Profa. Juliana Schmidt Galera

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profa. Juliana Schmidt Galera"

Transcrição

1 Profa. Juliana Schmidt Galera

2

3 CEVADA TRIGO MILHO ARROZ AVEIA CENTEIO SORGO OUTROS

4 Composição centesimal Composição centesimal - soja em grãos 9% OLEAGINOSA 30% 5% 36% Umidade Proteínas Lipídios Cinzas Carboidratos 20% Fonte: USDA National Nutrient Database for Standard Reference (2005) Composição centesimal - milho em grãos 10% CEREAL 75% 9% 5% 1% Umidade Proteínas Lipídios Cinzas Carboidratos Fonte: USDA National Nutrient Database for Standard Reference (2005)

5 Cereais COMPOSIÇÃO QUÍMICA TRIGO Umidade 13 % Proteína 11,5 % Lipídeos 2 % Matéria mineral 3,5 % Carboidratos 70 % Amido 59 % Fibra 9,6 % Fonte: Vollmer, G. [et al..] - Lebensmittelführer

6 ARROZ (Oryza sativa L.) Cereal de grande importância mundial Gênero: Oryza Espécie: sativa L. Subespécies: indica, japonica e javanica Cultivada em regiões tropicais e subtropicais, representando cerca de 80% da produção mundial. (grão longos, finos e apresentam-se mais duros quando cozidos) Consumida preferencialmente em países orientais. (grãos curtos e largos e devido ao menor teor de amilose apresentam-se mais macios depois de cozidos)

7 ARROZ (Oryza sativa L.) Processo de beneficiamento: Arroz integral Arroz parboilizado integral Arroz polido (70%) Arroz parboilizado polido (20%) Juliana Schmidt Galera

8 PRODUÇÃO E CONSUMO DE ARROZ Produção e consumo de arroz (Brasil) Mil toneladas Produção Consumo 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 Safra Fonte: CONAB Set/2006

9 CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS E SENSORIAIS DO ARROZ O arroz tem composição mais balanceada em lisina, metionina e treonina do que o trigo Elevada digestibilidade Reduzida alergenicidade Sabor pouco pronunciado Juliana Schmidt Galera

10 ARROZ - PROCESSAMENTO Arroz em casca Casca Processo de parboilização Processo de polimento Casca Arroz parboilizado integral Farelo Arroz polido Arroz quebrado Processo de polimento Farinha de arroz Farelo Arroz parboilizado polido Arroz quebrado Farinha de arroz Adaptado de JULIANO & HICKS, 1996.

11 Classificação comercial do arroz (Oryza sativa, L.) Grupos (apresentação) Em casca. Beneficiado. Subgrupos (preparo) Subgrupo do arroz em casca Natural Parboilizado Subgrupo do arroz beneficiado Integral Parboilizado Parboilizado integral Polido Classes (dimensão) Longo fino Longo Médio Curto Misturado Tipos (qualidade) Abaixo do Padrão Desclassificado. Grau de Umidade Em casca 13% Beneficiado 14%.

12 Milho Produto americano Cristóvão Colombo Família gramíneas Zea mays Cultivo Classificação comercial

13

14 MILHO

15 CLASSIFICAÇÃO

16

17 Gérmen Casca MOAGEM SECA DO MILHO RECEBIMENTO PRÉ-LIMPEZA SECAGEM ARMAZENAGEM LIMPEZA DESGERMINAÇÃO DESCASCAMENTO MOAGEM PENEIRAMENTO Canjicão Canjica especial Canjica, canjiquinha, quirela, gritz, fubá, creme, etc.

18 Gérmen MOAGEM ÚMIDA DO MILHO RECEBIMENTO PRÉ-LIMPEZA SECAGEM ARMAZENAGEM LIMPEZA MACERAÇÃO DESGERMINAÇÃO TRITURAÇÃO LAVAGEM CENTRIFUGAÇÃO SECAGEM Casca Proteínas Amido

19 TRIGO Histórico: - a história do trigo começou a aproximadamente 11 mil anos - 1o. Cultivado entre os rios Tigre e Eufrátes - em Roma, cereal da alta sociedade - na América, chegou com os descobrimentos % da comercialização mundial de grãos Funções: - alimento - sinônimo de potência agrícola - fundamental a balança comercial - símbolo religioso - soberania da nação

20 TRIGO Classificação: - Botânica: Família das gramíneas Grupo I, II (Triticum durum) e III (Triticum aestivum) - Comercial: (29/01/1999) Durum, melhorador, pão, brando, outros usos. Inverno, primavera Vermelho, branco Vítreo, opaco

21 Diagrama de causa e efeito Diferenças entre semente plantada X trigo colhido SOLO SECAGEM DOS GRÃOS QUALIDADE NO ARMAZENAMENTO SEMENTE PLANTADA TRIGO COLHIDO CLIMA NO CULTIVO E NA COLHEITA FASE DA COLHEITA NÍVEL DE MATURAÇÃO

22 Influência da adubação no teor de proteína dos grãos de trigo 14,0 Proteína (%) 13,0 12,0 11,0 0 11, , , , ,5 10, Adubação (kg N/ha)

23 FARINHA DE TRIGO Segmentação das farinhas de trigo no Brasil Panificaçã o 55% Massas 15% Biscoitos 9% Doméstico e outros 21%

24 FARINHA DE TRIGO LEGISLAÇÃO

25 FARINHA DE TRIGO - Ácido fólico - Ferro

26 FALLING NUMBER

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Tecnologia de Produtos de Origem Vegetal Cereais & Farinhas Prof. Alex Augusto

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

Estudo dietético dos Cereais e Amido.

Estudo dietético dos Cereais e Amido. FACULDADE DE NUTRIÇÃO TÉCNICA DIETÉTICA E GASTRONOMIA Estudo dietético dos Cereais e Amido. Estudo Dietético dos Cereais Constituem grupo de alimentos usados desde as mais antigas civilizações em função

Leia mais

TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS

TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA - UNIPAMPA TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS Prof a.valéria Terra Crexi EPIBLASTO (capa) ABAIXO ESCUTELO: massa rica em gordura,proteínas e tiamina INTERIOR DO ESCUTELO

Leia mais

Como produzir suínos sem milho?

Como produzir suínos sem milho? Página 1 de 8 Como produzir suínos sem milho? Curtir Cadastre-se para ver do que seus amigos gostam. Luiz Fernando Teixeira Albino Professor Titular DZO/UFV Viçosa, MG Fernando de Castro Tavernari Pesquisador

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

Cães e gatos INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS. Papel do nutricionista: O problema: 24/8/2012

Cães e gatos INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS. Papel do nutricionista: O problema: 24/8/2012 INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS Alexandre de Mello Kessler Depto. Zootecnia UFRGS Cães e gatos Dietas com alto nível de PB e EE Têm baixa capacidade fermentativa

Leia mais

AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E REOLÓGICA DAS PRINCIPAIS FARINHAS DE TRIGO COMERCIALIZADAS EM PADARIAS DO MUNICIPIO DE CASCAVEL

AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E REOLÓGICA DAS PRINCIPAIS FARINHAS DE TRIGO COMERCIALIZADAS EM PADARIAS DO MUNICIPIO DE CASCAVEL AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E REOLÓGICA DAS PRINCIPAIS FARINHAS DE TRIGO COMERCIALIZADAS EM PADARIAS DO MUNICIPIO DE CASCAVEL Lucinéia de Oliveira Grobs Zimmermann, Jaqueline Sedor, Lorena Maia Noreto, Wesley

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012

Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012 Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012 Apoio: Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores de Restinga Sêca 23 a 25 de fevereiro de 2012 ASPECTOS NUTRICIONAIS DE PRODUTOS DERIVADOS DO ARROZ Informações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Programa de Pós Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio de Janeiro - Maracanã

Programa de Pós Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio de Janeiro - Maracanã Programa de Pós Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio de Janeiro - Maracanã Adriana Paula da Silva Minguita PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE MASSA ALIMENTÍCIA

Leia mais

Ma. MÁRCIA M. SOUZA AMERICANO

Ma. MÁRCIA M. SOUZA AMERICANO Ma. MÁRCIA M. SOUZA AMERICANO BRASIL CELEIRO DO MUNDO BRASIL 2011 162,9 MILHÕES DE TONELADAS 49,9 MILHÕES DE ÁREA PLANTADA PRODUÇÃO DE LEITE 2009 29,9 BILHÕES DE LITROS REBANHO BOVINO 2009 205 MILHÕES

Leia mais

1. Aspectos gerais da cultura

1. Aspectos gerais da cultura CULTURA DO ARROZ 1. Aspectos gerais da cultura Centro de Origem -Asiático -Africano Gênero Oryza 25 espécies dispersas Espécies Sul Americanas Ásia África América do Sul e Central Espécies utilizadas Histórico

Leia mais

CORELAÇÃO ENTRE A COR DA FARINHA DE TRIGO E O TEOR DE MINERAIS

CORELAÇÃO ENTRE A COR DA FARINHA DE TRIGO E O TEOR DE MINERAIS CORELAÇÃO ENTRE A COR DA FARINHA DE TRIGO E O TEOR DE MINERAIS Lorena Maia Noreto, Patricia Paro, Dermânio Tadeu Lima Ferreira (Orientador/FAG), e-mail: lorena@fag.edu.br Faculdade Assis Gurgacz FAG, Cascavel

Leia mais

01 INDUSTRIA DE ALIMENTOS. Frutas cristalizadas (1093-7/02). Alimentos dietéticos e para crianças (1099-6/99).

01 INDUSTRIA DE ALIMENTOS. Frutas cristalizadas (1093-7/02). Alimentos dietéticos e para crianças (1099-6/99). ATIVIDADES RELACIODAS A CE FISCAL 0892-4/03 REFINO E OUTROS TRATAMENTOS DO SAL Moagem, purificação, refino e outros tratamentos do sal. 1031-7/00 CONSERVAS DE FRUTAS Conservas de frutas (frutas conservadas

Leia mais

Beneficiamento e Processamento para a produção da Farinha de Trigo

Beneficiamento e Processamento para a produção da Farinha de Trigo Beneficiamento e Processamento para a produção da Farinha de Trigo Leticia Fernanda Pires Alves 1 (EPA, GEPPGO, FECILCAM) pireesleticia@hotmail.com André Luiz Bezerra de Souza 2 (EPA, FECILCAM) andrepresto_pdo@hotmail.com

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União;

Leia mais

1.1 Histórico e Importância

1.1 Histórico e Importância CULTURA DO MILHO 1.INTRODUÇÃO 1.1 Histórico e Importância Possíveis locais de origem: -- Paraguai até a Colômbia -- Guatemala e México EVOLUÇÃO DA CULTURA NO BRASIL -No passado freqüentemente cultivado

Leia mais

TEORES DE PROTEÍNA SOLÚVEL E AMINOÁCIDOS LIVRES EM FARINHA DE SOJA HIDROLISADA COM ENZIMAS

TEORES DE PROTEÍNA SOLÚVEL E AMINOÁCIDOS LIVRES EM FARINHA DE SOJA HIDROLISADA COM ENZIMAS TEORES DE PROTEÍNA SOLÚVEL E AMINOÁCIDOS LIVRES EM FARINHA DE SOJA HIDROLISADA COM ENZIMAS SANTOS, Rosimeire Expedita dos. IC/Fecilcam, Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial, Fecilcam, rosimeire_epa@yahoo.com.br

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare)

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) INTRODUÇÃO: - Origem: - Mesopotâmia; - Produção: - Ásia; - Europa; - América do Norte; - 80%. INTRODUÇÃO: - Características das regiões produtoras; - Brasil: - 1920-1930;

Leia mais

BARRITAS DE MUESLI. 30 gr 24 216 12. 30 gr 24 216 12. 30 gr 24 216 12 UN. CX. VAL. (m) CX. / PAL. EMBAL. (gr/ml) FOTO EAN 13 DESIGNAÇÃO COMPOSIÇÃO

BARRITAS DE MUESLI. 30 gr 24 216 12. 30 gr 24 216 12. 30 gr 24 216 12 UN. CX. VAL. (m) CX. / PAL. EMBAL. (gr/ml) FOTO EAN 13 DESIGNAÇÃO COMPOSIÇÃO 5310099000870 Barrita de Muesli com Frutos Tropicais Ingredientes: xarope de glucose, cereais (21%)(arroz extrusado, flocos de aveia, flocos de centeio, arroz tufado), frutos tropicais (20%)(coco, tâmaras,

Leia mais

1. Verifique se este caderno contém 5 questões discursivas e/ou qualquer tipo de defeito. Qualquer problema, avise, imediatamente, o fiscal.

1. Verifique se este caderno contém 5 questões discursivas e/ou qualquer tipo de defeito. Qualquer problema, avise, imediatamente, o fiscal. Prova 3 Geografia QUESTÕES DISCURSIVAS N ọ DE ORDEM: N ọ DE INSCRIÇÃO: NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1. Verifique se este caderno contém 5 questões discursivas e/ou qualquer

Leia mais

Capítulo 11. Produtos da indústria de moagem; malte; amidos e féculas; inulina; glúten de trigo

Capítulo 11. Produtos da indústria de moagem; malte; amidos e féculas; inulina; glúten de trigo Capítulo 11 Produtos da indústria moagem; malte; amidos e féculas; inulina; glúten trigo Notas. 1. Excluemse do presente Capítulo: a) o malte torrado, acondicionado para ser utilizado como sucedâneo do

Leia mais

Cardápios para café da manhã - 1 e 3 semana

Cardápios para café da manhã - 1 e 3 semana CARDÁPIO PARA MERENDA FRIA - MAIO 2015 ACHOCOLATADO E BISCOITO SALGADO COM MARGARINA Calorias Carboidratos Proteínas Fibras Vitamina A Vitamina C Lipídios (RE) (mg) 248,1 27,38 5,65 12,88 0,64 148,36 0,00

Leia mais

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Logística e Gestão Empresarial DIGEM Superintendência

Leia mais

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 Resolução nº 263/2005 23/09/2005 RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23.09.2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES. Normalmente são alimentos saudáveis, os mais próximos do seu estado natural/integral.

HÁBITOS ALIMENTARES. Normalmente são alimentos saudáveis, os mais próximos do seu estado natural/integral. HÁBITOS ALIMENTARES O hábito alimentar saudável deve ser formado e ensinado na infância, assim fica mais fácil de ser mantido. Consuma frutas, verduras e legumes desde cedo e estimule o consumo de alimentos

Leia mais

Leguminosas e cereais

Leguminosas e cereais Leguminosas e cereais Objectivos: Descrever a estrutura de sementes de monocotiledóneas e de dicotiledóneas. Indicar os principais cereais usados como matérias primas alimentares. Descrever os processos

Leia mais

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009 Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho Área Produção Rendimento Médio 08-09 07-08 08-09 07-08 08-09 07-08 UF % % % a/b a b a/b (a) (b) a/b (a) (b) PR 34 1.100 820

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

MODELO DE CARTA PROPOSTA

MODELO DE CARTA PROPOSTA 1 ACHOCOLATADO EM PÓ INST. POTE 400G UND 36 2 ÁGUA MINERAL 20 LITROS RECARGA 40 3 AÇUCAR PCT DE 2KG CADA C/ 15UND FARDO 35 4 ALHO BOA QUALIDADE KG 20 5 AMENDOIN IN NATURA, SEM CASCA, MEDIO 1 KG KG 4 6

Leia mais

EMPREGO DAS FARINHAS DE BANDINHA DE FEIJÃO EXTRUSADA E QUIRERA DE ARROZ NA FORMULAÇÃO DE BOLOS SEM GLÚTEN

EMPREGO DAS FARINHAS DE BANDINHA DE FEIJÃO EXTRUSADA E QUIRERA DE ARROZ NA FORMULAÇÃO DE BOLOS SEM GLÚTEN EMPREGO DAS FARINHAS DE BANDINHA DE FEIJÃO EXTRUSADA E QUIRERA DE ARROZ NA FORMULAÇÃO DE BOLOS SEM GLÚTEN Luciana de Oliveira FROES 1 ; Priscila Zaczuk BASSINELLO 2 ; Raquel de Andrade Cardoso SANTIAGO

Leia mais

Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem

Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem A produção brasileira de grãos e de café 1 cresceu expressivamente de 2007 a 2013, conforme o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA)

Leia mais

A Importância do Trigo na Alimentação Humana

A Importância do Trigo na Alimentação Humana SIMONE FREIRE Doutoranda em Ciências Pediátricas- UNIFESP Mestre em Ciência dos Alimentos - FCF-USP Especialista em Saúde Pública - UNIFESP Especialista em MKT - CESMA- ESPANHA A Importância do Trigo na

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

Micotoxinas: Desoxinivalenol (DON) Marta H. Taniwaki Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL

Micotoxinas: Desoxinivalenol (DON) Marta H. Taniwaki Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL Micotoxinas: Desoxinivalenol (DON) Marta H. Taniwaki Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL Micotoxinas Metabólitos tóxicos produzidos por algumas espécies fúngicas Toxigênicas em animais: carcinogênicas,

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Setores - Produtos Importado

Setores - Produtos Importado Dados Setor Soma de 1996 Soma de 2007 Sementes 782,500.00 92,212,831.00 Cereais 34,227,662.00 9,718,570.00 Carnes - 9,364,400.00 Resíduos Metálicos 279,675.00 4,695,119.00 Leveduras 3,500.00 4,508,636.00

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES PARA ANIMAIS DE PRODUÇÃO

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES PARA ANIMAIS DE PRODUÇÃO MARCOS FABIO PRODUÇÃO ANIMAL FORMULAÇÃO DE RAÇÕES PARA ANIMAIS DE PRODUÇÃO PROF MARCOS FABIO DE LIMA MED. VET - MSc Produção Animal marcosfabiovet@uol.com.br INTRODUÇÃO ALIMENTO ÁGUA M.S MATÉRIA ORGÂNICA

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

DO MUNICÍPIO DE TIBAGI ESTADO DO PARANÁ. Pç. Edmundo Mercer, 34 Fone: (42) 3916-2200 84300-000 - Tibagi PR - www.tibagi.pr.gov.br AVISO DE LICITAÇÃO

DO MUNICÍPIO DE TIBAGI ESTADO DO PARANÁ. Pç. Edmundo Mercer, 34 Fone: (42) 3916-2200 84300-000 - Tibagi PR - www.tibagi.pr.gov.br AVISO DE LICITAÇÃO AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2010 O MUNICÍPIO, Estado do Paraná, torna público que realizará licitação, na modalidade de Pregão Presencial, para Registro de Preços para aquisição futura

Leia mais

BARRA DE CEREAIS ENERGY MIX CASTANHA COM CHOCOLATE

BARRA DE CEREAIS ENERGY MIX CASTANHA COM CHOCOLATE BARRA DE CEREAIS ENERGY MIX CASTANHA COM CHOCOLATE FLOCOS DE AVEIA, COBERTURA SABOR CHOCOLATE, AÇÚCAR, XAROPE E GLICOSE, FLOCOS DE CEREAIS (TRIGO, ARROZ, MILHO E AVEIA), FLOCOS DE ARROZ, MALTODEXTRINA,

Leia mais

PORTUGUÊS - 2014 ENGSKO. Dinamarca FARINHA INTEGRAL. A campeã de moagem

PORTUGUÊS - 2014 ENGSKO. Dinamarca FARINHA INTEGRAL. A campeã de moagem PORTUGUÊS - 2014 ENGSKO Dinamarca FARINHA INTEGRAL A campeã de moagem ENGSKO United Milling Systems Fundada em 1900 Uma empresa joint venture da: ABC Hansen A/S SKIOLD Sæby A/S A moagem de grãos é possível

Leia mais

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável.

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável. Proteínas Sementes: linhaça, abóbora, girassol. Grãos: ervilhas, feijões, lentilhas, amendoins, grão de bico, soja, além de nozes, amêndoas, Castanha-do-pará, castanhas de caju. Cereais: trigo (pães, massa),

Leia mais

ANEXO. % % % % ppb % % % % % % ppb

ANEXO. % % % % ppb % % % % % % ppb ANEXO Que estabelece os padrões mínimos das diversas matérias primas empregadas na Alimentação Animal. 1 - ALFAFA 1.1 - ALFAFA, feno (moído) Produto obtido da alfafa (Medicago sativa), constituíndo-se

Leia mais

Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno

Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM Profa Dra Milena Baptista Bueno Dietoterapia Dietoterapia: tratamento de indivíduos portadores

Leia mais

Avaliação dos Resultados de Análises de farinhas de Trigo de Diferentes Laboratórios de Análises Reológicas

Avaliação dos Resultados de Análises de farinhas de Trigo de Diferentes Laboratórios de Análises Reológicas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 Avaliação dos Resultados de Análises de farinhas de Trigo de Diferentes Laboratórios de Análises

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA

EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

Profª. Celeste Viana CEREAIS E DERIVADOS, RAÍZES E TUBÉRCULOS

Profª. Celeste Viana CEREAIS E DERIVADOS, RAÍZES E TUBÉRCULOS Profª. Celeste Viana CEREAIS E DERIVADOS, RAÍZES E TUBÉRCULOS CEREAIS Cevada, centeio, milho, arroz, trigo TRIGO Grão de trigo composto de várias camadas Endocarpo Pericarpo Maior exigência com a aparência

Leia mais

Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural

Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Evolução do Seguro Rural (PSR) PSR Evolução do Seguro Rural Subvencionado Número de Beneficiários (unidade) Número de Apólices (unidade) Área Segurada (milhões

Leia mais

Cereal Integral. Muito mais do que. fibras

Cereal Integral. Muito mais do que. fibras Cereal Integral Muito mais do que fibras O Guia Alimentar para a População Brasileira recomenda a ingestão de 6 porções de cereais ao dia para atingir as recomendações de carboidratos, dando preferência

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso superior de Tecnologia em alimentos ANA PAULA CARPESANI CEZAR

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso superior de Tecnologia em alimentos ANA PAULA CARPESANI CEZAR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Curso superior de Tecnologia em alimentos ANA PAULA CARPESANI CEZAR CONTROLE DE QUALIDADE EM FARINHA DE TRIGO BENEFICIAMENTO E CARA CTERIZAÇÃO

Leia mais

Processos Fermentativos

Processos Fermentativos CONCEITOS Reações químicas x Reações Bioquímicas Processos químicos: Realizado entre compostos químicos usando-se catalisadores químicos. Processos Enzimáticos: Transformação química realizada por catalisadores

Leia mais

ESTUDO DA ADIÇÃO DE FARINHA DE ARROZ E FARINHA DE AVEIA NA ACEITABILIDADE DE PÃO TIPO FORMA

ESTUDO DA ADIÇÃO DE FARINHA DE ARROZ E FARINHA DE AVEIA NA ACEITABILIDADE DE PÃO TIPO FORMA ESTUDO DA ADIÇÃO DE FARINHA DE ARROZ E FARINHA DE AVEIA NA ACEITABILIDADE DE PÃO TIPO FORMA Mariana Borges de Lima da Silva 1, Lara Rielli Dematei 2, Joelma Correia Beraldo 2 1.Prof. Msc. Setor de Agroindústria,

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

5.3. Insumos Agrícolas para a produção de trigo

5.3. Insumos Agrícolas para a produção de trigo 5.3. Insumos Agrícolas para a produção de trigo Nos últimos anos o setor de insumos agrícolas vem aumentando sua importância na economia nacional. O aumento da profissionalização e conscientização do produtor

Leia mais

Boletim do Complexo soja

Boletim do Complexo soja Boletim do Complexo soja 1. Grão: No mês de fevereiro houve um aumento no preço médio em quase todos os estados, com exceção de Santa Catarina. O estado que obteve a maior média foi o do Paraná R$ 57,31/sc,

Leia mais

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2014 MUNDO SAFRA 2014/15 Devido ao aumento das cotações nas últimas safras, principalmente na comparação com o milho, o cultivo da soja vem aumentando

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Curso de Tecnologia em Alimentos. Trabalho de conclusão de estágio

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Curso de Tecnologia em Alimentos. Trabalho de conclusão de estágio UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Alimentos Trabalho de conclusão de estágio ELABORAÇÃO DE BISCOITO SEM GLÚTEN A PARTIR DE SUBPRODUTOS DO ARROZ Bruna de Oliveira Mota Raquel

Leia mais

NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA

NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA Fernando Queiroz de Almeida Instituto de Veterinária Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro EQUINOS (Equus caballus) Herbívoros não-ruminantes Pastejadores Gramíneas, leguminosas

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/ CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/ TABELA DE PREÇOS DE MERCADO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO QUE SERVIRÁ COMO REFERÊNCIA PARA AS

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Introdução Para ter uma qualidade de vida favorável, com boa saúde e manter-se ativo, além dos cuidados diários com medicações, acompanhamento

Leia mais

Gerente de Levantamento e Avaliação de Safras Cleverton Tiago Carneiro de Santana

Gerente de Levantamento e Avaliação de Safras Cleverton Tiago Carneiro de Santana A cultura do arroz A cultura do arroz Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Kátia Abreu Presidente da Companhia Nacional de Abastecimento Lineu Olímpio

Leia mais

47 67 80 com açúcar. 55 79 80 sem açúcar. Bolo de chocolate 38 54 111. Bolo triturado 54 77 53. 42 60 111 feito com baunilha congelada

47 67 80 com açúcar. 55 79 80 sem açúcar. Bolo de chocolate 38 54 111. Bolo triturado 54 77 53. 42 60 111 feito com baunilha congelada Tabela 8.2 Índice glicêmico de bolos e muffins segundo Foster-Powell 7 Alimentos Índice glicêmico em Índice glicêmico Tamanho relação à glicose = em relação ao pão = da porção 100 100 (g/ml) Bolos Bolo

Leia mais

ARROZ PRETO: nova opção culinária para o Brasil

ARROZ PRETO: nova opção culinária para o Brasil 147 ISSN 1678-961X Santo Antônio de Goiás, GO Agosto, 2008 ARROZ PRETO: nova opção culinária para o Brasil Priscila Zaczuk Bassinello 1 Jacqueline Souza Garcia 2 Lorena Acelina Soares 3 Selma Nakamoto

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 84, de 13 de dezembro de 2004, DOU 17/12/04 Regulamento Técnico para Produtos de Cereais, Amidos, Farinhas e Farelos

CONSULTA PÚBLICA Nº 84, de 13 de dezembro de 2004, DOU 17/12/04 Regulamento Técnico para Produtos de Cereais, Amidos, Farinhas e Farelos CONSULTA PÚBLICA Nº 84, de 13 de dezembro de 2004, DOU 17/12/04 Regulamento Técnico para Produtos de Cereais, Amidos, Farinhas e Farelos ITEM Comentário Geral Art. 4º Revogam-se as disposições em contrário,

Leia mais

AÇAÍ FROOTY GUGA KUERTEN COM PROTEÍNAS E VITAMINA C

AÇAÍ FROOTY GUGA KUERTEN COM PROTEÍNAS E VITAMINA C 2 O AÇAÍ DO CAMPEÃO O comportamento dos brasileiros sofreu importantes mudanças nos últimos anos, influenciando de maneira direta o mercado de alimentos. Mais conectados às redes sociais, informações nutricionais

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia SUPRIMENTOS NA GASTRONOMIA TIPOS DE SUPRIMENTOS E A QUALIDADE DA. 2- Leguminosas, farináceos e cereais

Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia SUPRIMENTOS NA GASTRONOMIA TIPOS DE SUPRIMENTOS E A QUALIDADE DA. 2- Leguminosas, farináceos e cereais Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia SUPRIMENTOS NA GASTRONOMIA TIPOS DE SUPRIMENTOS E A QUALIDADE DA MATÉRIA - PRIMA 2- Leguminosas, farináceos e cereais SUPRIMENTOS NA GASTRONOMIA - - São sementes

Leia mais

O que tem no meu Lanche Escolar?

O que tem no meu Lanche Escolar? O que tem no meu Lanche Escolar? Bolo de CENOURA Caseiro -> farinha de trigo, cenoura, ovos, óleo, açúcar e fermento químico. Ingredientes FARINHA DE TRIGO ENRIQUECIDA COM FERRO E ÁCIDO FÓLICO, RECHEIO

Leia mais

AVEIA. As fibras também melhoram o trânsito intestinal, evitando constipação, e estão associadas à diminuição do risco de câncer de cólon.

AVEIA. As fibras também melhoram o trânsito intestinal, evitando constipação, e estão associadas à diminuição do risco de câncer de cólon. AVEIA Propriedades da Aveia: A aveia é um cereal rico em proteínas, ferro, magnésio, fósforo, zinco, manganês, vitamina B1 e vitamina B5, além de ser excelente fonte de fibras solúveis. Estudos mostram

Leia mais

CATÁLOGO. Aves COELHOS PORCOS BOVINOS OVINOS CAVALOS. SOL A 104: Pintos desde o 1º dia até 4 semanas de vida.

CATÁLOGO. Aves COELHOS PORCOS BOVINOS OVINOS CAVALOS. SOL A 104: Pintos desde o 1º dia até 4 semanas de vida. Aves SOL A 104: Pintos desde o 1º dia até 4 semanas de vida. SOL PINTEIROS: Pintos desde o 1º dia até 3 semanas de vida. COELHOS SOL A 115: Frangos desde as 4 semanas de vida até ao abate. SOL A 120: Galinhas

Leia mais

Bem Estar Social. O Sorgo na Alimentação Humana : Uma alternativa viável e nutritiva

Bem Estar Social. O Sorgo na Alimentação Humana : Uma alternativa viável e nutritiva 1 de 27 10/16/aaaa 11:07 Bem Estar Social O Sorgo na Alimentação Humana : Uma alternativa viável e nutritiva O Sorgo na Alimentação Nome Humana : uma alternativa viável e nutritiva Produto Folheto Data

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

Os Cereais na Dieta Mediterrânica Património Cultural

Os Cereais na Dieta Mediterrânica Património Cultural Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P. Os Cereais na Dieta Mediterrânica Património Cultural Carla Moita Brites Lisboa, 13 Dezembro 2013 CONTEXTO DIETA MEDITERRÂNICA Dieta é um

Leia mais

2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32

2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32 ........... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 15 UNIDADE 1: Aspectos gerais, produção, mercado etc. 1.1 Açúcares.... 19 1.2 Origem dos açúcares.... 20 1.3 Glicose e frutose.... 20 1.4 Sacarose.... 21 1.5 Açúcar

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA E SENSORIAL DA RAÇÃO HUMANA EM PARACATU-MG RESUMO

ANÁLISE QUÍMICA E SENSORIAL DA RAÇÃO HUMANA EM PARACATU-MG RESUMO ANÁLISE QUÍMICA E SENSORIAL DA RAÇÃO HUMANA EM PARACATU-MG Fernando César Silva Lage Keila Cristina Soares 2 Valdirene da Silva Elias Esper 3 Víctor Hugo Costa Neiva 4 RESUMO A análise de alimentos é uma

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Instrução Normativa n 45, de 17 de setembro de 2013. Publicação: D.O.U. do dia 20/09/13, Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul

Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul Luís Davi Vicensi Siqueira PPG Economia do Desenvolvimento PUCRS luis.davi@ibest.com.br Carlos Eduardo Lobo e Silva PPG Economia do Desenvolvimento PUCRS

Leia mais

Escaladas tarifárias representam barreiras ao comércio agrícola entre Brasil e União Europeia

Escaladas tarifárias representam barreiras ao comércio agrícola entre Brasil e União Europeia n. 4 - Jan/2015 Escaladas tarifárias representam barreiras ao comércio agrícola entre Brasil e União Europeia Com o intuito de aprofundar-se nas discussões acerca das tarifas de importação impostas pela

Leia mais

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO Dependência: MUNICIPIO DE GOIANIA - COMISSAO GERAL DE LICITACAO - (GO) Licitação: (Ano: 2014/ MUNICIPIO DE GOIANIA / Nº Processo: 54901071/13 e outros) Às 15:01:11 horas

Leia mais

Webinar O Nutricionista. Marcelo Hentz Ramos PhD / Diretor 3rlab. Publicado originalmente na revista Balde Branco

Webinar O Nutricionista. Marcelo Hentz Ramos PhD / Diretor 3rlab. Publicado originalmente na revista Balde Branco Webinar O Nutricionista Marcelo Hentz Ramos PhD / Diretor 3rlab Publicado originalmente na revista Balde Branco Foi realizado no dia 11 de março as 19:00 mais um Webinar. Desta vez o palestrante era o

Leia mais

A energia é a maior exigência nutricional dos animais e indispensável para a

A energia é a maior exigência nutricional dos animais e indispensável para a X'J'lI SC#H4Ha M &4t«daHte - ~ehtad6 de g'~ H4 Seca. HO4 Si4Ú#H44 1~ de p~ 72,, CONCENTRADOS PROTÉICO-ENERGÉTICOS MAIS UTILIZADOS NA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES PARA BOVINOS Sérgio Novita Esteves 1 I. Suplementos

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 22/2014

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 22/2014 Tipo de Julgamento: Menor Preço por Página 1 de 5 Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 75,00 KG AÇUCAR 2 3,00 UND AÇUCAR DE BAUNILHA PC/500G 3 0,80 Kg ALHO 4 9,00 PACT AMIDO DE MILHO

Leia mais

Teste de formulação de macarrão tipo talharim substituindo parcialmente a farinha de trigo por farinha de puba

Teste de formulação de macarrão tipo talharim substituindo parcialmente a farinha de trigo por farinha de puba Teste de formulação de macarrão tipo talharim substituindo parcialmente a farinha de trigo por farinha de puba Edmilson César da SILVA 1 ; Romilda Aparecida Bastos Monteiro ARAÚJO 2 1 Aluno do Curso Superior

Leia mais