FERNANDO HENRIQUE CARDOSO PAULO RENATO SOUZA LUCIANO OLIVA PATRÍCIO PEDRO PAULO POPPOVIC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERNANDO HENRIQUE CARDOSO PAULO RENATO SOUZA LUCIANO OLIVA PATRÍCIO PEDRO PAULO POPPOVIC"

Transcrição

1 1

2 Presidente da República Federativa do Brasil FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Ministro da Educação PAULO RENATO SOUZA Secretário-Executivo LUCIANO OLIVA PATRÍCIO Secretário de Educação a Distância PEDRO PAULO POPPOVIC ORGANIZAÇÃO, PRODUÇÃO, ARTE Estação Palavra 2 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

3 Preparação de ambientes informatizados nas escolas públicas EDUARDO MARTINS MORGADO Professor Doutor e Chefe do Departamento de Computação - DCo-Unesp-Bauru Consultor técnico do Proinfo Membro do Comitê Assessor de Apoio ao Proinfo da SEED/MEC MARCOS ANTONIO CAVENAGHI Professor Doutor do Departamento de Computação - DCo-Unesp - Bauru Coordenador do Laboratório de Redes do LDC/DCo NICOLAU REINHARD Professor Doutor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo Membro do Comitê Assessor de Apoio ao Proinfo do SEED/MEC Coordenador do Programa de Informática e Supervisor de Projetos da FIA/FEA-USP (Fundação Instituto de Administração/Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo SUMÁRIO 3

4 4 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

5 Informática para a mudança na Educação Atarefa de melhorar nosso sistema educacional, dinâmico e complexo, exige atuação em múltiplas dimensões e decisões fundamentadas, seguras e criativas. De um lado, há melhorias institucionais, que atingem instalações físicas e recursos materiais e humanos, tornando as escolas e organizações educacionais mais adequadas para o desempenho dos papéis que lhes cabem. De outro, há melhorias nas condições de atendimento às novas gerações, traduzidas por adequação nos currículos e nos recursos para seu desenvolvimento, num nível tal que provoquem ganhos substanciais na aprendizagem dos estudantes. O MEC tem priorizado, ao formular políticas para a educação, aquelas que agregam às melhorias institucionais o incremento na qualidade da formação do aluno. Este é o caso do Programa Nacional de Informática na Educação ProInfo. O ProInfo é um grande esforço desenvolvido pelo MEC, por meio da Secretaria de Educação a Distância, em parceria com governos estaduais e municipais, destinado a introduzir as tecnologias de informática e telecomunicações telemática na escola pública. Este Programa representa um marco de acesso às modernas tecnologias: em sua primeira etapa, instalará 105 mil microcomputadores em escolas e Núcleos de Tecnologia Educacional NTE, que são centros de excelência em capacitação de professores e técnicos, além de pontos de suporte técnico-pedagógico a escolas. A formação de professores, particularmente em serviço e continuada, tem sido uma das maiores preocupações da Secretaria de Educação a Distância, em três de seus principais programas, o ProInfo, a TV Escola e o PROFORMAÇÃO. Os produtos desta coleção destinam-se a ajudar os educadores a se apropriarem das novas tecnologias, tornando-os, assim, preparados para ajudarem aos estudantes a participar de transformações sociais que levem os seres humanos a uma vida de desenvolvimento autosustentável, fundada no uso ético dos avanços tecnológicos da humanidade. Pedro Paulo Poppovic Secretário de Educação a Distância 5

6 6 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

7 Sumário Introdução Propostas Definições gerais e terminologia 13 O microcomputador 14 O hardware 16 O software 18 Conceitos gerais de redes de computadores Preparação para receber os equipamentos 27 Sala informatizada 29 Rede elétrica 32 Cabeamento da rede local A entrega dos equipamentos O papel dos NTEs Assistência técnica Informações e recomendações gerais 43 Dicas para a utilização dos equipamentos 43 O que é um vírus de computador Alternativas para conexão com a Internet 51 A conexão 52 Os provedores de serviço Internet ISP Internet Service Provider 53 Alternativas para conexão da escola ao ISP 7

8 8 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

9 Introdução Oobjetivo desta cartilha é apresentar recomendações de caráter geral para a criação de um ambiente de trabalho favorável ao uso do microcomputador na Educação, orientar docentes e usuários dos laboratórios sobre a instalação e sobre os cuidados que se deve ter com os equipamentos e acessórios. Lembramos, porém, que as condições de instalação e utilização podem variar de um local para outro, uma vez que dependem do projeto pedagógico de cada escola. Portanto, todas as sugestões e recomendações deste trabalho devem ser consideradas como referência básica. Mesmo assim, é fundamental que os requisitos definidos para a instalação elétrica, disposição dos equipamentos, ambiente das salas, segurança etc. sejam rigorosamente observados. Caso contrário, os equipamentos podem ser precocemente danificados ou não apresentar o desempenho desejado. O Proinfo (Programa Nacional de Informática na Educação) espera que esta cartilha venha contribuir para facilitar a introdução dos equipamentos de microinformática ao seu principal público, que são os professores envolvidos no processo. 9

10 10 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

11 Propostas As ilustrações foram feitas pelo estudante de 2º grau Alexandre Lenharo Morgado, com o uso de recursos disponíveis no computador Épreciso ver a tecnologia como uma ferramenta efetiva e necessária, capaz de aumentar tanto a habilidade de comunicação como a capacidade de produção de nossos estudantes e corpo docente. A oportunidade de desenvolver competência tecnológica permitirá aos estudantes e ao corpo docente maximizar seu acesso à informação, além de ampliar a habilidade de resolver problemas e desenvolver a comunicação efetiva na era da informação. O uso do computador em uma escola pública será incorporado em toda instituição e utilizado em todas as disciplinas curriculares, dentro do que foi definido pelo projeto pedagógico de cada escola. A escola será integrada por rede, utilizando um software de comunicação. Com os computadores em um laboratório de informática, os alunos terão fácil acesso a essa tecnologia. Para dar suporte aos alunos, o corpo docente será capacitado a acompanhar os trabalhos dos estudantes e esclarecer possíveis dúvidas. Enfim, toda comunicação e disseminação da informação na forma escrita será efetuada eletronicamente por meio do uso do computador. Os estudantes utilizarão a tecnologia como uma ferramenta que será parte integrante de seu desenvolvimento acadêmico e pessoal, no momento atual e no futuro. Hoje em dia é incontestável a afirmação de que a microinformática proporciona agilidade e qualidade ao ambiente escolar, que o microcomputador vem enriquecer o ensino e somar-se aos meios mais sofisticados como a televisão e o vídeo, e aos meios mais simples como o quadro-negro, o livro e o mimeógrafo. O Proinfo nasceu para levar essa tecnologia para as escolas públicas brasileiras, com a finalidade de ajudar na elaboração de materiais de apoio ao trabalho do professor e ser um valioso recurso para o ensino das diversas disciplinas do currículo, seja em sala de aula, em um trabalho coletivo, seja na dinâmica do trabalho desenvolvido em laboratórios. Entretanto, para que a microinformática seja bem aproveitada pela comunidade escolar e cumpra adequadamente suas funções, o Proinfo verificou que é necessário não só promover instalações de boa qualidade, condições de manutenção e segurança dos equipamentos, como também estimular a capacitação dos professores e outros usuários, além de definir adequadamente as metas a serem atingidas. A necessidade de preparar o estudante para um ambiente de trabalho rico em tecnologia já é uma realidade. Assim como os empregados de uma grande empresa usam computadores para fazer seu trabalho, o estudante usará computadores para o seu aprendizado. As ferramentas serão incorporadas ao processo de aprendizado como meios efetivos para os estudantes alcançarem suas metas. A pesquisa, a análise de dados, a comunicação, a colaboração e a partilha de informações são exemplos de atividades normalmente desenvolvidas em empresas. O estudante pode desempenhar suas atividades de aprendizado com o uso dessas mesmas metodologias e, portanto, adquirir as habilidades funcionais e analíticas necessárias para uma sociedade de alta tecnologia. Com a tecnologia, o estudante poderá produzir seu trabalho mais rapidamente e ter a oportunidade de assimilar mais conhecimento em um mesmo espaço de tempo. A qualidade de sua produção aumentará e atingirá um nível aceitável. Por exemplo, cada vez mais as apresentações são feitas via computador e integram elementos de multimídia. O estudante deve desenvolver as habilidades para ser bem-sucedido neste novo mundo. Conforme novas ferramentas forem disponibilizadas e aumentarem as alternativas, o desempenho do estudante poderá melhorar proporcionalmente. 11

12 12 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

13 Definições gerais e terminologia Nesta seção apresentaremos as principais definições relacionadas com os equipamentos recebidos pelas escolas no programa Proinfo. É necessário dizer que todas as figuras apresentadas neste documento são ilustrativas e servem apenas para diferenciar um equipamento de outro. O MICROCOMPUTADOR 1 ROM (Read Only Memory Memória Apenas de Leitura) é um tipo de memória que foi prégravada e cujo conteúdo não pode ser apagado. RAM (Random Access Memory Memória de Acesso Aleatório) é outro tipo de memória cuja informação pode ser gravada e apagada de seu interior. Os computadores possuem quatro áreas principais: os dispositivos de entrada de dados, a unidade central de processamento (CPU), os meios auxiliares de armazenagem e os dispositivos de saída de dados. Os dispositivos de entrada incluem os teclados, os scanners e as unidades de disco (HD e CD-ROM). O processador contém os circuitos eletrônicos que ordenam e processam dados. Os meios auxiliares de armazenagem abrangem as unidades de discos flexíveis, os discos rígidos, os CD-ROMs e os cartuchos magnéticos. Os dispositivos de saída incluem os monitores e as impressoras. Cada disco é dividido em uma série de trilhas magnéticas concêntricas, em que os dados podem ser gravados. Cada trilha magnética é subdividida em setores. O espaço disponível é alocado com base em setores inteiros. Normalmente, um setor tem 512 bytes de comprimento. O setor é a menor unidade de armazenagem que pode ser alocada para um arquivo. Na prática, porém, normalmente os dispositivos de armazenagem em disco usam de dois a oito setores para formar um cluster, que é usado como unidade mínima de armazenagem. Portanto, um arquivo pequeno, com apenas 400 bytes, pode ocupar até oito setores de espaço de armazenagem (4.906 bytes). O espaço restante entre o marcador, que indica o final do arquivo, e os bytes não utilizados no final do cluster é chamado normalmente de slack space (espaço ocioso). Quando o usuário armazena um arquivo grande, o Windows utiliza o menor número possível de clusters para armazenar todos os dados do arquivo. Muitas vezes esses clusters não são contíguos, o que faz com que o arquivo passe a ocupar clusters espalhados por todo o disco. Por essa razão, o Windows utiliza uma tabela de alocação de arquivos (FAT, file allocation table) para manter o controle dos clusters que estão sendo utilizados pelos arquivos. O primeiro setor da trilha 0 é um setor especial, chamado setor de boot. Esse setor contém, entre outras coisas, informações sobre as dimensões físicas do disco e dimensões lógicas da estrutura do Windows. Os discos rígidos também armazenam informações adicionais no setor de boot, em uma área conhecida como tabela de particionamento. Essa tabela descreve as dimensões do disco, o número de partições e o tamanho de cada uma delas. A tabela de particionamento e o setor de boot de um disco rígido são conhecidos como registro-mestre de boot. Imediatamente após o setor de boot vem a tabela de alocação de arquivos, que é seguida pelo diretórioraiz. O diretório-raiz é uma tabela que descreve todos os arquivos e subdiretórios existentes no disco. Hardware é o conjunto de componentes físicos do microcomputador, formado pelos periféricos de entrada de dados teclado, mouse e scanner; pelas unidades (drivers) de disquete ou CD-ROM; pela CPU (Central Processing Unit Unidade Central de Processamento), onde os dados são processados; pelas memórias RAM e ROM 1 ; (onde os dados são armazenados durante seu processamento); pelas unidades de 13

14 discos HD (Hard Disk); e pelos periféricos de saída de dados monitor de vídeo e impressoras. Software Básico é o que se chama usualmente de programa de computador. É um conjunto de instruções necessárias para que o microcomputador possa realizar suas tarefas básicas, como ligar, disponibilizar o acesso aos seus dados, gravar e recuperar informações, entre outras. Software Aplicativo é um conjunto de instruções com a finalidade de executar uma ação específica, como permitir o processamento de textos, de planilhas automatizadas de cálculo, de executar um arquivo de som ou de imagem etc. Mas para que as tarefas sejam efetivamente realizadas, o microcomputador depende ainda de um elemento fundamental: o usuário. É ele quem toma as decisões necessárias ao bom funcionamento do hardware e do software. Por ser imprescindível e completamente integrado ao microcomputador, o usuário é também conhecido por peopleware. Figura 1: Microcomputador característico O HARDWARE As características básicas que devem ser observadas nos equipamentos fornecidos pelo Proinfo e que serão utilizados e manuseados dentro das escolas são: Sua capacidade de armazenar dados, que é medida em bytes (lê-se baites); portanto um hardware que tenha capacidade de armazenamento de bytes (500 MB Megabytes) é inferior a outro com capacidade de bytes (1 GB Gigabytes); Sua capacidade de processamento de dados, que se resume em capacidade de manipular os dados e gerar novas informações. Essa capacidade é medida em MHz (Megahertz); portanto um micro de 166 MHz será mais lento no processamento de informações do que um micro de 266 MHz; Sua capacidade de memória de processamento (memória RAM), que é utilizada nas operações de processamento de dados. Em princípio, quanto maior a capacidade de memória de um micro, melhor será sua performance ao processar dados. Essa memória é medida em megabytes (ex.: 16 MB, 32 MB etc.). O usuário deve observar o equilíbrio entre o microprocessador, o disco rígido e a memória. Não adianta escolher um computador com um microprocessador potente sem levar em conta a capacidade de armazenamento do disco rígido e a capacidade de memória RAM. Esses três fatores estão intimamente relacionados e determinam o desempenho do computador. As configurações médias dos micros fornecidos pelo Proinfo são: CPU Microprocessador Intel Pentium ou AMD K6 de 266 MHz interno ao gabinete. Normalmente a CPU é confundida com todos os componentes de hardware internos ao gabinete do computador como na figura ao lado. Na realidade, é na CPU que todos os cálculos necessários à execução de uma tarefa são realizados. Portanto, ela pode ser comparada ao cérebro de um computador. Figura 2: CPU característica 14 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

15 Memória RAM 32 MB de capacidade. A memória RAM de um computador é responsável pelo armazenamento de todas as informações intermediárias necessárias à CPU para realização de uma tarefa. Geralmente, todas as informações de como a CPU deve proceder para executar uma tarefa (tais informações são conhecidas por programa de computador) são armazenadas na memória RAM. Unidade de disco flexível 3,5 1,44 MB de capacidade. Uma unidade de disco flexível serve para que o usuário possa armazenar e transportar seus arquivos de um computador para outro, mesmo que não estejam conectados entre si. A unidade de disco flexível usa o que chamamos de disquete para gravar as informações. Este disquete pode então ser transportado pelo usuário e lido por outra unidade de disco flexível em um outro computador. Assim, o usuário tem muita mobilidade para transportar seus arquivos entre computadores distintos. Unidade de disco rígido 2.1 GB de capacidade. Cada computador possui, além da unidade de disco flexível, uma unidade de disco rígido. Essa unidade é responsável pelo armazenamento de todos os softwares aplicativos e básicos disponíveis no computador. Além disso, a unidade armazena também arquivos pessoais de todos os usuários daquele computador onde a unidade está instalada. Placa de rede Placa padrão NE2000, utilizada para conectar o microcomputador ao cabeamento da rede local, que permite a comunicação entre micros. Figura 3: Placa de rede Unidade de CD-ROM leitora de CD-ROM 5,25 de quádrupla velocidade (4x). Hoje em dia, a unidade de CD-ROM é muito utilizada tanto para armazenamento de software aplicativo ou básico como para armazenamento de enciclopédias e livros. A utilização dessa unidade permitirá ao usuário instalar softwares distribuídos em CD- ROM ou mesmo ouvir música com qualidade digital, já que a unidade permite também o uso de CD s de música convencionais. Figura 4: Unidade de CD-ROM Teclado Mínimo de 101 teclas, atendendo ao padrão ABNT II (idioma português). O teclado é utilizado para que o usuário acesse o computador. É por meio dele que são digitados textos e também programas de computador. Pode-se dizer que ele é a interface por onde o usuário se comunica com o computador. DEFINIÇÕES GERAIS E TERMINOLOGIA 15

16 Monitor Padrão SVGA-Color de 15 com resolução de imagem até 1024x768 pixels e ponto (dot pitch) 0,28 mm. O monitor de vídeo permite ao usuário visualizar um texto ou figura sem ter de imprimi-lo em uma impressora. Em jargão de informática também se usa o termo tela. Scanner Com resolução de 600 x 600 dpi, é o equipamento utilizado para a captura (ou digitalização) de imagens ou textos. Figura 5: Scanner de mesa Figura 7: Impressora jato de tinta Fax modem interno, com bps (bits por segundo) de capacidade, para envio de fax e/ou comunicação entre micros. Impressora jato de tinta com resolução de 600 x 300 dpi (pontos por polegada); Impressora laser Com resolução de 600 x 300 dpi (pontos por polegada). Figura 6: Unidade de fax modem Figura 8: Impressora laser O SOFTWARE Um microcomputador precisa de software para funcionar. A relação entre o software e o hardware pode ser comparada, guardadas as devidas proporções, à relação existente entre um disco de música e o toca-discos. O software seria o conteúdo do disco, que usa a máquina (hardware) para produzir sons. Podemos categorizar os softwares em Básicos e Aplicativos os Básicos são aqueles responsáveis pela operação e funcionamento dos micros; os Aplicativos são aqueles utilizados (de fato) por usuários, como os processadores de texto e planilhas. Os softwares, quando instalados nos microcomputadores, ocupam espaço de armazenamento no disco rígido. Por isso, temos de tomar cuidado quando instalamos muitos softwares em um mesmo equipamento, pois isso pode comprometer o funcionamento dos outros softwares ou da própria máquina, por falta de espaço para operacionalizar suas instruções. Os usuários devem planejar a instalação dos softwares. Apenas os softwares de uso constante pela maioria dos usuários devem ser instalados em todos os equipamentos. O processador de texto, por exemplo, é comumente utilizado por todos. Já os softwares de uso restrito a algumas pessoas devem ser instalados em apenas um dos microcomputadores. 16 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

17 Os softwares encaminhados juntamente com os equipamentos do Proinfo para as atividades pedagógicas são: Windows 95/98 O Windows é um ambiente de trabalho gráfico de fácil manuseio. Uma das grandes vantagens do universo gerado pelo software Windows é que todos os softwares aplicativos desenvolvidos para funcionar nesse ambiente possuem os mesmos comandos básicos de navegação e operacionalização. O Windows tem esse nome por disponibilizar as informações para os usuários finais através de janelas de visualização, permitindo compartilhar informações entre os diversos aplicativos. Os usuários podem transportar informações de um aplicativo para outro, alternando a ação entre as janelas. O Proinfo está disponibilizando nos microcomputadores entregues às escolas dois tipos de sistema Windows: o Windows NT e o Windows 95/98. O Windows NT é um sistema operacional de rede local dotado de recursos de gerenciamento e proteção. Ele é usado apenas nos microcomputadores chamados Servidores de Rede. Esses servidores são usados para funções de gerenciamento do ambiente informatizado da escola e também para possibilitar o acesso à Internet. Já o Windows 95/98 é o sistema operacional dos microcomputadores, chamados Estações de Trabalho. As Estações de Trabalho são os microcomputadores usados pelos alunos e professores para realizar trabalhos, como editar textos e desenvolver apresentações multimídia. Microsoft Office O Microsoft Office é um conjunto de softwares aplicativos integrados: o processador de texto Word, a planilha eletrônica de cálculos Excel, o banco de dados Access e o software de apresentação PowerPoint compõem este conjunto. 1. Word: o Word terá grande utilidade para professores de todas as áreas, uma vez que possibilita a editoração eletrônica, ou seja, a preparação e montagem, no computador, de folhetos, catálogos, apostilas, revistas, manuais, jornais e livros completos. Apresenta recursos para organizar e diagramar páginas, integrando textos, ilustrações e imagens que foram gerados em outros programas. Poderá fazer os jornais da escola ou da classe, por exemplo, que são úteis para socializar informações, incentivar o trabalho em grupo; e o próprio uso do microcomputador pode ser elaborado com a ajuda desse software. 2. Excel: o Excel é um software de planilhas eletrônicas um recurso para cálculos, fórmulas e gráficos. Com ele, o professor poderá desenvolver diversas atividades com os alunos. Em uma planilha, um professor pode lançar as notas de todas as provas e atividades desenvolvidas por seus alunos e facilmente calcular a média final de cada aluno. 3. PowerPoint: o PowerPoint é um software de apresentação e poderá ser usado pelos professores para a montagem de exposições gráficas de diversos assuntos, que utilizam o micro como forma de apresentação das informações. 4. Access: o Access é um gerenciador de banco de dados e poderá ser usado para a criação de bancos de dados. Por exemplo, para organizar o acervo da biblioteca da escola. DEFINIÇÕES GERAIS E TERMINOLOGIA 17

18 Por formarem um pacote integrado, esses aplicativos podem ser usados simultaneamente e suas informações podem ser transportadas de um aplicativo para outro. O usuário poderá, por exemplo, criar um gráfico referente às informações de uma planilha Excel e posteriormente transportá-lo para o processador de textos Word, a fim de ilustrar um texto que estiver sendo digitado. Esse pacote contém ainda um software de correio eletrônico ( ), destinado ao envio e ao recebimento de mensagens entre usuários da rede Proinfo de Informática na Educação. Antivírus Primeiramente, vamos entender o que é um vírus de computador. Um vírus é, na verdade, um software aplicativo desenvolvido para bagunçar sua máquina ou mesmo para apagar tudo o que ela possui. A forma mais comum de propagação dos vírus de computador é pela cópia de informações de um micro para outro, por meio de disquetes ou . A instalação e a utilização de software antivírus é essencial para prevenir a entrada ou remover do computador os vírus já existentes. Novos programas de vírus são constantemente criados, por isso o usuário deve manter versões atualizadas do antivírus. Software de comunicação (ambiente de rede) Os softwares de comunicação são responsáveis pela comunicação de um microcomputador para outro, por meio do uso de uma linha telefônica conectada a um modem ou pela comunicação de vários micros em um laboratório, que possibilitam, assim, a integração e troca de experiências e informações entre todos os usuários. Com esse software é possível acessar a Internet e, por exemplo, trocar experiências entre escolas, informações administrativas entre Delegacias de Ensino ou consultar uma biblioteca em qualquer parte do Brasil ou em outro país. Outras categorias Existem diversas categorias de softwares aplicativos no mercado que podem ser utilizados com finalidades pedagógicas. Mas os que mais nos interessam são os classificados como softwares educacionais ou softwares de autoria. Os primeiros são produzidos com a intenção de facilitar o aprendizado das diversas disciplinas que utilizam o micro como meio de disseminação. Os softwares de autoria são utilizados para a montagem dos treinamentos automatizados que irão gerar os softwares educacionais. Para cada disciplina, há um bom número de softwares educacionais disponíveis no mercado, elaborados de forma a incentivar a participação do aluno no processo de construção de seu conhecimento. CONCEITOS GERAIS DE REDES DE COMPUTADORES Nesta seção serão apresentados os principais conceitos em redes de computadores. Como o assunto é extenso, serão apresentados apenas os conceitos mais relacionados com o nosso ambiente escolar. O que é uma rede de computadores (LAN, MAN e WAN) Uma rede de computadores é formada por um conjunto de estações de trabalho capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sistema de comunicação, como mostra a figura PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

19 O sistema de comunicação é constituído por enlaces físicos (meios de transmissão) e de um conjunto de regras com a finalidade de organizar a comunicação (protocolos). Redes locais (Local Area Network LAN) surgiram dos ambientes de institutos de pesquisa e universidades. Mudanças no enfoque dos sistemas de computação que ocorreram durante a década de 70 levaram em direção à distribuição do poder computacional. O desenvolvimento de microcomputadores permitiu a instalação de considerável poder computacional em várias unidades de uma organização, ao invés da anterior concentração em uma determinada área. Redes locais surgiram, assim, para viabilizar a troca e o compartilhamento de informações e dispositivos periféricos (recursos de hardware e software), que preservaram a independência das várias estações de processamento e permitiram a integração em ambientes de trabalho cooperativo. Pode-se caracterizar uma rede local como uma rede que permite a interconexão de equipamentos de comunicação de dados em uma pequena região. Mas tal definição é bastante vaga principalmente no que diz respeito às distâncias envolvidas. Em geral, nos dias de hoje costuma-se considerar pequena região as distâncias entre 100 metros e 25 quilômetros, muito embora as limitações associadas às técnicas utilizadas em redes locais não imponham limites a essas distâncias. Sistema de comunicação Figura 9: Esquema de uma rede de computadores Outras características típicas encontradas e comumente associadas a redes locais são: altas taxas de transmissão (de 0,1 a 100 Mbps megabits por segundo) e baixas taxas de erro (de 10-8 a ). É importante notar que os termos pequena região, altas taxas de transmissão ou baixas taxas de erro são suscetíveis à evolução tecnológica. Os valores que associamos a esses termos estão ligados à tecnologia atual e certamente não serão mais os mesmos dentro de poucos anos. Outra característica dessas redes é que são, em geral, de propriedade privada. Quando a distância de ligação entre os vários módulos processadores começa a atingir distâncias metropolitanas, não chamamos mais esses sistemas de redes locais, mas de redes metropolitanas (Metropolitan Area Network MAN). Uma rede metropolitana apresenta características semelhantes às das redes locais, sendo que as MANs, em geral, cobrem distâncias maiores do que as LANs. Redes geograficamente distribuídas (Wide Area Network WAN) surgiram da necessidade de se compartilhar recursos especializados com uma comunidade maior de usuários geograficamente dispersos. Por terem um custo de comunicação bastante elevado, tais redes são em geral públicas, isto é, o sistema de comunicação é construído, mantido e gerenciado por grandes operadoras (públicas ou privadas). Topologias de redes de computadores No item anterior, a estrutura geral de uma rede de computadores foi apresentada como formada por um conjunto de estações de trabalho e por um sistema de comunicação. O sistema de comuni- DEFINIÇÕES GERAIS E TERMINOLOGIA 19

20 cação vai se constituir de um arranjo topológico que interliga os vários módulos processadores através de enlaces físicos (meios de transmissão) e de um conjunto de regras com a finalidade de organizar a comunicação (protocolos). Uma das questões vitais na montagem de qualquer rede de computador é a escolha do arranjo topológico (desenho) a ser utilizado. Essa escolha dependerá naturalmente do tipo de rede (LAN, MAN ou WAN) a ser implementada. Portanto, a topologia de uma rede de computadores refere-se à forma como os enlaces físicos e os módulos de processamento estão organizados e determinaram os caminhos físicos existentes e utilizáveis entre quaisquer pares de módulos conectados a essa rede. Ao organizar os enlaces físicos em um sistema de comunicação confrontamo-nos com diversas formas de utilização das linhas de transmissão. Primeiramente, as ligações podem ser de dois tipos: ponto a ponto ou multiponto (figura 10). Ligações ponto a ponto caracterizam-se pela presença de apenas dois pontos de comunicação, um em cada extremidade da ligação em questão. Nas ligações multiponto, observa-se a presença de três ou mais dispositivos de comunicação com possibilidade de utilização do mesmo enlace. Ponto a ponto Multiponto Figura 10: Tipos de ligação A forma de utilização do meio físico que conecta estações dá origem à seguinte classificação sobre comunicação no enlace: Simplex: o enlace é utilizado apenas em um dos dois possíveis sentidos de transmissão; Half-duplex: o enlace é utilizado nos dois possíveis sentidos de transmissão, porém apenas um por vez; Full-duplex: o enlace é utilizado nos dois possíveis sentidos de transmissão simultaneamente. A implementação de comunicação Full-duplex pode ser feita com a utilização de dois pares de fios, que possibilitam a comunicação em dois sentidos simultaneamente. Simplex Half-duplex Full-duplex Figura 11: Comunicação simplex, half-duplex e full-duplex Redes geograficamente distribuídas Uma primeira tentativa bastante intuitiva para conexão de computadores em rede seria em uma topologia totalmente ligada. Nessa topologia, todas as estações estão interligadas duas a duas por meio 20 PREPARAÇÃO DE AMBIENTES INFORMATIZADOS

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO:

I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO: I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO: Os dispositivos de comunicação com o usuário explicados a seguir servem para dar entrada nos dados, obter os resultados e interagir com os programas do computador.

Leia mais

CARTILHA: Recomendações para a Montagem de Laboratório de Informática nas Escolas

CARTILHA: Recomendações para a Montagem de Laboratório de Informática nas Escolas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação a Distância SEED Programa Nacional de Informática na Educação ProInfo CARTILHA: Recomendações para a Montagem de Laboratório de Informática nas Escolas

Leia mais

15/08/2013 DIREITO DA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

15/08/2013 DIREITO DA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA DIREITO DA INFORMÁTICA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1 CONCEITOS BÁSICOS Informática infor + mática. É o tratamento da informação de forma automática Dado

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas

Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas CARTILHA Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação a Distância SEED Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede:

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede: Tipos de rede: Estritamente falando, uma rede local ou LAN (Local Area Network) é um grupo de computadores que estão conectados entre si dentro de uma certa área. As LANs variam grandemente em tamanho.

Leia mais

CARTILHA PROINFO. Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas. Proinfo. Ministério da Educação

CARTILHA PROINFO. Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas. Proinfo. Ministério da Educação CARTILHA PROINFO Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas Proinfo Ministério da Educação ÍNDICE Pré-Requisitos 3 Aterramento 5 Instalação Elétrica 7 Recomendações

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz

Prof. Esp. Lucas Cruz Prof. Esp. Lucas Cruz O hardware é qualquer tipo de equipamento eletrônico utilizado para processar dados e informações e tem como função principal receber dados de entrada, processar dados de um usuário

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Introdução a Informática

Introdução a Informática Inclusão Projeto Digital do Jovem Agricultor Introdução a Informática Projeto 1/18 Inclusão Projeto Digital do Jovem Agricultor Conteúdo Programático Introdução; História do computador; Hardware, Software

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

GEEK BRASIL http://www.geekbrasil.com.br

GEEK BRASIL http://www.geekbrasil.com.br INTRODUÇÃO Esta apostila tem como objetivo servir de base para os estudos aqui ministrados sobre a matéria específica de FUNCIONAMENTO INTERNO DE COMPUTADORES, e apresenta os principais assuntos a serem

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Administração A palavra administração vem do latim

Leia mais

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

Informática. Tipos de Computadores CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS

Informática. Tipos de Computadores CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS A Informática não é um bicho de sete cabeças. Ou é até que conheçamos e desvendemos este bicho. Tudo o que é desconhecido para nós sempre nos parece algo difícil

Leia mais

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira MANUTENÇÃO DE MICRO Mário Gomes de Oliveira 1 IRQ Pedido de atenção e de serviço feito à CPU, para notificar a CPU sobre a necessidade de tempo de processamento. 2 IRQ (Interrupt Request line ou Linha

Leia mais

www.proinfocamamu.com.br

www.proinfocamamu.com.br www.proinfocamamu.com.br Prof. Miquéias Reale - www.proinfocamamu.com.br Professor: Miquéias Reale Diretor de Tecnologia da Reale Tech Telefone: (75) 3641-0056 / 8838-1300 E-mail: miqueias@realetech.com.br

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Apostila 1 Introdução à Informática

Apostila 1 Introdução à Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS INCONFIDENTES Apostila 1 Introdução à Informática Projeto INCLUDJA Inconfidentes Março de 2011 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 -INTRODUÇÃO...2

Leia mais

O Computador e seus Componentes Referência: Aula 2

O Computador e seus Componentes Referência: Aula 2 INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO CMP 1060 Conceitos Básicos B sobre Informática O Computador e seus Componentes Referência: Aula 2 CONCEITOS BÁSICOS B : Informática - infor + mática. É o tratamento da informação

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar.

O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar. 1 O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar. Tópicos: 2 Números Binários Unidades de Medida de Informação Arquitetura Básica Hardware Software Periféricos de Entrada Periféricos de saída

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aulas: 01 e 02/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Lista de Exercícios Introdução à Informática

Lista de Exercícios Introdução à Informática Lista de Exercícios Introdução à Informática Histórico e Evolução da Computação 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores de 1ª geração. 2. O que diferencia os computadores

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Principais Componentes Barramentos Placa Mãe Processadores Armazenamento

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Conceito, características e classificação das Redes de Computadores; Topologias; Meios físicos de transmissão; Equipamentos de Rede; Segurança;

Leia mais

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios.

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Aplicativos Informatizados da Administração Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Habilidades, Competências e Bases Tecnológicas Bases tecnológicas: Fundamentos de equipamentos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA COMPUTADOR QUANTO AO TIPO COMPUTADOR SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO o Analógico o Digital o Híbrido o Hardware (parte física)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado

ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA BRASIL ASSISTÊNCIA S.A., CNPJ: 68.181.221/0001-47 ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO Ao necessitar de algum

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI.

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. *Definição *Contexto Atual *Meios de Transmissão *Equipamentos de Comunicação *Arquiteturas de Redes *Tecnologias de LAN s *Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-Correio Telégrafo (século XIX)

Leia mais

SISTEMAS INFORMÁTICOS

SISTEMAS INFORMÁTICOS SISTEMAS INFORMÁTICOS Nesta apresentação, aprenderá a distinguir Hardware de software, identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções. Hardware e Software Estrutura de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas Definir: Identificar as diferentes Topologias Objetivos: Descrever Vantagens/Desvantagens Topologia Adequada A topologia impacta sobre: Tipo de equipamentos utilizados A capacidade de cada equipamento

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA. Prof. Rafael Zimmermann

INFORMÁTICA BÁSICA. Prof. Rafael Zimmermann INFORMÁTICA BÁSICA Prof. Rafael Zimmermann 1. INFORMÁTICA É a ciência que estuda o processamento de informações. Nasceu da necessidade do homem processar informações cada vez mais complexas e com maior

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução à tecnologia de redes Redes de Computadores Século XX - Era da Informação -> invenção do computador. No início, os

Leia mais

CURSO ALUNO TÉCNICO. Um pouco mais sobre redes

CURSO ALUNO TÉCNICO. Um pouco mais sobre redes GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SUBGERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA ED. BÁSICA E PROFISSIONAL PROGRAMA DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Conceitos básicos de informática O que é informática? Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA Curso: Redes de Computadores Módulo 2 - Conceitos e Fundamentos Evolução das Redes d LAN, MAN e WAN Material de Apoio 2011 / sem2 Prof. Luiz Shigueru Seo CONCEITOS e FUNDAMENTOS

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

Conceitos básicos sobre TIC

Conceitos básicos sobre TIC Conceitos básicos sobre TIC Origem da palavra Informática Informação + Automática Informática Significado: Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Formação Modular Certificada. Arquitetura interna do computador. Hardware e Software UFCD - 0769. Joaquim Frias

Formação Modular Certificada. Arquitetura interna do computador. Hardware e Software UFCD - 0769. Joaquim Frias Formação Modular Certificada Arquitetura interna do computador Hardware e Software UFCD - 0769 Joaquim Frias Computador É um conjunto de dispositivos eletrónicos capaz de aceitar dados e instruções, executa

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7 ÍNDICES OBJETIVOS 1 JUSTIFICATIVAS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 SEGURANÇA - INTERNET 1 SISTEMA OPERACIONAL 2 PROTOCOLO TCP/IP 2 INTRANET 2 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 ESTAÇÕES 2 MICROS 3 IMPRESSORAS 3 PLANTA

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática

Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática Disciplina: Informática. Professor: Denis Henrique Caixeta. Valor: 4 pontos Visto no caderno 1) Quais são as características dos primeiros computadores?

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento MÓDULO II Memórias e Processamento Esse módulo irá relatar sobre as memórias seus tipos e a ligação com os tipos variados de processamento. Leia atentamente todo o conteúdo e participe dos fóruns de discursão,

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

Patrícia Noll de Mattos. Introdução à Informática

Patrícia Noll de Mattos. Introdução à Informática Patrícia Noll de Mattos Introdução à Informática 2010 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Microinformática. Perguntas:

Microinformática. Perguntas: Microinformática UNICERP Disciplina: Informática Prof. Denis Henrique Caixeta Perguntas: Como foi a evolução da computação? Qual a função do computador? O que é Hardware? O que é Software? BIT, Byte, etc

Leia mais

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Trabalho Realizado Por: Igor_Saraiva nº 7 Com

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Computadores: Ferramentas para a Era da Informação Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Componentes de um Sistema

Leia mais

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Hardware André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Gerações de hardware Tipos de computadores Partes do Microcomputador Periféricos Armazenamento de

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

Informática. Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br

Informática. Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Informática Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Roteiro de Aula Introdução Computador Hardware, Software básico, Software Aplicativo Hardwares

Leia mais

02. A extensão padrão para arquivos de áudio digital no ambiente Windows é:

02. A extensão padrão para arquivos de áudio digital no ambiente Windows é: Prova sobre informática para concursos. 01 A definição de Microcomputador é: a) Equipamento com grade capacidade de memória principal (256 Megabytes), vários processadores, alta velocidade de processamento.

Leia mais

Sendo só para o momento, aproveito a oportunidade para renovar-lhe protestos de estima e consideração.

Sendo só para o momento, aproveito a oportunidade para renovar-lhe protestos de estima e consideração. Ofício Circular n.º 15/98 - AI São Paulo, 16 de junho de 1998. Prezado(a) Senhor (a) Devido às constantes evoluções na tecnologia de recursos de informática, o parque de equipamentos de informática da

Leia mais

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B 1 2 MODULO II - HARDWARE AULA 01 OBiteoByte Byte 3 Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. 4 Aplicações: Byte 1

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware)

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Curso Conexão Noções de Informática Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Agenda ; Arquitetura do Computador; ; ; Dispositivos de Entrada e Saída; Tipos de Barramentos; Unidades de Medidas. Email:

Leia mais