SUMÁRIO 1 GERAREL VISÃO GERAL... 3 2 PASSO 1: INSTALADORES NECESSÁRIOS... 3 3 PASSO 2: REGISTRO DOS MÓDULOS DO GERAREL NO WINDOWS....

Leia mais

Instalação do ByYou ESB. Guia de Instalação e Atualização do ByYou ESB

Instalação do ByYou ESB. Guia de Instalação e Atualização do ByYou ESB Instalação do ByYou ESB Guia de Instalação e Atualização do ByYou ESB Instalação do ByYou ESB Copyright 2010 TOTVS S.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada, reproduzida,

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO

PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO MASTERSAFDW VERSÃO 5-25/04/12 PÁGINA 1 Índice Informações Importantes... 3 Atualizando o aplicativo... 4 Procedimentos para atualização da base de

Leia mais

Linguagem PL/SQL e Triggers

Linguagem PL/SQL e Triggers TECNOLOGIA DE BASES DE DADOS Linguagem PL/SQL e Triggers António Manuel Silva Ferreira UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA asfe@di.fc.ul.pt Sumário Linguagem PL/SQL

Leia mais

Manter estatísticas atualizadas é uma das regras de ouro na busca por performance.

Manter estatísticas atualizadas é uma das regras de ouro na busca por performance. Atualização de Estatísticas Um objeto de estatística pode ser atualizado manualmente pelo usuário, através dos comandos SP_UPDATESTATS e/ou UPDATE STATISTICS. Enquanto que a procedure SP_UPDATESTATS atualiza

Leia mais

2. Criar um bloco PL/SQL anônimo para imprimir as tabuadas abaixo: 5 X 10 = 50 5 X 2 = 10... 10 X 10 = 100 1 X 2 = 2...

2. Criar um bloco PL/SQL anônimo para imprimir as tabuadas abaixo: 5 X 10 = 50 5 X 2 = 10... 10 X 10 = 100 1 X 2 = 2... 1. Criar um bloco PLSQL anônimo para imprimir a tabuada abaixo: 5 X 1 = 5 5 X 2 = 10... 5 X 10 = 50 V_N CONSTANT NUMBER(2) := 5; FOR I IN 1..10 LOOP DBMS_OUTPUT.PUT_LINE(V_N ' X ' I ' = ' V_N*I); 2. Criar

Leia mais

FUNCTION ) RETURNS INTEGER AS $$ DECLARE

FUNCTION ) RETURNS INTEGER AS $$ DECLARE PERFORM O comando PERFORM permite a execução de um comando SELECT desprezando o resultado do comando. PERFORM query; A variável especial FOUND é definida como verdadeiro se a instrução produzir pelo menos

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP. Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak

Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP. Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak Regra de negócio? São todas as regras existentes num sistema de informação, que ditam seu comportamento, suas restrições

Leia mais

INTRODUÇÃO. No entanto, o que pode ser considerado um produto (resultado) da criação de BDs?

INTRODUÇÃO. No entanto, o que pode ser considerado um produto (resultado) da criação de BDs? BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Um Banco

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSORS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSORS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSORS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Introdução Cursor é usado para percorrer um conjunto de linhas retornadas por uma consulta

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Rules and Triggers André Restivo Sistemas de Informação 2006/07 Rules e Triggers Nem todas as restrições podem ser definidas usando os mecanismos que estudamos anteriormente: - CHECK

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Manual do Sistema de Notificação 1

Manual do Sistema de Notificação 1 Manual do Sistema de Notificação 1 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

TUTORIAL DE INSTALAÇÃO Windows Server 2003 32 Bits. Rua Maestro Cardim, 354 - cj. 121 CEP 01323-001 - São Paulo - SP (11) 3266-2096

TUTORIAL DE INSTALAÇÃO Windows Server 2003 32 Bits. Rua Maestro Cardim, 354 - cj. 121 CEP 01323-001 - São Paulo - SP (11) 3266-2096 TUTORIAL DE INSTALAÇÃO Windows Server 2003 32 Bits Índice Geral Antes de Começar 2 Instalação do MS-IIS 6 4 Instalação do MS-IIS 6 Resources Kit 6 Instalação do PHP 7 Instalação do ZEND Optimizer 8 Instalação

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação

Leia mais

FAPLAN - Faculdade Anhanguera Passo Fundo Gestão da Tecnologia da Informação Banco de Dados II Prof. Eder Pazinatto Stored Procedures Procedimento armazenados dentro do banco de dados Um Stored Procedure

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o Q u a l i t o r A d v a n c e d

M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o Q u a l i t o r A d v a n c e d M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o Q u a l i t o r A d v a n c e d enterprise i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem PHP Mail() e BD @wre2008 1 Sumário Função mail(); Conexão com Banco de dados; @wre2008 2 Envio de e-mail O comando mail(): é a função do PHP para envio de e-mail.

Leia mais

M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o Q u a l i t o r A d v a n c e d

M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o Q u a l i t o r A d v a n c e d M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o d o Q u a l i t o r A d v a n c e d enterprise i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS

Leia mais

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede Prestashop v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

Manual de Instalação Synchro Adaptador Oracle DFe Manager(NFSe) Versão 1.3 Setembro de 2015

Manual de Instalação Synchro Adaptador Oracle DFe Manager(NFSe) Versão 1.3 Setembro de 2015 Manual de Instalação Synchro Adaptador Oracle DFe Manager(NFSe) Versão 1.3 Setembro de 2015 Confidencial: Documento de uso restrito a clientes e consultores Synchro Atualização: 02/09/2015 Escopo. Este

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS Exemplos de Scripts SQL (PostgreSQL) Pizzaria 1 2 Criação de BANCO DE DADOS CREATE DATABASE nome_do_banco; CREATE DATABASE pizzaria; Criação de TABELAS SOMENTE COM CHAVE PRIMÁRIA CREATE TABLE nome_da_tabela

Leia mais

AULA 8 CRIANDO UMA CLASSE EM PHP INTERAGINDO COM BANCO DE DADOS - COM RELACIONAMENTO ENTRE TABELAS

AULA 8 CRIANDO UMA CLASSE EM PHP INTERAGINDO COM BANCO DE DADOS - COM RELACIONAMENTO ENTRE TABELAS AULA 8 CRIANDO UMA CLASSE EM PHP INTERAGINDO COM BANCO DE DADOS - COM RELACIONAMENTO ENTRE TABELAS Na grande maioria dos sistemas, faz-se necessário utilizar informações que estão armazenadas em uma determinada

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução App de exemplo Implementação do exemplo Testes realizados

Leia mais

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede OpenCart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 vqmod 4 4.2 Instalação e ativação do

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução App de exemplo Implementação do exemplo Testes realizados

Leia mais

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS Guia de Criação da Base Produção Paralela INICIAL SEQUENCES, tabelas de BMF e CADASTRO. Atualização de Bancos de Dados. Validações necessárias. IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS OS PROCEDIMENTOS DA

Leia mais

JDBC. Prof. Márcio Bueno (poonoite@marciobueno.com)

JDBC. Prof. Márcio Bueno (poonoite@marciobueno.com) JDBC Prof. Márcio Bueno (poonoite@marciobueno.com) JBDC Java Database Connectivity ou JDBC é um conjunto de classes e interfaces (API) escritas em Java que faz o envio de instruções SQL para qualquer banco

Leia mais

6. Introdução à Linguagem PHP

6. Introdução à Linguagem PHP 6. Introdução à Linguagem PHP A comunicação na Web exige dois agentes: o cliente web e o servidor web. O cliente requer informação (a partir de uma página HTML acessada pelo navegador) e o servidor fornece

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso):

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso): TRANSAÇÕES 1. Visão Geral Uma transação é uma unidade lógica de trabalho (processamento) formada por um conjunto de comandos SQL cujo objetivo é preservar a integridade e a consistência dos dados. Ao final

Leia mais

Autenticação e Controle de Acesso em Forms e Reports via Oracle Internet Directory. Daniel Murara Barcia danielbarcia@hotmail.com

Autenticação e Controle de Acesso em Forms e Reports via Oracle Internet Directory. Daniel Murara Barcia danielbarcia@hotmail.com Autenticação e Controle de Acesso em Forms e Reports via Oracle Internet Directory. Daniel Murara Barcia danielbarcia@hotmail.com INTRODUÇÃO As aplicações corporativas de um importante órgão público do

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents Banco de dados Linguagens de Banco de Dados II 1 Linguagem de Definição de Dados - DDL Comandos utilizados para criação do esquema de dados; Um DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos

Leia mais

Banco de Dados com PHP

Banco de Dados com PHP Linguagem de Programação III Banco de Dados com PHP Conceitos de Banco de Dados - é uma coleção de dados interrelacionados, representando informações sobre um domínio específico - sempre que for possível

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Introdução às funções e procedimentos. SQL suporta funções e procedimentos úteis com tipos de dados específicos

Introdução às funções e procedimentos. SQL suporta funções e procedimentos úteis com tipos de dados específicos Bases de Dados Stored procedures e triggers Introdução às funções e procedimentos SQL suporta funções e procedimentos úteis com tipos de dados específicos p.ex. objectos geométricos, imagens intersecção

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Web Prof. Leandro Roberto. Aula 18 JavaScript: Eventos MySQL PHP (insert, update e delete)

Desenvolvimento de Sistemas Web Prof. Leandro Roberto. Aula 18 JavaScript: Eventos MySQL PHP (insert, update e delete) Desenvolvimento de Sistemas Web Prof. Leandro Roberto Aula 18 JavaScript: Eventos MySQL PHP (insert, update e delete) JavaScript Eventos Alguns eventos de uma página HTML podem ser interceptados e programados

Leia mais

MANUAL AGENDADOR DE TAREFAS LOGIX

MANUAL AGENDADOR DE TAREFAS LOGIX Outubro 2011 rev. 01 MANUAL AGENDADOR DE TAREFAS LOGIX Elaboração: Rubens Dos Santos Filho Framework rubens.santos@totvs.com.br Objetivo Este documento tem como objetivo relatar a funcionalidade de agendamento

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

PL/pgSQL. Introdução. Introdução. Introdução

PL/pgSQL. Introdução. Introdução. Introdução Introdução PL/pgSQL Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis PL/pgSQL (Procedural Language for the PostgreSQL) é uma linguagem procedural carregável desenvolvida para o SGBD PostgreSQL, que possui

Leia mais

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) )

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) ) TADS Exercício Laboratório I Analise o modelo de banco de dados abaixo: MUSICA FAIXA Codigo_Musica: INTEGER Nome_Musica: VARCHAR(60) Duracao: NUMERIC(6,2) Codigo_Musica: INTEGER (FK) Codigo_CD: INTEGER

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PL/SQL

INTRODUÇÃO AO PL/SQL INTRODUÇÃO AO PL/SQL ALEX JOSE SILVA RECIFE/2015 Índice Introdução Ao Pl/Sql...3 Entendendo a linguagem...4 Principais características da linguagem PL/SQL...5 Blocos de código...5 Declaração de variáveis...5

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

Replicação de Dados no Interbase

Replicação de Dados no Interbase Replicação de Dados no Interbase Por Matt Hopkins, Dunstan Thomas(UK) LTD.Borland Developers Conferece 1998 - nessa época ainda não existia o componente IBReplicator Origem: http://www.ibphoenix.com/ibp_howto10.html

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

Monitoria GDI Aula Prática. DML + PL/SQL parte 1

Monitoria GDI Aula Prática. DML + PL/SQL parte 1 Monitoria GDI Aula Prática DML + PL/SQL parte 1 DML linguagem de manipulação de dados SQL Estrutura básica de uma consulta SQL SELECT Coluna1[,Coluna2[,Coluna3[,...]]] FROM Tabela1[,Tabela2[,...]] WHERE

Leia mais

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios Laboratório de Banco de Dados Exercicios Modelo conceitual segundo notação de Peter Chen cliente (1,1) realizacao (1,n) venda (0,n) produto (1,1) contem Modelo conceitual gerado pela CASE Dezign for Database

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL.

Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL. Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL. Procuraremos mostrar os principais procedimentos para fazer um cadastro de registros numa base de dados MySQL utilizando a linguagem

Leia mais

Java na WEB Banco de Dados

Java na WEB Banco de Dados 1 Java na WEB Banco de Dados Objetivo: Ao final da aula o aluno será capaz de: Criar aplicações JSP com acesso ao Banco de Dados MySql Configurar o TomCat para acessar o MySql. Não é Objetivo: Ao final

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca. Graduação

Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca. Graduação Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca 1 Suporte Nativo a XML no Oracle 10g 2 Oracle 10g XML Parsers Suporte a interfaces DOM e SAX XML Class Generator Código fonte a partir de XML DTD ou

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 11-1. INTRODUÇÃO TRIGGERS (GATILHOS OU AUTOMATISMOS) Desenvolver uma aplicação para gerenciar os dados significa criar uma aplicação que faça o controle sobre todo ambiente desde a interface, passando

Leia mais

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede OpenCart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 vqmod 4 4.2 Instalação e ativação

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

BD SQL Server. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04

BD SQL Server. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04 BD SQL Server SGBD SQL Server Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Bases de Dados 2003/04 BD SQL Server Criação da Ligação ao SGBD Entrar no Microsoft SQL Server / Enterprise Manager Criar

Leia mais

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br JSP (Java Server Pages) - JavaServer Pages (JSP) - Tecnologia de programação serverside - Permite

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE CONTEÚDO BANCO DE DADOS

RECUPERAÇÃO DE CONTEÚDO BANCO DE DADOS RECUPERAÇÃO DE CONTEÚDO BANCO DE DADOS No Instituto Federal do Paraná tounou-se necessário o armazenamento de certas informações para controle de pessoal. Para armazenar tais dados é necessário saber que:

Leia mais

PostgreSQL 8.0. Diogo Biazus

PostgreSQL 8.0. Diogo Biazus PostgreSQL 8.0 Diogo Biazus PostgreSQL 7.X Totalmente ACID MVCC Tipos e operadores customizáveis Diversas linguagens procedurais Hot backup Código aberto (BSD) Facilidade de extensão PL/pgSQL, PL/Python,

Leia mais

Personal Home Page PHP. Prof. Luiz Claudio F. de Souza www.luizclaudiofs.blogspot.com

Personal Home Page PHP. Prof. Luiz Claudio F. de Souza www.luizclaudiofs.blogspot.com Personal Home Page PHP 1 O que é PHP? PHP (Personal Home Page) é uma linguagem que permite criar sites WEB dinâmicos, possibilitando uma interação com o usuário através de formulários, parâmetros da URL

Leia mais

BD Oracle. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04

BD Oracle. Licenciatura em Engenharia Informática e Computação. Bases de Dados 2003/04 BD Oracle SGBD Oracle Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Bases de Dados 2003/04 BD Oracle Introdução aos SGBD Base de Dados Colecção de dados que descrevem alguma realidade Sistema de

Leia mais

Bool setcookie (string nome [, string valor [, int validade [, string caminho [, string dominio [, int seguro]]]]] )

Bool setcookie (string nome [, string valor [, int validade [, string caminho [, string dominio [, int seguro]]]]] ) Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Relatório. Projecto de Base de Dados Parte 2. Turno: quinta-feira, 11:30 Grupo 25: André Gonçalves 64027 Rui Barradas 68239 Hélton Miranda 68477

Relatório. Projecto de Base de Dados Parte 2. Turno: quinta-feira, 11:30 Grupo 25: André Gonçalves 64027 Rui Barradas 68239 Hélton Miranda 68477 Relatório Projecto de Base de Dados Parte 2 Turno: quinta-feira, 11:30 Grupo 25: André Gonçalves 64027 Rui Barradas 68239 Hélton Miranda 68477 1. Criação da base de dados De seguida vem escrito um script

Leia mais

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL Helena Galhardas Bibliografia Raghu Ramakrishnan, Database Management Systems, Cap. 3 e 5 1 1 Sumário Restrições de Integridade (RIs) em SQL Chave

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais